Dr. FABRÍCIO DIAS ASSIS
 Corrente elétrica alternada de alta frequência
(500-1.000 KHz)
 Aplicada através de um eletrodo
 Corrente é produzida ...
PLACA DE ATERRAMENTO
ELETRODO
GERADOR
 1965 - Cordotomia lateral percutânea - Mullan
 1975 - Dor espinhal - Shealy
 1980 - Novos eletrodos - Sluijter-Meta
 ...
Região distal da agulha que não é
revestida. Varia entre 2 e 15 mm.
Atua como resistor.
Resistores são componentes que têm por finalidade
oferecer uma oposição à passagem de corrente elétric...
 A corrente de RF aquece o tecido; o tecido
aquece a ponta do eletrodo
 O tamanho da lesão depende:
 tamanho do eletrod...
 Aplicar corrente de RF em uma voltagem
comumente utilizada durante a RF
convencional
 Permitir um período silente para ...
 Método não ablativo
 Possibilidade de uso em estruturas com
funções não exclusivas sensitivas.
 Restaura o limiar sens...
37˚C
40˚C
45˚C
60˚C
55˚C
50˚C
67˚C
|E|=2,750 V/m
|E|=17,000 V/m
|E|=8,940 V/m
|E|=55,300 V/m
CORTESIA COSMAN&COSMAN, MIT
 Movimentos de íons alternados
 Influência nos canais voltagem-
dependentes
 Mudanças na composição eletrolítica
 Expr...
 Higuchi et al; van Zundert et al
◦ Rat DRG
 Transsynaptal induction
 Cahana et al
◦ Mice hippocampus slice cultures
 ...
Damage Score
L C-fiber
1- 1+ 2+ 3+
10
0
Group/Fiber Types
A-beta
80
70
60
50
40
30
20
10
0
A-delta C-fiber A-beta A-delta ...
RF CONVENCIONAL RF PULSÁTIL
 DEGENERAÇÃO
WALERIANA DAS
FIBRAS NERVOSAS
 PROCEDIMENTO
NEUROLÍTICO
NEUROABLATIVO
 NÃO HÁ ...
0
1
2
3
38 39 40 41 42 43
final tip temperature
result(Likertscale)
RESULTS VS TIP TEMPERATURE
TIP TEMPERATURE IS IRRELEVA...
-0,5
0
0,5
1
1,5
2
2,5
3
3,5
0 200 400 600 800 1000
IMPEDANCE (OHMS)
RESULT(LIKERTSCALE)
P<.05
Calor
Campo Eletro-
Magnético
Calor Campo Eletro - Magnético
 NERVO SUPRA-ESCAPULAR
 NERVO MEDIANO
 NERVO OCCIPITAL
 NERVO OBTURADOR
 NERVO ÍLIO-INGUINAL / ÍLIO-HIPOGÁSTRICO
 NE...
 Shah RV, Racz GB. Pulsed radiofrequency lesioning of the suprascapular nerve for
the treatment of chronic shoulder pain....
 ORIGINA-SE DOS TRONCOS
SUPERIORES DO PLEXO
BRAQUIAL (C5 & C6)
 CORRE LATERALMENTE
PROFUNDO AO TRAPÉZIO E
OMOHIÓIDEO
 E...
 FOSSA
SUPRAESPINHOSA
Ao Supraespinhoso
Ramos articulares para o
ombro
 FOSSA
INFRAESPINHOSA
 Ao Infraespinhoso
Ramo...
DORES ORIGINADAS
NAS ARTICULAÇÕES
DO OMBRO
 TRACE UMA LINHA AO
LONGO DA BORDA
SUPERIOR DA ESPINHA
ESCÁPULA, DE SUA BORDA
MEDIAL ATÉ A
ARTICULAÇÃO AC
 MARQUE O PONT...
 PNEUMOTÓRAX
 LESÃO DOS
VASOS SUPRA-
ESCAPULARES
O NERVO OCCIPITAL
MAIOR É FORMADO
PELO RAMO MEDIAL
DA DIVISÃO
POSTERIOR DA RAIZ
DE C2
O NERVO OCCIPITAL
MENOR É FORMADO
PELO RAMO MEDIAL
DA DIVISÃO
POSTERIOR DA RAIZ
DE C3
ENTRAR COM A AGULHA
PERPENDICULAR AOS PLANOS
2,5cm LATERAL À LINHA MÉDIA,
AO NÍVEL DA LINHA
SUB-OCCIPITAL
IMEDIATAMENTE ME...
É FORMADO PELAS DIVISÕES
ANTERIORES DAS RAÍZES DE L2-L4 DO
PLEXO LOMBAR
• EMERGE DA BORDA MEDIAL DO
PSOAS EM DIREÇÃO CAUDAL E
ANTERIOR AO CANAL DO OBTURADOR
• DENTRO DO CANAL DIVIDE-SE EM
RAMOS ...
• RAMO ANTERIOR – RAMOS PARA OS
ADUTORES E PARA A ARTICULAÇÃO
COXO-FEMURAL
• RAMO POSTERIOR – RAMOS PARA OS
ADUTORES E PAR...
É FORMADO PELAS RAÍZES DE
L2-L4 DO PLEXO LOMBAR
• O NERVO FEMURAL É O
MAIOR NERVO DO PLEXO LOMBAR
• EMERGE DA BORDA LATERAL DO
PSOAS E DESCE EM DIREÇÃO À
COXA, ATINGINDO-...
• DIVISÃO ANTERIOR – RAMOS
PARA OS MÚSCULOS SARTÓRIO E
PECTÍNEO E RAMOS CUTÂNEOS
PARA A PARTE ANTERIOR DA
COXA E MEDIAL DA...
RF PULSÁTIL
60V 10min
AGULHA PONTA ATIVA 10mm
0
2
4
6
8
10
12
14
16
PRF
NERVOS PERIFÉRICOS
N. Supra-escapular
N. Mediano
N. Ciático
N. Femural
N. Obturador
N. Sural
N. ...
USG
 SEGURO
 OBJETIVO
 PRECISO
 DIMINUIÇÃO DA RADIAÇÃO
 MENOR CUSTO
VISUALIZAÇÃO
VASOS, MÚSCULOS, NERVOS
LOCALIZAÇÃO DO ALVO
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx

512 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
512
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
32
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Com a tecnologia do ultrassom os bloqueios passaram a ser mais seguros, objetivos e precisos. O uso do ultrassom tambem esta sendo estimulado na tentativa de diminuir o uso da radiação
  • RF NERVOS PERIFÉRICOS.pptx

    1. 1. Dr. FABRÍCIO DIAS ASSIS
    2. 2.  Corrente elétrica alternada de alta frequência (500-1.000 KHz)  Aplicada através de um eletrodo  Corrente é produzida por um gerador  Placa dispersiva em contato com o paciente possibilita a circulação da corrente
    3. 3. PLACA DE ATERRAMENTO ELETRODO GERADOR
    4. 4.  1965 - Cordotomia lateral percutânea - Mullan  1975 - Dor espinhal - Shealy  1980 - Novos eletrodos - Sluijter-Meta  1996 - RF Pulsátil – Sluijter  2007 – RF Resfriada - Kapural
    5. 5. Região distal da agulha que não é revestida. Varia entre 2 e 15 mm.
    6. 6. Atua como resistor. Resistores são componentes que têm por finalidade oferecer uma oposição à passagem de corrente elétrica, através de seu material. A essa oposição damos o nome de impedância, que possui como unidade o ohm (Ω) . A exposição a passagem da corrente gera oscilação de moléculas ionizadas, levando a aquecimento do tecido, que por sua vez aquece a ponta ativa do eletrodo.
    7. 7.  A corrente de RF aquece o tecido; o tecido aquece a ponta do eletrodo  O tamanho da lesão depende:  tamanho do eletrodo  Temperatura  Tempo  Fatores locais (imprevisíveis)
    8. 8.  Aplicar corrente de RF em uma voltagem comumente utilizada durante a RF convencional  Permitir um período silente para eliminar o calor formado ◦ Condutividade ◦ Circulação  20 msec ativo / 480 msec silente
    9. 9.  Método não ablativo  Possibilidade de uso em estruturas com funções não exclusivas sensitivas.  Restaura o limiar sensitivo alterado das fibras C. Sem alteração nas fibras grossas.
    10. 10. 37˚C 40˚C 45˚C 60˚C 55˚C 50˚C 67˚C |E|=2,750 V/m |E|=17,000 V/m |E|=8,940 V/m |E|=55,300 V/m CORTESIA COSMAN&COSMAN, MIT
    11. 11.  Movimentos de íons alternados  Influência nos canais voltagem- dependentes  Mudanças na composição eletrolítica  Expressão Genética potencial
    12. 12.  Higuchi et al; van Zundert et al ◦ Rat DRG  Transsynaptal induction  Cahana et al ◦ Mice hippocampus slice cultures  Cont RF damages response to stimulation  PRF modulates regeneration  Erdine et al ◦ El.microscopy of DRG  No vital damage following PRF
    13. 13. Damage Score L C-fiber 1- 1+ 2+ 3+ 10 0 Group/Fiber Types A-beta 80 70 60 50 40 30 20 10 0 A-delta C-fiber A-beta A-delta C-fiber R (Sham Group) L (PRF Group) 90 100 UNDAMAGED DAMAGED Fibersofeachtypeandgroup(%)Fiber
    14. 14. RF CONVENCIONAL RF PULSÁTIL  DEGENERAÇÃO WALERIANA DAS FIBRAS NERVOSAS  PROCEDIMENTO NEUROLÍTICO NEUROABLATIVO  NÃO HÁ LESÃO TECIDUAL CLINICAMENTE DETECTÁVEL APLICADA A 42°C  PROCEDIMENTO NEUROMODULADOR PROCEDIMENTOS DIFERENTES COM INDICAÇÕES DIFERENTES!!!
    15. 15. 0 1 2 3 38 39 40 41 42 43 final tip temperature result(Likertscale) RESULTS VS TIP TEMPERATURE TIP TEMPERATURE IS IRRELEVANT
    16. 16. -0,5 0 0,5 1 1,5 2 2,5 3 3,5 0 200 400 600 800 1000 IMPEDANCE (OHMS) RESULT(LIKERTSCALE) P<.05
    17. 17. Calor Campo Eletro- Magnético
    18. 18. Calor Campo Eletro - Magnético
    19. 19.  NERVO SUPRA-ESCAPULAR  NERVO MEDIANO  NERVO OCCIPITAL  NERVO OBTURADOR  NERVO ÍLIO-INGUINAL / ÍLIO-HIPOGÁSTRICO  NERVO CIÁTICO  NERVO FEMURAL  NERVOS INTERCOSTAIS  NERVO ULNAR  NERVO RADIAL  NERVO SAFENO  NERVOS CLUNEAIS  NERVO MENTONIANO  NERVO SURAL  RF INTRA-ARTICULAR
    20. 20.  Shah RV, Racz GB. Pulsed radiofrequency lesioning of the suprascapular nerve for the treatment of chronic shoulder pain. Pain Physician. 2003;6:503–506.
    21. 21.  ORIGINA-SE DOS TRONCOS SUPERIORES DO PLEXO BRAQUIAL (C5 & C6)  CORRE LATERALMENTE PROFUNDO AO TRAPÉZIO E OMOHIÓIDEO  ENTRA NA FOSSA SUPRAESPINHOSA ATRAVÉS DA INCISURA DA ESCÁPULA ABAIXO DO LIGAMENTO ESCAPULAR SUPERIOR TRANSVERSAL  CONTORNA A BORDA LATERAL DA ESPINHA DA ESCÁPULA DIRIGINDO-SE PARA A FOSSA INFRAESPINHOSA
    22. 22.  FOSSA SUPRAESPINHOSA Ao Supraespinhoso Ramos articulares para o ombro  FOSSA INFRAESPINHOSA  Ao Infraespinhoso Ramos articulares para o ombro
    23. 23. DORES ORIGINADAS NAS ARTICULAÇÕES DO OMBRO
    24. 24.  TRACE UMA LINHA AO LONGO DA BORDA SUPERIOR DA ESPINHA ESCÁPULA, DE SUA BORDA MEDIAL ATÉ A ARTICULAÇÃO AC  MARQUE O PONTO MÉDIO  TRACE UMA LINHA PARALELA À LINHA DA COLUNA PASSANDO PELO PONTO MÉDIO MARCADO ANTERIORMENTE  TRACE A BISSETRIZ DAS 2 LINHAS E MARQUE NESTA LINHA UM PONTO 2,5cm NO QSE  INSERIR A AGULHA PERPENDICULAR AOS PLANOS
    25. 25.  PNEUMOTÓRAX  LESÃO DOS VASOS SUPRA- ESCAPULARES
    26. 26. O NERVO OCCIPITAL MAIOR É FORMADO PELO RAMO MEDIAL DA DIVISÃO POSTERIOR DA RAIZ DE C2
    27. 27. O NERVO OCCIPITAL MENOR É FORMADO PELO RAMO MEDIAL DA DIVISÃO POSTERIOR DA RAIZ DE C3
    28. 28. ENTRAR COM A AGULHA PERPENDICULAR AOS PLANOS 2,5cm LATERAL À LINHA MÉDIA, AO NÍVEL DA LINHA SUB-OCCIPITAL IMEDIATAMENTE MEDIAL À ARTÉRIA OCCIPITAL
    29. 29. É FORMADO PELAS DIVISÕES ANTERIORES DAS RAÍZES DE L2-L4 DO PLEXO LOMBAR
    30. 30. • EMERGE DA BORDA MEDIAL DO PSOAS EM DIREÇÃO CAUDAL E ANTERIOR AO CANAL DO OBTURADOR • DENTRO DO CANAL DIVIDE-SE EM RAMOS POSTERIOR E ANTERIOR
    31. 31. • RAMO ANTERIOR – RAMOS PARA OS ADUTORES E PARA A ARTICULAÇÃO COXO-FEMURAL • RAMO POSTERIOR – RAMOS PARA OS ADUTORES E PARA A ARTICULAÇÃO DO JOELHO
    32. 32. É FORMADO PELAS RAÍZES DE L2-L4 DO PLEXO LOMBAR
    33. 33. • O NERVO FEMURAL É O MAIOR NERVO DO PLEXO LOMBAR • EMERGE DA BORDA LATERAL DO PSOAS E DESCE EM DIREÇÃO À COXA, ATINGINDO-A ATRAVÉS DO LIGAMENTO INGUINAL
    34. 34. • DIVISÃO ANTERIOR – RAMOS PARA OS MÚSCULOS SARTÓRIO E PECTÍNEO E RAMOS CUTÂNEOS PARA A PARTE ANTERIOR DA COXA E MEDIAL DA PERNA • DIVISÃO POSTERIOR – RAMOS PARA O QUADRÍCEPS FEMURAL E RAMOS CUTÂNEOS ATRAVÉS DO NERVO SAFENO RAMOS PARA AS ARTICULAÇÕES DO JOELHO E COXO-FEMURAL
    35. 35. RF PULSÁTIL 60V 10min AGULHA PONTA ATIVA 10mm
    36. 36. 0 2 4 6 8 10 12 14 16 PRF NERVOS PERIFÉRICOS N. Supra-escapular N. Mediano N. Ciático N. Femural N. Obturador N. Sural N. Safeno N. Occipital
    37. 37. USG  SEGURO  OBJETIVO  PRECISO  DIMINUIÇÃO DA RADIAÇÃO  MENOR CUSTO
    38. 38. VISUALIZAÇÃO VASOS, MÚSCULOS, NERVOS LOCALIZAÇÃO DO ALVO

    ×