Apresentação Mabu

1.019 visualizações

Publicada em

Publicada em: Imóveis
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.019
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
30
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Mabu

  1. 1. Mercado Imobiliário Cenário Futuro Curitiba e Região metropolitana Novembro - 2007
  2. 2. Dados do Mercado
  3. 3. Dados do Mercado Lançamentos residenciais verticais – Curitiba Janeiro a julho/2007 Fonte: Ademi - PR
  4. 4. Dados do Mercado Número de procura para compra - Curitiba Julho/2007 Fonte: Ademi - PR
  5. 5. Dados do Mercado Procura imobiliária 2006 - Curitiba Fonte: Sinduscon - PR  11.859 unidades, 1.438.896 m²;  52% maior em relação a 2005;  76% (1.091.226m²) residenciais;  Melhor desempenho nos últimos 6 anos;
  6. 6. Dados do Mercado Perfil das unidades concluídas  9.799 residenciais;  6840 unidades (70%) têm até 3 pavimentos;  2.061 unidades (21%) prédios entre 4 e 8 andares;  898 unidades (9%) prédios com mais de 8 pavimentos;  3.270 unidades 34% do total construído têm até 75m²; Fonte: Sinduscon - PR
  7. 7. Dados do Mercado Lançamentos imobiliários / Perfil - Curitiba  1.892 unidades residenciais. 11% maior que 2005;  1.110 unidades residenciais (59%) são imóveis com 3 dorms., principalmente nos bairros Ahú, Cabral, Água Verde, Ecoville, Batel, com áreas entre 100 e 228 m²;  312 unidades residenciais (16%), são imóveis com 2 dorms. Bairros principais: Batel, Água Verde, e Seminário, com áreas de 80 a 170m²;  231 unidades (12%) são imóveis com 1 dorm., predominante no centro de Curitiba; Fonte: Sinduscon - PR
  8. 8. Dados do Mercado Empreendedores – Destaque no cenário econômico  Cresce o número de empresas construtoras e incorporadoras que buscam recursos para desenvolver seus negócios no MERCADO DE CAPITAIS;  Nos últimos 3 anos, estas empresas já captaram 5,5 bilhões; Taxas de juros estão mais atrativas; Mais recursos e maior prazo para financiamento;
  9. 9. Dados do Mercado Empreendedores – Destaque no cenário econômico Redução drástica dos estoques; A Feira Imobiliária de Curitiba contabilizou amplo crescimento nas dua últimas edições: 25 mil pessoas em 2006 e 34 mil pessoas em 2007;  Em 2006 o IVVI “residência” em Curitiba cresceu 10% (em 2005 foi 7%)  Sobrados e residências térreas chegam a 12%;
  10. 10. O Consumidor
  11. 11. O Consumidor Perfil - Características Curitiba e S.J Pinhais. 17% da população (13 anos ou mais economicamente ativos) não possui casa própria, cerca de 233 mil pessoas;  Mulheres  Classe BC  20/39 anos Fonte RPC/Marplan/06
  12. 12. O Consumidor 9% da população (13 anos ou mais economicamente ativos), pretende trocar/comprar casa nos próximos 12 meses, cerca de 149 mil pessoas; Predominam:  Mulheres  Classes BC  20/39 anos
  13. 13. O Consumidor Em relação aos novos imóveis são surpreendentes os dados da pesquisa SEBRAE realizada em 2006:  70% das construções são feitas diretamente (com o pedreiro ou mestre de obras). Nas reformas este índice aumenta para 83%;  As construtoras atingem apenas 17% do mercado;  O desempenho das vendas delas, no entanto, é bastante satisfatório: a cada 3 pessoas que consultam uma construtora, uma fecha negócio.
  14. 14. O Consumidor  Consumidores de classe A procuram imóveis acima de 300m²  Solteiros e casais sem filhos querem imóveis adequados a sua realidade;  Classes mais elevadas buscam capricho e qualidade de acabamento. Classes intermediárias, buscam estrutura e durabilidade, enquanto as classes mais baixas procuram preços e flexibilidade no andamento da obra;
  15. 15. O Consumidor Outro fator importante é o novo perfil do consumidor;  Quanto mais alta a classe social, mais exigente;  O crescimento contínuo e expressivo da cidade de Curitiba e região Metropolitana;  O Maior nível de escolaridade que nos leva a um maior nível de cultura e por conseguinte, novos níveis de exigência;
  16. 16. O Consumidor  A busca, cada vez maior, por empreendimentos com VALOR AGREGADO;  Um novo “modelo”de comportamento das construtoras/ empreendedoras que passam a “customizar” seus produtos, buscando uma segmentação cada vez mais expressiva (influência das marcas estrangeiras) além de política de marketing e vendas mais agressivas;
  17. 17. O crescimento e o perfil da população até 2020 Curitiba e Região Metropolitana. Fonte: Ipardes.
  18. 18.  Em % Rm os 5 campeões de crescimento são: Fazenda Rio Grande, Piraquara, Campina G. do sul, Campo Magro e Quatro Barras.  Em números absolutos. RM, 2010, os cinco campeões são: S.J. Pinhais, Piraquara, Colombo, Fazenda Rio Grande e Araucária.  Em números absolutos, 2020, RM, os cinco campeões são: São José dos Pinhais, Colombo, Piraquara, Fazenda Rio Grande e Almirante Tamandaré. O crescimento e o perfil da população até 2020 Curitiba e Região Metropolitana.
  19. 19. Pirâmide etária da população de Curitiba e RM em 1970 Fonte:Ipardes
  20. 20. Pirâmide etária da população de Curitiba e RM em 2000 Fonte:Ipardes
  21. 21. Pirâmide etária da população de Curitiba e RM em 2010 Fonte:Ipardes
  22. 22. Pirâmide etária da população de Curitiba e RM em 2020 Fonte:Ipardes
  23. 23. Pirâmide etária da população de Curitiba e RM Fonte:Ipardes
  24. 24. Constatações importantes  A RM de Curitiba poderá estar concentrando 44% da população do Estado em 2020 (em 2000 concentrava 32%);  Em contrapartida Curitiba poderá abrigar 41,8% da população da RM (em 2000 abrigava 57,3%);  O Crescimento da população nos municípios que integram a RM e mais os contíguos, terão expressivos crescimentos, de 35,1% para 72,4% em 2020.  PROVÁVEL E EXPRESSIVO AUMENTO NA DEMANDA POR IMÓVEIS
  25. 25. Projeção da população de Curitiba e RM Fonte: Ipardes
  26. 26. Movimentação das faixas etárias Crescimento população de Curitiba e RM Crescimento econômico ____________________________________________________________ + + AUMENTO DA DEMANDA
  27. 27. Retrato Falado Novo Perfil do Consumidor de Imóveis no Brasil
  28. 28. Pesquisa - Novo Retrato da Família Brasileira Em 9 anos, a intensidade das transformações no comportamento, valores e opiniões da família brasileira mudou de forma tão significativa,que a sociedade tem se deparado com novos questionamentos e conceitos, até então pouco discutidos, ou mesmo totalmente ausentes da discussão nacional. Isso mostra que se para os historiadores uma década é quase nada, nove anos depois podem representar muito na vida pessoal de cada um.
  29. 29. A Pesquisa foi realizada em: - 211 municípios - 2.093 entrevistados com 16 anos ou mais A margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos , considerando um nível de confiança de 95%. Fonte: Datafolha
  30. 30. A Família Brasileira - 3.8 é o número médio de pessoas por casa - 2,7 é a quantidade média de filhos por família - 27% dos casais estão juntos há mais de dez anos e menos de 20 anos - 91% são os casados com filhos que têm renda de até 10 salários mínimos - 30% dos brasileiros costumam conversar durante as refeições - 35% dos brasileiros ganham até 2 salários mínimos - 24% ganham entre 2 e 3 salários mínimos - 17% dos solteiros já se casaram ou viveram com alguém como se fossem casados - 78% consideram importante a proximidade com os pais - 67% consideram importante a proximidade com os irmãos
  31. 31. O País do Matrimônio Na divisão por estado civil, os casados somam o maior grupo, o que faz dos brasileiros, os mais “casadoiros”da América Latina . - 49% - casados – 37% com filhos 19% sem filhos Para o brasileiro, morar junto é casar.O que antes era um fenômeno de “classe baixa”, hoje representa um novo estilo de vida. A população educada também mora junto para ver se dá certo antes de casar e isso é uma redefinição da vida familiar, são ressignificações e renegociações nas relacões afetivas. - 33% - solteiros – 2% com filhos - 2% com pais e filhos - 5% com outras pessoas - 24% com pais -10% separados ou viúvos – 8% com filhos ( 81% são mulheres) 2% sem filhos - 8% sozinho – 41% mulheres 59% homens
  32. 32. A sociedade está inventando um novo tipo de casamento , uma aliança sentimento sem paixão. Contardo Calligaris 1998 – 20% dos homens – principal qualidade da mulher: saber cuidar da casa 2.007 – 7% 1.998 - 14% das mulheres – principal qualidade do homem- sustentar a casa 2.007 – 4% Acabou de vez a época dos caçadores e colhedores. Em prol de quê? Afinal a novidade moderna é esta: os sentimentos passam a comandar nossa vida. Hoje, se escolhem os parceiros por amor, e não para facilitar a vida cotidiana, respeitar a tradição, consolidar um patrimônio ou garantir a descendência.
  33. 33. Amadurecimento das relações - 1.998- 23% item fundamental para o sucesso do casamento - 2.007 – 38% - 1.998 – 41% importância do amor - 2.007 – 35% - Amor – paixão x amor tranquilo - Fidelidade x lealdade - Amor romântico/satisfação sexual x aliança sentimental para a vida- companheirismo /amizade
  34. 34. Independência tardia - 24% de mulheres e homens ainda moram com os pais - 65% - nível médio de escolaridade - 15% - nível superior A independência financeira das pessoas que priorizam a consolidação de suas carreiras, morando com os pais ou sozinhas, seria um dos fatores responsáveis por adiar casamentos.
  35. 35. Todo homem é solteiro e sem filhos ...é o que um alienígena concluiria ao conhecer qualquer banca de revistas. Publicações masculinas – falam de mulheres e dos eternos objetos de desejo dos meninos Publicações femininas – Crianças, criadagem, crise conjugal e trabalho Exemplos: Trabalho – “Mulher com filhos, mulher sem filhos – Quem fica com a vaga” (Claudia) “Empresário conta sua trajetória surpreendente de vida e revela como é o seu dia-a-dia no trabalho” (Universo Masculino) Perfis - A correspondente de guerra Christiane Amanpour: Nem o filho pequeno a impede de relatar, direto do front , os eventos mais terríveis do nosso tempo ...”( Claudia) O correspondente de guerra David Halberstam: “Sua carreira foi brilhante, alternando clássicos do jornalismo político e internacional com grandes feitos do jornalismo esportivo (“Homem Vogue”)
  36. 36. A Familia Arruma a Cama -Virgindade,gravidez, homossexualidade, sexo no namoro ou na casa dos pais, revelam que os brasileiros estão mais tolerantes. Está longe de ser um “liberou geral”. Mas de 1998 a 2.007 muitas coisas mudaram em relação à sexualidade, à moral e à familia. Alguns dados para começar : Aumento da tolerância para : - Namorar outra pessoa de outra raça ou cor - O fato da mulher deixar de trabalhar para cuidar dos filhos - Ter comportamento homossexual - Sexo entre pessoas não casadas - Ser solteira e estar grávida
  37. 37. Comportamento de Risco Pais mantém condenação do uso de drogas que vem associado à violência O medo da “galera”: -Para os pais, família, educação e religião ajudam a afastar os filhos das gangues violentas Famílias com renda acima de 20 salários mínimos, tem mais tolerância para : - Mentir ao declarar o Imposto de Renda - Fumar maconha - Praticar o aborto - Beber - Ter comportamento homossexual
  38. 38. Para as classes menos favorecidas: - Forte intolerância para o aborto ( opinião dada dentro do julgamento moral compartilhado) - Prática religiosa frequente – crescimento das igrejas evangélicas - Acompanhamento familiar - maior presença dos pais da educação e rotina dos filhos
  39. 39. Bolsa de Valores Valorizar a família pode ser uma resposta à teoria da “sociedade de risco”. A família acima de tudo, a religião em alta, mas não o casamento; o dinheiro em Último plano. As principais mudanças sugerem um reforço do lado afetivo, em detrimento do material. O núcleo familiar e a relação com o sagrado funcionariam como meios de o indivíduo proteger-se diante da sensação de que a convivência fora dos domínios do lar e da igrejaé marcada pela violência , pela insegurança e pela corrupção. O Brasileiro e as instituições – Ranking por ordem de importância: 1. Familia 2. Estudo 3. Trabalho 4. Religião 5. Lazer 6. Casamento 7. Dinheiro
  40. 40. Mudança de Registro Maior exposição na mídia, popularização das paradas e uma tendência mundial pelo direito dos homossexuais, explicam a tolerância, dizem estudiosos e militantes. Alguns Números: - O Sudeste é menos intolerante – 18% não enxergam como problema ter filho/a namorando alguém do mesmo sexo. - Nordeste/ Centro Oeste e Sul – tolerância cai para 15% e 10% no Nordeste - Parada Gay 1997 – 2.000 pessoas 2.007 – 3.500.000 – ativistas e simpatizantes - 1.997 – Apenas SP e RJ - 2.007 – São mais de 100 espalhadas pelo Brasil
  41. 41. O que mudou no discurso: - Homossexualismo = Aids e preconceito - Esteriótipos - Desvio de comportamento Hoje: - Divulgação de estudos científicos que apontam explicações sobre a homossexualidade - Políticas governamentais – Programa Brasil sem Homofobia - Ausência do esteriótipo “afetado” - Exposição de casos que provocam a comoção nacional – Jean – Big Brother e Cássia Eller – guarda do filho - Novelas e programas colocando a questão de forma mais realista e menos “polêmica”
  42. 42. Os que não se multiplicam -14% dos casais entrevistados não têm filhos, perfilando no padrão social conhecido como“dinky family” ( duplo salário – nenhuma criança). -1.998 – 10% dos casais afirmavam não ter filhos -2.007 – 14% afirmaram não ter filhos - Perfil - Salário Duplo - Casa na Praia e na cidade - Carro e moto na garagem - Todos os eletroeletrônicos na casa - Cachorro - Viagens internacionais - Sobrinhos e afilhados “adotados como filhos “
  43. 43. Cobrança A cobrança aos casais sem filhos no Brasil ainda é alta. - Acusações de egoísmo - Fracasso na formação familiar - Ameaças com solidão e arrependimentos futuros - Filhos como alternativa para garantir companhia e sustento na velhice Argumentos favoráveis -Diminuição nas taxas de fecundidade -Relação custo-benefício dos filhos caiu bastante -Mais riscos em se criar um filho nos dias de hoje Maior escolaridade – mais chance de optar pela união sem filhos Menor escolaridade – menos chance
  44. 44. Bem-vindo à miscigeração - Casamentos desfeitos e refeitos criam “os meus, os seus, os nossos.” Solidão pesa mais para elas -77% das mulheres reclamam da falta de companhia ( 26 a 40 anos) - 30% desta queixa vem dos homens - 64% acha a experiência ótima ( 26 aos 40 anos) - 46% é a média para quem tem 41 anos ou mais Falta de ter com quem conversar.... - 1.998 – 32% - 2.007 – 18% “Imagine! Eu falo na internet e recebo as pessoas em casa. A agenda de um solteiro é bem maior que a de um casado.” Cibele Pastre – 34 anos publicitária
  45. 45. 1 em cada 3 jovens é filho de separados Na média geral da população, percentual é de 1 para 4; pobres se separam mais que ricos Alguns reflexos - Falta de compromisso- medo de não dar certo - Casamento antecipado – instituição menos “séria” - Há mais filhos de pais separados entre os jovens - Menos preconceito sobre o evento da separação - Apenas 45% dos pais separados pagam pensão -Os ricos não são os que mais pagam: - 43% dos que ganham de 10 a 20 sm - 31% dos que recebem mais de 20 salários
  46. 46. Dados sócio-comportamentais e seu impacto no mercado imobiliário Mas do que respostas, lançamos algumas perguntas a partir desta realidade: - Como você planeja seus produtos, a partir de que dados e informações ? - Como você cria diferenciais ? - Como sua empresa é vista pelo cliente e como você “deseja”que ela seja vista ? - Sua empresa está conectada com este movimento social dinâmico ? - O que faz sentido e o que não faz na hora de oferecer um produto imobiliário para esse consumidor ? - O que ele quer ouvir e como ? - O que fazer para sua empresa se diferenciar neste mercado e atender a cada uma dessas tendências? Os recursos estão aí .... Algumas empresas já começaram a agir, outras ainda estão analisando, estudando, e outras.. apenas observando.
  47. 47. Concluindo... É preciso unir conhecimento e ação habilidade e planejamento pessoas e competências E neste mercado que está prestes a explodir em Curitiba é preciso coragem para Inovar, criar, sobreviver, adaptar-se e crescer!! Obrigado pela presença!!

×