http://tv1.rtp.pt/noticias/?article=53564&visual=3&layout=10


Estudo da OCDE coloca estudantes
portugueses abaixo da médi...
países analisados (484 pontos) – resultados que não se afastam dos dados
recolhidos em 2003.

Mais de metade dos alunos po...
Noticia Rtp
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Noticia Rtp

372 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
372
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Noticia Rtp

  1. 1. http://tv1.rtp.pt/noticias/?article=53564&visual=3&layout=10 Estudo da OCDE coloca estudantes portugueses abaixo da média publicado 17:01 04 Dezembro '07 Os dados revelam que a origem socio-económica dos alunos tem, em Portugal, um peso mais significativo no desempenho escolar RTP Os alunos portugueses de 15 anos estão abaixo da média dos estudantes de 57 países no que diz respeito aos conhecimentos científicos, indica um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). Estudo da OCDE coloca estudantes portugueses abaixo da média Os dados constam do estudo PISA 2006 (Programme for International Student Assessment), que avaliou, no ano passado, os conhecimentos de 400 mil alunos em fase de conclusão do ensino obrigatório. O estudo assenta na comparação dos resultados recolhidos em 30 países-membros da Organização e 27 parceiros. Em Portugal, cinco mil jovens fizeram as provas. Na terceira edição do PISA, a ênfase recaiu sobre os conhecimentos científicos, área em que os jovens portugueses reuniram uma pontuação de 474. Ou seja, quedaram-se pela 37ª posição na lista dos 57 países avaliados. A média dos países- membros da OCDE foi de 500 pontos, ao passo que a média global fixou-se em 491. Em seis níveis de complexidade definidos para a área dos conhecimentos científicos, 53,3 por cento dos alunos portugueses não ultrapassam o nível dois, demonstrando um domínio básico das matérias. Apenas 0,1 por cento dos estudantes demonstram conhecimentos suficientes para integrar o nível seis, naquela que é a pior cifra entre os membros da Organização. Apesar destes resultados, a percentagem de estudantes portugueses que ambicionam prosseguir uma via profissional no domínio da ciência é a mais alta no conjunto dos países da OCDE. De acordo com os dados do PISA 2006, 38,8 por cento dos alunos portugueses acalentam o desejo de enveredar por uma profissão científica, quando a média dos 30 países-membros não vai além de 25,2 por cento. Embora permaneça negativo, o desempenho dos alunos portugueses nas matérias da ciência evoluiu favoravelmente por comparação com os anos de 2000 e 2003 - as pontuações então registadas foram de 459 e 468, respectivamente. Matemática Quanto aos conhecimentos de Matemática, os alunos portugueses ficam 32 pontos abaixo da média da OCDE (498 pontos) e 18 abaixo da média da totalidade dos
  2. 2. países analisados (484 pontos) – resultados que não se afastam dos dados recolhidos em 2003. Mais de metade dos alunos portugueses de 15 anos distribuem-se, neste domínio, pelos níveis um e dois. Somente 0,8 por cento evidenciam conhecimentos compatíveis com o nível mais elevado. Leitura No que diz respeito às competências de leitura, os estudantes portugueses reúnem 472 pontos, menos 20 face à média dos membros da OCDE e menos 12 relativamente à média do total de países. À semelhança dos resultados a Matemática, também nesta área não há mudanças substanciais por comparação com os dados de 2003. Preponderância da origem sócio-económica Os dados do PISA 2006 revelam que a origem sócio-económica dos alunos tem, em Portugal, um peso mais significativo no desempenho escolar, em comparação com a média dos 57 países analisados. No domínio da Matemática, a diferença de desempenhos entre estudantes oriundos de meios favorecidos e os seus colegas com uma origem sócio-económica menos abonada é de 95 pontos – 519 contra 424. Em leitura, os resultados são semelhantes, com os primeiros a somarem 529 pontos e os segundos a ficarem-se por 421. A disparidade é menos significativa no que diz respeito aos conhecimentos científicos. Outro dos factores decisivos prende-se com as habilitações académicas dos pais. No conjunto dos alunos cujos pais não foram além do terceiro ciclo do ensino básico (perto de 54 por cento), as pontuações são de 452 nos conhecimentos científicos, 450 em competências de leitura e 446 a Matemática. Por seu turno, os alunos cujos pais possuem habilitações superiores (22,5 por cento) revelam, respectivamente, desempenhos médios de 513, 515 e 504 pontos. Em declarações citadas pela Agência Lusa, o secretário de Estado adjunto da Educação, Jorge Pedreira, reconheceu que os resultados do estudo da OCDE “estão aquém do que seria desejável” e sublinham uma “disfunção do sistema educativo português”. Para o governante, os resultados devem-se em larga medida às elevadas taxas de retenção de alunos. Até porque os jovens portugueses que conseguem ter "um percurso escolar normal" apresentam resultados "acima da média". "A retenção não é em si própria uma ferramenta que tenha demonstrado utilidade", afirmou Jorge Pedreira. "É necessário também dar maior flexibilidade e mais algum tempo às escolas para poderem utilizar devidamente os planos de recuperação e o apoio diferenciado e individualizado aos alunos".

×