Avaliação diagnóstica relatório

  • 8,978 visualizações
Carregado em

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Seja o primeiro a comentar
    Be the first to like this
Sem downloads

Visualizações

Visualizações totais
8,978
No Slideshare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0

Ações

Compartilhamentos
Downloads
54
Comentários
0
Curtidas
0

Incorporar 0

No embeds

Conteúdo do relatório

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Avaliação Diagnóstica - Relatório Geral Por Prof. Flávio E. Souza da Cunha, Física. EE Jd. Sta. Clara do Lago I, Hortolândia. 19 de março de 2006I. A Prova. A prova foi aplicada individualmente durante um tempo de cerca de 45 minutospara os alunos do 1º Ano do Ensino Médio do EE Jd. Sta. Clara do Lago I, Hortolândia,entre a última semana de fevereiro e a 2ª semana de março, sem aviso prévio ou revisões. Aclasse permaneceu em silêncio total durante o tempo de sua execução, como mínimo deperturbação interna ou externa. A prova consta no anexo 1, tal como cada aluno recebeu, cujas característicasprincipais são: 1. total desnecessidade de aprendizagem mecânica prévia, isto é, para fazer a prova o aluno não deveria ter decorado coisa alguma; 2. foco máximo no raciocínio proporcional (multiplicativo e divisivo), além de interpretação dos enunciados. Foram dadas instruções orais pelo professor ao aluno antes da prova, para que: 1. justificasse todas as respostas; 2. destacasse a resposta final do resto da resposta. Cada questão devia ser respondida em sua própria folha de caderno ou fichário.II. A Avaliação da Prova. A ordem geral dos itens do raciocínio esperado encontra-se no anexo 2, emboraoutras ordens pudessem ser apresentadas pelo aluno. Em qualquer caso, porém, cadaquestão foi avaliada de acordo com os itens citados no anexo 2.III. O Critério de Mensuração da Nota. A. A Nota Normalizada. A nota normalizada refere-se ao todo das questões que foram “tentadas” pelo aluno.Por questão “tentada” entende-se aquelas cujos espaços de resposta foram preenchidoscorreta ou incorretamente. Tira-se a média dos itens semelhantes de cada questão, resumindo-os todos nosseguintes: 1. Tentativa; 2. Raciocínio multiplicativo; 3. Operações de multiplicação; 4. Raciocínio divisivo; 5. Operações com divisões; 6. Interpretação de itens do enunciado. A nota normalizada é igual à média desses itens de todas as questões dividida peloitem “tentativa”. B. A Nota Geral. A única diferença dessa nota para com a anterior é que não se divide a média finalpelo item “tentativa”, refletindo portanto a nota do aluno em relação ao todo da prova. 1
  • 2. IV. Análise Geral dos Resultados. A tabela 1 do anexo 3A mostra os resultados finais de cada aluno, classificados deacordo com a nota geral; a tabela 2 do anexo 3B mostra a mesma coisa, mas classificadosde acordo com a nota normalizada. A partir destas tabelas pode-se calcular as médias geraispara cada classe e para o todo dos 1os Anos do Ensino Médio (escala de 0 a 10): Racioc. Op. Racioc. Op. Nota Nota Série Tentativa Interpret. Multipl. Multipl. Div. Div. Geral Normal.1º A 6,4 2,2 2,7 1,0 2,3 1,5 2,0 3,01º B 5,5 3,2 3,1 2,3 2,4 1,8 2,6 4,71º C 5,5 3,2 3,4 2,3 2,0 1,7 2,5 4,31º D 4,4 3,2 2,9 1,7 2,0 2,0 2,3 4,5Média 5,5 2,9 3,0 1,8 2,1 1,7 2,3 4,1 O gráfico 1 a seguir mostra como se distribuem os alunos em cada intervalo denotas. Distribuição de Notas da Avaliação Diagnóstica Todas as Classes (1ºA, B, C e D) 60 50 Freqüencia (%) 40 30 Notas Gerais Notas Normais 20 10 0 0a2 2,1 a 4 4,1 a 6 6,1 a 8 8,1 a 10 Intervalos de NotasV. Conclusões. Espera-se que alunos de 1º Ano do Ensino Médio resolvam esta prova comtranqüilidade no tempo dado (50 minutos), uma vez que exigia somente o raciocínio quealunos de 5ª série ou no máximo 6ª série já deve apresentar. No entanto, das tabelas doanexo 3 verifica-se que apenas 29 alunos de um total de 128 que fizeram a prova (23%)conseguiram notas normalizadas maiores ou iguais a 7, e que 7 alunos (5%) conseguiramnota geral nestes valores. 2
  • 3. As médias mostram que houve pouca variação nas notas entre as classes, o quemostra que o problema é sistemático e geral, e não apenas restrito a condições que jáexistiram nesta ou naquela classe, neste ou naquele tempo. Das médias para as classes observamos que a taxa de tentativa é baixa em relação aotipo dos problemas, por algum(ns) dos seguintes motivos: 1. o aluno não conseguiu tempo suficiente para terminar os problemas; isso decorre de debilidade na concentração (qualquer perturbação externa ou interna ao aluno o obriga a retornar ao início de seu raciocínio, demandando assim mais tempo), ou ainda de falta de habilidade com o raciocínio proporcional e/ou interpretação. 2. o aluno não continha os elementos básicos de raciocínio proporcional para sequer iniciar a questão. De qualquer forma, seja qualquer o motivo, esse último resultado mostra que, nomínimo, falta a estes alunos “treino” com o raciocínio proporcional. Nota-se ainda que há uma diminuição natural da notas gerais na ordem: operaçõescom multiplicações, raciocínio multiplicativo, operações com divisões, raciocínio divisivo.Diz-se “natural”, pois operações com multiplicações é o primeiro item a ser apreendidopelo aluno nas séries iniciais, por ser mais direto. Nota-se, nas correções, que muitos alunosevitam a divisão, mesmo onde ela seria mais cabível que multiplicações, recorrendo-se amétodos de tentativa e erro para isso. Evidentemente, a deficiência em operações com multiplicações e divisões não seriatão expressiva se o raciocínio multiplicativo tivesse sido suficientemente usado nos anosescolares anteriores desses alunos. A nota geral e normalizada da classe evidencia as conclusões acima. Finalmente o gráfico nos alerta de que a maioria absoluta da classe obteve notanormalizada abaixo dos 6,0 pontos, e que mais de 75% dos alunos tiveram nota geral em 0e 4,0. Lembra-se novamente que uma nota igual a 6,0 para uma prova como essa é muitoinferior ao esperado de alunos de 1º Ano de Ensino Médio. É alarmante também que cercade 70% dos alunos se encontrem com uma nota normalizada abaixo de 6. Tais resultados são grandemente preocupantes, uma vez que os elementos exigidosnesta prova são essenciais para os mais básicos objetivos de Física para o Ensino Médio (naverdade, tais elementos constituem o ponto de partida para quase toda a Física de EnsinoMédio). Com isso, pode-se relacionar esses resultados com as altas taxas de repetência no1º Ano do Ensino Médio que temos observado ano após ano em nossas escolas.VI. Sugestões. Sendo assim, como os alunos que não possuem esses elementos básicos poderãoprogredir no aprendizado da Física? Há duas formas de tratamento convencionais emcurto prazo para resolver essa questão: 1. Transformar os conteúdos de Física para um nível inferior, eliminando diversos conceitos mais aprofundados, para que haja tempo para que os alunos com deficiências no raciocínio proporcional atinjam os objetivos satisfatoriamente. Essa opção tem a desvantagem de subestimar os demais alunos que poderiam prosseguir normalmente nos conteúdos de Física, ainda que sejam a minoria. 2. Prosseguir os conteúdos normais de Física para o Ensino Médio, procurando dar atenção especial aos alunos com as deficiências citadas (tanto por parte 3
  • 4. de pais quanto dos professores). Essa opção tem a desvantagem de ser impossível, muitas vezes, dar toda a atenção necessária para o aluno suprir as deficiências mencionadas, uma vez que podem ser tão profundas como mostram os resultados acima discutidos. Um tratamento não convencional, também em curto prazo, seria colocar essesalunos em “classes de aceleração”, onde teriam aulas específicas de raciocínioproporcional; nestas aulas os alunos treinariam muitos exercícios desde as operaçõesbásicas, passando por problemas de raciocínio meramente multiplicativo, depois divisivopara chegar gradativamente a problemas que envolvam vários passos lógicos. Estesproblemas deveriam envolver sempre os elementos cotidianos do aluno. Não vemosdesvantagens pedagógicas desse método, exceto os administrativos. O tratamento em longo prazo é o investir em treinamento dos professores doEnsino Fundamental para que sejam hábeis em estimular em seus alunos o raciocínioproporcional e interpretação mais do que os conteúdos de aprendizagem mecânica. 4
  • 5. Anexo 1 Prova Aplicada1. Um analgésico deve ser ingerido na quantidade de 3mg por kg de massa corporal do paciente, mas a dose máxima é de 200mg. Cada gota contém 5mg do remédio. Quantas gotas devem ser prescritas a um paciente de 80kg?2. Um livro possui 200 folhas, que totalizam uma espessura de 2cm. A massa de cada folha é 1,2g e a massa de cada capa do livro é 10g. a) Qual a massa total do livro? b) Qual a espessura de uma folha?3. Numa campanha de vacinação nacional, 10.000.000 de crianças foram atendidas e recebera 2 gotas de vacina cada uma. Supondo serem necessárias 20 gotas para preencher 1cm³, qual é, em L, o volume de vacina usado nessa campanha? Lembre que 1L = 1000cm³.4. Um fumante consome por dia 20 cigarros de 100mm. Imagine que fosse possível fazer uma fila com os cigarros que esse fumante consome num período de 10 anos. Qual seria, em metros, o comprimento dessa fila? 1m = 100cm, 1cm = 10mm.5. No estádio do Morumbi 120.000 torcedores assistem a um jogo. Através de cada uma das 6 saídas disponíveis podem passar 1000 pessoas por minuto. Qual o tempo mínimo necessário para esvaziar o estádio?6. Numa fábrica de parafusos, um trabalhador percebe que produz 1080 parafusos por hora durante a manhã, das 8:00h às 12:00h. À tarde, das 13:00h às 18:00h, mais cansado, o mesmo trabalhador produz 1000 parafusos por hora. Considerando o dia todo, quantos parafusos por hora o trabalhador produz em média?7. Determine o número de pessoas de 50kg e o número de pessoas de 80kg que podem viajar juntas em um bondinho do tipo teleférico que transporta no máximo 60 pessoas e no máximo 4200kg. Anexo 2 Itens Avaliados em cada Questão da Prova.Questão. Itens. 1 a. Tentativa Questão. Itens. b. Interpretação (dose 4 a. Tentativa máxima) b. Interpretação (perceber c. Raciocínio multiplicativo que 10 anos tem 3650 d. Operações com dias) multiplicação c. Raciocínio multiplicativo e. Raciocínio divisivo d. Operações com f. Operações com divisões multiplicação 2 a. Tentativa e. Raciocínio divisivo b. Interpretação (somar 2 f. Operações com divisões capas do livro) 5 a. Tentativa c. Raciocínio multiplicativo b. Raciocínio multiplicativo d. Operações com c. Operações com multiplicação multiplicação e. Raciocínio divisivo d. Raciocínio divisivo f. Operações com divisões e. Operações com divisões 3 a. Tentativa 6 a. Tentativa b. Raciocínio multiplicativo b. Interpretação (somar total c. Operações com de parafusos no dia, multiplicação perceber horas do dia) d. Raciocínio divisivo c. Raciocínio multiplicativo e. Operações com divisões d. Operações com multiplicação e. Raciocínio divisivo f. Operações com divisões 7 a. Interpretação (tentar com tentativa e erro ou com sistemas) b. Operações com sistemas de 5
  • 6. equações 6