Projeto de Políticas Públicas “Patrimônio Rural Paulista: Espaço privilegiado para o ensino, a pesquisae o turismo” - FAPE...
Patrimônio Rural Paulista : atenção com a complexidade da relação cidade/campo; com o            caráter múltiplo (em esca...
•visitas técnicas a nove fazendas dos municípios de São Carlos, Limeira, Itu, Jaú, Dourado, Jaguariúna, Lorena, São José d...
Visitas Técnicas            Fazenda                                                                        Tipo de visita ...
Dados preliminares                            Mococa / Casa Branca                              Vale do Paraíba Tema      ...
SP, Rio, Rib. Preto e   Classe média alta   Empresas (ex: City   Famílias com filhos de               Campinas. Famílias, ...
No conjunto, as fazendas       visitadas se apresentaram       (primeira fase):•diversificadas em seus empreendimentos e a...
As marcas de um universo rural fragilizado/em desaparecimento foram notadas empropriedades nas quais os valores e signific...
Em complemento às visitastécnicas                            • o projeto promoveu atividades e reuniões de trabalho nas te...
Nova etapa de trabalho1. refinamento da ferramenta de coleta de dados referente às práticas de educação patrimonial e turi...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Aspectos do projeto fazendas históricas paulistas

1.128 visualizações

Publicada em

Apresentação de alguns aspectos do projeto Fazendas Históricas Paulistas

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.128
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspectos do projeto fazendas históricas paulistas

  1. 1. Projeto de Políticas Públicas “Patrimônio Rural Paulista: Espaço privilegiado para o ensino, a pesquisae o turismo” - FAPESP (2008/2010)• esforço interdisciplinar e inter-institucional de propor estratégias de identificação, conservação, sustentabilidade e valorização dopatrimônio rural paulista• o projeto originou-se de discussões travadas na sede da Fazenda Pinhal/São Carlos em 2006, entre membros de alguns centros dememória empresariais, organizações sociais de interesse público, três universidades públicas paulistas (FAU e EESC-USP, UNICAMP,UNESP) e federal (UFSCar) e órgãos governamentais de Preservação (Condephaat, IPHAN) acerca de preservação e difusão dopatrimônio rural. Das discussões surgiu a proposta de construção de um projeto de políticas públicas que em abril de 2008 foi aprovadopela FAPESP e que teve entre os meses de junho e dezembro do mesmo ano a execução da 1ª fase; na atualidade, estamos iniciandosua 2ª fase.• resultados obtidos na primeira fase, com enfoque sobre as atividades, interações e reflexões promovidas na área de turismo pelo sub-grupo “Educação Patrimonial e Turismo Cultural”, coordenado pela Profa. Dra. Olga Rodrigues de Moraes von Simson (UNICAMP).
  2. 2. Patrimônio Rural Paulista : atenção com a complexidade da relação cidade/campo; com o caráter múltiplo (em escalas e tipologias) das propriedades; com os fundamentos, ferramentas e procedimentos de conservação e difusão investigações debate qualificado entre documentais e pesquisadores de bibliográficas diferentes áreas coleta de dados nas visitas técnicas As informações coletadas foram originalmente sistematizadas em relatos de trabalho de campo (entrevistas com proprietários e trabalhadores das fazendas) e, em seguida, retrabalhadas àColeta de depoimentos e informações com base na prática de combinar luz das questões específicas da educaçãopesquisadores de formação teórica diversa em equipes de trabalho nos locais patrimonial e do turismo, desdobrando-sevisitados, com vistas a oportunizar o cruzamento de saberes e olhares múltiplos daí um diagnóstico das atividades jáno próprio momento de geração do dado obtido, desdobrando-se daí uma implementadas e um levantamentoproposta metodológica – em permanente desenvolvimento – preocupada em primário potencial de cada unidadefazer emergir um instrumental sensível à diversidade e complexidade do produtivaPatrimônio Rural Paulista.
  3. 3. •visitas técnicas a nove fazendas dos municípios de São Carlos, Limeira, Itu, Jaú, Dourado, Jaguariúna, Lorena, São José doBarreiro.•as fazendas integrantes da Iª etapa foram: - Chácara do Rosário, Itu (14/abril e 11/agosto/2008); Fazenda Quilombo, Limeira(05/agosto/2008); Fazenda Capoava, Itu (07 e 12/agosto/2008); Fazenda Pinhal, São Carlos (25/agosto e 01/Novembro/2008);Fazenda Mandaguahy, Jaú (26/agosto/2008); Fazenda Bela Vista, Dourado (27/agosto/2008); Fazenda Santa Úrsula, Jaguariúna(23/setembro/2008); Fazenda São Francisco, São José do Barreiro (21/outubro/2008); Fazenda Nossa Senhora da Conceição,Lorena (22/outubro/2008).•Em seu conjunto, o projeto promoveu o contato com: cerca de 6 mil peças (fotografias, documentos históricos, mobiliário, objetosde arte e livros), que foram manipuladas, estudadas e parcialmente disponibilizadas em inventários; o registro de mais de 30 horasde depoimentos; a prospecção de possibilidades de educação patrimonial, bem como, das condições de conservação do patrimônioedificado e paisagístico de cada propriedade.
  4. 4. Visitas Técnicas Fazenda Tipo de visita Data São José do Cuscuzeiro Contato prévio 23/09/08 Santa Úrsula Visita completa Santa Isabel Santa Cecília Contato prévio Nova1) Contato prévio Aurora Contato prévio Chácara do Rosário Visita completa 11/08/08 Fazenda Capoava Visita completa 11/08/08 Quilombo Visita completa 05/08/08 Mandaguahy Visita completa 25/08/08 Santa Gertrudes Sem visita N. Sra. Conceição Barreiro Visita completa 22/10/08 São Francisco Visita completa 22/10/08 Pinhal Visita completa 26/08/08 Bela Vista Visita completa 26/08/08 S. M. Monjolinho2) Sem visita 1) A proprietária da Fazenda Nova (Marina Rosseti Barreto Ribeiro) participou de evento do projeto em são Carlos no dia 19 de novembro 2) A visita foi cancelada por problemas de saúde do proprietário.
  5. 5. Dados preliminares Mococa / Casa Branca Vale do Paraíba Tema Tópico Santa Nova Aurora N. S. Conceição São Francisco Cecília Visitas com escolas Visitas Implícito que há visita guiada pela guiadas pelo guiadas proprietária proprietário Recursos N/I N/I Humanos Educaçãopatrimonial Não-formal; Formal: uma escola Vínculo com Formal – curso de fortografia pública da fazenda leva os educação discentes para visitas na fazenda e em seu Centro de Memóira. Parcerias N/I N/I Capacidade N/I N/IAtividadesturísticas Serviços Hospedagem, Os serviços da fazenda estão alimentação, atividades integrados no Circuito da Estrada Real. de lazer e de educação patrimonial.
  6. 6. SP, Rio, Rib. Preto e Classe média alta Empresas (ex: City Famílias com filhos de Campinas. Famílias, (São Paulo), Bank) até 12 anos, de S.Público alvo idosos. De 30 a 70 estrangeiros Famílias Paulo, Campinas, anos. Alto poder paulistanas Piracicaba e Santos aquisitivo. Apartamento Sim (inclusive na Sim, em chalés Chalés Sem detalhes dosHospedagem cada sede adaptados de estruturas Standard e espaços tomabada) da fazenda superior. Aceita animais Produzida no localAlimentação Pensão completa Pensão completa Almoço e sobremesas Souvenirs e Loja com souvenirs produtos locais. Bolachas e doces Vendas de e produtos típicos Jóias N/I Porcelanas pintadas a produtos da fazenda desenhadas pela mão esposa do dono Sim, para até 40 Festasjuninas Eventos N/I N/I pessoas. Sociais N. S. Conceição e empresariais Festa do Saci (Ago) Completa, para atéEstrutura de Para empresas, 150 pessoas. N/I N/I eventos sob contratação Eventos sociais e empresariais Adaptação Não observadas Pelos fundos. Não observadas N/I para PNEs Banheiros com portas largas
  7. 7. No conjunto, as fazendas visitadas se apresentaram (primeira fase):•diversificadas em seus empreendimentos e ambientes,•sete propriedades com estrutura de hospedagem, alimentação elazer;•duas propriedades com atividades restritas ao lazer.•Na maior parte dos casos, presença de ações amadoras naestruturação e operação turística (hospedagem, alimentação, lazer)associadas, entre outros aspectos, a pequena/nenhuma capacitaçãono atendimento, hospitalidade, gestão e divulgação•afastamento das políticas de turismo local/regional•poucos exemplos de Turismo Rural com presença de produçãoagro-pecuária.
  8. 8. As marcas de um universo rural fragilizado/em desaparecimento foram notadas empropriedades nas quais os valores e significados cotidianos de fazenda, per se, jáse achavam ausentes, situação que dificulta a implantação de estratégias de ação doturismo rural em associação ao patrimônio cultural nas mesmas unidades produtivas.Notou-se também em algumas propriedades, um direcionamento para uso turístico ede eventos, com ênfase na questão da conservação do patrimônio arquitetônico,além de propriedades com pesquisa documental (sobre a própria formação edesenvolvimento) em andamento, elementos basilares sobre os quais há de se gerarações de cunho turístico-educativo, bem como articulações com lazer e entretenimento,desenvolvimento sustentável e educação patrimonial
  9. 9. Em complemento às visitastécnicas • o projeto promoveu atividades e reuniões de trabalho nas temáticas educação patrimonial e turismo, preservação e conservação de bens materiais e imateriais. • membros do projeto se aproximaram das atividades da Abraturr-SP em seu esforço cotidiano de reunir proprietários e agentes do turismo rural local para discutir/construir novas perspectivas para o turismo rural paulista (regiões de Ribeirão Preto, São Roque, Vale do Paraíba,) •o projeto realizou o Iº Encontro “Patrimônio Rural e Políticas Públicas: o lugar do Turismo” em 20/agosto/2008 na Estação Cultura de Campinas com as temáticas “Políticas Públicas e Turismo Rural” e “Poder Público e Turismo na interface com o legado étnico e histórico de bairros rurais e fazendas históricas paulistas”. •aproximação de pesquisadores de diferentes áreas de conhecimento das questões específicas do segmento turístico (operação e gestão turística, pública e privada) possibilitou a troca e incorporação de novos conceitos, bem como deu início à geração de um substrato de discussão comum entre colegas e parceiros do projeto. • trajetória de debates permitiu que as dúvidas formuladas pelos parceiros do projeto, bem como as questões propostas por pesquisadores de distintas áreas de conhecimento, se traduzissem na identificação de aporias e de novos caminhos para o desenvolvimento dos trabalhos.
  10. 10. Nova etapa de trabalho1. refinamento da ferramenta de coleta de dados referente às práticas de educação patrimonial e turismo2. continuidade dos trabalhos de diagnóstico turístico (caracterização produtiva; caracterização das estruturas e serviços de hospitalidadee de lazer; análise da demanda atual; descrição e análise das atividades de educação patrimonial; pesquisa sobre inserçãomercadológica; análise das relações das fazendas com políticas de turismo e cultura regional e nacional);3. novos estudos sobre contexto de lazer e turismo nas regiões das propriedades, de forma a fortalecer e ampliar sua ação;4. construção de banco de dados acessível e interativo (com informações georeferenciadas, associadas à experiência diferenciada deeducação patrimonial);5. Implementação de rede virtual de turismo cultural: espaço para discussão e compartilhamento de conhecimento entre os proprietáriose interessados no assunto, bem como de contato com associações nacionais e internacionais de turismo rural.

×