Jn 24 05

455 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
455
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jn 24 05

  1. 1. S.O.S. VERDE GRANDE 7.524 dias O Verde Grande agoniza, e o Velho Chico está morto graças à insensibilidade dos governos JORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASO GRANDE PORO GRANDE PORO GRANDE PORO GRANDE PORO GRANDE PORTTTTTA-VA-VA-VA-VA-VOZ DO NOROZ DO NOROZ DO NOROZ DO NOROZ DO NORTE DE MINTE DE MINTE DE MINTE DE MINTE DE MINASASASASAS ----- wwwwwwwwwwwwwww.jnnoticiais.jnnoticiais.jnnoticiais.jnnoticiais.jnnoticiais.com.com.com.com.com MONTES CLAROS-MG - DOMINGO/SEGUNDA, 24/25 DE MAIO DE 2015 - ANO XXVI - Nº 6.913 - R$ 2,20 O vigilante Leandro Mar- tins Lima foi assassinato na madrugada de ontem, duran- te assalto à Escola Municipal MariadeLourdesPinheiro,no Bairro Independência. O ho- memde29anosestavaamar- rado e com sinais de espanca- mento.APolíciatrabalhacom ahipótesedelatrocínio,jáque o carro e os objetos pessoais de Leandro foram levados. Equipamentos eletrônicos da Escola também foram rouba- dos. Pelas características do crime, a PM entende que há mais de uma pessoa envolvi- da no crime. PÁGINA 11 Representantes da Coorde- nação de Desenvolvimento Sustentável da Sudene se reu- niram com o objetivo de criar alternativas para atrair mais investidores para a área de atuação da Sudene em Minas. Um dos suportes para este tra- balho será a Secretaria de Es- tado de Desenvolvimento e In- tegração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor). O primeiro passo será a execu- ção do Plano de Ação do Siste- ma Sedinor/Idene, além de uma consultoria especializa- da em desenvolvimento e ges- tão estratégica. PÁGINA 3 Sedinor inicia ações para se aproximarmaisdaSudene Todasasforçasdeseguran- ça com sede da cidade estive- ram reunidas nesta semana para discutir o trabalho que será desenvolvido nesta área durante a Exposição Agrope- cuária Regional de Montes Claros. A Expomontes será realizada entre junho e julho e se trata como uma das mai- ores feiras do gênero no inte- rior de Minas. PÁGINA 11 Projeçãodepúblicojáexigea reunião da área de segurança EXPOMONTES Projeção de público com shows, parques e demais atrações exige reunião de trabalho na área de segurança da Expomontes O aplicativo “Whatsapp” é asensaçãodomomentoentre os adeptos da tecnologia. Cri- adohácincoanos,encurtadis- tâncias e principalmente cus- tos. Há quem utilize como fer- ramenta diária de trabalho, mas também como espaço para infrações e até mesmo para enaltecer o crime orga- nizado. Existe, inclusive, estudos acadêmicos sobre a adoção dasredessociaiseseusaplica- tivos como hábito. Uma ma- téria especial nesta edição do JORNAL DE NOTÍCIAS traz de- talhes e depoimentos sobre cada ponto. PÁGINA 5 Versatilidadede aplicativoviraaté temadeestudos BEM OU MAL A Universidade Estadual de Montes Claros (Unimon- tes) completa, neste domin- go (24 de maio), 53 anos e comemora com a marca de 50.089 profissionais gradua- dos em seus diversos cursos. Atualmentesão12milalunos em 134 cursos. PÁGINAS 3 e 6 Unimontescompleta seu53ºaniversário Unimontes completa 53 anos neste domingo com pesquisa, ensino, extensão e serviços O time do Montes Cla- ros Vôlei ficou mais novo. Arenovaçãopropostapelo técnicoMarcelinhoRamos não ficou apenas em no- mes, mas sim na redução da média de idade, como ele pontuou para acertar um novo contrato. O gru- po está três anos mais novo. PÁGINA 10 Animado a pedalar por 85 KM? Pelo menos 20 ciclistas farão isto nesta manhã, com o Grande Prêmio Estrada da Produção Vôleimaisnovo O governo não poupou sequersetoresfundamen- tais como educação e saú- de, que sofrerão cortes de R$ 9,4 e R$ 11,8 bilhões. O primeirofrustraaspreten- sõesdejovensquepreten- diamterumfuturomelhor ao fazerem curso superior através do Fies. HÉLIO MACHADO 2 O preço dos cortes A produção das sandálias Havaianas em Montes Claros segue a todo vapor, apesar da perda de ritmo da economia brasileira. Atualmente, a unidade opera com 70% de sua capacidade instalada, de acordo com o presidente da Al- pargatas, Márcio Utsch. Com uma capacidade instalada de 100 milhões de pares/ano, a fábrica da Alpargatas no Norte de Minas foi inaugurada em 2013, mediante investi- mentos que totalizaram R$ 279 milhões. PÁGINA 7 Alpargatas:fábricafunciona com70%dacapacidade Vigiamorreespancadoemescola Corpo foi encontrado pela manhã; homem de 29 anos foi amarrado e teve carro e pertences roubados LÉIA OLIVEIRA DIVULGAÇÃO BICIMAX
  2. 2. fez um sucesso avassalador. Só na primeira semana levou milhões ao cinema nos EUA. No Brasil, no pri- meiro fim de semana de agosto- 2014, levou 280 mil pessoas ao ci- nema. O filme mostrou o confronto entre a fé e o ateísmo, contando a história de um jovem estudante cris- tão, o qual se vê em apuros quando seu professor de Filosofia exige que todos os alunos neguem, por escri- to, a existência divina. Como o jo- vem se recusa a fazê-lo, acaba sen- do obrigado pelo mestre a provar por meio de argumentos científicos que Deus realmente existe. Em um debate na radio Expres- são FM local, sábado (18/4/15), o Rev. Carlos Fabiano, respondendo à pergunta de ouvinte sobre qual melhor legado os pais podem dei- xar aos filhos, discorreu: “normal- mente,ospaiscostumamafirmarque os legados mais importantes são a educação, valores morais e éticos. Contudo, sem desprezar estes, ou o bom exemplo da convivência de marido e esposa ,o legado maior é inculcar nos filhos a prática cristã autêntica”. Ao concluir, nessa direção, o exemplo do judeu é importante: aos 5 anos, a criança começava a aprender as leis do Antigo Testa- mento. Desta forma, conhecer a Deus é o empreendimento maior do serhumano.AomergulharnasSuas profundezas, reveladas em sua pa- lavra (Bíblia), obteremos bênçãos e um propósito maior para as nossas vidas. (*) Colaborador Coisa de mãe O jogo de azar era proibido no País, mas o pôquer “corria solto” à mesa da sala da diretoriadoantigoClube MontesClaros,ondetinham assentoasmaioresfortunasda cidadeviciadasnocarteado. SinvalAmorim – Sinvalinho para os mais íntimos – não figuravaentreoshomensde maior poder econômico da cidade,mastinhalugar garantidoàquelamesagraças aofatodeserassociado fundadordoclube,alémdoseu carismapopularedadignidade dafamília. Ele ia sempre às rodadas certas:nãoeradeganharmuito dinheiro,mastambémperdia pouco. Sinvalinho só arriscava uma mão de mesa mais recheadaquandocarregava consigoumjogoconsiderado bom, de trinca para cima. Blefar,Ave Maria, isso nunca,principalmentenuma mesadejogodaqualparticipa- vam os melhores jogadores de cartasdaprovínciaetodoseles tinhamcacifeparasuportaruma grandeperdafinanceira. Jogo vai, jogo vem, o garçom Mário de Quinzim, vestido de smoking branco, com direito a gravataborboleta,ficavaàportada salasapeandoparanãodeixar ninguém entrar no local e servir bebidasaosjogadores. Num desses eventuais “acidentes” que só o pôquer permite,eisqueSinvalinhoé contemplado com um ás, um rei e uma dama de ouro, além de um nove e um dez de outros naipes. Com tais cartas, resolve partir paratentarumRoyalStraight Flush, a mais alta das combina- çõespossíveisnoreferidojogo, umacartadaimbatível. Fazaprimeiraapostaobrigató- ria, de duas fichas, e, como pé da rodada,ficaobservandoos demais jogadores. Um deles não pedecartas(saipronto,possivel- mente uma sequência ou um flush),edobraaaposta;outro pede duas cartas (talvez com umatrincaetentandoumfourland) erepicaovalorapostado. Eram sete os jogadores e ao quetudoindicavatodoseles estavamafimdojogo,poisnão houvedesistênciaeacada jogadoraapostaiadobrando. Quandochegounovamenteem Sinvalinhoarodadajáestava valendo uma nota, o que o levou a vacilar se apostava ou se se retiravadojogo.Olhouparaas suas fichas, para a mesa recheada,paraascartasquetinha na mão e analisou bem as suas possibilidades. Resoluto,pensou:étudoou nada. Ecobriuasapostasfeitas, ficando com o ás, o rei e a dama deouroepedindooutrasduas cartas ao crupiê. Sinvalinhonãoacreditavano que seus olhos estavam vendo: quandolevantouaprimeiracarta, na base do ‘fila’ secreto, era um valete de ouro. Seu coração acelerou, a pressão subiu, mas elemantevefirmeaemoção. E teve que se conter ainda maisquandoolhouasegunda carta: era, nada mais nada menos, do que um dez de ouro. Ele tinha em mãos o tão sonhadoRoyalStraightFlush. Sorte? Cagada? O certo é que a rodada estavaganha. Olhou para os adversários e quasedenunciousuaeuforia quandovoltouosolharespara aquelemontãodefichasà mesa. Ia lavar a jega, pensou. Nesseínterim,eisqueo garçom Mário de Quinzim sofreumaempurradanaporta, entrandosopinadamenteno recinto a pessoa do ZéAmorim que, com voz embargada, dirige-seincontinentiaoirmão: - Sinvalinho, a mãe acaba de morrer! Emduploestadodechoque, Sinvalinho apruma o corpo elegantemente,abreumsorriso amarelodefrustração,atiraas cartas encobertas sobre a mesa, retira-se cabisbaixo do jogo, coloca a mão carinhosa- mente no ombro do irmão e resmunga em voz alta: - É Zé, a mãe tem cada uma,né? (*) Jornalista HERMILDO RODRIGUES (*) O jornal "O Tempo", edição de 19/4/15, publicou com destaque ar- tigo com o título acima. O jornal se baseou numa pesquisa de Univer- sidade da Califórnia, que mapeou a relação entre a religião e a vida fa- miliar na população dos EUA por 40 anos, revelando que filhos de pais ateus têm conseguido melhor de- sempenho do que as famílias liga- das a religião. A pesquisa acres- centa que os filhos de pais ateus, ao se tornarem adultos tendem a apoiar a igualdade feminina, direi- tosdosgays,seremmenosautoritá- rios e racistas e, em média, mais to- lerantesdoqueosreligiosos.Ames- mamatériainformaqueessetipode pessoa representa 1/3 dos ameri- canos com menos de30 anos, e que no Brasil chega a 1/8 da população (IBGE-2010). Referida pesquisa pode causar polêmica por várias razões. Para começar, a psicóloga Daniela Bes- sa argumenta que princípios e valo- res morais independem de religião, são transmitidos de pai para filho, e que privar os filhos de uma religião é privá-los de um elemento de cul- tura, trazendo efeitos mais negati- vos do que positivos. Outras razões: o pesquisador britânicoGrahamLawton–editorda revista científica New Scientist, afir- ma que ateus podem não existir. E prossegue: a crença em Deus está naturalmente arraigada no homem, e que uma série de traços cogniti- FILHOSDEPAISNÃORELIGIOSOSTÊMVALORESÉTICOSMAISFORTES vos predispõe o homem à fé. Outro, o professor e teólogo Magno Paga- nelli, assegura também não existir ateus convictos: o que há é um es- forço por autoconvencimento: Eles vivem repetindo que Deus não exis- te para serem convencidos disso e tentar persuadir as pessoas de igual maneira. Se Ele, de fato, não existe, por que tanta insistência em provar isso? Várias condições sociais, psi- cológicas e históricas demonstram que somos religiosos em essência e,portanto,naturalmenteespirituais”. Semelhante tese é sustentada pelo psicólogoAlex Rocha, do Cor- po de Psicólogos e Psiquiatras cris- tãos (CPPC): muitos não acreditam em uma divindade pessoal, embora tenham certo grau de espiritualida- de. “Eles conseguem ver na vida algo maior que a rotina cotidiana e lógica.Assim,algunspodemsecon- siderar ateus e, ainda, se sentirem ligados a algo maior do que eles, exercendo uma transcendência, mesmo postulando uma crença, a de que Deus não existe. “Nessa afir- mação já está implícita, na primeira palavra da frase, Deus, uma con- cepção da divindade. Assim, para negá-Lo, é preciso ter um conceito d'Ele, mesmo que inconsciente. “A sustentação ateísta só seria articulada em uma dimensão cons- ciente e racional, pois na profundi- dade, na inconsciência, a existên- cia divina seria intrínseca ao ser humano. Seguindo o raciocínio an- terior, Davi Lago esclarece: “Os ho- mens nunca deixarão de acreditar emalgo.Elessempreestãoembus- ca de Deus, de sentido, de propósi- to, de vida eterna, expõe, para quem,aprincipalperguntanãodeve ser “Deus existe?”, mas “Que tipo de Deus existe?” Convém ao ateu que Deus não exista. É a partir da negação de Sua existência que ele justifica uma vida muitas vezes imoral, irresponsável, arrogante e mentirosa”, assevera, mencionandofrasedeAgostinho,ex- ateu e um dos maiores teólogos e filósofos do inicio do cristianismo: “Ninguém nega a Deus a não ser que lhe interesse que Deus não exista”. J. McDowell e Don Stewart emlivro:osateístasafirmamquenão há Deus, mas não podem sustentar estaposiçãoconvictamente.Paraes- tarmos aptos a fazer tal tipo de afir- mação com autoridade, teríamos de conhecer o universo no seu todo e possuir todo o conhecimento. Se al- guém tivesse estas credenciais, en- tão por definição ele seria Deus. Por conseguinte, vemos que, a menos queoateístasejaonisciente,elenão pode fazer tal afirmação categorica- mente. Outro pesquisador, ligado à ci- ência, Charles Darwin (1809/82): ”A impossibilidade de conceber que esse grande e maravilhoso univer- so, com nossos seres conscientes, se ergueu em meio a todas as im- probabilidades, me parece o princi- pal argumento para a existência de Deus”. Estánamodaotemasobreoate- ísmo. O filme “Deus não está morto” JORNAL DE NOTÍCIASMONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE20152 -2 -2 -2 -2 - OPINIÃOOPINIÃOOPINIÃOOPINIÃOOPINIÃO AROEIRA O governo federal anunciou oficialmente, nessa sexta-feira, que o corte de despesas do or- çamento da União de 2015 será de R$ 69,946 bilhões. A medida faz parte das ações para ajustar as contas públicas que não receberam a atenção ne- cessária nos últimos dez anos, com gastos acima da capacidade de inves- timento. Além disso, com a economia registrando crescimento praticamente zero, a arrecadação tam- bém cai. Mas terá refle- xos diretos na qualidade de vida da população. O Norte de Minas, segura- mente, será penalizado, de novo, ao ficar sem recur- sos para viabilizar proje- tos indispensáveis ao seu desenvolvimento. O governo não poupou sequer setores fundamen- tais como educação e saúde, que sofrerão cor- tes de R$ 9,4 e R$ 11,8 bilhões. O primeiro frustra as pretensões de jovens que pretendiam ter um fu- turo melhor ao fazerem curso superior através do Fies. Entretanto, o gover- no fecha-lhes as portas ao negar-lhes acesso ao pro- grama, após propagan- deá-lo a torto e a direito, para colher dividendos po- líticos nas urnas, nas elei- ções do ano passado. Sem condições de pagar as mensalidades, centenas de jovens em todo o País não terão acesso às uni- versidades particulares, enquanto as públicas ofe- recem vagas limitadas. A saúde, em que a ne- cessidade é cada vez mai- or de se aumentar os in- vestimentos, transita na contra mão da direção. Ao cortar-lhe R$ 11,8 bilhões, o governo está conscien- te dos prejuízos à popu- lação, especialmente a mais humilde, que recorre ao setor público para re- solver seus problemas. E enfrenta enormes dificul- dades para ter acesso aos serviços. O que se busca há tempos é mais recur- sos para o setor, diante de uma demanda crescen- te, o que é natural, mas a União insiste em negá-los. A falta de atenção para com a saúde fica mais vi- sível com os cortes. Con- firma-se que não há mai- or interesse e vontade política em potencializar suas ações. Isto significa que pessoas pobres con- tinuarão a morrer à mín- gua nas portas dos hos- pitais, decorrente da fal- ta de leitos para interna- mentos. Referência no se- tor para extensa área ge- ográfica do Estado, Mon- tes Claros vive este dra- ma. E a culpa não é dos hospitais, mas do gover- no que se mantém insen- sível diante de um quadro crítico, com tendência na- tural de agravar-se. A tesoura afiada não parou por aí. Saiu cortan- do a torto e a direito, aqui, ali e acolá, ao que pare- ce, sem medir consequên- cias. Atingiu o Programa de Aceleração do Cresci- mento (PAC) em R$ 25,7 bilhões. Programa que fi- nancia obras de relevân- cia. Incluiu-se nele o pro- O preço dos cortes jeto de construção da barragem de Congonhas, fundamental para a eco- nomia do Norte de Minas, ao perenizar o Verde Gran- de, um dos rios mais im- portantes da região, para aumentar a produção agrí- cola em seu entorno. Além de garantir o abasteci- mento de água de quali- dade a Montes Claros, nos próximos anos. Os cortes comprometem o empreen- dimento, cuja previsão era de que as obras inicias- sem neste ano. Há poucos dias, o mi- nistro da Integração Na- cional, Gilberto Magalhães Occhi e o governador Fer- nando Pimentel haviam marcado visita a Montes Claros para assinar a or- dem de serviço de Congo- nhas, mas adiaram a últi- ma hora sem justificativa convincente. Ficaram de retornar na semana seguin- te, o que não ocorreu. Ao que parece, este é o sin- toma de que o projeto não será viabilizado, agora, em função dos cortes, mes- mo o governo consciente de sua relevância para esta porção do Estado. Além deste, acredita-se que ou- tros projetos serão atingi- dos, como a construção do Anel Rodoviário Norte, através de parceria do go- verno estadual com o fe- deral. E a duplicação da BR-251, mais uma obra de grande importância regio- nal. Se não bastasse tudo isso, a região por certo, ainda será penalizada com o corte de R$ 21,4 bilhões em emendas par- lamentares. Isto porque, deputados votados por aqui se comprometeram em repassar recursos para prefeituras e entidades de suas bases eleitorais e não terão como fazê-lo. Com isso, o governo si- naliza que não vai cum- prir o orçamento imposi- tivo. O corte pode piorar a relação do governo com sua base de sustentação no Congresso Nacional. E os parlamentares, que im- põem sucessivas derrotas ao Palácio do Planalto, ao aprovarem projetos que contrariam seus interes- ses, podem dar o troco nas votações de agora em diante. Embora apontados como medidas necessári- as para se buscar o ajus- te da economia, os cor- tes prejudicam a popula- ção e repercutem negati- vamente. Ainda mais quando atingem direta- mente setores como saú- de e educação. A oposi- ção não perde a oportu- nidade de voltar à carga contra o governo, criti- cando as medidas postas em prática neste curto in- tervalo de tempo do se- gundo mandato da presi- dente Dilma Rousseff, que contrariam os interesses do povo brasileiro. Como a repercussão negativa, a tendência é de continui- dade da queda do apoio ao governo e da populari- dade da presidente. As próximas pesquisas de opi- nião pública deverão mos- trar com maior nitidez o crescimento da insatisfa- ção popular.
  3. 3. e-mail: comercialjn@yahoo.com.br redacaojn@hotmail.com Telefone3222-2731 FAX-(038)3221.4592- 3221-8615 Asmatériaspublicadassãoderesponsabilidadesdoseditores,conformeoartigo28,Inciso1daLei5.250/ 67. Os artigos assinados não expressam, necessariamente, a opinião do jornal e são de respon- sabilidades de seus autores. Redação Cobrança 9986-1055 - 3082-1056 Comerciais - 3221-1090 Site: www.jornaldenoticias.com Assinaturas Trimestral à vista: R$ 95,00 ou 2 x 51,00;Semestral à vista: R$ 159,00 ou 4 x R$ 45,00 ou 5 de R$ 36,00.Anual àvista - R$ 307,00 ou 4 x R$ 86,00. Preço exemplar dias úteis: R$ 1,40; Sábado/Domingo: R$ 2,00. - Editor Luis Carlos Novaes JN Artes Gráficas Ltda. - ADI - Associação dos Diários do Interior JORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIAS MONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE2015 POLÍTICA - 3POLÍTICA - 3POLÍTICA - 3POLÍTICA - 3POLÍTICA - 3 Buscar alternativas para atrair maisinvestidoresparaaáreadeatu- ação da Sudene em Minas, visando criar mais empregos e melhorar a qualidade de vida da população. Es- tes são os objetivos de representan- tes da Coordenação de Desenvolvi- mento Sustentável da Sudene, que estiveram reunidos por videoconfe- rência nessa terça-feira (19) com in- tegrantesdaSecretariadeEstadode Desenvolvimento e Integração do Norte e Nordeste de Minas Gerais (Sedinor), comandada pelo deputa- do Paulo Guedes, do PT. Eles vão alinhar a metodologia de execução do Plano deAção do Sistema Sedi- nor/Idene, elaborado com a partici- paçãodeambasasinstituições,além deumaconsultoriaespecializadaem desenvolvimento e gestão estratégi- ca. O produto integra uma série de cinco estudos que culminará com a produção de um plano de desenvol- vimentointegradodaregião,queestá sob atuação da Sudene. O plano de ação apresentado pretende construir uma agenda pro- gramática de ações a curto, médio e longoprazoscomestimativadeexe- cução para um, quatro e dez anos, respectivamente.As estratégias de implementação foram apresentadas pela consultoria contratada conside- rando quatro eixos temáticos perti- nentes à análise da região: saúde e serviçosocial,educação/capacitação/ ciência e tecnologia, setor produtivo einfraestrutura.Odocumento,entre- tanto, ainda não é definitivo.Tanto a Sedinor/Idene quanto a Sudene fa- rão observações para seu aperfei- Apesardasdificuldadesfinancei- ras, os hospitais têm conseguido atender à legislação que determina que o prazo máximo para o início do tratamento do câncer é de 60 dias após o diagnóstico da doença. Re- presentantes de hospitais reclama- ram das incertezas em relação às verbas recebidas e do baixo valor pago pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O cenário do tratamento de pacientes de câncer no Estado foi apresentado na manhã dessa sex- ta-feira,duranteaudiênciapúblicada Comissão de Saúde daAssembleia Legislativa, presidida pelo deputa- doArlen Santiago, do PTB. No Grupo Santa Casa de Belo Horizonte,ataxadecumprimentodo prazo de 60 dias é de 85%, segun- doosuperintendentedeGestãoHos- pitalar do grupo, Gláucio de Oliveira. JánoHospitaldasClínicasdaUFMG, a taxa é de 75%, segundo a diretora geral Luciana de Gouveia Viana. Os representantesdoshospitaisexplica- ramquegrandepartedoscasosnão- atendidos dentro do prazo legal é de moradores de outras cidades, que têm dificuldades em se hospedar na Capital para realizar exames e con- NOVOS INVESTIMENTOS - Os suíços, que já possuem indús- trias em Montes Claros, têm planos de trazer novos investi- mentos para Minas Gerais e buscar empresas mineiras interes- sadas em investir na Suíça. O anúncio foi feito pelo embaixa- dor suíço no Brasil, André Regli, em visita oficial ao presidente da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado Adalclever Lopes (PMDB), e ao governador Fernando Pimentel. Empresários, pesquisadores de universidade e autoridades su- íças já estão analisando novas oportunidades de investimentos no Estado. Além da Nestlé, os suíços estão implantando uma fábrica de café encapsulado em Montes Claros. ANIVERSÁRIO DA UNIMONTES - A Universidade Estadu- al de Montes Claros (Unimontes) completa, neste do- mingo (24/05) 53 anos e comemora com a marca de 50.089 profissionais graduados em seus diversos cur- sos. Atualmente são cerca de 12 mil alunos distribuídos em 134 cursos, sendo 56 regulares de graduação e os demais: licenciatura, a distância (graduação), técnico- profissionalizantes (presenciais e a distância), pós-gra- duação Lato sensu (presenciais e a distância) e Stricto sensu (próprios e interinstitucionais). DESAFIOS E COMPROMETIMENTO - Criada através da Lei Es- tadual 2.615, de autoria do ex-deputado Cícero Dumont, em 24 de maio de 1962, a Fundação Norte-Mineira de Ensino Su- perior (FUNM), foi transformada na Universidade Estadual de Montes Claros em 1989. "Ao comemorar 53 anos, a Unimontes avança como uma universidade consolidada e comprometida com o ensino superior público de qualidade. Supera desafios, com objetivos muito bem delineados alinhados com as pers- pectivas do desenvolvimento regional", afirma o reitor, profes- sor João dos Reis Canela. VACINA CONTRA GRIPE - O Ministério da Saúde prorro- gou o final da Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe para o dia 05/06/2015, visto que não foram alcançadas as metas preconizadas de vacinar, pelo me- nos, 80% de cada um dos grupos prioritários a fim de reduzir as complicações, as internações e a mortalidade decorrentes das infecções pelo vírus da gripe. O públi- co-alvo da campanha são os adultos com 60 anos ou mais de idade, as crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 5 anos de idade (4 anos, 11 meses e 29 dias), os trabalhadores de saúde, os povos indígenas, as gestantes, as puérperas (mulheres com até 45 dias após o parto), os grupos portadores de doenças crôni- cas não transmissíveis e outras condições clínicas espe- ciais, a população privada de liberdade e os funcionári- os do sistema prisional. CUMPRIMENTO DA META - Em Minas Gerais, de 4.099.337 mil pessoas previstas já foram imunizadas 2.139.951 com cober- tura de 52,02%. Em Montes Claros, a vacinação já atendeu a 41,68% da meta. As vacinas estão disponíveis para a popula- ção em 27 unidades de saúde. Para mais informações sobre os locais de vacinação ligue no (38) 3229-4353. MAL DE CHAGAS NA REGIÃO - O Norte de Minas ainda possui um número elevado da doença de chagas. Estudos elabora- dos pela Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) estão em fase final de consolidação e possibilitarão novas pes- quisas com ensaios clínicos, visando avaliar tratamentos para os pacientes chagásicos. SIMPÓSIO - O Mal de Chagas, descoberto em 1909, pelo cientista mineiro Carlos Chagas, no município de Lassance (Norte de Minas), foi tema do Simpósio "Atu- alização em doença de Chagas" realizado no campus- sede da Unimontes, quando foram apresentados os conteúdos de atualização cientifica, avaliação clinica e tratamentos da doença, resultado de estudo aprofundado realizado em 22 cidades do Norte de Mi- nas, com 2.200 pacientes. "O Norte de Minas tem um número elevado de pacientes chagásicos e temos atu- ado em algumas cidades com a finalidade de estudar e conhecer melhor sobre a doença e as pessoas. Nossa proposta aqui é apresentar os resultados parciais das pesquisas feitas na região", ressalta o coordenador da Rede de Teleassistência de Minas Gerais, professor An- tônio Luiz Pinho Ribeiro. EXCELÊNCIA SidneyCRUZ sidaocruz@ig.com.br Léia Oliveira/ Ascom-Unimontes A coordenadora dos estudos sobre o Mal de Chagas na região, Ester Cerdeira Sabino, da USP Desenvolvimento SudeneeSedinorfocamaregião çoamento. Estão programados, para tanto, três fóruns nas microrregiões quecompõemoterritórioemestudo. Outrostrêsestudos,jáelaborados, compõemocalendáriodeaçõespara aelaboraçãodoplanodedesenvolvi- mentointegradodoNorteeNordeste de Minas Gerais. O primeiro deles apresentourelatóriodesituaçãodare- gião,apontandoascondiçõesdevul- nerabilidadesocialeasatividadeseco- nômicaslocais.Emseguida,foielabo- radaanálisedeinvestimentos,quetrou- xe levantamento dos investimentos públicoseprivadosnaregião,incluin- doaçõestambémdoterceirosetor.O terceiro produto tratou da análise de convergência de planos para o Norte eNordestedeMinasGerais.Nestaeta- pa,foramobservadososplanejamen- tos dos agentes de desenvolvimento que atuam na região, sendo aponta- dospontosdeconvergência,conflitos econcorrênciaentresi. AexpectativadaCoordenaçãode DesenvolvimentoSustentáveldaSu- deneéqueoplanosirvacomoinstru- mentoestratégicodeplanejamentoa longo prazo para o desenvolvimento sustentável da região, colaborando tambémparaumamelhorarticulação junto ao governo de Minas.Ainiciati- va de elaboração do plano de de- senvolvimento integrado do Norte e Nordeste de Minas Gerais integra o programa 2029, de Desenvolvimen- to Regional Territorial Sustentável e Economia Solidária. O projeto é re- sultado de convênio firmado no final de 2013 junto ao Instituto de Desen- volvimento do Norte e Nordeste de Minas Gerais (IDENE). Revitalização dos DIs O governador Fernando Pi- mentel,doPT,lançou,nanoitedes- saquinta-feira,duranteacomemo- raçãodoDiadaIndústria2015,em Belo Horizonte, uma importante ação para renovar e fortalecer a indústria mineira: o Programa de Revitalização e Modernização de DistritosIndustriais.Oplanofoide- senvolvidopelaCompanhiadeDe- senvolvimento Econômico de Mi- nas Gerais (Codemig) em parce- ria com a Federação das Indústri- asdoEstadodeMinasGerais(Fi- emg) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Em- presas (Sebrae). O programa tem como princi- palobjetivoalavancarodesenvol- vimento industrial no estado, tor- nando Minas cada vez mais atra- tivaparaindústrias.Entreasestra- tégias do plano estão à organiza- ção da infraestrutura de ponta, o aumento da atratividade dos DIs em relação ao mercado e a pro- moção da competitividade indus- trial,estruturandoumambientede cooperação. ETAPAS -Aprimeira etapa do Programa de Revitalização e Mo- dernizaçãodeDistritosIndustriais será o mapeamento do Estado, obtendo dados cadastrais e infor- mações sobre os 53 DIs e as em- presas instaladas em cada um deles. Nessa fase, a Codemig adotará um modelo que envolva a comunidade local, sobretudo escolasdeengenharia,economia e administração. Por meio de contrato com uni- versidadeseoutrasinstituiçõesde ensino da região, serão produzi- dos relatórios sobre as empresas para todos os distritos industriais, com ênfase em informações, como tipo de atividade, porte das empresas, arrecadação e escoa- mento da produção. Este convê- nio permitirá interação efetiva do setor acadêmico com os distritos, Governolançaprograma para estimular investidor envolvendo alunos, professores, entidadesassociativaseoutrosre- presentanteslocais. Na segunda fase, o plano pre- vê a avaliação socioeconômica dosmunicípiosedascadeiaspro- dutivasatendidaspelosDIs,abran- gendo dados diversos, como lo- calização, PIB do município, ren- da per capita e por setores, popu- lação, empregos gerados por se- toreconômico,escolaridadeepro- fissão da população empregada, arrecadação de ICMS, inserção no mercado internacional (expor- tações,importaçõeseinvestimen- todiretoestrangeiro),estruturalo- gísticaeatividadesindustriaisde- senvolvidasnolocal. Aterceiraetapaenvolveaaná- lise dos distritos selecionados como prioritários, avaliando infra- estrutura, logística, governança e competitividade industrial. Já a quarta fase compreende a propo- siçãodoPlanoDiretordeRevitali- zação dos distritos selecionados e das empresas industriais neles presentes. Porfim,oquintomomentocon- siste na execução desse planeja- mento,abarcandoitenscomoqua- lificaçãodefornecedores,serviços de apoio à indústria, desenvolvi- mento das cadeias produtivas, in- fraestrutura,segurança,meioam- bienteeatraçãodeinvestimentos. O programa será executado a partir de junho deste ano.Até no- vembro, estão previstas a entre- ga das ações referentes ao siste- madegestãopatrimonialeaoma- peamento das empresas.Apartir de fevereiro de 2016 deverão ser desenvolvidososplanosdiretores dos distritos selecionados. O pro- grama seguirá até 2018, durante toda a atual gestão de Governo, quevemvalorizandoaintegração, a parceria e a regionalização, na busca do desenvolvimento soci- oeconômico. Paulo Guedes articula para aclerar o desenvolvimento da área da Sudene Remuneração do SUS Comissão ouve reclamações sultasnecessárias. OpresidentedaFundaçãoDílson Godinho,DilsondeQuadrosGodinho Junior, disse que as dificuldades na manutenção dos serviços são gran- desespecialmentepelosbaixosvalo- res pagos pelo SUS, que, segundo ele, cobrem apenas 40% dos custos dos tratamentos oferecidos.Afirmou que, mesmo com os recursos extras oferecidos por programas estaduais emunicipais,apenas65%doscustos são cobertos. Ele disse que vários representantes de hospitais estarão em Brasília no dia 26 de agosto para ato de protesto contra esses valores. A política de pagamentos basea- dosemincentivosfoicriticadapelosu- perintendentedoHospitalMárioPen- na, Mauro Oscar Lima. Segundo ele, os incentivos são instáveis, mudam todootempoedificultamumbompla- nejamento. Por sua vez, o superin- tendentedegestãohospitalardoHos- pital da Baleia, Éder Lúcio de Souza, reclamou que a verba que a institui- ção recebia do Pro-Hosp, programa doGovernodoEstado,foicortadapela metade de 2013 para 2014. Ele afir- mou que a dívida do hospital chega hoje a R$ 40 milhões. DIAGNÓSTICO -Acoordenado- ra da Rede de Atenção às Doenças Crônicas da Secretaria de Estado de Saúde,MárciaDayrel,dissequeestá sendo feito um diagnóstico do perfil dasdemandasedoscasosatendidos em todo o Estado. Segundo ela, a regionalização vai nortear a política da pasta, de forma que as pessoas possamsertratadassemsedesloca- rematéaCapital,semprequeissofor possível.Apenasnoscasosemque são necessários profissionais alta- mente especializados, alguns hos- pitais serão considerados referên- cia para todo o Estado. O deputadoArlen Santiago dis- se que as prefeituras e Estados es- tãoficandosobrecarregadosaoas- sumir gastos que deveriam ser, de acordo com ele, do Governo Fede- ral. O parlamentar afirmou que em 2014 a União deixou de executar mais de R$ 10 bilhões do orçamen- todasaúdeecriticoumedidascomo a que determinou que só seriam pagasasmamografiasdemulheres acima de 50 anos. Dílson Junior reclamou dos baixos valores pagos pelo SUS, em prejuízo dos hospitais Pollyanna Maliniak
  4. 4. celiacaldeirajn@yahoo.com.br EMPRE$AS &EMPRE$ÁRIO$ Célia CaldeiraCélia CaldeiraCélia CaldeiraCélia CaldeiraCélia Caldeira WORK Shop JORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASMONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24/25DEMAIODE201544444 - CIDADE- CIDADE- CIDADE- CIDADE- CIDADE ANIVERSÁRIODEALIANAANIVERSÁRIODEALIANA MERCADO S/MERCADO S/A BLOCODEMODA WWWWWagner Pagner Pagner Pagner Pagner Pennaennaennaennaenna Caio Goulart, Lázaro Gonzaga, Afif Domingos e Glenn Andrade. A Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa e a Comissão Especi- al do PLP 025/2007 da Câmara dos Deputados realizaram, na Fecomércio, em Belo Horizonte, seminário regional para discutir as alterações no Projeto de Lei Com- plementar, que trata o regime tributário Simples Nacional. Realizado dia 18 de maio, na sede da Fecomércio, o evento contou com a participação do ministro das Micro e Pequenas empresas, Guilherme Afif Domingos. Presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Montes Claros (Sindcomércio), Glenn Andrade, também participou do Seminário e destacou sua relevância para o setor. OBJETIVO / PRESENÇAS O encontro teve como meta debater e elaborar relatório que atenda às neces- sidades dos proprietários de micro e pequenas empresas. Além de Guilherme Afif Domingos, também participaram do seminário o deputado federal Jorginho Mello, presidente da Frente Parlamentar Mista da Micro e Pequena Empresa, e o deputado Leonardo Quintão, coordenador regional da Frente Parlamentar da Micro e Pequena Empresa, como também representantes de setores empresari- ais, como Fecomércio, Fiemg,Sebrae, Sindicatos Patronais, CDL, Associação Co- mercial de Minas Gerais, CRC, Federação dos Contabilistas e empresários minei- ros. SINDCOMÉRCIO MONTES CLAROS Presente ao evento, o presidente do Sindcomércio de Montes Claros, Glenn Andrade, exaltou o fato da Fecomércio sediar o evento e oportunizar aos empre- sários e seus representados um debate construtivo em busca do aprimoramento do Simples Nacional. “Esperamos que as mudanças realmente venham amenizar os impactos causados pela alta carga tributária, sobretudo das micro e peque- nas empresas”, concluiu o sindicalista. GAL BERNARDO integra a equipe dos novos instrutores SENAR MINAS (Foto arquivo Senar) A jornalista e turismóloga Gal Bernardo foi aprovada no processo seletivo para atuar como Instrutora do Senar Minas na área de Turismo Rural. Credenciada como instrutora do Senar Minas, quem ganha é a região norte mineira, que terá mais uma oportunidade de capacitar as pessoas do campo com qualidade e profissionalismo. Gal Bernardo atualmente ocupa o cargo de Gerente de Turis- mo, Feiras e Eventos da Prefeitura de Montes Claros e a parceria com o Senar (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) chega em boa hora, numa região cujo perfil turístico é rural, ambiental e ecológico. Os sindicatos rurais do norte de Minas, lado a lado com o Senar via FAEMG, estão dando as boas vindas à Gal Bernardo. Sucesso e aplausos! I Feira de Gastronomia Uai, Gourmet! No última dia 16 de Maio foi realizado a I Feira de Gastronomia UAI, GOUMERT,o evento é uma das formas de avaliação da disciplina de Marketing do professor Marcus Caldeira sob orientação do coordenador Jonas Sacchetto, com a participação da Brasil Cachaçaria, La Brasa, Opera Confeitaria, Floricultura Flor de Minas, Nature Farm Gift, Atelier do Chef e Paparis expondo seus produtos e serviços nos stands. Além dos patrocínios e colaboração da Total eventos, Center Pão, Casa de carnes Sumaré, Restaurante Caldeirão Grill, Guga gás e apoio e patrocínio da cerveja- ria Itaipava. A organização ficou por conta da turma do 3 período de Gastronomia em conjunto com o Professor Marcus Caldei- ra e o Coordenador Jonas Sacchetto.O kg de alimento arre- cadado como entrada do evento será entregue no Lar das velhinhas. Fonte: Anne Caroline, Equipe de Marketing. A moda da Apartamento 03 na SPFW Foto: Agencia Fotosite divulgação FERIADOS Os feriados acumulados, em grande quantidade, no calendário deste ano, atrapalham a produtividade do pais - inclusive na moda. Um exemplo foi o cancelamento do BH-à-Porter, evento expandido (isto é, realizado ao mesmo tempo em váios showrooms da cidade) que pre- tendia estimular as vendas em pronta-entrega das confecções de Beagá , com foco no Dia das Mães. Na ultima hora, as viagens das lojistas fo- ram suspensas porque as passagens ficaram mais caras, os hotéis chei- os e por aí. Também em São Paulo, o salão Casamoda teve movimento fraco, dizem, pelo mesmo motivo. Quem salvou a situação foi a Minas Trend, que teve bom movimento - e aconteceu bem antes da turma relaxar para o dolce farniente dos feriadões. NOVOSTALENTOS Aturmademodernosdamodabrasileiraestáagitada.Nembemaca- bou a Casa de Criadores, em São Paulo, onde muitos nomes novos da moda surgem a cada ano (o Ronaldo Fraga ganhou força quando esteve lá), os estilistas novos já fizeram as malas e foram mostrar suas cria- ções em Fortaleza - onde acontece, nesta semana, o Dragão Fashion. Esse evento existe há quase 20 anos e tem esse nome por causa do Centro Cultural Dragão do Mar, o maior do Ceará. Dito isso, vale acres- centar que sem gente nova na moda o setor morre - dai a importância de se prestigiar essas iniciativas. E Minas, o principal evento para os novos é o Ready to Go, realizado durante as edições da Minas Trend, pelo Sindivest-MG. Sommelier Eugenio, Anne Barcellos, Anne Caroline Figueiredo e Uilliam Salomão -Stand Cervejas especiais Itaipava. CHEF: GABRIEL TRILLO DO CINE CAFÉ BRASIL CHEF GABRIEL TRILLO , UILLIAN SALOMÃO E LEANDRO FAVORITTO Como em todos os anos , acontecerá nos dias 29, 30, 31 de Maio e 05, 06, 07, 12, 13, 14 de Junho do cor- rente ano a partir das 19h00m, na Rua São Carlos, nº 40, Todos os Santos, as Barraquinhas do Orfanato . Haverá ainda , Shows com bandas, voz e violão e violeiros. No dia dos namorados haverá uma pro- gramação especial. Colaborem! Simples Nacional Ministro sugere alterações em reunião na Fecomércio TURISMO RURAL Novos instrutores são capacitados em Viçosa Na área de Turismo Rural, a turismóloga Gal Bernardo, de Mon- tes Claros (Divulgação/Senar) Formar novos instrutores para atuação nos cursos e programas do SENAR MI- NAS foi o objetivo da capacitação realizada em Viçosa nas duas primeiras sema- nas de maio. Vinte e nove pessoas participaram dos encontros. Os participantes são das áreas de Apicultura, Avicultura, Boas Práticas na Fabricação, Bovinocultura, Cafeicultura, Cerqueiro, Classificação e Degustação de Café, Eletricista, Irrigação, Leite, Operação de Máquinas, Saúde na Terceira Idade, Saúde Reprodutiva, Segurança no Trabalho, Silvicultura, Turismo e Vigia Florestal. Também houve profissionais interessados em serem instrutores do novo curso a ser oferecido pelo SENAR: Recuperação de Nascentes e Áreas Degradadas.Segundo a assessora pedagógica Mirian Rocha, a capacitação teve momentos teóricos e práticos. Primeiramente, todos aprenderam a metodologia do SENAR. Em seguida, fizeram planos instrucionais e tiveram de aplicar os méto- dos aprendidos em microaulas, que foram ministradas para os demais partici- pantes. Em clima de casamento, a noiva da Arte Sacra Foto: divulgação O masculino da Civil Foto: divulgação PRESTIGIO A moda mineira está crescendo - e ganhando mercados. O fato é que o prestigio atual da nossa moda já é refletido na procura pelas nossas marcas. Um sinal disso está nas feiras realizadas em todo o pais (principalmente São Paulo) onde as grifes mineiras fazem tremendo sucesso. Isso, sem falar no sucesso da nossa feira 'local', que é a Minas Trend. O mais curioso é que a fama daqui cresceu tanto que, até mesmo em mercados difíceis como Beagá, a preferência das clientes pelas marcas de Minas está fazendo muita lojista mudar suas araras e colo- car o made in Minas por lá. No interior o fenômeno também vem acontecendo.Amém. " Minas marcou mais um belo tento na cena fashion nacional. As indicadas pelo Sebre-MG para o programa de aperfeiçoamento entre a entidade e o In-MOD (instituto ligado à SPFW) foram aprovadas. São elas a Green Co. e a Jardin com a feliz seleção da dinâmica Denize Pi- nho. No total são cinco e temos duas. Uau! *** " Membro de uma das famílias mais tradicionais na pronta-en- trega de moda de Beagá, o Pedro Rabello está dando um up grade na Civil - com propostas masculinas bacanas. A coleção de inverno tem de alfaiataria até bermudas, passando por t-shirts, jeans e outras peças com muito estilo. Vale conferir **** PONTOFINAL. Há alguns dias, o Congresso votou a terceirização para a contratação de trabalhadores. Para o setor de moda, esse passo foi decisivo para que as confecções, tecelagens e afins aumentem sua produção e, prin- cipalmente, trabalhem em paz. O fato é que, nos últimos, quem recor- ria a esse sistema de trabalho enfrentava a incompreensão dos fiscais quanto à diferença de atividade-meio e atividade-fim , detalhe que definia a legalidade da contratação. Agora, isso vai acabar. A Minas Trend com o inverno 2016 já está marcada e acontece entre 6 e 9 de outubro, no Expominas. As primeiras reuniões dos organizadores acontecem nesta semana inicial de maio *** "Barraquinhas do Orfanato" Nathalie Guimarães, de Viçosa(Fonte)
  5. 5. JORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIAS MONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE2015 CIDADE - 5CIDADE - 5CIDADE - 5CIDADE - 5CIDADE - 5 Apartamentos com 3 quartos (sendo um suíte), banho com aquecimentosolar(socialesuíte),lavabo,cozinha,saladeestar e jantar, varanda, duas vagas na garagem e um box/dispensa. APARTAMENTOTÉRREO " Área total do apartamento: 128m² - 107m² de área fechada APARTAMENTOSEGUNDOPAV.COMÁREAP/CONSTRUÇÃO DECOBERTURA " Área total do apartamento: 110m² de área fechada " Área para construção de cobertura: 90m² Usocomum:Áreadelazercomcozinhagourmetedoisbanhei- ros de apoio. **Liberado para financiamento bancário. Telefones para contato: 9945.2886 / 9966.6807 (VIVO) 9130.9515 / 9117.5766 (TIM) VENDE-SE 2 APARTAMENTOS NO IBITURUNA AV. HERLINDO SILVEIRA, 635 WHATSAPP AplicativoaserviçodobemedomalCriado em 2009, o Whatsapp se tornou uma máquina de troca de mensagens entre pessoas, que não param de aderir ao apli- cativo. Tanto que, com quatro anos de existência, o aplicativo possuía quase duas vezes mais usuários que o Facebook tinha com a mesma idade. Contudo, as mensagens instantâneas en- viadas pela simplicidade da mul- tiplataforma para celulares e smartphones, além de serem uti- lizadas para o bem, também es- tão sendo usadas para o mal. O imediatismo virtual, quando usada de forma equivocada, pode transformar a mensagem, foto, vídeo, áudio e a localização do contato em uma dor irrepará- vel. E isso tem sido rotina nos quatro cantos do país. Em Mon- tes Claros, com a disseminação e fomentação do aplicativo, a ins- tantaneidade e envio das mensa- gens cresce a cada dia. Mas jun- to com essa crescente estatísti- ca, aumenta também o número de usuários que sai a caça de acidentes, como um predador atrás da caça, para difundir e compartilhar entre os contatos através de grupos. E rapidamente a mensagem é propagada para outros grupos que pode rodar o planeta em frações de segundos. Mauro Miranda Ferreira, ge- rente operacional da Record Mi- nas em Montes Claros, conta que usa o aplicativo praticamen- te durante todo o dia. É o princi- pal meio de comunicação com a equipe de trabalho na cidade e a matriz da empresa em Belo Ho- rizonte e Varginha. E a principal finalidade do aplicativo é a prati- cidade da plataforma. “É uma ex- celente ferramenta para envio rá- pido de vídeos e imagens para nossos telejornais. E a principal finalidade pelo motivo que eu uso é o trabalho. É muita praticidade. O aplicativo tem facilitado minhas tarefas em meu dia-a-dia. As no- tícias chegam a todo momento via Whatsapp. Para quem trabalha com comunicação o aplicativo foi uma verdadeira revolução”, en- fatiza. E devido aos recursos tecno- lógicos que os modernos apare- lhos de celulares proporcionam, diversas pessoas ao flagrarem um acidente, a primeira reação é registrar, seja através de foto ou vídeo, para compartilhar no apli- cativo. “É um tema polemico. Como profissional da imprensa essa é a minha reação: garantir imagens. Faço de forma profis- sional e responsável. Mas o que vejo são pessoas fazendo essas imagens por um prazer maca- bro, perverso. Não gosto de ver essas cenas. Existem coisas melhores para apreciar. Uma coisa é você registrar uma tra- gédia e divulgar jornalisticamen- te de forma responsável, respei- tando a dor dos envolvidos. Ou- tra coisa é fotografar e filmar, in- clusive com detalhes e divulgar para qualquer pessoa sem o menor critério”, observa. Porém, a praticidade encon- trada pelos profissionais da im- prensa no recebimento de infor- mações via plataforma do apli- cativo é a mesma que usuários utilizam para fomentar e divulgar imagens fortes de acidentes e homicídios. Nesse contexto, a utilização da plataforma acaba sendo usada para o mal. Diver- sos grupos são criados diaria- mente somente para divulgar ce- nas de acidentes. Outra usabili- dade da ferramenta é a prática de divulgar blitz realizadas pela Polícia Militar pelos principais corredores de trânsito da cidade. E o imediatismo da mensagem evita que a PM tire de circulação bandidos e procurados pela jus- tiça. Sobre a divulgação de blitz no aplicativo por diversos grupos, a PM, através do pelotão de trân- sito preferiu não se pronunciar. Banalizaçãodaviolência DeacordocomLeilaSilveira,psicó- logaecoordenadoradocursodepsico- logiadaFunorte,estudosepesquisas naáreadocomportamentohumanoevi- denciamquecompartilharfotosevíde- osdeacidentesehomicídios,principal- menteviaaplicativoWhatsapp,éum reflexodabanalizaçãodaviolênciaeda fragilidadedasrelaçõeshumanas.“Pes- soasdemonstramcadavezmenossen- sibilidadediantedefatalidadescomomor- tes,assassinatos,acidentes,entreou- trosassuntos”,enfatiza. Diversosacidentessãoregistra- dosdiariamenteemMontesClaros.e quando acontece um sinistro, a pri- meirareaçãodealgumaspessoase pegarotelefonecelularpararegistrar as imagens. Até mesmo o socorro àsvítimasficaparaosegundoplano. Eaindadeacordocomapsicóloga, aspessoasagemcomessamenta- lidade por que o mundo capitalista estimulaoter,avalorizaçãodoexteri- or e da imagem do belo em detri- mento do ser, do interior, dos afetos. ”Asredessociaissãousadas paradivulgarnossaimagemetam- bémparaaveriguarcomoasoutras pessoasrespondemaela.Embus- cadaaceitaçãosocial, encontramos pessoascarenteseansiosos porvi- sualizaçõese“curtidas”.Dessafor- ma, muitas pessoas se aproveitam desituações“chocantes”comoaci- dentesparachamaremaatençãono mundovirtual”,afirmaLeilaSilveiraao enfatizarqueoatosetransformeem banalizaçãodavida.“Istoretratauma inversãonascoisasque,defatonos deveriasercaras,significativasevalo- rizadas pelo ser humano. Devemos repensar nossa existência, promover umtrabalhodeconscienti- zaçãonaescola,nafamília.Regatar valorescomorespeito,limiteseempa- tia.Descobrirmaneirasmaisaltruístas desermosvalorizados”,destaca. ‘Fontes’ para a imprensaA busca pela notícia sempre foi o desafio dos profissionais da imprensa. Mas com o ad- vento tecnológico da internet, as redações dos jornais foram obrigadas a acompanhar as mudanças. Algumas começa- ram a utilizar as redes sociais para facilitar que informações chegassem com mais rapidez. Ultimamente, alguns jornais têm o canal aberto com o leitor, mas, sobretudo com a população. E com o advento do aplicativo Whatsapp, redações tiveram ainda mais seus serviços faci- litados para divulgação de di- versas notícias. Porém, alguns jornalistas ainda têm receios de migrar para a novidade. O publicitário Thiago Felipe Costa de Morais conta que usa o aplicativo para fazer contatos com amigos e parentes, mas que, o aplicativo também é usa- do para o lado profissional com o objetivo de divulgar ações da empresa e ficar informado de tudo que acontece na cidade e região, isso porque a informa- ção chega mais muito rápida. Diversos jornalistas usam o aplicativo, através de grupos das mais diversificadas for- mas. Cada grupo pode ter até 100 membros. E nesse senti- do, o publicitário que participa de diversos grupos, além de ter uma página no Facebook intitu- lada Eventos Moc, ultimamen- te tem servido de fonte para vários repórteres na cidade e pautado revistas, jornais im- pressos e emissoras de televi- são através dos telejornais. Apesar de não ter nenhum vínculo com a imprensa, o fren- tista Darllen Ruas Caldeira en- fatiza que possui três grupos com assuntos de acidentes no Whatsapp. Com 100 membros em cada grupo, ao menos 300 pessoas de diferentes locais de Montes Claros enviam diaria- mente fotos de acidentes. São flagrantes registrados pelos próprios membros e enviados para o grupo. Por ter tantos con- tatos, Darllen foi convidado para participar de um grupo formado em sua maioria por jornalistas. “Eu uso o aplicativo 24 horas por dia. O objetivo é levar infor- mações para as pessoas que gostam de notícias em tempo real. E os grupos, por possuir 300 usuários, estão em diver- sos pontos da cidade. E muitos acidentes são registrados por esses anônimos que comparti- lham as fotos e vídeos. Fica- mos sabendo de acidentes, as- saltos e outras notícias bem mais rápido que os nossos jor- nais. Em muitos casos servi- mos de fonte para os próprios jornalistas”, disse. O PUBLICITÁRIO Thiago Felipe usa ativamente o aplicativo e ser até mesmo como fonte para pautar revistas, jornais e tvs A PSICÓLOGA Leila Silveira afirma que o compartilhamento de imagens de acidentes no aplicativo é uma banalização da violência e da vida GERENTEdaRecMinasemMontesClaros,MauroMirandausaoaplicativoparafinsprofissionais CONVERSA no Whatsapp mostra a utilização da ferramenta para praticar o mal JULIANA DUTRA REPRODUÇÃO DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO
  6. 6. JORNAL DE NOTÍCIASMONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE20156 - CIDADE Construção e reforma de imóveis comerciais e residenciais. Baixo custo, transparência, seriedade e qualidade. Trabalhos desenvolvidos conforme normas e legislações vigentes,porprofissionaishabilitados, experientes e capacitados. Ligue e agende um orçamento. PRECISA CONSTRUIR OU REFORMAR O SEU IMÓVEL? TEMOS A EQUIPE ESPECIALIZADA PARA ISTO! EdgardM. 9966.6807 (Vivo) / 9117.5766 (Tim) Telefones para contato: VENDE -SE APTO NOVO , 02 QUARTOS 01 VAGA NA GARAGEM BAIRRO: AUGUSTAMOTA 1º ANDAR - 66 m² PRIVATIVA 89m² CONSTRUÇAO (38)3222-0119 (38)8808-6199 MEIO SÉCULO DA UNIMONTES Cinquentonaligadana inovaçãotecnológica Primeiro foi a FUNM, criada por meio da Lei Estadual 2.615, do ex-deputado Cícero Dumont, em 1962; em 1989 a Fundação se transformou na Universidade Estadual de Montes Claros Uma instituição em crescimento, que investe na inovação tecnológi- ca, em obras físicas e na ampliação dapós-graduaçãoStrictosensucom o incremento das atividades de ensi- no, pesquisa, extensão e da presta- ção de serviços à comunidade. Este é o perfil da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), que comemora 53 anos de ensino supe- rior público no Norte de Minas neste domingo (24/05). Por meio da Lei Estadual 2.615, do ex-deputado Cícero Dumont, de 24 de maio de 1962 foi criada a Fun- dação Norte-Mineira de Ensino Su- perior (FUNM). Em 1989,a FUNM foitransformadanaUniversidadeEs- tadual de Montes Claros. “Ao comemorar 53 anos, a Uni- montes avança como uma universi- dade consolidada e comprometida com o ensino superior público de qualidade.Superadesafios,comob- jetivosmuitobemdelineadosalinha- dos com as perspectivas do desen- volvimento regional”, afirma o reitor João dos Reis Canela. O reitor destaca que, juntamente comamelhoriadasaçõesdoensino, pesquisa e extensão, a universida- detemcomoprioridade“estabelecer os atos do concurso público para do- cente,buscandoaregularizaçãofun- cional da maioria dos seus professo- res”. O concurso público cujo pro- cessofoiiniciadonosegundosemes- tre de 2014 visa o preenchimento de 637 vagas, divididas em 27 editais, publicadosseparadamenteporcada departamento. “Tambémtemoscomo meta a regularização de todo corpo técnico-administrativo,açãoindispen- sável para o pleno desenvolvimento da nossa instituição”, completa o rei- tor. A comunidade universitária é for- mada por cerca de 12 mil alunos dis- tribuídos em 134 cursos, sendo 56 deles regulares de graduação e os demais:licenciatura,adistância(gra- duação), técnico-profissionalizantes (presenciais e a distância), pós-gra- duação Lato sensu (presenciais e a distância) e Stricto sensu (próprios e interinstitucionais).Somentenoscur- sos regulares de graduação são 7.830 alunos matriculados, sendo 5.473 alunos no campus-sede e 2.357 nos campi de Almenara, Bo- caiúva, Brasília de Minas, Espinosa, Janaúba, Januária, Paracatu, Unaí, Pirapora, Salinas e São Francisco, além dos núcleos avançados de Jo- aímaePompéu. A Unimontes alcançou a marca de 50.089 profissionais graduados em seus diversos cursos, de dezem- bro de 1966 a dezembro de 2014. Nos cursos de graduação regu- lares são oferecidas 2.713 vagas anuais.Ainstituição também ganha destaque na educação a distância, fortalecidaporintermédiodosprogra- mas da UniversidadeAberta do Bra- sil (UAB), desenvolvidos em parce- ria com o Ministério da Educação; e Uai-Tec, em parceria com o Gover- no do Estado, por intermédio da Se- cretaria de Estado de Ciência, Tec- nologia e Ensino Superior (Sectes). No sistema a distância são mais de 3,4milalunosmatriculados, nos cur- sos das áreas deAdministração Pú- blica,ArtesVisuais,CiênciasBiológi- cas, Ciências da Religião, Ciências Sociais,EducaçãoFísica,Geografia, História, Letras/Espanhol, Letras/In- glês,Letras/PortuguêsePedagogia, atendendo73municípios. A capacitação dos professores é incentivada como ferramenta para a melhoria da qualidade de ensino na instituição,cujocorpodocentealcan- çou o percentual de 54,55% de titu- lação Stricto sensu. De um total de 1.472 professores, 803 contam com títulos de mestre, doutor e pós-dou- tor. PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A ampliação dos cursos de pós- graduação Stricto sensu é uma das prioridades da instituição. Estão em funcionamentoosmestradosprofissi- onaisemBiotecnologia,Letras/Estu- dosLinguísticoseCuidadosPrimári- os em Saúde (e os mestrados aca- dêmicosemCiênciasBiológicas,Ci- ências da Saúde, Desenvolvimento Social, Geografia, História, Letras/ Estudos Literários, Produção Vege- tal no Semiárido, Modelagem Com- putacional e Zootecnia, totalizando 469 alunos matriculados. Também são ministrados os doutorados em Ciências da Saúde e Produção Ve- getal no Semiárido. Neste primeiro semestrede2015,foraminiciadasas atividades do Doutorado em Desen- volvimento Social, aprovado pela CoordenaçãodeAperfeiçoamentode Pessoal de Nível Superior (Capes/ MEC). Auniversidadecontacomosdou- toradosinterinstitucionaisemGeogra- fia,emparceriacomaPontifíciaUni- versidade Católica de Minas Gerais (PUC-Minas); em Ciências Sociais, em conjunto com a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); CiênciasdaReligião(parceriacoma PUC/SP) e Odontologia Reparado- ra, oferecido em parceria com a Uni- versidade de São Paulo – USP/ CampusRibeirãoPreto.Tambémsão ministradososmestradosinterinstitu- cionais em Teoria Psicanalítica, em parceria com a Universidade Fede- ral do Rio de Janeiro (UFRJ) e em Artes Cênicas, em parceria com a Universidade Federal. AVANÇO NA PESQUISA As atividades da pesquisa são incrementadas,comestímuloperma- nente à iniciação científica e à inte- gração com a graduação. São de- senvolvidos projetos de pesquisa de interesse regional com busca de so- luçõesparaosproblemaseamelho- ria da qualidade de vida das pesso- as. As ações são reforçadas com o apoio de organismos estaduais e fe- derais de fomento à pesquisa, como a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fape- mig) e o Conselho Nacional de De- senvolvimento Científico e Tecnoló- gico (CNPq). Ainstituiçãoconta52gruposde pesquisa e 192 linhas de pesquisa, totalizando600projetosdepesquisa aprovados. UNIMONTES ajudou a fazer de Montes Claros um dos grandes pólos universitários de MG ASCOM/UNIMONTES
  7. 7. A produção das sandálias Ha- vaianas em Montes Claros segue a todo vapor, apesar da perda de ritmodaeconomiabrasileira.Atual- mente, a unidade opera com 70% de sua capacidade instalada, de acordocomopresidentedaAlpar- gatas, Márcio Utsch. Com uma capacidade instalada de 100 mi- lhões de pares/ano, a fábrica da Alpargatas no Norte de Minas foi inauguradaem2013,mediantein- vestimentosquetotalizaramR$279 milhões. De acordo com Utsch, o ritmoatualdeproduçãodaunidade mineira está dentro do planejado pelaempresa.Eleexplicaqueain- da levará cerca de 12 meses para queafábricaalcanceasuacapaci- dadeplena. Amanutençãodoritmodepro- dução na fabricação dos calçados Vende-se uma casa nova, em área nobre do Ibituruna, na Av. Espanha, nº 55. Primeiro piso: garagem coberta p/4 carros, lavabo, cozinha com dispensa, área de churrasqueira coberta, jardim interno, área de serviço. Segundo piso: suite com closet, 2 quartos com banho social, saladeTV,escritório.Portasejanelasemblindex fumê, teto rebaixado em todos ambientes. Tratar nos fones: (38) 9932-8665 / 9193-2006. CASA NOVA NO IBITURUNA Casa pronta para morar, Aceita-se Imóvel (Lote) ou Gado como entrada, documentação pronta pra financiamento. Baladocianas AUGUSTO VIEIRA PAZ INTERIOR E UMA BELA MENSAGEM Que sensação mais gostosa senti hoje, ao acordar. De bem co- migo mesmo. Consciente de minhas últimas atitudes em relação à minha existência, na certeza de que não prejudiquei a ninguém e apenas quis buscar para mim os melhores caminhos para prosse- guir minha travessia. Estou feliz! Sadio mentalmente e pronto para outrasjornadas.Eaindareceboumalindamensagemdizendoden- tre outras coisas que posso ter todos os defeitos do mundo, mas ainda sou melhor do que o resto do mundo, o melhor que Deus colocounavidadapessoaquearemeteue,oqueémaisimportan- te para mim, VERDADEIRO. Sei que sou mesmo muito franco e sincero e nunca traio meus sentimentos, pouco me importando com as opiniões dos outros a este respeito. Vida que segue em busca de muita alegria e confraternização. BADYDERROTAADITADURA Em homenagem a meus queridosamigosBady,Vera,Ba- dyzinho(BadyCuriNeto),Semí- ramis e Cristiano, essa histori- nhaquemostraainteligênciaea perspicáciadeumfuturoDesem- bargadorquehoje,aposentado, curte a vida numa família mara- vilhosa,cheiadeamorunspelos outros. Um general quer deixar sua filha,detrezeanos,numbaileno- turno de Carnaval. Impedido de fazê-lo por um comissário de menores, o “encarteira”. O co- missário pede, então, ao milico queoesperassenaportaria,pois iriaconsultarojuiz. Bady Curi, iniciando carreira na comarca, após ouvir atenta- mente o relato do fato, ordena ao servidor que lhe traga a carteira do general,oqueécumprido.Badyexaminaodocumentoedeterminaque o general fosse conduzido à sua presença. Minutos após, entram na diretoria do clube o comissário e o general. Bady fala: — Estou seriamente desconfiado que o senhor não é general coisa nenhuma e que sua carteira é falsa. Está apreendida. Eu a remeterei ao Ministério do Exército para verificação. — Mas por que, doutor? — Um general de verdade jamais descumpre uma ordem judicial legítima. O general, soldado raso, pede desculpas ao novel magistrado e se manda do local com a filha menor. E A CORRUPÇÃO? Eaputariadessataldedelaçãopremiada?Ébandidofalandode bandido vinte e quatro horas por dia. Nunca aceitei essa coisa. Já absolviréusconfessos,acusadosporcriminososqueusaramessa coisa lesiva aos direitos humanos, por insuficiência de provas da acusação. O que precisamos é um Ministério Público atuante, ágil, que denuncie os crimes, de juízes que recebam (total ou parcial- mente) ou rejeitem as denúncias, o que transforma tudo em ações penais, que serão julgadas, assegurando-se aos acusados a mais ampladefesaeobservando-seosprincípiosdoprocessopenal,ou seja, o devido processo legal. O resto é conversa fiada. Todos os partidos fizeram caixa 2. Usaram dinheiro de empreiteiras, de fun- dos de pensão, de agências de publicidade. As campanhas foram se tornando caríssimas. E os militantes não podiam pagá-las. Te- mos é que pegar os que se beneficiaram dessas fraudes à lei e julgá-los rapidamente, sejam eles do partido que forem. Aí será dado o grande passo, não para acabar (sempre haverá corrupção onde houver seres falíveis), mas para reduzir a quase zero esse flagelo,quetiraescolasdecrianças,hospitaisdedoentesealimen- to da boca de quem realmente necessita. Essa novela interminável já está me enchendo o saco. MEU QUERIDO D. GERALDO Estou muito triste. Chorando mesmo. Fiquei sabendo, agora, do falecimento de meu querido amigo D. Geraldo, através de um de seus discípulos. D. Geraldo e eu tivemos momentos maravilhosos juntos. Sou fã de toda a família dele que sempre chamei de "família Espírito Santo". Só deu gente boa ali. Mas boa mesmo, de arrebentar de bonda- de e de virtudes. Coisa rara numa família moderna. D. Geraldo viveu em linha direta com Deus, com a santidade, com o sagrado. Tudo nele era sublime e amoroso. Uma vez, tal qual hoje, ele me fez ir às lágri- mas, num daqueles momentos de elevação espiritual que poucos ho- mens conseguem. Foi então que percebi que o poder e a riqueza mate- rial realmente não valiam nada ante as riquezas espirituais. E mudei minha vida em busca de sempre procurar ser mais humilde e me desgarrar cada vez mais do ter e procurar ser cada dia mais gente, mais filho do Deus de amor que nos pariu a todos, que nos ama igual- mente e só nos deseja o bem. Descanse em paz, meu querido amigo! Fico aqui chorando sua ausência, na certeza de que sua luz estará sempre presente em minha vida. Até breve! JORNAL DE NOTÍCIAS MONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE2015 CIDADE - 7 Fábrica de sandálias da Alpargatas jáoperacom70%dasuacapacidade Montes-clarense aborda amor na maturidade em livro digital RITA BICHARA (*) Amultiplicidadedamulhervocê identifica logo que conhece Ana PaulaSilva:BacharelemCiências Contábeis e com a maior parte do currículonestaárea,elacontrapõe escrevendoumlindoromanceque vem sendo muito comentado por estar num formato novo e que tal- vezsejaoprimeiroromancedigital de uma autora montes-clarense publicadonoe-commercedeuma editoranacional:aSaraiva. O livro “Me Apaixonei por um Poeta”, como uma obra literária, poderáserpercebidopeloleitorde várias maneiras, de acordo com sua vivência e sensibilidade. Mas otemaamornamaturidadeémuito evidenteecomplexo,proporcionan- doumdesdobramentodeentendi- mento,dediscordância,quefazdo livro uma deliciosa viagem. Segundoaautora,“Oamoréum sentimento simples, que pode sur- gir em apenas um olhar, sem expli- cação,fazendoocoraçãodescom- passar, a respiração ficar difícil e, a partirdaí,apessoasevêapaixona- da. Isso pode acontecer em qual- quer idade, a diferença é que para osmaisjovenstudoétratadodefor- ma mais simples, a entrega se dá maisfacilmente,normalmenteoco- ração ainda não se machucou, é li- vreeseentregamsemmedos,sem amarras, sem pensar nas conse- quênciasdaqueleamor”. “Já na maturidade, as pessoas já estão com certa bagagem, seus corações podem já terem sido par- tidos algumas vezes, carregam no peito um escudo, que protege das possíveis flechas dos cupidos de plantão. E acontece que essas fle- chas acabam acertando os cora- ções num momento de distração, uminstanteemqueaguardaéaber- ta. Por isso é mais difícil ver casais apaixonadosnamaturidade.Omais comum é serem analíticos nessa fasedavida,estudandoascompa- tibilidadesparaqueaschancesde erro diminuam, pois a sensação é quenãopodemmaiserrarnassuas escolhas,omedodeerrar,blindao coração”, comentaAna Paula. O livro “Me Apaixonei por um Poeta” nos conduz a refletir toda a dualidadedoamornasuasimplici- dade e complexidade e, especial- mente,namaturidade.Eletrata,por exemplo,quenãotemosocontrole de todas as situações, que nem sempre somos capazes de enten- dertudoqueavidatemanosofere- cer. E nem por isso a experiência deixadeserfascinante,“oamortei- Apartamentos com 3 quartos (sendo um suíte), banho com aquecimentosolar(socialesuíte),lavabo,cozinha,saladeestar e jantar, varanda, duas vagas na garagem e um box/dispensa. APARTAMENTOTÉRREO " Área total do apartamento: 128m² - 107m² de área fechada APARTAMENTOSEGUNDOPAV.COMÁREAP/CONSTRUÇÃO DECOBERTURA " Área total do apartamento: 110m² de área fechada " Área para construção de cobertura: 90m² Usocomum:Áreadelazercomcozinhagourmetedoisbanhei- ros de apoio. **Liberado para financiamento bancário. Telefones para contato: 9945.2886 / 9966.6807 (VIVO) 9130.9515 / 9117.5766 (TIM) VENDE-SE 2 APARTAMENTOS NO IBITURUNA AV. HERLINDO SILVEIRA, 635 ma em acontecer, a vida encontra um meio”, apesar da resistência que as pessoas maduras têm em seentregaraeste. Além do seu formato de leitura inovadorparamuitos,jáqueédigi- tal,estahistóriadeamornamaturi- dade é permeada pelos encontros virtuais, nesta comunicação con- temporânea,quetornapossíveles- taremcontatootempotodo,geran- domuitasvezesumafalsaimpres- sãodeproximidade.Constatevocê ao ler o livro, se as trocas de ima- gens, mensagens e voz, substitu- emotoque,oolhonoolho,umabra- ço real, um beijo demorado... Ou se é tudo a seu tempo... Mas, esta éapenasumapercepção,entenda doseujeitoodesdobrardahistória. (*)Consultorademarketinge negócios em Montes Claros se dá em meio ao momento em que diversos seg- mentosindustriaisestãoreduzindo a utilização da capacidade instala- da. Isto se dá em função da queda significativanoconsumointernore- gistrada neste ano. Porém, a em- presa continua a registrar cresci- mentoem2015.Noprimeirotrimes- tre,areceitalíquidaaumentou8,7% na comparação com o mesmo in- tervalodoanopassado.Oresultado atingiu R$ 948,9 milhões, contra 873,1milhõesem2014. De acordo com o executivo, em época de crise, as marcas líderes, tradicionalmente, são as que mais prosperam. Este é o caso de algu- masdascontroladasdaAlpargatas, comoaHavianas,aToppereaRa- inha. Em um momento em que o poder de compra está menor, os consumidores optam por produtos commenorespreçosemaiorvalor agregado."AHavaianas,porexem- plo,éumprodutomaisbaratoeque tem uma excelente relação custo- benefício",afirma. Economia - Em relação ao mo- mentoeconômico,Utschavaliaque a baixa credibilidade do governo é frutodoentraveenfrentadohojepelo Brasil, e que precisa ser corrigido. "Portanto,aumentarimpostonão aumenta a credibilidade e, na mi- nha opinião, agrava o problema", afirma.Segundoele,oaumentoda carga tributária tem como efeito o "enxugamento da economia". Ou seja:estáretirandorecursosdispo- níveis no mercado. "Este dinheiro tinha que circular para não haver maisdesemprego",defende.Além deresolveraquestãodabaixacre- dibilidade,Utschressaltaquetanto asempresasquantoosetorpúblico precisaminvestireminfraestrutura, para que o país volte a crescer. Deacordocomoúltimobalanço financeirodivulgadopelacompanhia, aAlpargatasregistroulucrolíqüido de R$ 99,2 milhões no primeiro tri- mestre.Omontanteé17,3%supe- rior ao resultado do acumulado de janeiro a março do ano passado, quando ele totalizou R$ 84,6 mi- lhões. O Ebitda - lucro antes dos juros, impostos, depreciação e amortização - cresceu 15,7% na mesma base de comparação. O resultado passou de R$ 139,1 mi- lhões para R$ 161 milhões.Amar- gem Ebitda atingiu 17%, contra 15,9%noprimeirotrimestrede2014. As informações são de RafaelTo- maz, do Diário do Comércio. MESMO COM crise a econômica vivida pelo País, a fábrica de sandálias Havaianas já opera com 70% da sua capacidade WILSON MEDEIROS
  8. 8. O dogma de Niceia (325), foi que proclamou que Jesus é outro Deus, mas pela Bíblia, Ele é Filho de Deus. O Enviado de Deus é um homem tão perfeito, que os teólogos, ainda na infância da teologia, viram Nele outro Deus! “Mas entre Deus e Jesus há um abismo.” Na reflexão do Padre Ário, mentor do primeirocismadahistória da Igreja. Aliás, o próprio Jesus ensinou o monoteís- mo, ou a crença num Deus Único. O dogma fala que as PessoasTrinitáriaséque são Três, mas que Deus é um só. Porém é um ensino contraditório, pois afirma tambémqueJesuséDeus, e até diz que quem não aceita que Jesus é Deus, não é cristão. Mas é Jesus mesmo que diz que seus discípulos são aqueles que se amam uns aos outros, não sendo, pois, os que creememalgumasdoutri- nascriadaseimpostas pelos teólogos pela força, e não expostas pela razão. Eeisalgunsexemplos bíblicos de que Jesus não é Deus, mas como nós é filho JESUS:HOMEM DIVINIZADOOUDEUS HUMANIZADO? IRAN REGO ISABEL LÔPO de Deus, e, consequentemente, Ele é também nosso irmão: “Ao jovem rico, que O chamou bom Mestre, Ele diz: Por que me chamas bom? Bom só Deus o é.” (Mateus 19: 17). Sem comentários. NaRessurreiçãoouaparição a Maria Madalena, Jesus lhe ordena: “Vai ter com meus irmãos e dize-lhes que eu subo a meu Pai e vosso Pai, a meu Deus e vosso Deus.” (João 20: 17). Se Jesus é nosso irmão, Ele não pode ser Deus. “Há um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, age por meio de todos e está em todos.” (Efésios 4: 6). Dispensa-secomentário. “A vida eterna consiste, oh meu Pai, em te conhecer a ti, o único Deus verdadeiro, e em conhecer a Jesus Cristo, a quem tu enviaste.” (João 17: 3).Semcomentários. “O Pai é maior do que eu.” (João 14: 28). Se Jesus fosse Deus mesmo, Ele seria igual ao Deus Pai, e não inferior a Ele. Sobre quando será o final dos tempos, não do mundo, Jesus disse: “Quanto a esse dia e essa hora, ninguém o sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho; só o Pai o sabe.” (Marcos 13: 32). Se JesusfossetambémDeus,Ele o saberia. “Meu Pai, que me enviou, é quem,porseumandamento, me prescreveu o que devo dizer e o que devo anunciar.” (João 12: 49). Quem envia é superior ao enviado, que é, pois, subordinado ao “envia- dor”. Se Jesus fosse Deus verdadeiro, Ele viria por sua própria decisão. Ademais, o que Ele ensina não é Dele. “Eu e o Pai somos um.” (João 10: 30), ou seja, Jesus está em sintonia com a vontade do Pai. Mas é Ele próprio quem diz que nós também devemos ser um com Ele e o Pai: “A fim de que, Pai, assim como tu estás em mim e eu em ti, eles sejamdomesmomodoumem nós.” (João 17: 21). Asnossasreencarnações são para nós divinizarmo-nos, tornando-nos, pois, cada vez maissemelhantesaDeusem perfeição. E Jesus e todos nós somos deuses (João 10: 34; e Salmo 82: 6), mas relativos. Deus absoluto é só o Pai. Deus, por ser imutável, não evolui e menos ainda regride. E, se Ele se humanizasse, Ele regrediria e poderia até estar sujeito ao pecado! Jesus, pois, é um homem que se divinizou, aperfeiçoando-se e, portanto, é nosso modelo para a nossa busca evolutiva e a nossa consequente divinização, à proporção que nós nos vamos tornandorealmentesemelhan- tes a Deus pelo nosso aperfei- çoamento. (*) Médico Cardiologista - espírita - Escreve aos domin- gos Quando um ser humano nasce para ser artista, tudo que ele faz vira arte. Suas obras começamnoassobiardeuma música,numcavalomontado com cabo de vassoura e até nos desenhos do “para casa”, que ao invés de apenasescrever tambémdese- nha, escreve a palavra “para” e no lugar da palavra “casa” desenhauma casinha. A arte começanum risco,num rabisco e é aí que tudo se inicia. Emjaneiro passado estive no CCBB/DF (Centro Cultural Banco do Brasil de Brasília-DF), onde se encontrava pela primeira vez na América Latina a exposição “Kandisnsky: Tudo Começa Num Ponto”, onde tive a oportunidade de conhecer a trajetória e as ideias do artista russo, que também tinha nacionalidade alemã e francesa. Aos 30 anos, já diplomado emDireitoeEconomia,se mudou de Moscou para Munique, onde iniciou seus estudos em pintura. Foi o primeiro pintor ocidental a produzir uma tela abstrata. Além de suas telas, também se Oartistaesua multiplicidade tem conhecimento de dois importantes livros escritos por ele sobre a teoria teosófica e inúmerospoemas. Kandisnskyeramuitoamigo de Richard Wagner e alucinado por “Lohengrin”, sua mais famosaóperaromânticaem três atos. Certa vez, numa conversa entre os dois, o pintor confessou ao músico por várias vezes ter pintado algumas de suas telas ao som da “Lohengrin” e que as telas deviam ter som para que o apreciador da obra pudesse sentir o que artista retratava. O amigo concordou dizendo que amúsicatambémdeviatercor. Os curadores desta exposi- çãodestinaramumdos espaçosdaquelamostraà oportunidade para que os visitantespudessemapreciara tela através de aparelho em 3D, ouvindo a ópera e assim fundindo as duas artes, cujo resultado é extraordinário aos nossos sentidos. Não preciso falar de meu interesse pelas artes em geral. É perceptível a olhos nus. Atualmente,alémdeescrever, encararascâmeraseatuar pelos palcos da vida, tenho feito aulas de pintura em tela no Ateliê Felicidade Patrocínio com o artista Sérgio Ferreira. Estou gostando muito desse aprendizado e amandosujaras telascommeus objetos preferidos. Considerado um artista contemporâ- neo em plena ascensão,tambémé escultor, o violonis- ta e compositor Sérgio Ferreira é um artista intuitivo e genuíno. Gentil- mente, levou para seus alunos seu CD “Cinemashow”, produzido por Rubem Di Souza e Arlen Azevedo, numaparceria cultural com a Coca-Cola. São doze faixas, todas com letras e músicas de sua autoria. Estou neste momento ouvindo suas canções e sentindo os movimentos de suastelas.Porisso,melembrei tanto dessa exposição que visitei no CCBB. Um multiartis- ta que consegue realizar um belíssimo trabalho naquele que era o sonho de Kandisnsky. Sérgio Ferreira, o operário das tintas é o nosso orquestrador das cores. (*) Atriz José Luiz Rodrigues Cipião Martins Pereira David Nasser Samuel Wainer A BIC, O PROGRESSO E O AMOR JORNALISTAS NOTÁVEIS João Jorge, diretor do Centro Cultural Hermes de Paula O Centro Cultural recebe diversos espetáculos em comemoração aos seus 36 anos de criação O farmacêutico e professor Lu- ciano Frederico Paixão Guedes convida amigos, parceiros e res- pectivas famíli- as para a sole- nidade que será realizada na Câmara Municipal de Montes Claros no dia 29 de maio de 2015 às 19h30, quando recebe- rá o Título de Cidadão Benemé- rito de Montes Claros. Resolu- ção de autoria da vereadora Marly Alves e Silva. CONVITE Gosto de escrever... Meu pai zombava dos povos da antiguidade. Ria, e muito, do instrumento usado por eles na escrita. Era a pena de aves.Algumas exóticas. O es- criba molhava o seu bico e es- crevia... escrevia... Na sua época, papai possuía uma caneta-tinteiro. O seu “tesouro”, como a chamava, era folheado a ouro. Quan- do não estava em seu bolso, era guardada a sete chaves. Ninguém mexia nela. Cursei o grupo escolar com ajuda do lápis e da borracha. Ao ingressar no Ginásio ga- nhei a minha primeira cane- ta-tinteiro, com a séria ad- vertência de meu pai de não emprestá-la e nem perdê-la, senão... E, no mais, quando a tinta acabava vinha o mar- tírio de retirar a peça do seu interior e recarregá-la no tin- teiro. E lá ia eu com a minha caneta e o vidro com tinta. E tinta pra todo lado. Na es- cola e em casa. Em meados do meu curso gi- nasial, o mundo conheceu a maior invenção do homem.A caneta Bic. Depois vieram o computador e o celular e as tais redes sociais. Daí começa o declínio da humanidade. No- tícias, em sua maio- riaruins,seespalhan- do com incrível rapi- dez. E os modelos dos aparelhos cada vez mais sofisticados. A minha caneta é a mesma. O mesmo modelo e a mes- ma eficácia.Assim é a Bic há dezenas de anos. Um amigo criticou a minha preferência em escrever com a caneta em vez do computador. Acontece que ele perdeu a namorada através de um e- mail precipitado. O outro, devido a um mal entendido, terminou um noivado de dois anos numa ligação pelo ce- lular. Eu, não. Como gosto de es- crever, uso sempre a minha caneta Bic. Minhas crôni- cas, poesias, meus livros, e cartas para a mi- nha namorada, es- crevo sempre com a minha Bic. Certa vez decidi terminar o namoro através de uma cartinha. Quase no fim do texto mudei de ideia e resolvi não en- viá-la. E continuamos fe- lizes. Com a Bic deu tem- po para isso. A Bic é as- sim. A maior invenção do mundo. José Luiz Rodrigues, poeta JORNAL DE NOTÍCIASMONTES CLAROS, DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA, 24 E 25 DE MAIO DE 20158 - CULTURA
  9. 9. JORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIASJORNAL DE NOTÍCIAS MONTESCLAROS,DOMINGO/SEGUNDA-FEIRA,24E25DEMAIODE2015 VVVVVARIEDADES -ARIEDADES -ARIEDADES -ARIEDADES -ARIEDADES - 99999 Corria a década de sessenta. Nos primeiros anos, eu jogava no Ateneu e, em 1962, fui convidado a trabalhar no Banco Hipotecário e Agrícola, que es- tava formando um senhor time de futebol de salão. Sob o comando do grande Tião Boi, fomos bicampeões da cidade. Minha vida se resumia a treinar e jogar no Ateneu e no time do banco. À noi- te, a turma se encontrava na pracinha do Coronel Ribeiro. Íamos ao cinema quase todos os dias e, depois, íamos ao bar de Osório - a Churrascaria Mi- neira - que ficava um pouco acima da pracinha, na rua Camilo Prates. Compunha a turma eu, José Matias, Arnaldo Brasil, Carlúcio Carvalho e, mais tar- de, Felipe Gabrich. Quando comecei a namorar Maria Helena, em 1963, a turma ficava me esperando na praça, para irmos ao bar de Osório. Lá, invariavelmente, a pedi- da era uma só: risoto molhado com caldo de frango. Acompanhado de refrigerante, já que nenhum de nós bebia nem cerveja. Por volta de onze, onze e meia, descíamos todos em direção às nossas casas, nas imediações da Raio Christoff, Cula Mangabeira, etc. Era uma vida tranquila. Mas o objetivo destas linhas não é passar fatos de minha vida, mas falar um pouco sobre o bar de Osório. Além da comida gostosa e barata, merecem destaque as instalações sanitárias do bar: ainda Nos antigamentes - como gosta de falar o médi- co e meu fraternal amigo Cesário Rocha -, em decor- rência do ritmo pachorrento e da falta do que fazer nas cidades pequenas, às vezes até se torcia para que mais um partisse desta para uma melhor, tão- somente para que ocorresse um velório. Ali pela década de 60 do século passado, velório era sinônimo de aglomeração humana, de fogueira para esquentar o frio da noite, de café com biscoito e, claro, da cachaça e da sessão de piadas, enquan- to os parentes e as carpideiras choravam o morto, naquele ambiente insalubre e viciado, cheirando a vela queimada e flores murchas e baldias. Após silêncio compungido, beatas se revezavam compenetradas na reza do terço, enquanto outras, com voz esganiçada, ensaiavam um "segura na mão de Deus e vai..." Quando eu era adolescente, ficava matutando sobre o porquê daquela espera infindável para se enterrar os mortos. Disseram-me, então, que era preciso esperar 24 horas para ver se o defunto mor- reu de verdade. E, em tom professoral, justificavam: - Pode ser que seja apenas um ataque cataléptico e o defunto ressuscita depois. - Ah, bom... - dizia eu, com ares de quem sabia o que era esse tal de ataque cataléptico. E aí, conta- vam casos esclarecedores do tal ataque que teria acometido várias pessoas, que acabaram sendo enterradas vivas - inclusive o ator Sérgio Cardoso -, porque aparentemente estavam mortas. Hoje, é cada vez mais remota essa possibilidade, pois, com os recursos postos à disposição da medicina, pode- se confirmar a morte cerebral com segurança. E ela Vejamos o que disse Norodom Sihanouk, 89 anos, governante do Camboja : " Vocês me perguntam porque se luta tanto pelo poder. Ah, filhos, porque o ar é a condição principal da vida. Daí todos quererem ter um ar importante ". Como a pessoa se torna importante ? . É um líder competente no trabalho que faz. . Aparece muito na mídia impressa e televisa- da. . Enriquece , devido a muito trabalho e esfor- ço. . Ocupa cargos ligados ao poder central. Através da história vemos como se luta pelo poder: guerras, intrigas palacianas, assassina- tos em famílias reais, políticas as mais diversas: adulação, subordinação ao líder do momento, ameaças, revoltas. Inocentemente pensava que, se as pessoas se esforçavam tanto para chegar ao poder é por- que eram idealistas, queriam servir à nação, levá- la a um equilíbrio econômico que propiciasse bem estar e ascensão social a um número cada vez maior de pessoas. Seria mais ou menos o ideário de um certo partido político atualmente no controle do po- der no Brasil ? Nos primórdios do partido, na sua formação, talvez eles estivessem cheios de boas intenções e de idéias para conduzir a nação. Mas, observando a história dessas pessoas vemos como elas foram atropeladas pelo poder e so- bretudo pelas benesses inerentes ao seu domí- nio. O líder e seus comandados tornaram-se ban- didos ? Cadê os ideais ? Ou roubar para o partido não é roubar ? Para a agremiação tudo pode ? E a vida de luxo ? E as negociatas, tráfego de influ- ência propiciadas por quem está ao redor do poder ? Ficamos desiludidos e insatisfeitos, princi- palmente ao vislumbrar o panorama de líderes políticos atualmente no exercício da função. Faz- nos muita falta um Toninho Rebelo, um Pedro Simon, um Itamar Franco, homens confiáveis a quem se podia entregar a condução de uma na- ção. Mas não podemos perder as esperanças: temos um Cláudio Prates em Montes Claros, um Reguffe em Brasília, um Fernando Gabeira no Rio, um José Serra em São Paulo. O ideal é ser impor- tante, não porque se chegou ao poder ou ao di- nheiro ou às duas coisas. Mas porque se é ho- nesto, correto e direciona a sua capacidade de liderança para servir às pessoas. Assim mere- cem respeito, e ficam no coração do povo. . Psicopedagoga Apesar de ser compadre da irmã mais velha do meu pai, Alice, e de frequentar a casa dela, natu- ralmente, só fui conhecer Konstantin Kristoff pes- soalmente, de conversar com ele, já bem idoso. Era editor da revista científica do departamen- to de História da Unimontes, e procurava uma imagem para a próxima edição quando lembrei de uma foto que havia visto, não sei onde, e na qual apareciam uma velha sentada sobre um tron- co e, ao lado dela uma menina, sua neta, prova- velmente. Ela de uma severidade extrema, como o clima da foto, visualizado no seco do solo. Tinha em mim que a foto era de Konsta, e, por isso mesmo, baixei na sua casa. Me atendeu educadamente, falamos das famílias, me contou estórias do meu pai, para, enfim, abrir um envelo- pe com uma série de fotografias, depois, é claro, de eu dizer que já tinha visto uma delas. As gerações atuais e as que ainda virão precisam saber que o “Dia das Mães”, na sua origem, não ti- nha a menor cotação comercial. Tudo começou na Grécia antiga, e o registro seguinte vem da Inglater- ra, data do início do século XVII. O quarto domingo da Quaresma era dedicado às mães das operárias. Nes- se dia, as operárias tinham folga pra ficarem com as mães. Era o “Mothering Day”. Em 1872, nos Estados Unidos, a escritora Júlia Ward Howe fez as primeiras sugestões para celebração do Dia das Mães. Mas foi outra norte-americana do Es- tado da Virgínia Ocidental quem iniciou uma campa- nha para instituir o Dia das Mães, em 1905. Anna Jarvis era o nome dela. A primeira celebra- ção aconteceu em 26 de abril de 1910. Logo outros estados aderiram. Em 1914, o presidente dos Esta- dos Unidos, Woodrow Wilson unificou a celebração em todos os estados, sempre no segundo domingo de maio. Sabe-se que Anna ficou muito triste porque a po- pularidade do feriado fez com que a data se tornas- se um dia lucrativo para os comerciantes, principal- mente para os que vendiam cravos brancos, símbolo da maternidade. “Não criei o Dia das Mães para ter lucro”, disse ela. Anna nunca teve a experiência de ser mãe. Nos nossos dias, a celebração faz parte da agen- da comercial, ajuda a rodar a roda. Afinal, dia das mães é todo dia e não há, no meu entender, necessi- dade de se criar uma data pra gente poder venerar a própria mãe. Acho que mãe é mais importante do que pai. Não há aquela expressão de extrema obviedade? “Mãe é mãe, pô!” A minha mãe morreu no “Dia das Mães”, em 1985. Naquele ano o “Dia das Mães” caiu em 12 de maio. Tanto tempo depois considero a data uma boa data pra mãe da gente morrer. Ideal se não morresse nun- ca, mas em se tendo a necessidade, “Dia das Mães” é um bom dia porque a gente lembra com mais in- tensidade dela. Mas a minha intenção é tratar também aqui do meu pai, José Batista da Conceição. É que hoje, eu tive a grata satisfação de ver uma foto da loja do meu pai, foto datada de 1940, nove anos antes do meu nascimento. Era uma foto ilustrativa de um anúncio publicado no jornal Gazeta do Norte, nestes termos: Invernoeprimavera DIA DAS MÃES VERDADEIRO O Poder Marilda Versianeni O bar de Osório João Caetano Canela Com voo programado para sair às 10h da noite - horário que não se cumpriu -, nós, vinte e tantos passageiros, amargávamos longa e desagradável espera no aeroporto de Confins. Como a companhia aérea justificava seme- lhante atraso? Não justificava. Ou melhor, justifi- cava com um argumento tão singelo quanto ab- surdo: faltava piloto (pasmem!) para a nossa ae- ronave. Mas como? Como uma companhia podia mar- car um voo, vender as passagens e, na hora do embarque, simplesmente dizer aos passageiros que não havia piloto? A verdade é que aquela companhia era invencível na arte da pilantragem. E, interpelada por nós no guichê, desmanchava- se em desculpas, com os seus "instruídos" funcio- nários admitindo um imperdoável equívoco na escala dos pilotos - mas nada cuja solução já não estivesse sendo levada a efeito. Dito o que, pedi- am a nossa compreensão e paciência, prometen- do o voo para dali a pouco. Que outro jeito a não ser ter paciência e es- perar? E assim, com reclamações de nossa parte e promessas da parte deles, a noite foi avançando, avançando, para de repente descobrirmos quão cínica e enganosa era aquela gente: sem que per- cebêssemos, furtivamente, fecharam o guichê, dei- xando-nos sem qualquer informação, a cochilar penosamente nas cadeiras da sala de embarque, mortificados, impotentes e, sobretudo, perplexos com o que faziam conosco. E foi então (talvez pelo fato de estarmos to- dos exasperados) que o incidente sobreveio: um dos passageiros, precisamente um português, in- dignado e com os nervos à flor da pele, elevou a voz para criticar o Brasil, um país, segundo ele, de perfil pouco confiável, que transigia com empre- sas inidôneas e transgressoras como aquela em questão... Pois bem. No que o patrício luso teceu suas críticas, eis que um dos presentes (um sujeito de físico avantajado) se sentiu insultado, como se, ele próprio, também não fosse um passageiro desrespeitado. E ergueu-se da cadeira e, feroz como um tigre, fez-se guardião da pátria amada idolatrada. Não memorizei todas as toleimas que rugiu ali, mas lembro, em síntese, que mandou o português não falar merda e calar a boca, porque ele, brasileiro, não aceitava ofensas ao seu país! E ao trombetear assim, já estava a ponto de pegar o português a unha, só não o fazendo, porque o outro se calou, prudentemente. Presenciei tudo isso. E a quem dei razão? Ao português, ora, pois! O nosso país, nada trans- parente e governado por gente de reputação duvi- dosa, fazia vista grossa, sim, para a existência de empresas como aquela, que, impunes à sombra de uma legislação frouxa, se lixavam para o direi- to do cidadão. E eu, tão indignado quanto o portu- guês, quis dizer isso àquele brasileiro estúpido e tacanho, mas... Bem, confesso, deixei por menos... Mas, se deixei por menos, a mulher da cadeira vizinha, não. Com o cansaço da espera estampa- do no rosto, e sem conter a revolta contra as cores nacionais, ela explodiu: "Não fale merda você, cara! Cale a boca você!" Não, não era sensato di- zer tal a um sujeito daquele porte físico, mas aque- la mulher, que inclusive era franzina, disse. Disse e estava dito, para a apreensão de nós todos, que vimos o homem ainda mais enfurecido do que já se mostrava - o rosto convulsionado, um fulgor perigoso nos olhos, e uma intumescida e proemi- nente veia saltada na têmpora. Tudo indicava que marcharia contra a mulher, a qualquer momento... Não marchou. Fungou, bufou, sapateou, res- mungou, sem, contudo, arredar do lugar, para afi- nal sentar-se e abdicar de qualquer reação. Era um tigre de papel à mercê de uma mulher impositiva que irradiava coragem e infundia res- peito, e que tinha mais isto a dizer: "Então essa companhia aérea e esse governo - filhos da puta! - defecam na sua cabeça, cara, e você ainda quer bater em quem fala em cidadania!" Você é um babaca, cara! É por causa de Manés da sua marca que estamos jogados aqui, desde dez da noite... O episódio ficou nisso, felizmente. Ao clarear o dia, e com oito horas de atraso, nosso avião decolou de Confins, enfim! De resto, ficou-me, desse episódio, esta certeza: o Brasil, um país corrompido e institucionalmente cana- lha, só tomará jeito se os Manés brasileiros se converterem em cidadãos politicamente consci- entes e civicamente lúcidos. Ah, sim, vai aqui, antes de concluir, esta minha incômoda confissão: a coragem daquela mulher, naquela noite, só não me humilhou mais, porque eu soube, depois, de sua formação - era uma De- legada de Polícia. é irreversível. Voltando ao assunto de velórios, atualmente criaram até regras de etiqueta para se freqüen- tar tais cerimônias fúnebres. Tomei conhecimen- to delas por esses dias, contemplado que fui com uma lista bastante criativa e fruto de muita observação, intitulada "dez cuidados para não dar vexame em velórios". Isso somente demons- tra que o brasileiro, atualmente, encara a morte como algo muito natural. Embora respeitando a dor dos entes queridos do falecido, não perde oportunidade de brincar com algo tido como sé- rio, o velório. A referida lista começa com a necessidade de se verificar "se o morto é o que a gente ia velar mesmo para não dar um fora antes de co- meçar a chorar". Depois, orienta a "não dar gar- galhadas quando ouvir as piadas", o que é qua- se impossível, e a utilizar "voz baixa, grave e respeitosa, quando chegar a vez de você contar a sua piada"; E continua: "Fique pelo menos um minuto ao lado do caixão olhando para o fale- cido, fingindo que está rezando, e nunca se es- queça de fazer o sinal da cruz antes de se afas- tar"; "comente com o parente mais próximo que o morto parece que está dormindo"; "nunca es- pante qualquer inseto que esteja andando so- bre o morto"; "diga aos parentes frases politica- mente corretas como: "Ele(a) descansou" e "Te- nho certeza de que ele(a) está olhando por nós"; "se você estiver ouvindo futebol no rádio e o seu time fizer um gol, abaixe a cabeça e sussurre baixinho: goooool"; "se um parente do morto lhe der um abraço bem apertado, não tente se afas- tar, mesmo que esteja incomodando". Espere ele soltar você"; "se quem morreu foi uma pessoa que você não gostava, fique ao lado do caixão e encoste a mão nela para ver se está gelada, só para ter certeza de que ela partiu de verdade". Embora não esteja na lista, poderíamos in- cluir uma outra recomendação: "nunca compa- reça a um velório embriagado". Isso porque, em Francisco Sá, algo bastante desagradável acon- teceu com um bancário, que já havia tomado "umas e outras" no Araês Clube. Voltando a pé para casa, trocando os passos, percebeu uma aglomeração em frente a uma casa de um fazen- deiro muito conhecido e cliente do banco em que trabalhava. Não teve dúvida. Entrou na casa e, no meio da sala, começou a cantar e bater pal- mas: - Parabéns pra você, nesta data querida... Não acreditando no que viam e ouviam, vári- os amigos foram em direção do que cantava e o retiraram da sala onde era velado o dono da casa: - Cê num tá vendo que isso aqui é um velório? Não viu "seu" Chiquinho no caixão, ô maluco? - gritavam no seu ouvido. Foi aí que o bêbado, enrolando a língua, caiu na real: - Caixão? Era caixão? Bem que eu tava estra- nhando o tamanho daquele bolo... (*) Escritor e jornalista. Presidente da Acade- mia Maçônica de Letras do Norte de Minas. Velórios e vexames O Brasil dos Brasileiros “A Bitaca de José Batista da Conceição – Gran- de sortimento de Fazendas, Ferragens, Armari- nho, Chapéos de Sol e de Cabêça, Louças, Calça- dos, Artigos para presente, Perfumaria, Conser- vas, Malas, Generos do País etc. – Prédio próprio da A Bitaca – Rua Lafaiete – 687 – Montes Claros”. Bitaca é nome antigo de pequeno estabeleci- mento comercial. O nome da loja gerou um apeli- do para o meu pai, que passou a ser chamado de “Zé Bitaca”. Ele não gostava do apelido. E como as pessoas sabiam disto, não o tratavam pelo apelido, diretamente. Mas me recordo de pesso- as se referindo a mim, menino, como “filho de Zé Bitaca”. Muitas vezes passei pelas imediações do imóvel onde fora a loja e gostava de saber que meu pai fora comerciante. Tenho pouca informação a respeito dele. Sei que ele nasceu em Brasília de Minas e que era “filho único”. A mãe dele, minha avó teria tido outros três filhos que não vingaram. Ela teria morrido logo e o meu pai teria sido criado pela madrinha. Ele era sobrevivente. Quando meu pai morreu, eu tinha 12 anos. Lem- bro-me como se fosse hoje. Tinha acabado de chover. A terra ainda estava úmida e jogava boli- nha de gude com um amigo na rua, quando a minha irmã, Lúcia, veio me chamar. Pude ver o meu pai dar os últimos suspiros. No momento em que ele partia pude ouvir o estalido de ossos e alguém, não me recordo quem, disse: “Isto foi o sinal da partida dele”. O amigo Haroldo Lívio de Oliveira, escritor, his- toriador, cronista, era nascido em Brasília de Mi- nas e conheceu o meu pai, seu conterrâneo. Mi- nha intenção era encontrar com ele um dia para obter informações a respeito de pai, mas Haroldo faleceu antes de abordá-lo sobre o assunto. E pra voltar a falar de mãe, ela morreu em Belo Horizonte. Fui eu quem trouxe o corpo dela pra Montes Claros. Veio num carro da funerária. Era o motorista, eu e ela atrás. De BH a Montes Claros nós três ouvíamos músicas clássicas e Canto Gregoriano. No velório e no enterro também. Alberto de Sena Batista Jornalista MG 01490 Folheamos o material e ele, gentilmente, pe- diu para separar a foto assim que eu a visse. Quan- do encontrei a imagem, parei e comentei: é essa! Surpreso, me disse que a fotografia era um hobby, e que aquela foto nunca havia saído dali. Não conseguíamos entender como aquela ima- gem era conhecida por mim, mas assim mesmo solicitei o original, fizemos uma cópia e, autoriza- da a reprodução na capa da revista de História, publicada. O nome da fotografia batizada por ele era "in- verno e primavera". E estávamos nós dois alí, um mais novo e um mais velho. Grande Konsta!!! (*) Professor, historiador e jornalista não encontrei banheiro mais sujo. Só se ia lá em adiantado estado de necessidade. E criou-se um folclore em torno disso. Entre outras estórias, dizem as más línguas que um fre-quentador do bar, depois de beber muito e comer um baião de dois com um ovo em cima, viu-se apertado, com insistentes cólicas intestinais. Como não esta- va a fim de ir embora, resolveu arriscar-se no sanitário da churrascaria. Correu para lá e qua- se não deu tempo de chegar. Aliviado, olhou para os lados e não viu papel higiênico. Abriu um pouquinho a porta e gritou para o garçom: - Ô João, me arranja aí um pedaço de papel higiênico! - Num tem não, respondeu o garçom. - Então me vê uns guardanapos. Quem falou que no bar de Osório tinha guar- danapo? - Num tem não, respondeu João. - E um pedaço de jornal ? insistiu ele. - O jornal que tinha aqui já foi usado. Desesperado, ele fez uma última tentativa: - Ô João, troca aí uma nota de dez por dez de um! (Extraída do livro Sentimentos Paradoxais) Nicomedes Almeida Itamaury Telles AlbertoSenna MARCELO VALMOR PACULDINO FERREIRA

×