Observatório Nacional de Transportes e LogísticaPerspectivas de Adoção da Tecnologia RFID no Brasil(visão EPL)I Workshop I...
Lei Nº 12.743 de 19 de dezembro de 2012“Art. 5o Compete à EPL:V ‐ promover a capacitação e o desenvolvimento de atividades...
Objetivos• Possibilitar a geração de indicadores de desempenho dainfraestrutura do setor de transportes visando arealizaçã...
8,6 anos(Fonte: ANTT)16,4 anos(Fonte: ANTT)10% ‐ 12 MM ton em 2012(Fonte: MAPA/Conab/FAO)R$ 8,9 Bi/ 93,6k eventos/ano(Font...
O ProblemaNão existe órgão integrador dos sistemas relacionados à logísticaNão existe infraestrutura de conectividade no p...
A Cadeia Logística do Século XXI
Ciclo de atuaçãoGoverno Federal,Estados, Munícipios,Agências de FomentoInstituições deEnsino ePesquisa, ICTsIndústria,Agro...
Sistema Integrado de Gestão de Transportes• O Sistema é estruturado com ferramentas inteligentes que capturam e integram a...
Resultados a serem Alcançados• Veículos e mercadorias identificados eletronicamente e de forma segura e unívoca, asseguran...
www.brasil‐id.org.brDOU n. 211, Seção 3, Pág. 8 de 5‐11‐2009 DOU n. 25, Seção 3, Pág. 8 de 5‐02‐2011
Convênio ICMS 12 de 05 de abril de 2013Publicado no D.O.U.: 12 de abril de 2013Dispõe  sobre  a  criação  do  Sistema  Nac...
Brasil‐ID – Conceito Básico e Visão Geral
Brasil‐ID – ID eletrônico nasce c/ o ProdutoInserção de chip de modo indelével nos produtosProdutos identificados e autent...
Sala de SituaçãoIdentificação e gestão inteligente de mercadorias e transportesColetorFiscalizaçãoPortalCâmeras IP Pedágio...
Brasil‐ID1 – Portal2 – Sistema de Comunicação Remota com o Portal3 – Sistema de Controle RFID Local4 – Antena para Comunic...
Instituições envolvidas no Sistema Brasil‐IDCooperativaClientes OEM e Operadores Brasil‐IDEmpresas de Tecnologia / Semicon...
Outros exemplos de Sistemas de Suporte e Automação na Circulação de Mercadorias 
Pesagem em Movimento• Mapeamento de processo do Sistema Atual• Verificação das Falhas e Dificuldades• Definição dos Elemen...
A EPL como órgão integrador de sistemas logísticos
Potenciais pontos de instalação de SLDna malha rodoviária e ferroviária nacional• Postos de Fiscalização da Receita• Posto...
Sala de Situação da Logística NacionalEPL
Sala de Situação da Logística NacionalA Sala de Situação da Logística Nacional, instalada na sede daEPL, funcionará como c...
Integração com outras salas de situação
Rede Nacional de Transportes e LogísticaAtualmente, o Brasil possui uma rede de 57mil quilômetros instalados em trechos de...
Rede Ipê – Backbone de Ensino e Pesquisa da RNP
ParceirosPor meio da assinatura de convênios, a EPL irácompartilhar informações geradas peloobservatório com ministérios e...
Parceiros do Setor Público
Entidades que poderão se beneficiar destes projetos• CONIT ‐ Conselho Nacional de Integração de Politica de Transporte• Ma...
OBRIGADOManuel PoppeCoordenador do Núcleo de Desenvolvimento TecnológicoEmpresa de Planejamento e Logística – EPLmanuel.po...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

I International Workshop RFID and IoT - Dia 20 - Visão EPL - Manuel Poppe Correia de Barros - EPL

712 visualizações

Publicada em

Dia 20 - Tarde - Apresentação 2
Visão EPL - Manuel Poppe Correia de Barros - EPL

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
712
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

I International Workshop RFID and IoT - Dia 20 - Visão EPL - Manuel Poppe Correia de Barros - EPL

  1. 1. Observatório Nacional de Transportes e LogísticaPerspectivas de Adoção da Tecnologia RFID no Brasil(visão EPL)I Workshop Internacional de RFID e IoT – CPqD19 e 20 de junho 2013
  2. 2. Lei Nº 12.743 de 19 de dezembro de 2012“Art. 5o Compete à EPL:V ‐ promover a capacitação e o desenvolvimento de atividades de pesquisa e desenvolvimento nas instituições científicas e tecnológicas, organizações de direito privado sem fins lucrativos voltadas para atividades de pesquisa e desenvolvimento, e sociedades nacionais, inclusive de tecnologia industrial básica, relacionadas ao setor de transportes;VII ‐ planejar e promover a disseminação e a incorporação das tecnologias utilizadas e desenvolvidas no âmbito do setor de transportes em outros segmentos da economia;XI ‐ promover estudos voltados a programas de apoio, modernização e capacitação da indústria nacional, objetivando maximizar a participação desta no fornecimento de bens e equipamentos necessários à expansão do setor de transportes;
  3. 3. Objetivos• Possibilitar a geração de indicadores de desempenho dainfraestrutura do setor de transportes visando arealização de estudos e de planos de investimentos paraa expansão da cadeia logística, incluindo rodovias,ferrovias, portos e aeroportos de forma integrada;• Conhecer a situação atual da logística nacional e dotar aEPL de ferramentas e inteligência capazes de prever eplanejar os cenários futuros, ao mesmo tempo quepermite a integração entre os diversos participantes docenário de transportes e logística nacional;• Diminuir o Custo Brasil e aumentar a competitividade dosetor produtivo Brasileiro.
  4. 4. 8,6 anos(Fonte: ANTT)16,4 anos(Fonte: ANTT)10% ‐ 12 MM ton em 2012(Fonte: MAPA/Conab/FAO)R$ 8,9 Bi/ 93,6k eventos/ano(Fonte: IPEA)R$ 930 MM / 13k eventos/ano(Fonte: Pamcary)?????????Alguns números do setor de transportes e logísticaRoubo de veículos e mercadoriasAcidentes nas estradasPerdas médias dos grãos produzidos no BrasilIdade média da frota de caminhões autônomosIdade média da frota de caminhões de empresasTempo médio de caminhão parado por viagem
  5. 5. O ProblemaNão existe órgão integrador dos sistemas relacionados à logísticaNão existe infraestrutura de conectividade no paísNão existe base de dados consolidada e atualizada sobre o setor de transporte e logísticaNão existem dispositivos tecnológicos implantados para monitorar fluxos de carga
  6. 6. A Cadeia Logística do Século XXI
  7. 7. Ciclo de atuaçãoGoverno Federal,Estados, Munícipios,Agências de FomentoInstituições deEnsino ePesquisa, ICTsIndústria,Agropecuária eEmpresas ligadas àcadeia de transporte elogística, comércio evarejo
  8. 8. Sistema Integrado de Gestão de Transportes• O Sistema é estruturado com ferramentas inteligentes que capturam e integram as informações sobre a movimentação de transportes de todas as modalidades e circulação de mercadorias em território nacional.• Implantação de um padrão único e aberto de tecnologia de Identificação por Radiofrequência (RFID) para identificação, rastreamento e autenticação de veículos e mercadorias em circulação no país.• Instalados nos veículos, cargas e conteiners, chips com tecnologia de radiofrequência (RFID) conectam‐se às antenas instaladas nas rodovias, ferrovias e portos e fornecem dados específicos para o banco gestor de informação da EPL e para os diversos atores da cadeia logística nacional. 
  9. 9. Resultados a serem Alcançados• Veículos e mercadorias identificados eletronicamente e de forma segura e unívoca, assegurando o monitoramento e controle da movimentação nos diversos modais que transportam cargas e passageiros; • Integração dos diversos modais de transporte;• Coleta de informações em tempo real;• Reestruturação da qualidade do sistema de transporte de cargas;• Integração dos recursos disponíveis nos postos de fiscalização;• Fornecimento de serviços para a sociedade; e• Geração de indicadores de desempenho da infraestrutura do setor de transportes visando à realização de estudos e de planos de investimentos para a expansão da cadeia logística, incluindo rodovias, ferrovias e portos.
  10. 10. www.brasil‐id.org.brDOU n. 211, Seção 3, Pág. 8 de 5‐11‐2009 DOU n. 25, Seção 3, Pág. 8 de 5‐02‐2011
  11. 11. Convênio ICMS 12 de 05 de abril de 2013Publicado no D.O.U.: 12 de abril de 2013Dispõe  sobre  a  criação  do  Sistema  Nacional  de Identificação,  Rastreamento  e  Autenticação  de Mercadorias  ou  Brasil‐ID  e  institui  um  conjunto  de instrumentos  que  promovam  a  modernização  da fiscalização de mercadorias.
  12. 12. Brasil‐ID – Conceito Básico e Visão Geral
  13. 13. Brasil‐ID – ID eletrônico nasce c/ o ProdutoInserção de chip de modo indelével nos produtosProdutos identificados e autenticados a cada passo crítico da operaçãoLeitor RFIDChips associados ao produto e/ou pallet durante o transporte RFID ReaderSelo RFIDRFID ‐ IAVRFID dentro de documentosDocumentoChip no papel e em cartão:DANFEprodutoRFID
  14. 14. Sala de SituaçãoIdentificação e gestão inteligente de mercadorias e transportesColetorFiscalizaçãoPortalCâmeras IP PedágioTransporte RodoviárioLeitor de TAG Câmera OCRTAG RFIDWIMPosto de FiscalizaçãoRNTRC – RFIDISO29167/18000‐6C RFIDISO29167/18000‐6C Sistemas dosetor de transportee logísticaBackOfficede Transportes
  15. 15. Brasil‐ID1 – Portal2 – Sistema de Comunicação Remota com o Portal3 – Sistema de Controle RFID Local4 – Antena para Comunicação Remota5 – Tag SINIAV6 – Antena da Carga (Lacre)SISTEMA DE LEITURA DE DISPOSITIVOS - SLD
  16. 16. Instituições envolvidas no Sistema Brasil‐IDCooperativaClientes OEM e Operadores Brasil‐IDEmpresas de Tecnologia / Semicondutores Brasileiras e EstrangeirasIndústrias Brasileiras  e Estrangeiras Start‐ups Brasileiras  Colaboração  Outros Futuros ParceirosCooperativa de ICTs/DHs Brasileiras – PROJETO FINEP• Parceria organizada para fornecersoluções Brasil-ID no modelo ODMfornecendo produtos sob demandade Empresas de Marca (OEMs) oudiretamente aos interessados;• Formada pelas instituições quecompõe as desenvolvedorasdesignadas para o projeto Brasil-IDe outras;• Reinveste [os resultados] em P&Dpara os sistemas Brasil-ID;• Contratam manufatura deinstituições Brasileiraspreferencialmente (em silício e emPCB) conforme disponibilidade;• Colaboram com Empresas deSemicondutores Brasileiras eMundiais em IPs e soluçõesestratégicasUSP
  17. 17. Outros exemplos de Sistemas de Suporte e Automação na Circulação de Mercadorias 
  18. 18. Pesagem em Movimento• Mapeamento de processo do Sistema Atual• Verificação das Falhas e Dificuldades• Definição dos Elementos a serem fiscalizados• Modelagem do Sistema de Captação Automática de Informações• Modelagem do BD Integrado (DNIT, ANTT e EPL)• Integração ao Sistema Brasil Id• Modelagem do CCO• Modelagem do Sistema de Aferição• Modelagem para Utilização Futura da Infraestrutura dos PPV’s existentes e Novos PIAF’s após implantação da Fase 2• Proposição de Legislação de regulamentação
  19. 19. A EPL como órgão integrador de sistemas logísticos
  20. 20. Potenciais pontos de instalação de SLDna malha rodoviária e ferroviária nacional• Postos de Fiscalização da Receita• Postos de Fiscalização e pesagem do DNIT• Postos de Fiscalização da ANTT• Postos de Fiscalização da PRF• Vias de acesso aos portos• Plataformas de integração multimodal• Plataformas de armazenagem e distribuição• Pontos de parada do caminhoneiro• Praças de pedágio e portais free-flow• Postos fronteiriços• Pontos de controle de velocidade do DNIT• …
  21. 21. Sala de Situação da Logística NacionalEPL
  22. 22. Sala de Situação da Logística NacionalA Sala de Situação da Logística Nacional, instalada na sede daEPL, funcionará como centro de controle, supervisão emonitoramento do observatório. Para ampliar a capacidade deinteligência estratégica aos órgãos, entidades e empresascredenciadas pelo sistema, a sala fornecerá um conjunto dedados organizados e estratificados em sistema de nuvem, comacesso seguro para cada setor. Esta mesma sala, em parte ouem todo poderá ser replicada em outros órgãos que delanecessitem para sua atividade.
  23. 23. Integração com outras salas de situação
  24. 24. Rede Nacional de Transportes e LogísticaAtualmente, o Brasil possui uma rede de 57mil quilômetros instalados em trechos derodovias e ferrovias nacionais. A EPL vaiampliar essa infraestrutura e criar uma redede dados (Backbone) de alta velocidadepara a gestão integrada dos dois modais.Por ela, serão conectados todos osequipamentos de campo, sistemasinteligentes de transportes, operadoreslogísticos, concessionárias e operadoras deserviços autorizadas.A Rede Nacional de Transportes seráestruturada em parceria com os Ministériosdos Transportes, Comunicações, Ciência,Tecnologia e Inovação, a Rede Nacional dePesquisa.
  25. 25. Rede Ipê – Backbone de Ensino e Pesquisa da RNP
  26. 26. ParceirosPor meio da assinatura de convênios, a EPL irácompartilhar informações geradas peloobservatório com ministérios e órgãos dogoverno, setor privado e instituições científicas,de ensino e pesquisa.A colaboração em pesquisa e desenvolvimentode soluções tecnológicas especializadas nosetor de transportes e logística é uma dasprioridades do projeto.
  27. 27. Parceiros do Setor Público
  28. 28. Entidades que poderão se beneficiar destes projetos• CONIT ‐ Conselho Nacional de Integração de Politica de Transporte• Mapeamento do SNV ‐ SISTEMA NACIONAL DE VIAÇÃO• Subsistema Rodoviário Federal• Subsistema Ferroviário Federal• Subsistema Aquaviário Federal• Subsistema Aeroviário Federal• DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes)• ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres)• ARTESP e outras Agências Estaduais• MCTI• MDIC• MAPA• Órgãos de Controle (TCU, CGU, entre outros)• ANTAQ (Agência Nacional de Transportes Aquaviários)• ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)• ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações)• ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil)• ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis)• INFRAERO ( Empresa Brasileira de Infra‐Estrutura Aeroportuária)• IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)• FUNAI (Fundação Nacional do Índio)• VALEC (Empresa Pública  ‐ Engenharia, Construções e Ferrovias S.A)• Petrobras• Eletrobras• DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito)• DETRANs (Departamentos Estaduais de Trânsito e relacionados)• Federações das Indústrias• ABIEC• Receita Federal• CONFAZ (Conselho Nacional de Política Fazendária)• ENCAT (Encontro Nacional dos Coordenadores de Administração Tributária)• SUSEP  (Superintendência de Seguros Privados)• SUFRAMA (Superintendência da Zona Franca de Manaus)• Polícia FederaL• Polícia Rodoviária Federal• Polícias Estaduais• Polícias Rodoviárias Estaduais• Departamento Penitenciário Nacional• Secretaria de Portos ‐ SEP• Companhia Docas• ITI (Instituto Nacional de Tecnologia da Informação)• Embrapa (A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) • Conab  (Companhia Nacional de Abastecimento)• Trensurb (Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A.)• CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos)• SeMob (Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana )• Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República• Correios• Telebras• Marinha • Exército• Força Aérea• Concessionárias de Rodovias e Ferrovias• SAC• Outras entidades públicas e privadas 
  29. 29. OBRIGADOManuel PoppeCoordenador do Núcleo de Desenvolvimento TecnológicoEmpresa de Planejamento e Logística – EPLmanuel.poppe@epl.gov.br

×