Um estudo sobre o ensino e aprendizado da teoria do design

1.246 visualizações

Publicada em

Este projeto propõe-se a pesquisar algumas teorias no âmbito do Design, que foram determinantes na conformação de várias premissas teóricas e na estrutura do Design enquanto atividade. Os conteúdos a serem tratados neste estudo terão uma atenção especial em relação a construção do ensino em Design, ou seja, o modo pelo qual tais conteúdos serão trabalhados e de que forma a sua apreensão ocorrerá no ambiente acadêmico. O Design possui uma estrutura baseada na sintaxe e na semântica, na primeira permeia o lógico e técnico, enquanto que a semântica diz respeito aos níveis psicológico, que diz respeito as funções de comunicação, a linguagem dos produtos. A estrutura do presente trabalho se baseia em um aprendizado sistêmico, onde os estudantes de Design passem a ser integrantes ativos deste aprendizado. A primeira parte a ser estudada está vinculada aos conteúdos e bibliografia básica, a Segunda parte será de avaliação destes conteúdos e a terceira, se dará na elaboração de uma estrutura dinâmica para o ensino da Teoria em Design.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.246
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um estudo sobre o ensino e aprendizado da teoria do design

  1. 1. Um estudo sobre o ensino e aprendizado da teoria do design Mayara Atherino Macedo Acadêmica do Curso de Design Gráfico – CEART/UDESC, bolsista de iniciação científica do PROBIC/CNPq.Resumo: Este projeto propõe-se a pesquisar algumas teorias no âmbito do Design, que foramdeterminantes na conformação de várias premissas teóricas e na estrutura do Designenquanto atividade. Os conteúdos a serem tratados neste estudo terão uma atenção especialem relação a construção do ensino em Design, ou seja, o modo pelo qual tais conteúdosserão trabalhados e de que forma a sua apreensão ocorrerá no ambiente acadêmico. ODesign possui uma estrutura baseada na sintaxe e na semântica, na primeira permeia ológico e técnico, enquanto que a semântica diz respeito aos níveis psicológico, que dizrespeito as funções de comunicação, a linguagem dos produtos. A estrutura do presentetrabalho se baseia em um aprendizado sistêmico, onde os estudantes de Design passem aser integrantes ativos deste aprendizado. A primeira parte a ser estudada está vinculada aosconteúdos e bibliografia básica, a Segunda parte será de avaliação destes conteúdos e aterceira, se dará na elaboração de uma estrutura dinâmica para o ensino da Teoria emDesign.Palavras-chave: design, ensino, dinâmica, teoria do designIntrodução A disciplina Teoria do Design é fundamental para os currículos dos cursos dedesign, no curso de design da UDESC é uma disciplina introdutória, localizada na 1ª fase.A ementa apresenta o conteúdo “Abordagem dos elementos e áreas de conhecimento quefundamentam o design. A extensão do termo estética - autonomia e função do design.Conceitos, teorias e ferramentas de produção do design. Bases projetuais. Interfaces dodesign. Habilitações e campos de atuação.” A disciplina apresenta os aspectos pertinentes àatividade de design, os conhecimentos necessários ao designer, bem como aptidões”. Pontos fundamentais para esta disciplina referem-se a que os alunos conheçam aimportância das diversas disciplinas que compõe o curso de design para a formaçãoprofissional; conheçam o desenvolvimento do design através de sua historia, enfatizando aevolução tecnológica, de materiais, metodológica e mercadológica; fomente a discussãosobre estética e a fundamentação da Percepção Visual, sua elaboração e expressão;conhecer as bases da ergonomia e projetos como foco no conforto do ser humano;apresentar as Bases Projetuais e interfaces do design,seu campo de atuação,e a gestão dodesign. A criação de um projeto de pesquisa que auxiliasse no processo de aprendizado,surge no momento em que é observada a importância de um material adequado para oacompanhamento da disciplina de Teoria do Design; visto que não existe um único livrobásico que possa ser adotado para construir o conteúdo da disciplina. Partes de muitos
  2. 2. livros podem ser utilizados para o acompanhamento da disciplina.Com a pesquisa pretende-se estudar a estrutura teórica da atividade do Design e formas deensino aprendizagem, onde os estudantes de Design passem a ser integrantes ativos desteaprendizado. Contribuir para ampliar a literatura sobre o atual estado da arte do temaproposto; contribuir para que os professores e alunos de design industrial, arquitetura, eáreas afins, possam fazer uso da informação, bem como, profissionais do ramo.Desenvolvimento de material de apoio aos alunos e professores. O projeto de pesquisa ainda se propõe a buscar saber junto a outras instituições deensino superior como o tema é abordado, em relação ao conteúdo, metodologia emdiferentes cursos de design de Florianópolis e Camboriú, em SC.Método A primeira parte foi realizada, inicialmente, pela bolsista Marcela M. A.Trivella e acolaboradora Marta T. Castilho, orientadas pelo professor Célio Theodorico e a Prof.Gabriela B. Mager como participante. E posteriormente a professora Gabriela B. Magerassumiu a orientação da pesquisa tendo como bolsista a aluna Mayara A.Macedo. A primeira parte estudada está relacionada aos conteúdos e bibliografia básica, asegunda parte consiste na avaliação destes conteúdos e a terceira, se constitui na elaboraçãode uma estrutura dinâmica para o ensino da Teoria do Design.Estruturação e avaliação do conteúdo Foi elaborada uma estrutura que gerasse maior dinamismo, interesse e aprendizado doconteúdo. O conteúdo da disciplina foi dividido em 5 unidades por permearem blocos deinformações. Iª unidade:O curso de design da UDESC: grade curricular IIª unidade:Evolução do design. Shakers, Arts and Crafts, Art Nouveau, Fordismo, DeutscherWerkbund, De Stijl, Construtivismo, Bauhaus, Escola Superior de Ulm, Design Americano,Utility Furniture, Influência Francesa, Design Escandinavo, italiano, Espanhol, e japonês.Do artesanato à arte industrial. Arte, artesanato e design. Design na Alemanha. Design noBrasil. Um panorama do design no século XX. Através da evolução mostrar as áreas deconhecimento que fundamentam o design: matemática, desenho, comunicação, sociologia,filosofia, estética, história, artes, física, engenharias, administração, economia, informática,psicologia, mercadologia. IIIª unidade:A extensão do termo estética; autonomia e função do design. Percepção visual dosprodutos. Percepção de estilo. Gestalt. Regras de percepção visual. IVª unidade:
  3. 3. A ênfase na formação generalista, malte e transdisciplinar. Áreas de sustentação do design:metodologia, materiais e ergonomia. O ser humano como referência. Vª unidade:Bases projetuais e interfaces do design. A metodologia clássica do design. O designergestor – atividades de interface no projeto. Planejamento, projeto, projeto conceitual.Detalhamento de projeto.Design: Conceituação, habilitações, campos de atuação, o mercado de trabalho, oreconhecimento da profissão.Elaboração de uma estrutura dinâmica para o Ensino de Teoria do Design Diversos livros foram analisados e selecionados, buscando caracterizar o designatravés de elementos históricos. Como ferramenta de pesquisa, alguns sites da Internetforam acessados e diversos artigos de revistas revisados; dando início à modelação de umaestrutura para a teoria do design no ensino. Posteriormente, quando houve substituição de bolsista, realizou-se uma nova análisedo levantamento bibliográfico realizado até aquele momento, e nova pesquisa foi feita, emlivros variados, sites e revistas, para complementar o dados já encontrados. Juntamente comos textos buscou-se ilustrações dos assuntos abordados, que foram armazenadas durantetodo o processo. O acervo histórico, consiste em um material muito vasto e amplo e suas referênciasvêm através de livros, Internet. Entretanto, os assuntos alusivos aos dias atuais são maisdifíceis de serem encontrados em livros e suas referências vêm principalmente através derevistas, Internet e alguns livros. Uma dificuldade encontrada foi o fato de praticamenteinexistir referencias sobre o design espanhol e francês, tanto em livros quanto em Internet. Dando continuidade ao cronograma pré-estabelecido, depois de arquivado grandenúmero de informação acerca das unidades do plano de ensino, os assuntos abordadosforam selecionados e sintetizados, sendo utilizadas no processo de diagramação final: aelaboração do material didático dinâmico para datashow (apresentação em power point),apostila contendo um texto sobre cada assunto abordado e sugestões de dinâmicas a seremaplicadas em sala de aula. Para findar esta etapa da pesquisa, entrou-se em contado, através de e-mail, com oscoordenadores dos cursos de design de Florianópolis, solicitando informações sobre asdisciplinas de teoria de design e suas ementas. Em seguida, enviou-se por e-mail umquestionário (anexo 1) aos professores que ministram tais disciplinas. As instituições deensino superior pesquisadas foram UFSC, Barddal, Univali e Unisul, sendo o critério deseleção baseado em localidade, ou seja, IES que estão na capital de Santa Catarina, e nacidade de Camboriú, próximo a Florianópolis.Resultados Verificou-se a origem da necessidade da pesquisa no curso de design da Udesc, edurante o desenvolvimento da mesma, realizou-se testes, em 2004/1 na aula sobre estética,
  4. 4. e experimentação de todo o conteúdo em 2005/1. A apostila desenvolvida com o conteúdoda disciplina e as apresentações de cada aula para datashow, encontram-se em anexo(anexo 2 e 3). Podem-se verificar os resultados através do baixíssimo índice de atrasos eausências dos alunos, o elevando grau de interesse dos acadêmicos pela disciplina éobservado pelo alto índice de aproveitamento, apesar da exigência nas duas provas eseminário. Verificou-se que a disciplina naturalmente centralizou informações de diversasáreas de conhecimento, os alunos buscaram por meio das indicações das aulas de Teoria deDesign complementar os trabalhos de outras disciplinas de 1ª fase como estética,sociologia, desenho. Fomentou a interdisciplinaridade dos conhecimentos, bem como apesquisa acadêmica na medida em que a bibliografia complementar sugerida foi utilizadapelos alunos. Quanto às dinâmicas, houve o desenvolvimento de “painel cronológico” que foisendo construído pelos alunos a cada aula, e que serviu de fonte visual de compreensão daevolução da atividade design. O Painel cronológico foi um painel colado na parede da salade aula, ao lado da projeção de datashow, que a cada aula recebia mais informações e fotosde pessoas, produtos, datas, movimentos e o surgimento de novas teorias e ciênciassignificativas para a atividade de design. Com isso, os alunos conseguiram fazer as relaçõeshistóricas, com o advento tecnológico e científico, bem como a relação com a evoluçãosócio-cultural. Foram realizados seminários para reforçar e complementar o conteúdoapresentado na aula anterior, servindo como reforço ao assunto. A Professora indicava oconteúdo a ser pesquisado que complementasse o apresentado na aula anterior, comodesigners e produtos importantes em determinado país, ou momento histórico. A pesquisa com os cursos de design de Florianópolis, teve como objetivo a buscapor informações para comparação, com a análise de como está sendo ensinada a Teoria doDesign em outras IES para que se identifique parâmetros para uma disciplina introdutóriaque insira o design aos recém-chegados ao ensino superior. Foram analisados os currículosde 5 cursos de design de Santa Catarina. Com o comparativo com outras IES, observou-seque 100% dos cursos analisados apresentam esta disciplina em sua grade curricular, sendoque destes 80% apresenta o tema distribuído ao longo do curso em outras disciplinas, e orestante na 1ª fase do curso. A grande maioria apresenta estrutura semelhante ao curso dedesign da UDESC, deixando evidente a importância da disciplina para a formação dosacadêmicos. Não houve retornos dos formulários enviados aos professores das disciplinasde teoria de design, porém coordenadores de 2 cursos se mostraram interessados peloresultado da pesquisa. Nessa questão, o objetivo não foi atingido em função do não retornodos formulários. De acordo com feedback recebido dos alunos de teoria do design da Udesc, ao fimdo semestre 2005/1, gostariam que se realizassem mais exercícios sobre cada um dostemas. Na dinâmica do exercício da Gestalt, eles apresentaram interesse em refazer o cartazapós verificar os pontos positivos e negativos de cada um. Com a turma de design gráfico.houve a reivindicação de mais conteúdo a respeito do design gráfico, visto que, de acordocom a percepção dos acadêmicos, a maioria dos assuntos abordados refere-se ao designindustrial.
  5. 5. Discussão Foi feita uma análise da estrutura de 2004/01, a qual foram feitos alguns ajustes para osemstre 2005/1, permanecendo a estrutura final dividida em 5 unidades por permearemblocos de informações. Além dos recursos já existentes em sala de aula como a televisão e vídeo, novosrecursos tecnológicos surgiram na universidade, como datashow e DVD, que possibilitarama construção de um vasto material de repertório visual que complementou a teoria dadisciplina a partir de 2005/1. Durante a pesquisa, em 2004/1, utilizava-se transparênciaspara as imagens necessárias à disciplina. Porém, a produção de transparências é cara,dispensa muito tempo, possuem baixa qualidade de imagem e baixa vida útil. Com osnovos recursos, além da melhoria da qualidade das apresentações, novas dinâmicaspuderam ser desenvolvidas para estimular a participação em sala de aula. Abaixo,apresenta-se um quadro comparativo entre os recursos, atividades e dinâmicas realizados nadisciplina Teoria do Design semestre a semestre durante esta pesquisa. 2003/01 2004/01 2005/01 Reunião com a direção do CEART e coordenação de Conversa com a Conversa com a curso. professora que professora queIª Unidade Folder explicativo apresentou a grade apresentou a grade Explicação da grade curricular curricular curricular Manual do calouro (anexo 3) Aula expositiva Seminário Aula expositiva. Aula expositiva ProvaIIª Unidade Prova Prova Construção do painel cronológico. Leitura e discussão de texto. Exercício de cartazes com os Princípios da Gestalt, análise Reformulação de Reformulação de dos resultados (positivos e um panfleto de rua, um panfleto de rua, negativos)IIIª Unidade novo layout novo layout Os alunos consideraram que o seguindo as regras seguindo as regras exercício deveria ter da gestalt. da gestalt. continuado com a reformulação dos cartazes. Ergonomia foi Ergonomia foi colocada de colocada de maneira superficial maneira superficial A unidade que trata daIVª Unidade no conteúdo de no conteúdo de Ergonomia. Metodologia Metodologia Projetual Projetual
  6. 6. Vídeo Vídeo Vídeo Metodologia - foi apresentado Seminário sobre as Seminário sobre as o Processo Projetual e a áreas de atuação do áreas de atuação do professora exemplificou com o Designer Gráfico Designer Gráfico desenvolvimento dos projetos Exercício de Exercício de de graduação e indicou aos criação de display criação de display alunos que assistissem às para ovo. para ovo. apresentações dos Projetos de Campos de atuação Campos de atuação Graduação em Design Gráfico.Vª Unidade – discussão do – discussão do Os alunos puderam entender o texto da ADG texto da ADG processo projetual e o Há a necessidade Há a necessidade resultado dos projetos de cases para de cases para apresentados. exemplificar as exemplificar as Campos de atuação – discussão dúvidas dúvidas do texto da ADG Dúvida recorrente: Dúvida recorrente: Há a necessidade de cases para os limites do os limites do exemplificar as dúvidas design design Dúvida recorrente: os limites do design Quadro 1: Comparativo de atividades, recursos e dinâmicas na disciplina de Teoria do Design durante a pesquisa. O conteúdo constituído obteve um volume elevado de informações, tendo grandesganhos com a nova tecnologia e a revisão bibliográfica realizada. Esta condensa o maisimportante de diversos livros, além de apresentar as referências que quase não se encontramnos livros de design, que aborda como por exemplo o tópico sobre o Design no Brasil, naqual o grupo de alunos responsável pelo seminário que este tema, teve grande dificuldadeem conseguir pesquisar e levantar dados que a professora indicou. As dinâmicas desenvolvidas em sala de aula mantêm a atenção do aluno, edesenvolvem a percepção do que está sendo lecionado. Foram realizados seminários,caracterizados como o resumo do conteúdo apresentado com pesquisa aprofundada deprodutos/pessoas/situações indicadas pela professora, tendo como objetivo recapitular oassunto da aula anterior, acrescentar conhecimento e instigar a pesquisa acadêmica. Outradinâmica, também realizada em sala de aula, foi a criação de um painel cronológico, criadoao longo do semestre, onde são inseridos – pelos alunos – ícones, marcos e datas,fomentando a pesquisa e auxiliando no processo de aprendizado e memorização. A apostila apresenta conteúdos condensados e necessários à disciplina,solucionando o problema da falta de bibliografia, em outros casos, a vasta bibliografia, eindicando sites de credibilidade em que se possa confiar na veracidade das informações,servindo também como material de apoio aos professores. Foi realizado um teste pelaprofessora Suzana Back para a turma do Design de Produto no semestre 2005/1, a qualforam utilizadas as apresentações em 6 aulas.
  7. 7. Considerações finais Com base assunto analisado, afirma-se que a disciplina Teoria do Design obtevegrandes ganhos no período em que foi realizada a pesquisa. A primeira delas está nautilização de tecnologia, ou seja, o datashow nas salas, o que permitiu o uso de materiaismuito mais eficazes, que as transparências antes utilizadas, pois o material apresentadoatravés do datashow apresenta alto grau de qualidade em comparação ao sistema deprojetor utilizado anteriormente. Um painel cronológico foi montado pelos próprios alunos no decorrer do semestre,onde se trazia informações adicionais, ou seja, mais dados sobre e o tema que não haviamsido comentados em sala de aula, despertando a curiosidade dos acadêmicos sobre oassunto e auxiliando-os a recordar o que foi estudado em aulas anteriores. As apresentaçõesem datashow ilustram da melhor forma as aulas, pois, havia a necessidade de mostrarimagens/produtos para que o aluno pudesse entender a teoria das diversas disciplinas quesão abordadas na disciplina e que configuram a atividade de design. As dinâmicascontribuem para um aprendizado mais eficaz, despertando o interesse pelo assunto efomentando a pesquisa acadêmica. Além dos seminários e criação de painel cronológico,realizado no ano de 2005/01, sugere-se a elaboração de cartazes, um exercício de criaçãoonde os alunos o fazem com referência estética e de conteúdo ao movimento estudado,permitindo que assimile o conteúdo de cada unidade. A utilização de recursos tecnológicos (datashow, televisão e vídeo), o painelcronológico e quadro branco, permitiram que as aulas se tornassem extremamentedinâmicas, pois, a professora pode permear entre o material mostrado no datashow, fitasapresentadas aos alunos, retomar assuntos no painel cronológico e mais informações noquadro. A apostila e CD resultantes do projeto de pesquisa, serão disponibilizado através doSistema de Apoio à aprendizagem POLVO para as próximas turmas da disciplina. Ficandodisponível para consulta dos alunos e utilização, por parte dos professores e/ouprofissionais de áreas afim. A teoria do design é de suma importância para a formação do designer, uma vez queestá presente na grade das IES pesquisadas, dando base para o acadêmico prosseguir ocurso, com o conhecimento histórico do design, evolução tecnológica e científica ereferencial estético. Com base nos dados expostos, considera-se a grande maioria dos objetivosalcançados, uma vez que a estrutura foi planejada, tornando o ensino mais coerente e sendoo conteúdo assimilado através de um raciocínio lógico natural. As dinâmicasdesenvolvidas, estimulam o aprendizado. O material de apoio criado, dá suporte ao ensinoatravés da compilação de bibliografias diversas, e fornece base ao aprendizado. A grande crítica por parte dos acadêmicos de design gráfico pela maior quantidadede conteúdo referente ao design de produto, só será extinta no decorrer do curso, pois osestudantes da 1ª fase, ainda não possuem a percepção de que a separação do design gráficodo design industrial, dá-se mais como uma questão pedagógica, visto que na prática, essadistinção quase inexiste, afinal design é design.
  8. 8. BibliografiaCALÇADA, Ana e MENDES, Fernando (org). Design em Aberto. Porto: Centro Português dedesign, 1993.BAXTER, Mike. Projeto de Produto. São Paulo: Ed. Edgard Blücher, 1998.Bernsen, Jens. Design: the problems come first. Danish Design Concil, Danmark. 1986Bonsiepe, Gui. Design, do material ao Digital. Florianópolis: Fiesc/IEL, 1997.Bürdek, Bernhard. Diseño. Historia, teoria e pratica del diseño industrial. Barcelona, editoraGustavo Gilli, 1994.Denis, Rafael. Uma introdução à história do design. São Paulo: Edgard Blücher, 2000.Dormer, Peter. Os significados do design moderno. Lisboa: C.P.D. 1ª ed, 1995.Escorel,Ana Luisa. O efeito multiplicador do design. 2 ed. São Paulo: Ed. SENAC, 2000.Formas do Design: por uma metodologia interdisciplinar / Rita Maria de Souza Couto, Alfredo J.de Oliveira (org). Rio de Janeiro: 2AB: PUC-Rio, 1999.Forum ICSID Design Mercosul. Florianopolis: SENAI/LBDI, 1996.Frascara, Jorge. Diseño Grafico y Comunicacion. Buenos Aires: Ed. Infinito,2000.Fiel, Charlotte & Peter. Design Industrial A-Z, Taschen, Londres, 2000GOMES FILHO, João. Ergonomia do objeto: sistema técnico de leitura ergônomica. São Paulo:Escrituras, 2003GOMES FILHO, João. Gestalt do objeto. São Paulo: Escrituras, 2000GRUSZYNSKI, Ana Cláudia. Design Gráfico do Invisível ao Ilegível. Rio de janeiro: 2AB,2000.Heskett, John. Industrial Design. Londres, Thames and Hudson, 1980Hollis, Richard. Design Gráfico: Uma história Concisa.- São Paulo: Martins fontes, 2000.JEUDY, Henri-Pierre. Philippe Starck: ficção semântica. Rio de Janeiro:Arcos II único,programa de pós-graduação, 1999.Löbach, Bernd. Diseño Industrial. Barcelona: Gustavo Gili, 1981.Maldonado, Tomás. El diseño Industrial Reconsiderado. México: Ediciones G. Gili, 1993Manzini, Ezio. A matéria da invenção. Lisboa: C.P.D., 1993.Mais, Domenico de. O ócio criativo. Rio de Janeiro, Sextante, 2000.MOLES, Abraham. O kitsch. São Paulo: Perspectiva, 1987Munari, Bruno. Das coisas nascem as coisas. Ed. Martin Fontes, São Paulo. 1982Munari, Bruno. Design e comunicação visual. São Paulo, Editora Martins Fontes, 1997.Niemeyer, Lucy. Design no Brasil: origens e instalação. Rio de Janeiro: 2 AB, 1998.Quarante, Danielle. Diseño Industrial 1: elementos introductorios. Barcelona: Ediciones, CEAC,1992a.Revista La Aldea Humana. Florianopolis: LBDI/Colombia: Artesanias de Colombia, 1995.Romeiro, Filho, Eduardo. 2004. Projeto do Produto - Apostila do Curso. Segundo semestrede 2004. 7ª Edição. Belo Horizonte:LIDEP/DEP/EE/UFMGSantos, Flávio Anthero dos. O Design como Diferencial Competitivo. Itajaí: Editora daUniversidade do Vale do Itajaí, 2000.Satué, Enric. El diseño gráfico. Desde los orígenes hasta nuestros días. Espanha: Alianza Forma,1999.Silva, Úrsula R. da. Elementos de estética. Pelotas: ed. Educat. 1 ed, 1995.Souza, Pedro. Notas para uma história do design. Rio de Janeiro, Editora 2AB, 1998.Strunck, Gillberto. Viver de Design. Rio de Janeiro: 2AB, 1999.SEMBACH, LEUTHÄUSER, GÖSSEL. Twentieth-Century Furniture Dersign. Taschen
  9. 9. SCHULMANN, Denis. O desenho Industrial. França, Papirus, 1994.Swann, Alan. Diseño y marketing. 2. ed. Barcelona: G. Gili, 1994.Tambini, Michael. O design do século. São Paulo: Ática, 1997.Vázquez, Adolfo. Convite à estética. Rio de Janeiro: ed. Civilização Brasileira, 1999.Villas-Boas, André. O que é e o que nunca foi: the dub remix. Rio de Janeiro: 2AB, 1999.Villas-Boas, André. Utopia e disciplina. Rio de Janeiro, Editora 2AB, 1998.http://www.guibonsiepe.com/pdffiles/interview2_2003.pdf (on line 28/02/05)http://www.guibonsiepe.com/pdffiles/virtues.pdf (on line 28/02/05)Revistas especializadas: Publish, Design gráfico, Arc design

×