Resenha de “Mídia local e suas interfaces com a mídia comunitária no
Brasil”,
de Cecilia M. Krohling Peruzzo
Pontifícia Un...
As mídias comunitária e local, apesar de terem muito em comum, têm
conceitos diferentes. A mídia local se pauta mais por a...
Martins, interior do Espírito Santo, tomam conhecimento dos candidatos
à Prefeitura e à Câmara dos Vereados durante o corp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Trabalho 1 - Mídias locais - Sergio Bonato

371 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
371
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho 1 - Mídias locais - Sergio Bonato

  1. 1. Resenha de “Mídia local e suas interfaces com a mídia comunitária no Brasil”, de Cecilia M. Krohling Peruzzo Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) Mídias locais – Comunicação Social Sergio Bonato Março de 2014
  2. 2. As mídias comunitária e local, apesar de terem muito em comum, têm conceitos diferentes. A mídia local se pauta mais por assuntos gastronômicos, culturais, de polícia, política e outros relacionados a serviços públicos. A instalação da 38a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) ou a aprovação de um projeto de lei na Câmara dos Vereadores, por exemplo. O impacto do aumento da passagem de ônibus no Rio para R$ 3 também seria uma pauta possível para a mídia local. Dependendo da abordagem, essa última matéria poderia ser encaixada nas editorias cidade ou economia. Nesta situação, o interesse é informar o grupo que vive naquela área. Assim, a mídia local consegue ganhar credibilidade e audiência, dois fatores importantes para abocanhar mais anúncios e incrementar o bolo publicitário. Ou seja, a mídia local segue a lógica da grande mídia – com sistema de gestão e interesses em jogo. Os principais interessados em veicular uma publicidade são aqueles que não veem necessidade de pagar algo caro por uma divulgação nacional, levando em conta que o produto anunciado é local. Um restaurante que só está localizado em São Francisco, Niterói, não precisa de um anúncio na editoria cidade do jornal O Globo. Pode valer a pena para o proprietário, de repente, desembolsar menos e publicar no caderno O Globo Niterói. Graças a esse interesse e à lei que obriga uma quantidade mínima de horas de noticiário local, os veículos de comunicação passaram, a partir da década de 1990, a dar mais notícias sobre os acontecimentos do entorno dos cidadãos. Segundo a autora do texto, a quantidade ainda precisa, no entanto, ser maior e, principalmente, expandida para cidades de menor destaque. Ela critica a atenção excessiva aos temas de abrangência nacional dada pelos meios de comunicação e “a centralização da produção do conteúdo nos grandes centros”. Como exemplo, cita o fato de, por exemplo, os niteroienses assistirem à campanha a prefeito do Rio. Ou mesmo os eleitores de Domingos
  3. 3. Martins, interior do Espírito Santo, tomam conhecimento dos candidatos à Prefeitura e à Câmara dos Vereados durante o corpo a corpo, na rua. Já a mídia comunitária se ocupa com temas mais específicos, ligados principalmente a assuntos dos bairros, movimentos sociais ou outros problemas de segmentos sociais excluídos e/ou com pouca expressão. Para a mídia comunitária, o corte de luz sem explicação em cinco casas da favela Rocinha poderia ser uma pauta das editorias cidade e economia. O objeto é mobilizar socialmente e educar de maneira informal. Na comunidade, os lanços costumam ser mais estreitos e profundos, marcados pela cooperação entre os indivíduos, pelo sentimento de pertencimento àquele grupo, entre outros. E essas relações são essenciais para formar um “movimento”, que amplie a cidadania (direitos e deveres) e supere problemas sociais. A mídia comunitária, ou mídia alternativa, conta com a participação direta dos moradores, sem a mediação de jornalistas ou outros “homens da ciência”. Eles escrevem, editam, colocam no ar. Voluntários chegam a aprender edição e técnica de produção. Apesar de buscar autonomia, não há anúncios ou verba publicitária. A meta é o desenvolvimento comunitário, sem sensacionalismo. Nos dois casos, ainda que chamadas de “mídia local” e “mídia comunitária”, não há delimitação ou fronteiras demarcadas. O público- alvo é definido de acordo com as relações, os interesses, a convivência, mesmo a localização tendo um papel importante para a proximidade e a familiaridade. Ainda relacionados à questão geográfica estão a cultura, as tradições, os dialetos etc.

×