Homeopatia e Saúde
do reducionismo ao sistêmico
Homeopatia e Saúde
do reducionismo ao sistêmico
Gilberto Ribeiro Vieira
Coordenador do primeiro Curso Lato-Sensu em Homeop...
UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (UFAC)
Reitor: Minoru Martins Kinpara
Vice-Reitora: Margarida de Aquino Cunha
Pró-Reitor de P...
Dedicatória
A todos os profissionais de saúde que, vencendo as barreiras
do separatismo, do preconceito e da intolerância,...
Agradecimentos
À Vida, por ser médico. Esta profissão da solidariedade, por excelência,
convoca-me diuturnamente para serv...
Ao homeopata e cirurgião Renato Sampaio de Azambuja, de Porto Alegre,
que colaborou com presteza e comprometimento na revi...
SUMÁRIO
PREFÁCIO.............................................................................................................
Método dialético.................................................................................................89
Antago...
AGRAVAÇÃO TERAPÊUTICA..............................................................................211
Introdução............
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 13
PREFÁCIO
Espalham-se nas páginas deste livro pouco mais de trinta a...
14 | Gilberto Ribeiro Vieira
constata-se que a doença prevalece na atenção do primeiro e o indivíduo
como um todo na do úl...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 15
do indivíduo. Por isso, a moléstia mais banal e corriqueira, sob as...
SAÚDE E DOENÇA
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 19
DA UNIDADE À DUALIDADE:
PRIORIZAÇÃO TERAPÊUTICA
O corpo humano sadi...
20 | Gilberto Ribeiro Vieira
se espera, não cumpre seu ofício costumeiro. O câncer exemplifica o grau
máximo do dualismo: ...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 21
Analisando a investigação científica na área médica, de acordo com
...
22 | Gilberto Ribeiro Vieira
fornecido), ora predomina a aceitação de certos valores sociais (foca-
lizando principalmente...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 23
A PESSOA COMO UNIDADE DINÂMICA
Saúde e doença guardam entranhado re...
24 | Gilberto Ribeiro Vieira
não se afastando da visão do conjunto, pois nos termos de Hahnemann (1994,
par. 19), as enfer...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 25
gio, algumas funções se mostram desequilibradas e os eventuais dano...
26 | Gilberto Ribeiro Vieira
a vez do outro, o lugar alheio, o direito de terceiros e a ser o centro das
atenções desneces...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 27
A DOENÇA: SELEÇÃO DE
ALTERAÇÕES DO DOENTE
A repetição de certos dad...
28 | Gilberto Ribeiro Vieira
mesmo autor (p. 221): acabou o tempo das doenças. Começa uma medicina
das reações patológicas...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 29
De acordo com a Patologia, Robbins (2000, p. 1) afirma que o conhec...
30 | Gilberto Ribeiro Vieira
alterações comuns e repetitivas alicerça-se na força de números enormes,
oriundos especialmen...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 31
vezes, que o progresso de modo parecido em diferentes pessoas obede...
32 | Gilberto Ribeiro Vieira
necessidades profundas da pessoa e a investigação dessas razões proporciona
dados altamente s...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 33
não implica por si só na liquidação do problema. Se todos os partic...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 35
SISTÊMICO E REDUCIONISMO:
TRAJETÓRIAS COMPLEMENTARES
Do ponto de vi...
36 | Gilberto Ribeiro Vieira
zação do todo e visa extinguir de forma global as alterações, mesmo aquelas
não relacionadas ...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 37
Com o tempo, vão se agravando, quer em intensidade, quer em extensã...
38 | Gilberto Ribeiro Vieira
desaparecem ligeira fração de tempo depois. Hahnemann (1994, par. 255)
diz que se uma melhora...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 39
mizados. A evolução com a terapêutica química era conhecida, previs...
40 | Gilberto Ribeiro Vieira
acreditam na interferência, especialmente da cânfora, embora não existam
estudos a respeito d...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 41
DOENTE: UNIDADE MENTE-CORPO
Quando se conceitua o enfermo, do ponto...
42 | Gilberto Ribeiro Vieira
orgânicos, e a hipótese de simultaneidade do acometimento desses dois níveis
(ELIZALDE, 1980)...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 43
Uma única doença pode se manifestar de forma totalmente diferente
e...
44 | Gilberto Ribeiro Vieira
determinada aflição e enrijeceu-se através do rancor, ódio, desejo de vingança,
dentre outros...
Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 45
ROTEIRO HOMEOPÁTICO:
DA DOENÇA À SAÚDE
A reunião de todas as altera...
46 | Gilberto Ribeiro Vieira
momento atual e propender à cura, de acordo a uma lei tripla de ordem e
direção: na ordem inv...
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Homeopatia e-saude-ebook
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Homeopatia e-saude-ebook

312 visualizações

Publicada em

Ebook sobre Homeopatia

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
312
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Homeopatia e-saude-ebook

  1. 1. Homeopatia e Saúde do reducionismo ao sistêmico
  2. 2. Homeopatia e Saúde do reducionismo ao sistêmico Gilberto Ribeiro Vieira Coordenador do primeiro Curso Lato-Sensu em Homeopatia patrocinado pelo Ministério da Saúde, e realizado pela Universidade Federal do Acre e Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, com o copatrocínio da Secretaria de Estado de Saúde do Acre e do Conselho Regional de Medicina – Acre. Professor de Pediatria da Universidade Federal do Acre. Médico homeopata da Secretaria de Estado de Saúde do Acre. Revisão Geral Renato Sampaio de Azambuja Rio Branco – Acre 2013
  3. 3. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (UFAC) Reitor: Minoru Martins Kinpara Vice-Reitora: Margarida de Aquino Cunha Pró-Reitor de Planejamento: Alexandre Ricardo Hid Pró-Reitora de Graduação: Maria Socorro Neri Medeiros de Souza Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação: Josimar Batista Ferreira Pró-Reitor de Administração: Thiago Rocha dos Santos Pró-Reitora de Desenvolvimento e Gestão de Pessoas: Filomena Maria Oliveira da Cruz Pró-Reitor de Extensão e Cultura: Enock da Silva Pessoa Pró-Reitor de Assuntos Estudantis: Cleilton França dos Santos CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DO ACRE (CRM/AC) Presidente: Dilza Terezinha Ambros Ribeiro – CRM 188 Vice-Presidente: José Wilkens Dias Sobrinho – CRM 157 1ª Secretária: Luciene Pereira de Oliveira – CRM 460 2º Secretário: Antonio Herbert Leite Militão – CRM 196 1º Tesoureiro: Luiz Carlos Beyruth Borges – CRM 64 2º Tesoureiro: Wellington Ferreira Brum – CRM 285 Corregedora: Dinair Castro Mendes Leão – CRM 175 SubCorregedor: Francis Kashima – CRM 746 EDITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE (Edufac) Diretor Prof. Dr. Antonio Gilson Gomes Mesquita Conselho Editorial Antonio Gilson Gomes Mesquita (Presidente), Jacó César Piccoli, Milton Chamarelli Filho, Lindinalva Messias do Nascimento Chaves, Alexandre Melo de Sousa, Lucas Araújo Carvalho, Silvane Cruz Chaves, Manoel Domingos Filho, Eustáquio José Machado, Maria do Socorro Craveiro de Albuquerque, Thatiana Lameira Maciel, Reginaldo Assêncio Machado, Kleyton Góes Passos, Wendell Fiori de Faria, Vera Lúcia de Magalhães Bambirra, Zenóbio Abel Gouveia Perelli Gama e Silva, Edson Guilherme da Silva. Gilberto Ribeiro Vieira Coordenador do primeiro Curso Lato-Sensu em Homeopatia patrocinado pelo Ministério da Saúde, e realizado pela Universidade Federal do Acre e Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, com o copatrocínio da Secretaria de Estado de Saúde do Acre e do Conselho Regional de Medicina – Acre. Professor de Pediatria da Universidade Federal do Acre. Médico homeopata da Secretaria de Estado de Saúde do Acre. Revisão Geral: Renato Sampaio de Azambuja Diagramação: Samuel Tabosa de Castro Impressão: LER Editora Ltda. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) V665h Vieira, Gilberto Ribeiro, 1953- Homeopatia e saúde: do reducionismo ao sistêmico / Gilberto Ribeiro Vieira. – Rio Branco: Edufac: CRM/AC, 2013. 323 p. : il. Inclui bibliografia, glossário e índice. ISBN: 978-85-8236-007-1 1. Medicina e Saúde. 2. Homeopatia. I. Título. CDD: 615.532 CDU: 615.015.32 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca Central da UFAC – Agostinho Sousa crb 11-547
  4. 4. Dedicatória A todos os profissionais de saúde que, vencendo as barreiras do separatismo, do preconceito e da intolerância, estendem suas mãos uns aos outros e, com respeito mútuo, unem seus esforços e trabalham em conjunto, apesar das diferentes abordagens terapêuticas. Agradecimento especial Sinto-me extremamente honrado com a publicação deste livro pelo Conselho Regional de Medicina do Acre. Reconheço que a obra não tem qualidades para tamanha deferência, e que somente a grandeza dos integrantes desse CRM, liderados pela Dra. Dilza Teresinha Ambrós Ribeiro, possibilitou a realização do fato inédito. Oxalá o nobre gesto contribua para que os médicos em geral se interessem em apreender noções de homeopatia, permitindo assim que essa especialidade coopere, dentro de suas limitações, para o engrandecimento da medicina.
  5. 5. Agradecimentos À Vida, por ser médico. Esta profissão da solidariedade, por excelência, convoca-me diuturnamente para servir ao próximo, sem qualquer restrição, e a estudar sempre, com renovado prazer. À Medicina brasileira, por acolher generosamente a homeopatia e permitir que a sua inserção aconteça em regime de paz e liberdade. À Homeopatia, pela singeleza com que esconde seus preciosos recursos e exige que o interessado tenha olhos de ver a fim de identificá-los. Aos muitos amigos que o ambiente médico — desde o curso na graduação — e o meio homeopático trouxeram aos meus braços. Ao Ministério da Saúde, pela aprovação e patrocínio do projeto do primeiro curso de especialização em homeopatia do Brasil, elaborado por este autor. À Universidade Federal do Acre, pelo acolhimento ao referido projeto, e a possibilidade de promover cursos de extensão em homeopatia para acadêmicos de medicina. À Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, pelo apoio e parceria na execução do citado curso de especialização. Igualmente ao Conselho Regional de Medicina do Acre e Secretaria de Estado de Saúde do Acre pelo copatrocínio do mesmo. Aos meus pais, pela herança de valores que carrego invariavelmente na alma. À esposa e filhos, que se apossaram em definitivo do meu coração. Ao saudoso homeopata Carlos Melo, in memorian, de Goiânia, que revisou o esboço dos primeiros capítulos do livro e estimulou-me a seguir adiante.
  6. 6. Ao homeopata e cirurgião Renato Sampaio de Azambuja, de Porto Alegre, que colaborou com presteza e comprometimento na revisão geral da obra. Seus comentários lúcidos e observações pertinentes contribuíram de modo decisivo tanto para a consistência do texto, dentro das limitações do original, bem como para tornar a redação mais fluida. Tê-lo na autoria do capítulo A Homeopatia, a Medicina e o SUS representa enorme satisfação. Aos meus pacientes, pela honra de me escolher para cuidar de sua saúde. Foram e serão sempre as principais testemunhas de que a terapêutica homeopática tem procedência e sentido. Ao leitor, razão final de todas as palavras aqui empenhadas. Gilberto Ribeiro Vieira
  7. 7. SUMÁRIO PREFÁCIO.............................................................................................................13 SAÚDE E DOENÇA DA UNIDADE À DUALIDADE: PRIORIZAÇÃO TERAPÊUTICA...........................19 A PESSOA COMO UNIDADE DINÂMICA............................................................23 A DOENÇA: SELEÇÃO DE ALTERAÇÕES DO DOENTE.....................................27 SISTÊMICO E REDUCIONISMO: TRAJETÓRIAS COMPLEMENTARES.............35 DOENTE: UNIDADE MENTE-CORPO..................................................................41 ROTEIRO HOMEOPÁTICO: DA DOENÇA À SAÚDE...........................................45 SUSCETIBILIDADE E PREDISPOSIÇÃO.............................................................49 DIAGNÓSTICO PATOGENESIA......................................................................................................57 OPERACIONALIDADE..........................................................................................65 GUAJACUM OFFICINALE – PATOGENESIA........................................................73 Resultados...........................................................................................................74 Discussão e conclusões.......................................................................................78 FATOS E HIPÓTESES...........................................................................................81 MATÉRIA MÉDICA...............................................................................................87 Matéria médica dialética....................................................................................88 Método tradicional..............................................................................................89
  8. 8. Método dialético.................................................................................................89 Antagonismo........................................................................................................90 Gradação.............................................................................................................91 Analogia...............................................................................................................92 Quadro bipolar....................................................................................................93 Dulcamara...........................................................................................................95 Ignatia Amara...................................................................................................102 Caso clínico de Ignatia.....................................................................................115 Cannabis indica.................................................................................................117 DINÂMICA DIALÉTICA......................................................................................127 SINTOMA HOMEOPÁTICO.................................................................................131 Totalidade e peculiaridade................................................................................133 O significado do sintoma..................................................................................138 A CONSULTA HOMEOPÁTICA...........................................................................143 Repertorização..................................................................................................147 Desenho.............................................................................................................151 CURA CONCEITO DE SAÚDE.......................................................................................155 A TERAPÊUTICA.................................................................................................159 Redimensionando o princípio dos semelhantes...............................................160 Patogenesia versus toxicologia.........................................................................166 Efeito curativo...................................................................................................170 Efeito paradoxal................................................................................................173 Unindo semelhantes e contrários.....................................................................175 Efeito lógico......................................................................................................177 Medicamento químico sob enfoque homeopático............................................180 Virtude medicinal..............................................................................................185 Efeito global......................................................................................................188 Treinamento e suscetibilidade..........................................................................190 Caso clínico.......................................................................................................192 PROGNOSE E CURA..........................................................................................195 Centralização e maturidade..............................................................................197 Liberdade..........................................................................................................200 Prognose............................................................................................................202 Supressão e metástase mórbida.......................................................................206 Biopatografia e prognose..................................................................................208
  9. 9. AGRAVAÇÃO TERAPÊUTICA..............................................................................211 Introdução.........................................................................................................211 Agravação e hanseníase...................................................................................215 Agravação e tuberculose..................................................................................217 Agravação e sífilis.............................................................................................219 Progressividade e agravação............................................................................221 Agravação e implicações..................................................................................225 Diagnóstico diferencial.....................................................................................228 Agravação: conclusões......................................................................................229 Agravação e caso clínico..................................................................................231 LEIS DE CURA...................................................................................................235 Introdução.........................................................................................................236 Material e método.............................................................................................237 Resultados.........................................................................................................237 Discussão...........................................................................................................240 Conclusões........................................................................................................246 Externação........................................................................................................247 Casos Clínicos...................................................................................................249 Caso clínico um...........................................................................................249 Caso clínico dois..........................................................................................251 Caso clínico três..........................................................................................253 Caso clínico quatro......................................................................................254 Caso clínico cinco........................................................................................258 Caso clínico seis..........................................................................................260 Caso clínico sete..........................................................................................265 O HOMEOPATA COMO FATOR TERAPÊUTICO................................................267 O MEDICAMENTO HOMEOPÁTICO..................................................................273 Energia..............................................................................................................274 Difusão..............................................................................................................276 Discussão e conclusões.....................................................................................280 Caso clínico.......................................................................................................282 Medicamento homeopático em doses ponderais..............................................283 Caso clínico com doses ponderais 1................................................................284 Caso clínico com doses ponderais 2................................................................288 A HOMEOPATIA, A MEDICINA E O SUS (Renato Sampaio de Azambuja).....291 POSFÁCIO...........................................................................................................297 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.....................................................................301 GLOSSÁRIO........................................................................................................315 ÍNDICE................................................................................................................317
  10. 10. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 13 PREFÁCIO Espalham-se nas páginas deste livro pouco mais de trinta anos de exercício de homeopatia vivenciados pelo autor. Os doze iniciais, exclusiva- mente com crianças, devido à especialização em pediatria. Em seguida, a atuação estendeu-se às demais faixas etárias, sendo que nos últimos anos deu-se preferência aos adolescentes, em função de mestrado com foco nesse grupo. Além disso, a experiência docente na área de pediatria da Universi- dade Federal do Acre, nos últimos dez anos, permitiu acompanhar o processo de formação médica, com sua beleza e limitações. A docência precoce em homeopatia, em Brasília, prosseguiu em Belo Horizonte e ficou latente após a mudança para Rio Branco, sendo reativada com a coordenação do curso de pós-graduação lato sensu patrocinado pelo Ministério da Saúde, realizado pela citada Universidade, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Rio Branco, e copatrocínio da Secretaria de Estado de Saúde do Acre e Conselho Regional de Medicina-Acre. Ao longo desse período, ocorreu notável expansão da especialidade no Brasil e em alguns países, mas houve pouco avanço na investigação científica, segundo o seu próprio modelo. Assim, o discurso herdado das gerações anteriores, já caduco, persiste como arcabouço teórico vigente nas escolas e no pensamento dos profissionais. Disso, resultou uma difusão extraordinária no sentido geográfico, aliada à quase estagnação conceptual, com raras exceções. No entanto, a homeopatia constitui uma abordagem terapêutica extremamente enriquecedora à medicina. Mesmo que a contemporaneidade superestime as maravilhas tecnológicas, à conta de imenso tesouro, lamenta- se em toda a parte a dificuldade frequente do profissional de saúde para cuidar do enfermo, antes de tudo, como ser humano, demonstrando empa- tia genuína pelo seu sofrimento. E o discípulo de Hahnemann esbanja tais recursos. Constrangido a somar as alterações psicológicas de cada paciente a fim de compor o diagnóstico medicamentoso, ele conduz a entrevista de modo a conhecer com detalhes a singularidade do indivíduo que tem pela frente. E o que deveria ser natural em qualquer especialidade, transforma-se numa diferença marcante e a eleva a um segmento que parece se importar mais com os sentimentos da pessoa, extraindo enorme proveito da fecunda relação médico-paciente. De fato, ao se comparar o conjunto fenomênico, objeto do trabalho do médico convencional com a prática rotineira do médico homeopata,
  11. 11. 14 | Gilberto Ribeiro Vieira constata-se que a doença prevalece na atenção do primeiro e o indivíduo como um todo na do último. Então, o resultado local daquele contrasta nitidamente com a resposta abrangente deste. Mas, a metodologia científica, com seus recortes intermináveis, con- fere embasamento à proposta que reduz a intervenção e impõe restrições à que amplia o número de variáveis. As últimas décadas trouxeram à luz novos métodos de investigação, cujo realce na qualidade facilita a inserção da homeopatia no campo da saúde, cabendo aos que a exercem redobrar esforços nas pesquisas e estudos a fim de consolidar o avanço e a confir- mação dessa terapêutica. O texto aqui apresentado não segue as diretrizes tradicionais da literatura acerca do assunto. Ao contrário, propõe nova compreensão no tocante a aspectos fundamentais, a exemplo da chamada lei dos semelhantes e dos contrários, da diluição, do significado da agravação e das leis de cura. Se, por um lado, a medicina convencional apoia-se no efeito terapêutico mais evidente e repetitivo da substância, o que a leva a reunir diversos medica- mentos para um só paciente, pelo outro, o método homeopático lida com os efeitos raros, sutis e peculiares e, esmiuçando as características de cada enfermo, seleciona apenas um único remédio, transmutando a intervenção num fenômeno preferentemente global no organismo. A maior quantidade de variáveis — sejam efeitos terapêuticos da substância, sejam sintomas do doente — evolui para a qualidade, como demonstra a dialética. Assim, pode-se traçar um paralelo contínuo entre a abordagem reducionista, pre- dominante na metodologia científica quantitativa, e a sistêmica, prevalente na homeopatia, cada qual com vantagens e limitações próprias. Porém, talvez a diferença essencial deste livro em relação aos textos clássicos da especialidade seja a primazia concedida ao paciente e não à substância medicinal, em que pese o seu inegável valor. É que o ser vivo representa um sistema muito mais vasto e complexo do que o recurso terapêutico. Residem no indivíduo os principais fatores que engendram a enfermidade, e igualmente possibilitam a cura. A ciência hahnemaniana comete, nesse sentido, a incoerência de apregoar a doença como um processo endógeno, mas depois transfere todo o mérito da reintegração à higidez para o elemento medicamentoso, portanto, exógeno. A análise pormenorizada da história de vida do paciente revela que a patologia estruturada em seu corpo guarda estreita semelhança com as suas próprias características de temperamento. Na verdade, os sintomas físicos e os traços psicológicos compõem uma entidade única, mesclando a fração concreta e a subjetiva num mesmo processo. Também se pode aduzir que a forma particular do enfermo proceder, em suas ações no mundo, costuma se repetir no modo como ele reage quando se submete a qualquer tipo de tratamento. Portanto, é na pessoa que se centra a origem da enfermidade, e é ainda nela que nascem as chances de restabelecimento. Qualquer que seja a natureza da intervenção terapêutica, o resultado depende do potencial
  12. 12. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 15 do indivíduo. Por isso, a moléstia mais banal e corriqueira, sob as mãos de um médico competente e maduro, pode redundar em complicações e óbito. Caso ele sondasse, com rigor no método e no critério, o percurso emocional do paciente, detectaria sua propensão para tal desfecho. Enfim, ainda que a homeopatia encontre resistência por parte de algum médico, ele há de reconhecer que essa especialidade tem uma contribuição singular na esfera do homem como unidade mente-corpo. E, ainda que nunca se arrisque ao estudo mais aprofundado de suas disciplinas, poderá haurir um aprendizado valioso da concepção global ou sistêmica. Não convém ao profissional limitar-se às reduzidas fronteiras da patologia porque o enfermo consiste sempre numa criatura que carrega ilusões e esperanças, afetos e dores, sonhos e decepções. É esse interior denso e profundo que se retrata a si mesmo através de disfunções, desarranjos e lesões. Tratar apenas a manifestação orgânica, desprezando a contraparte psicoafetiva que a produ- ziu, constitui uma perda irreparável, já que ignora a mais importante fonte de reorganização da saúde, ocasionando tremendo prejuízo para o próprio paciente e a medicina, bem como aliena o médico de seu autêntico papel de cuidador de doentes. O Autor
  13. 13. SAÚDE E DOENÇA
  14. 14. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 19 DA UNIDADE À DUALIDADE: PRIORIZAÇÃO TERAPÊUTICA O corpo humano sadio manifesta-se como maravilhosa e complexa unidade, em todos os momentos e circunstâncias. Milhares de funções se coordenam com harmonia e equilíbrio. Milhões de células, cujos tipos variam ao extremo, congregam-se no exercício de seus respectivos encargos. As necessidades individuais são previstas e atendidas, mesmo nos mais remotos confins. Água, oxigênio e nutrientes são abastecidos ininterruptamente, ao mesmo tempo em que excretos são eliminados. A quantidade de substâncias é monitorada a todo instante. Corrige-se imediatamente qualquer desvio dos padrões habituais. Tudo flui nos devidos níveis e limites. A mínima perturbação num sítio superficial e aparentemente inexpressivo acarreta a mobilização da estrutura, impondo reparação ou regulação incontinênti. Extrema sensibilidade e acurada vigilância garantem a estabilidade dinâmica do sistema. A autopreservação individual e coletiva — definidas rigorosamente — é assegurada na permuta incessante entre todos. Não há insubordinação, reivindicações, contestação. Nenhum elemento foge ao dever. Por outro lado, a reposição de partículas, componentes e cidadãos celulares mostra- se contínua. Essa renovação permanente previne déficits e falhas. Há um trabalho geral e permanente, seguido à risca na organização de si mesmo. O organismo é um todo, uno e coeso. Há uma hierarquia silenciosa, justa e eficaz. O alto comando nervoso administra e estabelece ações que são cumpridas em todo o território, inapelavelmente. Desse modo, o bem-estar representa inigualável prêmio que todos repartem jubilosamente entre si, sem exceções (HAHNEMANN, 1994, par.9). Entretanto, tal estado pode ser ofuscado de modo discreto ou intenso, passageiro ou permanente. Desde a alteração leve como uma cefaleia branda ou má digestão corriqueira até uma enxaqueca terrível ou câncer de estômago, o paciente caminha para a perda progressiva daquele supremo bem-estar e afunda-se no incômodo da perturbação. O estado unitário cedeu vez à dualidade (VIEIRA, 1991, cap. 2, item 37). O organismo não é mais um conjunto uno e harmônico, nem consegue restabelecer a antiga estabilidade em toda sua extensão ou profundidade. Há um desarranjo interno. Existe um setor que escapa ao fluxo da vida. O todo se mantém dinâmico e organizado nos elementos que o compõem, mas algo se rebela e não age como dele
  15. 15. 20 | Gilberto Ribeiro Vieira se espera, não cumpre seu ofício costumeiro. O câncer exemplifica o grau máximo do dualismo: expande-se à revelia das normas orgânicas, invade estruturas vizinhas, espolia todo o conjunto em função de seus próprios interesses (UBALDI, 1986). E a morte, exceto em circunstâncias naturais, demonstra o predomínio absoluto do segmento alterado sobre o restante. A passagem do estado beatífico de unidade para a condição confli- tuosa de divisão interna pode ocorrer de modo brusco, gradativo ou inter- mitente. Também há que se destacar que o quadro dual pode ser discreto ou grave. A verruga demonstra que a pele deixou de ser uniforme em toda a superfície corporal. Sem gravidade, porém constante, ela configura um dualismo discreto. O que importa, nesse momento da análise, é constatar que a unidade cinde-se num complexo bissegmentado, e o conjunto de sinais e sintomas recebe o nome de alguma doença (GHATAK, 1978, p. 25). Embora se reconheça a importância do meio ambiente, a ponto de Marcondes et al. (2004, p. 135) afirmarem que o nível de saúde varia de acordo com o estrato social da população, a fração acometida do homem constitui o foco da medicina convencional. Sua atenção se concentra especialmente nesta parte afetada, em seus mecanismos locais. A prioridade é conhecer o conjunto dessas alterações, suas respectivas causas, antecedentes, riscos associados, complicações e desenvolver uma terapêutica ou prevenção com base nessas informações. Então, apesar de que DiGiovani et al. (2006, p. 20) admitem teoricamente a importância do comportamento cultural e sexual na gênese do câncer, Robins et al. (2006, p. 2) sintetizam — na mesma obra — a visão da oncologia, no subtítulo de um dos capítulos: o câncer como doença celular. Assim, o enfoque não arreda um instante do orgânico, desconhecendo por completo ou minimizando excessivamente os fatores psicossociais que precedem e, em tese, desencadeiam as alterações cromossômicas que suscitarão a enfermidade. Portanto, a biomedicina se propõe a consertar o dano e, nesse sentido, admite extirpar um órgão parcial ou totalmente, ou substituí-lo por meio de transplante, quando indispensável à vida. A homeopatia, por outro lado, considera, de preferência, a pessoa como um todo, tanto em suas condições atuais, mas também nas anterio- res — quando saudável — e que foram vencidas pela perturbação. Assim, a terapêutica holística atua fortalecendo a parte residual sadia, de modo que se imponha e restabeleça a ordem e a homeostase. Neste momento, é oportuno introduzir o conceito de homeostase, extraído de Cannon (apud CAPRA, 1996, p. 51): mecanismo autoregulador que permite aos organismos manter-se num estado de equilíbrio dinâmico, com suas variáveis flutuando entre limites de tolerância. Todavia, o resultado homeopático, abrangente e profundo, perde-se na obscuridade perante a metodologia científica moderna — eminente- mente quantitativa — o que tem prejudicado em demasia o seu progresso, e onerado o trabalho dos homeopatas, pois se veem sobrecarregados com a necessidade de executar pesquisas, embora não disponham das oportuni- dades para tal desafio.
  16. 16. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 21 Analisando a investigação científica na área médica, de acordo com a perspectiva histórica, Campana et al. (2001, p. 122) relatam a existência de fases sucessivas: 1. Reducionismo — pesquisa, por exemplo, as molé- culas como agentes causais; 2. Vitalismo — propõe que o corpo-máquina, conceito reducionista, está sujeito à influência da alma; 3. Determinismo — com destaque para Claude Bernard, no qual para cada efeito há uma causa determinante, e que evoluiu para o determinismo probabilístico. 4. Holismo — surgido no século XX — considera que a maioria das coisas e dos seres vivos é constituída de inúmeros elementos que interagem uns com os outros, de tal maneira que o todo adquire características que não estão presentes em suas partes constituintes (o avião é constituído de inúmeras partes que, quando reunidas adequadamente, o tornam um sistema capaz de voar). E os autores prosseguem, discorrendo sobre o holismo: Todos os sistemas têm algumas características comuns (ex: se um dos componentes falha, todo o sistema é afetado; os sistemas tendem a alcançar e manter certo equilíbrio etc.). [...] Nestas condições, há que se notar que os métodos científicos tradicionais são geral- mente inadequados para a resolução de problemas complexos, tais como os sistemas podem apresentar. [grifo do autor]. E, apesar do conflito óbvio entre reducionismo e holismo, é possível e há interesse em harmonizá-los. Esta estratégia (analisar simultaneamente o simples e o complexo; por exemplo, a molécula pela biologia molecu- lar e sua função na célula viva por análise de sistema, relacionando-as) é chamada de ‘convergência de análises.’ (Campana, 2001, p. 122). Embora Samuel Hahnemann, o célebre descobridor da homeopatia, tenha se mostrado vitalista em diversas incursões teóricas, o que parece ter restado de mais sólido — e até mesmo se fortalecido com o tempo — é o holismo de sua terapêutica. Ao longo de todo este texto, ficará evidente que os métodos científicos contemporâneos ainda não a contemplam, ou não houve diálogo suficiente entre os pesquisadores e os homeopa- tas a fim de que esses possam aderir às investigações de forma livre e confortável, sem se desfazer da complexidade inerente à prática holística. Portanto, ao não abrir mão do indivíduo como um todo, a homeopatia fica à margem dos métodos científicos tradicionais. E tudo indica que ‘convergência de análises’ permanece em prolongada gestação. Talvez houvesse menos conflito entre a abordagem reducionista e os estudos de sistemas complexos, se houvesse mais reflexão sobre as palavras de Hegenberg (1998, p. 14): ...a Medicina não ganhou ainda ‘status’ de disciplina científica. Seria, talvez, um conjunto de atividades em que ora predomina a atitude científica (orientada pelo emprego de recursos que a tecnologia tem
  17. 17. 22 | Gilberto Ribeiro Vieira fornecido), ora predomina a aceitação de certos valores sociais (foca- lizando principalmente o desejo de tornar mais satisfatória a vida humana, dela afastando os males que a perturbam). Aparentemente, a ciência ainda precisa desenvolver novos métodos capazes de lidar com sistemas dinâmicos. Apesar do descompasso, exposta ao preconceito e arcando com as consequências da desinformação geral, a homeopatia sobrevive e se expande no mundo. Na década de 90, existiam dezesseis mil médicos nessa área e a especialidade ocupava a décima sexta posição no Brasil. Como é possível? Torna-se inevitável considerar a hipótese de que ela tenha algum tipo de eficácia, levando esses milhares de profissionais a se entregar plenamente ao seu ofício, renunciando a muitas vantagens que desfrutariam no sistema de saúde convencional! Quais encantos os atraem e os tornam tão dedicados e fiéis de maneira que, apesar de todos os desencontros, eles permaneçam alegres e agradecidos pela oportunidade de trabalhar na seara de Hahnemann?
  18. 18. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 23 A PESSOA COMO UNIDADE DINÂMICA Saúde e doença guardam entranhado relacionamento, sendo a última apenas uma variante ou estado anômalo da primeira. Kent (1970, p. 13-4), consagrado homeopata, observa: ...quem é este homem? Os tecidos não podem se tornar doentes a menos que alguma coisa anterior tenha se desarranjado e os tornado doentes. O que há neste homem que pode ser chamado de homem interno? [...] A combinação da vontade e do entendimento constituem o homem. Juntos, eles fazem vida e atividade, produzem o corpo e causam todas as coisas nele. Com a vontade e o entendimento operando em ordem, tem-se o homem sadio. Qualquer que seja a patologia, cabe lembrar que ela se instala em órgãos e funções. Não existe alteração mórbida que acometa o ser vivo e que se manifeste como algo independente do mesmo (RIBEIRO, 1997, p. 80). Por mais grave que a perturbação se torne, resume-se a alguma disfunção e/ou lesão delimitada ou geral, leve ou intensa, recente ou antiga de um indivíduo. Não se concebe a enfermidade como algo alheado do homem, e sim uma forma de estar no mundo. Toda doença se expressa através de sinais e sintomas e para que eles surjam é indispensável um organismo. Ainda que associada à presença de bactérias, fungos, vírus, intoxicações, antígenos, radiações, enfim, qualquer agente externo, é necessário afetar células e nervos, vasos e estruturas de modo a se revelar. Quando se obtém o isolamento e cultura de algum microrganismo, jamais se pode dizer, por exemplo: eis aqui uma sífilis. De acordo com Coulter (1980, p. 28), no máximo, afirma-se: eis o bacilo relacionado à sífilis. Porque a manifestação clínica, após a contaminação, varia desde a ausência de qualquer sintoma até um quadro grave e fatal, dependendo de cada indivíduo. Esse conceito básico resgata a importância de preservar o enfoque patológico e terapêutico no ser humano, demonstrando que é possível vê-lo como unidade, mesmo na vigência de alguma patologia. Ainda que minado por lesões graves, elas são vistas como distorções da dinâmica estrutural ou funcionais de órgãos, antes saudáveis. Mesmo que o desequi- líbrio alcance funções essenciais, tal desarranjo teve uma origem, ou seja, há uma atividade fisiológica que foi substituída no todo ou em parte pelo quadro patológico. Enfim, a homeopatia permanece na abordagem unitária,
  19. 19. 24 | Gilberto Ribeiro Vieira não se afastando da visão do conjunto, pois nos termos de Hahnemann (1994, par. 19), as enfermidades não são mais do que alterações no estado de saúde do indivíduo, que se manifestam por sinais mórbidos, assim como a cura só é possível também por uma volta ao estado de saúde do indivíduo enfermo. Essa perspectiva desfaz, portanto, a dicotomia de se ver a afecção como entidade distinta e autônoma em relação ao paciente. É porque alguma estrutura orgânica se contraiu que ocorreu falta de ar ou isquemia; ou por ter se dilatado que surgem evidências de sobrecarga ou acúmulo. Faz-se indispensável a modificação fisiológica para que se caracterize o início dos sintomas. Mesmo quando acontece notória reação, a exemplo da anafilaxia ou da doença autoimune, a perturbação só alcança existência graças à mobi- lização de células e componentes químicos pertencentes ao sujeito. E para que as bactérias, vírus ou fungos alojados na pele ou mucosas produzam uma simples bolha ou crosta, é necessário que haja destruição das camadas dérmicas, substituídas pela edificação patológica (SELYE, 1978). Na lingua- gem de Eizayaga (1972, p. 90), a enfermidade clínica costuma ser não uma série de fenômenos biológicos diferentes dos normais e sim um exagero quantitativo ou qualitativo dos fenômenos fisiológicos, por aumento ou por defeito, a depender sua manifestação de cada indivíduo. Quando o distúrbio é infeccioso, o material utilizado para a multiplicação dos microrganismos é extraído do próprio paciente, do qual o agente externo carece para se multiplicar ou se expressar. Em síntese, não há doença sem doente. Ainda que possa ser vista — como afirma Pires (1996, p. 62) — em sua dimensão de concretude, toda e qualquer patologia se reduz a alguma manifestação da perda de homeostase. O processo mórbido não é capaz de se exprimir com autonomia — ele não possui identidade para se exibir fora da pessoa. O cálculo renal, depois de extraído, reduz-se a fragmento inerte. Todos os sintomas associados a ele faziam parte da pessoa e, em função disso, podem ser muito variados. As bactérias envolvidas frequentemente em casos de infecção hospitalar grave não destroem o meio de cultura laboratorial em que prosperam, quando in vitro, nem danificam o material nos quais se mantêm. Pesquisa realizada em instrumentos hospitalares constatou que de um total de 107 estetoscópios examinados, dos quais 73 eram de médicos e 34 de enfermeiras e outros profissionais de saúde, 84 (78,5%) tinham contaminantes bacterianos. [...] Embora a maioria dos organismos isolados nestes estudos fosse considerada não patogênica, um percentual significativo dos isolados eram potencialmente patogênicos (UNEKE, 2010). Observando-se o dinamismo do fenômeno, chega-se à conclusão que o indivíduo leva algum tempo para manifestar, de modo ostensivo, sua própria doença, denominada neste texto como enfermidade homeopática, e definida como o conjunto de perturbações orgânicas, sensoriais e psicológicas de uma pessoa. Essa trajetória precisa ficar muito bem compreendida desde o ponto inicial, do sujeito sadio até o seu fim: sujeito doente. Ele deve ser visto em sua unidade, pois é o mesmo indivíduo, porém, nesse último está-
  20. 20. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 25 gio, algumas funções se mostram desequilibradas e os eventuais danos ou sequelas, sejam mentais ou físicos, podem já estar presentes (CLOSE, 2000). Rosenbaum (2005, p. 48) afirma que ...há quem duvide dessa associação entre o estado psicológico como produtor ou desencadeador de doenças. Já se ouviram cientistas muito respeitados ridicularizando a relação. Mas, [...] algumas pesquisas já apontam, por exemplo, para evidências bioestatísticas bem estabele- cidas de que pessoas que sofrem de depressão têm quatro vezes mais probabilidade de desenvolver insuficiência cardíaca do que as que não têm o problema. O desafio de vincular os fatores emocionais à anomalia orgânica parece residir no fato da medicina lidar geralmente com sintomas acentuados, que já caracterizam alguma moléstia. Acrescente-se a isso a ausência de uma explicação fisiopatológica clara e direta que a vincule ao estado mental. Tais motivos parecem ocasionar o menosprezo pelas alterações sutis, mesmo quando profundas, as quais adquirem grande valor na homeopatia. Assim, embora se reconheça que é necessária a associação do fator genético à influência ambiental para o desencadeamento da obesidade, alguns estudos que investigaram a possibilidade de diferença psicológica entre indivíduos de pesos distintos...não encontraram nenhuma de tais diferenças entre pessoas obesas e de peso normal em medições de sintomas depressi- vos, psicopatologia geral, assertividade e acanhamento (WING; KLEM, 1997, p. 546). Mas, o fato de não se ter encontrado diferenças psicopatológicas não exclui a chance de que existam diferenças psicológicas. A obesidade é uma alteração orgânica generalizada. Sob o prisma sistêmico, os elementos emocionais subjacentes não se restringem, obriga- toriamente, a aspectos psicopatológicos. Há que buscá-los nos contornos psicológicos do indivíduo, em sua postura existencial. Dentre os obesos que este autor já teve a oportunidade de acompanhar, um dos mais estrutura- dos psicologicamente foi o de uma mulher com cerca de quarenta anos de idade, com atitudes frequentes visando agradar os demais. Estava sempre presenteando os amigos e familiares, promovia-lhes festas surpresas e empenhava-se para oferecer-lhes toda a sorte de mimos. Tal característica era muito reforçada pelo meio ambiente, e ela passou a ter necessidade desse reconhecimento. A hipertrofia de si mesma constitui o lado emocio- nal da obesidade dessa paciente. Porém, o mais peculiar no caso é que ela aparentava desinteresse no tocante às suas próprias realizações, e o seu objetivo oculto era que insistissem ou manifestassem a importância de sua iniciativa. Na verdade, ela queria ser admirada, bajulada, e esse foi o prin- cipal dado para a prescrição homeopática, pois exprime, em síntese, a sua intencionalidade de vida. Outro traço genérico de personalidade que se pode correlacionar à obesidade é a tendência a ultrapassar limites. Este indivíduo costuma ocupar
  21. 21. 26 | Gilberto Ribeiro Vieira a vez do outro, o lugar alheio, o direito de terceiros e a ser o centro das atenções desnecessariamente. A pessoa parece não se dar conta de que o aumento de sua própria projeção no meio, quando indevido, parece levar, dentre outras alterações, à obesidade. Enfim, o sujeito obeso pode não apresentar qualquer evidência de psicopatologia ou neurose, contudo, sob a ótica da homeopatia, as alterações físicas e o temperamento exprimem um único conteúdo. Aqui se percebe que o reducionismo pode ocorrer em duas modali- dades: 1. Quantitativo: no tocante ao número de variáveis com as quais se trabalha; 2. Qualitativo: seleciona apenas variáveis intensamente modifi- cadas. Nesse último caso, não se consegue identificar os sintomas quando ainda são alterações sutis (psicológicas), e exige-se a presença de distúrbios já patentes (psicopatológicos), pois se distinguem somente os transtornos acentuados. Enquanto a psicopatologia fenomenológica se manteve profícua no estudo das situações mais graves e de explicação mais difícil, como os fenômenos psicóticos, ela tem tido dificuldade em se ocupar das patologias ‘menores’ mas mais frequentes: neuroses e perturbações da personalidade (ABREU, 2002, p. 27). Tudo indica que a situação da psiquiatria pode ser generalizada para outras especialidades. Há um grande desenvolvimento no campo do diagnóstico e da terapêutica, em especial com a aplicação de recursos tecnológicos de alta complexidade, no entanto, alterações relativamente banais, que incomodam quantidade imensa de pacientes, permanecem com possibilidade de intervenção muito limitada. É usual queixa de que “apesar de meus incômodos, o médico disse que eu não tenho nada!” Com admirável lucidez, o médico e psicanalista Perestrello (2006, p. 45) contesta a tradição de se considerar o homem como figura passiva perante a manifestação de sua patologia: ...acredito ser a doença um epi- sódio do ‘destino’ daquela pessoa, fruto de sua configuração já estruturada havia muito, talvez o acme de sua direção. Penso [...] que a enfermidade, como corolário da forma de ser da pessoa, foi a expressão máxima de sua crise existencial, como episódio necessário... De fato, o ser humano não é vítima de seus próprios estragos, mas geralmente autor, ainda que haja a participação de qualquer microrganismo ou o processo tenha surgido após pavoroso acidente. Esse percurso que vai da sanidade à doença varia extremamente no tempo, na intensidade e na localização, podendo ainda predominar na mente ou no corpo ou distribuir-se em ambos. A abordagem homeopática está centrada no quadro global do paciente, e o seu objetivo é proporcionar o retorno à saúde, com a extinção dos sinais e sintomas presentes na pessoa como um todo.
  22. 22. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 27 A DOENÇA: SELEÇÃO DE ALTERAÇÕES DO DOENTE A repetição de certos dados em vários pacientes permite se observar a saúde pelo prisma da doença. Hahnemann (Lesser Writings, p. 440) admitiu a existência da patologia: ...uma enfermidade deste gênero permanece sem- pre, enquanto ao fundo, semelhante a si mesma em seus sintomas, isto é, nos representantes de sua natureza interna, como também de suas causas. Portanto, se o doente pode ser visto como uma unidade biopsíquica perturbada, conforme descrito antes, a doença corresponde à seleção de algumas alterações deste sujeito. A constância de alguns sinais e sintomas num grupo de enfermos possibilita a configuração de uma entidade nosológica. Um dos clássicos tratados de Patologia define doença como um estado de falta de adaptação ao ambiente físico, psíquico ou social, no qual o indiví- duo sente-se mal (sintomas) e apresenta alterações orgânicas evidenciáveis (sinais) (PEREIRA, 2000, p. 1). Quando determinado bloco de alterações se repete em diferentes indi- víduos, a ponto de definir um quadro típico e previsível, dá-se-lhe o nome técnico de alguma patologia. Conhecendo-se a sua evolução natural, por conta da observação de vários casos, descobrem-se suas relações, etapas, tendências e complicações. Diante dessas informações, pode-se comparar eventual dife- rença quando se introduz algum agente terapêutico ou mudança ambiental. Definindo doença como um conjunto de alterações que se estabelece de forma repetitiva, possibilitando a elaboração de prognóstico e terapêutica, o conhecimento calcado nas moléstias constitui uma extraordinária contribuição da medicina. Há uma reformulação do saber, onde a semiologia médica passa a ser um conjunto sistematizado de técnicas e, legitimado como uma área específica do conhecimento científico, permite aliar a leitura dos sintomas com a pesquisa dos sinais (FERREIRA, 1994, p. 104). Foucault (2001, p. 139), em sua obra O Nascimento da Clínica, demons- tra que houve mudança importante, em meados do século XIX, nos elementos principais do diagnóstico clínico: ...a medicina dos sintomas, pouco a pouco, entrará em regressão, para se dissipar diante da medicina dos órgãos, do foco e das causas, diante de uma clínica inteiramente ordenada pela anatomia patológica. Todavia, pode-se dizer que este acréscimo permaneceu rigoro- samente limitado às variáveis que correspondem às disfunções marcantes, mesmo que se lhe adicione a valorização do fator etiológico. Segundo o
  23. 23. 28 | Gilberto Ribeiro Vieira mesmo autor (p. 221): acabou o tempo das doenças. Começa uma medicina das reações patológicas, estrutura de experiência que dominou o século XIX e até certo ponto o século XX... Os horizontes somente se alargariam, mais tarde, ao incorporar a noção dos múltiplos fatores de risco associados ao aparecimento da enfermidade e, mais ainda, quando admitiu a somatização como fenômeno vulgar na clínica. Assim, o patologista Bogliolo (2000, p. 19) reconhece que não há doen- ças e sim doentes, visto que uma mesma doença (mesmo fator etiológico ou causa) pode apresentar particularidades nas suas lesões e evolução em cada indivíduo..., bem como assinala que em determinados casos a influên- cia do próprio organismo na evolução do paciente pode interferir a ponto de...se constituir em verdadeiro desastre..., demonstrando que a medicina condiz abertamente com a ideia da singularidade. O aforismo de que cada caso é um caso (HUGHES, 2009), tão precioso à ciência médica, é seguido rigorosamente pela homeopatia. Sob a ótica reducionista, toda e qualquer doença consiste num grupo de perturbações que tendem a cumprir uma história semelhante, em diferen- tes pessoas, embora a gravidade e evolução possam variar de um paciente para outro (COULTER, 1980, p. 155). Quando se realça com cores muito vivas esse quadro restrito, tem-se a impressão de que a enfermidade possui existência independente do sujeito, usufruindo de vida própria e autônoma. E atribui-se tamanha vivacidade a ela, como se constituísse um ente, à revelia do organismo, e provocasse determinada complicação e engendrasse tal ou qual sequela. Como inconveniente, impregna o pensamento popular com o racio- cínio que assistência médica é tratar doença, prevenir doença, erradicar condições que levam às doenças. Essa concepção simplista agrava-se com a mercantilização dos recursos e, então, de acordo com Lefèvre (1991, p. 20), a Saúde aparece, hegemonicamente, na prática, como uma mercadoria. Ou melhor, ela toma a forma, no modo de produção capitalista e em nosso país, de mercadorias propiciadoras de saúde: Golden Cross é saúde... O pensamento estreito acredita na validade de generalizar para todos os indivíduos um tipo de tratamento que funcionou bem num certo caso particular. Assim, alardeia-se que o extrato de sementes de uva, com indícios de eficácia curativa num paciente com leucoencefalopatia, seria elemento terapêutico universal para evitar a degeneração do sistema nervoso: você teme envelhecer? Você aceitou as doenças crônicas ou a dor como fatais em seu futuro? Então, o envelhecimento surge como abominável inimigo. Na capa de seu livro, o autor proclama: Comece agora sua estratégia contra o envelhecimento e proteja-se do ‘lado negro’ do oxigênio. Vê-se que o oxigê- nio, foi banido da galeria dos heróis da vida e desceu à sarjeta dos vilões abjetos (STRAND, 2004, p. 17). Retomando a questão do fator causal — referida acima por Foucault — constata-se que ele representa a vitória e o apogeu do reducionismo, já que o quadro clínico fica em segundo plano e que conta é o elemento etiológico.
  24. 24. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 29 De acordo com a Patologia, Robbins (2000, p. 1) afirma que o conhecimento ou descoberta da causa primária permanece a base sobre a qual se define um diagnóstico, compreende-se uma enfermidade, ou estabelece-se um tratamento. [grifo do autor]. Um único dado assume peso definitivo sobre o diagnóstico e a terapêutica. Seria a solução final para extinguir o subjetivo e determinar a objetividade absoluta da medicina (COULTER, 1972, p. 51). Talvez isso ajude a se entender o fascínio que a vacinação exerce em muitas cabeças: o agente etiológico “cura” através da prevenção... Todavia, enquanto tal abordagem tenta reduzir todo o processo a um único elemento, conferindo-lhe valor determinante, a ciência progride e reabre-se à pluricausalidade, ao verificar o aspecto multifatorial na gênese das anormalidades. Malgrado a tendência para limitar o fenômeno, por influência das vantagens e comodismo do método cartesiano-analítico, a etiologia de fatores combinados se impõe, já que isoladamente muitos casos não atingiriam o grau suficiente para caracterizar a patologia. Dentre vários exemplos, popularmente já se sabe que a junção do tabagismo com hábitos sedentários aumenta de forma considerável o risco de infarto do miocárdio. Assim, chega-se a distinguir os casos de uma mesma enfermidade entre si, baseando-se apenas em seus próprios dados, a exemplo do tipo celular de um câncer ou a ocorrência de uma fração de anticorpos na artrite reu- matoide, que é dividida em grupos e subtipos de acordo com a positividade do fator reumatoide no sangue (KISS; LOTITO, 2003, p. 801). Também se afirma que este linfoma tem melhor prognóstico do que aquele porque o estadiamento mostra-se mais favorável e o tipo celular é menos “maligno”. Valoriza-se sobremaneira determinado item, a ponto de se afirmar que a detecção de células tumorais disseminadas na medula óssea ao diag- nóstico ou durante o acompanhamento clínico-laboratorial do paciente oncológico tem sido associada ao aumento do risco de recaída sistêmica e à diminuição da taxa de sobrevida total desses pacientes. Estudos demonstraram que esse fenômeno pode ser considerado como fator prognóstico independente (BENDIT, 2002, p. 924) [grifo do autor]. A sujeição total à enfermidade, enclausurando-se em seus férreos limites, deixa os dados da pessoa, sua constituição e temperamento à mar- gem do prognóstico e da terapêutica. Ao estabelecer a definição médica da doença, enquanto processo bioquímico que afeta o corpo individual [...], aceita-se a tese de que o saber médico era uma ‘decodificação do orgânico que o desenvolvimento científico tornava mais precisa e segura a cada dia’ (CARRARA,1998, p. 38). Consequentemente, ao se enveredar na predileção franca pelo reducionismo, paga-se o preço de não enxergar o sujeito em sua globalidade, matriz de dados importantíssimos para a humanização do cuidado, sendo proveitosa mesmo em situação grave e terminal. A epidemiologia contribuiu para se decretar a supremacia da parte afetada em detrimento da pessoa. A abordagem reduzida ao quadro de
  25. 25. 30 | Gilberto Ribeiro Vieira alterações comuns e repetitivas alicerça-se na força de números enormes, oriundos especialmente de estudos populacionais (GRAY, 2009), desde que válidos, e isso depende dos métodos utilizados, a representatividade da amostra estudada, e a natureza da população de onde a amostra foi reti- rada (MEDRONHO, 2009, p. 275). Os sinais e sintomas são catalogados e a sua evolução, sob os diferentes recursos terapêuticos, é analisada com bastante critério. Além dos itens clínicos, a investigação permite agregar informações laboratoriais ou de imagem precisas e confiáveis. Dados, às vezes patognomônicos, enriquecem o diagnóstico ou servem de guia quanto à eficácia do tratamento. As informações que embasam a história natural da patologia provêm de investigação científica também restritiva: tomam-se vários casos de um mesmo quadro clínico e observa-se qual é a evolução mais comum. As exceções, que são os desfechos muito favoráveis ou muito adversos, entram no cômputo do desvio padrão. Embasado na curva da normalidade, pode-se afirmar que tal grupo de sintomas, denominados “x”, costuma desenvolver-se com estas ou aquelas características. A partir deste ponto, admite-se que aquele conjunto de alterações tenha vida própria, evoluindo por si só, independentemente da trajetória existencial do portador. Ilustra-se com a seguinte descrição: Endometriose: presença de endométrio fora do útero. O endométrio pode aparecer nos órgãos reprodutivos ou em outros órgãos da cavidade abdominal. Pode causar aderências pélvicas na cavidade abdominal e nas trompas. A endometriose pode interferir na ovulação e na implantação do embrião (HATCHER, 2001, p. A16). Entretanto, segundo a teoria holística, doença é uma abstração, como já foi visto. Assim, não se concebe a existência da endometriose como entidade: ela não pode causar nem pode interferir. Não é ela que invade o organismo e provoca alterações a torto e a direito, ou que as lesões se instalam após uma renhida luta contra os órgãos. Enfermidade é uma figura nosológica, mas não constitui um ente. Nunca age por si só, como se dispusesse de autonomia para fazer isso ou aquilo. Na verdade, cada pessoa elabora a sua própria ruína. As perturbações revelam como é a endometriose da paciente, ou seja, o modo pelo qual os seus transtornos emocionais se projetam no físico. Em qualquer patologia, as variações individuais refletem as posturas, escolhas, decisões, sentimen- tos e atitudes que foram vivenciados ao longo da vida. Mas, ressalte-se que dentro dessa perspectiva, pode se caminhar para o extremo oposto — igualmente nocivo — que classifica a doença como uma abstração vã, uma entidade quimérica, uma criatura de nossa imaginação, nada mais do que séries de desarranjos orgânicos (PIORRY apud GRANIER, 2009), e que será recobrado adiante. Diante de um ser humano, frequentemente propenso a localizar fora de si mesmo a origem de seus males e a julgá-los desencadeados por qualquer componente alheio à sua própria pessoa, a concepção reducionista granjeou imensa receptividade. Mas, a homeopatia demonstra, como se verá bastas
  26. 26. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 31 vezes, que o progresso de modo parecido em diferentes pessoas obedece ao princípio delas terem sentimentos, posturas e reações similares umas às outras ante as suas próprias circunstâncias de vida. A filosofia homeopática não incentiva o sentimento de culpa pela doença, porém é necessário tomar consciência de si mesmo e ser responsável pela recuperação de seu próprio bem-estar. A maioria das pessoas ignora a existência de um tratamento funda- mentado no indivíduo como um todo. Por conseguinte, as propostas que abordam a promoção da saúde, quando desconhecem o pensamento holístico, permanecem num limbo que não vislumbra, de modo profundo, a cura do sujeito, postulando como ideal apenas o desaparecimento de determinada patologia. Chega-se à ilusão de que conjugando alimentação adequada e atividade física regular garanta-se a higidez, como se fosse cabível ignorar a profunda e inexorável influência da afetividade e da consciência na origem do distúrbio. Tal abordagem lida com o psiquismo como algo desconectado do corpo. Quando o profissional não desenvolve habilidades psicológicas ou humanísticas, ao se deparar com algum componente emocional importante em determinado enfermo, cuida logo de encaminhá-lo para um psicólogo/ psiquiatra. Todavia, a Medicina entrou, progressivamente, na era psicosso- mática e ecológica, caracterizada por uma nova atitude — a que aborda e trata, em cada momento e quaisquer que sejam os sintomas e a doença, o homem como um todo... (CORDEIRO, 2002, p. 21), e o médico deve atua- lizar-se aos novos tempos. Por outro lado, a busca da totalidade conduz muitos estudantes ao exercício da psiquiatria, mas é forçoso reconhecer que a especialidade repete a abordagem circunscrita, privilegiando a intervenção focal e abstém-se da integralidade. Ainda que se argumente que com o estudo da Psiquiatria emergiu ainda mais claramente o contraste entre a apreensão subjectivante das vivências dos doentes (também dos que sofriam doenças “orgânicas”) e a observação rigorosa, objectivante, experimental, repetível (FERNANDES, 1998, p. XLIII), o que se vê, na prática, é a perda da subjetividade devido à redução dos dados mentais de cada paciente ao conjunto típico de uma desordem, ao diagnóstico psicopatológico. Observe-se, portanto, que diante de um quadro de delírio e alucina- ções, a psiquiatria investiga a sua frequência e magnitude, estabelecendo a diagnose. Caso ele delire ser Napoleão Bonaparte comandando o seu exército ou imagina-se Jesus Cristo, o sintoma é megalomania (mania de grandeza). O aspecto subjetivo, a diferença entre os dois personagens é irrelevante para o diagnóstico e tratamento psiquiátrico. No entanto, a psicologia e a psicanálise, bem como a homeopatia, levarão em conta o matiz individual do delírio. O que induziu o sujeito a se identificar com esta figura histórica e não com outra? Qual característica da ilustre personalidade governa a re­ferida identificação? Sabe-se que a escolha de um vulto famoso obedece a
  27. 27. 32 | Gilberto Ribeiro Vieira necessidades profundas da pessoa e a investigação dessas razões proporciona dados altamente significativos quando se trabalha com uma abordagem global. Não é, pois, sem razão que a psicanálise se situa inegavelmente numa corrente de ideias mais próxima dessas medicinas paralelas [homeopatia, acupuntura etc.] que da medicina oficial, porque partilha com as primeiras o ponto de vista fundamental da investigação do ‘ser’ doente, e não somente do ponto de vista anônimo da ‘doença’ (DEJOURS, 1988, p. 158). Mesmo que a teoria psiquiátrica coloque-se como dispondo de visão global: Totalidade essa que leva a que se tomem todas as afirmações e conceitos formulados não no sentido da chamada ‘vida psíquica’ do homem, nem da chamada ‘vida somática’, e sim válidos para o homem inteiro em quaisquer dos seus níveis ou momentos (PERESTRELLO, 2006, p. 12), a sua prática enquadra-se no paradigma científico prevalente, pois reduz as variáveis que compõem o transtorno, rotulando cada pequeno conjunto de sintomas como determinada patologia, e executa sua intervenção segundo esse critério. Caso não houvesse abraçado o reducionismo, provavelmente a psiquiatria ainda estaria marginalizada e não teria acesso às instituições fomentadoras de pesquisa e de atenção à saúde. Para dirimir qualquer eventual dúvida remanescente, verifique-se abaixo a descrição de esquizofrenia na Classificação Estatística Internacional de Doenças: Os transtornos esquizofrênicos se caracterizam em geral por distorções fundamentais e características do pensamento e da percepção, e por afetos inapropriados ou embotados. Usualmente mantém-se clara a consciência e a capacidade intelectual, embora certos déficits cognitivos possam evoluir no curso do tempo. Os fenômenos psicopatológicos mais importantes incluem o eco do pensamento, a imposição ou o roubo do pensamento, a divulgação do pensamento, a percepção delirante, ideias delirantes de controle, de influência ou de passividade, vozes alucina- tórias que comentam ou discutem com o paciente na terceira pessoa, transtornos do pensamento e sintomas negativos (CID 10, item F20). Note-se que a abordagem não é individualizante. Ao revés, as altera- ções que caracterizam cada transtorno são listadas de forma a compor uma entidade genérica e que permita o controle estatístico. Reconhecendo sua carência congênita, o reducionismo amplia sua intervenção, reunindo elementos de diversas áreas, bem como de diferentes especialidades médicas, a exemplo do que ocorre na medicina do adoles- cente, pois percebe a complexidade dos distúrbios que afetam essa faixa etária. Mas, nem sempre a ação conjunta revela-se suficiente. A proposição de se trabalhar em equipe multiprofissional tem seu inegável valor, contudo
  28. 28. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 33 não implica por si só na liquidação do problema. Se todos os participantes encontram-se num degrau semelhante de visão, o incremento permanece no mesmo patamar. O resultado acanha-se à horizontalidade, apesar de dilatado. A soma das visões fracionadas não reconstitui a unidade do indivíduo, não resgata o ser em sua integralidade dinâmica, na qual exuberam consciência e afeto. Somente quando se contempla o sujeito como um todo é possível verticalizar o processo: surge uma compreensão maior da pessoa e de sua trajetória. Neste caso, pode-se considerar que a Medicina de Família e Comuni- dade — MFC, eixo principal da saúde pública em diversos países, desempe- nha uma ampliação muito interessante. Note-se que nessa especialidade, o paciente é visto com o olhar mais abrangente, capaz de identificar transtornos provindos de questões familiares ou comunitárias. Todavia, representa um verdadeiro contrassenso que essa abordagem dilatada se restrinja ao uso de remédios fundamentados exclusivamente no método reducionista. O seu enfoque tem pontos de identificação importantes com a homeopatia, a qual poderia enriquecê-la com a visão profunda que a caracteriza, ao passo que a MFC acrescentaria à terapêutica hahnemaniana a investigação do ambiente. Acerca dessa deficiência homeopática, veja-se o capítulo Suscetibilidade e Predisposição. Finalmente, pode-se concluir que a grande distinção entre a metodo- logia restritiva e a holística é a amplitude e a singularidade da informação com que cada um trabalha, seja no paciente, seja no medicamento. Dando vazão ao ideal cartesiano-reducionista, diz-se que diante da complexidade do mundo, as ciências têm como estratégia isolar progressivamente alguns setores, circunscrever aí fenômenos particulares e especificá-los sempre mais precisamente, até mesmo idealmente, controlando todas as condições (LÉVY-LEBLOND, 2004, p. 21). Mas, a fragmentação sucessiva do fenômeno contribui para a gênese do “subespecialista”, cujo aparecimento provoca acirrada polêmica, já que produz vários benefícios — em função do conhecimento aumentado na área — e, ao mesmo tempo, avantajada ignorância relativa ao quadro geral, per- dendo a noção do paciente como um todo. Numa época em que a globalização constitui fenômeno internacional e de intenso significado cultural, a ditadura do reducionismo mostra-se ana- crônica. A complementação mútua entre o método cartesiano e o sistêmico revela uma postura sensata e adequada aos tempos de uma nova era.
  29. 29. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 35 SISTÊMICO E REDUCIONISMO: TRAJETÓRIAS COMPLEMENTARES Do ponto de vista histórico, pode-se entender agora que o conflito entre o descobridor da homeopatia e a medicina de seu tempo resume-se ao antagonismo, perdurante até hoje, do método quantitativo com o qualita- tivo. Por não compreender a natureza complementar dos dois processos, e enlevado pelo desenvolvimento consistente — pela primeira vez — de uma abordagem global, ele incidiu no equívoco de apontar veementemente as limitações da terapêutica centrada no efeito mais ostensivo da substância e destinada a uma ou poucas alterações de cada paciente (COULTER, 1982, p. 32). Em consequência, despertou uma reação proporcional e inversa. Com o avanço tecnológico, fundado predominantemente na investigação quantitativa, Robins (2005, p. 62) diz que se acrescentou a pecha de atraso à visão sistêmica, tentando-se obter de seus seguidores o reconhecimento de que havia apenas ‘uma ciência na medicina’, algo que a maior parte deles jamais concordaria. A homeopatia parece ser a única terapêutica que exige o conhecimento do indivíduo em sua totalidade mente e corpo para executar a intervenção, pois a acupuntura, que também considera o organismo como um todo, não computa a fração psicológica. A maior quantidade de variáveis, que caracteriza a abordagem sistêmica, tem duas consequências importantes: a primeira, já contemplada historicamente pela dialética, reconhece que a quantidade tende a se transformar em qualidade; a segunda, em função de ser aberto, o sistema possibilita o surgimento de situações novas e resul- tados inéditos. Assim, um pequeno incremento no número de fatores pode provocar acréscimo muito maior na complexidade dos fenômenos do que a simples diferença da soma de variáveis: A nova matemática representa uma mudança da quantidade para a qualidade, o que é característico do pensamento sistêmico em geral. Enquanto a matemática convencional lida com quantidades e com fórmulas, a teoria dos sistemas dinâmicos lida com qualidades e com padrões (CAPRA, 1996, p. 116). Pode-se dizer, em tese, que o tratamento homeopático, ao atuar prefe- rentemente sobre a unidade do sujeito, fortalece os mecanismos de reorgani-
  30. 30. 36 | Gilberto Ribeiro Vieira zação do todo e visa extinguir de forma global as alterações, mesmo aquelas não relacionadas ao quadro que compõe a enfermidade. E o tratamento convencional, por intervir prioritariamente nas alterações mais comuns e exacerbadas, pertencentes ao conjunto denominado doença, procura promo- ver o retorno à saúde, por meio da extirpação dessas manifestações. Assim, elas palmilham vias paralelas rumo ao objetivo comum. A primeira cuida, antes de tudo, de recuperar o sujeito, e a última se propõe, de imediato, a eliminar o conjunto das alterações enquadradas na patologia. Mas, para alcançar os seus fins, a homeopatia emprega rigorosa ciên- cia, ao praticar um método terapêutico e experimental — embora trabalhe com grande quantidade de variáveis. A ciência se caracteriza por ser um conjunto de atitudes e atividades racionais, direcionadas para sistematizar o conhecimento devidamente delimitado, medido, calculado, para permitir a verificação (TRUJILLO FERRARI apud SANTOS, 2009, p. 65). Assim, depois de levantar o quadro sintomatológico do paciente na consulta, realiza-se uma seleção de dados — procedimento denominado repertorização — valo- rizando os mais peculiares, que podem ser orgânicos ou mentais: eis aí uma redução. Esse pequeno conjunto de itens deve justapor-se à descrição de um único medicamento, cujo estudo obedeceu a uma investigação experimental. As informações coletadas através da experimentação no homem sadio, que podem ultrapassar várias centenas, são organizadas também num tema único, a fim de alcançar o seu uso racional. Portanto, o homeopata exercita também a mais pura ciência na medida em que, para o sucesso da terapêutica, é necessária a pesquisa dos efeitos patogenésicos da substância, através de procedimento claro e definido que permite a observação criteriosa dos dados. [Emprega-se neste livro a palavra efeito em substituição a habitual “sintoma” para se referir tanto à alteração suscitada pela substância no experimentador, bem como à sua transcrição na matéria médica. Nas citações provenientes da literatura homeopática acrescentou-se, quando necessário, a observação “grifo do autor” a fim de alertar quanto ao seu verdadeiro significado. Os motivos estão descritos no capítulo A Terapêutica]. Por matéria médica entenda-se o conjunto de efei- tos de cada remédio, obtido — especialmente — por meio da patogenesia, cujas características mais peculiares são os principais dados para se aplicar aquela substância (vide Glossário). Vale ressaltar que a obtenção de uma síntese, tanto do paciente como do medicamento, corresponde a conduta reducionista e, ao mesmo tempo, a instigante exercício de inteligência. Pode-se afirmar que quanto mais distanciado da saúde, vale dizer, mais estruturado o quadro patológico, menor chance, em tese, de se remontar à condição unitária que o antecedeu. É interessante refletir sobre a trajetória que o organismo realiza quando sai de seu estado saudável até distúrbios graves ou irreversíveis: no início, geralmente, elas são sutis, podendo se restringir a modificações discretas, seja na esfera emocional ou na intimi- dade celular.
  31. 31. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 37 Com o tempo, vão se agravando, quer em intensidade, quer em extensão do acometimento. Ao se alcançar lesões sérias e deformações importantes — ressalve-se que a exteriorização do processo pode ser repentina, a exemplo do infarto do miocárdio — com prejuízo acentuado de função e transtornos decorrentes, a imagem da enfermidade se sobrepõe à da pessoa. As limitações consequentes à patologia ocupam mais a atenção do indivíduo e cerceiam suas ações no mundo. Pode-se afirmar que não existe mais o sujeito e sim a doença, pois ele vive segundo essas apertadas fronteiras. Nesse extremo patológico, dizer que a doença não existe (BOGLIOLO, 2000, p. 19), e sim o doente — como afirma Kent (1970, p. 15) — torna-se um exagero. No tocante à cura, cabe reconhecer que a terapêutica baseada nos aspectos mais chamativos do paciente e nos efeitos mais ostensivos da substância, que se distingue pelo caráter restritivo, apresenta resultados seguros e tem incontestável valor. Mas, foge ao escopo deste livro examinar os princípios científicos do método cartesiano, já devidamente estabelecido no mundo e respaldado na estatística. Pretende-se apenas discutir algumas evidências de que a abordagem sistêmica em saúde nada mais é do que um incremento na quantidade e/ou tipo de variáveis, cuja consequência transmuda o fenômeno — quando bem sucedido — num processo global e, portanto, qualitativo. O remédio homeopático, quando selecionado conforme a totalidade do indivíduo, proporciona resultados muito díspares, dependendo de sua adequação a cada caso. Obtêm-se respostas espetaculares e inesperadas, ao lado de evidentes fracassos. Se a terapêutica reducionista apresenta o inconveniente da ação predominantemente local, o tratamento globalizado lida com o incômodo da irregularidade de respostas. A prescrição representa tarefa um tanto complexa, em função da gama de sintomas do quadro e a obrigatoriedade de priorizar aqueles mais peculiares. Mas, se bem indicado, o medicamento atua na fração residual saudável e estimula-a para que recupere a hegemonia sobre todo o restante. É como se ela puxasse o doente de volta à sua condição primitiva, independente de qual seja a afecção, e o reconduzisse ao próprio estado original. Apesar de recorrer a ultrapassado conceito vitalista, Close (2000) aborda a questão do efeito, primeiramente global, nos seguintes termos: o remédio curativo, por meio dos nervos e vasos sanguíneos, atua primeiro sobre o princípio vital presente em todo o organismo, e então sobre as partes afetadas, de um modo perfeitamente natural. A melhora biomédica tende a se resumir às alterações mais salientes, graves ou incômodas, e o conjunto se beneficia depois. Empenha-se pelo desaparecimento dos sinais típicos da moléstia, deixando em segundo plano a avaliação da pessoa como um todo. Há uma busca do “padrão ouro”, seja no diagnóstico ou na terapêutica, que contemple todos os portadores daquele quadro específico. Já com a homeopatia, frequentemente, a pessoa se recupera como um todo biopsíquico em primeiro lugar, e os sintomas classificados como doença
  32. 32. 38 | Gilberto Ribeiro Vieira desaparecem ligeira fração de tempo depois. Hahnemann (1994, par. 255) diz que se uma melhora na disposição e temperamento foi já observada, o medicamento deve ter realizado uma diminuição evidente da doença ou, se o tempo decorrido não foi suficiente, ele fará efeito em breve. Assim, o efeito local do medicamento químico costuma ficar evidente mais rápido do que a reação sutil e generalizada do homeopático para a maioria dos enfermos, em particular quando desacostumados desse expediente. Jahr (1987, p. 193) descreve essa diferença de modo claro: ...não poderíamos absolutamente desconhecer a ‘prontidão’ surpreendente com a qual se manifestam, na maior parte dos casos, os efeitos tão desejados dos meios empregados e que dificilmente encontram par, senão raramente, após o uso de um medicamento homeopático. O critério rapidez da resposta terapêutica será extensamente discutido no capítulo Leis de Cura. O biólogo LIPTON (2007, p. 122), comentando acerca da amplitude que distingue a abordagem holística da cartesiana, declara o seguinte: O modelo reducionista sugere que, se há um problema no sistema, como uma doença ou disfunção, a fonte do problema pode ser atribuída ao mau funcionamento de um dos pontos da linha de montagem química. “Repor” então a peça defeituosa por meio de medicamentos, por exem- plo, teoricamente faz com que a saúde do paciente se recupere. Esse conceito estimula a pesquisa da indústria farmacêutica em busca de drogas mágicas e genes perfeitos. Ao se comparar as duas terapêuticas entre si, o tratamento pautado num recurso reducionista tende a se sobressair, pois a forma de análise predominante — quantitativa — é limitada ao seu campo preferencial de ação: os sintomas convencionados como enfermidade. Houvesse possibili- dade de se confrontar não apenas a resolução desse quadro específico, mas igualmente a qualidade da melhora global do paciente, a balança penderia para um equilíbrio, e o reconhecimento da eficácia da intervenção de origem sistêmica seria contundente. Existe muita expectativa quanto a novas formas de investigação, pois a pesquisa qualitativa responde a perguntas como ‘o que é X, como X varia em circunstâncias diferentes e por quê?’ em vez de ‘qual o tamanho de X ou quantos X existem?’ (POPE, 2009, p. 13). É notável que para trabalhar com pesquisa qualitativa, o investigador tem de sair da prepotência de decretar os resultados pela força dos números, e caminhar em direção à postura mais humilde de ouvir, respeitar e valorizar a impressão do indivíduo que lhe fornece os dados acerca do fenômeno sob investigação. Durante o período em que este autor trabalhou num Hospital Psi- quiátrico, associando a medicação homeopática à tradicional, ministrada por psiquiatras, pôde constatar que a melhora dos traços típicos de alguma doença era mais regular com a biomedicina (vide capítulo Leis de Cura). No entanto, nenhum deles tinha evolução amplamente satisfatória como acontecia com alguns entre os que se submetiam aos medicamentos dina-
  33. 33. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 39 mizados. A evolução com a terapêutica química era conhecida, previsível e mediana. Já com a homeopática prevalecia certa irregularidade. Alguns pacientes abaixo da média, outros acima e, ainda, uns com resposta extraor- dinariamente satisfatória. Se nos estudos que se propõem a cotejá-las, o caso com alívio de transtornos clínicos antigos e melhora psicológica profunda e ampla, eviden- ciando resolução de bloqueios e conflitos emocionais de longa data, valer o mesmo que outro, cujo benefício não extrapola o medíocre, jamais se dará à homeopatia o justo reconhecimento e as conclusões tendem a questionar sua eficácia (LUZ, 1996, p. 333). Somente quando a pesquisa levar em conta, além da cura dos sintomas comuns e repetitivos que definem a patologia, também a amplitude da resposta, a estabilidade dessa melhora geral e a intensidade da recaída ou eventual surgimento de nova doença, será inte- ressante para o homeopata participar dos estudos de investigação clínica. Aceitar o confronto, jogando somente no campo reduzido da enfer- midade, é colaborar para o descrédito da ciência hahnemaniana. Torna-se indispensável abranger aspectos do paciente como um todo ao se montar o protocolo de avaliação do ensaio clínico. A melhora global, o desaparecimento de alterações desvinculadas da patologia em foco e relacionadas ao sono, apetite, humor, memória, disposição e, principalmente, ao temperamento têm que ser computados, a fim de que as evidências do resultado qualitativo da terapêutica homeopática coloquem-na em condições competitivas com qualquer outra abordagem. Nesse sentido, convém refletir ainda sobre a expressão atribuída a um grande sábio: Se um único homem chegar à plenitude do amor, neutra- liza o ódio de milhões (GANDHI). Isso dá ocasião para uma analogia com o desfecho global. Um indivíduo curado em sua totalidade, desde os mean- dros de seus conflitos, e que recupera sua liberdade existencial, equivale a dezenas de outros, cuja melhora se restringe às manifestações, catalogadas como típicas de determinado mal. Enfim, é necessário qualificar os critérios de avaliação. O conceito de promoção de saúde como integração de todos os recursos existentes, na busca de uma ação conjunta e eficaz, permite à homeopatia se inserir no sistema público com tranquilidade e segurança. Suas proprie- dades aparecem quando empregada isoladamente ou em associação com a biomedicina. Os parâmetros de aferição do caso, baseados na totalidade e densidade do resultado, possibilitam uma análise confiável. E como a infor- mação acerca de diversos temas dos efeitos dos medicamentos pode ser transmitida para a população — desde que o profissional receba a devida formação — obtém-se a validade da homeopatia como conhecimento científico (POPE; NICHOLAS, 2009, p. 109). Vai-se longe o dia em que se acreditava que o uso concomitante de alguns alimentos ou substâncias — café, carne, temperos, cânfora, álcool, drogas e remédios químicos — impediam ou dificultavam o efeito desses medicamentos (BAEHR, 2009). É verdade que alguns homeopatas ainda
  34. 34. 40 | Gilberto Ribeiro Vieira acreditam na interferência, especialmente da cânfora, embora não existam estudos a respeito do assunto. Por executarem trajetórias geralmente complementares, há evidências de que tanto o medicamento homeopático como o químico — usado em simultâneo — revele cada um a sua própria ação, o que não significa que haja sempre sinergismo. Faltam pesquisas que esclareçam as vantagens e indicações ou se existem desvantagens e contraindicações para se efetuar a associação das duas terapêuticas. Entretanto, em muitos casos, quando ocorre melhora do sujeito em seu todo reforça-se a hipótese de que a com- binação com outras terapêuticas não ocasiona nenhum obstáculo ao efeito da homeopatia. Todavia, uma vez deflagrado o processo global, não convém introduzir nem suspender qualquer substância química, seja oral ou tópica. O objetivo é reduzir ao máximo os fatores intervenientes e deixar que o organismo mostre sua sensibilidade e reação livremente.
  35. 35. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 41 DOENTE: UNIDADE MENTE-CORPO Quando se conceitua o enfermo, do ponto de vista sistêmico, refere-se ao sujeito em sua totalidade mente e corpo. É o homem com seus sentimentos, reações, intenções, percepções e atitudes, contempladas em sua relação con- sigo mesmo, com os outros, o meio ambiente e com Deus, para se ter noção da complexidade do fenômeno. Cada criatura enfeixa uma vasta e profunda gama de características, que podem ser reunidas numa síntese. Esse sujeito que ama e sofre, aprende e ensina, expande e se contrai, constitui o objeto da abordagem hahnemaniana. Não se pode cogitar de entendê-lo somente no horizonte físico, dividindo um corpo em sistemas ou aparelhos e estes em órgãos. O paciente é, sobretudo, uma figura humana. Olhando por esse prisma, é simplesmente impossível chegar a conhecer a natureza da doença, que nada mais é do que uma modificação da vida (DUNHAM, 2000, p. 20). Até o momento, a homeopatia acumulou grandes recursos para a análise do indivíduo. Sob esse ângulo, pode-se afirmar que cada sinal mais estável no corpo corresponde a uma característica análoga do temperamento. Mente e físico exprimem conteúdo idêntico. A dor que aparece, por exemplo, no estômago, na articulação ou na cabeça, associadas respectivamente à gas- trite, reumatismo ou enxaqueca, exprime algum sofrimento psicológico tal como mágoa, decepção, aborrecimento, tristeza, preocupação etc. Segundo a concepção unitária, na maioria das vezes, o físico não cria sintomas, ape- nas os reflete, conforme surgem na matriz mental. Elizalde (2004, p. 183) declara que não existe nenhuma enfermidade do corpo que não tenha um correspondente no nível mental, e nenhuma enfermidade mental que não tenha um correspondente no nível somático. Na verdade, o referido autor comenta palavras de Hahnemann, no parágrafo 17 do Organon e respectiva nota de rodapé, quando diz: As operações que se verificam nas enfermidades não se anunciam senão pelas mudanças perceptíveis, pelos sintomas, único meio pelo qual nosso organismo pode expressar as alterações sucedidas em seu interior [...]. Uns e outros se confundem entre si à nossa vista, e não nos oferecem senão uma imagem refletida ao exterior de todo o mal interior... [grifo do autor]. Desse modo, a abordagem homeopática especializou-se na visão global, com destaque quanto ao parentesco entre os dados psicológicos e
  36. 36. 42 | Gilberto Ribeiro Vieira orgânicos, e a hipótese de simultaneidade do acometimento desses dois níveis (ELIZALDE, 1980). Ainda que não tenha sido demonstrada, admite-se que alguma alteração aconteça na intimidade celular ou na dinâmica fisiológica em paralelo à emocional. De acordo com Paschero (1973. p. 110), a lei de simultaneidade ou concomitância dos fenômenos psíquicos e somáticos demonstrada pela psicologia moderna, torna-se evidente no diagnóstico homeopático de um remédio que reflete a reação total de um ser humano. Não é possível ainda fazer medicina sem incorporar os sintomas mentais como valores clínicos biologicamente condicionados à totalidade da pessoa enferma. Diferentemente da regra, que classifica apenas algumas patologias como psicossomáticas — quando há acentuada evidência causal entre o psiquismo e o orgânico —, a homeopatia considera a priori que toda doença crônica se encaixa nessa categoria, já que os dois planos formam uma unidade. Nesse aspecto, concilia-se por inteiro com a afirmativa que sendo o homem um todo psicossomático, todas as doenças são psicossomáticas (PERESTRELLO, p. 56). Porém, não significa que o psicológico cause dano físico, como vulgar- mente se julga. O que mais importa salientar é a proximidade de conteúdo entre os sintomas de ambas as esferas. Tome-se, a título de exemplo, a hiper- tensão arterial. O pensamento linear — geralmente reducionista — atribui à elevação da pressão nas artérias a origem das demais disfunções do quadro e concentra, portanto, sua intervenção na correção dessa anormalidade. A homeopatia vê o conjunto de alterações como uma síndrome, sendo a pressão alta apenas um dos indicadores. E isso faz sentido, tendo em vista que a intensidade das alterações não acompanha obrigatoriamente o grau da variação pressórica. Assim, pode acontecer intensificação de cefaleia, verti- gem ou dispneia num paciente com discreto aumento da pressão, enquanto noutro, é possível manifestações discretas integrando caso de hipertensão acentuada. O pensamento linear — que busca sempre uma relação causal — facilita o raciocínio, mas denota um reducionismo incompatível com a complexidade do fenômeno. A abertura inicial às perturbações do ambiente é uma propriedade básica de todas as formas de vida. Os organismos vivos têm de permanecer abertos a um fluxo constante de recursos (energia e matéria) para continuar vivos; as organizações humanas têm de permanecer abertas a um fluxo de recursos mentais (informações e ideias)... (CAPRA, 2002, p. 117). A abordagem sistêmica ou complexa abre pontos de contato com novas formas de pesquisa que se mostram mais inclusivas em relação à multiplici- dade de respostas. A Lógica Fuzzy em epidemiologia refere-se ao tema com expressões muito familiares ao homeopata:
  37. 37. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 43 Uma única doença pode se manifestar de forma totalmente diferente em diferentes pacientes, e com vários graus de severidade. Além disso, um único sintoma pode ser indicativo de várias doenças, e a presença de outras doenças em um mesmo indivíduo pode alterar completamente o padrão sintomático esperado para qualquer uma delas (ORTEGA, 2004, p. 473). Portanto, a variação de respostas apresentadas pelos pacientes sob a terapêutica homeopática talvez encontre em novos métodos de investigação — ainda que quantitativos — algum instrumento apropriado. E a mencionada autora prossegue dizendo que a lógica fuzzy difere da lógica convencional, pois ela nos permite assumir afirmações com valores entre falso e verda- deiro, nos possibilitando inclusive trabalhar com variáveis linguísticas. Ela pode ser considerada uma das ferramentas matemáticas mais poderosas para lidar com incertezas, imprecisões e verdades parciais... Desse modo, constata-se que outras disciplinas no campo da metodologia científica e da epidemiologia se empenham no desenvolvimento de recursos destinados a trabalhar de forma diferente da lógica convencional. A homeopatia aborda a saúde de forma mais abrangente, começando pelo nível experimental. O processo intitulado patogenesia (vide Glossário), contribui de forma extraordinária para se examinar o problema. Os efei- tos que surgem durante esse procedimento — quando alguns voluntários sadios ingerem determinada substância — contemplam o nível subjetivo e o orgânico, evidenciando estreita semelhança entre ambos. Desse modo, as manifestações histéricas na esfera psicológica e os movimentos incontro- láveis dos músculos, a exemplo da coreia, expressam um único substrato e constituem sinais clássicos de Ignatia amara; a susceptibilidade à invasão de seu território existencial corresponde ao hematoma, em Arnica montana; a propensão a transformar associados em inimigos equivale à tendência para produzir inflamações, em Mercurius etc. Na análise dos dados obtidos, percebe-se a correlação entre o plano físico e o mental, facilitando a compreensão tanto do medicamento como do paciente. Desse modo, a homeopatia alinha-se ao pensamento existen- cialista, quando esse declara o seu firme posicionamento contra os OU e adesão decisiva aos E: somos isso E aquilo, consciência E corpo, razão E emoção, e assim por diante (RIBEIRO, 1998, p. 26). Assim, a polêmica sus- tentada durante muitos anos por certos homeopatas, contrapondo monismo e dualismo entre si, constitui lamentável perda de tempo. Ambos existem: o monismo prepondera na saúde e o dualismo na enfermidade, mas nenhum exclui por completo o outro. Com frequência, pode-se correlacionar as queixas clínicas às carac- terísticas de personalidade ou situações vivenciadas. O cálculo renal, biliar etc., sugere ter ocorrido “endurecimento” na afetividade da pessoa, ao mesmo tempo em que a cólica corresponde a algum grande sofrimento no passado. Reunindo as duas informações, deduz-se que o paciente passou por
  38. 38. 44 | Gilberto Ribeiro Vieira determinada aflição e enrijeceu-se através do rancor, ódio, desejo de vingança, dentre outros. De igual modo, o infarto do miocárdio denuncia que houve, previamente, perda ou redução significativa na afetividade, já que o coração representa a sede dos sentimentos. É comum verificar-se que o indivíduo deixou de amar alguém de forma dolorosa e lesiva à sua própria “fisiologia” emocional. Portanto, não há lesão importante no físico que não tenha sua contraparte psicológica, ainda que reprimida, recalcada ou já superada. Considerando a semelhança existente entre o emocional e o orgânico, é viável se resgatar o conceito de unidade dual, embora noutro ângulo. Aqui, o enfermo continua um só. Permanece indivisível. Sua doença representa a projeção de suas próprias características psicológicas no corpo. Independente da análise ir do emocional para o físico, como no sentido inverso, os sintomas expressam o mesmo drama existencial. Mas, se a manifestação pode aconte- cer em dois diferentes níveis, tal fato já sinaliza por si só a dualidade. Além disso, ressalte-se que o quadro pode ser mais intenso na mente — levando a algum transtorno psiquiátrico — ou no orgânico — gerando lesões sérias em pessoas relativamente saudáveis, do ponto de vista emocional. O assunto será retomado no capítulo Leis de Cura no Plano Mental. A delimitação rigorosa a um pequeno grupo de indicadores, orgânicos ou mentais, restringe bastante a área de ação do profissional. É inegável que tal abordagem concorre para a saúde do ser humano, muito patente nos serviços de urgência, ao cuidar dos acidentados e dos quadros clínicos agudos. Porém, discorda-se da escala em que se divulga tal contribuição: O avanço dos conhecimentos técnico-científicos não significa, necessa­ riamente, melhor assistência à saúde. O aumento da expectativa de vida nos países desenvolvidos como sendo uma conquista da medicina moderna é falacioso. Medidas de caráter econômico e social (erradicação da miséria, eliminação da fome, higiene, saneamento básico, educação e habitação) contribuíram muito mais para essa conquista (PESSINI; BARCHIFONTAINE, 1997, p. 167). Há que se adicionar alguns fatos aos recursos descritos acima, a exem- plo da entrada da mulher no mercado de trabalho, e certos conceitos da psicologia acerca da importância da autoestima e da realização pessoal para o bem-estar do indivíduo e que, provavelmente, também exercem enorme influência na população.
  39. 39. Homeopatia e Saúde – do reducionismo ao sistêmico | 45 ROTEIRO HOMEOPÁTICO: DA DOENÇA À SAÚDE A reunião de todas as alterações do paciente demonstra a priorização homeopática de trabalhar com o sujeito. Esgotado o relato minucioso das perturbações relativas à enfermidade — com as características individuais — adicionam-se os dados referentes ao estado que antecedeu ao aparecimento da patologia. Regressa-se, portanto, no tempo, buscando sinais, ainda que discretos, de desequilíbrio pré-existente. Procedendo-se tal investigação retrospectiva, cujas informações remontam à condição prévia de “norma- lidade”, verifica-se que já havia um número significativo de sintomas e sensações relacionados aos diversos aparelhos, apetite, sede, sono, trans- piração, clima e o temperamento. Tais alterações reforçam a impressão de que o indivíduo já elaborava a sua própria desorganização, com bastante antecedência. Mas, por vários motivos, o diagnóstico clínico é fundamental na prática. Dentre outros, para se orientar no tocante à conduta do caso, bem como para corresponder à expectativa do paciente. Grande número de pessoas, na situação de espera em consultórios e ambulatórios, teme que o profissional de saúde lhes informe que ‘não têm doença alguma’. [...] Assim, são características do papel de doente: estar numa situação incomum (rompimento da homeostase); não se sentir capaz de solucionar o problema; precisar de ajuda (REZENDE, 1989, p. 97-8). Contudo, merece enfatizar que a consulta holística parte do patoló- gico em direção ao estado anterior, dito normal. É a busca de se conhecer o doente, sua integralidade, não somente agora, mas também ao longo do tempo. E, com frequência, os dados obtidos no período pregresso têm maior peso para a seleção da substância a ser prescrita. Certas características — subjetivas, com frequência — determinam atitudes e reações por longos anos, seja de forma estável, intermitente ou esporádica, e dizem mais do sujeito, às vezes, do que as alterações evidenciadas no curso da doença. Esse caminho inverso, que se inicia com a patologia e retroage, coletando dados antigos — sejam locais, gerais ou mentais — define com exatidão o objetivo homeopático. Paschero (1973, p. 44) refere-se ao medicamento adequado, dizendo que ele deve remover os sintomas dinâmicos que precederam ao
  40. 40. 46 | Gilberto Ribeiro Vieira momento atual e propender à cura, de acordo a uma lei tripla de ordem e direção: na ordem inversa ao seu aparecimento cronológico... É necessário desvendar a criatura não apenas na sua feição atual, mas também percorrer o caminho que fez ao se distanciar da saúde. Recu- perada a individualidade e sua respectiva trajetória, graças aos sinais que ela emitia nos dois planos, emocional e físico, pode-se, então, prescrever com enorme segurança. Essa abordagem revela que a investigação do caso clínico se faz no sentido anti-horário. Consequentemente, deduz-se que aquelas perturba- ções, inicialmente brandas, intensificaram-se, culminando no surgimento do enfermo. Os dados retrospectivos peculiares, mesmo que longínquos, são tão ou mais confiáveis do que os recentes. Finalmente, pode-se conjecturar que ao se reaver a imagem do sujeito sadio pré-existente, encontra-se o ponto adequado para a introdução da terapêutica. Resgatando um estado que já se foi, uma figura humana que se extraviou de seu próprio centro, pode-se por meio de um remédio qualitativo reconstituir o modelo original, dentro das possibilidades do indivíduo. É como se a entrevista delineasse o roteiro que carece ser executado pela pessoa/organismo, posteriormente, no retorno ao bem-estar. Ocasionalmente, pacientes idosos relatam sentir-se de volta a antigas épocas de mais disposição e coragem, após o medicamento adequado. A homeopatia também contribui para a reflexão acerca da origem dos transtornos. Vejamos um dado extraído de López (1980, p. 2): o trauma, nesses países [industrializados], constitui a principal causa de morte nos indivíduos com idade inferior a 40 anos. Admite-se que havia algo, no psiquismo de cada um, que o predispunha ao trauma. O estudo da história pregressa, analisando os fatores emocionais e as circunstâncias de vida, fará aflorar os aspectos vulneráveis. Assim, não basta proporcionar atenção e cuidados tecnológicos de ponta aos traumatizados. É imprescindível a profilaxia psi- cológica de novos acidentes. Há outro paralelo entre a abordagem cartesiana e a sistêmica: a pri- meira faz a seleção de um conjunto de alterações, geralmente orgânicas ou mentais — no caso da psiquiatria — visando reconhecer a entidade nosológica em elaboração e identificar a respectiva terapêutica. A última empreende um levantamento geral do paciente, objetivando diagnosticar não apenas a doença, mas também qual matéria médica corresponde ao indivíduo como um todo, e que definirá a conduta medicamentosa. Cada matéria médica é estudada como se fosse uma pessoa e constitui, portanto, a nosologia da figura humana sob o conhecimento homeopático. Trata-se de empreitada trabalhosa e complexa, conforme se verá adiante. O paciente precisa ser enquadrado numa delas, e é isso que respalda a prescrição. Busca-se o maior número de indicadores terapêuticos em comum entre ambos. Depreende-se, pois, que a escolha terapêutica se baseia na pessoa como um todo. Se, numa face, o método cartesiano concentra-se nas evidências mais salientes do distúrbio, diminuindo a percepção do observador em relação à

×