Segurança no laboratório(versao 2)

1.781 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.781
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segurança no laboratório(versao 2)

  1. 1. Segurança no Laboratório Trabalho Realizado por: Elisabete Mano Carina Ferreira Sónia Belo Lúcia Queiroga
  2. 2. Os profissionais da área de química, quando se formam, nem sempre possuem uma visão clara dos riscos existentes nos laboratórios. Por isso muitas vezes não dão a devida atenção em alguns procedimentos, comprometendo a sua segurança e eventualmente a dos que estão a sua volta. Introdução
  3. 3. Os “riscos químicos” são os mais sérios e precisam ser respeitados. Atualmente existem cerca de 100 mil produtos químicos utilizados nas industrias, porém só se conhece os limites de tolerância de aproximadamente 2700 produtos químicos. Riscos mais Frequentes
  4. 4. É fundamental que se tenha uma constante preocupação em adequar os ambientes dos laboratórios, com soluções de engenharia (sistemas de exaustão ou confinando operações), para se minimizar exposições a vapores, névoas ou pós de produtos químicos; Todos os equipamentos de proteção coletiva devem ser mantidos sempre em boas condições de uso. Sistema de Exaustão
  5. 5. -usar luvas quimicamente resistentes ao produto que se está utilizando; não se recomenda definir um só tipo de luva para todos os procedimentos do laboratório. -protetores respiratórios bem adaptados ao rosto e com filtros certos, para reter os vapores do que se está manuseando. É importante estar atento se filtros não estão saturados ou com prazo de validade vencido. Equipamentos de Proteção
  6. 6. Dica O risco de acidentes é maior quando nos acostumamos a conviver com o perigo e passamos a ignorá-lo.
  7. 7. Quanto ao uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) é, principalmente, recomendável: -que se use um Óculos de Segurança adequado, em policarbonato, durante toda a jornada de trabalho, sempre que estiver dentro do laboratório.
  8. 8. A segurança em qualquer local está apoiada em cada um: você é responsável por si e por todos. Dica
  9. 9. Não utilizar em laboratório
  10. 10. Fichas de Informações de Segurança dos Produtos Não corra riscos, conheça os produtos químicos antes de manuseá-los
  11. 11. Os produtos químicos podem ser voláteis, tóxicos, corrosivos, inflamáveis, explosivos e peroxidáveis, requerendo cuidados especiais ao serem manipulados e armazenados. O estudo do local destinado ao almoxarifado é de especial importância. Quando são negligenciadas as propriedades físicas e químicas dos produtos químicos armazenados podem ser ocasionados incêndios e explosões. Organização do Material
  12. 12. Material As substancias químicas devem ser armazenadas em locais adequados e especialmente, destinados para esse fim. Os locais de armazenamento devem ser amplos, dotados e de boa ventilação protegidos de raios solares, com duas saídas e com instalação eléctrica a prova de explosões.
  13. 13. Produtos Corrosivo, Ácidos e Bases devem ficar em armários e prateleiras próximas do chão, se possível com exaustão. Os inflamáveis e explosivos devem ser armazenados a grande distancia de produtos oxidantes e os líquidos voláteis necessitam de armazenagem a baixas temperaturas em refrigerados a prova de explosão.
  14. 14. Manuseio Ler o rotulo antes de abrir a embalagem; Abrir a embalagem em área ventilada; Verificar se a substancia é realmente a desejada; E ter cuidado no manuseamento;
  15. 15. Fechar bem a embalagem apos o manuseamento; Não comer, beber ou fumar enquanto estiver a utilizar a substancia; Evitar o contacto com a pele, olhos e a sua ingestão;
  16. 16. Símbolos
  17. 17. Identificação de um rotulo
  18. 18. Regras de esterilização e a não contaminação do ambiente no laboratório
  19. 19. Os processos de esterilização e desinfecção permitem o controlo do desenvolvimento dos microrganismos. São métodos essenciais no tratamento e prevenção de infecções, na prevenção da contaminação de culturas microbianas puras e na industria alimentar. Introdução
  20. 20. Controle do crescimento microbiano Esterilização: Destruição ou remoção de todas as formas de vida de um objeto ou habitat. Desinfecção: Redução do número de microrganismos em superfícies inanimadas e consequente eliminação de sua potencialidade infecciosa.
  21. 21. Sanitização: Semelhante à desinfecção, porém usado rotineiramente na indústria de alimentos. Antissepsia: Semelhante à desinfecção, porém relacionada a tecidos vivos.
  22. 22. Esterilização por calor húmido:
  23. 23. Autoclavagem Faz-se através do autoclave cujo funcionamento é idêntico ao da panela de pressão sendo a temperatura necessária para esterilização de 121ºC, e o tempo de esterilização de cerca de 15 minutos.
  24. 24. Tindalização Este método consiste numa esterilização fraccionada em que o meio sofre 3 aquecimentos em 3 dias consecutivos, para destruição de formas vegetativas.
  25. 25. Pasteurização Esterilização utilizando uma temperatura inferior a 100ºC, geralmente 57 a 60ºC em banho-maria. Objetivo: eliminação de microrganismos sensíveis ao calor, entre estes, estirpes patogénicas, sem adulteração das qualidades do produto a pasteurizar.
  26. 26. Calor húmido (Autoclave) Vantagens: Ciclo rápido, permite esterilização de tecidos, processo difícil de ser interrompido ou violado. Desvantagens: Oxidação dos metais, perda do fio dos instrumentos e brocas, custo elevado, processo mais dispendioso( embalagens, agua destilada e seladora)
  27. 27. Calor seco(Fornos e estufas) Vantagens: Não forma ferrugem, não danifica materiais de corte. É o ideal para vidros, metais, algumas gorduras e substâncias em pó. Desvantagens: O material deve ser resistente a variação da temperatura. Não esteriliza líquidos.
  28. 28. As diferenças de assepsia e antissepsia
  29. 29. Assepsia É um conjunto de medidas que utilizamos para impedir a penetração de microrganismos num ambiente que logicamente não os tem, logo um ambiente asséptico é aquele que esta livre de infecções.
  30. 30. Antissepsia É um conjunto de medidas propostas para inibir o crescimento de microrganismos ou remove-los de um determinado ambiente, podendo ou não destrui-los e para tal fim utilizamos anti- sépticos ou desinfetantes.
  31. 31. OBRIGADO PELA ATENÇÃO “É DE RESPONSABILIDADE DE CADA UM ZELAR PELA PRÓPRIA SEGURANÇA, ASSIM COMO PELA SEGURANÇA DOS COLEGAS E DE TODAS AS PESSOAS COM AS QUAIS POSSA ENTRAR EM CONTATO”

×