Aula dr. lucas galvão 23-09-14

350 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
350
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula dr. lucas galvão 23-09-14

  1. 1. INTERPRETAÇÃO E TRADUÇÃO SÃO PAULO, 23.09.14 LUCAS GALVÃO DE BRITTO MESTRE E DOUTORANDO PUC-SP
  2. 2. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  3. 3. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  4. 4. Tudo aquilo que posso interpretar é texto – Hans-Georg Gadamer
  5. 5. Todo ponto de vista é a vista de um ponto – Frei Betto
  6. 6. REPRESENTAÇÃO | OBJETO
  7. 7. R1
  8. 8. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  9. 9. Viver é recortar a realidade –Pontes de Miranda. O Problema fundamental do conhecimento
  10. 10. A realidade mostra-se, invariavelmente, em pedaços. –Pontes de Miranda. O Problema fundamental do conhecimento
  11. 11. R1 R2 R3 R4
  12. 12. R1 R2 R3 OD R4
  13. 13. R1 R2 R3 R4 OD QUE É A REALIDADE?
  14. 14. R R R R OD QUE É A REALIDADE? ONTOLOGOS Algo que existe independentemente da vontade do homem ± OD
  15. 15. R1 R2 R3 R4 O QUE É A REALIDADE? RETÓRICOS Fruto de um trabalho criativo do homem que articula um conjunto de interpretações, aceitando umas e rejeitando outras
  16. 16. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  17. 17. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  18. 18. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  19. 19. Interpretação e tradução 1. Modelos Texto 2. Realidade Regras 3. Normalidade e Padrões verdade 4. Referências Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  20. 20. TODA REGRA DE CORTE SELECIONA ALGUNS ELEMENTOS R1
  21. 21. TODA REGRA DE CORTE SELECIONA ALGUNS ELEMENTOS R1 E IGNORA OUTROS
  22. 22. R1 R2 R3 R4 OD DIFERENTES REGRAS DE CORTE CONSTRÓEM REPRESENTAÇÕES DISTINTAS
  23. 23. R R2 R3 R OD UM RELATO JURÍDICO É AQUELE PRODUZIDO DE ACORDO COM AS REGRAS DE CORTE JURÍDICO CONSTRÓEM REPRESENTAÇÕES JURÍDICAS
  24. 24. R1 R2 R3 R4 OD UM RELATO ECONÔMICO, POR EXEMPLO É AQUELE PRODUZIDO DE ACORDO COM AS REGRAS DE CORTE ECONÔMICO CONSTROEM REPRESENTAÇÕES ECONÔMICAS
  25. 25. Fato jurídico é o nome dado ao relato, em linguagem competente, de um evento. – Paulo de Barros Carvalho. Direito, Tributário Linguagem e Método.
  26. 26. FATO JURÍDICO FATO SOCIAL FATO ECONÔMICO FATO BIOLÓGICO OD
  27. 27. As regras de um jogo conferem-lhe identidade. – Gregorio Robles. As regras dos jogos e as regras do direito.
  28. 28. Um relato integra a realidade se a comunidade o tem por normal. – João Maurício Adeodato. Uma teoria retórica da norma jurídica e do direito subjetivo
  29. 29. FOLHA DE SÃO PAULO 01.12.12
  30. 30. Yo no creo en las brujas, pero que las hay, si las hay. – Sancho Panza, personagem de Don Quijote de Miguel de Cervantes Saavedra
  31. 31. Plutão é planeta?
  32. 32. Se quero jogar xadrez, tenho de aceitar as regras desse jogo. – Gregorio Robles. As regras dos jogos e as regras do direito.
  33. 33. ANTONIONI, Michelangelo. Blow-up. Itália. 1966
  34. 34. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade s e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  35. 35. R1 R2 R3 R4 OD
  36. 36. R1 R2 R3 R4 OD CADA PONTO DE VISTA É FIXADO POR UM CONJUNTO DE REGRAS SOBRE COMO RECORTAR O OBJETO
  37. 37. R1 R2 R3 R4 OD PARA CADA PONTO DE VISTA O NORMAL É A REPRESENTAÇÃO CONSTRUÍDA DE ACORDO COM ESSAS REGRAS
  38. 38. R1 R2 R3 R4 OD SE CADA OBSERVADOR ADOTA REGRAS DIFERENTES, NÃO CONSTROEM A MESMA REPRESENTAÇÃO
  39. 39. R1 R2 R3 R4 OD CADA UM, PORTANTO, ESTARÁ CONVICTO DE SUA REALIDADE, IGNORANDO AS DEMAIS
  40. 40. R1 R2 R3 R4 OD QUAL É A REPRESENTAÇÃO REAL?
  41. 41. R1 R2 R3 R4 OD QUAL É A REPRESENTAÇÃO REAL? ESSE É UM PROBLEMA DE ESCOLHA E ACEITAÇÃO DAS REGRAS DE CORTES
  42. 42. A língua forma, cria e propaga a realidade –Vilém Flusser, Língua e Realidade
  43. 43. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  44. 44. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  45. 45. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  46. 46. Louis Hjelmslev quando explicava que os esquimós têm cinco substantivos diferentes que as línguas europeias só podem traduzir por “neve”. Não existe então algo, a neve, que os esquimós chamam de cinco maneiras diferentes, porque esses cinco substantivos não são sinônimos em sua língua. Algo semelhante acontece quando queremos traduzir o this e o that dos ingleses ao espanhol, já que nesta língua o sistema de demostrativos não é binário, mas ternário: este, ese e aquel. E ao contrário, em inglês existem os substantivos freedom e liberty que em espanhol somente se pode traduzir por libertad. – Dardo Scavino. A Filosofia Atual Pensar sem Certezas.
  47. 47. Louis Hjelmslev quando explicava que os esquimós têm cinco substantivos diferentes que as línguas europeias só podem traduzir por “neve”. Não existe então algo, a neve, que os esquimós chamam de cinco maneiras diferentes, porque esses cinco substantivos não são sinônimos em sua língua. Algo semelhante acontece quando queremos traduzir o this e o that dos ingleses ao espanhol, já que nesta língua o sistema de demostrativos não é binário, mas ternário: este, ese e aquel. E ao contrário, em inglês existem os substantivos freedom e liberty que em espanhol somente se pode traduzir por libertad. – Dardo Scavino. A Filosofia Atual Pensar sem Certezas.
  48. 48. A língua forma, cria e propaga a realidade –Vilém Flusser, Língua e Realidade
  49. 49. R1 R2 R3 R4 OD QUAL É A REPRESENTAÇÃO REAL? ESSE É UM PROBLEMA DE ESCOLHA E ACEITAÇÃO DAS REGRAS DE CORTES
  50. 50. R1 TODA REGRA DE CORTE SELECIONA ALGUNS ELEMENTOS
  51. 51. R1 TODA REGRA DE CORTE SELECIONA ALGUNS ELEMENTOS TODA REGRA DE CORTE PERMITE VER ALGUNS ELEMENTOS
  52. 52. Interpretação e tradução 1. Texto 2. Realidade 3. Normalidade e verdade 4. Tradução 5. (Con)verter em linguagem competente
  53. 53. FATO JURÍDICO FATO SOCIAL FATO ECONÔMICO FATO BIOLÓGICO OD
  54. 54. FATO JURÍDICO FATO SOCIAL OD
  55. 55. OBRIGADO LUCAS@BARROSCARVALHO.COM.BR

×