Elisabete badinter

286 visualizações

Publicada em

Elisabete badinter, critica feminista,

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
286
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Elisabete badinter

  1. 1. ELISABETH BADINTER: RACIONALISMO, IGUALDADE E FEMINISMO1 Fernanda Henriques Universidade de Évora RESUMO: O presente texto tem como objectivo mostrar os contornos fundamentais do pensamento de Elisabeth Badinter, filósofa e feminista francesa, evidenciando a sua pertença a um modo de pensar radicado no racionalismo moderno, herdeiro do pensamento iluminista. PALAVRAS-CHAVE: modernidade, pós-modernidade, racionalismo, universalidade, desnaturalização, contingência Razões deste texto O livro de Elisabeth Badinter, Fausse Route, saído em 2003, provocou fortes controvérsias no meio intelectual francês2, em virtude da crítica que nele se leva a cabo a uma certa perspectiva feminista de análise e de intervenção, que a autora considera representar um caminho errado e incorrecto para a emancipação das mulheres, por não contribuir para a construção de uma representação social do feminino e das mulheres conducente a uma simbólica capaz de realizar uma verdadeira simetria entre os dois sexos3. A posição que Elisabeth Badinter mantém ao longo da referida obra resulta de uma radicação racionalista, herdeira da tradição iluminista, e, ao mesmo tempo, de uma defesa intransigente da 1 Comunicação apresentada ao Congresso Evocativo do Primeiro Congresso Feminista em Portugal: Lisboa 2005. 2 O peso do impacto do livro de Elisabeth Badinter reflecte-se nas diferentes intervenções a favor e contra a obra aparecidas na imprensa escrita francesa. Saliento algumas: L’ Express de 24/4/2003, com um texto assinado por Jaqueline REMY, com o título “Le j’accuse d’ Elisabeth Badinter”. Le Nouvel Observateur, nº 2009, de 8 de Maio de 2003 e nº 2011 de 22 de Maio de 2003. L’Humanité de 28 de Maio de 2003 e 20 de Junho de 2003. Libération de 18 de Setembro de 2003. 3 Dos temas de Fausse Route que originaram maior polémica, salientaria dois: 1. a denúncia de que uma forte corrente feminista europeia actual, sob a influência cega das ideias americanas, está a exibir uma ideia das mulheres apenas ligada à situação de vítima e de vitimização, inscrevendo-se no que ela designa por feminismo moral e essencialista. Dentro deste movimento, ela situa todas as formas, mais ou menos adocicadas e eufemísticas de fazer voltar as mulheres a casa e à maternidade. 2. a denúncia de que o activismo feminista se está a desligar da investigação e do trabalho teórico. 1
  2. 2. igualdade entre os sexos, contra toda a perspectivação de um feminismo baseado na diferença. Os debates sobre o livro de Elisabeth Badinter, no interior da sociedade francesa, foram muito acesos e demonstraram, a meu ver, duas coisas muito importantes: • Por um lado, a vitalidade e a solidez do pensamento feminista francês que pode vir a lume assumir publicamente as suas clivagens. • Por outro, a existência clara da força de um pensar pós-moderno que, no feminismo, assume contornos específicos e, até de ruptura, com o feminismo de raiz moderna4. Foi esta circunstância – isto é, o aparecimento do livro de Badinter e a respectiva polémica que originou –, que me levou a uma interrogação mais funda que se prende com a procura do lugar filosófico do feminismo e, no interior desse lugar, com a procura de compreensão do diálogo possível entre a modernidade e a pós-modernidade. Dito de outra maneira, a violência da discussão em torno de Fausse Route levou-me a questionar como é que a racionalidade que herdámos da tradição das luzes pode ainda dialogar com as novas problemáticas postas pela dinâmica social e cultural da segunda metade do século XX, no quadro dos novos contextos do pensar que essa dinâmica fez emergir. 4 Uma das forças feministas que mais se encarniçou contra Elisabeth Badinter e o seu livro foi o grupo que se designa por chiennes de garde. Em 23 de Maio de 2003, um texto deste grupo, assinado por Saratoga, deixa claro a ruptura entre duas formas de racionalidade, a moderna e a pós-moderna, e entre dois tipos de feminismos, o “tradicional” e o “actual” (sublinhados meus). O texto, que começava por agradecer a Elisabeth Badinter o seu contributo para a emancipação das mulheres, nomeadamente, a sua desconstrução da ideia de instinto maternal, terminava com uma demarcação clara de um femismo “de outro tempo”. Dizia-o assim: “Les femmes du vingtième siècle étaient consentantes. Les femmes du ving-et-unième siècle seront désirantes. Le féminisme du ving-et-unième siècle será le féminisme de la sexualité. Voilà pourquoi vous, Elisabeth Badinter, ne pouvez plus faire partie du mouvement féministe aujourd’hui.” Cf., http//chiennesdegarde.org . 2
  3. 3. Pessoalmente, não creio nem no absolutamente novo, nem nas rupturas absolutas. Creio, antes, que o saber, o pensamento e a vida são constitutivamente históricos e creio, ainda, que a História, enquanto auxiliar na compreensão dos problemas, é um recurso fundamental de esclarecimento e de desnaturalização das situações. Neste meu quadro de crenças, penso que o feminismo, para ser epistemologicamente consistente e socialmente eficaz, tem de procurar dialogar com a sociedade no seu todo e de se procurar compreender nas suas raízes filosóficas, de modo a poder afirmar-se como uma corrente de pensamento que, tendo embora os seus começos na compreensão da situação das mulheres, se desenvolveu pela configuração de um ponto de vista geral sobre a realidade, gerando um modo de pensar o real a partir de outros lugares de análise e de outras interrogações ou, pelo menos, de outras formas de formular velhas interrogações. A concretização desta reflexão na figura de Elisabeth Badinter deve-se ao facto de ela ser o seu motivo próximo, mas também se deve a que ela representa um excelente paradigma para pôr em evidência quer o difícil lugar da filosofia no feminismo, quer o difícil diálogo entre a modernidade e a pós-modernidade. A figura e a obra de Elisabeth Badinter Nascida em 1944, Elisabeth Badinter tem uma formação filosófica de base que se evidencia na sua produção escrita, através do registo discursivo que nela assume. Na verdade, as suas obras materializam um discurso de fronteira, de raiz interdisciplinar, mas onde a preocupação pela compreensão e pela busca do conceito ou do universal são a intencionalidade constitutiva. Servindo-se e articulando os dados da História, da Psicologia, da Biologia ou da Literatura, ela procura sempre a construção de uma visão sistemática que vá tão longe quanto possível na apresentação de uma totalidade orgânica de sentido. 3
  4. 4. Num debate recente com Touraine5, Alain proclama-se defensora do republicanismo como lugar social e político da liberdade e inscreve-se como herdeira directa do pensamento de Simone de Beauvoir, afirmando-se, por isso, como pertencendo a um feminismo da igualdade. Nesse quadro, reivindica que a maior conquista da cidadania democrática corresponde ao reconhecimento do direito à indiferença e não do direito à diferença. Neste debate, fica muito clara a pertença de Elisabeth Badinter ao quadro racional da modernidade, com a consequente defesa do valor da universalidade da razão como instrumento de emancipação. O seu pensamento pessoal e as suas investigações corporizam-se em dois tipos de obras: temáticas e históricas6. As obras históricas, também organizadas a partir de uma temática específica, centram-se no século XVIII e representam, ou estudos próprios, como é o caso da obra saída em 1983, sobre a ambição feminina, e como também é o caso da trilogia intitulada Paixões intelectuais, cuja publicação se iniciou em 1998, ou então, correspondem a apresentações de textos ou ainda a prefácios de obras. Em qualquer das situações, é possível perceber que o trabalho de Elisabeth Badinter sobre as autoras e os autores do século XVIII é motivado pela convicção de que é nesse tempo e nesse espaço cultural que se forjam os modos de pensar que ajudam a compreender algumas das determinações políticas da sociedade actual, nomeadamente, o despertar do valor e do peso da opinião pública como força. Das obras a que chamei temáticas, fazem parte três textos que constituem outras tantas referências incontornáveis do acervo feminista europeu. Refiro-me a L’amour en plus, de 1980, L’un est l’autre, de 1986, e XY. De l’identité masculine, de 1992. São obras 5 6 Cf. Le Nouvel Observateur de 19 de Junho de 2003. No ponto 1 das referências bibliográficas, indicar-se-ão as principais obras de Elisabeth Badinter. 4
  5. 5. em torno das questões ligadas à libertação das mulheres e à compreensão das identidades, caracterizando-se por serem processos de desconstrução, por desnaturalização, de adquiridos culturais. Ou seja, em todas elas se mostra que algumas ideias e princípios, que no funcionamento da vida social ou científica aparecem como se fossem ingredientes naturais dos processos em causa, mais não são, afinal, do que construções históricas que o desenvolvimento da vida humana foi produzindo, transformando e sedimentando. Dito de outra maneira, nestas obras, Elisabeth Badinter demonstra que não há nenhum processo ligado à vida humana que seja puramente natural ou inerente à própria natureza das coisas, sejam elas o sentir, o viver ou o pensar. Na obra de 1980, L’amour en plus, faz-se a história do amor maternal entre os séculos XVII e XX. O seu objectivo é desnaturalizar a ideia de amor maternal, através da desconstrução do seu velho alicerce, o instinto maternal. Assim, a obra procura mostrar que o instinto maternal, enquanto sentimento, é, por um lado, frágil e imperfeito, e, por outro, tem uma dimensão de educabilidade sendo, por isso, marcado pela historicidade, como toda a vida humana. L’un est l’autre assenta noutro processo de desnaturalização – no caso vertente, está em causa o modo de relação intersubjectiva e colectiva entre homens e mulheres no sistema patriarcal. O que a autora quer demonstrar, ao longo das páginas do seu livro, é que as relações de poder do patriarcado não são naturais, nem atemporais. A sua hipótese de leitura e interpretação dos dados históricos e culturais sobre o desenvolvimento das sociedades ocidentais consiste na afirmação de que a relação de poder entre homens e mulheres não tem de ser pensada apenas nos quadros de uma dicotomia em que um dos sexos é detentor exclusivo do poder. Ou seja, recusa, simultaneamente, que o patriarcado tenha sido a única forma de organização da vida colectiva ou que antes do patriarcado tenha 5
  6. 6. havido matriarcado. Em oposição à linearidade desta análise, apresenta a hipótese de que, antes da instauração da supremacia do poder masculino, tenha havido um modo de vida colectivo em que o poder estava fragmentado em diferentes áreas e formas, constituindo uma rede de relações complexas e que, homens e mulheres detinham e partilhavam poderes que interagiam no conjunto da vida colectiva. XY, a obra de 1992, corresponde a um processo de desnaturalização da dimensão epistemológica mais radicada na cultura ocidental que consiste em desenvolver qualquer processo de pensamento sempre a partir de um modelo ou de uma referência masculina. Neste texto, Elisabeth Badinter propõe um novo modo de ler a questão da construção da identidade humana. Partindo da afirmação de que o feminino é a matriz vital da humanidade, uma vez que se pode viver sem o cromossoma Y, mas não se sobrevive sem o cromossoma X, a autora vai construir a tese de que o feminino é a identidade de referência, construção que decorre de sendo a identidade masculina uma uma longa negação sistemática do feminino. Do meu ponto de vista, independentemente das reservas ou das críticas que possam ser feitas a esta obra de Badinter, o seu valor real e inultrapassável reside no facto de ela propor um quadro de compreensão do feminino e do masculino construído a partir do feminino e não do masculino, como é de tradição da nossa cultura – tradição milenar, mas a que Freud deu novo fôlego e um suporte, supostamente, científico7. A radicação Moderna da obra de Elisabeth Badinter 7 Apresentei uma leitura mais desenvolvida desta obra de Elisabeth Badinter em: HENRIQUES, Fernanda, “Género e Desejo. Da biologia à cultura”, Cadernos de Bioética , ano XII, Nº 35, pp. 33-49, Agosto/Setembro 2004. 6
  7. 7. No seu conjunto, os textos de Elisabeth Badinter não só procuram desocultar as raízes iluministas da nossa vida social e política, como, sobretudo, se constroem através de uma racionalidade fortemente marcada pela carga das Luzes e no horizonte dos valores universalistas então estabelecidos. Na verdade, os três textos temáticos a que me referi no ponto anterior só cobram sentido no interior de um modo de pensar que admita o poder analítico e crítico da racionalidade e aceite o seu valor desmistificador no processo de busca de um universal possível. Em qualquer deles, como também disse, se desnaturaliza um adquirido cultural, mostrando o seu carácter histórico e, portanto, contingente. Do ponto de vista da transformação social possível, mostrar o carácter contingente de qualquer situação – seja um modo de vida ou um paradigma teórico –, é absolutamente fundamental, na medida em que se evidencia a sua dimensão de mera possibilidade, destruindo a ideia de que tal situação tenha em si uma raiz determinista, necessitante, sendo, por essa razão, inalterável. Que algo seja contingente significa que teve uma origem histórica, que poderia não ter acontecido ou ter acontecido de outra forma e que, portanto, é passível de ser transformado. Desse modo, o valor indiscutível da produção textual de Elisabeth Badinter é, exactamente, este pôr a descoberto do carácter contingente de alguns adquiridos culturais, dotando os movimentos feministas de instrumentos teóricos de análise e de discussão. Contudo, a legitimidade dos suas teses radica na aceitação da capacidade racional para propor esquemas de leitura da realidade com valor operativo, por um lado, e, por outro, para manusear conceitos com estabilidade teórica, como é o caso, quer da ideia de desenvolvimento e progresso histórico – que sustenta as suas obras L’amour en plus e L’un est l’autre – quer o conceito de identidade, sem o qual a obra XY não tem qualquer sentido. 7
  8. 8. Ora, acontece que o designado pensamento pós-moderno, nas diferentes caracterizações de que se reveste8, precisamente põe em causa a capacidade discriminadora da razão, o seu poder universalizador e a valor efectivo do conceito de identidade, deixando fragilizadas e, portanto, inoperantes, as teses de Badinter. Nessa medida, mais do que a questão da igualdade ou da diferença, é o conceito de razão manuseado por Badinter que a inclui ou a exclui do diálogo com um certo feminismo actual, tendo sido ele que esteve na base das discussões sobre o seu livro Fausse Route, porque aceitar o valor das suas teses significa não renunciar a um conceito de razão de raiz moderna e continuar a considerar que ele tem legitimidade, embora se deva deixar questionar pelas críticas pós-modernas, nomeadamente no que diz respeito às dimensões tecnicista, totalitária e excluente que ele assumiu ao longo dos séculos XIX e XX. De um certo ponto de vista, a minha posição é próxima da de Elisabeth Badinter, porque penso que não é possível conciliar a luta feminista com um conceito totalmente fragmentado de razão, como o que é defendido por algumas posições pós-modernas. Nesse contexto, tal como algumas filósofas espanholas, nomeadamente, Celia Amoros9, defendo que foi a Modernidade que definiu o paradigma racional capaz de permitir pensar modelos de viver e de agir libertadores e igualitários, não sendo, por isso, possível continuar a pugnar por igualdade de direitos e perspectivas transformadoras da sociedade se se puser totalmente de lado o conceito moderno de racionalidade10. 8 Seja a sistematização de Jean-François Lyotard, seja a de Gianni Vattimo. Ver, especialmente: LYOTARD, Jean-François, La condition postmoderne, Paris, Les Éditions de Minuit, 1979; LYOTARD, Jean-François, O pós-moderno explicado às crianças, Lisboa, Don Quixote, 1987. VATTIMO, Gianni, “posmodernidad: una sociedad transparente?. In: AAVV, En torno a la posmodernidad, Barcelona, Anthropos, 1994, pp. 9-19. 9 AMORÓS, Celia, Tiempo de feminismo, Madrid, Cátedra, 1997. 10 Tenho procurado definir um conceito de racionalidade que articule a intencionalidade emancipadora da razão moderna, mas não volte costas às críticas da pós-modernidade. Ver, especialmente: HENRIQUES, Fernanda, “Do que está em causa. Notas para pensar, na pós-modernidade”, ex aequo, nº 9, pp. 11- 16, 8
  9. 9. Referências bibliográficas 1. Obras fundamentais de Elisabeth Badinter • • • • • • • • L’Amour en plus. Histoire de l’amour maternel (XVII-XX siècle), Paris, Flammarion, 1980. Émilie, Émilie: L’ambition feminine au 18 siècle, Paris, Flammarion, 1983. l’un est l’autre, Paris, Odile Jacob, 1986. Condorcet: un intellectuel en politique, Paris, Fayard, 1988 (em colaboração com Robert Badinter). XY. De l’identité masculine, Paris, Odile Jacob, 1992. Les passions intellectuelles: tome I. Désir de gloire(1735-1751), Paris, Fayard, 1998. Les passions intellectuelles: tome II. Exigence de dignité(17511762), Paris, Fayard, 2002. Fausse Route, Paris, Odile Jacob, 2003. 2. Outras obras referidas no texto • • • • • • • AMORÓS, Celia, Tiempo de feminismo, Madrid, Cátedra, 1997. HENRIQUES, Fernanda, “Do que está em causa. Notas para pensar, na pós-modernidade”, ex aequo, nº 9, pp. 11- 16, 2003. HENRIQUES, Fernanda, “As teias da razão: a racionalidade hermenêutica e o feminismo”. In: FERREIRA, Mª Luísa R. (org.) As Teias que as Mulheres tecem, Lisboa, Colibri, 2003, pp. 133-144. HENRIQUES, Fernanda, “Género e Desejo. Da biologia à cultura”, Cadernos de Bioética , ano XII, nº 35, pp. 33-49, Agosto/Setembro 2004. LYOTARD, Jean-François, La condition postmoderne, Paris, Les Éditions de Minuit, 1979. LYOTARD, Jean-François, O pós-moderno explicado às crianças, Lisboa, Don Quixote, 1987. VATTIMO, Gianni, “posmodernidad: una sociedad transparente?. In: AAVV, En torno a la posmodernidad, Barcelona, Anthropos, 1994, pp. 9-19. 2003; HENRIQUES, Fernanda, “As teias da razão: a racionalidade hermenêutica e o feminismo”. In: FERREIRA, Mª Luísa R. (org.) As Teias que as Mulheres tecem, Lisboa, Colibri, 2003, pp. 133-144. 9

×