A maior aposta na internacionalização por
parte das empresas e o aumento das exporta-
ções de produtos transaccionáveis tê...
PUB
II DiárioEconómico Quarta-feira 26 Fevereiro 2014
A integração entre a multinacional alemã Dachser e a ibérica Azkar acont...
PUB
IV DiárioEconómico Quarta-feira 26 Fevereiro 2014
Jerónimo Martins e Sonae
renovam distribuição
Os dois gigantes do sector...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento

205 visualizações

Publicada em

Operadoras logísticas e empresas de transporte têm apostado em aquisições, especialização e aquisição.
RAQUEL CARVALHO
raquel.carvalho@economico.pt

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
205
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento

  1. 1. A maior aposta na internacionalização por parte das empresas e o aumento das exporta- ções de produtos transaccionáveis têm sido motor da economia nacional. E o sector logís- tico é um dos que mais beneficia dessa aposta. Aliás, Alcíbiades Paulo Guedes, presidente da Associação Portuguesa de Logística (APLOG), diz não ter dúvidas de que a aposta deve re- cair no sector da logística para “que o nosso país seja mais competitivo”, dando como exemplo o facto do Banco Mundial já ter con- siderado que a melhoria da ‘performance’ lo- gística deve ser um dos objectivos incluídos nos planos de desenvolvimento dos países. Alcibíades Paulo Guedes acredita que o sector ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5871 DE 26 DE FEVEREIRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE LOGÍSTICA Nuno de Mesquita Pires Despachante Oficial Associado Lda. Fundada em 1956, NMP, Lda. é uma empresa de Despachantes Oficiais domiciliada em Setúbal, procedendo ao despacho de navios e de qualquer tipo de mercadorias, em todas as Alfândegas do país, nomeadamente, Setúbal, Lisboa, Sines e Porto. Av. D. João II, 48 C – 2º C/D – Apt. 44 – 2901-858 SETÚBAL I Tel 265 546 640 I Fax 265 546 660 I nmp@nmesquitapires.pt I www.nmesquitapires.pt I Despacho de Navios e Mercadorias I Importação, Exportação, Trânsitos, Entrepostos Aduaneiros I Formalidades de Impostos Especiais de Consumo – IEC I Legalização e Matrícula de Veículos Automóveis I Tratamento de declarações p/ fins estatísticos (Intrastat) e envio ao INE I Consultores de Comércio Externo PUB PauloAlexandreCoelho Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento Operadoras logísticas e empresas de transporte têm apostado em aquisições, especialização e aquisição. RAQUEL CARVALHO raquel.carvalho@economico.pt OI.Log - Indicador de Actividade Logística, desenvolvido pela APLOG e pela Accenture, que questiona as empresas associadas sobre as suas expectativas para os próximos 12 meses, mostra que, no terceiro trimestre de 2013, a percepção dos diferentes agentes logísticos quanto à conjuntura actual era positiva. Isto apesar do indicador de clima ter descido. 30 São 30 os projectos de infra-estrutura prioritários. Muitos, ajudarão a dinamizar o sector da logística. INFRAESTRUTURAS em Portugal tem perspectivas futuras “muito positivas”, acreditando que “quanto mais competitivos e globais forem os mercados, quanto maior for a nossa exposição às expor- tações, mais relevante é a logística”. Neste contexto, o factor escala das empresas ganha grande importância. O responsável acredita mesmo que é inevitável “obter maiores graus de concentração, através de parcerias, alian- ças, ‘joint-ventures’, fusões e aquisições”. E sublinha que a competitividade depende da capacidade dos operadores logísticos “inte- grarem cadeias de abastecimentos globais com níveis de eficiência e serviço ao cliente competitivos”. Para garantir uma boa performance do sector, é importante também “colocar a logística e a cadeia de abastecimento na agenda dos CEO e administradores, aprofundar e alargar a im- plementação das melhores práticas, e, em termos nacionais, eliminar custos de contexto no sector portuário, nos transportes e plata- formas logísticas”, defende. Apontado por várias vezes como uma possível plataforma logística mundial, Portugal tem apostado nos portos e nos transportes maríti- mos, em cuja envolvente se têm desenvolvido vários projectos logísticos. A ferrovia de mer- cadorias é outro dos aspectos fundamentais à reorganização de parte da logística nacional. ■ PUB
  2. 2. PUB
  3. 3. II DiárioEconómico Quarta-feira 26 Fevereiro 2014 A integração entre a multinacional alemã Dachser e a ibérica Azkar aconteceu em 2013 e o balanço feito pelo pelas empresas é já positivo. Enquanto o grupo Dachser re- forçou a sua posição no mercado ibérico, nomeadamente na área da carga fracciona- da, a Azkar tem tirado partido da rede internacional da Dachser. Entre as duas em- presas existe um “elevado grau de cooperação e integração”, refere fonte da empresa. No entanto, as operações no mercado português são independentes: o transporte ter- restre continua a cargo da Azkar e o transporte marítimo e aéreo da Dachser Portugal Air & Sea Logistics. A Dachser Portugal Air & Logistics tem como principais mercados de exportação An- gola, Moçambique e os países do Magrebe. O mercado de ‘crosstrade’ também tem assumido importância e a empresa quer intensificá-lo em 2014. O ‘crosstrade’ é habi- tualmente feito dentro do continente asiático, entre o Extremo Oriente e Angola e en- tre a China e a Índia para a América Latina.Já a área de transporte terrestre quer apos- tar em saídas diárias para toda a Europa. Alemanha, França e Itália são os países para os quais a Azkar mais exporta a partir da Península Ibérica. ■ R.C. com I.M. A estratégia de crescimento da Luis Simões centra-se na Península Ibérica, “onde cresceu mais de 50 milhões de euros em vendas nos últimos cinco anos”, informa Ví- tor Enes, director-geral de logística do grupo. A aposta justifica-se porque existem “ainda muitas portunidades para explorar a nível ibérico e, por isso, a expansão de negócio passa por conquistar novos clientes e novos segmentos de mercado”, diz. E se em 2013, o grupo deu prioridade à sustentabilidade do negócio, para 2014 preten- de “aperfeiçoar” a “capacidade de gestão de processos, assegurando uma actualiza- ção tecnológica constante” e reforçando a posição em mais pontos da cadeia de abas- tecimento, como a logística, “industrial, promocional e aduaneira”, adianta Vítor Enes. Ainda este ano, a Luis Simões vai instalar-se no Pólo 2 da Plataforma Logística do Porto de Leixões, “na qual está prevista a construção de um terminal intermodal, uma área de 20 mil m2, com 34 cais e capacidade para 35 mil paletes”, frisa. ■ R.C. Luis Simões cresce na Península Ibérica A área de logística automóvel do Grupo Entreposto especializou-se em 2013 na área de recondicionamento, que consiste em viaturas de ‘rent a car’ que são inter- vencionadas para seguirem para o merca- do de compra e venda. Desde 2005 que a Entreposto Logística tra- ta da “‘pre-delivery inspection’”, ou seja, a intermediação entre a fábrica e o vende- dor de marcas como a Hyunday e a Nissan, revela Miguel Félix António, director geral da Entreposto Logística ao Diário Econó- mico. Com um volume de negócios a ron- dar os 866 mil euros em 2013, das instala- ções de Setúbal - armazém de 100 mil me- tros quadrados e nave com seis mil onde são tratados os carros - sairam no ano pas- sado duas mil viaturas para venda em stand. Além da logística automóvel, a En- treposto actua na Logística Integrada nas suasváriasvertentes -contratual,‘inhou- se’eespecializada.■I.M. Entreposto especializa-se no sector automóvel A internacionalização é a grande aposta do Grupo Rangel para 2014. Nuno Rangel, vice-presidente do grupo de logística e expresso, assume a ambição de que o negócio internacional represente 50% da facturação nos próximos cinco anos, sendo que em 2013 o volume de negócios chegou aos 130 milhões de euros, mais 10% face a 2012. De futuro, o objectivo é apostar no triângulo logístico Angola, Moçambique e Brasil, es- tando a empresa a estudar outros potenciais mercados em África e na América Latina. De referir ainda a aposta “na especialização na logística em áreas como ‘pharma’, ‘fa- shion’ e e-commerce. A unidade Pharma, por exemplo, “tem crescido sempre a dois dígitos”, tendo aumentado 51% em 2013. Para 2014 prevê-se uma subida de 40%. No final do primeiro semestre, o grupo concluirá o projecto de automação da operação para suporte à produção e à triagem de produtos no armazém central e, no segundo, fará um aumento da infraestrutura, mais 1/3 da actual capacidade instalada”. ■ R.C. Volume de negócios do Grupo Rangel subiu 10% Mercado internacionaljá representa metade da facturação do grupo Rangel. BrunoBarbosa Juntas, a Dascher e a Azkar têm 15 mil clientes na Península Ibérica. Dacsher e Azkar: da união nasceu a força LOGÍSTICA A DHL Express Portugal está de olhos postos no negócio B2C que, segundo Américo Fernandes, director geral, “tem ganho peso cada vez maior a nível nacio- nal e internacional. Com o intuito de melhorar os produtos e serviços que dis- ponibiliza, a empresa investiu no novo terminal de Carga Expresso no Porto e vai fazer o mesmo em Lisboa, com o ob- jectivo de “posicionar Portugal como um verdadeiro ‘hub’ de distribuição”. ■ R.C. DHL de olhos no negócio B2C Luís Simões vaiinstalar-se na plataforma do Porto de Leixões. FotocedidaporLuisSimões A Urbanos Press, nova área da Urbanos, “já representa cerca de 60% do negócio” actual da empresa, disse ao Diário Eco- nómico o CEO António Pereira, CEO. A empresa tem vindo a apostar, nos últi- mos anos, num reforço da posição em sectores onde já estava presente, mas também “por aquisição em novos secto- res de actividade”. Para 2014, o Grupo Urbanos “conta reforçar a sua posição em mercados chave na logística, não pondo de parte a ideia de internacionali- zação. ■ R.C. Área editorial pesa 60% na Urbanos LOGIC GLOBAL A Logic quer apostar na internacionalização. Isabel Viçoso, administradora, diz que “a envolvente actual do negócio deve ser entendida como uma oportunidade única para consolidar a operação local e lançar, de forma sustentada, uma operação mais abrangente”. Pelo que “está no horizonte uma visibilidade internacional”. MPO À MEDIDA Em 2014 a MPO vai centrar a sua estratégia na implementação do serviço de logística à medida, área onde pretende facturar 500 mil euros. A logística à medida analisa o fluxo de negócio do cliente para assim desenhar a sua oferta de serviços concreta para aquele caso. Os serviços vão desde a recolha de componentes do produto, fabrico, rotulagem e armazenamento. FRENESIUS KABI A Frenesius Kabi aumentou a sua capacidade logística para dezoito mil metros quadrados, ao inaugurar recentemente um novo complexo de onze mil metros quadrados, que custou quatro mil euros e serve de ‘hub’ logístico dos produtos fabricados em Portugal para o mercado nacional e para exportação, e para produtos importados para distribuição nacional.
  4. 4. PUB
  5. 5. IV DiárioEconómico Quarta-feira 26 Fevereiro 2014 Jerónimo Martins e Sonae renovam distribuição Os dois gigantes do sector querem mais ganhos de eficiência e optimizar sistema. O Grupo Jerónimo Martins inagurou este mês o novo centro de distribuição de Al- goz, Algarve, o que permitiu a criação de 130 postos de trabalho directos. Num investimento de 27 milhões de eu- ros, este centro irá abastecer as lojas Pin- go Doce em toda a região Sul, marcando a implementação do novo modelo logís- tico do grupo, que pretende optimizar a cadeia de todo o sistema e alcançar ga- nhos de eficiência, disse no dia da apre- sentação Pedro Soares dos Santos, CEO, que adiantou mesmo, no que refere ao centro de Algoz, uma poupança já esti- mada de 2,5 milhões de euros em trans- portes. Além do Algarve, Lisboa e Porto também terão novos centros de distribuição, sen- do nestas três zonas que o grupo irá con- centrar os seus centros, acabando com os actuais onze que tem por todo o país. Até 2015, o investimento previsto é de 120 milhões de euros, sendo que o pró- ximo a ser inaugurado será na região do Porto e tem um custo previsto de 50 milhões de euros para uma área de 50 mil metros quadrados. Quem também está a apostar numa reorganização da política de logistica e distribuição é o Grupo Sonae. Fonte ofi- cial da empresa explicou ao Diário Eco- nómico a reformulação, nos últimos anos, “de praticamente todos os centros de distribuição da empresa, dotando-os com execelentes estruturas e com as mais avançadas tecnologias”. São dois os principais pólos logísticos e de distribuição do grupo: um na Maia, dedicado ao retalho alimentar, e outro na Azambuja, por onde também passa o retalho especializado. O ano passado, a Sonae expandiu ainda a plataforma de Santarém, “através da ampliação da unidade de processamento e embalamento de carnes, e na Madeira, onde o volume e a complexidade da ope- ração logística aumentou significativa- mente. Ao Diário Económico, o grupo enfatizou a importância da área logística para o re- LOGÍSTICA São sete mil metros quadrados de armazéns organizados em três grandes áreas: armazenamento, embalagem e devoluções. Localizado em Leiria, “mais perto de Madrid do que Barcelona”, como defende Paulo Pinto, CEO para Portugal e Espanha, o centro de operações ibérico é um dos quatro da empresa existentes no mundo. “Portugal tem valências mais que suficientes”, considera o responsável, que defende que o facto de ser periférico pode trazer vantagens. “Portugal é uma plataforma forte, nomeadamente para o Brasil e para África”, refere, exemplificando o porto de Sines como “uma porta aberta” a estas regiões. Sobre Leiria e o seu centro de distribuição, as vantagens são, entre outras, os custos, já que um centro numa grande metrópole é sempre mais caro, e actualmente, a metodologia de trabalho. Por dia, saem de Leiria em direcção a Portugal e Espanha 12 a 15 mil artigos. São entre quatro a seis camiões por dia com material encomendado online e por catálogo. 70% dos produtos são levados pela Chronospost para a rede Pickme, que os disponibiliza para levantamento em lojas de proximidade dos clientes. O restante é distribuído, em Portugal, pela CTT Expresso e pela Adicional e, em Espanha, pelos Correos de España. De Leiria para a Península Ibérica >> CASE STUDY: LAREDOUTE Nos últimos 15 anos desenvolveram-se muitos espaços para logística em Portu- gal, com especial enfoque para a zona da Grande Lisboa, em particular no eixo de Alverca – Azambuja, que é o principal pólo logístico rodoviário do país. Agora é a vez do Grande Porto ter as principais intervenções a este nível, su- blinham as consultoras imobiliárias Cushman & Wakefield e a CBRE. Segundo Ana Gomes, responsável pela área industrial da Cushman, “nos últi- mos anos, o segmento de logística es- tagnou na Grande Lisboa e os níveis de oferta continum a ser superiores à pro- cura”. A zona da Azambuja continua a ser o pólo mais importante tanto em termos de oferta como procura, “com os valores pedidos a rondarem os 3,5 a quatro euros por metro quadrado por mês”. Ana Gomes revela que actualmente, o que se verifica “é um aumento de in- teresse por espaço no Grande Porto”, sendo a zona indus- trial da Maia a mais procurada.O Gran- de Porto está mais focado na indústria e um dos projectos mais importantes é o da Plataforma Lo- gística do Porto de Leixões, “um dos poucos projectos em construção ac- tualmente”, lem- bra, afirmando acreditar que a tendência de cresci- mento da logística no país para os pró- ximos anos “assentará menos no reta- lho e mais na indústria, e procurará também uma maior ligação a outros modos de transporte como a ferrovia e o marítimo”. Leonardo Peres, ‘senior consultant’ da CBRE também destaca o projecto da pla- taforma de Leixões e a Plataforma Logís- tica de Lisboa Norte, na zona da Casta- nheira do Ribatejo que, tendo sido inter- rompido em 2008, “ganha agora novo fôlego com a parceria realizada entre o promotor Saba e a gigante internacional Gazeley”. Ambas as consultoras antecipam que o mercado se mantenha em retracção, mas com alguma atenuação, devido ao au- mento das exportações. ■ R.C. Consultoras destacam porto de Leixões Fotos:PauloAlexandreCoelho 3,5euros m2/mês O eixo Alverca- -Azambuja é o mais procurado. A dimensão média é de 10 mil m2. GRANDE LISBOA 3,25euros m2/mês A Zona Industrial da Maia é a mais procurada e tem uma dimensão média de 2 mil m2. GRANDE PORTO Entrou ontem em vigor a nova lei das práticas individuais restritivas do comércio (PIRC) que proíbe as vendas com prejuízos. Fornecedores e produtores acreditam que a nova lei irá evitar o pagamento por parte dos fornecedores das campanhas de descontos e promoções feitas pelas empresas de grande distribuição. Já a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição acredita que os consumidores vão ser os grandes prejudicados. Com a nova lei haverá um maior equilibro na relação negocial entre a distribuição e a produção. Haverá uma actualização das coimas para até 2,5 milhões de euros e serão evitadas alterações retroactivas de contratos. As acções de fiscalização estarão a cargo da ASAE. Nova lei do comércio forço da competitividade em Portugal, mas também na crescente internaciona- lização do negócio e garante que os in- vestimentos na área vão manter-se. ■

×