SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
REVISTA DOSPNEUSREVISTA INDEPENDENTE DE PNEUMÁTICOS E SERVIÇOS RÁPIDOS
Nº18•JULHO2012•ANOIII•5EUROS
PUB
A27ªediçãodoSalãoInternacionaldeReifen,
quedecorreuemEssen,de4a8deJunhode
2012,foiamelhordetodas,tendoregistado
umnúmerorecordedemaisde19.000
visitantesprofissionaise653expositoresde
44países.AREVISTA DOS PNEUSconta-lhe
tudooquelásepassou
Évasto
omercado
dasempresas
quevendem
equipamentos
paraascasas
depneus
JoséLuis
delaFuente,
DiretorGeral
daContinental
Pneus
Harjeev
Kandhari,
Presidente
Executivodo
GrupoAlDobowi
AMLSPneusé
umgrossistade
pneusdazonado
Porto
Mercado
Salão
Empresa
Entrevista
Entrevista
AGRANDE
MONTRA!
A
Gripen Wheels marca presença na Península
Ibérica desde Janeiro de 2008. Inicialmente
com duas empresas distintas, a Gripen Wheels
Portugal e a Gripen Wheels Spain, que atua-
vam, respectivamente, no mercado Português e no
mercado Espanhol. Em Setembro de 2011, deu-se a
fusão das duas operações, nascendo a Gripen Wheels
Iberia, com base operacional e logística
nos escritórios e armazém da Maia.
Em entrevista à REVISTA DOS
PNEUS, Luís Martins destaca como
maior vitória da empresa ao longo destes
quase cinco anos de atividade o reconhe-
cimento por parte dos seus clientes,
como um fornecedor que assegura a maior variedade
de produto com os preços mais competitivos e as mais
altas taxas de rentabilidade.
Que tipo de pneus são atualmente comercializados
pela Gripen Wheels Iberia?
A Gripen Wheels Iberia comercializa pneus Pesa-
dos, pneus Industriais, pneus para Equipamentos de
Movimentação de Cargas (empilhadores), pneus para
máquinas Florestais, pneus OTR – Engenharia Civil,
Jantes de Camião, Jantes OTR - Engenharia Civil, en-
tre outros produtos relacionados com o mercado dos
pneus para utilizações profissionais. A Gripen Wheels
enquanto Grupo, é o maior distribuidor independente
Europeu de pneus de Engenharia Civil, jantes OTR -
Engenharia Civil e pneus Agrícolas. Vendemos, em 5
semanas, quase 50% do volume total anual do merca-
do Português de pneus OTR - Engenharia Civil.
Do nosso portfólio constam marcas próprias como
a Gripen Wheels e a Dynamaxx, esta última um pro-
duto OTR de Engenharia Europeia, marcas represen-
tadas, com exclusividade para alguns mercados como
a Triangle, a Hilo, a Aeolus, a United (pneus Flores-
tais) e a Ceat Altura entre outras. No segundo semestre
deste ano, introduziremos no mercado uma marca de
pneus pesados de elevada qualidade mas com um po-
sicionamento de preço muito agressivo.
Como se processa a distribuição dos v/
pneus no mercado Ibérico? Têm
armazém central para os dois países?
Atualmente distribuímos cerca de
75% dos produtos vendidos na Penínsu-
la Ibérica, a partir da nossa plataforma logística situada
na Maia. Os restantes produtos vendidos, são movi-
mentados, sobretudo, das nossas plataformas logísti-
cas localizadas na França, Alemanha, Itália e Suécia. A
concentração das operações Ibéricas numa única base
logística, contribuiu para solidificar o enorme cresci-
REVISTA
DOSPNEUS62
ENTREVISTA
AGripenWheelséhojeunanimementereconhecidanomercadoIbérico,comoumfornecedorda
máximaconfiança,tendoalcançadonoanofiscalquefindouemAbril umrecordedefaturação
LuisMartins,GeneralMarketManagerGripenWheelsIberia
“Asseguramosvariedade
emáximarentabilidade”
PelleFritzon,
PresidenteGripenWheelsAB
LuisMartins,
GeneralMarketManagerGripenWheelsIberia
“Umavezqueestamosfocalizadosnosegmento
Económico,nãopossodeixardeconfessarqueaatual
conjunturaeconómica,tem-sereveladoumaverdadeira
oportunidade”,dizLuísMartins
mento que a empresa teve no mercado Europeu em
geral e nos mercados Português e Espanhol em parti-
cular, permitindo expandir e diversificar a oferta de
pneus OTR, Industriais, Florestais, Agrícolas, Movi-
mentação de Cargas e Pesados, sempre com o foco no
segmento económico.
Qual o vosso posicionamento em termos de preço?
A Gripen Wheels teve sempre no seu ADN um po-
sicionamento muito claro relativamente aos seus mer-
cados alvo. O segmento Económico (ou Budget se
quisermos usar um estrangeirismo) dos produtos desti-
nados a um consumo profissional tem sido e conti-
nuará a ser parte integrante da nossa oferta de base. So-
mos, e queremos continuar a ser, os especialistas Euro-
peus dos pneus Económicos de Engenharia Civil,
Industriais, Pesados, Florestais, Agrícolas, etc. Sempre
que um cliente pensar num pneu Económico de En-
genharia Civil, num pneu Económico Industrial, num
pneu Económico Florestal, num pneu económico Pe-
sado…
Queremos que pense na Gripen Wheels.
Como se caracterizam os clientes da Gripen Wheels
Iberia?
A Gripen Wheels Iberia tem uma rede de Agentes
Ibérica, uniformemente distribuída por Portugal e Es-
panha, que é tendencialmente constituída, pelas carac-
terísticas do produto em que somos especialistas (En-
genharia Civil), por agentes económicos de maior di-
mensão. No entanto, em muito nos orgulha o facto de
também merecermos fidelidade e preferência de mui-
tos operadores de menor dimensão no negócio da En-
genharia Civil. A todos procuramos fornecer o maior
profissionalismo no atendimento das suas necessida-
des e as mais elevadas taxas de rentabilidade na distri-
buição e comercialização dos nossos produtos.
Quais são as principais ameaças para o sector onde
se insere a vossa atividade? E as oportunidades?
O sector dos pneus em geral, atravessa um período
delicado e, devo sublinhar que estou a tentar falar com
delicadeza sobre a dimensão do problema. Natural-
mente que existem empresas com maior e menor grau
de resistência aos períodos menos favoráveis. Nesta al-
tura de retração dos consumos privados e públicos, de-
vemos todos os diferentes intervenientes no negócio,
diretos e indiretos, zelar pelo “prato onde comemos a
sopa”. Um mercado, em retração não é bom para nin-
guém. Ainda que possa beneficiar determinadas estra-
tégias e/ou posicionamentos de preços, em detrimen-
to de outras e/ou outros. Vivemos um período da má-
xima exigência no que diz respeito às nossas
competências na gestão dos nossos negócios. A procu-
ra de novos mercados (internos e externos), de novos
clientes, de novos serviços e de novos produtos, bem
como o permanente espírito de inovação e reinvenção
do negócio e da forma de lhe dar vida, constituem fac-
tores, mais do que nunca, críticos de sucesso. Somos
um povo de excelência que sempre soube superar-se
nos momentos de maior exigência.
Que análise faz da situação atual do Comércio de
Pneus OTR e de Engenharia Civil em Portugal?
O segmento Económico dos pneus em geral e dos
pneus OTR-Engenharia Civil em particular, tem regis-
tado um crescimento assinalável, com um crescimen-
to sustentado das vendas ano após ano. Estou seguro
que o segmento Económico tem conquistado quota
de mercado significativa em Portugal nos últimos anos
em geral e nos últimos 18 meses em particular.
A este facto não são alheios dois factores preponde-
rantes, por um lado a grande evolução da qualidade
dos produtos das marcas económicas mais conceitua-
das, por outro, o ambiente de recessão que afecta a Eu-
ropa em geral e a Península Ibérica em particular. No
entanto, teremos de tentar compreender até que pon-
to não estarão os hábitos de consumo em transforma-
ção no longo prazo. Recordo que em Inglaterra, o seg-
mento económico dos pneus de turismo, já represen-
tava mais de 50% do total do mercado nos idos anos
90.
REVISTA
DOSPNEUS 63
ENTREVISTA
OPINIÃO
Sede:CentrodeNegóciosdaMaia-RuadeAlbino
JoséDomingues,74-2ºAT -4470-034Maia
GeneralMarketManager:LuisMartins
Telefone:220991400
Fax:220931936
e-mail:luis.martins@gripenwheels.com
Internet:www.gripenwheels.com
GRIPENWHEELSIBERIA
“EstarevisãodosEcovalores,emformadeaumento,vemempéssimaalturaerevelaumagrandefaltadesensibilida-
deporpartedosdecisoresenvolvidos.
Onossomercadonecessitadediálogoentreaspartesenvolvidas.SemmercadonãoháEcovalores…Creioquesepo-
deriateresperadopelofinaldoanoparatomarasdecisões.OsnovosEcovalores,paraalémdeconstituíremmaisum
péssimosinalparaummercadoeconomicamentedeprimido,contribuemaindamaisparaosdesequilíbriosatualmente
notóriosentreosoperadoresquesãoempresasdedireitoPortuguêse,consequentementefacturamosseusprodutos
comEcovalore,todososrestantesoperadores(enãosãopoucos)que,porexemplo,porseremempresasdedireitoEs-
panholfacturamsemEcovalor,passandoaobrigatoriedadedarespectivadeclaraçãoàValorpneuparaoretalhista.
NocasodospneusOTR-EngenhariaCivil,oEcovalorpodechegarapesarmaisde10%norespectivopreçodevenda.
E,recordo,naalturadacriaçãodaValorpneu,eraconvicçãodaspartesenvolvidasque,comaoptimizaçãodosistema,
osEcovalorestenderiamadescer,tambémporque,inicialmentehaveriaquefazeragestãodosmuitospneusemfimde
vidaexistentesnomomentodacriaçãodaValorpneueparaosquaisnãotinhasidocobradooEcovalor.Porfim,parece-
mequeaValorpneunãoteráqueapresentarresultadospositivos(lucros)todososanos.Poderátambémterumanode
resultadosnegativosetendencialmenteserumaorganizaçãoquenãovisaoslucros.
Nofundo,achoqueomercadonecessitadeumdiálogoverdadeiramenterepresentativodaspartesedosdiferentes
interessesenvolvidosnonegócio.Quernonegóciodospneusnovos,quernonegóciodospneusrecauchutados,querno
negóciodotratamentodoprodutoemfim-de-vida.Sódestaformaosistemapoderáserverdadeiramentesustentável”.
QUAISASCONSEQUÊNCIASDOAUMENTODATAXADEECOVALOR
PARAAGRIPENWHEELSIBERIA?
PelleFritzon,
PresidenteGripenWheelsAB
“Estamosconfiantes”
A Gripen Wheels foi uma
marcaquecomeçoudozerohá
cercade20anos(1993).Neste
momento,somosumaequipa
de 30 pessoas, geramos um volume de negócios
anualde¤60milhõeseumlucrolíquidode5%.Pode-
mos dizer que somos especialistas em pneus de
grandesdimensõesOTR,mastambémtrabalhamos
compneusparaaagricultura,paramáquinasdeex-
ploraçãoflorestalemaquinariadeconstruçãopesa-
da.
Cercade90%dosnossospneusvêmdaRepública
PopulardaChinaedaÍndia,sendoosrestantes10%
provenientesdoJapão,EUAeoutrospaíses.Estaé
umatendênciaquenemnós,nemninguém,podeal-
terar,masqueestáacriaralgunsproblemasdevidoà
atualsituaçãoeconómicadaEuropa.Defacto,nãote-
mosfábricasnoespaçoeuropeuetemosdificuldades
emimportarpneusdospaísesondeelessãoproduzi-
dos.
OnossomercadoprincipaléaEuropa,principal-
menteoNortedaEuropaeaEuropaOcidental.Te-
mosempresasdedistribuiçãoprópriasemcadapaís,
comoéocasodaGripenWheelsIberia,geridaspelos
nossosprofissionaisecapital100%dacasamãena
Suécia.Anossaestratégiademercadoconsisteem
trabalharexclusivamentecomdistribuidoresprofis-
sionais,evitandocontactodiretocomosconsumido-
resfinais.Estaéaformadegarantirumserviçover-
dadeiramenteprofissionaleédissoqueomercado
precisa.Hojeemdia,muitosgrossistasvendema
quemprimeirolhesderodinheiro,masdepoisdei-
xamosutilizadoresfinaissemsoluções,quandoé
precisoresolverosproblemas.Nãoéumaformasé-
riadeestarnonegócio,quenósvivamenterepudia-
mos.
Todososnossoscolaboradoressãopessoascom
grande experiência profissional no mercado dos
pneusemgeralenomercadodospneusdegrandes
dimensõesemparticular.Hácertasmarcasdepri-
meiroplanoquecontratamqualquerpessoapara
trabalharnestemercado,masissonãoésistemae
acabapordarproblemas.Comagarantiadeassis-
tênciatécnicaquenósdamos,somosumsuporte
paraonossodistribuidor,ajudando-onavenda,mas
tambémsomosoprincipalgaranteparaoutilizador
finaldeumserviçotécnicoprofissionaldeprimeira
qualidade.Umdistribuidoreumoperadorqueven-
demumpneuOTRporanoounemisso,queexpe-
riênciatêmdestespneus?Étudoimprovisado,tudo
aoacasoeascoisasatépodemresultarumavezpor
merasorte.Nasegundavez,jánãoresulta.
Emrelaçãoaofuturo,estamosconfiantes,porque
somosumaempresaeconomicamentesaudávele
comgrandecapacidadefinanceira.Seoclientefinal
tem menos dinheiro, compra um pneu um pouco
maisbarato,masnãodeixadefazerasuavida,nemo
distribuidordeixadevenderpneus.Felizmente,no
nossosegmentoesseproblemanãoexiste,porque
ninguémsearriscaamontarumpneuOTRsemqua-
lidade,atéporquejánãoexiste.Aquestãoqueficaé
montaropneucorretodaformacorreta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano III
Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano IIIRevista dos pneus no 11 outubro 2010 ano III
Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano IIILuis Martins
 
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano III
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano IIIRevista dos pneus no 13 abril 2011 ano III
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano IIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano III
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano IIIRevista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano III
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano IIILuis Martins
 
Upman: Análise ao Setor do Calçado
Upman: Análise ao Setor do CalçadoUpman: Análise ao Setor do Calçado
Upman: Análise ao Setor do CalçadoAna Oliveira
 
Carstereo Profissional Edoção 139
Carstereo Profissional Edoção 139Carstereo Profissional Edoção 139
Carstereo Profissional Edoção 139marketingludovico
 
Cerveja - Mercado de Grandes Novidades
Cerveja - Mercado de Grandes NovidadesCerveja - Mercado de Grandes Novidades
Cerveja - Mercado de Grandes NovidadesFernando Salles
 

Mais procurados (9)

Reportagens Point S
Reportagens Point SReportagens Point S
Reportagens Point S
 
Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano III
Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano IIIRevista dos pneus no 11 outubro 2010 ano III
Revista dos pneus no 11 outubro 2010 ano III
 
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano III
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano IIIRevista dos pneus no 13 abril 2011 ano III
Revista dos pneus no 13 abril 2011 ano III
 
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano III
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano IIIRevista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano III
Revista dos Pneus no 8 janeiro 2010 ano III
 
Upman: Análise ao Setor do Calçado
Upman: Análise ao Setor do CalçadoUpman: Análise ao Setor do Calçado
Upman: Análise ao Setor do Calçado
 
Carstereo Profissional Edoção 139
Carstereo Profissional Edoção 139Carstereo Profissional Edoção 139
Carstereo Profissional Edoção 139
 
Enaex 2014
Enaex 2014Enaex 2014
Enaex 2014
 
Projecto empresa
Projecto empresaProjecto empresa
Projecto empresa
 
Cerveja - Mercado de Grandes Novidades
Cerveja - Mercado de Grandes NovidadesCerveja - Mercado de Grandes Novidades
Cerveja - Mercado de Grandes Novidades
 

Destaque

Digital marketing
Digital marketingDigital marketing
Digital marketingpiegonmedia
 
PeaceAudit_Nepal_EN_2015
PeaceAudit_Nepal_EN_2015PeaceAudit_Nepal_EN_2015
PeaceAudit_Nepal_EN_2015Chandani Thapa
 
Revista Anecra n298 abril 2012
Revista Anecra n298 abril 2012Revista Anecra n298 abril 2012
Revista Anecra n298 abril 2012Luis Martins
 
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano III
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano IIIRevista dos Pneus no 14 julho 2011 ano III
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano IIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano III
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano IIIRevista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano III
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano IIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VIIRevista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VIILuis Martins
 
ELC certificate of experience
ELC certificate of experienceELC certificate of experience
ELC certificate of experienceSaif Raddas
 
FERDINAND Q. PACLEB CV1
FERDINAND Q. PACLEB CV1FERDINAND Q. PACLEB CV1
FERDINAND Q. PACLEB CV1Ferdie Pacleb
 

Destaque (11)

Le Potentiel de l'e-sport
Le Potentiel de l'e-sportLe Potentiel de l'e-sport
Le Potentiel de l'e-sport
 
Digital marketing
Digital marketingDigital marketing
Digital marketing
 
neethu BSC NURSE
neethu  BSC  NURSEneethu  BSC  NURSE
neethu BSC NURSE
 
PeaceAudit_Nepal_EN_2015
PeaceAudit_Nepal_EN_2015PeaceAudit_Nepal_EN_2015
PeaceAudit_Nepal_EN_2015
 
SUPERVISOR ADMIN ASST CV
SUPERVISOR ADMIN ASST CVSUPERVISOR ADMIN ASST CV
SUPERVISOR ADMIN ASST CV
 
Revista Anecra n298 abril 2012
Revista Anecra n298 abril 2012Revista Anecra n298 abril 2012
Revista Anecra n298 abril 2012
 
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano III
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano IIIRevista dos Pneus no 14 julho 2011 ano III
Revista dos Pneus no 14 julho 2011 ano III
 
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano III
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano IIIRevista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano III
Revista dos Pneus no 16 janeiro 2012 ano III
 
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VIIRevista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 27 setembro 2014 ano VII
 
ELC certificate of experience
ELC certificate of experienceELC certificate of experience
ELC certificate of experience
 
FERDINAND Q. PACLEB CV1
FERDINAND Q. PACLEB CV1FERDINAND Q. PACLEB CV1
FERDINAND Q. PACLEB CV1
 

Semelhante a Pneus OTR e desafios do aumento dos Ecovalores

Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano III
Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano IIIRevista dos pneus no 17 abril 2012 ano III
Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano IIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009  ano IIRevista dos Pneus no 4 janeiro 2009  ano II
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009 ano IILuis Martins
 
Marketing internacional medronho,s.a. power point
Marketing internacional   medronho,s.a. power pointMarketing internacional   medronho,s.a. power point
Marketing internacional medronho,s.a. power pointMaria2003
 
Folder Mercosuper 2013
Folder Mercosuper 2013Folder Mercosuper 2013
Folder Mercosuper 2013Brasil
 
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano III
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano IIIRevista dos pneus no 15 outubro 2011 ano III
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano IIILuis Martins
 
Pesquisa FINANÇAS
Pesquisa FINANÇASPesquisa FINANÇAS
Pesquisa FINANÇASTullio Durso
 
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::..
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::.. ..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::..
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::.. Administrador Site
 
Port e dest ed 5 (16) ccc
Port e dest ed 5 (16)   cccPort e dest ed 5 (16)   ccc
Port e dest ed 5 (16) cccBruno Simoes
 
Clipping Retrospectiva 2011
Clipping Retrospectiva 2011Clipping Retrospectiva 2011
Clipping Retrospectiva 2011Ricardo Pastore
 
Patrocínios e Apoios do 10.º CNM
Patrocínios e Apoios do 10.º CNMPatrocínios e Apoios do 10.º CNM
Patrocínios e Apoios do 10.º CNMcongressoapmi
 
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...daviboaz1
 
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimentoExportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimentoCláudio Carneiro
 

Semelhante a Pneus OTR e desafios do aumento dos Ecovalores (20)

Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano III
Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano IIIRevista dos pneus no 17 abril 2012 ano III
Revista dos pneus no 17 abril 2012 ano III
 
Entrevista_FM_JT187
Entrevista_FM_JT187Entrevista_FM_JT187
Entrevista_FM_JT187
 
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009  ano IIRevista dos Pneus no 4 janeiro 2009  ano II
Revista dos Pneus no 4 janeiro 2009 ano II
 
Revista Caixa Empresas | outubro 2015
Revista Caixa Empresas | outubro 2015Revista Caixa Empresas | outubro 2015
Revista Caixa Empresas | outubro 2015
 
Marketing internacional medronho,s.a. power point
Marketing internacional   medronho,s.a. power pointMarketing internacional   medronho,s.a. power point
Marketing internacional medronho,s.a. power point
 
Folder Mercosuper 2013
Folder Mercosuper 2013Folder Mercosuper 2013
Folder Mercosuper 2013
 
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano III
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano IIIRevista dos pneus no 15 outubro 2011 ano III
Revista dos pneus no 15 outubro 2011 ano III
 
Pesquisa FINANÇAS
Pesquisa FINANÇASPesquisa FINANÇAS
Pesquisa FINANÇAS
 
Edp & Sonae
Edp & Sonae Edp & Sonae
Edp & Sonae
 
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::..
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::.. ..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::..
..::CODIN INFORMA 77ª Edição:::..
 
Mitsibushi Brief
Mitsibushi BriefMitsibushi Brief
Mitsibushi Brief
 
Revista anecra n298 abril 2012
Revista anecra n298 abril 2012Revista anecra n298 abril 2012
Revista anecra n298 abril 2012
 
Tyco Inova, edição 1
Tyco Inova, edição 1Tyco Inova, edição 1
Tyco Inova, edição 1
 
Port e dest ed 5 (16) ccc
Port e dest ed 5 (16)   cccPort e dest ed 5 (16)   ccc
Port e dest ed 5 (16) ccc
 
11_06_2012
11_06_201211_06_2012
11_06_2012
 
Clipping Retrospectiva 2011
Clipping Retrospectiva 2011Clipping Retrospectiva 2011
Clipping Retrospectiva 2011
 
Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1Clipping Agosto 1
Clipping Agosto 1
 
Patrocínios e Apoios do 10.º CNM
Patrocínios e Apoios do 10.º CNMPatrocínios e Apoios do 10.º CNM
Patrocínios e Apoios do 10.º CNM
 
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...
Apresentação Institucional Argotractors - Landini Brasil Revisão 05 Maio2015-...
 
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimentoExportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento
Exportações e internacionalização de empresas potenciam crescimento
 

Mais de Luis Martins

Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VIIRevista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano V
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano VRevista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano V
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano VLuis Martins
 
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano III
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano IIIRevista dos pneus no 9 abril 2010 ano III
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano IIILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano IIRevista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano IILuis Martins
 
Revista dos Pneus no 6 julho 2009 ano II
Revista dos Pneus no 6  julho 2009  ano IIRevista dos Pneus no 6  julho 2009  ano II
Revista dos Pneus no 6 julho 2009 ano IILuis Martins
 
Turbo oficina no. 17 2013
Turbo oficina no. 17 2013Turbo oficina no. 17 2013
Turbo oficina no. 17 2013Luis Martins
 
Autoaftermarketnews no. 02 2014
Autoaftermarketnews no. 02 2014Autoaftermarketnews no. 02 2014
Autoaftermarketnews no. 02 2014Luis Martins
 

Mais de Luis Martins (9)

Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VIIRevista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VII
Revista dos Pneus no 25 abril 2014 ano VII
 
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano V
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano VRevista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano V
Revista dos Pneus no 24 fevereiro 2014 ano V
 
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano III
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano IIIRevista dos pneus no 9 abril 2010 ano III
Revista dos pneus no 9 abril 2010 ano III
 
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano IIRevista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano II
Revista dos Pneus no 7 outubro 2009 ano II
 
Revista dos Pneus no 6 julho 2009 ano II
Revista dos Pneus no 6  julho 2009  ano IIRevista dos Pneus no 6  julho 2009  ano II
Revista dos Pneus no 6 julho 2009 ano II
 
Turbo oficina no. 17 2013
Turbo oficina no. 17 2013Turbo oficina no. 17 2013
Turbo oficina no. 17 2013
 
Autoaftermarketnews no. 02 2014
Autoaftermarketnews no. 02 2014Autoaftermarketnews no. 02 2014
Autoaftermarketnews no. 02 2014
 
img-160822175840
img-160822175840img-160822175840
img-160822175840
 
img-160822175753
img-160822175753img-160822175753
img-160822175753
 

Pneus OTR e desafios do aumento dos Ecovalores

  • 1. REVISTA DOSPNEUSREVISTA INDEPENDENTE DE PNEUMÁTICOS E SERVIÇOS RÁPIDOS Nº18•JULHO2012•ANOIII•5EUROS PUB A27ªediçãodoSalãoInternacionaldeReifen, quedecorreuemEssen,de4a8deJunhode 2012,foiamelhordetodas,tendoregistado umnúmerorecordedemaisde19.000 visitantesprofissionaise653expositoresde 44países.AREVISTA DOS PNEUSconta-lhe tudooquelásepassou Évasto omercado dasempresas quevendem equipamentos paraascasas depneus JoséLuis delaFuente, DiretorGeral daContinental Pneus Harjeev Kandhari, Presidente Executivodo GrupoAlDobowi AMLSPneusé umgrossistade pneusdazonado Porto Mercado Salão Empresa Entrevista Entrevista AGRANDE MONTRA!
  • 2. A Gripen Wheels marca presença na Península Ibérica desde Janeiro de 2008. Inicialmente com duas empresas distintas, a Gripen Wheels Portugal e a Gripen Wheels Spain, que atua- vam, respectivamente, no mercado Português e no mercado Espanhol. Em Setembro de 2011, deu-se a fusão das duas operações, nascendo a Gripen Wheels Iberia, com base operacional e logística nos escritórios e armazém da Maia. Em entrevista à REVISTA DOS PNEUS, Luís Martins destaca como maior vitória da empresa ao longo destes quase cinco anos de atividade o reconhe- cimento por parte dos seus clientes, como um fornecedor que assegura a maior variedade de produto com os preços mais competitivos e as mais altas taxas de rentabilidade. Que tipo de pneus são atualmente comercializados pela Gripen Wheels Iberia? A Gripen Wheels Iberia comercializa pneus Pesa- dos, pneus Industriais, pneus para Equipamentos de Movimentação de Cargas (empilhadores), pneus para máquinas Florestais, pneus OTR – Engenharia Civil, Jantes de Camião, Jantes OTR - Engenharia Civil, en- tre outros produtos relacionados com o mercado dos pneus para utilizações profissionais. A Gripen Wheels enquanto Grupo, é o maior distribuidor independente Europeu de pneus de Engenharia Civil, jantes OTR - Engenharia Civil e pneus Agrícolas. Vendemos, em 5 semanas, quase 50% do volume total anual do merca- do Português de pneus OTR - Engenharia Civil. Do nosso portfólio constam marcas próprias como a Gripen Wheels e a Dynamaxx, esta última um pro- duto OTR de Engenharia Europeia, marcas represen- tadas, com exclusividade para alguns mercados como a Triangle, a Hilo, a Aeolus, a United (pneus Flores- tais) e a Ceat Altura entre outras. No segundo semestre deste ano, introduziremos no mercado uma marca de pneus pesados de elevada qualidade mas com um po- sicionamento de preço muito agressivo. Como se processa a distribuição dos v/ pneus no mercado Ibérico? Têm armazém central para os dois países? Atualmente distribuímos cerca de 75% dos produtos vendidos na Penínsu- la Ibérica, a partir da nossa plataforma logística situada na Maia. Os restantes produtos vendidos, são movi- mentados, sobretudo, das nossas plataformas logísti- cas localizadas na França, Alemanha, Itália e Suécia. A concentração das operações Ibéricas numa única base logística, contribuiu para solidificar o enorme cresci- REVISTA DOSPNEUS62 ENTREVISTA AGripenWheelséhojeunanimementereconhecidanomercadoIbérico,comoumfornecedorda máximaconfiança,tendoalcançadonoanofiscalquefindouemAbril umrecordedefaturação LuisMartins,GeneralMarketManagerGripenWheelsIberia “Asseguramosvariedade emáximarentabilidade” PelleFritzon, PresidenteGripenWheelsAB LuisMartins, GeneralMarketManagerGripenWheelsIberia “Umavezqueestamosfocalizadosnosegmento Económico,nãopossodeixardeconfessarqueaatual conjunturaeconómica,tem-sereveladoumaverdadeira oportunidade”,dizLuísMartins
  • 3. mento que a empresa teve no mercado Europeu em geral e nos mercados Português e Espanhol em parti- cular, permitindo expandir e diversificar a oferta de pneus OTR, Industriais, Florestais, Agrícolas, Movi- mentação de Cargas e Pesados, sempre com o foco no segmento económico. Qual o vosso posicionamento em termos de preço? A Gripen Wheels teve sempre no seu ADN um po- sicionamento muito claro relativamente aos seus mer- cados alvo. O segmento Económico (ou Budget se quisermos usar um estrangeirismo) dos produtos desti- nados a um consumo profissional tem sido e conti- nuará a ser parte integrante da nossa oferta de base. So- mos, e queremos continuar a ser, os especialistas Euro- peus dos pneus Económicos de Engenharia Civil, Industriais, Pesados, Florestais, Agrícolas, etc. Sempre que um cliente pensar num pneu Económico de En- genharia Civil, num pneu Económico Industrial, num pneu Económico Florestal, num pneu económico Pe- sado… Queremos que pense na Gripen Wheels. Como se caracterizam os clientes da Gripen Wheels Iberia? A Gripen Wheels Iberia tem uma rede de Agentes Ibérica, uniformemente distribuída por Portugal e Es- panha, que é tendencialmente constituída, pelas carac- terísticas do produto em que somos especialistas (En- genharia Civil), por agentes económicos de maior di- mensão. No entanto, em muito nos orgulha o facto de também merecermos fidelidade e preferência de mui- tos operadores de menor dimensão no negócio da En- genharia Civil. A todos procuramos fornecer o maior profissionalismo no atendimento das suas necessida- des e as mais elevadas taxas de rentabilidade na distri- buição e comercialização dos nossos produtos. Quais são as principais ameaças para o sector onde se insere a vossa atividade? E as oportunidades? O sector dos pneus em geral, atravessa um período delicado e, devo sublinhar que estou a tentar falar com delicadeza sobre a dimensão do problema. Natural- mente que existem empresas com maior e menor grau de resistência aos períodos menos favoráveis. Nesta al- tura de retração dos consumos privados e públicos, de- vemos todos os diferentes intervenientes no negócio, diretos e indiretos, zelar pelo “prato onde comemos a sopa”. Um mercado, em retração não é bom para nin- guém. Ainda que possa beneficiar determinadas estra- tégias e/ou posicionamentos de preços, em detrimen- to de outras e/ou outros. Vivemos um período da má- xima exigência no que diz respeito às nossas competências na gestão dos nossos negócios. A procu- ra de novos mercados (internos e externos), de novos clientes, de novos serviços e de novos produtos, bem como o permanente espírito de inovação e reinvenção do negócio e da forma de lhe dar vida, constituem fac- tores, mais do que nunca, críticos de sucesso. Somos um povo de excelência que sempre soube superar-se nos momentos de maior exigência. Que análise faz da situação atual do Comércio de Pneus OTR e de Engenharia Civil em Portugal? O segmento Económico dos pneus em geral e dos pneus OTR-Engenharia Civil em particular, tem regis- tado um crescimento assinalável, com um crescimen- to sustentado das vendas ano após ano. Estou seguro que o segmento Económico tem conquistado quota de mercado significativa em Portugal nos últimos anos em geral e nos últimos 18 meses em particular. A este facto não são alheios dois factores preponde- rantes, por um lado a grande evolução da qualidade dos produtos das marcas económicas mais conceitua- das, por outro, o ambiente de recessão que afecta a Eu- ropa em geral e a Península Ibérica em particular. No entanto, teremos de tentar compreender até que pon- to não estarão os hábitos de consumo em transforma- ção no longo prazo. Recordo que em Inglaterra, o seg- mento económico dos pneus de turismo, já represen- tava mais de 50% do total do mercado nos idos anos 90. REVISTA DOSPNEUS 63 ENTREVISTA OPINIÃO Sede:CentrodeNegóciosdaMaia-RuadeAlbino JoséDomingues,74-2ºAT -4470-034Maia GeneralMarketManager:LuisMartins Telefone:220991400 Fax:220931936 e-mail:luis.martins@gripenwheels.com Internet:www.gripenwheels.com GRIPENWHEELSIBERIA “EstarevisãodosEcovalores,emformadeaumento,vemempéssimaalturaerevelaumagrandefaltadesensibilida- deporpartedosdecisoresenvolvidos. Onossomercadonecessitadediálogoentreaspartesenvolvidas.SemmercadonãoháEcovalores…Creioquesepo- deriateresperadopelofinaldoanoparatomarasdecisões.OsnovosEcovalores,paraalémdeconstituíremmaisum péssimosinalparaummercadoeconomicamentedeprimido,contribuemaindamaisparaosdesequilíbriosatualmente notóriosentreosoperadoresquesãoempresasdedireitoPortuguêse,consequentementefacturamosseusprodutos comEcovalore,todososrestantesoperadores(enãosãopoucos)que,porexemplo,porseremempresasdedireitoEs- panholfacturamsemEcovalor,passandoaobrigatoriedadedarespectivadeclaraçãoàValorpneuparaoretalhista. NocasodospneusOTR-EngenhariaCivil,oEcovalorpodechegarapesarmaisde10%norespectivopreçodevenda. E,recordo,naalturadacriaçãodaValorpneu,eraconvicçãodaspartesenvolvidasque,comaoptimizaçãodosistema, osEcovalorestenderiamadescer,tambémporque,inicialmentehaveriaquefazeragestãodosmuitospneusemfimde vidaexistentesnomomentodacriaçãodaValorpneueparaosquaisnãotinhasidocobradooEcovalor.Porfim,parece- mequeaValorpneunãoteráqueapresentarresultadospositivos(lucros)todososanos.Poderátambémterumanode resultadosnegativosetendencialmenteserumaorganizaçãoquenãovisaoslucros. Nofundo,achoqueomercadonecessitadeumdiálogoverdadeiramenterepresentativodaspartesedosdiferentes interessesenvolvidosnonegócio.Quernonegóciodospneusnovos,quernonegóciodospneusrecauchutados,querno negóciodotratamentodoprodutoemfim-de-vida.Sódestaformaosistemapoderáserverdadeiramentesustentável”. QUAISASCONSEQUÊNCIASDOAUMENTODATAXADEECOVALOR PARAAGRIPENWHEELSIBERIA? PelleFritzon, PresidenteGripenWheelsAB “Estamosconfiantes” A Gripen Wheels foi uma marcaquecomeçoudozerohá cercade20anos(1993).Neste momento,somosumaequipa de 30 pessoas, geramos um volume de negócios anualde¤60milhõeseumlucrolíquidode5%.Pode- mos dizer que somos especialistas em pneus de grandesdimensõesOTR,mastambémtrabalhamos compneusparaaagricultura,paramáquinasdeex- ploraçãoflorestalemaquinariadeconstruçãopesa- da. Cercade90%dosnossospneusvêmdaRepública PopulardaChinaedaÍndia,sendoosrestantes10% provenientesdoJapão,EUAeoutrospaíses.Estaé umatendênciaquenemnós,nemninguém,podeal- terar,masqueestáacriaralgunsproblemasdevidoà atualsituaçãoeconómicadaEuropa.Defacto,nãote- mosfábricasnoespaçoeuropeuetemosdificuldades emimportarpneusdospaísesondeelessãoproduzi- dos. OnossomercadoprincipaléaEuropa,principal- menteoNortedaEuropaeaEuropaOcidental.Te- mosempresasdedistribuiçãoprópriasemcadapaís, comoéocasodaGripenWheelsIberia,geridaspelos nossosprofissionaisecapital100%dacasamãena Suécia.Anossaestratégiademercadoconsisteem trabalharexclusivamentecomdistribuidoresprofis- sionais,evitandocontactodiretocomosconsumido- resfinais.Estaéaformadegarantirumserviçover- dadeiramenteprofissionaleédissoqueomercado precisa.Hojeemdia,muitosgrossistasvendema quemprimeirolhesderodinheiro,masdepoisdei- xamosutilizadoresfinaissemsoluções,quandoé precisoresolverosproblemas.Nãoéumaformasé- riadeestarnonegócio,quenósvivamenterepudia- mos. Todososnossoscolaboradoressãopessoascom grande experiência profissional no mercado dos pneusemgeralenomercadodospneusdegrandes dimensõesemparticular.Hácertasmarcasdepri- meiroplanoquecontratamqualquerpessoapara trabalharnestemercado,masissonãoésistemae acabapordarproblemas.Comagarantiadeassis- tênciatécnicaquenósdamos,somosumsuporte paraonossodistribuidor,ajudando-onavenda,mas tambémsomosoprincipalgaranteparaoutilizador finaldeumserviçotécnicoprofissionaldeprimeira qualidade.Umdistribuidoreumoperadorqueven- demumpneuOTRporanoounemisso,queexpe- riênciatêmdestespneus?Étudoimprovisado,tudo aoacasoeascoisasatépodemresultarumavezpor merasorte.Nasegundavez,jánãoresulta. Emrelaçãoaofuturo,estamosconfiantes,porque somosumaempresaeconomicamentesaudávele comgrandecapacidadefinanceira.Seoclientefinal tem menos dinheiro, compra um pneu um pouco maisbarato,masnãodeixadefazerasuavida,nemo distribuidordeixadevenderpneus.Felizmente,no nossosegmentoesseproblemanãoexiste,porque ninguémsearriscaamontarumpneuOTRsemqua- lidade,atéporquejánãoexiste.Aquestãoqueficaé montaropneucorretodaformacorreta.