Briefing 17/10

396 visualizações

Publicada em

Resumo de notícias

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
396
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Briefing 17/10

  1. 1. Segunda-feira, 17 de outubro de 2011<br />Briefing de Notícias<br />Fonte: Folha de SP<br /> http://www.folha.uol.com.br/<br />Governo estuda criar "nova Imigrantes" <br />O governo de SP iniciou estudo para uma nova ligação rodoviária entre o planalto e o litoral sul, que servirá para aliviar o sistema Anchieta-Imigrantes e dar suporte à exploração de petróleo e gás. A via deve ligar Itanhaém a Parelheiros, no extremo sul da capital, ou ao Rodoanel, cortando a serra do Mar. <br />Embora não haja definição de traçado, a distância média é de 15 km --de Marsilac, distrito vizinho a Parelheiros, já é possível avistar Itanhaém. A Imigrantes tem 70 km. <br />Cálculos iniciais apontam para um investimento de R$ 648 milhões. <br />Receita paga hoje maior lote de restituições do IR; 2,69 milhões receberão <br />A Receita Federal libera nesta segunda-feira o pagamento do 5º lote de restituição do Imposto de Renda 2011. A todo, o fisco irá pagar quase R$ 2,5 bilhões para 2,69 milhões de contribuintes. <br />De acordo com a Receita, o dinheiro é referente à declaração deste ano e à malha fina dos exercícios 2010, 2009 e 2008. Trata-se de um dos maiores lotes de pagamento da história. <br />Serão creditados R$ 2,448 bilhões para 2.656.556 contribuintes referentes ao exercício de 2011. O valor já considera a correção de 5,93%, pela taxa Selic, de maio a outubro de 2011. <br />Do lote residual de 2010, serão pagas restituições para 24.665 contribuintes (R$ 35,76 milhões). Outros 6.491 contribuintes receberão R$ 10,434 milhões do lote de 2009, e 3.031 contribuintes dividirão R$ 5,48 milhões do lote de 2008. <br />Crescimento do Brasil leva estrangeiros a aprenderem português <br />O crescimento da economia brasileira e a maior presença de multinacionais no país aumentaram o interesse de estrangeiros em aprender a língua portuguesa. Enquanto europeus e americanos enfrentam altas taxas de desemprego e risco de recessão, o Brasil se tornou o país da moda no exterior --e a língua portuguesa está cada vez mais pop. <br />Na última década, o número de inscritos no Celpe-Bras, exame de proficiência em português reconhecido pelo Ministério da Educação, saltou de 1.155 para 6.139. <br />"A importância [do português] está crescendo, uma vez que o Brasil tem se destacado internacionalmente por sua economia considerada estável e suas relações internacionais. O valor de uma língua está extremamente associado ao mercado", afirma Matilde Scaramucci, diretora do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp. <br />Fonte: Zero Hora<br />http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora<br />Após nova denúncia, Dilma Rousseff exige explicações públicas do ministro Orlando Silva<br />A denúncia de que teria recebido dinheiro de propina na garagem do Ministério do Esporte colocou o titular da pasta, Orlando Silva, em uma situação de fragilidade na Esplanada. Envolvido em suspeitas anteriores, Orlando já era visto como alvo da reforma ministerial que a presidente Dilma Rousseff pretende fazer nos próximos meses. Orlando antecipou sua volta do México, onde acompanhava os Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, após ser convocado pela presidente a dar explicações sobre as acusações de corrupção na pasta, que chefia desde 2006.<br />FMI está preparado para socorrer países atingidos pela crise, avisa diretora-gerente<br />A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, disse hoje que a instituição está adaptada às necessidades causadas pela crise econômica mundial. Segundo ela, o FMI se prepara para socorrer os países atingidos pelos impactos da crise. O assunto foi tema de reunião, há três dias, em Paris, dos ministros da Fazenda dos países que integram o G20 (grupo das 20 maiores economias do mundo).<br />— Não tenho qualquer número na cabeça. O princípio é o da adequação entre os recursos do fundo [FMI] e as necessidades — disse Lagarde. — O que é indispensável é que os recursos do FMI sejam adequados para fazer frente às necessidades dos seus membros, em função das circunstâncias econômicas — acrescentou.Na semana passada, Lagarde alertou para os perigos de um agravamento da crise, que pode contaminar os países emergentes.— A situação econômica não melhorou desde a reunião do G20 há três semanas, em Washington, com perspectivas de risco e sombrias — disse ela no último dia 15.<br />Japão, Coreia e EUA reclamam na OMC de aumento do imposto para carros pelo Brasil <br />O aumento de 30 pontos percentuais no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) estabelecido pelo governo brasileiro foi questionado pelo Japão, pela Coreia do Sul e pelos Estados Unidos durante a reunião do Comitê de Acesso ao Mercado da Organização Mundial do Comércio (OMC) na quinta-feira. O debate foi aberto após questionamento do Japão. O Itamaraty informou que não houve "queixa formal" dos países contra o Brasil na OMC. No entanto, a formalização ainda pode ocorrer.<br />A União Europeia e a Austrália também demonstraram "preocupação" com a medida adotada pelo governo brasileiro. Segundo o Itamaraty, o Brasil alegou que o aumento é temporário, visto que a medida vigora até dezembro do ano que vem. O Ministério das Relações Exteriores informou, ainda, que se colocou à disposição dos países que reclamaram da redução do imposto para esclarecimentos.<br />Fonte: Diário Catarinense<br />http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense<br />Celesc lança plano para investir R$ 1,75 bi<br />O governador do Estado, Raimundo Colombo, e o presidente da Celesc, Antonio Gavazzoni, anunciam nesta segunda o plano estratégico de investimento para o setor elétrico catarinense. A previsão é injetar R$ 1,75 bilhões na infraestrutura e nas áreas comerciais até 2015. <br />Os investimentos serão realizados nas 16 regionais da Celesc no Estado e contemplam o período até o final do próximo ciclo tarifário, que termina em 2015. <br />Santa Catarina é mapeada em oito regiões geoelétricas pela Celesc, que atende 262 dos 293 municípios catarinenses. Todas as oito terão algum tipo de investimento até 2015, a maior parte em infraestrutura, mas as áreas comerciais também terão aporte de recursos.<br />Mais que turismo, argentinos estão fazendo negócios em Santa Catarina<br />Desde que assumiu o consulado da Argentina no final de agosto, Emilio Julio Neffa trabalha para aumentar as relações comerciais com SC. O primeiro passo foi marcar reuniões com o governo do Estado, com a Associação Catarinense de Supermercados (Acats) e com alguns dos principais supermercadistas e importadores de SC. O segundo será a promoção, no dia 30 de novembro, de uma degustação de vinhos e alimentos gourmet no Hotel Majestic, em Florianópolis. Para o próximo ano, o consulado está programando pelo menos quatro ações inéditas com foco em ampliar as relações comerciais com SC. Em junho, o país vai participar com um estande próprio na Exposuper, em Joinville.<br />Mais de R$ 590 mi estão sendo investidos às margens da BR-101 entre Piçarras e Garuva<br />Os cem primeiros quilômetros da BR-101, entre Garuva e Balneário Piçarras mudou muito em relação a dois anos atrás.O barulho do trânsito se confunde com o das obras. Os investimentos são pesados. Somente em três empresas que se instalaram ou estão em fase de obras de sua estrutura na região – General Motors, Hyosung e Havan – o volume de investimentos bate a casa dos R$ 560 milhões.<br />Isso para ficar no da iniciativa privada. No universo público, a estimativa de custos para a construção do campus joinvilense da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) passa dos R$ 30 milhões. <br />Entre os que recém-chegaram ao Sul, o diretor de uma importadora de malas inaugurada no ano passado em Barra Velha, Robinson Amancio, define bem a sensação dos novatos. — Nós estamos onde todos querem estar<br />Fonte: Gazeta do Povo Curitiba<br />http://www.gazetadopovo.com.br<br />Mercado eleva previsão de inflação em 2012 pela 7.ª vez<br />O mercado financeiro aumentou pela sétima semana seguida sua previsão para a inflação brasileira em 2012, de 5,59 por cento na semana passada para 5,61 por cento, mostrou o relatório Focus divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira.<br />O prognóstico para a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2011 permaneceu em 6,52 por cento. A estimativa para a Selic deste ano ficou estável em 11 por cento, enquanto a de 2012 seguiu em 10,50 por cento.<br />PAC não evita piora da infraestrutura<br />Nos últimos três anos, o Brasil destinou R$ 259 bilhões a obras de infraestrutura, o que corresponde a uma média anual de 2,62% do PIB. O índice é superior às taxas observadas antes do lançamento do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que raramente iam muito além de 2%, mas não é suficiente nem mesmo para evitar a degradação da infraestrutura que já existe – a manutenções das condições atuais exige aportes de 3% do PIB ao ano, segundo o Banco Mundial. A última vez que o Brasil cumpriu esse requisito foi em 2001 (3,32%), com o impulso de fortes gastos do setor de telecomunicações.<br />“A disponibilidade de infraestrutura é um fator fundamental nas decisões de investimento do setor privado”, afirmam os economistas Antonio Lanzana e Luiz Martins Lopes, da FEA/USP, em artigo publicado em setembro no Boletim Informações Fipe, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. “Como as empresas vão investir se há deficiências nos portos, aeroportos, rodovias, risco de escassez de energia elétrica e assim por diante?”.<br />Baixo investimento “condena” o crescimento futuro do país<br />Por investir pouco, o Brasil não consegue crescer de forma sustentável, dar mais competitividade à produção industrial e nem mesmo impedir a deterioração da já precária malha de transportes. Estudiosos do assunto avaliam que, enquanto não aperfeiçoar marcos regulatórios e realizar reformas estruturais que liberem mais recursos para o investimento público e privado, o país continuará convivendo com altos custos de produção e com o recrudescimento da inflação e dos juros a cada surto de crescimento econômico.<br />O principal indicador de quanto o país investe é a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que contabiliza os recursos aplicados em obras de infraestrutura e na compra de máquinas e equipamentos industriais. De janeiro a junho, a FBCF somou R$ 356 bilhões, o equivalente a 18,1% do Produto Interno Bruto (PIB) – essa foi, portanto, a “taxa de investimento” do período. Ligeiramente inferior ao do primeiro semestre de 2010 (18,2%), o índice está bem abaixo do ideal. Estimativas indicam que, para a economia crescer 5% ao ano sem risco de inflação, a taxa de investimento deveria estar entre 23% e 25% do PIB.<br />Desde o início da série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1995, o melhor índice anual foi de 19,1%, em 2008. Se o valor investido crescer 5,6% neste ano, como prevê o Banco Central, a FBCF fechará 2011 perto de 18,7% do PIB, pouco acima da apurada em 2010 – quando a taxa de investimentos ficou em 18,4%, o que coloca o país na 112.ª posição do ranking mundial, bem atrás de países como China (que investiu 46,2% do PIB), Índia (30,2%) e Coreia do Sul (28,6%).<br />Fonte dos índices desta página: SAFRAS<br />Bolsas<br />Ibovespa <br />Variação(%)Pontos17h17min0,7955.030,00<br />Bolsas do Mundo<br />Variação(%)PontosDAX 1,296044,68FTSE 100 0,915516,21Merval 4,632717,05Nasdaq Composite 1,812667,85<br />Moedas<br />Dolar americano - Seg, 17/10/2011<br />Comercial<br />HoraCompraVenda(%)17h03min1,72801,7300-1,14<br />Turismo<br />HoraCompraVenda(%)16h01min1,67001,86000,00<br />Euro - Seg, 17/10/2011<br />Comercial<br />HoraCompraVenda(%)16h31min2,40282,40530,05<br />Turismo<br />HoraCompraVenda(%)16h01min2,32002,57000,39<br />Petróleo  <br />Barril<br />U$WTI(Nova York)87,30Brent(Londres)111,8<br />Juros às Empresas<br />%TJLP - Taxa de juros a longo prazo6%<br />

×