18 Edição | Março | 2013
a
Ministério da
Fazenda
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Balanço
2012
Perspectivas2013
3
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Sumário Executivo
Atividade Econômica
SeçãoEspecial:Investimentos
Emprego e Re...
NOTA
O Relatório “Economia Brasileira em Perspectiva”, publicado pelo
Ministério da Fazenda, consolida e atualiza as princ...
7
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SumárioExecutivo
Economiabrasileiraemprocessodeaceleração
A economia brasileir...
8
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SumárioExecutivo
anos, passando de 2,6% do PIB em 2003 para 4,4% do PIB em 201...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Atividade
Econômica
10
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
10
AtividadeEconômica
A atividade econômica brasileira vem se recuperando des...
11
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
11
AtividadeEconômica
Produto Interno Bruto (% a.a.)
O crescimento econômico ...
12
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
12
AtividadeEconômica
Ótica da Demanda: Crescimento do PIB em 2012 (% a.a. e ...
13
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
13
AtividadeEconômica
Resumo do crescimento econômico brasileiro pela ótica d...
14
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
14
AtividadeEconômica
Ótica da Oferta: Crescimento do PIB em 2012 (% a.a. e %...
15
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
15
AtividadeEconômica
Resumo do crescimento econômico brasileiro pela ótica d...
16
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
16
AtividadeEconômica
Crescimento do PIBTrimestral e Expectativas* (%T/T-4)
E...
17
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
17
AtividadeEconômica
Índice de Produção Industrial (número-índice, média 200...
18
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
18
AtividadeEconômica
Índice de Confiança da Indústria e Indicador de Estoque...
19
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
19
AtividadeEconômica
Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústri...
20
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
20
AtividadeEconômica
Índice dos Gerentes de Compras (PMI) - Brasil (número-í...
21
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
21
AtividadeEconômica
Safra Brasileira de Grãos (milhões de toneladas)
Safra ...
22
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
22
AtividadeEconômica
Valor da Produção Agrícola* (R$ bilhões)
Produção agríc...
23
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
23
AtividadeEconômica
Pesquisa Mensal do Comércio (% acum.12m.)
Vendas no var...
24
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
24
AtividadeEconômica
Formação Bruta de Capital Fixo (% do PIB)
Aumento do in...
25
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
25
AtividadeEconômica
Pesquisa sobre Ampliação de Negócios (%)
Brasil é o 3º ...
26
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
26
AtividadeEconômica
Investimento do Setor Público (% do PIB)
Investimento d...
27
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
27
AtividadeEconômica
InvestimentoTotal e PAC em 2011 e 2012 (R$ bilhões)
PAC...
28
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
28
AtividadeEconômica
Investimentos em concessões planejadas (R$ bilhões)
Pro...
29
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
29
AtividadeEconômica
Grandes programas de investimentos em infraestrutura de...
30
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
30
AtividadeEconômica
Programa de Investimentos em Logística dos Aeroportos B...
31
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
31
AtividadeEconômica
Modelagem Econômico-Financeira das Concessões das Rodov...
32
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
32
AtividadeEconômica
Tráfego deVeículos em Rodovias Concedidas (mil/km)
Cres...
33
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
33
AtividadeEconômica
Mapa Genérico doTraçado doTAV
Trem de AltaVelocidade: I...
34
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
34
AtividadeEconômica
MovimentaçãoTotal de Cargas nos Portos (milhões de tone...
35
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
35
AtividadeEconômica
Hidrelétricas a Contratar Leilões – 2013 a 2017 (MW e R...
36
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
36
AtividadeEconômica
Investimentos Brasileiros no Setor de Energia - Leilões...
37
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
37
AtividadeEconômica
Pré-Sal Brasileiro: Licitação sob Regime de Partilha de...
38
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
38
AtividadeEconômica
Principais Realizações do PAC 2 por Eixos de Ação
PAC 2...
39
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
39
AtividadeEconômica
Incentivos ao Investimento em Infraestrutura (Lei 12.43...
40
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
40
AtividadeEconômica
Redução média da tarifa de energia elétrica para os con...
41
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
41
AtividadeEconômica
Desoneração da Folha de Pagamentos** (R$ bilhões)
Deson...
42
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
42
AtividadeEconômica
Desonerações em 2013 irão superar R$ 70 bilhões
Dados e...
43
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
43
AtividadeEconômica
Tributos federais sobre a cesta básica são reduzidos a ...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Emprego e
Renda
46
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Omercadodetrabalhocontinuouoanocomumadinâmicabastanterobusta.At...
47
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Taxa de Desemprego (% PEA)
Taxa de desemprego em seu menor níve...
48
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Tempo Médio de Procura porTrabalho (semanas)
Queda no tempo de ...
49
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Taxa de Participação eTaxa de Desemprego (% PEA)
Jovens estão s...
50
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Trabalhadores Iniciantes“Qualificados”** e Admissão em Primeiro...
51
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Pessoas Ocupadas que Concluíram algum Curso de Qualificação Pro...
52
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Emprego Formal: Novos Postos deTrabalho* (milhares)
Mercado de ...
53
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Contribuintes para a Previdência Social (% da população ocupada...
54
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Evolução do Salário Mínimo Real (R$)
Salário mínimo aumenta pod...
55
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Rendimento Real, População Ocupada e Massa Salarial (%)
Rendime...
56
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Crescimento do Rendimento Real no Brasil - 2001 a 2011 (%)
Redu...
57
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Evolução da Extrema Pobreza entre os Beneficiários do Bolsa Fam...
58
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Programa deTransferência de Renda: Bolsa Família (R$ bilhões, m...
59
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Famílias Atendidas pelo Programa BolsaVerde (Milhares)
Combinaç...
60
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Crédito para Agricultura Sustentável (R$ milhões)
Investimentos...
61
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
EmpregoeRenda
Programa“Crescer”de Microcrédito Produtivo e Orientado (R$ milh...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Inflação
64
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
Metas cumpridas
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPC...
65
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
Inflação ao Consumidor - IPCA (% a.a.)
Inflação dentro da meta desde...
66
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA: Inflação e Impacto, por Grupos (% a.a. e p.p.)
A inflação de 2...
67
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA: Contribuição de Alimentos (% a.a. e p.p.)
Alimentos e Bebidas:...
68
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
Produção Brasileira de Grãos e Mandioca (mil ton)
Redução na produçã...
69
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA: Contribuição de Produtos Agrícolas (% a.a. e p.p.)
Condiçõesde...
70
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA (% a.m.)
IPCA mensal em desaceleração
Em março de 2013, a combi...
71
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA: Inflação de Bens (% a.a.)
Inflação de bens próxima da inflexão...
72
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
Índices de Inflação Encadeados (% a.m.)
Índices de inflação encadead...
73
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
Preços Agrícolas ao Produtor e Inflação ao Consumidor (% acum.3m.)
Q...
74
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
Inflação
IPCA: Impacto Direto da Redução dasTarifas de Energia Elétrica (% a....
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Juros e Crédito
76
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
O volume de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu o mo...
77
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Brasil:Taxa Real de Juros Ex-ante* (% a.a.)
Quedadataxarealdeju...
78
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Taxas de Juros: Contratos DI comVencimentos Distintos (% a.a.)
...
79
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Taxa de Juros e Prazo Médio (% a.a. e meses)
Queda da Selic e d...
80
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Taxa de Juros: Pessoa Física (p.p.)
Taxas de juros para pessoas...
81
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Spread Bancário: Pessoas Físicas e Jurídicas* (p.p.)
Spread ban...
82
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Taxas de Inadimplência (% com atraso superior a 90 dias)
Inadim...
83
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Operações de Crédito Habitacional (número-índice (2008 = 100) e...
84
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Operações de Crédito com Recursos Livres e Direcionados (R$ bil...
85
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
JuroseCrédito
Evolução dos Desembolsos (R$ bilhões)
Operações do BNDES retoma...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Política
Fiscal
88
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Em2012,apolíticafiscalfoicapazdecombinaraaçãocontracíclicacoma...
89
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Resultado Fiscal do Setor Público (% do PIB)
Crescimento econô...
90
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Resultado do Governo Central: Acima da Linha (% do PIB)
Melhor...
91
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Despesas Públicas Selecionadas (% do PIB)
Solidez das contas p...
92
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB)
Dívida líquida vem ...
93
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Composição da Dívida Pública Federal** (% do total da dívida)
...
94
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Prazo Médio da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (anos...
95
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Participação de Não-Residentes na Dívida Pública (% no total d...
96
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Resultados Esperados para a Parcela Flutuante e para a Parcela...
97
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Resultados Esperados para a Parcela de Indexados a Índices de ...
98
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PolíticaFiscal
Índice do Orçamento Aberto de 2012 (índice)
Transparência nas ...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Setor
Externo
100
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
O ano de 2012 foi marcado por diversos choques exógenos que afe...
101
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Balança Comercial Brasileira** (US$ bilhões)
Balança comercial ...
102
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Participação Percentual dos Maiores Parceiros Comerciais (% do ...
103
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Índice de Rentabilidade das Exportações (índice)
Aumenta a rent...
104
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Resultado da Conta Corrente* (US$ bilhões e % do PIB)
Déficits ...
105
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Investimento Estrangeiro Direto* (US$ bilhões)
IED encerra 2012...
106
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Países Receptores de Investimento Estrangeiro Direto (US$ bilhõ...
107
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Destinos de IED na América Latina (US$)
Cidadesbrasileirascomop...
108
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Composição do Passivo Externo (% do total)
Investimentos de lon...
109
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Investimento Estrangeiro Direto, Investimento Estrangeiro em Ca...
110
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Indicadores deVulnerabilidade Externa (% do PIB)
Baixa vulnerab...
111
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Reservas Internacionais* (US$ bilhões)
Reservas internacionais ...
112
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
SetorExterno
Taxa de Câmbio Nominal (RS/US$)
Taxa de câmbio mais equilibrada...
Economia Brasileira em
PERSPECTIVA
Ministério da
Fazenda
Panorama
Internacional
114
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PanoramaInternacional
As principais economias avançadas apresentam cenário d...
115
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PanoramaInternacional
Crescimento do PIB em Regiões Selecionadas (% a.a.)
20...
116
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PanoramaInternacional
Média de Crescimento do PIB nas Economias Mundiais: 20...
117
EdiçãoMarço|Ano2013
Ministério
da Fazenda
PanoramaInternacional
Previsões de Crescimento do PIB nas Economias Mundiais...
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)

2.524 visualizações

Publicada em

O Relatório “Economia Brasileira em Perspectiva”, publicado pelo Ministério da Fazenda, consolida e atualiza as principais variáveis econômicas do Brasil.
O documento é coordenado pela Secretaria de Política Econômica (SPE), com a contribuição dos seguintes órgãos deste Ministério: Secretaria do Tesouro Nacional (STN), Secretaria de Assuntos Internacionais (SAIN), Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) e Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). Nesta edição, os dados estão atualizados até 12 de abril de 2013.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.524
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
80
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Economia Brasileira em Perspectiva | 18 Edição (Mar/2013)

  1. 1. 18 Edição | Março | 2013 a Ministério da Fazenda Economia Brasileira em PERSPECTIVA Balanço 2012 Perspectivas2013
  2. 2. 3 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Sumário Executivo Atividade Econômica SeçãoEspecial:Investimentos Emprego e Renda Inflação Juros e Crédito Política Fiscal Setor Externo Panorama Internacional Glossário Índice 7 9 24 45 63 75 87 99 113 136
  3. 3. NOTA O Relatório “Economia Brasileira em Perspectiva”, publicado pelo Ministério da Fazenda, consolida e atualiza as principais variáveis econômicasdoBrasil. O documento é coordenado pela Secretaria de Política Econômica (SPE), com a contribuição dos seguintes órgãos deste Ministério: Secretaria do Tesouro Nacional (STN), Secretaria de Assuntos Internacionais (SAIN), Secretaria de Acompanhamento Econômico (SEAE) e Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB). Nestaedição,osdadosestãoatualizadosaté12deabrilde2013.
  4. 4. 7 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SumárioExecutivo Economiabrasileiraemprocessodeaceleração A economia brasileira começou 2013 com ritmo de crescimento mais intenso, dando prosseguimento à trajetória de aceleração verificada a partir do segundo semestre de 2012. Apesar das dificuldades que persistem na economia internacional, a economia brasileira continua crescendo gradualmente. OsfundamentosmacroeconômicosdoPaístêmpermitidoenfrentaracriseglobalsemmaioressobressaltos.Ataxade juros Selic atingiu seu mínimo histórico (7,25% a.a.). No sistema financeiro, as taxas de juros de crédito e os spreads bancárioscontinuaramacairem2012.Ovolumedecréditoterminou2012comumcrescimentode16,2%emrelação ao ano anterior, com destaque para o crédito habitacional, que aumentou 37,6%. Dopontodevistafiscal,adívidalíquidadosetorpúblicochegoua35,1%doPIBem2012,ante36,4%doanoanterior. Ao mesmo tempo, o Governo Federal tem promovido amplas desonerações tributárias. Este é o caso, por exemplo, da desoneração da folha de pagamentos, cujos benefícios já atingiram mais de 40 setores da economia. No total, as desonerações tributárias em 2012 foram superiores a R$ 40 bilhões e, para 2013, a previsão é que superem os R$ 70 bilhões, quase 2% do PIB. O programa de redução da tarifa de energia elétrica já está gerando aumento da competitividade das empresas e ampliação da renda disponível das famílias. A desoneração da cesta básica também se soma aos esforços do Governo Federal para promover maior justiça tributária. O amplo programa de concessões em aeroportos, rodovias, ferrovias e portos também será fundamental para a superaçãodegargalosnainfraestruturadetransportesdoPaís,comaumentodaqualidadedosserviçosereduçãode custosdaproduçãoedistribuição.Ênfasetambémnodesenvolvimentodosmercadosdecapitaisdelongoprazo,com destaque para as debêntures e FDICs de investimento e de infraestrutura. Por outro lado, o investimento do setor público em Formação Bruta do Capital Fixo tem se ampliado nos últimos
  5. 5. 8 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SumárioExecutivo anos, passando de 2,6% do PIB em 2003 para 4,4% do PIB em 2012. O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2), por sua vez, continua sendo instrumento essencial para garantir que o investimento se mantenha como uma das principais forças impulsionadoras do desenvolvimento. Como resultado dessas ações de política econômica, o ano de 2013 começa com comportamento positivo, houve melhora na confiança dos empresários, aumento do nível de utilização da capacidade instalada e estoques em níveis mais baixos. Os últimos resultados da produção industrial atestam que o ano de 2013 começa bem.
  6. 6. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Atividade Econômica
  7. 7. 10 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 10 AtividadeEconômica A atividade econômica brasileira vem se recuperando desde o final de 2012. Os primeiros indicadores de 2013 apontamparaacontinuidadedoprocessoderetomadadocrescimentoeconômico,comperspectivadeintensificação ao longo do ano. OGovernovemadotandoumconjuntodemedidasquevisamaumentaracompetitividadedasempresasnacionais.Os investimentos em infraestrutura por meio do PAC e do programa de concessões para ferrovias, rodovias e aeroportos, a ampliação da desoneração da folha de pagamentos, o programa de redução do preço da energia elétrica e o novo regime automotivo (2013-2017) são exemplos do compromisso do governo com o crescimento sustentável, puxado pelo aumento do investimento e da produtividade. Atividadeeconômicaemrecuperaçãogradual
  8. 8. 11 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 11 AtividadeEconômica Produto Interno Bruto (% a.a.) O crescimento econômico brasileiro em 2012 O PIB brasileiro cresceu 0,9% em 2012, inferior às expansões de 2,7%, em 2011, e 7,5% em 2010. O crescimento trimestral de 2012 mostra retomada do crescimento ao longo do ano, de 0,1% no 1º trimestre para0,6%noúltimo.Oimpactodacriseinternacionaleoprocessodeajustedeestoquesnaindústriaforam determinantes para o resultado da economia no ano passado. Mesmo assim, o País gerou 1,3 milhão de postos de trabalho com carteira assinada e o desemprego atingiu o nível mais baixo da série. Ao contrário de 2012, a economia começa 2013 em melhores condições, com aceleração em ritmo moderado. -1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 1,1 5,7 3,2 4,0 6,1 5,2 -0,3 7,5 2,7 0,9 2012201120102009200820072006200520042003 Dados em: % anual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  9. 9. 12 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 12 AtividadeEconômica Ótica da Demanda: Crescimento do PIB em 2012 (% a.a. e %T/T-1, dessazonalizado) O crescimento econômico brasileiro pela ótica da demanda O Consumo das Famílias cresceu 3,1% e contribuiu com 1,8 p.p. para o crescimento econômico de 2012. A expansãodamassasalarialreal,a redução dataxade jurose osestímulos governamentais,como aredução deIPI,contribuírampositivamenteparaodinamismodoconsumo.Destaqueparaoelementoanticíclicodo Consumo do Governo, que cresceu em linha com a média histórica dos últimos dez anos (3,1%). Dados em: % anual, % trimestralemrelaçãoaotrimestre anterior, com ajuste sazonal Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda (%T/T-1, com ajuste sazonal) Crescimento Anual 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV Em % PIB a preços de mercado 0,1 0,3 0,4 0,6 0,9 Despesa de consumo das famílias 0,9 0,7 1,0 1,2 3,1 Despesa de consumo da administração pública 1,5 1,2 0,0 0,8 3,2 Formação bruta de Capital Fixo (-) 2,2 (-) 0,9 (-) 1,9 0,5 -4,0 Exportação de bens e serviços 0,8 (-) 3,5 0,3 4,5 0,5 Importação de bens e serviços (-) 0,8 (-) 0,3 (-) 7,5 8,1 0,2
  10. 10. 13 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 13 AtividadeEconômica Resumo do crescimento econômico brasileiro pela ótica da demanda -6 -4 -2 0 2 4 6 8 10 12 0.5 0.5 0.0 0.9 0.1 0.1 0.6 0.6 0.4 201220112010200920082007 Var. Estoque Importações Exportações Fbcf PIB Consumo Do GovernoConsumo Das Famílias 0,5 0,5 1,3 1,0 0,0 0,9 0,1 1,3 0,5 0,12,3 2,4 3,9 0,91,0 0,6 0,6 0,9 0,43,7 3,4 2,6 4,2 2,4 1,8 -2,1 -0,4 -0,9 -2,3 -1,8 -4,0 -1,2-1,2 -1,3 -0,8 6,1 5,2 -0,3 7,5 2,7 0,9 0,7 PIB (% a.a.) Estoques (p.p.) Exportação (p.p.) FBCF (p.p.) Consumo do Governo (p.p.) Consumo das Famílias (p.p.) Importações (p.p.) Dados em: % anual, ponto percentual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  11. 11. 14 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 14 AtividadeEconômica Ótica da Oferta: Crescimento do PIB em 2012 (% a.a. e %T/T-1, dessazonalizado) O crescimento econômico brasileiro pela ótica da oferta O desempenho do PIB brasileiro em 2012 foi bastante influenciado pelo aumento da atividade do Setor de Serviços, com crescimento de 1,7% e contribuição de 0,9 p.p. no PIB total. Por outro lado, o setor agropecuário apresentou queda de 2,3%, em decorrência de condições climáticas adversas. Considerando as boas perspectivas para a safra 2012/2013, esse setor apresentará desempenho positivo em 2013. Dados em: % anual, % trimestralemrelaçãoaotrimestre anterior, com ajuste sazonal Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda (%T/T-1, com ajuste sazonal) Crescimento Anual 2012.I 2012.II 2012.III 2012.IV Em % Agropecuária -7,6 5,8 2,1 -5,2 -2,3 Indústria 1,2 -2,2 0,8 0,4 -0,8 Serviços 0,6 0,5 0 1,1 1,7
  12. 12. 15 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 15 AtividadeEconômica Resumo do crescimento econômico brasileiro pela ótica da oferta -2 -1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 1.1 1.1 0.0 0.21.3 2.4 201220112010200920082007 1,1 1,1 1,6 3,5 2,8 1,2 3,2 0,9 1,3 1,0 2,4 0,2 0,3 0,3 -0,2 -0,1-1,3 -0,2 1,6 0,4 0,2 Agropecuária Indústria Serviços Impostos PIB 0,0 0,6 0,2 6,1 5,2 7,5 2,7 0,9-0,3 PIB (% a.a.) Impostos (p.p.) Serviços (p.p.) Indústria (p.p.) Agricultura (p.p.) Dados em: % anual, ponto percentual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  13. 13. 16 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 16 AtividadeEconômica Crescimento do PIBTrimestral e Expectativas* (%T/T-4) Economia brasileira se recuperando A economia brasileira vem se recuperando nos últimos trimestres, encerrando o 4º trimestre de 2012 com crescimento de 1,4% em relação ao mesmo período em 2011. As expectativas de mercado mostram que a tendência de expansão do PIB deve continuar ao longo de 2013. 0 1 2 3 4 4T/13*3T/13*2T/13*1T/13*4T/123T/122T/121T/12 0,8 0,5 0,9 1,4 3,0 3,3 3,4 Crescimento do PIB Trimestral e Expectativas* 2,5 PIB efetivo Expectativas do PIB* Dados em: % trimestral em relação ao mesmo trimestre do ano anterior * Boletim de mercado Focus (15 de março de 2013) Fonte:IBGEeBancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  14. 14. 17 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 17 AtividadeEconômica Índice de Produção Industrial (número-índice, média 2002=100) Produção de Bens de Capital teve alta de 10,9% no acumulado do ano Aproduçãoindustrialnomêsdefevereirode2013apresentoureduçãode-2,5%,emvirtudedemenosdias úteis no mês (17 d.u.). Ressalte-se que os indicadores antecedentes já indicam melhora, o que deve refletir retomada da atividade produtiva nos próximos meses após a adoção pelo Governo de amplo conjunto de medidas ao longo de 2012. 90 100 110 120 130 140 Fev 2013 Fev 2012 Fev 2011 Fev 2010 Fev 2009 Set2008 Fev 2008 -2.8 125,49 103,81 131,45130,55 128,76 130,76 124,03 Dados em: número-índice, com ajuste sazonal (média 2002=100) Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  15. 15. 18 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 18 AtividadeEconômica Índice de Confiança da Indústria e Indicador de Estoques* Confiança em alta e ajustes no estoque da indústria Desde meados de 2012, a tendência de alta na confiança dos empresários industriais no Brasil vem mais intensa, corroborada agora nos indicadores coincidentes do início de 2013. A redução no nível de estoques da indústria brasileira indica maior estímulo à produção industrial. 100 101 102 103 104 105 106 107 102.3 Fev 2013 Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Sep 2012 Aug 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Índice de confiança da indústria 102,5 103,0 103,3 103,4 103,2 102,7 104,1 105,0 106,0 105,2 106,4 106,5 106,6 102,3 Estoques da Indústria Geral 94 96 98 100 102 104 106 108 110 Fev 2013 Jan 2013 Nov 2012 Sep 2012 Jul2012 M ai2012 M ar2012 Jan 2012 Nov 2011 Sep 2011 Jul2011 M ai2011 M ar2011 Jan 2011102,3 101,2 100,5 99,6 101,6 102,0 104,4 108,0 107,9 108,5 107,8 108,0 105,1 104,3 103,5 102,7 104,6 103,1 104,4 103,9 104,0 101,5 101,6 101,3 101,1 101,2 Índice de Confiança da Indústria Indicador de Estoques Dados em: Índice, com ajuste sazonal * Para o nível de estoques, o índice é calculado a partir da diferença entre a proporção de respostas“nível de estoques insuficientes” e a proporção de respostas “nível de estoques excessivos” Fonte:FGV Elaboração:MinistériodaFazenda
  16. 16. 19 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 19 AtividadeEconômica Nível de Utilização da Capacidade Instalada da Indústria - NUCI (%) Utilização da capacidade instalada mostra recuperação consistente A retomada de crescimento da produção industrial esperada para 2013 pode ser aferida pela evolução da utilização da capacidade instalada. O NUCI-CNI atingiu o patamar de 84,0% em janeiro de 2013, segundo maior aumento desde 2003, ao passo que o NUCI-FIESP cresce consecutivamente há três meses (82,6% em janeiro). Já o NUCI-FGV, apesar do leve recuo em fevereiro, está em 84,1%, acima da média de 83,9% observada no ano passado. 84,1 84,0 82,6 75 77 79 81 83 85 87 89 Fev 2013 Ago 2012 Fev 2012 Ago 2011 Fev 2011 Ago 2010 Fev 2010 Ago 2009 Fev 2009 Ago 2008 Fev 2008 -2.8 NUCI - FGV NUCI - CNI* NUCI - FIESP** NUCI - FGV NUCI - Fiesp* NUCI - CNI Dados em: % * Abrange apenas a indústria do Estado de São Paulo Fonte:FGV,FiespeCNI Elaboração:MinistériodaFazenda
  17. 17. 20 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 20 AtividadeEconômica Índice dos Gerentes de Compras (PMI) - Brasil (número-índice) Indicadores de Gerentes de Compras também mostram expansão Outro indicador que demonstra sinais de recuperação da atividade econômica brasileira é o Índice de GerentedeCompras(PMI),tantoemsuaversãorelacionadaàsmanufaturas,quantoaosdadosrelacionados aos serviços. Ambos, acima dos 50 pontos, indicam expansão desde o último trimestre de 2012. 45,00 46,75 48,50 50,25 52,00 53,75 55,50 57,25 59,00 Fev 2013 Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 Nov 2011 O ut2011 Set2011 Ago 2011 Jul2011 Jun 2011 M ai2011 Abr2011 M ar2011 Fev 2011 Jan 2011 52,50 52,10 50 Expansão Contração PMI Brasil Serviços PMI Brasil Manufaturas PMI serviços PMI indústria Dados em: número-índice Valores acima de 50 indicam crescimento Fonte:Bloomberg Elaboração:MinistériodaFazenda
  18. 18. 21 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 21 AtividadeEconômica Safra Brasileira de Grãos (milhões de toneladas) Safra Brasileira em 2013 será recorde Em2013,asafrabrasileiradegrãosserárecorde,atingindo185milhõesdetoneladas(11,3%deexpansão), fortemente influenciada por ganhos de produtividade e melhores condições climáticas. A tendência crescente da produção agropecuária é estimulada pelas condições do mercado externo favoráveis para commodities e aumento dos investimentos nesse setor. 0 50 100 150 200 2012/2013* 2011/2012 2010/2011 2009/2010 2008/2009 2007/2008 2006/2007 2005/2006 2004/2005 2003/2004 2002/2003 2001/2002 2000/2001 1999/200083,0 100,3 96,8 123,2 119,1 114,7 122,5 131,8 144,1 135,1 149,3 162,8 166,2 185,0 11,3% * Previsões Conab Dados em: milhões de toneladas Fonte:Conab Elaboração:MinistériodaFazenda
  19. 19. 22 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 22 AtividadeEconômica Valor da Produção Agrícola* (R$ bilhões) Produção agrícola deverá crescer 16% em valor OValorBrutodaProdução(VBP)das20principaisculturasagrícolasdopaísdeveráalcançarorecordedeR$ 277,2bilhõesem2013(98%dototal),conformeestimativasdoMinistériodaAgricultura.Adicionalmente, as culturas de soja, cana e milho, responsáveis por 60% do VPB de 2013, devem apresentar aumento de 13,7% em relação ao resultado de 2012, enquanto a produção agrícola deverá crescer 16% em valor. 0 20 40 60 80 100 Feijão Laranja Café Milho Cana Soja 0 50 100 150 200 250 300 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 184,1 156,0 155,8 177,2 203,1 193,8 199,5 230,0 243,9 283,516,2% 2013*2012 89,3 46,5 39,9 15,4 18,8 10,0 68,3 43,2 33,9 19,1 12,3 7,5 Valor Bruto da Produção Safra brasileira Expectativas da safra para 2013 2012 2013** Dados em: R$ bilhões *VPB das 20 principais culturas do País ** Expectativas Fonte:MAPA,IBGE,FGVeCepea/Esalq/USP Elaboração:MinistériodaFazenda
  20. 20. 23 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 23 AtividadeEconômica Pesquisa Mensal do Comércio (% acum.12m.) Vendas no varejo retomam maior crescimento A expansão de 7,4% do comércio varejista nos últimos 12 meses denota o vigor do mercado de trabalho e do crédito. Na comparação mensal, em fevereiro de 2013, houve uma pequena queda no volume de venda (-0,4%),enquantoasreceitasdocomérciocontinuaramatrajetóriaascendentepelononomêsconsecutivo. Destaque para o crescimento de 5,2% em“Equipamentos e Material para Escritório”na variação mensal. 7,4 7,8 0 2 4 6 8 10 12 14 PMC Ampliada PMC Set2012 Jul2012 M ai2012 M ar2012 Jan 2012 Nov 2011 Set2011 Jul2011 M ai2011 M ar2011 Jan 2011 Nov 2010 Set2010 Jul2010 M ai2010 M ar2010 Jan 2010 Nov 2009 Set2009 Fev 2013 PMC Ampliado* PMC Dados em: % acumulado em 12 meses * Inclui veículos, motos, partes e peças, e material de construção Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  21. 21. 24 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 24 AtividadeEconômica Formação Bruta de Capital Fixo (% do PIB) Aumento do investimento como prioridade do Governo Paranovociclodecrescimentoeconômicosustentável,éprecisoaindamaisfoconoinvestimento,prioridade do Governo nos últimos anos. Dessa vez, caberá aos investimentos em infraestrutura o papel central na agenda das políticas públicas. Isto levará crescimento mais intenso na Formação Bruta do Capital Fixo do País, com consequente maior participação no PIB nos próximos anos. 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 18,3 16,9 17,4 17,0 15,7 16,8 17,0 16,4 15,3 16,0 16,4 17,4 19,1 18,1 19,5 19,3 18,1 16,1 Programa de Infraestrutura PAC 1 PAC 2 Crise Crise 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 Dados em: % do PIB Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  22. 22. 25 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 25 AtividadeEconômica Pesquisa sobre Ampliação de Negócios (%) Brasil é o 3º País mais citado para a ampliação de novos negócios Pesquisa com mais de mil executivos internacionais* aponta o Brasil como o 3º país mais citado pelos empresários sobre onde planejam ampliar seus negócios nos próximos 12 meses. O País é suplantado apenas por China e EUA. 0 5 10 15 20 25 30 35 Japão Canadá Reino Unido Indonésia Rússia Índia Alem anha Brasil EUA China 5%5%6%7%8%10%12%15%23%31% Dados em: % * Pesquisa da PricewaterhouseCoopers com 1330 CEOs Fonte:PricewaterhouseCoopers Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  23. 23. 26 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 26 AtividadeEconômica Investimento do Setor Público (% do PIB) Investimento do setor público se amplia Oinvestimentodosetorpúblicotemseampliadonosúltimosanos,passandode2,6%doPIBem2003para 4,4% do PIB em 2012. 0 1 2 3 4 5 2012* 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 0,2 0,1 1,1 1,2 0,2 0,2 1,0 1,2 0,3 0,1 1,0 1,2 0,4 0,2 1,0 1,4 0,4 0,3 1,1 1,1 0,5 0,4 1,4 1,4 0,6 0,4 1,8 1,4 0,8 0,4 1,9 1,6 0,6 0,3 1,7 1,4 0,6 0,5 2,0 1,4 4,4 Estados e Municípios(Rec. Próprios) Estatais Federais Estados e Municípios (Trans. União) União Estatais federais Estados e municípios (recursos próprios) Estados e municípios (Transferências da União) União Dados em: % do PIB Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  24. 24. 27 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 27 AtividadeEconômica InvestimentoTotal e PAC em 2011 e 2012 (R$ bilhões) PAC 2 acelerando o ritmo dos investimentos OinvestimentototaldoGovernoFederalcresceu13,7%em2012,emcomparaçãocom2011.Destaquepara a elevação dos investimentos no âmbito do PAC 2, os quais apresentaram em 2012 alta de 40,3%. Isso se transformaemaumentodaatividadeeconômicaedacapacidadeprodutivadopaís.Para2013,atendência é que o ritmo de crescimento dos investimentos continue. 2011 2012 Investimento total (inclui MCMV) PAC 0 10 20 30 40 50 60 20122011 0 10 20 30 40 50 60 20122011 52,6 59,8 28,0 39,3 40,3% 13,7% 2011 2012 Dados em: R$ bilhões Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  25. 25. 28 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 28 AtividadeEconômica Investimentos em concessões planejadas (R$ bilhões) Programas de investimentos O País reúne condições promissoras para investimentos nas diversas modalidades de infraestrutura. Serão R$ 470 bilhões de investimentos previstos com as novas concessões anunciadas em 2012. Investimentos em concessões planejadas R$ bilhões Logística 242,0 Energia Elétrica 148,1 Petróleo e Gás 80,0 Total 470,1 Dados em: R$ bilhões Fonte:MinistériodosTransportes, MinistériodasMinaseEnergia, EPLeANEEL Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  26. 26. 29 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 29 AtividadeEconômica Grandes programas de investimentos em infraestrutura de logística Ferrovias 91,1 bilhões 18,7 bilhões 42,0 bilhões 35,6 bilhões 54,6 bilhões Trem de Alta Velocidade (TAV) Rodovias Aeroportos Meta física: 2 aeroportos internacionais (R$ 11,4 bi) 270 aeroportos regionais (R$ 7,3 bi - 1ª etapa) 19 empreendimentos já concluídos Portos Meta física: 7.500 km 1.479 km obras já concluídas Meta física: 10.000 km 459 km obras já concluídas Meta física: 511 km Meta física: 159 portos 15 empreendimentos concluídos Dados em: km, unidades, R$ bilhões Fonte:MinistériodosTransporteseEPL Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  27. 27. 30 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 30 AtividadeEconômica Programa de Investimentos em Logística dos Aeroportos Brasileiros (número de aeroportos e R$ bilhões) Aeroportos regionais receberão R$ 7,3 bi em investimentos AlémdoleilãodeconcessãodosaeroportosinternacionaisdeGaleãoeConfins(2ºsemestrede2013),oPrograma de Investimentos em Logística dos Aeroportos Brasileiros também contempla o fomento da aviação regional, cuja primeira etapa consiste em investimento de R$ 7,3 bilhões em 270 aeroportos regionais. Isso permitirá aperfeiçoaraqualidadedoserviçoprestadoaopassageiro,agregarnovosaeroportosàrededetransporteaéreo regulareaumentaronúmeroderotasoperadaspelasempresasaéreas. Aviação Regional: Fase 1:Investimentos de R$ 7,3 Bilhões Região Número de Aeroportos Investimento Previsto (R$ bi) Norte 67 1,7 Nordeste 64 2,1 Centro-Oeste 31 0,9 Sudeste 65 1,6 Sul 43 1,0 TOTAL 270 7,3 Já Concedido Brasília R$ 2,85 bi Guarulhos R$ 4,70 bi Viracopos R$ 8,70 bi Galeão R$ 6,60 bi Confins R$ 4,80 bi A Conceder Concessões de Aeroportos Internacionais: Investimentos Planejados de R$ 34,9 Bilhões Dados em: número de aeroportos e R$ bilhões Fonte:SecretariadaAviaçãoCivil Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  28. 28. 31 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 31 AtividadeEconômica Modelagem Econômico-Financeira das Concessões das Rodovias Novas regras de concessão para rodovias As novas regras para as futuras concessões de rodovias trazem mais vantagens aos investidores com taxa de retorno compatível com seus investimentos. Além disso, as empresas terão que gastar menos com as garantias, o que habilita mais facilmente o ingresso das empresas na concorrência pública. O prazo de concessão passa de 25 para 30 anos, a carência sobe de até 3 para 5 anos e o prazo total do financiamento aumenta de 20 para 30 anos. Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda Modelagem econômico-financeira Condição Anterior Nova Condição Prazo de concessão 25 anos 30 anos Estimativa da expansão média anual da demanda 5,0% 4,0% Estrutura de garantias Fiança bancária/ corporativa / Project Finance Project finance (maior facilidade de garantias) Prazo de carência Até 3 anos 5 anos Prazo total do financiamento Até 20 anos 25 anos Taxa de juros TJLP + 1,5% TJLP + até 1,5% (dependendo do rating do tomador) Empréstimos-ponte Mantidas as condições (inéditas) de custo do empréstimo ponte iguais ao empréstimo de longo prazo Outras condições do financiamento PatrimônioLíquido≥1,3dototalfinanciado AtivosTotais≥2,8dototalfinaciado PatrimônioLíquido≥1,0dototalfinanciado AtivosTotais≥2,0dototalfinaciado Investimentos
  29. 29. 32 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 32 AtividadeEconômica Tráfego deVeículos em Rodovias Concedidas (mil/km) Crescente tráfego de veículos nas rodovias brasileiras Os investimentos nas rodovias são essenciais para fazer face ao crescente volume de tráfego de veículos e delicenciamentodeveículosnovos,incluindoônibus,caminhões,comerciaisleveseautomóveisportodoo Brasil. A média do tráfego de veículos nas estradas brasileiras passou de cerca de 50 mil por km no período 2000-2003 para mais de 90 mil no período 2009-2012. 0 20.000 40.000 60.000 80.000 100.000 120.000 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 Média: 90,3 mil/km Média: 51,6 mil/km Dados em: mil/km Fonte:ABCR Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  30. 30. 33 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 33 AtividadeEconômica Mapa Genérico doTraçado doTAV Trem de AltaVelocidade: Investimentos de R$ 35,6 bilhões O projeto doTrem de AltaVelocidade (TAV) terá investimentos, a preços de 2008, de R$ 35,6 bilhões (entre planejamento executivo e obras de infraestrutura, sistemas e trens). Na 1ª fase do leilão, será escolhida a operadora do trem, que fará investimento de R$ 8,7 bilhões. Após a 1ª etapa, será definido o modelo para a realização das obras de infraestrutura, estimadas em R$ 26,9 bilhões. A data limite para o início do funcionamento doTAV é junho de 2020. Viracopos Galeão Guarulhos São Paulo Campinas Rio de Janeiro Fonte:ANTTeEPL Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  31. 31. 34 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 34 AtividadeEconômica MovimentaçãoTotal de Cargas nos Portos (milhões de toneladas) Crescimento intenso do movimento em portos FrenteaofluxomaisintensodecomérciointernacionaldoBrasil,osubstancialcrescimentodamovimentação de cargas pelos portos brasileiros justifica os investimentos previstos para o setor. A média de carga transportada passou de 633,4 milhões de toneladas, entre 2003 e 2006, para 838,6 milhões de toneladas no período 2010-2012, crescimento superior a 30%. 500,000 550,000 600,000 650,000 700,000 750,000 800,000 850,000 900,000 950,000 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 Média: 633,4 milhões de toneladas Média: 838,6 milhões de toneladas Dados em: milhões de toneladas Fonte:ANTAQ Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  32. 32. 35 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 35 AtividadeEconômica Hidrelétricas a Contratar Leilões – 2013 a 2017 (MW e R$ bilhões) Projetos de geração de energia elétrica ficam mais atrativos Os leilões de energia elétrica contribuirão para investimentos em geração de energia hidrelétrica de aproximadamente R$ 80 bilhões entre 2013 e 2017. As modalidades serão as seguintes: 1) Leilões de EnergiaNovaA-3eA-5:atendimentoaocrescimentodademanda;2)LeilõesdeReserva:garantiademaior segurançadeabastecimento;3)LeilõesdeProjetosEstruturantes:condiçõesespeciais.Oslicitantespoderão ser: 1) Companhias públicas ou privadas; 2) Empresas nacionais ou estrangeiras. Previsão de Leilão Potência Total(MW) Investmento Total (R$bi.) 1.407 6,2 7.241 24,4 3.249 12,4 1.117 5,3 8.407 31,5 Total 21.421 79,8 2016 2015 2013 2017 2014 Dados em: MW e R$ bilhões Fonte:MMEeEPL Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  33. 33. 36 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 36 AtividadeEconômica Investimentos Brasileiros no Setor de Energia - Leilões de 2013 a 2017 (MW e R$ bilhões) Setordeenergia:investimentosdeR$148,1bientre2013e2017 Alémdosleilões parageraçãodeenergiahidrelétrica,tambémhaveráleilõesparaoutrasfontesrenováveis deenergia(R$37,9bi)eparatermelétricas(R$2,9bi),totalizandoinvestimentosdeR$120,6bilhões.Para os investimentos em transmissão de energia, os valores chegarão a R$ 27,5 bilhões até 2017, totalizando investimentos da ordem de R$ 148,1 bilhões no setor brasileiro de energia. Dados em: MW e R$ bilhões Fonte:EPEeEPL Elaboração:MinistériodaFazenda Geração de Energia Elétrica a Contratar nos Leilões 2013/ 2017 Fontes Total Previsto (MW) Investimento (R$ bilhões) Hidrelétrica 21.421 79,8 OutrasFontesRenováveis(Eólica,BiomassaePCH) 10.050 37,9 Termelétrica (Gás Natural) 1.500 2,9 Total 32.971 120,6 Estimativa de Investimentos /Transmissão de Energia Elétrica Leilão Extensão (km) Investimento (R$ bilhões) 2013 Investimentos 9.130 10,5 2014- 2017 Empreendimentos Definidos 9.497 11,0 Outros Empreendimentos 4.573 6,0 Total 23.200 27,5 Total 148,1 Investimentos
  34. 34. 37 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 37 AtividadeEconômica Pré-Sal Brasileiro: Licitação sob Regime de Partilha de Produção (bilhões de barris de óleo equivalente) Primeira rodada da partilha de produção do Pré-Sal DandoaindamaisimpulsoaosnegóciosdeexploraçãoeproduçãodepetróleonoBrasil,oPré-Salentrará em sua 1ª rodada da partilha de produção do Pré-Sal. Para isso, o principal critério de julgamento das ofertas será o maior excedente em óleo para a União. A Petrobras será a operadora com o mínimo de 30% de participação. Limites do Pré-Sal Volume estimado de recuperação Libra 4 a 8 bi boeFranco 2,0 a 5,5 bi boe Florim 0,1 a 0,4 bi boe Sul de Guará 0,1 a 0,3 bi boe Peroba 1,1 a 1,8 bi boe Sul e NE de Tupi 0,5 a 0,7 bi boe Enatorno de Lara 0,6 a 0,8 bi boe Lula 8,3 bi boe Lara 3 a 4 bi boeSapinhoá 2,1 bi boe Pão de Açúcar 1,2 bi boe Parque das Baleias 1,5 a 2 bi boe Rio de Janeiro São Paulo VitóriaÁrea Polígono: 149 mil Km² Área de Concessão: 42 mil Km² (28%) Área de Cessão: 3,74 mil Km² (2,5%) Volumes Estimados:27,5 a 35,1 bilhões boe Reservas Provadas(2011): 17,9 bilhões boe Dados em: bilhões de barris de óleo equivalente Fonte:MMEeANP Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  35. 35. 38 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 38 AtividadeEconômica Principais Realizações do PAC 2 por Eixos de Ação PAC 2: ações concluídas já representam 46,4% do total O PAC 2 já concluiu empreendimentos no montante de R$ 328,2 bilhões, o que equivale a 46,4 % do valor das ações previstas para o período 2011-2014. No eixo “Minha Casa, Minha Vida” , as ações concluídas somam R$ 188,1 bilhões, seguido do eixo“Energia”, com R$ 108,1 bilhões. R$ 328,2 bilhões 46,4% do total Minha Casa, MinhaVida: R$ 188,1 bi Água e Luz para Todos: R$ 3,2 bi Transportes: R$ 27,7 bi Energia: R$ 108,1 bi Cidade Melhor: R$ 1,1 bi Fonte:MinistériodoPlanejamento Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  36. 36. 39 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 39 AtividadeEconômica Incentivos ao Investimento em Infraestrutura (Lei 12.431 e outras) Governo Federal incentiva investimentos em infraestrutura O Governo Federal criou uma série de incentivos para o desenvolvimento do mercado de crédito privado, o que cada vez mais irá financiar os grandes projetos de investimentos por meio de emissões de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) e debêntures. Incentives to Investments in Infrastructure (Bill 12,433/11 and Bill 11,312/06) Brazilian Infrastructure Bonds and CreditRightsInvestmentFunds (FIDC) • 0% rate in income tax applied to non-residents and individuals; and 15% rate to corporations • 0% rate in financial operation tax applied to non-residents Brazilian Infrastructure Investment Funds •Sametaxtreatmentasinfrastructurebonds • Conditions: investment of 67% of the Brazilian Infrastructure Investment Funds portfolio in the first 2 years and 85% after that InvestmentFundinInfrastructureQuotas (FIP-IE) • 0% rate applied to individuals’ and non-residents’ yields • 15% rate applied to corporations’ yields Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  37. 37. 40 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 40 AtividadeEconômica Redução média da tarifa de energia elétrica para os consumidores das distribuidoras (kV e %) Substancialreduçãodatarifadeenergia Dentre as medidas voltadas para o aumento da competitividade das empresas, tem-se a queda no preço de energia. Para as famílias, a redução média chegou a 18,4% e para os consumidores de alta tensão A1, o descontomédiochegoua26,23%,alcançando32,37%paraocasodaConcessionáriaCemar,doMaranhao. Para empresas 32%18% Para famílias Grupo Tarifa Nível deTensão Redução de Preço daTarifa (%) Consumidores de AltaTensão A1 230 kV ou mais -26,23% A2 88 a 138 kV -23,27% A3 69 kV -24,53% A3a 30 a 44 kV -20,42% A4 2,3 a 25 kV -20,04% AS Subterrâneo -18,41% BaixaTensão B inferior a 2,3 kV -18,40% Média 20,2 Dados em: kV e % Fonte:ANEEL Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  38. 38. 41 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 41 AtividadeEconômica Desoneração da Folha de Pagamentos** (R$ bilhões) Desoneração da folha de pagamentos atinge 40 setores A desoneração da folha de pagamentos, cujo objetivo é fortalecer a competitividade das empresas e estimular o emprego formal, já está beneficiando 42 setores da economia. Incluindo a esta lista os setores de varejo e de construção civil, que terão início em abril de 2013, a desoneração da folha soma R$16,0 bilhões em 2013. Estimativas para 2013 (R$ bilhões) ANTES: Contribuição sobre a folha de pagamentos NOVA MEDIDA: Contribuição sobre o faturamento (1% a 2%) Desoneração 40 Setores 21,63 8,70 12,83 Construção Civil* 4,19 2,29 1,90 Varejo* 3,80 2,52 1,27 TOTAL 29,62 13,51 16,0 Dados em: R$ bilhões * Início em 1 de abril de 2013 ** Estimativas para 2013 Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  39. 39. 42 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 42 AtividadeEconômica Desonerações em 2013 irão superar R$ 70 bilhões Dados em: R$ bilhões *Correspondea75%dopotencial para 2012 e 2013, pois o último pedido de restituição trimestral do ano corrente (2012 e 2013) ocorre no período seguinte (2013 e 2014, respectivamente). Ou seja, em 2014, o valor de R$ 2,7 bilhões refere-se a impacto residual de 2013. Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos Medidas Impacto (em R$ bilhões) 2012 2013 2014 Redução da CIDE para zero para gasolina e diesel 8,9 11,4 11,4 Redução do IPI (automóveis, caminhões, material de construção, linha branca, BK, móveis, papel de parede etc.) 8,5 11,8 7,1 Redução para zero do prazo de apropriação dos créditos de PIS/ COFINS sobre aquisição de bens de capital 7,6 - - Aumento dos limites das faixas de tributação do SIMPLES e MEI 5,7 5,9 6,5 REINTEGRA -Regime Especial de Reintegração deValores Tributários para Empresas Exportadoras * 3,4 3,4 2,7 Desoneração da folha de pagamentos 3,8 16,0 24,7 Redução do IOF sobre operações de crédito pessoa física (de 3% para 1,5%) 2,8 3,6 3,6 Alíquota zero de PIS/COFINS sobre trigo e massas 1,1 0,6 - Banda Larga -Redes 0,5 1,0 1,0 Desoneração da Cesta Básica - 5,5 8,2 Aumento do Limite do Lucro Presumido - - 1,0 Demais 2,2 10,9 22,0 TOTAL 44,5 70,1 88,2
  40. 40. 43 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda 43 AtividadeEconômica Tributos federais sobre a cesta básica são reduzidos a zero Açúcar Café Produtos desonerados pela MP n. 609/2013 Açúcar Café, mesmo torrado ou descafeinado; suas essências extratos e concentrados, incluindo o café solúvel Carne bovina, suína e de aves, fresca, refrigerada ou congelada Carne de ovinos e caprinos frescas,refrigeradas ou congeladas Fios dentais e preparações de higiene bucal, Papel higiênico Óleos de soja não quimicamente modificáveis; ainda, azeite e óleos como amendoim, dendê, amêndoa, girassol Açúcares de cana ou de beterraba e sacarose quimicamente pura, no estado sólido, exceto açúcares brutos sem adição de aromatizantes ou de corantes Sabões de toucador (de uso não medicinal) Manteiga e Margarina, exceto líquida Peixes frescos, refrigerados ou congelados Produtos já desonerados (Lei n. 10.925/2004) Massas alimentícias, mesmo cozidas ou recheadas (de carne ou de outras substâncias) ou preparadas de outro modo Leite, Soro de Leite, Bebidas e Compostos Lácteos e de Milho Produtos Hortícolas, Frutas e Ovos Pré mistura para fabricação de pão comum e pão comum Farinha,Grumos, Sêmolas, Grãos esmagados ou em Flocos Formulas Infantis Farinha de Trigo Feijão Queijos Arroz Farinha de Mandioca Arroz Café Dados em: produtos Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda Investimentos
  41. 41. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Emprego e Renda
  42. 42. 46 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Omercadodetrabalhocontinuouoanocomumadinâmicabastanterobusta.Ataxadedesempregode4,6%,registrada em dezembro de 2012, foi a menor da série histórica e a taxa de janeiro de 2013 (5,4%) foi a menor taxa para o mês desde o início da série. A geração de empregos formais continuou com números consideráveis, atingindo 1,3 milhão denovasvagasem2012. Além do aumento do emprego, nota-se uma melhoria na qualidade dos postos de trabalho com aumento da escolaridadedapopulaçãoocupadaecrescimentodoníveldeformalização. A melhoria na qualidade do emprego e o aumento do salário mínimo se refletem no aumento da renda, que, juntamente com os programas sociais de transferência de renda do Governo, são determinantes para a redução da desigualdade no País. Mercado de trabalho continua sólido
  43. 43. 47 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Taxa de Desemprego (% PEA) Taxa de desemprego em seu menor nível histórico O mercado de trabalho brasileiro mostrou forte dinamismo em 2012, registrando taxa de desemprego de 4,6% em dezembro de 2012, a menor taxa da história, e 5,4% em janeiro de 2013, a menor taxa para o mês desde o início da série. 0 2 4 6 8 10 12 14 2012201120102009200820072006200520042003 12,3 11,5 9,8 10,0 9,3 7,9 8,1 6,7 6,0 5,5 Dez/12 = 4,6 % Jan/13 =5,4 % Dados em: % da população economicamente ativa Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  44. 44. 48 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Tempo Médio de Procura porTrabalho (semanas) Queda no tempo de procura por trabalho O maior crescimento da economia e a queda na taxa de desemprego observados ao longo dos últimos anos resultaram em um menor tempo de espera para conseguir emprego. O tempo médio que a pessoa permanecia desempregada passou de 17,8 semanas, em 2003, para 12,4 semanas, em 2012. 0 12 13 14 15 16 17 18 2012201120102009200820072006200520042003 12,412,513,113,813,614,615,915,416,717,8 Dados em: semanas Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  45. 45. 49 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Taxa de Participação eTaxa de Desemprego (% PEA) Jovens estão se qualificando cada vez mais A entrada tardia dos mais jovens no mercado de trabalho reduziu sua taxa de participação na população economicamente ativa, tanto na faixa dos 15 aos 17 anos quanto entre 18 e 24 anos. Ao mesmo tempo, o aumentodaexpectativadevidatornaosmaisvelhoscadavezmaisativos.Comisso,ocorreumadiminuição dataxadedesempregoondeelaémaiselevada(entreosmaisjovens)eaumentodataxadeparticipadação onde ela é menos intensa (entre os mais velhos). 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 19,3 50 anos ou mais 25 a 49 anos 18 a 24 anos 15 a 17 anos Total 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 anos ou mais 25 a 49 anos 18 a 24 anos 15 a 17 anos Total 2012 Taxa de Participação* Taxa de Desemprego 2003 57,3 69,4 81,5 40,2 57,1 26,1 70,2 78,5 38,0 5,6 22,3 12,6 4,7 2,0 12,4 38,2 23,6 9,5 5,3 2003 2012 Dados em: % da população economicamente ativa em relação à população em idade ativa Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  46. 46. 50 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Trabalhadores Iniciantes“Qualificados”** e Admissão em Primeiro Emprego (% e milhões) Crescem as oportunidades de trabalho para os jovens O dinamismo da economia impulsiona o aumento na quantidade de vagas de primeiro emprego. Essa admissãodosiniciantes,namaioriajovens,éacompanhadaporumamelhorianaeducação.Deacordocom o CAGED, em 2003, foram admitidos 1,8 milhão de trabalhadores iniciantes, sendo que 36,4% tinham pelo menos o nível médio completo. Já em 2013, os números foram 2,7 milhões e 55,2 %, respectivamente. Admissão por primeiro emprego (em milhões) Proporção de trabalhadores iniciantes qualificados* 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 30 35 40 45 50 55 60 55,255,0 53,953,3 51,3 48,8 47,2 46,0 43,3 39,6 36,4 1,8 2,1 2,3 2,3 2,5 2,8 2,5 3,0 3,1 2,8 2,7 Proporção de trabalhadores iniciantes“qualificados” Admissão em primeiro emprego (milhões) Dados em: % e em milhões * Acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 ** Pelo menos, nível médio completo Fonte:MTE Elaboração:MinistériodaFazenda
  47. 47. 51 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Pessoas Ocupadas que Concluíram algum Curso de Qualificação Profissional (% PIA) Aumento dos trabalhadores com curso de qualificação profissional O aumento da escolaridade é um dos fatores mais importantes para a redução da desigualdade de renda. Com o PRONATEC, o aumento da demanda por educação profissionalizante tem sido acompanhado pelo aumento de escolas de qualidade. Esta melhora na escolaridade já pode ser notada pelo aumento das pessoas ocupadas com curso de qualificação profissional, que já chegou a 34,1% do total de pessoas em idade ativa. 10 15 20 25 30 35 19 18,9 18,9 18,9 18,8 18,8 18,9 18,9 18,9 18,9 19,1 19,5 19,8 20,3 20,7 21,2 21,8 22,5 23,1 23,6 24,3 24,8 25,1 25,4 25,6 25,9 26,1 26,4 26,5 26,7 26,9 27,1 27,4 27,7 28,1 28,4 28,7 29 29,2 29,4 29,7 29,8 30 30,1 30,1 30,2 30,3 30,3 30,3 30,4 30,4 30,4 30,5 30,4 30,4 30,4 30,3 30,3 30,2 30,2 30,1 30 30 30 30 30 30 30,1 30,1 30,1 30,2 30,2 30,2 30,2 30,3 30,3 30,4 30,5 30,7 30,9 31 31,2 31,3 31,5 31,8 32,1 32,3 32,5 32,5 32,7 32,8 32,9 33,2 33,4 33,6 33,8 34 34,1 34,2 34,2 34,3 34,4 34,4 34,4 34,4 34,3 34,2 34,2 34,1 34,1 30,0 19,5 Jan 2013 Set2012 M ai2012 Jan 2012 Set2011 M ai2011 Jan 2011 Set2010 M ai2010 Jan 2010 Set2009 M ai2009 Jan 2009 Set2008 M ai2008 Jan 2008 Set2007 M ai2007 Jan 2007 Set2006 M ai2006 Jan 2006 Set2005 M ai2005 Jan 2005 Set2004 M ai2004 Jan 2004 Dados em: % da PIA, média móvel em 12 meses * A partir dos dados da PME/IBGE Fonte:FGV Elaboração:MinistériodaFazenda
  48. 48. 52 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Emprego Formal: Novos Postos deTrabalho* (milhares) Mercado de trabalho segue sólido O número de vagas geradas no mercado de trabalho brasileiro chegou a 1.327 mil, ao final de 2012. Entre 2003 e 2012, foram criados mais de 16 milhões de postos formais de trabalho. 0 600 1200 1800 2400 3000 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 GERAÇÃO DE EMPREGOS CELETISTAS (2003-2012) 16,8 milhões Criação Líquida de Empregos Celetistas (em milhares)** 861,0 1.797,0 1.562,0 1.550,0 1.943,0 1.707,0 1.398,0 2.630,0 2.027,0 1.327,0 Dados em: milhares de postos de trabalho * Série ajustada (inclui informações declaradas fora do prazo, com exceção de fevereiro de 2013) ** Acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 Fonte:MTE/CAGEDeRAIS Elaboração:MinistériodaFazenda
  49. 49. 53 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Contribuintes para a Previdência Social (% da população ocupada) Maior proteção social dos trabalhadores O impulso da formalização do emprego, observada no Brasil nos últimos tempos, colaborou também para o aumento dos contribuintes à seguridade social no País. A proporção de contribuintes para a seguridade social, como proporção da população total ocupada, passou de 61,2 % em 2003 para 72,9% em 2013. 40 45 50 55 60 65 70 75 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 61,2 60,4 62,2 63,0 64,2 65,8 66,8 68,4 71,0 72,8 72,9 Dados em: % da População Ocupada * Média dos últimos 12 meses até janeiro de 2013 Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  50. 50. 54 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Evolução do Salário Mínimo Real (R$) Salário mínimo aumenta poder de compra do trabalhador A aceleração do crescimento nos últimos anos causou expansão significativa do poder de compra do trabalhador. Como resultado da política de valorização implementada pelo Governo, o valor do salário mínimo já aumentou 75%, em termos reais, de 2003 a 2012. No último ano, o aumento nominal do salário mínimo foi de 9%, passando de R$ 622 para R$ 678. 0 100 200 300 400 500 600 700 800 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 151,00 380,00 415,00 465,00 510,00 545,00 622,00 678,00 240,00 260,00 300,00 350,00 200,00 180,00 338,5 368,7 357,1 388,2 396,2 435,2 493,9 509,9 523,0 562,8 579,8 584,1 627,7 678,0 SM Real SM Nominal +9%75% Salário mínimo real Salário mínimo nominal Dados em: R$ de janeiro de 2013 * Dados de dezembro de cada ano e para 2013, dado de janeiro Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  51. 51. 55 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Rendimento Real, População Ocupada e Massa Salarial (%) Rendimento real continua a crescer O aumento da formalização e do nível de escolaridade dos trabalhadores se reflete no aumento salarial. O ano de 2012 experimentou maior crescimento da renda e da ocupação em relação a 2011 e essa tendência continua no começo de 2013. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 População Ocupada Massa SalarialRendimento Real 0 2 4 6 8 10 2,6 1,9 2,6 3,4 0,7 3,5 2,1 2,2 2,2 1,5 4,0 3,2 3,4 3,2 3,8 2,7 4,2 4,3 4,5 5,6 4,9 4,0 7,5 4,0 7,5 4,8 6,2 6,3 População ocupada Rendimento real Massa salarial Dados em: % * Rendimento médio de todos os trabalhos ** Acumulado em 12 meses até janeiro de 2013 Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  52. 52. 56 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Crescimento do Rendimento Real no Brasil - 2001 a 2011 (%) Redução da desigualdade por categorias OBrasilestásetornandoumpaíscommenordesigualdadederenda.Houvereduçãodadesigualdadeentre homens e mulheres e entre as áreas urbanas e rurais, isso visto pelo maior crescimento da renda real dos mesmos. Já entre as regiões, o Nordeste e o Sul, com ganhos de rendimento de aproximadamente 40% entre 2001 e 2011, se destacaram no cenário nacional. 0 10 20 30 40 50 60 SulCentro -Oeste SudesteNordesteNorteRuralUrbanoMulherHomem 16,3 38,9 21,6 50,2 17,7 39,9 17,7 28,5 40,8 Média Brasil: 23,7 Dados em: % Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  53. 53. 57 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Evolução da Extrema Pobreza entre os Beneficiários do Bolsa Família (milhões de pessoas) 22 milhões de pessoas superaram a extrema pobreza Em 2011, havia 36 milhões de brasileiros que estariam na miséria caso sobrevivessem apenas com sua renda familiar. Graças ao Bolsa Família, 13,9 milhões escaparam dessa condição. Medidas tomadas no âmbitodoPlanoBrasilSemMisériae,maisrecentemente,noâmbitodoBrasilCarinhoso,foramcapazesde retirarorestantedos22,1milhõesde brasileirosdocaráterdeextremapobreza queaindaseencontravam. 0 4 8 12 16 20 24 28 32 36 40 Mar 20132012 Brasil Carinhoso 2011 Brasil Sem Miséria Jan 2011 3,1 mi 16,5 mi 2,5 mi 22,1 19,0 2,5 0,0 13,9 22,1 milhões de pessoas superaram a extrema pobreza { Pessoas extremamente pobres Pessoasemextremapobreza, senãohouvesseoBolsaFamília Redução nominal entre períodos Dados em: milhões de pessoas Fonte:MDS Elaboração:MinistériodaFazenda
  54. 54. 58 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Programa deTransferência de Renda: Bolsa Família (R$ bilhões, milhões de famílias e % do PIB) Programa Bolsa Família ajuda a combater a pobreza O Programa Bolsa Família é reconhecido como um dos mais eficientes em reduzir a desigualdade devido a seu foco nas camadas mais pobres da população. A abrangência do programa, com custos relativamente baixos, já supera o montante de 13,8 milhões de famílias. 0 5 10 15 20 25 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 (% do PIB) em R$ bilhões Nº de famílias (em milhões) 21,53 13,84 0,2 0,3 0,3 0,3 0,3 0,4 0,4 0,4 0,5 0,5 (% do PIB) Em R$ bilhões Número de famílias (em bilhões) Dados em: R$ bilhões, milhões de famílias e % do PIB * Gasto acumulado em 12 meses até janeiro de 2013 Fonte:MDSeBancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  55. 55. 59 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Famílias Atendidas pelo Programa BolsaVerde (Milhares) Combinação de objetivos ambientais e sociais O Programa“BolsaVerde”, lançado em 2011, baseia-se na transferência de renda para famílias em extrema pobreza que vivem em áreas ambientalmente protegidas, condicionada à manutenção ou melhoria dos recursosnaturais.Atédezembrode2012,oprogramabeneficioumaisde34milfamíliaseametaéalcançar 73 mil famílias até o final de 2014. 0 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 Nov 2011 O ut20113.574 7.522 9.184 15.983 16.644 16.878 17.176 17.294 20.917 27.947 28.937 29.090 30.667 32.538 34.213 Meta para 2014: 73.000 Famílias Transferência por família: R$1.200/ano Dados em: milhares de famílias Fonte:MMAeMDS Elaboração:MinistériodaFazenda
  56. 56. 60 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Crédito para Agricultura Sustentável (R$ milhões) Investimentos em agricultura sustentável Melhorar o desempenho ambiental da agricultura brasileira é preocupação crescente para os agricultores e oGovernoFederal. AlinhadecréditoProgramaABC(AgriculturadeBaixoCarbono)foicriadaem2009,com a finalidade de incentivar atividades agrícolas com baixa emissão de carbono. 0 500 1.000 1.500 2.000 2011/20122010/20112009/20102008/2009 242,6 529,0 418,5 1.516,3 Dados em: R$ milhões Fonte:MAPA Elaboração:MinistériodaFazenda
  57. 57. 61 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda EmpregoeRenda Programa“Crescer”de Microcrédito Produtivo e Orientado (R$ milhões, número de operações e %) O Programa“Crescer”de microcrédito “Crescer”é um programa de microcrédito produtivo orientado que visa atender às necessidades financeiras de empreendedores de pequenas atividades produtivas. Em operação desde setembro de 2011, o Crescer já realizou mais de 3,7 milhões de operações, com valor contratado superior a R$ 4,6 bilhões. Do total de beneficiários, cerca de 64% são mulheres e 71% do total encontram-se na região nordeste. 0 1.000 2.000 3.000 4.000 20122011 0 1.000 2.000 3.000 4.000 20122011 607 3.108745,5 3.901,0 Número de operaçõesValor contratado (R$ milhões) HomensMulheres 64% 36% 423% 412% Dados em: R$ milhões, número de operações e % * O Programa Crescer teve início em setembro de 2011 Fonte:MinistériodaFazenda Elaboração:MinistériodaFazenda
  58. 58. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Inflação
  59. 59. 64 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação Metas cumpridas O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou 2012 em 5,8% e representou, assim, o nono ano consecutivo em que a inflação ficou dentro do intervalo estabelecido pelo Conselho Monetário Nacional. A alta registrada no ano foi influenciada por choques de oferta em alimentos in natura e de aumentos em derivados das commodities agrícolas, efeitos estes relacionados a intempéries climáticas nos Estados Unidos e no Brasil. Em2013,aestratégiaéqueacombinaçãodecondiçõesmaisfavoráveisdeofertadealimentosinfluenciematrajetória da inflação ao consumidor. Esta dinâmica deverá se aprofundar nos próximos meses. Dessa forma, o mercado prevê que o IPCA encerre o ano de 2013 abaixo do resultado de 2012.
  60. 60. 65 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação Inflação ao Consumidor - IPCA (% a.a.) Inflação dentro da meta desde 2004 As metas de inflação vêm sendo cumpridas desde 2004, ou seja, por nove anos consecutivos a inflação ao consumidor medida pelo IPCA tem ficado dentro do intervalo dos percentuais estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional. Os desvios do centro da meta ocorridos nos anos recentes refletem, primordialmente, choques de oferta que afetam a economia como, por exemplo, intempéries climáticas. 0 2 4 6 8 10 12 14 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 IPCA Limite Superior Centro da Meta Limite Inferior 8,9 6,0 7,7 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 5,6 Limite Superior Centro da Meta Limite Inferior IPCA Dados em: % anual * De acordo com expectativas de mercado colhidas pelo Relatório de Mercado Focus do Banco Central do Brasil, mediana Top 5, em 12 de abril de 2013 Fonte:IBGEeBancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  61. 61. 66 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA: Inflação e Impacto, por Grupos (% a.a. e p.p.) A inflação de 2012 em números desagregados A maior contribuição para a taxa de inflação de 5,84% registrada no IPCA em 2012 se deveu ao grupo “AlimentoseBebidas”,queregistrouinflaçãode9,86%efoiresponsávelpor2,27p.p.dototal.Acombinação depressõessazonaisemalgunsalimentosinnaturaedeaumentosemderivadosdascommoditiesagrícolas, influenciados pelos efeitos da seca nos EUA e também no Brasil, imprimiu esta dinâmica aos preços dos produtos alimentícios. Comunicação Artigos de Residência Transporte Educação Vestuário Saúde e Cuidados Pessoais Habitação Despesas Pessoais Alimentação e Bebidas IPCA Impacto (p.p.)Variação (%) 5,84 2,27 1,01 0,99 0,66 0,39 0,34 0,10 0,04 0,04 5,84 9,86 10,17 6,79 5,95 5,79 7,78 0,48 0,84 0,77 Variação (%) Impacto (p.p.) Dados em: % anual e ponto percentual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  62. 62. 67 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA: Contribuição de Alimentos (% a.a. e p.p.) Alimentos e Bebidas: contribuição considerável para a inflação A contribuição do grupo “Alimentos e Bebidas“, com 2,27 p.p. do total de inflação em 2012 significa que 38,9% de toda a inflação do ano veio desta categoria, a qual corresponde a cerca de 1/4 do IPCA total. 3.4 3.6 4.8 3.6 3.6 3.5 2.2 2.92.31.72.30.72.42.2 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013* IPCA - Demais GruposAlimentos e Bebidas Total 2,3 1,7 2,3 0,7 2,4 2,2 3,6 4,8 3,6 3,6 3,5 2,2 3,53,1 6,6 5,8 6,5 5,9 4,3 5,9 4,5 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Alimentos e Bebidas IPCA-Demais Grupos Total Dados em: % anual e ponto percentual * Acumulado em 12 meses até março de 2013 Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  63. 63. 68 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação Produção Brasileira de Grãos e Mandioca (mil ton) Redução na produção agrícola contribuiu para elevação de importantes preços O aumento de preços em alguns produtos agrícolas importantes na cesta do IPCA reflete redução nas respectivas safras em relação ao ano anterior. A safra de grãos neste ano de 2013 promete ser recorde, contribuindo para a moderação nos preços, o que já se observa no atacado. Brasil - Produção de Grãos e Mandioca Produto Safra 2010/11 (a) Safra 2011/12 (b) Variação (b/a) Arroz 13.613 11.600 -14,8% FeijãoTotal 3.732 2.919 -21,8% Feijão 1ª Safra 1.680 1.236 -26,5% Feijão 2ª Safra 1.325 1.064 -19,7% Feijão 3ª Safra 727 619 -14,9% MilhoTotal 57.407 72.980 27,1% Milho 1ª Safra 34.946 33.867 -3,1% Milho 2ª Safra 22.460 39.113 74,1% Soja 75.324 66.383 -11,9% Trigo 5.881 5.789 -1,6% Mandioca 25.349 24.314 -4,1% Total Grãos Brasil 162.803 166.172 2,1% Dados em: mil toneladas Fonte:ConabeIBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  64. 64. 69 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA: Contribuição de Produtos Agrícolas (% a.a. e p.p.) Condiçõesdeofertapressionaramosalimentos Os preços dos alimentos que mais contribuíram para a inflação anual de 2012 ressaltam a importância dos choques de oferta doméstico e externo para a inflação ao consumidor. Destacam-se os produtos relacionadosàscommoditiesagrícolasemaltanomercadointernacional,comopãofrancês(relacionadoao trigo),óleodesoja(soja)efrangointeiro(milho,principalcomponenteutilizadonaração),alémdabatata- inglesa, afetada pelo regime de chuvas atípico no País. Dados em: % anual e ponto percentual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda 2012: Principais contribuições positivas Variação (% a.a.) Impacto (p.p.) Farinha de mandioca 91,5 0,094 Batata-inglesa 50,0 0,066 Arroz 36,7 0,181 Feijão-carioca (rajado) 31,5 0,066 Óleo de soja 23,6 0,070 Frango inteiro 16,9 0,077 Cerveja 13,6 0,048 Café moído 12,2 0,047 Pão francês 11,6 0,115 Refrigerante e água mineral 9,8 0,067 Soma 0,830
  65. 65. 70 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA (% a.m.) IPCA mensal em desaceleração Em março de 2013, a combinação de condições mais favoráveis de oferta de alimentos e o impacto da redução da tarifa de energia já influenciaram a trajetória da inflação ao consumidor, que caiu de 0,86% em janeiro de 2013 para 0,47% em março de 2013. 0,0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0,6 0,7 0,8 0,9 M ar2013 Jan 2013 O ut2012 Jul2012 Abr2012 Jan 2012 O ut2011 Jul2011 Abr2011 Jan 2011 O ut2010 Jul2010 Abr2010 Jan 2010 Jan 2009 O ut2009 Jul2009 Abr2009 1,0 0,48 0,55 0,20 0,48 0,47 0,36 0,24 0,15 0,24 0,28 0,41 0,37 0,75 0,78 0,52 0,57 0,43 0,00 0,01 0,04 0,45 0,75 0,83 0,63 0,83 0,80 0,79 0,77 0,47 0,15 0,16 0,37 0,53 0,43 0,52 0,50 0,56 0,45 0,21 0,64 0,36 0,08 0,43 0,41 0,57 0,59 0,60 0,79 0,86 0,60 0,47 Dados em: % mensal Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  66. 66. 71 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA: Inflação de Bens (% a.a.) Inflação de bens próxima da inflexão Em março de 2013, a inflação de bens duráveis no IPCA mostra pequena correção. A inflação de alimentos, por sua vez, encontra-se no pico e registrará desaceleração nos próximos meses, o que direcionará o IPCA para patamares mais baixos. Bens não duráveis - Demais Bens duráveis IPCABens não duráveis - alimentação no domicílio Bens semi-duráveis 15,16 9,23 6,59 5,78 -1,22 -10 -5 0 5 10 15 20 M ar2013 Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 Nov 2011 O ut2011 Set2011 Ago 2011 Jul2011 Jun 2011 M ai2011 Abr2011 M ar2011 Fev 2011 Jan 2011 IPCATotal Bens Duráveis Bens Semi-duráveis Bens Não-duráveis - Alimentação no domicílio Bens não-duráveis - ex. alim. no domicílio Dados em: % anual, acumulado em 12 meses Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  67. 67. 72 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação Índices de Inflação Encadeados (% a.m.) Índices de inflação encadeados ressaltam trajetória de queda em 2013 A tendência de desaceleração da inflação em 2013 pode ser melhor percebida pelo encadeamento dos diversos índices de inflação calculados no País divulgados desde o início do ano. -0,2 0,0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 M ar2013 -IGP-10 Fev 2013 -IPCA Fev 2013 -IGP-DI Fev 2013 -IPC-Fipe Fev 2013 -IPC-S Fev 2013 -IGP-M Fev 2013 -IPCA-15 Fev 2013 -IGP-10 Jan 2013 -IPCA Jan 2013 -IGP-DI Jan 2013 -IPC-FIPE Jan 2013 -IPC-S Jan 2013 -IGP-M Jan 2013 -IPCA-15 Jan 2013 -IGP-10 0,4 0,9 0,3 1,0 1,1 0,3 0,9 0,7 0,3 0,2 0,2 0,6 0,5 0,2 0,7 0,3 0,50,3 0,3 0,2 -0,2 M ar2013 -IPCA M ar2013 -IGP-DI M ar2013 -IPC-FIPE M ar2013 -IPC-S M ar2013 -IGP-M M ar2013 -IPCA-15 IPC-S IPC-Fipe IGP-10 IGP-M IGP-DI IPCA-15 IPCA Dados em: % mensal Fonte:IBGE,FipeeFGV Elaboração:MinistériodaFazenda
  68. 68. 73 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação Preços Agrícolas ao Produtor e Inflação ao Consumidor (% acum.3m.) Queda no atacado ainda vai chegar ao varejo No passado recente, percebe-se que a dinâmica dos preços ao consumidor tem respondido, de maneira defasada, às variações nos preços de alimentos ao produtor (expressos pelo IPA-DI agrícola). A atual desaceleração no IPA agrícola se refletirá em patamares mais baixos de IPCA nos próximos meses. -1,5 -0,5 0,5 1,5 2,5 3,5 4,5 -6,0 -0,8 4,4 9,6 14,8 IPCA IPA-DI agrícola -2,81 1,94 M ar2013 Jan 2013 Nov 2012 Set2012 Jul2012 M ai2012 M ar2012 Jan 2012 Nov 2011 Set2011 Jul2011 M ai2011 M ar2011 Jan 2011 Nov 2010 Set2010 Jul2010 M ai2010 20,0 IPCA IPA-DI agrícola Dados em: % acumulada em 3 meses Fonte:IBGEeFGV Elaboração:MinistériodaFazenda
  69. 69. 74 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda Inflação IPCA: Impacto Direto da Redução dasTarifas de Energia Elétrica (% a.a. e p.p.) Medidas governamentais reduzem a inflação ao consumidor Medidas adotadas pelo governo para aumentar a competitividade da economia no País, como a redução de tarifas de energia elétrica, têm contribuído para a redução do preço ao consumidor. As menores tarifas de energia elétrica já provocaram impacto direto de -0,61 p.p. no IPCA nos dois primeiros meses de 2013. Impactos indiretos, derivados da redução de custos para empresas, deverão também contribuir para a acomodação inflacionária nos próximos meses. -20 -15 -10 -5 0 5 IPCAIPCA-15IPCAIPCA-15 -3,9% -13,4% -15,2%0,2% 0,01p.p. -0,13p.p. -0,45p.p. -0,48p.p. Jan 2013 Fev 2013 Dados em: % anual e ponto percentual Fonte:IBGE Elaboração:MinistériodaFazenda
  70. 70. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Juros e Crédito
  71. 71. 76 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito O volume de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu o montante de R$ 2.367 bilhões em 2012, crescimento de 16,4%emrelaçãoaoanoanterior,comdestaqueparaocréditohabitacional,cujoincrementofoide34,6%em12meses. Como proporção do PIB, o estoque total de crédito passou de 49,1% em 2011 para 53,6% em 2012. Para 2013, prevê-se um crescimento de 16% no estoque de crédito, em linha com o cenário projetado pelo Banco Central do Brasil e consistente com a evolução esperada da atividade econômica. Em 2012, deu-se continuidade ao processo de redução dos spreads bancários, juntamente com a redução da inadimplênciadasfamílias.Oanode2013começacommelhorescondiçõesparaocrédito,importantemecanismo para o crescimento sustentado. Expansão firme do crédito em 2013
  72. 72. 77 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Brasil:Taxa Real de Juros Ex-ante* (% a.a.) Quedadataxarealdejurosrefletefundamentosdaeconomia A redução da taxa real de juros no Brasil foi significativa, saindo de 9,4% em dezembro de 2003 para 2,4% em fevereiro de 2013. Nos últimos dez anos, o contínuo declínio tem sido resultado de políticas macroeconômicas sólidas e críveis e políticas monetárias e fiscais coordenadas. No ano passado, o Brasil acelerou esse processo, trazendo os juros para níveis mais condizentes com o padrão internacional. 0 2 4 6 8 10 12 2013** 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 Média 2003-2006 = 10 Média 2007-2010 = 6,2 Média 2011-2012 = 2,9 9,4 11,2 11,4 7,9 7,7 6,9 5,8 6,2 4,5 1,4 2,4 Dados em: % anual *Taxa nominal (swap 360 dias) deflacionada pela mediana das expectativas de inflação acumuladas para os próximos 12 meses. 2003-2012: 31 de dezembro de cada ano ** 2013: em 22 de março de 2013 Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  73. 73. 78 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Taxas de Juros: Contratos DI comVencimentos Distintos (% a.a.) Elevação gradual das taxas de juros de longo prazo Após queda generalizada ao longo de 2012, as taxas registradas nos contratos futuros de DI apresentaram pequena elevação no primeiro bimestre de 2013, motivadas pela expectativa de parcela dos agentes de mercado quanto à eventual elevação da taxa básica de juros. 8,4 9,1 7,8 7 8 9 10 11 12 13 Fev 2013 Jan 2013 O ut2012 Jul2012 Abr2012 Jan 2012 O ut2011 Jul2011 Abr2011 Jan 2011 Jan 2016Jan 2014 Jan 2015 Jan 2014 Jan 2015 Jan 2016 Dados em: % anual Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  74. 74. 79 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Taxa de Juros e Prazo Médio (% a.a. e meses) Queda da Selic e dos spreads bancários A taxa média de juros para as novas concessões de crédito à pessoa física está em 24,6% e para pessoa jurídica em 13,9%. Estes são percentuais inferiores a dezembro de 2011 e demonstram queda acentuada ao longo de 2012, com reduções de 5,4 p.p. e 3,5 p.p. para as pessoas física e jurídica, respectivamente. Os prazos das novas concessões sinalizaram elevação no período destacado. 60 80 100 120 140 Prazo Médio (meses) Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 20 25 30 35 40 Taxa de Juros (% a.a.) Pessoa Física 40 50 60 70 80 Prazo Médio (meses) Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 10 13 15 18 20 Taxa de Juros (% a.a.) Pessoa Jurídica 125,0 24,6 60,0 13,9 Prazo médio (meses) Taxa de Juros (% a.a.) Dados em: % anual e número de meses Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  75. 75. 80 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Taxa de Juros: Pessoa Física (p.p.) Taxas de juros para pessoas físicas apresentam declínio A taxa média de juros para as novas concessões de crédito à pessoa física está em 24,6%, inferior às taxas médias apuradas em 2011 e 2012. 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 Jan 2013 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 Nov 2011 O ut2011 Set2011 Ago 2011 Jul2011 Jun 2011 M ai2011 Abr2011 M ar2011 24,6 Média Mar 2011/Dez 2011 = 32 Média 2012= 27,3 Média 2º Sem. 2012= 25,4 Dados em: pontos percentuais Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  76. 76. 81 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Spread Bancário: Pessoas Físicas e Jurídicas* (p.p.) Spread bancário para pessoas físicas e jurídicas OspreadbancárioparapessoasfísicasejurídicasvemdeclinandonoBrasil.Noprimeirosegmento,ospread passou de 21,8 p.p. em janeiro de 2012 para 18,0 p.p. em janeiro de 2013. Já para as pessoas jurídicas, a redução foi de 10,2 p.p. para 7,8 p.p. no mesmo período. 0 5 10 15 20 25 30 35 40 Pessoa JurídicaPessoa Física jan 2013 jan 2012 18,0 7,821,8 10,2 Jan 2012 Jan 2013 Dados em: pontos percentuais * Spread =Taxa de Aplicação - Taxa de Captação Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  77. 77. 82 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Taxas de Inadimplência (% com atraso superior a 90 dias) Inadimplência permanece dentro dos níveis históricos As taxas de inadimplência situam-se próximas à sua média histórica. No crédito à pessoa física, o índice permaneceestabilizadoem5,5%,comportamentosimilarobservadoparaosegmentopessoajurídica,com índice próximo a 2,2%. A manutenção dos níveis de emprego e da renda e a queda das taxas de juros do crédito criam cenário favorável à queda destes índices. 2011 2012 Jan 2013 0 1 2 3 4 5 6 Pessoa Física 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 Pessoa Jurídica 5,55,65,7 2,22,22,1 2011 2012 Jan 2013 Dados em: % com atraso superior a 90 dias Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  78. 78. 83 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Operações de Crédito Habitacional (número-índice (2008 = 100) e % da carteira total) Crédito habitacional contribui para a expansão do crédito total Apartirde2008, ascontrataçõesdecréditohabitacionalvemevoluindodeformasignificativa,comcrescimento superior àquele observado para o total da carteira. Em 2012, o saldo do crédito habitacional cresceu cerca de 35%emrelaçãoaomesmoperíododoanoanterior,alcançandooequivalentea13%dacarteiratotal. Crédito TotalCrédito Habitacional 100 200 300 400 500 600 700 800 Jan 2013 Set2012 M ai2012 Jan 2012 Set2011 M ai2011 Jan 2011 Set2010 M ai2010 Jan 2010 Set2009 M ai2009 Jan 2009 Set2008 M ai2008 Jan 2008 0 20 40 60 80 100 Jan 2013 Dez2012 Dez2011 Dez2010 Dez2009 Dez2008 Dez2007 609 246 Crédito - Demais Crédito Habitacional 5 6 7 9 11 13 13 95 94 93 91 89 87 87 Operações de Crédito Habitacional (número-índice, 2008 = 100) Operações de Crédito Habitacional (% da carteira total) Crédito Habitacional CréditoTotal Crédito - Demais Crédito Habitacional Dados em: número-índice, 2008 = 100; % da carteira total Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  79. 79. 84 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Operações de Crédito com Recursos Livres e Direcionados (R$ bilhões e % do PIB) Crédito direcionado acelera a expansão do crédito total Em dezembro 2012, o volume total de crédito no Brasil alcançou o montante de R$ 2,36 trilhões, atingindo 53,6% do PIB. O total de crédito não direcionado atingiu R$ 1,39 trilhão, com aumento anual de 13,5 p.p.. O total do crédito direcionado, por sua vez, apresentou elevação ainda mais robusta, totalizando R$ 968 bilhões e uma alta de 20,7 p.p. em relação ao mesmo período do ano anterior. Fev 2013Dez 2012Dez 2011Dez 2010Dez 2009Dez 2008 835 905 1.058 1.232 1.399 1.395 399 516 655 802 968 989 40,7 43,9 49,1 53,6 53,4 45,4 Direcionado Livre % do PIB % do PIB Direcionado Livre Dados em: R$ bilhões e % do PIB Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  80. 80. 85 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda JuroseCrédito Evolução dos Desembolsos (R$ bilhões) Operações do BNDES retomam trajetória de crescimento Os desembolsos do BNDES alcançaram o montante de R$ 156 bilhões em 2012, com crescimento de 12% na comparação com o ano anterior. A tendência ascendente reflete a forte disposição de realização de investimentos no País, com destaque para o setor de infraestrutura. 0 30 60 90 120 150 180 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 34,0 40,0 47,0 51,0 65,0 91,0 136,0 168,0 139,0 156,0 Dados em: R$ bilhões Fonte:BancoCentraldoBrasileBNDES Elaboração:MinistériodaFazenda
  81. 81. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Política Fiscal
  82. 82. 88 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Em2012,apolíticafiscalfoicapazdecombinaraaçãocontracíclicacomamanutençãodadívidapúblicaemtrajetória de queda e de aprimoramento do seu perfil. Frente aos desafios impostos pelo desempenho da economia internacional, que acabou afetando a atividade domésticaeaarrecadaçãodetributos,ogovernofederaloptouporcombinardesoneraçõestributáriascomampliação do investimento público. Mantendo sob controle, as despesas de custeio, os gastos com pessoal e o déficit da previdência, foi possível alcançar um superávit primário capaz de fortalecer a solvência do País. Em particular, no que tange à solvência, as melhorias na dívida pública são visíveis: a Dívida Líquida do Setor Público atingiu os menores valores históricos, a melhoria na composição da Dívida Pública Federal e o alongamento da sua maturação seguem consistentemente. Políticafiscalcontracíclicacommelhoradascondiçõesdesolvência
  83. 83. 89 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Resultado Fiscal do Setor Público (% do PIB) Crescimento econômico com consolidação fiscal Osetorpúblicopersegueasmetasderesultadofiscalemconformidadecomosprincípiosderesponsabilidade fiscal, um dos pilares da política econômica brasileira. Além disso, a coordenação entre as políticas fiscal e monetária tem procurado atenuar os efeitos da crise internacional. Para os próximos anos, o resultado primário projetado irá reduzir ainda mais o déficit nominal e o endividamento público. %31 -6 -4 -2 0 2 4 2013*20122011201020092008200720062005200420032002 2,2 2,3 2,7 2,6 2,2 2,2 2,4 1,3 2,1 2,2 2,0 1,8 0,7 0,8 0,9 1,0 0,8 1,1 1,0 0,6 0,5 0,8 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0,2 0,2 -0,0 0,1 0,0 0,1 0,1 -0,1 -0,1 -4,4 3,2 3,3 3,7 3,8 3,2 3,3 3,4 2,0 2,7 3,1 2,4 2,2 -2,9 -5,2 -3,6 -3,6 -2,8 -2,0 -3,3 -2,5 -2,6 -2,5 -2,7 Estatais Governos Regionais Governo Central Nominal Total Primário Total PrimárioTotal Primário Governo Central Primário Governos Regionais Primário Estatais NominalTotal Dados em: % do PIB * Acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  84. 84. 90 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Resultado do Governo Central: Acima da Linha (% do PIB) Melhoria do perfil dos gastos públicos O resultado do Governo Central passou por mudanças consideráveis desde 2002, graças à formalização da economia e ao foco na redução da desigualdade. O incremento da receita líquida tem sido alocado para despesas com saúde e educação, transferências de renda às famílias e investimento público. Dados em: % do PIB * Acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 ** Compreende benefícios previdenciários, abono e seguro desemprego, benefícios assistenciais (LOAS e RMV) e Bolsa Família *** Compreende apenas investimentos classificados no GND 4 **** Compreende o aporte do FSB (2008), a operação de capitalização da Petrobras (2010) eoresgatedecotasdoFSB(2012) Fonte:STN/MFeSenadoFederal Elaboração:MinistériodaFazenda Em % PIB 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013* Variação 2013-02 Receita Bruta 21,7 21,0 21,6 22,7 22,9 23,3 23,6 22,8 22,4 23,9 24,1 24,1 2,4 Transferências para Estados e Municípios 3,8 3,5 3,5 3,9 3,9 4,0 4,4 3,9 3,7 4,2 4,1 4,1 0,3 Receita LíquidaTotal 17,9 17,4 18,1 18,8 19,0 19,3 19,2 18,9 18,7 19,7 20,0 20,0 2,1 Despesas Primárias 15,7 15,1 15,6 16,4 17,0 17,1 16,4 17,7 17,4 17,5 18,2 18,4 2,7 Pessoal e encargos 4,8 4,5 4,3 4,3 4,5 4,4 4,3 4,7 4,4 4,3 4,2 4,2 -0,6 Transferência de Renda às Famílias** 6,8 7,2 7,6 8,1 8,4 8,5 8,1 8,7 8,5 8,6 9,2 9,4 2,6 Total Investimentos*** 0,8 0,3 0,5 0,5 0,6 0,7 0,9 1,0 1,2 1,0 1,1 1,1 0,2 Custeio com saúde e educação 1,7 1,6 1,7 1,8 1,7 1,8 1,7 1,9 2,0 2,0 2,2 2,2 0,4 Demais despesas de custeio 1,6 1,6 1,5 1,8 1,8 1,8 1,4 1,4 1,4 1,5 1,6 1,6 0,1 ResultadoPrimário sem FSB e Cessão Onerosa 2,1 2,3 2,5 2,5 2,1 2,2 2,8 1,2 1,2 2,3 1,7 1,6 -0,6 Impacto do FSB e da Cessão Onerosa**** 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 -0,5 0,0 0,8 0,0 0,3 0,3 0,3 Resultado Primário (acima da linha) 2,1 2,3 2,5 2,5 2,1 2,2 2,4 1,2 2,1 2,3 2,0 1,8 -0,3 Receita Líquida menos Transferências de Renda às Famílias 11,1 10,3 10,5 10,8 10,6 10,8 11,1 10,2 10,2 11,1 10,8 10,6 -0,5
  85. 85. 91 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Despesas Públicas Selecionadas (% do PIB) Solidez das contas públicas O Brasil tem alcançado um desempenho altamente satisfatório para importantes agregados fiscais. Os jurosnominaisdosetorpúblico,assimcomoosgastoscompessoaleacoberturadodéficitdaPrevidência Social no âmbito do Governo Central, apresentam consistente trajetória de queda. O controle sobre estas contas permite a abertura de espaço fiscal para gastos com transferências de renda, saúde, educação, além de mais investimento público. 0,5 1,5 2,5 3,5 4,5 5,5 6,5 7,5 8,5 9,5 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 Juros Nominais Despesa de Pessoal Déficit da Previdência 1,1 1,5 1,6 1,8 1,8 1,7 1,2 1,3 1,1 0,9 0,9 1,0 7,7 8,5 6,6 7,4 6,8 6,1 5,5 5,3 5,2 5,7 4,9 4,9 4,5 4,3 4,3 4,4 4,4 4,3 4,3 4,8 4,7 4,4 4,2 4,2 Pessoal e Encargos Sociais Juros Nominais Déficit da Previdência Dados em: % do PIB * Acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 Fonte:STN/MFeBancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  86. 86. 92 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Dívida Líquida do Setor Público (% do PIB) Dívida líquida vem sendo reduzida consideravelmente Superávits primários consistentes têm contribuído para uma tendência declinante da Dívida Líquida do Setor Público em proporção do PIB, a qual reduziu-se em 24,7% do PIB nos últimos dez anos, melhorando consideravelmente as condições de solvência do País. 30 35 40 45 50 55 60 65 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 60,4 54,8 50,6 48,4 47,3 45,5 38,5 42,1 39,2 36,4 35,2 35,7 - 24,7 % do PIB Dados em: % do PIB * Posição em fevereiro de 2013 Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  87. 87. 93 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Composição da Dívida Pública Federal** (% do total da dívida) Composição da dívida pública em contínua melhora A parcela de títulos com taxas flutuantes na Dívida Pública Federal alcançou, em fevereiro de 2013, um dos menores valores desde novembro de 1997, 23%. Por outro lado, a parcela de títulos prefixados somados a índices de preços, os quais garantem maior previsibilidade para a gestão da dívida pública, atingiu 71,7%, o maior nível histórico para um mês de fevereiro. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Fev 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 Taxa de Câmbio Taxa Flutuante* Índice de Preços Prefixados 4,3 23,0 35,6 37,1 48,9 17,9 5,0 28,1 Taxa de Câmbio Taxa Flutuante* Índice de Preços Prefixados Dados em: % do total da dívida * Inclui SELIC,TR e outras ** Inclui dívidas interna e externa administradas pela Secretaria do Tesouro Nacional Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda
  88. 88. 94 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Prazo Médio da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (anos) Alongamento do prazo médio da dívida pública O prazo médio da Dívida Pública Mobiliária Federal Interna (DPMFi) também registrou avanços históricos. A maturidade média dos títulos emitidos via ofertas públicas foi de 6,2 anos, um dos maiores valores da série. Comoresultado,oprazomédiodoestoquedaDPMFisubiupara4,0anos,omaiorvalordasérie.Considerandoo estoquedaDívidaPúblicaFederalcomoumtodo,amaturidademédiaatingiu4,1anos,outrorecordehistórico. Oalongamentodoprazomédiocontribuiuparareduçãodoriscoderefinanciamentodadívidapública. 0 1 2 3 4 5 6 7 2,8 5,5 4,0 5,34,25,13,13,64,62,11,21,73,8 2,0 Emissão Estoque Fev 2013 Fev 2012 Fev 2011 Fev 2010 Fev 2009 Fev 2008 Fev 2007 Fev 2006 Fev 2005 Fev 2004 Fev 2003 Fev 2002 Fev 2001 Emissão Estoque Dados em: anos Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda
  89. 89. 95 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Participação de Não-Residentes na Dívida Pública (% no total da DPMFi*) Aumento do número de investidores não-residentes na dívida pública Os títulos públicos da dívida doméstica brasileira continuam atrativos para os investidores estrangeiros, cuja participação na dívida atingiu o segundo maior nível da série histórica em fevereiro de 2013. O típico investidor não-residente demanda mais títulos prefixados e com maior maturação, o que contribui para a melhora do perfil da dívida pública. 0 2 4 6 8 10 12 14 Fev 2013 Nov 2012 Set2012 Jul2012 M ai2012 M ar2012 Jan 2012 Nov 2011 Set2011 Jul2011 M ai2011 M ar2011 Jan 2011 Nov 2010 Set2010 Jul2010 M ai2010 M ar2010 Jan 2010 Nov 2009 Set2009 Jul2009 M ai2009 M ar2009 Jan 2009 Nov 2008 Set2008 Jul2008 M ai2008 M ar2008 Jan 2008 Nov 2007 Set2007 Jul2007 M ai2007 M ar2007 14,311,8 IOF: 1,5% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro IOF: 0% de imposto sobre entrada de investimento estrangeiro IOF: 2,0% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro IOF: 6,0% imposto sobre entrada de investimento estrangeiro Participação de não residentes Dados em: % no total da DPMFi * Dívida Pública Mobiliária Federal Interna Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda
  90. 90. 96 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Resultados Esperados para a Parcela Flutuante e para a Parcela Prefixada (% da DPF) Queda na parcela de títulos flutuantes De acordo com o Plano Anual de Financiamento, oTesouro Nacional espera queda no percentual de títulos flutuantesem2013,alcançandoseumenorvalordesdemaiode1998,mesmonocenáriomaisconservador (19,0%). Por outro lado, a parcela prefixada deve superar o maior nível histórico alcançado em 2012. 40,0 21,7 10 20 30 40 50 20132012201120102009200820072006200520042003 5 10 15 20 25 30 35 40 45 20132012201120102009200820072006200520042003 Parcela flutuante Parcela Prefixada 19 (Máximo) 14 (Mínimo) 45 (Máximo) 41 (Mínimo) Dados em: % do total da dívida Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda
  91. 91. 97 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Resultados Esperados para a Parcela de Indexados a Índices de Preços e para o Prazo Médio (% da DPF e anos) Aumenta parcela de títulos indexados a índice de preços Também de acordo com o Plano Anual de Financiamento, o Tesouro Nacional espera encerrar 2013 com o maior nível histórico de parcela de indexados a índice de preços, mesmo no cenário mais conservador (34,0%). Adicionalmente, é provável que o prazo médio alcance seu maior valor da série histórica. 4,0 33,9 37 (Máximo) 34 (Mínimo) 8 12 16 20 24 28 32 36 40 20132012201120102009200820072006200520042003 2,7 2,9 3,1 3,3 3,5 3,7 3,9 4,1 4,3 20132012201120102009200820072006200520042003 Prazo Médio (anos) Dívida atrelada à Inflação 4,3 (Máximo) 4,1 (Mínimo) Dados em: % Da DPF Fonte:STN/MF Elaboração:MinistériodaFazenda
  92. 92. 98 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PolíticaFiscal Índice do Orçamento Aberto de 2012 (índice) Transparência nas questões orçamentárias O Índice do Orçamento Aberto (IOA) é uma medida global da transparência orçamentária independente e comparativa.EsteíndiceapontouoBrasilna12ªposiçãoemumtotalde100paísespesquisados.Istosignifica que o governo oferece ao público informações significativas sobre as atividades financeiras e orçamentárias aolongodoexercícioorçamentário,possibilitandoqueoscidadãosavaliemagestãododinheiropúblico. 20 40 60 80 100 12ª posiçãoem 100 países pesquisados 73,0 20,0 50,0 60,0 NovaZelândiaSuécia EstadosUnidosRússiaBrasilAlem anha Chile Portugal ItáliaColôm biaPeruGeórgia HondurasArgentinaTurquia Botsuana Rom ênia TanzâniaNepal NicaráguaSérvia M alásiaTailândiaLíbanoAngola Zim babué Cam bodjaBolíviaChinaRuandaIraque ArábiaSauditaQatar Espanha MenosTransparênciaMaisTransparência 93,0 83,0 Média = 42,68 Guatem ala Ucrânia Dados em: Índice com escala de 0 a 100 Fonte:InternationalBudgetPartnership Elaboração:MinistériodaFazenda
  93. 93. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Setor Externo
  94. 94. 100 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno O ano de 2012 foi marcado por diversos choques exógenos que afetaram o desempenho do setor externo brasileiro. Dentreeles,podemsercitados:criseeuropéia,recuperaçãomuitolentadaeconomianorte-americana,mudançasnas regrasparaoregistrodeimportaçõesdecombustíveiselubrificanteseadoçãodasDeclaraçõesJuradasdeImportação pela Argentina.Todos esses fatores contribuíram para o resultado da balança comercial no ano abaixo do esperado. Apesar dos fatores negativos, as contas externas brasileiras permanecem com sólidos fundamentos. O déficit em transações correntes encerrou 2012 em 2,4% do PIB, totalmente financiado pelo Investimento Estrangeiro Direto (IED),queencerrouoanoemUS$65,3bilhões,acimadasprojeçõesdomercadoedoBancoCentral.Segundodadosda Unctad,oBrasilpassouaseroquartomaiorreceptordeIEDnomundo,comnúmerossuperioresaAustráliaeCanadá. As perspectivas continuam favoráveis em 2013. Projeções do Banco Central do Brasil apontam para IED da ordem de US$ 65 bilhões. Choquesexternosinfluenciamodesempenhodosetorexternobrasileiro
  95. 95. 101 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Balança Comercial Brasileira** (US$ bilhões) Balança comercial acumula saldo positivo Apesardacrisequeafetouademandapelasexportaçõesbrasileiras,osaldodabalançacomercialbrasileira encerrou2012positivamenteemUS$19,5bilhões.Asexportaçõeseasimportaçõesregistraramosegundo maior resultado da série histórica. O resultado do primeiro bimestre de 2013, por sua vez, foi afetado pelo efeito contábil do registro de importações de combustíveis e lubrificantes estabelecido pela Instrução Normativa 1.282/12*. 0 50 100 150 200 250 300 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 Importação Exportação Saldo Comercial 33,1 50,0 53,3 59,7 57,7 49,2 55,8 55,6 47,2 48,3 62,8 73,6 91,4 120,6 173,1 127,7 181,8 226,2 223,1 226,2 43,5 46,5 47,7 53,0 51,1 48,0 55,1 58,2 60,4 73,1 96,5 118,3 137,8 160,6 197,9 153,0 201,9 256,0 242,6 239,9 13,7 Exportações Importações Saldo Comercial Dados em: US$ bilhões * A Instrução Normativa nº 1.282 da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), de 16 de julho de 2012, ampliou de 20 para 50 dias o desembaraço aduaneiro das importações de combustíveis e lubrificantes ** Até 2012: valores anuais. Para 2013: acumulado em 12 meses até fevereiro de 2013 Fonte:MDIC Elaboração:MinistériodaFazenda
  96. 96. 102 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Participação Percentual dos Maiores Parceiros Comerciais (% do total exportado) Maior diversificação das exportações O aumento das exportações para outros destinos contribui para a maior participação do País no comércio mundial e diminui sua vulnerabilidade diante de choques externos. A China já responde por 17% das vendas externas feitas pelo Brasil, ao passo que as participações dos EUA e Europa têm decrescido ao longo dos últimos anos. 0 5 10 15 20 25 30 35 5.6 9.2 5,6 20,8 25,5 9,21,8 19,1 29,829,2 33,3 4,21,2 1990 1998 2008 2012 Mercosul*União EuropeiaEstados UnidosChina 17,0 11,0 20,1 9,417,4 1990 1998 2008 2012 Dados em: % do total exportado * Não incluiVenezuela Fonte:MDIC Elaboração:MinistériodaFazenda
  97. 97. 103 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Índice de Rentabilidade das Exportações (índice) Aumenta a rentabilidade das exportações brasileiras A depreciação cambial tende a elevar a rentabilidade das exportações. Como esses efeitos têm defasagens importantes, principalmente em um contexto internacional de elevada capacidade ociosa, os resultados positivos para os exportadores poderão ser vistos nos próximos meses. Média 2010: 78,91 Média 2011: 85,15 70 75 80 85 90 95 100 105 Dez2012 Nov 2012 O ut2012 Set2012 Ago 2012 Jul2012 Jun 2012 M ai2012 Abr2012 M ar2012 Fev 2012 Jan 2012 Dez2011 Nov 2011 O ut2011 Set2011 Ago 2011 Jul2011 Jun 2011 M ai2011 Abr2011 M ar2011 Fev 2011 Jan 2011 Dez2010 Nov 2010 O ut2010 Set2010 Ago 2010 Jul2010 Jun 2010 M ai2010 Abr2010 M ar2010 Fev 2010 Jan 2010 Média índice de rentabilidade das Exportações Média 2012: 89,50 89,9 Média Índice de rentabilidade das exportações Dados em: índice (dezembro 2003=100) Fonte:Funcex Elaboração:MinistériodaFazenda
  98. 98. 104 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Resultado da Conta Corrente* (US$ bilhões e % do PIB) Déficits em conta corrente em níveis estáveis OdéficitemtransaçõescorrentesdoBrasilencerrou2012emUS$54,2bilhões.Omenorvolumederemessas de lucros e dividendos, resultado da desvalorização cambial, contribuiu para a estabilidade do déficit em relação ao PIB, em 2,4%. Em 2013, o maior déficit comercial e o aumento nas remessas puxaram o déficit em 12 meses para 2,58% do PIB. Mesmo assim, os resultados são estáveis e financiáveis por ingressos de investimentos estrangeiros. -60 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 2013 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1997 1996 -10 -8 -6 -4 -2 0 2 4 -2.6 -2.4 -2.1-2.2 -1.5 -1.7 0.1 1.3 1.6 1.8 0.8 -1.5 -4.2 -3.8 -4.3 -4.0 -3.5 -2.8 Resultado da Conta Corrente (US$ bilhões) Conta Corrente (% PIB) -2,6-2,4-2,1-2,2 -1,5-1,7 0,1 1,3 1,61,8 0,8 -1,5 -4,2 -3,8 -4,3-4,0 -3,5 -2,8 -7,6 -23,2 -24,2 -25,3 -33,4 -30,5 -23,5 1,6 13,6 14,0 11,7 4,2 -52,5 -47,3 -24,3 -28,2 -58,6 -54,2 Resultado da Conta Corrente (US$ bilhões) Conta Corrente (% do PIB) Dados em: US$ bilhões e % do PIB * Até 2012: valores anuais. Para 2013: acumulado em 12 meses até janeiro Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  99. 99. 105 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Investimento Estrangeiro Direto* (US$ bilhões) IED encerra 2012 acima das projeções de mercado O volume de Investimento Estrangeiro Direto (IED) ingressado no Brasil em 2012 foi de US$ 65,3 bilhões, acimadasprojeçõesdeUS$60bilhõesdomercado.Atéjaneirode2013,oIEDacumuladoem12mesesestá em US$ 63,6 bilhões. A expectativa é que, em 2013, essa modalidade de investimento permaneça como principal fonte de financiamento externo do País. 0 10 20 30 40 50 60 70 80 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 200418,1 15,1 18,8 34,6 25,9 48,5 48,5 66,7 65,3 65,0 Dados em: US$ bilhões * Até 2012: valores anuais. Para 2013: acumulado em 12 meses até janeiro ** Previsões do Banco Central do Brasil e do Relatório de Mercado Focus (22 de fevereiro de 2013) Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  100. 100. 106 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Países Receptores de Investimento Estrangeiro Direto (US$ bilhões) Brasil como um dos principais destinos de IED no mundo DadosdaUnctadapontamoBrasilcomoumdosprincipaisdestinosdeinvestimentoestrangeirodiretonos últimos anos, saltando da 7ª posição em 2010 para a 4ª posição em 2012. Arábia Saudita França Suíça Austrália Espanha Irlanda Rússia Alemanha Brasil Cingapura Reino Unido Hong Kong Bélgica China Estados Unidos Espanha Índia Itália Alemanha França Canadá Reino Unido Rússia Cingapura Austrália Brasil Hong Kong Bélgica China Estados Unidos 2010 Bélgica Luxemburgo Chile Índia Irlanda Rússia Canadá Austrália Cingapura França Reino Unido Brasil Hong Kong China Estados Unidos 20122011 198,0 115,0 86,0 83,0 51,0 49,0 49,0 47,0 43,0 43,0 41,0 35,0 33,0 31,0 29,0 227,0 124,0 103,0 96,0 67,0 66,0 64,0 53,0 51,0 41,0 41,0 40,0 34,0 32,0 30,0 147,0 120,0 73,0 65,0 63,0 59,0 54,0 49,0 47,0 44,0 40,0 27,0 26,0 23,0 19,0 Dados em: US$ bilhões Fonte:UNCTAD Elaboração:MinistériodaFazenda
  101. 101. 107 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Destinos de IED na América Latina (US$) CidadesbrasileirascomoprincipaisdestinosdeIEDdaAméricaLatina São Paulo é o principal destino de IED da América Latina, seguido de Bogotá e Buenos Aires. Rio de Janeiro também está bem colocada na classificação. México Bogota Santiago Buenos Aires São Paulo Rio de Janeiro 405 milhões 88 milhões 34 milhões 415 milhões 598 milhões 897 milhões 609 milhões 687 milhões 624 milhões 1 milhão 316 milhões 8,4 bilhões 674 milhões 2,9 bilhões 2006 2011 Dados em: US$ Fonte:RevistaExame,McKinseye Fecomércio Elaboração:MinistériodaFazenda
  102. 102. 108 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Composição do Passivo Externo (% do total) Investimentos de longo prazo compõem o passivo externo A participação do IED no total do passivo externo foi de 45,2% em 2012. Em relação a 2011, houve maior participação de outros investimento de longo prazo, como renda fixa. Em 2013, a participação de IED aumentou para 45,5%, com redução em outros passivos. Trata-se de mais um indicador de solidez do Balanço de Pagamentos brasileiro. Outros passivos Renda Fixa Ações IED 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 29,4 26,4 30,6 26,5 22,4 14,2 13,4 11,0 16,8 10,4 10,5 13,1 30,9 32,1 27,8 24,1 21,5 18,0 15,8 19,9 17,2 15,0 16,4 9,9 7,9 13,1 17,3 25,1 30,7 39,6 21,6 35,0 29,4 18,1 32,8 32,7 36,1 39,2 37,9 33,6 41,6 37,3 45,0 24,7 13,2 12,9 23,6 18,0 45,2 23,6 45,8 45,5 Outros Passivos Renda Fixa Ações IED Dados em: % do total * Dados preliminares até 2013 Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  103. 103. 109 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Investimento Estrangeiro Direto, Investimento Estrangeiro em Carteira e Conta Corrente (% do PIB) IED financia déficit em conta corrente pelo 5º ano consecutivo O volume de IED contabilizado em 2012 corresponde a 2,9% do PIB, superior ao déficit em conta corrente pelo quinto ano consecutivo. Essa trajetória permanece em 2013. O investimento estrangeiro em carteira, em trajetória descendente desde 2010, permanece estabilizado em 0,7% do PIB. 0,7 -2,6 2,8 Conta Corrente Investimento Estrangeiro em Carteira Investimento Estrangeiro Direto -3 -2 -1 0 1 2 3 4 Jan 2013 Dez2012 Set2012 Jun 2012 M ar2012 Dez2011 Set2011 Jun 2011 M ar2011 Dez2010 Set2010 Jun 2010 M ar2010 Dez2009 Set2009 Jun 2009 M ar2009 Dez2008 Set2008 Investimento Estrangeiro Direto Investimento Estrangeiro em Carteira Saldo em Conta Corrente Dados em: % do PIB Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  104. 104. 110 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Indicadores deVulnerabilidade Externa (% do PIB) Baixa vulnerabilidade externa As condições de baixa vulnerabilidade externa obtidas pelo País permaneceram mantidas em 2012 e continuamem2013.OvolumedereservasemrelaçãoaoPIB(20%)estábemacimadaproporçãodadívida externa (14,0% do PIB) e do déficit em transações correntes. -10 0 10 20 30 40 50 201320081998198719821974 Transações Correntes (%PIB) Reservas Internacionais (%PIB) Dívida externa total (%PIB) Impacto do 1o choque do petróleo Crise da dívida externa Moratória da dívida externa Antes do regime de câmbio flutuante Situação atual (janeiro/13) Crise financeira mundial (subprime) 4,8 1,5 2,6 5,3 11,7 20,0 18,1 31,5 26,5 12,0 14,0 -6,8 -6,0 -0,5 -4,0 -1,7 42,9 -2,6 Dívida ExternaTota Reservas Internacionais Transações Correntes Dados em: % do PIB Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  105. 105. 111 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Reservas Internacionais* (US$ bilhões) Reservas internacionais cobrem o total da dívida externa As reservas internacionais totalizaram US$ 376,5 bilhões até 25 de março de 2013, cobrindo o total da dívida externa no ano (US$318 bilhões). Isso deixa o País em posição confortável como credor externo líquido e resistente a crises. 0 50 100 150 200 250 300 350 400 2013* 2012 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 Empréstimos do FMI Reservas internacionais 20,8 28,3 24,9 17,0 21,0 28,0 53,8 85,8 180,3 193,8 238,5 288,6 352,0 378,6 376,5 Dados em: US$ bilhões * Até 25 de março de 2013 Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  106. 106. 112 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda SetorExterno Taxa de Câmbio Nominal (RS/US$) Taxa de câmbio mais equilibrada Mesmo diante das desvalorizações competitivas de outras moedas internacionais, o Real tem-se mantido estabilizado em torno de R$ 2,00. 1,5 1,6 1,7 1,8 1,9 2,0 2,1 2,2 M ar2013 Jan 2013 Nov 2012 Set2012 Jul2012 M ai2012 M ar2012 Jan 2012 Nov 2011 Set2011 Jul2011 M ai2011 M ar2011 Jan 2011 Média do 1º semestre de 2011: 1,63 Média do 2º semestre de 2011: 1,72 Média do 1º semestre de 2012: 1,87 Média do 2º semestre de 2012: 2,04 Média do 1º trimestre de 2013: 2,00 2,00 Dados em: RS/US$ Fonte:BancoCentraldoBrasil Elaboração:MinistériodaFazenda
  107. 107. Economia Brasileira em PERSPECTIVA Ministério da Fazenda Panorama Internacional
  108. 108. 114 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PanoramaInternacional As principais economias avançadas apresentam cenário de lenta recuperação. As taxas de desemprego ainda são preocupantes tanto na Europa como nos Estados Unidos, o que tem motivado a continuação de afrouxamento monetário generalizado por parte dos bancos centrais daquelas economias. A expectativa consolidada no mercado é de que o ano 2013 deve apresentar melhora ou pelo menos manutenção no crescimentoeconômicocomrelaçãoa2012.NaEuropa,Grécia,Portugal,EspanhaeItáliadevemaindacontinuarcom PIB negativo em 2013, de acordo com o Fundo Monetário Internacional. Lenta retomada da economia mundial
  109. 109. 115 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PanoramaInternacional Crescimento do PIB em Regiões Selecionadas (% a.a.) 2013-2014: crescimento mais dinâmico nas economias emergentes Os próximos dois anos deverão ser marcados por um processo de recuperação econômica em várias partes do globo, com destaque para os Estados Unidos, América Latina e países emergentes. O mundo ainda vê com preocupação as economias europeia e japonesa. -8 -6 -4 -2 0 2 4 6 2014* 2013* 2012* 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 -4 -2 0 2 4 6 8 10 12 14 2014* 2013* 2012* 2011 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 2000 América Latina e Caribe Ásia Emergente África Sub-Saariana EUA Zona do Euro Japão 2012 2013 2014 Estados Unidos 2,2 2,1 2,9 Zona do Euro -0,4 0,2 1,2 Japão 2,2 1,2 1,1 2012 2013 2014 África Sub-Saariana 6,7 7,2 7,5 América Latina e Caribe 3,2 3,9 4,1 Ásia Emergente 5,0 5,7 5,5 Japão Zona do Euro EUA África Sub-Saariana América Latina e Caribe Ásia Emergente Dados em: % anual * Projeções doWEO/FMI Janeiro de 2013 Fonte:FMI Elaboração:MinistériodaFazenda
  110. 110. 116 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PanoramaInternacional Média de Crescimento do PIB nas Economias Mundiais: 2007 a 2012 (% a.a.) Entre 2007 e 2012, o PIB do Brasil cresceu, em média 3,7% ao ano Maior ou igual a 3% Menor que 3% Arábia Saudita Brasil Rússia 3,0 6,1 4,1 Argentina Chile Colômbia 4,1 Índia 7,6 China Indonésia 6,0 Coreia do Sul México Canadá Japão Reino Unido Espanha Itália -0,90,3 0,5 -0,1 França Alemanha 1,2 0,3 4,6 Egito África do Sul Austrália Estados Unidos Canadá 1,3 0,8 3,7 4,5 10,1 3,5 Turquia 2,9 1,9 2,8 3,3 Dados em: % anual Fonte:Bloomberg Elaboração:MinistériodaFazenda
  111. 111. 117 EdiçãoMarço|Ano2013 Ministério da Fazenda PanoramaInternacional Previsões de Crescimento do PIB nas Economias Mundiais* (% a.a.) Previsões de crescimento das principais economias do mundo 2014 2013 Canadá Brasil Argentina África do Sul Árabia Saldita Índia Rússia Japão Austrália Coréia do Sul Indonésia China Turquia Reino Unido México Estados Unidos 2,42,0 2,92,1 3,53,5 4,24,0 3,83,1 3,93,0 2,21,1 4,03,5 3,84,2 6,46,0 8,58,2 3,93,8 1,11,2 4,03,6 6,56,3 3,23,0 1,20,2 Zona do Euro França 0,4 1,1 Itália -0,7 0,5 Alemanha 1,40,9 2013 2014 Dados em: % anual * Projeções doWEO/FMI Janeiro de 2013 Fonte:FMI Elaboração:MinistériodaFazenda

×