1
Grupo 5:

FEITIÇOS E FALHANÇOS
Peça de Teatro
(Está a Amiga numa esplanada a escrever um livro)
BRUXA – (entrando) Olha ...
2
dar-lhe um beijo, acorda no momento, dá um grito e foge assustado) Estás a ver? Eu vi logo que era
demais!...
(O rapaz1 ...
3
EMPREGADA – (reentra) O-o-olhe, mi-mi-minha se-se-nhora (desmaia ao ver o Superior, que é
um fantasma)
SUPERIOR – Esta g...
4
BRUXA – É melhor despachar-me! Finalmente, vou levantar a âncora!...
AMIGA – Queres tu dizer: vais desencalhar!... També...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Peça feitiços...

260 visualizações

Publicada em

peça de teatro

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
260
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Peça feitiços...

  1. 1. 1 Grupo 5: FEITIÇOS E FALHANÇOS Peça de Teatro (Está a Amiga numa esplanada a escrever um livro) BRUXA – (entrando) Olha quem cá está! AMIGA – É verdade, hoje acordei com vontade de escrever e, olha, cá estou agarrada aos papéis e à caneta. BRUXA – Não estava a falar para ti, estava a falar para aquela linda planta. AMIGA – Gervália onde é que tens a cabeça? A planta está completamente seca! BRUXA – Em primeiro lugar, as plantas de minha casa também estão todas secas e quando tu lá vais até dizes que estão bonitas… AMIGA – (aparte) Se eu não o disser, estou na rua… BRUXA – E em segundo lugar, sabes muito bem que os tons castanhos condizem comigo! AMIGA – Os gostos não se discutem... Então os teus!... BRUXA – Mudando de conversa, ainda bem que te encontro. Aquele livro que... tirei da sala dos professores... tem coisas fantásticas! AMIGA – Tiraste o livro de “feitiços cor-de-rosa” da sala dos professores, sua bruxa?!... BRUXA – Bruxa, com muito gosto. E, já agora, bruxa de terceiro grau. Enquanto tu ainda não passas de uma bruxa de segundo grau. AMIGA – Olha lá, tu não te atreveste a fazer nenhum feitiço dos que tinha aí no livro pois não? BRUXA – Não, apenas passei a semana a fazê-los, mas sem grandes resultados. AMIGA – Ai senhores! Sabes bem que é proibido fazermos feitiços fora da escola!... Ainda nos metes numa alhada!... BRUXA – Não te preocupes. Infelizmente, o livro deve ser falso ou já está fora de validade, porque, até agora, nenhum feitiço deu resultado... Queres ver?... Olha bem para aquele rapaz giro que ali está... (lançando-lhe um feitiço ele volta-se, apaixonado, começa a fazer-lhe olhinhos) AMIGA – E tu dizias que não dava resultado! O que é aquilo?! O moço ficou caidinho por ti!... BRUXA – Olha que foi a primeira vez!... Mas ainda bem... É que ele é tão giro... (faz-lhe também olhinhos, ele levanta-se, vai ao encontro dela como um zumbi, ela aponta-lhe para a cara, ele vai a 1
  2. 2. 2 dar-lhe um beijo, acorda no momento, dá um grito e foge assustado) Estás a ver? Eu vi logo que era demais!... (O rapaz1 entra outra vez para levar as coisas e sai.) AMIGA – Já que fizeste asneira e eu já estou metida, mostra-me lá a receita (a Bruxa tira o livro do saco e dá-o à Amiga) Mas que receita interessante! Ingredientes: 3 pêlos de rata velha; saliva de canguru quanto baste; 6 unhas de porco sujo; um par de cuecas por lavar, roubadas de um estendal à noite; 12 pilinhas de gato virgem;... BRUXA – Não, são duas! AMIGA – Doze! Olha aqui o 1! São 12. BRUXA – Ah! Então era por isso... (pensa em voz alta) Por isso é que não tinha potência... o produto... AMIGA – Continuando: tempere os pêlos de rata velha com saliva de canguru e mexa até obter um creme pastoso. Adicione, uma a uma, as unhas de porco sujo, alternando com as pilinhas de gato. Envolva o creme nas cuecas sujas, até obter um pó branco. BRUXA – Obrigado amiga!… Vou já para casa fazer o feitiço, mas desta vez, com a receita certa! Agora é que vai ser!... he... he... AMIGA – Espera,(com um ar pensativo) tenho uma ideia! Acrescenta mais uma coisinha. Deita uma ou duas gotinhas deste líquido que vai fazer com que ela dure muitos anos. BRUXA – Boa ideia. És um génio! Estás quase a chegar aos meus calcanhares. (A Bruxa sai e a Amiga continua a escrever o seu livro) AMIGA – (para a Empregada) Olhe, desculpe, pode-me trazer um refresco quente? EMPREGADA – Um um re-re -re-fres-co-co que-quente?! AMIGA – Sim! EMPREGADA – (estremangando) Só um m-mo-mento! AMIGA – Só racistas, onde é que isto já se viu? (sai a Empregada e entra o Superior) SUPERIOR – Ainda bem que te encontro... e tu já deves saber porquê!... AMIGA – (atrapalhada) Eu... eu não, não sei de nada... SUPERIOR – Então, como explicas o facto de ter desaparecido o livro da sala dos professores? Só tu é que costumas fazer isto! AMIGA – Mas desta vez não fui eu. SUPERIOR – Espero bem que sim. Se não vais ter graves problemas. 2
  3. 3. 3 EMPREGADA – (reentra) O-o-olhe, mi-mi-minha se-se-nhora (desmaia ao ver o Superior, que é um fantasma) SUPERIOR – Esta gente de cá é toda marada (dirige-se a empregada e tenta reanimá-la com uns estalos; ela acorda e apaixona-se, saindo seguidamente abraçada a ele) Quanto a, ti falamos mais tarde! (Entra a Bruxa e, pouco depois, o Rapaz 2, todo jeitoso, que se senta de costas para a Bruxa) AMIGA – Então, já está pronto? BRUXA – (mostra-lhe o pó) Prontíssimo, só falta escolher o alvo! (procura com o olhar, fixando-se no Rapaz 2; a Amiga apercebe-se de que ela já o escolheu e manda-a avançar com um olhar) BRUXA – É para já. (o Rapaz 2 levanta-se e vai pedir alguma coisa para beber, mas deixa os seus adereços na mesa) RAPAZ 2 – (com uma voz de mau) Já nem nos cafés há empregadas! (sai de cena) BRUXA – Olha, é tão simpático! AMIGA – Enquanto esperamos que ele venha, vou-te mostrar uma coisa. (tira uma revista do saco e começa a mostrar) BRUXA – Ai, que monumentos!... Que árvores despidas pelo Outono... AMIGA – Gervália, estamos no Verão! BRUXA – Não faz mal... O que importa é que são bons como o milho! Eu vou levá-la! AMIGA – Não vais, porque a revista é minha. BRUXA – Mas eu vou levá-la! (começam a disputar a revista e é nesse momento que entra o Velho, com uma roupa parecida com a do Rapaz 2, e se senta, de costas para elas, na mesa onde estava o Rapaz 2, fazendo algum barulho) AMIGA – A revista é minha! BRUXA – Mas eu gostei dela! AMIGA – Mas não a vais levar! BRUXA – Vou sim! AMIGA – Não! BRUXA – Sim! AMIGA – Olha quem voltou!... Não lhe lanças o feitiço! Olha que ele ainda se vai embora! (a Bruxa deixa a revista e a Amiga de imediato a esconde no saco) 3
  4. 4. 4 BRUXA – É melhor despachar-me! Finalmente, vou levantar a âncora!... AMIGA – Queres tu dizer: vais desencalhar!... Também, se não for assim, ninguém te quer! BRUXA – Cala-te, vira para lá essa boca, se não, ainda me dás azar! 1, 5, 8, 10!... (e bufa; o Velho estremece, levanta-se com um ar de apaixonado e olha para a Bruxa; ela vira-se de costas e não olha para ele) Este já cá canta... AMIGA – Deixa-me ir embora que as velas derretem depressa e este corpinho Danone não serve para fazer de vela. (e sai) (A Bruxa aponta para a cara e o Velho vai atrás dela, mas com muita timidez) VELHO – Amorzinho, coisa linda, dá cá uma beijoca! (com um ar de apaixonado e em posição de beijo ) Olha que eu estou mesmo atrás de ti... BRUXA – (Olha, dá um grito e o Velho faz um ar de quase desmaiado) Um monstro!... Acuuuudam-me !... Um monstro!... (foge ) VELHO – (Olha para os lados com medo) Um monstro? Onde? Anda cá, meu petisquinho de água doce, que eu protejo-te! (sai atrás dela) Fim 4

×