SlideShare uma empresa Scribd logo
Controle de Processos:
Definições e terminologias (2/2)
Prof. Eduardo Stockler Tognetti
& David Fiorillo
Laboratório de Automação e Robótica (LARA)
Dept. Engenharia Elétrica - UnB
Conteúdo
1. Documentos de engenharia
2. Documentos de engenharia de controle
3. Norma ISA
4. Norma ISA 5.1
5. Exemplos de instrumentos
6. Identificação funcional, etiqueta ou TAG
7. Tabela de identificação funcional
8. Combinação típica de letras
9. Composição de identificação funcional
10. Símbolos de instrumentos
11. Funções matemáticas
12. Símbolos de atuadores
13. Símbolos de elementos primários
14. Símbolos de funções
15. Símbolos de equipamentos
16. Arranjos típicos
17. Exemplos
Documentos de engenharia
Documentos de engenharia de
controle e automação
• PROJETO BÁSICO
– FLUXOGRAMA DE PROCESSO (DE): Deve conter a representação simplificada das malhas de controle com
simbologia segundo a norma ISA 5.1, identificando a variável, função e localização. Deve conter ainda a
representação de equipamentos e linhas principais de processo.
– FOLHA DE DADOS DE PROCESSO (FD): Deve conter todas as informações de processo necessárias à seleção
e dimensionamento dos instrumentos.
– MATRIZ DE CAUSA E EFEITO (DE): Deve mostrar o inter-relacionamento entre os eventos (causa) e as ações
(efeito), que devem ocorrer de forma automática e controlada pelo sistema (SIS, SDCD etc.). Deve ser
apresentado em uma forma matricial com as causas nas linhas e os efeitos nas colunas. Devem aparecer
separadas as sequencias automáticas de parada, partida ou manobras operacionais específicas, e as
sequencias de segurança, em documentos distintos ou no mesmo documento devidamente identificadas.
– LISTA PRELIMINAR DE INSTRUMENTOS (LI): Deve ser emitida em formulário no formato A3 ou A4. Deve
conter todos os instrumentos da unidade, agrupados por malha e em ordem crescente, indicando o serviço
onde são utilizados, sua locação física (campo, painel, função em sistema digital), o número do fluxograma e
da folha de dados de processo, e o tipo do instrumento previsto (placa, venturi, termopar). Funções
lógicas/matemáticas configuráveis e tagueadas devem ser indicadas na lista.
– FLUXOGRAMA PRELIMINAR DE ENGENHARIA (DE): Deve conter as malhas de controle, indicações, alarmes e
intertravamentos, explicitando as funções de instrumentos, sua identificação, localização, tipo de sinal de
controle (pneumático, eletrônico e digital), tipo da instrumentação de supervisão (painel convencional,
SDCD, CLP) e válvulas de segurança e alívio. Deve conter, também, notas explicativas e recomendações ou
exigências do projeto básico quanto à locação ou outros requisitos pertinentes à instrumentação. Deve
indicar ainda as interligações de intertravamentos e controles com as unidades fornecidas em “pacotes” e
sistema de controle avançado.
Documentos de engenharia de
controle e automação
– RELATÓRIO DE CLASSIFICAÇÃO DE MALHAS DE SEGURANÇA
– CRITÉRIOS DE PROJETOS PARA INSTRUMENTAÇÃO (ET)
– DIAGRAMA LÓGICO (DE): O diagrama lógico mostra o inter-relacionamento entre as ações e os
eventos que devem ocorrer de forma automática e controlada pelo sistema. Também devem
aparecer as sequencias automáticas de parada, partida ou manobras operacionais específicas.
Deve ser representado através de portas lógicas conforme a norma ISA 5.2. As informações de
uma mesma lógica devem estar contidas em uma mesma folha, facilitando a compreensão. O
documento deve representar a lógica na sua forma mais simplificada.
– ARQUITETURA DE SISTEMA (DE): Deve mostrar de forma simbólica os equipamentos principais
do sistema (SDCD, CLP, PI, PES, STVM, STT, IHM, EMED, sistema analítico, unidades “pacotes” e
outros), sua localização física e de que maneira se interligam. Neste documento devem estar
claros os tipos de redes, os meios de comunicação e os protocolos utilizados.
– FOLHA DE DADOS PARA INSTRUMENTOS ESPECIAIS (FD)
– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMAS ESPECIAIS (ET)
– DIAGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSO (DE): Deve ser emitido em formulário no formato A4
e conter detalhes das malhas de controle regulatório com uma definição clara das funções e
cálculos envolvidos, sua interligação com outras malhas, cascatas e “bias”. Deve existir sempre
que os fluxogramas de engenharia não consigam deixar a função da malha esclarecida. Deve
atender a norma ISA 5.1.
– DESCRITIVO DE MALHAS DE CONTROLE (MD): Deve ser emitido em formulário no formato A4
e conter explicações sobre o objetivo e forma de funcionamento das malhas de controle, bem
como explicitar as equações, parâmetros e algoritmos a serem ajustados nas funções
envolvidas nestas malhas. Complementa e pode ser complementado pelo diagrama de
controle de processo.
– MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTRUMENTAÇÃO (MD)
Documentos de engenharia de
controle e automação
• PROJETO EXECUTIVO
– CRONOGRAMA DE PROJETO (CR)
– LISTA DE DOCUMENTOS DE PROJETO (LD)
– LISTA DE INSTRUMENTOS (LI)
– LISTA DE CABOS (LI)
– LISTA DE MATERIAIS (LI)
– LISTA DE PONTOS DE AJUSTE (LI)
– LISTA DE ENTRADAS E SAÍDAS (LI)
– LISTA DE COMUNICAÇÃO (LI)
– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE SUPERVISÃO
E CONTROLE (ET)
– ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA
INSTRUMENTADO DE SEGURANÇA (ET)
– MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE
ELEMENTOS PRIMÁRIOS DE VAZÃO (MC)
– MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE
VÁLVULA DE CONTROLE (MC).... 13
– MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE
VÁLVULA DE ALÍVIO E SEGURANÇA (MC)
– FLUXOGRAMA DE ENGENHARIA (DE)
– ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL PARA
INSTRUMENTAÇÃO (ET)
– DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA (DE)
– PLANTA DE ARRANJO DA SALA DE CONTROLE (DE)
– PLANTA DE INSTRUMENTAÇÃO PNEUMÁTICA (DE)
– PLANTA DE INSTRUMENTAÇÃO ELÉTRICA (DE)
– PLANTA DE ENCAMINHAMENTO DE MULTICABOS NA
SALA DE CONTROLE (DE)
– DIAGRAMA DE MALHA (DE)
– DIAGRAMA LÓGICO (DE)
– DETALHE DE INSTALAÇÃO AO PROCESSO (DE)
– DETALHE DE INSTALAÇÃO PNEUMÁTICA (DE)
– DETALHE DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA (DE)
– DIAGRAMA FUNCIONAL (DE)
– LISTA DE CARGAS ELÉTRICAS DE INSTRUMENTAÇÃO (LI)
– DETALHES GERAIS DE MONTAGEM (DE)
– DESENHO DE ARQUITETURA DE SISTEMAS DE SUPERVISÃO
(DE)
– FOLHA DE DADOS DE INSTRUMENTOS (FD)
– REQUISIÇÃO DE MATERIAL (RM)
– PARECER TÉCNICO (PT)
– DOCUMENTAÇÃO EMITIDA PELOS FABRICANTES
• CRONOGRAMA DE FABRICAÇÃO
• DESENHOS DOS EQUIPAMENTOS, INSTRUMENTOS OU
MATERIAIS
• LISTA DE DOCUMENTOS
• RELATÓRIOS DE ENSAIO
• MANUAIS DE MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO
DOS
• EQUIPAMENTOS/INSTRUMENTOS
• CERTIFICADOS
Organograma de obra
Parte de fluxograma de engenharia
Parte de fluxograma de processos
Planta de arquitetura
Parte de diagrama lógico
Parte da Matriz causa-efeito
Parte de diagrama elétrico unifilar
Folha de dados e requisição de
materiais
Lista de cabos para instrumentação
Norma ISA
• Sob o ponto de vista do tempo e do tipo de
operação envolvido, o processo pode ser
classificado em contínuo, batelada, discreto e
fabricação de itens.
Norma ISA 5.1
Exemplos de instrumentos
Identificação funcional, etiqueta ou
TAG
• Cada instrumento será
identificado por um conjunto de
letras (identificação funcional) e
números (identificação da malha
de controle)
• Conjunto de letras
– 1ª letra: identifica a variável
medida pelo instrumento (variável
de controle, distúrbio)
– Letras subsequentes: funções do
instrumento
• Número da malha: todos os
instrumentos da malha devem
apresentar o mesmo número
Obs.: O código da área pode ser
incluído na informação do tag
(depende da norma ou regras da
empresa). Ex.: 5380TIC103 ou TIC
5380-103.
Tabela de identificação funcional
Combinações típicas de letras
Composição de identificação funcional
• A identificação funcional deverá ser estabelecida de acordo com a função do
instrumento ou função programada e não de acordo com sua construção. Assim,
um transmissor de pressão diferencial usado para medição de nível deverá ser
identificado por LT e não PDT. Um indicador de pressão e um pressostato (chave de
pressão) conectado à saída de um transmissor pneumático de nível deverão ser
identificados respectivamente como LI e LS.
• A primeira letra é escolhida de acordo com a variável medida ou variável
inicializadora e não de acordo com a variável manipulada. Assim, uma válvula de
controle variando a vazão de acordo com a saída de um controlador de nível, é
uma LV e não uma FV.
• A letra modificadora altera ou complementa o significado da letra precedente. As
letras modificadoras podem modificar ou a primeira letra ou as letras sucessivas,
como aplicável. Assim, TDAL contem dois modificadores: A letra “D” modifica a
variável medida “T” em uma nova variável: temperatura diferencial. A letra “L”
restringe a função de leitura Alarme “A”, para representar um alarme de baixo
(Low – L). de nível, é uma LV e não uma FV.
• Ex.: PDIAL = indicador de pressão diferencial (modificador de pressão) com alarme
(modificador de indicador) de baixa (modificador de alarme).
• Letras sempre em maiúsculas.
Composição de identificação funcional
• Letras subsequentes em qualquer ordem (exceto
CV, válvula de controle auto-atuada).
• Se para a mesma malha há mais de um
instrumento com mesma id. funcional, um sufixo
pode ser adicionado (ex.: FV-2A, FV-2B)
• Um instrumento deve ser identificado
considerando todas as suas funções (ex.:
registrador de vazão e pressão FR-2/PR-3)
• Para cada função deve haver círculos
concêntricos tangenciais (ex.: controlador de
temperatura com chave de nível)
Composição de identificação funcional
• O número de letras não deve ultrapassar 4. Se
o instrumento é registrador e indicador da
mesma variável, o I pode ser omitido.
• Em fluxogramas não é obrigatório identificar
todos os elementos de uma malha. Ex.: uma
placa de orifício, uma válvula e elementos e
elementos primários podem ser omitidos para
se representar instrumentos mais
importantes.
Resumo
Nomenclaturas mais comuns
Símbolos de instrumentos
Locais de montagem
Funções matemáticas
Tipos de conexão
Símbolos de atuadores
Símbolos de elementos primários
Símbolos de elementos primários
Símbolos de funções
Símbolos de equipamentos
Arranjos típicos
Exemplos
Exemplos
Exemplos
Referências
• Norma ISA 5.1, ABNT e Petrobras.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 Simbologia
2 Simbologia2 Simbologia
2 Simbologia
googlr
 
Simbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao ifSimbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao if
Mércia Regina da Silva
 
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r157768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
Tuane Paixão
 
Norma
NormaNorma
Control aula02 nomenclat
Control aula02 nomenclatControl aula02 nomenclat
Control aula02 nomenclat
Marcio Parente
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
Nícolas Cardoso
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - IntroduçaoInstrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Anderson Pontes
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
elliando dias
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
phasetronik
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r157768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
Tuane Paixão
 
Instrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial BásicaInstrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial Básica
Johnata França Reis
 

Mais procurados (12)

2 Simbologia
2 Simbologia2 Simbologia
2 Simbologia
 
Simbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao ifSimbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao if
 
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r157768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
57768 1289 28.02.2012 13.36.09_03_nomenclatura_simbologia_r1
 
Norma
NormaNorma
Norma
 
Control aula02 nomenclat
Control aula02 nomenclatControl aula02 nomenclat
Control aula02 nomenclat
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Simbologia isa
 
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - IntroduçaoInstrumentaçao Industrial - Introduçao
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
 
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r157768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
57768 1289 28.02.2012 13.34.50_02_malhas_controle_r1
 
Instrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial BásicaInstrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial Básica
 

Semelhante a 3 aula2 definicoes-terminologias-1

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Simbologia isa
Henrique Farias
 
Simbologia_Operador Industrial (1).pdf
Simbologia_Operador Industrial (1).pdfSimbologia_Operador Industrial (1).pdf
Simbologia_Operador Industrial (1).pdf
Cleberson24
 
2845081.ppt
2845081.ppt2845081.ppt
2845081.ppt
TardelliFuad1
 
Simbologia e Nomenclatura.pdf
Simbologia e Nomenclatura.pdfSimbologia e Nomenclatura.pdf
Simbologia e Nomenclatura.pdf
AdemilsonCaetano2
 
Simbologia fluxograma processo
Simbologia fluxograma processoSimbologia fluxograma processo
Simbologia fluxograma processo
Vismael Santos
 
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptxCapitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
RafaelSodr6
 
02-aula-simbologia-151211191839.pdf
02-aula-simbologia-151211191839.pdf02-aula-simbologia-151211191839.pdf
02-aula-simbologia-151211191839.pdf
CleberSalvaterra2
 
Aula_03_Simbologia_ISA.pptx
Aula_03_Simbologia_ISA.pptxAula_03_Simbologia_ISA.pptx
Aula_03_Simbologia_ISA.pptx
ssuser7f7a9a
 
Simbologia
Simbologia Simbologia
Simbologia
rhtdesenvolvimento
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
gedivan santana de jesus
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
smk_22
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
Alei Souza
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
gedivan santana de jesus
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
gedivan santana de jesus
 
3 1 simbologia (1)
3 1   simbologia (1)3 1   simbologia (1)
3 1 simbologia (1)
Lorena Barreto
 
Simbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentaçãoSimbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentação
phasetronik
 
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
Thiago Lima
 
AULA 03 Sistemas de Controle.pptx
AULA 03 Sistemas de Controle.pptxAULA 03 Sistemas de Controle.pptx
AULA 03 Sistemas de Controle.pptx
THIAGOLEITEMARTINSMO
 
Manômetro
ManômetroManômetro
Manômetro
choiuzumaki
 

Semelhante a 3 aula2 definicoes-terminologias-1 (20)

Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Simbologia isa
 
Simbologia_Operador Industrial (1).pdf
Simbologia_Operador Industrial (1).pdfSimbologia_Operador Industrial (1).pdf
Simbologia_Operador Industrial (1).pdf
 
2845081.ppt
2845081.ppt2845081.ppt
2845081.ppt
 
Simbologia e Nomenclatura.pdf
Simbologia e Nomenclatura.pdfSimbologia e Nomenclatura.pdf
Simbologia e Nomenclatura.pdf
 
Simbologia fluxograma processo
Simbologia fluxograma processoSimbologia fluxograma processo
Simbologia fluxograma processo
 
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptxCapitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
Capitulo 3 - Identificacao de Instrumentos.pptx
 
02-aula-simbologia-151211191839.pdf
02-aula-simbologia-151211191839.pdf02-aula-simbologia-151211191839.pdf
02-aula-simbologia-151211191839.pdf
 
Aula_03_Simbologia_ISA.pptx
Aula_03_Simbologia_ISA.pptxAula_03_Simbologia_ISA.pptx
Aula_03_Simbologia_ISA.pptx
 
Simbologia
Simbologia Simbologia
Simbologia
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
 
3 1 simbologia (1)
3 1   simbologia (1)3 1   simbologia (1)
3 1 simbologia (1)
 
Simbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentaçãoSimbologia para instrumentação
Simbologia para instrumentação
 
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
Open Hardware - A contribuição da comunidade do Embarcados
 
AULA 03 Sistemas de Controle.pptx
AULA 03 Sistemas de Controle.pptxAULA 03 Sistemas de Controle.pptx
AULA 03 Sistemas de Controle.pptx
 
Manômetro
ManômetroManômetro
Manômetro
 

Mais de Ualasse Fernando Santos Silva

Acordo paris onu-2016_pt_47
Acordo paris onu-2016_pt_47Acordo paris onu-2016_pt_47
Acordo paris onu-2016_pt_47
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Nbr 12225 -_2004
Nbr 12225 -_2004Nbr 12225 -_2004
instrumentação industrial
instrumentação industrialinstrumentação industrial
instrumentação industrial
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Clp allen bradley[1]
Clp allen bradley[1]Clp allen bradley[1]
Clp allen bradley[1]
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadasEd.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Link click
Link clickLink click
Respostas lista pece modulo i atual
Respostas lista pece   modulo i atualRespostas lista pece   modulo i atual
Respostas lista pece modulo i atual
Ualasse Fernando Santos Silva
 

Mais de Ualasse Fernando Santos Silva (8)

Acordo paris onu-2016_pt_47
Acordo paris onu-2016_pt_47Acordo paris onu-2016_pt_47
Acordo paris onu-2016_pt_47
 
Nbr 12225 -_2004
Nbr 12225 -_2004Nbr 12225 -_2004
Nbr 12225 -_2004
 
instrumentação industrial
instrumentação industrialinstrumentação industrial
instrumentação industrial
 
Circuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continuaCircuitos de corrente continua
Circuitos de corrente continua
 
Clp allen bradley[1]
Clp allen bradley[1]Clp allen bradley[1]
Clp allen bradley[1]
 
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadasEd.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
Ed.40 instalacoes eletricas_e_de_instrumentacao_para_areas_classificadas
 
Link click
Link clickLink click
Link click
 
Respostas lista pece modulo i atual
Respostas lista pece   modulo i atualRespostas lista pece   modulo i atual
Respostas lista pece modulo i atual
 

Último

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

3 aula2 definicoes-terminologias-1

  • 1. Controle de Processos: Definições e terminologias (2/2) Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB
  • 2. Conteúdo 1. Documentos de engenharia 2. Documentos de engenharia de controle 3. Norma ISA 4. Norma ISA 5.1 5. Exemplos de instrumentos 6. Identificação funcional, etiqueta ou TAG 7. Tabela de identificação funcional 8. Combinação típica de letras 9. Composição de identificação funcional 10. Símbolos de instrumentos 11. Funções matemáticas 12. Símbolos de atuadores 13. Símbolos de elementos primários 14. Símbolos de funções 15. Símbolos de equipamentos 16. Arranjos típicos 17. Exemplos
  • 4. Documentos de engenharia de controle e automação • PROJETO BÁSICO – FLUXOGRAMA DE PROCESSO (DE): Deve conter a representação simplificada das malhas de controle com simbologia segundo a norma ISA 5.1, identificando a variável, função e localização. Deve conter ainda a representação de equipamentos e linhas principais de processo. – FOLHA DE DADOS DE PROCESSO (FD): Deve conter todas as informações de processo necessárias à seleção e dimensionamento dos instrumentos. – MATRIZ DE CAUSA E EFEITO (DE): Deve mostrar o inter-relacionamento entre os eventos (causa) e as ações (efeito), que devem ocorrer de forma automática e controlada pelo sistema (SIS, SDCD etc.). Deve ser apresentado em uma forma matricial com as causas nas linhas e os efeitos nas colunas. Devem aparecer separadas as sequencias automáticas de parada, partida ou manobras operacionais específicas, e as sequencias de segurança, em documentos distintos ou no mesmo documento devidamente identificadas. – LISTA PRELIMINAR DE INSTRUMENTOS (LI): Deve ser emitida em formulário no formato A3 ou A4. Deve conter todos os instrumentos da unidade, agrupados por malha e em ordem crescente, indicando o serviço onde são utilizados, sua locação física (campo, painel, função em sistema digital), o número do fluxograma e da folha de dados de processo, e o tipo do instrumento previsto (placa, venturi, termopar). Funções lógicas/matemáticas configuráveis e tagueadas devem ser indicadas na lista. – FLUXOGRAMA PRELIMINAR DE ENGENHARIA (DE): Deve conter as malhas de controle, indicações, alarmes e intertravamentos, explicitando as funções de instrumentos, sua identificação, localização, tipo de sinal de controle (pneumático, eletrônico e digital), tipo da instrumentação de supervisão (painel convencional, SDCD, CLP) e válvulas de segurança e alívio. Deve conter, também, notas explicativas e recomendações ou exigências do projeto básico quanto à locação ou outros requisitos pertinentes à instrumentação. Deve indicar ainda as interligações de intertravamentos e controles com as unidades fornecidas em “pacotes” e sistema de controle avançado.
  • 5. Documentos de engenharia de controle e automação – RELATÓRIO DE CLASSIFICAÇÃO DE MALHAS DE SEGURANÇA – CRITÉRIOS DE PROJETOS PARA INSTRUMENTAÇÃO (ET) – DIAGRAMA LÓGICO (DE): O diagrama lógico mostra o inter-relacionamento entre as ações e os eventos que devem ocorrer de forma automática e controlada pelo sistema. Também devem aparecer as sequencias automáticas de parada, partida ou manobras operacionais específicas. Deve ser representado através de portas lógicas conforme a norma ISA 5.2. As informações de uma mesma lógica devem estar contidas em uma mesma folha, facilitando a compreensão. O documento deve representar a lógica na sua forma mais simplificada. – ARQUITETURA DE SISTEMA (DE): Deve mostrar de forma simbólica os equipamentos principais do sistema (SDCD, CLP, PI, PES, STVM, STT, IHM, EMED, sistema analítico, unidades “pacotes” e outros), sua localização física e de que maneira se interligam. Neste documento devem estar claros os tipos de redes, os meios de comunicação e os protocolos utilizados. – FOLHA DE DADOS PARA INSTRUMENTOS ESPECIAIS (FD) – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMAS ESPECIAIS (ET) – DIAGRAMA DE CONTROLE DE PROCESSO (DE): Deve ser emitido em formulário no formato A4 e conter detalhes das malhas de controle regulatório com uma definição clara das funções e cálculos envolvidos, sua interligação com outras malhas, cascatas e “bias”. Deve existir sempre que os fluxogramas de engenharia não consigam deixar a função da malha esclarecida. Deve atender a norma ISA 5.1. – DESCRITIVO DE MALHAS DE CONTROLE (MD): Deve ser emitido em formulário no formato A4 e conter explicações sobre o objetivo e forma de funcionamento das malhas de controle, bem como explicitar as equações, parâmetros e algoritmos a serem ajustados nas funções envolvidas nestas malhas. Complementa e pode ser complementado pelo diagrama de controle de processo. – MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE INSTRUMENTAÇÃO (MD)
  • 6. Documentos de engenharia de controle e automação • PROJETO EXECUTIVO – CRONOGRAMA DE PROJETO (CR) – LISTA DE DOCUMENTOS DE PROJETO (LD) – LISTA DE INSTRUMENTOS (LI) – LISTA DE CABOS (LI) – LISTA DE MATERIAIS (LI) – LISTA DE PONTOS DE AJUSTE (LI) – LISTA DE ENTRADAS E SAÍDAS (LI) – LISTA DE COMUNICAÇÃO (LI) – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA DE SUPERVISÃO E CONTROLE (ET) – ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DO SISTEMA INSTRUMENTADO DE SEGURANÇA (ET) – MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE ELEMENTOS PRIMÁRIOS DE VAZÃO (MC) – MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE VÁLVULA DE CONTROLE (MC).... 13 – MEMÓRIA DE CÁLCULO DE DIMENSIONAMENTO DE VÁLVULA DE ALÍVIO E SEGURANÇA (MC) – FLUXOGRAMA DE ENGENHARIA (DE) – ESPECIFICAÇÃO DE MATERIAL PARA INSTRUMENTAÇÃO (ET) – DIAGRAMA DE INTERLIGAÇÃO ELÉTRICA (DE) – PLANTA DE ARRANJO DA SALA DE CONTROLE (DE) – PLANTA DE INSTRUMENTAÇÃO PNEUMÁTICA (DE) – PLANTA DE INSTRUMENTAÇÃO ELÉTRICA (DE) – PLANTA DE ENCAMINHAMENTO DE MULTICABOS NA SALA DE CONTROLE (DE) – DIAGRAMA DE MALHA (DE) – DIAGRAMA LÓGICO (DE) – DETALHE DE INSTALAÇÃO AO PROCESSO (DE) – DETALHE DE INSTALAÇÃO PNEUMÁTICA (DE) – DETALHE DE INSTALAÇÃO ELÉTRICA (DE) – DIAGRAMA FUNCIONAL (DE) – LISTA DE CARGAS ELÉTRICAS DE INSTRUMENTAÇÃO (LI) – DETALHES GERAIS DE MONTAGEM (DE) – DESENHO DE ARQUITETURA DE SISTEMAS DE SUPERVISÃO (DE) – FOLHA DE DADOS DE INSTRUMENTOS (FD) – REQUISIÇÃO DE MATERIAL (RM) – PARECER TÉCNICO (PT) – DOCUMENTAÇÃO EMITIDA PELOS FABRICANTES • CRONOGRAMA DE FABRICAÇÃO • DESENHOS DOS EQUIPAMENTOS, INSTRUMENTOS OU MATERIAIS • LISTA DE DOCUMENTOS • RELATÓRIOS DE ENSAIO • MANUAIS DE MONTAGEM, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS • EQUIPAMENTOS/INSTRUMENTOS • CERTIFICADOS
  • 8. Parte de fluxograma de engenharia
  • 9. Parte de fluxograma de processos
  • 11. Parte de diagrama lógico
  • 12. Parte da Matriz causa-efeito
  • 13. Parte de diagrama elétrico unifilar
  • 14. Folha de dados e requisição de materiais
  • 15. Lista de cabos para instrumentação
  • 16. Norma ISA • Sob o ponto de vista do tempo e do tipo de operação envolvido, o processo pode ser classificado em contínuo, batelada, discreto e fabricação de itens.
  • 19. Identificação funcional, etiqueta ou TAG • Cada instrumento será identificado por um conjunto de letras (identificação funcional) e números (identificação da malha de controle) • Conjunto de letras – 1ª letra: identifica a variável medida pelo instrumento (variável de controle, distúrbio) – Letras subsequentes: funções do instrumento • Número da malha: todos os instrumentos da malha devem apresentar o mesmo número Obs.: O código da área pode ser incluído na informação do tag (depende da norma ou regras da empresa). Ex.: 5380TIC103 ou TIC 5380-103.
  • 22. Composição de identificação funcional • A identificação funcional deverá ser estabelecida de acordo com a função do instrumento ou função programada e não de acordo com sua construção. Assim, um transmissor de pressão diferencial usado para medição de nível deverá ser identificado por LT e não PDT. Um indicador de pressão e um pressostato (chave de pressão) conectado à saída de um transmissor pneumático de nível deverão ser identificados respectivamente como LI e LS. • A primeira letra é escolhida de acordo com a variável medida ou variável inicializadora e não de acordo com a variável manipulada. Assim, uma válvula de controle variando a vazão de acordo com a saída de um controlador de nível, é uma LV e não uma FV. • A letra modificadora altera ou complementa o significado da letra precedente. As letras modificadoras podem modificar ou a primeira letra ou as letras sucessivas, como aplicável. Assim, TDAL contem dois modificadores: A letra “D” modifica a variável medida “T” em uma nova variável: temperatura diferencial. A letra “L” restringe a função de leitura Alarme “A”, para representar um alarme de baixo (Low – L). de nível, é uma LV e não uma FV. • Ex.: PDIAL = indicador de pressão diferencial (modificador de pressão) com alarme (modificador de indicador) de baixa (modificador de alarme). • Letras sempre em maiúsculas.
  • 23. Composição de identificação funcional • Letras subsequentes em qualquer ordem (exceto CV, válvula de controle auto-atuada). • Se para a mesma malha há mais de um instrumento com mesma id. funcional, um sufixo pode ser adicionado (ex.: FV-2A, FV-2B) • Um instrumento deve ser identificado considerando todas as suas funções (ex.: registrador de vazão e pressão FR-2/PR-3) • Para cada função deve haver círculos concêntricos tangenciais (ex.: controlador de temperatura com chave de nível)
  • 24. Composição de identificação funcional • O número de letras não deve ultrapassar 4. Se o instrumento é registrador e indicador da mesma variável, o I pode ser omitido. • Em fluxogramas não é obrigatório identificar todos os elementos de uma malha. Ex.: uma placa de orifício, uma válvula e elementos e elementos primários podem ser omitidos para se representar instrumentos mais importantes.
  • 40. Referências • Norma ISA 5.1, ABNT e Petrobras.