SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL CEPEP – Escola Técnica
Professor Anderson Pontes
PORQUE AUTOMATIZAR?
A utilização de instrumentos para controle automático de
processo nos permite, incrementar e controlar a qualidade
do produto, aumentar a produção e rendimento, obter e
fornecer dados seguros da matéria-prima e da
quantidade produzida, além de ter em mãos dados
relativos à economia dos processos.
INTRODUÇÃO
Os processos industriais exigem sistemas de controle na fabricação
de seus produtos.
Em todos esses processos é absolutamente necessário controlar e
manter constantes algumas variáveis, como:
 pH
 Pressão
 Temperatura
 Vazão
 Condutividade
 Nível
 Umidade
FABRICAÇÃO DE CERVEJA
REFINO DE PETRÓLEO
INTRODUÇÃO
Os instrumentos de medição e controle são os elementos
que permitem manter controladas as variáveis do processo
com os objetivos de melhorar a qualidade do produto,
aumentar em quantidade produzida, manter a segurança
e melhorar do meio ambiente.
INTRODUÇÃO
No princípio da era industrial, o operário atingia os objetivos
citados através do controle manual destas variáveis utilizando
somente instrumentos simples, como manômetros, termômetros e
válvulas manuais, e isto era suficiente porque os processos eram
simples.
Com o passar do tempo, os processos foram se sofisticando e
exigindo a automação cada vez maior dos instrumentos de
medição e controle. Os operadores foram liberados de sua
atuação física direta no processo e, ao mesmo tempo, ocorreu um
movimento de centralização do monitoramento das variáveis em
uma única sala.
MANTENDO AS VARIÁVEIS ESTÁVEIS
ATRAVÉS DO TRABALHO BRAÇAL
CONTROLE EM UMA LINHA DE
MONTAGEM ANTES...
LINHA DE MONTAGEM AGORA!
PROCESSOS INDUSTRIAIS
Processo contínuo
O processo é dito contínuo
quando a matéria prima entra
num lado do sistema e o
produto final sai do outro lado,
continuamente
Processo em batelada
No processo em batelada, uma
determinada quantidade de
material é processada através
de passos unitários, sendo cada
passo completado antes do
inicio do seguinte
PROCESSOS INDUSTRIAIS
Em ambos, devem-se manter as variáveis próximas aos
valores desejados. O sistema de controle que permite
fazer isto compara o valor de uma variável qualquer do
processo com um valor desejado para ela naquele
momento e toma uma atitude de correção de acordo com
o desvio encontrado, sem a intervenção do operador.
PROCESSOS INDUSTRIAIS
Para fazer esta comparação e, consequentemente, a
correção, é necessário que o sistema de controle possua
uma unidade de medição, uma unidade de controle e um
elemento final de controle no processo.
Este conjunto de unidades forma uma malha de controle.
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
Classes de
instrumentos
registradores
indicadores
Transmissores
Transdutores
Controladores
Elementos finais
de controle
INDICADORES
Instrumento que dispõe de um ponteiro e de uma escala
graduada na qual podemos ler o valor da variável.
Existem também indicadores digitais que indicam a
variável em forma numérica com dígitos ou barras
gráficas.
INDICADORES DE PRESSÃO
REGISTRADORES
Instrumento que registra a(s) variável(is) através de um
traço contínuo ou pontos em um gráfico.
Um instrumento registrador pode, também, apresentar
uma indicação.
REGISTRADORES
TRANSMISSORES
Instrumento que determina o valor de uma variável no
processo através de um elemento primário, tendo o mesmo
sinal de saída (pneumático ou eletrônico) cujo valor varia
apenas em função da variável do processo.
O elemento primário pode ou não estar acoplado ao
transmissor.
TRANSMISSORES
TRANSDUTORES
Instrumento que recebe informações na forma de uma ou
mais quantidades físicas, modifica, caso necessário, essas
informações e fornece um sinal de saída resultante.
Dependendo da aplicação, o transdutor pode ser um
elemento primário, um transmissor ou outro dispositivo.
O conversor é um tipo de transdutor que trabalha apenas
com sinal de entrada e saída padronizado.
Instrumentaçao Industrial - Introduçao
CONTROLADORES
Instrumento que compara a variável controlada com um
valor desejado e fornece um sinal de saída a fim de
manter a variável controlada em um valor específico ou
entre valores determinados.
A variável pode ser medida, diretamente pelo controlador
ou indiretamente através do sinal de um transmissor ou
transdutor.
CONTROLADORES
ELEMENTO FINAL DE CONTROLE
Instrumento que modifica diretamente o valor da variável
manipulada de uma malha de controle
ELEMENTO FINAL DE CONTROLE
TERMINOLOGIAS DA INSTRUMENTAÇÃO
Os instrumentos de controle empregados na indústria de processos
possuem sua própria terminologia. Os termos utilizados definem as
características próprias de medida e controle dos diversos
instrumentos utilizados: indicadores, registradores, controladores,
transmissores e válvulas de controle.
A terminologia empregada é unificada entre os fabricantes, os
usuários e os organismos que intervêm, diretamente ou
indiretamente, no campo da instrumentação industrial. Os termos a
seguir estão de acordo com o Vocabulário Internacional de Termos
Fundamentais e Gerais de Metrologia (VIM).
RANGE
Conjunto de valores da
variável medida que estão
compreendidos dentro do
limite superior e inferior da
capacidade de medida ou
de transmissão do
instrumento.
Se expressa determinando
os valores extremos.
SPAN | AMPLITUDE DE FAIXA NOMINAL
É a diferença, em módulo, entre o valor superior e inferior de uma
faixa de medida (range). Em algumas áreas, a diferença entre o
maior e o menor valor é denominada “faixa”.
Para um range de 1 a 10 bar, o span é de 9 bar.
Para um range de -10ºC a 100C, o span é de 110ºC
ERRO DE MEDIÇÃO
É a diferença entre o valor lido ou transmitido pelo instrumento em relação ao
valor real da variável medida.
Se tivermos o processo em regime permanente chamaremos de erro estático,
que poderá ser positivo ou negativo dependente da indicação do instrumento,
o qual poderá estar indicando a mais ou menos.
Quando tivermos a variável alterando seu valor ao longo do tempo teremos
um atraso na transferência de energia do meio para o medidor. O valor
medido estará geralmente atrasado em relação ao valor real da variável.
Esta diferença, entre o valor real e o valor medido, é chamado de erro
dinâmico.
REPETITIVIDADE
Grau de concordância entre os resultados de medições sucessivas
de um mesmo mensurando efetuadas sob as mesmas condições de
medição.
Estas condições são denominadas condições de repetitividade e
incluem: mesmo procedimento de medição; mesmo observador;
mesmo instrumento de medição, utilizado nas mesmas condições;
mesmo local; repetição em curto período de tempo.
EXATIDÃO
Podemos definir como sendo a aptidão de um instrumento de
medição para dar respostas próximas a um valor verdadeiro.
A exatidão pode ser descrita de três maneiras:
Percentual do Fundo de Escala (% do F.E.)
Percentual do Span (% do Span)
Percentual do Valor Lido (% do V.L.)
EXATIDÃO
Exemplo: Para um sensor de temperatura com range de 50 a
250ºC e valor medido 100ºC determine o intervalo provável do
valor real para as seguintes condições:
Exatidão de 1% do Fundo de Escala
 Valor real = 100ºC ± (0,01 x 250) = 100ºC ± 2,5ºC
Exatidão de 1% do Span
 Valor real = 100ºC ± (0,01 x 200) = 100ºC ± 2,0ºC
Exatidão 1% do Valor Lido (Instantâneo)
 Valor real = 100ºC ± (0,01 x 100) = 100ºC ± 1,0ºC
IDENTIFICAÇÃO E SÍMBOLO DE INSTRUMENTOS
As normas de instrumentação estabelecem símbolos, gráficos e codificação para
identificação alfanumérica de instrumentos ou funções programadas que deverão ser
utilizadas nos diagramas e malhas de controle de projetos de instrumentação.
O Tagname ou Tag é um código alfanumérico cuja finalidade é a de identificar
equipamentos ou instrumentos, dentro de uma planta de processos. O Tagname
também é a identificação física de um instrumento ou equipamento. Por meio deste,
podemos localizar onde o instrumento/equipamento está instalado, se há painel, se
instalado no campo ou numa sala de controle etc.
De acordo com a norma ISA-S5 e a Norma 8190 da ABNT, cada instrumento ou
função programada será identificada por um conjunto de letras que o classifica
funcionalmente e um conjunto de algarismos que indica a malha à qual o instrumento
ou função programada pertence. Eventualmente, para completar a identificação,
poderá ser acrescido um sufixo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Instrumentação básica
Instrumentação básicaInstrumentação básica
Instrumentação básica
Fabiano Sales
 
Instrumentação Industrial - Medição de Vazão
Instrumentação Industrial - Medição de VazãoInstrumentação Industrial - Medição de Vazão
Instrumentação Industrial - Medição de Vazão
Anderson Pontes
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
Fabiano Sales
 
Simbolos ISA
Simbolos ISASimbolos ISA
Simbolos ISA
Leonardo Braz
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
gedivan santana de jesus
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
izaudaMonteiro
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Simbologia isa
Henrique Farias
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
Gleiton Kunde
 
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
Natanael Garcia Rodrigues
 
Aula 9 vazão
Aula 9   vazãoAula 9   vazão
Aula 9 vazão
Joao Pedro Turibio
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
Alan Sousa
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
elliando dias
 
8.controle de-processo
8.controle de-processo8.controle de-processo
8.controle de-processo
Maria Lucia Machado Moraes
 
Apostila tecnicas de medição de nivel
Apostila   tecnicas de medição de nivelApostila   tecnicas de medição de nivel
Apostila tecnicas de medição de nivel
Jardel Sousa
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
tomvgp
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
Lúcio Cláudio
 
Apostila de-instrumentacao-industrial
Apostila de-instrumentacao-industrialApostila de-instrumentacao-industrial
Apostila de-instrumentacao-industrial
tabVlae
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
gedivan santana de jesus
 
Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)
eavargas2512
 
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Aula 02   controle malha aberta e fechadaAula 02   controle malha aberta e fechada
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Gabriel Romão Zan Taquetti
 

Mais procurados (20)

Instrumentação básica
Instrumentação básicaInstrumentação básica
Instrumentação básica
 
Instrumentação Industrial - Medição de Vazão
Instrumentação Industrial - Medição de VazãoInstrumentação Industrial - Medição de Vazão
Instrumentação Industrial - Medição de Vazão
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
 
Simbolos ISA
Simbolos ISASimbolos ISA
Simbolos ISA
 
3 1 simbologia-2
3 1   simbologia-23 1   simbologia-2
3 1 simbologia-2
 
Manual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senaiManual de manutenção industrial do senai
Manual de manutenção industrial do senai
 
Simbologia isa
Simbologia isaSimbologia isa
Simbologia isa
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
 
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
Sistemas supervisórios (SCADA Systems)
 
Aula 9 vazão
Aula 9   vazãoAula 9   vazão
Aula 9 vazão
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
 
indrodução automação industrial
indrodução automação industrialindrodução automação industrial
indrodução automação industrial
 
8.controle de-processo
8.controle de-processo8.controle de-processo
8.controle de-processo
 
Apostila tecnicas de medição de nivel
Apostila   tecnicas de medição de nivelApostila   tecnicas de medição de nivel
Apostila tecnicas de medição de nivel
 
Controle de processos
Controle de processosControle de processos
Controle de processos
 
Aula metrologia
Aula metrologiaAula metrologia
Aula metrologia
 
Apostila de-instrumentacao-industrial
Apostila de-instrumentacao-industrialApostila de-instrumentacao-industrial
Apostila de-instrumentacao-industrial
 
3 1 simbologia
3 1   simbologia3 1   simbologia
3 1 simbologia
 
Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)Nbr 5462 (2)
Nbr 5462 (2)
 
Aula 02 controle malha aberta e fechada
Aula 02   controle malha aberta e fechadaAula 02   controle malha aberta e fechada
Aula 02 controle malha aberta e fechada
 

Destaque

Instrumentação industrial
Instrumentação industrialInstrumentação industrial
Instrumentação industrial
Artenisia Costa
 
Instrumentação Analítica Industrial
Instrumentação Analítica IndustrialInstrumentação Analítica Industrial
Instrumentação Analítica Industrial
Anderson Pontes
 
18 controle e automação industrial
18   controle e automação industrial18   controle e automação industrial
18 controle e automação industrial
Urubatan Jesus Cruz Rocha
 
Controle de Processos Industriais Aplicados
Controle de Processos Industriais AplicadosControle de Processos Industriais Aplicados
Controle de Processos Industriais Aplicados
Alysson Domingos
 
Apostila de Instrumentação
Apostila de InstrumentaçãoApostila de Instrumentação
Apostila de Instrumentação
Talitha Ferreira
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
marv2
 
Trabalho para o curso de segurança sobre Tecnologia de redes e computadores
Trabalho para o curso de segurança  sobre Tecnologia de redes e computadoresTrabalho para o curso de segurança  sobre Tecnologia de redes e computadores
Trabalho para o curso de segurança sobre Tecnologia de redes e computadores
Sinc do Brasil Instrumentação Científica Ltda.
 
Análise de Riscos
Análise de RiscosAnálise de Riscos
Análise de Riscos
wzuckerj
 
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
Tuane Paixão
 
instrumentação industrial
instrumentação industrialinstrumentação industrial
instrumentação industrial
Ualasse Fernando Santos Silva
 
Instrumentacaobasica1 pdf
Instrumentacaobasica1 pdfInstrumentacaobasica1 pdf
Instrumentacaobasica1 pdf
Isaque Elias
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
Pensalab Instrumentação Analítica
 
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
Marcus Brito
 
Industria de processos
Industria de processosIndustria de processos
Industria de processos
Willams Vitor
 
Simbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao ifSimbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao if
Mércia Regina da Silva
 
Símbolos e Identificação
Símbolos e IdentificaçãoSímbolos e Identificação
Símbolos e Identificação
Ricardo Akerman
 
Resumo nbr 8190
Resumo nbr 8190Resumo nbr 8190
Resumo nbr 8190
Older Kelson Lopes
 
Trabalho instrumentação ii (4)
Trabalho instrumentação ii (4)Trabalho instrumentação ii (4)
Trabalho instrumentação ii (4)
Tuane Paixão
 
Planejamento das atividades de gestão de sms
Planejamento das atividades de gestão de smsPlanejamento das atividades de gestão de sms
Planejamento das atividades de gestão de sms
Universidade Federal Fluminense
 
apostila Semicondutores
apostila Semicondutoresapostila Semicondutores
apostila Semicondutores
Lucas Ferreira da Silva
 

Destaque (20)

Instrumentação industrial
Instrumentação industrialInstrumentação industrial
Instrumentação industrial
 
Instrumentação Analítica Industrial
Instrumentação Analítica IndustrialInstrumentação Analítica Industrial
Instrumentação Analítica Industrial
 
18 controle e automação industrial
18   controle e automação industrial18   controle e automação industrial
18 controle e automação industrial
 
Controle de Processos Industriais Aplicados
Controle de Processos Industriais AplicadosControle de Processos Industriais Aplicados
Controle de Processos Industriais Aplicados
 
Apostila de Instrumentação
Apostila de InstrumentaçãoApostila de Instrumentação
Apostila de Instrumentação
 
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladderApostila de automação com clp em linguagem ladder
Apostila de automação com clp em linguagem ladder
 
Trabalho para o curso de segurança sobre Tecnologia de redes e computadores
Trabalho para o curso de segurança  sobre Tecnologia de redes e computadoresTrabalho para o curso de segurança  sobre Tecnologia de redes e computadores
Trabalho para o curso de segurança sobre Tecnologia de redes e computadores
 
Análise de Riscos
Análise de RiscosAnálise de Riscos
Análise de Riscos
 
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
57768 1289 07.05.2012 22.02.07_10_valvulas_controle_r2_a (1)
 
instrumentação industrial
instrumentação industrialinstrumentação industrial
instrumentação industrial
 
Instrumentacaobasica1 pdf
Instrumentacaobasica1 pdfInstrumentacaobasica1 pdf
Instrumentacaobasica1 pdf
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
 
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
Exercício de controle e automação de processos industriais professor marcos f...
 
Industria de processos
Industria de processosIndustria de processos
Industria de processos
 
Simbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao ifSimbologia instrumentacao if
Simbologia instrumentacao if
 
Símbolos e Identificação
Símbolos e IdentificaçãoSímbolos e Identificação
Símbolos e Identificação
 
Resumo nbr 8190
Resumo nbr 8190Resumo nbr 8190
Resumo nbr 8190
 
Trabalho instrumentação ii (4)
Trabalho instrumentação ii (4)Trabalho instrumentação ii (4)
Trabalho instrumentação ii (4)
 
Planejamento das atividades de gestão de sms
Planejamento das atividades de gestão de smsPlanejamento das atividades de gestão de sms
Planejamento das atividades de gestão de sms
 
apostila Semicondutores
apostila Semicondutoresapostila Semicondutores
apostila Semicondutores
 

Semelhante a Instrumentaçao Industrial - Introduçao

Apostila -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
Apostila  -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriaisApostila  -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
Apostila -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
Hsneves
 
Instrumentacao simples
Instrumentacao simplesInstrumentacao simples
Instrumentacao simples
GUSTAVO LUNA
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
phasetronik
 
Instrumentação Industrial_Introdução.ppt
Instrumentação Industrial_Introdução.pptInstrumentação Industrial_Introdução.ppt
Instrumentação Industrial_Introdução.ppt
FabioNicola2
 
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
Michael Batista
 
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa De apoio ao ensino de ...
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa  De apoio ao ensino de ...Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa  De apoio ao ensino de ...
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa De apoio ao ensino de ...
WanderAndrade11
 
Noções de Metrologia
Noções de MetrologiaNoções de Metrologia
Noções de Metrologia
Rafael Bispo
 
Aula11 instrumen malhas
Aula11 instrumen malhasAula11 instrumen malhas
Aula11 instrumen malhas
Leônidas Araujo
 
Revisão normalizacoes sensores
Revisão normalizacoes sensoresRevisão normalizacoes sensores
Revisão normalizacoes sensores
vanessarech11
 
Manômetro
ManômetroManômetro
Manômetro
choiuzumaki
 
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptxAula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
CiroChaves4
 
dicionario instrumentacao
dicionario instrumentacaodicionario instrumentacao
dicionario instrumentacao
Antônio Adryane
 
Dicionario fernando bellini .
Dicionario   fernando bellini .Dicionario   fernando bellini .
Dicionario fernando bellini .
Angelo Moraes
 
Apostila sensores e atuadores (1)
Apostila sensores e atuadores (1)Apostila sensores e atuadores (1)
Apostila sensores e atuadores (1)
Daiana Paula
 
Apostila módulo 1 instrumentação industrial ETPC
Apostila módulo   1 instrumentação industrial ETPCApostila módulo   1 instrumentação industrial ETPC
Apostila módulo 1 instrumentação industrial ETPC
Pedro Henrique Vasconcelos Cardoso
 
Incerteza edicão
Incerteza edicãoIncerteza edicão
Incerteza edicão
Raildo
 
Análise do Sistema de Medição.pdf
Análise do Sistema de Medição.pdfAnálise do Sistema de Medição.pdf
Análise do Sistema de Medição.pdf
EricksonMendes
 
Automação
AutomaçãoAutomação
Automação
Ricardo Akerman
 
Apostila de instrumentação_industrial_-_senai
Apostila de instrumentação_industrial_-_senaiApostila de instrumentação_industrial_-_senai
Apostila de instrumentação_industrial_-_senai
jeff1989
 
Instrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial BásicaInstrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial Básica
Johnata França Reis
 

Semelhante a Instrumentaçao Industrial - Introduçao (20)

Apostila -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
Apostila  -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriaisApostila  -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
Apostila -instrumenta__o,_controle_e_automa__o_de_processos_industriais
 
Instrumentacao simples
Instrumentacao simplesInstrumentacao simples
Instrumentacao simples
 
Apostila de instrumentação
Apostila de instrumentaçãoApostila de instrumentação
Apostila de instrumentação
 
Instrumentação Industrial_Introdução.ppt
Instrumentação Industrial_Introdução.pptInstrumentação Industrial_Introdução.ppt
Instrumentação Industrial_Introdução.ppt
 
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
Instrumentacao 3-ano-petroleo-e-gas-capitulo-1
 
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa De apoio ao ensino de ...
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa  De apoio ao ensino de ...Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa  De apoio ao ensino de ...
Desenvolvimento de ferramenta de colaboração em massa De apoio ao ensino de ...
 
Noções de Metrologia
Noções de MetrologiaNoções de Metrologia
Noções de Metrologia
 
Aula11 instrumen malhas
Aula11 instrumen malhasAula11 instrumen malhas
Aula11 instrumen malhas
 
Revisão normalizacoes sensores
Revisão normalizacoes sensoresRevisão normalizacoes sensores
Revisão normalizacoes sensores
 
Manômetro
ManômetroManômetro
Manômetro
 
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptxAula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
Aula - Introdução Conceitos de Instrumentação.pptx
 
dicionario instrumentacao
dicionario instrumentacaodicionario instrumentacao
dicionario instrumentacao
 
Dicionario fernando bellini .
Dicionario   fernando bellini .Dicionario   fernando bellini .
Dicionario fernando bellini .
 
Apostila sensores e atuadores (1)
Apostila sensores e atuadores (1)Apostila sensores e atuadores (1)
Apostila sensores e atuadores (1)
 
Apostila módulo 1 instrumentação industrial ETPC
Apostila módulo   1 instrumentação industrial ETPCApostila módulo   1 instrumentação industrial ETPC
Apostila módulo 1 instrumentação industrial ETPC
 
Incerteza edicão
Incerteza edicãoIncerteza edicão
Incerteza edicão
 
Análise do Sistema de Medição.pdf
Análise do Sistema de Medição.pdfAnálise do Sistema de Medição.pdf
Análise do Sistema de Medição.pdf
 
Automação
AutomaçãoAutomação
Automação
 
Apostila de instrumentação_industrial_-_senai
Apostila de instrumentação_industrial_-_senaiApostila de instrumentação_industrial_-_senai
Apostila de instrumentação_industrial_-_senai
 
Instrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial BásicaInstrumentação Industrial Básica
Instrumentação Industrial Básica
 

Mais de Anderson Pontes

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
Anderson Pontes
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Anderson Pontes
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Anderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Anderson Pontes
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Anderson Pontes
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Anderson Pontes
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Anderson Pontes
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Anderson Pontes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
Anderson Pontes
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
Anderson Pontes
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Anderson Pontes
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Anderson Pontes
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
Anderson Pontes
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Anderson Pontes
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Anderson Pontes
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
Anderson Pontes
 

Mais de Anderson Pontes (20)

Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
Manual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglêsManual de termos técnicos em inglês
Manual de termos técnicos em inglês
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA IFerramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
Ferramentas da Qualidade - GESTAO APLICADA I
 
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da GestãoGestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
Gestão da Manutenção - Ferramentas da Gestão
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAOGestão de pessoas - COMUNICAÇAO
Gestão de pessoas - COMUNICAÇAO
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e PronomesInglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
Inglês instrumental I - Cognatos e Pronomes
 
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to scienceTEXTO - Relationship of petroleum geology to science
TEXTO - Relationship of petroleum geology to science
 
Análise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em MáquinasAnálise de Falhas em Máquinas
Análise de Falhas em Máquinas
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e GásIntrodução a Tecnologia do Petróleo e Gás
Introdução a Tecnologia do Petróleo e Gás
 
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude OilTEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
TEXTO - Table of Chemical Constituents Commonly Found in Crude Oil
 
TEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand ToolsTEXTO - Hand Tools
TEXTO - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of TextsInglês Técnico - Types of Texts
Inglês Técnico - Types of Texts
 
Inglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand ToolsInglês Técnico - Hand Tools
Inglês Técnico - Hand Tools
 
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuraçãoInglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
Inglês Técnico - Equipamentos de uma sonda de perfuração
 
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
Inglês Técnico - Equipamentos de Proteção Indvidual
 
Lubrificantes III
Lubrificantes IIILubrificantes III
Lubrificantes III
 

Último

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 

Último (20)

Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 

Instrumentaçao Industrial - Introduçao

  • 1. INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL CEPEP – Escola Técnica Professor Anderson Pontes
  • 2. PORQUE AUTOMATIZAR? A utilização de instrumentos para controle automático de processo nos permite, incrementar e controlar a qualidade do produto, aumentar a produção e rendimento, obter e fornecer dados seguros da matéria-prima e da quantidade produzida, além de ter em mãos dados relativos à economia dos processos.
  • 3. INTRODUÇÃO Os processos industriais exigem sistemas de controle na fabricação de seus produtos. Em todos esses processos é absolutamente necessário controlar e manter constantes algumas variáveis, como:  pH  Pressão  Temperatura  Vazão  Condutividade  Nível  Umidade
  • 6. INTRODUÇÃO Os instrumentos de medição e controle são os elementos que permitem manter controladas as variáveis do processo com os objetivos de melhorar a qualidade do produto, aumentar em quantidade produzida, manter a segurança e melhorar do meio ambiente.
  • 7. INTRODUÇÃO No princípio da era industrial, o operário atingia os objetivos citados através do controle manual destas variáveis utilizando somente instrumentos simples, como manômetros, termômetros e válvulas manuais, e isto era suficiente porque os processos eram simples. Com o passar do tempo, os processos foram se sofisticando e exigindo a automação cada vez maior dos instrumentos de medição e controle. Os operadores foram liberados de sua atuação física direta no processo e, ao mesmo tempo, ocorreu um movimento de centralização do monitoramento das variáveis em uma única sala.
  • 8. MANTENDO AS VARIÁVEIS ESTÁVEIS ATRAVÉS DO TRABALHO BRAÇAL
  • 9. CONTROLE EM UMA LINHA DE MONTAGEM ANTES...
  • 11. PROCESSOS INDUSTRIAIS Processo contínuo O processo é dito contínuo quando a matéria prima entra num lado do sistema e o produto final sai do outro lado, continuamente Processo em batelada No processo em batelada, uma determinada quantidade de material é processada através de passos unitários, sendo cada passo completado antes do inicio do seguinte
  • 12. PROCESSOS INDUSTRIAIS Em ambos, devem-se manter as variáveis próximas aos valores desejados. O sistema de controle que permite fazer isto compara o valor de uma variável qualquer do processo com um valor desejado para ela naquele momento e toma uma atitude de correção de acordo com o desvio encontrado, sem a intervenção do operador.
  • 13. PROCESSOS INDUSTRIAIS Para fazer esta comparação e, consequentemente, a correção, é necessário que o sistema de controle possua uma unidade de medição, uma unidade de controle e um elemento final de controle no processo. Este conjunto de unidades forma uma malha de controle.
  • 16. INDICADORES Instrumento que dispõe de um ponteiro e de uma escala graduada na qual podemos ler o valor da variável. Existem também indicadores digitais que indicam a variável em forma numérica com dígitos ou barras gráficas.
  • 18. REGISTRADORES Instrumento que registra a(s) variável(is) através de um traço contínuo ou pontos em um gráfico. Um instrumento registrador pode, também, apresentar uma indicação.
  • 20. TRANSMISSORES Instrumento que determina o valor de uma variável no processo através de um elemento primário, tendo o mesmo sinal de saída (pneumático ou eletrônico) cujo valor varia apenas em função da variável do processo. O elemento primário pode ou não estar acoplado ao transmissor.
  • 22. TRANSDUTORES Instrumento que recebe informações na forma de uma ou mais quantidades físicas, modifica, caso necessário, essas informações e fornece um sinal de saída resultante. Dependendo da aplicação, o transdutor pode ser um elemento primário, um transmissor ou outro dispositivo. O conversor é um tipo de transdutor que trabalha apenas com sinal de entrada e saída padronizado.
  • 24. CONTROLADORES Instrumento que compara a variável controlada com um valor desejado e fornece um sinal de saída a fim de manter a variável controlada em um valor específico ou entre valores determinados. A variável pode ser medida, diretamente pelo controlador ou indiretamente através do sinal de um transmissor ou transdutor.
  • 26. ELEMENTO FINAL DE CONTROLE Instrumento que modifica diretamente o valor da variável manipulada de uma malha de controle
  • 27. ELEMENTO FINAL DE CONTROLE
  • 28. TERMINOLOGIAS DA INSTRUMENTAÇÃO Os instrumentos de controle empregados na indústria de processos possuem sua própria terminologia. Os termos utilizados definem as características próprias de medida e controle dos diversos instrumentos utilizados: indicadores, registradores, controladores, transmissores e válvulas de controle. A terminologia empregada é unificada entre os fabricantes, os usuários e os organismos que intervêm, diretamente ou indiretamente, no campo da instrumentação industrial. Os termos a seguir estão de acordo com o Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia (VIM).
  • 29. RANGE Conjunto de valores da variável medida que estão compreendidos dentro do limite superior e inferior da capacidade de medida ou de transmissão do instrumento. Se expressa determinando os valores extremos.
  • 30. SPAN | AMPLITUDE DE FAIXA NOMINAL É a diferença, em módulo, entre o valor superior e inferior de uma faixa de medida (range). Em algumas áreas, a diferença entre o maior e o menor valor é denominada “faixa”. Para um range de 1 a 10 bar, o span é de 9 bar. Para um range de -10ºC a 100C, o span é de 110ºC
  • 31. ERRO DE MEDIÇÃO É a diferença entre o valor lido ou transmitido pelo instrumento em relação ao valor real da variável medida. Se tivermos o processo em regime permanente chamaremos de erro estático, que poderá ser positivo ou negativo dependente da indicação do instrumento, o qual poderá estar indicando a mais ou menos. Quando tivermos a variável alterando seu valor ao longo do tempo teremos um atraso na transferência de energia do meio para o medidor. O valor medido estará geralmente atrasado em relação ao valor real da variável. Esta diferença, entre o valor real e o valor medido, é chamado de erro dinâmico.
  • 32. REPETITIVIDADE Grau de concordância entre os resultados de medições sucessivas de um mesmo mensurando efetuadas sob as mesmas condições de medição. Estas condições são denominadas condições de repetitividade e incluem: mesmo procedimento de medição; mesmo observador; mesmo instrumento de medição, utilizado nas mesmas condições; mesmo local; repetição em curto período de tempo.
  • 33. EXATIDÃO Podemos definir como sendo a aptidão de um instrumento de medição para dar respostas próximas a um valor verdadeiro. A exatidão pode ser descrita de três maneiras: Percentual do Fundo de Escala (% do F.E.) Percentual do Span (% do Span) Percentual do Valor Lido (% do V.L.)
  • 34. EXATIDÃO Exemplo: Para um sensor de temperatura com range de 50 a 250ºC e valor medido 100ºC determine o intervalo provável do valor real para as seguintes condições: Exatidão de 1% do Fundo de Escala  Valor real = 100ºC ± (0,01 x 250) = 100ºC ± 2,5ºC Exatidão de 1% do Span  Valor real = 100ºC ± (0,01 x 200) = 100ºC ± 2,0ºC Exatidão 1% do Valor Lido (Instantâneo)  Valor real = 100ºC ± (0,01 x 100) = 100ºC ± 1,0ºC
  • 35. IDENTIFICAÇÃO E SÍMBOLO DE INSTRUMENTOS As normas de instrumentação estabelecem símbolos, gráficos e codificação para identificação alfanumérica de instrumentos ou funções programadas que deverão ser utilizadas nos diagramas e malhas de controle de projetos de instrumentação. O Tagname ou Tag é um código alfanumérico cuja finalidade é a de identificar equipamentos ou instrumentos, dentro de uma planta de processos. O Tagname também é a identificação física de um instrumento ou equipamento. Por meio deste, podemos localizar onde o instrumento/equipamento está instalado, se há painel, se instalado no campo ou numa sala de controle etc. De acordo com a norma ISA-S5 e a Norma 8190 da ABNT, cada instrumento ou função programada será identificada por um conjunto de letras que o classifica funcionalmente e um conjunto de algarismos que indica a malha à qual o instrumento ou função programada pertence. Eventualmente, para completar a identificação, poderá ser acrescido um sufixo.