Boi bumbá gabriel (pronto)

4.967 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.967
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
286
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Boi bumbá gabriel (pronto)

  1. 1. A festa do Boi-bumbá, ou Festa do Boi, ou ainda Brincadeira do Boi, têm sua origem no Nordeste do Brasil, onde derivou de outra Dança típica de lá, o Bumba-meu-Boi. Com as constantes imigrações de Nordestinos para a Região Norte do Brasil ,em especial para o Estado do Amazonas, houve também a imigração de manifestações culturais como o Bumba -meu- Boi que logo foi assimilado pela população e ganhou aspecto local. Festas Populares Boi Bumbá
  2. 2. O festival folclórico da Amazônia São intrigantes as questões que todos fazem em parintins:porque um boi? Qual foi o boi que surgiu primeiro? Como nasceu e de onde eles vieram? Por que Caprichoso? Por que Garantido? Quem são Cunhã Poranga,Pajé,Gigante Juma e Curupira? Para cada uma destas questões há mais diversas explicações que podem ser encontradas em varias fontes:livros,revistas,jornais,sites,estudos antropológicos ,testes de doutorado.
  3. 3. A festa do Boi-bumbá, ou Festa do Boi, ou ainda Brincadeira do Boi , têm sua origem no Nordeste do Brasil, onde derivou de outra Dança típica de lá, o Bumba-meu-Boi. Com as constantes imigrações de Nordestinos para a Região Norte do Brasil ,em especial para o Estado do Amazonas, houve também a imigração de manifestações culturais como o Bumba -meu- Boi que logo foi assimilado pela população e ganhou aspecto local.
  4. 4. Um dos grandes marcos para a divulgação do Boi-Bumbá foi grandiosa festa dos bois de Parintins, realizado na Cidade de Parintins cerca de 400 Km de Manaus, no Amazonas desde 1913, no mês de julho. O imaginário indígena e figuras religiosas como pajés e feiticeiros foram incorporados às tradições da festa. Por isso, durante o Festival Folclórico de Parintins, a cidade é chamada de “ilha Tupinambarana” e os Bois Garantido e Caprichoso se apresentam no Bumbódromo.
  5. 5. O Boi vermelho e branco, o Garantido, boi-bumbá que disputa todos os anos contra o boi Caprichoso a consagragação no Festival Folclórico de Parintins, no Amazonas, tem uma história muito curiosa O corpo do boi terminava numa barra de tecido e a pessoa que fazia o boi dançar era chamada “tripa”. Além disso, havia toda uma história sobre o roubo da língua do boi que incluía o Pai Francisco, Mãe Catirina, o amo do boi e outras figuras.
  6. 6. Uma das festas mais tradicionais do Brasil, tendo englobado até vários reisados, o bumba-meu-boi é uma espécie de auto em que se mistura teatro, dança, música e circo. Ele é representado sob os mais diferentes nomes em localidades que vão do Rio Grande do Sul (como boizinho) e Santa Catarina (boi-de-mamão) aos estados do Nordeste (boi-de-reis) e o Amazonas (boi-bumbá).
  7. 7. O boi, figura central do auto, geralmente é feito com uma armação de cipó coberta de chita, grande o bastante para que um homem a vista. A cabeça que pode ser feita de papelão ou com a própria caveira do animal. Na encenação, a lenda pode ser contada de várias formas, mas a história básica é a da escrava Catirina (ou Catarina), grávida, que pede ao marido Chico (ou Pai Francisco) para que mate o boi mais bonito da fazenda porque quer comer a sua língua.
  8. 8. Os personagens do bailado são humanos e animais. Os femininos são representados por homens travestidos. O Capitão é o comandante do espetáculo. Há também Mateus e Catirina, personagens bastante conhecidos que apresentam os bichos, cantam e dançam de forma engraçada, divertindo muito o público. Catirina é uma negra, muito desinibida que em alguns bumbas é a mulher de Mateus. Fazem parte ainda do elenco: Bastião, a pastorinha, a dona do boi, o padre, o doutor, o sacristão, Mané Gostoso, o Fanfarrão, a ema, a burrinha, a cobra, o pinica-pau e ainda os personagens fictícios: o Caipora, o Diabo, o Babau, o morto carregando o vivo e o Jaraguá.
  9. 9. Ele não sabe que seu dia é hoje Ele não sabe que seu dia é hoje Ele não sabe que seu dia é hoje Ele não sabe que seu dia é hoje O céu forrado de veludo azul-marinho Venho ver devagarinho Onde o Boi ia dançar Ele pediu pra não fazer muito ruído Que o Santinho distraído Foi dormir sem celebrar E vem de longe o eco surdo do bumbá Sambando A noite inteira encurralado Batucando E vem de longe o eco surdo do bumbá Sambando A noite inteira encurralado Batucando Bumba meu Pai do Campo Bumba meu boi bumbá A Estrela Dalva lá no céu já vem surgindo Para ouvir galo cantar Na minha rua resta cinza da fogueira Que passou a noite inteira Fagulhando para o ar E vem de longe o eco surdo do bumbá Sambando A noite inteira encurralado Batucando Bumba meu Pai do Campo Bumba meu boi bumbá.
  10. 10. Em junho, São Luís se transforma. A capital do Maranhão é tomada por uma explosão de ritmos e cores com a realização da maior manifestação folclórica do Estado, a festa do Bumba-meu-boi. Criada a partir de uma lenda regional, a comemoração conta com apresentações de danças típicas embaladas por um canto coletivo ao som de matracas, pandeiros, zabumbas, e outros instrumentos sonoros. Também é marcante durante o evento a presença de alegorias nos participantes (vestimentas coloridas) e a exposição de costumes típicos, como o arroz-de-cuxá, peixe frito, torta de camarão, cocadas e caruru
  11. 11. FIM

×