Fernanda de Castro

452 visualizações

Publicada em

Trabalho de Educação Fisica Referente ao 3º Bimestre
Tema Bumba Meu Boi
3º Ano A

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
452
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fernanda de Castro

  1. 1. EDUCAÇÃO FÍSICA DANÇA
  2. 2. BUMBA MEU BOI
  3. 3. PROFESSOR ÂNGELO
  4. 4. SERIE: 3 ANO “A”
  5. 5. ● ALUNOS: ● ANA CAROLINA FERREIRA MARTINS ● EDUARDO SANTOS DE JESUS ● FERNANDA DE CASTRO SANTANA ● LHARYSSA DA SILVA BERNADES ● LORRAYNE CRISTINA ● TATIMILA ALVES DOS SANTOS
  6. 6. BUMBA MEU BOI ● BUMBA MEU BOI E UMA DANÇA FOLCLORICA E POPULAR BRASILEIRA, COM PERSONARGENS HUMANOS E ANIMAIS FANTASTICO, QUE GIRA EM TORNO DE UMA LENDA SOBRE A MORTE E A RESSURREIÇAO DE UM BOI.
  7. 7. Em diversas cidades do Brasil, especialmente no Norte e no Nordeste, mas também em algumas do Sudeste, como Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, existem agremiações chamadas bois que realizam cortejos ou outros tipos de apresentações, utilizando a figura do animal, tendo muitas vezes caráter competitivo.
  8. 8. Ao espalhar-se pelo país, o bumba meu boi adquire nomes, ritmos, formas de apresentação, indumentárias, personagens, instrumentos, adereços e temas diferentes. Dessa forma, enquanto em Pernambuco é chamado boi- calemba ou bumbá; no Maranhão, Rio Grande do Norte, Alagoas e Piauí é chamado bumba meu boi.
  9. 9. no Maranhão, Rio Grande do Norte, Alagoas e Piauí é chamado bumba meu boi; no Ceará, é boi de reis, boi-surubim e boi-zumbi; na Bahia, é boi- janeiro, boi-estrela-do-mar, dromedário e mulinha-de-ouro; em Minas Gerais, Rio de Janeiro, Cabo Frio e Macaé .
  10. 10. Historia Manifestações culturais e religiosas em torno da figura do boi existiram em diversas culturas antigas pelo mundo.4 A festa do bumba meu boi surgiu no nordeste do país.
  11. 11. Sobre o surgimento dessa festa, foram criadas lendas, mas todas sem qualquer fundamento histórico. Uma dessas lendas em torno de seu surgimento diz que essa festa surgiu no Estado do Piauí, pois a região onde hoje se situa o Piauí começou a ser povoada por vaqueiros que vinham da Bahia em busca de novas pastagens para o gado.
  12. 12. Enredo Existem algumas variações a respeito da lenda do boi. A história mais comum aborda a escrava Catirina (ou Catarina), grávida, que pede ao marido Chico (ou Pai Francisco) para comer língua de boi. O escravo atende ao desejo da esposa, matando o boi, e sendo preso a mando do dono da fazenda. Com a ajuda de curandeiros, o boi é então ressuscitado.
  13. 13. Dependendo da versão, outros personagens podem ser incorporados, tais como: Bastião, Arlequim, Pastorinha, Turtuqué, o engenheiro, o padre, o médico, o diabo, entre outros. Quase todos quase sempre interpretados por homens, que se travestem para compor os personagens femininos. Em algumas versões, Pai Chico chama-se Mateus e o boi não é morto por ele, mas apenas se perde e acaba morto no decorrer da história, sendo também ressucitado ao fim.
  14. 14. Concepção A essência da lenda enlaça a sátira, a comédia, a tragédia e o drama, e demonstra sempre o contraste entre a fragilidade do homem e a força bruta de um boi. Esta essência se originou da lenda de Catirina e Pai Francisco, de origem nordestina. Ao ser levada para a região Norte, sofreu adaptação à realidade amas reverência ao boi como se esse fosse, nativo da floresta Amazônica (o que é historicamente incorreto, pois o gado bovino não é nativo das Américas), também exaltando a alegria, sinergia e força das festas coletivas indígenas.
  15. 15. Instrumentos Os bois de influência predominantemente indígena, bois de matraca, utilizam principalmente os seguintes instrumentos: maracá: instrumento feito de lata, cheio de chumbinhos ou contas de Santa Maria. É um instrumento de origem tanto africana como indígena; matraca: feita de madeira, principalmente pau d'arco, é tocada batendo-se uma contra a outra;
  16. 16. pandeirão: pandeiro grande, coberto geralmente de couro de cabra. Alguns têm mais de 1 metro de diâmetro e cerca de 10 cm de altura. São afinados a fogo. tambor onça: É uma espécie de cuíca, toca-se puxando uma vareta que fica presa ao couro e dentro do instrumento. Imita o urro do boi, ou da onça.
  17. 17. Os bois de zabumba utilizam principalmente: tamborinho: pequeno tambor coberto de couro de bicho. O mais comum é usar couro de cutia. É tocado com a ponta dos dedos. zabumba: é um grande tambor, conhecido também como bumbo, é um instrumento típicamente africano; tambor de fogo: feito de uma tora de madeira ocada à fogo e coberto por um couro cru de boi preso à tora por cravelhas. É um instrumento tipicamente africano;
  18. 18. Os bois de orquestra têm instrumentação muito variada: utilizam instrumentos de sopro como saxofones, trombones, clarinetas e pistões; banjos, bumbos e taróis, também mara.

×