SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
O BOM MÉDICO, O MAU MÉDICO E A ESCOLHA DA MEDICINA
Helena Brígido1
1
Docente da Universidade Federal do Pará e do Centro Universitário do Pará
(CESUPA), Médica Infectologista e Epidemiologista, Mestre em Medicina Tropical.
Quando uma pessoa pensa em ser médica, instintivamente, seja criança ou
adolescente, tem a ideia de que a profissão é linda e/ou pensa em cuidar de pessoas.
Ao concretizar a entrada em um curso disputado de Medicina a pessoa pensa, e é
verdade, que vai ralar muito pra transpor os obstáculos das disciplinas cada vez mais
complexas a cada semestre, com professores exigentes que planejam as aulas da melhor
forma para o aprendizado, sem que o objetivo seja apenas de “passar” no módulo, mas
aprender para a vida acadêmica, que não é finita.
São longos anos de leitura, estudos pela madrugada, abdicando em ficar com o
seu amor, família, amigos.
Ao terminar, mesmo com muitos estudos, o médico sempre acredita que ainda
precisa estudar muito mais pela complexidade que é o corpo humano na anatomia,
fisiologia e fatores externos que influenciam diretamente no bom funcionamento
(alimentação, hábitos esportivos ou de vícios, stress e o próprio tempo de vida que cada
um de nós tem nesse mundo). A tarefa fica mais árdua, porque após a formatura não tem
mais os professores para ensinar diretamente, ainda que se saiba que o bom professor
estará sempre disponível para ajudá-lo, mas, naquele momento, ao sair da faculdade,
tem que andar com as próprias pernas.
Começa a busca por trabalho, mas é preciso aperfeiçoar-se. Faz residência
médica e/ou cursos de pós-graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. A
responsabilidade aumenta ainda mais.
Aquele sonho antigo de ser médico está concretizado! É preciso agir direcionado
ao objetivo: minimizar a dor buscando a cura para cada paciente que entra em
consultório, urgência e emergência, atendimento de rua... Cada pessoa tem uma história
e uma família. Como o próprio médico.
Às vezes não dá tempo pra pensar nisso, é preciso resolver a situação
imediatamente. Resolvido. Não resolvido. Não? Por que? Não estudou tanto? Não
consegue salvar a vida daquela pessoa? Não! Por falta de infraestrutura (material de
entubação, medicamentos, leitos etc) ou pelo fato do paciente já estar em estágio
avançado do quadro clínico ou por negligência, imperícia, imprudência do médico.
Como assim? Em outras situações, em cirurgias eletivas (programadas) ou de
urgência/emergência o paciente sai do bloco cirúrgico muito bem, recupera-se, retorna
ao lar. Outro paciente é manipulado para que um médico ganhe ilicitamente, sem
necessidade de haver a cirurgia ou é inserido um material mais “moderno” e mais caro
em que o médico tem participação de lucro ao selecionar esse ou aquele fabricante.
Como? Inquietante, mas é fato divulgado em que o objetivo não é o juramento feito, o
primeiro desejo ao querer ser médico, mas o bolso.
A tristeza é imensurável! Sou professora de futuros médicos e iria ficar arrasada
ao ter conhecimento de que um ex-aluno, hoje médico, faz essa prática. Não é isso o que
queremos! Não ensinamos apenas as técnicas e avanços científicos, mas também o
acolhimento, o despertar ou incremento às atitudes de responsabilidade e, acima de
tudo, a busca da melhoria de vida do paciente, preservando a saúde. É vergonhoso e
descaracterizador de imagem de médico que se queria para si ao escolher a profissão lá
na infância ou adolescência ou que a própria sociedade almeja para si.
Voltar ao tempo e se arrepender de escolher a medicina? Olhar para baixo e
pensar que essa profissão está sendo alvo de charges, humilhações por parte da mídia
em geral? Desanimar? NUNCA!! Escolhi e exerço a medicina com muita honra. Deito a
cabeça no travesseiro, respiro fundo relembrando o que foi feito no dia com meu
cérebro e mãos humanas e mesmo assim ainda durmo intranquila, por ter faltado fazer
mais e não houve possibilidade, não por minha vontade, mas por não haver
infraestrutura ou por ter precisado dar um pouco, só um pouco, de meu tempo para
minha família.
Independente de gestão adequada é preciso trabalhar corretamente e prol do
paciente.
Quero que meus filhos me olhem ao vivo, em fotografia, vídeo ou o que for e
tenham orgulho da médica mãe, que se desdobra pra fazer o melhor, sacrificando até o
tempo que deveria estar com eles para buscar atualizações, atender ligações telefônicas
para conversar sobre algum caso clínico, trocar e-mails, participar de eventos científicos
e, principalmente, estar com alunos e atender pacientes.
As notícias sobre médicos irregulares nos ideais da medicina são incômodas,
mas jamais irão contribuir para deixar de ter orgulho da profissão e de conhecer
incontáveis trabalhadores que se desdobram em olhar no olho do paciente e cuidar no
sentido amplo, da pessoa doente e não da doença na pessoa. É preciso que a mídia e a
população possam discernir o joio do trigo. Não se pode carimbar uma classe pelo lado
sombrio constatado na minoria. O Brasil possui médicos honrados, determinados ao
bem e dignos de serem admirados pelo paciente, família e população em geral, pois
quando se cuida corretamente de uma pessoa doente o desdobramento ecoa para toda a
sociedade. A doença não é de um, mas de todos, assim como um bom médico não é de
si próprio, mas de todos.
Valorize seu médico. Não generalize. Médicos bons existem ao seu redor. No
cotidiano, bem pertinho.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O médico e a prática da medicina

Entrevista urologista Miguel Srougi
Entrevista urologista Miguel Srougi Entrevista urologista Miguel Srougi
Entrevista urologista Miguel Srougi Jeferson Espindola
 
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)ceudeagartha1
 
Projeto final visita ao ique
Projeto final visita ao iqueProjeto final visita ao ique
Projeto final visita ao iquePaula Assumpção
 
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01alcindoneto
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Luciane Santana
 
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)Maria Teresa Thomaz
 
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfComo tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfPatricia Lourenço
 
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15Eleonora Lins
 
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULO
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULOMEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULO
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULOEleonora Lins
 
Livroatencaoacrianca
LivroatencaoacriancaLivroatencaoacrianca
Livroatencaoacriancaenzofaversani
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaFabíola Mapin
 
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantil
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantilA família diante do adoecimento e da hospitalização infantil
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantilTania Fernandes
 
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humana
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humanaAntes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humana
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humanarenatamalena
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalgcmrs
 
Aula Atualidades Cientificas
Aula Atualidades CientificasAula Atualidades Cientificas
Aula Atualidades CientificasDaltonJulia
 

Semelhante a O médico e a prática da medicina (20)

Entrevista urologista Miguel Srougi
Entrevista urologista Miguel Srougi Entrevista urologista Miguel Srougi
Entrevista urologista Miguel Srougi
 
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
O LIVRO VERMELHO DA SAÚDE (Renato Dias)
 
Projeto final visita ao ique
Projeto final visita ao iqueProjeto final visita ao ique
Projeto final visita ao ique
 
Principios de enfermagem
Principios de enfermagemPrincipios de enfermagem
Principios de enfermagem
 
Tcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silvaTcc leticia gomes leal silva
Tcc leticia gomes leal silva
 
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01
PUCPR-Londrina- Aspectos Legais - aula 01
 
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
Informações clinicas e a comunicação com o paciente.
 
Corpo e Mente
Corpo e MenteCorpo e Mente
Corpo e Mente
 
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)
Palestra com a Dra. Bernadete Dutra Folly (Neurologista)
 
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdfComo tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
Como tratar doencas autoimunes - Tom O'Bryan.pdf
 
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15
TEXTO_MEDICINA INTEGRATIVA_fev15
 
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULO
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULOMEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULO
MEDICINA INTEGRATIVA_DRª ELEONORA LINS_SÃO PAULO
 
A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)A relação médico paciente na era da informatização (1)
A relação médico paciente na era da informatização (1)
 
Livroatencaoacrianca
LivroatencaoacriancaLivroatencaoacrianca
Livroatencaoacrianca
 
Livro Atenção à Criança
Livro Atenção à CriançaLivro Atenção à Criança
Livro Atenção à Criança
 
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantil
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantilA família diante do adoecimento e da hospitalização infantil
A família diante do adoecimento e da hospitalização infantil
 
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humana
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humanaAntes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humana
Antes de iniciar a abordagem sobre os conceitos básicos da anatomia humana
 
Manual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto finalManual de cuidador adulto final
Manual de cuidador adulto final
 
CIF pediatria
CIF pediatriaCIF pediatria
CIF pediatria
 
Aula Atualidades Cientificas
Aula Atualidades CientificasAula Atualidades Cientificas
Aula Atualidades Cientificas
 

Último

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxssuser4ba5b7
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxLeonardoSauro1
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfAlberto205764
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 

Último (9)

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptxINTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
INTRODUÇÃO A DTM/DOF-DRLucasValente.pptx
 
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsxAULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
AULA DE ERROS radiologia odontologia.ppsx
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdfPrurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
Prurigo. Dermatologia. Patologia UEM17B2.pdf
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 

O médico e a prática da medicina

  • 1. O BOM MÉDICO, O MAU MÉDICO E A ESCOLHA DA MEDICINA Helena Brígido1 1 Docente da Universidade Federal do Pará e do Centro Universitário do Pará (CESUPA), Médica Infectologista e Epidemiologista, Mestre em Medicina Tropical. Quando uma pessoa pensa em ser médica, instintivamente, seja criança ou adolescente, tem a ideia de que a profissão é linda e/ou pensa em cuidar de pessoas. Ao concretizar a entrada em um curso disputado de Medicina a pessoa pensa, e é verdade, que vai ralar muito pra transpor os obstáculos das disciplinas cada vez mais complexas a cada semestre, com professores exigentes que planejam as aulas da melhor forma para o aprendizado, sem que o objetivo seja apenas de “passar” no módulo, mas aprender para a vida acadêmica, que não é finita. São longos anos de leitura, estudos pela madrugada, abdicando em ficar com o seu amor, família, amigos. Ao terminar, mesmo com muitos estudos, o médico sempre acredita que ainda precisa estudar muito mais pela complexidade que é o corpo humano na anatomia, fisiologia e fatores externos que influenciam diretamente no bom funcionamento (alimentação, hábitos esportivos ou de vícios, stress e o próprio tempo de vida que cada um de nós tem nesse mundo). A tarefa fica mais árdua, porque após a formatura não tem mais os professores para ensinar diretamente, ainda que se saiba que o bom professor estará sempre disponível para ajudá-lo, mas, naquele momento, ao sair da faculdade, tem que andar com as próprias pernas. Começa a busca por trabalho, mas é preciso aperfeiçoar-se. Faz residência médica e/ou cursos de pós-graduação, mestrado, doutorado, pós-doutorado. A responsabilidade aumenta ainda mais. Aquele sonho antigo de ser médico está concretizado! É preciso agir direcionado ao objetivo: minimizar a dor buscando a cura para cada paciente que entra em consultório, urgência e emergência, atendimento de rua... Cada pessoa tem uma história e uma família. Como o próprio médico.
  • 2. Às vezes não dá tempo pra pensar nisso, é preciso resolver a situação imediatamente. Resolvido. Não resolvido. Não? Por que? Não estudou tanto? Não consegue salvar a vida daquela pessoa? Não! Por falta de infraestrutura (material de entubação, medicamentos, leitos etc) ou pelo fato do paciente já estar em estágio avançado do quadro clínico ou por negligência, imperícia, imprudência do médico. Como assim? Em outras situações, em cirurgias eletivas (programadas) ou de urgência/emergência o paciente sai do bloco cirúrgico muito bem, recupera-se, retorna ao lar. Outro paciente é manipulado para que um médico ganhe ilicitamente, sem necessidade de haver a cirurgia ou é inserido um material mais “moderno” e mais caro em que o médico tem participação de lucro ao selecionar esse ou aquele fabricante. Como? Inquietante, mas é fato divulgado em que o objetivo não é o juramento feito, o primeiro desejo ao querer ser médico, mas o bolso. A tristeza é imensurável! Sou professora de futuros médicos e iria ficar arrasada ao ter conhecimento de que um ex-aluno, hoje médico, faz essa prática. Não é isso o que queremos! Não ensinamos apenas as técnicas e avanços científicos, mas também o acolhimento, o despertar ou incremento às atitudes de responsabilidade e, acima de tudo, a busca da melhoria de vida do paciente, preservando a saúde. É vergonhoso e descaracterizador de imagem de médico que se queria para si ao escolher a profissão lá na infância ou adolescência ou que a própria sociedade almeja para si. Voltar ao tempo e se arrepender de escolher a medicina? Olhar para baixo e pensar que essa profissão está sendo alvo de charges, humilhações por parte da mídia em geral? Desanimar? NUNCA!! Escolhi e exerço a medicina com muita honra. Deito a cabeça no travesseiro, respiro fundo relembrando o que foi feito no dia com meu cérebro e mãos humanas e mesmo assim ainda durmo intranquila, por ter faltado fazer mais e não houve possibilidade, não por minha vontade, mas por não haver infraestrutura ou por ter precisado dar um pouco, só um pouco, de meu tempo para minha família. Independente de gestão adequada é preciso trabalhar corretamente e prol do paciente.
  • 3. Quero que meus filhos me olhem ao vivo, em fotografia, vídeo ou o que for e tenham orgulho da médica mãe, que se desdobra pra fazer o melhor, sacrificando até o tempo que deveria estar com eles para buscar atualizações, atender ligações telefônicas para conversar sobre algum caso clínico, trocar e-mails, participar de eventos científicos e, principalmente, estar com alunos e atender pacientes. As notícias sobre médicos irregulares nos ideais da medicina são incômodas, mas jamais irão contribuir para deixar de ter orgulho da profissão e de conhecer incontáveis trabalhadores que se desdobram em olhar no olho do paciente e cuidar no sentido amplo, da pessoa doente e não da doença na pessoa. É preciso que a mídia e a população possam discernir o joio do trigo. Não se pode carimbar uma classe pelo lado sombrio constatado na minoria. O Brasil possui médicos honrados, determinados ao bem e dignos de serem admirados pelo paciente, família e população em geral, pois quando se cuida corretamente de uma pessoa doente o desdobramento ecoa para toda a sociedade. A doença não é de um, mas de todos, assim como um bom médico não é de si próprio, mas de todos. Valorize seu médico. Não generalize. Médicos bons existem ao seu redor. No cotidiano, bem pertinho.