SlideShare uma empresa Scribd logo
Um Recorde da 
Trajetória das 
Mulheres na 
Computação 
Itana Gimenes 
Departamento de 
Informática 
UEM, PR
Vírginia Wolf(1882-1941) 
... E quando estava escrevendo aquela 
resenha , descobri que, se fosse resenhar livros, 
ia ter de combater um certo fantasma. E o 
fantasma era uma mulher, e quando a conheci 
melhor, dei a ela o nome de “O Anjo do Lar”. 
Era ela que costumava aparecer entre mim e o 
papel enquanto eu fazia as resenhas. Era ela 
que me incomodava, tomava meu tempo e 
me atormentava tanto que no fim matei essa 
mulher ....
Ela era extremamente simpática 
Imensamente encantadora 
Totalmente altruísta 
Excelente nas difíceis artes de convívio 
familiar 
Sacrificava-se todos os dias 
Se o almoço era frango, ela ficava com o 
pé; 
Se havia ar encanado, era ali que ela ia sentar 
– em suma, seu feitio era nunca ter opinião ou 
vontade própria, e preferia sempre concordar 
com as opiniões e vontade dos outros ... 
Profissões para mulheres e outros artigos
Agenda 
› Pioneiras da Computação. 
› Mulheres Brasileiras. 
› Discussões sobre aspectos da mulher na 
computação.
Ada • Nascida em 1815, filha de um 
poeta; 
• Estudou matemática; 
• Em 1834 tomou 
conhecimento das ideas de 
Charles Babbage de criar 
uma nova máquina de 
cálculos; 
• Ela escreveu para Babbage 
um plano de como calcular 
números de Bernoulli (~1843); 
• Este plano é tido como um 
primeiro programa de 
computador. 
• Em 1979, uma linguagem de 
programação foi nomeada 
Ada em sua homenagem.
Programando o Colossous 
› Programação do Colossous, primeiro 
computador eletrônico programável, 1942. 
› Colossous foi utilizado para decodificar 
mensagens na segunda guerra mundial. 
› WRENs (Women Royal’s Nave Service). 
Bletchley Park, Inglaterra
Colossous 
› O computador era enorme, tinha 7ft x 17ft x 11ft; 
pesava 1 tonelada e 8kw de potência. 
› Tinha 2.500 portas lógicas, 100.000 resistores 
conectados por 7 km de fios. 
› Colossous contribuiu para encurtar a guerra 
salvando milhares de vidas. 
› Foi reconstruído em 2007 e está exposto no Bletchley 
Park. 
› Neste mesmo museu está a história de Alan Turing. 
› Ver curso de Internet History, Coursera – Fundação 
Lemann (https://www.coursera.org/course/ 
insidetheinternet)
Foto rara tirada durante a guerra quando fotos eram proíbidas 
Publicada em Mailonline, Maio, 2014
1. Margaret Mortimer. 2. Margaret O-Connel; 3. Lorna Cockayne; 
4.Margaret Kelly; 5. Joanna Chorley; 6. Betty Warwick.
Outras 
› Existem vários outros exemplos de 
mulheres inseridas na computação à 
medida que a ciência e a tecnologia foi 
se popularizando. 
› http://women.cs.cmu.edu/ada/ 
Resources/Women/ 
› Scwartz et al, Mulheres na Informática, 
cadernos pagu (27), julho-dezembro de 
2006: pp.255-278.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Nos anos 1970s, criaram-se cursos de 
formação de técnicos em processamento de 
dados no Brasil (3 anos). 
› Computador era anunciado como uma 
máquina que podia substituir os humanos, 
uma máquina mágica que podia tornar 
nossa vida mais simples. 
› Anuciava-se uma demanda alta por 
profissionais de informática.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Em 1977, a UFBA transformou o curso de 
Técnico (curta duração) para Bacharelado 
em Processamento de Dados. 
› Turma de graduação, em 1977, era dividida 
entre homens e mulheres. 
› Em 1979 quando comecei a trabalhar no 
Banco Econômico tinha aproximadamente 
30% de mulheres. 
› Não havia discriminação perceptível que 
impedisse o desenvolvimento do nosso 
trabalho.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› As mulheres eram vistas como excelentes 
programadoras: 
› Pacientes; 
› Cuidadosas com o preenchimento das 
folhas de programação; 
› Eficientes.
Terminais IBM
Mulheres Brasileiras na Computação 
› 1981comecei a trabalhar na Caraíba Metais 
no Departamento de Engenharia de 
Produção da Indústria no polo Petroquímico 
de Camaçari. 
› Única mulher do setor. 
› Dificuldades de relacionamento.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› 1983 entrei no mestrado na UNICAMP. 
› 1986 entrei na carreira acadêmica na UEM. 
› Na carreira acadêmica havia um misto de 
homens e mulheres. 
› Por volta de 2005 começou um rápido 
decréscimo com turmas com 1 ou 2 
mulheres. 
› Recentemente o número de mulheres nas 
turmas da UEM tem voltado a crescer 
lentamente com aproximadamente 6 
mulheres por turma.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Liane Tarouco 
› Graduação em 
Física, 1970. 
› Doutorado em 
engenharia elétrica, 
USP, 1990. 
› Professora da UFRGS. 
› Vários prêmios. 
› Prêmio SBRC 
Destaque 2013.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Therezinha Costa, 
professora da PUC-Rio. 
› Foi contratada em 1971 
como analista de 
sistemas pelo então 
diretor da RDC, Luís 
Martins. 
› Trabalhou como 
tesoureira da SBC 
durante anos. 
› Recebeu o Prêmio 
Newton Faller da SBC 
em 2010.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Ana Regina Rocha 
› Graduação em 
matemática, 1971. 
› Doutorado na PUC-Rio, 1983. 
› Mentora da área de 
qualidade de software no 
Brasil. 
› Umas das criadoras do MPS-BR. 
› Muitos prêmos na área de 
qualidade de software. 
› Prêmio de Contribuição 
Relevante em engenharia 
de software, 2009.
Mulheres Brasileiras na Computação 
› Cláudia Maria Bauzer Medeiros 
› Graduação em engenharia 
elétrica, 1976. 
› Doutorado, em ciência da 
computação, U. Waterloo, 
1985. 
› Atua na área de Banco de 
Dados. 
› Prêmio Newton Faller, 2000. 
› Prêmio Ordem Nacional do 
Mérito Científico, classe 
comendador – Ciências 
Tecnológicas, Presidência da 
República, 2008. 
› Presidente da SBC 2003-2007.
Eventos 
› VIII WIT/CSBC 
› Karin Breitman 
› Mirella Moro. 
› CBSOFT, 2013 – 
Painel WIT em 
Software. 
› Vários 
internacionais
Resumo da trajetória 
› 1970 – 1980 formação em matemática ou 
engenharia; 
› 1980 – formação em computação; 
› Participação nos cursos era maior no 
início e caiu novamente (De 36% em 1985 
para 18% em 2012). 
http://www.edudemic.com/girls-computer-science- 
degrees/
Discussões 
› No Brasil 
› Situação social das mulheres em geral é 
ruim, ainda enfrentamos violência contra a 
mulher – Lei Maria da Penha. 
› Em 2013 tivemos uma aluna assassinada 
por um namorado. 
› Últimas eleições – apenas 10% do 
congresso nacional é formado por 
mulheres.
Respeito pela capacidade da mulher 
› “I was told when I was in school that women were 
incapable of understanding math and science,” she 
said. “Today, saying something like that simply isn’t 
socially acceptable. Rebecca Parsons, Harvard, 
2014. 
› “Underrepresentation leads to continued 
underrepresentation,” she said. “We all need to work 
toward making our workplaces and communities 
more welcoming.” Margo Seltzer, Harvard, 2014. 
› “I am sometimes unable to build diverse teams 
because of so many women opting out” of software 
engineering. Kimber Lockart, Havard, 2014. 
http://www.hcs.harvard.edu/~harvardwomenincs/about.php
Nível educacional das mulheres 
› A prevalência das mulheres entre os mais escolarizados 
ocorre a partir do ensino médio e se estende ao 
superior. 
› Em 2007, entre os que têm de 9 a 11 anos de estudo, 
mais da metade são mulheres e entre aqueles que têm 
mais de 12 anos de estudo, 57% são do sexo feminino . 
› Numa outra perspectiva, segundo dados do Censo 
Escolar, em 2006, 54% das matrículas e 58% das 
conclusões no ensino médio eram femininas 
› Segundo informações do Censo do Ensino Superior, em 
2007, mais da metade dos ingressantes e 60% dos 
concluintes do ensino superior são do sexo feminino. 
http://www.fcc.org.br/bdmulheres/serie3.php?area=series
Diferenças salariais 
› “Para atuar em ambientes majoritariamente 
masculinos, as mulheres enfrentam barreiras 
que vão desde simples dificuldades de 
comunicação à remuneração. O Censo 
aponta que em 2010 o salário médio das 
mulheres no setor de TI era 34% menor que o 
dos homens. Nos cargos de chefia a situação 
era pior: eles ganhavam em média R$ 5.478 e 
elas, R$ 1.909, 65% menos.” 
http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/mulheres-ainda-sao-poucas-no-mercado- 
de-computacao-12242530
Porque as mulheres não estão 
optando por computação? 
› Horas extras necessárias no final dos 
projetos as afastam da família? 
”One reason for this is because women have 
historically chosen lower-paying yet fulfilling 
jobs like teaching or journalism, whereas their 
male counterparts, sometimes considered 
family providers, choose high-paying careers 
like computer science and engineering” 
http://readwrite.com/2014/09/02/women-in-computer- 
science-why-so-few
Cultura 
› “Other contributing factors, according to 
academic experts I interviewed, include a 
culture that encourages young women to 
play with dolls rather than robots and 
pursue traditionally female careers, as 
well as the self-perpetuating stereotype 
that a programmer is a white male. 
Sometimes women can feel like they 
don’t belong in a technical world 
dominated by men.”
Percepção das meninas 
› When girls are told that boys are naturally 
better at computer science, their test 
scores were 75% lower than boys. If they 
were not told this ahead of time, they 
scored the same 
› 90% of girls ‘want to help people’ in their 
careers, and think that ‘computer science 
doesn’t help people’ 
http://www.edudemic.com/girls-computer-science- 
degrees/
Participação no mercado 
› “Among the 
top employers in Silicon Valley, including 
Facebook, Google, Twitter and Apple, 
70% of the workforce is male. In technical 
roles, the disparity is even greater. At 
Twitter, for instance, only 
10% of the technical workforce is female”
Conclusões 
› A motivação para a carreira de 
computação (STEM) caiu em geral, não 
só para mulheres. 
› O número de opções de cursos novos 
aumentou. 
› Ensino médio deficiente. 
› Computação introduzida muito tarde.
Referências 
› (2011) http://www.ted.com/talks/ 
megan_kamerick_women_should_represent_wom 
en_in_media#t-58645; 
› http://www.dailymail.co.uk/news/article-2621807/ 
Last-surviving-women-operated-code-breaking- 
Colossus-computer-Bletchley-Park-Second-World- 
War-reunited-70-years.html

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Um recorte da Trajetória das Mulheres na Computação

Mulheres TI (parte 1)
Mulheres TI (parte 1)Mulheres TI (parte 1)
Mulheres TI (parte 1)
Lisliane Zanette de Oliveira
 
Onde estão as mulheres na TI.pdf
Onde estão as mulheres na TI.pdfOnde estão as mulheres na TI.pdf
Onde estão as mulheres na TI.pdf
Edkallenn Lima
 
Mulheres na Lógica (e no Brasil)
 Mulheres na Lógica (e no Brasil) Mulheres na Lógica (e no Brasil)
Mulheres na Lógica (e no Brasil)
Valeria de Paiva
 
Mulheres na ti final
Mulheres na ti finalMulheres na ti final
Mulheres na ti final
Sulamita Dantas
 
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
Christiane Barbieri de Pelegrin
 
SenacTalks - Mulheres na tecnologia
SenacTalks - Mulheres na tecnologia SenacTalks - Mulheres na tecnologia
SenacTalks - Mulheres na tecnologia
Desiree Santos
 
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmicoMachismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
Tatiane Pires
 
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia danielle costa ca...
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia   danielle costa ca...A importancia da mulher no software livre e na tecnologia   danielle costa ca...
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia danielle costa ca...
ParaLivre
 
Cp063159
Cp063159Cp063159
Cp063159
Raquel Stein
 
Mulheres carreiratecnica
Mulheres carreiratecnicaMulheres carreiratecnica
Mulheres carreiratecnica
mariaanedias
 
Da ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentarDa ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentar
Priscila Hilária
 
Desprogramando o Preconceito
Desprogramando o PreconceitoDesprogramando o Preconceito
Desprogramando o Preconceito
Márcia Santos Almeida
 
EBMM2019 -- TUTORIA
EBMM2019 -- TUTORIAEBMM2019 -- TUTORIA
EBMM2019 -- TUTORIA
Valeria de Paiva
 
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu MinasO Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
Thoughtworks
 
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
Meninas Digitais SBC
 
PrograMinas - Report do Estudo
PrograMinas - Report do EstudoPrograMinas - Report do Estudo
PrograMinas - Report do Estudo
Nathalia Andrijic
 
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologiaPor que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
PrograMaria
 
A importância das mulheres na tecnologia.pptx
A importância das mulheres na tecnologia.pptxA importância das mulheres na tecnologia.pptx
A importância das mulheres na tecnologia.pptx
folp
 
Tecnófobo Elisangela Paiva
Tecnófobo Elisangela PaivaTecnófobo Elisangela Paiva
Tecnófobo Elisangela Paiva
lisa939
 
Gênero, Ciência e Tecnologia
Gênero, Ciência e TecnologiaGênero, Ciência e Tecnologia
Gênero, Ciência e Tecnologia
Vitor Vieira Vasconcelos
 

Semelhante a Um recorte da Trajetória das Mulheres na Computação (20)

Mulheres TI (parte 1)
Mulheres TI (parte 1)Mulheres TI (parte 1)
Mulheres TI (parte 1)
 
Onde estão as mulheres na TI.pdf
Onde estão as mulheres na TI.pdfOnde estão as mulheres na TI.pdf
Onde estão as mulheres na TI.pdf
 
Mulheres na Lógica (e no Brasil)
 Mulheres na Lógica (e no Brasil) Mulheres na Lógica (e no Brasil)
Mulheres na Lógica (e no Brasil)
 
Mulheres na ti final
Mulheres na ti finalMulheres na ti final
Mulheres na ti final
 
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
Porque precisamos de mais MULHERES na TECNOLOGIA? E como fazer isso?!
 
SenacTalks - Mulheres na tecnologia
SenacTalks - Mulheres na tecnologia SenacTalks - Mulheres na tecnologia
SenacTalks - Mulheres na tecnologia
 
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmicoMachismo nos ambientes profissional e acadêmico
Machismo nos ambientes profissional e acadêmico
 
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia danielle costa ca...
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia   danielle costa ca...A importancia da mulher no software livre e na tecnologia   danielle costa ca...
A importancia da mulher no software livre e na tecnologia danielle costa ca...
 
Cp063159
Cp063159Cp063159
Cp063159
 
Mulheres carreiratecnica
Mulheres carreiratecnicaMulheres carreiratecnica
Mulheres carreiratecnica
 
Da ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentarDa ordem do relato e do argumentar
Da ordem do relato e do argumentar
 
Desprogramando o Preconceito
Desprogramando o PreconceitoDesprogramando o Preconceito
Desprogramando o Preconceito
 
EBMM2019 -- TUTORIA
EBMM2019 -- TUTORIAEBMM2019 -- TUTORIA
EBMM2019 -- TUTORIA
 
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu MinasO Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
O Futuro é Feminino - Revista Inforuso | Sucesu Minas
 
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
Estratégias para a inclusão de meninas na área de tecnologia: diversidade par...
 
PrograMinas - Report do Estudo
PrograMinas - Report do EstudoPrograMinas - Report do Estudo
PrograMinas - Report do Estudo
 
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologiaPor que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
Por que o machismo cria barreiras para as mulheres na tecnologia
 
A importância das mulheres na tecnologia.pptx
A importância das mulheres na tecnologia.pptxA importância das mulheres na tecnologia.pptx
A importância das mulheres na tecnologia.pptx
 
Tecnófobo Elisangela Paiva
Tecnófobo Elisangela PaivaTecnófobo Elisangela Paiva
Tecnófobo Elisangela Paiva
 
Gênero, Ciência e Tecnologia
Gênero, Ciência e TecnologiaGênero, Ciência e Tecnologia
Gênero, Ciência e Tecnologia
 

Mais de Universidade Estadual de Maringá

Educação e Ciência Aberta
Educação e Ciência AbertaEducação e Ciência Aberta
Educação e Ciência Aberta
Universidade Estadual de Maringá
 
Gimenes flim2015
Gimenes flim2015Gimenes flim2015
Torna-se Pessoa no Mundo Digital
Torna-se Pessoa no Mundo DigitalTorna-se Pessoa no Mundo Digital
Torna-se Pessoa no Mundo Digital
Universidade Estadual de Maringá
 
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processesClimbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
Universidade Estadual de Maringá
 
Fees2013 apresenta
Fees2013 apresentaFees2013 apresenta
Itana painelsecomucsbc2013
Itana painelsecomucsbc2013Itana painelsecomucsbc2013
Itana painelsecomucsbc2013
Universidade Estadual de Maringá
 
Atividade 5 – conclusão e projeção
Atividade 5 – conclusão e projeçãoAtividade 5 – conclusão e projeção
Atividade 5 – conclusão e projeção
Universidade Estadual de Maringá
 
Mesa redondapde
Mesa redondapdeMesa redondapde
Ouldi project presentation
Ouldi project presentationOuldi project presentation
Ouldi project presentation
Universidade Estadual de Maringá
 
Itana gimenesevalplan
Itana gimenesevalplanItana gimenesevalplan
Itana gimenesevalplan
Universidade Estadual de Maringá
 
Plan prototypingdevelopuserstories
Plan prototypingdevelopuserstoriesPlan prototypingdevelopuserstories
Plan prototypingdevelopuserstories
Universidade Estadual de Maringá
 
Olds mooc-week3-artefacts
Olds mooc-week3-artefactsOlds mooc-week3-artefacts
Olds mooc-week3-artefacts
Universidade Estadual de Maringá
 
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverablesItana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
Universidade Estadual de Maringá
 
Recursos Educacionais Abertos (REA)
Recursos Educacionais Abertos (REA) Recursos Educacionais Abertos (REA)
Recursos Educacionais Abertos (REA)
Universidade Estadual de Maringá
 
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UK
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UKEducação a Distância: uma experiência na Open University, UK
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UK
Universidade Estadual de Maringá
 
Apresenta csbc2012 jai01
Apresenta csbc2012 jai01Apresenta csbc2012 jai01
Apresenta csbc2012 jai01
Universidade Estadual de Maringá
 

Mais de Universidade Estadual de Maringá (16)

Educação e Ciência Aberta
Educação e Ciência AbertaEducação e Ciência Aberta
Educação e Ciência Aberta
 
Gimenes flim2015
Gimenes flim2015Gimenes flim2015
Gimenes flim2015
 
Torna-se Pessoa no Mundo Digital
Torna-se Pessoa no Mundo DigitalTorna-se Pessoa no Mundo Digital
Torna-se Pessoa no Mundo Digital
 
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processesClimbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
Climbing the tree of unreachable fruits, reusing processes
 
Fees2013 apresenta
Fees2013 apresentaFees2013 apresenta
Fees2013 apresenta
 
Itana painelsecomucsbc2013
Itana painelsecomucsbc2013Itana painelsecomucsbc2013
Itana painelsecomucsbc2013
 
Atividade 5 – conclusão e projeção
Atividade 5 – conclusão e projeçãoAtividade 5 – conclusão e projeção
Atividade 5 – conclusão e projeção
 
Mesa redondapde
Mesa redondapdeMesa redondapde
Mesa redondapde
 
Ouldi project presentation
Ouldi project presentationOuldi project presentation
Ouldi project presentation
 
Itana gimenesevalplan
Itana gimenesevalplanItana gimenesevalplan
Itana gimenesevalplan
 
Plan prototypingdevelopuserstories
Plan prototypingdevelopuserstoriesPlan prototypingdevelopuserstories
Plan prototypingdevelopuserstories
 
Olds mooc-week3-artefacts
Olds mooc-week3-artefactsOlds mooc-week3-artefacts
Olds mooc-week3-artefacts
 
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverablesItana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
Itana gimenesleonorbarroca week2-deliverables
 
Recursos Educacionais Abertos (REA)
Recursos Educacionais Abertos (REA) Recursos Educacionais Abertos (REA)
Recursos Educacionais Abertos (REA)
 
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UK
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UKEducação a Distância: uma experiência na Open University, UK
Educação a Distância: uma experiência na Open University, UK
 
Apresenta csbc2012 jai01
Apresenta csbc2012 jai01Apresenta csbc2012 jai01
Apresenta csbc2012 jai01
 

Um recorte da Trajetória das Mulheres na Computação

  • 1. Um Recorde da Trajetória das Mulheres na Computação Itana Gimenes Departamento de Informática UEM, PR
  • 2. Vírginia Wolf(1882-1941) ... E quando estava escrevendo aquela resenha , descobri que, se fosse resenhar livros, ia ter de combater um certo fantasma. E o fantasma era uma mulher, e quando a conheci melhor, dei a ela o nome de “O Anjo do Lar”. Era ela que costumava aparecer entre mim e o papel enquanto eu fazia as resenhas. Era ela que me incomodava, tomava meu tempo e me atormentava tanto que no fim matei essa mulher ....
  • 3. Ela era extremamente simpática Imensamente encantadora Totalmente altruísta Excelente nas difíceis artes de convívio familiar Sacrificava-se todos os dias Se o almoço era frango, ela ficava com o pé; Se havia ar encanado, era ali que ela ia sentar – em suma, seu feitio era nunca ter opinião ou vontade própria, e preferia sempre concordar com as opiniões e vontade dos outros ... Profissões para mulheres e outros artigos
  • 4. Agenda › Pioneiras da Computação. › Mulheres Brasileiras. › Discussões sobre aspectos da mulher na computação.
  • 5. Ada • Nascida em 1815, filha de um poeta; • Estudou matemática; • Em 1834 tomou conhecimento das ideas de Charles Babbage de criar uma nova máquina de cálculos; • Ela escreveu para Babbage um plano de como calcular números de Bernoulli (~1843); • Este plano é tido como um primeiro programa de computador. • Em 1979, uma linguagem de programação foi nomeada Ada em sua homenagem.
  • 6. Programando o Colossous › Programação do Colossous, primeiro computador eletrônico programável, 1942. › Colossous foi utilizado para decodificar mensagens na segunda guerra mundial. › WRENs (Women Royal’s Nave Service). Bletchley Park, Inglaterra
  • 7. Colossous › O computador era enorme, tinha 7ft x 17ft x 11ft; pesava 1 tonelada e 8kw de potência. › Tinha 2.500 portas lógicas, 100.000 resistores conectados por 7 km de fios. › Colossous contribuiu para encurtar a guerra salvando milhares de vidas. › Foi reconstruído em 2007 e está exposto no Bletchley Park. › Neste mesmo museu está a história de Alan Turing. › Ver curso de Internet History, Coursera – Fundação Lemann (https://www.coursera.org/course/ insidetheinternet)
  • 8. Foto rara tirada durante a guerra quando fotos eram proíbidas Publicada em Mailonline, Maio, 2014
  • 9. 1. Margaret Mortimer. 2. Margaret O-Connel; 3. Lorna Cockayne; 4.Margaret Kelly; 5. Joanna Chorley; 6. Betty Warwick.
  • 10. Outras › Existem vários outros exemplos de mulheres inseridas na computação à medida que a ciência e a tecnologia foi se popularizando. › http://women.cs.cmu.edu/ada/ Resources/Women/ › Scwartz et al, Mulheres na Informática, cadernos pagu (27), julho-dezembro de 2006: pp.255-278.
  • 11. Mulheres Brasileiras na Computação › Nos anos 1970s, criaram-se cursos de formação de técnicos em processamento de dados no Brasil (3 anos). › Computador era anunciado como uma máquina que podia substituir os humanos, uma máquina mágica que podia tornar nossa vida mais simples. › Anuciava-se uma demanda alta por profissionais de informática.
  • 12. Mulheres Brasileiras na Computação › Em 1977, a UFBA transformou o curso de Técnico (curta duração) para Bacharelado em Processamento de Dados. › Turma de graduação, em 1977, era dividida entre homens e mulheres. › Em 1979 quando comecei a trabalhar no Banco Econômico tinha aproximadamente 30% de mulheres. › Não havia discriminação perceptível que impedisse o desenvolvimento do nosso trabalho.
  • 13. Mulheres Brasileiras na Computação › As mulheres eram vistas como excelentes programadoras: › Pacientes; › Cuidadosas com o preenchimento das folhas de programação; › Eficientes.
  • 15. Mulheres Brasileiras na Computação › 1981comecei a trabalhar na Caraíba Metais no Departamento de Engenharia de Produção da Indústria no polo Petroquímico de Camaçari. › Única mulher do setor. › Dificuldades de relacionamento.
  • 16. Mulheres Brasileiras na Computação › 1983 entrei no mestrado na UNICAMP. › 1986 entrei na carreira acadêmica na UEM. › Na carreira acadêmica havia um misto de homens e mulheres. › Por volta de 2005 começou um rápido decréscimo com turmas com 1 ou 2 mulheres. › Recentemente o número de mulheres nas turmas da UEM tem voltado a crescer lentamente com aproximadamente 6 mulheres por turma.
  • 17. Mulheres Brasileiras na Computação › Liane Tarouco › Graduação em Física, 1970. › Doutorado em engenharia elétrica, USP, 1990. › Professora da UFRGS. › Vários prêmios. › Prêmio SBRC Destaque 2013.
  • 18. Mulheres Brasileiras na Computação › Therezinha Costa, professora da PUC-Rio. › Foi contratada em 1971 como analista de sistemas pelo então diretor da RDC, Luís Martins. › Trabalhou como tesoureira da SBC durante anos. › Recebeu o Prêmio Newton Faller da SBC em 2010.
  • 19. Mulheres Brasileiras na Computação › Ana Regina Rocha › Graduação em matemática, 1971. › Doutorado na PUC-Rio, 1983. › Mentora da área de qualidade de software no Brasil. › Umas das criadoras do MPS-BR. › Muitos prêmos na área de qualidade de software. › Prêmio de Contribuição Relevante em engenharia de software, 2009.
  • 20. Mulheres Brasileiras na Computação › Cláudia Maria Bauzer Medeiros › Graduação em engenharia elétrica, 1976. › Doutorado, em ciência da computação, U. Waterloo, 1985. › Atua na área de Banco de Dados. › Prêmio Newton Faller, 2000. › Prêmio Ordem Nacional do Mérito Científico, classe comendador – Ciências Tecnológicas, Presidência da República, 2008. › Presidente da SBC 2003-2007.
  • 21. Eventos › VIII WIT/CSBC › Karin Breitman › Mirella Moro. › CBSOFT, 2013 – Painel WIT em Software. › Vários internacionais
  • 22. Resumo da trajetória › 1970 – 1980 formação em matemática ou engenharia; › 1980 – formação em computação; › Participação nos cursos era maior no início e caiu novamente (De 36% em 1985 para 18% em 2012). http://www.edudemic.com/girls-computer-science- degrees/
  • 23. Discussões › No Brasil › Situação social das mulheres em geral é ruim, ainda enfrentamos violência contra a mulher – Lei Maria da Penha. › Em 2013 tivemos uma aluna assassinada por um namorado. › Últimas eleições – apenas 10% do congresso nacional é formado por mulheres.
  • 24. Respeito pela capacidade da mulher › “I was told when I was in school that women were incapable of understanding math and science,” she said. “Today, saying something like that simply isn’t socially acceptable. Rebecca Parsons, Harvard, 2014. › “Underrepresentation leads to continued underrepresentation,” she said. “We all need to work toward making our workplaces and communities more welcoming.” Margo Seltzer, Harvard, 2014. › “I am sometimes unable to build diverse teams because of so many women opting out” of software engineering. Kimber Lockart, Havard, 2014. http://www.hcs.harvard.edu/~harvardwomenincs/about.php
  • 25. Nível educacional das mulheres › A prevalência das mulheres entre os mais escolarizados ocorre a partir do ensino médio e se estende ao superior. › Em 2007, entre os que têm de 9 a 11 anos de estudo, mais da metade são mulheres e entre aqueles que têm mais de 12 anos de estudo, 57% são do sexo feminino . › Numa outra perspectiva, segundo dados do Censo Escolar, em 2006, 54% das matrículas e 58% das conclusões no ensino médio eram femininas › Segundo informações do Censo do Ensino Superior, em 2007, mais da metade dos ingressantes e 60% dos concluintes do ensino superior são do sexo feminino. http://www.fcc.org.br/bdmulheres/serie3.php?area=series
  • 26. Diferenças salariais › “Para atuar em ambientes majoritariamente masculinos, as mulheres enfrentam barreiras que vão desde simples dificuldades de comunicação à remuneração. O Censo aponta que em 2010 o salário médio das mulheres no setor de TI era 34% menor que o dos homens. Nos cargos de chefia a situação era pior: eles ganhavam em média R$ 5.478 e elas, R$ 1.909, 65% menos.” http://oglobo.globo.com/sociedade/tecnologia/mulheres-ainda-sao-poucas-no-mercado- de-computacao-12242530
  • 27. Porque as mulheres não estão optando por computação? › Horas extras necessárias no final dos projetos as afastam da família? ”One reason for this is because women have historically chosen lower-paying yet fulfilling jobs like teaching or journalism, whereas their male counterparts, sometimes considered family providers, choose high-paying careers like computer science and engineering” http://readwrite.com/2014/09/02/women-in-computer- science-why-so-few
  • 28. Cultura › “Other contributing factors, according to academic experts I interviewed, include a culture that encourages young women to play with dolls rather than robots and pursue traditionally female careers, as well as the self-perpetuating stereotype that a programmer is a white male. Sometimes women can feel like they don’t belong in a technical world dominated by men.”
  • 29. Percepção das meninas › When girls are told that boys are naturally better at computer science, their test scores were 75% lower than boys. If they were not told this ahead of time, they scored the same › 90% of girls ‘want to help people’ in their careers, and think that ‘computer science doesn’t help people’ http://www.edudemic.com/girls-computer-science- degrees/
  • 30. Participação no mercado › “Among the top employers in Silicon Valley, including Facebook, Google, Twitter and Apple, 70% of the workforce is male. In technical roles, the disparity is even greater. At Twitter, for instance, only 10% of the technical workforce is female”
  • 31. Conclusões › A motivação para a carreira de computação (STEM) caiu em geral, não só para mulheres. › O número de opções de cursos novos aumentou. › Ensino médio deficiente. › Computação introduzida muito tarde.
  • 32. Referências › (2011) http://www.ted.com/talks/ megan_kamerick_women_should_represent_wom en_in_media#t-58645; › http://www.dailymail.co.uk/news/article-2621807/ Last-surviving-women-operated-code-breaking- Colossus-computer-Bletchley-Park-Second-World- War-reunited-70-years.html