SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Introdução ao Transístor Anderson Zardo Semana Acadêmica 2011/1
Transístor Componente de fundamental importância em quase todos os aparelhos eletrônicos atuais; Considerada uma das invenções mais importantes do Século XX; Diversos usos (chaveadores, reguladores de tensão/corrente, amplificação, etc).
O início No fim da  década de 40, pesquisadores procuravam por alternativas menos problemáticas às válvulas (vacuum tubes). Descobriu-se  que alguns materiais, de acordo com a circunstância, poderiam atuar tanto como isolantes quanto como condutores (seriam chamados de semicondutores).
Desvantagens das Válvulas Tamanho; Consumo de energia elevado; Possui partes móveis;  Necessidade de vácuo; Pouco resistentes; Sensíveis à queima; Necessitavam de tempo de aquecimento; Não trabalhavam com altas frequências;
Desenvolvimento O primeiro protótipo surgiu em 16/12/1947 na Bell Labs, pelas mãos de John Bardeen, Walter Brattain e William Shockley.  Era consistindo em um pequeno bloco de germânio e três filamentos de ouro. Um filamento era o polo positivo, o outro, o polo negativo, enquanto o terceiro tinha a função de controle.
Funcionamento Tendo apenas uma carga elétrica no polo positivo, nada acontecia: o germânio atuava como um isolante bloqueando a corrente.  Quando uma certa tensão elétrica era aplicada usando o filamento de controle, a carga elétrica passava a fluir entre emissor e coletor.
O Primeiro transístor Media 1,5 cm e era feito de germânio, com filamentos de ouro.
Evolução Com a substituição do Germânio pelo Silício, os transístores se tornaram menores e mais baratos. O Silício misturado a outros componentes (processo de dopagem) em pequenas quantidades determina se o componente será condutor de cargas positivas ou negativas.
Principais funções Amplificador de tensão ; Amplificador de potência; Oscilador de rádio frequência ou de áudio frequência; Casadorde impedâncias; Chaveador (liga-desliga).
Exemplo de empregabilidade (amplificador): 1V 10V
Impacto do transístor na indústria eletrônica	 Produção de equipamentos cada vez menores, potentes e mais baratos; Surgimento e fortalecimento de diversas empresas (Texas Instruments, Philips, Sony, Siemens, Motorola, etc); Se tornou a base do desenvolvimento de outras tecnologias de vital importância na microeletrônica e sobretudo, na informática.
Circuito integrado	 Jack Kilby da Texas Instruments e Robert Noyce, da FairchildSemiconductor, ambos trabalhando independentemente , tiveram a ideia de integrar diversos transistores em um único encapsulamento, dando origem ao Circuito Integrado (CI). Robert Noyce fundaria a Intel junto com Gordon Moore em 1968
Processadores O primeiro microchip comercial foi lançado pela Intel em 1971 e chamava-se 4004.  Manipulava palavras de apenas 4 bits, composto por pouco mais de 2000 transístores e operava a apenas 108 KHz. Muito usado em calculadoras,  Mostrou a outras empresas que os microchips eram viáveis, criando uma verdadeira corrida em busca de processadores mais avançados.
Algumas curiosidades: O transistor original fabricado pelo Bell Labsem 1947 era grande o bastante para ser montado à mão. Hoje, mais de 60 milhões de transistores de 32nm cabem na cabeça de um alfinete. O Intel 4004 de 1971, funcionava com uma freqüência de 108 KHz e possuía 2,300 transistoresde dez micrometros (um milionésimo de um metro) O Intel® Core™ i5-661 funciona com freqüência de 3,33 GHz e possui 559 milhões de transistores de 32 nanômetros (milionésima parte de um milímetro). O vírus da gripe mede cerca de 100nm. Seria possível colocar três transistores de 32 nanômetros dentro de um único vírus. As salas onde os processadores são feitos são 10 mil vezes mais limpas que um ambiente cirúrgico(grãos de poeira possuem um tamanho colossal em escala nanométrica)
Novidade: Transístores de Grafeno Foto: Arranjo das moléculas de Grafeno
A Lei de Moore e os Transístores Em 1975, Gordon Moore (co-fundador da Intel) criou a célebre Lei de Moore Segundo ela, a capacidade dos processadores dobraria a cada 24 meses, enquanto que o custo permaneceria o mesmo.
Problema: Já estamos chegando no limite físico do Silício (20 nm). O Processo atual está em 22nm  A 20nm, o gate (que é a parte funcional do transístor) mede o equivalente a um único átomo de ouro.
O Grafeno Cientistas da IBM apresentaram um novo transístor de composto de Grafeno, capaz de alcançar uma frequência de 100 GHz. Segundo a empresa, que divulgou o resultado na revista Science, é a maior já registrada em um dispositivo Grafeno.
O Grafeno Quando conseguirem fabricar transistores de Grafeno de 50nm, os cientistas calculam que poderão fazê-los funcionar na casa dos THz. Por serem feitos à base de carbono, os transistores de Grafenosão conhecidos como transistores orgânicos.
O que é Grafeno? É um material abundante, que pode ser encontrado no grafite e em outros compostos de carbono.  O grafeno é uma estrutura surpreendentemente estável e resistente. Você pode imaginar uma grade de átomos de carbono com um único átomo de espessura.
“Roadmap” ,[object Object],- Década de 60: Cerca de 20000 namômetros (bactéria)- Década de 70: 3000 namômetros (vírus) - Década de 80: Transístor do 486 de até 66 MHz 		1000 namômetros (1 mícron) - Década de 90: Transístor do Pentium III de até 1,2 GHz 		180 namômetros (molécula de DNA) - Em 2011: Transístor do Core i7 de até 3,4 GHz 		32 namômetros.  		Já há processadores de 22mn. - Por volta de 2014: Processador de até 5 GHz. 		20 namômetros (limite físico da matéria) ,[object Object],- Em 2008: Lançado transístor de grafeno de 26 GHz 	- Em 2010: Lançado transístor de grafeno de 100 GHz 		150 namômetros - Futuro:  Acredita-se chegar aos THz com 50 namômetros
Perguntas?
Obrigado!
Bibliografia http://www.gdhpress.com.br/hardware/leia/index.php?p=cap1-4 http://www.hardware.com.br/termos/transistor http://informatica.hsw.uol.com.br/semicondutores.htm http://stoa.usp.br/kblane/files/827/4714/historia_transistor.pdf http://www.authorstream.com/Presentation/mschongkong-102758-intorduction-transistors-education-ppt-powerpoint/ http://www.agostinhorosa.com.br/artigos/transistor-indice.html http://info.abril.com.br/noticias/ti/ibm-demonstra-novo-transistor-de-grafeno-05022010-31.shl http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=ibm-transistor-de-grafeno-mais-rapido-do-mundo http://www.hardware.com.br/noticias/2008-04/480F1066.html http://www.intel.com/portugues/pressroom/releases/2010/0210b.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
hallogui
 
Técnicas de soldagem
Técnicas de soldagemTécnicas de soldagem
Técnicas de soldagem
Bruno Pereira
 
Circuitos integrados
Circuitos integradosCircuitos integrados
Circuitos integrados
cabaldreams
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Faculdade Mater Christi
 
eletrônica de potência
eletrônica de potênciaeletrônica de potência
eletrônica de potência
John Kennedy
 

Mais procurados (20)

Antenas
AntenasAntenas
Antenas
 
inversor de frequencia
inversor de frequenciainversor de frequencia
inversor de frequencia
 
Cabos De Rede
Cabos De RedeCabos De Rede
Cabos De Rede
 
Técnicas de soldagem
Técnicas de soldagemTécnicas de soldagem
Técnicas de soldagem
 
Eletronica de potencia
Eletronica de potenciaEletronica de potencia
Eletronica de potencia
 
Transformadores 2
Transformadores 2Transformadores 2
Transformadores 2
 
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e SistemasAula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
Aula 3 e 4 - TEÓRICA - Engenharia Elétrica 6NA - Sinais e Sistemas
 
Dispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e PassivosDispositivos Ativos e Passivos
Dispositivos Ativos e Passivos
 
Modelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada FísicaModelo OSI - Camada Física
Modelo OSI - Camada Física
 
Circuitos integrados
Circuitos integradosCircuitos integrados
Circuitos integrados
 
Meios de transmissão
Meios de transmissãoMeios de transmissão
Meios de transmissão
 
Semicondutores
SemicondutoresSemicondutores
Semicondutores
 
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)Capítulo 5 e 4   transmissão analógica e digital (2º unidade)
Capítulo 5 e 4 transmissão analógica e digital (2º unidade)
 
eletrônica de potência
eletrônica de potênciaeletrônica de potência
eletrônica de potência
 
Transformador
TransformadorTransformador
Transformador
 
Amplificador operacional
Amplificador operacionalAmplificador operacional
Amplificador operacional
 
Cabos de rede
Cabos de redeCabos de rede
Cabos de rede
 
07 potencia elétrica
07  potencia elétrica07  potencia elétrica
07 potencia elétrica
 
Circuitos triângulo e estrela
Circuitos triângulo e estrelaCircuitos triângulo e estrela
Circuitos triângulo e estrela
 
Transistores unipolares jfet e mosfet
Transistores unipolares   jfet e mosfetTransistores unipolares   jfet e mosfet
Transistores unipolares jfet e mosfet
 

Destaque

3.bipolar junction transistor (bjt)
3.bipolar junction transistor (bjt)3.bipolar junction transistor (bjt)
3.bipolar junction transistor (bjt)
firozamin
 
Fototransistor
FototransistorFototransistor
Fototransistor
joselin33
 

Destaque (20)

Transistor
TransistorTransistor
Transistor
 
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃOAPOSTILA DE  TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
APOSTILA DE TRANSISTOR, POLARIZAÇÃO
 
Transístor bipolar polarização
Transístor bipolar polarizaçãoTransístor bipolar polarização
Transístor bipolar polarização
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Transistor fet
Transistor fetTransistor fet
Transistor fet
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Bjt modif
Bjt modifBjt modif
Bjt modif
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Transistor bipolar de juncao (TBJ) 1
Transistor bipolar de juncao (TBJ)   1Transistor bipolar de juncao (TBJ)   1
Transistor bipolar de juncao (TBJ) 1
 
Transistors ppt by behin
Transistors ppt by behinTransistors ppt by behin
Transistors ppt by behin
 
3.bipolar junction transistor (bjt)
3.bipolar junction transistor (bjt)3.bipolar junction transistor (bjt)
3.bipolar junction transistor (bjt)
 
Resumo transistor
Resumo transistorResumo transistor
Resumo transistor
 
Fototransistor
FototransistorFototransistor
Fototransistor
 
Transistor
TransistorTransistor
Transistor
 
F3 transistores control
F3 transistores controlF3 transistores control
F3 transistores control
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Transistores
TransistoresTransistores
Transistores
 
Resumo Transistor de efeito campo
Resumo Transistor de efeito campoResumo Transistor de efeito campo
Resumo Transistor de efeito campo
 

Semelhante a Transístores

Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Thaís Santos
 
O computador
O computadorO computador
O computador
cef1
 
TransíStor E Sua EvoluçãO
TransíStor E Sua EvoluçãOTransíStor E Sua EvoluçãO
TransíStor E Sua EvoluçãO
bruno roberto
 
Trabalho de física - Informática
Trabalho de física - InformáticaTrabalho de física - Informática
Trabalho de física - Informática
guest92465c
 
Evolução do Computador
Evolução do ComputadorEvolução do Computador
Evolução do Computador
grupomp10m
 
Nanotech
NanotechNanotech
Nanotech
mrkiki
 

Semelhante a Transístores (20)

Transístor
TransístorTransístor
Transístor
 
3º Geração de Computadores
3º Geração de Computadores3º Geração de Computadores
3º Geração de Computadores
 
Evolucao 2
Evolucao 2Evolucao 2
Evolucao 2
 
Seminários G5 - Apresentação 3 e 4 geração
Seminários G5 - Apresentação 3 e 4 geraçãoSeminários G5 - Apresentação 3 e 4 geração
Seminários G5 - Apresentação 3 e 4 geração
 
Aluno matheus alexandre ferreira
Aluno   matheus alexandre ferreiraAluno   matheus alexandre ferreira
Aluno matheus alexandre ferreira
 
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)
 
O computador
O computadorO computador
O computador
 
FIBRA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA FIBRA ÓPTICA
FIBRA ÓPTICA
 
TransíStor E Sua EvoluçãO
TransíStor E Sua EvoluçãOTransíStor E Sua EvoluçãO
TransíStor E Sua EvoluçãO
 
TransíStor E Sua EvoluçãO2
TransíStor E Sua EvoluçãO2TransíStor E Sua EvoluçãO2
TransíStor E Sua EvoluçãO2
 
TransíStor E Sua EvoluçãO2
TransíStor E Sua EvoluçãO2TransíStor E Sua EvoluçãO2
TransíStor E Sua EvoluçãO2
 
Evolução dos computadores
Evolução dos computadoresEvolução dos computadores
Evolução dos computadores
 
Revista GDH
Revista GDHRevista GDH
Revista GDH
 
GDH10
GDH10GDH10
GDH10
 
Trabalho de física - Informática
Trabalho de física - InformáticaTrabalho de física - Informática
Trabalho de física - Informática
 
Evolução do Computador
Evolução do ComputadorEvolução do Computador
Evolução do Computador
 
Electronica basica
Electronica basica Electronica basica
Electronica basica
 
As gerações
As geraçõesAs gerações
As gerações
 
As gerações
As geraçõesAs gerações
As gerações
 
Nanotech
NanotechNanotech
Nanotech
 

Mais de Anderson Zardo

Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastresTrabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
Anderson Zardo
 
Trabalho de gerenciamento de usuários
Trabalho de gerenciamento de usuáriosTrabalho de gerenciamento de usuários
Trabalho de gerenciamento de usuários
Anderson Zardo
 
Software proprietário e livre
Software proprietário e livreSoftware proprietário e livre
Software proprietário e livre
Anderson Zardo
 
Sistemas especialistas
Sistemas especialistasSistemas especialistas
Sistemas especialistas
Anderson Zardo
 
Fibra ótica cabeamento estruturado
Fibra ótica cabeamento estruturadoFibra ótica cabeamento estruturado
Fibra ótica cabeamento estruturado
Anderson Zardo
 
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
Anderson Zardo
 
Artigo o mundo inspirado por julio verne
Artigo   o mundo inspirado por julio verneArtigo   o mundo inspirado por julio verne
Artigo o mundo inspirado por julio verne
Anderson Zardo
 
Anderson zardo principais componentes do cabeamento estruturado
Anderson zardo   principais componentes do cabeamento estruturadoAnderson zardo   principais componentes do cabeamento estruturado
Anderson zardo principais componentes do cabeamento estruturado
Anderson Zardo
 
Anderson zardo artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
Anderson zardo   artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópiaAnderson zardo   artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
Anderson zardo artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
Anderson Zardo
 
Anderson zardo artigo sobre cabeamento estruturado
Anderson zardo   artigo sobre cabeamento estruturadoAnderson zardo   artigo sobre cabeamento estruturado
Anderson zardo artigo sobre cabeamento estruturado
Anderson Zardo
 
Anderson zardo artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
Anderson zardo   artigo fibra ótica no cabeamento estruturadoAnderson zardo   artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
Anderson zardo artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
Anderson Zardo
 
Trabalho windows x linux
Trabalho windows x linuxTrabalho windows x linux
Trabalho windows x linux
Anderson Zardo
 

Mais de Anderson Zardo (20)

VLAN - Conceitos Básicos
VLAN - Conceitos BásicosVLAN - Conceitos Básicos
VLAN - Conceitos Básicos
 
Balanced Scorecard
Balanced ScorecardBalanced Scorecard
Balanced Scorecard
 
Gerenciamento da disponibilidade itil
Gerenciamento da disponibilidade   itilGerenciamento da disponibilidade   itil
Gerenciamento da disponibilidade itil
 
Engenharia Social - A arte de enganar
Engenharia Social - A arte de enganarEngenharia Social - A arte de enganar
Engenharia Social - A arte de enganar
 
Manual de consulta rápido de PL/SQL
Manual de consulta rápido de PL/SQLManual de consulta rápido de PL/SQL
Manual de consulta rápido de PL/SQL
 
Mini política de Segurança da Informação - Análise de Riscos
Mini política de Segurança da Informação - Análise de RiscosMini política de Segurança da Informação - Análise de Riscos
Mini política de Segurança da Informação - Análise de Riscos
 
Trabalho frame relay
Trabalho frame relayTrabalho frame relay
Trabalho frame relay
 
Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastresTrabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
Trabalho tolerância a falhas e recuperação de desastres
 
Trabalho de gerenciamento de usuários
Trabalho de gerenciamento de usuáriosTrabalho de gerenciamento de usuários
Trabalho de gerenciamento de usuários
 
Trabalho acl
Trabalho aclTrabalho acl
Trabalho acl
 
Software proprietário e livre
Software proprietário e livreSoftware proprietário e livre
Software proprietário e livre
 
Sistemas especialistas
Sistemas especialistasSistemas especialistas
Sistemas especialistas
 
Fibra ótica cabeamento estruturado
Fibra ótica cabeamento estruturadoFibra ótica cabeamento estruturado
Fibra ótica cabeamento estruturado
 
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
Aspectos positivos e negativos da virtualizaçã1
 
Artigo o mundo inspirado por julio verne
Artigo   o mundo inspirado por julio verneArtigo   o mundo inspirado por julio verne
Artigo o mundo inspirado por julio verne
 
Anderson zardo principais componentes do cabeamento estruturado
Anderson zardo   principais componentes do cabeamento estruturadoAnderson zardo   principais componentes do cabeamento estruturado
Anderson zardo principais componentes do cabeamento estruturado
 
Anderson zardo artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
Anderson zardo   artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópiaAnderson zardo   artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
Anderson zardo artigo sub-sistemas do cabeamento estruturado - cópia
 
Anderson zardo artigo sobre cabeamento estruturado
Anderson zardo   artigo sobre cabeamento estruturadoAnderson zardo   artigo sobre cabeamento estruturado
Anderson zardo artigo sobre cabeamento estruturado
 
Anderson zardo artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
Anderson zardo   artigo fibra ótica no cabeamento estruturadoAnderson zardo   artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
Anderson zardo artigo fibra ótica no cabeamento estruturado
 
Trabalho windows x linux
Trabalho windows x linuxTrabalho windows x linux
Trabalho windows x linux
 

Transístores

  • 1. Introdução ao Transístor Anderson Zardo Semana Acadêmica 2011/1
  • 2. Transístor Componente de fundamental importância em quase todos os aparelhos eletrônicos atuais; Considerada uma das invenções mais importantes do Século XX; Diversos usos (chaveadores, reguladores de tensão/corrente, amplificação, etc).
  • 3. O início No fim da década de 40, pesquisadores procuravam por alternativas menos problemáticas às válvulas (vacuum tubes). Descobriu-se que alguns materiais, de acordo com a circunstância, poderiam atuar tanto como isolantes quanto como condutores (seriam chamados de semicondutores).
  • 4. Desvantagens das Válvulas Tamanho; Consumo de energia elevado; Possui partes móveis; Necessidade de vácuo; Pouco resistentes; Sensíveis à queima; Necessitavam de tempo de aquecimento; Não trabalhavam com altas frequências;
  • 5. Desenvolvimento O primeiro protótipo surgiu em 16/12/1947 na Bell Labs, pelas mãos de John Bardeen, Walter Brattain e William Shockley. Era consistindo em um pequeno bloco de germânio e três filamentos de ouro. Um filamento era o polo positivo, o outro, o polo negativo, enquanto o terceiro tinha a função de controle.
  • 6. Funcionamento Tendo apenas uma carga elétrica no polo positivo, nada acontecia: o germânio atuava como um isolante bloqueando a corrente. Quando uma certa tensão elétrica era aplicada usando o filamento de controle, a carga elétrica passava a fluir entre emissor e coletor.
  • 7. O Primeiro transístor Media 1,5 cm e era feito de germânio, com filamentos de ouro.
  • 8. Evolução Com a substituição do Germânio pelo Silício, os transístores se tornaram menores e mais baratos. O Silício misturado a outros componentes (processo de dopagem) em pequenas quantidades determina se o componente será condutor de cargas positivas ou negativas.
  • 9. Principais funções Amplificador de tensão ; Amplificador de potência; Oscilador de rádio frequência ou de áudio frequência; Casadorde impedâncias; Chaveador (liga-desliga).
  • 10. Exemplo de empregabilidade (amplificador): 1V 10V
  • 11. Impacto do transístor na indústria eletrônica Produção de equipamentos cada vez menores, potentes e mais baratos; Surgimento e fortalecimento de diversas empresas (Texas Instruments, Philips, Sony, Siemens, Motorola, etc); Se tornou a base do desenvolvimento de outras tecnologias de vital importância na microeletrônica e sobretudo, na informática.
  • 12. Circuito integrado Jack Kilby da Texas Instruments e Robert Noyce, da FairchildSemiconductor, ambos trabalhando independentemente , tiveram a ideia de integrar diversos transistores em um único encapsulamento, dando origem ao Circuito Integrado (CI). Robert Noyce fundaria a Intel junto com Gordon Moore em 1968
  • 13. Processadores O primeiro microchip comercial foi lançado pela Intel em 1971 e chamava-se 4004. Manipulava palavras de apenas 4 bits, composto por pouco mais de 2000 transístores e operava a apenas 108 KHz. Muito usado em calculadoras, Mostrou a outras empresas que os microchips eram viáveis, criando uma verdadeira corrida em busca de processadores mais avançados.
  • 14. Algumas curiosidades: O transistor original fabricado pelo Bell Labsem 1947 era grande o bastante para ser montado à mão. Hoje, mais de 60 milhões de transistores de 32nm cabem na cabeça de um alfinete. O Intel 4004 de 1971, funcionava com uma freqüência de 108 KHz e possuía 2,300 transistoresde dez micrometros (um milionésimo de um metro) O Intel® Core™ i5-661 funciona com freqüência de 3,33 GHz e possui 559 milhões de transistores de 32 nanômetros (milionésima parte de um milímetro). O vírus da gripe mede cerca de 100nm. Seria possível colocar três transistores de 32 nanômetros dentro de um único vírus. As salas onde os processadores são feitos são 10 mil vezes mais limpas que um ambiente cirúrgico(grãos de poeira possuem um tamanho colossal em escala nanométrica)
  • 15. Novidade: Transístores de Grafeno Foto: Arranjo das moléculas de Grafeno
  • 16. A Lei de Moore e os Transístores Em 1975, Gordon Moore (co-fundador da Intel) criou a célebre Lei de Moore Segundo ela, a capacidade dos processadores dobraria a cada 24 meses, enquanto que o custo permaneceria o mesmo.
  • 17. Problema: Já estamos chegando no limite físico do Silício (20 nm). O Processo atual está em 22nm A 20nm, o gate (que é a parte funcional do transístor) mede o equivalente a um único átomo de ouro.
  • 18. O Grafeno Cientistas da IBM apresentaram um novo transístor de composto de Grafeno, capaz de alcançar uma frequência de 100 GHz. Segundo a empresa, que divulgou o resultado na revista Science, é a maior já registrada em um dispositivo Grafeno.
  • 19. O Grafeno Quando conseguirem fabricar transistores de Grafeno de 50nm, os cientistas calculam que poderão fazê-los funcionar na casa dos THz. Por serem feitos à base de carbono, os transistores de Grafenosão conhecidos como transistores orgânicos.
  • 20. O que é Grafeno? É um material abundante, que pode ser encontrado no grafite e em outros compostos de carbono. O grafeno é uma estrutura surpreendentemente estável e resistente. Você pode imaginar uma grade de átomos de carbono com um único átomo de espessura.
  • 21.
  • 24. Bibliografia http://www.gdhpress.com.br/hardware/leia/index.php?p=cap1-4 http://www.hardware.com.br/termos/transistor http://informatica.hsw.uol.com.br/semicondutores.htm http://stoa.usp.br/kblane/files/827/4714/historia_transistor.pdf http://www.authorstream.com/Presentation/mschongkong-102758-intorduction-transistors-education-ppt-powerpoint/ http://www.agostinhorosa.com.br/artigos/transistor-indice.html http://info.abril.com.br/noticias/ti/ibm-demonstra-novo-transistor-de-grafeno-05022010-31.shl http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=ibm-transistor-de-grafeno-mais-rapido-do-mundo http://www.hardware.com.br/noticias/2008-04/480F1066.html http://www.intel.com/portugues/pressroom/releases/2010/0210b.htm