SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho realizado por Nízia Costa
P.I.L.
Lembro-me de começar a minha primeira introdução
do P.I.L. por dizer que a maioria dos livros que se
encontram á venda não me chamam á atenção e por
mais estranho que isto possa parecer, a leitura de
cinco obras não mudou em nada o meu ponto de vista
sobre o assunto.
Este ano está a ser novamente um grande desafio
mas felizmente devido á experiência adquirida no ano
passado este ano sinto-me mais preparada.
Ao longo do P.I.L. vão estar expostos a minha criativi
dade e o meu gosto pela escrita.
Os meus principais objectivos são ler todas as devid
obras e poder constatar uma melhoria geral em
relação ao ano passado.
INTRODUÇÃO
CALENDARIZAÇÃO
Nunca fui como todos
Nunca tive muitos amigos
Nunca fui favorita
Nunca fui o que meus pais queriam
Nunca tive alguém que amasse
Mas tive somente a mim
A minha absoluta verdade
Meu verdadeiro pensamento
O meu conforto nas horas de sofrimento
não vivo sozinha porque gosto
e sim porque aprendi a ser só...
POEMA ESCOLHIDO
No mundo sou só mais uma pétala de uma flor
Uma espécie no meio de muitas
Uma brisa passageira num dia de calor
A dor é minha amiga pois nunca me deixa só
E tal como a minha alma, a minha simples alma
Que o meu amor amou, também a luz me abandono
Vagueio sem rumo neste sitio a que chamam mund
Na esperança de me sentir viva outra vez
Nem que seja por um segundo
CRIAÇÃO DE UM POEMA
Mãe:
Que desgraça na vida aconteceu,
Que ficaste insensível e gelada?
Que todo o teu perfil se
endureceu
Numa linha severa e desenhada?
Como as estátuas, que são gente
nossa
Cansada de palavras e ternura,
Assim tu me pareces no teu leito.
Presença cinzelada em pedra
dura,
que não tem coração dentro do
peito.
POEMA ESCOLHIDO
Chamo aos gritos por ti - não me respondes.
Beijo-te as mãos e o rosto - sinto frio.
Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes
Por detrás do terror deste vazio.
Mãe:
Abre os olhos ao menos, diz que sim!
Diz que me vês ainda, que me queres.
Que és a eterna mulher entre as mulheres.
Que nem a morte te afastou de mim!
-Lembras-te de quando eu te levei ao zoo
pela primeira vez? Estavas tão contente
que nem querias ir embora.- disse a minha
mãe durante a nossa última conversa.
O rosto da minha mãezinha de tão velinho
que estava já não lhe permitia sorrir pois as
dobras do seu sorriso misturavam-se com
as suas rugas.
Foi um dia triste, dia esse em que ela
tentou atenuar a minha dor contando-me
histórias de quando eu era criança. Mal ela
sabia de que agora também elas ficaram
para me assombrar juntamente com o vazio
que ficou dentro de mim quando ela me
abandonou.
Naquela cama de hospital eu não via a
minha mãe e sim algo que se apoderou
dela e fez dela o que ela se tornou.
CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
Por mais que ela tentasse, nenhuma
história foi capaz de me adverter do facto
de que passado algumas horas, dias ou até
semanas ela já não estaria comigo.
Tentei ficar distante e manter uma postura
de indiferença mas de tão distante que
estava acabei por me aproximar.
Falhei?Sim, falhei. Não consegui fazer com
que o seu desaparecimento deste mundo
fosse uma coisa banal.
Quando ela deu o seu último suspiro
chorei. Chorei como nunca tinha chorado
antes. Mais uma vez quebrei uma
promessa que lhe tinha feito, a promessa
de viver como se nenhuma tragédia tivesse
acontecido.
Ela disse-me que estaria comigo mesmo
que não fosse fisicamente mas se isso é
verdade então porquê que me sinto tão só?
CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
Cheguei a uma conclusão, uma mãe
também mente. Mente para proteger,
mente porque tem de ser mas acima
de tudo mente porque sente que o tem
de fazer para não ver os que ama
sofrer.
A minha mãe foi embora com um ar
contente mas sei que no fundo ela
sofreu e foi quando lhe fechei os olhos
que o meu amor pelo mundo morreu.
CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
Felicidade, agarrei-te
Como um cão, pelo cachaço!
E, contigo, em mar de azeite
Afoguei-me, passo a passo...
Dei à minha alma a preguiça
Que o meu corpo não tivera.
E foi, assim, que, submissa,
Vi chegar a Primavera...
Quem a colher que a arrecade
(Há, nela, um segredo lento...)
Ó frágil felicidade!
— Palavra que leva o vento,
E, depois, como se a ideia
De, nos dedos, a ter tido
Bastasse, por fim, larguei-a,
Sem ficar arrependido...
ESCOLHA DE DOIS POEMAS
Miguel Torga, “Súplica”
Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.
Perde-se a vida a desejá-la tanto.
Só soubemos sofrer, enquanto
O nosso amor
Durou.
Mas o tempo passou,
Há calmaria...
Não perturbes a paz que me foi dada.
Ouvir de novo a tua voz seria
Matar a sede com água salgada.
Pedro Homem de Mello, i
n "Eu Hei-de Voltar um Dia"
Ó frágil felicidade!
Não respondas
Às urgentes perguntas
Que te fiz.
Não perturbes a paz que me foi dada.
Dei à minha alma a preguiça
Que o meu corpo não tivera
Agora que o silêncio é um mar sem ondas,
E que nele posso navegar sem rumo,
E, contigo, em mar de azeite
Deixa-me ser feliz
Assim,
Já tão longe de ti como de mim.
JUNÇÃO DE DOIS POEMAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Maes Nao Morrem Mara
Maes Nao Morrem MaraMaes Nao Morrem Mara
Maes Nao Morrem Mara
Milene Cristina
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
bilibiowebsite
 
Maes Nao Morrem
Maes Nao MorremMaes Nao Morrem
Maes Nao Morrem
carlalves
 
Mães não morrem!
Mães não morrem!Mães não morrem!
Mães não morrem!
Aristides Monteiro
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
colessencial
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
rosilande
 
MÃES NÃO MORREM
MÃES NÃO MORREMMÃES NÃO MORREM
MÃES NÃO MORREM
BLOG's REI
 
Mães não morrem
Mães não morremMães não morrem
Mães não morrem
Coopesg
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
rebeccasantos
 
Dia Mundial Poesia
Dia Mundial PoesiaDia Mundial Poesia
Dia Mundial Poesia
turmaefa3
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
Sonia Savelli
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
izabelfonseca
 
0 maes morrem
0  maes morrem0  maes morrem
0 maes morrem
luzberto
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
Osnir da Silva
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
Hugo Pereira
 
Mães não morrem
Mães não morremMães não morrem
Mães não morrem
Fernando Carlos Demarcos
 

Mais procurados (16)

Maes Nao Morrem Mara
Maes Nao Morrem MaraMaes Nao Morrem Mara
Maes Nao Morrem Mara
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
 
Maes Nao Morrem
Maes Nao MorremMaes Nao Morrem
Maes Nao Morrem
 
Mães não morrem!
Mães não morrem!Mães não morrem!
Mães não morrem!
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
 
MÃES NÃO MORREM
MÃES NÃO MORREMMÃES NÃO MORREM
MÃES NÃO MORREM
 
Mães não morrem
Mães não morremMães não morrem
Mães não morrem
 
Maes nao morrem
Maes nao morremMaes nao morrem
Maes nao morrem
 
Dia Mundial Poesia
Dia Mundial PoesiaDia Mundial Poesia
Dia Mundial Poesia
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
 
0 maes morrem
0  maes morrem0  maes morrem
0 maes morrem
 
Maes morrem
Maes morremMaes morrem
Maes morrem
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
 
Mães não morrem
Mães não morremMães não morrem
Mães não morrem
 

Destaque

Palabras compuestas marcos
Palabras compuestas marcosPalabras compuestas marcos
Palabras compuestas marcos
josemanuelcremades
 
Jornal agosto 2014
Jornal agosto 2014Jornal agosto 2014
Jornal agosto 2014
saojosepascom
 
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
Menadžment Centar Beograd
 
Plano Individual de Leitura
Plano Individual de LeituraPlano Individual de Leitura
Plano Individual de Leitura
Nizia Costa
 
Guimarães Rosa
Guimarães RosaGuimarães Rosa
Guimarães Rosa
Ana Tapadas
 
Pil - Projecto Individual de Leitura
Pil - Projecto Individual de LeituraPil - Projecto Individual de Leitura
Pil - Projecto Individual de Leitura
Ana Tapadas
 

Destaque (6)

Palabras compuestas marcos
Palabras compuestas marcosPalabras compuestas marcos
Palabras compuestas marcos
 
Jornal agosto 2014
Jornal agosto 2014Jornal agosto 2014
Jornal agosto 2014
 
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
Bojan Šćepanovićkume, da ti gledam u karte, controlling magazin 02
 
Plano Individual de Leitura
Plano Individual de LeituraPlano Individual de Leitura
Plano Individual de Leitura
 
Guimarães Rosa
Guimarães RosaGuimarães Rosa
Guimarães Rosa
 
Pil - Projecto Individual de Leitura
Pil - Projecto Individual de LeituraPil - Projecto Individual de Leitura
Pil - Projecto Individual de Leitura
 

Semelhante a ......

Hipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdidoHipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdido
João Gomes
 
Hipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdidoHipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdido
João Gomes
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
Raquel Alves
 
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Mô...Moema Anita Conceição
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
Fabi
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
Atitude Profissional
 
Dia mundialpoesia
Dia mundialpoesiaDia mundialpoesia
Dia mundialpoesia
turmaefa3
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
Ivanete Oliveira
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
Ivanete Oliveira
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
guestbe4900
 
Concurso FaçA Lá Um Poema
Concurso  FaçA Lá Um PoemaConcurso  FaçA Lá Um Poema
Concurso FaçA Lá Um Poema
Biblioteca Escolar Aeob
 
Concurso FaçA Lá Um Poema
Concurso  FaçA Lá Um PoemaConcurso  FaçA Lá Um Poema
Concurso FaçA Lá Um Poema
Biblioteca Escolar Aeob
 
Outras estorias
Outras estoriasOutras estorias
Outras estorias
Rafa Rodriguez
 
Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias
Cassiano Santana
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
Alexandra Santos
 
Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)
Arthur Dellarubia
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
Vania Lima "Somos Físicos"
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
taigua
 
As mais belas poesias ok
As mais belas poesias   okAs mais belas poesias   ok
As mais belas poesias ok
viniciusmarcos
 
Isadora e outros amores
Isadora e outros amoresIsadora e outros amores
Isadora e outros amores
DanielKasaimori
 

Semelhante a ...... (20)

Hipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdidoHipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdido
 
Hipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdidoHipótese de um mundo perdido
Hipótese de um mundo perdido
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
 
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
 
Dia mundialpoesia
Dia mundialpoesiaDia mundialpoesia
Dia mundialpoesia
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
 
Concurso FaçA Lá Um Poema
Concurso  FaçA Lá Um PoemaConcurso  FaçA Lá Um Poema
Concurso FaçA Lá Um Poema
 
Concurso FaçA Lá Um Poema
Concurso  FaçA Lá Um PoemaConcurso  FaçA Lá Um Poema
Concurso FaçA Lá Um Poema
 
Outras estorias
Outras estoriasOutras estorias
Outras estorias
 
Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias Escolhendo Poesias
Escolhendo Poesias
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
 
Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)Lettya nologia impirica (SER)
Lettya nologia impirica (SER)
 
PINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIASPINTURAS E POESIAS
PINTURAS E POESIAS
 
Pinturase Poesias
Pinturase PoesiasPinturase Poesias
Pinturase Poesias
 
As mais belas poesias ok
As mais belas poesias   okAs mais belas poesias   ok
As mais belas poesias ok
 
Isadora e outros amores
Isadora e outros amoresIsadora e outros amores
Isadora e outros amores
 

Mais de Nizia Costa

Maias
MaiasMaias
Mental Disorders
Mental DisordersMental Disorders
Mental DisordersNizia Costa
 
P.i.l
P.i.lP.i.l
Filosofia-Publicidade
Filosofia-PublicidadeFilosofia-Publicidade
Filosofia-Publicidade
Nizia Costa
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
Nizia Costa
 
P.i.l
P.i.lP.i.l
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
Nizia Costa
 
English
English English
English
Nizia Costa
 
English
English English
English
Nizia Costa
 
English presentationn
English presentationnEnglish presentationn
English presentationn
Nizia Costa
 
English presentation
English presentationEnglish presentation
English presentationNizia Costa
 
My musical evolution
My musical evolutionMy musical evolution
My musical evolution
Nizia Costa
 

Mais de Nizia Costa (14)

Maias
MaiasMaias
Maias
 
Shopaholic
ShopaholicShopaholic
Shopaholic
 
Mental Disorders
Mental DisordersMental Disorders
Mental Disorders
 
P.i.l
P.i.lP.i.l
P.i.l
 
A pesca
A pescaA pesca
A pesca
 
Filosofia-Publicidade
Filosofia-PublicidadeFilosofia-Publicidade
Filosofia-Publicidade
 
O renascimento
O renascimentoO renascimento
O renascimento
 
P.i.l
P.i.lP.i.l
P.i.l
 
Filosofia
FilosofiaFilosofia
Filosofia
 
English
English English
English
 
English
English English
English
 
English presentationn
English presentationnEnglish presentationn
English presentationn
 
English presentation
English presentationEnglish presentation
English presentation
 
My musical evolution
My musical evolutionMy musical evolution
My musical evolution
 

Último

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 

......

  • 1. Trabalho realizado por Nízia Costa P.I.L.
  • 2. Lembro-me de começar a minha primeira introdução do P.I.L. por dizer que a maioria dos livros que se encontram á venda não me chamam á atenção e por mais estranho que isto possa parecer, a leitura de cinco obras não mudou em nada o meu ponto de vista sobre o assunto. Este ano está a ser novamente um grande desafio mas felizmente devido á experiência adquirida no ano passado este ano sinto-me mais preparada. Ao longo do P.I.L. vão estar expostos a minha criativi dade e o meu gosto pela escrita. Os meus principais objectivos são ler todas as devid obras e poder constatar uma melhoria geral em relação ao ano passado. INTRODUÇÃO
  • 4. Nunca fui como todos Nunca tive muitos amigos Nunca fui favorita Nunca fui o que meus pais queriam Nunca tive alguém que amasse Mas tive somente a mim A minha absoluta verdade Meu verdadeiro pensamento O meu conforto nas horas de sofrimento não vivo sozinha porque gosto e sim porque aprendi a ser só... POEMA ESCOLHIDO
  • 5. No mundo sou só mais uma pétala de uma flor Uma espécie no meio de muitas Uma brisa passageira num dia de calor A dor é minha amiga pois nunca me deixa só E tal como a minha alma, a minha simples alma Que o meu amor amou, também a luz me abandono Vagueio sem rumo neste sitio a que chamam mund Na esperança de me sentir viva outra vez Nem que seja por um segundo CRIAÇÃO DE UM POEMA
  • 6. Mãe: Que desgraça na vida aconteceu, Que ficaste insensível e gelada? Que todo o teu perfil se endureceu Numa linha severa e desenhada? Como as estátuas, que são gente nossa Cansada de palavras e ternura, Assim tu me pareces no teu leito. Presença cinzelada em pedra dura, que não tem coração dentro do peito. POEMA ESCOLHIDO Chamo aos gritos por ti - não me respondes. Beijo-te as mãos e o rosto - sinto frio. Ou és outra, ou me enganas, ou te escondes Por detrás do terror deste vazio. Mãe: Abre os olhos ao menos, diz que sim! Diz que me vês ainda, que me queres. Que és a eterna mulher entre as mulheres. Que nem a morte te afastou de mim!
  • 7. -Lembras-te de quando eu te levei ao zoo pela primeira vez? Estavas tão contente que nem querias ir embora.- disse a minha mãe durante a nossa última conversa. O rosto da minha mãezinha de tão velinho que estava já não lhe permitia sorrir pois as dobras do seu sorriso misturavam-se com as suas rugas. Foi um dia triste, dia esse em que ela tentou atenuar a minha dor contando-me histórias de quando eu era criança. Mal ela sabia de que agora também elas ficaram para me assombrar juntamente com o vazio que ficou dentro de mim quando ela me abandonou. Naquela cama de hospital eu não via a minha mãe e sim algo que se apoderou dela e fez dela o que ela se tornou. CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  • 8. Por mais que ela tentasse, nenhuma história foi capaz de me adverter do facto de que passado algumas horas, dias ou até semanas ela já não estaria comigo. Tentei ficar distante e manter uma postura de indiferença mas de tão distante que estava acabei por me aproximar. Falhei?Sim, falhei. Não consegui fazer com que o seu desaparecimento deste mundo fosse uma coisa banal. Quando ela deu o seu último suspiro chorei. Chorei como nunca tinha chorado antes. Mais uma vez quebrei uma promessa que lhe tinha feito, a promessa de viver como se nenhuma tragédia tivesse acontecido. Ela disse-me que estaria comigo mesmo que não fosse fisicamente mas se isso é verdade então porquê que me sinto tão só? CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  • 9. Cheguei a uma conclusão, uma mãe também mente. Mente para proteger, mente porque tem de ser mas acima de tudo mente porque sente que o tem de fazer para não ver os que ama sofrer. A minha mãe foi embora com um ar contente mas sei que no fundo ela sofreu e foi quando lhe fechei os olhos que o meu amor pelo mundo morreu. CRIAÇÃO DE UMA HISTÓRIA
  • 10. Felicidade, agarrei-te Como um cão, pelo cachaço! E, contigo, em mar de azeite Afoguei-me, passo a passo... Dei à minha alma a preguiça Que o meu corpo não tivera. E foi, assim, que, submissa, Vi chegar a Primavera... Quem a colher que a arrecade (Há, nela, um segredo lento...) Ó frágil felicidade! — Palavra que leva o vento, E, depois, como se a ideia De, nos dedos, a ter tido Bastasse, por fim, larguei-a, Sem ficar arrependido... ESCOLHA DE DOIS POEMAS Miguel Torga, “Súplica” Agora que o silêncio é um mar sem ondas, E que nele posso navegar sem rumo, Não respondas Às urgentes perguntas Que te fiz. Deixa-me ser feliz Assim, Já tão longe de ti como de mim. Perde-se a vida a desejá-la tanto. Só soubemos sofrer, enquanto O nosso amor Durou. Mas o tempo passou, Há calmaria... Não perturbes a paz que me foi dada. Ouvir de novo a tua voz seria Matar a sede com água salgada. Pedro Homem de Mello, i n "Eu Hei-de Voltar um Dia"
  • 11. Ó frágil felicidade! Não respondas Às urgentes perguntas Que te fiz. Não perturbes a paz que me foi dada. Dei à minha alma a preguiça Que o meu corpo não tivera Agora que o silêncio é um mar sem ondas, E que nele posso navegar sem rumo, E, contigo, em mar de azeite Deixa-me ser feliz Assim, Já tão longe de ti como de mim. JUNÇÃO DE DOIS POEMAS