SlideShare uma empresa Scribd logo
DIA DE S. VALENTIM
António Nobre
O TEU RETRATO
Deus fez a noite com o teu olhar,
Deus fez as ondas com os teus cabelos;
Com a tua coragem fez castelos
Que pôs, como defesa, à beira-mar.

Com um sorriso teu, fez o luar
(Que é sorriso de noite, ao viandante)
E eu que andava pelo mundo, errante,
Já não ando perdido em alto-mar!
Do céu de Portugal fez a tua alma!
E ao ver-te sempre assim, tão pura e
calma,
Da minha Noite, eu fiz a Claridade!
Ó meu anjo de luz e de esperança,
Será em ti afinal que descansa
O triste fim da minha mocidade!
Florbela Espanca

FANATISMO
Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!
«Tudo no mundo é frágil, tudo passa...»
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!
E, olhos postos em ti, digo de rastros:
«Ah! Podem voar mundos, morrer
astros,
Que tu és como Deus: Princípio e
Fim!...»
António Botto

Quanto, quanto me queres? — perguntaste
Numa voz de lamento diluída;
E quando nos meus olhos demoraste
A luz dos teus senti a luz da vida.
Nas tuas mãos as minhas apertaste;
Lá fora da luz do Sol já combalida
Era um sorriso aberto num contraste
Com a sombra da posse proibida...
Beijámo-nos, então, a latejar
No infinito e pálido vaivém
Dos corpos que se entregam sem pensar...
Não perguntes, não sei — não sei dizer:
Um grande amor só se avalia bem
Depois de se perder.
António Gedeão
Soneto
Não pode Amor por mais que as falas mude
exprimir quanto pesa ou quanto mede.
Se acaso a comoção falar concede
é tão mesquinho o tom que o desilude.
Busca no rosto a cor que mais o ajude,
magoado parecer aos olhos pede,
pois quando a fala a tudo o mais excede
não pode ser Amor com tal virtude.
Também eu das palavras me arreceio,
também sofro do mal sem saber onde
busque a expressão maior do meu anseio.
E acaso perde, o Amor que a fala esconde,
em verdade, em beleza, em doce enleio?
Olha bem os meus olhos, e responde.
Carlos Queiroz

CANÇÃO GRATA
Por tudo o que me deste: —
Inquietação, cuidado,
(Um pouco de ternura? E certo, mas tão
pouco!)
Noites de insónia, pelas ruas, como um
louco...
Obrigado, obrigado!
Por aquela tão doce e tão breve ilusão.
(Embora nunca mais, depois que a vi desfeita,
Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita
A minha gratidão!
Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste!
— Mais forte, mais sereno, e livre, e
descuidado...
Sem ironia, amor: — Obrigado, obrigado
Por tudo o que me deste!
Jorge de Sena
Amo-te muito, meu amor, e tanto
que, ao ter-te, amo-te mais, e mais ainda
depois de ter-te, meu amor. Não finda
com o próprio amor o amor do teu
encanto.
Que encanto é o teu? Se continua
enquanto
sofro a traição dos
que, viscosos, prendem,
por uma paz da guerra a que se vendem,
a pura liberdade do meu canto,
um cântico da terra e do seu povo,
nesta invenção da humanidade inteira
que a cada instante há que inventar de
novo,

tão quase é coisa ou sucessão que
passa...
Que encanto é o teu? Deitado à tua
beira,
sei que se rasga, eterno, o véu da Graça.
Pedro Tamen
Não sei, amor, sequer, se te consinto
ou se te inventas, brilhas, adormeces
nas palavras sem carne em que te minto
a verdade intemida em que me esqueces.
Não sei, amor, se as lavas do vulcão
nos lavam, veras, ou se trocam tintas
dos olhos ao cabelo ou coração
de tudo e de ti mesma. Não que sintas
outra coisa de mais que nos feneça;
mas só não sei, amor, se tu não sabes
que sei de certo a malha que nos teça,
o vento que nos leve ou nos trave,
a mão que te nos dê ou te nos peça,
o princípio de sol que nos acabe.
Manuel Alegre
AS FACAS
Quatro letras nos matam quatro facas
que no corpo me gravam o teu nome.
Quatro facas amor com que me matas
sem que eu mate esta sede e esta fome.
Este amor é de guerra. (De arma branca).
Amando ataco amando contra-atacas
este amor é de sangue que não estanca.
Quatro letras nos matam quatro facas.
Armado estou de amor. E desarmado.
Morro assaltando morro se me assaltas.
E em cada assalto sou assassinado.
Quatro letras amor com que me matas.
E as facas ferem mais quando me faltas.
Quatro letras nos matam quatro facas.
Mário Dionísio
UMA MULHER QUASE NOVA
Uma mulher quase nova
com um vestido quase branco
numa tarde quase clara
com os olhos quase secos

vem e quase estende os dedos
ao sonho quase possível
quase fresca se liberta
do desespero quase morto
quase harmónica corrida
enche o espaço quase alegre
de cabelos quase soltos
transparente quase solta
o riso quase bastante
quase músculo florido
deste instante quase novo
quase vivo quase agora
David Mourão-Ferreira

SONETO DO CATIVO
Se é sem dúvida Amor esta explosão
de tantas sensações contraditórias;
a sórdida mistura das memórias,
tão longe da verdade e da invenção;

o espelho deformante; a profusão
de frases insensatas, incensórias;
a cúmplice partilha nas histórias
do que os outros dirão ou não dirão;
se é sem dúvida Amor a cobardia
de buscar nos lençóis a mais sombria
razão de encantamento e de desprezo;
não há dúvida, Amor, que te não fujo
e que, por ti, tão cego, surdo e sujo,
tenho vivido eternamente preso!
José Gomes Ferreira
Dá-me a tua mão.
Deixa que a minha solidão
prolongue mais a tua
— para aqui os dois de mãos
dadas
nas noites estreladas,
a ver os fantasmas a dançar na
lua.

Dá-me a tua mão, companheira,
até o Abismo da Ternura
Derradeira.
Luís de Camões
Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
É um andar solitário entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É um cuidar que se ganha em se
perder.
É querer estar preso por vontade
É servir a quem vence o vencedor,
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade;
Se tão contrário a si é o mesmo amor?
Fernando Pessoa

O Amor
O AMOR, quando se revela,
Não se sabe revelar.
Sabe bem olhar p'ra ela,
Mas não lhe sabe falar.
Quem quer dizer o que sente
Não sabe o que há de dizer.
Fala: parece que mente...
Cala: parece esquecer...
Ah, mas se ela adivinhasse,
Se pudesse ouvir o olhar,
E se um olhar lhe bastasse
P'ra saber que a estão a amar!
Mas quem sente muito, cala;
Quem quer dizer quanto sente
Fica sem alma nem fala,
Fica só, inteiramente!
Mas se isto puder contar-lhe
O que não lhe ouso contar,
Já não terei que falar-lhe
Porque lhe estou a falar...
Florbela Espanca
Amar!
Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!
Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!
Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!
E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...
Almeida Garrett
Este inferno de amar
Este inferno de amar – como eu amo!
Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi?
Esta chama que alenta e consome,
Que é vida – e que a vida destrói.
Como é que se veio atear,
Quando – ai se há-de ela apagar?
Eu não sei, não me lembra: o passado,
A outra vida que dantes vivi
Era um sonho talvez… foi um sonho.
Em que a paz tão serena a dormi!
Oh! Que doce era aquele olhar…
Quem me veio, ai de mim! Despertar?
Só me lembra que um dia formoso
Eu passei… Dava o Sol tanta luz!
E os meus olhos que vagos giravam,
Em seus olhos ardentes os pus.
Que fez ela? Eu que fiz? Não o sei;
Mas nessa hora a viver comecei…
Por instinto se revela,
Eu no teu seio divino
Vim cumprir o meu destino...
Vim, que em ti só sei viver,
Só por ti posso morrer.
Ruy Cinatti
Quando o amor morrer dentro de ti,
Caminha para o alto onde haja espaço,
E com o silêncio outrora pressentido
Molda em duas colunas os teus braços.
Relembra a confusão dos pensamentos,
E neles ateia o fogo adormecido
Que uma vez, sonho de amor, teu peito ferido
Espalhou generoso aos quatro ventos.
Aos que passarem dá-lhes o abrigo
E o nocturno calor que se debruça
Sobre as faces brilhantes de soluços.
E se ninguém vier, ergue o sudário
Que mil saudosas lágrimas velaram;
Desfralda na tua alma o inventário
Do templo onde a vida ora de bruços,
A Deus e aos sonhos que gelaram.
Sebastião Alba
Ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Podem utilizá-lo nos espelhos
apagar com ele
os barcos de papel dos nossos lagos
podem obrigá-lo a parar
à entrada das casas mais baixas
podem ainda fazer
com que a noite gravite
hoje do mesmo lado
Mas ninguém meu amor
ninguém como nós conhece o sol
Até que o sol degole
o horizonte em que um a um
nos deitam
vendando-nos os olhos
Bocage
Soneto do amor maior
Amar dentro do peito uma donzella; Jurar-lhe
pelos céus a fé mais pura; Fallarlhe, conseguindo alta ventura, Depois da
meia-noite na janella:
Fazê-la vir abaixo, e com cautela
Sentir abrir a porta, que murmura; Entrar pé
ante pé, e com ternura
Apertá-la nos braços casta e bella:
Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos,
E a boca, com prazer o mais
jucundo, Apalpar-lhe de leve os dois
pimpolhos:

Vê-la rendida enfim a Amor fecundo;
Ditoso levantar-lhe os brancos folhos;
É este o maior gosto que há no mundo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

18265146 jogos-de-lingua-portuguesa
18265146 jogos-de-lingua-portuguesa18265146 jogos-de-lingua-portuguesa
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
angelafreire
 
Contrato de Convivência
Contrato de ConvivênciaContrato de Convivência
Contrato de Convivência
Washington Rocha
 
Poemas ppt
Poemas pptPoemas ppt
Poemas ppt
piefohmania
 
Dinâmicas projeto auto estima
Dinâmicas projeto auto estimaDinâmicas projeto auto estima
Dinâmicas projeto auto estima
rosangelars
 
Atividade com gabarito
Atividade com gabaritoAtividade com gabarito
Atividade com gabarito
Professora sonhadora
 
Peças para dia das mães
Peças para dia das mães Peças para dia das mães
Peças para dia das mães
Anedina Izabel
 
Entrevista cantada - Momento CJC
Entrevista cantada - Momento CJCEntrevista cantada - Momento CJC
Entrevista cantada - Momento CJC
movimentocjc
 
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSESEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
Esteban Arenillas
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
Edson Alves
 
Contrato pedagógico
Contrato pedagógicoContrato pedagógico
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
SimoneHelenDrumond
 
A bula de remédio
A bula de remédioA bula de remédio
A bula de remédio
ma.no.el.ne.ves
 
Biruta - Lygia Fagundes Telles
Biruta - Lygia Fagundes TellesBiruta - Lygia Fagundes Telles
Biruta - Lygia Fagundes Telles
lucasbaptista4
 
Descritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e HabilidadesDescritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e Habilidades
Marina Alessandra
 
Plano de Tutoria.pdf
Plano de Tutoria.pdfPlano de Tutoria.pdf
Plano de Tutoria.pdf
italosilvamelo
 
Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudos
ELZA PIRES
 
Paratextos
ParatextosParatextos
Paratextos
Vanda Sousa
 
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
Tissiane Gomes
 
Gabarito 60 questoes
Gabarito 60 questoesGabarito 60 questoes
Gabarito 60 questoes
Maykon Santos
 

Mais procurados (20)

18265146 jogos-de-lingua-portuguesa
18265146 jogos-de-lingua-portuguesa18265146 jogos-de-lingua-portuguesa
18265146 jogos-de-lingua-portuguesa
 
Apresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisadoApresentação fluência revisado
Apresentação fluência revisado
 
Contrato de Convivência
Contrato de ConvivênciaContrato de Convivência
Contrato de Convivência
 
Poemas ppt
Poemas pptPoemas ppt
Poemas ppt
 
Dinâmicas projeto auto estima
Dinâmicas projeto auto estimaDinâmicas projeto auto estima
Dinâmicas projeto auto estima
 
Atividade com gabarito
Atividade com gabaritoAtividade com gabarito
Atividade com gabarito
 
Peças para dia das mães
Peças para dia das mães Peças para dia das mães
Peças para dia das mães
 
Entrevista cantada - Momento CJC
Entrevista cantada - Momento CJCEntrevista cantada - Momento CJC
Entrevista cantada - Momento CJC
 
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSESEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
SEMANA DA LITERATURA AMAZONENSE
 
Literatura de cordel
Literatura de cordelLiteratura de cordel
Literatura de cordel
 
Contrato pedagógico
Contrato pedagógicoContrato pedagógico
Contrato pedagógico
 
Ficha de conselho de classe
Ficha de conselho de classeFicha de conselho de classe
Ficha de conselho de classe
 
A bula de remédio
A bula de remédioA bula de remédio
A bula de remédio
 
Biruta - Lygia Fagundes Telles
Biruta - Lygia Fagundes TellesBiruta - Lygia Fagundes Telles
Biruta - Lygia Fagundes Telles
 
Descritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e HabilidadesDescritores- Explicando Competências e Habilidades
Descritores- Explicando Competências e Habilidades
 
Plano de Tutoria.pdf
Plano de Tutoria.pdfPlano de Tutoria.pdf
Plano de Tutoria.pdf
 
Tutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudosTutoria e orientação de estudos
Tutoria e orientação de estudos
 
Paratextos
ParatextosParatextos
Paratextos
 
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
SLIDES – A LITERATURA DE CORDEL.
 
Gabarito 60 questoes
Gabarito 60 questoesGabarito 60 questoes
Gabarito 60 questoes
 

Destaque

50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
nelsonorduz
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
Hugo Pereira
 
Quando o amor morrer dentro de ti
Quando o amor morrer dentro de tiQuando o amor morrer dentro de ti
Quando o amor morrer dentro de ti
Filipe Lopes
 
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulher
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulherVinicius de-moraes-ariana-a-mulher
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulher
jcmucuge
 
Poemas de Amor
Poemas de AmorPoemas de Amor
Poemas de Amor
ricardo2010colegio
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Ana Polo
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
Poema de amor
Poema de amorPoema de amor
Poema de amor
criscouceiro
 
Tumblr - Usos e Possibilidades
Tumblr - Usos e PossibilidadesTumblr - Usos e Possibilidades
Tumblr - Usos e Possibilidades
Jeniffer Santos
 
O efeito do amor. poesia com imagens. prrsoares
O efeito do amor. poesia com imagens.  prrsoaresO efeito do amor. poesia com imagens.  prrsoares
O efeito do amor. poesia com imagens. prrsoares
Seduc MT
 
O uso seguro da informação da web em contexto educativo
O uso seguro da informação da web em contexto educativoO uso seguro da informação da web em contexto educativo
O uso seguro da informação da web em contexto educativo
Jorge Borges
 
Ensinar e aprender na web
Ensinar e aprender na webEnsinar e aprender na web
Ensinar e aprender na web
Jorge Borges
 
Obras Do Pnl 3º Ciclo
Obras Do Pnl 3º CicloObras Do Pnl 3º Ciclo
Obras Do Pnl 3º Ciclo
guestc5adc9
 
Leiturametascurriculares2012
Leiturametascurriculares2012Leiturametascurriculares2012
Leiturametascurriculares2012
Sandra Pratas
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
mariuxiaguayo
 
Metas curriculares programa-articulacao
Metas curriculares programa-articulacaoMetas curriculares programa-articulacao
Metas curriculares programa-articulacao
carlsgoncalvs
 
Poema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
Poema de amor. Poema para Eternos ApaixonadosPoema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
Poema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
Seduc MT
 
Lista de obras para iniciação à educação literária 3º ciclo
Lista de obras para iniciação à educação literária   3º cicloLista de obras para iniciação à educação literária   3º ciclo
Lista de obras para iniciação à educação literária 3º ciclo
Artur Carvalho
 
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
Biblioteca da Escola E.B. 2,3/Secundária de Baião - Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil
 

Destaque (20)

50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
50 POEMAS DE AMOR DEDICADOS AL AMOR
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
 
Quando o amor morrer dentro de ti
Quando o amor morrer dentro de tiQuando o amor morrer dentro de ti
Quando o amor morrer dentro de ti
 
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulher
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulherVinicius de-moraes-ariana-a-mulher
Vinicius de-moraes-ariana-a-mulher
 
Poemas de Amor
Poemas de AmorPoemas de Amor
Poemas de Amor
 
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo SemestreTrabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
Trabalho de Análise Literária - Teoria Literária - Segundo Semestre
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
Poema de amor
Poema de amorPoema de amor
Poema de amor
 
Tumblr - Usos e Possibilidades
Tumblr - Usos e PossibilidadesTumblr - Usos e Possibilidades
Tumblr - Usos e Possibilidades
 
O efeito do amor. poesia com imagens. prrsoares
O efeito do amor. poesia com imagens.  prrsoaresO efeito do amor. poesia com imagens.  prrsoares
O efeito do amor. poesia com imagens. prrsoares
 
O uso seguro da informação da web em contexto educativo
O uso seguro da informação da web em contexto educativoO uso seguro da informação da web em contexto educativo
O uso seguro da informação da web em contexto educativo
 
Ensinar e aprender na web
Ensinar e aprender na webEnsinar e aprender na web
Ensinar e aprender na web
 
RBE tablets
RBE tabletsRBE tablets
RBE tablets
 
Obras Do Pnl 3º Ciclo
Obras Do Pnl 3º CicloObras Do Pnl 3º Ciclo
Obras Do Pnl 3º Ciclo
 
Leiturametascurriculares2012
Leiturametascurriculares2012Leiturametascurriculares2012
Leiturametascurriculares2012
 
Poemas de amor
Poemas de amorPoemas de amor
Poemas de amor
 
Metas curriculares programa-articulacao
Metas curriculares programa-articulacaoMetas curriculares programa-articulacao
Metas curriculares programa-articulacao
 
Poema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
Poema de amor. Poema para Eternos ApaixonadosPoema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
Poema de amor. Poema para Eternos Apaixonados
 
Lista de obras para iniciação à educação literária 3º ciclo
Lista de obras para iniciação à educação literária   3º cicloLista de obras para iniciação à educação literária   3º ciclo
Lista de obras para iniciação à educação literária 3º ciclo
 
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
Lista de obras e textos para iniciação à Educação Literária (metas de Portugu...
 

Semelhante a Poemas de amor

Livro fragmentos(1) (1)
 Livro fragmentos(1) (1) Livro fragmentos(1) (1)
Livro fragmentos(1) (1)
Sylvia Seny
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
VitorRibeiro261164
 
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMOAS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
MauricioSantini
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
Raquel Alves
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Leonor Costa
 
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃOLivro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
Raquel Alves
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
Atitude Profissional
 
Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4
Leandro Vargas
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
guida04
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
vales
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
bibliotecanordeste
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
Gisele Santos
 
Desejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocávelDesejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocável
Raquel Alves
 
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- TrilogiaBAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
Raquel Alves
 
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Mô...Moema Anita Conceição
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Cesarina Sousa
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
Ivanete Oliveira
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
Ivanete Oliveira
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
guestbe4900
 

Semelhante a Poemas de amor (20)

Livro fragmentos(1) (1)
 Livro fragmentos(1) (1) Livro fragmentos(1) (1)
Livro fragmentos(1) (1)
 
Chuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdfChuva de Poemas 1.pdf
Chuva de Poemas 1.pdf
 
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMOAS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
AS HISTÓRIAS QUE EU CONTEI PRA MIM MESMO
 
Desejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro iDesejos obscuros livro i
Desejos obscuros livro i
 
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em portuguêsUm coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
Um coração, um cúpido e um beijo por um poema de amor em português
 
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃOLivro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
Livro Completo de Poesias: ALÉM DA ESCURIDÃO
 
Pinturas poesias
Pinturas poesiasPinturas poesias
Pinturas poesias
 
Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4Olhosestranhsovol4
Olhosestranhsovol4
 
Leituras
LeiturasLeituras
Leituras
 
Poemas Ilustrados
Poemas IlustradosPoemas Ilustrados
Poemas Ilustrados
 
Poemas de vários autores
Poemas de vários autoresPoemas de vários autores
Poemas de vários autores
 
Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010Calendário Mensal: Julho 2010
Calendário Mensal: Julho 2010
 
Desejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocávelDesejos obscuros livro III- A intocável
Desejos obscuros livro III- A intocável
 
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- TrilogiaBAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
BAILE DO UNIVERSO (Livro 1)- Trilogia
 
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
Diamundialpoesia 100503060711-phpapp02
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
Imagens e Poesias
  Imagens e Poesias  Imagens e Poesias
Imagens e Poesias
 
Imagens e poesias
Imagens e poesiasImagens e poesias
Imagens e poesias
 
Pinturas E Poesias
Pinturas E  PoesiasPinturas E  Poesias
Pinturas E Poesias
 

Mais de Alexandra Santos

Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
Alexandra Santos
 
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
Alexandra Santos
 
Encontro com o escritor José Alberto Marques
Encontro com o escritor José Alberto MarquesEncontro com o escritor José Alberto Marques
Encontro com o escritor José Alberto Marques
Alexandra Santos
 
Apresentaçao BE
Apresentaçao BEApresentaçao BE
Apresentaçao BE
Alexandra Santos
 
Apresentação animais votação Biblioteca DMA
Apresentação animais votação Biblioteca DMAApresentação animais votação Biblioteca DMA
Apresentação animais votação Biblioteca DMA
Alexandra Santos
 
Visita estudo 26_junho_2014
Visita estudo 26_junho_2014Visita estudo 26_junho_2014
Visita estudo 26_junho_2014
Alexandra Santos
 
Dia aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
Dia  aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º anoDia  aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
Dia aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
Alexandra Santos
 
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democrática
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democráticaO Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democrática
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democráticaAlexandra Santos
 
Feira de Troca de livros usados
Feira de Troca de livros usadosFeira de Troca de livros usados
Feira de Troca de livros usadosAlexandra Santos
 
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
Alexandra Santos
 
Encontro rossio
Encontro rossioEncontro rossio
Encontro rossio
Alexandra Santos
 
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela RosárioTodos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
Alexandra Santos
 
Poemas andantes
Poemas andantesPoemas andantes
Poemas andantes
Alexandra Santos
 
Sabe ou nao sabe bom português
Sabe ou nao sabe   bom portuguêsSabe ou nao sabe   bom português
Sabe ou nao sabe bom português
Alexandra Santos
 
Ana macedo
Ana macedoAna macedo
Ana macedo
Alexandra Santos
 
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
Alexandra Santos
 
Exposiçao rosa dos_ventos
Exposiçao rosa dos_ventosExposiçao rosa dos_ventos
Exposiçao rosa dos_ventos
Alexandra Santos
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca
Alexandra Santos
 
Organizações vistas como prisões psíquicas
Organizações vistas como prisões psíquicasOrganizações vistas como prisões psíquicas
Organizações vistas como prisões psíquicas
Alexandra Santos
 
Oficina de formação sobre dislexia
Oficina de formação sobre dislexiaOficina de formação sobre dislexia
Oficina de formação sobre dislexia
Alexandra Santos
 

Mais de Alexandra Santos (20)

Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
Mês Internacional da Biblioteca escola 2015 - A biblioteca escolar é Super!
 
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
Escritor e ilustrador Pedro Seromenho, Escola Básica D. Miguel de Almeida - 2...
 
Encontro com o escritor José Alberto Marques
Encontro com o escritor José Alberto MarquesEncontro com o escritor José Alberto Marques
Encontro com o escritor José Alberto Marques
 
Apresentaçao BE
Apresentaçao BEApresentaçao BE
Apresentaçao BE
 
Apresentação animais votação Biblioteca DMA
Apresentação animais votação Biblioteca DMAApresentação animais votação Biblioteca DMA
Apresentação animais votação Biblioteca DMA
 
Visita estudo 26_junho_2014
Visita estudo 26_junho_2014Visita estudo 26_junho_2014
Visita estudo 26_junho_2014
 
Dia aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
Dia  aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º anoDia  aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
Dia aberto - Apresentação da BE aos alunos do 4º ano
 
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democrática
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democráticaO Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democrática
O Bicho de sete cabeças - História de uma eleição democrática
 
Feira de Troca de livros usados
Feira de Troca de livros usadosFeira de Troca de livros usados
Feira de Troca de livros usados
 
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
Encontro com a escritora Daniela Rosário para apresentação de "A Borboleta Zu...
 
Encontro rossio
Encontro rossioEncontro rossio
Encontro rossio
 
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela RosárioTodos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
Todos Juntos Podemos Ler - Encontro com Daniela Rosário
 
Poemas andantes
Poemas andantesPoemas andantes
Poemas andantes
 
Sabe ou nao sabe bom português
Sabe ou nao sabe   bom portuguêsSabe ou nao sabe   bom português
Sabe ou nao sabe bom português
 
Ana macedo
Ana macedoAna macedo
Ana macedo
 
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
Mês Internacional da Biblioteca Escolar 2013
 
Exposiçao rosa dos_ventos
Exposiçao rosa dos_ventosExposiçao rosa dos_ventos
Exposiçao rosa dos_ventos
 
Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca Cavaleiro da Dinamarca
Cavaleiro da Dinamarca
 
Organizações vistas como prisões psíquicas
Organizações vistas como prisões psíquicasOrganizações vistas como prisões psíquicas
Organizações vistas como prisões psíquicas
 
Oficina de formação sobre dislexia
Oficina de formação sobre dislexiaOficina de formação sobre dislexia
Oficina de formação sobre dislexia
 

Poemas de amor

  • 1. DIA DE S. VALENTIM
  • 2. António Nobre O TEU RETRATO Deus fez a noite com o teu olhar, Deus fez as ondas com os teus cabelos; Com a tua coragem fez castelos Que pôs, como defesa, à beira-mar. Com um sorriso teu, fez o luar (Que é sorriso de noite, ao viandante) E eu que andava pelo mundo, errante, Já não ando perdido em alto-mar! Do céu de Portugal fez a tua alma! E ao ver-te sempre assim, tão pura e calma, Da minha Noite, eu fiz a Claridade! Ó meu anjo de luz e de esperança, Será em ti afinal que descansa O triste fim da minha mocidade!
  • 3. Florbela Espanca FANATISMO Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida Meus olhos andam cegos de te ver! Não és sequer a razão do meu viver, Pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida... Passo no mundo, meu Amor, a ler No misterioso livro do teu ser A mesma história tantas vezes lida! «Tudo no mundo é frágil, tudo passa...» Quando me dizem isto, toda a graça Duma boca divina fala em mim! E, olhos postos em ti, digo de rastros: «Ah! Podem voar mundos, morrer astros, Que tu és como Deus: Princípio e Fim!...»
  • 4. António Botto Quanto, quanto me queres? — perguntaste Numa voz de lamento diluída; E quando nos meus olhos demoraste A luz dos teus senti a luz da vida. Nas tuas mãos as minhas apertaste; Lá fora da luz do Sol já combalida Era um sorriso aberto num contraste Com a sombra da posse proibida... Beijámo-nos, então, a latejar No infinito e pálido vaivém Dos corpos que se entregam sem pensar... Não perguntes, não sei — não sei dizer: Um grande amor só se avalia bem Depois de se perder.
  • 5. António Gedeão Soneto Não pode Amor por mais que as falas mude exprimir quanto pesa ou quanto mede. Se acaso a comoção falar concede é tão mesquinho o tom que o desilude. Busca no rosto a cor que mais o ajude, magoado parecer aos olhos pede, pois quando a fala a tudo o mais excede não pode ser Amor com tal virtude. Também eu das palavras me arreceio, também sofro do mal sem saber onde busque a expressão maior do meu anseio. E acaso perde, o Amor que a fala esconde, em verdade, em beleza, em doce enleio? Olha bem os meus olhos, e responde.
  • 6. Carlos Queiroz CANÇÃO GRATA Por tudo o que me deste: — Inquietação, cuidado, (Um pouco de ternura? E certo, mas tão pouco!) Noites de insónia, pelas ruas, como um louco... Obrigado, obrigado! Por aquela tão doce e tão breve ilusão. (Embora nunca mais, depois que a vi desfeita, Eu volte a ser quem fui), sem ironia: aceita A minha gratidão! Que bem me faz, agora, o mal que me fizeste! — Mais forte, mais sereno, e livre, e descuidado... Sem ironia, amor: — Obrigado, obrigado Por tudo o que me deste!
  • 7. Jorge de Sena Amo-te muito, meu amor, e tanto que, ao ter-te, amo-te mais, e mais ainda depois de ter-te, meu amor. Não finda com o próprio amor o amor do teu encanto. Que encanto é o teu? Se continua enquanto sofro a traição dos que, viscosos, prendem, por uma paz da guerra a que se vendem, a pura liberdade do meu canto, um cântico da terra e do seu povo, nesta invenção da humanidade inteira que a cada instante há que inventar de novo, tão quase é coisa ou sucessão que passa... Que encanto é o teu? Deitado à tua beira, sei que se rasga, eterno, o véu da Graça.
  • 8. Pedro Tamen Não sei, amor, sequer, se te consinto ou se te inventas, brilhas, adormeces nas palavras sem carne em que te minto a verdade intemida em que me esqueces. Não sei, amor, se as lavas do vulcão nos lavam, veras, ou se trocam tintas dos olhos ao cabelo ou coração de tudo e de ti mesma. Não que sintas outra coisa de mais que nos feneça; mas só não sei, amor, se tu não sabes que sei de certo a malha que nos teça, o vento que nos leve ou nos trave, a mão que te nos dê ou te nos peça, o princípio de sol que nos acabe.
  • 9. Manuel Alegre AS FACAS Quatro letras nos matam quatro facas que no corpo me gravam o teu nome. Quatro facas amor com que me matas sem que eu mate esta sede e esta fome. Este amor é de guerra. (De arma branca). Amando ataco amando contra-atacas este amor é de sangue que não estanca. Quatro letras nos matam quatro facas. Armado estou de amor. E desarmado. Morro assaltando morro se me assaltas. E em cada assalto sou assassinado. Quatro letras amor com que me matas. E as facas ferem mais quando me faltas. Quatro letras nos matam quatro facas.
  • 10. Mário Dionísio UMA MULHER QUASE NOVA Uma mulher quase nova com um vestido quase branco numa tarde quase clara com os olhos quase secos vem e quase estende os dedos ao sonho quase possível quase fresca se liberta do desespero quase morto quase harmónica corrida enche o espaço quase alegre de cabelos quase soltos transparente quase solta o riso quase bastante quase músculo florido deste instante quase novo quase vivo quase agora
  • 11. David Mourão-Ferreira SONETO DO CATIVO Se é sem dúvida Amor esta explosão de tantas sensações contraditórias; a sórdida mistura das memórias, tão longe da verdade e da invenção; o espelho deformante; a profusão de frases insensatas, incensórias; a cúmplice partilha nas histórias do que os outros dirão ou não dirão; se é sem dúvida Amor a cobardia de buscar nos lençóis a mais sombria razão de encantamento e de desprezo; não há dúvida, Amor, que te não fujo e que, por ti, tão cego, surdo e sujo, tenho vivido eternamente preso!
  • 12. José Gomes Ferreira Dá-me a tua mão. Deixa que a minha solidão prolongue mais a tua — para aqui os dois de mãos dadas nas noites estreladas, a ver os fantasmas a dançar na lua. Dá-me a tua mão, companheira, até o Abismo da Ternura Derradeira.
  • 13. Luís de Camões Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre a gente; É nunca contentar-se de contente; É um cuidar que se ganha em se perder. É querer estar preso por vontade É servir a quem vence o vencedor, É ter com quem nos mata lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade; Se tão contrário a si é o mesmo amor?
  • 14. Fernando Pessoa O Amor O AMOR, quando se revela, Não se sabe revelar. Sabe bem olhar p'ra ela, Mas não lhe sabe falar. Quem quer dizer o que sente Não sabe o que há de dizer. Fala: parece que mente... Cala: parece esquecer... Ah, mas se ela adivinhasse, Se pudesse ouvir o olhar, E se um olhar lhe bastasse P'ra saber que a estão a amar! Mas quem sente muito, cala; Quem quer dizer quanto sente Fica sem alma nem fala, Fica só, inteiramente! Mas se isto puder contar-lhe O que não lhe ouso contar, Já não terei que falar-lhe Porque lhe estou a falar...
  • 15. Florbela Espanca Amar! Eu quero amar, amar perdidamente! Amar só por amar: Aqui... além... Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente Amar! Amar! E não amar ninguém! Recordar? Esquecer? Indiferente!... Prender ou desprender? É mal? É bem? Quem disser que se pode amar alguém Durante a vida inteira é porque mente! Há uma Primavera em cada vida: É preciso cantá-la assim florida, Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar! E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada Que seja a minha noite uma alvorada, Que me saiba perder... pra me encontrar...
  • 16. Almeida Garrett Este inferno de amar Este inferno de amar – como eu amo! Quem mo pôs aqui n’alma… quem foi? Esta chama que alenta e consome, Que é vida – e que a vida destrói. Como é que se veio atear, Quando – ai se há-de ela apagar? Eu não sei, não me lembra: o passado, A outra vida que dantes vivi Era um sonho talvez… foi um sonho. Em que a paz tão serena a dormi! Oh! Que doce era aquele olhar… Quem me veio, ai de mim! Despertar? Só me lembra que um dia formoso Eu passei… Dava o Sol tanta luz! E os meus olhos que vagos giravam, Em seus olhos ardentes os pus. Que fez ela? Eu que fiz? Não o sei; Mas nessa hora a viver comecei… Por instinto se revela, Eu no teu seio divino Vim cumprir o meu destino... Vim, que em ti só sei viver, Só por ti posso morrer.
  • 17. Ruy Cinatti Quando o amor morrer dentro de ti, Caminha para o alto onde haja espaço, E com o silêncio outrora pressentido Molda em duas colunas os teus braços. Relembra a confusão dos pensamentos, E neles ateia o fogo adormecido Que uma vez, sonho de amor, teu peito ferido Espalhou generoso aos quatro ventos. Aos que passarem dá-lhes o abrigo E o nocturno calor que se debruça Sobre as faces brilhantes de soluços. E se ninguém vier, ergue o sudário Que mil saudosas lágrimas velaram; Desfralda na tua alma o inventário Do templo onde a vida ora de bruços, A Deus e aos sonhos que gelaram.
  • 18. Sebastião Alba Ninguém meu amor ninguém como nós conhece o sol Podem utilizá-lo nos espelhos apagar com ele os barcos de papel dos nossos lagos podem obrigá-lo a parar à entrada das casas mais baixas podem ainda fazer com que a noite gravite hoje do mesmo lado Mas ninguém meu amor ninguém como nós conhece o sol Até que o sol degole o horizonte em que um a um nos deitam vendando-nos os olhos
  • 19. Bocage Soneto do amor maior Amar dentro do peito uma donzella; Jurar-lhe pelos céus a fé mais pura; Fallarlhe, conseguindo alta ventura, Depois da meia-noite na janella: Fazê-la vir abaixo, e com cautela Sentir abrir a porta, que murmura; Entrar pé ante pé, e com ternura Apertá-la nos braços casta e bella: Beijar-lhe os vergonhosos, lindos olhos, E a boca, com prazer o mais jucundo, Apalpar-lhe de leve os dois pimpolhos: Vê-la rendida enfim a Amor fecundo; Ditoso levantar-lhe os brancos folhos; É este o maior gosto que há no mundo.