SlideShare uma empresa Scribd logo
Primeiro Ano do Ensino MédioGeografia Sociedade e Cotidiano.	     FundamentosDadá MartinsFrancisco BigottoMárcio VitielloMaterial produzido pela professora Laisa
Atenção aluno !!!	Nesta unidade são apresentado os principais conceitos relativos a ciências geográficas. Ressaltarei a importância destes conceitos para uma melhor compreensão da matéria a ser estudada nas próximas unidades. O aprofundamento da matéria ficará a cargo dos alunos em trabalhos de pesquisas, exercícios e diálogos em sala de aula. Porém, é de extrema importância o acompanhamento do livro didático para maiores detalhes da disciplina, visto que esta apresentação é apenas um resumo da unidade de estudo preparado pela professora.
Unidade 1- O Espaço GeográficoO espaço geográfico se constrói a partir da relação histórica entre a sociedade e a natureza e que, por isso mesmo, é dinâmico e está em constante transformação.Podemos dividir o espaço em duas naturezas.
 - A primeira natureza- consiste no espaço intocado pelo ser humano, espaço no qual não sofreu transformações.  Cataratas do Iguaçu - RS
- A segunda natureza- consiste no espaço que sofreu alterações humanas, o que chamamos então de espaço artificial.  Dubai em 1991Dubai em 2005
O que é função social do espaço? É a função na qual é exercida no ambiente de análise. Exemplo1: Uma grande propriedade de terra onde se cultiva cana-de-açúcar para exportação. Função: plantação/agricultura.Exemplo 2: Centro da cidade do Rio de Janeiro. Função: centro comercial/empresarial/lazer... Para entender as transformações espaciais, analisa-se: Forma – Processo – Estrutura - Função
PaisagemÉ tudo aquilo que vemos, o que nossa visão alcança é paisagem.A paisagem está em constante transformação, adquirindo novas formas e funções no espaço geográfico.
PaisagemNatural - predomínio dos aspectos naturais (relevo, vegetação, hidrografia, clima).
- Artificial ou humanizada-onde há predomínio das ações humanas (ações antrópicas). Espaço onde ocorreu pouca ou grande intervenção humana que acarretou a transformação da paisagem (escolas, cidades, indústrias...)
- LugarÉ a expressão da história cotidiana das pessoas, a maneira na qual elas ocupam o espaço, dos usos que fazem dele e a maneira de vivenciá-lo. É a base de reprodução da vida.É no lugar que se encontra a identidade do grupo de pessoas que ali vivem. Seja um bairro, uma rua, uma vila. Não importa o tamanho ou dimensão do lugar. Ele é o caracteriza a existência humana no espaço.Com o passar dos tempos, os lugares vão sofrendo alterações em suas paisagens, funções e tomando assim, novas configurações espaciais. Este processo de transformação é ainda mais intensificado à medida que o desenvolvimento econômico é expresso nas paisagens.
Para refletir..... O que diferencia uma imagem da outra?Cidade Pripiat devastada pela explosão da usina nuclear de Chernobyl Centro da Cidade de Nova York
- Região O termo região é usado para expressar uma característica marcante que a distingue das áreas de seu entorno. É comum a determinação de região mais desenvolvida, região violenta, região da seca, região política e outras.À esquerda: divisão dos países do MercosulÀ direita: Mapa das regiões geoecômicas do Brasil
- Território Devido a diversidade de conceitos relativos a território, adotaremos aqui um visão mais olística (geral/amplo) deste conceito para o entendimento da ciência geográfica.Desta forma, o território poderá ser entendido como múltipla relação de poder: do poder material das relações econômico-políticas ao poder simbólico das relações culturais.
- Estado-Nação O Estado-Nação constitui uma das formas de organização do território mais representada em mapas políticos. Foi consolidado no século XIX, onde esta diretamente relacionado a expansão do capitalismo industrial. Este modo de organização do espaço teve início na Europa Ocidental e expandindo-se posteriormente pelo globo.As fronteiras políticas definem a extensão geográfica da soberania do Estado-Nação. No interior do espaço que elas delimitam, ou seja, no território nacional, o poder do Estado é soberano. É ele quem estabelece as decisões internas, realiza os censos, organiza as informações sobre a população e as atividades econômicas e formula estratégias de desenvolvimento e proteção desse território.
Slides Primeiro Ano
CartografiaPode ser definida como um conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseadas em informações coletadas diretamente ou análise de documentos, com o objetivo de elaborar e preparar cartas, planos e outras formas de representação. 
Mapas: são representações geométricas planas e simplificadas da superfície terrestre, ou parte dela, numa relação de proporcionalidade dada por uma escala.Os mapas podem apresentar temas específicos, como por exemplo: clima, vegetação, população e outros. Esses mapas são denominados Mapas Temáticos.
Carta: são representações cartográficas convencionais e planas, elaboradas com grande precisão, e revelam os fenômenos da superfície terrestre utilizando dados obtidos por meio de fotografias aéreas, imagens de satélites e trabalho de campo.
Projeções CartográficasOs sistemas de projeções cartográficas foram desenvolvidos para dar uma solução ao problema da transferência de uma imagem da superfície curva da esfera terrestre para um plano da carta, o que sempre vai acarretar deformações.Os sistemas de projeções constituem-se de uma fórmula matemática que transforma as coordenadas geográficas, a partir de uma superfície esférica (elipsoidal), em coordenadas planas, mantendo correspondência entre elas. O uso deste artifício geométrico das projeções consegue reduzir as deformações, mas nunca eliminá-las.Os tipos de propriedades geométricas que caracterizam as projeções cartográficas, em suas relações entre a esfera (Terra) e um plano, que é o mapa, são:a) Conformes – os ângulos são mantidos idênticos (na esfera e no plano) e as áreas são deformadas.b) Equivalentes – quando as áreas apresentam-se idênticas e os ângulos deformados.c) Afiláticas – quando as áreas e os ângulos apresentam-se deformados.
Esta projeção deu origem ao planisfério que revela, para muitos estudiosos, uma visão eurocêntrica do mundo. Os países localizados nas latitudes mais elevadas apresentam áreas proporcionalmente maiores do que aqueles situados próximo aos trópicos. Note que a Europa aparece no centro do mapa com a sua área aumentada.Visão eurocêntricaDistorção de áreas em altas latitudesMaiordistorçãoEuropa- Menordistorção -0ºMERCATORMaiordistorção
As retas perpendiculares aos paralelos e as linhas meridianas têm intervalos menores, resultando na representação das massas continentais, um significativo achatamento no sentido Leste-Oeste e a deformação no sentido Norte-Sul, na faixa compreendida entre os paralelos 60o Norte e Sul, e acima destes até os pólos, a impressão de alongamento da TerraDistorce a formaÁreas EquivalentesPETERS
Unidade 3- Geografia, ambiente e desenvolvimentoCap.12: Visão crítica e sociedade de consumo urbano-industriaisAula 2: Olá alunos, vamos dar um pulinho agora para o último capítulo do livro para complementar o aprendizado da aula prática de tivemos sobre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos.Neste capítulo vamos aprender como foram formadas as cidades do mundo subdesenvolvidos, os maiores problemas sociais enfrentados por ela .Livro página 244.
Note que nações como Estados Unidos, o Japão e a União Européia, apresentam alta intensidade luminosa, são regiões desenvolvidas e industrializadas que demandam de ampla rede energética, enquanto que países do continente africano e sul-americano apresentam grandes áreas ainda escuras, o que demonstram áreas economicamente menos desenvolvidas, com menor acesso à energia e a outros bens de consumo.
Na foto, de 1996, ruínas da Babilônia.As primeiras cidades, como Ur e Babilônia, foram construídas cerca de 3 000 anos antes da era cristã, na Mesopotâmia, região dos vales dos rios Tigre e Eufrates, no atual Iraque . Outras cidades surgiram nessa época, quase sempre associadas a grandes rios, que proporcionavam terras férteis e irrigação, garantindo a produção necessária de alimentos para abastecê-las. Para nosso referencial atual, eram cidades pequenas, mas, para a época, tratava-se de grandes aglomerações. Calcula-se que, por volta de 2500 a.C., Ur chegou a ter 50 mil habitantes e Babilônia, 80 mil.
Com o advento da Primeira Revolução Industrial na Inglaterra, séc. XVIII, as cidades viraram um pólo atrativo da população devido a oportunidade de trabalho oferecido pelas indústrias. Começou assim o processo de urbanização.
Conceito de UrbanizaçãoA urbanização resulta fundamentalmente da transferência de pessoas do meio rural (campo) para o meio urbano (cidade). Assim, a idéia de urbanização está intimamente associada à concentração de muitas pessoas em um espaço restrito (a cidade) e na substituição das atividades primárias (agropecuária) por atividades secundárias (indústrias) e terciárias (serviços).Entretanto, por se tratar de um processo, costuma-se conceituar urbanização como sendo "o aumento da população urbana em relação à população rural", e nesse sentido só ocorre urbanização quando o percentual de aumento da população urbana é superior a da população rural.
A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que os países considerem urbanos os lugares em que se concentrem mais de vinte mil habitantes. O processo de urbanização, no entanto, não se limita à concentração demográfica ou à construção de elementos visíveis sobre o solo, mas inclui o surgimento de novas relações econômicas e de uma identidade urbana peculiar que se traduz em estilos de vida próprios
Urbanização em países desenvolvidosOs fatores da urbanização nesses países estão ligados ao processo de industrialização
A urbanização se deu de forma lenta e gradual, as cidades foram se estruturando para receber os migrantes, melhorando a infra-estrutura urbana e o aumentando a oferta de empregosAssim, os problemas urbanos não se multiplicaram tanto como nos países subdesenvolvidos. 
Urbanização em países subdesenvolvidos A urbanização nos países subdesenvolvidos foi bem mais rápida e desestruturada.
A formação das cidades em conseqüência da industrialização estão diretamente ligadas as péssimas condições de vida existentes na zona rural, em função da estrutura fundiária bastante concentrada, dos baixos salários, da falta de apoio aos pequenos agricultores.
Assim, há uma grande transferência de população para as cidades (migrações), para as grandes metrópoles, criando uma serie de problemas urbanos. Tais problemas são resultados de um fenômeno urbano característico de muitos países subdesenvolvidos: a macrocefalia urbana.A macrocefalia é o resultado da grande concentração das atividades econômicas, e dos serviços, e da população em algumas cidades, que acabam se tornando muito grandes relativamente. Embora esse fenômeno ocorra também em países desenvolvidos, ele assume proporções maiores nos subdesenvolvidos.
Conheçam agora algumas consequências da urbanização acelerada:
ÊXODO RURALA falta de emprego no campo devido a mecanização agrícola, causou intenso processo de imigração para os grandes centros urbanos industriais.A culpa é de quem?
DESEMPREGOOs imigrantes vindo das áreas rurais não encontram emprego na cidade.A culpa é de quem?
PROLIFERAÇÃO DE SUBMORADIASFavelas, cortiços, moradores de rua...A culpa é de quem?
Este aqui  está globalizado!!!A culpa é de quem?
CONTRASTES SOCIAIS  nas paisagens urbanas formando assim as segregações espaciaisFavela de Paraisopolis, em São Paulo. Esta é uma das conseqüências da rápida urbanização em países subdesenvolvidos. Cria-se, assim, um meio social extremamente favorável a proliferação de outros problemas: a violência urbana, roubos, assaltos, seqüestros, assassinatos, atingem milhares de pessoas todo o ano fazendo muitas vitimas fatais..A culpa é de quem?
VIOLÊNCIAChacina da Candelária - 1993Em 23 de julho de 1993, nas imediações da Igreja da Candelária, um grupo de homens encapuzados abriu fogo contra mais de 50 crianças, adolescente e jovens. Esse episódio ocorreu em um dos pontos mais conhecidos do Rio de Janeiro e causou protestos nacionais e internacionais.Documentos confidenciais do Centro de Inteligência do Exército (CIE) apontam que o tráfico de drogas voltou ao Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, ocupado há menos de dois meses pela operação que contou com apoio das Forças Armadas. Na Vila Cruzeiro, outra área da zona norte ocupada em novembro, a Polícia Civil do Rio investiga pelo menos dois assassinatos que seriam represálias de traficantes. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.Morro do Alemão – 2010A culpa é de quem?
INEFICIÊNCIA DOS TRANSPORTES PÚBLICOSA culpa é de quem?
AUMENTO DA POLUÍÇÃO ATMOSFÉRICACONGESTIONAMENTOSINDÚSTRIASEDIFÍCIOS ARRANHA CÉUA culpa é de quem?
ENCHENTESCausadas pelo excesso de pavimentação e resíduos sólidosA culpa é de quem?
RESÍDUOS SÓLIDOSA culpa é de quem?
Conclusão:O consumo exagerado da sociedade capitalista, gera cada vez mais desperdício e lixo nas cidades. Este molde de produção que temos, está diretamente relacionado ao “modo americano de vida”.
Os problemas ambientais diferem em relação aos países ricos e pobres, a prova disso é que 20% da população é responsável pela geração da maior parte da poluição e esse percentual é similar ao percentual da população que possui as riquezas do mundo. Enquanto essa população vive em altos níveis de consumo, outra grande maioria, cerca de 2,4 bilhões de pessoas, não possui saneamento, 1 bilhão não tem acesso a água potável, 1,1 bilhão não tem habitação adequada e 1 bilhão de crianças estão subnutridas.
Em suma, percebe-se que a maioria dos problemas urbanos é primeiramente de responsabilidade do poder público que muitas vezes são omissos em relação a essas questões, em outros momentos podemos apontar a própria população como geradora de problemas, como o lixo que é lançado em áreas impróprias. Na verdade, a tarefa de fazer com que a cidade seja um lugar bom pra se viver é de todos os que nela habitam. Para interagir na Net:Leiam o texto sobre Pegada Ecológica no livro na página 257E depois façam o teste no site interativo: http://www.pegadaecologica.org.br/Muito legal, vale a pena!!!
Unidade 2- A sociedade, a constituição e a transformação das paisagens CAP.5- ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVOCAP.6- TEMPO ATMOSFÉRICO E DINÂMICAS CLIMÁTICASCAP.7: AS ÁGUAS: HIDROSFERA E BACIAS HIDROGRÁFICASCAP8: OS DOMÍNIOS NATURAIS E OS SOLOS
A Teoria do Big BangAté o momento, a explicação mais aceita sobre a origem do universo entre a comunidade cientifica é baseada na teoria da Grande Explosão, em , o Big Bang. Nesta teoria, o universo não é estático e se encontra em constante expansão, ou seja, as galáxias estão se afastando umas das outras. Portanto, no passado elas deveriam estar mais próximas que hoje, e, até mesmo, formando um único ponto.A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense, George Gamow (1904-1968). Segundo ele, o universo teria surgido após uma grande explosão cósmica, entre 10 e 20 bilhões de anos atrás. O termo explosão refere-se a uma grande liberação de energia, criando o espaço-tempo. 
Supõe-se que a Terra tenha 4,6 bilhões de anos. Um milhão de anos após sua formação, a superfície da Terra já apresentava um aspecto semelhante ao atual, com rochas, oceanos e uma temperatura não muito diferente da que existe na atualidade.Para estudar a longa vida da Terra, conhecida como tempo geológico, dividiu-se o tempo em unidades chamadas eras. As eras, por sua vez, foram divididas em períodos, e os períodos em épocas. Cada era se caracteriza pela forma como se encontravam distribuídos os continentes e os oceanos, e pelo tipo de organismos que neles viviam. As eras geológicas são:Pré-Cambriana (a mais antiga), Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica (a mais recente).
No decorrer do tempo, os continentes foram mudando de posição, aproximando-se e voltando a separar-se lentamente....Durante a Era Paleozóica havia apenas três grandes massas continentais, que se uniram ao final dessa era dando origem ao supercontinentePangéia ou GondwanaDurante a Era Mesozóica, o supercontinentePangéia se fragmentou em diversos blocos, que começaram a separar-se a partir do Período Triássico, até chegar à atual distribuição de continentes e oceanos. Durante o Período Quaternário, o clima mudou em quatro ocasiões, tornando-se muito mais frio. O gelo polar recobriu boa parte da Europa, da América do Norte e do norte da Ásia. Essas mudanças climáticas são conhecidas como glaciações. A fauna e a flora tiveram de adaptar-se a essas grandes transformações.
PRÉ-CAMBRIANA A Era Pré-Cambriana compreende o tempo transcorrido entre a formação da Terra e o início da Era Paleozóica, há 570 milhões de anos. Em algum momento deste longo período de tempo ocorreu o mais importante fenômeno da história terrestre: o surgimento da vida. Os primeiros fósseis conhecidos têm dois bilhões de anos, e acredita-se que sejam restos de antigas bactérias.ERA PALEOZÓICA A Era Paleozóica ou Primária veio após a Pré-Cambriana e durou 325 milhões de anos. Durante esse tempo surgiram na Terra inúmeros animais invertebrados, como insetos e escorpiões.Surgiram, nesta ordem, os peixes, os anfíbios e os répteis, e também as primeiras plantas terrestres, os fetos. Por volta do final da Era Paleozóica, todos os continentes estavam unidos em um só, o Pangéia .Fóssil de trilobitas
ERA MESOZÓICA A Era Mesozóica -ou Secundária- durou 160 milhões de anos. Ao longo dela surgiram numerosos grupos de répteis, alguns dos quais eram terrestres (dinossauros), outros voadores (pterossauros) e outros viviam na água (ictiossauros). Surgiram também os invertebrados como por exemplo os moluscos.ERA CENOZÓICA –  a era atual em que vivemos, neta era que acontece o surgimento da espécie humana. Caracteriza-se também pela configuração atual dos continentes e dos oceanos. Ocorrência das glaciações.Um dos dois crânios do 'Australopithecussediba' encontrados na África do Sul. A nova espécie é possivelmente um ancestral dos humanos modernos.
As camadas da terraO planeta Terra em toda sua dimensão esférica possui várias camadas que variam quanto sua composição química e física, essas camadas estão divididas em: Crosta: É a parte mais superficial da terra, composta por material que foram resfriados e solidificados (silicato de alumínio) SIAL. A primeira camada, basicamente é formada por composição de granito nos continentes e basalto nos oceanos . Chega a atingir cerca de 70 Km de espessura.Manto: Segunda camada da Terra, formada por minerais, como o silício e magnésio (SIMA). É a porção mais volumosa das três camadas.Núcleo: O núcleo corresponde a 1/3 da massa da Terra e contêm basicamente elementos metálicos (ferro e níquel- NIFE), o núcleo é dividido em núcleo interno e externo, sendo um sólido e outro líquido. As peraturas são altíssimas, 5.000oC. 
Ainda dentro das três divisões existem subdivisões: Litosfera: é uma fina camada da terra composta por rochas e solos onde desenvolve a vida. Astenosfera: Profundidade entre 60 a 400 km da superfície terrestre, faz parte do manto superior e é composta por rochas fundidas dentro dessa estrutura predominantemente sólida. Mesosfera: É uma larga camada sólida, com densidade muito superior a das rochas encontradas na superfície terrestre.
A teoria da Deriva ContinentalA Terra não é estática!!Teoria criada pelo alemão Alfred Wegener, na qual ele afirmou que há, aproximadamente, 200 milhões de anos não existia separação entre os continentes, ou seja, havia uma única massa continental, chamada de Pangeia e um único Oceano, o Pantalassa.Depois de milhões de anos houve uma fragmentação surgindo dois megacontinentes chamados de Laurásia e Godwana, e a partir daí os continentes foram se movendo e se adequando às configurações atuais. O ponto crucial para o desenvolvimento da teoria da Deriva Continental, que na sua essência significa movimentação dos continentes, ou ainda, placas que se movem, é a constatação de que a Terra não é estática. Então Wegener percebeu que a costa da África possuía contorno que se encaixava na costa da América do Sul. Outro vestígio que reforça a teoria foi a descoberta de fósseis de animais da mesma espécie em continentes diferentes, pois seria impossível que esses animais tivessem atravessado o Oceano Atlântico, a única explicação é que no passado os dois continentes encontravam-se juntos.
As placas TectônicasA  Crosta Terrestre é formada por um conjunto de placas tectônicas que deslizam sobre uma camada viscosa e fluida denominada astenosfera, na qual possibilita a movimentação e a formação dos continentes.Movimentos das placas1- movimento conservativoFalha transformante- elas deslizam lateralmente2 e 4-Convergentes- as placas vão de encontro uma da outra. Podendo uma delas mergulha sob a outra (2) ou as duas erguerem juntas (4).3- Divergente- as placas se distanciam entre si.
O que são rochas?São agregados de minerais que formam toda a crosta terrestre e as partes mais profundas do planeta (com exceção do núcleo externo, que é a única parte líquida existente no interior da Terra). As rochas da crosta podem ser facilmente observadas em seus três tipos:• Rochas ígneas ou magmáticas, formadas pela cristalização do magma;•  Rochas sedimentares, formadas pela compactação e endurecimento de sedimentos;•  Rochas metamórficas, formadas pela transformação de qualquer tipo de rocha quando submetida a altas temperaturas e pressões.
Tipos de Rochas Rochas Magmáticas ou ÍgneasAs rochas magmáticas, ou ígneas, como também são chamadas, são formadas pelo magma solidificado expelido por vulcões, e ainda podem ser subdivididas em dois tipos: intrusivas e extrusivas;Rochas magmáticas intrusivasSão as rochas formadas pelo magma que se solidificou em grandes profundidades. O granito é uma das variedades desse tipo de rocha. No Brasil, algumas serras são formadas de granito, como a da Mantiqueira, do Mar, e algumas serras do Planalto Residual Norte-Amazônico. O granito é uma rocha ígnea de grão fino, médio ou grosseiro, composta essencialmente por quartzo e feldspatos, tendo como minerais característicos freqüentes a muscovita, biotita ou mica.
Rochas magmáticas extrusivasSão as rochas que são formadas pelo magma solidificado na superfície. Um exemplo de rocha extrusiva é o basalto.  Basalto A rocha basáltica geralmente possui cor escura acentuada sendo muito explorada para a construção civil.O basalto é produzido principalmente nas erupções que ocorrem:- nas dorsais meso-oceânicas, que são o foco da expansão do assoalho oceânico e dão origem à chamada tectônica de placas, assim, a maior parte do embasamento oceânico é constituído de basaltos;
Rochas SedimentaresEssas rochas se formam do processo de intemperismo físico ou químico de outras rochas. Intemperismo é processo de desgaste das rochas. Estes desgastes podem ser físicos ou químicos. As rochas sofrem o processo de intemperismo, erosão, transporte e sedimentação.Temos no Brasil algumas grandes bacias sedimentares, que receberam sedimentos erodidos a partir de áreas mais altas. É o caso da Bacia do Paraná, da Bacia do Parnaíba, da Bacia Amazônica e de outras bacias menores. Como a sedimentação nessas bacias ocorreu durante muito tempo, as camadas inferiores foram suficientemente soterradas para que se transformassem em rocha dura: as rochas sedimentares. 
Como  ocorre o intemperismo?
Rocha metamórfica é um tipo de rocha derivado da metamorfose (transformação) de rochas magmáticas ou sedimentares que sofrem modificação em sua composição atômica, devido à influência das diferentes condições de temperatura, pressão ou atrito.Exemplos de rochas metamórficas são o mármore (originado do calcário), quartizito (originado do arenito), gnaisse (originado do calcário)  
O ciclo das Rochas
MineraisOs minerais são substâncias encontradas na natureza, formados por uma composição química equilibrada, resultante de milhões de anos de processos inorgânicos (ação do calor, pressão, etc). A maioria dos minerais é sólido, como feldspato, mica, quartzo, mas há alguns líquidos, como a água e o mercúrio. *** rochas é um agrupamento de  mineraisOs minerais podem ser metálicos e não metálicos.Metálicos- ferro, manganês, bauxita, ouro, prata ...Não metálicos- carvão, quartzo e rubi. - muitos minerais constituem metais preciosos, como ouro, prata e diamantes- os minerais são extraídos pelo homem de uma maneira muito mais rápida do que o tempo que leva para sua formação. Sendo assim, os minerais são recursos naturais não-renováveis.
O Relevo Terrestre. Página 107O relevo terrestre e submarino se desenha através da ação de vários fatores internos e externos. Dependendo da força da ação, formam-se vários tipos de relevo, alguns mais altos, como planaltos e montanhas, e outros mais baixos, como é o caso de planícies e depressões.Os seres vivos também ajudam a esculpir o relevo e, ao mesmo tempo, dependem dele.Como se formou o relevo terrestre? Como é o relevo brasileiro? Como é superfície da Terra por baixo da água? Como mudamos a crosta terrestre? E por que esse assunto é importante para nós?  
Relevo – “é o conjunto de formas presentes na superfície sólida do planeta”. Resulta da estrutura geológica (fatores internos) e dos processos geomórficos (fatores externos). O primeiro forma a estrutura do relevo e o segundo esculpe as formas.Agentes endógenos do relevo (endo-dentro)Os agentes endógenos, ou internos, do relevo são processos estruturais que atuam de dentro para fora. Às vezes, vêm com muita força e rapidez, modificando o relevo. Eles acontecem por causa do movimento das placas tectônicas e dos fenômenos magmáticos. São exemplos de agentes internos: o tectonismo, o vulcanismo, os terremotos e abalos sísmicos. Agentes exógenos do relevo (exo- fora)Agentes exógenos, ou externos, são aqueles que esculpem o relevo terrestre através de um processo erosivo, o intemperismo, que pode ser químico (alteração da constituição da rocha), físico (desintegração) ou biológico (ação dos seres vivos). Na superfície da Terra, ou seja, no ambiente onde hidrosfera, atmosfera, biosfera e litosfera interagem, ocorrem os chamados processos geológicos de superfície. Todos podem ocorrer fisicamente (nas partículas) ou quimicamente (nos materiais dissolvidos na água):
•  Intemperismo, que transforma as rochas duras em grãos soltos; •  Erosão, ou seja, a retirada do seu local de formação; •  Transporte (pela água, na forma de rios, enxurradas, ou mesmo nos oceanos, pelas ondas, marés e correntes, vento ou geleiras); •  Sedimentação, que ocorre quando o agente de transporte não tem mais energia para continuar a carregar o material.
O intemperismo físico é a desagregação das rochas por agentes físicos e biológicos.A temperatura do ar e a água são agentes físicos. Por exemplo: as rochas estão superaquecidas, pelo calor do sol, daí são resfriadas bruscamente pelas chuvas, dessa forma ocorre a desagregação das rochas. Químico e físico
O intemperismo químico é a decomposição das rochas por agentes químicos e biológicos, por exemplo, formação das cavernas.A matéria orgânica produz substâncias que causam a decomposição das rochas, é portanto, um exemplo de intemperismo químico.Intemperismo Biológico é causado pela ação das raízes e plantas
Principais formas de relevoPlanície – áreas extensas planas em que há mais sedimentação que erosão. Áreas chatas e mais baixas, geralmente, no nível do mar. Porém, podem ficar em terras altas, como as várzeas de um rio num planalto.Montanha – terrenos bastante elevados, acima de 300 metros. Depressão – áreas situadas abaixo do nível do mar ou das outras superfícies planas.	Depressão absoluta- estão situadas abaixo do nível do mar. (depressão do mar Morto)	Depressão relativa- estão situadas acima do nível do mar, mas abaixo das áreas vizinhas.5) Planalto – terras mais altas que o nível do mar, razoavelmente planas delimitadas por escarpas íngrimes. Há mais erosão que sedimentação.
Slides Primeiro Ano
Existem vários tipos de formas na crosta terrestre. Elas são conseqüências de ações na superfície terrestre e muda com o desgaste das áreas mais elevadas e com a deposição de materiais nas superfícies deprimidas. Ações internas como o terremoto e o vulcanismo também alteram o relevo. Os seres vivos mudam o terreno escavando-o, degradando-o, ou fornecendo matéria orgânica. Eles também necessitam do relevo, que é importante no plantio de certos produtos para os agricultores e, conseqüentemente, para toda a sociedade. Cidades litorâneas e turísticas dependem muito do relevo.Assim como o relevo influencia na vida de pessoas, seres vivos modificam o relevo. Animais e raízes de plantas escavam a terra, provocando fendas no solo. As plantas têm um papel importante como protetoras do solo, pois fornecem matéria orgânica e impedem sua destruição. A intervenção humana sobre a superfície terrestre, construindo e destruindo formas de relevo, é chamada de erosão antrópica ou acelerada, já que acelera processos naturais. Ações como o desmatamento ou o corte de um barranco para a construção de estradas causam grandes desequilíbrios e aceleram a erosão da superfície.Deste modo, a crosta terrestre sofre alterações, tendo de se adaptar às mudanças dos seres vivos, o ser humano tem que se adaptar a Terra e conviver com ela, por isso é importante conhecer o relevo. 
O relevo SubmarinoPlataforma continental- É um prolongamento da área continental emersa (o continente) com profundidade de até 200 m apresenta-se na forma de planície submersa que margeia todos os continentes, sua extensão varia de 70 km a 1.000 km. É nessa área que encontramos as ilhas chamadas de continentais ou costeiras, essas ilhas normalmente são separadas do continente apenas por canais ou estreitos e caso ocorresse um recuo (abaixamento) no nível das águas oceânicas e essas ilhas tornar-se-iam partes do continente. Além disso, é aí também que se depositam os sedimentos vindos dos continentes através das águas dos rios que deságuam no mar.A plataforma continental é considerada a área mais importante do relevo submarino, pois é nessa região que a luz do sol atinge praticamente o fundo oceânico, permitindo a ocorrência de fotossíntese e o crescimento do plâncton, este último, indispensável para a alimentação de peixes e animais marinhos. Por isso, ficam aí as maiores regiões pesqueiras e também as bacias petrolíferas.
Talude continental - É outra unidade do relevo submarino, que se forma imediatamente após a plataforma continental. Tem origem sedimentar e inclina-se até o fundo oceânico, atingindo entre 3.000 e 5.000 metros de profundidade. O relevo do talude continental não é regular, ocorrendo freqüentemente cânions e vales submersos.Nessa área encontramos restos de seres marinhos e argila muito fina. Podemos ainda encontrar nessa região vulcões isolados e dispostos em linha, que dão origem às ilhas oceânicas, por exemplo, as ilhas do Havaí. Planície abissal ou bacia - São áreas extensas com mais de 5.000 m de profundidade. Estendem-se desde o talude continental até as encostas das cordilheiras oceânicas. Por vezes, essa planície é interrompida por montes submarinos (com alturas entre 200 metros e 1.000 metros) ou mesmo por montanhas submarinas, de origem vulcânica com elevações acima de 1.000 metros, dando origem por vezes a ilhas oceânicas.Nesta zona do oceano não há luz alguma, as temperaturas são baixas e a vida marinha não é tão abundante, predominam peixes cegos, algas e polvos gigantes. 
Cordilheira oceânica - São elevações que ocorrem de forma regular ao longo dos oceanos. Estendem-se por 84 mil quilômetros no total, com uma largura por volta dos mil quilômetros. Nessa área encontramos intensa atividade sísmica (tremores) e vulcânica. A cordilheira oceânica divide a crosta submarina em duas partes, representado uma ruptura ou cicatriz produzida durante a separação dos continentes.No oceano Atlântico, a cordilheira oceânica é chamada de meso-atlântica, porque ocupa a parte central deste oceano, na Islândia a cordilheira emerge na forma de ilha e a área é constantemente abalada pelos fenômenos já citados. Nos oceanos Pacífico e Índico, as cordilheiras áreas mais laterais (marginais) mais próximas dos continentes. Fossas oceânicas-São depressões alongadas (compridas) e estreitas, com grande declividade que ocorrem ao longo das áreas de subducção de placas tectônicas, ou seja, são fendas que atingem grandes profundidades entre 7.000 e 11.037 m, onde a placa oceânica mergulha de volta para o manto.
Slides Primeiro Ano
Relevo brasileiro O relevo brasileiro é constituído de diversas formas, dentre elas, “serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies”, etc., ocasionadas, principalmente, por processos externos, como a chuva e o vento. No continente, os agentes internos não participaram da formação do relevo, mas algumas ilhas foram formadas por atividades vulcânicas no passado.A estrutura geológica é, predominantemente, antiga, as mais recentes são da era cenozóica.O relevo classifica-se em diversas regiões. Vários autores classificam-no de formas diferentes. Adotaremos para estudo, a classificação de Aroldo de Azevedo.
A classificação de Aroldo de Azevedo:- Planalto das Guianas (região Norte: Amapá, Amazonas, Roraima e Pará)- Planalto Central (ao centro)- Planalto Atlântico (região leste)- Planalto Meridional (região Sul – Paraná e Santa Catarina – e São Paulo)- Planície Amazônica (Amazônia)- Planície Costeira (litoral)- Planície do Pantanal (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)
ConclusãoExistem vários tipos de formas na crosta terrestre. Elas são conseqüências de ações na superfície terrestre e muda com o desgaste das áreas mais elevadas e com a deposição de materiais nas superfícies deprimidas. Ações internas como o terremoto e o vulcanismo também alteram o relevo. Os seres vivos mudam o terreno escavando-o, degradando-o, ou fornecendo matéria orgânica. Eles também necessitam do relevo, que é importante no plantio de certos produtos para os agricultores e, conseqüentemente, para toda a sociedade. Cidades litorâneas e turísticas dependem muito do relevo.Assim como a crosta terrestre sofre alterações, tendo de se adaptar às mudanças dos seres vivos, o ser humano tem que se adaptar a Terra e conviver com ela, por isso é importante conhecer o relevo.
CAP.6: Tempo atmosférico e dinâmicas climáticasAs camadas da TerraexosferaA terra é cercada pela atmosfera, que é o corpo de ar ou gases que protege o planeta e possibilita a vida.   
Troposfera: camada onde ocorrem fenômenos climáticos. 
Ela começa na superfície da Terra e se estende a cerca de 8 a 16 km. 
A temperatura da troposfera diminui com a altura.
Essa camada é conhecida como a mais baixa da atmosfera. Estratosfera: Se estende até cerca de 50 km de altitude acima da superfície da Terra.
 Há subidas de temperatura na estratosfera, mas ainda permanece bem abaixo de zero.
Nesta camada é onde se forma a camada de ozônio com alta concentração de ozônio, que é responsável por absorver a radiação ultravioleta do sol. 
A formação desta camada é uma questão delicada, pois só quando o oxigênio é produzido na atmosfera, pode formar uma camada de ozono e evitar um fluxo intenso de radiação ultravioleta que atinge a superfície, onde é muito perigoso para a evolução da vida. Os fluorcarbonetos destroem a camada de ozônio, comgerando terríveis conseqüências futuras para a vida na Terra.MesosferaDe cerca de 50 km de altitude acima da superfície da Terra
A temperatura chega a (-120 ° C). 
 Também pode ser denominada como esfera intermediária. Termosfera ou ionosferaEsta camada se encontra há aproximadamente  90 a 450 km.
 O aumento da temperatura com a altura e pode subir tão alto quanto (2000 ° C). 
 Essa camada é conhecida como a atmosfera superior.
Nesta camada o ar se torna rarefeito. ExosferaEstendendo-se da parte superior da termosfera que começa a partir de 450 km de altitude até desaparecer progressivamente no espaço.Os elementos que atuam na atmosfera e compõem o clima são a pressão atmosférica, a temperatura e a umidade. Pressão atmosférica- Embora o ar seja extremamente leve, não é desprovido de peso. O peso que exerce sobre nós a totalidade da atmosfera denomina-se pressão atmosférica. O barômetro é o instrumento usado para medir a pressão atmosférica.- Pressão atmosférica é, então, a força causada pelo ar sobre a superfície terrestre.-   Ela depende da latitude, altitude e temperatura. Quanto maior a ALTITUDE, menor a pressão e vice-versa.Quanto menor a LATITUDE, menor a pressão - O movimento do ar decorre da diferença de pressão. Ele se movimenta das altas para as áreas de baixa pressão. Esse movimento do ar chama-se VENTO. Temperatura- É o estado ou grau de frio ou de calor de um corpo ou lugar.- A temperatura média à superfície é de 14º C, variando entre cerca de -60º C e +45º C.UmidadeCorresponde à quantidade de vapor de água que encontramos na atmosfera.- Muitas vezes escutamos no jornal falarem que a umidade relativa do ar é, por exemplo, de 60%. Isto quer dizer que estamos a 60% da capacidade máxima de retenção de vapor de água na atmosfera. Quando está chovendo, a umidade relativa do ar está em 100%, ou 4% em termos absolutos. Portanto, quando a umidade relativa do ar está por volta de 60%, está em 2,4% de vapor em termos absolutos.
Quais as principais fontes dos gases com efeito de estufa?
Tipos de Chuvas As chuvas não são iguais, isso porque podem ter diversas origens e características distintas. Podem ser classificadas em:• Orográficas: ocorre no momento em que as massas de ar úmidas são impedidas de seguir seu trajeto pelos elementos do relevo, como uma montanha, então as nuvens ganham altitude e se agrupam provocando a precipitação. São mais comuns nas escarpas da Serra do Mar (SE), Planalto na Borborema (NE).• Convecção: desenvolve quando a temperatura está elevada e há uma grande evaporação, o vento vertical leva o vapor para as altitudes ocasionando o resfriamento, assim produz a precipitação ou chuva. Esse tipo de chuva é conhecido como torrenciais e têm características de serem rápidas e abundantes. Mais comuns em áreas de florestas.• Frontais: esse tipo de chuva tem sua origem a partir do encontro entre uma massa de ar fria e uma quente. Mais comuns nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.
Precipitações As nuvens que dão origem às precipitações são as do tipo estratos e cúmulos. As precipitações acontecem no momento em que o vapor de água que se encontra nas nuvens se congela em razão da altitude, a partir dessa condensação desloca-se em direção à superfície terrestre em estado líquido ou sólido. Abaixo os tipos e formas de precipitações que existem:  • Granizo: corresponde a pedras de gelo, tem origem no alto das nuvens do tipo cúmulos, lugar onde a temperatura é muito reduzida. • Neve: esse tipo de precipitação ocorre através da baixa temperatura das nuvens (0ºC) e promove congelamento do vapor de água produzindo, dessa forma, pequenos cristais de gelo. Esse tipo de precipitação ocorre com maior frequência em climas temperados e polares. • Chuva: pode ocorrer durante o processo de evaporação da água nas zonas interpropicais do planeta, tal processo causa chuvas abundantes, pode também se desenvolver a partir do encontro de duas massas de ar, sendo uma quente e outra fria. O pluviômetro é o instrumento usado para medir a quantidade de chuvas, em milímetros.  O orvalho se forma na condensação do vapor sobre alguma superfície sólida, como no solo, nas folhas das plantas e até mesmo num capô de carro. O contato com o ar úmido na superfície mais fria dá origem a pequenas gotículas de água, comuns nas noites baixas, quando a temperatura chega a 0º o orvalho se solidifica formando camadas de gelo cristalino conhecido como geada, que causam grandes prejuízos a agropecuária.
TERCEIRO BIMESTRE
Diferença entre tempo atmosférico e clima Tempo: é o estado da atmosfera em determinado momento.Exemplo: "o tempo agora está bom, isto é, faz sol e calor", "o tempo está chuvoso" ou ainda, "o tempo está muito frio".Tempo é, portanto, um dado momentâneo, sujeito a mudanças mais ou menos rápidas;2) Clima: é a sucessão habitual dos tipos de tempo em determinado local do espaço terrestre. Para definir o clima de uma região, utilizam-se, sobretudo, as médias de temperatura, precipitação e umidade do ar durante vários anos seguidos (geralmente 30 anos de observação).Resumindo:- Tempo é o estado da atmosfera em determinado momento;- Clima engloba vários tipos de tempos que se sucedem ao longo de vários anos.
São fatores climáticos:  latitude, a altitude, as correntes marítimas, a posição da região climática em relação ao mar (maritimidade/continentalidade), a disposição do relevo, a vegetação.A localização do Brasil , em sua maior parte em zona intertropical com predomínio de baixas altitudes são responsáveis pela predominância de climas quentes, influenciados pelas massas de ar e pelas frentes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
Palloma Luana
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
Jaciane Anizio
 
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGARPAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
DANUBIA ZANOTELLI
 
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º AnoIECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
profrodrigoribeiro
 
Slides primeiro ano completo
Slides primeiro ano completoSlides primeiro ano completo
Slides primeiro ano completo
Laisa Cabral Caetano
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
Christie Freitas
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
Uilson Pereira da Silva
 
Categorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaCategorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografia
Roberta Sumar
 
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
Gustavo Silva de Souza
 
Espaço geográfico porque estudar a geografia
Espaço geográfico porque estudar a geografiaEspaço geográfico porque estudar a geografia
Espaço geográfico porque estudar a geografia
Danuzia Dalat
 
As cidades e a urbanização
As cidades e a urbanizaçãoAs cidades e a urbanização
As cidades e a urbanização
Marco Santos
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Espaço Geográfico - trabalho de Geografia
Espaço Geográfico - trabalho de GeografiaEspaço Geográfico - trabalho de Geografia
Espaço Geográfico - trabalho de Geografia
Kelly Gonzatto
 
geografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docxgeografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docx
Amanda Morato
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
KELSON DA LUZ OLIVEIRA
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
Jessica Aluna Adm Borghesan
 
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Paulo Roberto Oliveira
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
Professor
 
As categorias da geografia
As categorias da geografiaAs categorias da geografia
As categorias da geografia
Jane Mary Lima Castro
 
Geografia física ciência humana!
Geografia física ciência humana!Geografia física ciência humana!
Geografia física ciência humana!
Paulo Orlando
 

Mais procurados (20)

Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1Aula 1 - geografia 1
Aula 1 - geografia 1
 
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015O lugar e a paisagem 6º ano 2015
O lugar e a paisagem 6º ano 2015
 
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGARPAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
PAISAGEM, ESPAÇO E LUGAR
 
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º AnoIECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
IECJ - Cap. 06 – A representação do espaço geográfico - 6º Ano
 
Slides primeiro ano completo
Slides primeiro ano completoSlides primeiro ano completo
Slides primeiro ano completo
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Orientação e localização
Orientação e localizaçãoOrientação e localização
Orientação e localização
 
Categorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografiaCategorias de análise da geografia
Categorias de análise da geografia
 
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
CARTOGRAFIA  BÁSICA 1CARTOGRAFIA  BÁSICA 1
CARTOGRAFIA BÁSICA 1
 
Espaço geográfico porque estudar a geografia
Espaço geográfico porque estudar a geografiaEspaço geográfico porque estudar a geografia
Espaço geográfico porque estudar a geografia
 
As cidades e a urbanização
As cidades e a urbanizaçãoAs cidades e a urbanização
As cidades e a urbanização
 
Paisagem
PaisagemPaisagem
Paisagem
 
Espaço Geográfico - trabalho de Geografia
Espaço Geográfico - trabalho de GeografiaEspaço Geográfico - trabalho de Geografia
Espaço Geográfico - trabalho de Geografia
 
geografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docxgeografia-3-ano-medio.docx
geografia-3-ano-medio.docx
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
Fundamentos da geografia (conceitos básicos)
 
A regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasilA regionalização e as divisões regionais no brasil
A regionalização e as divisões regionais no brasil
 
As categorias da geografia
As categorias da geografiaAs categorias da geografia
As categorias da geografia
 
Geografia física ciência humana!
Geografia física ciência humana!Geografia física ciência humana!
Geografia física ciência humana!
 

Destaque

Production Documentaire Interactif en France
Production Documentaire Interactif en FranceProduction Documentaire Interactif en France
Production Documentaire Interactif en France
Gerald Holubowicz
 
Presentation Belle De Mai
Presentation Belle De MaiPresentation Belle De Mai
Presentation Belle De Mai
Pierre Casanova
 
Les bases de Scrum
Les bases de ScrumLes bases de Scrum
Les bases de Scrum
Yannick Quenec'hdu
 
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
alain Clapaud
 
Il était une fois la vie d'un Product Owner
Il était une fois la vie d'un Product OwnerIl était une fois la vie d'un Product Owner
Il était une fois la vie d'un Product Owner
Romain Couturier
 
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
PYR
 
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration du Schéma Directeur des Systè...
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration  du Schéma Directeur des Systè...Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration  du Schéma Directeur des Systè...
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration du Schéma Directeur des Systè...
Jean-Antoine Moreau
 
Atelier veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
Atelier   veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...Atelier   veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
Atelier veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
echangeurba
 
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
Jean-Marc Dubois
 
Matinée marketplace HiPay, Mirakl
Matinée marketplace HiPay, MiraklMatinée marketplace HiPay, Mirakl
Matinée marketplace HiPay, Mirakl
HiPay Group
 
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
Haute Autorité de Santé
 
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
Asso Asah
 
Manicure e pedicure
Manicure e pedicureManicure e pedicure
Manicure e pedicure
Camila Macedo
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Denise Bacelar Soares
 
O corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e culturalO corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e cultural
aluisiobraga
 
Motores
MotoresMotores
Motores
brenohsouza
 
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
Emilie64
 
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
TheFamily
 
Les derniers feux, réflexions crépusculaires
Les derniers feux, réflexions crépusculairesLes derniers feux, réflexions crépusculaires
Les derniers feux, réflexions crépusculaires
Karyne Lamidieu
 
Œdème Aigu des Poumons
Œdème Aigu des PoumonsŒdème Aigu des Poumons
Œdème Aigu des Poumons
Dr Bassem Jerbi
 

Destaque (20)

Production Documentaire Interactif en France
Production Documentaire Interactif en FranceProduction Documentaire Interactif en France
Production Documentaire Interactif en France
 
Presentation Belle De Mai
Presentation Belle De MaiPresentation Belle De Mai
Presentation Belle De Mai
 
Les bases de Scrum
Les bases de ScrumLes bases de Scrum
Les bases de Scrum
 
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
Baromètre Converteo sur l’efficacité des moteurs de recherche interne - Etude...
 
Il était une fois la vie d'un Product Owner
Il était une fois la vie d'un Product OwnerIl était une fois la vie d'un Product Owner
Il était une fois la vie d'un Product Owner
 
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
Statistiques, indicateurs, performance et qualité : prendre la mesure de la b...
 
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration du Schéma Directeur des Systè...
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration  du Schéma Directeur des Systè...Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration  du Schéma Directeur des Systè...
Etude : Processus / Méthode pour l’Élaboration du Schéma Directeur des Systè...
 
Atelier veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
Atelier   veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...Atelier   veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
Atelier veille et prospection en btob nouvelles techniques - 14112013 - dif...
 
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
Certification nationale A2-B1 d'allemand session 2016
 
Matinée marketplace HiPay, Mirakl
Matinée marketplace HiPay, MiraklMatinée marketplace HiPay, Mirakl
Matinée marketplace HiPay, Mirakl
 
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
Rencontres régionales HAS 2012 (Lille) - Chirurgie ambulatoire, vecteur de qu...
 
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
2013 Guide IDEAS des bonnes pratiques
 
Manicure e pedicure
Manicure e pedicureManicure e pedicure
Manicure e pedicure
 
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdfLivro_administracao_de_medicamentos.pdf
Livro_administracao_de_medicamentos.pdf
 
O corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e culturalO corpo e a expressão artística e cultural
O corpo e a expressão artística e cultural
 
Motores
MotoresMotores
Motores
 
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
Réussir sa création/refonte de site ADN et CDT 64
 
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
Les Barbares attaquent l'Agriculture ! Par Oussama Ammar, co-fondateur de The...
 
Les derniers feux, réflexions crépusculaires
Les derniers feux, réflexions crépusculairesLes derniers feux, réflexions crépusculaires
Les derniers feux, réflexions crépusculaires
 
Œdème Aigu des Poumons
Œdème Aigu des PoumonsŒdème Aigu des Poumons
Œdème Aigu des Poumons
 

Semelhante a Slides Primeiro Ano

Slides primeiro ano
Slides primeiro anoSlides primeiro ano
Slides primeiro ano
Laisa Cabral Caetano
 
Unidade 1. Primeiro ano
Unidade 1. Primeiro anoUnidade 1. Primeiro ano
Unidade 1. Primeiro ano
Laisa Cabral Caetano
 
Unidade 1. primeiro ano
Unidade 1. primeiro anoUnidade 1. primeiro ano
Unidade 1. primeiro ano
Laisa Cabral Caetano
 
Unidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
Unidade 1. Slide 1- Primeiro AnoUnidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
Unidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
Laisa Cabral Caetano
 
2 a aula geo cpvem introdução-à-geografia-aula-2
2 a aula geo cpvem   introdução-à-geografia-aula-22 a aula geo cpvem   introdução-à-geografia-aula-2
2 a aula geo cpvem introdução-à-geografia-aula-2
Wellington Moreira
 
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdfGEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
LucasAraujoMatos
 
Ciencia geografica
Ciencia geograficaCiencia geografica
Ciencia geografica
profleofonseca
 
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
AlderleyCarvalho1
 
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docxATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
THOMAZSANTOS9
 
Paisagem e espaço milton santos, metamorfose do espaço habitado
Paisagem e espaço  milton santos, metamorfose do espaço habitadoPaisagem e espaço  milton santos, metamorfose do espaço habitado
Paisagem e espaço milton santos, metamorfose do espaço habitado
@umquedeMARX Arquivos PDF
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
Christie Freitas
 
Geografia modulo i
Geografia modulo iGeografia modulo i
Geografia modulo i
Rita de Cássia Freitas
 
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidade
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidadeGeografia - noções conceituais para a contemporaneidade
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidade
Patrícia Éderson Dias
 
Introdução à Geografia
Introdução à GeografiaIntrodução à Geografia
Introdução à Geografia
Carlos Rico
 
Apostila enen ciências humanas e suas tecnologias - geografia
Apostila enen   ciências humanas e suas tecnologias - geografiaApostila enen   ciências humanas e suas tecnologias - geografia
Apostila enen ciências humanas e suas tecnologias - geografia
Robson1992
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
Blaunier Matheus
 
UE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
UE1 - Geografia - CEEJA - GuarujáUE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
UE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
Silvio Araujo de Sousa
 
A ciencia Geografia
A ciencia GeografiaA ciencia Geografia
A ciencia Geografia
Lucas pk'
 
Geografia aloiziio
Geografia aloiziioGeografia aloiziio
Geografia aloiziio
Carla C. Marquardt
 
ESTUDOS-HUMANOS.pdf
ESTUDOS-HUMANOS.pdfESTUDOS-HUMANOS.pdf
ESTUDOS-HUMANOS.pdf
FernandaMorais83
 

Semelhante a Slides Primeiro Ano (20)

Slides primeiro ano
Slides primeiro anoSlides primeiro ano
Slides primeiro ano
 
Unidade 1. Primeiro ano
Unidade 1. Primeiro anoUnidade 1. Primeiro ano
Unidade 1. Primeiro ano
 
Unidade 1. primeiro ano
Unidade 1. primeiro anoUnidade 1. primeiro ano
Unidade 1. primeiro ano
 
Unidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
Unidade 1. Slide 1- Primeiro AnoUnidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
Unidade 1. Slide 1- Primeiro Ano
 
2 a aula geo cpvem introdução-à-geografia-aula-2
2 a aula geo cpvem   introdução-à-geografia-aula-22 a aula geo cpvem   introdução-à-geografia-aula-2
2 a aula geo cpvem introdução-à-geografia-aula-2
 
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdfGEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
GEOGRAFIA_CONCEITOS_GEOGRÁFICOS_E_CATEGORIAS_GEOGRÁFICAS.pdf
 
Ciencia geografica
Ciencia geograficaCiencia geografica
Ciencia geografica
 
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
Tema: Geografia e importancia de conhecer essa ciência. Aula 01 - O que é Geo...
 
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docxATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
ATIVIDADE 1º ANO ENSINO MEDIO.docx
 
Paisagem e espaço milton santos, metamorfose do espaço habitado
Paisagem e espaço  milton santos, metamorfose do espaço habitadoPaisagem e espaço  milton santos, metamorfose do espaço habitado
Paisagem e espaço milton santos, metamorfose do espaço habitado
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Geografia modulo i
Geografia modulo iGeografia modulo i
Geografia modulo i
 
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidade
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidadeGeografia - noções conceituais para a contemporaneidade
Geografia - noções conceituais para a contemporaneidade
 
Introdução à Geografia
Introdução à GeografiaIntrodução à Geografia
Introdução à Geografia
 
Apostila enen ciências humanas e suas tecnologias - geografia
Apostila enen   ciências humanas e suas tecnologias - geografiaApostila enen   ciências humanas e suas tecnologias - geografia
Apostila enen ciências humanas e suas tecnologias - geografia
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
 
UE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
UE1 - Geografia - CEEJA - GuarujáUE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
UE1 - Geografia - CEEJA - Guarujá
 
A ciencia Geografia
A ciencia GeografiaA ciencia Geografia
A ciencia Geografia
 
Geografia aloiziio
Geografia aloiziioGeografia aloiziio
Geografia aloiziio
 
ESTUDOS-HUMANOS.pdf
ESTUDOS-HUMANOS.pdfESTUDOS-HUMANOS.pdf
ESTUDOS-HUMANOS.pdf
 

Mais de Laisa Cabral Caetano

Trabalho dos alunos- O ciclo da água
Trabalho dos alunos- O ciclo da águaTrabalho dos alunos- O ciclo da água
Trabalho dos alunos- O ciclo da água
Laisa Cabral Caetano
 
ciclo da agua
ciclo da aguaciclo da agua
ciclo da agua
Laisa Cabral Caetano
 
Geografia Geral Terceiro Ano
Geografia Geral Terceiro AnoGeografia Geral Terceiro Ano
Geografia Geral Terceiro Ano
Laisa Cabral Caetano
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
Laisa Cabral Caetano
 
Subdivisão Regional da Amazônia
Subdivisão Regional da Amazônia Subdivisão Regional da Amazônia
Subdivisão Regional da Amazônia
Laisa Cabral Caetano
 
Unidade 3 geral
Unidade 3  geralUnidade 3  geral
Unidade 3 geral
Laisa Cabral Caetano
 
Slides segundo. brasil
Slides  segundo. brasilSlides  segundo. brasil
Slides segundo. brasil
Laisa Cabral Caetano
 
Sub-divisões da Região Nordeste
Sub-divisões da Região NordesteSub-divisões da Região Nordeste
Sub-divisões da Região Nordeste
Laisa Cabral Caetano
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco   Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
Laisa Cabral Caetano
 
Região Centro Sul
Região Centro Sul Região Centro Sul
Região Centro Sul
Laisa Cabral Caetano
 
Conflitos na Amazônia
Conflitos na AmazôniaConflitos na Amazônia
Conflitos na Amazônia
Laisa Cabral Caetano
 
Objetivos do Milênio
Objetivos do MilênioObjetivos do Milênio
Objetivos do Milênio
Laisa Cabral Caetano
 
Trabalho de geografia Thalisson
Trabalho de geografia ThalissonTrabalho de geografia Thalisson
Trabalho de geografia Thalisson
Laisa Cabral Caetano
 
Geografia segunda
Geografia   segundaGeografia   segunda
Geografia segunda
Laisa Cabral Caetano
 
Região Centro Sul
Região Centro SulRegião Centro Sul
Região Centro Sul
Laisa Cabral Caetano
 
Trabalho dos alunos
Trabalho dos alunosTrabalho dos alunos
Trabalho dos alunos
Laisa Cabral Caetano
 
Trabalhos dos alunos
Trabalhos dos alunosTrabalhos dos alunos
Trabalhos dos alunos
Laisa Cabral Caetano
 
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro AnoSlide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Laisa Cabral Caetano
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil - terceiro ano
Slide 1  - Regionalização do Brasil - terceiro anoSlide 1  - Regionalização do Brasil - terceiro ano
Slide 1 - Regionalização do Brasil - terceiro ano
Laisa Cabral Caetano
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Laisa Cabral Caetano
 

Mais de Laisa Cabral Caetano (20)

Trabalho dos alunos- O ciclo da água
Trabalho dos alunos- O ciclo da águaTrabalho dos alunos- O ciclo da água
Trabalho dos alunos- O ciclo da água
 
ciclo da agua
ciclo da aguaciclo da agua
ciclo da agua
 
Geografia Geral Terceiro Ano
Geografia Geral Terceiro AnoGeografia Geral Terceiro Ano
Geografia Geral Terceiro Ano
 
Slide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geralSlide terceiro ano geral
Slide terceiro ano geral
 
Subdivisão Regional da Amazônia
Subdivisão Regional da Amazônia Subdivisão Regional da Amazônia
Subdivisão Regional da Amazônia
 
Unidade 3 geral
Unidade 3  geralUnidade 3  geral
Unidade 3 geral
 
Slides segundo. brasil
Slides  segundo. brasilSlides  segundo. brasil
Slides segundo. brasil
 
Sub-divisões da Região Nordeste
Sub-divisões da Região NordesteSub-divisões da Região Nordeste
Sub-divisões da Região Nordeste
 
Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco   Transposição do Rio São Francisco
Transposição do Rio São Francisco
 
Região Centro Sul
Região Centro Sul Região Centro Sul
Região Centro Sul
 
Conflitos na Amazônia
Conflitos na AmazôniaConflitos na Amazônia
Conflitos na Amazônia
 
Objetivos do Milênio
Objetivos do MilênioObjetivos do Milênio
Objetivos do Milênio
 
Trabalho de geografia Thalisson
Trabalho de geografia ThalissonTrabalho de geografia Thalisson
Trabalho de geografia Thalisson
 
Geografia segunda
Geografia   segundaGeografia   segunda
Geografia segunda
 
Região Centro Sul
Região Centro SulRegião Centro Sul
Região Centro Sul
 
Trabalho dos alunos
Trabalho dos alunosTrabalho dos alunos
Trabalho dos alunos
 
Trabalhos dos alunos
Trabalhos dos alunosTrabalhos dos alunos
Trabalhos dos alunos
 
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro AnoSlide 1-  Regionalização do Brasil - terceiro Ano
Slide 1- Regionalização do Brasil - terceiro Ano
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil - terceiro ano
Slide 1  - Regionalização do Brasil - terceiro anoSlide 1  - Regionalização do Brasil - terceiro ano
Slide 1 - Regionalização do Brasil - terceiro ano
 
Slide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do BrasilSlide 1 - Regionalização do Brasil
Slide 1 - Regionalização do Brasil
 

Slides Primeiro Ano

  • 1. Primeiro Ano do Ensino MédioGeografia Sociedade e Cotidiano. FundamentosDadá MartinsFrancisco BigottoMárcio VitielloMaterial produzido pela professora Laisa
  • 2. Atenção aluno !!! Nesta unidade são apresentado os principais conceitos relativos a ciências geográficas. Ressaltarei a importância destes conceitos para uma melhor compreensão da matéria a ser estudada nas próximas unidades. O aprofundamento da matéria ficará a cargo dos alunos em trabalhos de pesquisas, exercícios e diálogos em sala de aula. Porém, é de extrema importância o acompanhamento do livro didático para maiores detalhes da disciplina, visto que esta apresentação é apenas um resumo da unidade de estudo preparado pela professora.
  • 3. Unidade 1- O Espaço GeográficoO espaço geográfico se constrói a partir da relação histórica entre a sociedade e a natureza e que, por isso mesmo, é dinâmico e está em constante transformação.Podemos dividir o espaço em duas naturezas.
  • 4. - A primeira natureza- consiste no espaço intocado pelo ser humano, espaço no qual não sofreu transformações.  Cataratas do Iguaçu - RS
  • 5. - A segunda natureza- consiste no espaço que sofreu alterações humanas, o que chamamos então de espaço artificial.  Dubai em 1991Dubai em 2005
  • 6. O que é função social do espaço? É a função na qual é exercida no ambiente de análise. Exemplo1: Uma grande propriedade de terra onde se cultiva cana-de-açúcar para exportação. Função: plantação/agricultura.Exemplo 2: Centro da cidade do Rio de Janeiro. Função: centro comercial/empresarial/lazer... Para entender as transformações espaciais, analisa-se: Forma – Processo – Estrutura - Função
  • 7. PaisagemÉ tudo aquilo que vemos, o que nossa visão alcança é paisagem.A paisagem está em constante transformação, adquirindo novas formas e funções no espaço geográfico.
  • 8. PaisagemNatural - predomínio dos aspectos naturais (relevo, vegetação, hidrografia, clima).
  • 9. - Artificial ou humanizada-onde há predomínio das ações humanas (ações antrópicas). Espaço onde ocorreu pouca ou grande intervenção humana que acarretou a transformação da paisagem (escolas, cidades, indústrias...)
  • 10. - LugarÉ a expressão da história cotidiana das pessoas, a maneira na qual elas ocupam o espaço, dos usos que fazem dele e a maneira de vivenciá-lo. É a base de reprodução da vida.É no lugar que se encontra a identidade do grupo de pessoas que ali vivem. Seja um bairro, uma rua, uma vila. Não importa o tamanho ou dimensão do lugar. Ele é o caracteriza a existência humana no espaço.Com o passar dos tempos, os lugares vão sofrendo alterações em suas paisagens, funções e tomando assim, novas configurações espaciais. Este processo de transformação é ainda mais intensificado à medida que o desenvolvimento econômico é expresso nas paisagens.
  • 11. Para refletir..... O que diferencia uma imagem da outra?Cidade Pripiat devastada pela explosão da usina nuclear de Chernobyl Centro da Cidade de Nova York
  • 12. - Região O termo região é usado para expressar uma característica marcante que a distingue das áreas de seu entorno. É comum a determinação de região mais desenvolvida, região violenta, região da seca, região política e outras.À esquerda: divisão dos países do MercosulÀ direita: Mapa das regiões geoecômicas do Brasil
  • 13. - Território Devido a diversidade de conceitos relativos a território, adotaremos aqui um visão mais olística (geral/amplo) deste conceito para o entendimento da ciência geográfica.Desta forma, o território poderá ser entendido como múltipla relação de poder: do poder material das relações econômico-políticas ao poder simbólico das relações culturais.
  • 14. - Estado-Nação O Estado-Nação constitui uma das formas de organização do território mais representada em mapas políticos. Foi consolidado no século XIX, onde esta diretamente relacionado a expansão do capitalismo industrial. Este modo de organização do espaço teve início na Europa Ocidental e expandindo-se posteriormente pelo globo.As fronteiras políticas definem a extensão geográfica da soberania do Estado-Nação. No interior do espaço que elas delimitam, ou seja, no território nacional, o poder do Estado é soberano. É ele quem estabelece as decisões internas, realiza os censos, organiza as informações sobre a população e as atividades econômicas e formula estratégias de desenvolvimento e proteção desse território.
  • 16. CartografiaPode ser definida como um conjunto de estudos e operações científicas, artísticas e técnicas, baseadas em informações coletadas diretamente ou análise de documentos, com o objetivo de elaborar e preparar cartas, planos e outras formas de representação. 
  • 17. Mapas: são representações geométricas planas e simplificadas da superfície terrestre, ou parte dela, numa relação de proporcionalidade dada por uma escala.Os mapas podem apresentar temas específicos, como por exemplo: clima, vegetação, população e outros. Esses mapas são denominados Mapas Temáticos.
  • 18. Carta: são representações cartográficas convencionais e planas, elaboradas com grande precisão, e revelam os fenômenos da superfície terrestre utilizando dados obtidos por meio de fotografias aéreas, imagens de satélites e trabalho de campo.
  • 19. Projeções CartográficasOs sistemas de projeções cartográficas foram desenvolvidos para dar uma solução ao problema da transferência de uma imagem da superfície curva da esfera terrestre para um plano da carta, o que sempre vai acarretar deformações.Os sistemas de projeções constituem-se de uma fórmula matemática que transforma as coordenadas geográficas, a partir de uma superfície esférica (elipsoidal), em coordenadas planas, mantendo correspondência entre elas. O uso deste artifício geométrico das projeções consegue reduzir as deformações, mas nunca eliminá-las.Os tipos de propriedades geométricas que caracterizam as projeções cartográficas, em suas relações entre a esfera (Terra) e um plano, que é o mapa, são:a) Conformes – os ângulos são mantidos idênticos (na esfera e no plano) e as áreas são deformadas.b) Equivalentes – quando as áreas apresentam-se idênticas e os ângulos deformados.c) Afiláticas – quando as áreas e os ângulos apresentam-se deformados.
  • 20. Esta projeção deu origem ao planisfério que revela, para muitos estudiosos, uma visão eurocêntrica do mundo. Os países localizados nas latitudes mais elevadas apresentam áreas proporcionalmente maiores do que aqueles situados próximo aos trópicos. Note que a Europa aparece no centro do mapa com a sua área aumentada.Visão eurocêntricaDistorção de áreas em altas latitudesMaiordistorçãoEuropa- Menordistorção -0ºMERCATORMaiordistorção
  • 21. As retas perpendiculares aos paralelos e as linhas meridianas têm intervalos menores, resultando na representação das massas continentais, um significativo achatamento no sentido Leste-Oeste e a deformação no sentido Norte-Sul, na faixa compreendida entre os paralelos 60o Norte e Sul, e acima destes até os pólos, a impressão de alongamento da TerraDistorce a formaÁreas EquivalentesPETERS
  • 22. Unidade 3- Geografia, ambiente e desenvolvimentoCap.12: Visão crítica e sociedade de consumo urbano-industriaisAula 2: Olá alunos, vamos dar um pulinho agora para o último capítulo do livro para complementar o aprendizado da aula prática de tivemos sobre os países desenvolvidos e subdesenvolvidos.Neste capítulo vamos aprender como foram formadas as cidades do mundo subdesenvolvidos, os maiores problemas sociais enfrentados por ela .Livro página 244.
  • 23. Note que nações como Estados Unidos, o Japão e a União Européia, apresentam alta intensidade luminosa, são regiões desenvolvidas e industrializadas que demandam de ampla rede energética, enquanto que países do continente africano e sul-americano apresentam grandes áreas ainda escuras, o que demonstram áreas economicamente menos desenvolvidas, com menor acesso à energia e a outros bens de consumo.
  • 24. Na foto, de 1996, ruínas da Babilônia.As primeiras cidades, como Ur e Babilônia, foram construídas cerca de 3 000 anos antes da era cristã, na Mesopotâmia, região dos vales dos rios Tigre e Eufrates, no atual Iraque . Outras cidades surgiram nessa época, quase sempre associadas a grandes rios, que proporcionavam terras férteis e irrigação, garantindo a produção necessária de alimentos para abastecê-las. Para nosso referencial atual, eram cidades pequenas, mas, para a época, tratava-se de grandes aglomerações. Calcula-se que, por volta de 2500 a.C., Ur chegou a ter 50 mil habitantes e Babilônia, 80 mil.
  • 25. Com o advento da Primeira Revolução Industrial na Inglaterra, séc. XVIII, as cidades viraram um pólo atrativo da população devido a oportunidade de trabalho oferecido pelas indústrias. Começou assim o processo de urbanização.
  • 26. Conceito de UrbanizaçãoA urbanização resulta fundamentalmente da transferência de pessoas do meio rural (campo) para o meio urbano (cidade). Assim, a idéia de urbanização está intimamente associada à concentração de muitas pessoas em um espaço restrito (a cidade) e na substituição das atividades primárias (agropecuária) por atividades secundárias (indústrias) e terciárias (serviços).Entretanto, por se tratar de um processo, costuma-se conceituar urbanização como sendo "o aumento da população urbana em relação à população rural", e nesse sentido só ocorre urbanização quando o percentual de aumento da população urbana é superior a da população rural.
  • 27. A Organização das Nações Unidas (ONU) recomenda que os países considerem urbanos os lugares em que se concentrem mais de vinte mil habitantes. O processo de urbanização, no entanto, não se limita à concentração demográfica ou à construção de elementos visíveis sobre o solo, mas inclui o surgimento de novas relações econômicas e de uma identidade urbana peculiar que se traduz em estilos de vida próprios
  • 28. Urbanização em países desenvolvidosOs fatores da urbanização nesses países estão ligados ao processo de industrialização
  • 29. A urbanização se deu de forma lenta e gradual, as cidades foram se estruturando para receber os migrantes, melhorando a infra-estrutura urbana e o aumentando a oferta de empregosAssim, os problemas urbanos não se multiplicaram tanto como nos países subdesenvolvidos. 
  • 30. Urbanização em países subdesenvolvidos A urbanização nos países subdesenvolvidos foi bem mais rápida e desestruturada.
  • 31. A formação das cidades em conseqüência da industrialização estão diretamente ligadas as péssimas condições de vida existentes na zona rural, em função da estrutura fundiária bastante concentrada, dos baixos salários, da falta de apoio aos pequenos agricultores.
  • 32. Assim, há uma grande transferência de população para as cidades (migrações), para as grandes metrópoles, criando uma serie de problemas urbanos. Tais problemas são resultados de um fenômeno urbano característico de muitos países subdesenvolvidos: a macrocefalia urbana.A macrocefalia é o resultado da grande concentração das atividades econômicas, e dos serviços, e da população em algumas cidades, que acabam se tornando muito grandes relativamente. Embora esse fenômeno ocorra também em países desenvolvidos, ele assume proporções maiores nos subdesenvolvidos.
  • 33. Conheçam agora algumas consequências da urbanização acelerada:
  • 34. ÊXODO RURALA falta de emprego no campo devido a mecanização agrícola, causou intenso processo de imigração para os grandes centros urbanos industriais.A culpa é de quem?
  • 35. DESEMPREGOOs imigrantes vindo das áreas rurais não encontram emprego na cidade.A culpa é de quem?
  • 36. PROLIFERAÇÃO DE SUBMORADIASFavelas, cortiços, moradores de rua...A culpa é de quem?
  • 37. Este aqui está globalizado!!!A culpa é de quem?
  • 38. CONTRASTES SOCIAIS nas paisagens urbanas formando assim as segregações espaciaisFavela de Paraisopolis, em São Paulo. Esta é uma das conseqüências da rápida urbanização em países subdesenvolvidos. Cria-se, assim, um meio social extremamente favorável a proliferação de outros problemas: a violência urbana, roubos, assaltos, seqüestros, assassinatos, atingem milhares de pessoas todo o ano fazendo muitas vitimas fatais..A culpa é de quem?
  • 39. VIOLÊNCIAChacina da Candelária - 1993Em 23 de julho de 1993, nas imediações da Igreja da Candelária, um grupo de homens encapuzados abriu fogo contra mais de 50 crianças, adolescente e jovens. Esse episódio ocorreu em um dos pontos mais conhecidos do Rio de Janeiro e causou protestos nacionais e internacionais.Documentos confidenciais do Centro de Inteligência do Exército (CIE) apontam que o tráfico de drogas voltou ao Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro, ocupado há menos de dois meses pela operação que contou com apoio das Forças Armadas. Na Vila Cruzeiro, outra área da zona norte ocupada em novembro, a Polícia Civil do Rio investiga pelo menos dois assassinatos que seriam represálias de traficantes. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.Morro do Alemão – 2010A culpa é de quem?
  • 40. INEFICIÊNCIA DOS TRANSPORTES PÚBLICOSA culpa é de quem?
  • 41. AUMENTO DA POLUÍÇÃO ATMOSFÉRICACONGESTIONAMENTOSINDÚSTRIASEDIFÍCIOS ARRANHA CÉUA culpa é de quem?
  • 42. ENCHENTESCausadas pelo excesso de pavimentação e resíduos sólidosA culpa é de quem?
  • 44. Conclusão:O consumo exagerado da sociedade capitalista, gera cada vez mais desperdício e lixo nas cidades. Este molde de produção que temos, está diretamente relacionado ao “modo americano de vida”.
  • 45. Os problemas ambientais diferem em relação aos países ricos e pobres, a prova disso é que 20% da população é responsável pela geração da maior parte da poluição e esse percentual é similar ao percentual da população que possui as riquezas do mundo. Enquanto essa população vive em altos níveis de consumo, outra grande maioria, cerca de 2,4 bilhões de pessoas, não possui saneamento, 1 bilhão não tem acesso a água potável, 1,1 bilhão não tem habitação adequada e 1 bilhão de crianças estão subnutridas.
  • 46. Em suma, percebe-se que a maioria dos problemas urbanos é primeiramente de responsabilidade do poder público que muitas vezes são omissos em relação a essas questões, em outros momentos podemos apontar a própria população como geradora de problemas, como o lixo que é lançado em áreas impróprias. Na verdade, a tarefa de fazer com que a cidade seja um lugar bom pra se viver é de todos os que nela habitam. Para interagir na Net:Leiam o texto sobre Pegada Ecológica no livro na página 257E depois façam o teste no site interativo: http://www.pegadaecologica.org.br/Muito legal, vale a pena!!!
  • 47. Unidade 2- A sociedade, a constituição e a transformação das paisagens CAP.5- ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVOCAP.6- TEMPO ATMOSFÉRICO E DINÂMICAS CLIMÁTICASCAP.7: AS ÁGUAS: HIDROSFERA E BACIAS HIDROGRÁFICASCAP8: OS DOMÍNIOS NATURAIS E OS SOLOS
  • 48. A Teoria do Big BangAté o momento, a explicação mais aceita sobre a origem do universo entre a comunidade cientifica é baseada na teoria da Grande Explosão, em , o Big Bang. Nesta teoria, o universo não é estático e se encontra em constante expansão, ou seja, as galáxias estão se afastando umas das outras. Portanto, no passado elas deveriam estar mais próximas que hoje, e, até mesmo, formando um único ponto.A teoria do Big Bang foi anunciada em 1948 pelo cientista russo naturalizado estadunidense, George Gamow (1904-1968). Segundo ele, o universo teria surgido após uma grande explosão cósmica, entre 10 e 20 bilhões de anos atrás. O termo explosão refere-se a uma grande liberação de energia, criando o espaço-tempo. 
  • 49. Supõe-se que a Terra tenha 4,6 bilhões de anos. Um milhão de anos após sua formação, a superfície da Terra já apresentava um aspecto semelhante ao atual, com rochas, oceanos e uma temperatura não muito diferente da que existe na atualidade.Para estudar a longa vida da Terra, conhecida como tempo geológico, dividiu-se o tempo em unidades chamadas eras. As eras, por sua vez, foram divididas em períodos, e os períodos em épocas. Cada era se caracteriza pela forma como se encontravam distribuídos os continentes e os oceanos, e pelo tipo de organismos que neles viviam. As eras geológicas são:Pré-Cambriana (a mais antiga), Paleozóica, Mesozóica e Cenozóica (a mais recente).
  • 50. No decorrer do tempo, os continentes foram mudando de posição, aproximando-se e voltando a separar-se lentamente....Durante a Era Paleozóica havia apenas três grandes massas continentais, que se uniram ao final dessa era dando origem ao supercontinentePangéia ou GondwanaDurante a Era Mesozóica, o supercontinentePangéia se fragmentou em diversos blocos, que começaram a separar-se a partir do Período Triássico, até chegar à atual distribuição de continentes e oceanos. Durante o Período Quaternário, o clima mudou em quatro ocasiões, tornando-se muito mais frio. O gelo polar recobriu boa parte da Europa, da América do Norte e do norte da Ásia. Essas mudanças climáticas são conhecidas como glaciações. A fauna e a flora tiveram de adaptar-se a essas grandes transformações.
  • 51. PRÉ-CAMBRIANA A Era Pré-Cambriana compreende o tempo transcorrido entre a formação da Terra e o início da Era Paleozóica, há 570 milhões de anos. Em algum momento deste longo período de tempo ocorreu o mais importante fenômeno da história terrestre: o surgimento da vida. Os primeiros fósseis conhecidos têm dois bilhões de anos, e acredita-se que sejam restos de antigas bactérias.ERA PALEOZÓICA A Era Paleozóica ou Primária veio após a Pré-Cambriana e durou 325 milhões de anos. Durante esse tempo surgiram na Terra inúmeros animais invertebrados, como insetos e escorpiões.Surgiram, nesta ordem, os peixes, os anfíbios e os répteis, e também as primeiras plantas terrestres, os fetos. Por volta do final da Era Paleozóica, todos os continentes estavam unidos em um só, o Pangéia .Fóssil de trilobitas
  • 52. ERA MESOZÓICA A Era Mesozóica -ou Secundária- durou 160 milhões de anos. Ao longo dela surgiram numerosos grupos de répteis, alguns dos quais eram terrestres (dinossauros), outros voadores (pterossauros) e outros viviam na água (ictiossauros). Surgiram também os invertebrados como por exemplo os moluscos.ERA CENOZÓICA – a era atual em que vivemos, neta era que acontece o surgimento da espécie humana. Caracteriza-se também pela configuração atual dos continentes e dos oceanos. Ocorrência das glaciações.Um dos dois crânios do 'Australopithecussediba' encontrados na África do Sul. A nova espécie é possivelmente um ancestral dos humanos modernos.
  • 53. As camadas da terraO planeta Terra em toda sua dimensão esférica possui várias camadas que variam quanto sua composição química e física, essas camadas estão divididas em: Crosta: É a parte mais superficial da terra, composta por material que foram resfriados e solidificados (silicato de alumínio) SIAL. A primeira camada, basicamente é formada por composição de granito nos continentes e basalto nos oceanos . Chega a atingir cerca de 70 Km de espessura.Manto: Segunda camada da Terra, formada por minerais, como o silício e magnésio (SIMA). É a porção mais volumosa das três camadas.Núcleo: O núcleo corresponde a 1/3 da massa da Terra e contêm basicamente elementos metálicos (ferro e níquel- NIFE), o núcleo é dividido em núcleo interno e externo, sendo um sólido e outro líquido. As peraturas são altíssimas, 5.000oC. 
  • 54. Ainda dentro das três divisões existem subdivisões: Litosfera: é uma fina camada da terra composta por rochas e solos onde desenvolve a vida. Astenosfera: Profundidade entre 60 a 400 km da superfície terrestre, faz parte do manto superior e é composta por rochas fundidas dentro dessa estrutura predominantemente sólida. Mesosfera: É uma larga camada sólida, com densidade muito superior a das rochas encontradas na superfície terrestre.
  • 55. A teoria da Deriva ContinentalA Terra não é estática!!Teoria criada pelo alemão Alfred Wegener, na qual ele afirmou que há, aproximadamente, 200 milhões de anos não existia separação entre os continentes, ou seja, havia uma única massa continental, chamada de Pangeia e um único Oceano, o Pantalassa.Depois de milhões de anos houve uma fragmentação surgindo dois megacontinentes chamados de Laurásia e Godwana, e a partir daí os continentes foram se movendo e se adequando às configurações atuais. O ponto crucial para o desenvolvimento da teoria da Deriva Continental, que na sua essência significa movimentação dos continentes, ou ainda, placas que se movem, é a constatação de que a Terra não é estática. Então Wegener percebeu que a costa da África possuía contorno que se encaixava na costa da América do Sul. Outro vestígio que reforça a teoria foi a descoberta de fósseis de animais da mesma espécie em continentes diferentes, pois seria impossível que esses animais tivessem atravessado o Oceano Atlântico, a única explicação é que no passado os dois continentes encontravam-se juntos.
  • 56. As placas TectônicasA Crosta Terrestre é formada por um conjunto de placas tectônicas que deslizam sobre uma camada viscosa e fluida denominada astenosfera, na qual possibilita a movimentação e a formação dos continentes.Movimentos das placas1- movimento conservativoFalha transformante- elas deslizam lateralmente2 e 4-Convergentes- as placas vão de encontro uma da outra. Podendo uma delas mergulha sob a outra (2) ou as duas erguerem juntas (4).3- Divergente- as placas se distanciam entre si.
  • 57. O que são rochas?São agregados de minerais que formam toda a crosta terrestre e as partes mais profundas do planeta (com exceção do núcleo externo, que é a única parte líquida existente no interior da Terra). As rochas da crosta podem ser facilmente observadas em seus três tipos:• Rochas ígneas ou magmáticas, formadas pela cristalização do magma;•  Rochas sedimentares, formadas pela compactação e endurecimento de sedimentos;•  Rochas metamórficas, formadas pela transformação de qualquer tipo de rocha quando submetida a altas temperaturas e pressões.
  • 58. Tipos de Rochas Rochas Magmáticas ou ÍgneasAs rochas magmáticas, ou ígneas, como também são chamadas, são formadas pelo magma solidificado expelido por vulcões, e ainda podem ser subdivididas em dois tipos: intrusivas e extrusivas;Rochas magmáticas intrusivasSão as rochas formadas pelo magma que se solidificou em grandes profundidades. O granito é uma das variedades desse tipo de rocha. No Brasil, algumas serras são formadas de granito, como a da Mantiqueira, do Mar, e algumas serras do Planalto Residual Norte-Amazônico. O granito é uma rocha ígnea de grão fino, médio ou grosseiro, composta essencialmente por quartzo e feldspatos, tendo como minerais característicos freqüentes a muscovita, biotita ou mica.
  • 59. Rochas magmáticas extrusivasSão as rochas que são formadas pelo magma solidificado na superfície. Um exemplo de rocha extrusiva é o basalto.  Basalto A rocha basáltica geralmente possui cor escura acentuada sendo muito explorada para a construção civil.O basalto é produzido principalmente nas erupções que ocorrem:- nas dorsais meso-oceânicas, que são o foco da expansão do assoalho oceânico e dão origem à chamada tectônica de placas, assim, a maior parte do embasamento oceânico é constituído de basaltos;
  • 60. Rochas SedimentaresEssas rochas se formam do processo de intemperismo físico ou químico de outras rochas. Intemperismo é processo de desgaste das rochas. Estes desgastes podem ser físicos ou químicos. As rochas sofrem o processo de intemperismo, erosão, transporte e sedimentação.Temos no Brasil algumas grandes bacias sedimentares, que receberam sedimentos erodidos a partir de áreas mais altas. É o caso da Bacia do Paraná, da Bacia do Parnaíba, da Bacia Amazônica e de outras bacias menores. Como a sedimentação nessas bacias ocorreu durante muito tempo, as camadas inferiores foram suficientemente soterradas para que se transformassem em rocha dura: as rochas sedimentares. 
  • 61. Como ocorre o intemperismo?
  • 62. Rocha metamórfica é um tipo de rocha derivado da metamorfose (transformação) de rochas magmáticas ou sedimentares que sofrem modificação em sua composição atômica, devido à influência das diferentes condições de temperatura, pressão ou atrito.Exemplos de rochas metamórficas são o mármore (originado do calcário), quartizito (originado do arenito), gnaisse (originado do calcário)  
  • 63. O ciclo das Rochas
  • 64. MineraisOs minerais são substâncias encontradas na natureza, formados por uma composição química equilibrada, resultante de milhões de anos de processos inorgânicos (ação do calor, pressão, etc). A maioria dos minerais é sólido, como feldspato, mica, quartzo, mas há alguns líquidos, como a água e o mercúrio. *** rochas é um agrupamento de mineraisOs minerais podem ser metálicos e não metálicos.Metálicos- ferro, manganês, bauxita, ouro, prata ...Não metálicos- carvão, quartzo e rubi. - muitos minerais constituem metais preciosos, como ouro, prata e diamantes- os minerais são extraídos pelo homem de uma maneira muito mais rápida do que o tempo que leva para sua formação. Sendo assim, os minerais são recursos naturais não-renováveis.
  • 65. O Relevo Terrestre. Página 107O relevo terrestre e submarino se desenha através da ação de vários fatores internos e externos. Dependendo da força da ação, formam-se vários tipos de relevo, alguns mais altos, como planaltos e montanhas, e outros mais baixos, como é o caso de planícies e depressões.Os seres vivos também ajudam a esculpir o relevo e, ao mesmo tempo, dependem dele.Como se formou o relevo terrestre? Como é o relevo brasileiro? Como é superfície da Terra por baixo da água? Como mudamos a crosta terrestre? E por que esse assunto é importante para nós?  
  • 66. Relevo – “é o conjunto de formas presentes na superfície sólida do planeta”. Resulta da estrutura geológica (fatores internos) e dos processos geomórficos (fatores externos). O primeiro forma a estrutura do relevo e o segundo esculpe as formas.Agentes endógenos do relevo (endo-dentro)Os agentes endógenos, ou internos, do relevo são processos estruturais que atuam de dentro para fora. Às vezes, vêm com muita força e rapidez, modificando o relevo. Eles acontecem por causa do movimento das placas tectônicas e dos fenômenos magmáticos. São exemplos de agentes internos: o tectonismo, o vulcanismo, os terremotos e abalos sísmicos. Agentes exógenos do relevo (exo- fora)Agentes exógenos, ou externos, são aqueles que esculpem o relevo terrestre através de um processo erosivo, o intemperismo, que pode ser químico (alteração da constituição da rocha), físico (desintegração) ou biológico (ação dos seres vivos). Na superfície da Terra, ou seja, no ambiente onde hidrosfera, atmosfera, biosfera e litosfera interagem, ocorrem os chamados processos geológicos de superfície. Todos podem ocorrer fisicamente (nas partículas) ou quimicamente (nos materiais dissolvidos na água):
  • 67. •  Intemperismo, que transforma as rochas duras em grãos soltos; •  Erosão, ou seja, a retirada do seu local de formação; •  Transporte (pela água, na forma de rios, enxurradas, ou mesmo nos oceanos, pelas ondas, marés e correntes, vento ou geleiras); •  Sedimentação, que ocorre quando o agente de transporte não tem mais energia para continuar a carregar o material.
  • 68. O intemperismo físico é a desagregação das rochas por agentes físicos e biológicos.A temperatura do ar e a água são agentes físicos. Por exemplo: as rochas estão superaquecidas, pelo calor do sol, daí são resfriadas bruscamente pelas chuvas, dessa forma ocorre a desagregação das rochas. Químico e físico
  • 69. O intemperismo químico é a decomposição das rochas por agentes químicos e biológicos, por exemplo, formação das cavernas.A matéria orgânica produz substâncias que causam a decomposição das rochas, é portanto, um exemplo de intemperismo químico.Intemperismo Biológico é causado pela ação das raízes e plantas
  • 70. Principais formas de relevoPlanície – áreas extensas planas em que há mais sedimentação que erosão. Áreas chatas e mais baixas, geralmente, no nível do mar. Porém, podem ficar em terras altas, como as várzeas de um rio num planalto.Montanha – terrenos bastante elevados, acima de 300 metros. Depressão – áreas situadas abaixo do nível do mar ou das outras superfícies planas. Depressão absoluta- estão situadas abaixo do nível do mar. (depressão do mar Morto) Depressão relativa- estão situadas acima do nível do mar, mas abaixo das áreas vizinhas.5) Planalto – terras mais altas que o nível do mar, razoavelmente planas delimitadas por escarpas íngrimes. Há mais erosão que sedimentação.
  • 72. Existem vários tipos de formas na crosta terrestre. Elas são conseqüências de ações na superfície terrestre e muda com o desgaste das áreas mais elevadas e com a deposição de materiais nas superfícies deprimidas. Ações internas como o terremoto e o vulcanismo também alteram o relevo. Os seres vivos mudam o terreno escavando-o, degradando-o, ou fornecendo matéria orgânica. Eles também necessitam do relevo, que é importante no plantio de certos produtos para os agricultores e, conseqüentemente, para toda a sociedade. Cidades litorâneas e turísticas dependem muito do relevo.Assim como o relevo influencia na vida de pessoas, seres vivos modificam o relevo. Animais e raízes de plantas escavam a terra, provocando fendas no solo. As plantas têm um papel importante como protetoras do solo, pois fornecem matéria orgânica e impedem sua destruição. A intervenção humana sobre a superfície terrestre, construindo e destruindo formas de relevo, é chamada de erosão antrópica ou acelerada, já que acelera processos naturais. Ações como o desmatamento ou o corte de um barranco para a construção de estradas causam grandes desequilíbrios e aceleram a erosão da superfície.Deste modo, a crosta terrestre sofre alterações, tendo de se adaptar às mudanças dos seres vivos, o ser humano tem que se adaptar a Terra e conviver com ela, por isso é importante conhecer o relevo. 
  • 73. O relevo SubmarinoPlataforma continental- É um prolongamento da área continental emersa (o continente) com profundidade de até 200 m apresenta-se na forma de planície submersa que margeia todos os continentes, sua extensão varia de 70 km a 1.000 km. É nessa área que encontramos as ilhas chamadas de continentais ou costeiras, essas ilhas normalmente são separadas do continente apenas por canais ou estreitos e caso ocorresse um recuo (abaixamento) no nível das águas oceânicas e essas ilhas tornar-se-iam partes do continente. Além disso, é aí também que se depositam os sedimentos vindos dos continentes através das águas dos rios que deságuam no mar.A plataforma continental é considerada a área mais importante do relevo submarino, pois é nessa região que a luz do sol atinge praticamente o fundo oceânico, permitindo a ocorrência de fotossíntese e o crescimento do plâncton, este último, indispensável para a alimentação de peixes e animais marinhos. Por isso, ficam aí as maiores regiões pesqueiras e também as bacias petrolíferas.
  • 74. Talude continental - É outra unidade do relevo submarino, que se forma imediatamente após a plataforma continental. Tem origem sedimentar e inclina-se até o fundo oceânico, atingindo entre 3.000 e 5.000 metros de profundidade. O relevo do talude continental não é regular, ocorrendo freqüentemente cânions e vales submersos.Nessa área encontramos restos de seres marinhos e argila muito fina. Podemos ainda encontrar nessa região vulcões isolados e dispostos em linha, que dão origem às ilhas oceânicas, por exemplo, as ilhas do Havaí. Planície abissal ou bacia - São áreas extensas com mais de 5.000 m de profundidade. Estendem-se desde o talude continental até as encostas das cordilheiras oceânicas. Por vezes, essa planície é interrompida por montes submarinos (com alturas entre 200 metros e 1.000 metros) ou mesmo por montanhas submarinas, de origem vulcânica com elevações acima de 1.000 metros, dando origem por vezes a ilhas oceânicas.Nesta zona do oceano não há luz alguma, as temperaturas são baixas e a vida marinha não é tão abundante, predominam peixes cegos, algas e polvos gigantes. 
  • 75. Cordilheira oceânica - São elevações que ocorrem de forma regular ao longo dos oceanos. Estendem-se por 84 mil quilômetros no total, com uma largura por volta dos mil quilômetros. Nessa área encontramos intensa atividade sísmica (tremores) e vulcânica. A cordilheira oceânica divide a crosta submarina em duas partes, representado uma ruptura ou cicatriz produzida durante a separação dos continentes.No oceano Atlântico, a cordilheira oceânica é chamada de meso-atlântica, porque ocupa a parte central deste oceano, na Islândia a cordilheira emerge na forma de ilha e a área é constantemente abalada pelos fenômenos já citados. Nos oceanos Pacífico e Índico, as cordilheiras áreas mais laterais (marginais) mais próximas dos continentes. Fossas oceânicas-São depressões alongadas (compridas) e estreitas, com grande declividade que ocorrem ao longo das áreas de subducção de placas tectônicas, ou seja, são fendas que atingem grandes profundidades entre 7.000 e 11.037 m, onde a placa oceânica mergulha de volta para o manto.
  • 77. Relevo brasileiro O relevo brasileiro é constituído de diversas formas, dentre elas, “serras, planaltos, chapadas, depressões, planícies”, etc., ocasionadas, principalmente, por processos externos, como a chuva e o vento. No continente, os agentes internos não participaram da formação do relevo, mas algumas ilhas foram formadas por atividades vulcânicas no passado.A estrutura geológica é, predominantemente, antiga, as mais recentes são da era cenozóica.O relevo classifica-se em diversas regiões. Vários autores classificam-no de formas diferentes. Adotaremos para estudo, a classificação de Aroldo de Azevedo.
  • 78. A classificação de Aroldo de Azevedo:- Planalto das Guianas (região Norte: Amapá, Amazonas, Roraima e Pará)- Planalto Central (ao centro)- Planalto Atlântico (região leste)- Planalto Meridional (região Sul – Paraná e Santa Catarina – e São Paulo)- Planície Amazônica (Amazônia)- Planície Costeira (litoral)- Planície do Pantanal (Mato Grosso e Mato Grosso do Sul)
  • 79. ConclusãoExistem vários tipos de formas na crosta terrestre. Elas são conseqüências de ações na superfície terrestre e muda com o desgaste das áreas mais elevadas e com a deposição de materiais nas superfícies deprimidas. Ações internas como o terremoto e o vulcanismo também alteram o relevo. Os seres vivos mudam o terreno escavando-o, degradando-o, ou fornecendo matéria orgânica. Eles também necessitam do relevo, que é importante no plantio de certos produtos para os agricultores e, conseqüentemente, para toda a sociedade. Cidades litorâneas e turísticas dependem muito do relevo.Assim como a crosta terrestre sofre alterações, tendo de se adaptar às mudanças dos seres vivos, o ser humano tem que se adaptar a Terra e conviver com ela, por isso é importante conhecer o relevo.
  • 80. CAP.6: Tempo atmosférico e dinâmicas climáticasAs camadas da TerraexosferaA terra é cercada pela atmosfera, que é o corpo de ar ou gases que protege o planeta e possibilita a vida.   
  • 81. Troposfera: camada onde ocorrem fenômenos climáticos. 
  • 82. Ela começa na superfície da Terra e se estende a cerca de 8 a 16 km. 
  • 83. A temperatura da troposfera diminui com a altura.
  • 84. Essa camada é conhecida como a mais baixa da atmosfera. Estratosfera: Se estende até cerca de 50 km de altitude acima da superfície da Terra.
  • 85.  Há subidas de temperatura na estratosfera, mas ainda permanece bem abaixo de zero.
  • 86. Nesta camada é onde se forma a camada de ozônio com alta concentração de ozônio, que é responsável por absorver a radiação ultravioleta do sol. 
  • 87. A formação desta camada é uma questão delicada, pois só quando o oxigênio é produzido na atmosfera, pode formar uma camada de ozono e evitar um fluxo intenso de radiação ultravioleta que atinge a superfície, onde é muito perigoso para a evolução da vida. Os fluorcarbonetos destroem a camada de ozônio, comgerando terríveis conseqüências futuras para a vida na Terra.MesosferaDe cerca de 50 km de altitude acima da superfície da Terra
  • 88. A temperatura chega a (-120 ° C). 
  • 89. Também pode ser denominada como esfera intermediária. Termosfera ou ionosferaEsta camada se encontra há aproximadamente 90 a 450 km.
  • 90.  O aumento da temperatura com a altura e pode subir tão alto quanto (2000 ° C). 
  • 91.  Essa camada é conhecida como a atmosfera superior.
  • 92. Nesta camada o ar se torna rarefeito. ExosferaEstendendo-se da parte superior da termosfera que começa a partir de 450 km de altitude até desaparecer progressivamente no espaço.Os elementos que atuam na atmosfera e compõem o clima são a pressão atmosférica, a temperatura e a umidade. Pressão atmosférica- Embora o ar seja extremamente leve, não é desprovido de peso. O peso que exerce sobre nós a totalidade da atmosfera denomina-se pressão atmosférica. O barômetro é o instrumento usado para medir a pressão atmosférica.- Pressão atmosférica é, então, a força causada pelo ar sobre a superfície terrestre.- Ela depende da latitude, altitude e temperatura. Quanto maior a ALTITUDE, menor a pressão e vice-versa.Quanto menor a LATITUDE, menor a pressão - O movimento do ar decorre da diferença de pressão. Ele se movimenta das altas para as áreas de baixa pressão. Esse movimento do ar chama-se VENTO. Temperatura- É o estado ou grau de frio ou de calor de um corpo ou lugar.- A temperatura média à superfície é de 14º C, variando entre cerca de -60º C e +45º C.UmidadeCorresponde à quantidade de vapor de água que encontramos na atmosfera.- Muitas vezes escutamos no jornal falarem que a umidade relativa do ar é, por exemplo, de 60%. Isto quer dizer que estamos a 60% da capacidade máxima de retenção de vapor de água na atmosfera. Quando está chovendo, a umidade relativa do ar está em 100%, ou 4% em termos absolutos. Portanto, quando a umidade relativa do ar está por volta de 60%, está em 2,4% de vapor em termos absolutos.
  • 93. Quais as principais fontes dos gases com efeito de estufa?
  • 94. Tipos de Chuvas As chuvas não são iguais, isso porque podem ter diversas origens e características distintas. Podem ser classificadas em:• Orográficas: ocorre no momento em que as massas de ar úmidas são impedidas de seguir seu trajeto pelos elementos do relevo, como uma montanha, então as nuvens ganham altitude e se agrupam provocando a precipitação. São mais comuns nas escarpas da Serra do Mar (SE), Planalto na Borborema (NE).• Convecção: desenvolve quando a temperatura está elevada e há uma grande evaporação, o vento vertical leva o vapor para as altitudes ocasionando o resfriamento, assim produz a precipitação ou chuva. Esse tipo de chuva é conhecido como torrenciais e têm características de serem rápidas e abundantes. Mais comuns em áreas de florestas.• Frontais: esse tipo de chuva tem sua origem a partir do encontro entre uma massa de ar fria e uma quente. Mais comuns nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.
  • 95. Precipitações As nuvens que dão origem às precipitações são as do tipo estratos e cúmulos. As precipitações acontecem no momento em que o vapor de água que se encontra nas nuvens se congela em razão da altitude, a partir dessa condensação desloca-se em direção à superfície terrestre em estado líquido ou sólido. Abaixo os tipos e formas de precipitações que existem:  • Granizo: corresponde a pedras de gelo, tem origem no alto das nuvens do tipo cúmulos, lugar onde a temperatura é muito reduzida. • Neve: esse tipo de precipitação ocorre através da baixa temperatura das nuvens (0ºC) e promove congelamento do vapor de água produzindo, dessa forma, pequenos cristais de gelo. Esse tipo de precipitação ocorre com maior frequência em climas temperados e polares. • Chuva: pode ocorrer durante o processo de evaporação da água nas zonas interpropicais do planeta, tal processo causa chuvas abundantes, pode também se desenvolver a partir do encontro de duas massas de ar, sendo uma quente e outra fria. O pluviômetro é o instrumento usado para medir a quantidade de chuvas, em milímetros.  O orvalho se forma na condensação do vapor sobre alguma superfície sólida, como no solo, nas folhas das plantas e até mesmo num capô de carro. O contato com o ar úmido na superfície mais fria dá origem a pequenas gotículas de água, comuns nas noites baixas, quando a temperatura chega a 0º o orvalho se solidifica formando camadas de gelo cristalino conhecido como geada, que causam grandes prejuízos a agropecuária.
  • 97. Diferença entre tempo atmosférico e clima Tempo: é o estado da atmosfera em determinado momento.Exemplo: "o tempo agora está bom, isto é, faz sol e calor", "o tempo está chuvoso" ou ainda, "o tempo está muito frio".Tempo é, portanto, um dado momentâneo, sujeito a mudanças mais ou menos rápidas;2) Clima: é a sucessão habitual dos tipos de tempo em determinado local do espaço terrestre. Para definir o clima de uma região, utilizam-se, sobretudo, as médias de temperatura, precipitação e umidade do ar durante vários anos seguidos (geralmente 30 anos de observação).Resumindo:- Tempo é o estado da atmosfera em determinado momento;- Clima engloba vários tipos de tempos que se sucedem ao longo de vários anos.
  • 98. São fatores climáticos:  latitude, a altitude, as correntes marítimas, a posição da região climática em relação ao mar (maritimidade/continentalidade), a disposição do relevo, a vegetação.A localização do Brasil , em sua maior parte em zona intertropical com predomínio de baixas altitudes são responsáveis pela predominância de climas quentes, influenciados pelas massas de ar e pelas frentes.
  • 99. (mEc) - QUENTE E ÚMIDA, ORIGINA-SE NA PARTE OCIDENTAL DA AMAZÔNIA, ATUA EM BOA PARTE DO PAÍS (mTa)-  QUENTE E ÚMIDA, ORIGINA-SE NO OCEANO ATLÂNTICO, PRÓXIMO AO TRÓPICO DE CAPRICÓRNIO, INFLUENCIA O LITORAL BRASILEIRO (mPa)- FRIA E ÚMIDA, ORIGINA-SE NO ATLANTICO PRÓXIMO A PATAGÔNIA, RESPONSÁVEL PELAS ONDAS DE FRIO NO CENTRO-SUL, GEADA E NEVE NO SUL E O EFEITO DE FRIAGEM NO OESTE DA AMAZÔNIA (mTc) - QUENTE E SECA, ORIGINA-SE NA DEPREÇÃO DO CHACO, LIMITA-SE NA SUA REGIÃO QUASE TODO O ANO (mEa) - QUENTE E ÚMIDA, ORIGINA-SE NO OCEANO ATLÂNTICO, ATUA NA PORÇÃO LESTE DA AMAZÔNIA
  • 100. EQUATORIAL - Clima encontrado em regiões próximas da linha do equador, no Brasil na região Norte e no norte da região Centro-Oeste. Apresenta temperaturas elevadas, acima de 25°C e grande quantidade de chuvas durante a maior parte do ano.TROPICAL - Esse clima apresenta duas estações do ano bem definidas: verão quente e chuvoso, e o inverno com temperaturas amenas e seca. A amplitude térmica anual oscilam entre 19°C e 28°C. Pode ser classificado em: Úmido ou Oceânico e Semiúmido ou Continental.SUBTROPICAL - Esse clima apresenta duas estações do ano bem definidas: verão quente e inverno rigoroso. As chuvas são bem distribuídas ao longo do ano, e as temperaturas médias anuais geralmente ficam abaixo de 18°C, ocorre na região Sul do Brasil. SEMIÁRIDO - Esse clima ocorre na área central da região Nordeste e no norte do estado de Minas Gerais. Possui elevadas temperaturas e as precipitações pluviométricas variam entre 300 e 600 mm/ano. TROPICAL DE ALTITUDE - Esse clima ocorre nas áreas elevadas da região Sudeste, as temperaturas variam entre 18°C e 22°C, e os índices pluviométricos variam entre 1.000 e 1.500mm/ano.
  • 101. CAP.7: As águas: hidrosfera e bacias hidrográficasA hidrosfera que é a parte liquida do planeta, é dividida em: - águas oceânicas: que formam os oceanos e mares;  - águas continentais: incluem o lençol subterrâneo, geleiras, rios e lagos. As águas oceânicas tem grande influencia no clima, nos transportes, no fornecimento de alimento (através da pesca) e na renovação do oxigênio do ar. O hemisfério sul apresenta a maior parte da sua superfície encoberto pelas águas(81%).E o hemisfério norte 40% de sua superfície é encoberto pelas terras emersas. Na verdade, existe um único e grande oceano, que está dividida em: oceanos Pacífico, Índico e Atlântico. - oceano Pacífico: É o mais extenso de todos os oceanos. Está situado entre as terras australianas, americanas e asiáticas, possui as maiores profundidades conhecidas.- oceano Atlântico: É o mais navegável, principalmente na parte entre a Europa e América do Norte. Está localizado entre a África, América e Europa. - oceano Índico: sua área mede aproximadamente 73 milhões de km², é menor dos três. Fica localizado entre a Ásia, Antártica, Oceania e África.
  • 102. Os mares (p.147) - Mares abertos ou costeiros: apresentam ligação com os oceanos. Ex: mar da China, do Norte e das Antilhas.- Mares continentais- ligam-se aos oceanos por meio de canais e de estreitos, pois se localizam no interior dos continentes. Ex: mar mediterrâneo, mar vermelho e mar negro- Mares fechados ou isolados: não apresentam nenhuma ligação, na superfície, com outros mares ou oceanos. Ex: mar morto, mar Cáspio, mar Aral. As águas oceânicas apresentam três movimentos: ondas, marés e correntes marítimas. Ondas - São movimentos que ocorrem na parte de cima das águas oceânicas. As principais causas são ação do vento, que agita as águas, ou nos abalos sísmicos que ocorrem no fundo do mar. Há três tipos de ondas: - Ondas oscilatórias: são encontradas em alto mar, existe apenas por ação do vento, um movimento circulatório das moléculas de água.- Ondas transladativas: ocorre quando o vento desloca a massa líquida em direção ao litoral, formando as rebentações.- Ondas tsunami: são originados por maremotos, e capazes de criar ondas que se propagam em grande velocidade, são de grande violência. Esse tipo de onda é comum no oceano Pacífico. 
  • 103. Correntes marítimas As correntes marinhas podem ser quentes ou frias, são massas de água que circulam nos oceanos. Correntes quentes: massas de água originadas de áreas da zona intertropical ou zonas tórridas da Terra, essas deslocam com destino às zonas polares. Correntes frias: correntes marítimas com origem nas zonas polares e migram em sentido às regiões equatoriais.As correntes quentes amenizam os climas frios, ao passo que as correntes frias influenciam a formação de desertos, até mesmo em regiões intertropicais. As principais correntes marinhas do mundo são: a corrente do golfo, que se move no sentido sul-norte pela costa oeste dos EUA e depois pela Europa, a corrente do Brasil, que se move no sentido sul-norte pela costa brasileira, a corrente de Humbolt, que se move pelo oceano pacífico e, que está relacionada com o acontecimento do efeito “El-Ninõ”, e a corrente de Bengala, que se move no sentido oeste-leste na direção do Oceano Índico
  • 106. Bacias hidrográficas Corresponde a uma área drenada por um rio principal, seus afluentes e subafluentes que compõem a rede hidrográfica. Os limites entre as bacias ocorrem nas partes mais elevadas do terreno e separam as águas de um território, são chamadas de divisores de água ou interflúvios.Tipos de Drenagem-Exorréicas, quando as águas  drenam direito para o  mar; Endorréicas, quando a águas caem em um lago ou mar fechado; Arréicas, quando as águas se escoam alimentando os lençóis freáticos; Criptorréica, quando o rio se infiltra no solo sem alimentar lençóis freáticos ou evapora;
  • 107. CAP.8: Os domínios Naturais e os SolosUm bioma é um conjunto de tipos de vegetação que abrange grandes áreas contínuas, em escala regional, com flora e fauna similares, definida pelas condições físicas predominantes nas regiões
  • 108. Amazônia Predomínio de floresta latifoliada densa, úmida e pereneClima equatorial, com altas temperaturas, e intensa pluviosidadeSolo arenoso, ácido, frágil e pouco profundoA camada de húmus protege o solo de erosão CaatingaVegetação de xerófilas (rasteira (estepes secas); arbustos espinhosos, quase sem folhas; e cactos.)Clima semi-árido com chuvas escassas e irregularesO solo é raso, pedregoso e alcalino CerradoVegetação de árvores esparsadas, arbustros e gramínias.As árvores possuem casacas grossas, troncos e galhos retorcidos, em virtude das estações secasClima quente com uma estação chuvosa e outra secaSolo ácido, laterizado e pouco fértil 
  • 109. PantanalFormado pela mistura do cerrado e floresta equatorialApresenta terrenos alagadiçosClima tropical úmidoSolos arenosos ou argilosos Mata AtlânticaFloresta densa e úmida com grande biodiversidadeClima quente e úmidoSolos férteis PampaVegetação formada basicamente por gramíneasClima subtropical, com temperaturas amenas e chuvas regularesSolo pobre em nutrientes com acidez excessiva
  • 110. Alguns Domínios Vegetais do BrasilMata de Araucária A Mata de Araucária é um bioma típico de regiões com clima subtropical. No Brasil, ela está presente nos estado de São Paulo e, principalmente, nos estados da Região Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul). Sua vegetação é composta por árvores aciculifoliadas, com folhas em formato de agulha, a espécie predominante é o pinheiro-do-paraná.Mata de Cocais Ocupa uma zona de transição entre a Amazônia e as terras semiáridas do Nordeste, abrangendo porções dos estados do Maranhão, Piauí e Tocantins. Possui solos secos e florestas dominadas por palmeiras. Sua vegetação é formada por palmeiras, como o buriti, oiticica, babaçu e carnaúba.Manguezal Localiza-se em vários pontos da costa brasileira, sendo mais comum onde o mar se encontra com as águas doces dos rios. É caracterizada por ser uma área alagada de fundo lodoso e salobro. Entre os principais animais encontrados no mangue estão o caranguejo e a ostra.
  • 111. Solo: um recurso a ser cuidado O solo é formado por: Intemperismo físico, químico e biológico.  Tipo de solo: Solo Argiloso- Possuí consistência fina e é impermeável a água. Um dos principais tipos de solo argiloso é a terra roxa, encontrada principalmente nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina. Este tipo de solo é bom para a prática da agricultura, principalmente para a cultura de café. Na região litorânea do Nordeste encontramos o massapé, solo de cor escura e também muito fértil.Solo Arenoso- Possui consistência granulosa como a areia. Muito presente na região nordeste do Brasil, sendo permeável à água.Solo Humoso- Presente em territórios com grande concentração de material orgânico em decomposição (húmus). É muito utilizado para a prática da agricultura, pois é extremamente fértil (rico em nutrientes para as plantas).Solo Calcário- É um tipo de solo formado por partículas de rochas. É um solo seco e esquenta muito ao receber os raios solares. Inadequado para a agricultura. Este tipo de solo é muito comum em regiões de deserto.
  • 112. Impactos ambientais no solo Erosão: faz parte do processo natural de desagregação, decomposição, transporte e deposição de rochas e sedimentos, porém, a erosão pode ser induzida ou acelerada pela ação humana sobre a paisagem natural.Consequencias da erosão:- perda de solos férteis- poluição da água e assoreamento dos mananciais provocando a redução de produtividade da água Voçoroca: é causada pela retirada da vegetação e a exposição so solo à ação das chuvas e do vento, promovendo um intenso processo erosivo ocasionando a voçoroca, podendo assim atingir o lençol freático tornando as áreas inúteis para a agricultura. Lixiviação: consiste no empobrecimento da matéria orgânica e mineral por causa do processo de lavagem o solo com a ação das águas da chuva. Laterização: processo de formação de camadas ferruginosas ou aluminosas endurecidas que ocorre na superfície ou um abaixo dela, originando uma crosta denominada canga laterítica, impedindo o desenvolvimento das plantas. Agrotóxicos, pesticidas, chorume e lixo também contribuem para a perda da qualidade e poluição dos solos.