SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal de Santa Catarina
Centro de Ciências da Educação
Departamento de Ciência da Informação
Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação
Mestrado em Ciência da Informação
Disciplina: PCI410008 – Tópicos Especiais: Informação em Acesso Aberto
Professora: Dra. Rosângela Schwarz Rodrigues

Seminário – Aula 3
03 de agosto de 2011
Temática: Comunicação Científica

Patricia da Silva Neubert
Seminário – Aula 3
Temática: Comunicação Científica
Texto:
GUEDON, Jean-Claude. Oldenburg's Long
Shadow: Librarians, Research Scientists,
Publishers, and the Control of Scientific
Publishing. Association of Research Libraries.
2001. Disponível em:
<http://www.arl.org/resources/pubs/mmproceedings/
138guedon.shtml>. Acesso em: 10 de jul. de 2011.

Jean-Claude Guédon
Université de Montréal
Estrutura da Apresentação
Capítulo 1 Introdução

Parte I Como e por que as Revistas Científicas foram criadas?
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual
Capítulo 4 Conclusões Introdutórias (Outra Oxymoron)

Parte II Na Era Gutenberg: As Funções de Revistas Científicas e Artigos Científicos
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências
Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações
Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas

Parte III O advento e implicações das redes e da digitalização
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contrarevolução
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta
Capítulo 1 Introdução
Documentado por bibliotecários

"crise dos preços”

Negado por editoras comerciais

A realidade foi finalmente aceita.
Estabelecida como conhecimento comum.
Principal causa - comportamento dos editores comerciais
Muitos lamentaram a atitude das editoras comerciais, mas pouco foi feito até então.
Capítulo 1 Introdução
Recentemente...

A digitalização
A Internet

Impacto
no sistema de comunicação científica.
É uma mudança profunda que ainda está se desenrolando.

Estão surgindo tentativas de desacelerar, parar e até reverter os
aumentos de preços de assinaturas de periódicos.
Formas alternativas de publicação estão sendo exploradas.
“No vocabulário de Thomas Kuhn, estamos testemunhando uma mudança paradigmática
paradigmática.”

As conseqüências são difíceis de determinar.
Capítulo 1 Introdução
Gradualmente, a questão está começando a ‘vir à tona’
Apesar da evolução positiva, não foram concebidos
contra-estratégias realmente viáveis e eficientes.

Nos últimos 50 anos, os editores conseguiram transformar as
revistas acadêmicas em um empreendimento editorial promissor:
Como eles conseguiram criar taxas de lucro extremamente altas é
uma história que ainda não foi esclarecida.
Qual é a base real por trás dessa capacidade espantosa?
Qual é a fonte de seu poder?
Como pode ser subvertido?
Capítulo 1 Introdução
É preciso adquirir uma imagem do território que estamos
entrando, das forças que estão moldando seus contornos, para
se elaborarem estratégias.
O papel dos bibliotecários nesta ‘empreitada’.

“Vou começar movendo a análise de volta ao ponto quando o sistema de
comunicação científica começaram a surgir, graças à nova forma em que
alguns indivíduos criativos conseguiu aproveitar impressão. Desta forma,
seremos capazes de recuperar alguns dos significados e intenções originais do
próprio sistema, bem como as intenções que presidiram a sua criação. Ambos
os significados e intenções têm-se mantido notavelmente constante ao longo
do tempo, a única diferença entre aquela época e agora é que algumas pessoas
têm encontrado uma forma de enxerto de um novo e eficiente dispositivo de
fazer dinheiro no sistema de comunicação da ciência.”
(GUEDÓN, 2001, tradução nossa)
Capítulo 1 Introdução
Diferença entre o presente e o futuro
Sistema de comunicação

Dispositivo de fazer dinheiro

mudança gradual nas formas de transmissão e acesso ao conhecimento científico.

“Com efeito, esta apresentação pretende saber se os resultados da
investigação fundamental em ciência, tecnologia e medicina, resultados
que claramente diante de um estágio pré-competitivo se visto em
termos comerciais, os resultados que podem até, em alguns casos,
salvar vidas, permanecerá parte do conhecimento comum da
humanidade, ou se eles vão ser gradualmente confiscados em
benefício do menor e menor elites científicas e de negócios.”
(GUEDÓN, 2001, tradução nossa, grifo nosso)
Parte I
Como e por que as Revistas Científicas foram criadas?
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual
Capítulo 4 Conclusões Introdutórias
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
1665 - Henry Oldenburg criou o Philosophical Transactions
(Royal Society de Londres)
Os motivos para a sua fundação não são tão claros (há frequentes confusões entre o
Phil Trans e o Journal des sçavans (França).

Journal des sçavans - jornalismo científico.
Phil Trans - criar um registro público de contribuições originais
ao conhecimento.
“Em outras palavras, a publicação parisiense seguia novidades,
enquanto o jornal de Londres estava ajudando a validar a
originalidade. É aí que reside a diferença (e profunda) significativa
entre os dois periódicos.”
(GUEDÓN, 2001, tradução nossa)
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
Phil Trans e a questão da propriedade intelectual
Ausência de um registro público da propriedade intelectual levava
a táticas estranhas para garantir os direitos de ‘paternidade
intelectual’.
Galileu e a ideia de ‘colocar um rival potencial na desconfortável posição
de testemunha relutante’.

No início do século 17 era difícil afirmar ou provar a propriedade
de idéias ou "propriedade intelectual".

Um registro público das descobertas poderiam ajudar.
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
Phil Trans e a questão da propriedade intelectual
Objetivo – “paternidade científica”
“Em particular, introduziu clareza e transparência no processo de
estabelecimento de reivindicações inovadoras na filosofia natural,
e, como resultado, começou a jogar um papel não muito diferente
de um escritório de patentes de ideias científicas.”

“Ao mesmo tempo, a presença de um registro público das
inovações científicas ajudaria a criar normas internas de
comportamento levando a uma sociedade bem estruturada,
hierárquica.”
Assim emergiu gradualmente um sistema que concedeu vários graus de valor sobre
os filósofos naturais.
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
“Nobreza Intelectual”
uma nobreza concedido pelos seus pares, e não de cima.
"propriedade" atribuída pela coletividade.
A divulgação, assegurou um grau de aplicabilidade universal para a decisão
local: cópias suficientes poderia ser distribuído a instituições relevantes e
significativos o suficiente para validar essa decisão.

Em suma, a República da Ciência reivindicou o direito de conceder
propriedade intelectual científica aos autores e Phil Trans era seu
instrumento de eleição.
A ciência era concebida como uma atividade hierárquica.
uma hierarquia intelectual com base na excelência.
“Justificada pela infeliz, mas inevitável, distribuição desigual de inteligência
entre os humanos.”
Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas
Oldenburg entendia tudo isso, e tinha ambições ainda maiores
para a sua nova revista: torná-la universal (se pudesse atrair a maioria
dos autores significativos da Europa para registrar suas descobertas no Trans
Phil, este se tornaria um momento de definição do movimento científico
europeu).

“As ambições de Oldenburg lançaram uma longa sombra que
chega até o presente.”
Na época de Oldenburg a impressão ainda não tinha bases
econômicas estáveis, da mesma forma como ​os materiais
digitalizados, atualmente. Também existem as questões
relacionadas as definições dos papéis dos atores envolvidos
nestes processos e seus limites.
Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual
As casas impressoras estavam com problemas para proteger o
seu comércio da imitação e da pirataria e necessitavam
estabelecer uma base legal para que as reivindicações de
‘propriedade’ fossem viáveis.
Quando adquiriam um manuscrito, as impressoras adquiriam apenas o papel.
Nada realmente poderia impedir o escritor de enviar uma segunda cópia para
outra impressora. As impressoras queriam uma garantia mais firme do que a
confiança pessoal no autor; Uma solução foi "possuir" o texto, e não apenas o
papel coberto de tinta. A impressora queria a capacidade de reivindicar
direitos de propriedade plena sobre o texto, e queria ter acesso a toda a força
repressiva da lei para impedir a venda repetida do mesmo texto para diferentes
pessoas. Em resumo, queriam ter o texto como se possui bens materiais.
‘A propriedade’ significava a posse exclusiva e perpétua, como a propriedade da terra.
Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual
“A preocupação das impressoras era legítima, mas uma série de
questões espinhosas tinham que ser resolvidas antes que ela
pudesse ser satisfatoriamente abordados.”
Como pode algo imaterial ser propriedade, e muito menos transferidos
ou transacionados?
Curiosamente, a solução estava em inventar o que equivalia a um
paradoxo: o conceito de "propriedade intelectual
propriedade intelectual".
“Através da noção de trabalho, [a obra] poderia estar relacionado a alguém
em particular, ou seja, um "autor", [...] conceder-lhes direito perpétuo e
exclusivo sobre algo que poderia ser transmutado em impressão e vendido
como qualquer outro objeto.”
Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual
Uma inesperada característica: tempo limite para a ‘posse’.
“Isto leva a propriedade intelectual mais perto de um privilégio
real ou uma patente moderna do que a uma forma tradicional de
propriedade.”
“As papelarias foram claramente acumulando muito poder, era,
portanto, tempo para sinalizar a necessidade de alguma
moderação: ela tomou a forma de um limite de tempo sobre
propriedade intelectual!”
Capítulo 4 Conclusões Introdutórias
aparece a face visível de um sistema hierárquico;
o projeto de um periódico científico, longe de principalmente com
o objetivo de disseminar o conhecimento, realmente visa reforçar os
direitos de propriedade sobre idéias; de propriedade intelectual;
os direitos de propriedade limitada, não se originou de um desejo
de proteger o bem público, mas sim da vontade de reafirmar a
autoridade real absoluta e seu direito fundamental à arbitrariedade;

“Em suma, uma boa dose de ironia preside o surgimento de
publicações científicas: todas as justificativas democráticas que
geralmente acompanham as nossas discussões contemporâneas do
direito de autor parecem ter sido o resultado de razões quase
impronunciáveis, é melhor esquecer.”
Capítulo 4 Conclusões Introdutórias
Dois pontos importantes:

1

Equilíbrio entre interesses conflitantes que foi
alcançado com grande dificuldade nunca ficou
completamente imóvel;
Modificações lenta e gradualmente para permanecer
administrável (através de várias alterações adicionadas as leis de
propriedade intelectual);

o que está fundamentalmente em jogo muda muito
pouco ao longo do tempo;
O mesmo se mantém fiel na era digital: os objetivos de
controle não mudam, apenas as ferramentas ou as formas de
fazê-lo.
Capítulo 4 Conclusões Introdutórias
Dois pontos importantes:

2

Os direitos autorais têm sido profundamente
perturbados pela tecnologia;
A tecnologia não funciona em sincronia com a lei, e
ninguém sabe ao certo se os distúrbios são ainda
reversíveis;
DVD
O conceito atual de propriedade intelectual pode ter
que ser cancelado, e talvez, outra ‘coisa’ tenha de ser inventada;

A questão não será resolvida no próximo mês ou no próximo
ano. Depois de Gutenberg, levou-se cerca de dois séculos e meio
para elaborar uma lei de direitos autorais relativamente estável;
correspondentemente, podemos esperar pelo menos várias décadas
de disputas legais para remodelar ou talvez até mesmo desmontar
leis de direitos autorais como as conhecemos.
Parte II
Na Era Gutenberg: As Funções de Revistas
Científicas e Artigos Científicos
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas
conseqüências

Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas
publicações
Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
Cientistas

ser esquizofrênico
como autores

Dr. Jekyll

como leitores

Mr. Hyde

Bibliotecários geralmente atendem Mr. Hyde, especialmente quando reclamam
sobre a anulação de assinaturas.

No geral, Dr. Jekyll é um negócio melhor. No entanto, ele parece
um pouco confuso pelas dimensões econômicas de sua
publicação.
Quando ele publica um artigo em um jornal, Dr. Jekyll é muito atento à sua
visibilidade, sua autoridade, seu prestígio, e ao "fator de impacto", por outro lado ,
Dr. Jekyll faz vista grossa aos custos da revista onde publica, apesar de que seu
lado leitor sofra muito com isso.
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
Cientistas como autores
querem as melhores citações das fontes de maior autoridade
possível (a publicação científica repousa na percepção de uma hierarquia entre as revistas);
monitoram os títulos que considerem fundamentais para a sua
especialidade (verificam o progresso de colegas e concorrentes potenciais);
lida com questões de propriedade intelectual
No laboratório > trabalho de detetive > tricôs sociais
Cientistas tratam artigos de periódicos exatamente como
Oldenburg tinha antecipado, ou seja, como registros de propriedade
intelectual, cujas funções são próximos ao de um registro de
terras. Com efeito, o registro dos títulos de propriedade (artigos) é
que define limites e fronteiras.
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
O periódico
não é apenas o registro público, mas uma ‘marca
marca’.
Ser publicado em uma revista bem conhecida é um pouco como
aparecer na televisão em horário nobre.
Cria visibilidade.
Ser publicado em uma revista bem conhecida é um pouco mais
complexo do que parece:

Significa, ser aceito (às vezes a contragosto) em algum tipo
de espaço intelectual restrito através de um processo de
revisão que garante tanto a pertença a um certo tipo de
clube, uma vez que garante a qualidade de seu trabalho.
Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos
O editor

Papel de "gatekeeper";
Mediadores: devem extrair o joio do trigo;
Guardião do Selo - guardião da verdade e da realidade: o sumo sacerdote;
possui uma densa rede de relações institucionais e individuais;
Contribui para rastrear quem fez o que na ciência;
pode fazer um manuscrito navegar através do processo de revisão com
diferentes graus de facilidade ou dificuldade (escolhendo os avaliadores);

O editor científico também realiza o desejo de Oldenburg para criar um
registro universal da ciência.

O papel de editor concentra uma certa quantidade de poder
institucional e individual. Por estas razões, é altamente cobiçado
e qualquer oportunidade de desempenhar esse papel será
examinada com grande interesse.
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
Grande Depressão > redução de custos
O sonho impossível dos bibliotecários era encontrar uma maneira de
comprar apenas o que era realmente necessário aos usuários.

Lei de Bradford – 1934
“[...] a lei mostra que um certo número de periódicos, num campo determinado
pode ser dividido em três parcelas ou grupos, cada um contendo o mesmo
número de artigos:
i) O primeiro grupo de periódicos constitui o núcleo básico de títulos de
periódicos que contêm artigos de interesse sobre o tema e é formado por um
número relativamente pequeno de títulos de periódicos que reúnem um terço,
aproximadamente, do total de artigos pertinentes contidos no total de periódicos
reunidos;
ii) O segundo grupo contém o mesmo número de artigos distribuído em um
número maior de periódicos;
iii) O terceiro grupo contém o mesmo número de artigos interessantes que a que
os precedentes, mas um número bem maior de títulos de periódicos.”
(ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.207)
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
Grande Depressão > redução de custos
O sonho impossível dos bibliotecários era encontrar uma maneira de
comprar apenas o que era realmente necessário aos usuários.

Lei de Bradford – 1934
“[...] a lei mostra que um certo número de periódicos, num campo determinado
pode ser dividido em três parcelas ou grupos, cada um contendo o mesmo
“Bradford formulou a lei após estudo
número de artigos:
detalhado de uma bibliografia sobre geofísica
i) O primeiro grupo de periódicos constitui o núcleo básico de títulos de
que reunia 326 títulos tema e é formado área, e
periódicos que contêm artigos de interesse sobre o de periódicos da por um
encontrou que periódicos que reúnem
número relativamente pequeno de títulos deos 9 periódicos mais um terço,
aproximadamente, do total produtivos em artigos interessantes continham
de artigos pertinentes contidos no total de periódicos
reunidos;
429 artigos interessantes, 59 títulos continham
ii) O segundo grupo contém o mesmo número de artigos 258 periódicos
499 artigos interessantes, e distribuído em um
número maior de periódicos;
continham 404 artigos interessantes.”
iii) O terceiro grupo contém o mesmo número de artigos interessantes 2010, p.207)
(ROBREDO; VILAN FILHO, que a que
os precedentes, mas um número bem maior de títulos de periódicos.”
(ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.207)
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
Com a Lei de Bradford pode-se de fato diminuir o custo das
assinaturas de periódicos, identificando as "publicações core"
para cada especialidade.
Segunda Guerra Mundial > reflexões sobre os sistemas de informação
Estados Unidos – 1948, artigo de Vannevar Bush
inspirou
o desenvolvimento do hipertexto, em particular no trabalho de
Ted Nelson e Doug Englebart;
o pensamento de Eugene Garfield (via no sistema de citações
de artigos científicos a base para uma gigantesca teia de
conhecimentos)
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
A ligação de todos os artigos da literatura científica mundial
nunca poderia ter sido implementada, se não fosse a existência
das leis de Bradford e de Lotka.
“Nas análises baseadas na lei de Lotka, as fontes são os autores e os itens os
documentos produzidos por eles. A lei utilizada para identificar os autores mais
prolíficos dentro de uma área [...]”
(ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.210)

Juntas, ajudam a tornar administráveis o rastreamento de citações.

O que Garfield fez foi a junção de todo o conjunto de ‘núcleos’ de
especialidade em um "núcleo científico" grande e ele usou esse conjunto
de títulos de revistas como a base Science Citation Index (SCI).
O número de revistas do núcleo, embora cresça gradualmente, foi confinada a
uns poucos milhares de títulos, uma pequena fração de todos os periódicos
científicos publicados no mundo.
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
Núcleo de periódicos > Núcleo científico
ISI começou a publicar o FI das revistas do SCI - classificando as
revistas uma contra a outra, de forma unificada.

SCI - ferramenta de gestão de carreira - As instituições usam o FI
dos periódicos, aplicado ao desempenho dos cientistas.
O FI mantém todos hipnotizados em títulos de revistas e relega os
artigos para segundo plano - o interesse de editoras comerciais é empurrar
títulos de periódicos e não artigos individuais

Com revistas núcleo identificados e classificados de acordo
com seu FI, os cientistas têm pouca escolha para publicar – tem de
buscar visibilidade, prestígio, autoridade (e classificação institucional melhorada).
Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de
suas conseqüências
Com efeito, os vencedores da lei de Lotka estão correndo para
publicar nas revistas interessantes como identificado por uma
combinação de lei de Bradford e dos FI’s. E a importância relativa
de títulos de periódicos, em comparação com artigos, cresce
ainda mais.
ISI construiu um espaço entre excelência e elitismo.

A transformação de uma busca da excelência em uma corrida
para o status elitista traz implicações importantes para qualquer
biblioteca de pesquisa : uma vez em destaque, uma publicação
torna-se indispensável. Deve ser adquirido a qualquer custo.
Esta foi uma fase crucial na transformação da publicação científica
e também está no cerne da crise de preços dos periódicos.
Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado
das novas publicações
Por longo tempo, a publicação científica permaneceu em grande
parte nas mãos de sociedades científicas e instituições similares.
Problemas na periodicidade e a censura em algumas áreas deu a
editoras comerciais a oportunidade de entrar neste setor de atividade.

Naquela época, periódicos científicos raramente eram lucrativos,
mas sua impressão poderia trazer algum prestígio; mais importante,
garantia contatos com autores que poderiam querer escrever livros e
manuais – estes sim rentáveis.
Até bem depois da Segunda Guerra Mundial, editoras comerciais
permaneceram nesta área como um negócio secundário.

Com o SCI a situação mudou rapidamente. As possibilidades
econômicas associadas ao “núcleo de periódicos" tornou-se ainda
mais evidente quando, o tamanho e o número de bibliotecas
também cresceu.
Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado
das novas publicações
A crise de preços

Periódicos do núcleo rapidamente tornaram-se alvo de interesses
corporativos a partir do final dos anos 70. Várias editoras
incansavelmente tentaram colocar suas mãos nos títulos através de
uma variedade de meios: aquisição direta, venda de serviços de
publicação e, claro, uma série de espetaculares fusões ou aquisições.
arbitrariedade total dos preços das revistas científicas, ou seja, seu
desligamento completo dos custos de produção reais.
consequências financeiras nas bibliotecas.

elitismo científico articulado com o elitismo financeiro
instituições mais pobres em alguns países ricos e todas as
instituições nos países pobres têm sofrido enormemente com à
invenção revolucionária do núcleo de periódicos.
Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado
das novas publicações
Novos periódicos

Necessário apoio sério, tanto intelectual quanto financeiro;
O apoio financeiro deve ser assegurado por tempo suficiente, se o
objetivo é trazer a nova revista até o status de “núcleo”;
Dificuldade para manter o periódico; instituições podem fazer
parceria com as editoras (mantêm o controle editorial e os custos ficam a cargo da
editora) = velha síndrome esquizofrênica;
Uma editora pode investir em um novo empreendimento, ajudar a trazêlo ao status de núcleo e, em seguida, embolsar o lucro.
A aliança entre cientistas e editoras comerciais, gera uma situação
de ganha-ganha para os dois parceiros.
São esquecidos: as bibliotecas, as instituições, como universidades
ou centros de pesquisa, e os governos que financiam os periódicos.
Todos vêem os seus orçamentos fluindo para os bolsos dos grandes editoras.
Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas
Bibliotecas foram as primeiras a sentir o aperto financeiro do
novo plano de negócios aplicado aos periódicos acadêmicos.
Reação
enfrentar os grandes editoras comerciais.
restabelecer a concorrência

SPARC
Os aumentos excessivos de custo de revistas são possibilitados por uma
situação de quase monopólio, então, a concorrência deve ser reintroduzido e
reforçado. A solução, portanto, requer a criação ou apoio a revistas que irão
competir de igual para igual com as revistas das grandes editoras comerciais.
O objetivo é competir com sucesso para os melhores artigos dos melhores
cientistas e fornecê-los ao melhor preço possível.

Se os cientistas perceberem que grandes editoras não são invencíveis e
que, sua influência sobre a ciência não é universalmente positiva, então
um movimento muito forte pode começar a ganhar impulso.
Parte III
O advento e implicações das redes e da digitalização
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Capítulo 10 A questão da propriedade intelectual
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos

Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Imediatamente, o desenvolvimento da publicação eletrônica
gerou uma série de interrogatórios.

Editoras comerciais - suas fontes de lucro e sua sobrevivência
estavam em jogo?
Bibliotecários - interesse em publicação eletrônica, pois estavam
procurando maneiras de escapar ao estrangulamento das
editoras.
Cientistas - em grande parte indiferente; uma pequena minoria
desempenharam papéis influentes no desenvolvimento concreto
de publicações eletrônicas.
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Cientistas como autores
a publicação digital não alterou muito a sua situação;
submissão de artigos eletronicamente (economiza tempo,
despesas postais e um envelope pardo);
fundamentalmente, os cientistas-como-autores ainda tem de
lidar com periódicos, editores e o processo de revisão por pares;
atrasos não foram encurtadas de forma significativa;
na maioria dos casos, a versão em papel ainda estava
disponível;
Artigos científicos permanecem exatamente como têm sido durante
vários séculos, um conjunto baseado em texto, diagramas e ilustrações.
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Cientistas como leitores
Percepção rápida das vantagens:
fácil recuperação de informações;
estratégias de busca baseadas em texto completo;
cópia e transmissão de um documento digitalizado mais fácil,
barato, e rápido;
acesso imediato;
a pesquisa bibliográfica se tornou mais fácil e eficiente.
Estas vantagens são percebidas como um progresso real.
Editoras oferecem periodicamente a bibliotecas acesso temporário ‘free trial’
para seus periódicos. Elas sabem que uma breve exposição leva a pressão
para manter o serviço.
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Periódicos eletrônicos - sob a ótica dos cientistas
cientistas e estudiosos – as primeiras experiências;
a crise de preços era uma questão secundária;
possibilidades melhoradas de publicação para o sistema de
comunicação científica;
Seus motivos:
1. A publicação eletrônica pode ajudar a reduzir os atrasos;
2. Os custos de publicação podem ser significativamente diminuídos;
3. A possibilidade (e viabilidade) de revistas livre foi também
freqüentemente mencionados (e tão freqüentemente atacado), mas a
presença de um conjunto significativo (e crescente) de revistas
eletrônicas livres gradualmente demonstrou a realidade;
4. Os custos de arranque das revistas eram muito baixos, permitindo o
lançamento de muitos novos periódicos.
Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da
indiferença ao envolvimento ativo
Em suma, no início iniciativas publicação eletrônica deu origem a
uma variedade de tensões. Em particular, eles foram rapidamente
percebidas como potencialmente ameaçadoras à recente, mas
altamente rentável, a revolução plano de negócios baseado em
"revistas núcleo".
Grandes editoras comerciais perceberam que tinham melhor
estudar a situação de perto, e estar pronto para rever suas
estratégias de negócios em conformidade.
Retrospectivamente, o ano de 1991 aparece o emblema da nova
era: ele testemunhou o surgimento de dois cenários de
publicação eletrônica: o projeto TULIP, e o servidor preprint do Los
Alamos National Laboratory.
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
março 1991 - Projeto TULIP (Elsevier)
lança uma luz sobre as preocupações da indústria editorial;
Tecnologia moldada para as questões de rentabilidade e controle;
Experiência notável pelas seguintes razões:
1. Foi concebido como um sistema de licenciamento (inspirado pela
indústria de software)
2. baseado na distribuição de mídia digital física para cada site
participante (servidores locais).
3. Os 42 periódicos que foram incluídos na coleção piloto foram entregues
como imagens de página no formato TIFF ( o papel eletrônico, que
protegia a integridade dos documentos).
4. Imprimir as imagens era lento, dado o tamanho dos arquivos e a
memória das impressoras (proteção da cópia).
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
Conseqüências:
Bibliotecas
papel passivo de "bombas de conhecimento"; colocado na posição de
restringir o acesso a um espaço privatizado.
Aprender a negociar contratos de licenciamento > o paraíso de um
advogado e um inferno bibliotecário.

os papéis de organização foram confiscados.

licenciamento > contra-revolução na economia política dos documentos:
permite trazer de volta todos os discutíveis (a partir da perspectiva dos
editores) ponto de leis de direitos autorais à mesa de negociações.
contratos de licenciamento não questionam a legitimidade de
propriedade intelectual.
Em suma, permite o ajuste do relógio para trás várias décadas.
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
Consórcios
permitem um certo grau de compartilhamento;
em virtude dos gastos coletivos, conseguem reabrir um espaço para
as negociações
o benefício ais positivo dos consórcios é que tem estimulado o
diálogo e a colaboração entre bibliotecas.
De repente, com o advento dos consórcios, as bibliotecas tiveram de
reconhecer que as colaborações tinham que ir um pouco além de
empréstimo entre bibliotecas, que as redes estavam se tornando
rapidamente a chave para compreender o paradigma emergente, pois
eles começaram a examinar a si próprios como elementos aberto
dentro de um sistema de inteligência distribuída.
Exemplo do projeto canadense CNSLP
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
Elsevier - reação às estratégias de consórcio
oportunidade de um “Grande Negócio”
negociação da Elsevier:
“[...] se você nos der a oportunidade de aumentar nossa receita em 50%,
multiplicamos o seu acesso por quatro. Novamente, tenha em mente que o
que importa aqui é a desconexão entre o aumento do preço e o aumento no
número de títulos”.
com o passar do tempo, as “flutuações da moeda“ e o aumento dos
custos de produção, a Elsevier ainda pode oferecer o “Grande
Negócio”, porém com aumento do preço;
Claro, se não for possível pagar pelo “Grande Negócio”, pode-se
retornar ao acordo parcial anterior.
Obviamente, há pouca escolha.
O sistema de preços age como um dispositivo de catraca, que nunca pode ser
revertido e até mesmo mantê-lo na mesma posição é problemático.
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
Competição entre editoras para atrair os vencedores da corrida
de Lotka, os Einsteins do mundo científico, e para criar
visibilidade para seu periódico.
"Grandes Negócios"
forçam o cancelamento de acesso a títulos de outras editoras;
criam uma ‘paisagem acadêmica distorcida’ em relação aos
‘periódicos do núcleo’.

Bomba de qualidade
Se o número de artigos da Elsevier disponíveis é maior em
comparação aos artigos de outras editoras, é óbvio que estes artigos
serão mais citados, consequentemente o fator de impacto dos
periódicos mais citados aumenta. Como conseqüência, esses jornais
começam a atrair mais autores, em seguida, com uma maior escolha
de autores, a qualidade deve subir.
Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar
a Revolução Digital para uma contra-revolução
Estratégia da Elsevier
visa diretamente engolir os editores concorrentes;
reforçar seu domínio sobre o conjunto central do conhecimento
científico.

Em outras palavras, e de um só golpe, Elsevier bloqueia a
bibliotecas em (efeito catraca) e começa a minar os fatores de
impacto de publicações que vem de outras editoras.
Não são "grandes negócios" a causa do astigmatismo informativos, por
assim dizer?
caminho do monopólio

panóptico
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
Comunicação formal e informal – tecnologia
1991 - Paul Ginsparg (físico) - servidor para arquivamento de
preprints
Dois pontos devem ser observados:
O ato de publicação é totalmente entrelaçada com o desejo
de se comunicar, e vice-versa;
O destino da idéia publicada depende estritamente do modo
como está sendo recebido.
Estas formas de colaboração vão um pouco além da ideia de
Oldenburg de um registro público de idéias, de modo a proteger a
propriedade intelectual e, simultaneamente, elas garantem a rápida
evolução da conhecimento científico.
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
Similar as iniciativas de software livre
“A idéia é fazer com que o resultado seja verificado por outros. Lá, é
esquecida ou melhorado por outra pessoa. E assim por diante.Toda a
dinâmica criativa e produtiva se baseia na busca de visibilidade
pública, fama e autoridade, exatamente como na ciência ou de
reconhecimento de capital simbólico, ao invés de dinheiro vivo [...].”
Iniciativas semelhantes começaram a surgir...
....o Movimento começou uma Crescer e Expandir....
.... Em outubro de 1999 - Convenção de Santa Fé:
Open Archives Initiative
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
Projeto de Ginsparg – foco sobre a comunicação simples, rápida e
eficiente de trabalhos científicos:
1. Revistas são bastante inadequadas quando se trata de
comunicação rápida e eficiente, pois são muito melhores em
validar e avaliar o valor relativo dos autores, e são adequados
para preservar a memória da ciência no longo prazo.
2. Servidor Ginsparg também mostrou que a comunicação
rápida de novos documentos, a validação de ideias e o tempo
longo de arquivamento de artigos não precisam descansar em
uma única ferramenta, objeto ou processo.
3. Curto e longo prazo da memória científica realmente se
baseia em artigos, nomes de autores e palavras-chave;
revistas são de importância secundária a este respeito.
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
distinção entre o artigo e o periódico
artigo público – questão intelectual
periódico – gestão de carreira
o ato de publicar poderia facilmente e com segurança ser
dissociado da avaliação

No mundo digital, o processo de seleção funciona de forma
diferente. Ela permite a publicação a preços muito mais baixos e
com muito mais flexibilidade para adicionar, remover e corrigir, se
algum erro ocorrer.
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
A resposta comercial para a iniciativa Ginsparg não demorou a chegar:
BioMedCentral, HighWire Press, Bepress e BioOne

agosto de 2000- "Server Preprint Chemical" (CPS) – Elsevier

Razões possíveis:
1.
2.
3.

não há melhor maneira de entender um movimento potencialmente ameaçador
do que ser parte dele;
Elsevier não é que uma editora forte em química - boa maneira de testar as
águas;
Elsevier está testando maneiras de reconstruir um controle firme sobre o
processo de avaliação da ciência no contexto digital

Elsevier sabe que, com a publicação acadêmica, ela está envolvida
na avaliação de desempenho dos cientistas, e que seu plano de
negócios se baseia em alguma forma fundamental sobre o
controle de grande parte dessa atividade.
Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos
subversivos
PubScience
“é fácil imaginar como um sistema de arquivos abertos, com
ferramentas de colheita unificada e ligações citação construída de
uma forma distribuída, pode ameaçar vastos interesses comerciais.
Se imaginarmos que uma fração significativa do conhecimento
científico deve circular através de arquivos abertos estruturada no
espírito OAI, é fácil ver que as ferramentas para avaliar todos os
tipos de dimensões da vida científica também pode ser projetado
e testado. Estas ferramentas podem ser concebida como bem
público, por uma combinação de especialistas em cientometria e
bibliometria- um resultado ideal, na minha opinião. Isso equivaleria
a criar um espaço aberto panóptico - um projeto maravilhoso
para bibliotecários”.
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta
modesta
A Sombra de Oldenburg estende-se até mesmo, a partir da
intenção original para simplificar a gestão da propriedade
intelectual científica para a possibilidade posterior de avaliação
do desempenho dos cientistas.
Grande parte da estrutura de poder da ciência repousa sobre uma
dupla preocupação: registro público e hierarquia.
A Visão de Oldenburg muito bem articulada com a noção de
excelência científica,
evoluiu gradualmente para integrar
elementos elitista também. Mais recentemente, a unificação e
materialização da noção de "revistas de núcleo", o elitismo da
ciência começou a fundir-se com o elitismo econômico.
Em seguida, começou a primeira revolução na economia de revistas
científicas: "crise de preços de série”.
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta
modesta
O advento das redes, em particular a Internet, e o surgimento de
publicações digitalizadas levou a uma variedade de estratégias de
publicação.
1. a reformulação das vendas reais em licenças foi totalmente
subvertido as formas tradicionais de negócios em que tal era
conduzida antes do surgimento de uma sociedade digitalizada
(contra-revolução). Bibliotecas em particular, têm visto o seu ser
e até mesmo suas almas ameaçadas por estes desenvolvimentos.
2. A segunda tendência importante a emergir da era digital é o
crescimento das iniciativas de arquivos abertos.
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta
modesta
Bibliotecários devem desenvolver estratégias no sentido de manter o
conhecimento comum aberto.
Apoio a OAI pelas seguintes razões:
única alternativa para apresentar publicações sem as penalizações
econômicos;
única alternativa que tem a chance de resistir à concorrência das grandes
editoras sobre o médio e longo prazo;
única maneira de bibliotecários recuperarem a responsabilidade sobre
preocupações tradicionais, e de envolver-se com a elaboração de várias
ferramentas que agregam valores a toda a coleção de artigos científicos
única maneira de garantir que os efeitos poderosos do panóptico não vão
ser privados
bom modo para desenvolver novos e positivos relacionamentos com os
cientistas.
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta
modesta
O Science Citation Index continua a ser uma ferramenta
maravilhosa, apesar de todos os males que tem gerado
inadvertidamente, mas continua a ser um pouco arbitrária e de
âmbito limitado. Na verdade, ele se beneficia muito de suas limitações
para vender uma ideia de revistas do núcleo que realmente não faz
nenhum sentido real, exceto como uma solução pragmática para a
pergunta: como é que podemos traçar citações praticamente
dentro de uma fração significativa de publicações científicas do
mundo. No entanto, com um princípio bem concebido de inteligência
distribuída, com a ajuda de cientistas e do auto-arquivamento de seu
trabalho, com a ajuda também de seleções que não descansam sobre a
reputação antes de uma marca, mas a qualidade real de cada trabalho
selecionado, os bibliotecários têm a chave para o desenvolvimento de um
mapeamento, total global da ciência.
Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta
modesta
Terceiro Mundo - apartheid cognitivo
"crise de preços de série" afeta 70% da humanidade

OAI – acesso livre – informações públicas
Terceiro Mundo teria acesso ao patrimônio de informação da humanidade

“No final, o acesso a grandes corporações de textos, dispostas
em arquivos abertos, e com ligações cruzadas de várias formas,
nomeadamente através de suas citações, abrirá o caminho para
muitas formas diferentes e úteis de avaliação. Também ajudará a
monitorização das áreas de crescimento fundamentais da ciência
ao colocar este trecho de coleta de informações para a esfera
pública, onde, ou seja, à disposição de todos. Seria parte da infraestrutura pública, por assim dizer.”
Bibliografia complementar
Panóptico
BAUMAN, Zygmund. Guerras espaciais: informe de carreira. In: ______.
Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar Ed.,
1999. cap. 2. p. 34-62

Leis de Bradford e Lei de Lotka
ROBREDO, Jaime; VILAN FILHO, Jayme Leiro. Metrias da Informação: História
e Tendências. In: ROBREDO, Jaime; BRÄSCHER, Marisa (Orgs.). Passeios no
Bosque da Informação: Estudos sobre Representação e Organização da
Informação e do Conhecimento. Brasília: IBICT, 2010. 335 p. Capítulo 10, p.
185-253. Disponível em: <http://www.ibict.br/publicacoes/eroic.pdf>. Acesso
em 10 de jun. 2011.
Obrigada!
Patricia Neubert
patyneubert@hotmail.com
Bolsista Capes

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da
Universidade Federal de Santa Catarina

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Seminário paty aula 6
Seminário paty aula 6Seminário paty aula 6
Seminário paty aula 6
Patricia Neubert
 
Tutorial 11 ferramentas de leitura
Tutorial 11 ferramentas de leituraTutorial 11 ferramentas de leitura
Tutorial 11 ferramentas de leitura
Patricia Neubert
 
Tutorial 10 expediente
Tutorial 10 expedienteTutorial 10 expediente
Tutorial 10 expediente
Patricia Neubert
 
Tutorial 15 estatísticas
Tutorial 15 estatísticasTutorial 15 estatísticas
Tutorial 15 estatísticas
Patricia Neubert
 
Tutorial 8 editor aceite de submissões
Tutorial 8 editor aceite de submissõesTutorial 8 editor aceite de submissões
Tutorial 8 editor aceite de submissões
Patricia Neubert
 
Tutorial 1 cadastro
Tutorial 1 cadastroTutorial 1 cadastro
Tutorial 1 cadastro
Patricia Neubert
 
Tutorial 12 incluir seções
Tutorial 12 incluir seçõesTutorial 12 incluir seções
Tutorial 12 incluir seções
Patricia Neubert
 
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Patricia Neubert
 
Apresentação defesa
Apresentação defesaApresentação defesa
Apresentação defesa
Patricia Neubert
 
Seminário paty aula 9 04-05-2011
Seminário paty aula 9 04-05-2011Seminário paty aula 9 04-05-2011
Seminário paty aula 9 04-05-2011
Patricia Neubert
 
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhesTutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
Patricia Neubert
 

Destaque (11)

Seminário paty aula 6
Seminário paty aula 6Seminário paty aula 6
Seminário paty aula 6
 
Tutorial 11 ferramentas de leitura
Tutorial 11 ferramentas de leituraTutorial 11 ferramentas de leitura
Tutorial 11 ferramentas de leitura
 
Tutorial 10 expediente
Tutorial 10 expedienteTutorial 10 expediente
Tutorial 10 expediente
 
Tutorial 15 estatísticas
Tutorial 15 estatísticasTutorial 15 estatísticas
Tutorial 15 estatísticas
 
Tutorial 8 editor aceite de submissões
Tutorial 8 editor aceite de submissõesTutorial 8 editor aceite de submissões
Tutorial 8 editor aceite de submissões
 
Tutorial 1 cadastro
Tutorial 1 cadastroTutorial 1 cadastro
Tutorial 1 cadastro
 
Tutorial 12 incluir seções
Tutorial 12 incluir seçõesTutorial 12 incluir seções
Tutorial 12 incluir seções
 
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
Seminário paty joana aula 12-25-05-2011
 
Apresentação defesa
Apresentação defesaApresentação defesa
Apresentação defesa
 
Seminário paty aula 9 04-05-2011
Seminário paty aula 9 04-05-2011Seminário paty aula 9 04-05-2011
Seminário paty aula 9 04-05-2011
 
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhesTutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
Tutorial 2 configuração da revista 1.detalhes
 

Semelhante a Seminário paty aula 3

A comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. MeadowsA comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. Meadows
Jorge Prado
 
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
FAAT - Faculdades Atibaia
 
seminarioprofluciana
seminarioproflucianaseminarioprofluciana
seminarioprofluciana
Alinebataglia
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no Brasil
Fernadmini
 
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivoA ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
Andre Malverdes
 
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivoA ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
Andre Malverdes
 
Divulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadaniaDivulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadania
Yurij Castelfranchi
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
alemisturini
 
Tudo é obvio Duncan j. watts
Tudo é obvio   Duncan j. wattsTudo é obvio   Duncan j. watts
Tudo é obvio Duncan j. watts
Valber Teixeira
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
alemisturini
 
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
bpierro
 
Biblioteconomia Documentacao Informacao
Biblioteconomia Documentacao InformacaoBiblioteconomia Documentacao Informacao
Biblioteconomia Documentacao Informacao
Bruno Nathansohn
 
39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)
Laryssa Grimm Martins
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
Cleberson Moura
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
MARISE VON FRUHAUF HUBLARD
 
Cienncia da informaçao.pdf
Cienncia da informaçao.pdfCienncia da informaçao.pdf
Cienncia da informaçao.pdf
AdrianaCosta215
 
Trabalho de Metodologia
Trabalho de MetodologiaTrabalho de Metodologia
Trabalho de Metodologia
Jose Xavier Neto
 
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e AcessoGoogle Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
josemurilo
 
Idade moderna3 26
Idade moderna3 26Idade moderna3 26
Idade moderna3 26
Alexandre Misturini
 

Semelhante a Seminário paty aula 3 (20)

A comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. MeadowsA comunicação científica, de A. J. Meadows
A comunicação científica, de A. J. Meadows
 
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
O desafio de abrir a caixa preta nem sempre acontece abcj07
 
seminarioprofluciana
seminarioproflucianaseminarioprofluciana
seminarioprofluciana
 
Ciência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no BrasilCiência da Informação no Brasil
Ciência da Informação no Brasil
 
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivoA ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
 
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivoA ci e a teoria do conhecimento objetivo
A ci e a teoria do conhecimento objetivo
 
Divulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadaniaDivulgação científica e cidadania
Divulgação científica e cidadania
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
Tudo é obvio Duncan j. watts
Tudo é obvio   Duncan j. wattsTudo é obvio   Duncan j. watts
Tudo é obvio Duncan j. watts
 
Café filosofico2 .doc
Café filosofico2 .docCafé filosofico2 .doc
Café filosofico2 .doc
 
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
O conceito de proliferação, os blogs de ciência e a colaboração no jornalismo...
 
Biblioteconomia Documentacao Informacao
Biblioteconomia Documentacao InformacaoBiblioteconomia Documentacao Informacao
Biblioteconomia Documentacao Informacao
 
39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)39 319-1-pb (1)
39 319-1-pb (1)
 
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da SilvaO que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
O que é divulgação científica? - Henrique César da Silva
 
A atitude científica
A atitude científicaA atitude científica
A atitude científica
 
Cienncia da informaçao.pdf
Cienncia da informaçao.pdfCienncia da informaçao.pdf
Cienncia da informaçao.pdf
 
Trabalho de Metodologia
Trabalho de MetodologiaTrabalho de Metodologia
Trabalho de Metodologia
 
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e AcessoGoogle Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
Google Books Search: Bibliotecas Digitais, Obras Órfãs e Acesso
 
Idade moderna3 26
Idade moderna3 26Idade moderna3 26
Idade moderna3 26
 
 

Mais de Patricia Neubert

Tutorial 7 autor submissões
Tutorial 7 autor submissõesTutorial 7 autor submissões
Tutorial 7 autor submissões
Patricia Neubert
 
Tutorial 6 configuração da revista 5.visual
Tutorial 6 configuração da revista 5.visualTutorial 6 configuração da revista 5.visual
Tutorial 6 configuração da revista 5.visual
Patricia Neubert
 
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revistaTutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
Patricia Neubert
 
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissão
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissãoTutorial 4 configuração da revista 3.submissão
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissão
Patricia Neubert
 
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
Patricia Neubert
 
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Patricia Neubert
 
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
Patricia Neubert
 
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
Patricia Neubert
 
Apresentação bioestatística
Apresentação bioestatísticaApresentação bioestatística
Apresentação bioestatística
Patricia Neubert
 
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
Patricia Neubert
 
Apresentação angel
Apresentação angelApresentação angel
Apresentação angel
Patricia Neubert
 
Apresentação artigo pci3101
Apresentação artigo pci3101Apresentação artigo pci3101
Apresentação artigo pci3101
Patricia Neubert
 
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Patricia Neubert
 
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
Patricia Neubert
 
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNciaApresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
Patricia Neubert
 

Mais de Patricia Neubert (15)

Tutorial 7 autor submissões
Tutorial 7 autor submissõesTutorial 7 autor submissões
Tutorial 7 autor submissões
 
Tutorial 6 configuração da revista 5.visual
Tutorial 6 configuração da revista 5.visualTutorial 6 configuração da revista 5.visual
Tutorial 6 configuração da revista 5.visual
 
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revistaTutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
Tutorial 5 configuração da revista 4.administração da revista
 
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissão
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissãoTutorial 4 configuração da revista 3.submissão
Tutorial 4 configuração da revista 3.submissão
 
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário aula 2_13 de outubro de 2011
 
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
 
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
Enancib slides rodrigues, neubert, 2011
 
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
Confoa slides rodrigues, neubert, goulart 2011
 
Apresentação bioestatística
Apresentação bioestatísticaApresentação bioestatística
Apresentação bioestatística
 
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
Pci 410013 seminário periódicos_aula 2_13 de outubro de 2011
 
Apresentação angel
Apresentação angelApresentação angel
Apresentação angel
 
Apresentação artigo pci3101
Apresentação artigo pci3101Apresentação artigo pci3101
Apresentação artigo pci3101
 
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
Apresentação do TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de ...
 
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
TCC: FERRAMENTAS COLABORATIVAS DA WEB 2.0: uso por alunos de pós-graduação em...
 
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNciaApresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
Apresentação Grogan: Entrevista De ReferêNcia
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 

Seminário paty aula 3

  • 1. Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Departamento de Ciência da Informação Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação Mestrado em Ciência da Informação Disciplina: PCI410008 – Tópicos Especiais: Informação em Acesso Aberto Professora: Dra. Rosângela Schwarz Rodrigues Seminário – Aula 3 03 de agosto de 2011 Temática: Comunicação Científica Patricia da Silva Neubert
  • 2. Seminário – Aula 3 Temática: Comunicação Científica Texto: GUEDON, Jean-Claude. Oldenburg's Long Shadow: Librarians, Research Scientists, Publishers, and the Control of Scientific Publishing. Association of Research Libraries. 2001. Disponível em: <http://www.arl.org/resources/pubs/mmproceedings/ 138guedon.shtml>. Acesso em: 10 de jul. de 2011. Jean-Claude Guédon Université de Montréal
  • 3. Estrutura da Apresentação Capítulo 1 Introdução Parte I Como e por que as Revistas Científicas foram criadas? Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual Capítulo 4 Conclusões Introdutórias (Outra Oxymoron) Parte II Na Era Gutenberg: As Funções de Revistas Científicas e Artigos Científicos Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas Parte III O advento e implicações das redes e da digitalização Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contrarevolução Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta
  • 4. Capítulo 1 Introdução Documentado por bibliotecários "crise dos preços” Negado por editoras comerciais A realidade foi finalmente aceita. Estabelecida como conhecimento comum. Principal causa - comportamento dos editores comerciais Muitos lamentaram a atitude das editoras comerciais, mas pouco foi feito até então.
  • 5. Capítulo 1 Introdução Recentemente... A digitalização A Internet Impacto no sistema de comunicação científica. É uma mudança profunda que ainda está se desenrolando. Estão surgindo tentativas de desacelerar, parar e até reverter os aumentos de preços de assinaturas de periódicos. Formas alternativas de publicação estão sendo exploradas. “No vocabulário de Thomas Kuhn, estamos testemunhando uma mudança paradigmática paradigmática.” As conseqüências são difíceis de determinar.
  • 6. Capítulo 1 Introdução Gradualmente, a questão está começando a ‘vir à tona’ Apesar da evolução positiva, não foram concebidos contra-estratégias realmente viáveis e eficientes. Nos últimos 50 anos, os editores conseguiram transformar as revistas acadêmicas em um empreendimento editorial promissor: Como eles conseguiram criar taxas de lucro extremamente altas é uma história que ainda não foi esclarecida. Qual é a base real por trás dessa capacidade espantosa? Qual é a fonte de seu poder? Como pode ser subvertido?
  • 7. Capítulo 1 Introdução É preciso adquirir uma imagem do território que estamos entrando, das forças que estão moldando seus contornos, para se elaborarem estratégias. O papel dos bibliotecários nesta ‘empreitada’. “Vou começar movendo a análise de volta ao ponto quando o sistema de comunicação científica começaram a surgir, graças à nova forma em que alguns indivíduos criativos conseguiu aproveitar impressão. Desta forma, seremos capazes de recuperar alguns dos significados e intenções originais do próprio sistema, bem como as intenções que presidiram a sua criação. Ambos os significados e intenções têm-se mantido notavelmente constante ao longo do tempo, a única diferença entre aquela época e agora é que algumas pessoas têm encontrado uma forma de enxerto de um novo e eficiente dispositivo de fazer dinheiro no sistema de comunicação da ciência.” (GUEDÓN, 2001, tradução nossa)
  • 8. Capítulo 1 Introdução Diferença entre o presente e o futuro Sistema de comunicação Dispositivo de fazer dinheiro mudança gradual nas formas de transmissão e acesso ao conhecimento científico. “Com efeito, esta apresentação pretende saber se os resultados da investigação fundamental em ciência, tecnologia e medicina, resultados que claramente diante de um estágio pré-competitivo se visto em termos comerciais, os resultados que podem até, em alguns casos, salvar vidas, permanecerá parte do conhecimento comum da humanidade, ou se eles vão ser gradualmente confiscados em benefício do menor e menor elites científicas e de negócios.” (GUEDÓN, 2001, tradução nossa, grifo nosso)
  • 9. Parte I Como e por que as Revistas Científicas foram criadas? Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual Capítulo 4 Conclusões Introdutórias
  • 10. Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas 1665 - Henry Oldenburg criou o Philosophical Transactions (Royal Society de Londres) Os motivos para a sua fundação não são tão claros (há frequentes confusões entre o Phil Trans e o Journal des sçavans (França). Journal des sçavans - jornalismo científico. Phil Trans - criar um registro público de contribuições originais ao conhecimento. “Em outras palavras, a publicação parisiense seguia novidades, enquanto o jornal de Londres estava ajudando a validar a originalidade. É aí que reside a diferença (e profunda) significativa entre os dois periódicos.” (GUEDÓN, 2001, tradução nossa)
  • 11. Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas Phil Trans e a questão da propriedade intelectual Ausência de um registro público da propriedade intelectual levava a táticas estranhas para garantir os direitos de ‘paternidade intelectual’. Galileu e a ideia de ‘colocar um rival potencial na desconfortável posição de testemunha relutante’. No início do século 17 era difícil afirmar ou provar a propriedade de idéias ou "propriedade intelectual". Um registro público das descobertas poderiam ajudar.
  • 12. Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas Phil Trans e a questão da propriedade intelectual Objetivo – “paternidade científica” “Em particular, introduziu clareza e transparência no processo de estabelecimento de reivindicações inovadoras na filosofia natural, e, como resultado, começou a jogar um papel não muito diferente de um escritório de patentes de ideias científicas.” “Ao mesmo tempo, a presença de um registro público das inovações científicas ajudaria a criar normas internas de comportamento levando a uma sociedade bem estruturada, hierárquica.” Assim emergiu gradualmente um sistema que concedeu vários graus de valor sobre os filósofos naturais.
  • 13. Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas “Nobreza Intelectual” uma nobreza concedido pelos seus pares, e não de cima. "propriedade" atribuída pela coletividade. A divulgação, assegurou um grau de aplicabilidade universal para a decisão local: cópias suficientes poderia ser distribuído a instituições relevantes e significativos o suficiente para validar essa decisão. Em suma, a República da Ciência reivindicou o direito de conceder propriedade intelectual científica aos autores e Phil Trans era seu instrumento de eleição. A ciência era concebida como uma atividade hierárquica. uma hierarquia intelectual com base na excelência. “Justificada pela infeliz, mas inevitável, distribuição desigual de inteligência entre os humanos.”
  • 14. Capítulo 2 O Registro Social de inovações científicas Oldenburg entendia tudo isso, e tinha ambições ainda maiores para a sua nova revista: torná-la universal (se pudesse atrair a maioria dos autores significativos da Europa para registrar suas descobertas no Trans Phil, este se tornaria um momento de definição do movimento científico europeu). “As ambições de Oldenburg lançaram uma longa sombra que chega até o presente.” Na época de Oldenburg a impressão ainda não tinha bases econômicas estáveis, da mesma forma como ​os materiais digitalizados, atualmente. Também existem as questões relacionadas as definições dos papéis dos atores envolvidos nestes processos e seus limites.
  • 15. Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual As casas impressoras estavam com problemas para proteger o seu comércio da imitação e da pirataria e necessitavam estabelecer uma base legal para que as reivindicações de ‘propriedade’ fossem viáveis. Quando adquiriam um manuscrito, as impressoras adquiriam apenas o papel. Nada realmente poderia impedir o escritor de enviar uma segunda cópia para outra impressora. As impressoras queriam uma garantia mais firme do que a confiança pessoal no autor; Uma solução foi "possuir" o texto, e não apenas o papel coberto de tinta. A impressora queria a capacidade de reivindicar direitos de propriedade plena sobre o texto, e queria ter acesso a toda a força repressiva da lei para impedir a venda repetida do mesmo texto para diferentes pessoas. Em resumo, queriam ter o texto como se possui bens materiais. ‘A propriedade’ significava a posse exclusiva e perpétua, como a propriedade da terra.
  • 16. Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual “A preocupação das impressoras era legítima, mas uma série de questões espinhosas tinham que ser resolvidas antes que ela pudesse ser satisfatoriamente abordados.” Como pode algo imaterial ser propriedade, e muito menos transferidos ou transacionados? Curiosamente, a solução estava em inventar o que equivalia a um paradoxo: o conceito de "propriedade intelectual propriedade intelectual". “Através da noção de trabalho, [a obra] poderia estar relacionado a alguém em particular, ou seja, um "autor", [...] conceder-lhes direito perpétuo e exclusivo sobre algo que poderia ser transmutado em impressão e vendido como qualquer outro objeto.”
  • 17. Capítulo 3 A questão da propriedade intelectual Uma inesperada característica: tempo limite para a ‘posse’. “Isto leva a propriedade intelectual mais perto de um privilégio real ou uma patente moderna do que a uma forma tradicional de propriedade.” “As papelarias foram claramente acumulando muito poder, era, portanto, tempo para sinalizar a necessidade de alguma moderação: ela tomou a forma de um limite de tempo sobre propriedade intelectual!”
  • 18. Capítulo 4 Conclusões Introdutórias aparece a face visível de um sistema hierárquico; o projeto de um periódico científico, longe de principalmente com o objetivo de disseminar o conhecimento, realmente visa reforçar os direitos de propriedade sobre idéias; de propriedade intelectual; os direitos de propriedade limitada, não se originou de um desejo de proteger o bem público, mas sim da vontade de reafirmar a autoridade real absoluta e seu direito fundamental à arbitrariedade; “Em suma, uma boa dose de ironia preside o surgimento de publicações científicas: todas as justificativas democráticas que geralmente acompanham as nossas discussões contemporâneas do direito de autor parecem ter sido o resultado de razões quase impronunciáveis, é melhor esquecer.”
  • 19. Capítulo 4 Conclusões Introdutórias Dois pontos importantes: 1 Equilíbrio entre interesses conflitantes que foi alcançado com grande dificuldade nunca ficou completamente imóvel; Modificações lenta e gradualmente para permanecer administrável (através de várias alterações adicionadas as leis de propriedade intelectual); o que está fundamentalmente em jogo muda muito pouco ao longo do tempo; O mesmo se mantém fiel na era digital: os objetivos de controle não mudam, apenas as ferramentas ou as formas de fazê-lo.
  • 20. Capítulo 4 Conclusões Introdutórias Dois pontos importantes: 2 Os direitos autorais têm sido profundamente perturbados pela tecnologia; A tecnologia não funciona em sincronia com a lei, e ninguém sabe ao certo se os distúrbios são ainda reversíveis; DVD O conceito atual de propriedade intelectual pode ter que ser cancelado, e talvez, outra ‘coisa’ tenha de ser inventada; A questão não será resolvida no próximo mês ou no próximo ano. Depois de Gutenberg, levou-se cerca de dois séculos e meio para elaborar uma lei de direitos autorais relativamente estável; correspondentemente, podemos esperar pelo menos várias décadas de disputas legais para remodelar ou talvez até mesmo desmontar leis de direitos autorais como as conhecemos.
  • 21. Parte II Na Era Gutenberg: As Funções de Revistas Científicas e Artigos Científicos Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas
  • 22. Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos Cientistas ser esquizofrênico como autores Dr. Jekyll como leitores Mr. Hyde Bibliotecários geralmente atendem Mr. Hyde, especialmente quando reclamam sobre a anulação de assinaturas. No geral, Dr. Jekyll é um negócio melhor. No entanto, ele parece um pouco confuso pelas dimensões econômicas de sua publicação. Quando ele publica um artigo em um jornal, Dr. Jekyll é muito atento à sua visibilidade, sua autoridade, seu prestígio, e ao "fator de impacto", por outro lado , Dr. Jekyll faz vista grossa aos custos da revista onde publica, apesar de que seu lado leitor sofra muito com isso.
  • 23. Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos Cientistas como autores querem as melhores citações das fontes de maior autoridade possível (a publicação científica repousa na percepção de uma hierarquia entre as revistas); monitoram os títulos que considerem fundamentais para a sua especialidade (verificam o progresso de colegas e concorrentes potenciais); lida com questões de propriedade intelectual No laboratório > trabalho de detetive > tricôs sociais Cientistas tratam artigos de periódicos exatamente como Oldenburg tinha antecipado, ou seja, como registros de propriedade intelectual, cujas funções são próximos ao de um registro de terras. Com efeito, o registro dos títulos de propriedade (artigos) é que define limites e fronteiras.
  • 24. Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos O periódico não é apenas o registro público, mas uma ‘marca marca’. Ser publicado em uma revista bem conhecida é um pouco como aparecer na televisão em horário nobre. Cria visibilidade. Ser publicado em uma revista bem conhecida é um pouco mais complexo do que parece: Significa, ser aceito (às vezes a contragosto) em algum tipo de espaço intelectual restrito através de um processo de revisão que garante tanto a pertença a um certo tipo de clube, uma vez que garante a qualidade de seu trabalho.
  • 25. Capítulo 5 A Perspectiva de cientistas e acadêmicos O editor Papel de "gatekeeper"; Mediadores: devem extrair o joio do trigo; Guardião do Selo - guardião da verdade e da realidade: o sumo sacerdote; possui uma densa rede de relações institucionais e individuais; Contribui para rastrear quem fez o que na ciência; pode fazer um manuscrito navegar através do processo de revisão com diferentes graus de facilidade ou dificuldade (escolhendo os avaliadores); O editor científico também realiza o desejo de Oldenburg para criar um registro universal da ciência. O papel de editor concentra uma certa quantidade de poder institucional e individual. Por estas razões, é altamente cobiçado e qualquer oportunidade de desempenhar esse papel será examinada com grande interesse.
  • 26. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Grande Depressão > redução de custos O sonho impossível dos bibliotecários era encontrar uma maneira de comprar apenas o que era realmente necessário aos usuários. Lei de Bradford – 1934 “[...] a lei mostra que um certo número de periódicos, num campo determinado pode ser dividido em três parcelas ou grupos, cada um contendo o mesmo número de artigos: i) O primeiro grupo de periódicos constitui o núcleo básico de títulos de periódicos que contêm artigos de interesse sobre o tema e é formado por um número relativamente pequeno de títulos de periódicos que reúnem um terço, aproximadamente, do total de artigos pertinentes contidos no total de periódicos reunidos; ii) O segundo grupo contém o mesmo número de artigos distribuído em um número maior de periódicos; iii) O terceiro grupo contém o mesmo número de artigos interessantes que a que os precedentes, mas um número bem maior de títulos de periódicos.” (ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.207)
  • 27. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Grande Depressão > redução de custos O sonho impossível dos bibliotecários era encontrar uma maneira de comprar apenas o que era realmente necessário aos usuários. Lei de Bradford – 1934 “[...] a lei mostra que um certo número de periódicos, num campo determinado pode ser dividido em três parcelas ou grupos, cada um contendo o mesmo “Bradford formulou a lei após estudo número de artigos: detalhado de uma bibliografia sobre geofísica i) O primeiro grupo de periódicos constitui o núcleo básico de títulos de que reunia 326 títulos tema e é formado área, e periódicos que contêm artigos de interesse sobre o de periódicos da por um encontrou que periódicos que reúnem número relativamente pequeno de títulos deos 9 periódicos mais um terço, aproximadamente, do total produtivos em artigos interessantes continham de artigos pertinentes contidos no total de periódicos reunidos; 429 artigos interessantes, 59 títulos continham ii) O segundo grupo contém o mesmo número de artigos 258 periódicos 499 artigos interessantes, e distribuído em um número maior de periódicos; continham 404 artigos interessantes.” iii) O terceiro grupo contém o mesmo número de artigos interessantes 2010, p.207) (ROBREDO; VILAN FILHO, que a que os precedentes, mas um número bem maior de títulos de periódicos.” (ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.207)
  • 28. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Com a Lei de Bradford pode-se de fato diminuir o custo das assinaturas de periódicos, identificando as "publicações core" para cada especialidade. Segunda Guerra Mundial > reflexões sobre os sistemas de informação Estados Unidos – 1948, artigo de Vannevar Bush inspirou o desenvolvimento do hipertexto, em particular no trabalho de Ted Nelson e Doug Englebart; o pensamento de Eugene Garfield (via no sistema de citações de artigos científicos a base para uma gigantesca teia de conhecimentos)
  • 29. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências A ligação de todos os artigos da literatura científica mundial nunca poderia ter sido implementada, se não fosse a existência das leis de Bradford e de Lotka. “Nas análises baseadas na lei de Lotka, as fontes são os autores e os itens os documentos produzidos por eles. A lei utilizada para identificar os autores mais prolíficos dentro de uma área [...]” (ROBREDO; VILAN FILHO, 2010, p.210) Juntas, ajudam a tornar administráveis o rastreamento de citações. O que Garfield fez foi a junção de todo o conjunto de ‘núcleos’ de especialidade em um "núcleo científico" grande e ele usou esse conjunto de títulos de revistas como a base Science Citation Index (SCI). O número de revistas do núcleo, embora cresça gradualmente, foi confinada a uns poucos milhares de títulos, uma pequena fração de todos os periódicos científicos publicados no mundo.
  • 30. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Núcleo de periódicos > Núcleo científico ISI começou a publicar o FI das revistas do SCI - classificando as revistas uma contra a outra, de forma unificada. SCI - ferramenta de gestão de carreira - As instituições usam o FI dos periódicos, aplicado ao desempenho dos cientistas. O FI mantém todos hipnotizados em títulos de revistas e relega os artigos para segundo plano - o interesse de editoras comerciais é empurrar títulos de periódicos e não artigos individuais Com revistas núcleo identificados e classificados de acordo com seu FI, os cientistas têm pouca escolha para publicar – tem de buscar visibilidade, prestígio, autoridade (e classificação institucional melhorada).
  • 31. Capítulo 6 O Science Citation Index e algumas de suas conseqüências Com efeito, os vencedores da lei de Lotka estão correndo para publicar nas revistas interessantes como identificado por uma combinação de lei de Bradford e dos FI’s. E a importância relativa de títulos de periódicos, em comparação com artigos, cresce ainda mais. ISI construiu um espaço entre excelência e elitismo. A transformação de uma busca da excelência em uma corrida para o status elitista traz implicações importantes para qualquer biblioteca de pesquisa : uma vez em destaque, uma publicação torna-se indispensável. Deve ser adquirido a qualquer custo. Esta foi uma fase crucial na transformação da publicação científica e também está no cerne da crise de preços dos periódicos.
  • 32. Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações Por longo tempo, a publicação científica permaneceu em grande parte nas mãos de sociedades científicas e instituições similares. Problemas na periodicidade e a censura em algumas áreas deu a editoras comerciais a oportunidade de entrar neste setor de atividade. Naquela época, periódicos científicos raramente eram lucrativos, mas sua impressão poderia trazer algum prestígio; mais importante, garantia contatos com autores que poderiam querer escrever livros e manuais – estes sim rentáveis. Até bem depois da Segunda Guerra Mundial, editoras comerciais permaneceram nesta área como um negócio secundário. Com o SCI a situação mudou rapidamente. As possibilidades econômicas associadas ao “núcleo de periódicos" tornou-se ainda mais evidente quando, o tamanho e o número de bibliotecas também cresceu.
  • 33. Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações A crise de preços Periódicos do núcleo rapidamente tornaram-se alvo de interesses corporativos a partir do final dos anos 70. Várias editoras incansavelmente tentaram colocar suas mãos nos títulos através de uma variedade de meios: aquisição direta, venda de serviços de publicação e, claro, uma série de espetaculares fusões ou aquisições. arbitrariedade total dos preços das revistas científicas, ou seja, seu desligamento completo dos custos de produção reais. consequências financeiras nas bibliotecas. elitismo científico articulado com o elitismo financeiro instituições mais pobres em alguns países ricos e todas as instituições nos países pobres têm sofrido enormemente com à invenção revolucionária do núcleo de periódicos.
  • 34. Capítulo 7 Revistas acadêmicas como o Eldorado das novas publicações Novos periódicos Necessário apoio sério, tanto intelectual quanto financeiro; O apoio financeiro deve ser assegurado por tempo suficiente, se o objetivo é trazer a nova revista até o status de “núcleo”; Dificuldade para manter o periódico; instituições podem fazer parceria com as editoras (mantêm o controle editorial e os custos ficam a cargo da editora) = velha síndrome esquizofrênica; Uma editora pode investir em um novo empreendimento, ajudar a trazêlo ao status de núcleo e, em seguida, embolsar o lucro. A aliança entre cientistas e editoras comerciais, gera uma situação de ganha-ganha para os dois parceiros. São esquecidos: as bibliotecas, as instituições, como universidades ou centros de pesquisa, e os governos que financiam os periódicos. Todos vêem os seus orçamentos fluindo para os bolsos dos grandes editoras.
  • 35. Capítulo 8 Perspectiva das bibliotecas Bibliotecas foram as primeiras a sentir o aperto financeiro do novo plano de negócios aplicado aos periódicos acadêmicos. Reação enfrentar os grandes editoras comerciais. restabelecer a concorrência SPARC Os aumentos excessivos de custo de revistas são possibilitados por uma situação de quase monopólio, então, a concorrência deve ser reintroduzido e reforçado. A solução, portanto, requer a criação ou apoio a revistas que irão competir de igual para igual com as revistas das grandes editoras comerciais. O objetivo é competir com sucesso para os melhores artigos dos melhores cientistas e fornecê-los ao melhor preço possível. Se os cientistas perceberem que grandes editoras não são invencíveis e que, sua influência sobre a ciência não é universalmente positiva, então um movimento muito forte pode começar a ganhar impulso.
  • 36. Parte III O advento e implicações das redes e da digitalização Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Capítulo 10 A questão da propriedade intelectual Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta
  • 37. Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Imediatamente, o desenvolvimento da publicação eletrônica gerou uma série de interrogatórios. Editoras comerciais - suas fontes de lucro e sua sobrevivência estavam em jogo? Bibliotecários - interesse em publicação eletrônica, pois estavam procurando maneiras de escapar ao estrangulamento das editoras. Cientistas - em grande parte indiferente; uma pequena minoria desempenharam papéis influentes no desenvolvimento concreto de publicações eletrônicas.
  • 38. Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Cientistas como autores a publicação digital não alterou muito a sua situação; submissão de artigos eletronicamente (economiza tempo, despesas postais e um envelope pardo); fundamentalmente, os cientistas-como-autores ainda tem de lidar com periódicos, editores e o processo de revisão por pares; atrasos não foram encurtadas de forma significativa; na maioria dos casos, a versão em papel ainda estava disponível; Artigos científicos permanecem exatamente como têm sido durante vários séculos, um conjunto baseado em texto, diagramas e ilustrações.
  • 39. Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Cientistas como leitores Percepção rápida das vantagens: fácil recuperação de informações; estratégias de busca baseadas em texto completo; cópia e transmissão de um documento digitalizado mais fácil, barato, e rápido; acesso imediato; a pesquisa bibliográfica se tornou mais fácil e eficiente. Estas vantagens são percebidas como um progresso real. Editoras oferecem periodicamente a bibliotecas acesso temporário ‘free trial’ para seus periódicos. Elas sabem que uma breve exposição leva a pressão para manter o serviço.
  • 40. Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Periódicos eletrônicos - sob a ótica dos cientistas cientistas e estudiosos – as primeiras experiências; a crise de preços era uma questão secundária; possibilidades melhoradas de publicação para o sistema de comunicação científica; Seus motivos: 1. A publicação eletrônica pode ajudar a reduzir os atrasos; 2. Os custos de publicação podem ser significativamente diminuídos; 3. A possibilidade (e viabilidade) de revistas livre foi também freqüentemente mencionados (e tão freqüentemente atacado), mas a presença de um conjunto significativo (e crescente) de revistas eletrônicas livres gradualmente demonstrou a realidade; 4. Os custos de arranque das revistas eram muito baixos, permitindo o lançamento de muitos novos periódicos.
  • 41. Capítulo 9 Respostas dos investigadores: misto da indiferença ao envolvimento ativo Em suma, no início iniciativas publicação eletrônica deu origem a uma variedade de tensões. Em particular, eles foram rapidamente percebidas como potencialmente ameaçadoras à recente, mas altamente rentável, a revolução plano de negócios baseado em "revistas núcleo". Grandes editoras comerciais perceberam que tinham melhor estudar a situação de perto, e estar pronto para rever suas estratégias de negócios em conformidade. Retrospectivamente, o ano de 1991 aparece o emblema da nova era: ele testemunhou o surgimento de dois cenários de publicação eletrônica: o projeto TULIP, e o servidor preprint do Los Alamos National Laboratory.
  • 42. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução março 1991 - Projeto TULIP (Elsevier) lança uma luz sobre as preocupações da indústria editorial; Tecnologia moldada para as questões de rentabilidade e controle; Experiência notável pelas seguintes razões: 1. Foi concebido como um sistema de licenciamento (inspirado pela indústria de software) 2. baseado na distribuição de mídia digital física para cada site participante (servidores locais). 3. Os 42 periódicos que foram incluídos na coleção piloto foram entregues como imagens de página no formato TIFF ( o papel eletrônico, que protegia a integridade dos documentos). 4. Imprimir as imagens era lento, dado o tamanho dos arquivos e a memória das impressoras (proteção da cópia).
  • 43. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução Conseqüências: Bibliotecas papel passivo de "bombas de conhecimento"; colocado na posição de restringir o acesso a um espaço privatizado. Aprender a negociar contratos de licenciamento > o paraíso de um advogado e um inferno bibliotecário. os papéis de organização foram confiscados. licenciamento > contra-revolução na economia política dos documentos: permite trazer de volta todos os discutíveis (a partir da perspectiva dos editores) ponto de leis de direitos autorais à mesa de negociações. contratos de licenciamento não questionam a legitimidade de propriedade intelectual. Em suma, permite o ajuste do relógio para trás várias décadas.
  • 44. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução Consórcios permitem um certo grau de compartilhamento; em virtude dos gastos coletivos, conseguem reabrir um espaço para as negociações o benefício ais positivo dos consórcios é que tem estimulado o diálogo e a colaboração entre bibliotecas. De repente, com o advento dos consórcios, as bibliotecas tiveram de reconhecer que as colaborações tinham que ir um pouco além de empréstimo entre bibliotecas, que as redes estavam se tornando rapidamente a chave para compreender o paradigma emergente, pois eles começaram a examinar a si próprios como elementos aberto dentro de um sistema de inteligência distribuída. Exemplo do projeto canadense CNSLP
  • 45. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução Elsevier - reação às estratégias de consórcio oportunidade de um “Grande Negócio” negociação da Elsevier: “[...] se você nos der a oportunidade de aumentar nossa receita em 50%, multiplicamos o seu acesso por quatro. Novamente, tenha em mente que o que importa aqui é a desconexão entre o aumento do preço e o aumento no número de títulos”. com o passar do tempo, as “flutuações da moeda“ e o aumento dos custos de produção, a Elsevier ainda pode oferecer o “Grande Negócio”, porém com aumento do preço; Claro, se não for possível pagar pelo “Grande Negócio”, pode-se retornar ao acordo parcial anterior. Obviamente, há pouca escolha. O sistema de preços age como um dispositivo de catraca, que nunca pode ser revertido e até mesmo mantê-lo na mesma posição é problemático.
  • 46. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução Competição entre editoras para atrair os vencedores da corrida de Lotka, os Einsteins do mundo científico, e para criar visibilidade para seu periódico. "Grandes Negócios" forçam o cancelamento de acesso a títulos de outras editoras; criam uma ‘paisagem acadêmica distorcida’ em relação aos ‘periódicos do núcleo’. Bomba de qualidade Se o número de artigos da Elsevier disponíveis é maior em comparação aos artigos de outras editoras, é óbvio que estes artigos serão mais citados, consequentemente o fator de impacto dos periódicos mais citados aumenta. Como conseqüência, esses jornais começam a atrair mais autores, em seguida, com uma maior escolha de autores, a qualidade deve subir.
  • 47. Capítulo 10 Como editores comerciais podem aproveitar a Revolução Digital para uma contra-revolução Estratégia da Elsevier visa diretamente engolir os editores concorrentes; reforçar seu domínio sobre o conjunto central do conhecimento científico. Em outras palavras, e de um só golpe, Elsevier bloqueia a bibliotecas em (efeito catraca) e começa a minar os fatores de impacto de publicações que vem de outras editoras. Não são "grandes negócios" a causa do astigmatismo informativos, por assim dizer? caminho do monopólio panóptico
  • 48. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos Comunicação formal e informal – tecnologia 1991 - Paul Ginsparg (físico) - servidor para arquivamento de preprints Dois pontos devem ser observados: O ato de publicação é totalmente entrelaçada com o desejo de se comunicar, e vice-versa; O destino da idéia publicada depende estritamente do modo como está sendo recebido. Estas formas de colaboração vão um pouco além da ideia de Oldenburg de um registro público de idéias, de modo a proteger a propriedade intelectual e, simultaneamente, elas garantem a rápida evolução da conhecimento científico.
  • 49. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos Similar as iniciativas de software livre “A idéia é fazer com que o resultado seja verificado por outros. Lá, é esquecida ou melhorado por outra pessoa. E assim por diante.Toda a dinâmica criativa e produtiva se baseia na busca de visibilidade pública, fama e autoridade, exatamente como na ciência ou de reconhecimento de capital simbólico, ao invés de dinheiro vivo [...].” Iniciativas semelhantes começaram a surgir... ....o Movimento começou uma Crescer e Expandir.... .... Em outubro de 1999 - Convenção de Santa Fé: Open Archives Initiative
  • 50. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos Projeto de Ginsparg – foco sobre a comunicação simples, rápida e eficiente de trabalhos científicos: 1. Revistas são bastante inadequadas quando se trata de comunicação rápida e eficiente, pois são muito melhores em validar e avaliar o valor relativo dos autores, e são adequados para preservar a memória da ciência no longo prazo. 2. Servidor Ginsparg também mostrou que a comunicação rápida de novos documentos, a validação de ideias e o tempo longo de arquivamento de artigos não precisam descansar em uma única ferramenta, objeto ou processo. 3. Curto e longo prazo da memória científica realmente se baseia em artigos, nomes de autores e palavras-chave; revistas são de importância secundária a este respeito.
  • 51. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos distinção entre o artigo e o periódico artigo público – questão intelectual periódico – gestão de carreira o ato de publicar poderia facilmente e com segurança ser dissociado da avaliação No mundo digital, o processo de seleção funciona de forma diferente. Ela permite a publicação a preços muito mais baixos e com muito mais flexibilidade para adicionar, remover e corrigir, se algum erro ocorrer.
  • 52. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos A resposta comercial para a iniciativa Ginsparg não demorou a chegar: BioMedCentral, HighWire Press, Bepress e BioOne agosto de 2000- "Server Preprint Chemical" (CPS) – Elsevier Razões possíveis: 1. 2. 3. não há melhor maneira de entender um movimento potencialmente ameaçador do que ser parte dele; Elsevier não é que uma editora forte em química - boa maneira de testar as águas; Elsevier está testando maneiras de reconstruir um controle firme sobre o processo de avaliação da ciência no contexto digital Elsevier sabe que, com a publicação acadêmica, ela está envolvida na avaliação de desempenho dos cientistas, e que seu plano de negócios se baseia em alguma forma fundamental sobre o controle de grande parte dessa atividade.
  • 53. Capítulo 11 Open Archives e outros empreendimentos subversivos PubScience “é fácil imaginar como um sistema de arquivos abertos, com ferramentas de colheita unificada e ligações citação construída de uma forma distribuída, pode ameaçar vastos interesses comerciais. Se imaginarmos que uma fração significativa do conhecimento científico deve circular através de arquivos abertos estruturada no espírito OAI, é fácil ver que as ferramentas para avaliar todos os tipos de dimensões da vida científica também pode ser projetado e testado. Estas ferramentas podem ser concebida como bem público, por uma combinação de especialistas em cientometria e bibliometria- um resultado ideal, na minha opinião. Isso equivaleria a criar um espaço aberto panóptico - um projeto maravilhoso para bibliotecários”.
  • 54. Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta A Sombra de Oldenburg estende-se até mesmo, a partir da intenção original para simplificar a gestão da propriedade intelectual científica para a possibilidade posterior de avaliação do desempenho dos cientistas. Grande parte da estrutura de poder da ciência repousa sobre uma dupla preocupação: registro público e hierarquia. A Visão de Oldenburg muito bem articulada com a noção de excelência científica, evoluiu gradualmente para integrar elementos elitista também. Mais recentemente, a unificação e materialização da noção de "revistas de núcleo", o elitismo da ciência começou a fundir-se com o elitismo econômico. Em seguida, começou a primeira revolução na economia de revistas científicas: "crise de preços de série”.
  • 55. Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta O advento das redes, em particular a Internet, e o surgimento de publicações digitalizadas levou a uma variedade de estratégias de publicação. 1. a reformulação das vendas reais em licenças foi totalmente subvertido as formas tradicionais de negócios em que tal era conduzida antes do surgimento de uma sociedade digitalizada (contra-revolução). Bibliotecas em particular, têm visto o seu ser e até mesmo suas almas ameaçadas por estes desenvolvimentos. 2. A segunda tendência importante a emergir da era digital é o crescimento das iniciativas de arquivos abertos.
  • 56. Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta Bibliotecários devem desenvolver estratégias no sentido de manter o conhecimento comum aberto. Apoio a OAI pelas seguintes razões: única alternativa para apresentar publicações sem as penalizações econômicos; única alternativa que tem a chance de resistir à concorrência das grandes editoras sobre o médio e longo prazo; única maneira de bibliotecários recuperarem a responsabilidade sobre preocupações tradicionais, e de envolver-se com a elaboração de várias ferramentas que agregam valores a toda a coleção de artigos científicos única maneira de garantir que os efeitos poderosos do panóptico não vão ser privados bom modo para desenvolver novos e positivos relacionamentos com os cientistas.
  • 57. Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta O Science Citation Index continua a ser uma ferramenta maravilhosa, apesar de todos os males que tem gerado inadvertidamente, mas continua a ser um pouco arbitrária e de âmbito limitado. Na verdade, ele se beneficia muito de suas limitações para vender uma ideia de revistas do núcleo que realmente não faz nenhum sentido real, exceto como uma solução pragmática para a pergunta: como é que podemos traçar citações praticamente dentro de uma fração significativa de publicações científicas do mundo. No entanto, com um princípio bem concebido de inteligência distribuída, com a ajuda de cientistas e do auto-arquivamento de seu trabalho, com a ajuda também de seleções que não descansam sobre a reputação antes de uma marca, mas a qualidade real de cada trabalho selecionado, os bibliotecários têm a chave para o desenvolvimento de um mapeamento, total global da ciência.
  • 58. Capítulo 12 A Conclusão na forma de uma proposta modesta Terceiro Mundo - apartheid cognitivo "crise de preços de série" afeta 70% da humanidade OAI – acesso livre – informações públicas Terceiro Mundo teria acesso ao patrimônio de informação da humanidade “No final, o acesso a grandes corporações de textos, dispostas em arquivos abertos, e com ligações cruzadas de várias formas, nomeadamente através de suas citações, abrirá o caminho para muitas formas diferentes e úteis de avaliação. Também ajudará a monitorização das áreas de crescimento fundamentais da ciência ao colocar este trecho de coleta de informações para a esfera pública, onde, ou seja, à disposição de todos. Seria parte da infraestrutura pública, por assim dizer.”
  • 59. Bibliografia complementar Panóptico BAUMAN, Zygmund. Guerras espaciais: informe de carreira. In: ______. Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1999. cap. 2. p. 34-62 Leis de Bradford e Lei de Lotka ROBREDO, Jaime; VILAN FILHO, Jayme Leiro. Metrias da Informação: História e Tendências. In: ROBREDO, Jaime; BRÄSCHER, Marisa (Orgs.). Passeios no Bosque da Informação: Estudos sobre Representação e Organização da Informação e do Conhecimento. Brasília: IBICT, 2010. 335 p. Capítulo 10, p. 185-253. Disponível em: <http://www.ibict.br/publicacoes/eroic.pdf>. Acesso em 10 de jun. 2011.
  • 60. Obrigada! Patricia Neubert patyneubert@hotmail.com Bolsista Capes Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Santa Catarina