SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
CURSO DE AUXILIAR DE
VETERINÁRIO
AULA 8
AULA 8 –
O SISTEMA CIRCULATÓRIO
• O CORAÇÃO E OS VASOS SANGUÍNEOS E O SANGUE FORMAM O
SISTEMA CARDIOVASCULAR OU CIRCULATÓRIO.
• FAZEM PARTE DESTE TAMBÉM OS VASOS LINFÁTICOS QUE FAZEM A
NA DRENAGEM AUXILIANDO NA CIRCULAÇÃO GERAL.
• A CIRCULAÇÃO DO SANGUE PERMITE O TRANSPORTE E A
DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES, GÁS OXIGÊNIO E HORMÔNIOS PARA
AS CÉLULAS DE VÁRIOS ÓRGÃOS. O SANGUE TAMBÉM TRANSPORTA
RESÍDUOS DO METABOLISMO PARA QUE POSSAM SER ELIMINADOS
DO CORPO.
• ARTÉRIAS
• AS ARTÉRIAS SÃO VASOS DE PAREDES RELATIVAMENTE ESPESSA E MUSCULAR,
QUE TRANSPORTA SANGUE DO CORAÇÃO PARA OS DIVERSOS TECIDOS DO
CORPO.
• A MAIORIA DAS ARTÉRIAS TRANSPORTA SANGUE OXIGENADO (RICO EM GÁS
OXIGÊNIO), MAS AS ARTÉRIAS PULMONARES TRANSPORTAM SANGUE NÃO
OXIGENADO (POBRE EM GÁS OXIGÊNIO) DO CORAÇÃO ATÉ OS PULMÕES. A
AORTA É A ARTÉRIA MAIS CALIBROSA (DE MAIOR DIÂMETRO) DO CORPO
HUMANO
• VEIAS
• AS VEIAS SÃO VASOS DE PAREDES RELATIVAMENTE FINA, QUE TRANSPORTAM
SANGUE DOS DIVERSOS TECIDOS DO CORPO PARA O CORAÇÃO. A MAIORIA DAS
VEIAS TRANSPORTA SANGUE NÃO OXIGENADO, MAS AS VEIAS PULMONARES
TRANSPORTAM SANGUE OXIGENADO DOS PULMÕES PARA O CORAÇÃO. AS VEIAS
CAVAS SUPERIOR E INFERIOR SÃO AS MAIS CALIBROSAS DO CORPO HUMANO.
• O CORAÇÃO É UM ÓRGÃO CAVITÁRIO (QUE APRESENTA CAVIDADE),
BASICAMENTE CONSTITUÍDO POR TRÊS CAMADAS:
• PERICÁRDIO – É A MEMBRANA QUE REVESTE EXTERNAMENTE O CORAÇÃO,
COMO UM SACO. ESTA MEMBRANA PROPICIA UMA SUPERFÍCIE LISA E
ESCORREGADIA AO CORAÇÃO, FACILITANDO SEU MOVIMENTO ININTERRUPTO;
• ENDOCÁRDIO – É UMA MEMBRANA QUE REVESTE A SUPERFÍCIE INTERNA DAS
CAVIDADES DO CORAÇÃO;
• MIOCÁRDIO – É O MÚSCULO RESPONSÁVEL PELAS
CONTRAÇÕES VIGOROSAS E INVOLUNTÁRIAS DO CORAÇÃO;
SITUA-SE ENTRE O PERICÁRDIO E O ENDOCÁRDIO.
AULA 8 –
O SISTEMA CIRCULATÓRIO
• O CORAÇÃO
• ÓRGÃO CAVITÁRIO
• – MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO – MIOCÁRDIO – BOMBA MUSCULAR
• * ENVOLVIDO - PERICÁRDIO – MEMBRANA SEROSA
• * LOCALIZAÇÃO: CAVIDADE TORÁCICA –
MEDIASTINO MÉDIO
• * RESPONSÁVEL PELA CIRCULAÇÃO: IDA E VINDA
• O SANGUE OXIGENADO É BOMBEADO PELO VENTRÍCULO ESQUERDO DO CORAÇÃO
PARA O INTERIOR DA AORTA. ESSA ARTÉRIA DISTRIBUI O SANGUE OXIGENADO PARA
TODO O CORPO, ATRAVÉS DE INÚMERAS RAMIFICAÇÕES, COMO A ARTÉRIA
CORONÁRIA, A ARTÉRIA CARÓTIDA E A ARTÉRIA BRAQUIAL.
• NOS TECIDOS, O SANGUE LIBERA GÁS OXIGÊNIO E ABSORVE GÁS CARBÔNICO. O
SANGUE NÃO OXIGENADO E RICO EM GÁS CARBÔNICO É TRANSPORTADO POR VEIAS
DIVERSAS, QUE ACABAM DESEMBOCANDO NA VEIA CAVA SUPERIOR E NA VEIA CAVA
INFERIOR. ESSAS VEIAS LEVAM ENTÃO O SANGUE NÃO OXIGENADO ATÉ O ÁTRIO
DIREITO. DESTE, O SANGUE NÃO OXIGENADO PASSA PARA O VENTRÍCULO DIREITO E
DAÍ É TRANSPORTADO ATÉ OS PULMÕES PELAS ARTÉRIAS PULMONARES.
• NOS PULMÕES, O SANGUE LIBERA O GÁS CARBÔNICO E ABSORVE O GÁS OXIGÊNIO
CAPTADO DO AMBIENTE PELO SISTEMA RESPIRATÓRIO. ESSE FENÔMENO, EM QUE O
SANGUE É OXIGENADO, CHAMA-SE HEMATOSE.
• ENTÃO, O SANGUE OXIGENADO RETORNA AO ÁTRIO ESQUERDO DO CORAÇÃO,
TRANSPORTADO PELAS VEIAS PULMONARES. DO ÁTRIO ESQUERDO, O SANGUE
OXIGENADO PASSA PARA O VENTRÍCULO ESQUERDO E DAÍ É IMPULSIONADO PARA O
INTERIOR DA AORTA, REINICIANDO O CIRCUITO.
AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS
• O NOSSO CORAÇÃO FUNCIONA COMO UMA BOMBA
DE SANGUE, SE ELE PARA DE FUNCIONAR NOSSO
CORPO SE PREJUDICA E MORREMOS. O SANGUE PARA
DE CIRCULAR, NOSSAS CÉLULAS PARAM DE SER
IRRIGADAS E O CORPO TODO PARA DE FUNCIONAR.
O CICLO CARDÍACO SE DIVIDE EM DUAS FASES:
SÍSTOLE E DIÁSTOLE.
SÍSTOLE:
A SÍSTOLE É O PERÍODO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR
DO CORAÇÃO. NESSE PERÍODO DO CICLO CARDÍACO
AS VÁLVULAS PULMONAR E AÓRTICA SÃO ABERTAS E
O SANGUE É EJETADO RAPIDAMENTE DO VENTRÍCULO
ESQUERDO PARA A AORTA E, DO VENTRÍCULO
DIREITO PARA A ARTÉRIA PULMONAR. NO PERÍODO
DE EJEÇÃO, COM AS VÁLVULAS AÓRTICA E
PULMONAR ABERTAS, A PRESSÃO ENTRE O
VENTRÍCULO E A ARTÉRIA CORRESPONDENTE SÃO
IGUAIS.
AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS
Diástole:
Diástole é o período de relaxamento do coração. O
sangue entra na aurícula direita e na aurícula esquerda,
vindo, respectivamente, das veias cavas (superior e
inferior) e das veias pulmonares. Nesta fase, as válvulas
tricúspide e bicúspide encontram-se abertas, permitindo,
assim, a entrada passiva de sangue das aurículas para
os ventrículos. As válvulas semilunares encontram-se
fechadas, o que impede a saída de sangue do coração.
Durante o ciclo cardíaco o coração produz os batimentos,
que podem ser ouvidos com o estetoscópio. O primeiro
batimento corresponde marca o início da sístole e o
segundo marca o início da diástole.
AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS
• O RITMO CARDÍACO:
• NA PAREDE DO MUSCULAR EXISTEM 3
TECIDOS, DENOMINADOS NODAIS,
COMPOSTOS POR CÉLULAS QUE PODEM
DESPOLARIZAR-SE LENTA E
ESPONTANEAMENTE, DANDO ORIGEM A UM
POTENCIAL DE AÇÃO QUE SE PROPAGA A
TODAS AS CÉLULAS CARDÍACAS,
PROVOCANDO ASSIM A CONTRAÇÃO DO
CORAÇÃO. É O TECIDO NODAL LOCALIZADO
AO NÍVEL DOS ÁTRIOS QUE IMPÕE O SEU
RITMO TENDO ASSIM A FUNÇÃO DE MARCA
PASSO DO CORAÇÃO.
ATRIO PERICARDICO BATIMENTO NOMRAL CHIADO PULMONAR
ESTRIDOR RONCO SOPRO
AULA 9- ARTÉRIAS E VEIAS
• ARTÉRIAS
• AS ARTÉRIAS SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE LEVAM SANGUE DO CORAÇÃO PARA
TODOS OS TECIDOS. À MEDIDA QUE SAEM DO CORAÇÃO, ESSAS ARTÉRIAS
TORNAM-SE DE MENOR CALIBRE E CADA VEZ MAIS RAMIFICADAS. O SANGUE,
AO SAIR DO CORAÇÃO, ESTÁ SOB UMA ALTA PRESSÃO, O QUE PODERIA
DANIFICAR AS ARTÉRIAS SE ELAS NÃO POSSUÍSSEM PAREDES ELÁSTICAS E
FORTES. NAS ARTÉRIAS, PERCEBE-SE QUE A TÚNICA MÉDIA É BEM MAIS
DESENVOLVIDA QUANDO COMPARADA COM AS DOS OUTROS TIPOS DE VASOS
SANGUÍNEOS.
AULA 9 – ARTÉRIAS E VEIAS
• VEIAS
• AS VEIAS SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE TRANSPORTAM SANGUE PROVENIENTE DOS
TECIDOS PARA O CORAÇÃO. AS VEIAS MAIORES RESULTAM DA CONVERGÊNCIA DE
VASOS SANGUÍNEOS, QUE TORNAM A VEIA MAIS CALIBROSA À MEDIDA QUE SE
APROXIMA DO CORAÇÃO. QUANDO COMPARADAS ÀS ARTÉRIAS, VERIFICAMOS QUE
A TÚNICA MÉDIA DAS VEIAS É MENOS MUSCULOSA E COM MENOS FIBRAS ELÁSTICAS.
• NORMALMENTE O SANGUE TRANSPORTADO PELAS VEIAS É RICO EM GÁS CARBÔNICO
E POBRE EM NUTRIENTES, POR ISSO, ESSE TIPO DE SANGUE ERA CHAMADO
ANTERIORMENTE DE SANGUE VENOSO. VALE DESTACAR, NO ENTANTO, QUE AS
VEIAS TAMBÉM TRANSPORTAM SANGUE RICO EM OXIGÊNIO, QUE É O CASO DA VEIA
PULMONAR.
• DIFERENTEMENTE DAS ARTÉRIAS, A PRESSÃO NAS VEIAS É MENOR. PARA QUE O
SANGUE CONSIGA VENCER A FORÇA DA GRAVIDADE E A BAIXA PRESSÃO PARA
RETORNAR AO CORAÇÃO, AS VEIAS POSSUEM VÁLVULAS QUE EVITAM O REFLUXO DE
SANGUE.
• CAPILARES
• OS CAPILARES SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE APRESENTAM COMO FUNÇÃO
PRINCIPAL REALIZAR TROCAS ENTRE O SANGUE E OS TECIDOS, GARANTINDO
QUE NUTRIENTES E OXIGÊNIO SEJAM PASSADOS PARA AS CÉLULAS. POR CAUSA
DESSA FUNÇÃO, É IMPORTANTE QUE ESSES VASOS SEJAM DELGADOS.
NORMALMENTE OS CAPILARES SÃO FORMADOS POR UMA ÚNICA CAMADA DE
CÉLULAS ENDOTELIAIS E SEU DIÂMETRO FICA EM TORNO DE 8 MM.
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
• OS GÂNGLIOS OU LINFONODOS FAZEM PARTE DO SISTEMA LINFÁTICO DO
NOSSO ORGANISMO E DA MAIORIA DOS ANIMAIS, INCLUSIVE DOS CÃES E
GATOS.
• ESSE SISTEMA DISTRIBUÍDO POR TODO CORPO É RESPONSÁVEL
PELO TRANSPORTE DA LINFA E POR PARTICIPAR EM MUITAS FUNÇÕES
IMUNOLÓGICAS (DE DEFESA) DO ORGANISMO. ESSES NÓDULOS
FICAM DISTRIBUÍDOS EM VÁRIAS PARTES DO CORPO INTERLIGADO POR
PEQUENOS VASOS CHAMADOS DE VASOS LINFÁTICOS. OUTROS ÓRGÃOS
IMPORTANTES DESTE SISTEMA INCLUEM A MEDULA ÓSSEA, O BAÇO, O TIMO E O
TECIDO LINFOIDE INFILTRADO NO TRATO GASTROINTESTINAL.
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
FUNÇÕES
• RECOLHER O LÍQUIDO INTERSTICIAL QUE NÃO RETORNOU AOS CAPILARES
SANGUÍNEOS, FILTRANDO -O E RECONDUZINDO-O À CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA
• ATUA NO SISTEMA IMUNE DO ORGANISMO ATRAVÉS DA PRODUÇÃO DE
LINFÓCITOS E DE ANTICORPOS
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA LINFÁTICO
• LINFA: LÍQUIDO QUE CIRCULA PELOS VASOS LINFÁTICOS
• CAPILARES LINFÁTICOS: RECOLHEM A LINFA NO ESPAÇO INTERSTICIAL
• VASOS LINFÁTICOS: TRANSPORTAM A LINFA
• ÓRGÃOS LINFÁTICOS: LINFONODOS, TONSILAS, BAÇO E TIMO
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
LINFA
• LÍQUIDO QUE CIRCULA PELOS VASOS LINFÁTICOS
• COMPOSIÇÃO SEMELHANTE AO PLASMA SANGUÍNEO
• PROTEÍNAS
• GLÓBULOS BRANCOS
• RESTOS CELULARES E OUTROS DETRITOS
• SUBSTÂNCIAS ESTRANHAS: MICROORGANISMOS
• FLUXO DA LINFA É IMPULSIONADO POR:
• CONTRAÇÃO DA MUSCULATURA LISA DOS VASOS LINFÁTICOS
• CONTRAÇÃO DOS MÚSCULOS ESQUELÉTICOS
• PULSAÇÃO ARTERIAL
• NA REGIÃO CERVICAL PELA GRAVIDADE
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
• CAPILARES LINFÁTICOS
• TUBOS FORMADOS POR CÉLULAS ENDOTELIAIS, FENESTRADOS
• RECOLHEM A LINFA DO ESPAÇO INTERSTICIAL
• AS CÉLULAS ENDOTELIAIS SE SOBREPÕE UMA SOBRE AS OUTRAS, FORMANDO
FENESTRAÇÕES QUE SEMPRE SE APRESENTAM ABERTAS PARA O INTERIOR DO
CAPILAR
• REFLUXO TENDE A FECHÁ-LAS, IMPEDINDO O RETORNO DA LINFA PARA OS
ESPAÇOS INTERSTICIAIS
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
VASOS LINFÁTICOS
• ORIGINAM-SE DOS CAPILARES LINFÁTICOS
• POSSUEM VALVAS NO SEU INTERIOR QUE IMPEDEM O RETORNO DA
LINFA
• SÃO FENESTRADOS CONTRAEM E EXPANDEM PERIODICAMENTE,
PRODUZINDO ASSIM PEQUENAS SUCÇÕES TRAJETO
• EM VÁRIOS PONTOS AO LONGO DO SEU TRAJETO, OS VASOS
LINFÁTICOS ATRAVESSAM OS GÂNGLIOS LINFÁTICOS
• OS VASOS MAIORES SEGUEM TRAJETOS INDEPENDENTES
• OS VASOS MENORES ACOMPANHAM VASOS SANGUÍNEOS E NERVOS
• OS VASOS SE CONVERGEM, FORMANDO TRONCOS MAIORES QUE
DESEMBOCAM EM VEIAS PRINCIPAIS V. JUGULAR EXTERNA OU V.
CAVA CRANIAL
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO
TRONCOS COLETORES DE LINFA
• DUCTOS TRAQUEAIS D E E RECOLHEM A LINFA DAS REGIÕES DA CABEÇA,
PESCOÇO, OMBRO E MEMBRO TORÁCICO ACOMPANHAM O TRAJETO DA
TRAQUÉIA NO PESCOÇO
• DESEMBOCAM NO DUCTO TORÁCICO, NA VEIA JUGULAR CORRESPONDENTE OU
NA VEIA CAVA CRANIAL
• DUCTO TORÁCICO PRINCIPAL CANAL COLETOR DE LINFA DO CORPO
• RECEBE A LINFA DO TÓRAX, ABDÔMEN, PELVE E MEMBROS PÉLVICOS
DESEMBOCA NA JUGULAR ESQUERDA OU NA VEIA CAVA CRANIAL ORIGINA-SE
NA CISTERNA DO QUILO DILATAÇÃO DO DUCTO TORÁCICO QUE RECEBE A
LINFA DO ABDÔMEN, DA PELVE E DOS MEMBROS PÉLVICOS
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO
GATO
• BAÇO
• ÓRGÃO LINFÓIDE PRESENTE NA REGIÃO CRANIAL ESQUERDA DO ABDÔMEN PRÓXIMO AO
ESTÔMAGO
• FUNÇÕES:
• GRANDE CAPACIDADE FAGOCITÁRIA: MICROORGANISMO ENCAPSULADOS POR ANTICORPOS/
• CÉLULAS DO SANGUE ENVELHECIDAS
• RESERVATÓRIO PARA CÉLULAS SANGUÍNEAS
• PRODUÇÃO DE LINFÓCITOS
AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO
GATO
• TIMO
• ÓRGÃO LINFÓIDE CUJA
IMPORTÂNCIA MAIOR É NO ANIMAL
JOVEM
• REGRIDE NA PUBERDADE E QUASE
DESAPARECE NO ANIMAL ADULTO
• FUNÇÃO: MATURA LINFÓCITOS DO
TIPO T
AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO
GATO
A CARDIOMIOPATIA DILATADA
É UMA DOENÇA DO CORAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA DILATAÇÃO DO
TAMANHO DO CORAÇÃO, PERDENDO COM O TEMPO A FORÇA NECESSÁRIA PARA
BOMBEAR O SANGUE DO CORAÇÃO PARA O RESTO DO CORPO.
• AS PAREDES DO CORAÇÃO, COM A EVOLUÇÃO DA DOENÇA, SE TORNAM MAIS
FINAS E MENOS ELÁSTICAS PERDENDO A FORÇA DE CONTRAÇÃO. COM ISSO O
SANGUE OXIGENADO NÃO CHEGA AO RESTO DO CORPO EM QUANTIDADE
SUFICIENTE E QUEM SOFRE MAIS COM ISSO SÃO OS RINS E PULMÕES.
• ESSA DILATAÇÃO PODE ESTAR ASSOCIADA TAMBÉM
A ARRITMIAS CARDÍACAS COMPLICANDO AINDA MAIS A FUNÇÃO DESSE ÓRGÃO.
AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO
GATO
• AS CAUSAS QUE LEVAM O CÃO A DESENVOLVER A
CARDIOMIOPATIA DILATADA NÃO SÃO CONHECIDAS, MAS
EXISTEM FATORES NUTRICIONAIS ENVOLVIDOS (DEFICIÊNCIA
DE TAURINA E/OU CARNITINA), DOENÇAS IMUNOMEDIADAS,
INFECÇÕES VIRAIS, DISTÚRBIO GENÉTICOS,
HIPOTIREOIDISMO, MIOCARDITES ENTRE OUTROS.
• NO INICIO DA DOENÇA, PODEMOS NÃO PERCEBER NENHUM
SINTOMA OU DESCONFORTO, MAS COM A EVOLUÇÃO DA
DOENÇA (COM O TEMPO), COMEÇAMOS A PERCEBER OS
PRIMEIROS SINTOMAS COMO DIFICULDADE RESPIRATÓRIA,
CANSAÇO FÁCIL, LÍNGUA AZULADA, AS VEZES DESMAIOS E,
EM ALGUNS CASOS, PODEMOS SENTIR A BATIDA DO
CORAÇÃO IRREGULAR (ARRITMIA) OU MUITO FORTE,
SOMENTE ENCOSTANDO A MÃO NO PEITO DELES.
AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO
GATO
INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL EM CÃES
• A INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL, TAMBÉM DENOMINADA ENDOCARDIOSE VALVAR
MITRAL, IMPLICA EM UMA DEGENERAÇÃO DA VALVA MITRAL (LOCALIZADA DO LADO
ESQUERDO DO CORAÇÃO) QUE PERMITE UM REFLUXO DE SANGUE PARA O ÁTRIO
ESQUERDO EM CADA CONTRAÇÃO DO VENTRÍCULO ESQUERDO.
• ESSA DOENÇA ACOMETE PRINCIPALMENTE CÃES ADULTOS E IDOSOS DE PORTE
PEQUENO; OBSERVAMOS O INÍCIO DAS ALTERAÇÕES A PARTIR DE 6-8 ANOS DE
IDADE, SENDO COMUMENTE OBSERVADA EM POODLE, YORKSHIRE, MALTÊS,
PINSCHER, SHIH-TZU, LHASA-APSO E DACHSHUND. CÃES DA RAÇA COCKER
SPANIEL, APESAR DE SEREM DE PORTE MÉDIO, SÃO BASTANTE ACOMETIDOS
TAMBÉM. A INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL PODE ESTAR RELACIONADA A UM
PROBLEMA GENÉTICO, COMO NO CASO DOS CÃES DA RAÇA CAVALIER KING
CHARLES, EM QUE SE INICIA DE FORMA MAIS PRECOCE E APRESENTA UMA EVOLUÇÃO
MAIS RÁPIDA E AGRESSIVA.
AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO
GATO
• O SINTOMA MAIS EVIDENTE DA DOENÇA VALVAR É O SURGIMENTO DE TOSSE;
ESSA TOSSE É SECA (SEM SECREÇÃO) E PODE SE APRESENTAR DE CURTA
DURAÇÃO OU DESENVOLVER CRISES DE TOSSE, EM QUE OCORRE UM ENGASGO
NO FINAL. NORMALMENTE ELA SE EXACERBA EM MOMENTOS DE AGITAÇÃO DO
PACIENTE; PORÉM, EM CASOS MAIS AVANÇADOS PODE OCORRER DE FORMA
MAIS FREQUENTE À NOITE E QUANDO O PACIENTE SE LEVANTA. OUTROS
SINTOMAS PODEM SER OBSERVADOS, COMO CANSAÇO FÁCIL, CIANOSE
(MUCOSAS ARROXEADAS), DIFICULDADE RESPIRATÓRIA E SÍNCOPES. OS SINAIS
SÃO IMPORTANTES, PORÉM, O DIAGNÓSTICO DEVE SER CONFIRMADO ATRAVÉS
DE ECOCARDIOGRAMAS. AS RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E O
ELETROCARDIOGRAMA PODEM AUXILIAR NA AVALIAÇÃO COMPLEMENTAR DO
AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO
GATO
• O CORAÇÃO MANTÉM SUA CAPACIDADE DE BOMBEAR O SANGUE, E ASSIM,
PERFUNDIR TODO O ORGANISMO, NA FASE INICIAL DA DEGENERAÇÃO VALVAR. POR
ISSO, QUANDO UM CÃO POSSUI SOPRO NO CORAÇÃO NÃO, NECESSARIAMENTE, SE
JUSTIFICA UM TRATAMENTO MÉDICO. OS SOPROS SÃO CLASSIFICADOS EM GRAUS,
DEPENDENDO DE SUA INTENSIDADE, ESTANDO, O GRAU NA MAIORIA DAS VEZES,
RELACIONADO COM A GRAVIDADE DA DOENÇA CARDÍACA.
• O TRATAMENTO VISA A ESTABILIZAÇÃO DO PACIENTE E O RETARDO DA
PROGRESSÃO DA DOENÇA, VISTO QUE, A INSUFICIÊNCIA VALVAR NÃO TEM CURA.
ALGUMAS MEDICAÇÕES PRESCRITAS NO INÍCIO DA DOENÇA VISAM GARANTIR MAIOR
SOBREVIDA DAS CÉLULAS DO CORAÇÃO, COMO A ESPIRONOLACTONA E O ÔMEGA 3,
ENQUANTO OUTRAS BLOQUEIAM MECANISMOS QUE ACELERAM O
DESENVOLVIMENTO DA CARDIOPATIA, COMO OS INIBIDORES DA ECA. OUTROS
VASODILATADORES (COMO O PIMOBENDAN E A ANLODIPINA) E DIURÉTICOS
(FUROSEMIDA) SÃO ACRESCENTADOS À TERAPIA À MEDIDA QUE A DOENÇA EVOLUI,
TENTANDO GARANTIR BOA QUALIDADE DE VIDA AO PACIENTE.
AULA 9 – O SANGUE
• O SANGUE É UM TECIDO LÍQUIDO, FORMADO POR DIFERENTES TIPOS
DE CÉLULAS, QUE CIRCULA POR TODO NOSSO CORPO.
• UMA DAS FUNÇÕES BÁSICAS DO SANGUE É O TRANSPORTE DE
SUBSTÂNCIAS:
• LEVA OXIGÊNIO E NUTRIENTES PARA AS CÉLULAS E RETIRA GÁZ
CARBONICO;
• RETIRA DOS TECIDOS AS SOBRAS DAS ATIVIDADES CELULARES
(COMO GÁS CARBÔNICO PRODUZIDO NA RESPIRAÇÃO CELULAR);
• CONDUZ HORMÔNIOS PELO ORGANISMO.
• AJUDA MANTER O CALOR ENTRE AS ZONAS DE PRODUÇÃO E AS DE
ELIMINAÇÃO.
• DESEMPENHA UM PAPEL FUNDAMENTAL NA DEFESA DO ORGANISMO,
FAZENDO A LIMPEZA ATRAVEZ DOS MACROFAGOS, E ELIMINANDO
INVASORES ATRAVEZ DO SISTEMA IMUNITARIO.
AULA 9 – O SANGUE
• GLÓBULOS VERMELHOS – TAMBÉM CHAMADO DE
HEMÁCIAS, SÃO CÉLULAS EM MAIOR QUANTIDADE
NOS HUMANOS, EM FORA DE DISCO CÔNCAVO DE
AMBOS OS LADOS, NÃO POSSUEM NÚCLEO. SÃO
PRODUZIDAS PELA MEDULA ÓSSEA, RICAS
EM HEMOGLOBINA, UMA PROTEÍNA CUJO PIGMENTO
VERMELHO DÁ A COR CARACTERÍSTICA AO SANGUE
QUE TEM A PROPRIEDADE DE TRANSPORTAR O
OXIGÊNIO, DESEMPENHANDO PAPEL FUNDAMENTAL
NA RESPIRAÇÃO.
AULA 9 – O SANGUE
• GLÓBULOS BRANCOS – TAMBÉM CHAMADOS DE LEUCÓCITOS,
PRODUZIDAS NA MEDULA ÓSSEA, SÃO CÉLULAS DE DEFESA DO
ORGANISMO (SISTEMA IMUNOLÓGICO), QUE DESTROEM OS AGENTES
ESTRANHOS, COMO BACTÉRIAS, VÍRUS E AS SUBSTÂNCIAS TÓXICAS QUE
ATACAM NOSSO ORGANISMO E CAUSAM INFECÇÕES OU OUTRAS
DOENÇAS. TEM PAPEL IMPORTANTE NA COAGULAÇÃO DO SANGUE.
• NO SANGUE HÁ DIFERENTES TIPOS DE LEUCÓCITOS, DE DIFERENTES
FORMATOS, TAMANHOS E FORMAS DE NÚCLEO: NEUTRÓFILOS,
MONÓCITOS, BASÓFILOS, EOSINÓFILOS, LINFÓCITOS.
• LEUCÓCITOS-ESSAS CÉLULAS SÃO TRANSPORTADAS NO SANGUE PARA
SEREM UTILIZADAS SEMPRE QUE UM VÍRUS, UMA BACTÉRIA, OU
QUALQUER OUTRO ORGANISMO ESTRANHO ENTRA NO CORPO,
ELIMINANDO-OS E IMPEDINDO QUE PROVOQUEM PROBLEMAS DE SAÚDE.
• NEUTROFILOS-SÃO ESPECIALIZADOS NO COMBATE A BACTÉRIAS E
FUNGOS.
AULA 9 – O SANGUE
• MONÓCITOS- QUANDO OS VALORES DE MONÓCITOS ESTÃO BAIXOS, CONDIÇÃO CHAMADA DE
MONOCITOPENIA, NORMALMENTE SIGNIFICA QUE O SISTEMA IMUNOLÓGICO ESTÁ ENFRAQUECIDO,
O AUMENTO NO NÚMERO DE MONÓCITOS, TAMBÉM CHAMADO DE MONOCITOSE, NORMALMENTE É
INDICATIVO DE INFECÇÕES CRÔNICAS.
• BASÓFILOS- SÃO CÉLULAS IMPORTANTES PARA O SISTEMA IMUNE, ESTANDO NORMALMENTE
AUMENTADOS EM CASOS DE ALERGIA OU INFLAMAÇÃO PROLONGADA.
• EOSINÓFILOS- ESSAS CÉLULAS DE DEFESA SE ENCONTRAM FICAM PRESENTES NO SANGUE EM
ELEVADAS CONCENTRAÇÃO PRINCIPALMENTE DURANTE REAÇÕES ALÉRGICAS OU EM CASO DE
INFECÇÕES PARASITÁRIAS, BACTERIANAS E FÚNGICAS.
• LINFÓCITOS- ALTOS NORMALMENTE ESTÁ RELACIONADO A PROCESSOS INFECCIOSOS, E
BAIXOS NORMALMENTE É RELACIONADA COM SITUAÇÕES ENVOLVENDO A MEDULA ÓSSEA, COMO
ANEMIA APLÁSTICA OU LEUCEMIA, POR EXEMPLO,
AULA 9 – O SANGUE
• AS PLAQUETAS SÃO FUNDAMENTAIS PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TAMPÃO
PLAQUETÁRIO DURANTE A RESPOSTA NORMAL À LESÃO VASCULAR. NA AUSÊNCIA DE
PLAQUETAS, PODEM OCORRER VÁRIOS VAZAMENTOS ESPONTÂNEOS DE SANGUE EM
PEQUENOS VASOS, O QUE PODE COMPROMETER O ESTADO DE SAÚDE DA PESSOA. AS
PLAQUETAS DESEMPENHAM PAPEL ESSENCIAL NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TAMPÃO
PLAQUETÁRIO, SENDO FUNDAMENTAL PARA EVITAR GRANDES SANGRAMENTOS, SENDO, POR
ISSO, IMPORTANTE QUE A QUANTIDADE DE PLAQUETAS CIRCULANTE NO ORGANISMO ESTEJA
DENTRO DOS VALORES NORMAIS DE REFERÊNCIA. NO LOCAL DA LESÃO, OCORRE A
INTERAÇÃO ESPECÍFICA ENTRE A PLAQUETA E A PAREDE CELULAR, PROCESSO DE ADESÃO, E A
INTERAÇÃO ENTRE PLAQUETA E PLAQUETA (PROCESSO DE AGREGAÇÃO), QUE SÃO MEDIADAS
PELO FATO DE VON WILLEBRAND QUE PODE SER ENCONTRADO DENTRO DAS PLAQUETAS.
ALÉM DA LIBERAÇÃO DO FATOR DE VON WILLEBRAND, HÁ A PRODUÇÃO E ATIVIDADE DE
OUTROS FATORES E PROTEÍNAS RELACIONADAS AO PROCESSO DE COAGULAÇÃO SANGUÍNEA.
ATÉ A PRÓXIMA AULA !

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a .pptx

Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Susana Barrios
 
Transporte nos animais.pptx
Transporte nos animais.pptxTransporte nos animais.pptx
Transporte nos animais.pptxMuriloMalve
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularCésar Milani
 
Sistema circulatório 2
Sistema circulatório 2Sistema circulatório 2
Sistema circulatório 2bioconectado
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular  Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular Eliete Santos
 
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptxSthefanyHonorato
 
Sistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratórioSistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratórioaferna
 
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptxUFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptxNome Sobrenome
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sanguerobioprof
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascularIsabel Canova
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatórioAndreia Gomes
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorioMarcos Anicio
 
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptxAula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptxRodrigoSousa736857
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatórioRosa Pereira
 
sistema cardiovascular.pptx
sistema cardiovascular.pptxsistema cardiovascular.pptx
sistema cardiovascular.pptxGabrielSanches46
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatórioTânia Reis
 

Semelhante a .pptx (20)

Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio Sistema cardio respiratorio
Sistema cardio respiratorio
 
Transporte nos animais.pptx
Transporte nos animais.pptxTransporte nos animais.pptx
Transporte nos animais.pptx
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humanaAula 04 anatomia e fisiologia humana
Aula 04 anatomia e fisiologia humana
 
Sistema circulatório 2
Sistema circulatório 2Sistema circulatório 2
Sistema circulatório 2
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular  Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx
(9) Apresentação LINFÁTICO.pptx
 
Sistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratórioSistema circulatório e sistema respiratório
Sistema circulatório e sistema respiratório
 
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptxUFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
UFCD 6568- Noções Gerais do Sistema Circulatório e.pptx
 
Circulatorio
CirculatorioCirculatorio
Circulatorio
 
sistemas circ e excretor
sistemas circ e excretorsistemas circ e excretor
sistemas circ e excretor
 
Sistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangueSistema cardiovascular e o sangue
Sistema cardiovascular e o sangue
 
Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011Sistema circulatorio 2011
Sistema circulatorio 2011
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema circulatorio
Sistema circulatorioSistema circulatorio
Sistema circulatorio
 
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptxAula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
Aula MANHÃ - SISTEMA CARDIOVASCULAR.pptx
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
sistema cardiovascular.pptx
sistema cardiovascular.pptxsistema cardiovascular.pptx
sistema cardiovascular.pptx
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 

.pptx

  • 1. CURSO DE AUXILIAR DE VETERINÁRIO AULA 8
  • 2. AULA 8 – O SISTEMA CIRCULATÓRIO • O CORAÇÃO E OS VASOS SANGUÍNEOS E O SANGUE FORMAM O SISTEMA CARDIOVASCULAR OU CIRCULATÓRIO. • FAZEM PARTE DESTE TAMBÉM OS VASOS LINFÁTICOS QUE FAZEM A NA DRENAGEM AUXILIANDO NA CIRCULAÇÃO GERAL. • A CIRCULAÇÃO DO SANGUE PERMITE O TRANSPORTE E A DISTRIBUIÇÃO DE NUTRIENTES, GÁS OXIGÊNIO E HORMÔNIOS PARA AS CÉLULAS DE VÁRIOS ÓRGÃOS. O SANGUE TAMBÉM TRANSPORTA RESÍDUOS DO METABOLISMO PARA QUE POSSAM SER ELIMINADOS DO CORPO.
  • 3. • ARTÉRIAS • AS ARTÉRIAS SÃO VASOS DE PAREDES RELATIVAMENTE ESPESSA E MUSCULAR, QUE TRANSPORTA SANGUE DO CORAÇÃO PARA OS DIVERSOS TECIDOS DO CORPO. • A MAIORIA DAS ARTÉRIAS TRANSPORTA SANGUE OXIGENADO (RICO EM GÁS OXIGÊNIO), MAS AS ARTÉRIAS PULMONARES TRANSPORTAM SANGUE NÃO OXIGENADO (POBRE EM GÁS OXIGÊNIO) DO CORAÇÃO ATÉ OS PULMÕES. A AORTA É A ARTÉRIA MAIS CALIBROSA (DE MAIOR DIÂMETRO) DO CORPO HUMANO
  • 4. • VEIAS • AS VEIAS SÃO VASOS DE PAREDES RELATIVAMENTE FINA, QUE TRANSPORTAM SANGUE DOS DIVERSOS TECIDOS DO CORPO PARA O CORAÇÃO. A MAIORIA DAS VEIAS TRANSPORTA SANGUE NÃO OXIGENADO, MAS AS VEIAS PULMONARES TRANSPORTAM SANGUE OXIGENADO DOS PULMÕES PARA O CORAÇÃO. AS VEIAS CAVAS SUPERIOR E INFERIOR SÃO AS MAIS CALIBROSAS DO CORPO HUMANO.
  • 5. • O CORAÇÃO É UM ÓRGÃO CAVITÁRIO (QUE APRESENTA CAVIDADE), BASICAMENTE CONSTITUÍDO POR TRÊS CAMADAS: • PERICÁRDIO – É A MEMBRANA QUE REVESTE EXTERNAMENTE O CORAÇÃO, COMO UM SACO. ESTA MEMBRANA PROPICIA UMA SUPERFÍCIE LISA E ESCORREGADIA AO CORAÇÃO, FACILITANDO SEU MOVIMENTO ININTERRUPTO; • ENDOCÁRDIO – É UMA MEMBRANA QUE REVESTE A SUPERFÍCIE INTERNA DAS CAVIDADES DO CORAÇÃO; • MIOCÁRDIO – É O MÚSCULO RESPONSÁVEL PELAS CONTRAÇÕES VIGOROSAS E INVOLUNTÁRIAS DO CORAÇÃO; SITUA-SE ENTRE O PERICÁRDIO E O ENDOCÁRDIO.
  • 6. AULA 8 – O SISTEMA CIRCULATÓRIO • O CORAÇÃO • ÓRGÃO CAVITÁRIO • – MÚSCULO ESTRIADO CARDÍACO – MIOCÁRDIO – BOMBA MUSCULAR • * ENVOLVIDO - PERICÁRDIO – MEMBRANA SEROSA • * LOCALIZAÇÃO: CAVIDADE TORÁCICA – MEDIASTINO MÉDIO • * RESPONSÁVEL PELA CIRCULAÇÃO: IDA E VINDA
  • 7. • O SANGUE OXIGENADO É BOMBEADO PELO VENTRÍCULO ESQUERDO DO CORAÇÃO PARA O INTERIOR DA AORTA. ESSA ARTÉRIA DISTRIBUI O SANGUE OXIGENADO PARA TODO O CORPO, ATRAVÉS DE INÚMERAS RAMIFICAÇÕES, COMO A ARTÉRIA CORONÁRIA, A ARTÉRIA CARÓTIDA E A ARTÉRIA BRAQUIAL. • NOS TECIDOS, O SANGUE LIBERA GÁS OXIGÊNIO E ABSORVE GÁS CARBÔNICO. O SANGUE NÃO OXIGENADO E RICO EM GÁS CARBÔNICO É TRANSPORTADO POR VEIAS DIVERSAS, QUE ACABAM DESEMBOCANDO NA VEIA CAVA SUPERIOR E NA VEIA CAVA INFERIOR. ESSAS VEIAS LEVAM ENTÃO O SANGUE NÃO OXIGENADO ATÉ O ÁTRIO DIREITO. DESTE, O SANGUE NÃO OXIGENADO PASSA PARA O VENTRÍCULO DIREITO E DAÍ É TRANSPORTADO ATÉ OS PULMÕES PELAS ARTÉRIAS PULMONARES. • NOS PULMÕES, O SANGUE LIBERA O GÁS CARBÔNICO E ABSORVE O GÁS OXIGÊNIO CAPTADO DO AMBIENTE PELO SISTEMA RESPIRATÓRIO. ESSE FENÔMENO, EM QUE O SANGUE É OXIGENADO, CHAMA-SE HEMATOSE. • ENTÃO, O SANGUE OXIGENADO RETORNA AO ÁTRIO ESQUERDO DO CORAÇÃO, TRANSPORTADO PELAS VEIAS PULMONARES. DO ÁTRIO ESQUERDO, O SANGUE OXIGENADO PASSA PARA O VENTRÍCULO ESQUERDO E DAÍ É IMPULSIONADO PARA O INTERIOR DA AORTA, REINICIANDO O CIRCUITO.
  • 8.
  • 9.
  • 10. AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS • O NOSSO CORAÇÃO FUNCIONA COMO UMA BOMBA DE SANGUE, SE ELE PARA DE FUNCIONAR NOSSO CORPO SE PREJUDICA E MORREMOS. O SANGUE PARA DE CIRCULAR, NOSSAS CÉLULAS PARAM DE SER IRRIGADAS E O CORPO TODO PARA DE FUNCIONAR. O CICLO CARDÍACO SE DIVIDE EM DUAS FASES: SÍSTOLE E DIÁSTOLE. SÍSTOLE: A SÍSTOLE É O PERÍODO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR DO CORAÇÃO. NESSE PERÍODO DO CICLO CARDÍACO AS VÁLVULAS PULMONAR E AÓRTICA SÃO ABERTAS E O SANGUE É EJETADO RAPIDAMENTE DO VENTRÍCULO ESQUERDO PARA A AORTA E, DO VENTRÍCULO DIREITO PARA A ARTÉRIA PULMONAR. NO PERÍODO DE EJEÇÃO, COM AS VÁLVULAS AÓRTICA E PULMONAR ABERTAS, A PRESSÃO ENTRE O VENTRÍCULO E A ARTÉRIA CORRESPONDENTE SÃO IGUAIS.
  • 11. AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS Diástole: Diástole é o período de relaxamento do coração. O sangue entra na aurícula direita e na aurícula esquerda, vindo, respectivamente, das veias cavas (superior e inferior) e das veias pulmonares. Nesta fase, as válvulas tricúspide e bicúspide encontram-se abertas, permitindo, assim, a entrada passiva de sangue das aurículas para os ventrículos. As válvulas semilunares encontram-se fechadas, o que impede a saída de sangue do coração. Durante o ciclo cardíaco o coração produz os batimentos, que podem ser ouvidos com o estetoscópio. O primeiro batimento corresponde marca o início da sístole e o segundo marca o início da diástole.
  • 12. AULA 8 - OS BATIMENTOS CARDÍACOS • O RITMO CARDÍACO: • NA PAREDE DO MUSCULAR EXISTEM 3 TECIDOS, DENOMINADOS NODAIS, COMPOSTOS POR CÉLULAS QUE PODEM DESPOLARIZAR-SE LENTA E ESPONTANEAMENTE, DANDO ORIGEM A UM POTENCIAL DE AÇÃO QUE SE PROPAGA A TODAS AS CÉLULAS CARDÍACAS, PROVOCANDO ASSIM A CONTRAÇÃO DO CORAÇÃO. É O TECIDO NODAL LOCALIZADO AO NÍVEL DOS ÁTRIOS QUE IMPÕE O SEU RITMO TENDO ASSIM A FUNÇÃO DE MARCA PASSO DO CORAÇÃO.
  • 13. ATRIO PERICARDICO BATIMENTO NOMRAL CHIADO PULMONAR ESTRIDOR RONCO SOPRO
  • 14. AULA 9- ARTÉRIAS E VEIAS • ARTÉRIAS • AS ARTÉRIAS SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE LEVAM SANGUE DO CORAÇÃO PARA TODOS OS TECIDOS. À MEDIDA QUE SAEM DO CORAÇÃO, ESSAS ARTÉRIAS TORNAM-SE DE MENOR CALIBRE E CADA VEZ MAIS RAMIFICADAS. O SANGUE, AO SAIR DO CORAÇÃO, ESTÁ SOB UMA ALTA PRESSÃO, O QUE PODERIA DANIFICAR AS ARTÉRIAS SE ELAS NÃO POSSUÍSSEM PAREDES ELÁSTICAS E FORTES. NAS ARTÉRIAS, PERCEBE-SE QUE A TÚNICA MÉDIA É BEM MAIS DESENVOLVIDA QUANDO COMPARADA COM AS DOS OUTROS TIPOS DE VASOS SANGUÍNEOS.
  • 15. AULA 9 – ARTÉRIAS E VEIAS • VEIAS • AS VEIAS SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE TRANSPORTAM SANGUE PROVENIENTE DOS TECIDOS PARA O CORAÇÃO. AS VEIAS MAIORES RESULTAM DA CONVERGÊNCIA DE VASOS SANGUÍNEOS, QUE TORNAM A VEIA MAIS CALIBROSA À MEDIDA QUE SE APROXIMA DO CORAÇÃO. QUANDO COMPARADAS ÀS ARTÉRIAS, VERIFICAMOS QUE A TÚNICA MÉDIA DAS VEIAS É MENOS MUSCULOSA E COM MENOS FIBRAS ELÁSTICAS. • NORMALMENTE O SANGUE TRANSPORTADO PELAS VEIAS É RICO EM GÁS CARBÔNICO E POBRE EM NUTRIENTES, POR ISSO, ESSE TIPO DE SANGUE ERA CHAMADO ANTERIORMENTE DE SANGUE VENOSO. VALE DESTACAR, NO ENTANTO, QUE AS VEIAS TAMBÉM TRANSPORTAM SANGUE RICO EM OXIGÊNIO, QUE É O CASO DA VEIA PULMONAR. • DIFERENTEMENTE DAS ARTÉRIAS, A PRESSÃO NAS VEIAS É MENOR. PARA QUE O SANGUE CONSIGA VENCER A FORÇA DA GRAVIDADE E A BAIXA PRESSÃO PARA RETORNAR AO CORAÇÃO, AS VEIAS POSSUEM VÁLVULAS QUE EVITAM O REFLUXO DE SANGUE.
  • 16. • CAPILARES • OS CAPILARES SÃO VASOS SANGUÍNEOS QUE APRESENTAM COMO FUNÇÃO PRINCIPAL REALIZAR TROCAS ENTRE O SANGUE E OS TECIDOS, GARANTINDO QUE NUTRIENTES E OXIGÊNIO SEJAM PASSADOS PARA AS CÉLULAS. POR CAUSA DESSA FUNÇÃO, É IMPORTANTE QUE ESSES VASOS SEJAM DELGADOS. NORMALMENTE OS CAPILARES SÃO FORMADOS POR UMA ÚNICA CAMADA DE CÉLULAS ENDOTELIAIS E SEU DIÂMETRO FICA EM TORNO DE 8 MM.
  • 17. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO • OS GÂNGLIOS OU LINFONODOS FAZEM PARTE DO SISTEMA LINFÁTICO DO NOSSO ORGANISMO E DA MAIORIA DOS ANIMAIS, INCLUSIVE DOS CÃES E GATOS. • ESSE SISTEMA DISTRIBUÍDO POR TODO CORPO É RESPONSÁVEL PELO TRANSPORTE DA LINFA E POR PARTICIPAR EM MUITAS FUNÇÕES IMUNOLÓGICAS (DE DEFESA) DO ORGANISMO. ESSES NÓDULOS FICAM DISTRIBUÍDOS EM VÁRIAS PARTES DO CORPO INTERLIGADO POR PEQUENOS VASOS CHAMADOS DE VASOS LINFÁTICOS. OUTROS ÓRGÃOS IMPORTANTES DESTE SISTEMA INCLUEM A MEDULA ÓSSEA, O BAÇO, O TIMO E O TECIDO LINFOIDE INFILTRADO NO TRATO GASTROINTESTINAL.
  • 18. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO FUNÇÕES • RECOLHER O LÍQUIDO INTERSTICIAL QUE NÃO RETORNOU AOS CAPILARES SANGUÍNEOS, FILTRANDO -O E RECONDUZINDO-O À CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA • ATUA NO SISTEMA IMUNE DO ORGANISMO ATRAVÉS DA PRODUÇÃO DE LINFÓCITOS E DE ANTICORPOS
  • 19. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO CONSTITUIÇÃO DO SISTEMA LINFÁTICO • LINFA: LÍQUIDO QUE CIRCULA PELOS VASOS LINFÁTICOS • CAPILARES LINFÁTICOS: RECOLHEM A LINFA NO ESPAÇO INTERSTICIAL • VASOS LINFÁTICOS: TRANSPORTAM A LINFA • ÓRGÃOS LINFÁTICOS: LINFONODOS, TONSILAS, BAÇO E TIMO
  • 20. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO LINFA • LÍQUIDO QUE CIRCULA PELOS VASOS LINFÁTICOS • COMPOSIÇÃO SEMELHANTE AO PLASMA SANGUÍNEO • PROTEÍNAS • GLÓBULOS BRANCOS • RESTOS CELULARES E OUTROS DETRITOS • SUBSTÂNCIAS ESTRANHAS: MICROORGANISMOS • FLUXO DA LINFA É IMPULSIONADO POR: • CONTRAÇÃO DA MUSCULATURA LISA DOS VASOS LINFÁTICOS • CONTRAÇÃO DOS MÚSCULOS ESQUELÉTICOS • PULSAÇÃO ARTERIAL • NA REGIÃO CERVICAL PELA GRAVIDADE
  • 21. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO • CAPILARES LINFÁTICOS • TUBOS FORMADOS POR CÉLULAS ENDOTELIAIS, FENESTRADOS • RECOLHEM A LINFA DO ESPAÇO INTERSTICIAL • AS CÉLULAS ENDOTELIAIS SE SOBREPÕE UMA SOBRE AS OUTRAS, FORMANDO FENESTRAÇÕES QUE SEMPRE SE APRESENTAM ABERTAS PARA O INTERIOR DO CAPILAR • REFLUXO TENDE A FECHÁ-LAS, IMPEDINDO O RETORNO DA LINFA PARA OS ESPAÇOS INTERSTICIAIS
  • 22. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO VASOS LINFÁTICOS • ORIGINAM-SE DOS CAPILARES LINFÁTICOS • POSSUEM VALVAS NO SEU INTERIOR QUE IMPEDEM O RETORNO DA LINFA • SÃO FENESTRADOS CONTRAEM E EXPANDEM PERIODICAMENTE, PRODUZINDO ASSIM PEQUENAS SUCÇÕES TRAJETO • EM VÁRIOS PONTOS AO LONGO DO SEU TRAJETO, OS VASOS LINFÁTICOS ATRAVESSAM OS GÂNGLIOS LINFÁTICOS • OS VASOS MAIORES SEGUEM TRAJETOS INDEPENDENTES • OS VASOS MENORES ACOMPANHAM VASOS SANGUÍNEOS E NERVOS • OS VASOS SE CONVERGEM, FORMANDO TRONCOS MAIORES QUE DESEMBOCAM EM VEIAS PRINCIPAIS V. JUGULAR EXTERNA OU V. CAVA CRANIAL
  • 23. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO TRONCOS COLETORES DE LINFA • DUCTOS TRAQUEAIS D E E RECOLHEM A LINFA DAS REGIÕES DA CABEÇA, PESCOÇO, OMBRO E MEMBRO TORÁCICO ACOMPANHAM O TRAJETO DA TRAQUÉIA NO PESCOÇO • DESEMBOCAM NO DUCTO TORÁCICO, NA VEIA JUGULAR CORRESPONDENTE OU NA VEIA CAVA CRANIAL • DUCTO TORÁCICO PRINCIPAL CANAL COLETOR DE LINFA DO CORPO • RECEBE A LINFA DO TÓRAX, ABDÔMEN, PELVE E MEMBROS PÉLVICOS DESEMBOCA NA JUGULAR ESQUERDA OU NA VEIA CAVA CRANIAL ORIGINA-SE NA CISTERNA DO QUILO DILATAÇÃO DO DUCTO TORÁCICO QUE RECEBE A LINFA DO ABDÔMEN, DA PELVE E DOS MEMBROS PÉLVICOS
  • 24.
  • 25. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO • BAÇO • ÓRGÃO LINFÓIDE PRESENTE NA REGIÃO CRANIAL ESQUERDA DO ABDÔMEN PRÓXIMO AO ESTÔMAGO • FUNÇÕES: • GRANDE CAPACIDADE FAGOCITÁRIA: MICROORGANISMO ENCAPSULADOS POR ANTICORPOS/ • CÉLULAS DO SANGUE ENVELHECIDAS • RESERVATÓRIO PARA CÉLULAS SANGUÍNEAS • PRODUÇÃO DE LINFÓCITOS
  • 26. AULA 9 – SISTEMA LINFÁTICO DO CÃO E DO GATO • TIMO • ÓRGÃO LINFÓIDE CUJA IMPORTÂNCIA MAIOR É NO ANIMAL JOVEM • REGRIDE NA PUBERDADE E QUASE DESAPARECE NO ANIMAL ADULTO • FUNÇÃO: MATURA LINFÓCITOS DO TIPO T
  • 27.
  • 28. AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO GATO A CARDIOMIOPATIA DILATADA É UMA DOENÇA DO CORAÇÃO QUE SE CARACTERIZA PELA DILATAÇÃO DO TAMANHO DO CORAÇÃO, PERDENDO COM O TEMPO A FORÇA NECESSÁRIA PARA BOMBEAR O SANGUE DO CORAÇÃO PARA O RESTO DO CORPO. • AS PAREDES DO CORAÇÃO, COM A EVOLUÇÃO DA DOENÇA, SE TORNAM MAIS FINAS E MENOS ELÁSTICAS PERDENDO A FORÇA DE CONTRAÇÃO. COM ISSO O SANGUE OXIGENADO NÃO CHEGA AO RESTO DO CORPO EM QUANTIDADE SUFICIENTE E QUEM SOFRE MAIS COM ISSO SÃO OS RINS E PULMÕES. • ESSA DILATAÇÃO PODE ESTAR ASSOCIADA TAMBÉM A ARRITMIAS CARDÍACAS COMPLICANDO AINDA MAIS A FUNÇÃO DESSE ÓRGÃO.
  • 29. AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO GATO • AS CAUSAS QUE LEVAM O CÃO A DESENVOLVER A CARDIOMIOPATIA DILATADA NÃO SÃO CONHECIDAS, MAS EXISTEM FATORES NUTRICIONAIS ENVOLVIDOS (DEFICIÊNCIA DE TAURINA E/OU CARNITINA), DOENÇAS IMUNOMEDIADAS, INFECÇÕES VIRAIS, DISTÚRBIO GENÉTICOS, HIPOTIREOIDISMO, MIOCARDITES ENTRE OUTROS. • NO INICIO DA DOENÇA, PODEMOS NÃO PERCEBER NENHUM SINTOMA OU DESCONFORTO, MAS COM A EVOLUÇÃO DA DOENÇA (COM O TEMPO), COMEÇAMOS A PERCEBER OS PRIMEIROS SINTOMAS COMO DIFICULDADE RESPIRATÓRIA, CANSAÇO FÁCIL, LÍNGUA AZULADA, AS VEZES DESMAIOS E, EM ALGUNS CASOS, PODEMOS SENTIR A BATIDA DO CORAÇÃO IRREGULAR (ARRITMIA) OU MUITO FORTE, SOMENTE ENCOSTANDO A MÃO NO PEITO DELES.
  • 30. AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO GATO INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL EM CÃES • A INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL, TAMBÉM DENOMINADA ENDOCARDIOSE VALVAR MITRAL, IMPLICA EM UMA DEGENERAÇÃO DA VALVA MITRAL (LOCALIZADA DO LADO ESQUERDO DO CORAÇÃO) QUE PERMITE UM REFLUXO DE SANGUE PARA O ÁTRIO ESQUERDO EM CADA CONTRAÇÃO DO VENTRÍCULO ESQUERDO. • ESSA DOENÇA ACOMETE PRINCIPALMENTE CÃES ADULTOS E IDOSOS DE PORTE PEQUENO; OBSERVAMOS O INÍCIO DAS ALTERAÇÕES A PARTIR DE 6-8 ANOS DE IDADE, SENDO COMUMENTE OBSERVADA EM POODLE, YORKSHIRE, MALTÊS, PINSCHER, SHIH-TZU, LHASA-APSO E DACHSHUND. CÃES DA RAÇA COCKER SPANIEL, APESAR DE SEREM DE PORTE MÉDIO, SÃO BASTANTE ACOMETIDOS TAMBÉM. A INSUFICIÊNCIA VALVAR MITRAL PODE ESTAR RELACIONADA A UM PROBLEMA GENÉTICO, COMO NO CASO DOS CÃES DA RAÇA CAVALIER KING CHARLES, EM QUE SE INICIA DE FORMA MAIS PRECOCE E APRESENTA UMA EVOLUÇÃO MAIS RÁPIDA E AGRESSIVA.
  • 31. AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO GATO • O SINTOMA MAIS EVIDENTE DA DOENÇA VALVAR É O SURGIMENTO DE TOSSE; ESSA TOSSE É SECA (SEM SECREÇÃO) E PODE SE APRESENTAR DE CURTA DURAÇÃO OU DESENVOLVER CRISES DE TOSSE, EM QUE OCORRE UM ENGASGO NO FINAL. NORMALMENTE ELA SE EXACERBA EM MOMENTOS DE AGITAÇÃO DO PACIENTE; PORÉM, EM CASOS MAIS AVANÇADOS PODE OCORRER DE FORMA MAIS FREQUENTE À NOITE E QUANDO O PACIENTE SE LEVANTA. OUTROS SINTOMAS PODEM SER OBSERVADOS, COMO CANSAÇO FÁCIL, CIANOSE (MUCOSAS ARROXEADAS), DIFICULDADE RESPIRATÓRIA E SÍNCOPES. OS SINAIS SÃO IMPORTANTES, PORÉM, O DIAGNÓSTICO DEVE SER CONFIRMADO ATRAVÉS DE ECOCARDIOGRAMAS. AS RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E O ELETROCARDIOGRAMA PODEM AUXILIAR NA AVALIAÇÃO COMPLEMENTAR DO
  • 32.
  • 33. AULA 9- AFECÇÕES CARDÍACAS DO CÃO E DO GATO • O CORAÇÃO MANTÉM SUA CAPACIDADE DE BOMBEAR O SANGUE, E ASSIM, PERFUNDIR TODO O ORGANISMO, NA FASE INICIAL DA DEGENERAÇÃO VALVAR. POR ISSO, QUANDO UM CÃO POSSUI SOPRO NO CORAÇÃO NÃO, NECESSARIAMENTE, SE JUSTIFICA UM TRATAMENTO MÉDICO. OS SOPROS SÃO CLASSIFICADOS EM GRAUS, DEPENDENDO DE SUA INTENSIDADE, ESTANDO, O GRAU NA MAIORIA DAS VEZES, RELACIONADO COM A GRAVIDADE DA DOENÇA CARDÍACA. • O TRATAMENTO VISA A ESTABILIZAÇÃO DO PACIENTE E O RETARDO DA PROGRESSÃO DA DOENÇA, VISTO QUE, A INSUFICIÊNCIA VALVAR NÃO TEM CURA. ALGUMAS MEDICAÇÕES PRESCRITAS NO INÍCIO DA DOENÇA VISAM GARANTIR MAIOR SOBREVIDA DAS CÉLULAS DO CORAÇÃO, COMO A ESPIRONOLACTONA E O ÔMEGA 3, ENQUANTO OUTRAS BLOQUEIAM MECANISMOS QUE ACELERAM O DESENVOLVIMENTO DA CARDIOPATIA, COMO OS INIBIDORES DA ECA. OUTROS VASODILATADORES (COMO O PIMOBENDAN E A ANLODIPINA) E DIURÉTICOS (FUROSEMIDA) SÃO ACRESCENTADOS À TERAPIA À MEDIDA QUE A DOENÇA EVOLUI, TENTANDO GARANTIR BOA QUALIDADE DE VIDA AO PACIENTE.
  • 34. AULA 9 – O SANGUE • O SANGUE É UM TECIDO LÍQUIDO, FORMADO POR DIFERENTES TIPOS DE CÉLULAS, QUE CIRCULA POR TODO NOSSO CORPO. • UMA DAS FUNÇÕES BÁSICAS DO SANGUE É O TRANSPORTE DE SUBSTÂNCIAS: • LEVA OXIGÊNIO E NUTRIENTES PARA AS CÉLULAS E RETIRA GÁZ CARBONICO; • RETIRA DOS TECIDOS AS SOBRAS DAS ATIVIDADES CELULARES (COMO GÁS CARBÔNICO PRODUZIDO NA RESPIRAÇÃO CELULAR); • CONDUZ HORMÔNIOS PELO ORGANISMO. • AJUDA MANTER O CALOR ENTRE AS ZONAS DE PRODUÇÃO E AS DE ELIMINAÇÃO. • DESEMPENHA UM PAPEL FUNDAMENTAL NA DEFESA DO ORGANISMO, FAZENDO A LIMPEZA ATRAVEZ DOS MACROFAGOS, E ELIMINANDO INVASORES ATRAVEZ DO SISTEMA IMUNITARIO.
  • 35. AULA 9 – O SANGUE • GLÓBULOS VERMELHOS – TAMBÉM CHAMADO DE HEMÁCIAS, SÃO CÉLULAS EM MAIOR QUANTIDADE NOS HUMANOS, EM FORA DE DISCO CÔNCAVO DE AMBOS OS LADOS, NÃO POSSUEM NÚCLEO. SÃO PRODUZIDAS PELA MEDULA ÓSSEA, RICAS EM HEMOGLOBINA, UMA PROTEÍNA CUJO PIGMENTO VERMELHO DÁ A COR CARACTERÍSTICA AO SANGUE QUE TEM A PROPRIEDADE DE TRANSPORTAR O OXIGÊNIO, DESEMPENHANDO PAPEL FUNDAMENTAL NA RESPIRAÇÃO.
  • 36. AULA 9 – O SANGUE • GLÓBULOS BRANCOS – TAMBÉM CHAMADOS DE LEUCÓCITOS, PRODUZIDAS NA MEDULA ÓSSEA, SÃO CÉLULAS DE DEFESA DO ORGANISMO (SISTEMA IMUNOLÓGICO), QUE DESTROEM OS AGENTES ESTRANHOS, COMO BACTÉRIAS, VÍRUS E AS SUBSTÂNCIAS TÓXICAS QUE ATACAM NOSSO ORGANISMO E CAUSAM INFECÇÕES OU OUTRAS DOENÇAS. TEM PAPEL IMPORTANTE NA COAGULAÇÃO DO SANGUE. • NO SANGUE HÁ DIFERENTES TIPOS DE LEUCÓCITOS, DE DIFERENTES FORMATOS, TAMANHOS E FORMAS DE NÚCLEO: NEUTRÓFILOS, MONÓCITOS, BASÓFILOS, EOSINÓFILOS, LINFÓCITOS. • LEUCÓCITOS-ESSAS CÉLULAS SÃO TRANSPORTADAS NO SANGUE PARA SEREM UTILIZADAS SEMPRE QUE UM VÍRUS, UMA BACTÉRIA, OU QUALQUER OUTRO ORGANISMO ESTRANHO ENTRA NO CORPO, ELIMINANDO-OS E IMPEDINDO QUE PROVOQUEM PROBLEMAS DE SAÚDE. • NEUTROFILOS-SÃO ESPECIALIZADOS NO COMBATE A BACTÉRIAS E FUNGOS.
  • 37. AULA 9 – O SANGUE • MONÓCITOS- QUANDO OS VALORES DE MONÓCITOS ESTÃO BAIXOS, CONDIÇÃO CHAMADA DE MONOCITOPENIA, NORMALMENTE SIGNIFICA QUE O SISTEMA IMUNOLÓGICO ESTÁ ENFRAQUECIDO, O AUMENTO NO NÚMERO DE MONÓCITOS, TAMBÉM CHAMADO DE MONOCITOSE, NORMALMENTE É INDICATIVO DE INFECÇÕES CRÔNICAS. • BASÓFILOS- SÃO CÉLULAS IMPORTANTES PARA O SISTEMA IMUNE, ESTANDO NORMALMENTE AUMENTADOS EM CASOS DE ALERGIA OU INFLAMAÇÃO PROLONGADA. • EOSINÓFILOS- ESSAS CÉLULAS DE DEFESA SE ENCONTRAM FICAM PRESENTES NO SANGUE EM ELEVADAS CONCENTRAÇÃO PRINCIPALMENTE DURANTE REAÇÕES ALÉRGICAS OU EM CASO DE INFECÇÕES PARASITÁRIAS, BACTERIANAS E FÚNGICAS. • LINFÓCITOS- ALTOS NORMALMENTE ESTÁ RELACIONADO A PROCESSOS INFECCIOSOS, E BAIXOS NORMALMENTE É RELACIONADA COM SITUAÇÕES ENVOLVENDO A MEDULA ÓSSEA, COMO ANEMIA APLÁSTICA OU LEUCEMIA, POR EXEMPLO,
  • 38. AULA 9 – O SANGUE • AS PLAQUETAS SÃO FUNDAMENTAIS PARA O PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TAMPÃO PLAQUETÁRIO DURANTE A RESPOSTA NORMAL À LESÃO VASCULAR. NA AUSÊNCIA DE PLAQUETAS, PODEM OCORRER VÁRIOS VAZAMENTOS ESPONTÂNEOS DE SANGUE EM PEQUENOS VASOS, O QUE PODE COMPROMETER O ESTADO DE SAÚDE DA PESSOA. AS PLAQUETAS DESEMPENHAM PAPEL ESSENCIAL NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DO TAMPÃO PLAQUETÁRIO, SENDO FUNDAMENTAL PARA EVITAR GRANDES SANGRAMENTOS, SENDO, POR ISSO, IMPORTANTE QUE A QUANTIDADE DE PLAQUETAS CIRCULANTE NO ORGANISMO ESTEJA DENTRO DOS VALORES NORMAIS DE REFERÊNCIA. NO LOCAL DA LESÃO, OCORRE A INTERAÇÃO ESPECÍFICA ENTRE A PLAQUETA E A PAREDE CELULAR, PROCESSO DE ADESÃO, E A INTERAÇÃO ENTRE PLAQUETA E PLAQUETA (PROCESSO DE AGREGAÇÃO), QUE SÃO MEDIADAS PELO FATO DE VON WILLEBRAND QUE PODE SER ENCONTRADO DENTRO DAS PLAQUETAS. ALÉM DA LIBERAÇÃO DO FATOR DE VON WILLEBRAND, HÁ A PRODUÇÃO E ATIVIDADE DE OUTROS FATORES E PROTEÍNAS RELACIONADAS AO PROCESSO DE COAGULAÇÃO SANGUÍNEA.
  • 39. ATÉ A PRÓXIMA AULA !