SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL BRASILIANO BRAZ 
Língua Portuguesa – 1º Esperança - Prof. Renato Oliveira 
NOME: ....................................................................................... Nº: ........... 
TEXTO 01 
3º BIMESTRE - DATA: 22/09/2014 
TRABALHO VOLUNTÁRIO 
Jovens se engajam em atividades voluntárias e, de 
quebra, ganham experiência profissional 
0 que é trabalho voluntário? 
Ativ idade não remunerada prestada 
por uma pessoa a uma entidade 
pública ou instituição priv ada sem 
fins lucrativ os. Não gera v ínculo 
empregatício. É obrigatório por lei 
que o v oluntário assine um termo de 
adesão constando as condições do 
trabalho. 
Dos 180 v oluntários que atuam na 
Liga Solidária, 
 80% são mulheres e 3 0% têm 
entre 15 e 30 anos Fonte: Liga 
Solidária 
 45% das 1.580 pessoas que 
procuraram o Greenpeace SP 
pelo site nos últimos oito 
meses, interessados em ser 
v oluntários, tinham até 21 anos. 
Fonte: Greenpeace 
 24% das empresas consideram 
muito importante o candidato 
ter sido v oluntário, na hora de 
contratá-lo para seu primeiro 
emprego. Fonte: Datafolha 
Um adesivo de uma ONG 
colado em um carro 
estacionado. Esse sinal foi o 
suficiente para Rafael 
Ventura, na época com 14 
anos, decidir fazer a 
diferença. 
Conheceu, pela internet, o 
projeto "Cidade Amiga", 
contra o desmatamento. Com 
a papelada em mãos, pediu 
uma audiência com o prefeito de Ribeirão Pires (SP), que 
concordou em assinar os documentos. 
Hoje, Rafael tem 19 anos, estuda geografia e continua engajado — 
é um dos cinco voluntários paulistas menores de 21 anos do 
Greenpeace, organização que defende o ambiente. 
Como ele, outros jovens dispõem de algumas horas de suas 
semanas para ajudar a quem precisa ou para defender uma causa 
em que acreditam. Não recebem nenhum centavo por isso, o que 
não quer dizer que não sejam recompensados. 
Quem atua nesse tipo de 
projeto pode lucrar, por 
exemplo, com ganho de 
experiência e com 
crescimento profissional. 
Na hora de buscar emprego, a 
cientista social Luciana 
Milnitzky, 22, viu sua carreira 
ser valorizada pelos trabalhos 
voluntários que faz desde 
pequena, como os de arrecadação de alimento e de roupas. 
Já no trabalho seguinte, não houve tanto destaque a essas linhas 
de seu currículo. "Mas, na entrevista, eles me perguntavam sobre 
o que eu fazia, para descobrir se eu tinha características de 
liderança", conta. 
Hoje, desempregada, a 
garota tem foco definido 
para os próximos anos de 
sua vida profissional. 
"Escolho onde vou 
trabalhar, prefiro empresas 
com responsabilidade 
social." 
Enquanto espera seu 
próximo emprego, cuida de 
idosos em um lar de 
repouso. 
Por meio de algumas 
instituições especializadas, 
é possível entender melhor 
como funciona o trabalho 
voluntário. Algumas, como o 
CVSP (Centro de Voluntariado de São Paulo), oferecem palestras 
gratuitas e possibilitam pesquisa on-line de locais onde é possível 
trabalhar. 
"O interessado precisa saber qual é o tempo de que dispõe, que 
atividade quer executar e se tem o talento necessário", enumera 
Silvia Louzã, coordenadora da área de organizações sociais do 
CVSP. 
No caso dos menores de 16 anos, a recomendação da instituição é 
que o jovem faça um trabalho em grupo, e não individual. Uma boa 
saída é procurar a escola e organizar uma turma de interessados. 
Leonardo Fajardo, 15, cuida dos filhos dos adultos que são 
alfabetizados no Colégio Vera Cruz. 
"Quero ser professor, e o trabalho me ajuda a ter uma ideia do que 
é pedagogia", diz. 
Currículo? Experiência profissional? Carreira? "Isso é coisa de 
adulto", devolve. "Só quero ajudar as pessoas." 
Caderno Folhateen: Profissão. Folha de São Paulo, 27/7/2009. 
QUESTÃO 01 
É possível depreender do conteúdo da reportagem que 
a) Não compensa muito fazer trabalho voluntário, uma vez que 
não há segurança, certeza da validade desse tipo de atividade 
para o futuro profissional dos jovens. 
b) Se requer das pessoas que executam trabalhos voluntários 
(no caso os jovens) que possuam uma visão mais ampla e, por 
sinal, mais construtiva do que significa “viver em sociedade”. 
c) Não é recomendável, para os jovens que têm o estudo como 
prioridade e que dedicam a ele uma grande parte do seu 
tempo, executar serviços voluntários. 
d) É típico do jovem idealista querer acreditar na transformação 
positiva da nossa sociedade, a partir de ações sem amplo 
alcance social. 
QUESTÃO 02 
O gênero textual reportagem de jornal visa a buscar efeitos de 
sentido de realidade, veracidade dos fatos e conteúdos expostos. 
Colaboram para isso, pois são dados comprobatórios, EXCETO 
a) O estímulo à fantasia dos jovens que desejam ser lembrados 
por algum gesto nobre que tenham praticado. 
b) As falas dos entrevistados e informações de sua vida. 
c) Fotos que acompanham o texto verbal. 
d) Localização do texto num tempo e espaço reais, com adição 
de informações, frutos de pesquisas que utilizam dados 
percentuais. 
QUESTÃO 03 
Qual das letras destacadas nas palavras abaixo NÃO está 
representando o som |z|? 
a) Adesivo. 
b) Executar. 
c) Fazia. 
d) Diz. 
TIPO 1
QUESTÃO 04 
Das palavras abaixo, assinale aquela que não possui dífrafo 
a) Ventura 
b) Desmatamento 
c) Prefiro 
d) Assinar 
QUESTÃO 05 
Assinale a alternativa em que todas as palavras são paroxítonas 
a) Adesivo, suficiente, voluntários, próximos 
b) Possibilitam, idosos, adultos, pessoas. 
c) Dispõem, possível, instituições, profissional 
d) Procurar, escola, organiza, interessados 
QUESTÃO 06 
“Algumas, como o CVSP (Centro de Voluntariado de São Paulo), 
oferecem palestras gratuitas e possibilitam pesquisa on-line de 
locais onde é possível trabalhar”. 
A respeito da palavra destacada acima, podemos fazer todas as 
afirmações, EXCETO 
a) Possui um hiato 
b) Possui um encontro consonantal perfeito 
c) Possui um ditongo 
d) É uma paroxítona 
QUESTÃO 07 
Todas as palavras abaixo possuem semivogal , exceto 
a) Dispõe 
b) Mãos 
c) Algumas 
d) Geografia 
TEXTO 02 
NÓS, QUE RESISTIMOS AOS CELULARES 
Não sucumbi ao telefone celular. Não tenho e nunca terei um 
telefone celular. Quando preciso usar um, uso o da minha mulher. 
Mas segurando-o como se fosse um grande inseto, possivelmente 
venenoso, desconhecido da minha tribo. 
Eu não saberia escolher a musiquinha que o identifica. Aquela que, 
quando toca, a pessoa diz “é o meu!”, e passa a procurá-lo 
freneticamente, depois o coloca no ouvido, diz “alô”, várias vezes, 
aperta botões errado, desiste e desliga, para repetir toda a função 
quando a musiquinha toca outra vez. 
Não sei, a gente escolhe a musiquinha quando compra o celular? 
– Tem aí um Beethoven? 
– Não. Mas temos as quatro estações do Vivaldi. 
– Manda a primavera. 
Porque a musiquinha do seu celular também identifica você. Há 
uma enorme diferença entre uma pessoa cujo celular toca, 
digamos, “Take five” e uma cujo celular toca Wagner. 
Você muitas vezes só sabe com quem realmente está quando ouve 
o seu celular tocar, e o som do seu celular diz mais a seu respeito 
do que você imagina. [...] 
Sei que alguns celulares ronronam e vibram, discretamente, em vez 
de desandarem a chamar seus donos com música. Infelizmente, os 
donos nem sempre mostram a mesma discrição. 
Não é raro você ser obrigado a ouvir alguém tratando de detalhes 
da sua intimidade ou dos furúnculos da tia Djalmira a céu aberto, 
por assim dizer. 
É como o que nos fazem os fumantes, só que em vez do nosso 
espaço aéreo ser invadido por fumaça indesejada, é invadido pela 
vida alheia. Que também pode ser tóxica. 
Não dá para negar que o celular é útil, mas no caso a própria 
utilidade é angustiante. O celular reduziu as pessoas a apenas 
extremos opostos de uma conexão, pontos soltos no ar, sem 
contato com o chão. Onde você se encontra tornou-se irrelevante, o 
que significa que em breve ninguém mais vai se encontrar. 
E a palavra “incomunicável” perdeu o sentido. Estar longe de 
qualquer telefone não é mais um sonho realizável de sossego e 
privacidade – o telefone foi atrás. 
Não tenho a menor ideia de como funciona o besouro maldito. E 
chega um momento em que cada nova perplexidade com ele torna-se 
uma ofensa pessoal, ainda mais para quem ainda não entendeu 
bem como funciona a torneira. 
Ouvi dizer que o celular destrói o cérebro aos poucos. Vejo - os – 
aqueles que não sucumbiram, os últimos resistentes – como os 
únicos sãos num mundo imbecilizado pelo micro-ondas de ouvido, 
com os quais as pessoas trocarão grunhidos pré-históricos, 
incapazes de um raciocínio ou de uma frase completa, mas ainda 
conectados. Seremos poucos, mas nos manteremos unidos, e 
trocaremos informações. Usando sinais de fumaça. 
QUESTÃO 08 
O principal objetivo comunicativo do autor, ao escrever o texto, é 
a) Persuadir o leitor a não sucumbir ao uso constante do 
aparelho celular, evitando, dessa forma, expor a sua 
intimidade a céu aberto. 
b) Alertar o leitor sobre os problemas causados ao cérebro pelo 
uso constante do aparelho celular. 
c) Expor o seu ponto de vista a respeito do telefone celular, 
justificando o fato de não querer para si um desses aparelhos. 
d) Justificar a falta de discrição dos donos de aparelho celular por 
meio da música escolhida como toque de chamada. 
QUESTÃO 09 
A única alternativa em que o autor não expressa o seu sentimento 
em relação ao telefone celular é 
a) “Não tenho e nunca terei um telefone celular”. 
b) “Seremos poucos, mas nos manteremos unidos, e trocaremos 
informações”. 
c) “... segurando-o como se fosse um grande inseto, 
possivelmente venenoso”. 
d) “O celular reduziu as pessoas a apenas extremos opostos de 
uma conexão”. 
QUESTÃO 10 
O autor usa um diálogo, no decorrer do texto, que diz respeito à 
compra da música do celular para 
a) Expressar uma ironia diante da questão. 
b) Revelar o motivo pelo qual ele sucumbiu ao uso do aparelho. 
c) Induzir o leitor à compra de música de qualidade para o 
aparelho. 
d) Imprimir um tom polêmico ao texto.

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Chama
ChamaChama
Dou aprovacao aj
Dou aprovacao ajDou aprovacao aj
Dou aprovacao aj
Estadodedireito
 
Falsefriends 1
Falsefriends 1Falsefriends 1
Falsefriends 1
Victor Algranti
 
Problemas mary
Problemas maryProblemas mary
Problemas mary
weleslima
 
Gabaritos das avaliações 2 e 3
Gabaritos das avaliações 2 e 3Gabaritos das avaliações 2 e 3
Gabaritos das avaliações 2 e 3
professoraludmila
 
Family plans combination card-demo
Family plans combination card-demoFamily plans combination card-demo
Family plans combination card-demo
iwt eprint
 
Jpg2pdf
Jpg2pdfJpg2pdf
Jpg2pdf
pialdiansah
 
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
José Américo Santos
 
Abril
AbrilAbril
Abril
heliane
 
BYOD: Desafios y Respuestas
BYOD: Desafios y RespuestasBYOD: Desafios y Respuestas
BYOD: Desafios y Respuestas
Cristian Borghello
 
II PARCIAL, II QUIMESTRE
II PARCIAL, II QUIMESTREII PARCIAL, II QUIMESTRE
II PARCIAL, II QUIMESTRE
rosalie28
 
Pacto 6
Pacto 6Pacto 6
Pag 16 DOE rs 24abr13 promoções
Pag 16 DOE rs 24abr13   promoçõesPag 16 DOE rs 24abr13   promoções
Pag 16 DOE rs 24abr13 promoções
Jorge Alex Rodrigues
 
Contr. doc 1
Contr. doc 1Contr. doc 1
Contr. doc 1
betinhogomes
 
Piscina 120815082942-phpapp02
Piscina 120815082942-phpapp02Piscina 120815082942-phpapp02
Piscina 120815082942-phpapp02
Fernanda de Mello Rios
 
Insertar graficos vivianita prado solandita
Insertar graficos vivianita prado  solanditaInsertar graficos vivianita prado  solandita
Insertar graficos vivianita prado solandita
Marcoskevin10
 
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SPAgenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Sebrae-SaoPaulo
 
Medios de transporte
Medios de transporteMedios de transporte
Medios de transporte
LilianaChancusig
 
Agendamayo15
Agendamayo15Agendamayo15
Agendamayo15
JUA MANUEL GONZALEZ
 

Destaque (20)

Chama
ChamaChama
Chama
 
Dou aprovacao aj
Dou aprovacao ajDou aprovacao aj
Dou aprovacao aj
 
Falsefriends 1
Falsefriends 1Falsefriends 1
Falsefriends 1
 
Problemas mary
Problemas maryProblemas mary
Problemas mary
 
Gabaritos das avaliações 2 e 3
Gabaritos das avaliações 2 e 3Gabaritos das avaliações 2 e 3
Gabaritos das avaliações 2 e 3
 
Family plans combination card-demo
Family plans combination card-demoFamily plans combination card-demo
Family plans combination card-demo
 
Jpg2pdf
Jpg2pdfJpg2pdf
Jpg2pdf
 
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
Ciep 230 1º bim 13(recup paralela)
 
Abril
AbrilAbril
Abril
 
BYOD: Desafios y Respuestas
BYOD: Desafios y RespuestasBYOD: Desafios y Respuestas
BYOD: Desafios y Respuestas
 
II PARCIAL, II QUIMESTRE
II PARCIAL, II QUIMESTREII PARCIAL, II QUIMESTRE
II PARCIAL, II QUIMESTRE
 
Pacto 6
Pacto 6Pacto 6
Pacto 6
 
Pag 16 DOE rs 24abr13 promoções
Pag 16 DOE rs 24abr13   promoçõesPag 16 DOE rs 24abr13   promoções
Pag 16 DOE rs 24abr13 promoções
 
Contr. doc 1
Contr. doc 1Contr. doc 1
Contr. doc 1
 
Piscina 120815082942-phpapp02
Piscina 120815082942-phpapp02Piscina 120815082942-phpapp02
Piscina 120815082942-phpapp02
 
Insertar graficos vivianita prado solandita
Insertar graficos vivianita prado  solanditaInsertar graficos vivianita prado  solandita
Insertar graficos vivianita prado solandita
 
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SPAgenda de eventos do SEBRAE-SP
Agenda de eventos do SEBRAE-SP
 
Bodas de oro
Bodas de oroBodas de oro
Bodas de oro
 
Medios de transporte
Medios de transporteMedios de transporte
Medios de transporte
 
Agendamayo15
Agendamayo15Agendamayo15
Agendamayo15
 

Semelhante a Português esperança - tipo 01

Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
Renally Arruda
 
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem CristãoOs perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Samir Isac Dantas
 
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
Endrigo Mattos
 
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
Anderson Yankee
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
Maximus Decimos
 
Slides revisão produção do ao
Slides revisão produção do aoSlides revisão produção do ao
Slides revisão produção do ao
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
Renally Arruda
 
Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
Renally Arruda
 
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parteChamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
Own Steps Owner
 
Colegial News - edição 15
Colegial News - edição 15Colegial News - edição 15
Colegial News - edição 15
Maricélio Carvalho
 
Jor maiopinotti
Jor maiopinottiJor maiopinotti
Jor maiopinotti
Marioregut
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
Walter de Carvalho Baptista
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
Walter de Carvalho Baptista
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
Valter Gomes
 
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amorIt's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
Lupa | códigos culturais
 
Poemas infantil
Poemas infantilPoemas infantil
Poemas infantil
Cláudio Silva
 
Revista bem estar-14-09-14
Revista bem estar-14-09-14Revista bem estar-14-09-14
Revista bem estar-14-09-14
Fernanda Caprio
 
Gerações eTecnologias Sociais
Gerações eTecnologias SociaisGerações eTecnologias Sociais
Gerações eTecnologias Sociais
guesta2d6f73d
 
Gatos da Inovação
Gatos da InovaçãoGatos da Inovação
Gatos da Inovação
guesta2d6f73d
 
C:\Fakepath\Cc GeraçõEs E Tecnologias Sociais V1
C:\Fakepath\Cc   GeraçõEs E Tecnologias Sociais  V1C:\Fakepath\Cc   GeraçõEs E Tecnologias Sociais  V1
C:\Fakepath\Cc GeraçõEs E Tecnologias Sociais V1
Flip Consultoria e Comunicação
 

Semelhante a Português esperança - tipo 01 (20)

Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
 
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem CristãoOs perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
Os perigos das Redes Sociais na Vida do Jovem Cristão
 
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
Midiassociais samirpalestra-140505080105-phpapp01
 
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
EDIÇÃO 1 - JORNAL ESCOLAR - COLÉGIO SÃO JUDAS TADEU (MACEIÓ)
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Slides revisão produção do ao
Slides revisão produção do aoSlides revisão produção do ao
Slides revisão produção do ao
 
Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
 
Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)Módulo a arte de argumentar (1)
Módulo a arte de argumentar (1)
 
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parteChamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
Chamam me lírico - resigno-me e demonstro porquê - iiiª parte
 
Colegial News - edição 15
Colegial News - edição 15Colegial News - edição 15
Colegial News - edição 15
 
Jor maiopinotti
Jor maiopinottiJor maiopinotti
Jor maiopinotti
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
 
A busca da felicidade
A busca da felicidadeA busca da felicidade
A busca da felicidade
 
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
Folhetim do Estudante - Ano III - Núm. 31
 
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amorIt's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
It's a match!? - Um estudo sobre as novas manifestações do amor
 
Poemas infantil
Poemas infantilPoemas infantil
Poemas infantil
 
Revista bem estar-14-09-14
Revista bem estar-14-09-14Revista bem estar-14-09-14
Revista bem estar-14-09-14
 
Gerações eTecnologias Sociais
Gerações eTecnologias SociaisGerações eTecnologias Sociais
Gerações eTecnologias Sociais
 
Gatos da Inovação
Gatos da InovaçãoGatos da Inovação
Gatos da Inovação
 
C:\Fakepath\Cc GeraçõEs E Tecnologias Sociais V1
C:\Fakepath\Cc   GeraçõEs E Tecnologias Sociais  V1C:\Fakepath\Cc   GeraçõEs E Tecnologias Sociais  V1
C:\Fakepath\Cc GeraçõEs E Tecnologias Sociais V1
 

Mais de Renato Rodrigues

Gabaritos 3º p - 4º
Gabaritos   3º p - 4ºGabaritos   3º p - 4º
Gabaritos 3º p - 4º
Renato Rodrigues
 
Gabaritos 2º h - 4º
Gabaritos   2º h - 4ºGabaritos   2º h - 4º
Gabaritos 2º h - 4º
Renato Rodrigues
 
Gabaritos 1º esperança - 4º
Gabaritos   1º esperança - 4ºGabaritos   1º esperança - 4º
Gabaritos 1º esperança - 4º
Renato Rodrigues
 
Gabaritos 4º bimestre - bondade
Gabaritos   4º bimestre - bondadeGabaritos   4º bimestre - bondade
Gabaritos 4º bimestre - bondade
Renato Rodrigues
 
Português 2º humildade -tipo 03
Português   2º humildade -tipo 03Português   2º humildade -tipo 03
Português 2º humildade -tipo 03
Renato Rodrigues
 
Português 2º humildade -tipo 02
Português   2º humildade -tipo 02Português   2º humildade -tipo 02
Português 2º humildade -tipo 02
Renato Rodrigues
 
Português 2º humildade -tipo 01
Português   2º humildade -tipo 01Português   2º humildade -tipo 01
Português 2º humildade -tipo 01
Renato Rodrigues
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
Renato Rodrigues
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
Renato Rodrigues
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
Renato Rodrigues
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 02
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 02Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 02
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 02
Renato Rodrigues
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 03
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 03Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 03
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 03
Renato Rodrigues
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 01
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 01Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 01
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 01
Renato Rodrigues
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
Renato Rodrigues
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
Renato Rodrigues
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
Renato Rodrigues
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
Renato Rodrigues
 
Oracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbialOracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbial
Renato Rodrigues
 
Roteiro de estudo 2º ano
Roteiro de estudo   2º anoRoteiro de estudo   2º ano
Roteiro de estudo 2º ano
Renato Rodrigues
 
Roteiro de estudo 2º ano
Roteiro de estudo   2º anoRoteiro de estudo   2º ano
Roteiro de estudo 2º ano
Renato Rodrigues
 

Mais de Renato Rodrigues (20)

Gabaritos 3º p - 4º
Gabaritos   3º p - 4ºGabaritos   3º p - 4º
Gabaritos 3º p - 4º
 
Gabaritos 2º h - 4º
Gabaritos   2º h - 4ºGabaritos   2º h - 4º
Gabaritos 2º h - 4º
 
Gabaritos 1º esperança - 4º
Gabaritos   1º esperança - 4ºGabaritos   1º esperança - 4º
Gabaritos 1º esperança - 4º
 
Gabaritos 4º bimestre - bondade
Gabaritos   4º bimestre - bondadeGabaritos   4º bimestre - bondade
Gabaritos 4º bimestre - bondade
 
Português 2º humildade -tipo 03
Português   2º humildade -tipo 03Português   2º humildade -tipo 03
Português 2º humildade -tipo 03
 
Português 2º humildade -tipo 02
Português   2º humildade -tipo 02Português   2º humildade -tipo 02
Português 2º humildade -tipo 02
 
Português 2º humildade -tipo 01
Português   2º humildade -tipo 01Português   2º humildade -tipo 01
Português 2º humildade -tipo 01
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
 
Proposta de redação
Proposta de redaçãoProposta de redação
Proposta de redação
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 02
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 02Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 02
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 02
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 03
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 03Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 03
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 03
 
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 01
Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 01Português   renato -  3º perdão - 3 b -tipo 01
Português renato - 3º perdão - 3 b -tipo 01
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Gabaritos
GabaritosGabaritos
Gabaritos
 
Oracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbialOracao subordinada adjetiva e adverbial
Oracao subordinada adjetiva e adverbial
 
Roteiro de estudo 2º ano
Roteiro de estudo   2º anoRoteiro de estudo   2º ano
Roteiro de estudo 2º ano
 
Roteiro de estudo 2º ano
Roteiro de estudo   2º anoRoteiro de estudo   2º ano
Roteiro de estudo 2º ano
 

Último

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
davidreyes364666
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdfCopia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
Copia de cartilla de portugués 1 2024.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 

Português esperança - tipo 01

  • 1. ESCOLA ESTADUAL BRASILIANO BRAZ Língua Portuguesa – 1º Esperança - Prof. Renato Oliveira NOME: ....................................................................................... Nº: ........... TEXTO 01 3º BIMESTRE - DATA: 22/09/2014 TRABALHO VOLUNTÁRIO Jovens se engajam em atividades voluntárias e, de quebra, ganham experiência profissional 0 que é trabalho voluntário? Ativ idade não remunerada prestada por uma pessoa a uma entidade pública ou instituição priv ada sem fins lucrativ os. Não gera v ínculo empregatício. É obrigatório por lei que o v oluntário assine um termo de adesão constando as condições do trabalho. Dos 180 v oluntários que atuam na Liga Solidária,  80% são mulheres e 3 0% têm entre 15 e 30 anos Fonte: Liga Solidária  45% das 1.580 pessoas que procuraram o Greenpeace SP pelo site nos últimos oito meses, interessados em ser v oluntários, tinham até 21 anos. Fonte: Greenpeace  24% das empresas consideram muito importante o candidato ter sido v oluntário, na hora de contratá-lo para seu primeiro emprego. Fonte: Datafolha Um adesivo de uma ONG colado em um carro estacionado. Esse sinal foi o suficiente para Rafael Ventura, na época com 14 anos, decidir fazer a diferença. Conheceu, pela internet, o projeto "Cidade Amiga", contra o desmatamento. Com a papelada em mãos, pediu uma audiência com o prefeito de Ribeirão Pires (SP), que concordou em assinar os documentos. Hoje, Rafael tem 19 anos, estuda geografia e continua engajado — é um dos cinco voluntários paulistas menores de 21 anos do Greenpeace, organização que defende o ambiente. Como ele, outros jovens dispõem de algumas horas de suas semanas para ajudar a quem precisa ou para defender uma causa em que acreditam. Não recebem nenhum centavo por isso, o que não quer dizer que não sejam recompensados. Quem atua nesse tipo de projeto pode lucrar, por exemplo, com ganho de experiência e com crescimento profissional. Na hora de buscar emprego, a cientista social Luciana Milnitzky, 22, viu sua carreira ser valorizada pelos trabalhos voluntários que faz desde pequena, como os de arrecadação de alimento e de roupas. Já no trabalho seguinte, não houve tanto destaque a essas linhas de seu currículo. "Mas, na entrevista, eles me perguntavam sobre o que eu fazia, para descobrir se eu tinha características de liderança", conta. Hoje, desempregada, a garota tem foco definido para os próximos anos de sua vida profissional. "Escolho onde vou trabalhar, prefiro empresas com responsabilidade social." Enquanto espera seu próximo emprego, cuida de idosos em um lar de repouso. Por meio de algumas instituições especializadas, é possível entender melhor como funciona o trabalho voluntário. Algumas, como o CVSP (Centro de Voluntariado de São Paulo), oferecem palestras gratuitas e possibilitam pesquisa on-line de locais onde é possível trabalhar. "O interessado precisa saber qual é o tempo de que dispõe, que atividade quer executar e se tem o talento necessário", enumera Silvia Louzã, coordenadora da área de organizações sociais do CVSP. No caso dos menores de 16 anos, a recomendação da instituição é que o jovem faça um trabalho em grupo, e não individual. Uma boa saída é procurar a escola e organizar uma turma de interessados. Leonardo Fajardo, 15, cuida dos filhos dos adultos que são alfabetizados no Colégio Vera Cruz. "Quero ser professor, e o trabalho me ajuda a ter uma ideia do que é pedagogia", diz. Currículo? Experiência profissional? Carreira? "Isso é coisa de adulto", devolve. "Só quero ajudar as pessoas." Caderno Folhateen: Profissão. Folha de São Paulo, 27/7/2009. QUESTÃO 01 É possível depreender do conteúdo da reportagem que a) Não compensa muito fazer trabalho voluntário, uma vez que não há segurança, certeza da validade desse tipo de atividade para o futuro profissional dos jovens. b) Se requer das pessoas que executam trabalhos voluntários (no caso os jovens) que possuam uma visão mais ampla e, por sinal, mais construtiva do que significa “viver em sociedade”. c) Não é recomendável, para os jovens que têm o estudo como prioridade e que dedicam a ele uma grande parte do seu tempo, executar serviços voluntários. d) É típico do jovem idealista querer acreditar na transformação positiva da nossa sociedade, a partir de ações sem amplo alcance social. QUESTÃO 02 O gênero textual reportagem de jornal visa a buscar efeitos de sentido de realidade, veracidade dos fatos e conteúdos expostos. Colaboram para isso, pois são dados comprobatórios, EXCETO a) O estímulo à fantasia dos jovens que desejam ser lembrados por algum gesto nobre que tenham praticado. b) As falas dos entrevistados e informações de sua vida. c) Fotos que acompanham o texto verbal. d) Localização do texto num tempo e espaço reais, com adição de informações, frutos de pesquisas que utilizam dados percentuais. QUESTÃO 03 Qual das letras destacadas nas palavras abaixo NÃO está representando o som |z|? a) Adesivo. b) Executar. c) Fazia. d) Diz. TIPO 1
  • 2. QUESTÃO 04 Das palavras abaixo, assinale aquela que não possui dífrafo a) Ventura b) Desmatamento c) Prefiro d) Assinar QUESTÃO 05 Assinale a alternativa em que todas as palavras são paroxítonas a) Adesivo, suficiente, voluntários, próximos b) Possibilitam, idosos, adultos, pessoas. c) Dispõem, possível, instituições, profissional d) Procurar, escola, organiza, interessados QUESTÃO 06 “Algumas, como o CVSP (Centro de Voluntariado de São Paulo), oferecem palestras gratuitas e possibilitam pesquisa on-line de locais onde é possível trabalhar”. A respeito da palavra destacada acima, podemos fazer todas as afirmações, EXCETO a) Possui um hiato b) Possui um encontro consonantal perfeito c) Possui um ditongo d) É uma paroxítona QUESTÃO 07 Todas as palavras abaixo possuem semivogal , exceto a) Dispõe b) Mãos c) Algumas d) Geografia TEXTO 02 NÓS, QUE RESISTIMOS AOS CELULARES Não sucumbi ao telefone celular. Não tenho e nunca terei um telefone celular. Quando preciso usar um, uso o da minha mulher. Mas segurando-o como se fosse um grande inseto, possivelmente venenoso, desconhecido da minha tribo. Eu não saberia escolher a musiquinha que o identifica. Aquela que, quando toca, a pessoa diz “é o meu!”, e passa a procurá-lo freneticamente, depois o coloca no ouvido, diz “alô”, várias vezes, aperta botões errado, desiste e desliga, para repetir toda a função quando a musiquinha toca outra vez. Não sei, a gente escolhe a musiquinha quando compra o celular? – Tem aí um Beethoven? – Não. Mas temos as quatro estações do Vivaldi. – Manda a primavera. Porque a musiquinha do seu celular também identifica você. Há uma enorme diferença entre uma pessoa cujo celular toca, digamos, “Take five” e uma cujo celular toca Wagner. Você muitas vezes só sabe com quem realmente está quando ouve o seu celular tocar, e o som do seu celular diz mais a seu respeito do que você imagina. [...] Sei que alguns celulares ronronam e vibram, discretamente, em vez de desandarem a chamar seus donos com música. Infelizmente, os donos nem sempre mostram a mesma discrição. Não é raro você ser obrigado a ouvir alguém tratando de detalhes da sua intimidade ou dos furúnculos da tia Djalmira a céu aberto, por assim dizer. É como o que nos fazem os fumantes, só que em vez do nosso espaço aéreo ser invadido por fumaça indesejada, é invadido pela vida alheia. Que também pode ser tóxica. Não dá para negar que o celular é útil, mas no caso a própria utilidade é angustiante. O celular reduziu as pessoas a apenas extremos opostos de uma conexão, pontos soltos no ar, sem contato com o chão. Onde você se encontra tornou-se irrelevante, o que significa que em breve ninguém mais vai se encontrar. E a palavra “incomunicável” perdeu o sentido. Estar longe de qualquer telefone não é mais um sonho realizável de sossego e privacidade – o telefone foi atrás. Não tenho a menor ideia de como funciona o besouro maldito. E chega um momento em que cada nova perplexidade com ele torna-se uma ofensa pessoal, ainda mais para quem ainda não entendeu bem como funciona a torneira. Ouvi dizer que o celular destrói o cérebro aos poucos. Vejo - os – aqueles que não sucumbiram, os últimos resistentes – como os únicos sãos num mundo imbecilizado pelo micro-ondas de ouvido, com os quais as pessoas trocarão grunhidos pré-históricos, incapazes de um raciocínio ou de uma frase completa, mas ainda conectados. Seremos poucos, mas nos manteremos unidos, e trocaremos informações. Usando sinais de fumaça. QUESTÃO 08 O principal objetivo comunicativo do autor, ao escrever o texto, é a) Persuadir o leitor a não sucumbir ao uso constante do aparelho celular, evitando, dessa forma, expor a sua intimidade a céu aberto. b) Alertar o leitor sobre os problemas causados ao cérebro pelo uso constante do aparelho celular. c) Expor o seu ponto de vista a respeito do telefone celular, justificando o fato de não querer para si um desses aparelhos. d) Justificar a falta de discrição dos donos de aparelho celular por meio da música escolhida como toque de chamada. QUESTÃO 09 A única alternativa em que o autor não expressa o seu sentimento em relação ao telefone celular é a) “Não tenho e nunca terei um telefone celular”. b) “Seremos poucos, mas nos manteremos unidos, e trocaremos informações”. c) “... segurando-o como se fosse um grande inseto, possivelmente venenoso”. d) “O celular reduziu as pessoas a apenas extremos opostos de uma conexão”. QUESTÃO 10 O autor usa um diálogo, no decorrer do texto, que diz respeito à compra da música do celular para a) Expressar uma ironia diante da questão. b) Revelar o motivo pelo qual ele sucumbiu ao uso do aparelho. c) Induzir o leitor à compra de música de qualidade para o aparelho. d) Imprimir um tom polêmico ao texto.