SlideShare uma empresa Scribd logo
L I C E N C I A T U R A E M D A N Ç A – U F M G
A L U N O : M A R C U S C O E L H O
D A T A : 0 3 / 0 7 / 2 0 1 5
PORTFÓLIO ACADÊMICO
PRÁTICA DE DANÇA IV
“São fatores que temos que equilibrar:
Fluxo livre
Espaço direto
Tempo? Depende
Peso leve
Eu, forte!”
(Joselma Coelho)
A prática artística e docente compreende uma série de fatores
que, se equilibrados, potencializam a condição do
artista/professor. Uma disciplina Prática de Dança tem por
finalidade contribuir para o desenvolvimento dos bailarinos,
mas não tem o propósito exclusivo de formar dançarinos, e
sim formas pessoas; estas, por sua vez, formarão outras, numa
rede sucessiva de trocas.
Experimentar corporalmente a disciplina “Prática de Dança
VI” neste momento de minha trajetória acadêmica fez-me
compreender com precisão o caminho percorrido até aqui. O
que a princípio era novidade e abstração, hoje se consolidou e
tomou formas precisas e preciosas. Os conceitos apreendidos
no percurso são agora instrumentos indispensáveis e
fortemente presentes em minha prática artística e docente.
ÉTICA E CRÍTICA DE DANÇA
“O olhar e o desejo do e dos espectadores é que
constituem a produção cênica, dando sentido à cena
concebida como multiplicidade variável dos
enunciadores.”
( Isaíra Maíra Garcia Oliveira)
O pensamento crítico é – ou deveria ser – uma prática natural
peculiar ao artista, em quaisquer segmento de Arte que se
propõe a fazer. Assistir a espetáculos ou contemplar obras faz
surgir opiniões diversas, entretanto, pensar criticamente não
te faz um crítico de dança. Condensar estas opiniões distintas
e organizá-las por meio de pensamentos éticos e morais é o
princípio de uma análise crítica bem sucedida.
Vivenciar a disciplina “Ética e Crítica de Dança” foi
determinante para minha compreensão da ampla influência
exercida pelos artistas enquanto formadores de opinião, pois
o crítico moderno deixou de ser um juiz da qualidade da obra
e passou a ser um guia na relação da arte com os respectivos
públicos.
Produzir uma crítica digna desse nome, implica em se
emocionar (se entediar, ou se incomodar) com a obra a
que assiste, e isto é resultante da experiência perceptiva
ou prática. O papel que a crítica reconhecidamente
desempenha é essencial porque a dança e os espetáculos
– em seus distintos gêneros – por intermédio do
conjunto de simbologias que os compõem, lidam com a
memória, e o registro funciona como um poderoso
auxiliar desta mesma memória. “Ética e Crítica de
Dança” representa, portanto, um mecanismo relevante
para se encontrar meios de construção e perpetuação da
arte.
DANÇA MODERNA: TÉCNICA LIMON I
“O bailarino é uma pessoa vulnerável [...]
Para se proteger, ele cria uma série de dispositivos de
isolamento – um manual de sobrevivência: presta
atenção ao que come, cuida das pernas, descansa,
constrói...”
(Murray Louis)
“Trabalhar o corpo como uma orquestra.”
Entre princípios de alinhamento, sucessão, oposição, queda,
peso, suspensão, isolamentos, insistência e recuperação,
entendemos o corpo como um conjunto de elementos que,
emaranhados, originam nossos movimentos. Tratando-se da
dança, especificamente da técnica de Limon, estes princípios
nos permitem entender o corpo e o movimento em sua
amplitude.
Mais do que um disciplina técnica, “Dança Moderna: Técnica
de Limon I” trabalha a percepção corporal e movimentação
para artistas de dança e apreciadores, o que resultou num
processo de autoconhecimento e trocas relevantes entre um
grupo de pessoas distintas, com capacidades corporais
diferentes e expectativas diversas, mas todos focalizados em
um mesmo propósito.
O SIMBÓLICO NA CRIAÇÃO
“Não se satisfaça com estórias, que contam
como as coisas aconteceram com os outros
desdobre seu próprio mito, sem explicações
complicadas,
de modo que todo mundo entenderá a passagem...”
(Rumi)
O processo de criação em dança se dá inteiramente pelas
simbologias e representatividades subjetivas do
criador/intérprete, e buscar compreender este processo é
um caminho de encontros e conexões com elementos de
sentido individual.
Nossas emoções determinam nosso instinto criador, e
trabalhar a disciplina “O Simbólico na Criação” permitiu-
me criar conexões e descobrir sentidos onde,
naturalmente, não costumava encontrar. Foi uma
disciplina em que lidei com a pessoalidade e as sensações,
trabalhando a efemeridade da dança atrelada às relações
encontradas em todo o meu processo de conhecimento
enquanto pessoa e artista.
“A arte deve antes de tudo e em primeiro lugar
embelezar a vida, portanto fazer com que nós próprios
nos tornemos suportáveis e, se possível, agradáveis
uns aos outros.”
(Friedrich Nietzsche)
Portfólio marcus coelho

Mais conteúdo relacionado

Destaque

500 Days of Open Source
500 Days of Open Source500 Days of Open Source
500 Days of Open Source
Raphael Amorim
 
Flat Shadow
Flat ShadowFlat Shadow
Flat Shadow
GorillaBrand
 
Bmw
BmwBmw
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-planoAula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
Moseo
 
Masabanda Aracely cuarto b
Masabanda Aracely cuarto bMasabanda Aracely cuarto b
Masabanda Aracely cuarto b
Chely69
 
Test watir
Test watirTest watir
Test watir
watirt
 
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
Carlos Elísio Victor Nhantumbo
 
Banho de Ouro
Banho de OuroBanho de Ouro
Banho de Ouro
BlueStoneJoias
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
Portfolio2015
 
FINEP-SENAI-Curso
FINEP-SENAI-CursoFINEP-SENAI-Curso
FINEP-SENAI-Curso
AFONSO HENRIQUES NETTO
 
Ppvv 03
Ppvv 03Ppvv 03
Ppvv 03
Dani Uglione
 
Pesquisa sobre torno
Pesquisa sobre tornoPesquisa sobre torno
Pesquisa sobre torno
Pedro Marçal
 
Dadaísmo
Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
Dorinhaa
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
Portfolio2015
 

Destaque (20)

500 Days of Open Source
500 Days of Open Source500 Days of Open Source
500 Days of Open Source
 
Jupiter
JupiterJupiter
Jupiter
 
6.2
6.26.2
6.2
 
Dimecres
Dimecres Dimecres
Dimecres
 
Saturno
SaturnoSaturno
Saturno
 
airtel5_20150731213332
airtel5_20150731213332airtel5_20150731213332
airtel5_20150731213332
 
Flat Shadow
Flat ShadowFlat Shadow
Flat Shadow
 
Bmw
BmwBmw
Bmw
 
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-planoAula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
Aula3 reflexao-da-luz-e-espelho-plano
 
BTSIG homepage
BTSIG homepageBTSIG homepage
BTSIG homepage
 
Masabanda Aracely cuarto b
Masabanda Aracely cuarto bMasabanda Aracely cuarto b
Masabanda Aracely cuarto b
 
Test watir
Test watirTest watir
Test watir
 
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
Complementooblquoemodificador 120429054601-phpapp02
 
Banho de Ouro
Banho de OuroBanho de Ouro
Banho de Ouro
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
FINEP-SENAI-Curso
FINEP-SENAI-CursoFINEP-SENAI-Curso
FINEP-SENAI-Curso
 
Ppvv 03
Ppvv 03Ppvv 03
Ppvv 03
 
Pesquisa sobre torno
Pesquisa sobre tornoPesquisa sobre torno
Pesquisa sobre torno
 
Dadaísmo
Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 

Semelhante a Portfólio marcus coelho

Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênicoCorpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
Corpodevir
 
Dança 10 08
Dança 10 08Dança 10 08
Dança 10 08
maria-cristina-lopes
 
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
Alcides Almeida
 
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
Alcides Almeida
 
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdfAnte_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Contemplo Cia de Dança
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
Maria Teixeira
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
Luciane Chumber
 
Dança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimentoDança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimento
Marleila Barros
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
EMEF JOÃO DA SILVA
 
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptx
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptxAtividade 2 ITINERÁRIO.pptx
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptx
CristianeCastanharGo
 
A dança psicossomática
A dança psicossomáticaA dança psicossomática
A dança psicossomática
pibiduergsmontenegro
 
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdfUm Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
Contemplo Cia de Dança
 
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e ColaborativosAproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
Peticia Carvalho
 
A potencia artistica do corpo na capoeira angola
A potencia  artistica do corpo na capoeira angolaA potencia  artistica do corpo na capoeira angola
A potencia artistica do corpo na capoeira angola
Ivano-Frankivsk National Tecnical University of Oil & Gas
 
Artigo improvisação
Artigo improvisaçãoArtigo improvisação
Artigo improvisação
ETECProfessores
 
Ernani Maletta Proposta Metodológica
Ernani Maletta Proposta MetodológicaErnani Maletta Proposta Metodológica
Ernani Maletta Proposta Metodológica
Ernani Maletta
 
26 artigos-marquesia
26 artigos-marquesia26 artigos-marquesia
26 artigos-marquesia
Juliana Silva
 
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFCProjeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
Safira Oril
 
A dança psicossomática
A dança psicossomáticaA dança psicossomática
A dança psicossomática
pibiduergsmontenegro
 
Como entender uma obra de dança
Como entender uma obra de dançaComo entender uma obra de dança
Como entender uma obra de dança
TATE9
 

Semelhante a Portfólio marcus coelho (20)

Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênicoCorpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
Corpo-devir: improvisação na preparação corporal do artista cênico
 
Dança 10 08
Dança 10 08Dança 10 08
Dança 10 08
 
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
 
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   PptAaaadançAs Circulares Sagradas   ReflexõEs Conv. Ped. Smed   Ppt
AaaadançAs Circulares Sagradas ReflexõEs Conv. Ped. Smed Ppt
 
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdfAnte_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
Ante_projeto_de_pesquisa_sobre_Fragmentos_de_Sonhos.pdf
 
A criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantilA criança e a dança na educaçao infantil
A criança e a dança na educaçao infantil
 
O corpo na educação
O corpo na educaçãoO corpo na educação
O corpo na educação
 
Dança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimentoDança na escola expressão pelo movimento
Dança na escola expressão pelo movimento
 
Projeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de SalãoProjeto de Dança de Salão
Projeto de Dança de Salão
 
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptx
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptxAtividade 2 ITINERÁRIO.pptx
Atividade 2 ITINERÁRIO.pptx
 
A dança psicossomática
A dança psicossomáticaA dança psicossomática
A dança psicossomática
 
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdfUm Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
Um Prova de Grupo de Dois (Dialética da Contratação na Contemplo).pdf
 
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e ColaborativosAproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
Aproximações dos Meios de Procedimentos Experimentais e Colaborativos
 
A potencia artistica do corpo na capoeira angola
A potencia  artistica do corpo na capoeira angolaA potencia  artistica do corpo na capoeira angola
A potencia artistica do corpo na capoeira angola
 
Artigo improvisação
Artigo improvisaçãoArtigo improvisação
Artigo improvisação
 
Ernani Maletta Proposta Metodológica
Ernani Maletta Proposta MetodológicaErnani Maletta Proposta Metodológica
Ernani Maletta Proposta Metodológica
 
26 artigos-marquesia
26 artigos-marquesia26 artigos-marquesia
26 artigos-marquesia
 
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFCProjeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
Projeto pedagógico do Curso de Dança bacharelado da UFC
 
A dança psicossomática
A dança psicossomáticaA dança psicossomática
A dança psicossomática
 
Como entender uma obra de dança
Como entender uma obra de dançaComo entender uma obra de dança
Como entender uma obra de dança
 

Mais de Portfolio2015

Portfoliodança.2
Portfoliodança.2Portfoliodança.2
Portfoliodança.2
Portfolio2015
 
Portfólio 10
Portfólio 10Portfólio 10
Portfólio 10
Portfolio2015
 
5° período
5° período5° período
5° período
Portfolio2015
 
Portfólio gláuce almeida
Portfólio gláuce almeidaPortfólio gláuce almeida
Portfólio gláuce almeida
Portfolio2015
 
Portfólio Bianca Sanches
Portfólio Bianca SanchesPortfólio Bianca Sanches
Portfólio Bianca Sanches
Portfolio2015
 
PORTIFÓLIO
PORTIFÓLIOPORTIFÓLIO
PORTIFÓLIO
Portfolio2015
 
Portfolio camila raposo
Portfolio camila raposoPortfolio camila raposo
Portfolio camila raposo
Portfolio2015
 
Portifólio - Diogo Lima
Portifólio - Diogo LimaPortifólio - Diogo Lima
Portifólio - Diogo Lima
Portfolio2015
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
Portfolio2015
 
Portifolio 8
Portifolio 8Portifolio 8
Portifolio 8
Portfolio2015
 
Daniel Castro
Daniel CastroDaniel Castro
Daniel Castro
Portfolio2015
 
Portfólio alexandre junio 6 periodo
Portfólio alexandre junio 6 periodoPortfólio alexandre junio 6 periodo
Portfólio alexandre junio 6 periodo
Portfolio2015
 
Portfólio Patricia Resende Soares
Portfólio Patricia Resende SoaresPortfólio Patricia Resende Soares
Portfólio Patricia Resende Soares
Portfolio2015
 
Portifólio 2015 2
Portifólio 2015 2Portifólio 2015 2
Portifólio 2015 2
Portfolio2015
 
Portifólio rodrigo
Portifólio rodrigoPortifólio rodrigo
Portifólio rodrigo
Portfolio2015
 
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva GomesPortifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
Portfolio2015
 
Elvis oliveira portfólio 2015
Elvis oliveira   portfólio 2015Elvis oliveira   portfólio 2015
Elvis oliveira portfólio 2015
Portfolio2015
 
Portfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhúPortfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhú
Portfolio2015
 
Portfólio1-2015 Aline Mirelle
Portfólio1-2015 Aline MirellePortfólio1-2015 Aline Mirelle
Portfólio1-2015 Aline Mirelle
Portfolio2015
 

Mais de Portfolio2015 (20)

Portfoliodança.2
Portfoliodança.2Portfoliodança.2
Portfoliodança.2
 
Portfólio 10
Portfólio 10Portfólio 10
Portfólio 10
 
5° período
5° período5° período
5° período
 
Portfólio gláuce almeida
Portfólio gláuce almeidaPortfólio gláuce almeida
Portfólio gláuce almeida
 
Portfólio Bianca Sanches
Portfólio Bianca SanchesPortfólio Bianca Sanches
Portfólio Bianca Sanches
 
PORTIFÓLIO
PORTIFÓLIOPORTIFÓLIO
PORTIFÓLIO
 
Portfolio camila raposo
Portfolio camila raposoPortfolio camila raposo
Portfolio camila raposo
 
Portifólio - Diogo Lima
Portifólio - Diogo LimaPortifólio - Diogo Lima
Portifólio - Diogo Lima
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Portifolio 8
Portifolio 8Portifolio 8
Portifolio 8
 
Daniel Castro
Daniel CastroDaniel Castro
Daniel Castro
 
Portfólio alexandre junio 6 periodo
Portfólio alexandre junio 6 periodoPortfólio alexandre junio 6 periodo
Portfólio alexandre junio 6 periodo
 
Portfólio Patricia Resende Soares
Portfólio Patricia Resende SoaresPortfólio Patricia Resende Soares
Portfólio Patricia Resende Soares
 
Portifólio 2015 2
Portifólio 2015 2Portifólio 2015 2
Portifólio 2015 2
 
Portifólio rodrigo
Portifólio rodrigoPortifólio rodrigo
Portifólio rodrigo
 
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva GomesPortifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
Portifólio julho2015 - Luana Coelho da Silva Gomes
 
Elvis oliveira portfólio 2015
Elvis oliveira   portfólio 2015Elvis oliveira   portfólio 2015
Elvis oliveira portfólio 2015
 
Portfólio 2
Portfólio 2Portfólio 2
Portfólio 2
 
Portfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhúPortfolio graziele genilhú
Portfolio graziele genilhú
 
Portfólio1-2015 Aline Mirelle
Portfólio1-2015 Aline MirellePortfólio1-2015 Aline Mirelle
Portfólio1-2015 Aline Mirelle
 

Portfólio marcus coelho

  • 1. L I C E N C I A T U R A E M D A N Ç A – U F M G A L U N O : M A R C U S C O E L H O D A T A : 0 3 / 0 7 / 2 0 1 5 PORTFÓLIO ACADÊMICO
  • 2. PRÁTICA DE DANÇA IV “São fatores que temos que equilibrar: Fluxo livre Espaço direto Tempo? Depende Peso leve Eu, forte!” (Joselma Coelho)
  • 3. A prática artística e docente compreende uma série de fatores que, se equilibrados, potencializam a condição do artista/professor. Uma disciplina Prática de Dança tem por finalidade contribuir para o desenvolvimento dos bailarinos, mas não tem o propósito exclusivo de formar dançarinos, e sim formas pessoas; estas, por sua vez, formarão outras, numa rede sucessiva de trocas. Experimentar corporalmente a disciplina “Prática de Dança VI” neste momento de minha trajetória acadêmica fez-me compreender com precisão o caminho percorrido até aqui. O que a princípio era novidade e abstração, hoje se consolidou e tomou formas precisas e preciosas. Os conceitos apreendidos no percurso são agora instrumentos indispensáveis e fortemente presentes em minha prática artística e docente.
  • 4. ÉTICA E CRÍTICA DE DANÇA “O olhar e o desejo do e dos espectadores é que constituem a produção cênica, dando sentido à cena concebida como multiplicidade variável dos enunciadores.” ( Isaíra Maíra Garcia Oliveira)
  • 5. O pensamento crítico é – ou deveria ser – uma prática natural peculiar ao artista, em quaisquer segmento de Arte que se propõe a fazer. Assistir a espetáculos ou contemplar obras faz surgir opiniões diversas, entretanto, pensar criticamente não te faz um crítico de dança. Condensar estas opiniões distintas e organizá-las por meio de pensamentos éticos e morais é o princípio de uma análise crítica bem sucedida. Vivenciar a disciplina “Ética e Crítica de Dança” foi determinante para minha compreensão da ampla influência exercida pelos artistas enquanto formadores de opinião, pois o crítico moderno deixou de ser um juiz da qualidade da obra e passou a ser um guia na relação da arte com os respectivos públicos.
  • 6. Produzir uma crítica digna desse nome, implica em se emocionar (se entediar, ou se incomodar) com a obra a que assiste, e isto é resultante da experiência perceptiva ou prática. O papel que a crítica reconhecidamente desempenha é essencial porque a dança e os espetáculos – em seus distintos gêneros – por intermédio do conjunto de simbologias que os compõem, lidam com a memória, e o registro funciona como um poderoso auxiliar desta mesma memória. “Ética e Crítica de Dança” representa, portanto, um mecanismo relevante para se encontrar meios de construção e perpetuação da arte.
  • 7. DANÇA MODERNA: TÉCNICA LIMON I “O bailarino é uma pessoa vulnerável [...] Para se proteger, ele cria uma série de dispositivos de isolamento – um manual de sobrevivência: presta atenção ao que come, cuida das pernas, descansa, constrói...” (Murray Louis)
  • 8. “Trabalhar o corpo como uma orquestra.” Entre princípios de alinhamento, sucessão, oposição, queda, peso, suspensão, isolamentos, insistência e recuperação, entendemos o corpo como um conjunto de elementos que, emaranhados, originam nossos movimentos. Tratando-se da dança, especificamente da técnica de Limon, estes princípios nos permitem entender o corpo e o movimento em sua amplitude. Mais do que um disciplina técnica, “Dança Moderna: Técnica de Limon I” trabalha a percepção corporal e movimentação para artistas de dança e apreciadores, o que resultou num processo de autoconhecimento e trocas relevantes entre um grupo de pessoas distintas, com capacidades corporais diferentes e expectativas diversas, mas todos focalizados em um mesmo propósito.
  • 9. O SIMBÓLICO NA CRIAÇÃO “Não se satisfaça com estórias, que contam como as coisas aconteceram com os outros desdobre seu próprio mito, sem explicações complicadas, de modo que todo mundo entenderá a passagem...” (Rumi)
  • 10. O processo de criação em dança se dá inteiramente pelas simbologias e representatividades subjetivas do criador/intérprete, e buscar compreender este processo é um caminho de encontros e conexões com elementos de sentido individual. Nossas emoções determinam nosso instinto criador, e trabalhar a disciplina “O Simbólico na Criação” permitiu- me criar conexões e descobrir sentidos onde, naturalmente, não costumava encontrar. Foi uma disciplina em que lidei com a pessoalidade e as sensações, trabalhando a efemeridade da dança atrelada às relações encontradas em todo o meu processo de conhecimento enquanto pessoa e artista.
  • 11. “A arte deve antes de tudo e em primeiro lugar embelezar a vida, portanto fazer com que nós próprios nos tornemos suportáveis e, se possível, agradáveis uns aos outros.” (Friedrich Nietzsche)