SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS
PATOLOGIA E TERAPIA
DAS ESTRUTURAS
SINTOMAS E CAUSAS
DAS ENFERMIDADES
PROF. ÉLVIO MOSCI PIANCASTELLI
ESCOLA DE ENGENHARIA
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
1
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO ......................................................................................... 02
2. SINTOMAS E CAUSAS DAS ENFERMIDADES ........................................ 03
2.1. Fissuras e Trincas ............................................................................... 04
2.1.1. Fissuras no Concreto Fresco .................................................. 05
2.1.2. Fissuras no Concreto Endurecido ........................................ 07
2.2. Desagregação ............................................................................... 10
2.3. Erosão e Desgaste ............................................................................... 10
2.4. Disgregação (Desplacamento ou Esfoliação) .............................. 11
2.5. Segregação ......................................................................................... 11
2.6. Manchas ......................................................................................... 12
2.7. Eflorescência..........................................................................................12
2.8. Calcinação ......................................................................................... 13
2.9. Flechas Exageradas ...................................................................... 13
2.10. Perda de Aderência Entre Concretos (nas juntas de concretagem) ..14
2.11. Porosidade ......................................................................................... 14
2.12. Permeabilidade ............................................................................... 14
3. BIBLIOGRAFIA ......................................................................................... 15
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
2
1. INTRODUÇÃO
Os sintomas são as manifestações das enfermidades. É a partir deles que se inicia
todo o processo de averiguação das causas e origens do fenômeno patológico,
fundamentais para um correto diagnóstico - Figura 1.1.
Felizmente, tais manifestações ocorrem normalmente nas partes externas das
estruturas, sendo possível observá-las com facilidade.
Entretanto, é importante salientar, que existem partes externas às estruturas que não
são normalmente visualizadas, como por exemplo:
• partes total ou parcialmente enterradas (fundações, arrimos, piscinas, etc);
• partes internas das juntas de dilatação;
• interior de galerias e reservatórios.
Nesses locais, as manifestações patológicas - os chamados danos ocultos -, só são
detectadas se forem programadas e executadas inspeções específicas.
As causas das enfermidades são os “agentes” que desencadeam o seu processo de
surgimento (mecanismos) - Figura 1.1.
Figura 1.1 - Caracterização de Enfermidades
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
3
2. SINTOMAS E CAUSAS DAS ENFERMIDADES
O quadro da Figura 2.1 mostra os principais sintomas das enfermidades do
concreto armado.
SINTOMAS
♦ Fissuras e trincas;
♦ Desagregação;
♦ Erosão e Desgaste;
♦ Disgregação (desplacamento, esfoliação);
♦ Segregação;
♦ Manchas;
♦ Eflorescência;
♦ Calcinação;
♦ Flechas exageradas;
♦ Perda de aderência entre concretos
(nas juntas de concretagem);
♦ Porosidade;
♦ Permeabilidade.
Figura 2.1 - Principais Sintomas das Enfermidades do Concreto Armado
Salienta-se que algumas enfermidades são errôneamente consideradas sintomas,
como o caso clássico da corrosão das armaduras, que caracteriza a enfermidade
falta de homogeneidade, e cujos sintomas são fissuras e disgregação do concreto.
À seguir, são descritos cada um dos sintomas citados e indicadas algumas de suas
causas, que na realidade são causas das enfermidades.
Observa-se que, quando do estudo das origens das enfermidades outras causas
de enfermidades serão apresentadas.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
4
2.1. Fissuras e Trincas
As fissuras são, sem sombra de dúvidas, o sintoma mais freqüente nas estruturas,
sendo suas causas muito variadas.
A sua posição em relação à peça estrutural, a abertura, a direção, e sua forma de
evolução (com relação à direção e à abertura), dão indicações das causas prováveis.
Há que se destacar que fissuras são também ocorrências inerentes ao concreto
armado, visto que as seções são dimensionadas nos Estádios II (seção fissurada) ou
III (ruptura), não sendo, portanto, sempre, manifestação patológica.
Sob esse aspecto, a diferenciação entre manifestação patológica ou não é feita em
função das aberturas e das causas.
Para a especificação de um correto tratamento, é de vital importância que se
verifique se a fissura analisada é ativa (viva ou instável) ou inativa (morta ou
estável). São chamadas de ativas, as fissuras que apresentam variação de abertura,
e de inativas aquelas em que tal variação não ocorre.
Tal verificação é feita, geralmente, através da utilização de “selos” rígidos (gêsso
ou plaquetas de vidro coladas - Figura 2.1.1), que se rompem caso a fissura
apresente variação de abertura, ou através da medição direta (fissurômetro) dessa
variação.
Figura 2.1.1 - Verificação do Tipo de Fissura
Entretanto, a melhor orientação para um correto tratamento de uma fissura é o
agente causador, pois se ele não mais atua a fissura pode ser considerada estável,
caso contrário, instável.
Dá-se o nome de trincas às fissuras com grandes aberturas.
A seguir são apresentadas algumas das muitas causas de enfermidades, cujos
sintomas são fissuras.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
5
2.1.1. Fissuras no Concreto Fresco
• Por Assentamento Plástico
Devido à gravidade, as partículas mais pesadas do concreto tedem a sedimentar
(segregação), provocando a ascenção da água e ar aprisionado (exsudação).
Com isso a massa de concreto tende a se deslocar para baixo. Caso esse movimento
seja parcialmente impedido, normalmente pela armadura ou agregado graúdo, surgirá
a fissura.
São causas do assentamento plástico:
♦ exsudação;
♦ uso excessivo dos vibradores;
♦ excessivo tempo entre lançamento e início de pega;
♦ falta de estanqueidade das formas.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
6
• Por Movimentação das Formas ou do Suporte do Concreto
• Por Dessecação Superficial
A rápida perda de água pela superfície do concreto, mais relevante em função da
evaporação, provoca uma redução de volume do concreto (retração) introduzindo
tensões de tração que produzem fissuras.
A fissura anula a tração na direção normal à fissura, mas não na direção dela,
podendo surgir, ainda, fissura ortogonal à primeira. Por isso, a configuração das
fissuras se assemelha a um mapa.
• Por Vibrações
Vibrações causadas por movimentação ou funcionamento de equipamentos, trânsito
de pessoal, impactos de ferramentas, e por outros agentes, também podem causar
fissuras no concreto fresco.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
7
2.1.2. Fissuras no Concreto Endurecido
• Por Retração Hidráulica
O concreto ao perder água diminui de volume retraindo-se. Caso a retração seja
impedida, surgirão fissuras.
• Por Efeito Térmico
• Por Flexão, Cisalhamento, Torção, Compressão, ou Punção
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
8
• Por Concentração de Tensões
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
9
• Por Recalque de Apoio
• Por Corrosão das Armaduras
A Figura 2.1.2.1 mostra a incidência relativa dos tipos de fissuras levantadas no Rio
Grande do Sul por Dal Molin, D.C.C. [6].
Incidência de Fissuras - R.G.Sul - Brasil
Corrosão
Armadura
11,9%
Det.
Construtivos
10,5%
Assent.
Plástico
0,3%
Eletrodutos
14,0%
Fundações
5,6%
Retração
Hidraulica
11,9%
Dessec.
Superficial
1,7%
Sobrecargas
14,3%
Mov. Térmica
Ext.
29,7%
Figura 2.1.2.1 - Incidência de Fissuras no R.G.Sul - Brasil
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
10
2.2. Desagregação
A desagregação é caracterizada pela perda do poder aglomerante do cimento. Com
isso, os agregados graúdos se destacam da argamassa, que posteriormente também
se desfaz.
A desagregação inicia-se, geralmente, com a alteração da coloração do concreto. A
seguir surgem fissuras cruzadas em todas as direções, que aumentam rapidamente
de abertura, devido à expansão da pasta de cimento. Um abaulamento da superfície
do concreto pode também ser observada.
A desagregação do concreto pode ser provocada por:
• Ataques químicos, como o de sulfatos;
• Reação álcali-agregado;
• Águas puras (águas que evaporam e depois condensam) e as águas com pouco
teor de sais (águas de chuva), que arrancam-lhe sais pelos quais são ávidas;
• Águas servidas (esgotos e resíduos industriais) em dutos e canais, em função da
formação, dentre outros, do gás sulfídrico (H2S ⇒ bactérias ⇒ H2SO4);
• Micro-organismos, fungos, e outros, através de sua ação direta e suas excreções
ácidas;
• Substâncias orgânicas como: gorduras animais, óleos e vinho;
• Produtos altamente alcalinos (mais raramente).
Existe também a desagregação da argamassa superficial do concreto, em função do
uso de formas absorventes que retiram a água necessária para a hidratação do
cimento (melhor seria, nesse caso, falar de “não agregação”).
2.3. Erosão e Desgaste
A erosão e o desgaste correspondem à quebra da unidade cimento-areia-brita
provocada por ações abrasivas sobre o concreto.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
11
Nas erosões o agente da abrasão é um líquido - normalmente a água - e, quando
existirem, as partículas sólidas por ele arrastadas. Caso típico é o de canais.
Quando a abrasão é causada por materiais sólidos, o fenômeno é chamado de
desgaste. É a caso das pistas de rolamento, silos e moegas.
2.4. Disgregação (Desplacamento ou Esfoliação)
A disgregação, desplacamento ou esfoliação caracteriza-se pela ruptura e
destacamento do concreto superficial, principalmente das partes salientes da peça.
O fenômeno ocorre em função do surgimento de tensões de tração acima da
resistência do concreto.
É importante notar que o concreto disgregado é um concreto são.
A disgregação é normalmente provocada:
• pela expansão provocada pela corrosão das armaduras;
• pelas deformações provocadas por cargas excessivas,
normalmente pontuais;
• pelo congelamento de águas retidas;
• por desagregações internas ( como na reação álcali-agregado ⇒
expansão do agregado-caso perigoso);
• impáctos;
• cavitação;
• expansão resultante da reação álcali-agregado.
2.5. Segregação
O concreto segregado é aquele que apresenta separação entre a argamassa e a
brita, podendo ocorrer durante ou logo após o lançamento do concreto. Ela pode
ser provocada, entre outras causas, por:
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
12
• lançamento livre de grande altura;
• concentração de armadura que impede a passagem da brita;
• vazamento da pasta pela forma;
• má dosagem do concreto;
• uso inadequado dos vibradores (vibração excessiva ou vi-
bradores de baixa freqüência que provocam ressonância,
isolando as pedras grandes da argamassa – usar vibradores
com freqüência > 5.000 vb/min).
2.6. Manchas
As manchas são diferenciações de cor ou tonalidade na superfície dos concretos.
As principais causas das manchas são:
• umidade (infiltrações);
• ação de cloretos;
• presença de fungos;
• incrustação de fuligem;
• aditivos mal diluidos ou mal misturados.
• lixiviação de óxidos de ferro de armaduras oxidadas.
• partículas de solo carreadas pela água de percolação, ou nela
dissolvidas.
2.7. Eflorescência
Eflorescências são depósitos de sais na superfície do concreto, formando manchas
esbranquiçadas nas superfícies verticais e estalactites nas superfícies horizontais.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
13
Ela é causada pela lixiviação do hidróxido de cálcio Ca(OH)2 e do carbonato ácido
de cálcio [Ca(HCO3)], que é formado pelo ataque de ácidos fracos (H2CO3) ao
carbonato de cálcio (CaCO3):
CaO + H2O = Ca(OH)2 (solúvel)
(carbonatação) - Ca(OH)2 + CO2 = CaCO3 + H2O (insolúvel)
CO2+ H2O = H2CO3 (ácido fraco)
CaCO3 + H2CO3 = Ca(HCO3)2 (solúvel)
As eflorescências, por si só, não chegam a ser um problema, a não ser estético.
Indicam, entretanto, uma crescente despassivação da armadura pela perda de
alcalinidade, não sendo, portanto, anomalia em peças não armadas, como nas
“barragens de gravidade”.
É interressante observar que o mecanismo da eflorescência pode ser utilizado para
colmatar fissuras, no fenômeno chamado de cicatrização.
2.8. Calcinação
Ressecamento das camadas superficiais (até 3 cm - excepcionalmente até 10 cm) do
concreto devido a altas temperaturas, como no caso de incêndios.
2.9. Flechas Exageradas
Deslocamentos verticais de vigas e lajes acima de valores razoáveis
(recomendados), normalmente provocados, entre outros por: cargas excessivas, sub-
dimensionamento, desforma precoce, baixo módulo de elasticidade do concreto e
incêndios.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
14
2.10. Perda de Aderência Entre Concretos (nas juntas de concretagem)
A perda de aderência entre concretos é caracterizada pelo surgimento de fissura na
interface das juntas de concretagem.
É normamente provocada pela falta de tratamento do concreto endurecido antes do
lançamento do novo concreto, associada a fenômenos de retração.
Pode ocorrer, também, quando a diferença de idade entre os dois concretos é muito
grande, como nos casos de reforços, da mesma forma, por falta de tratamento
adequado ou, ainda, não adoção de medidas específicas relativas a reforços.
2.11. Porosidade
Caracteriza a porosidade o excessivo volume de vazios. Ela é provocada, na maioria
das vezes, por traço, amassamento ou adensamento inadequados.
Quando se usa super-plastificante, os cuidados com o amassamento devem ser
redobrados, sendo necessário definir o tempo de mistura após o seu adicionamento,
em função do risco da excessiva incorporação de ar.
2.12. Permeabilidade
A permeabilidade é caracterizada pelo excessivo volume de vazios capilares. É
provocada principalmente pelo uso de traços com alto fator água cimento.
Deve-se observar que fissuras influem na permeabilidade do concreto, mas através de
outro mecanismo.
Patologia e Terapia das Estruturas
Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli
15
3. BIBLIOGRAFIA
[1] Piancastelli, E.M. - Patologia, Recuperação e Reforço de Estruturas de Concreto
Armado - Ed. Depto. Estruturas da EEUFMG - 1997 - 160p.
[2] Johnson, S.M. - Deterioro, Conservacion y Reparacion de Estructuras, 1
a
ed.,
Editora Blume, Madrid, 1973, 334p.
[3] Cánovas, M.F. - Patologia e Terapia do Concreto Armado, 1
a
ed., Editora Pini,
São Paulo, 1988, 522p.
[4] Publicação Sika S.A., Sem Título, São Paulo, 98p.
[5] Thomas, E. - Trincas em Edifícios - Editora PINI.
[6] Dal Molin, D.C.C. - Fissuras em Estruturas de Concreto Armado, Dissertação de
Mestrado, UFRGS, Porto Alegre, 1988, 201p.
* * * * * *
Élvio Mosci Piancastelli.
Professor Adjunto do Depto. de Engenharia de Estruturas da
Escola de Engenharia da UFMG.
Engenheiro Consultor pela Fundação Christiano Ottoni e FUNDEP.
Correio Eletrônico: elvio@dees.ufmg.br
Telefones: 31-9907-4140 (cel.) - 031-3238-1998 (com.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
Majit Islav
 
Fundações 01
Fundações 01Fundações 01
Fundações 01
dmr2403
 
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Adriana de Araujo
 
Patologias na construção
Patologias na construçãoPatologias na construção
Patologias na construção
elitimothy30
 
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Ruan Fontana Lima
 
Aula 06 cimento
Aula 06  cimentoAula 06  cimento
Aula 06 cimento
Maria Izala
 
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do ConcretoMecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Alonso Patricio Nolasco
 
Ferramentas Utilizadas na Construção de Edificações
Ferramentas Utilizadas na Construção de EdificaçõesFerramentas Utilizadas na Construção de Edificações
Ferramentas Utilizadas na Construção de Edificações
Marcelo Magalhaes Barbosa
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
rubensmax
 
Sinduscon 2015 parte 1_reduzida
Sinduscon 2015 parte 1_reduzidaSinduscon 2015 parte 1_reduzida
Sinduscon 2015 parte 1_reduzida
Adriana de Araujo
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
Mayara Marques
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
charlessousa192
 
Muros de arrimo
Muros de arrimoMuros de arrimo
Muros de arrimo
cristina resende
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
William Eustáquio de Aguiar
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
Andréa Camara
 
Concreto armado 1
Concreto armado 1Concreto armado 1
Concreto armado 1
Timóteo Rocha
 
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Ma Dos Anjos Pacheco
 
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciçoConstrução de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Dalber Faria
 
Reações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em EstruturasReações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em Estruturas
camilapasta
 

Mais procurados (20)

estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
 
Fundações 01
Fundações 01Fundações 01
Fundações 01
 
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
Inspeção visual e ensaios NDT Estruturas de concreto_ COTEQ 2019
 
Patologias na construção
Patologias na construçãoPatologias na construção
Patologias na construção
 
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)Patologia e terapia das estruturas   reforço com concreto armado (1)
Patologia e terapia das estruturas reforço com concreto armado (1)
 
Aula 06 cimento
Aula 06  cimentoAula 06  cimento
Aula 06 cimento
 
Mecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do ConcretoMecanismos de deterioracão do Concreto
Mecanismos de deterioracão do Concreto
 
Ferramentas Utilizadas na Construção de Edificações
Ferramentas Utilizadas na Construção de EdificaçõesFerramentas Utilizadas na Construção de Edificações
Ferramentas Utilizadas na Construção de Edificações
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamentoMuros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
Muros de arrimo, dimensionamento e detalhamento
 
Sinduscon 2015 parte 1_reduzida
Sinduscon 2015 parte 1_reduzidaSinduscon 2015 parte 1_reduzida
Sinduscon 2015 parte 1_reduzida
 
Aula 16 impermeabilizacao
Aula 16   impermeabilizacaoAula 16   impermeabilizacao
Aula 16 impermeabilizacao
 
Patologia das construções
Patologia das construçõesPatologia das construções
Patologia das construções
 
Muros de arrimo
Muros de arrimoMuros de arrimo
Muros de arrimo
 
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completoVIGAS-Flexao simples-exemplo completo
VIGAS-Flexao simples-exemplo completo
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
 
Concreto armado 1
Concreto armado 1Concreto armado 1
Concreto armado 1
 
Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-Resistencia dos-materiais-para-entender-
Resistencia dos-materiais-para-entender-
 
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciçoConstrução de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
Construção de alvenaria de tijolo cerâmico maciço
 
Reações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em EstruturasReações de Apoio em Estruturas
Reações de Apoio em Estruturas
 

Destaque

Patologias
PatologiasPatologias
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
LarissaComparini
 
Curso de Tintas e Vernizes
 Curso de Tintas e Vernizes  Curso de Tintas e Vernizes
Curso de Tintas e Vernizes
PLASTOFLEX TINTAS E PLÁSTICOS LTDA
 
Laudo vistoria imovel
Laudo vistoria imovelLaudo vistoria imovel
Laudo vistoria imovel
sindiconet
 
Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
 Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
Karolina Rodrigues Lima Vieira
 
Direito e legislacao
Direito e legislacaoDireito e legislacao
Direito e legislacao
AllangCruz
 
Laudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predialLaudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predial
Universidade Federal Fluminense
 
Modelo de laudo tecnico residencial
Modelo de laudo tecnico residencialModelo de laudo tecnico residencial
Modelo de laudo tecnico residencial
Sara Cardoso
 
Apostila pgrss
Apostila pgrssApostila pgrss
Apostila pgrss
Umberto Reis
 
Perícia em obras de engenharia civil
Perícia em obras de engenharia civilPerícia em obras de engenharia civil
Perícia em obras de engenharia civil
Zuilton Guimarães Silva Guimarães
 
Processos industriais tintas[1]
Processos industriais   tintas[1]Processos industriais   tintas[1]
Processos industriais tintas[1]
Luan Nunes Ribeiro
 
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia CivilPerícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Damysson Henrique
 
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Prefeitura de Olinda
 
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNPDoenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
hihdidushd
 

Destaque (14)

Patologias
PatologiasPatologias
Patologias
 
Patologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitosPatologia geral aula conceitos
Patologia geral aula conceitos
 
Curso de Tintas e Vernizes
 Curso de Tintas e Vernizes  Curso de Tintas e Vernizes
Curso de Tintas e Vernizes
 
Laudo vistoria imovel
Laudo vistoria imovelLaudo vistoria imovel
Laudo vistoria imovel
 
Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
 Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
Pgrs-programa-de-gerenciamento-de-residuos-solidos
 
Direito e legislacao
Direito e legislacaoDireito e legislacao
Direito e legislacao
 
Laudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predialLaudo de técnico de vistoria predial
Laudo de técnico de vistoria predial
 
Modelo de laudo tecnico residencial
Modelo de laudo tecnico residencialModelo de laudo tecnico residencial
Modelo de laudo tecnico residencial
 
Apostila pgrss
Apostila pgrssApostila pgrss
Apostila pgrss
 
Perícia em obras de engenharia civil
Perícia em obras de engenharia civilPerícia em obras de engenharia civil
Perícia em obras de engenharia civil
 
Processos industriais tintas[1]
Processos industriais   tintas[1]Processos industriais   tintas[1]
Processos industriais tintas[1]
 
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia CivilPerícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
 
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
Relatório de Vistoria - Casa na Rua de São Francisco, 26
 
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNPDoenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
Doenças Desmielinizantes do SNC e do SNP
 

Último

POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
YgorRodrigues11
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Elpidiotapejara
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Vias & Rodovias
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Vias & Rodovias
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Claudinei Machado
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Vias & Rodovias
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
BuscaApto
 

Último (7)

POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
POLICORTE.pptx treinamento de policorte.
 
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdfApostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
Apostila M1002-2 BR - Parker - Eletropneumática.pdf
 
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso PraticoTerraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
Terraplenagem e Pavimentação um Curso Pratico
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 2 um curso pratico
 
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdfPurificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
Purificador Grau D Ar Respirável para Espaços Confinados.pdf
 
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso praticoTerraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
Terraplanagem e Pavimentação parte 3 um cursso pratico
 
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptxConcreto_atualização_descobertas_100.pptx
Concreto_atualização_descobertas_100.pptx
 

Patologias

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PATOLOGIA E TERAPIA DAS ESTRUTURAS SINTOMAS E CAUSAS DAS ENFERMIDADES PROF. ÉLVIO MOSCI PIANCASTELLI ESCOLA DE ENGENHARIA
  • 2. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ......................................................................................... 02 2. SINTOMAS E CAUSAS DAS ENFERMIDADES ........................................ 03 2.1. Fissuras e Trincas ............................................................................... 04 2.1.1. Fissuras no Concreto Fresco .................................................. 05 2.1.2. Fissuras no Concreto Endurecido ........................................ 07 2.2. Desagregação ............................................................................... 10 2.3. Erosão e Desgaste ............................................................................... 10 2.4. Disgregação (Desplacamento ou Esfoliação) .............................. 11 2.5. Segregação ......................................................................................... 11 2.6. Manchas ......................................................................................... 12 2.7. Eflorescência..........................................................................................12 2.8. Calcinação ......................................................................................... 13 2.9. Flechas Exageradas ...................................................................... 13 2.10. Perda de Aderência Entre Concretos (nas juntas de concretagem) ..14 2.11. Porosidade ......................................................................................... 14 2.12. Permeabilidade ............................................................................... 14 3. BIBLIOGRAFIA ......................................................................................... 15
  • 3. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 2 1. INTRODUÇÃO Os sintomas são as manifestações das enfermidades. É a partir deles que se inicia todo o processo de averiguação das causas e origens do fenômeno patológico, fundamentais para um correto diagnóstico - Figura 1.1. Felizmente, tais manifestações ocorrem normalmente nas partes externas das estruturas, sendo possível observá-las com facilidade. Entretanto, é importante salientar, que existem partes externas às estruturas que não são normalmente visualizadas, como por exemplo: • partes total ou parcialmente enterradas (fundações, arrimos, piscinas, etc); • partes internas das juntas de dilatação; • interior de galerias e reservatórios. Nesses locais, as manifestações patológicas - os chamados danos ocultos -, só são detectadas se forem programadas e executadas inspeções específicas. As causas das enfermidades são os “agentes” que desencadeam o seu processo de surgimento (mecanismos) - Figura 1.1. Figura 1.1 - Caracterização de Enfermidades
  • 4. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 3 2. SINTOMAS E CAUSAS DAS ENFERMIDADES O quadro da Figura 2.1 mostra os principais sintomas das enfermidades do concreto armado. SINTOMAS ♦ Fissuras e trincas; ♦ Desagregação; ♦ Erosão e Desgaste; ♦ Disgregação (desplacamento, esfoliação); ♦ Segregação; ♦ Manchas; ♦ Eflorescência; ♦ Calcinação; ♦ Flechas exageradas; ♦ Perda de aderência entre concretos (nas juntas de concretagem); ♦ Porosidade; ♦ Permeabilidade. Figura 2.1 - Principais Sintomas das Enfermidades do Concreto Armado Salienta-se que algumas enfermidades são errôneamente consideradas sintomas, como o caso clássico da corrosão das armaduras, que caracteriza a enfermidade falta de homogeneidade, e cujos sintomas são fissuras e disgregação do concreto. À seguir, são descritos cada um dos sintomas citados e indicadas algumas de suas causas, que na realidade são causas das enfermidades. Observa-se que, quando do estudo das origens das enfermidades outras causas de enfermidades serão apresentadas.
  • 5. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 4 2.1. Fissuras e Trincas As fissuras são, sem sombra de dúvidas, o sintoma mais freqüente nas estruturas, sendo suas causas muito variadas. A sua posição em relação à peça estrutural, a abertura, a direção, e sua forma de evolução (com relação à direção e à abertura), dão indicações das causas prováveis. Há que se destacar que fissuras são também ocorrências inerentes ao concreto armado, visto que as seções são dimensionadas nos Estádios II (seção fissurada) ou III (ruptura), não sendo, portanto, sempre, manifestação patológica. Sob esse aspecto, a diferenciação entre manifestação patológica ou não é feita em função das aberturas e das causas. Para a especificação de um correto tratamento, é de vital importância que se verifique se a fissura analisada é ativa (viva ou instável) ou inativa (morta ou estável). São chamadas de ativas, as fissuras que apresentam variação de abertura, e de inativas aquelas em que tal variação não ocorre. Tal verificação é feita, geralmente, através da utilização de “selos” rígidos (gêsso ou plaquetas de vidro coladas - Figura 2.1.1), que se rompem caso a fissura apresente variação de abertura, ou através da medição direta (fissurômetro) dessa variação. Figura 2.1.1 - Verificação do Tipo de Fissura Entretanto, a melhor orientação para um correto tratamento de uma fissura é o agente causador, pois se ele não mais atua a fissura pode ser considerada estável, caso contrário, instável. Dá-se o nome de trincas às fissuras com grandes aberturas. A seguir são apresentadas algumas das muitas causas de enfermidades, cujos sintomas são fissuras.
  • 6. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 5 2.1.1. Fissuras no Concreto Fresco • Por Assentamento Plástico Devido à gravidade, as partículas mais pesadas do concreto tedem a sedimentar (segregação), provocando a ascenção da água e ar aprisionado (exsudação). Com isso a massa de concreto tende a se deslocar para baixo. Caso esse movimento seja parcialmente impedido, normalmente pela armadura ou agregado graúdo, surgirá a fissura. São causas do assentamento plástico: ♦ exsudação; ♦ uso excessivo dos vibradores; ♦ excessivo tempo entre lançamento e início de pega; ♦ falta de estanqueidade das formas.
  • 7. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 6 • Por Movimentação das Formas ou do Suporte do Concreto • Por Dessecação Superficial A rápida perda de água pela superfície do concreto, mais relevante em função da evaporação, provoca uma redução de volume do concreto (retração) introduzindo tensões de tração que produzem fissuras. A fissura anula a tração na direção normal à fissura, mas não na direção dela, podendo surgir, ainda, fissura ortogonal à primeira. Por isso, a configuração das fissuras se assemelha a um mapa. • Por Vibrações Vibrações causadas por movimentação ou funcionamento de equipamentos, trânsito de pessoal, impactos de ferramentas, e por outros agentes, também podem causar fissuras no concreto fresco.
  • 8. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 7 2.1.2. Fissuras no Concreto Endurecido • Por Retração Hidráulica O concreto ao perder água diminui de volume retraindo-se. Caso a retração seja impedida, surgirão fissuras. • Por Efeito Térmico • Por Flexão, Cisalhamento, Torção, Compressão, ou Punção
  • 9. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 8 • Por Concentração de Tensões
  • 10. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 9 • Por Recalque de Apoio • Por Corrosão das Armaduras A Figura 2.1.2.1 mostra a incidência relativa dos tipos de fissuras levantadas no Rio Grande do Sul por Dal Molin, D.C.C. [6]. Incidência de Fissuras - R.G.Sul - Brasil Corrosão Armadura 11,9% Det. Construtivos 10,5% Assent. Plástico 0,3% Eletrodutos 14,0% Fundações 5,6% Retração Hidraulica 11,9% Dessec. Superficial 1,7% Sobrecargas 14,3% Mov. Térmica Ext. 29,7% Figura 2.1.2.1 - Incidência de Fissuras no R.G.Sul - Brasil
  • 11. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 10 2.2. Desagregação A desagregação é caracterizada pela perda do poder aglomerante do cimento. Com isso, os agregados graúdos se destacam da argamassa, que posteriormente também se desfaz. A desagregação inicia-se, geralmente, com a alteração da coloração do concreto. A seguir surgem fissuras cruzadas em todas as direções, que aumentam rapidamente de abertura, devido à expansão da pasta de cimento. Um abaulamento da superfície do concreto pode também ser observada. A desagregação do concreto pode ser provocada por: • Ataques químicos, como o de sulfatos; • Reação álcali-agregado; • Águas puras (águas que evaporam e depois condensam) e as águas com pouco teor de sais (águas de chuva), que arrancam-lhe sais pelos quais são ávidas; • Águas servidas (esgotos e resíduos industriais) em dutos e canais, em função da formação, dentre outros, do gás sulfídrico (H2S ⇒ bactérias ⇒ H2SO4); • Micro-organismos, fungos, e outros, através de sua ação direta e suas excreções ácidas; • Substâncias orgânicas como: gorduras animais, óleos e vinho; • Produtos altamente alcalinos (mais raramente). Existe também a desagregação da argamassa superficial do concreto, em função do uso de formas absorventes que retiram a água necessária para a hidratação do cimento (melhor seria, nesse caso, falar de “não agregação”). 2.3. Erosão e Desgaste A erosão e o desgaste correspondem à quebra da unidade cimento-areia-brita provocada por ações abrasivas sobre o concreto.
  • 12. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 11 Nas erosões o agente da abrasão é um líquido - normalmente a água - e, quando existirem, as partículas sólidas por ele arrastadas. Caso típico é o de canais. Quando a abrasão é causada por materiais sólidos, o fenômeno é chamado de desgaste. É a caso das pistas de rolamento, silos e moegas. 2.4. Disgregação (Desplacamento ou Esfoliação) A disgregação, desplacamento ou esfoliação caracteriza-se pela ruptura e destacamento do concreto superficial, principalmente das partes salientes da peça. O fenômeno ocorre em função do surgimento de tensões de tração acima da resistência do concreto. É importante notar que o concreto disgregado é um concreto são. A disgregação é normalmente provocada: • pela expansão provocada pela corrosão das armaduras; • pelas deformações provocadas por cargas excessivas, normalmente pontuais; • pelo congelamento de águas retidas; • por desagregações internas ( como na reação álcali-agregado ⇒ expansão do agregado-caso perigoso); • impáctos; • cavitação; • expansão resultante da reação álcali-agregado. 2.5. Segregação O concreto segregado é aquele que apresenta separação entre a argamassa e a brita, podendo ocorrer durante ou logo após o lançamento do concreto. Ela pode ser provocada, entre outras causas, por:
  • 13. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 12 • lançamento livre de grande altura; • concentração de armadura que impede a passagem da brita; • vazamento da pasta pela forma; • má dosagem do concreto; • uso inadequado dos vibradores (vibração excessiva ou vi- bradores de baixa freqüência que provocam ressonância, isolando as pedras grandes da argamassa – usar vibradores com freqüência > 5.000 vb/min). 2.6. Manchas As manchas são diferenciações de cor ou tonalidade na superfície dos concretos. As principais causas das manchas são: • umidade (infiltrações); • ação de cloretos; • presença de fungos; • incrustação de fuligem; • aditivos mal diluidos ou mal misturados. • lixiviação de óxidos de ferro de armaduras oxidadas. • partículas de solo carreadas pela água de percolação, ou nela dissolvidas. 2.7. Eflorescência Eflorescências são depósitos de sais na superfície do concreto, formando manchas esbranquiçadas nas superfícies verticais e estalactites nas superfícies horizontais.
  • 14. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 13 Ela é causada pela lixiviação do hidróxido de cálcio Ca(OH)2 e do carbonato ácido de cálcio [Ca(HCO3)], que é formado pelo ataque de ácidos fracos (H2CO3) ao carbonato de cálcio (CaCO3): CaO + H2O = Ca(OH)2 (solúvel) (carbonatação) - Ca(OH)2 + CO2 = CaCO3 + H2O (insolúvel) CO2+ H2O = H2CO3 (ácido fraco) CaCO3 + H2CO3 = Ca(HCO3)2 (solúvel) As eflorescências, por si só, não chegam a ser um problema, a não ser estético. Indicam, entretanto, uma crescente despassivação da armadura pela perda de alcalinidade, não sendo, portanto, anomalia em peças não armadas, como nas “barragens de gravidade”. É interressante observar que o mecanismo da eflorescência pode ser utilizado para colmatar fissuras, no fenômeno chamado de cicatrização. 2.8. Calcinação Ressecamento das camadas superficiais (até 3 cm - excepcionalmente até 10 cm) do concreto devido a altas temperaturas, como no caso de incêndios. 2.9. Flechas Exageradas Deslocamentos verticais de vigas e lajes acima de valores razoáveis (recomendados), normalmente provocados, entre outros por: cargas excessivas, sub- dimensionamento, desforma precoce, baixo módulo de elasticidade do concreto e incêndios.
  • 15. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 14 2.10. Perda de Aderência Entre Concretos (nas juntas de concretagem) A perda de aderência entre concretos é caracterizada pelo surgimento de fissura na interface das juntas de concretagem. É normamente provocada pela falta de tratamento do concreto endurecido antes do lançamento do novo concreto, associada a fenômenos de retração. Pode ocorrer, também, quando a diferença de idade entre os dois concretos é muito grande, como nos casos de reforços, da mesma forma, por falta de tratamento adequado ou, ainda, não adoção de medidas específicas relativas a reforços. 2.11. Porosidade Caracteriza a porosidade o excessivo volume de vazios. Ela é provocada, na maioria das vezes, por traço, amassamento ou adensamento inadequados. Quando se usa super-plastificante, os cuidados com o amassamento devem ser redobrados, sendo necessário definir o tempo de mistura após o seu adicionamento, em função do risco da excessiva incorporação de ar. 2.12. Permeabilidade A permeabilidade é caracterizada pelo excessivo volume de vazios capilares. É provocada principalmente pelo uso de traços com alto fator água cimento. Deve-se observar que fissuras influem na permeabilidade do concreto, mas através de outro mecanismo.
  • 16. Patologia e Terapia das Estruturas Sintomas e Causas das Enfermidades Prof. Élvio Mosci Piancastelli 15 3. BIBLIOGRAFIA [1] Piancastelli, E.M. - Patologia, Recuperação e Reforço de Estruturas de Concreto Armado - Ed. Depto. Estruturas da EEUFMG - 1997 - 160p. [2] Johnson, S.M. - Deterioro, Conservacion y Reparacion de Estructuras, 1 a ed., Editora Blume, Madrid, 1973, 334p. [3] Cánovas, M.F. - Patologia e Terapia do Concreto Armado, 1 a ed., Editora Pini, São Paulo, 1988, 522p. [4] Publicação Sika S.A., Sem Título, São Paulo, 98p. [5] Thomas, E. - Trincas em Edifícios - Editora PINI. [6] Dal Molin, D.C.C. - Fissuras em Estruturas de Concreto Armado, Dissertação de Mestrado, UFRGS, Porto Alegre, 1988, 201p. * * * * * * Élvio Mosci Piancastelli. Professor Adjunto do Depto. de Engenharia de Estruturas da Escola de Engenharia da UFMG. Engenheiro Consultor pela Fundação Christiano Ottoni e FUNDEP. Correio Eletrônico: elvio@dees.ufmg.br Telefones: 31-9907-4140 (cel.) - 031-3238-1998 (com.)