SlideShare uma empresa Scribd logo
Países que falam o
Português
O português é a 5ª língua do mundo e a
3ª língua europeia (depois do Inglês e do
Espanhol) mais falada no planeta, com
uma soma estimada em 272,9 milhões de
falantes. Forma parte das famílias das
línguas românticas juntamente com o
espanhol, o francês, o italiano e o
romano. E, ainda que suas raízes estejam
na Europa a maior parte dos falantes de
português, 210 milhões vivem em outras
partes do mundo, como se disse, antes, é
A Comunidade dos Países de
Língua Portuguesa (CPLP) consiste
em nove países independentes que
têm o português como língua
oficial: Angola, Brasil, Cabo Verde,
Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné
Equatorial, Moçambique,
Portugal, São Tomé e Príncipe.
Países que falam o português
A dispersão da língua em distintos continentes deve-se
principalmente à política de expansão de Portugal, especialmente
nos séculos XV e XVI, quando ocorreu a exploração de uma grande
quantidade de colônias. Sendo assim, a língua da metrópole foi
introduzida e logo se juntou com as culturas locais, formando uma
diversidade de dialetos. Essa nova forma de falar o português fora
da pátria mãe era denominada de criolo.
O português é oriundo do latim vulgar (essa variação era apenas
falada), língua que os romanos inseriram em uma região ao norte da
Península Ibérica, chamada de Lusitânia. A partir da invasão dos
romanos na região, praticamente todos os povos começaram a usar o
latim, salvo o povo basco. Nesse processo teve início a constituição
do espanhol, português e o galego.
Em sua essência é uma língua românica, ou seja, ibérico-românico,
que deu origem também ao castelhano, catalão, italiano, francês,
romeno e outros.
O português se diferencia por meio da variedade de dialetos e
subdialetos e no âmbito internacional, pois a língua é classificada em
português brasileiro e europeu.
A Língua Portuguesa se faz presente em todos
os continentes, observe:
América: O Brasil é o único país de língua
portuguesa na América. Durante o período colonial, o
português falado no Brasil foi influenciado pelas
línguas indígenas, africanas e de imigrantes europeus.
Isso explica as diferenças regionais na pronúncia e no
vocabulário verificadas, por exemplo, no nordeste e no
sul do país. Apesar disso, a língua conserva a
uniformidade gramatical em todo o território.
Europa: O português é a língua oficial de
Portugal. Em 1986, o país passa a integrar a
Comunidade Econômica Europeia (CEE) e a
língua portuguesa é adotada como um dos
idiomas oficiais da organização. Existem
falantes concentrados na França, Alemanha,
Bélgica, em Luxemburgo e na Suécia, sendo a
França  o país com mais falantes.
Ásia: Entre os séculos XVI e XVIII, o português atuou
como língua franca nos portos da Índia e sudeste da
Ásia. Atualmente, a cidade de Goa, na Índia, é o único
lugar do continente onde o português sobrevive na sua
forma original. Entretanto, o idioma está sendo
gradualmente substituído pelo inglês. Em Damão e Diu
(Índia), Java (Indonésia), Macau (ex-território
português), Sri Lanka e Málaca (Malásia) fala-se o
crioulo, língua que conserva o vocabulário do
português, mas adota formas gramaticais diferentes.
Oceania: O português é idioma oficial no
Timor Leste.  No entanto, a língua
dominante no país é o tétum. Devido à
recente ocupação indonésia, grande parte
da população compreende o indonésio
bahasa, apenas uma minoria compreende o
português.
África: O português é a língua oficial de cinco
países, sendo usado na administração, no
ensino, na imprensa e nas relações
internacionais. A língua convive com diversos
dialetos crioulos.
Em Angola, 60% dos moradores falam o
português como língua materna. Cerca
de 40% da população fala dialetos
crioulos como o bacongo, o quimbundo, o
ovibundo e o chacue.
Em Cabo Verde, quase todos os
habitantes falam o português e um
dialeto crioulo, que mescla o
português arcaico a línguas
africanas. Há duas variedades desse
dialeto, a de Barlavento e a de
Em Guiné-Bissau, 90% da
população fala o dialeto crioulo
ou dialetos africanos, enquanto
apenas 10% utiliza o português.
Em Moçambique, somente 0,18% da
população considera o português
como língua oficial, embora seja
falado por mais de 2 milhões de
moçambicanos. A maioria dos
habitantes usa línguas locais,
principalmente as do grupo banto.
Nas ilhas de São Tomé e Príncipe,
apenas 2,5% dos habitantes falam a
língua portuguesa. A maioria utiliza
dialetos locais, como o forro e o
moncó.
A Guiné Equatorial fez um pedido formal de adesão
plena à CPLP em junho de 2010 e deve adicionar o
português como terceira língua oficial (ao lado do
espanhol e do francês) já que esta é uma das condições
para entrar no grupo. O Presidente da República da
Guiné Equatorial e o Primeiro-Ministro Chefe de
Estado aprovaram e apresentaram no dia 20 de julho
de 2011 o novo Projeto-Lei Constitucional que pretende
adicionar o português como língua oficial. No dia 23
de Julho de 2014, a Guiné Equatorial entrou na
comunidade de países que falam a Língua Portuguesa.
Poder-se-á acrescentar-se a este número a imensa diáspora
de nações lusófonas espalhada pelo mundo, estimada que
ascenda aos 10 milhões (4,5 milhões de portugueses, 3 milhões
de brasileiros, meio milhão de cabo-verdianos, etc) mas
sobre a qual é difícil obter números reais oficiais, incluindo
saber a percentagem dessa diáspora que fala efetivamente a
língua de Camões, uma vez que uma porção significativa
serão os cidadãos de países lusófonos nascidos fora de
território lusófono descendentes de imigrantes e que não
falam português. É necessário ter-se igualmente em conta
que boa parte das diásporas nacionais já se encontra
contabilizada nas populações dos países lusófonos, como por
exemplo o grande número de cidadãos emigrantes dos
Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa
(PALOP) e brasileiros em Portugal ou o grande número de
cidadãos emigrantes portugueses no Brasil e nos PALOP.
Por fim, é de notar que a população lusófona
cresce demasiadamente nos países do mundo, com
o aumento e a consolidação da população das
várias jurisdições para números arredondados
facilmente identificáveis: Portugal Continental
com 10 milhões e Açores e Madeira contabilizando
já meio milhão juntos; o Brasil passa dos 190
milhões, Moçambique os 20 milhões, Angola os 15
milhões, Guiné-Bissau com 1,5 milhão, o grupo
insular africano Cabo Verde e São Tomé e Principe
que tem 1 milhão, Timor-Leste que também tem
praticamente a mesma população e Macau com
500 mil. Números recentes e reais que,
individualmente e em conjunto, fortalecem as suas
nações, as identidades lusófonas e a língua
portuguesa no panorama internacional.
Bibliografia Digital:
http://luisalessa.blogspot.com.br/2012/03/o-mundo-que
https://pt.wikipedia.org/wiki/Guin%C3%A9_Equatoria
http://www.soportugues.com.br/secoes/portuguesM
http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/geografia/p

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 e 9
Aula 4 e 9Aula 4 e 9
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
profamiriamnavarro
 
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptxAULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
ssuser9d9f26
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
Daniele Silva
 
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de SinaisOficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
andrea giovanella
 
Quiz das cores em LIBRAS
Quiz das cores em LIBRASQuiz das cores em LIBRAS
Quiz das cores em LIBRAS
Nelinha Soares
 
Verbos em libras
Verbos em librasVerbos em libras
Verbos em libras
Nelinha Soares
 
Manual de Ciencias e Geografia em Libras
Manual de Ciencias e Geografia em LibrasManual de Ciencias e Geografia em Libras
Manual de Ciencias e Geografia em Libras
Valzinha Cruz
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Universidade Estadual de Londrina - UEL
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
Jorge Santos
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
LeYa
 
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-AraucáriaDomínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Icaro Oliveira
 
Tipos de Relevo- 4º ano
Tipos de Relevo- 4º anoTipos de Relevo- 4º ano
Tipos de Relevo- 4º ano
mestra012
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
profamiriamnavarro
 
Slide Bioma Pampa
Slide Bioma PampaSlide Bioma Pampa
Curso De Libras 2ª Aula
Curso De Libras 2ª AulaCurso De Libras 2ª Aula
Curso De Libras 2ª Aula
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
Região norte 2009
Região norte 2009Região norte 2009
Região norte 2009
Manuel de Abreu
 
Quiz em libras família 2017
Quiz em libras família 2017Quiz em libras família 2017
Quiz em libras família 2017
Nelinha Soares
 
Aula 1 espanhol
Aula 1   espanholAula 1   espanhol
Aula 1 espanhol
Pibid Fafidam
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
João Marcelo
 

Mais procurados (20)

Aula 4 e 9
Aula 4 e 9Aula 4 e 9
Aula 4 e 9
 
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
LIBRAS AULA 3: Primeiros estudos, Mitos, Concepções
 
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptxAULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
AULA 06 - PRONOMES Em LIBRAS.pptx
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de SinaisOficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
Oficina - Alfabetizar em lingua Brasileira de Sinais
 
Quiz das cores em LIBRAS
Quiz das cores em LIBRASQuiz das cores em LIBRAS
Quiz das cores em LIBRAS
 
Verbos em libras
Verbos em librasVerbos em libras
Verbos em libras
 
Manual de Ciencias e Geografia em Libras
Manual de Ciencias e Geografia em LibrasManual de Ciencias e Geografia em Libras
Manual de Ciencias e Geografia em Libras
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Libras em Contexto
Libras em ContextoLibras em Contexto
Libras em Contexto
 
Classes gramaticais
Classes gramaticaisClasses gramaticais
Classes gramaticais
 
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-AraucáriaDomínios Morfoclimátcos-Araucária
Domínios Morfoclimátcos-Araucária
 
Tipos de Relevo- 4º ano
Tipos de Relevo- 4º anoTipos de Relevo- 4º ano
Tipos de Relevo- 4º ano
 
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
LIBRAS AULA 12: Aspectos Linguísticos da língua de sinais – Morfologia
 
Slide Bioma Pampa
Slide Bioma PampaSlide Bioma Pampa
Slide Bioma Pampa
 
Curso De Libras 2ª Aula
Curso De Libras 2ª AulaCurso De Libras 2ª Aula
Curso De Libras 2ª Aula
 
Região norte 2009
Região norte 2009Região norte 2009
Região norte 2009
 
Quiz em libras família 2017
Quiz em libras família 2017Quiz em libras família 2017
Quiz em libras família 2017
 
Aula 1 espanhol
Aula 1   espanholAula 1   espanhol
Aula 1 espanhol
 
A formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiroA formação do povo brasileiro
A formação do povo brasileiro
 

Semelhante a Países que falam o português

A Lusofonía
A LusofoníaA Lusofonía
A Lusofonía
Endl Félix Muriel
 
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticPower point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Natalia Alcubo
 
Lusofonia
Lusofonia Lusofonia
Lusofonia
guilherme rezende
 
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
Marcos Gimenes Salun
 
El Español por el mundo
El Español por el mundoEl Español por el mundo
El Español por el mundo
GabriellaBarreto18
 
Língua pdf
Língua pdfLíngua pdf
Portugal – o que nos define
Portugal – o que nos definePortugal – o que nos define
Portugal – o que nos define
Vasconcelos Sergio
 
Difusão da lingua p
Difusão da lingua pDifusão da lingua p
Difusão da lingua p
docasbm
 
Portugal – o que nos define
Portugal – o que nos definePortugal – o que nos define
Portugal – o que nos define
Vasconcelos Sergio
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
Deisy Quintero
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
Jéssica Santana
 
Resumo da expansão das línguas europeias
Resumo da expansão das línguas europeiasResumo da expansão das línguas europeias
Resumo da expansão das línguas europeias
sarocas73
 
resumo sbre o trabalho das linguas europeias
resumo sbre o trabalho das linguas europeiasresumo sbre o trabalho das linguas europeias
resumo sbre o trabalho das linguas europeias
sarocas73
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
sarocas73
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
sarocas73
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
sarocas73
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
sarocas73
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
Deisy Quintero
 
Lusofonia.pptx
Lusofonia.pptxLusofonia.pptx
Lusofonia.pptx
Lurdes Sousa
 
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfLíngua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
agenteangopaz
 

Semelhante a Países que falam o português (20)

A Lusofonía
A LusofoníaA Lusofonía
A Lusofonía
 
Power point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 ticPower point portugues no mundo tema 5 tic
Power point portugues no mundo tema 5 tic
 
Lusofonia
Lusofonia Lusofonia
Lusofonia
 
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
 
El Español por el mundo
El Español por el mundoEl Español por el mundo
El Español por el mundo
 
Língua pdf
Língua pdfLíngua pdf
Língua pdf
 
Portugal – o que nos define
Portugal – o que nos definePortugal – o que nos define
Portugal – o que nos define
 
Difusão da lingua p
Difusão da lingua pDifusão da lingua p
Difusão da lingua p
 
Portugal – o que nos define
Portugal – o que nos definePortugal – o que nos define
Portugal – o que nos define
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Região sul
Região sulRegião sul
Região sul
 
Resumo da expansão das línguas europeias
Resumo da expansão das línguas europeiasResumo da expansão das línguas europeias
Resumo da expansão das línguas europeias
 
resumo sbre o trabalho das linguas europeias
resumo sbre o trabalho das linguas europeiasresumo sbre o trabalho das linguas europeias
resumo sbre o trabalho das linguas europeias
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
 
Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)Linguas europeias (pequeno)
Linguas europeias (pequeno)
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
 
Lusofonia.pptx
Lusofonia.pptxLusofonia.pptx
Lusofonia.pptx
 
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfLíngua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
 

Último

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
adequacaocontabil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
reforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresssreforma trabalhista - direto e deveresss
reforma trabalhista - direto e deveresss
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 

Países que falam o português

  • 1. Países que falam o Português O português é a 5ª língua do mundo e a 3ª língua europeia (depois do Inglês e do Espanhol) mais falada no planeta, com uma soma estimada em 272,9 milhões de falantes. Forma parte das famílias das línguas românticas juntamente com o espanhol, o francês, o italiano e o romano. E, ainda que suas raízes estejam na Europa a maior parte dos falantes de português, 210 milhões vivem em outras partes do mundo, como se disse, antes, é
  • 2. A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) consiste em nove países independentes que têm o português como língua oficial: Angola, Brasil, Cabo Verde, Timor-Leste, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe.
  • 4. A dispersão da língua em distintos continentes deve-se principalmente à política de expansão de Portugal, especialmente nos séculos XV e XVI, quando ocorreu a exploração de uma grande quantidade de colônias. Sendo assim, a língua da metrópole foi introduzida e logo se juntou com as culturas locais, formando uma diversidade de dialetos. Essa nova forma de falar o português fora da pátria mãe era denominada de criolo. O português é oriundo do latim vulgar (essa variação era apenas falada), língua que os romanos inseriram em uma região ao norte da Península Ibérica, chamada de Lusitânia. A partir da invasão dos romanos na região, praticamente todos os povos começaram a usar o latim, salvo o povo basco. Nesse processo teve início a constituição do espanhol, português e o galego. Em sua essência é uma língua românica, ou seja, ibérico-românico, que deu origem também ao castelhano, catalão, italiano, francês, romeno e outros. O português se diferencia por meio da variedade de dialetos e subdialetos e no âmbito internacional, pois a língua é classificada em português brasileiro e europeu.
  • 5. A Língua Portuguesa se faz presente em todos os continentes, observe: América: O Brasil é o único país de língua portuguesa na América. Durante o período colonial, o português falado no Brasil foi influenciado pelas línguas indígenas, africanas e de imigrantes europeus. Isso explica as diferenças regionais na pronúncia e no vocabulário verificadas, por exemplo, no nordeste e no sul do país. Apesar disso, a língua conserva a uniformidade gramatical em todo o território.
  • 6. Europa: O português é a língua oficial de Portugal. Em 1986, o país passa a integrar a Comunidade Econômica Europeia (CEE) e a língua portuguesa é adotada como um dos idiomas oficiais da organização. Existem falantes concentrados na França, Alemanha, Bélgica, em Luxemburgo e na Suécia, sendo a França  o país com mais falantes.
  • 7. Ásia: Entre os séculos XVI e XVIII, o português atuou como língua franca nos portos da Índia e sudeste da Ásia. Atualmente, a cidade de Goa, na Índia, é o único lugar do continente onde o português sobrevive na sua forma original. Entretanto, o idioma está sendo gradualmente substituído pelo inglês. Em Damão e Diu (Índia), Java (Indonésia), Macau (ex-território português), Sri Lanka e Málaca (Malásia) fala-se o crioulo, língua que conserva o vocabulário do português, mas adota formas gramaticais diferentes.
  • 8. Oceania: O português é idioma oficial no Timor Leste.  No entanto, a língua dominante no país é o tétum. Devido à recente ocupação indonésia, grande parte da população compreende o indonésio bahasa, apenas uma minoria compreende o português.
  • 9. África: O português é a língua oficial de cinco países, sendo usado na administração, no ensino, na imprensa e nas relações internacionais. A língua convive com diversos dialetos crioulos. Em Angola, 60% dos moradores falam o português como língua materna. Cerca de 40% da população fala dialetos crioulos como o bacongo, o quimbundo, o ovibundo e o chacue.
  • 10. Em Cabo Verde, quase todos os habitantes falam o português e um dialeto crioulo, que mescla o português arcaico a línguas africanas. Há duas variedades desse dialeto, a de Barlavento e a de
  • 11. Em Guiné-Bissau, 90% da população fala o dialeto crioulo ou dialetos africanos, enquanto apenas 10% utiliza o português.
  • 12. Em Moçambique, somente 0,18% da população considera o português como língua oficial, embora seja falado por mais de 2 milhões de moçambicanos. A maioria dos habitantes usa línguas locais, principalmente as do grupo banto.
  • 13. Nas ilhas de São Tomé e Príncipe, apenas 2,5% dos habitantes falam a língua portuguesa. A maioria utiliza dialetos locais, como o forro e o moncó.
  • 14. A Guiné Equatorial fez um pedido formal de adesão plena à CPLP em junho de 2010 e deve adicionar o português como terceira língua oficial (ao lado do espanhol e do francês) já que esta é uma das condições para entrar no grupo. O Presidente da República da Guiné Equatorial e o Primeiro-Ministro Chefe de Estado aprovaram e apresentaram no dia 20 de julho de 2011 o novo Projeto-Lei Constitucional que pretende adicionar o português como língua oficial. No dia 23 de Julho de 2014, a Guiné Equatorial entrou na comunidade de países que falam a Língua Portuguesa.
  • 15. Poder-se-á acrescentar-se a este número a imensa diáspora de nações lusófonas espalhada pelo mundo, estimada que ascenda aos 10 milhões (4,5 milhões de portugueses, 3 milhões de brasileiros, meio milhão de cabo-verdianos, etc) mas sobre a qual é difícil obter números reais oficiais, incluindo saber a percentagem dessa diáspora que fala efetivamente a língua de Camões, uma vez que uma porção significativa serão os cidadãos de países lusófonos nascidos fora de território lusófono descendentes de imigrantes e que não falam português. É necessário ter-se igualmente em conta que boa parte das diásporas nacionais já se encontra contabilizada nas populações dos países lusófonos, como por exemplo o grande número de cidadãos emigrantes dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) e brasileiros em Portugal ou o grande número de cidadãos emigrantes portugueses no Brasil e nos PALOP.
  • 16. Por fim, é de notar que a população lusófona cresce demasiadamente nos países do mundo, com o aumento e a consolidação da população das várias jurisdições para números arredondados facilmente identificáveis: Portugal Continental com 10 milhões e Açores e Madeira contabilizando já meio milhão juntos; o Brasil passa dos 190 milhões, Moçambique os 20 milhões, Angola os 15 milhões, Guiné-Bissau com 1,5 milhão, o grupo insular africano Cabo Verde e São Tomé e Principe que tem 1 milhão, Timor-Leste que também tem praticamente a mesma população e Macau com 500 mil. Números recentes e reais que, individualmente e em conjunto, fortalecem as suas nações, as identidades lusófonas e a língua portuguesa no panorama internacional.