SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE OLIVEIRA DO DOURO
Orações subordinadas
As orações subordinadas são introduzidas por conjunções e locuções subordinativas (que ligam elementos sintáctica
e semanticamente dependentes). Podem ser substantivas, adjectivas e adverbiais, conforme a sua função na frase.
Orações subordinadas substantivas – funcionam como argumento de um verbo, nome ou adjectivo da frase superior.
Podem ser:
Completivas
Exercem a função de completar (podem ser completivas
verbais, adjectivais e nominais) e são introduzidas pelas
conjunções subordinativas completivas (que, se, para ou por
um elemento omisso), desempenhando, entre outras, a função
de sujeito e complemento directo.
Exemplos:
É importante que a paz volte. (sujeito)
Mostrou que a justiça existe. (c.directo)
Ela afirmou adorar música jazz. (c. directo)
Disse para virdes aqui. (c.directo)
Perguntei se tens aquele livro. (c.directo)
Relativas sem antecedente
São introduzidas pelos pronomes e quantificadores relativos (que, o
que, onde, quanto), desempenhando uma função sintáctica de sujeito,
complemento directo, complemento indirecto, complemento
preposicionado e modificador do gupo verbal. Exemplos:
Quem vai ao mar perde o lugar. (sujeito)
Os alunos procuram quem os ajude no jornal da escola. (c.directo)
O miúdo pede dinheiro a quem passa. (c. indirecto)
Os avós precisam de quem cuide deles. (c. preposicionado)
Os antiquários compram objectos onde calha. (modif. grupo verbal)
A biblioteca emprestou quantos livros tinha. (modif. do grupo verbal)
Orações subordinadas adjectivas relativas com antecedente
– desempenham uma função sintáctica própria de um adjectivo, constituindo-se modificador do nome restritivo ou apositivo.
– introduzidas por um pronome relativo ou por um quantificador relativo associado a um antecedente que ocorre na subordinante.
Podem ser:
Relativas explicativas
São introduzidas pelas palavras relativas que, quem, o/a
qual, os/as quais, cujo(a), cujos (as), onde, quanto,
desempenhando a função sintáctica de modificadores
apositivos do nome. (A omissão da relativa explicativa não
altera o sentido da subordinante.) Exemplos:
Este escritor, que nasceu no Brasil, foi nomeado para o Nobel.
Aquele Presidente, a quem todos chamam padrinho, continua
a surpreender.
Os alunos, onde quer que estejam, sentem as dificuldades do
acesso ao Ensino Superior.
Relativas restritivas
São introduzidas pelas palavras relativas que, quem, o/a qual,
os/as quais, cujo(a), cujos (as), onde, quanto, tendo a função de
restringir a informação dada sobre o antecedente, ou seja, identificar a
parte do domínio denotado pelo antecedente, desempenhando a função
sintáctica de modificador restritivo do nome. (A omissão da relativa
restritiva implica uma alteração do sentido da subordinante.) Exemplos:
O romance que foi escrito por Miguel Sousa Tavares tornou-se num
campeão de vendas.
A maioria das pessoas a quem se telefona não responde aos
inquéritos. A nódoa de pêssego onde cai fica.
Orações subordinadas adverbiais – funcionam como modificadores da frase ou do grupo verbal.
Podem ser:
Causais
porque, pois, porquanto, como (com valor de
porque), pois que, por isso que, já que,
uma vez que, visto que...
Iniciam uma oração subordinada que indica causa.
Ex.: Não vou à praia visto que está a chover. Como está a chover, não vou à praia.
Dado que está a chover, não vou à praia. Não vou à praia, uma vez que está a
chover.
Concessivas
embora, conquanto, ainda que, mesmo que, se
bem que,
apesar de...
Admitem uma ideia de oposição à da oração subordinante, mas não impeditiva à sua
concretização.
Ex.: Ainda que tenha fome, não como. Nem que tenha fome, não como. Mesmo que
tenha fome, não como. Por mais que tenha fome, não como.
Condicionais
se, caso, salvo se, contanto que, excepto se...
Iniciam uma oração subordinada que supõe a existência de um determinado
condicionamento ou hipótese para que se realize o facto principal.
Ex.: Se vais ao cinema, vê o último filme de Coppola. Se fores ao cinema, vê o último
filme de Coppola. Se fosses ao cinema, verias o último filme de Coppola.
Consecutivas
que (associado às palavras tal, tanto, tão), de
forma que,
de maneira que, de modo que...
Ligam orações que exprimem a ideia de consequência do que foi enunciado na
anterior.
Ex.: Comi tanto ao almoço que não me apetece jantar. Foi tão violento que provocou
desacatos.
Comparativas
como, assim como, bem como, como se, que e
do que (depois de mais, menos, maior, menor,
melhor, pior)...
Estabelecem uma comparação entre as orações subordinante e subordinada.
Ex.: Lutar é mais belo do que vencer. O trabalho, como as férias, deve ser encarado
com alegria.
Finais
para que, a fim de que, porque (com valor de
para que)
Indicam a finalidade da oração principal.
Ex.: Façamos o projecto de modo a que se torne viável. Organizou-se uma festa para
que todos ficassem contentes.
Temporais
quando, enquanto, antes que, depois que, até
que, desde que, sempre que, assim que,
cada vez que...
Ligam orações que indicam a circunstância de tempo.
Ex.: Mal eles cheguem, vamos jantar. Cada vez que fores à praia, não te esqueças de
levar o chapéu. Agora que chegaste, já podemos conversar. Desde que as férias
começaram, não tenho tido sossego.
Manual de Português - Interacções 12º ano, Fátima Azóia, Fátima Santos, Texto Editores, 2005 (pp 35, 314 e 315) (Adaptação)
ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE OLIVEIRA DO DOURO
Orações coordenadas
As orações coordenadas são introduzidas por conjunções e locuções coordenativas (que ligam elementos sintáctica e
semanticamente independentes).
Copulativas
e, nem, mas também,
não só... mas também
Ligam termos ou orações de idêntica função.
Ex.:
Chora e ri. O invejoso nem faz nem deixa fazer. Não só trabalhou como também se divertiu.
Adversativas
mas, porém, todavia, contudo,
no entanto
Ligam termos ou orações de idêntica função, mas estabelecem uma ideia de oposição.
Ex.:
O Pedro sabe mas não diz. Sopra uma aragem, contudo, o calor continua intenso.
Disjuntivas
ou, ora, quer, nem, seja
(repetidas ou não: ou... ou)
Marcam uma alternativa ou dissociação.
Ex.:
Vendeu o carro ou ainda o tem? Ora vamos ao teatro, ora vemos televisão.
Conclusivas
logo, pois, portanto,
por conseguinte, por isso, assim
Ligam termos ou orações, estabelecendo uma relação de conclusão, consequência ou dedução.
Ex.:
Sou homem portanto posso errar. Sopra uma aragem, por conseguinte, está fresco.
A oração coordenada conclusiva é distinta da subordinada causal:
O vaso caiu, por isso, acertaste-lhe. (oração coord. conclusiva) - O vaso caiu porque lhe acertaste. (oração subord. causal)
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Divide e classifica as orações das seguintes frases:
1. Gostei imenso da blusa que me compraste quando fiz anos.
2. Não percebi o que disseste ontem ao telefone.
3. Mesmo que não chova, não vamos lá no domingo, que ainda está frio.
4. Esta música é tão bonita que até arrepia.
5. A casa ficou airosa, porém continua desabitada.
6. Eu quero que tudo corra bem esta manhã.
7. As calças que compraste na feira ficam-te muito bem.
8. O filho, que é guloso, comeu-lhe os bolos todos.
9. Quando começou a chover, abrigámo-nos.
10. Acho-o triste e adoentado.
11. O Francisco, que nunca se distrai, atrasou-se.
12. Aprecio os carros que andam depressa.
13. Quando chegares, avisa-me.
14. É preciso que o trabalho seja perfeito.
15. Estudaste, logo, não tens receio do exame.
16. Espero que tenhas gostado do presente que te ofereci.
17. Fiz o que pude para que tudo corresse bem.
18. As flores que apanhei eram lindas.
19. Acho que estás enganado.
20. Amanhã, ou estudas ou trabalhas.
21. O candeeiro não dá luz porque a lâmpada está fundida.
22. Se me quiseres ajudar, muda-me o pneu que furou.
23. Aquele livro grande, que está sobre a mesa, é imprescindível.
24. Gosta muito dele, ainda que não o ame.
25. Está um dia mais lindo do que esperava.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gramatica resumo
Gramatica resumoGramatica resumo
Gramatica resumo
Andreia Margarido
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
Rita Pereira
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
Delfina Vernuccio
 
Oracoes
OracoesOracoes
Oracoes
Joao Oliveira
 
Ficha03
Ficha03Ficha03
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º ano
Luis Antonio
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
taizinha
 
Frase complexa
Frase complexaFrase complexa
Frase complexa
tessvalente
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Paula Rodrigues
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Ladangulos
 
Preposição
PreposiçãoPreposição
Preposição
nixsonmachado
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Lurdes Augusto
 
A Subordinação
A SubordinaçãoA Subordinação
A Subordinação
Maria Araújo
 
Frases complexas
Frases complexasFrases complexas
Frases complexas
Universidade Pedagogica
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
Fernanda Monteiro
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadas
Edson Alves
 
A subordinação
A subordinaçãoA subordinação
A subordinação
Flavio Mendes
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
guest6e3949
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
Luísa Freixo
 

Mais procurados (20)

Gramatica resumo
Gramatica resumoGramatica resumo
Gramatica resumo
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Conjuncao
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 
Oracoes
OracoesOracoes
Oracoes
 
Ficha03
Ficha03Ficha03
Ficha03
 
Gramática 11º ano
Gramática 11º anoGramática 11º ano
Gramática 11º ano
 
Orações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadasOrações coordenadas e orações subordinadas
Orações coordenadas e orações subordinadas
 
Frase complexa
Frase complexaFrase complexa
Frase complexa
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
Preposição
PreposiçãoPreposição
Preposição
 
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinaçãoFuncionamento da língua - coordenação, subordinação
Funcionamento da língua - coordenação, subordinação
 
A Subordinação
A SubordinaçãoA Subordinação
A Subordinação
 
Frases complexas
Frases complexasFrases complexas
Frases complexas
 
Classificação de orações
Classificação de oraçõesClassificação de orações
Classificação de orações
 
Orações coordenadas
Orações coordenadasOrações coordenadas
Orações coordenadas
 
A subordinação
A subordinaçãoA subordinação
A subordinação
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
OraçõEs
OraçõEsOraçõEs
OraçõEs
 

Destaque

Trabajo tecnología
Trabajo tecnologíaTrabajo tecnología
Trabajo tecnología
LeidyJohana777
 
Lançamento QAC 1100
Lançamento QAC 1100Lançamento QAC 1100
Lançamento QAC 1100
constructionblog
 
Pretérito indefinid1
Pretérito indefinid1Pretérito indefinid1
Pretérito indefinid1
adjnt1979
 
Lambayeque
LambayequeLambayeque
Aniversario 2012
Aniversario 2012Aniversario 2012
Aniversario 2012
adtendadosmilagres
 
Rio de janeiro, brasil
Rio de janeiro, brasilRio de janeiro, brasil
Rio de janeiro, brasil
Javier Vega
 
Texto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_éticaTexto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_ética
vanessaemarcelo
 
Evidencia 8 damaris
Evidencia 8 damarisEvidencia 8 damaris
Evidencia 8 damaris
vaniabb
 
Release - IGLTA nomeia representante para o Brasil
Release - IGLTA nomeia representante para o BrasilRelease - IGLTA nomeia representante para o Brasil
Release - IGLTA nomeia representante para o Brasil
Clovis Casemiro
 
Importancia da apropriaçao
Importancia da apropriaçaoImportancia da apropriaçao
Importancia da apropriaçao
PREFEITURA DE VÁRZEA GRANDE
 
Lisandro Lorensini
Lisandro LorensiniLisandro Lorensini
Lisandro Lorensini
Lisandro Lorensini
 
Trabalho de 5 questoes
Trabalho de 5 questoesTrabalho de 5 questoes
Trabalho de 5 questoes
rochamoreno
 
Trabalho espaço confinado nr33
Trabalho espaço confinado nr33Trabalho espaço confinado nr33
Trabalho espaço confinado nr33
Gracielle Militão
 
Boletim05torneio 05
Boletim05torneio  05Boletim05torneio  05
Boletim05torneio 05
Carlos Daliga
 
Universidad regional autonoma de los andes
Universidad regional autonoma de los andesUniversidad regional autonoma de los andes
Universidad regional autonoma de los andes
mcondouniandesr
 
Portada
PortadaPortada
La gerencia y ciclo de vida de los proyectos
La gerencia y ciclo de vida de los proyectosLa gerencia y ciclo de vida de los proyectos
La gerencia y ciclo de vida de los proyectos
Abril Echavarria
 

Destaque (18)

Trabajo tecnología
Trabajo tecnologíaTrabajo tecnología
Trabajo tecnología
 
Lançamento QAC 1100
Lançamento QAC 1100Lançamento QAC 1100
Lançamento QAC 1100
 
Pretérito indefinid1
Pretérito indefinid1Pretérito indefinid1
Pretérito indefinid1
 
Lambayeque
LambayequeLambayeque
Lambayeque
 
Aniversario 2012
Aniversario 2012Aniversario 2012
Aniversario 2012
 
Rio de janeiro, brasil
Rio de janeiro, brasilRio de janeiro, brasil
Rio de janeiro, brasil
 
Texto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_éticaTexto 1 -_o_que_é_ética
Texto 1 -_o_que_é_ética
 
Evidencia 8 damaris
Evidencia 8 damarisEvidencia 8 damaris
Evidencia 8 damaris
 
Release - IGLTA nomeia representante para o Brasil
Release - IGLTA nomeia representante para o BrasilRelease - IGLTA nomeia representante para o Brasil
Release - IGLTA nomeia representante para o Brasil
 
Importancia da apropriaçao
Importancia da apropriaçaoImportancia da apropriaçao
Importancia da apropriaçao
 
Lisandro Lorensini
Lisandro LorensiniLisandro Lorensini
Lisandro Lorensini
 
Trabalho de 5 questoes
Trabalho de 5 questoesTrabalho de 5 questoes
Trabalho de 5 questoes
 
Trabalho espaço confinado nr33
Trabalho espaço confinado nr33Trabalho espaço confinado nr33
Trabalho espaço confinado nr33
 
Credencial nueva 2
Credencial nueva 2Credencial nueva 2
Credencial nueva 2
 
Boletim05torneio 05
Boletim05torneio  05Boletim05torneio  05
Boletim05torneio 05
 
Universidad regional autonoma de los andes
Universidad regional autonoma de los andesUniversidad regional autonoma de los andes
Universidad regional autonoma de los andes
 
Portada
PortadaPortada
Portada
 
La gerencia y ciclo de vida de los proyectos
La gerencia y ciclo de vida de los proyectosLa gerencia y ciclo de vida de los proyectos
La gerencia y ciclo de vida de los proyectos
 

Semelhante a Oracoescoordenadasesubordinadas

W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
Fernanda Soares
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
Fernanda Soares
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptx
ClaudiaMariaReis
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
tatianesouza923757
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]
MartaNeto8
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
nixsonmachado
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
Ana Vaz
 
Conjuncoes2
Conjuncoes2Conjuncoes2
Conjuncoes2
Sandra Paula
 
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond TempW12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
Fernanda Soares
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Marcela Cardoso
 
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdforacoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
SusanaRangel12
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
tatianesouza923757
 
Descritor 15.ppsx
Descritor 15.ppsxDescritor 15.ppsx
Descritor 15.ppsx
Marcos895089
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
Elaine Junger
 
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptxCONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
AssisTeixeira2
 
Frase complexa1
Frase complexa1Frase complexa1
Frase complexa1
Aida Fonseca
 
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptxconjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
ssuserba71681
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Flexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de VerbosFlexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de Verbos
Kauana Manika
 
Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29
Renata Pereira
 

Semelhante a Oracoescoordenadasesubordinadas (20)

W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin CompletW31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
W31 Sub Conc Cons Comp Fin Complet
 
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp FinW19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
W19 Coord Sub Caus Cond Temp Fin
 
coordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptxcoordenação e subordinação.pptx
coordenação e subordinação.pptx
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
 
Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]Coordenacao subordinacao[20]
Coordenacao subordinacao[20]
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Aula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdfAula_13___Verbo (1).pdf
Aula_13___Verbo (1).pdf
 
Conjuncoes2
Conjuncoes2Conjuncoes2
Conjuncoes2
 
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond TempW12 Coord Sub Caus Cond Temp
W12 Coord Sub Caus Cond Temp
 
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
Oracoes coordenadas-e-subordinadas-2
 
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdforacoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
oracoes-coordenadas-e-subordinadas-9ano.pdf
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
 
Descritor 15.ppsx
Descritor 15.ppsxDescritor 15.ppsx
Descritor 15.ppsx
 
Orações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiaisOrações subordinadas adverbiais
Orações subordinadas adverbiais
 
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptxCONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
CONJUNÇÕES-E-ADVERBIOS-e posiçõesD15.pptx
 
Frase complexa1
Frase complexa1Frase complexa1
Frase complexa1
 
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptxconjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
conjunção aula de gramática de lingua porruguesa.pptx
 
Conjuncao
ConjuncaoConjuncao
Conjuncao
 
Flexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de VerbosFlexão e Conjugação de Verbos
Flexão e Conjugação de Verbos
 
Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29Subordinadas %282%29
Subordinadas %282%29
 

Oracoescoordenadasesubordinadas

  • 1. ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE OLIVEIRA DO DOURO Orações subordinadas As orações subordinadas são introduzidas por conjunções e locuções subordinativas (que ligam elementos sintáctica e semanticamente dependentes). Podem ser substantivas, adjectivas e adverbiais, conforme a sua função na frase. Orações subordinadas substantivas – funcionam como argumento de um verbo, nome ou adjectivo da frase superior. Podem ser: Completivas Exercem a função de completar (podem ser completivas verbais, adjectivais e nominais) e são introduzidas pelas conjunções subordinativas completivas (que, se, para ou por um elemento omisso), desempenhando, entre outras, a função de sujeito e complemento directo. Exemplos: É importante que a paz volte. (sujeito) Mostrou que a justiça existe. (c.directo) Ela afirmou adorar música jazz. (c. directo) Disse para virdes aqui. (c.directo) Perguntei se tens aquele livro. (c.directo) Relativas sem antecedente São introduzidas pelos pronomes e quantificadores relativos (que, o que, onde, quanto), desempenhando uma função sintáctica de sujeito, complemento directo, complemento indirecto, complemento preposicionado e modificador do gupo verbal. Exemplos: Quem vai ao mar perde o lugar. (sujeito) Os alunos procuram quem os ajude no jornal da escola. (c.directo) O miúdo pede dinheiro a quem passa. (c. indirecto) Os avós precisam de quem cuide deles. (c. preposicionado) Os antiquários compram objectos onde calha. (modif. grupo verbal) A biblioteca emprestou quantos livros tinha. (modif. do grupo verbal) Orações subordinadas adjectivas relativas com antecedente – desempenham uma função sintáctica própria de um adjectivo, constituindo-se modificador do nome restritivo ou apositivo. – introduzidas por um pronome relativo ou por um quantificador relativo associado a um antecedente que ocorre na subordinante. Podem ser: Relativas explicativas São introduzidas pelas palavras relativas que, quem, o/a qual, os/as quais, cujo(a), cujos (as), onde, quanto, desempenhando a função sintáctica de modificadores apositivos do nome. (A omissão da relativa explicativa não altera o sentido da subordinante.) Exemplos: Este escritor, que nasceu no Brasil, foi nomeado para o Nobel. Aquele Presidente, a quem todos chamam padrinho, continua a surpreender. Os alunos, onde quer que estejam, sentem as dificuldades do acesso ao Ensino Superior. Relativas restritivas São introduzidas pelas palavras relativas que, quem, o/a qual, os/as quais, cujo(a), cujos (as), onde, quanto, tendo a função de restringir a informação dada sobre o antecedente, ou seja, identificar a parte do domínio denotado pelo antecedente, desempenhando a função sintáctica de modificador restritivo do nome. (A omissão da relativa restritiva implica uma alteração do sentido da subordinante.) Exemplos: O romance que foi escrito por Miguel Sousa Tavares tornou-se num campeão de vendas. A maioria das pessoas a quem se telefona não responde aos inquéritos. A nódoa de pêssego onde cai fica. Orações subordinadas adverbiais – funcionam como modificadores da frase ou do grupo verbal. Podem ser: Causais porque, pois, porquanto, como (com valor de porque), pois que, por isso que, já que, uma vez que, visto que... Iniciam uma oração subordinada que indica causa. Ex.: Não vou à praia visto que está a chover. Como está a chover, não vou à praia. Dado que está a chover, não vou à praia. Não vou à praia, uma vez que está a chover. Concessivas embora, conquanto, ainda que, mesmo que, se bem que, apesar de... Admitem uma ideia de oposição à da oração subordinante, mas não impeditiva à sua concretização. Ex.: Ainda que tenha fome, não como. Nem que tenha fome, não como. Mesmo que tenha fome, não como. Por mais que tenha fome, não como. Condicionais se, caso, salvo se, contanto que, excepto se... Iniciam uma oração subordinada que supõe a existência de um determinado condicionamento ou hipótese para que se realize o facto principal. Ex.: Se vais ao cinema, vê o último filme de Coppola. Se fores ao cinema, vê o último filme de Coppola. Se fosses ao cinema, verias o último filme de Coppola. Consecutivas que (associado às palavras tal, tanto, tão), de forma que, de maneira que, de modo que... Ligam orações que exprimem a ideia de consequência do que foi enunciado na anterior. Ex.: Comi tanto ao almoço que não me apetece jantar. Foi tão violento que provocou desacatos. Comparativas como, assim como, bem como, como se, que e do que (depois de mais, menos, maior, menor, melhor, pior)... Estabelecem uma comparação entre as orações subordinante e subordinada. Ex.: Lutar é mais belo do que vencer. O trabalho, como as férias, deve ser encarado com alegria. Finais para que, a fim de que, porque (com valor de para que) Indicam a finalidade da oração principal. Ex.: Façamos o projecto de modo a que se torne viável. Organizou-se uma festa para que todos ficassem contentes. Temporais quando, enquanto, antes que, depois que, até que, desde que, sempre que, assim que, cada vez que... Ligam orações que indicam a circunstância de tempo. Ex.: Mal eles cheguem, vamos jantar. Cada vez que fores à praia, não te esqueças de levar o chapéu. Agora que chegaste, já podemos conversar. Desde que as férias começaram, não tenho tido sossego. Manual de Português - Interacções 12º ano, Fátima Azóia, Fátima Santos, Texto Editores, 2005 (pp 35, 314 e 315) (Adaptação)
  • 2. ESCOLA SECUNDÁRIA/3 DE OLIVEIRA DO DOURO Orações coordenadas As orações coordenadas são introduzidas por conjunções e locuções coordenativas (que ligam elementos sintáctica e semanticamente independentes). Copulativas e, nem, mas também, não só... mas também Ligam termos ou orações de idêntica função. Ex.: Chora e ri. O invejoso nem faz nem deixa fazer. Não só trabalhou como também se divertiu. Adversativas mas, porém, todavia, contudo, no entanto Ligam termos ou orações de idêntica função, mas estabelecem uma ideia de oposição. Ex.: O Pedro sabe mas não diz. Sopra uma aragem, contudo, o calor continua intenso. Disjuntivas ou, ora, quer, nem, seja (repetidas ou não: ou... ou) Marcam uma alternativa ou dissociação. Ex.: Vendeu o carro ou ainda o tem? Ora vamos ao teatro, ora vemos televisão. Conclusivas logo, pois, portanto, por conseguinte, por isso, assim Ligam termos ou orações, estabelecendo uma relação de conclusão, consequência ou dedução. Ex.: Sou homem portanto posso errar. Sopra uma aragem, por conseguinte, está fresco. A oração coordenada conclusiva é distinta da subordinada causal: O vaso caiu, por isso, acertaste-lhe. (oração coord. conclusiva) - O vaso caiu porque lhe acertaste. (oração subord. causal) --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Divide e classifica as orações das seguintes frases: 1. Gostei imenso da blusa que me compraste quando fiz anos. 2. Não percebi o que disseste ontem ao telefone. 3. Mesmo que não chova, não vamos lá no domingo, que ainda está frio. 4. Esta música é tão bonita que até arrepia. 5. A casa ficou airosa, porém continua desabitada. 6. Eu quero que tudo corra bem esta manhã. 7. As calças que compraste na feira ficam-te muito bem. 8. O filho, que é guloso, comeu-lhe os bolos todos. 9. Quando começou a chover, abrigámo-nos. 10. Acho-o triste e adoentado. 11. O Francisco, que nunca se distrai, atrasou-se. 12. Aprecio os carros que andam depressa. 13. Quando chegares, avisa-me. 14. É preciso que o trabalho seja perfeito. 15. Estudaste, logo, não tens receio do exame. 16. Espero que tenhas gostado do presente que te ofereci. 17. Fiz o que pude para que tudo corresse bem. 18. As flores que apanhei eram lindas. 19. Acho que estás enganado. 20. Amanhã, ou estudas ou trabalhas. 21. O candeeiro não dá luz porque a lâmpada está fundida. 22. Se me quiseres ajudar, muda-me o pneu que furou. 23. Aquele livro grande, que está sobre a mesa, é imprescindível. 24. Gosta muito dele, ainda que não o ame. 25. Está um dia mais lindo do que esperava.