SlideShare uma empresa Scribd logo
O Sobreiro e a Água
Trabalhos desenvolvidos pelos alunos do 7ºE do Agrupamento
de Escolas da Boa Água (EBI Boa Água) – Disciplina de Oferta
Complementar (Odisseia XXI)
No âmbito da participação no programa Green Cork Escolas
(promovido pela Quercus)
Ano letivo 2012/2013
Trabalho desenvolvido por:
Rodolfo Lucindo nº18
Rafael Justino nº 15
Helena Raposo nº8
Artur santos nº2
7ºE
Índice
 Descrição do sobreiro
 História do sobreiro
 Desenho do sobreiro
 Conclusão
 Bibliografia
Descrição do sobreiro
O sobreiro ou Sobro, ou Sobreira, ou Sovro, Sovereiro e
Sôvero atinge uma altura média de 15 - 20 m. E também ,
em poucos casos os 25 m de altura.
A casca do sobreiro, a cortiça, é uma casca espessa e
suberosa, e tem diversas utilizações.
O sobreiro vem do grupo das folhosas, da família das
fagáceas e da espécie da Quercus suber.
O sobreiro é da família da azinheira, do carrasco, do
carvalho negral e do cerquinho(etc).
História do sobreiro
Segundo alguns autores, existe desde a formação da
bacia do Mediterrâneo, há mais de 60 milhões de anos.
Pertence à Ordem Fagales, Família Fagaceae e Género
Quercus. O género das quercíneas possui mais de 600
espécies distintas distribuídas por todo o mundo, entre
elas o sobreiro.
Constituição do sobreiro
O sobreiro é
constituído por três
partes principais:
 Copa- constituído
por ramo de 1ª
ordem, braça e
pernada.
 Tronco-
constituído pelo
colo e é onde se
localiza a cortiça.
 Raízes- é onde se
encontra a raiz
mestra(raiz
principal),cabelame
e radícula.
Desenho de sobreiro
(feito pelo Artur)
Conclusão
O sobreiro é uma árvore onde
a cortiça é extraída dos
troncos da árvore. O sobreiro
é uma árvore muito
comercializada e muito
conhecida em Portugal por
causa da sua casca(cortiça).
Bibliografia
 http://bologta.blogspot.pt/2011/01/folha-coriacea-e-persistente.html
(consultado em 06/05/2013)
 http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-Ambiente/Fichas-de-
Especies/content/Ficha-do-Sobreiro?bl=1 (consultado em 06/05/2013)
 http://arvoresdeportugal.free.fr/IndexArborium/FichaSobreiroQuercu
ssuber1.htm# (consultado em 06/05/2013)
 http://marafado.wordpress.com/2012/02/24/o-sobreiro-arvore-
nacional-de-portugal/ (consultado em 13/05/2013)
 www.minerva.uevora.pt (consultado em 20/05/2013)
Realizado por:
Ricardo Alves Nº17
Ruben Rodrigues Nº20
Sónia Oliveira Nº22 7ºE
Cristiana Pinto Nº4
Gisela Silva Nº7
UTILIZAÇÕES
 A sua principal utilização é a produção de cortiça, o
único produto do qual Portugal é o primeiro produtor
mundial. Os frutos serviam de alimento para porcos
denominados de montanheira. As folhas mais baixas
ou deixadas no solo como resultado de podas ou
desbastes, servem como complemento de
alimentação para o gado nas épocas do ano em que o
pasto escasseia.
 A madeira é muito dura e compacta, difícil de
trabalhar, tendo pouco valor para carpintaria e
marcenaria. É num entanto um ótimo combustível
para lume, sendo muito utilizada nas lareiras.
A Cortiça
A casca do sobreiro, a cortiça, é um tecido vegetal
formado por microcélulas geralmente com forma
poliédrica, sendo os espaços intercelulares
preenchidos por uma mistura gasosa idêntica à do
ar.
Características especiais da cortiça - é leve,
resistente ao desgaste, impermeável, elástica mas
de dimensão estável, com ótimas capacidades de
isolamento térmico e vibrático. Há milénios que a
cortiça é usada em inúmeros utensílios. As naus
quinhentistas eram naus de cortiça, bem como os
bancos, arcas, malgas, gamelas, calçado e tantas
outras coisas eram esculpidas em casca de cortiça.
O sobreiro
 A cortiça é constituída essencialmente por suberina,
mas possui também celulose, taninos, lenhina, ceras e
outros polissacáridos, que lhe conferem propriedades
químicas, físicas e mecânicas únicas. Por este motivo, e
por ser um tecido com capacidade regenerativa, a
cortiça tem extrema importância económica, e é
utilizada em diversos setores da indústria, em
múltiplas aplicações.
Bibliografia
 http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-Ambiente/Fichas-de-
Especies/content/Ficha-do-Sobreiro?bl=1 (consultado em 20/05/2013)
 http://aproximar.drealentejo.pt/MCarvalho/sobreiro/escolas/corredou
ra/miguelluis/trabalho6.htm (consultado em 20/05/2013)
 http://www.uc.pt/montado/sobreiro/ (consultado em 20/05/2013)
Sobreiros
Oferta Complementar
Odisseia XXI
-Distribuição geográfica dos sobreiros em Portugal
Turma:7ºE
Catarina Eufrásio nº3
Diogo Raposo nº5
Francisco Cordeiro nº6
Sandro Sobreiro nº21
Os sobreiros situam-se
em maioria no centro e
no sul.
Distribuição geográfica dos sobreiros em Portugal
Alternam muitas vezes com as azinheiras, que
ocupam os solários e encostas mais secas e
com os carvalhos-portugueses, que ocupam os
barrancos e encostas frescas sombreadas.
Os sobreiros precisam de solos siliciosos, com
uma textura arenosa, um clima suave e de
pouca humidade.
 Sites:
 https://pt.wikipedia.org/wiki/Sobreiro (consultado em 20/05/2013)
 http://ambientesgeograficos.blogspot.pt/2012/01/sobreiro-declarado-arvore-
nacional-de.html (consultado em 20/05/2013)
 Imagens:
 https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/fe/Carlos_de_Bragan%C3%
A7a_01.jpg/250px-Carlos_de_Bragan%C3%A7a_01.jpg (consultado em 20/05/2013)
 http://4.bp.blogspot.com/-
B9_iufGLEV4/TwSUGj5hOhI/AAAAAAAAAzI/sg4AHagIytk/s400/sobreiro.jpg (consultado
em 20/05/2013)
Disciplina: Oferta Complementar
(Odisseia XXI)
Professor Bruno Henriques
Ano Letivo: 2012/2013
Trabalho realizado por:
Márcio Branco, nº12
Rafael Felisberto, nº16
Rodrigo Lucindo, nº19
Susana Fortes, nº23
7ºE
O que é o montado?
O que é a Biodiversidade do montado?
Quais as espécies que existem no montado?
O que está a pôr o montado em perigo?
Importância do montado em Portugal
Conclusão
Bibliografia
• Um montado é um
ecossistema particular,
criado pelo ser humano.
• São florestas de sobreiros
(e azinheiras, no caso de
Portugal) de equilíbrio
muito delicado que existem
apenas no Mediterrânio, na
Argélia, em Marrocos e
sobretudo a sul da
Península Ibérica.
• Portugal é o país com maior extensão de sobreiros do
mundo (33% da área mundial).
• Existe uma Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR)
que é responsável pela manutenção da biodiversidade do
montado Português.
Montado de sobro no mundo Fonte: APCOR
A biodiversidade do montado é
a diversidade de seres vivos
num determinado local, neste
caso, no montado.
• O tipo de biodiversidade abordada neste trabalho vai
ser a biodiversidade de ecossistemas.
Tipos de
biodiversidade
Biodiversidade
genética
Biodiversidade
de ecossistemas
Biodiversidade
de espécies
• Genética: é a variação dos genes dentro das próprias
espécies — engloba as populações inseridas numa
mesma espécie ou a variação genética de uma
população.
• De espécies: é a variedade de espécies existentes
numa determinada região ou bioma.
• De ecossistemas: pode dizer-se que esta diz respeito
ao número de diferentes tipos de vegetação,
paisagens, biomas, entre outros.
Raposas
Coelhos Bravos
Águias Cobreiras
• Existem de 15 mil a 25
mil espécies de plantas
como por exemplo: os
carvalhos, as azinheiras,
os sobreiros, entre
muitos outros.
• Várias espécies de aves,
anfíbios, répteis e de
mamíferos.
Existem ainda o
lince-ibérico, a
águia imperial e
grou-comum.
• A utilização de rolhas de
plástico nas garrafas de
vinho é um efeito que no
mercado da cortiça tem
consequências, na
sustentabilidade dos
montados de sobro, que é um
meio particularmente
biodiverso.
• Os incêndios nestas áreas;
• Pragas que não são tratadas
e que levam à morte destas
árvores.
• É proibido o abate dos sobreiros nesta
área;
• É incentivada a sua plantação e
exploração, pois em Portugal, a
extração da cortiça para o fabrico de
rolhas transformou-se numa indústria
de enorme importância económica,
sendo este país o seu principal
exportador mundial.
• As gentes da terra sabem
que o seu futuro e o dos
seus descendentes passa
não só pela exploração da
cortiça e o fabrico de
rolhas, como pela
manutenção da riquíssima
biodiversidade ambiental do
montado e até do equilíbrio
do próprio clima.
• Estas árvores têm a
capacidade de criar
oxigénio, como todas as
outras, mas também de
reter o dióxido de carbono,
o principal responsável pelo
aquecimento global do
planeta, isto devido à sua
estrutura celular única.
• Com a elaboração deste trabalho, conseguimos
aprender o que é um montado e que representa
património mundial no nosso país.
• Conhecemos também a sua grande importância a nível
económico e social em Portugal.
• http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-
Ambiente/Agricultura-e-Floresta/content/Montado-um-
estado-da-Sucessao-Ecologica-no-Sul-de-
Portugal?bl=1&viewall=true (consultado em 25/05/13)
• http://www.educacional.com.br/reportagens/biodiversida
de/oquee.asp (consultado em 25/05/13)
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Montado (consultado em
25/05/13)
• http://apcor.pt/artigo/271.htm (consultado em
25/05/13)
Disciplina: Oferta Complementar (Odisseia XXI)
Grupo: Alexandre Matos Nº1
Mauro Silva Nº13
Joana Dionísio Nº10
Mafalda Nogueira Nº11
Relação entre o montado
e o ciclo da água
Turma: 7ºE
EBI da Boa Água
Maio de 2013
Montado
A reconstituição de muitos dos atuais povoamentos de sobreiro ocorreu a
partir de meados do séc. XIX devido ao aumento do valor mercantil da
cortiça e à procura, nas cidades em expansão, de produtos pecuários como
o porco que era produzido nos montados (pastagem e bolota). Ainda que,
eventualmente, mais especializados na produção de cortiça do que no
passado, os montados formam paisagens – culturais, isto é, sistemas que
resultaram da ação humana por aproveitamento de recursos diversos: a
cortiça, os frutos para alimentação animal, as pastagens ou as culturas
agrícolas que frequentemente coexistem na mesma área e que conferem
aos montados o seu caráter silvopastoril.
Ciclo da Água
O ciclo da água, conhecido cientificamente como o
ciclo hidrológico, refere-se à troca contínua de
água na hidrosfera, entre a atmosfera, a água do
solo, águas superficiais, subterrâneas e das
plantas. A ciência que estuda o ciclo hidrológico
é a Hidrologia.
Relação entre o Montado e
o Ciclo da Água
As florestas desempenham um papel fundamental na regulação da
água. Os processos de infiltração e escorrimento superficial da
água, por exemplo, são influenciados pela presença das árvores e
dos seus sistemas radiculares.
As copas intercetam mais água da chuva do que a vegetação
rasteira e “canalizam-na” para o solo debaixo da copa através do
escorrimento ao longo do tronco e do gotejamento.
Frequentemente o solo debaixo da copa é mais permeável e tem
maior capacidade de retenção de água do que o solo descoberto.
As árvores isoladas funcionam no montado como núcleos de
interceção da chuva e retenção de água.
Relação entre o Montado e
o Ciclo da Água
Relação entre o Montado e
o Ciclo da Água
Bibliografia
• https://pt.wikipedia.org/wiki/Ciclo_hidrol%C3%B3gico (consultado em
20/05/2013)
• http://earthcondominium.files.wordpress.com/2012/11/greencork_apresen
tacao.pdf (consultado em 20/05/2013)
• http://www.amorim.com/xms/files/CorticeiraAmorim/Noticias/Do_Sobreiro
_a_cortica_um_sistema_sustentavel.pdf (consultado em 27/05/2013)
O Sobreiro e a Água
Trabalhos desenvolvidos pelos alunos do 7ºF do Agrupamento
de Escolas da Boa Água (EBI Boa Água) – Disciplina de Oferta
Complementar (Odisseia XXI)
No âmbito da participação no programa Green Cork Escolas
(promovido pela Quercus)
Ano letivo 2012/2013
O sobreiro
Mas o que é o Sobreiro?
 Um sobreiro é uma árvore mediterrânica da
família do carvalho, cultivada no sul da Europa. Em
Portugal existem predominantemente no Alentejo
Litoral e nas serras do Algarve . Desta árvore são
extraídas a cortiça e as bolotas . Teve origem na
Era Terciária. Esta árvore tem dimensões entre
10 a 15 metros de altura e as suas folhas medem
cerca de 2,5 a 10 cm (pode ter mais altura
dependendo da espécie). Existem várias espécies
de sobreiros, mas a principal é: Quercus suber.
Quais as Características do Sobreiro?
 As características do Sobreiro, nomeadamente da
espécie Quercus suber, são:
Tem uma folha coriácea e persistente, com dimensões a
cerca de 2 a 10 cm de comprimento e de 1,2 a 6,5 cm de
largura, com uma cor verde na página superior e cinzento
na página inferior. É uma das raras árvores que tem a
capacidade de renovar a casca permitindo assim que a
cortiça seja retirada com maior facilidade. A sua
colheita só pode ser feita de 9-12 anos seguintes. A
cortiça que é retirada pode ser boa para o fabrico de
rolhas de cortiça que se utilizam para tapar as garrafas
de vinho entre outros objetos.
O
descortiçamento
 O descortiçamento do sobreiro é feito da
seguinte forma:
Realiza-se nos meses de verão, entre maio e
agosto, por ser a altura do ano em que o
sobreiro dá melhor a cortiça. Nesta altura
fazem-se cortes circulares e longitudinais no
tronco com a ajuda de machados. Tiram-se
porções de cortiça de forma rectangular,
chamadas pranchas.
O descortiçamento.
Para que serve a cortiça no dia-a-dia ?
 A cortiça serve para isolar paredes, pavimentos, rolhas,
mochos (bancos antigos), palmilhas, pastas de livros,
carteiras, copos etc…
A cortiça também é utilizada na Indústria ?
 Claro que sim, a cortiça é utilizada nas seguintes
Indústrias:
A Indústria Preparatória é aquela que coze e
seleciona a cortiça;
A Indústria por simples talha é aquela que transforma
a cortiça em produtos de cortiça natural;
A Indústria Granuladora é aquela que tritura a cortiça
de menor qualidade e os desperdícios resultantes do
fabrico de produtos de cortiça natural obtendo-os
granulados.
A Indústria Aglomeradora é aquela que utiliza os
granulados para produzir aglomerados de cortiça.
As Bolotas
Para que servem as bolotas ?
 As bolotas servem para alimentar animais. No
Alentejo e em muitas outras zonas do nosso país,
os porcos alimentam-se a partir das bolotas e dá à
sua carne um sabor especial. Esses porcos de
tamanho pequeno e patas de cor escura são
utilizadas para fazer presunto muito apreciado em
todo o mundo. Uma verdadeira iguaria. Os
lusitanos e outros povos pré-romanos da Península
Ibérica obtinham farinha das bolotas com que
faziam pão e atualmente as bolotas também são
utilizadas em algumas preparações culinárias
típicas de Portugal.
• O sobreiro é uma das árvores mais
plantadas em todo o mundo e ocupa
719 400 hectares da floresta
portuguesa;
• A altura máxima que o sobreiro pode
atingir é cerca de 20 metros de altura.
Bibliografia
 http://www.slideshare.net/splrocha/a-cortia-
apresentao (consultado em 18/05/2013)
 http://www.slideshare.net/jessicajoana/sobreiro
(consulado em 18/05/2013)
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Sobreiro (consultado
em 18/05/2013)
 http://www.minerva.uevora.pt/publicar/cortica/O
sobreiro.htm (consultado em 18/05/2013)
~º-+ç+ççççççççççç e
Trata bem as árvores porque
sem elas tu não podes viver e
se as tratares com carinho
elas vão-te recompensar !
Trabalho realizado por:
David Cova (nº5), Marco Teixeira
(nº15), Micael Duarte (nº18) e
Tiago Ramalho (nº25)
7ºF
A casca do sobreiro, a cortiça, é um tecido vegetal formado
por microcélulas geralmente com forma poliédrica, sendo os
espaços intercelulares preenchidos por uma mistura gasosa
idêntica à do ar. Características especiais da cortiça - é leve,
resistente ao desgaste, impermeável, elástica mas de
dimensão estável, com ótimas capacidades de isolamento
térmico e vibrático. Há milénios que a cortiça é usada em
inúmeros utensílios. As naus quinhentistas eram naus de
cortiça, bem como os bancos, as arcas, malgas, gamelas, o
calçado e tantas outras coisas eram esculpidas em casca de
cortiça.
A cortiça tem muitas aplicações industriais e manuais.
Tarros Cochos
Bases para
quentes Bancos
Peças de
artesanato
Revestimentos
de pisos e
tetos
Rolhas
http://coracaodpapel.blogspot.pt/2010/10/tarro.html
#!/2010/10/tarro.html (consultado em 24/05/2013)
http://www.jf-nsbispo.pt/?p=343 (consultado em
24/05/2013)
http://www.projectotasa.com/produtos/base-para-
copos/ (consultado em 24/05/2013)
http://coexistaindependentemente.blogspot.pt/
(consultado em 24/05/2013)
http://boasnoticias.sapo.pt/noticias_Artesanato-em-
corti%C3%A7a-d%C3%A1-origem-a-
exposi%C3%A7%C3%A3o_15427.html (consultado
em 24/05/2013)
Nomes: -Cláudio Teixeira Nº4
-Diogo Ribeiro Nº26
-Rafael Belo Nº20
-Mauro Mestre Nº17
-Gonçalo Santos Nº12
7ºF
Percentagens do sobreiro.
Localização do sobreiro na Península Ibérica.
Hectares de sobreiro em Portugal
Portugal (33%)
Espanha (23%)
Norte de África (33%)
Itália e França (11%)
56% da distribuição mundial de
sobreiro existe na Península Ibérica
(Alentejo e centro e
sul de Espanha)
A área que o sobreiro ocupa em
Portugal é de 735.000 hectares e o
ritmo de reflorestação é de 10.000
hectares por ano.
 http://ambientesgeograficos.blogspot.pt/2
012/01/sobreiro-declarado-arvore-
nacional-de.html (consultado em
25/05/2013)
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Floresta_po
rtuguesa (consultado em 25/05/2013)
BIODIVERSIDADE NO
MONTADO
Ana Rodrigues Nº 1
Filipa Pestana Nº 7
Rodrigo Fernandes Nº23
Rafael Cerejo Nº21
7ºF
BIODIVERSIDADE
NO MONTADO
Para além da sua importância económica, o montado
assegura ainda uma grande biodiversidade natural,
incluindo fauna selvagem, pastagens e arbustos de
ervas aromáticas. Entre os animais mamíferos
encontrados nas florestas de sobreiros incluem-se
lebres, doninhas, lobos, genetas, javalis, veados e
alguns linces ibéricos, uma espécie quase em extinção
e que é urgente proteger. As florestas de sobro da
Península Ibérica constituem também o habitat ideal
para milhões de aves, tais como o Falcão Peneireiro, o
Mocho Galego, o Picanço Real, Cegonhas-pretas,
Águias imperiais, Águias ibéricas.
Exemplos de animais no montado
Falcão real
Águias imperiais Picanço Real
Lobos Veados
Lince ibérico
BIBLIOGRAFIA
• http://www.amorim.com/xms/files/CorticeiraAmorim/Noticias/Do_
Sobreiro_a_cortica_um_sistema_sustentavel.pdf (consultado em
29/05/2013)
• http://www.apcor.pt/artigo/472.htm (consultado em 29/05/2013)
Flávio Ferreira, nº10
Marco Monteiro, nº16 7ºF
Pedro Gaibino, nº19
Rúben André Leitão, nº24
O ciclo da água é o movimento que ela faz na natureza. Este movimento
é infinito e circular. Ocorre através do processo de evaporação das
águas da superfície (rios, lagos, oceanos, etc) do planeta Terra e
também pela transpiração dos seres vivos.
As florestas desempenham um papel importante na regulação do ciclo da água. Os
processos de infiltração e escorrimento são influenciados pelas árvores e suas
raízes.
As copas captam mais água da chuva do que a vegetação rasteira
e “canalizam-na” para o solo debaixo da copa através do
escorrimento ao longo do tronco e do gotejamento.
Frequentemente, o solo debaixo da copa é mais permeável e tem
maior capacidade de retenção de água do que o solo descoberto.
As árvores isoladas funcionam no montado como núcleos de
interceção da chuva e retenção de água.
Facilitando a infiltração da água da chuva e evitando a erosão do solo, os
montados de sobro contribuem para a regulação do ciclo da água, um serviço
ambiental particularmente importante em áreas de clima Mediterrâneo onde
a água é um recurso particularmente escasso.
• http://www.suapesquisa.com/pesquisa/ciclo_agua.htm (consultado em
29/05/2013);
• http://salactualidades.blogspot.pt/2010/11/ciclo-da-agua.html (consultado em
29/05/2013);
• http://www.amorim.com/xms/files/CorticeiraAmorim/Noticias/Do_Sobreiro_a_c
ortica_um_sistema_sustentavel.pdf (consultado em 29/05/2013).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O comboio das formas
O comboio das formasO comboio das formas
O comboio das formas
Célia Pereira
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
sorrisinhu
 
B.i. das plantas final
B.i. das plantas   finalB.i. das plantas   final
B.i. das plantas final
valentinapereira
 
Leitura de números por ordens e extenso
Leitura de números por ordens e extensoLeitura de números por ordens e extenso
Leitura de números por ordens e extensoSónia Rodrigues
 
Espanta pardais
Espanta pardaisEspanta pardais
Espanta pardais
centroescolaralagoas
 
slideshare As panquecas de Mama Panya
slideshare As panquecas de Mama Panyaslideshare As panquecas de Mama Panya
slideshare As panquecas de Mama Panya
moreiraeleonora
 
O aquário
O aquárioO aquário
O aquário
oceanodaspalavras4
 
Escolas Básicas de Santa Maria - 2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
Escolas Básicas de Santa Maria -  2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...Escolas Básicas de Santa Maria -  2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
Escolas Básicas de Santa Maria - 2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
mmppr3
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
subel
 
O pato-patareco-do-daniel-adalberto
O pato-patareco-do-daniel-adalbertoO pato-patareco-do-daniel-adalberto
O pato-patareco-do-daniel-adalberto
Daniela Simoes
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
anabelasantosmendonca
 
Coelhinho branco
Coelhinho brancoCoelhinho branco
Coelhinho branco
Ana Paula Chaínho
 
Versões "Capuchinho Vermelho"
Versões   "Capuchinho Vermelho"Versões   "Capuchinho Vermelho"
Versões "Capuchinho Vermelho"
Becre Forte da Casa
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
Any Tabuada
 
"Porque é que os animais nao conduzem?"
"Porque é que os animais nao conduzem?""Porque é que os animais nao conduzem?"
"Porque é que os animais nao conduzem?"
susana cruz
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
BibEscolar Ninho Dos Livros
 
A roda dos alimentos
A roda dos alimentosA roda dos alimentos
A roda dos alimentos
Isa Cruz
 
Números ordinais 1º a 9º
Números ordinais 1º a 9ºNúmeros ordinais 1º a 9º
Números ordinais 1º a 9ºSónia Rodrigues
 
A história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaA história da galinha medrosa
A história da galinha medrosa
Ester Oliveira
 
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em EurospdfMatemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
Madalena Charruadas
 

Mais procurados (20)

O comboio das formas
O comboio das formasO comboio das formas
O comboio das formas
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
 
B.i. das plantas final
B.i. das plantas   finalB.i. das plantas   final
B.i. das plantas final
 
Leitura de números por ordens e extenso
Leitura de números por ordens e extensoLeitura de números por ordens e extenso
Leitura de números por ordens e extenso
 
Espanta pardais
Espanta pardaisEspanta pardais
Espanta pardais
 
slideshare As panquecas de Mama Panya
slideshare As panquecas de Mama Panyaslideshare As panquecas de Mama Panya
slideshare As panquecas de Mama Panya
 
O aquário
O aquárioO aquário
O aquário
 
Escolas Básicas de Santa Maria - 2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
Escolas Básicas de Santa Maria -  2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...Escolas Básicas de Santa Maria -  2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
Escolas Básicas de Santa Maria - 2ª e 3ª sessões "Porque é que os animais nã...
 
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soarespoemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
poemas da mentira e da verdade - Luisa Ducla Soares
 
O pato-patareco-do-daniel-adalberto
O pato-patareco-do-daniel-adalbertoO pato-patareco-do-daniel-adalberto
O pato-patareco-do-daniel-adalberto
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
 
Coelhinho branco
Coelhinho brancoCoelhinho branco
Coelhinho branco
 
Versões "Capuchinho Vermelho"
Versões   "Capuchinho Vermelho"Versões   "Capuchinho Vermelho"
Versões "Capuchinho Vermelho"
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
 
"Porque é que os animais nao conduzem?"
"Porque é que os animais nao conduzem?""Porque é que os animais nao conduzem?"
"Porque é que os animais nao conduzem?"
 
O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta O carnaval-na-floresta
O carnaval-na-floresta
 
A roda dos alimentos
A roda dos alimentosA roda dos alimentos
A roda dos alimentos
 
Números ordinais 1º a 9º
Números ordinais 1º a 9ºNúmeros ordinais 1º a 9º
Números ordinais 1º a 9º
 
A história da galinha medrosa
A história da galinha medrosaA história da galinha medrosa
A história da galinha medrosa
 
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em EurospdfMatemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
Matemática funcional:moedas e notas , quantias em Eurospdf
 

Destaque

Experiência alpista trigo ebji-pinhal_general
Experiência alpista trigo ebji-pinhal_generalExperiência alpista trigo ebji-pinhal_general
Experiência alpista trigo ebji-pinhal_general
webaeba
 
Trabalhos green cork ae boa água - sesimbra
Trabalhos green cork   ae boa água - sesimbraTrabalhos green cork   ae boa água - sesimbra
Trabalhos green cork ae boa água - sesimbra
webaeba
 
Dia da Árvore 2014
Dia da Árvore 2014Dia da Árvore 2014
Dia da Árvore 2014
eb23sroque
 
O sobreiro
O sobreiroO sobreiro
O sobreiro
Marina Barbosa
 
Pinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e BravoPinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e Bravo
bichareca
 
O Sobreiro
O SobreiroO Sobreiro
O Sobreiro
Bruno Reimão
 
Sobreiro
SobreiroSobreiro
Apresentação floresta autóctone
Apresentação floresta autóctoneApresentação floresta autóctone
Apresentação floresta autóctone
111110
 
Biosfera Cientic
Biosfera CienticBiosfera Cientic
Biosfera Cientic
guest7b65ee
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
guest7b65ee
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGua
TaniaRaquel
 

Destaque (11)

Experiência alpista trigo ebji-pinhal_general
Experiência alpista trigo ebji-pinhal_generalExperiência alpista trigo ebji-pinhal_general
Experiência alpista trigo ebji-pinhal_general
 
Trabalhos green cork ae boa água - sesimbra
Trabalhos green cork   ae boa água - sesimbraTrabalhos green cork   ae boa água - sesimbra
Trabalhos green cork ae boa água - sesimbra
 
Dia da Árvore 2014
Dia da Árvore 2014Dia da Árvore 2014
Dia da Árvore 2014
 
O sobreiro
O sobreiroO sobreiro
O sobreiro
 
Pinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e BravoPinheiro Manso e Bravo
Pinheiro Manso e Bravo
 
O Sobreiro
O SobreiroO Sobreiro
O Sobreiro
 
Sobreiro
SobreiroSobreiro
Sobreiro
 
Apresentação floresta autóctone
Apresentação floresta autóctoneApresentação floresta autóctone
Apresentação floresta autóctone
 
Biosfera Cientic
Biosfera CienticBiosfera Cientic
Biosfera Cientic
 
Biodiversidade ppt
Biodiversidade pptBiodiversidade ppt
Biodiversidade ppt
 
O Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGuaO Ciclo Da áGua
O Ciclo Da áGua
 

Semelhante a O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)

Sala Verde Inhotim Informativo 14
Sala Verde Inhotim   Informativo 14Sala Verde Inhotim   Informativo 14
Sala Verde Inhotim Informativo 14
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
José André
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
ZE RIKI
 
3.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-13.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-1
Felipe Seabra Mayer
 
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonauticoGabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
PTMacaronesia
 
Nl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichasNl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichas
Ana Carolina Campos
 
I C N B J R A Biodiversidade1
I C N B  J R A  Biodiversidade1I C N B  J R A  Biodiversidade1
I C N B J R A Biodiversidade1
SGC
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Victorlobo Restos de Aborto
 
Recursos algológicos em Portugal (2007)
Recursos algológicos em Portugal (2007)Recursos algológicos em Portugal (2007)
Recursos algológicos em Portugal (2007)
Ricardo Melo
 
Biologia da conservação primack & rodrigues
Biologia da conservação   primack & rodriguesBiologia da conservação   primack & rodrigues
Biologia da conservação primack & rodrigues
Santa1304
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Insetos em ordem
Insetos em ordemInsetos em ordem
Insetos em ordem
Susana Susanacaixinha
 
Funda+º+úo riozoo
Funda+º+úo riozooFunda+º+úo riozoo
Funda+º+úo riozoo
GuiaDidatico
 
apresentação projetos LPN.pdf
apresentação projetos LPN.pdfapresentação projetos LPN.pdf
apresentação projetos LPN.pdf
ssuser171c0c
 
O Ambientalista - Edição n.º 3
O Ambientalista - Edição n.º 3O Ambientalista - Edição n.º 3
O Ambientalista - Edição n.º 3
user1234
 
Manual irrigacao-com-bambu
Manual irrigacao-com-bambuManual irrigacao-com-bambu
Manual irrigacao-com-bambu
Joyce Muzy
 
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º anoExercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
Rosana Gouveia
 
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiroManual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
Leonardo Vasco
 
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPEPlantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
Plantas Invasoras em Portugal
 
1º Numero do Bioletter
1º Numero do Bioletter1º Numero do Bioletter
1º Numero do Bioletter
Biologia
 

Semelhante a O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf) (20)

Sala Verde Inhotim Informativo 14
Sala Verde Inhotim   Informativo 14Sala Verde Inhotim   Informativo 14
Sala Verde Inhotim Informativo 14
 
Sala Verde Inhotim Informativo 17
Sala Verde Inhotim   Informativo 17Sala Verde Inhotim   Informativo 17
Sala Verde Inhotim Informativo 17
 
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.pptapresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
apresentação RICARDO 05_06_2023.ppt
 
3.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-13.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-1
 
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonauticoGabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
Gabriel 2015 biodiversidadee_turismonautico
 
Nl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichasNl biosfera 5_fichas
Nl biosfera 5_fichas
 
I C N B J R A Biodiversidade1
I C N B  J R A  Biodiversidade1I C N B  J R A  Biodiversidade1
I C N B J R A Biodiversidade1
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
 
Recursos algológicos em Portugal (2007)
Recursos algológicos em Portugal (2007)Recursos algológicos em Portugal (2007)
Recursos algológicos em Portugal (2007)
 
Biologia da conservação primack & rodrigues
Biologia da conservação   primack & rodriguesBiologia da conservação   primack & rodrigues
Biologia da conservação primack & rodrigues
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 
Insetos em ordem
Insetos em ordemInsetos em ordem
Insetos em ordem
 
Funda+º+úo riozoo
Funda+º+úo riozooFunda+º+úo riozoo
Funda+º+úo riozoo
 
apresentação projetos LPN.pdf
apresentação projetos LPN.pdfapresentação projetos LPN.pdf
apresentação projetos LPN.pdf
 
O Ambientalista - Edição n.º 3
O Ambientalista - Edição n.º 3O Ambientalista - Edição n.º 3
O Ambientalista - Edição n.º 3
 
Manual irrigacao-com-bambu
Manual irrigacao-com-bambuManual irrigacao-com-bambu
Manual irrigacao-com-bambu
 
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º anoExercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
Exercicios de Revisão - Briofitas e pteridofitas - 3º ano
 
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiroManual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
Manual instalacao novos_povoamentos_sobreiro
 
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPEPlantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
Plantas Invasoras - VIII Jornadas PROSEPE
 
1º Numero do Bioletter
1º Numero do Bioletter1º Numero do Bioletter
1º Numero do Bioletter
 

O sobreiro e a água (7ºe e 7ºf)

  • 1. O Sobreiro e a Água Trabalhos desenvolvidos pelos alunos do 7ºE do Agrupamento de Escolas da Boa Água (EBI Boa Água) – Disciplina de Oferta Complementar (Odisseia XXI) No âmbito da participação no programa Green Cork Escolas (promovido pela Quercus) Ano letivo 2012/2013
  • 2. Trabalho desenvolvido por: Rodolfo Lucindo nº18 Rafael Justino nº 15 Helena Raposo nº8 Artur santos nº2 7ºE
  • 3. Índice  Descrição do sobreiro  História do sobreiro  Desenho do sobreiro  Conclusão  Bibliografia
  • 4. Descrição do sobreiro O sobreiro ou Sobro, ou Sobreira, ou Sovro, Sovereiro e Sôvero atinge uma altura média de 15 - 20 m. E também , em poucos casos os 25 m de altura. A casca do sobreiro, a cortiça, é uma casca espessa e suberosa, e tem diversas utilizações. O sobreiro vem do grupo das folhosas, da família das fagáceas e da espécie da Quercus suber. O sobreiro é da família da azinheira, do carrasco, do carvalho negral e do cerquinho(etc).
  • 5. História do sobreiro Segundo alguns autores, existe desde a formação da bacia do Mediterrâneo, há mais de 60 milhões de anos. Pertence à Ordem Fagales, Família Fagaceae e Género Quercus. O género das quercíneas possui mais de 600 espécies distintas distribuídas por todo o mundo, entre elas o sobreiro.
  • 6. Constituição do sobreiro O sobreiro é constituído por três partes principais:  Copa- constituído por ramo de 1ª ordem, braça e pernada.  Tronco- constituído pelo colo e é onde se localiza a cortiça.  Raízes- é onde se encontra a raiz mestra(raiz principal),cabelame e radícula.
  • 8. Conclusão O sobreiro é uma árvore onde a cortiça é extraída dos troncos da árvore. O sobreiro é uma árvore muito comercializada e muito conhecida em Portugal por causa da sua casca(cortiça).
  • 9. Bibliografia  http://bologta.blogspot.pt/2011/01/folha-coriacea-e-persistente.html (consultado em 06/05/2013)  http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-Ambiente/Fichas-de- Especies/content/Ficha-do-Sobreiro?bl=1 (consultado em 06/05/2013)  http://arvoresdeportugal.free.fr/IndexArborium/FichaSobreiroQuercu ssuber1.htm# (consultado em 06/05/2013)  http://marafado.wordpress.com/2012/02/24/o-sobreiro-arvore- nacional-de-portugal/ (consultado em 13/05/2013)  www.minerva.uevora.pt (consultado em 20/05/2013)
  • 10. Realizado por: Ricardo Alves Nº17 Ruben Rodrigues Nº20 Sónia Oliveira Nº22 7ºE Cristiana Pinto Nº4 Gisela Silva Nº7
  • 11. UTILIZAÇÕES  A sua principal utilização é a produção de cortiça, o único produto do qual Portugal é o primeiro produtor mundial. Os frutos serviam de alimento para porcos denominados de montanheira. As folhas mais baixas ou deixadas no solo como resultado de podas ou desbastes, servem como complemento de alimentação para o gado nas épocas do ano em que o pasto escasseia.
  • 12.  A madeira é muito dura e compacta, difícil de trabalhar, tendo pouco valor para carpintaria e marcenaria. É num entanto um ótimo combustível para lume, sendo muito utilizada nas lareiras.
  • 13. A Cortiça A casca do sobreiro, a cortiça, é um tecido vegetal formado por microcélulas geralmente com forma poliédrica, sendo os espaços intercelulares preenchidos por uma mistura gasosa idêntica à do ar.
  • 14. Características especiais da cortiça - é leve, resistente ao desgaste, impermeável, elástica mas de dimensão estável, com ótimas capacidades de isolamento térmico e vibrático. Há milénios que a cortiça é usada em inúmeros utensílios. As naus quinhentistas eram naus de cortiça, bem como os bancos, arcas, malgas, gamelas, calçado e tantas outras coisas eram esculpidas em casca de cortiça.
  • 16.  A cortiça é constituída essencialmente por suberina, mas possui também celulose, taninos, lenhina, ceras e outros polissacáridos, que lhe conferem propriedades químicas, físicas e mecânicas únicas. Por este motivo, e por ser um tecido com capacidade regenerativa, a cortiça tem extrema importância económica, e é utilizada em diversos setores da indústria, em múltiplas aplicações.
  • 17. Bibliografia  http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e-Ambiente/Fichas-de- Especies/content/Ficha-do-Sobreiro?bl=1 (consultado em 20/05/2013)  http://aproximar.drealentejo.pt/MCarvalho/sobreiro/escolas/corredou ra/miguelluis/trabalho6.htm (consultado em 20/05/2013)  http://www.uc.pt/montado/sobreiro/ (consultado em 20/05/2013)
  • 18. Sobreiros Oferta Complementar Odisseia XXI -Distribuição geográfica dos sobreiros em Portugal Turma:7ºE Catarina Eufrásio nº3 Diogo Raposo nº5 Francisco Cordeiro nº6 Sandro Sobreiro nº21
  • 19. Os sobreiros situam-se em maioria no centro e no sul. Distribuição geográfica dos sobreiros em Portugal
  • 20. Alternam muitas vezes com as azinheiras, que ocupam os solários e encostas mais secas e com os carvalhos-portugueses, que ocupam os barrancos e encostas frescas sombreadas. Os sobreiros precisam de solos siliciosos, com uma textura arenosa, um clima suave e de pouca humidade.
  • 21.  Sites:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Sobreiro (consultado em 20/05/2013)  http://ambientesgeograficos.blogspot.pt/2012/01/sobreiro-declarado-arvore- nacional-de.html (consultado em 20/05/2013)  Imagens:  https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/f/fe/Carlos_de_Bragan%C3% A7a_01.jpg/250px-Carlos_de_Bragan%C3%A7a_01.jpg (consultado em 20/05/2013)  http://4.bp.blogspot.com/- B9_iufGLEV4/TwSUGj5hOhI/AAAAAAAAAzI/sg4AHagIytk/s400/sobreiro.jpg (consultado em 20/05/2013)
  • 22. Disciplina: Oferta Complementar (Odisseia XXI) Professor Bruno Henriques Ano Letivo: 2012/2013 Trabalho realizado por: Márcio Branco, nº12 Rafael Felisberto, nº16 Rodrigo Lucindo, nº19 Susana Fortes, nº23 7ºE
  • 23. O que é o montado? O que é a Biodiversidade do montado? Quais as espécies que existem no montado? O que está a pôr o montado em perigo? Importância do montado em Portugal Conclusão Bibliografia
  • 24. • Um montado é um ecossistema particular, criado pelo ser humano. • São florestas de sobreiros (e azinheiras, no caso de Portugal) de equilíbrio muito delicado que existem apenas no Mediterrânio, na Argélia, em Marrocos e sobretudo a sul da Península Ibérica.
  • 25. • Portugal é o país com maior extensão de sobreiros do mundo (33% da área mundial). • Existe uma Associação Portuguesa da Cortiça (APCOR) que é responsável pela manutenção da biodiversidade do montado Português.
  • 26. Montado de sobro no mundo Fonte: APCOR
  • 27. A biodiversidade do montado é a diversidade de seres vivos num determinado local, neste caso, no montado.
  • 28. • O tipo de biodiversidade abordada neste trabalho vai ser a biodiversidade de ecossistemas. Tipos de biodiversidade Biodiversidade genética Biodiversidade de ecossistemas Biodiversidade de espécies
  • 29. • Genética: é a variação dos genes dentro das próprias espécies — engloba as populações inseridas numa mesma espécie ou a variação genética de uma população. • De espécies: é a variedade de espécies existentes numa determinada região ou bioma. • De ecossistemas: pode dizer-se que esta diz respeito ao número de diferentes tipos de vegetação, paisagens, biomas, entre outros.
  • 30. Raposas Coelhos Bravos Águias Cobreiras • Existem de 15 mil a 25 mil espécies de plantas como por exemplo: os carvalhos, as azinheiras, os sobreiros, entre muitos outros. • Várias espécies de aves, anfíbios, répteis e de mamíferos. Existem ainda o lince-ibérico, a águia imperial e grou-comum.
  • 31. • A utilização de rolhas de plástico nas garrafas de vinho é um efeito que no mercado da cortiça tem consequências, na sustentabilidade dos montados de sobro, que é um meio particularmente biodiverso. • Os incêndios nestas áreas; • Pragas que não são tratadas e que levam à morte destas árvores.
  • 32. • É proibido o abate dos sobreiros nesta área; • É incentivada a sua plantação e exploração, pois em Portugal, a extração da cortiça para o fabrico de rolhas transformou-se numa indústria de enorme importância económica, sendo este país o seu principal exportador mundial.
  • 33. • As gentes da terra sabem que o seu futuro e o dos seus descendentes passa não só pela exploração da cortiça e o fabrico de rolhas, como pela manutenção da riquíssima biodiversidade ambiental do montado e até do equilíbrio do próprio clima. • Estas árvores têm a capacidade de criar oxigénio, como todas as outras, mas também de reter o dióxido de carbono, o principal responsável pelo aquecimento global do planeta, isto devido à sua estrutura celular única.
  • 34. • Com a elaboração deste trabalho, conseguimos aprender o que é um montado e que representa património mundial no nosso país. • Conhecemos também a sua grande importância a nível económico e social em Portugal.
  • 35. • http://naturlink.sapo.pt/Natureza-e- Ambiente/Agricultura-e-Floresta/content/Montado-um- estado-da-Sucessao-Ecologica-no-Sul-de- Portugal?bl=1&viewall=true (consultado em 25/05/13) • http://www.educacional.com.br/reportagens/biodiversida de/oquee.asp (consultado em 25/05/13) • http://pt.wikipedia.org/wiki/Montado (consultado em 25/05/13) • http://apcor.pt/artigo/271.htm (consultado em 25/05/13)
  • 36. Disciplina: Oferta Complementar (Odisseia XXI) Grupo: Alexandre Matos Nº1 Mauro Silva Nº13 Joana Dionísio Nº10 Mafalda Nogueira Nº11 Relação entre o montado e o ciclo da água Turma: 7ºE EBI da Boa Água Maio de 2013
  • 37. Montado A reconstituição de muitos dos atuais povoamentos de sobreiro ocorreu a partir de meados do séc. XIX devido ao aumento do valor mercantil da cortiça e à procura, nas cidades em expansão, de produtos pecuários como o porco que era produzido nos montados (pastagem e bolota). Ainda que, eventualmente, mais especializados na produção de cortiça do que no passado, os montados formam paisagens – culturais, isto é, sistemas que resultaram da ação humana por aproveitamento de recursos diversos: a cortiça, os frutos para alimentação animal, as pastagens ou as culturas agrícolas que frequentemente coexistem na mesma área e que conferem aos montados o seu caráter silvopastoril.
  • 38. Ciclo da Água O ciclo da água, conhecido cientificamente como o ciclo hidrológico, refere-se à troca contínua de água na hidrosfera, entre a atmosfera, a água do solo, águas superficiais, subterrâneas e das plantas. A ciência que estuda o ciclo hidrológico é a Hidrologia.
  • 39. Relação entre o Montado e o Ciclo da Água As florestas desempenham um papel fundamental na regulação da água. Os processos de infiltração e escorrimento superficial da água, por exemplo, são influenciados pela presença das árvores e dos seus sistemas radiculares.
  • 40. As copas intercetam mais água da chuva do que a vegetação rasteira e “canalizam-na” para o solo debaixo da copa através do escorrimento ao longo do tronco e do gotejamento. Frequentemente o solo debaixo da copa é mais permeável e tem maior capacidade de retenção de água do que o solo descoberto. As árvores isoladas funcionam no montado como núcleos de interceção da chuva e retenção de água. Relação entre o Montado e o Ciclo da Água
  • 41. Relação entre o Montado e o Ciclo da Água
  • 42. Bibliografia • https://pt.wikipedia.org/wiki/Ciclo_hidrol%C3%B3gico (consultado em 20/05/2013) • http://earthcondominium.files.wordpress.com/2012/11/greencork_apresen tacao.pdf (consultado em 20/05/2013) • http://www.amorim.com/xms/files/CorticeiraAmorim/Noticias/Do_Sobreiro _a_cortica_um_sistema_sustentavel.pdf (consultado em 27/05/2013)
  • 43. O Sobreiro e a Água Trabalhos desenvolvidos pelos alunos do 7ºF do Agrupamento de Escolas da Boa Água (EBI Boa Água) – Disciplina de Oferta Complementar (Odisseia XXI) No âmbito da participação no programa Green Cork Escolas (promovido pela Quercus) Ano letivo 2012/2013
  • 45. Mas o que é o Sobreiro?  Um sobreiro é uma árvore mediterrânica da família do carvalho, cultivada no sul da Europa. Em Portugal existem predominantemente no Alentejo Litoral e nas serras do Algarve . Desta árvore são extraídas a cortiça e as bolotas . Teve origem na Era Terciária. Esta árvore tem dimensões entre 10 a 15 metros de altura e as suas folhas medem cerca de 2,5 a 10 cm (pode ter mais altura dependendo da espécie). Existem várias espécies de sobreiros, mas a principal é: Quercus suber.
  • 46. Quais as Características do Sobreiro?  As características do Sobreiro, nomeadamente da espécie Quercus suber, são: Tem uma folha coriácea e persistente, com dimensões a cerca de 2 a 10 cm de comprimento e de 1,2 a 6,5 cm de largura, com uma cor verde na página superior e cinzento na página inferior. É uma das raras árvores que tem a capacidade de renovar a casca permitindo assim que a cortiça seja retirada com maior facilidade. A sua colheita só pode ser feita de 9-12 anos seguintes. A cortiça que é retirada pode ser boa para o fabrico de rolhas de cortiça que se utilizam para tapar as garrafas de vinho entre outros objetos.
  • 47.
  • 49.  O descortiçamento do sobreiro é feito da seguinte forma: Realiza-se nos meses de verão, entre maio e agosto, por ser a altura do ano em que o sobreiro dá melhor a cortiça. Nesta altura fazem-se cortes circulares e longitudinais no tronco com a ajuda de machados. Tiram-se porções de cortiça de forma rectangular, chamadas pranchas. O descortiçamento.
  • 50. Para que serve a cortiça no dia-a-dia ?  A cortiça serve para isolar paredes, pavimentos, rolhas, mochos (bancos antigos), palmilhas, pastas de livros, carteiras, copos etc…
  • 51. A cortiça também é utilizada na Indústria ?  Claro que sim, a cortiça é utilizada nas seguintes Indústrias: A Indústria Preparatória é aquela que coze e seleciona a cortiça; A Indústria por simples talha é aquela que transforma a cortiça em produtos de cortiça natural; A Indústria Granuladora é aquela que tritura a cortiça de menor qualidade e os desperdícios resultantes do fabrico de produtos de cortiça natural obtendo-os granulados. A Indústria Aglomeradora é aquela que utiliza os granulados para produzir aglomerados de cortiça.
  • 53. Para que servem as bolotas ?  As bolotas servem para alimentar animais. No Alentejo e em muitas outras zonas do nosso país, os porcos alimentam-se a partir das bolotas e dá à sua carne um sabor especial. Esses porcos de tamanho pequeno e patas de cor escura são utilizadas para fazer presunto muito apreciado em todo o mundo. Uma verdadeira iguaria. Os lusitanos e outros povos pré-romanos da Península Ibérica obtinham farinha das bolotas com que faziam pão e atualmente as bolotas também são utilizadas em algumas preparações culinárias típicas de Portugal.
  • 54. • O sobreiro é uma das árvores mais plantadas em todo o mundo e ocupa 719 400 hectares da floresta portuguesa; • A altura máxima que o sobreiro pode atingir é cerca de 20 metros de altura.
  • 55. Bibliografia  http://www.slideshare.net/splrocha/a-cortia- apresentao (consultado em 18/05/2013)  http://www.slideshare.net/jessicajoana/sobreiro (consulado em 18/05/2013)  http://pt.wikipedia.org/wiki/Sobreiro (consultado em 18/05/2013)  http://www.minerva.uevora.pt/publicar/cortica/O sobreiro.htm (consultado em 18/05/2013)
  • 56. ~º-+ç+ççççççççççç e Trata bem as árvores porque sem elas tu não podes viver e se as tratares com carinho elas vão-te recompensar ! Trabalho realizado por: David Cova (nº5), Marco Teixeira (nº15), Micael Duarte (nº18) e Tiago Ramalho (nº25) 7ºF
  • 57.
  • 58. A casca do sobreiro, a cortiça, é um tecido vegetal formado por microcélulas geralmente com forma poliédrica, sendo os espaços intercelulares preenchidos por uma mistura gasosa idêntica à do ar. Características especiais da cortiça - é leve, resistente ao desgaste, impermeável, elástica mas de dimensão estável, com ótimas capacidades de isolamento térmico e vibrático. Há milénios que a cortiça é usada em inúmeros utensílios. As naus quinhentistas eram naus de cortiça, bem como os bancos, as arcas, malgas, gamelas, o calçado e tantas outras coisas eram esculpidas em casca de cortiça. A cortiça tem muitas aplicações industriais e manuais.
  • 63. http://coracaodpapel.blogspot.pt/2010/10/tarro.html #!/2010/10/tarro.html (consultado em 24/05/2013) http://www.jf-nsbispo.pt/?p=343 (consultado em 24/05/2013) http://www.projectotasa.com/produtos/base-para- copos/ (consultado em 24/05/2013) http://coexistaindependentemente.blogspot.pt/ (consultado em 24/05/2013) http://boasnoticias.sapo.pt/noticias_Artesanato-em- corti%C3%A7a-d%C3%A1-origem-a- exposi%C3%A7%C3%A3o_15427.html (consultado em 24/05/2013)
  • 64. Nomes: -Cláudio Teixeira Nº4 -Diogo Ribeiro Nº26 -Rafael Belo Nº20 -Mauro Mestre Nº17 -Gonçalo Santos Nº12 7ºF
  • 65. Percentagens do sobreiro. Localização do sobreiro na Península Ibérica. Hectares de sobreiro em Portugal
  • 66. Portugal (33%) Espanha (23%) Norte de África (33%) Itália e França (11%)
  • 67. 56% da distribuição mundial de sobreiro existe na Península Ibérica (Alentejo e centro e sul de Espanha)
  • 68. A área que o sobreiro ocupa em Portugal é de 735.000 hectares e o ritmo de reflorestação é de 10.000 hectares por ano.
  • 69.
  • 70.  http://ambientesgeograficos.blogspot.pt/2 012/01/sobreiro-declarado-arvore- nacional-de.html (consultado em 25/05/2013)  http://pt.wikipedia.org/wiki/Floresta_po rtuguesa (consultado em 25/05/2013)
  • 71. BIODIVERSIDADE NO MONTADO Ana Rodrigues Nº 1 Filipa Pestana Nº 7 Rodrigo Fernandes Nº23 Rafael Cerejo Nº21 7ºF
  • 72. BIODIVERSIDADE NO MONTADO Para além da sua importância económica, o montado assegura ainda uma grande biodiversidade natural, incluindo fauna selvagem, pastagens e arbustos de ervas aromáticas. Entre os animais mamíferos encontrados nas florestas de sobreiros incluem-se lebres, doninhas, lobos, genetas, javalis, veados e alguns linces ibéricos, uma espécie quase em extinção e que é urgente proteger. As florestas de sobro da Península Ibérica constituem também o habitat ideal para milhões de aves, tais como o Falcão Peneireiro, o Mocho Galego, o Picanço Real, Cegonhas-pretas, Águias imperiais, Águias ibéricas.
  • 73. Exemplos de animais no montado Falcão real Águias imperiais Picanço Real Lobos Veados Lince ibérico
  • 75. Flávio Ferreira, nº10 Marco Monteiro, nº16 7ºF Pedro Gaibino, nº19 Rúben André Leitão, nº24
  • 76. O ciclo da água é o movimento que ela faz na natureza. Este movimento é infinito e circular. Ocorre através do processo de evaporação das águas da superfície (rios, lagos, oceanos, etc) do planeta Terra e também pela transpiração dos seres vivos.
  • 77. As florestas desempenham um papel importante na regulação do ciclo da água. Os processos de infiltração e escorrimento são influenciados pelas árvores e suas raízes.
  • 78. As copas captam mais água da chuva do que a vegetação rasteira e “canalizam-na” para o solo debaixo da copa através do escorrimento ao longo do tronco e do gotejamento. Frequentemente, o solo debaixo da copa é mais permeável e tem maior capacidade de retenção de água do que o solo descoberto. As árvores isoladas funcionam no montado como núcleos de interceção da chuva e retenção de água.
  • 79. Facilitando a infiltração da água da chuva e evitando a erosão do solo, os montados de sobro contribuem para a regulação do ciclo da água, um serviço ambiental particularmente importante em áreas de clima Mediterrâneo onde a água é um recurso particularmente escasso.
  • 80. • http://www.suapesquisa.com/pesquisa/ciclo_agua.htm (consultado em 29/05/2013); • http://salactualidades.blogspot.pt/2010/11/ciclo-da-agua.html (consultado em 29/05/2013); • http://www.amorim.com/xms/files/CorticeiraAmorim/Noticias/Do_Sobreiro_a_c ortica_um_sistema_sustentavel.pdf (consultado em 29/05/2013).