SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
PÁGINA 1
1
O PLANO DE DEUS
A Centralidade e Universalidade de Cristo
“Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Mt 16.16, “Cristo é
tudo e em todos” Cl 3.11. “Para em todas as coisas ter a
primazia”, Cl 1.18, “o mistério de Deus, Cristo”, Cl 2.2.
O Significado da Centralidade
Por que existem todas as coisas? Deus criou todas estas coisas acidentalmente, ou
foram criadas de acordo com um propósito? Por que Deus escolheu homens, enviou
profetas, deu o Salvador, concedeu o Espírito Santo, edificou a Igreja e estabeleceu o
reino? Por que levou a pregação do evangelho aos confins da terra para que os pecadores
fossem salvos? Por que devemos alcançar os pecadores e firmar os crentes? Algumas
pessoas consideram o batismo e o falar em línguas como o ponto central. Mas qual é o
ponto central de Deus?
Primeiro é necessário ter uma visão, antes de poder estabelecer um objetivo. Se não
percebermos a centralidade de Deus em nossa vida, não temos um alvo. As verdades
divinas estão todas organicamente relacionadas. Alguns decidem centralizar o seu
trabalho em inclinações pessoais e necessidades circunstanciais. Mas a predeterminação e
o propósito de Deus deveriam constituir o nosso centro.
Qual é a centralidade de Deus?
Qual é o fio que está entrelaçado através de todas as verdades divinas?
Qual é a verdade global de Deus?
Jesus Cristo é o centro das verdades divinas, o nosso Salvador,
o Cristo de Deus, Lc 9.20.
Paulo escreveu: o mistério de Deus é Cristo. Mistério é aquilo que está escondido no
coração de Deus. Deus nunca tinha contado a ninguém por que criou todas as coisas,
inclusive a humanidade. Durante muito tempo isto permaneceu um mistério. Mais tarde,
entretanto, foi revelado a Paulo, que o mistério de Deus é Cristo. O Senhor Jesus é o
Cristo de Deus, como também o Filho de Deus.
No momento da concepção o anjo Gabriel disse a Maria: “o ente santo que a de
nascer será chamado Filho de Deus”, Lc 1.35, e na hora do nascimento um anjo
anunciou aos pastores que: “hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, o Senhor”,
Lc 2.11. Pedro disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Mt 16.16. “Foi designado
Filho de Deus com poder, segundo o espirito de santidade, pela ressurreição dos mortos,
a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor, Rm 1.4; e foi feito Senhor e Cristo”, At 2.36. “Jesus
é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome”, Jo 20.31. O
Senhor Jesus é o Cristo de Deus porque foi ungido por Deus. De eternidade a eternidade,
ele é o Filho de Deus. Ele se tornou o Cristo desde o momento em que o plano de Deus
foi traçado.
PÁGINA 2
"Ele é a cabeça do corpo da igreja; para que em todas as coisas
tenha primazia", Cl 1.18.
O plano de Deus está centralizado em seu Filho para que Cristo seja tudo em todos.
Em Cristo, Deus criou todas as coisas, para que elas manifestem a sua glória. Hoje em dia
os crentes estão manifestando muito pouco de Cristo. Mas um dia todas as coisas
manifestarão a Cristo, porque todo o universo o conhecerá. O desejo de Deus é que o
homem seja como o seu Filho, tenha a vida e a glória do seu Filho, para que o seu Filho
unigênito seja o primogênito entre seus muitos filhos. Deus criou e redimiu o homem,
tudo por amor a Cristo. A redenção foi realizada com a intenção reestabelecer o alvo da
criação. Cristo é o esposo e nós a noiva. Ele é a pedra de esquina e nós as muitas pedras
vivas do edifício. Deus nos criou para satisfazer o coração de Cristo. A centralidade de
Deus é Cristo, pois todas as coisas foram criadas por ele e para ele. O propósito divino é
que todas as coisas possam manifestar a glória de Cristo e que o homem possa ser igual a
Cristo, tendo sua vida e sua glória.
PÁGINA 3
2
O PLANO DE DEUS
Cristo na Eternidade Passada
Cristo Tem Preeminência no Plano de Deus
“E manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os
séculos oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela
igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida agora
dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o
eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus nosso Senhor”,
Ef 3.9-11, “que Deus derramou abundantemente sobre nós em
toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da
sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo,
de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos,
todas as coisas, tanto as do céu como as da terra; nele, digo, no
qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o
propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho
da sua vontade”, Ef 1.8-11.
“Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra
e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da
tua vontade [ou, do teu prazer] vieram a existir e foram
criadas”, Ap 4.11. “Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de
quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor,
Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por
ele” ICo 8.6. “Porque dele e por meio dele e para ele são todas
as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém”, Rm 11.36.
Antes mesmo da criação do mundo Deus tinha um plano, e este plano foi realizado
em Cristo que reuniu nele todas as coisas que existem nos céus e na terra.
O Plano de Deus: Dar Todas as Coisas a Cristo
“Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos
os céus, para encher todas as coisas”, Ef 4.10. “O Pai ama ao
Filho, e todas as coisas tem confiado às suas mãos”, Jo 3.35.
“Sabendo este que o Pai tudo confiara às suas mãos, e que ele
viera de Deus e voltará para Deus”, Jo 13.3.“Agora eles
reconhecem que todas as coisas que me tens dado, provêm de
Ti”, Jo 17.7,
Antes da fundação do mundo Deus predeterminou uma casa sobre a qual o Filho
governaria. Deus deu todas as coisas ao Filho como herança. O Pai planeja, o Filho herda
tudo o que o Pai planejou o Espírito Santo realiza. O Pai é o planejador, o Filho o
herdeiro e o Espírito Santo o executor. Desde a eternidade o Pai amava o Filho. Quando o
Filho vem ao mundo o Pai ainda declara: "Este é o meu Filho amado", Mt 3.17. O Pai
ama o Filho e entregou todas as coisas em suas mãos. Quando o Filho enfrentou a morte
sabia que o Pai havia entregado todas as coisas em suas mãos, Jo 13.3. Sua ressurreição e
ascensão visam o cumprimento de todas as coisas, Ef 4.10.
PÁGINA 4
3
O PLANO DE DEUS
Cristo na Criação
Cristo Tem a Preeminência na Criação de Todas as Coisas
“No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o
Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as
coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi
feito se fez”, Jo 1.1-3. “Estava no mundo, o mundo foi feito por
intermédio dele, mas o mundo não o conheceu”, Jo 1.10, “pois
nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as
visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer
principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e
para ele”, Cl 1.16,17. “Pelo qual também fez o universo”
literalmente, os séculos, Hb 1.2, “sustentando todas as coisas
pela palavra do seu poder”, Hb 1.3, “um só Senhor, Jesus
Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele”, I
Co 8.6.
O Pai planeja de acordo com a sua vontade, o Filho aprova e cria e o Espírito Santo
energiza para que se realize. O Filho é o criador de todas as coisas, é "o primogênito de
toda a criação", Cl 1.15 e tem preeminência sobre todas as coisas. Ele é "o princípio da
criação de Deus", Ap 3.14. Deus, em seu plano eterno, predeterminou antes da criação do
mundo que o Filho criaria todas as coisas e se tornaria carne para realizar a redenção IPe
1.18-20. No plano de Deus, o Filho é a cabeça de toda a criação. O Pai planeja e o Filho
cria. Depois da obra da criação ser consumada, toda a criação foi entregue ao Filho. A
razão da criação de todas as coisas é satisfazer o coração do Filho. Oh! Como é grande o
amor do Filho! Ele é o Alfa e o Ômega. Ele é o Alfa, porque todas as coisas foram
criadas por ele, e o Ômega, porque todas as coisas serão para ele.
O Motivo da Criação do Mundo
“Vindo, porém, a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho,
nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que
estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos.
E, porque vós sois filhos, enviou Deus aos nossos corações o
Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. De sorte que já não
és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por
Deus”, Ga 4.4-7. “Porquanto os que de antemão conheceu,
também os predestinou para serem conformes à imagem de seu
filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E
aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou,
a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também
glorificou”, Rm 8.29-30. “Jesus, por causa do sofrimento da
morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de
Deus, provasse a morte por todo o homem. Porque convinha que
aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem,
PÁGINA 5
conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse por meio de
sofrimentos o Autor da salvação deles”, Hb 2.9-10.
Deus criou o homem para que o homem seja igual a Cristo, tendo a vida e a glória de
Cristo. Assim como Deus se manifestou através de Cristo, também se manifestará através
dos homens. Deus nos chama para que nos tornemos participantes da vida de seu Filho,
sendo feitos conforme a imagem do seu Filho, para que o seu Filho seja o primogênito
entre muitos irmãos. Desde a eternidade passada até a ressurreição, o Senhor Jesus era o
Filho unigênito. Mas, depois que ressuscitou dos mortos, tornou-se o Filho primogênito.
Por isso, após a ressurreição ele diz a Maria Madalena: "Vai ter com os meus irmãos,
e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai", Jo 20.17. Estes muitos filhos tornaram-se
filhos por meio do Filho unigênito. Pela morte do Filho unigênito de Deus nasceram
muitos filhos. Mas Deus, além nos dar a vida do seu Filho, Ele também nos tornou
coerdeiros com o ele. O Filho se fez carne, tornando-se um pouco menor do que os anjos;
mas depois foi coroado com honra e glória. Ele deve conduzir muitos filhos à glória. A
razão de Deus criar o homem é para que ele receba a vida do seu Filho e assim possa
entrar na glória com ele. Tudo é para satisfazer o coração do seu Filho.
Deus predestinou o homem para que fosse conforme a imagem do seu Filho. A
predestinação está de acordo com a presciência de Deus e está relacionada com nosso
destino futuro. A eleição se destina a esta dispensação e a predestinação se refere à
eternidade.
O que significa ser conforme a imagem do seu Filho?
Deus toma o seu Filho como molde ou matriz, e nesta matriz Ele imprime os muitos
filhos, para que o seu Filho seja o primogênito entre muitos. Ele não só nos concede a
glória do seu Filho como também nos dá a vida dele, Rm 8.29-30. Ele motiva o seu Filho
a levar muitos filhos para a glória. O Filho de Deus é aquele que santifica, nós somos os
santificados e todos de um só; significa que temos um só Pai; “por isso, é que ele não se
envergonha de lhes chamar irmãos", Hb 2.10,11. Cristo, agora está em nós com o
propósito de nos tornar filhos de Deus. No futuro ele nos conduzirá à glória. "Cristo em
vós, a esperança da glória", Cl 1.27. Hoje somos filhos de Deus e, no futuro, entraremos
na glória com Cristo, Rm 8.16,17.
É a vontade de Deus distribuir a vida do seu Filho a muitos para capacitá-los a se
tornarem filhos, a fim de que o seu Filho possa tornar-se o primogênito entre muitos
filhos; de maneira que ele possa ter a preeminência em todas as coisas. Há uma diferença
entre o Cristo pessoal e o Cristo incorporado: Antes de sua morte e ressurreição, só havia
o Cristo pessoal, o unigênito. Mas depois de sua morte e ressurreição, Ele distribuiu sua
vida a muitos, formando assim o Cristo incorporado.
O que Deus Predestinou Antes da Fundação do Mundo
“Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também
comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me
conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo”, Jo
17.24, “assim como nos escolheu nele antes da fundação do
mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em
amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio
de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”, Ef 1.4,5,
“que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo
as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e
graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos
eternos”, IITm 1.9,10.
PÁGINA 6
Antes da fundação do mundo Deus determinou que o Filho fosse o Cristo, para que
nele nos tornássemos filhos e herdeiros. Antes de sermos criados, Deus predestinou que
participaríamos da vida de seu Filho (não de sua divindade). Deus sabia que Satanás se
rebelaria e faria com que todas as coisas discordassem de sua Palavra. Deus também
sabia que o homem iria pecar e cair. Por isso, Ele e o Filho tinham um plano de redenção,
antes mesmo da fundação do mundo. O Filho viria ao mundo para ser crucificado, a fim
de reconciliar todas as coisas com o seu propósito. Resgatar a humanidade caída e
resolver o problema da rebelião de Satanás.
O que Deus Predestinou para seus filhos
“Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde
benditos de meu Pai! entrai na posse do reino que vos está
preparado desde a fundação do mundo”, Mt 25.34. “Nós, porém,
que cremos, entramos no descanso”, Hb 4.3.
A realização do plano de Deus começa desde a fundação do mundo. O Senhor é o
Cordeiro morto desde a fundação do mundo. Os nomes foram escritos no livro da vida
desde a fundação do mundo. As obras da criação de Deus foram concluídas na fundação
do mundo. O reino eterno de Deus também foi preparado desde a fundação do mundo.
PÁGINA 7
4
O PLANO DE DEUS
Cristo na Eternidade Futura
Cristo Tem Preeminência na Eternidade Futura
“Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o
nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus
se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e
toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de
Deus Pai”, Fp 2.9-11. “Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de
receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu
criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram
criadas, Ap 4:11. “Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber
o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e
louvor. Então ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a
terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo que neles há, estava
dizendo: Àquele que está sentado no trono, e ao Cordeiro, seja o
louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos
séculos. E os quatro seres viventes respondiam: Amém; também
os anciãos prostraram-se e adoraram”. Ap 5.12-14.
“Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se
manifestou o que havemos de ser. Sabemos que, quando ele se
manifestar, seremos semelhantes a ele, porque havemos de vê-lo
como ele é”, IJo 3.2. “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor
Jesus Cristo que, segundo a sua muita misericórdia, nos
regenerou para uma viva esperança mediante a ressurreição de
Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível,
sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros”,
IPe 1.3,4. “Então me mostrou o rio da água da vida, brilhante
como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. No meio
da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da
vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e
as folhas da árvore são para a cura dos povos. Nunca mais
haverá qualquer maldição. Nela estará o trono de Deus e do
Cordeiro. Os seus servos o servirão, contemplarão a sua face, e
nas suas frontes está o nome dele. Então já não haverá noite,
nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o
Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos
séculos”, Ap 22.1-5.
Depois que Cristo ressuscitou "Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que
está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na
terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, pois Deus o
fez Senhor e Cristo" At 2.36. Todas as coisas louvam a Deus, por causa da gloria de Jesus
Cristo depois de sua ressurreição e ascensão, Ap 5.9.
Depois da rebelião de Satanás e da queda do homem, toda a criação está sujeita à
vaidade, Rm 8.20. Vaidade significa fracasso nos resultados pretendidos, perda do
PÁGINA 8
propósito original, falta de direção. Hoje, todas as coisas estão sujeitas à vaidade, à espera
da manifestação do Filho de Deus. Durante este período de espera todas as coisas estão
sob o cativeiro da corrupção, tal como a degradação dos animais, dos seres humanos, a
morte das árvores e assim por diante. Contudo, a criação espera ser libertada deste
cativeiro. Por causa disto, toda a criação geme e luta junto, sofrendo até agora. No dia em
que nosso corpo for glorificado todas as coisas serão postas em liberdade. Porém, hoje
mesmo podemos antegozar os poderes do século vindouro, Hb 6.5. A igreja antegoza os
poderes do século vindouro, e a dispensação do reino antegoza os poderes da eternidade.
Quando o Senhor voltar nós seremos semelhantes a Ele, IJo 3.2. Seremos filhos: com a
vida e a natureza de Deus; e também seremos herdeiros: porque receberemos a herança e
a glória de Deus.
Após o reino milenar, Cristo estabelecerá novo céu e nova terra, Ap 21 e 22. Na nova
terra os salvos desfrutarão da presença de Deus, e do Cordeiro; e habitarão na cidade
santa, a Nova Jerusalém.
Na Nova Jerusalém a glória de Deus é a luz e o Cordeiro a sua lâmpada, Ap 21.9-23.
Assim como a luz é ampliada através de uma lâmpada, Deus é engrandecido pelo
Cordeiro. O centro desta cidade é Deus e o Cordeiro. A luz gloriosa de Deus está no
Cordeiro. O Cordeiro ilumina a cidade e a luz da cidade ilumina as nações. A cidade só
tem uma rua e um rio (Nunca ninguém vai se perder dentro dela, pois só tem uma rua.
Evidentemente a rua desce em espiral). O rio está localizado no meio da rua e corre ao
longo dela. Ambos, a rua e o rio procedem do trono de Deus e do Cordeiro, uma vez que
Deus e o Cordeiro são o centro. "Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas,
então o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para
que Deus seja tudo em todos", ICo 15.28. Vemos que o alvo e propósito em tudo o que
Deus faz de eternidade a eternidade é dar ao Filho a preeminência em todas as coisas,
pois o propósito de Deus é fazer de seu Filho o Senhor de tudo.
PÁGINA 9
5
O PLANO DE DEUS
Cristo na Redenção
Cristo Tem a Preeminência na Redenção
“reunir todas as coisas em Cristo, tanto as do céu como as da
terra”, Ef 1.10,
O plano de Deus é:
• Que todas as coisas possam manifestar a glória de Cristo, para que todas as coisas
estejam sujeitas a Cristo.
• Que o homem possa ser semelhante a Cristo, tendo sua vida e sua glória.
Deus criou o homem e todas as coisas com o intento de que todas as coisas
manifestem a Cristo, especialmente o homem, que deveria ser semelhante a Cristo, tendo
Sua vida e Sua glória. Mas Satanás rebelou-se e criou tal interferência, que todas as
coisas se tornaram contraditórias e o homem caiu no pecado. Deus reagiu com a redenção
para reposicionar o ser humano ao Seu propósito original. Consequentemente, a redenção
de Cristo deve:
• Reconciliar todas as coisas com Deus.
• Redimir a humanidade caída, comunicando Sua vida ao homem.
• Resolver o problema da rebelião de Satanás.
• Resolver o problema do pecado do homem.
A redenção de Cristo tem por alvo restabelecer o duplo propósito de Deus:
reconciliar todas as coisas e conceder Sua vida ao homem; e também resolver o duplo
problema: a rebelião de Satanás e o pecado do homem. A redenção não foi uma medida
improvisada, pelo contrário, foi uma ação planejada desde a fundação do mundo. Cristo
não veio ao mundo para ser um segundo Adão, porque Adão foi criado à imagem de
Cristo.
O Plano de Deus
“Façamos o homem a nossa imagem, conforme nossa semelhança”, Gn 1.26. Deus
executando o plano “Criou Deus, pois, o homem a sua imagem”, Gn 1.27. Deus criou o
homem à Imagem do Filho. “Só o Filho é que tem uma Imagem na divindade”. Portanto,
Adão foi criado segundo a imagem de Cristo. Adão "o qual prefigurava [Cristo] aquele
que havia de vir", Rm 5.14.
A vinda de Cristo a este mundo não foi um ato de emergência; foi antecipadamente
planejada por Deus. Antes mesmo da fundação do mundo, Cristo foi ungido. Cristo não
se restringe ao tempo e ao espaço. Ele é o Cristo que completa o universo. Os quatro
Evangelhos apresentam Cristo como o homem universal.
O primeiro acontecimento do plano da redenção é o nascimento de Cristo. Tornando-
se homem Ele desce da posição de Criador para o lugar de criatura. Assumindo o corpo
de criatura, é capaz de morrer pelo homem e por todas as coisas.
A Redenção de Cristo Reconcilia Todas as Coisas com Deus
Considerando que todas as coisas foram criadas em Cristo, Cl 1.16, então Deus pode
lidar com todas as coisas por meio de Cristo. Portanto, em Cristo, todas as coisas foram
resolvidas por Deus.
PÁGINA 10
Assim como, o sumo sacerdote Levi pagou dizimo a Melquisedeque, mesmo antes de
ter nascido, somente pelo fato de ser descendente de Abraão, que foi quem efetivamente
pagou este dizimo. Hb 7.9,10. Também nós, mesmo antes de ter nascido, fomos
crucificados com Cristo mediante a sua morte na cruz, Hb 2.9.
Na cruz ele reconcilia todas as coisas com Deus, Cl 1.20. O alcance da redenção de
Cristo atinge não só a humanidade, mas também todas as coisas criadas. Todas as coisas,
que não pecaram, não precisarão ser redimidas, mas simplesmente reconciliadas.
A Redenção de Cristo Transmite sua Vida aos Homens.
Na obra da redenção, Cristo não só reconcilia todas as coisas com Deus, mas também
dá vida ao homem, para que este possa tornar-se semelhante a Ele. Esta é a liberação de
sua vida ao homem caído. Enquanto Cristo estava na terra, sua vida divina encontrava-se
prisioneira de seu corpo físico por isso era grandemente restrita. Enquanto se encontrava
em Jerusalém, não podia estar na Galileia. Sua morte, portanto, libertou sua vida que
estava aprisionada. O grão de trigo mencionado em, Jo 12.24, é o Filho unigênito de
Deus. A vida do grão de trigo está escondida dentro da palha. Se não cair na terra, e não
morrer fica só, mas se cair na terra e morrer, a palha se decompõe e a vida interior é
libertada para dar muitos frutos. Cada um dos muitos grãos é semelhante ao grão original.
Também se pode dizer que cada um dos grãos está naquele primeiro grão. Cristo morreu
para nos gerar. Antes da morte ele é o Filho unigênito, mas depois da ressurreição, torna-
se o Filho primogênito entre muitos filhos. Portanto, a cruz de Cristo é a grande
emancipação da sua vida! Através da morte Ele distribui sua vida a todos que crerem
nele.
A Redenção de Cristo Resolve o Problema da Rebelião de Satanás.
Satanás sabia muito bem que se pudesse injetar seu veneno no primeiro casal, o
veneno se propagaria a todos os seus descendentes. E assim, nossos antepassados
cometeram fornicação espiritual, e o veneno da falsidade e do pecado entraram na alma
deles. Considerando que a vida da alma está no sangue, Lv 17.11, o pecado foi
reproduzido através das gerações, "de um só sangue fez todas as nações dos homens", At
17.26, Stephens. O veneno do pecado injetado no primeiro casal fluiu para todas as
gerações através do sangue. O sangue de Cristo não contém nenhum veneno, não teve a
participação do homem. É sangue precioso e incorruptível. Na cruz ele assumiu os
pecados de muitos e derramou todo o seu sangue na morte. Quando Cristo ressuscitou
dos mortos não tinha sangue. Depois de sua ressurreição tem carne e ossos, mas não tem
sangue, "porquanto derramou a sua alma na morte", Is 53.12. Em Cristo nosso sangue
também já foi derramado. Por isso, Satanás não tem mais base de operação em nossas
vidas. O sangue de Cristo destruiu e acabou com Satanás e tudo o que é dele. Não é só a
cruz de Cristo que vence a Satanás o seu sangue também.
O Problema do Pecado.
Nossos pecados exigiam a nossa morte, então veio Cristo e morreu em nosso lugar:
• Sua morte substitutiva encerra nosso processo criminal diante de Deus.
• Sua morte representativa liberta-nos do domínio do pecado e de Satanás.
Assim, a morte de Cristo realiza o propósito duplo de Deus e, ao mesmo tempo,
soluciona o duplo problema de Deus. A Vitória de Cristo na cruz satisfaz completamente
a Deus. Deus permite que permaneçamos na terra para proclamá-la por toda a criação, Cl
1.23. No batismo e no partir do pão representamos e apresentamos a vitória da morte de
Cristo diante dos santos anjos, das nações e de toda a criação.
PÁGINA 11
O Propósito da Redenção
“O propósito da redenção de Cristo é tornar-nos um povo de sua
exclusiva propriedade”, Tt 2.14, “para que possamos ser um
sacrifício vivo”, Rm 12.1: “vivendo e morrendo por ele”, Rm
14.7-9 e IICo 5.15 “servindo como o Templo do Espírito Santo
para glorificar a Deus”, ICo 6.19,20, “para que Cristo possa ser
engrandecido em nós, pela vida ou pela morte, porque para nós
o viver é Cristo”, Fp 1.20,21.
O alvo da redenção é dar a Cristo a preeminência em todas as coisas. Para ser o
primeiro em todas as coisas, Cristo deve ter a preeminência em nossa vida. Porque nós
somos as primícias de toda a criação, Tg 1:18. Se nos sujeitarmos a Cristo, todas as outras
coisas, também se sujeitarão. A cruz opera em nossas vidas permitindo que Deus realize
seu propósito em nós. A cruz nos engrandece em Cristo! A cruz busca para Cristo o lugar
de preeminência. Deus usa a cruz, a qual por sua vez, opera através das circunstancias,
cavando profundamente em nossas vidas para que conheçamos a Cristo e sejamos
preenchidos da sua presença, e assim, sua preeminência se manifeste em nós. A redenção
de Cristo tem o propósito de realizar o plano de Deus, que foi preparado antes da
fundação do mundo, para que Cristo tenha o primeiro lugar em todas as coisas.
PÁGINA 12
6
O PLANO DE DEUS
A Experiência da Vida Cristã
Cristo Tem a Preeminência na Vida do Cristão
“Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um
morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos,
para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para
aquele que por eles morreu e ressuscitou”, IICo 5.14,15. “Estou
crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas
Cristo vive em mim; e esse viver que, agora tenho na carne, vivo
pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou
por mim”, Ga 2.20.
Como é a vida de um cristão?
Muitas pessoas pensam que por resolver o problema do seu mau gênio podem
consideram-se livres do pecado. Alguns imaginam que sendo pacientes, humildes e gentis
são vitoriosos e santos. Alguns creem que, lendo a Bíblia, orando mais e tomando
cuidado em permanecer no Senhor para serem fortalecidos, terão a vitória e tal conduta
resultará em santidade. Alguns acreditam se vencer o ego e a carne serão vitoriosos e
santos. Alguns reconhecem que o poder está em Cristo e que nossa carne já foi
crucificada, creem que devem, pela fé, recorrer ao poder de Cristo para vencer e ser
santos. Todas as pressuposições são importantes, mas para sermos vitoriosos e santos,
Cristo tem que ser a nossa vida! Cristo em nós é a vitória! Ele é o caminho da santidade!
Vida vitoriosa, vida santa, vida perfeita é o próprio Cristo! Do começo ao fim, é Cristo.
Fora dele, não somos nada. Cristo deve ter a preeminência em todas as coisas! A vida
vitoriosa que Deus nos tem dado não é autogerada, mas uma vida substituída, Cristo vive
em nós. Cristo jamais virá suplementar nossa deficiência. Não temos falta de paciência,
mas de uma pessoa viva. Deus jamais, por assim dizer, tomará um pedaço da veste de
Cristo para remendar nossos rasgões. A falta de paciência fala da falta de Cristo. Pelo
contrário, Deus quer que Cristo tenha preeminência em todas as coisas. Matar o ego não é
santidade. Santidade é Cristo. Cristo deve ter o primeiro lugar em todas as coisas! Se
Deus nos desse poder; isto nos transformaria apenas em pessoas poderosas. Mas sendo
Cristo o nosso poder, ele tem o primeiro lugar em nós. A razão por que não temos poder é
que não somos suficientemente fracos. Pois o poder de Cristo "aperfeiçoa-se na
fraqueza" IICo 12.9. Cristo não me torna poderoso; Cristo é o poder em mim!
• Hudson Taylor viu está verdade na frase "vós [sois] os ramos", Jo 15.5.
• Charles Trumbull, (autor do livro “A Vida Vitoriosa”) descobriu que “Cristo é a
vitória”.
Não preciso recorrer ao poder de Cristo para me ajudar a viver, mas preciso deixar
que o próprio Cristo viva em mim! Não é Cristo que me dá poder para ser paciente, mas
deixo que Cristo seja paciente em mim! Senhor, permito que ames por meu intermédio!
Não venço com a ajuda de Cristo, mas deixo que o próprio Cristo vença! Não venço
através dele, antes, ele vence através de mim. Com fé eu me entrego ao Senhor e deixo
que ele viva a sua própria vida através de mim. Eu não vivo com a ajuda de Cristo, mas
"Cristo vive em mim" Ga 2.20. Eu vivo pela vida de Cristo e também vivo "pela fé do
PÁGINA 13
Filho de Deus", Ga 2.20 Darby. Quando cremos e recebemos o Filho de Deus, não
recebemos apenas a sua vida, mas também a sua fé. Por isso podemos viver pela fé.
Cristo é vitória! Cristo é paciência! Cristo é amor! Não precisamos de paciência,
mansidão e amor, precisamos de Cristo. Ele deve ter preeminência em todas estas coisas.
Cristo manifesta a paciência, a mansidão e o amor através de nós.
Nós seres carnais e egoístas não possuímos méritos perante Deus, não merecemos
outra coisa que não seja a morte? Quando Deus criou Adão, deu-lhe uma ordem a
cumprir. Mas Deus não nos recriou do mesmo modo. Antes, ele nos coloca no lugar da
morte, enquanto ele mesmo vive a sua vontade em nós. Não só devemos perceber que há
um Salvador que morreu em nosso lugar no Calvário, mas também ter a percepção que
ele mesmo vive em nós e por nós agora. Deus tornou Cristo nossa sabedoria e justiça
para levarmos uma vida de santificação, a fim de permanecermos salvos e ter a
esperança da glorificação futura, onde estaremos eternamente na sua presença. “Mas vós
sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e
santificação e redenção”, ICo 1.30. Assim, Cristo realmente tem a preeminência em
todas as coisas!
Como Participar da Vida Vitoriosa de Cristo?
• Desfazendo-se totalmente de nós mesmos, do nosso ego. Ter entendimento que não
servimos para nada a não ser para a morte. Enquanto ainda temos vida em nós mesmos à
vitória de Cristo não se torna real. Cristo já habita em nós, só que não pode se manifestar,
porque não permitirmos. Temos de acabar com todo resquício desta vida carnal que
levamos, para que Deus possa operar em nós. Para que isso aconteça é preciso:
• Consagrar-se. É necessária uma consagração completa e definida deixando de lado
os nossos desejos e priorizando o caminho apertado que leva a Deus. Os nossos poderes
naturais tem de ser submetidos ao poder da cruz de Cristo.
• Crer. Crer que Cristo habita em nós e agora está vivendo através de nós. A nossa
vitória consiste em deixar que Cristo seja o Senhor de tudo em nossa vida.
A Preeminência de Cristo na Experiência do Cristão
“Convém que ele cresça e que eu diminua”, Jo 3.30.
As experiências do cristão podem ser doces ou amargas.
Experiências Doces
• Oração respondida. A oração será atendida se o seu alvo estiver em Cristo, como
primeiro em todas as coisas. Buscar primeiro o reino de Deus e a sua justiça e Deus
acrescentará tudo mais que precisarmos. Acrescentar não é dar. Acrescentar significa
adicionar ao que já temos e dar significa conceder o que não temos. Pedir em nome do
Senhor: é pedir ao Pai em nome do Senhor Jesus, a fim de que a sua vontade seja
realizada em nós. De acordo com este princípio: Aqueles que dão valor à carne não terão
nada para pedir em oração. É preciso que a cruz destrua a nossa vida natural para sermos
verdadeiros intercessores, e pedir em oração que a vontade de Deus se realize em nós!
Não devemos orar pelos nossos propósitos egoístas. Só aqueles que permitem que Cristo
tenha preeminência em todas as coisas podem entrar no Santo dos Santos. Vamos
transformar os momentos de oração pelas nossas necessidades em um momento de
oração pela obra de Deus. Se orarmos pelas coisas de Deus, ele também atenderá as
nossas necessidades pessoais. Lembre-se, que o motivo de Deus responder nossas orações
é permitir que Cristo ocupe o primeiro lugar em todas as coisas.
• Crescimento espiritual. Devemos ser como crianças, mas não permanecer crianças.
O aumento de conhecimento das Escrituras Sagradas não é crescimento. Crescimento
espiritual se refere ao aumento de Cristo em nós. Menos de mim, ausência do ego, isso é
PÁGINA 14
crescimento. Pensar pouco em si mesmo ou mais ainda, não pensar nada em si, isso é
crescimento. A verdadeira humildade é ignorar-se completamente. Quando nos vemos, a
humildade é relativa, mas quando não nos vemos mais, a humildade é absoluta; isto é
crescimento. Crescimento é deixar que Cristo tenha preeminência em minha vida:
"Convém que ele cresça e que eu diminua”, na medida em que me coloco nas mãos de
Deus, Cristo terá preeminência em todas as coisas. O verdadeiro crescimento é Cristo se
manifestando em mim.
• Iluminação. Visão espiritual é receber a luz de Deus. A revelação é uma dádiva
objetiva de Deus. Quando Deus nos ilumina para percebermos o que há na revelação, isto
é percepção subjetiva. Visão é o que vemos quando a luz de Deus brilha sobre nós: inclui
luz e revelação. Primeiro a iluminação, depois a fé. Para sermos iluminados Cristo tem
que ter a preeminência em nosso viver. "Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo
será luminoso", Mt 6.22. Não temos capacidade de entender porque a nossa mente é
mundana e distorcida; e os nossos olhos não são bons. "Bem-aventurados os limpos de
coração, porque verão a Deus", Mt 5.8. O coração tem de ser puro. "Se alguém quiser
fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus", Jo 7.17. Só
aqueles que permitem que Cristo tenha preeminência em todas as coisas receberão luz.
• Poder. Para ter poder é preciso deixar que Cristo se assente no trono de nossa vida.
Conforme ele cresce em nós, crescemos em poder. Sem entrega não pode haver poder. O
que distingue o cristão do mundo é o fato de pertencer a Cristo e estar revestido de Cristo.
Se existe algum poder em nós provem de Cristo.
Experiências Amargas
• Perdas materiais. Os crentes parecem ter dificuldades financeiras. Isto se deve à
sua falta de habilidade na escolha de ocupações apropriadas a um cristão ou por motivos
espirituais sob a permissão de Deus. Deus às vezes nos priva de nossas riquezas para nos
induzir a busca-lo. É difícil para o rico entrar no reino de Deus, por causa do amor ao
dinheiro. "Se deitares ao pó o teu ouro, então o Todo-Poderoso será o teu ouro", Jó
22.24,25. Deus lidou com os filhos de Israel no deserto, privando-os de agua, alimentos e
vestimentas, para que pudessem perceber a abundância de Deus. Quando os suprimentos
da terra acabam, se manifestam os suprimentos celestes. Dificuldades materiais levam as
pessoas a buscar a Deus como fonte de esperança. Seja qual for à dificuldade que
estivermos enfrentando devemos crer que Deus é maior e pode resolvê-las, por isso nos
regozijamos. Mas não anseie por dificuldades, porque Satanás é mestre em causa-las. É
preciso verificar sempre a origem.
• Angústia emocional. Na perda de pais, marido, esposa, filhos, parentes e amigos,
Deus está nos levando a encontrar o apoio que precisamos em Cristo. Ao passarmos por
sofrimentos desta natureza precisamos de Cristo para superar a crise. Deus não deseja nos
maltratar, Ele apenas quer que Cristo tenha primazia em nosso viver. É mais precioso
derramar lágrimas diante do Senhor do que alegrar-se diante dos homens. A paz que
provem do Senhor, não pode ser encontrada nas pessoas com quem convivemos. O
objetivo de Deus é que Cristo tenha a preeminência em todas as coisas. Não existe
felicidade permanente longe de Cristo.
• Sofrimento físico. Deus permite o sofrimento para que possamos refletir sobre a
vida pecaminosa que levamos e nos voltemos para sua Palavra à procura de libertação e
cura. Através do sofrimento físico, Deus nos ensina a orar, crer, confiar e obedecer para
que Cristo seja a razão do nosso viver.
O caminho que Deus, em sua onisciência, preparou para nós, poderá ser doce ou
amargo, o método a ser usado dependerá da nossa maleabilidade em permitir que Cristo
tenha preeminência em todas as coisas.
PÁGINA 15
7
O PLANO DE DEUS
Cristo na Obra do Cristão
”Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas
obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos
nelas”, Ef 3. 10. “Porque decidi nada saber entre vós, senão a
Jesus Cristo, e este crucificado”, ICo 2.2.”Porque não pregamos
a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor, e a nós mesmos
como vossos servos por amor de Jesus”, IICo 4.5.
Cristo Tem a Preeminência na Obra do Cristão
A vida e a experiência são interiores, enquanto a obra é exterior. Cristo deve ter
preeminência não só interna mas também externamente. Portanto Cristo deve ter o
primeiro lugar na obra do crente. Cristo é, as boas obras. Uma vez que o próprio alvo de
toda a obra de Deus é Cristo. Portanto, devemos andar nelas. Todos, temos ocupações
diárias, devemos transforma-las em boas obras para Deus. Servir a Deus e trabalhar para
Deus são coisas bem diferentes. Muitos trabalham para Deus, mas não o servem. Obras
são divinas, se a sua origem, motivação e propósito estão em Cristo. Fazer o trabalho de
Deus produz prazer e também sofrimento. Embora haja dificuldades, porem não estamos
sozinhos.
Muitas vezes trabalhamos por interesse e não por Cristo. Muitos correm de um lado
para outro a fim de obter fama. Fazem algumas obras, mas na realidade não servem a
Deus. Deus trabalha, de eternidade a eternidade, para conceder ao seu Filho a
preeminência em todas as coisas. Portanto, nós também devemos trabalhar para Cristo. Se
Deus, não purificar nossa motivação e intento, não podemos ser por Ele abençoados.
Trabalhamos por Cristo, não pelos pecadores. A medida de nosso sucesso na obra Deus
está determinada pela medida da presença de Cristo nela. Oh! Antes de iniciarmos
qualquer trabalho permitamos ao Espírito Santo desvendar os pensamentos e intentos de
nosso coração para termos a capacidade de discernir se é do Espírito ou da alma. Não
devemos trabalhar pelo nosso próprio progresso, pelo nosso próprio grupo, ou mesmo
pela nossa própria doutrina; devemos trabalhar exclusivamente por Cristo. Quando o
propósito de Deus é realizado, nós nos alegramos. Não estamos no mundo para salvar
doutrinas, mas pecadores. Não estamos na obra para gratificação do nosso ego, mas para
satisfazer o coração de Cristo. Se prosperarmos e recebermos o lucro, o Senhor nada
recebe e a nossa obra perece. Se nos alegramos com o sucesso de Deus, ficamos livres do
orgulho e da inveja.
Frequentemente buscamos nossa própria glória, bem como a glória de Deus. Deus
salva almas por amor a Cristo, não por amor a nós. Paulo plantou e Apolo regou. O
trabalho não foi feito por um só obreiro, para que não apregoassem: Eu sou de Paulo, ou
eu sou de Apolo. Todo o trabalho realizado é para Cristo e não para os obreiros. Somos
como pão na mão do Senhor. Depois que as pessoas comem, dão graças àquele que dá o
pão e não ao pão propriamente dito, que somos nós. Do começo ao fim, a obra é toda para
Cristo, nunca para nós mesmos. A nossa satisfação está na obra que o Senhor designou
para nós. Não "nos gloriarmos de coisas já realizadas em campo alheio", IICo 10.16.
Como gostamos de abandonar nosso próprio campo e pisar o campo de outrem! A
PÁGINA 16
questão não é se temos capacidade de realizar a obra, mas se Deus nos elegeu como
obreiros.
Cristo Tem a Preeminência na Mensagem do Cristão
Cristo deve também ocupar o primeiro lugar em nossa mensagem. Como foi no
tempo dos apóstolos, também devemos pregar hoje. "Cristo Jesus como Senhor", II Co
4.5, e nada mais saber, "senão a Jesus Cristo, e este crucificado", ICo 2:2. A cruz
permanece no centro da obra de Deus uma vez que o seu propósito se cumpriu, quando
Cristo passou por ela. A cruz opera para acabar com tudo aquilo que é da carne para que
Cristo tenha preeminência. Nossa mensagem central não deveria ser dispensação,
profecia, reino, batismo, denominações, falar em línguas, guarda do sábado, santidade e
assim por diante, e sim, a preeminência de Cristo. “A centralidade de Deus é Cristo”.
Cristo é o centro do propósito de Deus, portanto devemos ter Cristo como centro da nossa
vida. As verdades de toda a Bíblia estão organicamente unidas, exatamente como uma
roda com todos os seus raios e o eixo onde tudo converge é Cristo. Não, que não existam
outras verdades, além da verdade central, mas devemos ligar todas elas ao centro.
Depois de Paulo declarar que estava determinado a "nada saber entre vós, senão a
Jesus Cristo, e este crucificado", prosseguiu dizendo que expunha "sabedoria entre os
experimentados", ICo 2.2,6. Só depois que as pessoas aceitarem a Cristo como seu
Senhor e Salvador é que poderão entender as verdades mais profundas para edificar suas
vidas.
Quando trabalhamos, devemos sempre aproximar as pessoas do centro e mostrar-lhes
que Cristo é Senhor. É simplesmente impossível assumir qualquer trabalho numa base
puramente objetiva. Primeiro devemos ser quebrantados por Deus para que Cristo tenha
preeminência em nossa vida antes de ajudar os outros a aceitar a Cristo como Senhor. Se
não temos a vida de Cristo preeminente em nós, não estamos capacitados a pregar esta
mensagem aos outros. Pois nós mesmos precisamos ser a mensagem viva que pregamos.
Precisamos deixar que Cristo tenha a preeminência nas pequenas coisas do dia para que
possamos pregar a mensagem de Cristo como centro! Ah, quem dera cada um de nós
entronizasse a Cristo! Contanto que a vontade de Deus seja feita, que importa que eu não
apareça! Um muito bem do Senhor excedo a todos os louvores do mundo, Mt 25.21,23;
Lc 19.17. A face sorridente do céu ultrapassa muito os aplausos da terra. O conforto
celeste transcende as lágrimas terrenas. O maná invisível deve ser desfrutado na
eternidade. Que o Senhor abençoe sua palavra de tal maneira que nós também sejamos
glorificados juntamente com os outros.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
pohlos
 

Mais procurados (20)

A filiação de jesus
A filiação de jesusA filiação de jesus
A filiação de jesus
 
Estudo Breve de Escatologia, parte 2
Estudo Breve de Escatologia, parte 2Estudo Breve de Escatologia, parte 2
Estudo Breve de Escatologia, parte 2
 
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
[EBD Maranata] Revista Profecias | Lição 10 - O ministério profético no Novo ...
 
A natureza humana de Cristo
A natureza humana de CristoA natureza humana de Cristo
A natureza humana de Cristo
 
Lição 6 - A pecaminosidade humana e a sua restauração a Deus
Lição 6 - A pecaminosidade humana e a sua restauração a DeusLição 6 - A pecaminosidade humana e a sua restauração a Deus
Lição 6 - A pecaminosidade humana e a sua restauração a Deus
 
A divindade luz_biblia
A divindade luz_bibliaA divindade luz_biblia
A divindade luz_biblia
 
34. apocalipse 1
34. apocalipse 134. apocalipse 1
34. apocalipse 1
 
O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?O que difere o Filho do Pai?
O que difere o Filho do Pai?
 
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
Ebd 2015 daniel - 25 abr - aula 10
 
O TABERNÁCULO DE MOISÉS E SEU SIGNIFICADO
O TABERNÁCULO DE MOISÉS E SEU SIGNIFICADOO TABERNÁCULO DE MOISÉS E SEU SIGNIFICADO
O TABERNÁCULO DE MOISÉS E SEU SIGNIFICADO
 
O tabernaculo
O tabernaculoO tabernaculo
O tabernaculo
 
Lição 4 - Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará.
Lição 4 - Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará.Lição 4 - Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará.
Lição 4 - Esteja Alerta e Vigilante, Jesus Voltará.
 
Quem é o espirito santo
Quem é o espirito santoQuem é o espirito santo
Quem é o espirito santo
 
A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.A Segunda Vinda de Cristo.
A Segunda Vinda de Cristo.
 
EBD CPAD Lições bíblicas 1° trimestre 2016 Lição 5 O arrebatamento da Igreja.
EBD CPAD Lições bíblicas 1° trimestre 2016 Lição 5 O arrebatamento da Igreja.EBD CPAD Lições bíblicas 1° trimestre 2016 Lição 5 O arrebatamento da Igreja.
EBD CPAD Lições bíblicas 1° trimestre 2016 Lição 5 O arrebatamento da Igreja.
 
Estudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologiaEstudo breve de escatologia
Estudo breve de escatologia
 
A razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismoA razão da existência do adventismo
A razão da existência do adventismo
 
EBD CPAD lições bíblicas 1° trimestre 2016 lição 2 Sinais que antecedem a vol...
EBD CPAD lições bíblicas 1° trimestre 2016 lição 2 Sinais que antecedem a vol...EBD CPAD lições bíblicas 1° trimestre 2016 lição 2 Sinais que antecedem a vol...
EBD CPAD lições bíblicas 1° trimestre 2016 lição 2 Sinais que antecedem a vol...
 
Lição 7 - As Bodas do Cordeiro
Lição 7 - As Bodas do CordeiroLição 7 - As Bodas do Cordeiro
Lição 7 - As Bodas do Cordeiro
 
JESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUSJESUS FILHO DE DEUS
JESUS FILHO DE DEUS
 

Semelhante a O PLANO DE DEUS

A plenitude do mediador, por john gill
A plenitude do mediador, por john gillA plenitude do mediador, por john gill
A plenitude do mediador, por john gill
Deusdete Soares
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
ministeriotemplovivo
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
Monteiro07
 

Semelhante a O PLANO DE DEUS (20)

O plano de deus e os vencedores
O plano de deus e os vencedoresO plano de deus e os vencedores
O plano de deus e os vencedores
 
Watchman nee o plano de deus e os vencedores
Watchman nee   o plano de deus e os vencedoresWatchman nee   o plano de deus e os vencedores
Watchman nee o plano de deus e os vencedores
 
O oficio real de jesus cristo
O oficio real de jesus cristoO oficio real de jesus cristo
O oficio real de jesus cristo
 
A criacao
A criacaoA criacao
A criacao
 
A plenitude do mediador, por john gill
A plenitude do mediador, por john gillA plenitude do mediador, por john gill
A plenitude do mediador, por john gill
 
Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos
Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto CremosSeminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos
Seminário de apresentação para o estudo do livro Nisto Cremos
 
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (1)
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (1)Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (1)
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (1)
 
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciênciaInstitutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência
 
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (2)
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (2)Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (2)
Institutogamaliel.com eleição e predestinação na pré-ciência (2)
 
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareisInstitutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis
 
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis (1)
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis (1)Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis (1)
Institutogamaliel.com nunca jamais tropeçareis (1)
 
Apostila discipulado
Apostila discipuladoApostila discipulado
Apostila discipulado
 
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus CristoLição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
Lição 4 - O Senhor e Salvador Jesus Cristo
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
 
Confissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé PentecostalConfissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé Pentecostal
 
Jesus o filho de deus
Jesus o filho de deusJesus o filho de deus
Jesus o filho de deus
 
Apostasia
ApostasiaApostasia
Apostasia
 
Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103Livreto ieq-20161103
Livreto ieq-20161103
 
Institutogamaliel.com o tempo da salvação
Institutogamaliel.com o tempo da salvaçãoInstitutogamaliel.com o tempo da salvação
Institutogamaliel.com o tempo da salvação
 
Jesus filho deus
Jesus filho deusJesus filho deus
Jesus filho deus
 

Mais de Lc Passold

Mais de Lc Passold (13)

VISÕES MÍSTICAS
VISÕES MÍSTICASVISÕES MÍSTICAS
VISÕES MÍSTICAS
 
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VINHA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA VERDADEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
VIDEIRA - CURSO DE ENRIQUECIMENTO ESPIRITUAL
 
VIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REALVIDA CRISTÃ REAL
VIDA CRISTÃ REAL
 
SUPLEMENTO NUTRICIONAL
SUPLEMENTO NUTRICIONALSUPLEMENTO NUTRICIONAL
SUPLEMENTO NUTRICIONAL
 
LIVRE DO PODER DO PECADO
LIVRE DO PODER DO PECADO LIVRE DO PODER DO PECADO
LIVRE DO PODER DO PECADO
 
FUGINDO DE DEUS
FUGINDO DE DEUSFUGINDO DE DEUS
FUGINDO DE DEUS
 
DEUS APROVA O HOMOSSEXUALISMO?
DEUS APROVA O HOMOSSEXUALISMO?DEUS APROVA O HOMOSSEXUALISMO?
DEUS APROVA O HOMOSSEXUALISMO?
 
CRISTO NOSSA SUFICIENCIA
CRISTO NOSSA SUFICIENCIACRISTO NOSSA SUFICIENCIA
CRISTO NOSSA SUFICIENCIA
 
CRESCIMENTO ESPIRITUAL CRISTÃO
CRESCIMENTO ESPIRITUAL CRISTÃOCRESCIMENTO ESPIRITUAL CRISTÃO
CRESCIMENTO ESPIRITUAL CRISTÃO
 
ANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUSANDAR COM DEUS
ANDAR COM DEUS
 
A BUSCA DOS DONS ESPIRITUAIS
A BUSCA DOS DONS ESPIRITUAISA BUSCA DOS DONS ESPIRITUAIS
A BUSCA DOS DONS ESPIRITUAIS
 

Último

Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
MilyFonceca
 

Último (8)

pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
pregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptxpregacao romanos    12 9-21  honrar   uns aos outros.pptx
pregacao romanos 12 9-21 honrar uns aos outros.pptx
 
Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............Folder clube de Desbravadores.............
Folder clube de Desbravadores.............
 
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Ezequiel - slides powerpoint.pptx
 
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docxCulto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
Culto esboço de Pregação expositiva sermão em João.docx
 
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptxBíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
Bíblia Sagrada - Daniel - slide powerpoint.pptx
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação NecessáriaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 135 - Renovação Necessária
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da ProvidênciaSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 133 - Lógica da Providência
 
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De AquinoOração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
Oração Para Os Estudos São Tomás De Aquino
 

O PLANO DE DEUS

  • 1.
  • 2. PÁGINA 1 1 O PLANO DE DEUS A Centralidade e Universalidade de Cristo “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Mt 16.16, “Cristo é tudo e em todos” Cl 3.11. “Para em todas as coisas ter a primazia”, Cl 1.18, “o mistério de Deus, Cristo”, Cl 2.2. O Significado da Centralidade Por que existem todas as coisas? Deus criou todas estas coisas acidentalmente, ou foram criadas de acordo com um propósito? Por que Deus escolheu homens, enviou profetas, deu o Salvador, concedeu o Espírito Santo, edificou a Igreja e estabeleceu o reino? Por que levou a pregação do evangelho aos confins da terra para que os pecadores fossem salvos? Por que devemos alcançar os pecadores e firmar os crentes? Algumas pessoas consideram o batismo e o falar em línguas como o ponto central. Mas qual é o ponto central de Deus? Primeiro é necessário ter uma visão, antes de poder estabelecer um objetivo. Se não percebermos a centralidade de Deus em nossa vida, não temos um alvo. As verdades divinas estão todas organicamente relacionadas. Alguns decidem centralizar o seu trabalho em inclinações pessoais e necessidades circunstanciais. Mas a predeterminação e o propósito de Deus deveriam constituir o nosso centro. Qual é a centralidade de Deus? Qual é o fio que está entrelaçado através de todas as verdades divinas? Qual é a verdade global de Deus? Jesus Cristo é o centro das verdades divinas, o nosso Salvador, o Cristo de Deus, Lc 9.20. Paulo escreveu: o mistério de Deus é Cristo. Mistério é aquilo que está escondido no coração de Deus. Deus nunca tinha contado a ninguém por que criou todas as coisas, inclusive a humanidade. Durante muito tempo isto permaneceu um mistério. Mais tarde, entretanto, foi revelado a Paulo, que o mistério de Deus é Cristo. O Senhor Jesus é o Cristo de Deus, como também o Filho de Deus. No momento da concepção o anjo Gabriel disse a Maria: “o ente santo que a de nascer será chamado Filho de Deus”, Lc 1.35, e na hora do nascimento um anjo anunciou aos pastores que: “hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, o Senhor”, Lc 2.11. Pedro disse: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”, Mt 16.16. “Foi designado Filho de Deus com poder, segundo o espirito de santidade, pela ressurreição dos mortos, a saber, Jesus Cristo, nosso Senhor, Rm 1.4; e foi feito Senhor e Cristo”, At 2.36. “Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome”, Jo 20.31. O Senhor Jesus é o Cristo de Deus porque foi ungido por Deus. De eternidade a eternidade, ele é o Filho de Deus. Ele se tornou o Cristo desde o momento em que o plano de Deus foi traçado.
  • 3. PÁGINA 2 "Ele é a cabeça do corpo da igreja; para que em todas as coisas tenha primazia", Cl 1.18. O plano de Deus está centralizado em seu Filho para que Cristo seja tudo em todos. Em Cristo, Deus criou todas as coisas, para que elas manifestem a sua glória. Hoje em dia os crentes estão manifestando muito pouco de Cristo. Mas um dia todas as coisas manifestarão a Cristo, porque todo o universo o conhecerá. O desejo de Deus é que o homem seja como o seu Filho, tenha a vida e a glória do seu Filho, para que o seu Filho unigênito seja o primogênito entre seus muitos filhos. Deus criou e redimiu o homem, tudo por amor a Cristo. A redenção foi realizada com a intenção reestabelecer o alvo da criação. Cristo é o esposo e nós a noiva. Ele é a pedra de esquina e nós as muitas pedras vivas do edifício. Deus nos criou para satisfazer o coração de Cristo. A centralidade de Deus é Cristo, pois todas as coisas foram criadas por ele e para ele. O propósito divino é que todas as coisas possam manifestar a glória de Cristo e que o homem possa ser igual a Cristo, tendo sua vida e sua glória.
  • 4. PÁGINA 3 2 O PLANO DE DEUS Cristo na Eternidade Passada Cristo Tem Preeminência no Plano de Deus “E manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida agora dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus nosso Senhor”, Ef 3.9-11, “que Deus derramou abundantemente sobre nós em toda a sabedoria e prudência, desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade”, Ef 1.8-11. “Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade [ou, do teu prazer] vieram a existir e foram criadas”, Ap 4.11. “Todavia, para nós há um só Deus, o Pai, de quem são todas as coisas e para quem existimos; e um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele” ICo 8.6. “Porque dele e por meio dele e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém”, Rm 11.36. Antes mesmo da criação do mundo Deus tinha um plano, e este plano foi realizado em Cristo que reuniu nele todas as coisas que existem nos céus e na terra. O Plano de Deus: Dar Todas as Coisas a Cristo “Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para encher todas as coisas”, Ef 4.10. “O Pai ama ao Filho, e todas as coisas tem confiado às suas mãos”, Jo 3.35. “Sabendo este que o Pai tudo confiara às suas mãos, e que ele viera de Deus e voltará para Deus”, Jo 13.3.“Agora eles reconhecem que todas as coisas que me tens dado, provêm de Ti”, Jo 17.7, Antes da fundação do mundo Deus predeterminou uma casa sobre a qual o Filho governaria. Deus deu todas as coisas ao Filho como herança. O Pai planeja, o Filho herda tudo o que o Pai planejou o Espírito Santo realiza. O Pai é o planejador, o Filho o herdeiro e o Espírito Santo o executor. Desde a eternidade o Pai amava o Filho. Quando o Filho vem ao mundo o Pai ainda declara: "Este é o meu Filho amado", Mt 3.17. O Pai ama o Filho e entregou todas as coisas em suas mãos. Quando o Filho enfrentou a morte sabia que o Pai havia entregado todas as coisas em suas mãos, Jo 13.3. Sua ressurreição e ascensão visam o cumprimento de todas as coisas, Ef 4.10.
  • 5. PÁGINA 4 3 O PLANO DE DEUS Cristo na Criação Cristo Tem a Preeminência na Criação de Todas as Coisas “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez”, Jo 1.1-3. “Estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu”, Jo 1.10, “pois nele foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele”, Cl 1.16,17. “Pelo qual também fez o universo” literalmente, os séculos, Hb 1.2, “sustentando todas as coisas pela palavra do seu poder”, Hb 1.3, “um só Senhor, Jesus Cristo, pelo qual são todas as coisas, e nós também por ele”, I Co 8.6. O Pai planeja de acordo com a sua vontade, o Filho aprova e cria e o Espírito Santo energiza para que se realize. O Filho é o criador de todas as coisas, é "o primogênito de toda a criação", Cl 1.15 e tem preeminência sobre todas as coisas. Ele é "o princípio da criação de Deus", Ap 3.14. Deus, em seu plano eterno, predeterminou antes da criação do mundo que o Filho criaria todas as coisas e se tornaria carne para realizar a redenção IPe 1.18-20. No plano de Deus, o Filho é a cabeça de toda a criação. O Pai planeja e o Filho cria. Depois da obra da criação ser consumada, toda a criação foi entregue ao Filho. A razão da criação de todas as coisas é satisfazer o coração do Filho. Oh! Como é grande o amor do Filho! Ele é o Alfa e o Ômega. Ele é o Alfa, porque todas as coisas foram criadas por ele, e o Ômega, porque todas as coisas serão para ele. O Motivo da Criação do Mundo “Vindo, porém, a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus aos nossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai. De sorte que já não és escravo, porém filho; e, sendo filho, também herdeiro por Deus”, Ga 4.4-7. “Porquanto os que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou”, Rm 8.29-30. “Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo o homem. Porque convinha que aquele, por cuja causa e por quem todas as coisas existem,
  • 6. PÁGINA 5 conduzindo muitos filhos à glória, aperfeiçoasse por meio de sofrimentos o Autor da salvação deles”, Hb 2.9-10. Deus criou o homem para que o homem seja igual a Cristo, tendo a vida e a glória de Cristo. Assim como Deus se manifestou através de Cristo, também se manifestará através dos homens. Deus nos chama para que nos tornemos participantes da vida de seu Filho, sendo feitos conforme a imagem do seu Filho, para que o seu Filho seja o primogênito entre muitos irmãos. Desde a eternidade passada até a ressurreição, o Senhor Jesus era o Filho unigênito. Mas, depois que ressuscitou dos mortos, tornou-se o Filho primogênito. Por isso, após a ressurreição ele diz a Maria Madalena: "Vai ter com os meus irmãos, e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai", Jo 20.17. Estes muitos filhos tornaram-se filhos por meio do Filho unigênito. Pela morte do Filho unigênito de Deus nasceram muitos filhos. Mas Deus, além nos dar a vida do seu Filho, Ele também nos tornou coerdeiros com o ele. O Filho se fez carne, tornando-se um pouco menor do que os anjos; mas depois foi coroado com honra e glória. Ele deve conduzir muitos filhos à glória. A razão de Deus criar o homem é para que ele receba a vida do seu Filho e assim possa entrar na glória com ele. Tudo é para satisfazer o coração do seu Filho. Deus predestinou o homem para que fosse conforme a imagem do seu Filho. A predestinação está de acordo com a presciência de Deus e está relacionada com nosso destino futuro. A eleição se destina a esta dispensação e a predestinação se refere à eternidade. O que significa ser conforme a imagem do seu Filho? Deus toma o seu Filho como molde ou matriz, e nesta matriz Ele imprime os muitos filhos, para que o seu Filho seja o primogênito entre muitos. Ele não só nos concede a glória do seu Filho como também nos dá a vida dele, Rm 8.29-30. Ele motiva o seu Filho a levar muitos filhos para a glória. O Filho de Deus é aquele que santifica, nós somos os santificados e todos de um só; significa que temos um só Pai; “por isso, é que ele não se envergonha de lhes chamar irmãos", Hb 2.10,11. Cristo, agora está em nós com o propósito de nos tornar filhos de Deus. No futuro ele nos conduzirá à glória. "Cristo em vós, a esperança da glória", Cl 1.27. Hoje somos filhos de Deus e, no futuro, entraremos na glória com Cristo, Rm 8.16,17. É a vontade de Deus distribuir a vida do seu Filho a muitos para capacitá-los a se tornarem filhos, a fim de que o seu Filho possa tornar-se o primogênito entre muitos filhos; de maneira que ele possa ter a preeminência em todas as coisas. Há uma diferença entre o Cristo pessoal e o Cristo incorporado: Antes de sua morte e ressurreição, só havia o Cristo pessoal, o unigênito. Mas depois de sua morte e ressurreição, Ele distribuiu sua vida a muitos, formando assim o Cristo incorporado. O que Deus Predestinou Antes da Fundação do Mundo “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo”, Jo 17.24, “assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade”, Ef 1.4,5, “que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos”, IITm 1.9,10.
  • 7. PÁGINA 6 Antes da fundação do mundo Deus determinou que o Filho fosse o Cristo, para que nele nos tornássemos filhos e herdeiros. Antes de sermos criados, Deus predestinou que participaríamos da vida de seu Filho (não de sua divindade). Deus sabia que Satanás se rebelaria e faria com que todas as coisas discordassem de sua Palavra. Deus também sabia que o homem iria pecar e cair. Por isso, Ele e o Filho tinham um plano de redenção, antes mesmo da fundação do mundo. O Filho viria ao mundo para ser crucificado, a fim de reconciliar todas as coisas com o seu propósito. Resgatar a humanidade caída e resolver o problema da rebelião de Satanás. O que Deus Predestinou para seus filhos “Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde benditos de meu Pai! entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo”, Mt 25.34. “Nós, porém, que cremos, entramos no descanso”, Hb 4.3. A realização do plano de Deus começa desde a fundação do mundo. O Senhor é o Cordeiro morto desde a fundação do mundo. Os nomes foram escritos no livro da vida desde a fundação do mundo. As obras da criação de Deus foram concluídas na fundação do mundo. O reino eterno de Deus também foi preparado desde a fundação do mundo.
  • 8. PÁGINA 7 4 O PLANO DE DEUS Cristo na Eternidade Futura Cristo Tem Preeminência na Eternidade Futura “Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”, Fp 2.9-11. “Tu és digno, Senhor e Deus nosso, de receber a glória, a honra e o poder, porque todas as coisas tu criaste, sim, por causa da tua vontade vieram a existir e foram criadas, Ap 4:11. “Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riqueza, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e louvor. Então ouvi que toda criatura que há no céu e sobre a terra, debaixo da terra e sobre o mar, e tudo que neles há, estava dizendo: Àquele que está sentado no trono, e ao Cordeiro, seja o louvor, e a honra, e a glória, e o domínio pelos séculos dos séculos. E os quatro seres viventes respondiam: Amém; também os anciãos prostraram-se e adoraram”. Ap 5.12-14. “Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele, porque havemos de vê-lo como ele é”, IJo 3.2. “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, para uma herança incorruptível, sem mácula, imarcescível, reservada nos céus para vós outros”, IPe 1.3,4. “Então me mostrou o rio da água da vida, brilhante como cristal, que sai do trono de Deus e do Cordeiro. No meio da sua praça, de uma e outra margem do rio, está a árvore da vida, que produz doze frutos, dando o seu fruto de mês em mês, e as folhas da árvore são para a cura dos povos. Nunca mais haverá qualquer maldição. Nela estará o trono de Deus e do Cordeiro. Os seus servos o servirão, contemplarão a sua face, e nas suas frontes está o nome dele. Então já não haverá noite, nem precisam eles de luz de candeia, nem da luz do sol, porque o Senhor Deus brilhará sobre eles, e reinarão pelos séculos dos séculos”, Ap 22.1-5. Depois que Cristo ressuscitou "Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, pois Deus o fez Senhor e Cristo" At 2.36. Todas as coisas louvam a Deus, por causa da gloria de Jesus Cristo depois de sua ressurreição e ascensão, Ap 5.9. Depois da rebelião de Satanás e da queda do homem, toda a criação está sujeita à vaidade, Rm 8.20. Vaidade significa fracasso nos resultados pretendidos, perda do
  • 9. PÁGINA 8 propósito original, falta de direção. Hoje, todas as coisas estão sujeitas à vaidade, à espera da manifestação do Filho de Deus. Durante este período de espera todas as coisas estão sob o cativeiro da corrupção, tal como a degradação dos animais, dos seres humanos, a morte das árvores e assim por diante. Contudo, a criação espera ser libertada deste cativeiro. Por causa disto, toda a criação geme e luta junto, sofrendo até agora. No dia em que nosso corpo for glorificado todas as coisas serão postas em liberdade. Porém, hoje mesmo podemos antegozar os poderes do século vindouro, Hb 6.5. A igreja antegoza os poderes do século vindouro, e a dispensação do reino antegoza os poderes da eternidade. Quando o Senhor voltar nós seremos semelhantes a Ele, IJo 3.2. Seremos filhos: com a vida e a natureza de Deus; e também seremos herdeiros: porque receberemos a herança e a glória de Deus. Após o reino milenar, Cristo estabelecerá novo céu e nova terra, Ap 21 e 22. Na nova terra os salvos desfrutarão da presença de Deus, e do Cordeiro; e habitarão na cidade santa, a Nova Jerusalém. Na Nova Jerusalém a glória de Deus é a luz e o Cordeiro a sua lâmpada, Ap 21.9-23. Assim como a luz é ampliada através de uma lâmpada, Deus é engrandecido pelo Cordeiro. O centro desta cidade é Deus e o Cordeiro. A luz gloriosa de Deus está no Cordeiro. O Cordeiro ilumina a cidade e a luz da cidade ilumina as nações. A cidade só tem uma rua e um rio (Nunca ninguém vai se perder dentro dela, pois só tem uma rua. Evidentemente a rua desce em espiral). O rio está localizado no meio da rua e corre ao longo dela. Ambos, a rua e o rio procedem do trono de Deus e do Cordeiro, uma vez que Deus e o Cordeiro são o centro. "Quando, porém, todas as coisas lhe estiverem sujeitas, então o próprio Filho também se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos", ICo 15.28. Vemos que o alvo e propósito em tudo o que Deus faz de eternidade a eternidade é dar ao Filho a preeminência em todas as coisas, pois o propósito de Deus é fazer de seu Filho o Senhor de tudo.
  • 10. PÁGINA 9 5 O PLANO DE DEUS Cristo na Redenção Cristo Tem a Preeminência na Redenção “reunir todas as coisas em Cristo, tanto as do céu como as da terra”, Ef 1.10, O plano de Deus é: • Que todas as coisas possam manifestar a glória de Cristo, para que todas as coisas estejam sujeitas a Cristo. • Que o homem possa ser semelhante a Cristo, tendo sua vida e sua glória. Deus criou o homem e todas as coisas com o intento de que todas as coisas manifestem a Cristo, especialmente o homem, que deveria ser semelhante a Cristo, tendo Sua vida e Sua glória. Mas Satanás rebelou-se e criou tal interferência, que todas as coisas se tornaram contraditórias e o homem caiu no pecado. Deus reagiu com a redenção para reposicionar o ser humano ao Seu propósito original. Consequentemente, a redenção de Cristo deve: • Reconciliar todas as coisas com Deus. • Redimir a humanidade caída, comunicando Sua vida ao homem. • Resolver o problema da rebelião de Satanás. • Resolver o problema do pecado do homem. A redenção de Cristo tem por alvo restabelecer o duplo propósito de Deus: reconciliar todas as coisas e conceder Sua vida ao homem; e também resolver o duplo problema: a rebelião de Satanás e o pecado do homem. A redenção não foi uma medida improvisada, pelo contrário, foi uma ação planejada desde a fundação do mundo. Cristo não veio ao mundo para ser um segundo Adão, porque Adão foi criado à imagem de Cristo. O Plano de Deus “Façamos o homem a nossa imagem, conforme nossa semelhança”, Gn 1.26. Deus executando o plano “Criou Deus, pois, o homem a sua imagem”, Gn 1.27. Deus criou o homem à Imagem do Filho. “Só o Filho é que tem uma Imagem na divindade”. Portanto, Adão foi criado segundo a imagem de Cristo. Adão "o qual prefigurava [Cristo] aquele que havia de vir", Rm 5.14. A vinda de Cristo a este mundo não foi um ato de emergência; foi antecipadamente planejada por Deus. Antes mesmo da fundação do mundo, Cristo foi ungido. Cristo não se restringe ao tempo e ao espaço. Ele é o Cristo que completa o universo. Os quatro Evangelhos apresentam Cristo como o homem universal. O primeiro acontecimento do plano da redenção é o nascimento de Cristo. Tornando- se homem Ele desce da posição de Criador para o lugar de criatura. Assumindo o corpo de criatura, é capaz de morrer pelo homem e por todas as coisas. A Redenção de Cristo Reconcilia Todas as Coisas com Deus Considerando que todas as coisas foram criadas em Cristo, Cl 1.16, então Deus pode lidar com todas as coisas por meio de Cristo. Portanto, em Cristo, todas as coisas foram resolvidas por Deus.
  • 11. PÁGINA 10 Assim como, o sumo sacerdote Levi pagou dizimo a Melquisedeque, mesmo antes de ter nascido, somente pelo fato de ser descendente de Abraão, que foi quem efetivamente pagou este dizimo. Hb 7.9,10. Também nós, mesmo antes de ter nascido, fomos crucificados com Cristo mediante a sua morte na cruz, Hb 2.9. Na cruz ele reconcilia todas as coisas com Deus, Cl 1.20. O alcance da redenção de Cristo atinge não só a humanidade, mas também todas as coisas criadas. Todas as coisas, que não pecaram, não precisarão ser redimidas, mas simplesmente reconciliadas. A Redenção de Cristo Transmite sua Vida aos Homens. Na obra da redenção, Cristo não só reconcilia todas as coisas com Deus, mas também dá vida ao homem, para que este possa tornar-se semelhante a Ele. Esta é a liberação de sua vida ao homem caído. Enquanto Cristo estava na terra, sua vida divina encontrava-se prisioneira de seu corpo físico por isso era grandemente restrita. Enquanto se encontrava em Jerusalém, não podia estar na Galileia. Sua morte, portanto, libertou sua vida que estava aprisionada. O grão de trigo mencionado em, Jo 12.24, é o Filho unigênito de Deus. A vida do grão de trigo está escondida dentro da palha. Se não cair na terra, e não morrer fica só, mas se cair na terra e morrer, a palha se decompõe e a vida interior é libertada para dar muitos frutos. Cada um dos muitos grãos é semelhante ao grão original. Também se pode dizer que cada um dos grãos está naquele primeiro grão. Cristo morreu para nos gerar. Antes da morte ele é o Filho unigênito, mas depois da ressurreição, torna- se o Filho primogênito entre muitos filhos. Portanto, a cruz de Cristo é a grande emancipação da sua vida! Através da morte Ele distribui sua vida a todos que crerem nele. A Redenção de Cristo Resolve o Problema da Rebelião de Satanás. Satanás sabia muito bem que se pudesse injetar seu veneno no primeiro casal, o veneno se propagaria a todos os seus descendentes. E assim, nossos antepassados cometeram fornicação espiritual, e o veneno da falsidade e do pecado entraram na alma deles. Considerando que a vida da alma está no sangue, Lv 17.11, o pecado foi reproduzido através das gerações, "de um só sangue fez todas as nações dos homens", At 17.26, Stephens. O veneno do pecado injetado no primeiro casal fluiu para todas as gerações através do sangue. O sangue de Cristo não contém nenhum veneno, não teve a participação do homem. É sangue precioso e incorruptível. Na cruz ele assumiu os pecados de muitos e derramou todo o seu sangue na morte. Quando Cristo ressuscitou dos mortos não tinha sangue. Depois de sua ressurreição tem carne e ossos, mas não tem sangue, "porquanto derramou a sua alma na morte", Is 53.12. Em Cristo nosso sangue também já foi derramado. Por isso, Satanás não tem mais base de operação em nossas vidas. O sangue de Cristo destruiu e acabou com Satanás e tudo o que é dele. Não é só a cruz de Cristo que vence a Satanás o seu sangue também. O Problema do Pecado. Nossos pecados exigiam a nossa morte, então veio Cristo e morreu em nosso lugar: • Sua morte substitutiva encerra nosso processo criminal diante de Deus. • Sua morte representativa liberta-nos do domínio do pecado e de Satanás. Assim, a morte de Cristo realiza o propósito duplo de Deus e, ao mesmo tempo, soluciona o duplo problema de Deus. A Vitória de Cristo na cruz satisfaz completamente a Deus. Deus permite que permaneçamos na terra para proclamá-la por toda a criação, Cl 1.23. No batismo e no partir do pão representamos e apresentamos a vitória da morte de Cristo diante dos santos anjos, das nações e de toda a criação.
  • 12. PÁGINA 11 O Propósito da Redenção “O propósito da redenção de Cristo é tornar-nos um povo de sua exclusiva propriedade”, Tt 2.14, “para que possamos ser um sacrifício vivo”, Rm 12.1: “vivendo e morrendo por ele”, Rm 14.7-9 e IICo 5.15 “servindo como o Templo do Espírito Santo para glorificar a Deus”, ICo 6.19,20, “para que Cristo possa ser engrandecido em nós, pela vida ou pela morte, porque para nós o viver é Cristo”, Fp 1.20,21. O alvo da redenção é dar a Cristo a preeminência em todas as coisas. Para ser o primeiro em todas as coisas, Cristo deve ter a preeminência em nossa vida. Porque nós somos as primícias de toda a criação, Tg 1:18. Se nos sujeitarmos a Cristo, todas as outras coisas, também se sujeitarão. A cruz opera em nossas vidas permitindo que Deus realize seu propósito em nós. A cruz nos engrandece em Cristo! A cruz busca para Cristo o lugar de preeminência. Deus usa a cruz, a qual por sua vez, opera através das circunstancias, cavando profundamente em nossas vidas para que conheçamos a Cristo e sejamos preenchidos da sua presença, e assim, sua preeminência se manifeste em nós. A redenção de Cristo tem o propósito de realizar o plano de Deus, que foi preparado antes da fundação do mundo, para que Cristo tenha o primeiro lugar em todas as coisas.
  • 13. PÁGINA 12 6 O PLANO DE DEUS A Experiência da Vida Cristã Cristo Tem a Preeminência na Vida do Cristão “Pois o amor de Cristo nos constrange, julgando nós isto: um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si mesmos, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou”, IICo 5.14,15. “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim”, Ga 2.20. Como é a vida de um cristão? Muitas pessoas pensam que por resolver o problema do seu mau gênio podem consideram-se livres do pecado. Alguns imaginam que sendo pacientes, humildes e gentis são vitoriosos e santos. Alguns creem que, lendo a Bíblia, orando mais e tomando cuidado em permanecer no Senhor para serem fortalecidos, terão a vitória e tal conduta resultará em santidade. Alguns acreditam se vencer o ego e a carne serão vitoriosos e santos. Alguns reconhecem que o poder está em Cristo e que nossa carne já foi crucificada, creem que devem, pela fé, recorrer ao poder de Cristo para vencer e ser santos. Todas as pressuposições são importantes, mas para sermos vitoriosos e santos, Cristo tem que ser a nossa vida! Cristo em nós é a vitória! Ele é o caminho da santidade! Vida vitoriosa, vida santa, vida perfeita é o próprio Cristo! Do começo ao fim, é Cristo. Fora dele, não somos nada. Cristo deve ter a preeminência em todas as coisas! A vida vitoriosa que Deus nos tem dado não é autogerada, mas uma vida substituída, Cristo vive em nós. Cristo jamais virá suplementar nossa deficiência. Não temos falta de paciência, mas de uma pessoa viva. Deus jamais, por assim dizer, tomará um pedaço da veste de Cristo para remendar nossos rasgões. A falta de paciência fala da falta de Cristo. Pelo contrário, Deus quer que Cristo tenha preeminência em todas as coisas. Matar o ego não é santidade. Santidade é Cristo. Cristo deve ter o primeiro lugar em todas as coisas! Se Deus nos desse poder; isto nos transformaria apenas em pessoas poderosas. Mas sendo Cristo o nosso poder, ele tem o primeiro lugar em nós. A razão por que não temos poder é que não somos suficientemente fracos. Pois o poder de Cristo "aperfeiçoa-se na fraqueza" IICo 12.9. Cristo não me torna poderoso; Cristo é o poder em mim! • Hudson Taylor viu está verdade na frase "vós [sois] os ramos", Jo 15.5. • Charles Trumbull, (autor do livro “A Vida Vitoriosa”) descobriu que “Cristo é a vitória”. Não preciso recorrer ao poder de Cristo para me ajudar a viver, mas preciso deixar que o próprio Cristo viva em mim! Não é Cristo que me dá poder para ser paciente, mas deixo que Cristo seja paciente em mim! Senhor, permito que ames por meu intermédio! Não venço com a ajuda de Cristo, mas deixo que o próprio Cristo vença! Não venço através dele, antes, ele vence através de mim. Com fé eu me entrego ao Senhor e deixo que ele viva a sua própria vida através de mim. Eu não vivo com a ajuda de Cristo, mas "Cristo vive em mim" Ga 2.20. Eu vivo pela vida de Cristo e também vivo "pela fé do
  • 14. PÁGINA 13 Filho de Deus", Ga 2.20 Darby. Quando cremos e recebemos o Filho de Deus, não recebemos apenas a sua vida, mas também a sua fé. Por isso podemos viver pela fé. Cristo é vitória! Cristo é paciência! Cristo é amor! Não precisamos de paciência, mansidão e amor, precisamos de Cristo. Ele deve ter preeminência em todas estas coisas. Cristo manifesta a paciência, a mansidão e o amor através de nós. Nós seres carnais e egoístas não possuímos méritos perante Deus, não merecemos outra coisa que não seja a morte? Quando Deus criou Adão, deu-lhe uma ordem a cumprir. Mas Deus não nos recriou do mesmo modo. Antes, ele nos coloca no lugar da morte, enquanto ele mesmo vive a sua vontade em nós. Não só devemos perceber que há um Salvador que morreu em nosso lugar no Calvário, mas também ter a percepção que ele mesmo vive em nós e por nós agora. Deus tornou Cristo nossa sabedoria e justiça para levarmos uma vida de santificação, a fim de permanecermos salvos e ter a esperança da glorificação futura, onde estaremos eternamente na sua presença. “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação e redenção”, ICo 1.30. Assim, Cristo realmente tem a preeminência em todas as coisas! Como Participar da Vida Vitoriosa de Cristo? • Desfazendo-se totalmente de nós mesmos, do nosso ego. Ter entendimento que não servimos para nada a não ser para a morte. Enquanto ainda temos vida em nós mesmos à vitória de Cristo não se torna real. Cristo já habita em nós, só que não pode se manifestar, porque não permitirmos. Temos de acabar com todo resquício desta vida carnal que levamos, para que Deus possa operar em nós. Para que isso aconteça é preciso: • Consagrar-se. É necessária uma consagração completa e definida deixando de lado os nossos desejos e priorizando o caminho apertado que leva a Deus. Os nossos poderes naturais tem de ser submetidos ao poder da cruz de Cristo. • Crer. Crer que Cristo habita em nós e agora está vivendo através de nós. A nossa vitória consiste em deixar que Cristo seja o Senhor de tudo em nossa vida. A Preeminência de Cristo na Experiência do Cristão “Convém que ele cresça e que eu diminua”, Jo 3.30. As experiências do cristão podem ser doces ou amargas. Experiências Doces • Oração respondida. A oração será atendida se o seu alvo estiver em Cristo, como primeiro em todas as coisas. Buscar primeiro o reino de Deus e a sua justiça e Deus acrescentará tudo mais que precisarmos. Acrescentar não é dar. Acrescentar significa adicionar ao que já temos e dar significa conceder o que não temos. Pedir em nome do Senhor: é pedir ao Pai em nome do Senhor Jesus, a fim de que a sua vontade seja realizada em nós. De acordo com este princípio: Aqueles que dão valor à carne não terão nada para pedir em oração. É preciso que a cruz destrua a nossa vida natural para sermos verdadeiros intercessores, e pedir em oração que a vontade de Deus se realize em nós! Não devemos orar pelos nossos propósitos egoístas. Só aqueles que permitem que Cristo tenha preeminência em todas as coisas podem entrar no Santo dos Santos. Vamos transformar os momentos de oração pelas nossas necessidades em um momento de oração pela obra de Deus. Se orarmos pelas coisas de Deus, ele também atenderá as nossas necessidades pessoais. Lembre-se, que o motivo de Deus responder nossas orações é permitir que Cristo ocupe o primeiro lugar em todas as coisas. • Crescimento espiritual. Devemos ser como crianças, mas não permanecer crianças. O aumento de conhecimento das Escrituras Sagradas não é crescimento. Crescimento espiritual se refere ao aumento de Cristo em nós. Menos de mim, ausência do ego, isso é
  • 15. PÁGINA 14 crescimento. Pensar pouco em si mesmo ou mais ainda, não pensar nada em si, isso é crescimento. A verdadeira humildade é ignorar-se completamente. Quando nos vemos, a humildade é relativa, mas quando não nos vemos mais, a humildade é absoluta; isto é crescimento. Crescimento é deixar que Cristo tenha preeminência em minha vida: "Convém que ele cresça e que eu diminua”, na medida em que me coloco nas mãos de Deus, Cristo terá preeminência em todas as coisas. O verdadeiro crescimento é Cristo se manifestando em mim. • Iluminação. Visão espiritual é receber a luz de Deus. A revelação é uma dádiva objetiva de Deus. Quando Deus nos ilumina para percebermos o que há na revelação, isto é percepção subjetiva. Visão é o que vemos quando a luz de Deus brilha sobre nós: inclui luz e revelação. Primeiro a iluminação, depois a fé. Para sermos iluminados Cristo tem que ter a preeminência em nosso viver. "Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso", Mt 6.22. Não temos capacidade de entender porque a nossa mente é mundana e distorcida; e os nossos olhos não são bons. "Bem-aventurados os limpos de coração, porque verão a Deus", Mt 5.8. O coração tem de ser puro. "Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus", Jo 7.17. Só aqueles que permitem que Cristo tenha preeminência em todas as coisas receberão luz. • Poder. Para ter poder é preciso deixar que Cristo se assente no trono de nossa vida. Conforme ele cresce em nós, crescemos em poder. Sem entrega não pode haver poder. O que distingue o cristão do mundo é o fato de pertencer a Cristo e estar revestido de Cristo. Se existe algum poder em nós provem de Cristo. Experiências Amargas • Perdas materiais. Os crentes parecem ter dificuldades financeiras. Isto se deve à sua falta de habilidade na escolha de ocupações apropriadas a um cristão ou por motivos espirituais sob a permissão de Deus. Deus às vezes nos priva de nossas riquezas para nos induzir a busca-lo. É difícil para o rico entrar no reino de Deus, por causa do amor ao dinheiro. "Se deitares ao pó o teu ouro, então o Todo-Poderoso será o teu ouro", Jó 22.24,25. Deus lidou com os filhos de Israel no deserto, privando-os de agua, alimentos e vestimentas, para que pudessem perceber a abundância de Deus. Quando os suprimentos da terra acabam, se manifestam os suprimentos celestes. Dificuldades materiais levam as pessoas a buscar a Deus como fonte de esperança. Seja qual for à dificuldade que estivermos enfrentando devemos crer que Deus é maior e pode resolvê-las, por isso nos regozijamos. Mas não anseie por dificuldades, porque Satanás é mestre em causa-las. É preciso verificar sempre a origem. • Angústia emocional. Na perda de pais, marido, esposa, filhos, parentes e amigos, Deus está nos levando a encontrar o apoio que precisamos em Cristo. Ao passarmos por sofrimentos desta natureza precisamos de Cristo para superar a crise. Deus não deseja nos maltratar, Ele apenas quer que Cristo tenha primazia em nosso viver. É mais precioso derramar lágrimas diante do Senhor do que alegrar-se diante dos homens. A paz que provem do Senhor, não pode ser encontrada nas pessoas com quem convivemos. O objetivo de Deus é que Cristo tenha a preeminência em todas as coisas. Não existe felicidade permanente longe de Cristo. • Sofrimento físico. Deus permite o sofrimento para que possamos refletir sobre a vida pecaminosa que levamos e nos voltemos para sua Palavra à procura de libertação e cura. Através do sofrimento físico, Deus nos ensina a orar, crer, confiar e obedecer para que Cristo seja a razão do nosso viver. O caminho que Deus, em sua onisciência, preparou para nós, poderá ser doce ou amargo, o método a ser usado dependerá da nossa maleabilidade em permitir que Cristo tenha preeminência em todas as coisas.
  • 16. PÁGINA 15 7 O PLANO DE DEUS Cristo na Obra do Cristão ”Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas”, Ef 3. 10. “Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado”, ICo 2.2.”Porque não pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus como Senhor, e a nós mesmos como vossos servos por amor de Jesus”, IICo 4.5. Cristo Tem a Preeminência na Obra do Cristão A vida e a experiência são interiores, enquanto a obra é exterior. Cristo deve ter preeminência não só interna mas também externamente. Portanto Cristo deve ter o primeiro lugar na obra do crente. Cristo é, as boas obras. Uma vez que o próprio alvo de toda a obra de Deus é Cristo. Portanto, devemos andar nelas. Todos, temos ocupações diárias, devemos transforma-las em boas obras para Deus. Servir a Deus e trabalhar para Deus são coisas bem diferentes. Muitos trabalham para Deus, mas não o servem. Obras são divinas, se a sua origem, motivação e propósito estão em Cristo. Fazer o trabalho de Deus produz prazer e também sofrimento. Embora haja dificuldades, porem não estamos sozinhos. Muitas vezes trabalhamos por interesse e não por Cristo. Muitos correm de um lado para outro a fim de obter fama. Fazem algumas obras, mas na realidade não servem a Deus. Deus trabalha, de eternidade a eternidade, para conceder ao seu Filho a preeminência em todas as coisas. Portanto, nós também devemos trabalhar para Cristo. Se Deus, não purificar nossa motivação e intento, não podemos ser por Ele abençoados. Trabalhamos por Cristo, não pelos pecadores. A medida de nosso sucesso na obra Deus está determinada pela medida da presença de Cristo nela. Oh! Antes de iniciarmos qualquer trabalho permitamos ao Espírito Santo desvendar os pensamentos e intentos de nosso coração para termos a capacidade de discernir se é do Espírito ou da alma. Não devemos trabalhar pelo nosso próprio progresso, pelo nosso próprio grupo, ou mesmo pela nossa própria doutrina; devemos trabalhar exclusivamente por Cristo. Quando o propósito de Deus é realizado, nós nos alegramos. Não estamos no mundo para salvar doutrinas, mas pecadores. Não estamos na obra para gratificação do nosso ego, mas para satisfazer o coração de Cristo. Se prosperarmos e recebermos o lucro, o Senhor nada recebe e a nossa obra perece. Se nos alegramos com o sucesso de Deus, ficamos livres do orgulho e da inveja. Frequentemente buscamos nossa própria glória, bem como a glória de Deus. Deus salva almas por amor a Cristo, não por amor a nós. Paulo plantou e Apolo regou. O trabalho não foi feito por um só obreiro, para que não apregoassem: Eu sou de Paulo, ou eu sou de Apolo. Todo o trabalho realizado é para Cristo e não para os obreiros. Somos como pão na mão do Senhor. Depois que as pessoas comem, dão graças àquele que dá o pão e não ao pão propriamente dito, que somos nós. Do começo ao fim, a obra é toda para Cristo, nunca para nós mesmos. A nossa satisfação está na obra que o Senhor designou para nós. Não "nos gloriarmos de coisas já realizadas em campo alheio", IICo 10.16. Como gostamos de abandonar nosso próprio campo e pisar o campo de outrem! A
  • 17. PÁGINA 16 questão não é se temos capacidade de realizar a obra, mas se Deus nos elegeu como obreiros. Cristo Tem a Preeminência na Mensagem do Cristão Cristo deve também ocupar o primeiro lugar em nossa mensagem. Como foi no tempo dos apóstolos, também devemos pregar hoje. "Cristo Jesus como Senhor", II Co 4.5, e nada mais saber, "senão a Jesus Cristo, e este crucificado", ICo 2:2. A cruz permanece no centro da obra de Deus uma vez que o seu propósito se cumpriu, quando Cristo passou por ela. A cruz opera para acabar com tudo aquilo que é da carne para que Cristo tenha preeminência. Nossa mensagem central não deveria ser dispensação, profecia, reino, batismo, denominações, falar em línguas, guarda do sábado, santidade e assim por diante, e sim, a preeminência de Cristo. “A centralidade de Deus é Cristo”. Cristo é o centro do propósito de Deus, portanto devemos ter Cristo como centro da nossa vida. As verdades de toda a Bíblia estão organicamente unidas, exatamente como uma roda com todos os seus raios e o eixo onde tudo converge é Cristo. Não, que não existam outras verdades, além da verdade central, mas devemos ligar todas elas ao centro. Depois de Paulo declarar que estava determinado a "nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado", prosseguiu dizendo que expunha "sabedoria entre os experimentados", ICo 2.2,6. Só depois que as pessoas aceitarem a Cristo como seu Senhor e Salvador é que poderão entender as verdades mais profundas para edificar suas vidas. Quando trabalhamos, devemos sempre aproximar as pessoas do centro e mostrar-lhes que Cristo é Senhor. É simplesmente impossível assumir qualquer trabalho numa base puramente objetiva. Primeiro devemos ser quebrantados por Deus para que Cristo tenha preeminência em nossa vida antes de ajudar os outros a aceitar a Cristo como Senhor. Se não temos a vida de Cristo preeminente em nós, não estamos capacitados a pregar esta mensagem aos outros. Pois nós mesmos precisamos ser a mensagem viva que pregamos. Precisamos deixar que Cristo tenha a preeminência nas pequenas coisas do dia para que possamos pregar a mensagem de Cristo como centro! Ah, quem dera cada um de nós entronizasse a Cristo! Contanto que a vontade de Deus seja feita, que importa que eu não apareça! Um muito bem do Senhor excedo a todos os louvores do mundo, Mt 25.21,23; Lc 19.17. A face sorridente do céu ultrapassa muito os aplausos da terra. O conforto celeste transcende as lágrimas terrenas. O maná invisível deve ser desfrutado na eternidade. Que o Senhor abençoe sua palavra de tal maneira que nós também sejamos glorificados juntamente com os outros.