SlideShare uma empresa Scribd logo
“O homem do Violão” Um conto Musical 
Dizem por aí que no reino da MELODIA , existe um ser que encanta e enche de brilho cada vez que o som do seu violão, suave ou estarrecedor é executado e que ninguém resiste aos efeitos entrelaçados em tríades ou tétrades encontrados em sua canção. A HARMONIA acompanhada com acordes consonantes e dissonantes fascina o universo do mundo musical de uma forma que bem longe se percebe o efeito da musicalidade que ele produz. A verdade, é que ninguém sabe, a não ser um simples e grande amigo, explicar ao certo o que o torna tão singular e especial e porque que tudo o que ele toca, sendo violão ou não, produz efeito de transformação. Afirma-se também que quando ele manuseia seu violão, mesmo que de forma simples, o seu som ultrapassa as barreiras do imaginável e repercute até nos quatro cantos da terra e penetra até o profundo das almas mais angustiadas e ninguém resiste a sua canção, nem mesmo o coração mais duro e cruel. O que todos esperavam é que próximo dali, no reino da infelicidade onde pairava o som das trevas negras e profundas, o homem do violão pudesse entrar com seu som divinal e mudar até mesmo os corações dos seres sofredores e solitários, porque lá, predominava a melancolia dos tons menores desencadeando tristeza profunda assimétrica e distorcida. Os sofrimentos causados pela dor, doença, ódio, angústia, tristeza, fome , miséria e o pecado, rondeava todos os corpos que se entregavam sem saber a essa opressão ali presente. Não sabiam também que existia uma liberdade tão grandiosa à espera de quem a buscasse. Para isto, bastava pedi-la, batendo na porta do Senhor da canção majestosa e assim, o “Homem do Violão” estava disposto a ser se possível aquela ponte de mediação. Ele mesmo não sabia ao certo que tinha poder pra isso, mas acredite, ele possuía sim, e era um poder sobrenatural e mesmo que nem todos acreditassem, o efeito da boa música de qualidade que ele trazia, era libertador. 
Conta-se que certo dia, sendo convidado, para uma apresentação em praça pública , numa noite meio escura, ele apareceu com um case preto e rústico pendurado à sua costa. Elegantemente o abriu e tirou seu instrumento musical predileto. Afirmavam, que tal como o dono, seu instrumento, um belo violão meio amarelado, reluzia como a luz da alvorada e de longe sentiam mesmo sem ainda ser manuseado algo como um som envolvente e contagiante e quando as cordas eram tocadas, puxadas, dedilhadas e arpejadas, algo incrivelmente acontecia, porque como diziam por lá, ninguém resistia ao som da sua canção. 
Nesse dia, porém, ao posicionar-se no palco atrás de um simples microfone, num estalar de dedos, a primeira corda chamada MI arrebentou. Foi estridente demais o som provocado pelo estralo da corda chegando a doer os ouvidos dos que estavam ali presentes. Unanimemente todos pensaram: agora, seu som vai perder o vigor e a sua música, a essência da magnificência.
Tamanha foi a surpresa de todos, pois ao segurar seu violão com suas fortes mãos e executar o primeiro acorde, um típico E9 (mi maior com nona) o som, saiu mágico, não se sabe como, mas todos as notas que o compõem "E,G#,B e F#", soaram de forma magnífica. E ao entoar de forma convicta as primeiras palavras da sua canção, ouve um silêncio total. Descia uma glória lá de cima, e o vento, da noite que trazia uma neblina densa, envolveu a todos por inteiro numa união sem igual, pois sua mensagem era que o Senhor da canção tinha um amor único e incondicional por cada filho seu e todos podiam se render à ELE. 
Pelo que as boas línguas falantes disseram, isso, só pode ter sido obra do Senhor da Canção, pois foi sobrenaturalmente brilhante. Um milagre musical. Ao final de sua apresentação, a penumbra que pairava naquele lugar, dissipou totalmente e uma paz profunda se apossou em cada alma vivente que ali estava. Quando a luz de Deus irradiava nele, o homem do violão, sentiam e viam que existia algo diferente que o fazia ser um SER esplendoroso e cheio de vida. É como se uma áurea divina se firmasse em seu rosto tal como Moisés, mesmo que não tão cheio de esplendor, mas isso não o fazia nem um pouco menor que o profeta. 
As pessoas se entregavam ao som que saia da sua boca e do seu violão como se fosse uma espécie de mágica, chamada de Espírito Santo. Embora não sendo puro completamente, pois a sua santidade estava em construção, agia com padrões éticos e morais de fé e vida, pois a melodia da canção de DEUS, estava nele. Mesmo não tendo a beleza da graça total em simetria, seu semblante contagiava porque um sorriso no seu olhar o tornavam um homem com brilho, iluminado. Via-se meiguice no seu rosto, um homem feito, um sonhador que com certeza, alcançará o mundo na sua totalidade. Seu coração instigava verdade e sinceridade que todo mundo deveria copiar, pelo menos assim era visto. Falar a verdade, viver a simplicidade, compartilhar a bondade, corrigir com mansidão e ser comprometido com o que fazia, o tornavam NOBRE. 
O homem do violão não era um homem qualquer, pois quando ele tocava ninguém resistia ao encantamento da sua música, do seu som, dos seus ritmos, da sua harmonia, da sua voz. Isso só podia acontecer porque ele possuía algo muito especial que muitos outros homens/músicos não tinham. Esse era o segredo do seu grande sucesso. Ele possuía a alma e a essência de um verdadeiro músico que lhe foi dado como dom e talento diretamente pelo Senhor da Canção, logo no seu nascimento. A sua alma era composta de amor, força, fé, alegria, segurança e esperança. Não sabiam, porém onde ele morava, nem tão pouco o seu nome. Apenas o conheciam como o homem do violão. Dizem por aí que ele está dentro de todos aqueles que vivem a essência da música pura. Sendo assim, eu, você, poderemos ter uma parte dele e se o Senhor da canção está em nós, faremos tudo o que ele fez e ainda muito mais. 
Raimundo Soares de Andrade 
Rondonópolis, MT, 06/12/14 
Tanto os que cantam como os que tocam diga: todas as minhas fontes estão em Deus. Salmos, 87-7

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O homem do Violão. Um conto musical.prrsoares

Ellis 25 Anos Depois
Ellis 25 Anos Depois Ellis 25 Anos Depois
Ellis 25 Anos Depois guestc79f8f
 
Misterios Da Musica
Misterios Da MusicaMisterios Da Musica
Misterios Da MusicaHOME
 
A MúSica
A MúSicaA MúSica
A MúSicaHOME
 
Cordas Afinadas. prrsoares
Cordas Afinadas. prrsoaresCordas Afinadas. prrsoares
Cordas Afinadas. prrsoaresSeduc MT
 
cântico dos cânticos
cântico dos cânticoscântico dos cânticos
cântico dos cânticoswelingtonjh
 
Ser músico. prrsoares
Ser músico. prrsoaresSer músico. prrsoares
Ser músico. prrsoaresSeduc MT
 
09.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...
09.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...09.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...
09.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...Talles Lisboa
 
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...Marcos Antonio da Silva
 
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02anabelajfsantos04
 
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...BRIAN MOORE
 
Os gênios e os artistas
Os gênios e os artistasOs gênios e os artistas
Os gênios e os artistasRenato Cardoso
 
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...Elielbarra1
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner AndresenMaria Costa
 
A Análise de Cantares
A Análise de CantaresA Análise de Cantares
A Análise de Cantareswelingtonjh
 
Musica e Espiritismo
Musica e EspiritismoMusica e Espiritismo
Musica e Espiritismooficina_eae
 
Apresentação de sofia.ppt 2
Apresentação  de sofia.ppt 2Apresentação  de sofia.ppt 2
Apresentação de sofia.ppt 2mjmsma
 
IntroduçãO à MúSica
IntroduçãO à MúSicaIntroduçãO à MúSica
IntroduçãO à MúSicaHOME
 

Semelhante a O homem do Violão. Um conto musical.prrsoares (20)

Ellis 25 Anos Depois
Ellis 25 Anos Depois Ellis 25 Anos Depois
Ellis 25 Anos Depois
 
Misterios Da Musica
Misterios Da MusicaMisterios Da Musica
Misterios Da Musica
 
A MúSica
A MúSicaA MúSica
A MúSica
 
Cordas Afinadas. prrsoares
Cordas Afinadas. prrsoaresCordas Afinadas. prrsoares
Cordas Afinadas. prrsoares
 
cântico dos cânticos
cântico dos cânticoscântico dos cânticos
cântico dos cânticos
 
Ser músico. prrsoares
Ser músico. prrsoaresSer músico. prrsoares
Ser músico. prrsoares
 
09.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...
09.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...09.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...
09.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - e...
 
Eleonora
EleonoraEleonora
Eleonora
 
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...
Bach e Pink Floyd - Breve estudo comparativo entre as musicas - Pe Bertrand L...
 
Musica na igreja
Musica na igrejaMusica na igreja
Musica na igreja
 
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02
Apresentaodesofia ppt2-100109122612-phpapp02
 
Cantares
CantaresCantares
Cantares
 
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...
Bach e pink floyd breve estudo comparativo entre a música clássica e a música...
 
Os gênios e os artistas
Os gênios e os artistasOs gênios e os artistas
Os gênios e os artistas
 
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...
A importação da musica para a adoração no tempo do fim sua Adoração no Tempo ...
 
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação  de  Sofia de Mello Breyner AndresenApresentação  de  Sofia de Mello Breyner Andresen
Apresentação de Sofia de Mello Breyner Andresen
 
A Análise de Cantares
A Análise de CantaresA Análise de Cantares
A Análise de Cantares
 
Musica e Espiritismo
Musica e EspiritismoMusica e Espiritismo
Musica e Espiritismo
 
Apresentação de sofia.ppt 2
Apresentação  de sofia.ppt 2Apresentação  de sofia.ppt 2
Apresentação de sofia.ppt 2
 
IntroduçãO à MúSica
IntroduçãO à MúSicaIntroduçãO à MúSica
IntroduçãO à MúSica
 

Mais de Seduc MT

Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoares
Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoaresSaudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoares
Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoaresSeduc MT
 
Fake news, fato ou boato? prrsoares
Fake news, fato ou boato? prrsoaresFake news, fato ou boato? prrsoares
Fake news, fato ou boato? prrsoaresSeduc MT
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaSeduc MT
 
Exposição de telas. Pintura com giz de cera
Exposição de telas. Pintura com giz de ceraExposição de telas. Pintura com giz de cera
Exposição de telas. Pintura com giz de ceraSeduc MT
 
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINART
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINARTExposição de pintura em telas com giz de cera. PRINART
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINARTSeduc MT
 
PRINART. Arte natalina em pet
PRINART. Arte natalina em petPRINART. Arte natalina em pet
PRINART. Arte natalina em petSeduc MT
 
Exposição de Brinquedos com PET. PRINART
Exposição de Brinquedos com PET. PRINARTExposição de Brinquedos com PET. PRINART
Exposição de Brinquedos com PET. PRINARTSeduc MT
 
Por amor à Gabby, no tom da vida II
Por amor à Gabby, no tom da vida IIPor amor à Gabby, no tom da vida II
Por amor à Gabby, no tom da vida IISeduc MT
 
Doe VIDA. doe SANGUE !
Doe VIDA. doe SANGUE !  Doe VIDA. doe SANGUE !
Doe VIDA. doe SANGUE ! Seduc MT
 
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoares
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoaresImagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoares
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoaresSeduc MT
 
Fazer o bem, faz bem!
Fazer o bem, faz bem!Fazer o bem, faz bem!
Fazer o bem, faz bem!Seduc MT
 
A Essência do amor. prrsoares
A Essência do amor. prrsoaresA Essência do amor. prrsoares
A Essência do amor. prrsoaresSeduc MT
 
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.Seduc MT
 
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoares
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoaresPorque a vida é feita de escolhas. prrsoares
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoaresSeduc MT
 
No tom da vida. prrsoares e Gabby Marques
No tom da vida. prrsoares e Gabby MarquesNo tom da vida. prrsoares e Gabby Marques
No tom da vida. prrsoares e Gabby MarquesSeduc MT
 
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...Seduc MT
 
Árvore Genealógica de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de Andrade
Árvore Genealógica  de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de AndradeÁrvore Genealógica  de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de Andrade
Árvore Genealógica de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de AndradeSeduc MT
 
A Menina que Sonhava. prrsoares
A Menina que Sonhava. prrsoaresA Menina que Sonhava. prrsoares
A Menina que Sonhava. prrsoaresSeduc MT
 
Os tropeços do “Estado de Transformação"
Os tropeços do “Estado de Transformação"Os tropeços do “Estado de Transformação"
Os tropeços do “Estado de Transformação"Seduc MT
 
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)Seduc MT
 

Mais de Seduc MT (20)

Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoares
Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoaresSaudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoares
Saudades do tempo que a igreja era IGREJA. prrsoares
 
Fake news, fato ou boato? prrsoares
Fake news, fato ou boato? prrsoaresFake news, fato ou boato? prrsoares
Fake news, fato ou boato? prrsoares
 
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de DançaPoesia em movimento. Aula prática de Dança
Poesia em movimento. Aula prática de Dança
 
Exposição de telas. Pintura com giz de cera
Exposição de telas. Pintura com giz de ceraExposição de telas. Pintura com giz de cera
Exposição de telas. Pintura com giz de cera
 
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINART
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINARTExposição de pintura em telas com giz de cera. PRINART
Exposição de pintura em telas com giz de cera. PRINART
 
PRINART. Arte natalina em pet
PRINART. Arte natalina em petPRINART. Arte natalina em pet
PRINART. Arte natalina em pet
 
Exposição de Brinquedos com PET. PRINART
Exposição de Brinquedos com PET. PRINARTExposição de Brinquedos com PET. PRINART
Exposição de Brinquedos com PET. PRINART
 
Por amor à Gabby, no tom da vida II
Por amor à Gabby, no tom da vida IIPor amor à Gabby, no tom da vida II
Por amor à Gabby, no tom da vida II
 
Doe VIDA. doe SANGUE !
Doe VIDA. doe SANGUE !  Doe VIDA. doe SANGUE !
Doe VIDA. doe SANGUE !
 
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoares
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoaresImagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoares
Imagens e mensagens do mundo da música. Musicômico. prrsoares
 
Fazer o bem, faz bem!
Fazer o bem, faz bem!Fazer o bem, faz bem!
Fazer o bem, faz bem!
 
A Essência do amor. prrsoares
A Essência do amor. prrsoaresA Essência do amor. prrsoares
A Essência do amor. prrsoares
 
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.
Artes gerais. Artes Visuais, Dança, Teatro e Música.
 
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoares
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoaresPorque a vida é feita de escolhas. prrsoares
Porque a vida é feita de escolhas. prrsoares
 
No tom da vida. prrsoares e Gabby Marques
No tom da vida. prrsoares e Gabby MarquesNo tom da vida. prrsoares e Gabby Marques
No tom da vida. prrsoares e Gabby Marques
 
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...
O COORDENADOR PEDAGÓGICO ENQUANTO GESTOR EDUCACIONAL “Questões relevantes ent...
 
Árvore Genealógica de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de Andrade
Árvore Genealógica  de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de AndradeÁrvore Genealógica  de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de Andrade
Árvore Genealógica de Raimundo Soares de Andrade e Traudi Ullmann de Andrade
 
A Menina que Sonhava. prrsoares
A Menina que Sonhava. prrsoaresA Menina que Sonhava. prrsoares
A Menina que Sonhava. prrsoares
 
Os tropeços do “Estado de Transformação"
Os tropeços do “Estado de Transformação"Os tropeços do “Estado de Transformação"
Os tropeços do “Estado de Transformação"
 
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
ESTUPRO não é CULTURA, é a personificação do mal. (prrsoares)
 

Último

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxMartin M Flynn
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessRodrigoGonzlez461291
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfPastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoPedroFerreira53928
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisValéria Shoujofan
 

Último (20)

São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptxSão Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
São Filipe Neri, fundador da a Congregação do Oratório 1515-1595.pptx
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 

O homem do Violão. Um conto musical.prrsoares

  • 1. “O homem do Violão” Um conto Musical Dizem por aí que no reino da MELODIA , existe um ser que encanta e enche de brilho cada vez que o som do seu violão, suave ou estarrecedor é executado e que ninguém resiste aos efeitos entrelaçados em tríades ou tétrades encontrados em sua canção. A HARMONIA acompanhada com acordes consonantes e dissonantes fascina o universo do mundo musical de uma forma que bem longe se percebe o efeito da musicalidade que ele produz. A verdade, é que ninguém sabe, a não ser um simples e grande amigo, explicar ao certo o que o torna tão singular e especial e porque que tudo o que ele toca, sendo violão ou não, produz efeito de transformação. Afirma-se também que quando ele manuseia seu violão, mesmo que de forma simples, o seu som ultrapassa as barreiras do imaginável e repercute até nos quatro cantos da terra e penetra até o profundo das almas mais angustiadas e ninguém resiste a sua canção, nem mesmo o coração mais duro e cruel. O que todos esperavam é que próximo dali, no reino da infelicidade onde pairava o som das trevas negras e profundas, o homem do violão pudesse entrar com seu som divinal e mudar até mesmo os corações dos seres sofredores e solitários, porque lá, predominava a melancolia dos tons menores desencadeando tristeza profunda assimétrica e distorcida. Os sofrimentos causados pela dor, doença, ódio, angústia, tristeza, fome , miséria e o pecado, rondeava todos os corpos que se entregavam sem saber a essa opressão ali presente. Não sabiam também que existia uma liberdade tão grandiosa à espera de quem a buscasse. Para isto, bastava pedi-la, batendo na porta do Senhor da canção majestosa e assim, o “Homem do Violão” estava disposto a ser se possível aquela ponte de mediação. Ele mesmo não sabia ao certo que tinha poder pra isso, mas acredite, ele possuía sim, e era um poder sobrenatural e mesmo que nem todos acreditassem, o efeito da boa música de qualidade que ele trazia, era libertador. Conta-se que certo dia, sendo convidado, para uma apresentação em praça pública , numa noite meio escura, ele apareceu com um case preto e rústico pendurado à sua costa. Elegantemente o abriu e tirou seu instrumento musical predileto. Afirmavam, que tal como o dono, seu instrumento, um belo violão meio amarelado, reluzia como a luz da alvorada e de longe sentiam mesmo sem ainda ser manuseado algo como um som envolvente e contagiante e quando as cordas eram tocadas, puxadas, dedilhadas e arpejadas, algo incrivelmente acontecia, porque como diziam por lá, ninguém resistia ao som da sua canção. Nesse dia, porém, ao posicionar-se no palco atrás de um simples microfone, num estalar de dedos, a primeira corda chamada MI arrebentou. Foi estridente demais o som provocado pelo estralo da corda chegando a doer os ouvidos dos que estavam ali presentes. Unanimemente todos pensaram: agora, seu som vai perder o vigor e a sua música, a essência da magnificência.
  • 2. Tamanha foi a surpresa de todos, pois ao segurar seu violão com suas fortes mãos e executar o primeiro acorde, um típico E9 (mi maior com nona) o som, saiu mágico, não se sabe como, mas todos as notas que o compõem "E,G#,B e F#", soaram de forma magnífica. E ao entoar de forma convicta as primeiras palavras da sua canção, ouve um silêncio total. Descia uma glória lá de cima, e o vento, da noite que trazia uma neblina densa, envolveu a todos por inteiro numa união sem igual, pois sua mensagem era que o Senhor da canção tinha um amor único e incondicional por cada filho seu e todos podiam se render à ELE. Pelo que as boas línguas falantes disseram, isso, só pode ter sido obra do Senhor da Canção, pois foi sobrenaturalmente brilhante. Um milagre musical. Ao final de sua apresentação, a penumbra que pairava naquele lugar, dissipou totalmente e uma paz profunda se apossou em cada alma vivente que ali estava. Quando a luz de Deus irradiava nele, o homem do violão, sentiam e viam que existia algo diferente que o fazia ser um SER esplendoroso e cheio de vida. É como se uma áurea divina se firmasse em seu rosto tal como Moisés, mesmo que não tão cheio de esplendor, mas isso não o fazia nem um pouco menor que o profeta. As pessoas se entregavam ao som que saia da sua boca e do seu violão como se fosse uma espécie de mágica, chamada de Espírito Santo. Embora não sendo puro completamente, pois a sua santidade estava em construção, agia com padrões éticos e morais de fé e vida, pois a melodia da canção de DEUS, estava nele. Mesmo não tendo a beleza da graça total em simetria, seu semblante contagiava porque um sorriso no seu olhar o tornavam um homem com brilho, iluminado. Via-se meiguice no seu rosto, um homem feito, um sonhador que com certeza, alcançará o mundo na sua totalidade. Seu coração instigava verdade e sinceridade que todo mundo deveria copiar, pelo menos assim era visto. Falar a verdade, viver a simplicidade, compartilhar a bondade, corrigir com mansidão e ser comprometido com o que fazia, o tornavam NOBRE. O homem do violão não era um homem qualquer, pois quando ele tocava ninguém resistia ao encantamento da sua música, do seu som, dos seus ritmos, da sua harmonia, da sua voz. Isso só podia acontecer porque ele possuía algo muito especial que muitos outros homens/músicos não tinham. Esse era o segredo do seu grande sucesso. Ele possuía a alma e a essência de um verdadeiro músico que lhe foi dado como dom e talento diretamente pelo Senhor da Canção, logo no seu nascimento. A sua alma era composta de amor, força, fé, alegria, segurança e esperança. Não sabiam, porém onde ele morava, nem tão pouco o seu nome. Apenas o conheciam como o homem do violão. Dizem por aí que ele está dentro de todos aqueles que vivem a essência da música pura. Sendo assim, eu, você, poderemos ter uma parte dele e se o Senhor da canção está em nós, faremos tudo o que ele fez e ainda muito mais. Raimundo Soares de Andrade Rondonópolis, MT, 06/12/14 Tanto os que cantam como os que tocam diga: todas as minhas fontes estão em Deus. Salmos, 87-7