O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.

1.800 visualizações

Publicada em

Afinal, quem é o Senhor do Natal? Jesus ou Papai Noel? Este texto trás uma breve reflexão sobre isso. Natal, tempo de luz, tempo de amor, JESUS.

Publicada em: Mídias sociais
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.800
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
953
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal.

  1. 1. O IMPOSTOR e a verdadeira história do natal. Luzes de todas as cores, árvores exuberantes, presépios encantados, música, vida, alegria, paz, felicidade, harmonia. Tudo se encontrava naquele cenário mágico, cheio de fantasia. Ursos dourados, gnomos sagrados, duendes alados, coelhos, fadas, bonecas, casas exóticas, guloseimas infindáveis e ele, o Papai Noel, alegrando a todos com seu sorriso contagiante, oferecendo balas e distribuindo sonhos e com exuberância gritava: FELIZ NATAL! Ho! Ho! Ho! . Por um instante me envolvi com tanta beleza à minha frente, mas, dei um suspiro forte, parei e sentei naquele banco vermelho de camurça bem confortável e pensei: Hum, mas, não é natal? Onde está o aniversariante, o dono da festa suprema? O Senhor do natal não é JESUS? Quem é este ser que a cada dia quer tomar por completo a cena principal do natal e tornar-se o protagonista desta história tão maravilhosa de amor? Afinal, quem é o Senhor do natal? Jesus ou São Nicolau, o Papai Noel? Bom, vejamos... No ano de 280 D.C, nasceu na Turquia, um menino chamado Nicolau. O mesmo foi um homem bom e amado. Mais tarde se tornou um bispo que gostava de ajudar as pessoas pobres deixando saquinhos com moedas bem próximos às chaminés das suas casas. Várias pessoas relataram milagres atribuídos a ele e assim, foi transformado em santo, conhecido como São Nicolau. Entretanto, foi na Alemanha que associaram a sua imagem ao natal espalhando-se rapidamente pelo mundo. Até o final do século XIX, Papai Noel era representado com roupas de inverno e na cor marrom ou verde escura. Em 1886, Thomas Nast, o cartunista alemão deu nova roupagem ao personagem: roupas nas cores vermelha e branca, com cinto preto. Uma campanha publicitária do ano 1931 da empresa Coca-Cola , mostrou o bom velhinho “Papai Noel” com o mesmo figurino criado por Nast, que por sinal, eram as mesmas cores do refrigerante. Tal campanha fez tanto sucesso que ajudou espalhar a nova imagem do Papai Noel por todo mundo e assim o garoto propaganda invadiu os lares realizando sonhos, até os mais impossíveis, criando a magia suprema do natal. Bom, uma coisa é certa: o bom velhinho de barbas brancas trás presentes para todas as crianças e enche os lares de alegria e festa, porque afinal, é NATAL, é seu dia. OPA! Seu dia? Mas, ele é o senhor do Natal? Penso que é melhor contar outra história: Certo dia, do ano I da era cristã, César Augusto publicou um decreto ordenando o recenseamento de todo o império romano. Maria e José, pessoas muito humildes, tiveram que ir de Nazaré da Galileia à Belém de Judá, para alistar-se. Maria estava grávida, perto de dar a luz e como não encontraram nenhum lugar disponível nas hospedarias, foi-lhes oferecido uma simples e pequena estrebaria e ali, numa manjedoura, rodeada de animais, nasceu o menino Jesus, o salvador do mundo. Alguns pastores que viviam na região foram avisados pelos anjos que o menino havia nascido e eles foram visita-los. “Hoje, na cidade de Davi, vos nasceu o Salvador, que é o Messias, o Senhor!” (Lucas 2- 11) . E assim cantaram grande alegria : “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens de boa vontade.
  2. 2. Magos que viviam no oriente sabiam pelas escrituras que era chegada a hora do grande rei nascer e guiados pela estrela brilhante o encontraram e o adoraram e lhes deram presentes: ouro, incenso e mirra.”. Bem que o profeta Isaías disse: “ Seu nome será: maravilhoso, conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade e príncipe da paz ( Isaías 6-9). Eis o Natal, a festa do nascimento do menino Jesus. Sabe-se que em outras épocas, bem na antiguidade, o natal era comemorado em datas diferentes, mas, foi somente no século IV que o dia 25 de dezembro foi instituído oficialmente. Acredito sim, que o natal é tempo de paz, de amor, de vida, de alegria, de comunhão, mas, tudo isso deve ser vivido e praticado em todos os dias do ano. Acredito também que em meio a tantos simbolismos existentes hoje em dia referentes ao NATAL, como os presépios, criado por Francisco de Assis em 1223, a árvore por Martinho Lutero em 1530, a ceia, os presentes e tantas outras coisas, nada, nada mesmo pode substituir Jesus. O comércio torna o natal cada vez mais brilhante e tentador de maneira que para alguns, é quase impossível resistir aos apelos que estão em todos os cantos. O IMPOSTOR é aquele que quer ocupar a centralidade do natal, isso não é bom. Fico triste que algumas pessoas, aos poucos estejam se esquecendo disso e colocam o sentido verdadeiro do natal num cantinho do coração. Alegremo-nos com os anjos, com os pastores, os magos, os profetas, Maria e José que fizeram parte dessa história de amor, criada por Deus . Por fim afirmo que o natal sem Jesus, jamais pode se considerado natal. Deixo a todos um “ Feliz Natal” e vivam no verdadeiro amor . O profeta Isaías disse que seu nome seria maravilhoso, conselheiro, Deus forte, Pai da eternidade e príncipe da paz ( Isaías 6-9). Eis o Natal, a festa do nascimento do menino Jesus. Raimundo Soares de Andrade, escritor. prrsoares@hotmail.com

×