SlideShare uma empresa Scribd logo
O GAÚCHO E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE CULTURAL  RIO-GRANDENSE JOSÉ AUGUSTO FIORIN   MUSEU ANTROPOLÓGICO   DIRETOR PESTANA
[object Object]
COMO OCORRE A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE GAÚCHA RIO-GRANDENSE? ,[object Object],[object Object],[object Object]
DISTINTOS MOMENTOS HISTÓRICOS Gaúcho – séc. XVII, XVIII, XIX Tradicionalista – séc. XX, XXI Tipos sociais diferenciados
[object Object],[object Object],Noção de Cultura Representação Apropriação Identidade  Tradição
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object]
No Rio Grande do Sul há a invenção de uma tradição? ,[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object],[object Object]
Imagem do Gaúcho – Rio-grandense ,[object Object],[object Object]
CHARRUA CIVILIZADO VIAJANTES DA PROVÍNCIA DO RIO GRANDE ARMAZÉM DE CARNE SECA ÍNDIO GUARANI CIVILIZADO
Imagem do gaucho platino GAUCHO EM FINAIS DO SÉCULO XVIII JINETEANDO
Florêncio Molina Campos YO TAMBIÉN FUÍ COMO ESE LOCO  HUAMPELEN  P'AL POBLAO
ESCRITOS IMAGÉTICA Arsène Dreys Hilaire Debret Molina CONSTRUÇÃO DE IMAGEM E IDENTIDADE DO GAÚCHO DO SÉCULO XIX
[object Object]
[object Object],[object Object],INFLUÊNCIA LITERÁRIA PLATINA BRASILEIRA PRIMEIRAS ENTIDADES E O POSITIVISMO Ciclo de entidades nativistas Política de Castilhos e Borges – “conservar melhorando” Moysés Vellinho –  IHGRGS - Editoriais Revista Província São Pedro
[object Object],[object Object]
[object Object]
[object Object]
[object Object],Criação de uma imagem de gaúcho – Início da ressignificação O TEMPO E O VENTO
[1]  Hernández, José.  Martín   Fierro . Tradução de J. O. Nogueira Leiria, Porto Alegre: Martíns Livreiro, 1991. INFLUÊNCIA PLATINA José Hernandez  (El Gaucho)  Nasci como nasce o peixe  nas profundezas do mar;  ninguém me pode tirar  aquilo que Deus me deu:  o que aqui tenho de meu,  do mundo o hei de levar. Nací como nace el peje en el fundo de la mar: naides puede quitar aquello que  Dios me dió: lo que al mundo truje yo del mundo lo he de llevar. [1] Sou gaúcho! — Entendam bem  como meu canto o explica:  a terra ante mim se achica  e pudera ser maior; nem a víbora me pica, nem me queima a fronte o sol.  Soe gaucho, y entiéndanló  Como mi lengua lo esplica:  para mi la tierra es chica  y pudiera ser mayor;  ni la víbora me pica ni quema mi frente el sol.  Ante o perigo — por Cristo! —,  meu coração não remancha:  qualquer chão p 'ra mim é cancha;  e nisso senztido tomem: quem se tenha por bem homem  faz pé firme e não se plancha.  En el peligro qué Cristo!  El corazón se me enancha. pues toda la tierra es cancha, y de esto naides se asombre: el que si tiene por hombre  donde quiera hace pata hancha  (Tradução) Não saio fora dos trilhos  nem que venham degolando; c'os brandos sou sempre brando,  e sou duro com os duros,  e ninguém, noutros apuros,  me viu andar titubeando.   (Trecho do Poema) No me hago al lao de la güeya aunque vengan degollando;  con los blandos yo soy blando  y soy duro con los duros, y ninguno en un apuro me ha visto andar tutubiando.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O autor parte do pampa que engloba o Brasil, parte do Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai. Não nega influência árabe espanhola nos trabalhos e costumes do gaúcho rio-grandense, mas não aceita ser integrado entre os povos castelhanos. MANOELITO DE ORNELLAS Gaúcho rio-grandense era diferente do gaucho platino. Pouca mescla com o indígena. Gaúcho rio-grandense era descendente da massa dos pioneiros de Laguna e dos bandeirantes. MOYSÉS VELLINHO Gaúcho rio-grandense diferente do gaucho platino, desde a tessitura étnica, não era nômade, tinha senso de ordem, disciplina, capacidade de sacrifício, inexistia conflito campo e cidade. OTHELO ROSA Gaúcho brasileiro é diferente do gaucho platino. Semelhanças existentes vieram do indígena charrua e minuano. Gaúcho rio-grandense – mestiçagem com indígena foi pequena. SOUZA DOCCA Filho sedentário do pampa AURÉLIO PORTO Os hábitos e os costumes dos campeiros do Rio Grande do Sul em nada se distinguem dos usos e práticas dos gaúchos orientais. RUBENS DE BARCELLOS Gaúcho rio-grandense distinto do gaúcho platino, embora exista identidade do meio físico e moral. Diferenças raciais. Gaúcho platino “gaucho malo”. Não houve caudilhismo. JOÃO PINTO DA SILVA Pampa uma unidade. Gaúcho uruguaio, argentino e rio-grandense com semelhanças. ALFREDO VARELLA
[object Object],A história movimento O sentido e o valor do tradicionalismo A criação da imagem e a ressignificação da identidade Os princípios
Variação de indumentária FAGUNDES, Antônio Augusto.  Indumentária Gaúcha . Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 1985. TRAJE INDÍGENA
CHARQUEADOR E ESTANCIEIRA GAÚCHA  (1750-1820) PATRÃO DAS VACARIAS E ESPOSA (1750-1820)
PEÃO DAS VACARIAS E CHINA DAS VACARIAS (1750-1820) GAÚCHO COM CHIRIPÁ FARROUPILHA E MULHER GAÚCHA (1820-1865 )
MITO GAÚCHO ,[object Object],[object Object],Leopoldo Rassier – Francisco Alves Sabe, moço Que no meio do alvoroço Tive um lenço no pescoço Que foi bandeira pra mim Que andei mil peleias Em lutas brutas e feias Desde o começo até o fim Sabe, moço Depois das revoluções Vi esbanjarem brasões Pra caudilhos coronéis Vi cintilarem anéis Assinatura em papéis Honrarias para heróis É duro, moço Olhar agora pra história E ver páginas de glórias E retratos de imortais Sabe, moço Fui guerreiro como tantos Que andaram nos quatro cantos Sempre seguindo um clarim E o que restou? Ah, sim No peito em vez de medalhas Cicatrizes de batalhas Foi o que sobrou pra mim Ah, sim No peito em vez de medalhas Cicatrizes de batalhas Foi o que sobrou prá mim
IMAGENS DO MOMENTO DA CRIAÇÃO MOMENTO DA CRIAÇÃO DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA FOTOGRAFIA DO GRUPO DOS OITO CAVALARIANOS  FOTOGRAFIAS DOS JOVENS INTEGRANTES DA RONDA CRIOULA
SÉC. XIX SÉC. XX GAÚCHO TRADICIONALISTA LITERATURA POSITIVISMO INFLUÊNCIA DOS HISTORIADORES RESSIGNIFICAÇÃO
[object Object],Ser gaúcho
Debatedores: Prof. Ms. Jaeme Callai Prof. Ms. Hilário Barbian

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de Salvador
A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de SalvadorA Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de Salvador
A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de SalvadorDiego Casaes
 
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...UNEB
 
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
Livro   um município chamado alto alegre dos parecisLivro   um município chamado alto alegre dos parecis
Livro um município chamado alto alegre dos parecisSinval Gonçalves
 
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç... “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...Emerson Mathias
 
23 12 link pet cultural informativo
23 12 link pet cultural   informativo23 12 link pet cultural   informativo
23 12 link pet cultural informativoYgor El Hireche
 
Artes gráficas e renovação cultural
Artes gráficas e renovação culturalArtes gráficas e renovação cultural
Artes gráficas e renovação cultural+ Aloisio Magalhães
 
Negritude e Mestiçagem
Negritude e MestiçagemNegritude e Mestiçagem
Negritude e Mestiçagemnatashafm
 
Maria encarnação beltrão sposito capitalismo e urbanização (pdf) (rev)
Maria encarnação beltrão sposito   capitalismo e urbanização (pdf) (rev)Maria encarnação beltrão sposito   capitalismo e urbanização (pdf) (rev)
Maria encarnação beltrão sposito capitalismo e urbanização (pdf) (rev)naoutu
 
Revista Oeste Completa Goiás
Revista Oeste Completa GoiásRevista Oeste Completa Goiás
Revista Oeste Completa GoiásEnderson Medeiros
 
Negritude sem etnicidade artigo
Negritude sem etnicidade artigoNegritude sem etnicidade artigo
Negritude sem etnicidade artigoFrancilis Enes
 
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...Amarildo Ferreira
 
Danças Brasileiras um ensino fundamental
Danças Brasileiras um ensino fundamentalDanças Brasileiras um ensino fundamental
Danças Brasileiras um ensino fundamentalinstitutobrincante
 
Vida e morte do bandeirante
Vida e morte do bandeiranteVida e morte do bandeirante
Vida e morte do bandeirantePedro Duracenko
 
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANI
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANIPáginas amarelas - MAURÍCIO PIZANI
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANIaghipertexto
 
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEM
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEMPintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEM
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEMAmarildo Ferreira
 

Mais procurados (19)

A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de Salvador
A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de SalvadorA Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de Salvador
A Semântica Cordial: representações da mulher negra no turismo de Salvador
 
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...
Ser mulher no sertão os diversos esterioótipos e preconceitos que estigmatiza...
 
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
Livro   um município chamado alto alegre dos parecisLivro   um município chamado alto alegre dos parecis
Livro um município chamado alto alegre dos parecis
 
Abdias
AbdiasAbdias
Abdias
 
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç... “Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
“Precisa-se de creada branca. Prefere-se estrangeira.”Os libertos e as relaç...
 
Na esteira da liberdade
Na esteira da liberdadeNa esteira da liberdade
Na esteira da liberdade
 
23 12 link pet cultural informativo
23 12 link pet cultural   informativo23 12 link pet cultural   informativo
23 12 link pet cultural informativo
 
Artes gráficas e renovação cultural
Artes gráficas e renovação culturalArtes gráficas e renovação cultural
Artes gráficas e renovação cultural
 
Negritude e Mestiçagem
Negritude e MestiçagemNegritude e Mestiçagem
Negritude e Mestiçagem
 
Casa grande __senzala_-_gilberto_freyre
Casa grande __senzala_-_gilberto_freyreCasa grande __senzala_-_gilberto_freyre
Casa grande __senzala_-_gilberto_freyre
 
Maria encarnação beltrão sposito capitalismo e urbanização (pdf) (rev)
Maria encarnação beltrão sposito   capitalismo e urbanização (pdf) (rev)Maria encarnação beltrão sposito   capitalismo e urbanização (pdf) (rev)
Maria encarnação beltrão sposito capitalismo e urbanização (pdf) (rev)
 
Revista Oeste Completa Goiás
Revista Oeste Completa GoiásRevista Oeste Completa Goiás
Revista Oeste Completa Goiás
 
Negritude sem etnicidade artigo
Negritude sem etnicidade artigoNegritude sem etnicidade artigo
Negritude sem etnicidade artigo
 
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...
Resumo - Pintando gênero na bucha: o status da mulher no processo criativo do...
 
Danças Brasileiras um ensino fundamental
Danças Brasileiras um ensino fundamentalDanças Brasileiras um ensino fundamental
Danças Brasileiras um ensino fundamental
 
Vida e morte do bandeirante
Vida e morte do bandeiranteVida e morte do bandeirante
Vida e morte do bandeirante
 
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 SiteGeo 6o Homem Espaco Cap2 Site
Geo 6o Homem Espaco Cap2 Site
 
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANI
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANIPáginas amarelas - MAURÍCIO PIZANI
Páginas amarelas - MAURÍCIO PIZANI
 
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEM
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEMPintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEM
Pintando Gênero na bucha_Apresentação_GEPEM
 

Semelhante a O Gaucho Rio-grandense

Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...UNEB
 
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4Carlos Oliveira
 
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sul
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sulCultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sul
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sulrochamendess82
 
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Pedro Duracenko
 
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)claudioknierim
 
Culturabrasileiraeidentidade
CulturabrasileiraeidentidadeCulturabrasileiraeidentidade
CulturabrasileiraeidentidadeDayse Lucide
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Donoeneidaberto
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoChristian
 
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...Almiranes Dos Santos Silva
 
Trabalho de literatura
Trabalho de literaturaTrabalho de literatura
Trabalho de literaturaValkiria Marks
 
Cartilha de Festas Religiosas
Cartilha de Festas ReligiosasCartilha de Festas Religiosas
Cartilha de Festas Religiosasfortimmjguedes
 
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelho
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelhoPronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelho
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelhoatodeler
 

Semelhante a O Gaucho Rio-grandense (20)

Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...Entre a fé  e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990  ...
Entre a fé e a folia festas de reis realizadas em conceição do coité (1990 ...
 
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4
{38 b12a9f 907f-4ab1-aded-b83f56a005ee}-cultura gaucha-nova p4
 
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sul
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sulCultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sul
Cultura gaucha-e- separatismo-no-rio-grande-do-sul
 
Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944Genese social da_gente_bandeirante_1944
Genese social da_gente_bandeirante_1944
 
Filosofia bruno manu e bi
Filosofia bruno manu e biFilosofia bruno manu e bi
Filosofia bruno manu e bi
 
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)
Contribuição dos Negros na Cultura do Rio Grande do Sul (Brasil)
 
Culturabrasileiraeidentidade
CulturabrasileiraeidentidadeCulturabrasileiraeidentidade
Culturabrasileiraeidentidade
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Esta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem DonoEsta Terra Tem Dono
Esta Terra Tem Dono
 
Trabalho Da Rita
Trabalho Da RitaTrabalho Da Rita
Trabalho Da Rita
 
Etnia, cultura e cidadania
Etnia, cultura e cidadaniaEtnia, cultura e cidadania
Etnia, cultura e cidadania
 
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...
As manifestações da sabedoria popular nos contos trinta e dois e tangerinos d...
 
Carranca 01 2021a
Carranca 01 2021aCarranca 01 2021a
Carranca 01 2021a
 
Trabalho de literatura
Trabalho de literaturaTrabalho de literatura
Trabalho de literatura
 
Cartilha de Festas Religiosas
Cartilha de Festas ReligiosasCartilha de Festas Religiosas
Cartilha de Festas Religiosas
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
O que é cultura
O que é culturaO que é cultura
O que é cultura
 
Adm 2012 cultura
Adm 2012 culturaAdm 2012 cultura
Adm 2012 cultura
 
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelho
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelhoPronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelho
Pronto de leandro gomes de barros a rodolfo coelho
 

Mais de José Augusto Fiorin (20)

Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em AçãoTutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
Tutorial para inscrição Curso Currículo em Ação
 
Metodologias Ativas
Metodologias AtivasMetodologias Ativas
Metodologias Ativas
 
Plano de Estudos_final
Plano de Estudos_finalPlano de Estudos_final
Plano de Estudos_final
 
Plano de Estudos
Plano de EstudosPlano de Estudos
Plano de Estudos
 
Encontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CREEncontro de Diretores 36a. CRE
Encontro de Diretores 36a. CRE
 
25. guerra fria
25. guerra fria25. guerra fria
25. guerra fria
 
24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial24. segunda guerra mundial
24. segunda guerra mundial
 
23. crise de 1929
23. crise de 192923. crise de 1929
23. crise de 1929
 
22. nazifascismo
22. nazifascismo22. nazifascismo
22. nazifascismo
 
21.revolução russa
21.revolução russa21.revolução russa
21.revolução russa
 
20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial20. primeira guerra mundial
20. primeira guerra mundial
 
19. imperialismo
19. imperialismo19. imperialismo
19. imperialismo
 
18. unificações tardias
18. unificações tardias18. unificações tardias
18. unificações tardias
 
17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial17. ideologias na era industrial
17. ideologias na era industrial
 
16. a américa no século xix
16. a américa no século xix16. a américa no século xix
16. a américa no século xix
 
15. revoluções liberais
15. revoluções liberais15. revoluções liberais
15. revoluções liberais
 
14. independência dos eua
14. independência dos eua14. independência dos eua
14. independência dos eua
 
13. revolução industrial
13. revolução industrial13. revolução industrial
13. revolução industrial
 
12. era napoleônica
12. era napoleônica12. era napoleônica
12. era napoleônica
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 

O Gaucho Rio-grandense

  • 1. O GAÚCHO E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE CULTURAL RIO-GRANDENSE JOSÉ AUGUSTO FIORIN MUSEU ANTROPOLÓGICO DIRETOR PESTANA
  • 2.
  • 3.
  • 4. DISTINTOS MOMENTOS HISTÓRICOS Gaúcho – séc. XVII, XVIII, XIX Tradicionalista – séc. XX, XXI Tipos sociais diferenciados
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. CHARRUA CIVILIZADO VIAJANTES DA PROVÍNCIA DO RIO GRANDE ARMAZÉM DE CARNE SECA ÍNDIO GUARANI CIVILIZADO
  • 21. Imagem do gaucho platino GAUCHO EM FINAIS DO SÉCULO XVIII JINETEANDO
  • 22. Florêncio Molina Campos YO TAMBIÉN FUÍ COMO ESE LOCO HUAMPELEN P'AL POBLAO
  • 23. ESCRITOS IMAGÉTICA Arsène Dreys Hilaire Debret Molina CONSTRUÇÃO DE IMAGEM E IDENTIDADE DO GAÚCHO DO SÉCULO XIX
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30. [1] Hernández, José. Martín Fierro . Tradução de J. O. Nogueira Leiria, Porto Alegre: Martíns Livreiro, 1991. INFLUÊNCIA PLATINA José Hernandez (El Gaucho) Nasci como nasce o peixe nas profundezas do mar; ninguém me pode tirar aquilo que Deus me deu: o que aqui tenho de meu, do mundo o hei de levar. Nací como nace el peje en el fundo de la mar: naides puede quitar aquello que Dios me dió: lo que al mundo truje yo del mundo lo he de llevar. [1] Sou gaúcho! — Entendam bem como meu canto o explica: a terra ante mim se achica e pudera ser maior; nem a víbora me pica, nem me queima a fronte o sol. Soe gaucho, y entiéndanló Como mi lengua lo esplica: para mi la tierra es chica y pudiera ser mayor; ni la víbora me pica ni quema mi frente el sol. Ante o perigo — por Cristo! —, meu coração não remancha: qualquer chão p 'ra mim é cancha; e nisso senztido tomem: quem se tenha por bem homem faz pé firme e não se plancha. En el peligro qué Cristo! El corazón se me enancha. pues toda la tierra es cancha, y de esto naides se asombre: el que si tiene por hombre donde quiera hace pata hancha (Tradução) Não saio fora dos trilhos nem que venham degolando; c'os brandos sou sempre brando, e sou duro com os duros, e ninguém, noutros apuros, me viu andar titubeando. (Trecho do Poema) No me hago al lao de la güeya aunque vengan degollando; con los blandos yo soy blando y soy duro con los duros, y ninguno en un apuro me ha visto andar tutubiando.
  • 31.
  • 32. O autor parte do pampa que engloba o Brasil, parte do Rio Grande do Sul, Argentina e Uruguai. Não nega influência árabe espanhola nos trabalhos e costumes do gaúcho rio-grandense, mas não aceita ser integrado entre os povos castelhanos. MANOELITO DE ORNELLAS Gaúcho rio-grandense era diferente do gaucho platino. Pouca mescla com o indígena. Gaúcho rio-grandense era descendente da massa dos pioneiros de Laguna e dos bandeirantes. MOYSÉS VELLINHO Gaúcho rio-grandense diferente do gaucho platino, desde a tessitura étnica, não era nômade, tinha senso de ordem, disciplina, capacidade de sacrifício, inexistia conflito campo e cidade. OTHELO ROSA Gaúcho brasileiro é diferente do gaucho platino. Semelhanças existentes vieram do indígena charrua e minuano. Gaúcho rio-grandense – mestiçagem com indígena foi pequena. SOUZA DOCCA Filho sedentário do pampa AURÉLIO PORTO Os hábitos e os costumes dos campeiros do Rio Grande do Sul em nada se distinguem dos usos e práticas dos gaúchos orientais. RUBENS DE BARCELLOS Gaúcho rio-grandense distinto do gaúcho platino, embora exista identidade do meio físico e moral. Diferenças raciais. Gaúcho platino “gaucho malo”. Não houve caudilhismo. JOÃO PINTO DA SILVA Pampa uma unidade. Gaúcho uruguaio, argentino e rio-grandense com semelhanças. ALFREDO VARELLA
  • 33.
  • 34. Variação de indumentária FAGUNDES, Antônio Augusto. Indumentária Gaúcha . Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 1985. TRAJE INDÍGENA
  • 35. CHARQUEADOR E ESTANCIEIRA GAÚCHA (1750-1820) PATRÃO DAS VACARIAS E ESPOSA (1750-1820)
  • 36. PEÃO DAS VACARIAS E CHINA DAS VACARIAS (1750-1820) GAÚCHO COM CHIRIPÁ FARROUPILHA E MULHER GAÚCHA (1820-1865 )
  • 37.
  • 38. IMAGENS DO MOMENTO DA CRIAÇÃO MOMENTO DA CRIAÇÃO DO MOVIMENTO TRADICIONALISTA FOTOGRAFIA DO GRUPO DOS OITO CAVALARIANOS FOTOGRAFIAS DOS JOVENS INTEGRANTES DA RONDA CRIOULA
  • 39. SÉC. XIX SÉC. XX GAÚCHO TRADICIONALISTA LITERATURA POSITIVISMO INFLUÊNCIA DOS HISTORIADORES RESSIGNIFICAÇÃO
  • 40.
  • 41. Debatedores: Prof. Ms. Jaeme Callai Prof. Ms. Hilário Barbian