SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
NOTA TÉCNICA
Cada vez mais dentro do contexto dos
investimentossocioambientais,osdoadores
e gestores de organizações buscam
mensurar os benefícios que suas ações
geram para a sociedade. O uso da lógica
da razão entre custo e benefício é válida
nestes casos, porém seu cálculo pode se
tornar complexo, uma vez que benefícios
sociais podem apresentar um alto grau de
subjetividade.
Nesta Nota Técnica, apresentamos uma
revisão das principais metodologias para
avaliar essa relação, com especial destaque
para a Análise Custo-Benefício (ACB) e
um comparativo entre uma ACB realizada
dentro e fora do protocolo SROI – Social
Return on Investment (Retorno Social do
Investimento)1
.
METODOLOGIAS DE
AVALIAÇÃO CUSTO
BENEFÍCIO
Fevereiro de 2021
Por Laís Faleiros, Gerente de Projetos do IDIS
1
Para saber mais sobre o protocolo SROI acesse nossas publicações.
A ANÁLISE CUSTO-BENEFÍCIO (ACB) PARA INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS
A Análise Custo-Benefício (ACB) para investimentos socioambientais é uma forma de
analisar informações sistematicamente e emitir um juízo de valor sobre elas, de modo a
estabelecer uma base de evidências para a tomada de decisão de investidores e gestores.
Para realizar uma ACB é preciso levantar informações a respeito de três pontos-chave:
Conhecer o impacto social dos investimentos socioambientais é um grande desafio para
muitas organizações2
. Quando tratamos de impacto, nos referimos às mudanças que o
projeto causou em seus beneficiários ou território, ou seja, é sobre aquilo que mudou após
a intervenção, após determinado período de tempo.
IMPACTO
2
Sobre esse tema conheça também nosso artigo “Tendências e Desafios da Avaliação de Impacto no Brasil”.
Para avaliar os benefícios de uma intervenção socioambiental são utilizadas técnicas de
avaliação de impacto, que irão fornecer subsídios para compreender as transformações
causadas pelo projeto ou programa. Existem três grandes linhas metodológicas de men-
suração de impacto:
• Métodos experimentais: utiliza-se do artifício de constituir um grupo de pessoas
não-participantes da intervenção por meio de atribuição aleatória, denominado gru-
po de controle. A aleatoriedade deve buscar garantir que não existirão diferenças en-
tre as características, observáveis ou não, do grupo de pessoas participantes (grupo
de tratamento) e do grupo de pessoas não participantes (grupo de controle).
IMPACTO
Qual a transformação
social, econômica ou
ambiental provocada pelo
investimento?
RETORNO ECONÔMICO
Qual o valor econômico
(ou estimativa) das
transformações geradas?
DURAÇÃO
Por quanto tempo as
transformações serão
percebidas?
IMPACTO DO PROJETO
Situação final após o projeto
Condição hipotética de como seria a situação caso o projeto
não existisse (considerando outros fatores de influência)
Tempo
Situacão inicial antes da
implementação do projeto
ou "marco zero"
Variável
sendo
medida
• Métodos quase-experimentais: estes métodos também comparam um grupo de
participantes e não participantes do projeto, porém a seleção dos grupos não é feita
de forma aleatória como nos estudos experimentais, mas sim com seleção a partir de
técnicas de pareamento (aquelas utilizadas para definir grupos de comparação com
os grupos beneficiados), com base em características observadas tanto nos grupos
de controle quanto no de tratamento.
• Métodos não experimentais: definem grupos de controle hipotéticos, ou utilizam
estratégias não baseadas em grupos através da mensuração de indicadores auto re-
portáveis, ou seja, onde os próprios beneficiários reportam sobre a causalidade dos
impactos por ele percebidos.
A escolha do método deve ser coerente com a amplitude, duração e objetivos estraté-
gicos do investimento socioambiental. Os métodos experimentais e quase experimentais
permitem maior isolamento dos impactos, porém exigem maior disponibilidade de recur-
sos (financeiros, humanos, técnicos) e são recomendados para investimentos de grande
amplitude, como, por exemplo, em políticas públicas. Os métodos não experimentais, por
sua vez, são aplicáveis à diferentes magnitudes de investimento, desde programas de par-
cerias públicas privadas3
, à projetos financiados por investimento social privado4
.
3
Conheça a avaliação do Projeto Guri, executado tecnicamente pela Santa Marcelina Cultura
4
Conheça a avaliação do Programa Valorizando uma Infância Melhor, financiados e executados pela FLUPP (Fundação Lucia e Pelerson Penido)
Uma vez compreendidos quais são os impactos do investimento e em qual medida eles
ocorreram, é necessário estimar o seu valor social, transformando-os em valores monetá-
rios. Essa conversão é necessária para que o benefício seja comparável ao custo.
Para monetizar o retorno econômico dos impactos utilizamos combinações de proxies
(aproximações) financeiras. A pesquisa de proxies compatíveis com os impactos pode se
embasar em diferentes métodos. Conheça alguns deles.
1. Preço de mercado: o mais comum dos métodos, envolve pesquisar no mercado o
custo de um produto ou serviço que gera impactos similares àqueles avaliados.
2. Disposição para pagar (willingness to pay/accept): este método consiste em pes-
quisar, por meio de grupos focais ou enquetes, o quanto alguém estaria disposto a
pagar por um determinado benefício social, ou qual valor aceitaria receber como
compensação por um impacto negativo.
3. Value Game: consiste em realizar pesquisa qualitativa ou enquetes para entender
o valor que o indivíduo atribui à determinado impacto, ou seja, o quanto ele acha que
vale monetariamente aquele impacto.
4. Experimento de escolha (choice experiment): apresenta-se ao indivíduo diferentes
cenários (com valores monetários estipulados) para que ele escolha aquele que me-
lhor representa os impactos.
5. Custo evitado: calcula-se o quanto evitou-se de gastar devido aos benefícios gera-
dos pelo investimento socioambiental.
RETORNO ECONÔMICO
Compreender a duração do benefício é essencial para demonstrar por quanto tempo os
impactos permanecerão, de modo que seja possível calcular o impacto ao longo do tem-
po, com as devidas correções monetárias.
A duração pode ser estimada perguntando diretamente às pessoas impactadas sua percep-
ção. Como nem sempre isso é possível, pode-se utilizar-se estatísticas de outras pesquisas
aplicadas como, por exemplo, estimar a probabilidade de quando ex-infratores começarão a
transgredir novamente ou quando pessoas empregadas irão perder seus empregos.
Além de mensurar por quanto tempo os benefícios são percebidos é preciso também
compreender como esses benefícios declinam ao longo do tempo, o seu drop-off. Isso
significa compreender, por exemplo, se uma intervenção com um período de benefício de
10 anos tem o seu impacto reduzido de maneira linear, 10% ao ano, ou se a redução acon-
tece 80% no primeiro ano e os outros 20% são reduzidos ao longo dos 9 anos seguintes.
DURAÇÃO
O CÁLCULO CUSTO-BENEFÍCIO
A partir da disponibilidade da magnitude dos impactos, da monetização e do período de
benefício, o próximo passo é calcular o valor presente do impacto (valor no momento
presente dos benefícios estimados no período). Para tanto devemos utilizar uma taxa de
desconto no impacto ao longo dos anos do período de benefício.
“O desconto reconhece que as pessoas geralmente preferem
receber dinheiro hoje em vez de amanhã, porque existe um
risco (por exemplo, de que o dinheiro não seja pago) ou
porque há um custo de oportunidade (por exemplo, ganhos
potenciais por investir o dinheiro em outro lugar). Isso é
conhecido como o ‘valor temporal do dinheiro’. Um indivíduo
pode ter uma alta taxa de desconto - por exemplo, se você
aceitasse duas unidades de moeda no período de um ano,
em vez de uma unidade agora, que implicaria numa taxa de
desconto de 100%.”
IDIS, p.52, 2012.
Apresentamos abaixo uma ilustração do cálculo do Valor Presente do impacto:
Intensidade do
Impacto (X)
Proxies
Financeiras
Impacto
ano
1
Impacto
ano
2
Impacto
ano
3
Impacto
ano...
Período de benefício e Drop-off
Valor Presente do Impacto
Esta é uma simplificação do cálculo do valor presente do Impacto, que deve considerar
seu período de benefício e drop off (queda ao longo do tempo). A partir deste cálculo
conseguimos encontrar a razão do custo benefício, que consiste em comparar o valor
presente do impacto com o valor do investimento.
A razão da ACB pode ser traduzida da seguinte maneira: para cada 1 real investido foram
gerados x reais em benefícios. Esta maneira de representar a razão entre custo e benefício
de um projeto ou programa pode ser um facilitador em processos de captação de recur-
sos e no diálogo com investidores sociais privados e esferas governamentais.
O SROI E A SUA RELAÇÃO COM A ACB
Uma das formas de se realizar uma análise custo benefício de intervenções sociais e am-
bientais é aplicando o protocolo SROI- Social Return on Investment (ou Retorno Social
sobre Investimento), que se concentra em compreender não apenas questões monetá-
rias, mas também o seu valor na sociedade5
.
O diferencial do SROI está nos seus protocolos de mensuração do impacto, que são na
maioria de casos não-experimentais, integrando métodos mistos de coleta de dados, ou
seja, qualitativos e quantitativos, tornando a análise mais participativa, acessível e factível
para diferentes tipos de programas e projetos.
O protocolo SROI segue alguns princípios avaliativos durante sua aplicação, o que dá robustez
e qualidade ao processo de mensuração, tornando-o confiável, participativo e transparente.
5
Caso queira saber mais sobre o SROI consulte o Guia para o Retorno Social do Investimento
1. Envolvimento dos stakeholders
2. Compreensão das mudanças
causadas
3. Valorização das coisas que
importam aos beneficiários (ou ao
território)
4. Inclusão somente do que for
material (materialidade)
5. Não reivindicação em excesso
6. Transparência no processo e no
reporte de resultados
7. Verificação do resultado
De maneira prática, uma avaliação SROI
é também uma ACB, porém o protocolo,
a partir dos princípios 1 a 3, exige que os
stakeholders sejam sempre ouvidos no pro-
cesso avaliativo, realizando pesquisas quali-
tativas e quantitativas para compreender e
mensurar os impactos através da percep-
ção de valor dos beneficiários. Os princí-
pios 4 e 5 buscam assegurar o cuidado de
não incluir na avaliação aquilo que foi não
percebido como importante pelos benefi-
ciários e não clamar por impactos atribuí-
dos a outros agentes.
Outro ponto diferencial do SROI é que
ele prevê, nos princípios 6 e 7, a constante
transparência de seus processos de men-
suração, além da verificação dos resultados
por meio de análises de sensibilidade e do
reporte dos resultados aos stakeholders.
(=)
Análise Custo Benefício Valor Presente do Impacto Valor Investido
(/)
A análise custo benefício (ACB) é um instrumento possível de ser utilizado para qualquer
tipo de investimento, apresentando complexidades quando aplicado à área dos investi-
mentos socioambientais, já que calcular o valor social da intervenção exige maior capaci-
dade de pesquisa de proxies financeiras correspondentes.
Apesar da ACB não exigir a coleta de dados no campo, como o SROI, é uma análise inte-
ressante e que requer menos recursos para sua realização e pode ser realizada para esti-
mar previamente o impacto potencial de uma iniciativa.
Independente da forma de realização, a ACB é uma metodologia que contém um certo
nível de subjetividade, mas é suficientemente poderosa para provocar reflexões e apoiar o
processo de tomada de decisão, assim como facilitar o diálogo com investidores e forta-
lecer a mobilização de recursos para investimentos socioambientais.
CONCLUSÃO
A geração e disseminação de conhecimento é um dos
pilares para o atingimento de nossa missão. Por meio de
publicações, notas técnicas, artigos, cursos, capacitações
e eventos, inspiramos, apoiamos e ampliamos o investi-
mento social privado e seu impacto.
Conheça nossa produção em www.idis.org.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamento de campanha para redes sociais
Planejamento de campanha para redes sociaisPlanejamento de campanha para redes sociais
Planejamento de campanha para redes sociaisLia Amancio
 
Aula 5 atendimento e planejamento de campanha
Aula 5   atendimento e planejamento de campanhaAula 5   atendimento e planejamento de campanha
Aula 5 atendimento e planejamento de campanhaCíntia Dal Bello
 
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicaçãoNetnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicaçãoAdriana Sales Zardini
 
2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing
2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing
2015: Análise de Mercado e Plano de MarketingLeandro de Castro
 
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...Diego Moreau
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de MídiaRafael. Firmi
 
Geodésia Aplicada
Geodésia AplicadaGeodésia Aplicada
Geodésia AplicadaAdolfo Lino
 
Conceitos Básicos Mídia
Conceitos Básicos MídiaConceitos Básicos Mídia
Conceitos Básicos MídiaRede Globo
 
Aula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de MídiaAula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de MídiaLucas Pelaez
 
Jornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorialJornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorialBarreto
 
Boehringer - Evento para stakeholders
Boehringer - Evento para stakeholdersBoehringer - Evento para stakeholders
Boehringer - Evento para stakeholdersJonas Jaeger
 
Autorização 1 uso de imagem simples
Autorização 1   uso de imagem simplesAutorização 1   uso de imagem simples
Autorização 1 uso de imagem simplesdjmorim
 
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1Ponto Pasta UFPR
 

Mais procurados (20)

Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022Relatório de Tendências Spotfy 2022
Relatório de Tendências Spotfy 2022
 
Planejamento de campanha para redes sociais
Planejamento de campanha para redes sociaisPlanejamento de campanha para redes sociais
Planejamento de campanha para redes sociais
 
Aula 5 atendimento e planejamento de campanha
Aula 5   atendimento e planejamento de campanhaAula 5   atendimento e planejamento de campanha
Aula 5 atendimento e planejamento de campanha
 
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicaçãoNetnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação
Netnografia como aporte metodológico da pesquisa em comunicação
 
Modelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínioModelo de pedido de patrocínio
Modelo de pedido de patrocínio
 
Gestão estratégica da comunicação integrada
Gestão estratégica da comunicação integradaGestão estratégica da comunicação integrada
Gestão estratégica da comunicação integrada
 
2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing
2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing
2015: Análise de Mercado e Plano de Marketing
 
Rock in Rio 2017
Rock in Rio 2017Rock in Rio 2017
Rock in Rio 2017
 
Briefing
BriefingBriefing
Briefing
 
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...
TCC Bárbara Müller ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DE MÍDIA UTILIZADO NA CAMPANHA “NO...
 
Planejamento de Mídia
Planejamento de MídiaPlanejamento de Mídia
Planejamento de Mídia
 
Geodésia Aplicada
Geodésia AplicadaGeodésia Aplicada
Geodésia Aplicada
 
Conceitos Básicos Mídia
Conceitos Básicos MídiaConceitos Básicos Mídia
Conceitos Básicos Mídia
 
Aula : Planejamento de Comunicação Integrada na prática
Aula : Planejamento de Comunicação Integrada na práticaAula : Planejamento de Comunicação Integrada na prática
Aula : Planejamento de Comunicação Integrada na prática
 
Modelo de briefing
Modelo de briefingModelo de briefing
Modelo de briefing
 
Aula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de MídiaAula Planejamento de Mídia
Aula Planejamento de Mídia
 
Jornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorialJornalismo de revista - projeto editorial
Jornalismo de revista - projeto editorial
 
Boehringer - Evento para stakeholders
Boehringer - Evento para stakeholdersBoehringer - Evento para stakeholders
Boehringer - Evento para stakeholders
 
Autorização 1 uso de imagem simples
Autorização 1   uso de imagem simplesAutorização 1   uso de imagem simples
Autorização 1 uso de imagem simples
 
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1
Dinâmica Briefing 2 - Estapa 1
 

Semelhante a Nota técnica: Metodologias de Avaliação Custo Benefíco

Como medir impactos sociais - discussão
Como medir impactos sociais - discussãoComo medir impactos sociais - discussão
Como medir impactos sociais - discussãoVitor Bruxel
 
Introduccion portugues avaliação de projetos
Introduccion portugues avaliação de projetosIntroduccion portugues avaliação de projetos
Introduccion portugues avaliação de projetosAlessandro Santos
 
Métricas em Negócios de Impacto Social
Métricas em Negócios de Impacto SocialMétricas em Negócios de Impacto Social
Métricas em Negócios de Impacto SocialBruno Rabelo
 
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisório
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo DecisórioOpções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisório
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisóriokleber.torres
 
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Social
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Sociale-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Social
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú SocialBarbara Silva
 
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...Luiz Avelar
 
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)Dianova
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimentoMai Reginato
 
Semi analise de_investimentos_01_02
Semi analise de_investimentos_01_02Semi analise de_investimentos_01_02
Semi analise de_investimentos_01_02suzzy26
 
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iElaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iJosé Adriano M C Marinho
 
Projetos sociais como escrever
Projetos sociais   como escreverProjetos sociais   como escrever
Projetos sociais como escreverEliana Reis
 
Atps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimentoAtps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimentoRosangela Santos
 
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custos
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custosProgramas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custos
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custosDr. Noe Alvarenga, MD, MBA +3500
 
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento socialModelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento socialSymnetics Business Transformation
 

Semelhante a Nota técnica: Metodologias de Avaliação Custo Benefíco (20)

Como medir impactos sociais - discussão
Como medir impactos sociais - discussãoComo medir impactos sociais - discussão
Como medir impactos sociais - discussão
 
Introduccion portugues avaliação de projetos
Introduccion portugues avaliação de projetosIntroduccion portugues avaliação de projetos
Introduccion portugues avaliação de projetos
 
Métricas em Negócios de Impacto Social
Métricas em Negócios de Impacto SocialMétricas em Negócios de Impacto Social
Métricas em Negócios de Impacto Social
 
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisório
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo DecisórioOpções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisório
Opções Reais - A Flexibilidade Do Processo Decisório
 
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Social
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Sociale-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Social
e-Book Avaliação Econômica de Projetos Sociais - Fundação Itaú Social
 
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...
Método de Avaliação de Fluxo de Caixa, Matemática financeira . Professor John...
 
Indicador Social
Indicador SocialIndicador Social
Indicador Social
 
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)
Artigo/ Novos Canais Comunicação: Gabriella Blumberg | Exit_28_2012 (pt)
 
Atps analise de investimento
Atps analise de investimentoAtps analise de investimento
Atps analise de investimento
 
Mini curso aula 04
Mini curso aula 04Mini curso aula 04
Mini curso aula 04
 
Semi analise de_investimentos_01_02
Semi analise de_investimentos_01_02Semi analise de_investimentos_01_02
Semi analise de_investimentos_01_02
 
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte iElaboração de projetos sociais avaliação parte i
Elaboração de projetos sociais avaliação parte i
 
Projetos sociais como escrever
Projetos sociais   como escreverProjetos sociais   como escrever
Projetos sociais como escrever
 
Mini curso aula 03
Mini curso aula 03Mini curso aula 03
Mini curso aula 03
 
Atps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimentoAtps analise de credito em risco de investimento
Atps analise de credito em risco de investimento
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Atps analise de investimentos
Atps   analise de investimentosAtps   analise de investimentos
Atps analise de investimentos
 
GP4US - Stakeholders - Técnicas de engajamento
GP4US - Stakeholders - Técnicas de engajamentoGP4US - Stakeholders - Técnicas de engajamento
GP4US - Stakeholders - Técnicas de engajamento
 
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custos
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custosProgramas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custos
Programas de Saúde Corporativos como Ferramentas de redução de custos
 
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento socialModelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social
 

Mais de IDIS

Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...
Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...
Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...IDIS
 
Apresentação executiva.pptx
Apresentação executiva.pptxApresentação executiva.pptx
Apresentação executiva.pptxIDIS
 
PVB_2021_Artigos.pdf
PVB_2021_Artigos.pdfPVB_2021_Artigos.pdf
PVB_2021_Artigos.pdfIDIS
 
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdf
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdfAnuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdf
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdfIDIS
 
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdfPerspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdfIDIS
 
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise Estratégica
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise EstratégicaArquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise Estratégica
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise EstratégicaIDIS
 
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnica
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnicaESG e o “S” brasileiro | Nota técnica
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnicaIDIS
 
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamento
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamentoPesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamento
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamentoIDIS
 
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)IDIS
 
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...IDIS
 
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSCIDIS
 
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no Brasil
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no BrasilBrasil Giving Report 2020: um retrato da doação no Brasil
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no BrasilIDIS
 
World Giving Index 2019: Resultados Brasil
World Giving Index 2019: Resultados BrasilWorld Giving Index 2019: Resultados Brasil
World Giving Index 2019: Resultados BrasilIDIS
 
Brasil Giving Report 2019
Brasil Giving Report 2019Brasil Giving Report 2019
Brasil Giving Report 2019IDIS
 
Apresentação World Giving Index 2018
Apresentação World Giving Index 2018Apresentação World Giving Index 2018
Apresentação World Giving Index 2018IDIS
 
World Giving Index 2017
World Giving Index 2017World Giving Index 2017
World Giving Index 2017IDIS
 
Filantropia e Investimento Social
Filantropia e Investimento SocialFilantropia e Investimento Social
Filantropia e Investimento SocialIDIS
 
Filantropização via Privatização
Filantropização via PrivatizaçãoFilantropização via Privatização
Filantropização via PrivatizaçãoIDIS
 
World Giving Index 2016
World Giving Index 2016World Giving Index 2016
World Giving Index 2016IDIS
 
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGs
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGsPesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGs
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGsIDIS
 

Mais de IDIS (20)

Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...
Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...
Impact Assessment for Productive Inclusion: Methodologies, Challenges, and Li...
 
Apresentação executiva.pptx
Apresentação executiva.pptxApresentação executiva.pptx
Apresentação executiva.pptx
 
PVB_2021_Artigos.pdf
PVB_2021_Artigos.pdfPVB_2021_Artigos.pdf
PVB_2021_Artigos.pdf
 
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdf
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdfAnuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdf
Anuario_Desempenho_de_Fundos_Patrimoniais_2021.pdf
 
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdfPerspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
Perspectivas-para-a-Filantropia-no-Brasil-2023-IDIS.pdf
 
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise Estratégica
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise EstratégicaArquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise Estratégica
Arquétipos da Filantropia: Nova Ferramenta para Análise Estratégica
 
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnica
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnicaESG e o “S” brasileiro | Nota técnica
ESG e o “S” brasileiro | Nota técnica
 
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamento
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamentoPesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamento
Pesquisa Doação Brasil 2020 | Apresentação de lançamento
 
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)
Cultura de Doação no Brasil e o papel das empresas, por Paula Fabiani (IDIS)
 
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...
Quebrando silos e engajando colaboradores em ações de impacto, por Fernanda S...
 
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC
10 dicas para verificar a confiabilidade de uma OSC
 
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no Brasil
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no BrasilBrasil Giving Report 2020: um retrato da doação no Brasil
Brasil Giving Report 2020: um retrato da doação no Brasil
 
World Giving Index 2019: Resultados Brasil
World Giving Index 2019: Resultados BrasilWorld Giving Index 2019: Resultados Brasil
World Giving Index 2019: Resultados Brasil
 
Brasil Giving Report 2019
Brasil Giving Report 2019Brasil Giving Report 2019
Brasil Giving Report 2019
 
Apresentação World Giving Index 2018
Apresentação World Giving Index 2018Apresentação World Giving Index 2018
Apresentação World Giving Index 2018
 
World Giving Index 2017
World Giving Index 2017World Giving Index 2017
World Giving Index 2017
 
Filantropia e Investimento Social
Filantropia e Investimento SocialFilantropia e Investimento Social
Filantropia e Investimento Social
 
Filantropização via Privatização
Filantropização via PrivatizaçãoFilantropização via Privatização
Filantropização via Privatização
 
World Giving Index 2016
World Giving Index 2016World Giving Index 2016
World Giving Index 2016
 
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGs
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGsPesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGs
Pesquisa Doação Brasil - Relacionamento com ONGs
 

Último

Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuQuestionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuIvesdaSilvaPires
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfRevista Sociedade Militar
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfdiyij69533
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodriguesfebiris841
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Revista Sociedade Militar
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsPablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsfacir18053
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodriguesfebiris841
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdfHELLEN CRISTINA
 
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfDIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfssuser1dab35
 

Último (12)

Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova IguacuQuestionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
Questionário sobre a Lei Orgânica de Nova Iguacu
 
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdfViagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
Viagens do general Tomás Miguel Miné 2023 e 2024 até maio.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
Militares Brasileiros em festa da Embaixada da República Islâmica do Irã - Br...
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNewsPablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
Pablo Ortellado - Jornal O Globo, Rede Globo e GloboNews
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo RodriguesDocumento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
Documento - Marcelo Valle Silveira Mello e Emerson Eduardo Rodrigues
 
relatorio para alun o.pdf
relatorio para alun                         o.pdfrelatorio para alun                         o.pdf
relatorio para alun o.pdf
 
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdfDIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
DIP - Organizações Internacionais - resolução de questões (8).pdf
 

Nota técnica: Metodologias de Avaliação Custo Benefíco

  • 1. NOTA TÉCNICA Cada vez mais dentro do contexto dos investimentossocioambientais,osdoadores e gestores de organizações buscam mensurar os benefícios que suas ações geram para a sociedade. O uso da lógica da razão entre custo e benefício é válida nestes casos, porém seu cálculo pode se tornar complexo, uma vez que benefícios sociais podem apresentar um alto grau de subjetividade. Nesta Nota Técnica, apresentamos uma revisão das principais metodologias para avaliar essa relação, com especial destaque para a Análise Custo-Benefício (ACB) e um comparativo entre uma ACB realizada dentro e fora do protocolo SROI – Social Return on Investment (Retorno Social do Investimento)1 . METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO CUSTO BENEFÍCIO Fevereiro de 2021 Por Laís Faleiros, Gerente de Projetos do IDIS 1 Para saber mais sobre o protocolo SROI acesse nossas publicações.
  • 2. A ANÁLISE CUSTO-BENEFÍCIO (ACB) PARA INVESTIMENTOS SOCIOAMBIENTAIS A Análise Custo-Benefício (ACB) para investimentos socioambientais é uma forma de analisar informações sistematicamente e emitir um juízo de valor sobre elas, de modo a estabelecer uma base de evidências para a tomada de decisão de investidores e gestores. Para realizar uma ACB é preciso levantar informações a respeito de três pontos-chave: Conhecer o impacto social dos investimentos socioambientais é um grande desafio para muitas organizações2 . Quando tratamos de impacto, nos referimos às mudanças que o projeto causou em seus beneficiários ou território, ou seja, é sobre aquilo que mudou após a intervenção, após determinado período de tempo. IMPACTO 2 Sobre esse tema conheça também nosso artigo “Tendências e Desafios da Avaliação de Impacto no Brasil”. Para avaliar os benefícios de uma intervenção socioambiental são utilizadas técnicas de avaliação de impacto, que irão fornecer subsídios para compreender as transformações causadas pelo projeto ou programa. Existem três grandes linhas metodológicas de men- suração de impacto: • Métodos experimentais: utiliza-se do artifício de constituir um grupo de pessoas não-participantes da intervenção por meio de atribuição aleatória, denominado gru- po de controle. A aleatoriedade deve buscar garantir que não existirão diferenças en- tre as características, observáveis ou não, do grupo de pessoas participantes (grupo de tratamento) e do grupo de pessoas não participantes (grupo de controle). IMPACTO Qual a transformação social, econômica ou ambiental provocada pelo investimento? RETORNO ECONÔMICO Qual o valor econômico (ou estimativa) das transformações geradas? DURAÇÃO Por quanto tempo as transformações serão percebidas? IMPACTO DO PROJETO Situação final após o projeto Condição hipotética de como seria a situação caso o projeto não existisse (considerando outros fatores de influência) Tempo Situacão inicial antes da implementação do projeto ou "marco zero" Variável sendo medida
  • 3. • Métodos quase-experimentais: estes métodos também comparam um grupo de participantes e não participantes do projeto, porém a seleção dos grupos não é feita de forma aleatória como nos estudos experimentais, mas sim com seleção a partir de técnicas de pareamento (aquelas utilizadas para definir grupos de comparação com os grupos beneficiados), com base em características observadas tanto nos grupos de controle quanto no de tratamento. • Métodos não experimentais: definem grupos de controle hipotéticos, ou utilizam estratégias não baseadas em grupos através da mensuração de indicadores auto re- portáveis, ou seja, onde os próprios beneficiários reportam sobre a causalidade dos impactos por ele percebidos. A escolha do método deve ser coerente com a amplitude, duração e objetivos estraté- gicos do investimento socioambiental. Os métodos experimentais e quase experimentais permitem maior isolamento dos impactos, porém exigem maior disponibilidade de recur- sos (financeiros, humanos, técnicos) e são recomendados para investimentos de grande amplitude, como, por exemplo, em políticas públicas. Os métodos não experimentais, por sua vez, são aplicáveis à diferentes magnitudes de investimento, desde programas de par- cerias públicas privadas3 , à projetos financiados por investimento social privado4 . 3 Conheça a avaliação do Projeto Guri, executado tecnicamente pela Santa Marcelina Cultura 4 Conheça a avaliação do Programa Valorizando uma Infância Melhor, financiados e executados pela FLUPP (Fundação Lucia e Pelerson Penido) Uma vez compreendidos quais são os impactos do investimento e em qual medida eles ocorreram, é necessário estimar o seu valor social, transformando-os em valores monetá- rios. Essa conversão é necessária para que o benefício seja comparável ao custo. Para monetizar o retorno econômico dos impactos utilizamos combinações de proxies (aproximações) financeiras. A pesquisa de proxies compatíveis com os impactos pode se embasar em diferentes métodos. Conheça alguns deles. 1. Preço de mercado: o mais comum dos métodos, envolve pesquisar no mercado o custo de um produto ou serviço que gera impactos similares àqueles avaliados. 2. Disposição para pagar (willingness to pay/accept): este método consiste em pes- quisar, por meio de grupos focais ou enquetes, o quanto alguém estaria disposto a pagar por um determinado benefício social, ou qual valor aceitaria receber como compensação por um impacto negativo. 3. Value Game: consiste em realizar pesquisa qualitativa ou enquetes para entender o valor que o indivíduo atribui à determinado impacto, ou seja, o quanto ele acha que vale monetariamente aquele impacto. 4. Experimento de escolha (choice experiment): apresenta-se ao indivíduo diferentes cenários (com valores monetários estipulados) para que ele escolha aquele que me- lhor representa os impactos. 5. Custo evitado: calcula-se o quanto evitou-se de gastar devido aos benefícios gera- dos pelo investimento socioambiental. RETORNO ECONÔMICO
  • 4. Compreender a duração do benefício é essencial para demonstrar por quanto tempo os impactos permanecerão, de modo que seja possível calcular o impacto ao longo do tem- po, com as devidas correções monetárias. A duração pode ser estimada perguntando diretamente às pessoas impactadas sua percep- ção. Como nem sempre isso é possível, pode-se utilizar-se estatísticas de outras pesquisas aplicadas como, por exemplo, estimar a probabilidade de quando ex-infratores começarão a transgredir novamente ou quando pessoas empregadas irão perder seus empregos. Além de mensurar por quanto tempo os benefícios são percebidos é preciso também compreender como esses benefícios declinam ao longo do tempo, o seu drop-off. Isso significa compreender, por exemplo, se uma intervenção com um período de benefício de 10 anos tem o seu impacto reduzido de maneira linear, 10% ao ano, ou se a redução acon- tece 80% no primeiro ano e os outros 20% são reduzidos ao longo dos 9 anos seguintes. DURAÇÃO O CÁLCULO CUSTO-BENEFÍCIO A partir da disponibilidade da magnitude dos impactos, da monetização e do período de benefício, o próximo passo é calcular o valor presente do impacto (valor no momento presente dos benefícios estimados no período). Para tanto devemos utilizar uma taxa de desconto no impacto ao longo dos anos do período de benefício. “O desconto reconhece que as pessoas geralmente preferem receber dinheiro hoje em vez de amanhã, porque existe um risco (por exemplo, de que o dinheiro não seja pago) ou porque há um custo de oportunidade (por exemplo, ganhos potenciais por investir o dinheiro em outro lugar). Isso é conhecido como o ‘valor temporal do dinheiro’. Um indivíduo pode ter uma alta taxa de desconto - por exemplo, se você aceitasse duas unidades de moeda no período de um ano, em vez de uma unidade agora, que implicaria numa taxa de desconto de 100%.” IDIS, p.52, 2012. Apresentamos abaixo uma ilustração do cálculo do Valor Presente do impacto: Intensidade do Impacto (X) Proxies Financeiras Impacto ano 1 Impacto ano 2 Impacto ano 3 Impacto ano... Período de benefício e Drop-off Valor Presente do Impacto
  • 5. Esta é uma simplificação do cálculo do valor presente do Impacto, que deve considerar seu período de benefício e drop off (queda ao longo do tempo). A partir deste cálculo conseguimos encontrar a razão do custo benefício, que consiste em comparar o valor presente do impacto com o valor do investimento. A razão da ACB pode ser traduzida da seguinte maneira: para cada 1 real investido foram gerados x reais em benefícios. Esta maneira de representar a razão entre custo e benefício de um projeto ou programa pode ser um facilitador em processos de captação de recur- sos e no diálogo com investidores sociais privados e esferas governamentais. O SROI E A SUA RELAÇÃO COM A ACB Uma das formas de se realizar uma análise custo benefício de intervenções sociais e am- bientais é aplicando o protocolo SROI- Social Return on Investment (ou Retorno Social sobre Investimento), que se concentra em compreender não apenas questões monetá- rias, mas também o seu valor na sociedade5 . O diferencial do SROI está nos seus protocolos de mensuração do impacto, que são na maioria de casos não-experimentais, integrando métodos mistos de coleta de dados, ou seja, qualitativos e quantitativos, tornando a análise mais participativa, acessível e factível para diferentes tipos de programas e projetos. O protocolo SROI segue alguns princípios avaliativos durante sua aplicação, o que dá robustez e qualidade ao processo de mensuração, tornando-o confiável, participativo e transparente. 5 Caso queira saber mais sobre o SROI consulte o Guia para o Retorno Social do Investimento 1. Envolvimento dos stakeholders 2. Compreensão das mudanças causadas 3. Valorização das coisas que importam aos beneficiários (ou ao território) 4. Inclusão somente do que for material (materialidade) 5. Não reivindicação em excesso 6. Transparência no processo e no reporte de resultados 7. Verificação do resultado De maneira prática, uma avaliação SROI é também uma ACB, porém o protocolo, a partir dos princípios 1 a 3, exige que os stakeholders sejam sempre ouvidos no pro- cesso avaliativo, realizando pesquisas quali- tativas e quantitativas para compreender e mensurar os impactos através da percep- ção de valor dos beneficiários. Os princí- pios 4 e 5 buscam assegurar o cuidado de não incluir na avaliação aquilo que foi não percebido como importante pelos benefi- ciários e não clamar por impactos atribuí- dos a outros agentes. Outro ponto diferencial do SROI é que ele prevê, nos princípios 6 e 7, a constante transparência de seus processos de men- suração, além da verificação dos resultados por meio de análises de sensibilidade e do reporte dos resultados aos stakeholders. (=) Análise Custo Benefício Valor Presente do Impacto Valor Investido (/)
  • 6. A análise custo benefício (ACB) é um instrumento possível de ser utilizado para qualquer tipo de investimento, apresentando complexidades quando aplicado à área dos investi- mentos socioambientais, já que calcular o valor social da intervenção exige maior capaci- dade de pesquisa de proxies financeiras correspondentes. Apesar da ACB não exigir a coleta de dados no campo, como o SROI, é uma análise inte- ressante e que requer menos recursos para sua realização e pode ser realizada para esti- mar previamente o impacto potencial de uma iniciativa. Independente da forma de realização, a ACB é uma metodologia que contém um certo nível de subjetividade, mas é suficientemente poderosa para provocar reflexões e apoiar o processo de tomada de decisão, assim como facilitar o diálogo com investidores e forta- lecer a mobilização de recursos para investimentos socioambientais. CONCLUSÃO A geração e disseminação de conhecimento é um dos pilares para o atingimento de nossa missão. Por meio de publicações, notas técnicas, artigos, cursos, capacitações e eventos, inspiramos, apoiamos e ampliamos o investi- mento social privado e seu impacto. Conheça nossa produção em www.idis.org.br