SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
TRABALHO EM GRUPO –TG
Aluno(s):
Esdra Regina RA 1621654
RA
RA
RA
RA
RA
POLO VARZEA PAULISTA
2016
Unip-Universidade Paulista Interativa
Licenciatura de Artes Visuais
Projeto Pedagógico:
Integração entre um ambiente não escolar e uma escola
Várzea Paulista
2016
Unip-Universidade Paulista Interativa
Licenciatura de Artes Visuais
Projeto Pedagógico:
Integração entre um ambiente não escolar e uma escola
TRABALHO 2
Projeto apresentado à Universidade Paulista – UNIP, do
curso de Licenciatura em Artes Visuais, como um dos
requisitos para a obtenção da nota na disciplina Prática de
Ensino: Observação e Projeto, ministrada pela Prof. (a).
Raquel Bokurns
Várzea Paulista
2016
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO ________________________________________________________ 5
2 OBJETIVOS ___________________________________________________________6
2.1 objetivos gerais_______________________________________________________6
2.2 objetivos específicos___________________________________________________6
3 DESENVOLVIMENTO ___________________________________________________7
3.1 revisões bibliográficas _________________________________________________7
3.2 procedimentos metodológicos ___________________________________________9
3.2.1 ambiente e público alvo ______________________________________________10
3.2.2 disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos _____________________________10
3.2.3 propostas de ação e estratégias didáticas ________________________________10
3.2.4 tempo de duração __________________________________________________13
4 AVALIAÇÃO _________________________________________________________14
4.1 resultados esperados _________________________________________________14
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ______________________________________________15
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS__________________________________________ 16
5
1- INTRODUÇÃO
A diversidade é inerente à natureza humana. O homem é um ser que
desenvolve diferentes formas de viver, conviver, simbolizar e solucionar situações
sociais. O fruto desta capacidade é a diversidade que se manifesta na pluralidade de
raças, línguas, culturas e religiões, que existem em todo o mundo.
A multiplicidade é, portanto, uma realidade humana. Conviver dentro da
sociedade sem considerar esta característica natural é um erro que fatalmente
conduzirá ao preconceito e às formas de intolerância.
Infelizmente tem-se assistido na história da humanidade as tristes cenas
desta intolerância causadas pela falta de compreensão e respeito mútuo: as guerras,
os conflitos raciais e religiosos, o preconceito. Nos dias atuais, o bullying, expõe uma
nova forma de discriminação. O homem é um ser dotado de grandes capacidades.
Já realizou inúmeros feitos e conquistas, conseguindo avançar significativamente
dentro dos campos da tecnologia, da ciência e da economia. Porém, sem ter
conseguido superar a atitude de preconceito e discriminação que, ainda, está presente
no contexto mundial, local e individual da comunidade humana. A compreensão, a
valorização e o respeito, às diferentes formas de culturas, raças, línguas e religiões,
requer uma formação ética e moral, voltada para os valores da aceitação, respeito,
solidariedade e tolerância.
As mudanças, que se fazem necessárias, para que a intolerância seja
combatida, devem acontecer no campo da formação de valores éticos, ou seja, uma
modificação de mentalidade. A escola, pela sua própria natureza que é ser um
ambiente de aprendizagem, tem papel importantíssimo na formação de valores éticos
e morais voltados para o desenvolvimento de cidadãos comprometidos com o
respeito, a solidariedade e capazes de conviver harmoniosamente com a pluralidade
cultural, étnica, lingüística e religiosa. É dentro desta missão da escola, que este
projeto de aproveitamento de um ambiente não escolar surgiu integrando as
disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes.
A finalidade é trabalhar junto aos alunos, do 6º e 7º ano do Ensino
Fundamental da Escola Professor Getúlio Nogueira de Sá, o tema da pluralidade
6
cultural, com foco na mudança de mentalidade voltada para a tolerância, ou seja,
compreensão, valorização e respeito das diferentes culturas, etnias, línguas e
religiões. A proposta visa sensibilizar o aluno a identificar essa diversidade a partir de
sua realidade individual, familiar, local, levando-o a refletir sobre a realidade regional,
estadual, nacional e de mundo.
7
2- OBJETIVOS
2.1 Objetivos gerais
Possibilitar situações de aprendizagem que tornem o aluno capaz de
compreender, valorizar e respeitar a diversidade cultural, étnica, lingüística e religiosa.
2.2 Objetivos específicos
-compreender que a diversidade cultural, étnica, lingüística e religiosa é uma
realidade que faz parte da condição humana;
-levar o aluno a conscientizar-se de que não é possível separar a natureza
humana das diferentes formas de diversidade observadas na sociedade;
-valorizar e respeitar todas as expressões da diversidade existentes;
-entender a importância do respeito mútuo para a convivência pacífica;
-cultivar a atitude da tolerância e da paz;
-combater a intolerância, o preconceito e a discriminação
-entender as origens do preconceito;
-perceber que as práticas esportivas coletivas constituem-se em um modelo rico
de diversidade;
-perceber a diversidade nas expressões culturais das danças regionais.
3- DESENVOLVIMENTO
8
3.1 Revisões bibliográficas
O preconceito e as suas origens são um tema estudado e pesquisado, por
várias vertentes científicas, com o intuito de entender as raízes desse comportamento
e buscar um caminho de solução. Alguns conceitos são importantes para a reflexão
do tema:
“O preconceito é um julgamento prévio de uma pessoa com base em
estereótipos. (...) localiza-se na esfera da consciência e/ou afetiva dos indivíduos.”
(JOAQUIM, 2006, p. 01).
Segundo o Dicionário de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas:
“Trata-sede umas atitudes negativas, desfavoráveis, para com um grupo
ou seus companheiros individuais. (...) A atitude resulta de processos internos do
portador.” (SILVA, 1987, p. 962 apud JOAQUIM, 2006, p.01).
O filósofo Gordon Allport afirma: “O preconceito é uma atitude equitativa ou
hostil contra uma pessoa simplesmente porque ela pertence a um determinado grupo.”
(ALLPORT, 1954, p.7 apud BUENO, 2015, p.01). E ainda, para o filósofo Norberto
Bobbio(1909, p.117): Apenas posso dizer que os preconceitos nascem na cabeça dos
homens.
Por isso é preciso combatê-los na cabeça dos homens, isto é, com o
desenvolvimento das consciências e, portanto, com a educação, mediante a luta
incessante contra toda forma de sectarismo. Dentro desta perspectiva, reconhece-se
o papel que a escola/educação tem dentro da sociedade de formadora de
consciências.
Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998, p. 123):
A escola tem um papel fundamental a desempenhar nesse processo. Em
primeiro lugar, porque é um espaço em que pode se der a convivência entre
estudantes de diferentes origens, com costumes e dogmas religiosos diferentes
daqueles que cada um conhece, com visões de mundo diversas daquela que
compartilha em família. (...) é um dos lugares onde são ensinadas as regras do espaço
público para o convívio democrático com a diferença.
9
Para o professor e doutor José Carlos Líbaneo:
É preciso que a escola contribua para uma nova postura ética valorativa de
recolocar valores humanos fundamentais como a justiça, a solidariedade, a
honestidade, o reconhecimento da diversidade e da diferença, o respeito à vida e aos
direitos humanos básicos, como suportes de convicções democráticas. (LIBÂNEO,
2002, p.7 apud SOUZA, Juliana; SOUSA, Edvaldo, 2009). E conforme a professorada
USP Valéria Amorim Arantes: A sociedade solicita que a educação assuma funções
mais abrangentes que incorporem em seu núcleo de objetivos a formação integral do
ser humano. Essa proposta educativa objetiva a formação da cidadania, visando que
alunos e alunas desenvolvam competências para lidar de maneira consciente, crítica,
democrática e autônoma com a diversidade e o conflito de idéias, com as influências
da cultura e com os sentimentos e as emoções presentes nas relações que
estabelecem consigo mesmos e com o mundo à sua volta. Afinal, estamos falando de
uma educação em valores em que as dimensões cognitiva, afetiva, [...] interpessoal e
sociocultural das relações humanas, são considerados no planejamento curricular e
nos projetos político-pedagógicos das escolas. (ARANTES2003, p.157 apud SOUZA,
Juliana; SOUSA, Edvaldo, 2009)
O educador e a escola devem estar cientes desta responsabilidade. E, em
conjunto, programações que envolvam todos os participantes do processo de educar
voltados para a formação de valores éticos e morais.
3.2 Procedimentos metodológicos
3.2.1 Ambiente e Público Alvo
O projeto é destinado aos alunos do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental da
Escola Professor Getúlio Nogueira de Sá. A escola localiza-se na Avenida Humberto
Cereser, 2770, Jardim Caxambu, cidade de Jundiaí, (SP). O ambiente não escolar
escolhido, para realizar a etapa do projeto de trabalho de aproveitamento pedagógico,
é a sede da Sociedade Esportiva Caxambu. A Sociedade Esportiva Caxambu é uma
entidade recreativa que possui uma área de aproximadamente Mil metros quadrados.
10
Toda cercada de área verde possui campos de futebol com arquibancada, quadra de
vôlei de areia, cancha de bocha, piscinas e uma área para a recreação infantil. A
Sociedade Esportiva Caxambu é uma agremiação da cidade de Jundiaí (SP). O clube
foi Fundado no dia 06 de Janeiro de 1926. Localiza-se na Av. Comendador Antônio
Boris, 6408 - Jardim Caxambu, Jundiaí
3.2.2 Disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos
O tema transversal, pluralidade cultural, será desenvolvido em todas as
etapas do projeto nas três disciplinas participantes com os seguintes focos:
- Língua inglesa: refletir sobre a diversidade cultural, étnica, lingüística e
religioso presente na vida humana com ênfase na compreensão, valorização e
respeito mútuo;
-Educação física: estudar os esportes coletivos levando o aluno a compreender
que cada membro do grupo, com suas diferenças, contribuem para a conquista de um
resultado positivo para a equipe;
- Artes: aprender sobre as danças regionais brasileiras sob um olhar reflexivo a
partir da compreensão de que, a cultura humana manifesta a sua diversidade nas
expressões artísticas.
3.2.3 Propostas de ação e estratégias didáticas:
O projeto será realizado em quatro etapas:
- Etapa um: Aprender, refletir
Nesta etapa os alunos receberão o conteúdo do projeto na sala de aula da
Escola professor Getúlio Nogueira de Sá. O tema, em cada disciplina, será exposto
em forma de debate, propiciando aos alunos momentos para que possam expressar
suas opiniões e visões em relação ao conteúdo. O professor levará o aluno a refletir
a partir da realidade individual, familiar e local para a realidade mundial promovendo
11
assim uma compreensão ampla de que adversidade está presente em toda a vida
humana. Na disciplina de Língua Inglesa o professor apresentará ao aluno as diversas
culturas existentes no mundo, refletindo sobre as características peculiares de cada
uma, focando a necessidade da compreensão, valorização e respeito. Sob a mesma
ótica, serão discutidas as diferenças raciais, lingüísticas e religiosas. Na disciplina de
Educação física os alunos serão levados a perceber que, os esportes coletivos exigem
a participação efetiva de cada membro para se atingir um objetivo. Cada membro é
importante. Cada membro representa uma diferença. O conjunto dessas diferenças
forma uma unidade, forma uma equipe. Na disciplina de Artes o professor conduzirá
uma reflexão acerca da diversidade cultural manifestada na expressão artística da
dança. Os alunos conhecerão, através da pesquisa, as danças regionais brasileiras.
- Etapa dois: Pesquisar, elaborar trabalhos
Os alunos, em seus respectivos anos letivos, serão divididos em grupos de
trabalho para a realização de pesquisas e trabalhos. As pesquisas serão feitas no
horário da aula da disciplina, usando a biblioteca e o laboratório de informática da
escola. A pesquisa deve ser simples e objetiva. Após a pesquisa, os grupos deverão
entregar um trabalho simples aos professores. A partir das pesquisas, os alunos
realizarão a explanação dos conteúdos, em sala de aula, para os demais colegas de
turma.
-Língua Inglesa: cada grupo pesquisará uma cultura mundial. A pesquisa deve
conter: o nome do país, a língua ou línguas utilizadas, costumes e tradições, as
religiões, a raça. Ex: cultura japonesa, cultura africana, cultura brasileira;
-Educação Física: cada grupo pesquisará um esporte coletivo. A pesquisa deve
conter: a modalidade coletiva, a origem, as funções dos membros da equipe;
-Artes: cada grupo pesquisará uma dança regional brasileira. A pesquisa deve
conter: região de origem, tipo de dança, a técnica da dança.
- Etapa 3: Expor o assunto pesquisado
12
Os alunos farão a exposição do assunto pesquisado, em cada disciplina
pertencente ao projeto, para os demais colegas de turma. Ao final das exposições o
professor de cada disciplina fará a proposta da etapa quatro: promover uma Manhã
de Integração Cultural, Artística e Esportiva na Sociedade Caxambu.
- Etapa 4: Realizar a Manhã de Integração Cultural, Artística e Esportiva na
Sociedade Caxambu.
A manhã de Integração Cultural acontecerá em data agendada
posteriormente com a Sociedade Caxambu. O evento será aberto aos pais e
familiares do alunos. Para a realização da Manhã de Integração Cultural os alunos, do
6º e 7º ano, serão divididos em três equipes:
- equipe do painel;
- equipe do esporte
- equipe da dança.
A equipe do painel ficará responsável em elaborar o painel da diversidade
com recortes de revistas, ilustrando a pluralidade cultural, os esportes coletivos e as
danças regionais brasileiras. O painel será colocado no pátio da sede da Sociedade
em local visível e de fácil acesso.
A equipe dos esportes organizará um esporte coletivo para ser praticado,
pelos alunos da equipe, durante a realização da manhã Cultural. A equipe da dança
escolherá uma dança regional para ser executada, pelos alunos da equipe, durante a
realização da manhã Cultural. Todos os alunos e participantes do evento deverão usar
trajes típicos de uma cultura, país ou de um esporte.
A Manhã Cultural terá a seguinte programação:
08h00- Recepção dos participantes trajados
08h30- Realização do jogo do esporte coletivo escolhido pelos alunos
09h40- Lanche promovido pela escola e servido no restaurante da sede
10h15- Apresentação da dança regional escolhida pela equipe no pátio da sede
13
10h50- Contemplação do painel construído
11: 00- Encerramento com o abraço
Os alunos e participantes deverão assistir o jogo coletivo na arquibancada
e prestigiar a dança regional no pátio. Todos serão convidados pelos professores das
disciplinas a visitar o painel construído pelos alunos para realizar uma contemplação.
Os professores farão uma leitura do painel e deixarão como mensagem final a
importância de compreender, valorizar e respeitar a diversidade. Em seguida todos
serão convidados a encerrar com um abraço comunitário comprometendo-se a
respeitar mutuamente.
3.2.4 Tempo de duração
O projeto será desenvolvido em seis semanas:
1ª semana: O conteúdo será refletido em sala de aula nos horários das aulas
das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes
2ª semana: Os alunos realizarão pesquisas durante os horários das aulas das
disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes
3ª semana: Exposição dos conteúdos pesquisados pelos alunos nos horários
das aulas das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes
4ª semana: Os alunos prepararão as atividades que serão realizadas na Manhã
de Integração Cultural: construção do painel; ensaio da dança e treino do esporte
coletivo.
5ª semana: Realização da Manhã de Integração Cultural na Sociedade
Caxambu a partir das 08h00min até as 11h00min horas
6ª semana: Exposição dos trabalhos, painel e fotos do projeto na comunidade
escolar.
4- AVALIAÇÃO
Ao final do projeto espera-se que o aluno tenha assimilado a compreensão
de que, a diversidade está presente na sociedade humana, sendo capaz de observar
14
esta pluralidade no contexto individual, local, regional e mundial. É esperado ainda
que, ao praticar o esporte coletivo, e executar a dança regional, o aluno tenha
compreendido algumas expressões da diversidade abrindo-se para a atitude de
respeito mútuo e valorização das diferenças. A avaliação deste entendimento se dará
pela observação do comportamento dos alunos dentro da comunidade escolar, ou
seja, na sala de aula, na prática das atividades esportivas e artísticas e outros eventos
que ocorrem na escola. O aparecimento de situações de preconceito, bullying,
desrespeito, será indicativo da necessidade de se trabalhar novamente o tema.
4.1 Resultados esperados
Como produto final do projeto realizado, será organizado uma exposição
no pátio da escola, dirigida a toda a comunidade escolar, com todo o conteúdo do
projeto:
- o painel da diversidade construído pelos alunos;
- os trabalhos de pesquisas que foram entregues aos professores;
- fotos da Manhã de Integração Cultural destacando o esporte coletivo, a dança
e o abraço comunitário.
5- CONSIDERAÇÕES FINAIS
A proposta deste projeto de aproveitamento de um ambiente não escolar,
envolvendo três disciplinas, em um conjunto de ações sistematizadas e organizadas,
oferecendo ao aluno situações reais de aprendizagem, contribuíram de maneira
positiva para provocar nos alunos uma reflexão profunda sobre o tema da pluralidade
cultural. Durante as etapas o aluno será levado a refletir de maneira espontânea,
15
lúdica, usando suas próprias habilidades físicas, artísticas e intelectuais. A integração
das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes proporcionarão ao aluno
uma expansão do assunto, conduzindo-o naturalmente ao processo de formar a sua
própria consciência moral e ética. A realização da Manhã de Integração Cultural na
Sociedade Caxambu ajudará a marcar o aluno com uma experiência vivida que
certamente contribuirá para as futuras escolhas de valores morais e éticos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALLPORT, Gordon. The nature of prejudice. in: BUENO, Chris. As razões e origens
do preconceito. Disponível em:< http://pre.univesp.br/origens-do-preconceito##.
VjEiGpPQQjM>>. Acesso em 27/10/2015.
ARANTES, Valéria Amorim(org) et. al. Afetividades na escola, alternativas teóricas
e práticas. In: SOUZA,Juliana Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A
importância da escola na formação do cidadão: algumas reflexões para o educador
matemático. Disponível em:
16
<http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >Acesso em
28/10/2015.
BOBBIO,Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. Trad.Marco
Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 2002. BRASIL.Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade cultural. Disponível
em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pluralidade.pdf >. Acesso em
26/10/2015.
BUENO,Chris. As razões e origens do preconceito. Disponível
em:<http://pre.univesp.br/origens-do-preconceito#.VjEiGpPQQjM >>. Acesso em
27/10/2015.
CASTILHO,Brasílio Leite de. O que é o preconceito?
Disponívelem:<http://www.webartigos.com/artigos/o-que-e-o-preconceito/131483/ >.
Acesso em 27/10/2015.
JOAQUIM,Nelson. Igualdade e discriminação.
Disponívelem:<http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2652/Igualdade-e-
discriminacao >. Acesso em 26/10/2015. KEMP, kênia. Homem e Sociedade. São
Paulo: Editora Sol, 2011.
LIBANEO,José Carlos. Adeus professor, adeus professora? In:SOUZA, Juliana
Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A importância da escola na formação
do cidadão: algumas reflexões para o educador matemático. Disponível em:
<http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >. Acesso em
28/10/2011.
MUZEL,Lúcia. Não nascemos racistas, nos tornamos racistas. Disponível
em:<http://revistaescola.abril.com.br/formacao/pap-ndiaye-nao-nascemos-racistas-
torna mos-791980. HTML>. Acesso em 26/10/2015.
PIACENTINI, Patrícia. Preconceito na escola. Disponível
em:<http://pre.univesp.br/preconceito-na-escola#.VjEjzZPQQjM >. Acesso em
27/10/2015. SÁ,
Leonardo. Combatera discriminação para promover a liberdade. Disponível
em <http://revistaescola.abril.com.br/formacao/combater-discriminacao-promover-
liberdade-preconceito-791985. HTML>. Acesso em 26/10/2015.
Formação para ensinar diversidade.
Disponívelem:<http://revistaescola.abril.com.br/formacao/combater-discriminacao-
promover- liberdade-preconceito-791985. XML?Page=1 >. Acesso em 26/10/2015.
SILVA,Benedito. Dicionário de Ciências Sociais. In:JOAQUIM, Nelson. Igualdade
e discriminação. Disponível
17
em:<http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2652/Igualdade-e-discriminacao >.
Acesso em 26/10/2015.
SILVA,Wanderlei da; BOKUMS, Raquel Maia. Prática de ensino: Observação e
Projeto. Disponível em: http://ead.unipinterativa.edu.br >>. Acesso em 08/10/2015.
SOUZA,Juliana Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A importância
da escola na formação do cidadão: algumas re flexões para o educador matemático.
Disponível em: <http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >.
Acesso em 28/10/201

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Artigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoArtigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoJoão Bet
 
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogicoModelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogicogioguima
 
Projeto EJA_ 2º bimestre - Profa. Dafiana Carlos
Projeto  EJA_ 2º bimestre - Profa.  Dafiana CarlosProjeto  EJA_ 2º bimestre - Profa.  Dafiana Carlos
Projeto EJA_ 2º bimestre - Profa. Dafiana CarlosDafianaCarlos
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturaiscelikennedy
 
05.1 história e geografia
05.1 história e geografia05.1 história e geografia
05.1 história e geografiacelikennedy
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaMariana Dias
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprpfamiliaestagio
 
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGOPRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGOProfessorPrincipiante
 
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera CandauEducação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera CandauSeduc MT
 
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...Cristiane Taveira
 
Educacao e diversidade
Educacao e diversidadeEducacao e diversidade
Educacao e diversidadeMagno Oliveira
 

Mais procurados (16)

Artigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campoArtigos sobre educação no campo
Artigos sobre educação no campo
 
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogicoModelo de-projeto-politico-pedagogico
Modelo de-projeto-politico-pedagogico
 
Projeto EJA_ 2º bimestre - Profa. Dafiana Carlos
Projeto  EJA_ 2º bimestre - Profa.  Dafiana CarlosProjeto  EJA_ 2º bimestre - Profa.  Dafiana Carlos
Projeto EJA_ 2º bimestre - Profa. Dafiana Carlos
 
04. ciências naturais
04. ciências naturais04. ciências naturais
04. ciências naturais
 
05.1 história e geografia
05.1 história e geografia05.1 história e geografia
05.1 história e geografia
 
Temas transversais
Temas transversaisTemas transversais
Temas transversais
 
Educação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogiaEducação e diversidade - pedagogia
Educação e diversidade - pedagogia
 
Proposta curricular de biologia cprp
Proposta curricular de  biologia cprpProposta curricular de  biologia cprp
Proposta curricular de biologia cprp
 
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGOPRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO
PRÁTICAS EDUCATIVAS E EDUCAÇÃO SOCIOAMBIENTAL NA FORMAÇÃO DO PEDAGOGO
 
Resumo PCN História
Resumo PCN HistóriaResumo PCN História
Resumo PCN História
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera CandauEducação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
Educação Escolar, Cultura e Diversidade.Texto de Antonio Flávio e Vera Candau
 
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...
Educação Ambiental (Parte 2: normas) Profº Dr. Carlos Frederico Bernardo Lour...
 
Pcns.
Pcns.Pcns.
Pcns.
 
Educacao e diversidade
Educacao e diversidadeEducacao e diversidade
Educacao e diversidade
 
PCNs Ciencias
PCNs CienciasPCNs Ciencias
PCNs Ciencias
 

Semelhante a Integração Cultural

O planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professoresO planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professorespedagogicosjdelrei
 
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantilEMEI Julio Alves Pereira
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDaniela Menezes
 
Aula da cristiane.ppt slide 1(1)
Aula da cristiane.ppt  slide 1(1)Aula da cristiane.ppt  slide 1(1)
Aula da cristiane.ppt slide 1(1)celiariosalmeida
 
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdfcad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdfLeonelBeneditoBelata1
 
Projeto Resgatando A éTica E A Cidadania
Projeto Resgatando A éTica E A CidadaniaProjeto Resgatando A éTica E A Cidadania
Projeto Resgatando A éTica E A Cidadaniajhenifer99
 
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...augustafranca7
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ivanizehonorato
 
Ativ 2b luana
Ativ 2b luanaAtiv 2b luana
Ativ 2b luanaLuanadias
 
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesParâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesSolange Das Graças Seno
 
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesParâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesSolange Das Graças Seno
 
Os desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalOs desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalRadar Ufmg
 
Projeto: Habilidades de vida na escola
Projeto: Habilidades de vida na escolaProjeto: Habilidades de vida na escola
Projeto: Habilidades de vida na escolaPatricia Bampi
 

Semelhante a Integração Cultural (20)

O planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professoresO planejamento proeti para os professores
O planejamento proeti para os professores
 
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantilDiretrizes curriculares nacionais para educação infantil
Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil
 
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legaisDireitos de aprendizagem fundamentos legais
Direitos de aprendizagem fundamentos legais
 
Aula da cristiane.ppt slide 1(1)
Aula da cristiane.ppt  slide 1(1)Aula da cristiane.ppt  slide 1(1)
Aula da cristiane.ppt slide 1(1)
 
Projeto+smed+2013
Projeto+smed+2013Projeto+smed+2013
Projeto+smed+2013
 
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdfcad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
cad-2023-C1-6ano-1bim-matematica.pdf
 
PPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. AdolfoPPP - e.e. Adolfo
PPP - e.e. Adolfo
 
Projeto Resgatando A éTica E A Cidadania
Projeto Resgatando A éTica E A CidadaniaProjeto Resgatando A éTica E A Cidadania
Projeto Resgatando A éTica E A Cidadania
 
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)
Educação Ambiental (parte 2): Normas - Profº Dr Carlos Frederico Loureiro (UFRJ)
 
Projeto luciane
Projeto lucianeProjeto luciane
Projeto luciane
 
A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.A diversidade cultural e a educação.art.
A diversidade cultural e a educação.art.
 
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...
SLIDE APRESENTADO NA SALA DO EDUCADOR SOBRE O REFERENCIAL CURRICULAR DO 2° CI...
 
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
ApresentaçãO Do Grupo B Para O SemináRio 25 11
 
Ativ 2b luana
Ativ 2b luanaAtiv 2b luana
Ativ 2b luana
 
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesParâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
 
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curricularesParâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
Parâmetros curriculares nacionais adaptações curriculares
 
Os desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_finalOs desafios docencia_hoje_final
Os desafios docencia_hoje_final
 
Historico EHC
Historico EHCHistorico EHC
Historico EHC
 
Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6Ilicínea meioambinte 6
Ilicínea meioambinte 6
 
Projeto: Habilidades de vida na escola
Projeto: Habilidades de vida na escolaProjeto: Habilidades de vida na escola
Projeto: Habilidades de vida na escola
 

Integração Cultural

  • 1. TRABALHO EM GRUPO –TG Aluno(s): Esdra Regina RA 1621654 RA RA RA RA RA POLO VARZEA PAULISTA 2016
  • 2. Unip-Universidade Paulista Interativa Licenciatura de Artes Visuais Projeto Pedagógico: Integração entre um ambiente não escolar e uma escola Várzea Paulista 2016
  • 3. Unip-Universidade Paulista Interativa Licenciatura de Artes Visuais Projeto Pedagógico: Integração entre um ambiente não escolar e uma escola TRABALHO 2 Projeto apresentado à Universidade Paulista – UNIP, do curso de Licenciatura em Artes Visuais, como um dos requisitos para a obtenção da nota na disciplina Prática de Ensino: Observação e Projeto, ministrada pela Prof. (a). Raquel Bokurns Várzea Paulista 2016
  • 4. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO ________________________________________________________ 5 2 OBJETIVOS ___________________________________________________________6 2.1 objetivos gerais_______________________________________________________6 2.2 objetivos específicos___________________________________________________6 3 DESENVOLVIMENTO ___________________________________________________7 3.1 revisões bibliográficas _________________________________________________7 3.2 procedimentos metodológicos ___________________________________________9 3.2.1 ambiente e público alvo ______________________________________________10 3.2.2 disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos _____________________________10 3.2.3 propostas de ação e estratégias didáticas ________________________________10 3.2.4 tempo de duração __________________________________________________13 4 AVALIAÇÃO _________________________________________________________14 4.1 resultados esperados _________________________________________________14 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ______________________________________________15 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS__________________________________________ 16
  • 5. 5 1- INTRODUÇÃO A diversidade é inerente à natureza humana. O homem é um ser que desenvolve diferentes formas de viver, conviver, simbolizar e solucionar situações sociais. O fruto desta capacidade é a diversidade que se manifesta na pluralidade de raças, línguas, culturas e religiões, que existem em todo o mundo. A multiplicidade é, portanto, uma realidade humana. Conviver dentro da sociedade sem considerar esta característica natural é um erro que fatalmente conduzirá ao preconceito e às formas de intolerância. Infelizmente tem-se assistido na história da humanidade as tristes cenas desta intolerância causadas pela falta de compreensão e respeito mútuo: as guerras, os conflitos raciais e religiosos, o preconceito. Nos dias atuais, o bullying, expõe uma nova forma de discriminação. O homem é um ser dotado de grandes capacidades. Já realizou inúmeros feitos e conquistas, conseguindo avançar significativamente dentro dos campos da tecnologia, da ciência e da economia. Porém, sem ter conseguido superar a atitude de preconceito e discriminação que, ainda, está presente no contexto mundial, local e individual da comunidade humana. A compreensão, a valorização e o respeito, às diferentes formas de culturas, raças, línguas e religiões, requer uma formação ética e moral, voltada para os valores da aceitação, respeito, solidariedade e tolerância. As mudanças, que se fazem necessárias, para que a intolerância seja combatida, devem acontecer no campo da formação de valores éticos, ou seja, uma modificação de mentalidade. A escola, pela sua própria natureza que é ser um ambiente de aprendizagem, tem papel importantíssimo na formação de valores éticos e morais voltados para o desenvolvimento de cidadãos comprometidos com o respeito, a solidariedade e capazes de conviver harmoniosamente com a pluralidade cultural, étnica, lingüística e religiosa. É dentro desta missão da escola, que este projeto de aproveitamento de um ambiente não escolar surgiu integrando as disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes. A finalidade é trabalhar junto aos alunos, do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental da Escola Professor Getúlio Nogueira de Sá, o tema da pluralidade
  • 6. 6 cultural, com foco na mudança de mentalidade voltada para a tolerância, ou seja, compreensão, valorização e respeito das diferentes culturas, etnias, línguas e religiões. A proposta visa sensibilizar o aluno a identificar essa diversidade a partir de sua realidade individual, familiar, local, levando-o a refletir sobre a realidade regional, estadual, nacional e de mundo.
  • 7. 7 2- OBJETIVOS 2.1 Objetivos gerais Possibilitar situações de aprendizagem que tornem o aluno capaz de compreender, valorizar e respeitar a diversidade cultural, étnica, lingüística e religiosa. 2.2 Objetivos específicos -compreender que a diversidade cultural, étnica, lingüística e religiosa é uma realidade que faz parte da condição humana; -levar o aluno a conscientizar-se de que não é possível separar a natureza humana das diferentes formas de diversidade observadas na sociedade; -valorizar e respeitar todas as expressões da diversidade existentes; -entender a importância do respeito mútuo para a convivência pacífica; -cultivar a atitude da tolerância e da paz; -combater a intolerância, o preconceito e a discriminação -entender as origens do preconceito; -perceber que as práticas esportivas coletivas constituem-se em um modelo rico de diversidade; -perceber a diversidade nas expressões culturais das danças regionais. 3- DESENVOLVIMENTO
  • 8. 8 3.1 Revisões bibliográficas O preconceito e as suas origens são um tema estudado e pesquisado, por várias vertentes científicas, com o intuito de entender as raízes desse comportamento e buscar um caminho de solução. Alguns conceitos são importantes para a reflexão do tema: “O preconceito é um julgamento prévio de uma pessoa com base em estereótipos. (...) localiza-se na esfera da consciência e/ou afetiva dos indivíduos.” (JOAQUIM, 2006, p. 01). Segundo o Dicionário de Ciências Sociais da Fundação Getúlio Vargas: “Trata-sede umas atitudes negativas, desfavoráveis, para com um grupo ou seus companheiros individuais. (...) A atitude resulta de processos internos do portador.” (SILVA, 1987, p. 962 apud JOAQUIM, 2006, p.01). O filósofo Gordon Allport afirma: “O preconceito é uma atitude equitativa ou hostil contra uma pessoa simplesmente porque ela pertence a um determinado grupo.” (ALLPORT, 1954, p.7 apud BUENO, 2015, p.01). E ainda, para o filósofo Norberto Bobbio(1909, p.117): Apenas posso dizer que os preconceitos nascem na cabeça dos homens. Por isso é preciso combatê-los na cabeça dos homens, isto é, com o desenvolvimento das consciências e, portanto, com a educação, mediante a luta incessante contra toda forma de sectarismo. Dentro desta perspectiva, reconhece-se o papel que a escola/educação tem dentro da sociedade de formadora de consciências. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (1998, p. 123): A escola tem um papel fundamental a desempenhar nesse processo. Em primeiro lugar, porque é um espaço em que pode se der a convivência entre estudantes de diferentes origens, com costumes e dogmas religiosos diferentes daqueles que cada um conhece, com visões de mundo diversas daquela que compartilha em família. (...) é um dos lugares onde são ensinadas as regras do espaço público para o convívio democrático com a diferença.
  • 9. 9 Para o professor e doutor José Carlos Líbaneo: É preciso que a escola contribua para uma nova postura ética valorativa de recolocar valores humanos fundamentais como a justiça, a solidariedade, a honestidade, o reconhecimento da diversidade e da diferença, o respeito à vida e aos direitos humanos básicos, como suportes de convicções democráticas. (LIBÂNEO, 2002, p.7 apud SOUZA, Juliana; SOUSA, Edvaldo, 2009). E conforme a professorada USP Valéria Amorim Arantes: A sociedade solicita que a educação assuma funções mais abrangentes que incorporem em seu núcleo de objetivos a formação integral do ser humano. Essa proposta educativa objetiva a formação da cidadania, visando que alunos e alunas desenvolvam competências para lidar de maneira consciente, crítica, democrática e autônoma com a diversidade e o conflito de idéias, com as influências da cultura e com os sentimentos e as emoções presentes nas relações que estabelecem consigo mesmos e com o mundo à sua volta. Afinal, estamos falando de uma educação em valores em que as dimensões cognitiva, afetiva, [...] interpessoal e sociocultural das relações humanas, são considerados no planejamento curricular e nos projetos político-pedagógicos das escolas. (ARANTES2003, p.157 apud SOUZA, Juliana; SOUSA, Edvaldo, 2009) O educador e a escola devem estar cientes desta responsabilidade. E, em conjunto, programações que envolvam todos os participantes do processo de educar voltados para a formação de valores éticos e morais. 3.2 Procedimentos metodológicos 3.2.1 Ambiente e Público Alvo O projeto é destinado aos alunos do 6º e 7º ano do Ensino Fundamental da Escola Professor Getúlio Nogueira de Sá. A escola localiza-se na Avenida Humberto Cereser, 2770, Jardim Caxambu, cidade de Jundiaí, (SP). O ambiente não escolar escolhido, para realizar a etapa do projeto de trabalho de aproveitamento pedagógico, é a sede da Sociedade Esportiva Caxambu. A Sociedade Esportiva Caxambu é uma entidade recreativa que possui uma área de aproximadamente Mil metros quadrados.
  • 10. 10 Toda cercada de área verde possui campos de futebol com arquibancada, quadra de vôlei de areia, cancha de bocha, piscinas e uma área para a recreação infantil. A Sociedade Esportiva Caxambu é uma agremiação da cidade de Jundiaí (SP). O clube foi Fundado no dia 06 de Janeiro de 1926. Localiza-se na Av. Comendador Antônio Boris, 6408 - Jardim Caxambu, Jundiaí 3.2.2 Disciplinas, conteúdos e conceitos envolvidos O tema transversal, pluralidade cultural, será desenvolvido em todas as etapas do projeto nas três disciplinas participantes com os seguintes focos: - Língua inglesa: refletir sobre a diversidade cultural, étnica, lingüística e religioso presente na vida humana com ênfase na compreensão, valorização e respeito mútuo; -Educação física: estudar os esportes coletivos levando o aluno a compreender que cada membro do grupo, com suas diferenças, contribuem para a conquista de um resultado positivo para a equipe; - Artes: aprender sobre as danças regionais brasileiras sob um olhar reflexivo a partir da compreensão de que, a cultura humana manifesta a sua diversidade nas expressões artísticas. 3.2.3 Propostas de ação e estratégias didáticas: O projeto será realizado em quatro etapas: - Etapa um: Aprender, refletir Nesta etapa os alunos receberão o conteúdo do projeto na sala de aula da Escola professor Getúlio Nogueira de Sá. O tema, em cada disciplina, será exposto em forma de debate, propiciando aos alunos momentos para que possam expressar suas opiniões e visões em relação ao conteúdo. O professor levará o aluno a refletir a partir da realidade individual, familiar e local para a realidade mundial promovendo
  • 11. 11 assim uma compreensão ampla de que adversidade está presente em toda a vida humana. Na disciplina de Língua Inglesa o professor apresentará ao aluno as diversas culturas existentes no mundo, refletindo sobre as características peculiares de cada uma, focando a necessidade da compreensão, valorização e respeito. Sob a mesma ótica, serão discutidas as diferenças raciais, lingüísticas e religiosas. Na disciplina de Educação física os alunos serão levados a perceber que, os esportes coletivos exigem a participação efetiva de cada membro para se atingir um objetivo. Cada membro é importante. Cada membro representa uma diferença. O conjunto dessas diferenças forma uma unidade, forma uma equipe. Na disciplina de Artes o professor conduzirá uma reflexão acerca da diversidade cultural manifestada na expressão artística da dança. Os alunos conhecerão, através da pesquisa, as danças regionais brasileiras. - Etapa dois: Pesquisar, elaborar trabalhos Os alunos, em seus respectivos anos letivos, serão divididos em grupos de trabalho para a realização de pesquisas e trabalhos. As pesquisas serão feitas no horário da aula da disciplina, usando a biblioteca e o laboratório de informática da escola. A pesquisa deve ser simples e objetiva. Após a pesquisa, os grupos deverão entregar um trabalho simples aos professores. A partir das pesquisas, os alunos realizarão a explanação dos conteúdos, em sala de aula, para os demais colegas de turma. -Língua Inglesa: cada grupo pesquisará uma cultura mundial. A pesquisa deve conter: o nome do país, a língua ou línguas utilizadas, costumes e tradições, as religiões, a raça. Ex: cultura japonesa, cultura africana, cultura brasileira; -Educação Física: cada grupo pesquisará um esporte coletivo. A pesquisa deve conter: a modalidade coletiva, a origem, as funções dos membros da equipe; -Artes: cada grupo pesquisará uma dança regional brasileira. A pesquisa deve conter: região de origem, tipo de dança, a técnica da dança. - Etapa 3: Expor o assunto pesquisado
  • 12. 12 Os alunos farão a exposição do assunto pesquisado, em cada disciplina pertencente ao projeto, para os demais colegas de turma. Ao final das exposições o professor de cada disciplina fará a proposta da etapa quatro: promover uma Manhã de Integração Cultural, Artística e Esportiva na Sociedade Caxambu. - Etapa 4: Realizar a Manhã de Integração Cultural, Artística e Esportiva na Sociedade Caxambu. A manhã de Integração Cultural acontecerá em data agendada posteriormente com a Sociedade Caxambu. O evento será aberto aos pais e familiares do alunos. Para a realização da Manhã de Integração Cultural os alunos, do 6º e 7º ano, serão divididos em três equipes: - equipe do painel; - equipe do esporte - equipe da dança. A equipe do painel ficará responsável em elaborar o painel da diversidade com recortes de revistas, ilustrando a pluralidade cultural, os esportes coletivos e as danças regionais brasileiras. O painel será colocado no pátio da sede da Sociedade em local visível e de fácil acesso. A equipe dos esportes organizará um esporte coletivo para ser praticado, pelos alunos da equipe, durante a realização da manhã Cultural. A equipe da dança escolherá uma dança regional para ser executada, pelos alunos da equipe, durante a realização da manhã Cultural. Todos os alunos e participantes do evento deverão usar trajes típicos de uma cultura, país ou de um esporte. A Manhã Cultural terá a seguinte programação: 08h00- Recepção dos participantes trajados 08h30- Realização do jogo do esporte coletivo escolhido pelos alunos 09h40- Lanche promovido pela escola e servido no restaurante da sede 10h15- Apresentação da dança regional escolhida pela equipe no pátio da sede
  • 13. 13 10h50- Contemplação do painel construído 11: 00- Encerramento com o abraço Os alunos e participantes deverão assistir o jogo coletivo na arquibancada e prestigiar a dança regional no pátio. Todos serão convidados pelos professores das disciplinas a visitar o painel construído pelos alunos para realizar uma contemplação. Os professores farão uma leitura do painel e deixarão como mensagem final a importância de compreender, valorizar e respeitar a diversidade. Em seguida todos serão convidados a encerrar com um abraço comunitário comprometendo-se a respeitar mutuamente. 3.2.4 Tempo de duração O projeto será desenvolvido em seis semanas: 1ª semana: O conteúdo será refletido em sala de aula nos horários das aulas das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes 2ª semana: Os alunos realizarão pesquisas durante os horários das aulas das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes 3ª semana: Exposição dos conteúdos pesquisados pelos alunos nos horários das aulas das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes 4ª semana: Os alunos prepararão as atividades que serão realizadas na Manhã de Integração Cultural: construção do painel; ensaio da dança e treino do esporte coletivo. 5ª semana: Realização da Manhã de Integração Cultural na Sociedade Caxambu a partir das 08h00min até as 11h00min horas 6ª semana: Exposição dos trabalhos, painel e fotos do projeto na comunidade escolar. 4- AVALIAÇÃO Ao final do projeto espera-se que o aluno tenha assimilado a compreensão de que, a diversidade está presente na sociedade humana, sendo capaz de observar
  • 14. 14 esta pluralidade no contexto individual, local, regional e mundial. É esperado ainda que, ao praticar o esporte coletivo, e executar a dança regional, o aluno tenha compreendido algumas expressões da diversidade abrindo-se para a atitude de respeito mútuo e valorização das diferenças. A avaliação deste entendimento se dará pela observação do comportamento dos alunos dentro da comunidade escolar, ou seja, na sala de aula, na prática das atividades esportivas e artísticas e outros eventos que ocorrem na escola. O aparecimento de situações de preconceito, bullying, desrespeito, será indicativo da necessidade de se trabalhar novamente o tema. 4.1 Resultados esperados Como produto final do projeto realizado, será organizado uma exposição no pátio da escola, dirigida a toda a comunidade escolar, com todo o conteúdo do projeto: - o painel da diversidade construído pelos alunos; - os trabalhos de pesquisas que foram entregues aos professores; - fotos da Manhã de Integração Cultural destacando o esporte coletivo, a dança e o abraço comunitário. 5- CONSIDERAÇÕES FINAIS A proposta deste projeto de aproveitamento de um ambiente não escolar, envolvendo três disciplinas, em um conjunto de ações sistematizadas e organizadas, oferecendo ao aluno situações reais de aprendizagem, contribuíram de maneira positiva para provocar nos alunos uma reflexão profunda sobre o tema da pluralidade cultural. Durante as etapas o aluno será levado a refletir de maneira espontânea,
  • 15. 15 lúdica, usando suas próprias habilidades físicas, artísticas e intelectuais. A integração das disciplinas de Língua Inglesa, Educação Física e Artes proporcionarão ao aluno uma expansão do assunto, conduzindo-o naturalmente ao processo de formar a sua própria consciência moral e ética. A realização da Manhã de Integração Cultural na Sociedade Caxambu ajudará a marcar o aluno com uma experiência vivida que certamente contribuirá para as futuras escolhas de valores morais e éticos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALLPORT, Gordon. The nature of prejudice. in: BUENO, Chris. As razões e origens do preconceito. Disponível em:< http://pre.univesp.br/origens-do-preconceito##. VjEiGpPQQjM>>. Acesso em 27/10/2015. ARANTES, Valéria Amorim(org) et. al. Afetividades na escola, alternativas teóricas e práticas. In: SOUZA,Juliana Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A importância da escola na formação do cidadão: algumas reflexões para o educador matemático. Disponível em:
  • 16. 16 <http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >Acesso em 28/10/2015. BOBBIO,Norberto. Elogio da serenidade e outros escritos morais. Trad.Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora UNESP, 2002. BRASIL.Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Pluralidade cultural. Disponível em:<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pluralidade.pdf >. Acesso em 26/10/2015. BUENO,Chris. As razões e origens do preconceito. Disponível em:<http://pre.univesp.br/origens-do-preconceito#.VjEiGpPQQjM >>. Acesso em 27/10/2015. CASTILHO,Brasílio Leite de. O que é o preconceito? Disponívelem:<http://www.webartigos.com/artigos/o-que-e-o-preconceito/131483/ >. Acesso em 27/10/2015. JOAQUIM,Nelson. Igualdade e discriminação. Disponívelem:<http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2652/Igualdade-e- discriminacao >. Acesso em 26/10/2015. KEMP, kênia. Homem e Sociedade. São Paulo: Editora Sol, 2011. LIBANEO,José Carlos. Adeus professor, adeus professora? In:SOUZA, Juliana Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A importância da escola na formação do cidadão: algumas reflexões para o educador matemático. Disponível em: <http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >. Acesso em 28/10/2011. MUZEL,Lúcia. Não nascemos racistas, nos tornamos racistas. Disponível em:<http://revistaescola.abril.com.br/formacao/pap-ndiaye-nao-nascemos-racistas- torna mos-791980. HTML>. Acesso em 26/10/2015. PIACENTINI, Patrícia. Preconceito na escola. Disponível em:<http://pre.univesp.br/preconceito-na-escola#.VjEjzZPQQjM >. Acesso em 27/10/2015. SÁ, Leonardo. Combatera discriminação para promover a liberdade. Disponível em <http://revistaescola.abril.com.br/formacao/combater-discriminacao-promover- liberdade-preconceito-791985. HTML>. Acesso em 26/10/2015. Formação para ensinar diversidade. Disponívelem:<http://revistaescola.abril.com.br/formacao/combater-discriminacao- promover- liberdade-preconceito-791985. XML?Page=1 >. Acesso em 26/10/2015. SILVA,Benedito. Dicionário de Ciências Sociais. In:JOAQUIM, Nelson. Igualdade e discriminação. Disponível
  • 17. 17 em:<http://www.direitonet.com.br/artigos/exibir/2652/Igualdade-e-discriminacao >. Acesso em 26/10/2015. SILVA,Wanderlei da; BOKUMS, Raquel Maia. Prática de ensino: Observação e Projeto. Disponível em: http://ead.unipinterativa.edu.br >>. Acesso em 08/10/2015. SOUZA,Juliana Campos Sabino de, SOUSA, Edvaldo Alves de. A importância da escola na formação do cidadão: algumas re flexões para o educador matemático. Disponível em: <http://www.partes.com.br/educacao/educadormatematico.asp >. Acesso em 28/10/201