SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
Apresenta TRILOGIA DO PALHAÇO O PERDEDOR ATELIÊ DO RISO
Márcio Libar escolhe o perdedor como a sua maneira de definir o palhaço. Apesar de sua imagem estar sempre associada a roupas coloridas, gestos alegres e sorrisos largos. Seu trabalho, faz referência ao vagabundo, ao pobre, àquele que perdeu para o sistema. Mas que aceita sua condição, sem auto-piedade. ATELIÊ DO RISO
Há 20 anos o palhaço Marcio Libar vem disseminando esses princípios  através de sua arte como  Palhaço. Fazendo apologia à lógica do  perdedor.  Onde ... ATELIÊ DO RISO
“ Em casa de Saci uma calça dá pra dois.” “ Quem nunca sonhou com o dobro metade é lucro” “ Se é pra morrer pobre o que a gente tem já dá.” ATELIÊ DO RISO
Idealizador e fundador do grupo Teatro de Anônimo(1986) e do evento Anjos do Picadeiro-Encontro Internacional de Palhaços (1996), fundou seu projeto Mundo ao Contrário no ano de 2001. Desde então passa a situar seu trabalho numa dimensão artística, pedagógica, política... Além de contribuições pontuais no campo do pensamento. ATELIÊ DO RISO
Hoje sua ação artística e cultural se apóia na trilogia: espetáculo, oficina e livro. ATELIÊ DO RISO
O PROJETO: TRILOGIA DO PALHAÇO Realizar um evento com o ator/palhaço Marcio Libar, que reúna numa mesma programação, a apresentação do espetáculo “O Pregoeiro”, a realização da oficina “A Nobre Arte do Palhaço” e o lançamento do livro seguido de debate . ATELIÊ DO RISO
O PREGOEIRO (espetáculo adulto) ATELIÊ DO RISO
Espetáculo no estilo “one man show” que se resume no tripé: ator, palco e platéia. Basicamente usando seu carisma e a fala solta de um experiente artista de rua, Marcio conta de forma documental em primeira pessoa a sua busca pelo reconhecimento da mídia e da crítica especializada e pelo amor de seu público. Ele confessa que sempre sonhou em ser “famoso”, acreditou que seria um ídolo pop da black music, um pop star, mas quis o destino que ele acabasse no teatro e acabou se conformando em ser  pobrestar  mesmo. A partir desse argumento, o nosso aspirante a ídolo tenta realizar números de habilidades, mas que só acabam revelando sua mediocridade artística. Ele faz várias tentativas frustradas para receber o amor de seu público, mas só quando entra em contato com o palhaço e o compreende como “O perdedor” é que encontra um sentido. É naquele lugar de perdedor que ele realmente se encontra e se reconhece (...) SINOPSE ATELIÊ DO RISO
(...) partir desse ponto, Marcio vai se despindo da imagem MTV que construiu e gradativamente vai se transformando no seu palhaço  Cuti-Cuti , enquanto fala sobre  perdas, amor e morte . “ Não levem a vida a sério, porque vocês não vão sair vivos dela!”.  É o que o palhaço quer dizer no final. SINOPSE ATELIÊ DO RISO
Duração: 70min. Criação coletiva: Marcio Libar Isso envolve roteiro, direção, atuação, trilha sonora, figurino, cenário, seleção de elenco e dramaturgia. Participação: Fabrício Dornelles Realização: Mundo Ao Contrário FICHA TÉCNICA ATELIÊ DO RISO
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Necessidades Técnicas - SOM ATELIÊ DO RISO
Necessidades Técnicas -  LUZ ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ATELIÊ DO RISO
“ A NOBRE ARTE DO PALHAÇO”  (oficina) ATELIÊ DO RISO
" O coração do palhaço é uma flor e o palhaço nasceu para doar essa flor para o mundo " A oficina não aborda o palhaço a partir da perspectiva do circo ou do teatro e sim sobre a sua condição de arquétipo da humanidade. Esse arquétipo encerra a luta entre “autoridade e rebeldia”, pois desde que o homem passa a viver em sociedade, vive o eterno conflito entre: “ Ser quem realmente se é ou aquilo que querem que você seja ” . ATELIÊ DO RISO
O palhaço é “o idiota” e é feliz nesse mundo justamente por ser “o idiota”, por não fazer parte do mundo dos que se arrogam a ser mais inteligentes e espertos que os outros. É um processo bastante divertido e em certa medida difícil, pois o primeiro contato com nossas fragilidades e fraquezas é de fato doloroso, até que você as aceite, pois como diz o velho ditado “Ri melhor, quem ri de si”. A oficina é voltada para atores e não atores. ATELIÊ DO RISO
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Necessidades Técnicas ATELIÊ DO RISO
“ A Nobre Arte do Palhaço”  (o livro) ATELIÊ DO RISO
“ Este livro é muito mais que uma biografia, ele representa a jornada de um homem comum em busca de sua essência. E nesse caminho ele revela vários nascimentos: o do Teatro de Anônimo, o do Anjos do Picadeiro, o do amor pelo palhaço, um amor confesso de uma nova geração, agora não mais a das grandes famílias mambembes, mas a dos que se aventuram em diversas escolas, seja a rua, sejam os retiros com mestres tradicionais, sejam as escolas especializadas.  Com uma riqueza de detalhes capaz de fazer inveja a qualquer romancista, vivemos juntos, nas páginas mais emocionantes do livro, o nascimento de Cuti-Cuti, (...) O nascimento do palhaço não encerra o livro, seu amadurecimento, pautado pela inquietude própria do artista e o interesse contínuo na pesquisa, revela toda uma rede da trocas forjada pelos palhaços dessa geração que está fazendo a história do circo e da comicidade hoje... ATELIÊ DO RISO
(...) Este o maior desdobramento do livro: ao escrever sua história, Marcio Libar deixa um documento de uma geração audaciosa, transgressora e ao mesmo tempo profundamente conhecedora da melhor tradição circense. (...) Dá gosto ler A nobre arte do palhaço. Marcio Libar construiu uma trama com evoluções de cenas, clímax e tudo o mais que há nos melhores livros de ficção. Quando nos damos conta de que é tudo pautado sobre acontecimentos reais, admiramos ainda mais esse livro pela maneira que seu autor encontrou para narrar o vivido”.  Ieda Magri (Escritora e Crítica Literária) ATELIÊ DO RISO
HISTÓRICO/CURRICULUM ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ATELIÊ DO RISO
HISTÓRICO/CURRICULUM ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ATELIÊ DO RISO
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],ATELIÊ DO RISO
Contato: Marcio Libar (021) 9254 2818 (021) 2548 4339 ATELIÊ DO RISO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (15)

Biografias
BiografiasBiografias
Biografias
 
Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Desfile das escolas de samba 2014
Desfile das escolas de samba 2014Desfile das escolas de samba 2014
Desfile das escolas de samba 2014
 
Dramaturgos
DramaturgosDramaturgos
Dramaturgos
 
Atividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsrAtividades sobre teatro novinho rsr
Atividades sobre teatro novinho rsr
 
Valter hugo mãe
Valter hugo mãeValter hugo mãe
Valter hugo mãe
 
António pedro vasconcelos
António pedro vasconcelosAntónio pedro vasconcelos
António pedro vasconcelos
 
Eça de queiroz
 Eça de queiroz Eça de queiroz
Eça de queiroz
 
Cortico
CorticoCortico
Cortico
 
Esse tipo de peça (por Lara Couto)
Esse tipo de peça (por Lara Couto)Esse tipo de peça (por Lara Couto)
Esse tipo de peça (por Lara Couto)
 
Manoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de AutorManoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
Manoel de Oliveira - Pesquisa de Autor
 
Ricardo Silvestrin
Ricardo SilvestrinRicardo Silvestrin
Ricardo Silvestrin
 
Alexandre Muller
Alexandre MullerAlexandre Muller
Alexandre Muller
 
Ariano Suassuna
Ariano SuassunaAriano Suassuna
Ariano Suassuna
 
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo AnoWalcyr Carrasco / Oitavo Ano
Walcyr Carrasco / Oitavo Ano
 

Semelhante a Material Marcio Libar

Programação de setembro da casa dos artistas
Programação de setembro da casa dos artistasProgramação de setembro da casa dos artistas
Programação de setembro da casa dos artistas
Roberto Rabat Chame
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
Thayne Moura
 
Ciclo cinema
Ciclo cinemaCiclo cinema
Ciclo cinema
mcarmo89
 
Jornal da letras entrevista ondjaki
Jornal da letras entrevista ondjakiJornal da letras entrevista ondjaki
Jornal da letras entrevista ondjaki
Paula Costa
 
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaçoPeter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Claudio Paulo
 
Portefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson DuartePortefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson Duarte
Herlandson Duarte
 

Semelhante a Material Marcio Libar (20)

Agenda julho 2010
Agenda julho 2010Agenda julho 2010
Agenda julho 2010
 
Cia 2 Banquinhos
Cia 2 BanquinhosCia 2 Banquinhos
Cia 2 Banquinhos
 
Programação de setembro da casa dos artistas
Programação de setembro da casa dos artistasProgramação de setembro da casa dos artistas
Programação de setembro da casa dos artistas
 
Modernismo em Portugal
Modernismo em PortugalModernismo em Portugal
Modernismo em Portugal
 
Folha sala-coimbra
Folha sala-coimbraFolha sala-coimbra
Folha sala-coimbra
 
Ciclo cinema
Ciclo cinemaCiclo cinema
Ciclo cinema
 
[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem[c7s] Figuras de Linguagem
[c7s] Figuras de Linguagem
 
Jornal da letras entrevista ondjaki
Jornal da letras entrevista ondjakiJornal da letras entrevista ondjaki
Jornal da letras entrevista ondjaki
 
Brisalenta+book
Brisalenta+bookBrisalenta+book
Brisalenta+book
 
Diz117
Diz117Diz117
Diz117
 
Pag.criancas190211
Pag.criancas190211Pag.criancas190211
Pag.criancas190211
 
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaçoPeter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
Peter+brook+ +o+teatro+e+seu+espaço
 
Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011Pág.crianças 5 novembro2011
Pág.crianças 5 novembro2011
 
Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008Platéias sem teto - abrace 2008
Platéias sem teto - abrace 2008
 
Panorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiroPanorama do teatro brasileiro
Panorama do teatro brasileiro
 
Cantigas de roda
Cantigas de rodaCantigas de roda
Cantigas de roda
 
Portefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson DuartePortefolio Herlandson Duarte
Portefolio Herlandson Duarte
 
Acre 2ª edição (abril, maio,junho 2012)
Acre 2ª edição (abril, maio,junho 2012)Acre 2ª edição (abril, maio,junho 2012)
Acre 2ª edição (abril, maio,junho 2012)
 
Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016Bonequinha de pano 2016
Bonequinha de pano 2016
 
Casamento Aberto, Quase Escancarado
Casamento Aberto, Quase EscancaradoCasamento Aberto, Quase Escancarado
Casamento Aberto, Quase Escancarado
 

Material Marcio Libar

  • 1. Apresenta TRILOGIA DO PALHAÇO O PERDEDOR ATELIÊ DO RISO
  • 2. Márcio Libar escolhe o perdedor como a sua maneira de definir o palhaço. Apesar de sua imagem estar sempre associada a roupas coloridas, gestos alegres e sorrisos largos. Seu trabalho, faz referência ao vagabundo, ao pobre, àquele que perdeu para o sistema. Mas que aceita sua condição, sem auto-piedade. ATELIÊ DO RISO
  • 3. Há 20 anos o palhaço Marcio Libar vem disseminando esses princípios através de sua arte como Palhaço. Fazendo apologia à lógica do perdedor. Onde ... ATELIÊ DO RISO
  • 4. “ Em casa de Saci uma calça dá pra dois.” “ Quem nunca sonhou com o dobro metade é lucro” “ Se é pra morrer pobre o que a gente tem já dá.” ATELIÊ DO RISO
  • 5. Idealizador e fundador do grupo Teatro de Anônimo(1986) e do evento Anjos do Picadeiro-Encontro Internacional de Palhaços (1996), fundou seu projeto Mundo ao Contrário no ano de 2001. Desde então passa a situar seu trabalho numa dimensão artística, pedagógica, política... Além de contribuições pontuais no campo do pensamento. ATELIÊ DO RISO
  • 6. Hoje sua ação artística e cultural se apóia na trilogia: espetáculo, oficina e livro. ATELIÊ DO RISO
  • 7. O PROJETO: TRILOGIA DO PALHAÇO Realizar um evento com o ator/palhaço Marcio Libar, que reúna numa mesma programação, a apresentação do espetáculo “O Pregoeiro”, a realização da oficina “A Nobre Arte do Palhaço” e o lançamento do livro seguido de debate . ATELIÊ DO RISO
  • 8. O PREGOEIRO (espetáculo adulto) ATELIÊ DO RISO
  • 9. Espetáculo no estilo “one man show” que se resume no tripé: ator, palco e platéia. Basicamente usando seu carisma e a fala solta de um experiente artista de rua, Marcio conta de forma documental em primeira pessoa a sua busca pelo reconhecimento da mídia e da crítica especializada e pelo amor de seu público. Ele confessa que sempre sonhou em ser “famoso”, acreditou que seria um ídolo pop da black music, um pop star, mas quis o destino que ele acabasse no teatro e acabou se conformando em ser pobrestar mesmo. A partir desse argumento, o nosso aspirante a ídolo tenta realizar números de habilidades, mas que só acabam revelando sua mediocridade artística. Ele faz várias tentativas frustradas para receber o amor de seu público, mas só quando entra em contato com o palhaço e o compreende como “O perdedor” é que encontra um sentido. É naquele lugar de perdedor que ele realmente se encontra e se reconhece (...) SINOPSE ATELIÊ DO RISO
  • 10. (...) partir desse ponto, Marcio vai se despindo da imagem MTV que construiu e gradativamente vai se transformando no seu palhaço Cuti-Cuti , enquanto fala sobre perdas, amor e morte . “ Não levem a vida a sério, porque vocês não vão sair vivos dela!”. É o que o palhaço quer dizer no final. SINOPSE ATELIÊ DO RISO
  • 11. Duração: 70min. Criação coletiva: Marcio Libar Isso envolve roteiro, direção, atuação, trilha sonora, figurino, cenário, seleção de elenco e dramaturgia. Participação: Fabrício Dornelles Realização: Mundo Ao Contrário FICHA TÉCNICA ATELIÊ DO RISO
  • 12.
  • 13.
  • 14. “ A NOBRE ARTE DO PALHAÇO” (oficina) ATELIÊ DO RISO
  • 15. " O coração do palhaço é uma flor e o palhaço nasceu para doar essa flor para o mundo " A oficina não aborda o palhaço a partir da perspectiva do circo ou do teatro e sim sobre a sua condição de arquétipo da humanidade. Esse arquétipo encerra a luta entre “autoridade e rebeldia”, pois desde que o homem passa a viver em sociedade, vive o eterno conflito entre: “ Ser quem realmente se é ou aquilo que querem que você seja ” . ATELIÊ DO RISO
  • 16. O palhaço é “o idiota” e é feliz nesse mundo justamente por ser “o idiota”, por não fazer parte do mundo dos que se arrogam a ser mais inteligentes e espertos que os outros. É um processo bastante divertido e em certa medida difícil, pois o primeiro contato com nossas fragilidades e fraquezas é de fato doloroso, até que você as aceite, pois como diz o velho ditado “Ri melhor, quem ri de si”. A oficina é voltada para atores e não atores. ATELIÊ DO RISO
  • 17.
  • 18. “ A Nobre Arte do Palhaço” (o livro) ATELIÊ DO RISO
  • 19. “ Este livro é muito mais que uma biografia, ele representa a jornada de um homem comum em busca de sua essência. E nesse caminho ele revela vários nascimentos: o do Teatro de Anônimo, o do Anjos do Picadeiro, o do amor pelo palhaço, um amor confesso de uma nova geração, agora não mais a das grandes famílias mambembes, mas a dos que se aventuram em diversas escolas, seja a rua, sejam os retiros com mestres tradicionais, sejam as escolas especializadas. Com uma riqueza de detalhes capaz de fazer inveja a qualquer romancista, vivemos juntos, nas páginas mais emocionantes do livro, o nascimento de Cuti-Cuti, (...) O nascimento do palhaço não encerra o livro, seu amadurecimento, pautado pela inquietude própria do artista e o interesse contínuo na pesquisa, revela toda uma rede da trocas forjada pelos palhaços dessa geração que está fazendo a história do circo e da comicidade hoje... ATELIÊ DO RISO
  • 20. (...) Este o maior desdobramento do livro: ao escrever sua história, Marcio Libar deixa um documento de uma geração audaciosa, transgressora e ao mesmo tempo profundamente conhecedora da melhor tradição circense. (...) Dá gosto ler A nobre arte do palhaço. Marcio Libar construiu uma trama com evoluções de cenas, clímax e tudo o mais que há nos melhores livros de ficção. Quando nos damos conta de que é tudo pautado sobre acontecimentos reais, admiramos ainda mais esse livro pela maneira que seu autor encontrou para narrar o vivido”. Ieda Magri (Escritora e Crítica Literária) ATELIÊ DO RISO
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24. Contato: Marcio Libar (021) 9254 2818 (021) 2548 4339 ATELIÊ DO RISO