SlideShare uma empresa Scribd logo
AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA
ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA - FUNDÃO
Departamento de Ciências Sociais e Humanas
Área Curricular Disciplinar: Geografia
8º Ano 2010/2011
Catástrofes Naturais
- fenómenos naturais
- provocam elevada destruição
material
vida (seres vivos)
- podem alterar a superfície da Terra
Estão associadas:
 Alterações climáticas
 Dinâmica interna da Terra
 Condições atmosféricas/meteorológicas
CATÁSTROFES
NATURAIS
Origens/Causas
As dimensões das catástrofes dependem:
• da intensidade dos fenómenos
• da preparação do Homem para as enfrentar
Dinâmica interna da Terra Condições meteorológicas
Não actuam de forma
contínua e uniforme.
Têm picos de actividade
com grande impacto
na superfície da Terra
e nas actividades do
Homem.
São muito frequentes à
superfície da Terra.
As dimensões das catástrofes
são muito variáveis.
Dinâmica interna da Terra - Erupções vulcânicas
- Sismos
- Tsunamis (maremotos)
Condições meteorológicas
 de curta duração  de longa duração
- Tornado/
Tromba de Água
- Cheias/Inundações
- Furacão/Ciclone/Tufão
- Avalanches- Movimentos de Vertente
Desabamentos/Derrocadas
/Desmoronamentos/
Deslizamentos de Terra/Avalanchas
- Vaga de Frio
- Vaga de calor
- Seca
Dependem da
dinâmica da Terra e
condições meteorológicas
Dinâmica interna da Terra
Vulcões: fendas na superfície terrestre por onde
se libertam gases, cinzas e lava.
- Erupções vulcânicas
Sinais de Alerta/previsão:
- Libertação de fumo
- Abertura de pequenas fendas nas vertentes
- Comportamento de alguns animais
Dinâmica interna da Terra
- Sismos
Movimentos da crosta terrestre, rápidos e
mais ou menos intensos.
Sinais de alerta/previsão:
- Abalos promontórios
- Comportamento dos animais
-Variação do nível da água
nos poços
Dinâmica interna da Terra
- Tsunamis (maremotos)
Sismo com epicentro submarino provocando
frequentemente ondas gigantes.
Como se forma a onda mortal
1. A ruptura causada pelo tremor no leito
do mar empurra a água para cima, dando
início à onda.
2. A onda gigante move-se nas profundezas
do oceano a velocidade altíssima.
3. Ao se aproximar da terra, a onda
perde velocidade, mas fica mais alta.
4. Então a onda avança por terra,
destruindo tudo o que se encontra
seu caminho.
Condições meteorológicas (de curta duração)
- Tornado/Tromba de Água
Coluna de vento (água) que gira rapidamente
sobre si própria.
É um fenómeno meteorológico.
Caracteriza-se por um turbilhão
violento de ar que gira sobre si
mesmo e que se estende desde as
nuvens até à superfície terrestre.
Origem:
Junção de uma massa de ar
quente com uma massa de ar
frio e uma corrente ascendente
Grau de destruição muito elevado
- danificação ou desmoronamento de edifícios
e muros
- projecção de objectos (viaturas e coberturas)
- ameaça significativa para as vidas humanas
Grau
 Designaçã
o
 Velocidad
e
do vento
(km/h)
 Tipo de danos
  
F0 
  
Fraco 
  
  
64-117 
  
Danos em antenas e chaminés. Raízes de árvores abaladas, 
ramos  partidos  e  derrube  das  mais  expostas.  Danos  nas 
sinalizações públicas. 
  
F1 
  
Moderado 
  
118-180 
  
Vidros de janelas partidos; desprendimento ou descasque da 
superfície  de  coberturas.  Casas  pré-fabricadas  arrancadas 
das fundações ou tombadas; anexos podem ser destruídos. 
Árvores  arrancadas  pela  raiz  ou  partidas.  Veículos 
deslocados para fora da rota. 
  
F2 
  
  
Significativ
o 
  
181-253 
  
Telhados projectados; casas de madeira ou pré-fabricadas e 
anexos  destruídos.  Árvores  de  grande  porte  rachadas  ou 
arrancadas  pela  raiz.  Objectos  pequenos  actuam  como 
projécteis. 
  
F3 
  
Severo 
  
254-332 
  
Colapso de telhados e paredes de casas de boa construção; 
construções  com  estruturas  metálicas  arrancadas  do  solo. 
Comboios saem dos carris. Grande parte das árvores mais 
expostas ao vento arrancadas do solo e projectadas. 
  
F4 
  
  
Devastado
r 
  
333-418 
  
Colapso  de  casas  de  boa  construção;  estruturas  com 
fundações  fracas  projectadas  a  alguma  distância.  Veículos 
arrastados. Objectos grandes actuam como projécteis. 
  
F5 
  
Incrível 
  
419-512 
  
Casas  com  estruturas  sólidas  arrancadas  das  fundações  e 
transportadas  para  distâncias  consideráveis.  Objectos  do 
tamanho  de  um  automóvel  projectados  a  distâncias 
superiores a 100 metros. Estruturas de betão reforçado com 
aço fortemente danificadas. 
  
F6 
  
  
Inconcebív
el 
  
513-610 
  
Se acontecer, os seus efeitos não são muito diferentes dos 
associados a  F4  e F5 mas aplicados a novos materiais de 
construção. 
Atingem sobretudo as
regiões temperadas
Condições meteorológicas (de curta duração)
- Cheias/Inundações
Provocadas por: precipitações moderadas e permanentes
ou por precipitações repentinas e de elevada intensidade.
Faz aumentar o caudal dos cursos de água, originando
o extravase do leito normal e a inundação das margens
Excesso de precipitação em relação às quantidades habituais
Riscos de cheia são agravados por acções do Homem:
- Destruição do coberto vegetal
- Assoreamento dos rios
- Ocupação das margens dos rios/
Construção em leito de cheia/
Impermeabilização do solo
- Descargas de barragens
- Regularização dos rios
Prejuízos resultantes das cheias são frequentemente
Avultados: perda de vidas humanas e bens.
A prevenção das cheias é de extrema importância.
Quanto tempo dura uma Cheia?
Depende das características da bacia hidrográfica do rio.
Bacias de pequenas dimensões: as cheias formam-se
rapidamente, por vezes (em escassas horas)
Bacias de grandes dimensões: demora mais tempo a instalar-se,
permitindo um aviso mais atempado às populações.
Demoram também mais tempo a desaparecer, podendo
demorar mesmo vários dias.
Podemos prever uma Cheia?
- observações meteorológicas
 Avisar atempadamente as populações através dos meios de comunicação
social (jornais, rádio, televisão), ou de comunicados no site do SNPC,
e recomendar medidas de auto - protecção adequadas.
- conhecimento das descargas das barragens
Prevenção:
- Regularização do caudal dos rios
- Preservação do coberto vegetal
- Não construir em leito de cheia
- Não construir em áreas baixas
- Limpeza regular das sarjetas e colectores de água
- Limpeza das vias de comunicação e canais de escoamento
Condições meteorológicas (de curta duração)
- Furacão/Ciclone/Tufão
Enormes sistemas de baixas pressões em que o ar ascende
violentamente e em espiral, em torno de um centro mais calmo.
Formam-se:
Sobre os oceanos (latitude
8°-15° N e Sul)
Onde a temperatura da
água do mar é elevada
(27°)
Previsão: Meteorológica
- Movimentos de vertente
Condições meteorológicas
- Avalanchas
- Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/
Deslizamentos de Terra
São frequentes:
Grau de destruição:
regiões de montanha e regiões húmidas
relacionado com a inclinação das vertentes
Associados a:
- Fenómenos atmosféricos
(precipitação intensa)
- Erosão
(devido à destruição da vegetação)
- Força da gravidade
(os corpos têm tendência a descer
pelas vertentes)
Movimentos de vertente
- Construções e escavações
(edifícios/estradas/…)
- Actividade sísmica
- Actividade vulcânica
Condições meteorológicas (de curta duração)
- Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/Deslizamentos
de Terra
Previsão:
meteorológica (previsão de precipitação intensa)
Prevenção:
- Não destruir a vegetação das vertentes
- Não construir em declives acentuados
- Evitar a prática de ski em áreas instáveis
- Retenção de encostas para evitar
deslizamentos de terra
Condições meteorológicas (de curta duração)
- Avalanches
Deslizamento de gelo ou neve instável numa vertente.
Condições meteorológicas (de longa duração)
- Vaga de Frio
Sucessão de dias com valores de temperatura muito baixos.
As vagas de frio podem estar associadas a outros
fenómenos meteorológicos, como:
- queda de neve
- ventos fortes
- formação de gelo
Consequências:
Previsão: meteorológica
Maior mortalidade humana
Condições meteorológicas (de longa duração)
- Vaga de calor
Sucessão de dias com temperaturas muito mais elevadas
do que o habitual e humidade relativa baixa.
Consequências:
Saúde humana
(devido ao aumento da poluição)
Previsão: meteorológica
Fogos florestais
Condições meteorológicas (de longa duração)
- Seca
Sempre que ocorre carência de água.
Origem:
- valores de precipitação anormalmente
baixos, durante um período mais ou
menos longo
Pode prolongar-se durante anos.
Consequências da seca:
- Destruição de culturas
- Morte de animais
- Escassez de alimentos/Fome
- Incêndios
- Erosão/desertificação
- Desenvolvimento de pragas de insectos
- Degradação da água
(devido à concentração de poluentes
Previsão de uma seca
A previsão de secas é essencialmente climatológica.
Os recursos hídricos fornecem dados importantes.
MEDIDA + IMPORTANTE PARA MINIMIZAR
OS EFEITOS DAS SECAS
- alteração do comportamento individual de cada
pessoa no que respeita ao consumo de água antes e durante
a evolução de uma seca
Prevenção dos efeitos das secas
Previsão/Prevenção/Protecção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
Ana Abegão
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
Mayjö .
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
abarros
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
guest00ce198
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Rui Basto
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Escola E.B.2,3 de Jovim Gondomar
 
DESASTRES NATURAIS
DESASTRES NATURAISDESASTRES NATURAIS
DESASTRES NATURAIS
guesteefdcb9
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
guestb7c120
 
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   UcsDesastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Vandriani Botelho
 
Catastrofes naturais leandro 8º e
Catastrofes naturais   leandro 8º eCatastrofes naturais   leandro 8º e
Catastrofes naturais leandro 8º e
protecaocivil
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Ingrid Bispo
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Cristina Coelho
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
Mariana Cordeiro
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Tânia Reis
 
Apontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e CatástrofesApontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e Catástrofes
asgeoprofessoras
 
Geografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatianaGeografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatiana
protecaocivil
 
Amar e pedro
Amar e pedroAmar e pedro
Amar e pedro
Mayjö .
 
Fenômenos naturais
Fenômenos naturaisFenômenos naturais
Fenômenos naturais
Clara Beatriz
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
UFSM
 
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes NaturaisPerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
amaltado8a
 

Mais procurados (20)

Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1Catástrofes Naturais - Grupo 1
Catástrofes Naturais - Grupo 1
 
Riscos naturais
Riscos naturaisRiscos naturais
Riscos naturais
 
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAISRISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
RISCOS E CATÁSTROFES NATURAIS
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
DESASTRES NATURAIS
DESASTRES NATURAISDESASTRES NATURAIS
DESASTRES NATURAIS
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   UcsDesastres Naturais Vandriani Hermes Botelho   Ucs
Desastres Naturais Vandriani Hermes Botelho Ucs
 
Catastrofes naturais leandro 8º e
Catastrofes naturais   leandro 8º eCatastrofes naturais   leandro 8º e
Catastrofes naturais leandro 8º e
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Desastres naturais
Desastres naturaisDesastres naturais
Desastres naturais
 
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemasPerturbações no equilíbrio dos ecossistemas
Perturbações no equilíbrio dos ecossistemas
 
Apontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e CatástrofesApontamentos Riscos e Catástrofes
Apontamentos Riscos e Catástrofes
 
Geografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatianaGeografia. catastrofes naturais tatiana
Geografia. catastrofes naturais tatiana
 
Amar e pedro
Amar e pedroAmar e pedro
Amar e pedro
 
Fenômenos naturais
Fenômenos naturaisFenômenos naturais
Fenômenos naturais
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes NaturaisPerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
PerturbaçõEs No EquilíBrio Dos Ecossistemas – CatáStrofes Naturais
 

Semelhante a Riscos e catástrofes

Catástrofes causas e conseq
Catástrofes   causas e conseqCatástrofes   causas e conseq
Catástrofes causas e conseq
Carla Ribeiro
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
SMS191
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
navegananet
 
Catastrofes naturais
Catastrofes naturaisCatastrofes naturais
Catastrofes naturais
Francisco Rasteiro
 
Riscos naturais.pptx
Riscos naturais.pptxRiscos naturais.pptx
Riscos naturais.pptx
nialb
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
guestb7c120
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
António Morais
 
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
JorgeFuruta1
 
Sismos e erupções vulcânicas daniela 7º e
Sismos e erupções vulcânicas   daniela 7º eSismos e erupções vulcânicas   daniela 7º e
Sismos e erupções vulcânicas daniela 7º e
protecaocivil
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
Taniabastos15
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
cres-ser-saudavel
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
protecaocivil
 
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º maAspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
ProfMario De Mori
 
Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
NelitaBeiro
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
ggnggnggn
 
catastrofes naturais
catastrofes naturaiscatastrofes naturais
catastrofes naturais
ggnggnggn
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
8_c_clube
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
Maria Teresa Iannaco Grego
 
Secas e Cheias
Secas e CheiasSecas e Cheias
Secas e Cheias
esmiucao8b
 

Semelhante a Riscos e catástrofes (20)

Catástrofes causas e conseq
Catástrofes   causas e conseqCatástrofes   causas e conseq
Catástrofes causas e conseq
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
 
David andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8aDavid andrade diogo_daniel8a
David andrade diogo_daniel8a
 
Catastrofes naturais
Catastrofes naturaisCatastrofes naturais
Catastrofes naturais
 
Riscos naturais.pptx
Riscos naturais.pptxRiscos naturais.pptx
Riscos naturais.pptx
 
Desastres Naturais
Desastres NaturaisDesastres Naturais
Desastres Naturais
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
1fenomenosdanatureza-140322093826-phpapp02.ppt
 
Sismos e erupções vulcânicas daniela 7º e
Sismos e erupções vulcânicas   daniela 7º eSismos e erupções vulcânicas   daniela 7º e
Sismos e erupções vulcânicas daniela 7º e
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Catástrofes Naturais
Catástrofes NaturaisCatástrofes Naturais
Catástrofes Naturais
 
Catástrofes naturais
Catástrofes naturaisCatástrofes naturais
Catástrofes naturais
 
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º maAspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
Aspectos naturais da terra e seus recursos 2º ma
 
Catastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto finalCatastrofes naturais projecto final
Catastrofes naturais projecto final
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
catastrofes naturais
catastrofes naturaiscatastrofes naturais
catastrofes naturais
 
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adrianaCheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
Cheias, inundações e secas prolongadas ana e adriana
 
Desastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 ADesastres naturais 2 A
Desastres naturais 2 A
 
Desastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º ADesastres naturais II 2º A
Desastres naturais II 2º A
 
Secas e Cheias
Secas e CheiasSecas e Cheias
Secas e Cheias
 

Mais de Pocarolas

Os sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividadeOs sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividade
Pocarolas
 
Formas de urbanização
Formas de urbanizaçãoFormas de urbanização
Formas de urbanização
Pocarolas
 
Formas de Urbanização
Formas de UrbanizaçãoFormas de Urbanização
Formas de Urbanização
Pocarolas
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
Pocarolas
 
Migrações 2
Migrações 2Migrações 2
Migrações 2
Pocarolas
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
Pocarolas
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
Pocarolas
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficos
Pocarolas
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
Pocarolas
 
Esfera Terrestre
Esfera Terrestre Esfera Terrestre
Esfera Terrestre
Pocarolas
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
Pocarolas
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
Pocarolas
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
Pocarolas
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
Pocarolas
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
Pocarolas
 
Evolução população mundial
Evolução população mundialEvolução população mundial
Evolução população mundial
Pocarolas
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)
Pocarolas
 

Mais de Pocarolas (17)

Os sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividadeOs sectores-de-actividade
Os sectores-de-actividade
 
Formas de urbanização
Formas de urbanizaçãoFormas de urbanização
Formas de urbanização
 
Formas de Urbanização
Formas de UrbanizaçãoFormas de Urbanização
Formas de Urbanização
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
Migrações 2
Migrações 2Migrações 2
Migrações 2
 
União europeia
União europeiaUnião europeia
União europeia
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
 
Indicadores demográficos
Indicadores demográficosIndicadores demográficos
Indicadores demográficos
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
 
Esfera Terrestre
Esfera Terrestre Esfera Terrestre
Esfera Terrestre
 
áReas funcionais
áReas funcionaisáReas funcionais
áReas funcionais
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
União europeia alargamentos
União europeia   alargamentosUnião europeia   alargamentos
União europeia alargamentos
 
Distribuição população
Distribuição populaçãoDistribuição população
Distribuição população
 
Estrututas etárias
Estrututas etáriasEstrututas etárias
Estrututas etárias
 
Evolução população mundial
Evolução população mundialEvolução população mundial
Evolução população mundial
 
O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)O relevo e erosão (a)
O relevo e erosão (a)
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 

Riscos e catástrofes

  • 1. AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SERRA DA GARDUNHA ESCOLA BÁSICA SERRA DA GARDUNHA - FUNDÃO Departamento de Ciências Sociais e Humanas Área Curricular Disciplinar: Geografia 8º Ano 2010/2011
  • 2. Catástrofes Naturais - fenómenos naturais - provocam elevada destruição material vida (seres vivos) - podem alterar a superfície da Terra Estão associadas:  Alterações climáticas  Dinâmica interna da Terra  Condições atmosféricas/meteorológicas
  • 3. CATÁSTROFES NATURAIS Origens/Causas As dimensões das catástrofes dependem: • da intensidade dos fenómenos • da preparação do Homem para as enfrentar Dinâmica interna da Terra Condições meteorológicas Não actuam de forma contínua e uniforme. Têm picos de actividade com grande impacto na superfície da Terra e nas actividades do Homem. São muito frequentes à superfície da Terra. As dimensões das catástrofes são muito variáveis.
  • 4. Dinâmica interna da Terra - Erupções vulcânicas - Sismos - Tsunamis (maremotos) Condições meteorológicas  de curta duração  de longa duração - Tornado/ Tromba de Água - Cheias/Inundações - Furacão/Ciclone/Tufão - Avalanches- Movimentos de Vertente Desabamentos/Derrocadas /Desmoronamentos/ Deslizamentos de Terra/Avalanchas - Vaga de Frio - Vaga de calor - Seca Dependem da dinâmica da Terra e condições meteorológicas
  • 5. Dinâmica interna da Terra Vulcões: fendas na superfície terrestre por onde se libertam gases, cinzas e lava. - Erupções vulcânicas Sinais de Alerta/previsão: - Libertação de fumo - Abertura de pequenas fendas nas vertentes - Comportamento de alguns animais
  • 6.
  • 7. Dinâmica interna da Terra - Sismos Movimentos da crosta terrestre, rápidos e mais ou menos intensos. Sinais de alerta/previsão: - Abalos promontórios - Comportamento dos animais -Variação do nível da água nos poços
  • 8.
  • 9. Dinâmica interna da Terra - Tsunamis (maremotos) Sismo com epicentro submarino provocando frequentemente ondas gigantes. Como se forma a onda mortal 1. A ruptura causada pelo tremor no leito do mar empurra a água para cima, dando início à onda. 2. A onda gigante move-se nas profundezas do oceano a velocidade altíssima. 3. Ao se aproximar da terra, a onda perde velocidade, mas fica mais alta. 4. Então a onda avança por terra, destruindo tudo o que se encontra seu caminho.
  • 10.
  • 11.
  • 12. Condições meteorológicas (de curta duração) - Tornado/Tromba de Água Coluna de vento (água) que gira rapidamente sobre si própria.
  • 13. É um fenómeno meteorológico. Caracteriza-se por um turbilhão violento de ar que gira sobre si mesmo e que se estende desde as nuvens até à superfície terrestre. Origem: Junção de uma massa de ar quente com uma massa de ar frio e uma corrente ascendente
  • 14. Grau de destruição muito elevado - danificação ou desmoronamento de edifícios e muros - projecção de objectos (viaturas e coberturas) - ameaça significativa para as vidas humanas
  • 15. Grau  Designaçã o  Velocidad e do vento (km/h)  Tipo de danos    F0     Fraco        64-117     Danos em antenas e chaminés. Raízes de árvores abaladas,  ramos  partidos  e  derrube  das  mais  expostas.  Danos  nas  sinalizações públicas.     F1     Moderado     118-180     Vidros de janelas partidos; desprendimento ou descasque da  superfície  de  coberturas.  Casas  pré-fabricadas  arrancadas  das fundações ou tombadas; anexos podem ser destruídos.  Árvores  arrancadas  pela  raiz  ou  partidas.  Veículos  deslocados para fora da rota.     F2        Significativ o     181-253     Telhados projectados; casas de madeira ou pré-fabricadas e  anexos  destruídos.  Árvores  de  grande  porte  rachadas  ou  arrancadas  pela  raiz.  Objectos  pequenos  actuam  como  projécteis.     F3     Severo     254-332     Colapso de telhados e paredes de casas de boa construção;  construções  com  estruturas  metálicas  arrancadas  do  solo.  Comboios saem dos carris. Grande parte das árvores mais  expostas ao vento arrancadas do solo e projectadas.     F4        Devastado r     333-418     Colapso  de  casas  de  boa  construção;  estruturas  com  fundações  fracas  projectadas  a  alguma  distância.  Veículos  arrastados. Objectos grandes actuam como projécteis.     F5     Incrível     419-512     Casas  com  estruturas  sólidas  arrancadas  das  fundações  e  transportadas  para  distâncias  consideráveis.  Objectos  do  tamanho  de  um  automóvel  projectados  a  distâncias  superiores a 100 metros. Estruturas de betão reforçado com  aço fortemente danificadas.     F6        Inconcebív el     513-610     Se acontecer, os seus efeitos não são muito diferentes dos  associados a  F4  e F5 mas aplicados a novos materiais de  construção.  Atingem sobretudo as regiões temperadas
  • 16. Condições meteorológicas (de curta duração) - Cheias/Inundações Provocadas por: precipitações moderadas e permanentes ou por precipitações repentinas e de elevada intensidade. Faz aumentar o caudal dos cursos de água, originando o extravase do leito normal e a inundação das margens Excesso de precipitação em relação às quantidades habituais
  • 17. Riscos de cheia são agravados por acções do Homem: - Destruição do coberto vegetal - Assoreamento dos rios - Ocupação das margens dos rios/ Construção em leito de cheia/ Impermeabilização do solo - Descargas de barragens - Regularização dos rios
  • 18. Prejuízos resultantes das cheias são frequentemente Avultados: perda de vidas humanas e bens.
  • 19. A prevenção das cheias é de extrema importância. Quanto tempo dura uma Cheia? Depende das características da bacia hidrográfica do rio. Bacias de pequenas dimensões: as cheias formam-se rapidamente, por vezes (em escassas horas) Bacias de grandes dimensões: demora mais tempo a instalar-se, permitindo um aviso mais atempado às populações. Demoram também mais tempo a desaparecer, podendo demorar mesmo vários dias.
  • 20. Podemos prever uma Cheia? - observações meteorológicas  Avisar atempadamente as populações através dos meios de comunicação social (jornais, rádio, televisão), ou de comunicados no site do SNPC, e recomendar medidas de auto - protecção adequadas. - conhecimento das descargas das barragens Prevenção: - Regularização do caudal dos rios - Preservação do coberto vegetal - Não construir em leito de cheia - Não construir em áreas baixas - Limpeza regular das sarjetas e colectores de água - Limpeza das vias de comunicação e canais de escoamento
  • 21. Condições meteorológicas (de curta duração) - Furacão/Ciclone/Tufão Enormes sistemas de baixas pressões em que o ar ascende violentamente e em espiral, em torno de um centro mais calmo. Formam-se: Sobre os oceanos (latitude 8°-15° N e Sul) Onde a temperatura da água do mar é elevada (27°)
  • 23. - Movimentos de vertente Condições meteorológicas - Avalanchas - Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/ Deslizamentos de Terra São frequentes: Grau de destruição: regiões de montanha e regiões húmidas relacionado com a inclinação das vertentes
  • 24. Associados a: - Fenómenos atmosféricos (precipitação intensa) - Erosão (devido à destruição da vegetação) - Força da gravidade (os corpos têm tendência a descer pelas vertentes) Movimentos de vertente - Construções e escavações (edifícios/estradas/…) - Actividade sísmica - Actividade vulcânica
  • 25. Condições meteorológicas (de curta duração) - Desabamentos/Derrocadas/Desmoronamentos/Deslizamentos de Terra
  • 26.
  • 27. Previsão: meteorológica (previsão de precipitação intensa) Prevenção: - Não destruir a vegetação das vertentes - Não construir em declives acentuados - Evitar a prática de ski em áreas instáveis - Retenção de encostas para evitar deslizamentos de terra
  • 28. Condições meteorológicas (de curta duração) - Avalanches Deslizamento de gelo ou neve instável numa vertente.
  • 29. Condições meteorológicas (de longa duração) - Vaga de Frio Sucessão de dias com valores de temperatura muito baixos. As vagas de frio podem estar associadas a outros fenómenos meteorológicos, como: - queda de neve - ventos fortes - formação de gelo
  • 31. Condições meteorológicas (de longa duração) - Vaga de calor Sucessão de dias com temperaturas muito mais elevadas do que o habitual e humidade relativa baixa. Consequências: Saúde humana (devido ao aumento da poluição) Previsão: meteorológica Fogos florestais
  • 32. Condições meteorológicas (de longa duração) - Seca Sempre que ocorre carência de água. Origem: - valores de precipitação anormalmente baixos, durante um período mais ou menos longo Pode prolongar-se durante anos.
  • 33. Consequências da seca: - Destruição de culturas - Morte de animais - Escassez de alimentos/Fome - Incêndios - Erosão/desertificação - Desenvolvimento de pragas de insectos - Degradação da água (devido à concentração de poluentes
  • 34. Previsão de uma seca A previsão de secas é essencialmente climatológica. Os recursos hídricos fornecem dados importantes.
  • 35. MEDIDA + IMPORTANTE PARA MINIMIZAR OS EFEITOS DAS SECAS - alteração do comportamento individual de cada pessoa no que respeita ao consumo de água antes e durante a evolução de uma seca Prevenção dos efeitos das secas
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.