SlideShare uma empresa Scribd logo
Lua (fases e calendário lunar)
 Simbolismo Lunar
 As 8 Fases da Lua e suas características
 Origens do Calendário Lunar
 Comparação do Calendário Lunar entre Civilizações

Ivo Silva
Membro Estudante Nº70 da Aspas
Material realizado para os estudos do Curso de Astrologia Nível 2 –
Ministrado por Isabel Guimarães
Ciclo: Duração de 28 dias
Representa: A Mãe; Aquela que recebe e filtra as energias celestes para a terra, redistribuindo-a
de acordo com as várias fases do seu ciclo. As emoções, o inconsciente, o sono e os sonhos, a
memória…
As suas fases sugerem uma analogia com os ciclos orgânicos do nascimento:
Geração; Nascimento; Crescimento; Amadurecimento; Decadência e Morte.
Nas várias mitologias é difícil encontrar uma única deusa que reúna em si todo o simbolismo
lunar. Contudo, existem várias deusas lunares que possuem determinadas características
associadas aos atributos das fases lunares, cabendo a cada uma delas os arquétipos da
Donzela, da Mãe e da Anciã. Na mitologia grega elas são:

Tríplice Lunar: Artémis; Selene; Hécate
Retirado de: A Influência da Lua na Nossa Vida Diária; Sasha Fenton
Graus: 0 a 45º
Dias: 0 a 3,5

Fase de potencialidades. O Despertar.
Novas ideias. Começos. Inícios.
Boa fase para estabelecer objectivos.
Excitação para uma grande variedade de
possibilidades.
Tomada de consciência de uma direcção.
Primeiro passo rumo ao desconhecido.
As primeiras intenções.
Graus: 45 a 90º
Dias: 3,5 a 7
Tempo de actividade e movimento;
Desenvolvimento
dos
recursos.
Nossas ideias e intenções começam a
ganhar solidez e estrutura. Esforços para a
afirmação.
Construção.
Tempo
de
desenvolvimento.
Acumulação de meios para atingir
objetivos iniciais.
Confrontação com os desafios. Força para
vencer.
Graus: 90 a 135º
Dias: 7 a 10,5
Expansão; Crescimento forte que supera
fragilidades iniciais; Actividade elevada;
Sentimento de confiança; Recepção dos
primeiros efeitos dos nossos esforços;
Planos e projectos ganham solidez;
Crescimento que precisa agora de planear e
estruturar para o sucesso. Capacidade para
enfrentar as dificuldades. As coisas estão a
acontecer, não dá para voltar atrás ou conter.
A mulher-Jovem.
A lua donzela crescente, representa planos a serem realizados. A Lua
crescente representava a vitalidade da Deusa jovem, o frescor da
Donzela, o potencial do crescimento, o início das realizações.
Deusa Guerreira (o arco sobre a forma de uma Lua Crescente. Deusa
da Floresta e da Caça.. Personifica independência; a defesa dos
próprios objetivos e escolhas, agindo com determinação
Ártemis ajudou trazer Apolo (Sol) ao mundo. – Lua é um filtro da luz
solar para a Terra. Foi assim que se originaram os nomes de Ártemis
como Eileithya e Partenos, a Parteira amorosa e o título de “Aquela que
trazia a luz”.

Ártemis pediu para jamais precisar casar. O direito de fazer sempre
suas próprias escolhas. Ártemis era virgem, ou seja, tinha autonomia e
independência, liberdade para agir seguindo seu instinto, jamais se
submetendo ao domínio ou controle masculino (Sol). Ela prezava sua
liberdade e defendia o Seu espaço, transformando os intrusos em
animais…
Graus: 135º a 180º
Dias: 10,5 a 14
Aproximação à meta.
Fase de grande poder e potencial. As ideias
iniciadas na Lua Nova estão quase a
materializar-se.
Impaciência e ansiedade, porém é a fase
para analisar, aperfeiçoar e refinar.
Ultimações.
Má fase para desistências.
Último momento para iniciar projectos.
Graus: 180º a 225º
Dias: 14 a 17,5
A escuridão da noite é iluminada. Sensação
de
culminação
(popularidade
e
notoriedade).
Materialização
dos
anseios
iniciais.
Emoções são sentidas de forma intensa.
Tempo de excessos e extremos. Apegos.
Período de fortes influências criativas.
A ação da Lua cheia se manifesta sobre os vegetais (crescimento, cicatrização de
incisões), sobre os animais (principalmente na pesca), sobre o homem
(crimes, insônia, nascimentos, hemorragias etc.) como também sobre as marés e a
atmosfera (modificações do clima) – Ilya Virgatchik, “A Lua, Sua Influência sobre o Homem e a Natureza”
A Mulher-Mãe.

Se Selene for de origem grega, seu significado pode ser “o brilho”, “a
lua”, “ a claridade”.
Selene é usualmente representada tendo uma face pálida e brilhante.
É na Lua Cheia em que é venerada. Nesse período está no máximo
do seu potencial reprodutivo e pode gerar nova vida.
É reconhecida como sendo a deusa das mães e das mulheres em
geral. Está ligada à capacidade de conceber, de fertilidade, de
intuição e inspiração.
Selene também é conhecida, mitologicamente, pelos seus vários
casos amorosos (faceta romântica exarcebada). E pelos seus muitos
filhos (abundância/fertilidade).

A lua cheia representa o ventre da mãe grávida, a fertilidade, e a
maturidade; o florescimento e abundância da natureza, a
concretização das possibilidades.
Graus: 225º a 270º
Dias: 17,5 a 21
Fase para deixar as coisas seguirem o seu
curso.
Fase para distanciarmo-nos de
situações
de
envolvimento
e
de
entendimento sobre o que foi alcançado.
Período de integração, de perceção das
necessidades dos outros.
Trocas e intercâmbios.
Comunicação;
abertura; partilha; escutar e aprender.
Cooperação.
Fase boa para mudanças.
Graus: 270º a 315º
Dias: 21 a 24,5
As sombras ganham força sobre a luz. Tempo
de
transformação/transição;
Aceitação;
aprendizagem.
Energia é mais subtil e profunda, mas de difícil
compreensão. Tempo de decisões e de
colocar um fim. Repercussões do passado
(frutificação/colheita).
Tempo para mudar hábitos e rotinas.
Limpezas. Análises e escolhas.
A Mulher-Anciã.
A lua minguante anciã assinala o recolhimento da colheita de tudo aquilo
que se plantou nas duas primeiras fases. O declínio das energias, a sábia
preparação para conhecer os mistérios da morte e do renascimento.
Hécate representa o lado negro da lua, a mais misteriosa, a regente da
escuridão, das profundezas do mundo interior. Hécate tudo vê, o
presente, o passado e o futuro e desconhece fronteiras, circulava pelos
três reinos, do céu, da terra e do submundo.
Trazia consigo o poder mágico da transformação, a transformação pela
experiência de iluminar os pontos obscuros do ser, a nossa sombra.
Talvez por esta associação , foi considerada um guia, auxiliando a fazer
escolhas, ou seja, a seguir caminhos. Tornou-se uma deusa dos limiares:
na visão popular, das encruzilhadas.
Hécate sempre caminha com a sua tocha, iluminando (…) porque dissipa
o medo ao clarear a escuridão, permitindo a visão e o discernimento.
É a Deusa que nos obriga a olhar para as nossas próprias sombras.
Graus: 315º a 360/0º
Dias: 24,5 a 28
Lua “Velha”. Fase de descanso e
contemplação.
Desapego. Maior percepção/disposição para
a vida espiritual. Quietude.
Preparação
para
uma
nova
fase.
Limpezas/depuração.
Retrospecção.Passado/Futuro.
Esperanças/Medos.
Incubação de ideias para o próximo ciclo.
Consolação e alivio.
Lua (fases e calendário lunar)
Calendário: É um sistema de ordenamento do tempo, derivado dos ciclos astronómicos
e que obedece aos seguintes propósitos:
1) Organização de vida civil;
2) Observância das obrigações religiosas;
3) Marcação de eventos científicos.

Existe uma relação intima entre os calendários e as religiões/cosmologias; sendo
que, muitas sociedades estruturaram os seus calendários de acordo com o
movimento lunar.
No inicio, os sacerdotes, como guardiões do tempo, eram os responsáveis por elaborar
os calendários. A importância dessa tarefa tornou-se vital no momento da
sedentarização do homem. A observação dos cultos lunares era indispensável para
uma boa produtividade agrícola. O papel dos sacerdotes era de grande
responsabilidade.
“Os cultos lunares se originaram no
paleolítico e os primeiros calendários
conhecidos foram os lunares, baseados no
ciclo menstrual da mulher. O mais antigo
calendário astrológico conhecido foi criado
pelos babilônios e chamava-se “As casas da
Lua”, estabelecido a partir do ciclo de
lunação, com seus períodos mensais
representados pelos signos zodiacais. A
principal deusa lunar da Babilônia era
Ishtar, cujo cinturão era enfeitado com
representações e símbolos do zodíaco.”

Ishtar - Deusa Babilónica
ligada à fertilidade
(característica lunar)
“A base do calendário lunar é o movimento da Lua
em torno da Terra, isto é, o mês lunar sinódico, que
é o intervalo de tempo entre duas conjunções da
Lua e do Sol. Como a sua duração é de 29 dias 12
horas 44 minutos e 2,8 segundos, o ano lunar (cuja
denominação é imprópria) de 12 meses abrangerá
354 dias 8 horas 48 minutos e 36 segundos. Os
anos
lunares
têm
que
ser
regulados
periodicamente, para que o início do ano
corresponda sempre a uma lua nova. Como uma
revolução sinódica da Lua não é igual a um
número inteiro de dias, e os meses devem também
começar com uma lua nova, esse momento inicial
não se dá sempre numa mesma hora.”

Fonte: Portal São Francisco
Antigo Calendário Lunar
Chinês

Calendário Babilónico

O calendário muçulmano é o único puramente lunar ainda em uso. A
primeira civilização a utilizar o calendário lunar foi a Babilónia, mas outras
civilizações também fizeram uso dele como os hebreus, os gregos, os
romanos e os chineses…
Calendários
Lunares

Descrição

Acertos

Outras
informações

Babilónico

12 meses lunares de 30 dias
cada. O primeiro dia do mês
quando aparecia a 1ª lua no
crepúsculo após a Lua Nova
(Sem Lua)

Greco-Romano
O grego era baseado no
babilónico, mas introduziram o
Ciclo de Méton em 432 a.C. O
romano foi criado em 753 a.C
e era baseado no Egipcio –
tinha 304 dias, divididos em
10 meses lunares, 6 de 30
dias e 4 de 31 dias.

Acrescentado um mês
adicional (13º mês) ao final
de cada período de 3 anos
(observado pelo nascimento
de determinadas estrelas e
constelações.

Ciclo de Méton: 235 meses
lunares correspondem a 19
anos solares; assim, a cada
19 anos, as fases da lua vão
cair nos mesmos dias do
calendário.

Algumas observações
equivocadas. Ano iniciava na
Primavera com o mês
“Nisannu”. Em 480 a.C.
introdução de um ciclo de 19
anos (adotado dos gregos)
para maior concordância
entre ano solar e lunar.

Na Grécia: o calendário não
foi adoptado em todas as
regiões por serem cidadesestado independentes
(desfazamento na datação de
eventos).
Roma: primeiro mês é Martius
(Março) e adopta a meia-noite
para inicio do dia.

Hebraico

Cada mês se inicia com
a Lua Nova. O ano civil
tem 354 dias. Seus 12
meses são de 29 ou 30
dias.

A cada ciclo de 19 anos
acrescenta-se um mês
inteiro (Adar II). Pelo
que pode haver um ano
com 384 dias.

O calendário hebraico
começa a contar o
tempo histórico a partir
do que os judeus
consideravam a o Dia
da Criação.
Calendários
Lunares

Descrição

Acertos

Outras
informações

Chinês

Islâmico

Introduzido em 2637 a.C. por Huangti. Contempla o ciclo metónico: cada
mês 29/30 dias e ano de 354 dias.
Ano começa sempre na Lua Nova

Ano de 354 dias com 12 meses de
29/30 dias. O mês começa quando
o crescente lunar aparece pela
primeira vez ao pôr-do-sol.

Utiliza dois ciclos:
Um ciclo de 12 anos, com 12 meses
lunares (354 dias) + um ciclo de 7
anos com 13 meses lunares (384
dias) = ciclo metónico.

Dentro de um ciclo de 30 anos, 11
recebem um dia a mais. Ou seja:
30 anos = 19 anos de 354 dias + 11
anos de 355 dias.

Continua a ser utilizado para
festividades, mas para fins oficiais
adoptou-se o calendário Gregoriano.

A origem do calendário muçulmano
se fixa na Hégira, que comemora a
fuga de Maomé, da cidade de Meca
para Medina (622 d.C. no ano
gregoriano).
Sites Consultados:
http://www.teiadethea.org/?q=taxonomy/term/4
http://www.astro.com/astrology/in_dg_intimacy_e.htm

http://astromagickal.com/moon-phases.html
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/calendarios/historia-do-calendario-1.php
http://www.pantheon.org/

Livros Consultados:
Mitologia Grega Vol. I, Junito de Sousa Brandão;
A Influência da Lua na Nossa Vida Diária, Sasha Fenton;
A Lua, Sua Influência sobre o Homem e a Natureza, Ilya Virgatchik

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CalendarioCosmico
CalendarioCosmicoCalendarioCosmico
CalendarioCosmico
Clayton Dantas
 
Física - 1 ano - Estudo do universo
Física - 1 ano - Estudo do universoFísica - 1 ano - Estudo do universo
Física - 1 ano - Estudo do universo
profliviagoncalves
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
Frederico Marques Sodré
 
Prova do 5 e 6 ano
Prova do 5 e 6 anoProva do 5 e 6 ano
Prova do 5 e 6 ano
Kristyna Figueiredo
 
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇOO TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
Ana Selma Sena Santos
 
06 as fases da lua
06  as fases da lua06  as fases da lua
06 as fases da lua
Bruno De Siqueira Costa
 
O sistema-solar
O sistema-solarO sistema-solar
O sistema-solar
escolajoseaniceto
 
Movimentos Da Terra
Movimentos Da TerraMovimentos Da Terra
Movimentos Da Terra
debora
 
Atividade ditadura de história 3º ano ensino médio
Atividade ditadura  de história 3º ano ensino médioAtividade ditadura  de história 3º ano ensino médio
Atividade ditadura de história 3º ano ensino médio
Atividades Diversas Cláudia
 
Introducao a Astronomia
Introducao a AstronomiaIntroducao a Astronomia
Introducao a Astronomia
Clayton Dantas
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Nuricel Aguilera
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
Carlos Priante
 
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social  e culturaláFrica – síntese histórica, étnica, social  e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
Servidor Público Estadual
 
A arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anoA arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º ano
josivaldopassos
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
Jorge Alessandro
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Partitura de Banda
 
FormaçãO Do Sistema Solar
FormaçãO Do Sistema SolarFormaçãO Do Sistema Solar
FormaçãO Do Sistema Solar
Cidalia Aguiar
 
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinosPovos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Professora Natália de Oliveira
 
fases da lua e eclipses
  fases da lua e eclipses  fases da lua e eclipses
fases da lua e eclipses
dinartegaspar
 
História e tempo
História e tempoHistória e tempo
História e tempo
dmflores21
 

Mais procurados (20)

CalendarioCosmico
CalendarioCosmicoCalendarioCosmico
CalendarioCosmico
 
Física - 1 ano - Estudo do universo
Física - 1 ano - Estudo do universoFísica - 1 ano - Estudo do universo
Física - 1 ano - Estudo do universo
 
Iluminismo 8° ano
Iluminismo 8° anoIluminismo 8° ano
Iluminismo 8° ano
 
Prova do 5 e 6 ano
Prova do 5 e 6 anoProva do 5 e 6 ano
Prova do 5 e 6 ano
 
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇOO TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
O TEMPO NA HISTÓRIA - HISTÓRIA TEMPO E ESPAÇO
 
06 as fases da lua
06  as fases da lua06  as fases da lua
06 as fases da lua
 
O sistema-solar
O sistema-solarO sistema-solar
O sistema-solar
 
Movimentos Da Terra
Movimentos Da TerraMovimentos Da Terra
Movimentos Da Terra
 
Atividade ditadura de história 3º ano ensino médio
Atividade ditadura  de história 3º ano ensino médioAtividade ditadura  de história 3º ano ensino médio
Atividade ditadura de história 3º ano ensino médio
 
Introducao a Astronomia
Introducao a AstronomiaIntroducao a Astronomia
Introducao a Astronomia
 
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃOAstronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
Astronomia 3 - SISTEMA SOLAR E SUA FORMAÇÃO
 
Noções de Astronomia
Noções de AstronomiaNoções de Astronomia
Noções de Astronomia
 
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social  e culturaláFrica – síntese histórica, étnica, social  e cultural
áFrica – síntese histórica, étnica, social e cultural
 
A arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º anoA arte na pré história 6º ano
A arte na pré história 6º ano
 
Mapa mental arte renascentista
Mapa mental   arte renascentistaMapa mental   arte renascentista
Mapa mental arte renascentista
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
 
FormaçãO Do Sistema Solar
FormaçãO Do Sistema SolarFormaçãO Do Sistema Solar
FormaçãO Do Sistema Solar
 
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinosPovos pré colombianos e pré-cabralinos
Povos pré colombianos e pré-cabralinos
 
fases da lua e eclipses
  fases da lua e eclipses  fases da lua e eclipses
fases da lua e eclipses
 
História e tempo
História e tempoHistória e tempo
História e tempo
 

Destaque

A lua
A luaA lua
A lua
Escola
 
O ciclo lunar e as fases da lua
O ciclo lunar e as fases da luaO ciclo lunar e as fases da lua
O ciclo lunar e as fases da lua
Cristina Graça
 
As Fases Da Lua
As Fases Da LuaAs Fases Da Lua
As Fases Da Lua
Paula Amorim
 
Calendario Lunar ecuador 2017
Calendario Lunar ecuador 2017Calendario Lunar ecuador 2017
Calendario Lunar ecuador 2017
DIMAG GROUP
 
Lua
LuaLua
Fases lua
Fases luaFases lua
Fases lua
Manuel Silva
 
As Fases da Lua
As Fases da LuaAs Fases da Lua
As Fases da Lua
Alessandra Nery
 
A lua
A luaA lua
A lua
gracabruno
 
Calendario lunar
Calendario lunarCalendario lunar
Calendario lunar
Ernesto Sánchez Suárez
 
A Lua - Fisica
A Lua - FisicaA Lua - Fisica
A Lua - Fisica
Amanda Silveira
 
As fases da lua
As fases da luaAs fases da lua
As fases da lua
Alice Guimarães
 
Fases da lua 6° ano
Fases da lua 6° anoFases da lua 6° ano
Fases da lua 6° ano
Claudia Rossi
 
13. Sistema Terra Lua
13. Sistema Terra Lua13. Sistema Terra Lua
13. Sistema Terra Lua
guest15d2569
 
Calendário lunar
Calendário lunarCalendário lunar
Calendário lunar 2º pgsi
Calendário lunar 2º pgsiCalendário lunar 2º pgsi
Calendário lunar 2º pgsi
mariajosantos
 
Calendário lunar 2017
Calendário lunar 2017Calendário lunar 2017
Calendário lunar 2017
Neuder Wesley
 
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo RiveraCurso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Dalva Sofia Schuch
 
Ecologia vegetal clima e fisionomia
Ecologia vegetal   clima e fisionomiaEcologia vegetal   clima e fisionomia
Ecologia vegetal clima e fisionomia
Ernane Nogueira Nunes
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
Instituto Iprodesc
 
Ciclo plantas
Ciclo plantasCiclo plantas
Ciclo plantas
savaro
 

Destaque (20)

A lua
A luaA lua
A lua
 
O ciclo lunar e as fases da lua
O ciclo lunar e as fases da luaO ciclo lunar e as fases da lua
O ciclo lunar e as fases da lua
 
As Fases Da Lua
As Fases Da LuaAs Fases Da Lua
As Fases Da Lua
 
Calendario Lunar ecuador 2017
Calendario Lunar ecuador 2017Calendario Lunar ecuador 2017
Calendario Lunar ecuador 2017
 
Lua
LuaLua
Lua
 
Fases lua
Fases luaFases lua
Fases lua
 
As Fases da Lua
As Fases da LuaAs Fases da Lua
As Fases da Lua
 
A lua
A luaA lua
A lua
 
Calendario lunar
Calendario lunarCalendario lunar
Calendario lunar
 
A Lua - Fisica
A Lua - FisicaA Lua - Fisica
A Lua - Fisica
 
As fases da lua
As fases da luaAs fases da lua
As fases da lua
 
Fases da lua 6° ano
Fases da lua 6° anoFases da lua 6° ano
Fases da lua 6° ano
 
13. Sistema Terra Lua
13. Sistema Terra Lua13. Sistema Terra Lua
13. Sistema Terra Lua
 
Calendário lunar
Calendário lunarCalendário lunar
Calendário lunar
 
Calendário lunar 2º pgsi
Calendário lunar 2º pgsiCalendário lunar 2º pgsi
Calendário lunar 2º pgsi
 
Calendário lunar 2017
Calendário lunar 2017Calendário lunar 2017
Calendário lunar 2017
 
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo RiveraCurso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
Curso de Agricultura Orgânica 2013 - Jairo Restrepo Rivera
 
Ecologia vegetal clima e fisionomia
Ecologia vegetal   clima e fisionomiaEcologia vegetal   clima e fisionomia
Ecologia vegetal clima e fisionomia
 
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
História da Astronomia - Egito e Grécia - Parte 2 de 7
 
Ciclo plantas
Ciclo plantasCiclo plantas
Ciclo plantas
 

Semelhante a Lua (fases e calendário lunar)

AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptxAS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
AcacioAmorelliMartin
 
Astrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
Astrologia Médica e Védica aplicada ao DiagnósticoAstrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
Astrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
Michele Pó
 
Astrologia - Palestra
Astrologia - PalestraAstrologia - Palestra
Astrologia - Palestra
Fábio Mascarenhas
 
Os símbolos mágicos
Os símbolos mágicosOs símbolos mágicos
Os símbolos mágicos
Monitoria Contabil S/C
 
Lua Cheia
Lua CheiaLua Cheia
Lua Cheia
Monica Buriche
 
Mitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologiaMitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologia
Diego Nascimento
 
a-astrologia-do-karma.pdf
a-astrologia-do-karma.pdfa-astrologia-do-karma.pdf
a-astrologia-do-karma.pdf
FERRAZ3
 
Mitologia celta
Mitologia celtaMitologia celta
Mitologia celta
Diego Nascimento
 
As Esferas de Ptolomeu
As Esferas de PtolomeuAs Esferas de Ptolomeu
As Esferas de Ptolomeu
Henrique Wiederspahn
 
Equinócio 2010
Equinócio 2010Equinócio 2010
Equinócio 2010
Monica Buriche
 
Equincio2010 100318165047-phpapp02
Equincio2010 100318165047-phpapp02Equincio2010 100318165047-phpapp02
Equincio2010 100318165047-phpapp02
Sheila Coelho
 
Equinocio
EquinocioEquinocio
Símbolos da Nova Era
Símbolos da Nova EraSímbolos da Nova Era
Símbolos da Nova Era
Pr. Welfany Nolasco Rodrigues
 
Nova Era
Nova EraNova Era
Nova Era
dudafilha10
 
Nova era
Nova eraNova era
Nova era
dudafilha10
 
Nova era
Nova eraNova era
Nova era
dudafilha10
 
Astrologia aplicada ao Diagnóstico
Astrologia aplicada ao DiagnósticoAstrologia aplicada ao Diagnóstico
Astrologia aplicada ao Diagnóstico
Michele Pó
 
Aula 3 especialidades
Aula 3   especialidadesAula 3   especialidades
Aula 3 especialidades
Fábio Mascarenhas
 
A Deusa
A DeusaA Deusa
A Deusa
Marcela Alves
 
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJASA SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
Daniel Petryj
 

Semelhante a Lua (fases e calendário lunar) (20)

AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptxAS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
AS COLUNAS ZODIACAIS DO TEMPLO MACONICO.pptx
 
Astrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
Astrologia Médica e Védica aplicada ao DiagnósticoAstrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
Astrologia Médica e Védica aplicada ao Diagnóstico
 
Astrologia - Palestra
Astrologia - PalestraAstrologia - Palestra
Astrologia - Palestra
 
Os símbolos mágicos
Os símbolos mágicosOs símbolos mágicos
Os símbolos mágicos
 
Lua Cheia
Lua CheiaLua Cheia
Lua Cheia
 
Mitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologiaMitologia celta e a psicologia
Mitologia celta e a psicologia
 
a-astrologia-do-karma.pdf
a-astrologia-do-karma.pdfa-astrologia-do-karma.pdf
a-astrologia-do-karma.pdf
 
Mitologia celta
Mitologia celtaMitologia celta
Mitologia celta
 
As Esferas de Ptolomeu
As Esferas de PtolomeuAs Esferas de Ptolomeu
As Esferas de Ptolomeu
 
Equinócio 2010
Equinócio 2010Equinócio 2010
Equinócio 2010
 
Equincio2010 100318165047-phpapp02
Equincio2010 100318165047-phpapp02Equincio2010 100318165047-phpapp02
Equincio2010 100318165047-phpapp02
 
Equinocio
EquinocioEquinocio
Equinocio
 
Símbolos da Nova Era
Símbolos da Nova EraSímbolos da Nova Era
Símbolos da Nova Era
 
Nova Era
Nova EraNova Era
Nova Era
 
Nova era
Nova eraNova era
Nova era
 
Nova era
Nova eraNova era
Nova era
 
Astrologia aplicada ao Diagnóstico
Astrologia aplicada ao DiagnósticoAstrologia aplicada ao Diagnóstico
Astrologia aplicada ao Diagnóstico
 
Aula 3 especialidades
Aula 3   especialidadesAula 3   especialidades
Aula 3 especialidades
 
A Deusa
A DeusaA Deusa
A Deusa
 
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJASA SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
A SIMBOLOGIA MAÇÔNICA NAS IGREJAS
 

Último

O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 

Último (20)

O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 

Lua (fases e calendário lunar)

  • 2.  Simbolismo Lunar  As 8 Fases da Lua e suas características  Origens do Calendário Lunar  Comparação do Calendário Lunar entre Civilizações Ivo Silva Membro Estudante Nº70 da Aspas Material realizado para os estudos do Curso de Astrologia Nível 2 – Ministrado por Isabel Guimarães
  • 3. Ciclo: Duração de 28 dias Representa: A Mãe; Aquela que recebe e filtra as energias celestes para a terra, redistribuindo-a de acordo com as várias fases do seu ciclo. As emoções, o inconsciente, o sono e os sonhos, a memória… As suas fases sugerem uma analogia com os ciclos orgânicos do nascimento: Geração; Nascimento; Crescimento; Amadurecimento; Decadência e Morte. Nas várias mitologias é difícil encontrar uma única deusa que reúna em si todo o simbolismo lunar. Contudo, existem várias deusas lunares que possuem determinadas características associadas aos atributos das fases lunares, cabendo a cada uma delas os arquétipos da Donzela, da Mãe e da Anciã. Na mitologia grega elas são: Tríplice Lunar: Artémis; Selene; Hécate
  • 4. Retirado de: A Influência da Lua na Nossa Vida Diária; Sasha Fenton
  • 5. Graus: 0 a 45º Dias: 0 a 3,5 Fase de potencialidades. O Despertar. Novas ideias. Começos. Inícios. Boa fase para estabelecer objectivos. Excitação para uma grande variedade de possibilidades. Tomada de consciência de uma direcção. Primeiro passo rumo ao desconhecido. As primeiras intenções.
  • 6. Graus: 45 a 90º Dias: 3,5 a 7 Tempo de actividade e movimento; Desenvolvimento dos recursos. Nossas ideias e intenções começam a ganhar solidez e estrutura. Esforços para a afirmação. Construção. Tempo de desenvolvimento. Acumulação de meios para atingir objetivos iniciais. Confrontação com os desafios. Força para vencer.
  • 7. Graus: 90 a 135º Dias: 7 a 10,5 Expansão; Crescimento forte que supera fragilidades iniciais; Actividade elevada; Sentimento de confiança; Recepção dos primeiros efeitos dos nossos esforços; Planos e projectos ganham solidez; Crescimento que precisa agora de planear e estruturar para o sucesso. Capacidade para enfrentar as dificuldades. As coisas estão a acontecer, não dá para voltar atrás ou conter.
  • 8. A mulher-Jovem. A lua donzela crescente, representa planos a serem realizados. A Lua crescente representava a vitalidade da Deusa jovem, o frescor da Donzela, o potencial do crescimento, o início das realizações. Deusa Guerreira (o arco sobre a forma de uma Lua Crescente. Deusa da Floresta e da Caça.. Personifica independência; a defesa dos próprios objetivos e escolhas, agindo com determinação Ártemis ajudou trazer Apolo (Sol) ao mundo. – Lua é um filtro da luz solar para a Terra. Foi assim que se originaram os nomes de Ártemis como Eileithya e Partenos, a Parteira amorosa e o título de “Aquela que trazia a luz”. Ártemis pediu para jamais precisar casar. O direito de fazer sempre suas próprias escolhas. Ártemis era virgem, ou seja, tinha autonomia e independência, liberdade para agir seguindo seu instinto, jamais se submetendo ao domínio ou controle masculino (Sol). Ela prezava sua liberdade e defendia o Seu espaço, transformando os intrusos em animais…
  • 9. Graus: 135º a 180º Dias: 10,5 a 14 Aproximação à meta. Fase de grande poder e potencial. As ideias iniciadas na Lua Nova estão quase a materializar-se. Impaciência e ansiedade, porém é a fase para analisar, aperfeiçoar e refinar. Ultimações. Má fase para desistências. Último momento para iniciar projectos.
  • 10. Graus: 180º a 225º Dias: 14 a 17,5 A escuridão da noite é iluminada. Sensação de culminação (popularidade e notoriedade). Materialização dos anseios iniciais. Emoções são sentidas de forma intensa. Tempo de excessos e extremos. Apegos. Período de fortes influências criativas. A ação da Lua cheia se manifesta sobre os vegetais (crescimento, cicatrização de incisões), sobre os animais (principalmente na pesca), sobre o homem (crimes, insônia, nascimentos, hemorragias etc.) como também sobre as marés e a atmosfera (modificações do clima) – Ilya Virgatchik, “A Lua, Sua Influência sobre o Homem e a Natureza”
  • 11. A Mulher-Mãe. Se Selene for de origem grega, seu significado pode ser “o brilho”, “a lua”, “ a claridade”. Selene é usualmente representada tendo uma face pálida e brilhante. É na Lua Cheia em que é venerada. Nesse período está no máximo do seu potencial reprodutivo e pode gerar nova vida. É reconhecida como sendo a deusa das mães e das mulheres em geral. Está ligada à capacidade de conceber, de fertilidade, de intuição e inspiração. Selene também é conhecida, mitologicamente, pelos seus vários casos amorosos (faceta romântica exarcebada). E pelos seus muitos filhos (abundância/fertilidade). A lua cheia representa o ventre da mãe grávida, a fertilidade, e a maturidade; o florescimento e abundância da natureza, a concretização das possibilidades.
  • 12. Graus: 225º a 270º Dias: 17,5 a 21 Fase para deixar as coisas seguirem o seu curso. Fase para distanciarmo-nos de situações de envolvimento e de entendimento sobre o que foi alcançado. Período de integração, de perceção das necessidades dos outros. Trocas e intercâmbios. Comunicação; abertura; partilha; escutar e aprender. Cooperação. Fase boa para mudanças.
  • 13. Graus: 270º a 315º Dias: 21 a 24,5 As sombras ganham força sobre a luz. Tempo de transformação/transição; Aceitação; aprendizagem. Energia é mais subtil e profunda, mas de difícil compreensão. Tempo de decisões e de colocar um fim. Repercussões do passado (frutificação/colheita). Tempo para mudar hábitos e rotinas. Limpezas. Análises e escolhas.
  • 14. A Mulher-Anciã. A lua minguante anciã assinala o recolhimento da colheita de tudo aquilo que se plantou nas duas primeiras fases. O declínio das energias, a sábia preparação para conhecer os mistérios da morte e do renascimento. Hécate representa o lado negro da lua, a mais misteriosa, a regente da escuridão, das profundezas do mundo interior. Hécate tudo vê, o presente, o passado e o futuro e desconhece fronteiras, circulava pelos três reinos, do céu, da terra e do submundo. Trazia consigo o poder mágico da transformação, a transformação pela experiência de iluminar os pontos obscuros do ser, a nossa sombra. Talvez por esta associação , foi considerada um guia, auxiliando a fazer escolhas, ou seja, a seguir caminhos. Tornou-se uma deusa dos limiares: na visão popular, das encruzilhadas. Hécate sempre caminha com a sua tocha, iluminando (…) porque dissipa o medo ao clarear a escuridão, permitindo a visão e o discernimento. É a Deusa que nos obriga a olhar para as nossas próprias sombras.
  • 15. Graus: 315º a 360/0º Dias: 24,5 a 28 Lua “Velha”. Fase de descanso e contemplação. Desapego. Maior percepção/disposição para a vida espiritual. Quietude. Preparação para uma nova fase. Limpezas/depuração. Retrospecção.Passado/Futuro. Esperanças/Medos. Incubação de ideias para o próximo ciclo. Consolação e alivio.
  • 17. Calendário: É um sistema de ordenamento do tempo, derivado dos ciclos astronómicos e que obedece aos seguintes propósitos: 1) Organização de vida civil; 2) Observância das obrigações religiosas; 3) Marcação de eventos científicos. Existe uma relação intima entre os calendários e as religiões/cosmologias; sendo que, muitas sociedades estruturaram os seus calendários de acordo com o movimento lunar. No inicio, os sacerdotes, como guardiões do tempo, eram os responsáveis por elaborar os calendários. A importância dessa tarefa tornou-se vital no momento da sedentarização do homem. A observação dos cultos lunares era indispensável para uma boa produtividade agrícola. O papel dos sacerdotes era de grande responsabilidade.
  • 18. “Os cultos lunares se originaram no paleolítico e os primeiros calendários conhecidos foram os lunares, baseados no ciclo menstrual da mulher. O mais antigo calendário astrológico conhecido foi criado pelos babilônios e chamava-se “As casas da Lua”, estabelecido a partir do ciclo de lunação, com seus períodos mensais representados pelos signos zodiacais. A principal deusa lunar da Babilônia era Ishtar, cujo cinturão era enfeitado com representações e símbolos do zodíaco.” Ishtar - Deusa Babilónica ligada à fertilidade (característica lunar)
  • 19. “A base do calendário lunar é o movimento da Lua em torno da Terra, isto é, o mês lunar sinódico, que é o intervalo de tempo entre duas conjunções da Lua e do Sol. Como a sua duração é de 29 dias 12 horas 44 minutos e 2,8 segundos, o ano lunar (cuja denominação é imprópria) de 12 meses abrangerá 354 dias 8 horas 48 minutos e 36 segundos. Os anos lunares têm que ser regulados periodicamente, para que o início do ano corresponda sempre a uma lua nova. Como uma revolução sinódica da Lua não é igual a um número inteiro de dias, e os meses devem também começar com uma lua nova, esse momento inicial não se dá sempre numa mesma hora.” Fonte: Portal São Francisco
  • 20. Antigo Calendário Lunar Chinês Calendário Babilónico O calendário muçulmano é o único puramente lunar ainda em uso. A primeira civilização a utilizar o calendário lunar foi a Babilónia, mas outras civilizações também fizeram uso dele como os hebreus, os gregos, os romanos e os chineses…
  • 21. Calendários Lunares Descrição Acertos Outras informações Babilónico 12 meses lunares de 30 dias cada. O primeiro dia do mês quando aparecia a 1ª lua no crepúsculo após a Lua Nova (Sem Lua) Greco-Romano O grego era baseado no babilónico, mas introduziram o Ciclo de Méton em 432 a.C. O romano foi criado em 753 a.C e era baseado no Egipcio – tinha 304 dias, divididos em 10 meses lunares, 6 de 30 dias e 4 de 31 dias. Acrescentado um mês adicional (13º mês) ao final de cada período de 3 anos (observado pelo nascimento de determinadas estrelas e constelações. Ciclo de Méton: 235 meses lunares correspondem a 19 anos solares; assim, a cada 19 anos, as fases da lua vão cair nos mesmos dias do calendário. Algumas observações equivocadas. Ano iniciava na Primavera com o mês “Nisannu”. Em 480 a.C. introdução de um ciclo de 19 anos (adotado dos gregos) para maior concordância entre ano solar e lunar. Na Grécia: o calendário não foi adoptado em todas as regiões por serem cidadesestado independentes (desfazamento na datação de eventos). Roma: primeiro mês é Martius (Março) e adopta a meia-noite para inicio do dia. Hebraico Cada mês se inicia com a Lua Nova. O ano civil tem 354 dias. Seus 12 meses são de 29 ou 30 dias. A cada ciclo de 19 anos acrescenta-se um mês inteiro (Adar II). Pelo que pode haver um ano com 384 dias. O calendário hebraico começa a contar o tempo histórico a partir do que os judeus consideravam a o Dia da Criação.
  • 22. Calendários Lunares Descrição Acertos Outras informações Chinês Islâmico Introduzido em 2637 a.C. por Huangti. Contempla o ciclo metónico: cada mês 29/30 dias e ano de 354 dias. Ano começa sempre na Lua Nova Ano de 354 dias com 12 meses de 29/30 dias. O mês começa quando o crescente lunar aparece pela primeira vez ao pôr-do-sol. Utiliza dois ciclos: Um ciclo de 12 anos, com 12 meses lunares (354 dias) + um ciclo de 7 anos com 13 meses lunares (384 dias) = ciclo metónico. Dentro de um ciclo de 30 anos, 11 recebem um dia a mais. Ou seja: 30 anos = 19 anos de 354 dias + 11 anos de 355 dias. Continua a ser utilizado para festividades, mas para fins oficiais adoptou-se o calendário Gregoriano. A origem do calendário muçulmano se fixa na Hégira, que comemora a fuga de Maomé, da cidade de Meca para Medina (622 d.C. no ano gregoriano).