SlideShare uma empresa Scribd logo
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
INTRODUÇÃO
Estiagem afetando agricultura
Estiagem afetando geração de energia
Racionamento de energia
Mortandade de peixes em rios e costas litorâneas
Produção de eucalipto afeta nível de lençol freático
Vazão diminuta em rios provoca morte de peixes
Centenas de pessoas têm casas inundadas pelos rios
O que estas questões tem a ver com Engenharia Civil?
Por que são de interesse aos futuros engenheiros os eventos extremos?
A crescente necessidade da humanidade de melhor utilizar, controlar e preservar
os recursos naturais
observar, estudar, classificar, formular equações e prever para planejar e
executar modificações
A hidrologia é a ciência básica (de base) imprescindível, principalmente no
Brasil com abundantes fontes
Mas muitas vezes mal distribuídas
Exemplo da Região Norte e da Região Sudeste
Mais de dois terços de toda a água brasileira estão na região Norte, onde vive
quase 10% da população do país.
O resultado dessa desigualdade regional é que, enquanto um carioca recebe, em
média, 500 litros de água por dia,
um cearense dispõe de apenas 130 litros. De acordo com o IBGE, a média
nacional é de 260 litros por habitante.
Sistema Cantareira é o maior dos sistemas administrados pela SABESP,
destinado a captação e tratamento de água para a Grande São Paulo e um dos maiores
do mundo, abastecendo aproximadamente 9 milhões de pessoas
Mas ainda assim...
22/03/2012-A escassez hídrica na Região Metropolitana vai obrigar o governo
do Estado de São Paulo a criar um sistema de R$ 1 bilhão para buscar água a mais de 74
km de distância da capital e bombeá-la à altura de 500 metros
Engenharia é isso aí!!!
Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações
específicas à criação de estruturas, dispositivos e processos que se utilizam para
converter recursos naturais em formas adequadas ao atendimento das necessidades
humanas.
Mas não havia outra opção, segundo a Companhia de Saneamento Básico do
Estado de São Paulo (Sabesp), a não ser investir mais para trazer a água de mais longe.
"Ou você tem água (GESTÃO DA CAPACIDADE OU DA OFERTA) ou pede para a
1
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
população não crescer mais, para as indústrias não virem mais para cá (GESTÃO DA
DEMANDA)",
Mas como viabilizar investimentos deste montante se a todo momento ouvimos
que não temos capital disponível?
Parcerias Público-Privadas (PPPs) pode ser uma saída legal!!!
pesquisa 01 Pesquisar legislação federal 11.079/2004 que trata de parcerias publico-
privadas. Basicamente a iniciativa privada faz o investimento inicial e explora a
concessão para retorno do capital.
Mas temos os desafios tecnológicos...
O sistema vai tirar água da Represa Cachoeira do França, em Juquitiba,
A distância e o fato de Juquitiba estar em nível mais baixo do que o destino da
água podem elevar o custo de transporte.
"A captação está abaixo da Região Metropolitana. Só em termos de consumo de
energia para bombear a água, pode ter um valor superior ao custo de tratamento"
A Sabesp quer investir na diminuição de perdas com vazamentos e ligações
irregulares para ajudar a resolver parcialmente o problema. "Temos de começar a agir
agora para evitar problemas no futuro",
E aqui em Campo Grande-MS?
As duas captações superficiais são: Guariroba e Lageado. Elas são responsáveis
por 67% do abastecimento, sendo o Guariroba a principal delas (50%).
As captações subterrâneas (poços) são responsáveis por 33% do total da água
que abastece o município.
Atualmente existem cerca de 105 poços em operação.
pesquisa 02 Águas Guariroba é uma empresa em que regime legal?
Hidrologia é a ciência que estuda a água sobre a Terra; sua quantidade,
distribuição, circulação, características químicas e físicas,
e sua relação com o meio ambiente e com os seres vivos.
É a "ciência da Terra"
De forma bem simplificada pode-se dizer que a hidrologia tenta responder à
pergunta: O que acontece com a água no planeta?
Engenharia Hidrológica
É uma ciência aplicada.
Utiliza princípios hidrológicos na solução de problemas de Engenharia
relacionados à exploração dos recursos hídricos.
Subdivisões: Hidrogeologia, Hidrologia de Superfície, Hidrologia Estatística etc.
pesquisa 03 Relacionar as atividades e seus respectivos usos da água (usos
consuntivos e não consuntivos)
2
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Abastecimento
Navegação
Irrigação (agricultura)
Diluição de poluentes
Manutenção dos ecossistemas (ciclos)
Pesca e Psicultura
Turismo
Recreação
Geração de energia elétrica"
Relacionada ao manejo da água
Controle de cheias (Diques de proteção)
Proteção contra enchentes
Drenagem urbana
Proteção/restauração de recursos biológicos
Erosão e assoreamento (sedimentos)
Tratamento de esgotos
Gestão de águas
O volume de água doce na superfície da terra é relativamente fixo. De certa
forma, à medida que a população cresce e as aspirações dos indivíduos aumentam, há
uma maior possibilidade de escassez de água no mundo.
No ano 2000 o mundo todo usou duas vezes mais água do que em 1960.
Estima-se em 200 litros por habitante por dia o consumo de água no Brasil.
Até chegar às residências, boa parte da água é perdida em vazamentos dos
sistemas de distribuição.
A água dos vazamentos infiltra e fica armazenada no solo ou no subsolo.
Eventualmente retorna aos rios.
Aproximadamente 80% da água que chega a uma residência retorna como
esgoto cloacal.
3
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Irrigação:
maior uso mundial
melhor produtividade
menos riscos climáticos
algumas dificuldades:
usar água em regiões secas
transferir água: transporte de água em sistemas de canais - transposição
conflitos com outros usos
4
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Um boi em média pesa 800kg então consume 12 milhões de litros!!!
Uso industrial
Refrigeração
Vapor
Processos
Produto
Limpeza
155 litros de água para 1 litro de cerveja
Algumas perguntas típicas:
pesquisa 04
1) Qual é a vazão máxima provável em um local proposto para uma barragem ?
2) Qual é a disponibilidade de água de um rio e como ela poderá variar entre estações e
de um ano a outro ?
5
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
3) Qual é a relação entre a quantidade de água superficial e a água subterrânea ?
4) Qual é a vazão mínima de um rio que é igualada ou superada 90 % do tempo ?
"
5) Qual é o volume de um reservatório necessário para garantir uma determinada vazão
a jusante ?
6) Qual é o tamanho adequado de um reservatório de armazenamento para limitar as
inundações a jusante a um nível pré-estabelecido ?
7) Qual deve ser a capacidade de um canal ou de um bueiro para evitar inundações em
determinadas áreas ?
8) Quais são o “hardware” (sensor de chuva, p. ex.) e o “software” (modelo
computacional) necessários para a previsão de cheias em tempo real ?
9) Qual é vazão necessária para manter uma determinada espécie ou um ecossistema em
um rio?
10) Como as mudanças de regime hidrológico decorrentes das atividades humanas
podem afetar as variáveis físicas de que dependem os ecossistemas?
11) Qual será a disponibilidade de água para geração de energia durante o próximo
período de estiagem?
12) Considerando que não haverá água suficiente para gerar energia durante o próximo
ano, quando devem ser ligadas as usinas termoelétricas?
13) Qual deve ser a potência do gerador e da turbina que deverão ser instalados em uma
nova usina hidrelétrica?
14) Considerando que a quantidade de água em uma bacia é muito reduzida, quais
devem ser os usos prioritários?
15) Como as mudanças climáticas poderão afetar a hidrologia?
Uso consuntivo
Abastecimento urbano
Abastecimento industrial
Irrigação
Dessedentação animal
Uso não consuntivo
Geração de energia elétrica
Navegação
Recreação
6
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Manejo ambiental
Coleta, remoção e transformação de poluentes
Manejo de qualidade ambiental
Proteção/restauração de recursos biológicos
Geração de energia elétrica por usinas hidrelétricas é muito mais barato do que geração
de energia por usinas térmicas porque o combustível é mais caro (e poluidor), embora o
custo de implantação de uma usina hidrelétrica seja maior e o custo do transporte
(distribuição) da energia seja maior.
Observar que o Brasil é o quarto país do mundo em capacidade instalada, mas o
terceiro em produção.
Observar que o Brasil e a Noruega são os países com maior dependência da
energia hidrelétrica no total de energia elétrica produzida.
Causas: pouco carvão; falta de desenvolvimento da energia nuclear;
disponibilidade de água; rios grandes e variações topográficas grandes (quedas).
CICLO HIDROLÓGICO
Fenômeno global de circulação fechada da água entre a superfície terrestre e a
atmosfera, impulsionado pela energia solar associada à gravidade e à rotação terrestre.
7
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Fases do ciclo hidrológico
Evaporação
Transpiração
Condensação
Precipitação
Escoamento superficial
Infiltração
Percolação
Escoamento subterrâneo
8
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
9
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Qualquer transformação dentro do ciclo hidrológico pode ser escrito:
Hidrograma:
Representação gráfica da vazão ao longo do tempo
10
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
11
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
pesquisa 05 "Exercícios
1) (Questão 19 Prova de Hidrologia Concurso CPRM 2002 - Certo ou Errado)
a) (item 2) o ciclo hidrológico é o fenômeno global de circulação fechada de água entre
a superfície terrestre e a atmosfera, impulsionada exclusivamente pela energia solar.
b) (item 5) Os principais componentes associados ao ciclo hidrológico são a
precipitação (P), a infiltração (I), a evapotranspiração (ET) e o escoamento superficial
(ES). A equação do balanço hídrico para uma bacia hidrológica qualquer pode ser
expressa por P + I = ET + ES.
2) Como se pode explicar o fato de que uma região que não houve aumento
populacional, os recursos hídricos se tornaram escassos; mesmo havendo a renovação
de água por meio do Ciclo Hidrológico.
3) Qual a função da Engenharia com relação aos extremos do Ciclo Hidrológico.
4) Explique o Ciclo Hidrológico, enfatizando cada um de seus componentes.
5) Discuta a renovação da água pelo Ciclo Hidrológico e a velocidade de degradação
ambiental."
BACIA HIDROGRÁFICA
Bacia Hidrográfia ou Bacia de Drenagem
Uma região em que a chuva ocorrida em qualquer ponto drena para a mesma seção
transversal do curso-d’água.
Área de captação natural das precipitações, que faz convergir os escoamentos para um
único ponto de saída: o exutório.
Para definir uma bacia:
1) Informações de topografia
2) Seção transversal de referência (exutório)
3) Curso d’água"
Utiliza-se este método de definição de região hidrológica por causa da
simplicidade que oferece na aplicação do balanço de água.
Deste modo, muitos modelos de estudos (descritivos, matemáticos e
computacionais) têm sido conduzidos em Bacias hidrográficas.
12
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
13
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
14
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Bacias hidrográficas são compostas por sub-bacias hidrográficas. Cada sub-bacia
é uma bacia hidrográfica que pode ser subdividida em sub-bacias, etc.
Importante:
divisor topográfico ou superficial x divisor freático ou subterrâneo
Divisor topográfico determina a área da qual provém o deflúvio superficial da
bacia
Divisor subterrâneo é determinado pela estrutura geológica dos terrenos e
maciços.
Define os limites dos reservatórios de água subterrânea de onde é derivado o
deflúvio (vazão) básico da bacia.
15
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
pesquisa 06 Pode haver fuga de água precipitada em uma determinada bacia por conta
da estrutura subterrânea do terreno?
Qual a influência do tamanho de uma bacia hidrológica em relação às fugas?
Faça o exercício de delimitação da bacia hidrográfica nos pontos de interesse A,
B, C, D, E e F.
Delimitar a bacia do ribeirão Água do Tucunduva, tomando como controle a
seção “S”.
16
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
17
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Características da Bacia Hidrográfica:
Estreita correspondência entre o regime hidrológico e estas características.
Tem grande utilidade prática pois ao se estabelecer relações entre estas e os
dados hidrológicos conhecidos, pode-se determinar indiretamente os valores
hidrológicos em locais de interesse nos quais faltem informações ou onde não se possa
monitorar ou instalar estações hidrométricas.
pesquisa 07 Qual os principais dados que podem ser coletados em uma estação
hidrométrica?
Área de drenagem
Classificação dos cursos d'água
Comprimento da bacia
Declividade da bacia
Curva hipsométrica
Forma (índice de conformação ou fator de forma)
Cobertura vegetal e uso do solo"
Área de drenagem: característica mais importante da bacia
Reflete o volume total de água que pode ser gerado potencialmente na bacia
Bacia impermeável e chuva constante:
Q = I x A
Se A = 60 km2 (60 milhões de m2) e I = 10 mm/hora (2,7 . 10-6 m/s)
Q = 166 m3/s
pesquisa 08 E se esta bacia fosse altamente permeável (floresta) com taxa de
permeabilidade de 95%?
Qual seria a vazão Q superficial total gerada, desprezando-se as principais
perdas?
Quais são as principais perdas? Estas podem de fato ser desprezadas?
Classificação dos cursos d'água
Perenes: sempre contém água
Intermitentes: secam durante as estiagens
Êfemeros: durante ou imediatamente após as precipitações
18
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Comprimento da bacia
Declividade da bacia
Diferença de altitude entre o início e o fim da drenagem dividida pelo
comprimento da drenagem.
Tem relação com a velocidade com a qual ocorre o escoamento.
19
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Perfil Longitudinal
Valores típicos:
Baixa declividade: alguns cm por km
Alta declividade: alguns m por km
20
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Curva Hipsométrica
Descrição da relação entre área de contribuição e altitude.
pesquisa 09 Montar uma curva hipsométrica em excel (gráfico), utilizando-se os
dados abaixo.
O gráfico deve ter cotas no eixo y (vertical) e percentual no eixo horizontal.
21
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Tempo de escoamento
Tempo de concentração
Tempo necessário para que a água precipitada no ponto mais distante da bacia
escoe até o ponto de controle, exutório ou local de medição.
22
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Tempo que uma gota de chuva que caiu na porção mais distante da bacia leva
para percorrer o caminho até o exutório, ou seção considerada.
Como estimar?
Relação com:
Comprimento da bacia (área da bacia)
Forma da bacia
Declividade da bacia
Alterações antrópicas
Vazão (para simplificar não se considera)"
Fórmulas empíricas para tempo de concentração
pesquisa 10 Considerando que a cota da nascente do rio é de 1000m e a cota da
exutória da bacia é de 425m, qual é o tempo de concentração sendo que o comprimento
do talvegue (leito principal do rio) é de 22km?
Este perfil longitudinal apresenta alta ou baixa declividade (m / km)?
Índice de conformação ou fator de forma:
23
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
O fator de forma constitui um indicativo da maior ou menor tendência para
enchentes de uma bacia.
Uma bacia estreita e longa, com fator de forma baixo, há menos possibilidade de
ocorrência de chuvas intensas cobrindo toda a sua extensão. Além disso, em tal bacia, a
contribuição dos tributários atinge o curso d'água principal em vários pontos ao longo
do talvegue.
Deste modo, afasta-se da condição ideal de uma bacia circular, na qual a
concentração de todo o deflúvio (vazão ou descarga) da bacia se dá em um só ponto.
pesquisa 11 No exemplo da curva hipsométrica, a bacia tem área de 177,25km2. Qual
é o seu fator de forma, sabendo-se que o comprimento da bacia é de 20,1km?
Índice de compacidade
É um índice adimensional que varia com a forma da bacia. Quanto mais
irregular for a bacia, tanto maior será o coeficiente de compacidade. Um coeficiente
mínimo igual a unidade corresponde a uma bacia circular.
pesquisa 12 Você seria capaz de demonstrar a origem da equação deste índice?
Cobertura Vegetal
Florestas: maior interceptação; maior profundidade de raízes.
Maior interceptação = escoamento demora mais a ocorrer.
Maior profundidade de raízes = água consumida pela evapotranspiração pode
ser retirada de maiores profundidades do solo.
24
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
pesquisa 13 Uma plantação para agricultura próximo a um pequeno curso d'água, sem
respeitar inclusive a faixa marginal de vegetação (antiga mata ciliar), pode afetar outros
usos consuntivos da região? Explique.
pesquisa 14 Em que legislação federal se pode encontrar a faixa marginal de
vegetação (antiga mata ciliar) que deve ser preservada?
Indique quais são estas faixas.
Uso do solo
Substituição de florestas por lavoura/pastagens
Urbanização: telhados, ruas, passeios, estacionamentos e até pátios de casas
Modificação dos caminhos da água
Aumento da velocidade do escoamento (leito natural rugoso x leito artificial com
revestimento liso)
Encurtamento das distâncias até a rede de drenagem (exemplo: telhado com calha)
Agricultura = compactação do solo
Redução da quantidade de matéria orgânica no solo
Porosidade diminui
Capacidade de infiltração diminui
Raízes mais superficiais: Consumo de água das plantas diminui
Tipos de solo
Solos arenosos = menos escoamento superficial
Solos argilosos = mais escoamento superficial
Solos rasos = mais escoamento superficial
Solos profundos = menos escoamento superficial
Geologia
Rochas do subsolo afetam o comportamento da bacia hidrográfica.
Rochas porosas tem a propriedade de armazenar grandes quantidades de água
(rochas sedimentares – arenito).
Rochas magmáticas tem pouca porosidade e armazenam pouca água, exceto
quando são muito fraturadas.
Bacias com depósitos calcáreos tem grandes cavidades no sub-solo onde a água
é armazenada.
pesquisa 15 De que consiste a formação geológica do Aquífero Guarani? Quais são
principais benefícios e riscos na utilização
desta reserva natural de água? Dada a sua extensão continental e cruzando
fronteiras de alguns países, pode
haver conflitos na exploração deste reservatório? Explique.
25
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Partes da Bacia
Vertentes (regiões próximas as nascentes e aos divisores de água)
Escoamento superficial difuso
Não há canais definidos
Escoamento sub-superficial e subterrâneo
Rede de drenagem (ou sistema de drenagem)
Escoamento superficial
Canais bem definidos
Densidade da Rede de Drenagem:
Controlada pela Geologia e pelo Clima
Forma da Rede de Drenagem:
Controlada pela Geologia
pesquisa 16 Pesquise sobre a região do leque aluvial do Rio Taquari e compare seu
formato com os exemplos acima.
Você consegue imaginar porque ocorreu este tipo de sistema de drenagem?
26
Configurações de drenagem
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Forma de rede de drenagem
Ordem dos cursos d'água
A ordem dos rios é uma classificação que reflete o grau de ramificação ou
bifurcação dentro da bacia.
Este critério foi desenvolvido por Horton (modificado por Strahler) e consiste
em:
27
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Primeira Ordem - canais que não tenham tributários
Quando dois canais de Primeira Ordem se unem, é formado um segmento de
Segunda Ordem.
Quando dois canais de Segunda Ordem se unem, é formado um trecho de
Terceira Ordem.
E assim segue sucessivamente até a exutória (ou saída) da bacia em estudo.
Exercício 17 – Utilizando a bacia do ribeirão Água do Tucunduva (exercício 06), e
tomando como controle a seção “S”, classifique a ordem dos cursos d’água conforme
critério de Horton.
Balanço Hídrico
O balanço entre entradas e saídas de água em uma bacia hidrográfica é
denominado balanço hídrico.
A principal entrada de água de uma bacia é a precipitação. A saída de água da
bacia pode ocorrer por evapotranspiração e por escoamento. Estas variáveis podem ser
medidas com diferentes graus de precisão.
O balanço hídrico de uma bacia exige que seja satisfeita a equação:
28
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Em intervalos de tempo longos, como um ano ou mais, a variação de
armazenamento pode ser desprezada
na maior parte das bacias, e a equação pode ser reescrita em unidades de
mm.ano-1
, o que é feito dividindo os volumes pela área da bacia.
Onde: P é a precipitação em mm.ano-1
; E é a evapotranspiração em mm.ano-1
; e Q é o
escoamento em mm.ano-1
.
As unidades de mm são mais usuais para a precipitação e para a
evapotranspiração.
Uma lâmina 1 mm de chuva corresponde a um litro de água distribuído sobre
uma área de 1 m2
.
pesquisa 18 Demonstre que 1mm de água sobre uma área de 1m2
corresponde a um
litro de água nesta mesma área.
Coeficiente de escoamento
O percentual da chuva que se transforma em escoamento é chamado coeficiente
de escoamento de longo prazo e é dado por:
O coeficiente de escoamento tem, teoricamente, valores entre 0 e 1.
Na prática os valores vão de 0,05 a 0,5 para a maioria das bacias.
EXEMPLO: Qual seria a vazão de saída de uma bacia completamente
impermeável, com área de 60km2
, sob uma chuva constante à taxa de 10 mm.hora-1
?
Cada mm de chuva sobre a bacia de 60km2
corresponde a um volume total de
60.000 m3
lançados sobre a bacia, o que significa que em uma hora são lançados
600.000 m3
de água sobre esta bacia. Como a bacia é impermeável toda a água deve sair
pelo exutório a uma vazão constante de 167 m3
.s-1
.
EXEMPLO: A região da bacia hidrográfica recebe precipitações médias anuais
de 1600 mm.
29
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Há um local em que são medidas as vazões deste rio e uma análise de uma série
de dados diários ao longo de 30 anos revela que a vazão média do rio é de 340 m3
.s-1
.
Considerando que a área da bacia neste local é de 15.000 km2
, qual é a
evapotranspiração média anual nesta bacia? Qual é o coeficiente de escoamento de
longo prazo?
30
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
Bacia Hidrográficas e SIG
SIG são Sistemas de Informação Geográfica
Equivalem a sistemas CAD para a hidrologia
Além de CAD são bancos de dados e permitem análises dos dados
Representações do relevo no computador
Isolinhas = curvas de nível
Matriciais = modelos digitais de elevação (MDE)
TIN = Triangular irregular network
MDE ou MNT (modelagem numérica do terreno)
Direção do escoamento
31
Hidrologia Aplicada – Capitulo 01
O que pode ser obtido do MDE
Direção de escoamento
Rios principais (rede de drenagem)
Definição de Bacia e Sub-bacias
Áreas das bacias
Declividade das bacias
Comprimento do rio principal
E outros
Softwares disponíveis no mercado:
ARC-GIS
Idrisi
GRASS
Erdas
32

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Gabriela Almeida
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
Kelwin Souza
 
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.pptDIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
BentoGilUane
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
Giovanna Ortiz
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
Hamilton Nobrega
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Aula 20 indicadores
Aula 20 indicadoresAula 20 indicadores
Aula 20 indicadores
Giovanna Ortiz
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
DAIANE AZOLINI
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
Helena Borralho
 
Perda de carga
Perda de cargaPerda de carga
Perda de carga
Andre Jaques Boa Sorte
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
Giovanna Ortiz
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
Giovanna Ortiz
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
Giovanna Ortiz
 
Apostila de topografia
Apostila de topografiaApostila de topografia
Apostila de topografia
Ariosto Nascimento
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Giovanna Ortiz
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
taisy goncalves
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
dela28
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
marciotecsoma
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Jacqueline Schultz
 

Mais procurados (20)

Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
 
Agricultura sustentável
Agricultura sustentávelAgricultura sustentável
Agricultura sustentável
 
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.pptDIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
ÓRgãos internos sistema digestório
ÓRgãos internos   sistema digestórioÓRgãos internos   sistema digestório
ÓRgãos internos sistema digestório
 
Taa 8
Taa 8Taa 8
Taa 8
 
Aula 20 indicadores
Aula 20 indicadoresAula 20 indicadores
Aula 20 indicadores
 
Aula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADEAula SUSTENTABILIDADE
Aula SUSTENTABILIDADE
 
Sistema Digestivo
Sistema DigestivoSistema Digestivo
Sistema Digestivo
 
Perda de carga
Perda de cargaPerda de carga
Perda de carga
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
 
Aula 9 aterro
Aula 9   aterroAula 9   aterro
Aula 9 aterro
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Aula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdfAula 4. rsu parte 1pdf
Aula 4. rsu parte 1pdf
 
Apostila de topografia
Apostila de topografiaApostila de topografia
Apostila de topografia
 
Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2Dimensionamento de um aterro sanitário2
Dimensionamento de um aterro sanitário2
 
Sustentabilidade
SustentabilidadeSustentabilidade
Sustentabilidade
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 

Destaque

Hidrologia aplicada capitulo 01 exercicios e pesquisas
Hidrologia aplicada capitulo 01   exercicios e pesquisasHidrologia aplicada capitulo 01   exercicios e pesquisas
Hidrologia aplicada capitulo 01 exercicios e pesquisas
Gabriel Reis
 
2 bacia hidrografica
2 bacia hidrografica2 bacia hidrografica
2 bacia hidrografica
RK RK
 
11 hidraulica de pocos
11  hidraulica de pocos11  hidraulica de pocos
11 hidraulica de pocos
Fábio Souza
 
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
Danusa Campos
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
lipemodesto
 
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
Laryssa Maia
 
Os rios
Os riosOs rios
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
Achansen
 
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03
Ronaldo Cesar
 
BACIA HIDROGRÁFICA
BACIA HIDROGRÁFICABACIA HIDROGRÁFICA
BACIA HIDROGRÁFICA
Silvio Candido
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
claudiamf11
 
Os rios
Os riosOs rios
Os rios
Cantasul
 
Apostila de Hidrologia Aplicada
Apostila de Hidrologia  AplicadaApostila de Hidrologia  Aplicada
Apostila de Hidrologia Aplicada
Roberta Araújo
 
Rios
RiosRios
Rios
edsonluz
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
Pedro Wallace
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
IPA Metodista
 
Os Rios Powerpoint
Os Rios PowerpointOs Rios Powerpoint
Os Rios Powerpoint
guest64f7a
 

Destaque (17)

Hidrologia aplicada capitulo 01 exercicios e pesquisas
Hidrologia aplicada capitulo 01   exercicios e pesquisasHidrologia aplicada capitulo 01   exercicios e pesquisas
Hidrologia aplicada capitulo 01 exercicios e pesquisas
 
2 bacia hidrografica
2 bacia hidrografica2 bacia hidrografica
2 bacia hidrografica
 
11 hidraulica de pocos
11  hidraulica de pocos11  hidraulica de pocos
11 hidraulica de pocos
 
4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas4 bacias hidrograficas
4 bacias hidrograficas
 
Hidrologia 3
Hidrologia 3Hidrologia 3
Hidrologia 3
 
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
 
Os rios
Os riosOs rios
Os rios
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03
 
BACIA HIDROGRÁFICA
BACIA HIDROGRÁFICABACIA HIDROGRÁFICA
BACIA HIDROGRÁFICA
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
 
Os rios
Os riosOs rios
Os rios
 
Apostila de Hidrologia Aplicada
Apostila de Hidrologia  AplicadaApostila de Hidrologia  Aplicada
Apostila de Hidrologia Aplicada
 
Rios
RiosRios
Rios
 
Geomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvialGeomorfologia fluvial
Geomorfologia fluvial
 
Bacias hidrográficas
Bacias hidrográficasBacias hidrográficas
Bacias hidrográficas
 
Os Rios Powerpoint
Os Rios PowerpointOs Rios Powerpoint
Os Rios Powerpoint
 

Semelhante a Hidrologia aplicada capitulo 01 introd ciclo e bacia

TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docxTRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
jessika80
 
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
ISJ
 
Apostila prática qam_1_sem_2012
Apostila prática qam_1_sem_2012Apostila prática qam_1_sem_2012
Apostila prática qam_1_sem_2012
Gracipaula Duarte
 
Agua Bioecologia
Agua    BioecologiaAgua    Bioecologia
Agua Bioecologia
BioSFeraAprova
 
Artigo pós edinaldo pronto cd
Artigo pós edinaldo pronto cdArtigo pós edinaldo pronto cd
Artigo pós edinaldo pronto cd
Victor Ha-Kã Azevedo
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
VanlisaPinheiro
 
Agua
AguaAgua
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivosUnidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
ISJ
 
A água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivosA água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivos
ISJ
 
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino GonçalvesGestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
Nativa Socioambiental
 
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
escolacaiosergio
 
A água
A águaA água
A água
ISJ
 
Crise da água
Crise da águaCrise da água
Crise da água
Vanessa Nunes
 
Freitas
FreitasFreitas
Freitas
gbruck53
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
Miguel Monteiro
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
Miguel Monteiro
 

Semelhante a Hidrologia aplicada capitulo 01 introd ciclo e bacia (20)

TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docxTRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
TRABALHO DE LINGUA PORTUGUESA.docx
 
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
6º ano cap 13 a água no ambiente e nos seres vivos
 
Apostila prática qam_1_sem_2012
Apostila prática qam_1_sem_2012Apostila prática qam_1_sem_2012
Apostila prática qam_1_sem_2012
 
Agua Bioecologia
Agua    BioecologiaAgua    Bioecologia
Agua Bioecologia
 
Artigo pós edinaldo pronto cd
Artigo pós edinaldo pronto cdArtigo pós edinaldo pronto cd
Artigo pós edinaldo pronto cd
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Prévia do seminário
Prévia do seminárioPrévia do seminário
Prévia do seminário
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivosUnidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
Unidade 3 cap 1 a água no ambiente e nos seres vivos
 
A água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivosA água no ambiente e nos seres vivos
A água no ambiente e nos seres vivos
 
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino GonçalvesGestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
Gestão de recursos hídricos e o código florestal - Marino Gonçalves
 
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
Roteiro de atividades do Ciclo Autoral de 27 até 31 de julho de 2020.
 
A água
A águaA água
A água
 
Crise da água
Crise da águaCrise da água
Crise da água
 
Freitas
FreitasFreitas
Freitas
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
 
Poluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água docePoluição e sobreexploração da água doce
Poluição e sobreexploração da água doce
 

Último

Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 

Último (9)

Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
AE02 - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II UNICESUMAR 52/2024
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 

Hidrologia aplicada capitulo 01 introd ciclo e bacia

  • 1. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 INTRODUÇÃO Estiagem afetando agricultura Estiagem afetando geração de energia Racionamento de energia Mortandade de peixes em rios e costas litorâneas Produção de eucalipto afeta nível de lençol freático Vazão diminuta em rios provoca morte de peixes Centenas de pessoas têm casas inundadas pelos rios O que estas questões tem a ver com Engenharia Civil? Por que são de interesse aos futuros engenheiros os eventos extremos? A crescente necessidade da humanidade de melhor utilizar, controlar e preservar os recursos naturais observar, estudar, classificar, formular equações e prever para planejar e executar modificações A hidrologia é a ciência básica (de base) imprescindível, principalmente no Brasil com abundantes fontes Mas muitas vezes mal distribuídas Exemplo da Região Norte e da Região Sudeste Mais de dois terços de toda a água brasileira estão na região Norte, onde vive quase 10% da população do país. O resultado dessa desigualdade regional é que, enquanto um carioca recebe, em média, 500 litros de água por dia, um cearense dispõe de apenas 130 litros. De acordo com o IBGE, a média nacional é de 260 litros por habitante. Sistema Cantareira é o maior dos sistemas administrados pela SABESP, destinado a captação e tratamento de água para a Grande São Paulo e um dos maiores do mundo, abastecendo aproximadamente 9 milhões de pessoas Mas ainda assim... 22/03/2012-A escassez hídrica na Região Metropolitana vai obrigar o governo do Estado de São Paulo a criar um sistema de R$ 1 bilhão para buscar água a mais de 74 km de distância da capital e bombeá-la à altura de 500 metros Engenharia é isso aí!!! Arte de aplicar conhecimentos científicos e empíricos e certas habilitações específicas à criação de estruturas, dispositivos e processos que se utilizam para converter recursos naturais em formas adequadas ao atendimento das necessidades humanas. Mas não havia outra opção, segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), a não ser investir mais para trazer a água de mais longe. "Ou você tem água (GESTÃO DA CAPACIDADE OU DA OFERTA) ou pede para a 1
  • 2. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 população não crescer mais, para as indústrias não virem mais para cá (GESTÃO DA DEMANDA)", Mas como viabilizar investimentos deste montante se a todo momento ouvimos que não temos capital disponível? Parcerias Público-Privadas (PPPs) pode ser uma saída legal!!! pesquisa 01 Pesquisar legislação federal 11.079/2004 que trata de parcerias publico- privadas. Basicamente a iniciativa privada faz o investimento inicial e explora a concessão para retorno do capital. Mas temos os desafios tecnológicos... O sistema vai tirar água da Represa Cachoeira do França, em Juquitiba, A distância e o fato de Juquitiba estar em nível mais baixo do que o destino da água podem elevar o custo de transporte. "A captação está abaixo da Região Metropolitana. Só em termos de consumo de energia para bombear a água, pode ter um valor superior ao custo de tratamento" A Sabesp quer investir na diminuição de perdas com vazamentos e ligações irregulares para ajudar a resolver parcialmente o problema. "Temos de começar a agir agora para evitar problemas no futuro", E aqui em Campo Grande-MS? As duas captações superficiais são: Guariroba e Lageado. Elas são responsáveis por 67% do abastecimento, sendo o Guariroba a principal delas (50%). As captações subterrâneas (poços) são responsáveis por 33% do total da água que abastece o município. Atualmente existem cerca de 105 poços em operação. pesquisa 02 Águas Guariroba é uma empresa em que regime legal? Hidrologia é a ciência que estuda a água sobre a Terra; sua quantidade, distribuição, circulação, características químicas e físicas, e sua relação com o meio ambiente e com os seres vivos. É a "ciência da Terra" De forma bem simplificada pode-se dizer que a hidrologia tenta responder à pergunta: O que acontece com a água no planeta? Engenharia Hidrológica É uma ciência aplicada. Utiliza princípios hidrológicos na solução de problemas de Engenharia relacionados à exploração dos recursos hídricos. Subdivisões: Hidrogeologia, Hidrologia de Superfície, Hidrologia Estatística etc. pesquisa 03 Relacionar as atividades e seus respectivos usos da água (usos consuntivos e não consuntivos) 2
  • 3. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Abastecimento Navegação Irrigação (agricultura) Diluição de poluentes Manutenção dos ecossistemas (ciclos) Pesca e Psicultura Turismo Recreação Geração de energia elétrica" Relacionada ao manejo da água Controle de cheias (Diques de proteção) Proteção contra enchentes Drenagem urbana Proteção/restauração de recursos biológicos Erosão e assoreamento (sedimentos) Tratamento de esgotos Gestão de águas O volume de água doce na superfície da terra é relativamente fixo. De certa forma, à medida que a população cresce e as aspirações dos indivíduos aumentam, há uma maior possibilidade de escassez de água no mundo. No ano 2000 o mundo todo usou duas vezes mais água do que em 1960. Estima-se em 200 litros por habitante por dia o consumo de água no Brasil. Até chegar às residências, boa parte da água é perdida em vazamentos dos sistemas de distribuição. A água dos vazamentos infiltra e fica armazenada no solo ou no subsolo. Eventualmente retorna aos rios. Aproximadamente 80% da água que chega a uma residência retorna como esgoto cloacal. 3
  • 4. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Irrigação: maior uso mundial melhor produtividade menos riscos climáticos algumas dificuldades: usar água em regiões secas transferir água: transporte de água em sistemas de canais - transposição conflitos com outros usos 4
  • 5. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Um boi em média pesa 800kg então consume 12 milhões de litros!!! Uso industrial Refrigeração Vapor Processos Produto Limpeza 155 litros de água para 1 litro de cerveja Algumas perguntas típicas: pesquisa 04 1) Qual é a vazão máxima provável em um local proposto para uma barragem ? 2) Qual é a disponibilidade de água de um rio e como ela poderá variar entre estações e de um ano a outro ? 5
  • 6. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 3) Qual é a relação entre a quantidade de água superficial e a água subterrânea ? 4) Qual é a vazão mínima de um rio que é igualada ou superada 90 % do tempo ? " 5) Qual é o volume de um reservatório necessário para garantir uma determinada vazão a jusante ? 6) Qual é o tamanho adequado de um reservatório de armazenamento para limitar as inundações a jusante a um nível pré-estabelecido ? 7) Qual deve ser a capacidade de um canal ou de um bueiro para evitar inundações em determinadas áreas ? 8) Quais são o “hardware” (sensor de chuva, p. ex.) e o “software” (modelo computacional) necessários para a previsão de cheias em tempo real ? 9) Qual é vazão necessária para manter uma determinada espécie ou um ecossistema em um rio? 10) Como as mudanças de regime hidrológico decorrentes das atividades humanas podem afetar as variáveis físicas de que dependem os ecossistemas? 11) Qual será a disponibilidade de água para geração de energia durante o próximo período de estiagem? 12) Considerando que não haverá água suficiente para gerar energia durante o próximo ano, quando devem ser ligadas as usinas termoelétricas? 13) Qual deve ser a potência do gerador e da turbina que deverão ser instalados em uma nova usina hidrelétrica? 14) Considerando que a quantidade de água em uma bacia é muito reduzida, quais devem ser os usos prioritários? 15) Como as mudanças climáticas poderão afetar a hidrologia? Uso consuntivo Abastecimento urbano Abastecimento industrial Irrigação Dessedentação animal Uso não consuntivo Geração de energia elétrica Navegação Recreação 6
  • 7. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Manejo ambiental Coleta, remoção e transformação de poluentes Manejo de qualidade ambiental Proteção/restauração de recursos biológicos Geração de energia elétrica por usinas hidrelétricas é muito mais barato do que geração de energia por usinas térmicas porque o combustível é mais caro (e poluidor), embora o custo de implantação de uma usina hidrelétrica seja maior e o custo do transporte (distribuição) da energia seja maior. Observar que o Brasil é o quarto país do mundo em capacidade instalada, mas o terceiro em produção. Observar que o Brasil e a Noruega são os países com maior dependência da energia hidrelétrica no total de energia elétrica produzida. Causas: pouco carvão; falta de desenvolvimento da energia nuclear; disponibilidade de água; rios grandes e variações topográficas grandes (quedas). CICLO HIDROLÓGICO Fenômeno global de circulação fechada da água entre a superfície terrestre e a atmosfera, impulsionado pela energia solar associada à gravidade e à rotação terrestre. 7
  • 8. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Fases do ciclo hidrológico Evaporação Transpiração Condensação Precipitação Escoamento superficial Infiltração Percolação Escoamento subterrâneo 8
  • 9. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 9
  • 10. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Qualquer transformação dentro do ciclo hidrológico pode ser escrito: Hidrograma: Representação gráfica da vazão ao longo do tempo 10
  • 11. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 11
  • 12. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 pesquisa 05 "Exercícios 1) (Questão 19 Prova de Hidrologia Concurso CPRM 2002 - Certo ou Errado) a) (item 2) o ciclo hidrológico é o fenômeno global de circulação fechada de água entre a superfície terrestre e a atmosfera, impulsionada exclusivamente pela energia solar. b) (item 5) Os principais componentes associados ao ciclo hidrológico são a precipitação (P), a infiltração (I), a evapotranspiração (ET) e o escoamento superficial (ES). A equação do balanço hídrico para uma bacia hidrológica qualquer pode ser expressa por P + I = ET + ES. 2) Como se pode explicar o fato de que uma região que não houve aumento populacional, os recursos hídricos se tornaram escassos; mesmo havendo a renovação de água por meio do Ciclo Hidrológico. 3) Qual a função da Engenharia com relação aos extremos do Ciclo Hidrológico. 4) Explique o Ciclo Hidrológico, enfatizando cada um de seus componentes. 5) Discuta a renovação da água pelo Ciclo Hidrológico e a velocidade de degradação ambiental." BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfia ou Bacia de Drenagem Uma região em que a chuva ocorrida em qualquer ponto drena para a mesma seção transversal do curso-d’água. Área de captação natural das precipitações, que faz convergir os escoamentos para um único ponto de saída: o exutório. Para definir uma bacia: 1) Informações de topografia 2) Seção transversal de referência (exutório) 3) Curso d’água" Utiliza-se este método de definição de região hidrológica por causa da simplicidade que oferece na aplicação do balanço de água. Deste modo, muitos modelos de estudos (descritivos, matemáticos e computacionais) têm sido conduzidos em Bacias hidrográficas. 12
  • 13. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 13
  • 14. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 14
  • 15. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Bacias hidrográficas são compostas por sub-bacias hidrográficas. Cada sub-bacia é uma bacia hidrográfica que pode ser subdividida em sub-bacias, etc. Importante: divisor topográfico ou superficial x divisor freático ou subterrâneo Divisor topográfico determina a área da qual provém o deflúvio superficial da bacia Divisor subterrâneo é determinado pela estrutura geológica dos terrenos e maciços. Define os limites dos reservatórios de água subterrânea de onde é derivado o deflúvio (vazão) básico da bacia. 15
  • 16. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 pesquisa 06 Pode haver fuga de água precipitada em uma determinada bacia por conta da estrutura subterrânea do terreno? Qual a influência do tamanho de uma bacia hidrológica em relação às fugas? Faça o exercício de delimitação da bacia hidrográfica nos pontos de interesse A, B, C, D, E e F. Delimitar a bacia do ribeirão Água do Tucunduva, tomando como controle a seção “S”. 16
  • 17. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 17
  • 18. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Características da Bacia Hidrográfica: Estreita correspondência entre o regime hidrológico e estas características. Tem grande utilidade prática pois ao se estabelecer relações entre estas e os dados hidrológicos conhecidos, pode-se determinar indiretamente os valores hidrológicos em locais de interesse nos quais faltem informações ou onde não se possa monitorar ou instalar estações hidrométricas. pesquisa 07 Qual os principais dados que podem ser coletados em uma estação hidrométrica? Área de drenagem Classificação dos cursos d'água Comprimento da bacia Declividade da bacia Curva hipsométrica Forma (índice de conformação ou fator de forma) Cobertura vegetal e uso do solo" Área de drenagem: característica mais importante da bacia Reflete o volume total de água que pode ser gerado potencialmente na bacia Bacia impermeável e chuva constante: Q = I x A Se A = 60 km2 (60 milhões de m2) e I = 10 mm/hora (2,7 . 10-6 m/s) Q = 166 m3/s pesquisa 08 E se esta bacia fosse altamente permeável (floresta) com taxa de permeabilidade de 95%? Qual seria a vazão Q superficial total gerada, desprezando-se as principais perdas? Quais são as principais perdas? Estas podem de fato ser desprezadas? Classificação dos cursos d'água Perenes: sempre contém água Intermitentes: secam durante as estiagens Êfemeros: durante ou imediatamente após as precipitações 18
  • 19. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Comprimento da bacia Declividade da bacia Diferença de altitude entre o início e o fim da drenagem dividida pelo comprimento da drenagem. Tem relação com a velocidade com a qual ocorre o escoamento. 19
  • 20. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Perfil Longitudinal Valores típicos: Baixa declividade: alguns cm por km Alta declividade: alguns m por km 20
  • 21. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Curva Hipsométrica Descrição da relação entre área de contribuição e altitude. pesquisa 09 Montar uma curva hipsométrica em excel (gráfico), utilizando-se os dados abaixo. O gráfico deve ter cotas no eixo y (vertical) e percentual no eixo horizontal. 21
  • 22. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Tempo de escoamento Tempo de concentração Tempo necessário para que a água precipitada no ponto mais distante da bacia escoe até o ponto de controle, exutório ou local de medição. 22
  • 23. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Tempo que uma gota de chuva que caiu na porção mais distante da bacia leva para percorrer o caminho até o exutório, ou seção considerada. Como estimar? Relação com: Comprimento da bacia (área da bacia) Forma da bacia Declividade da bacia Alterações antrópicas Vazão (para simplificar não se considera)" Fórmulas empíricas para tempo de concentração pesquisa 10 Considerando que a cota da nascente do rio é de 1000m e a cota da exutória da bacia é de 425m, qual é o tempo de concentração sendo que o comprimento do talvegue (leito principal do rio) é de 22km? Este perfil longitudinal apresenta alta ou baixa declividade (m / km)? Índice de conformação ou fator de forma: 23
  • 24. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 O fator de forma constitui um indicativo da maior ou menor tendência para enchentes de uma bacia. Uma bacia estreita e longa, com fator de forma baixo, há menos possibilidade de ocorrência de chuvas intensas cobrindo toda a sua extensão. Além disso, em tal bacia, a contribuição dos tributários atinge o curso d'água principal em vários pontos ao longo do talvegue. Deste modo, afasta-se da condição ideal de uma bacia circular, na qual a concentração de todo o deflúvio (vazão ou descarga) da bacia se dá em um só ponto. pesquisa 11 No exemplo da curva hipsométrica, a bacia tem área de 177,25km2. Qual é o seu fator de forma, sabendo-se que o comprimento da bacia é de 20,1km? Índice de compacidade É um índice adimensional que varia com a forma da bacia. Quanto mais irregular for a bacia, tanto maior será o coeficiente de compacidade. Um coeficiente mínimo igual a unidade corresponde a uma bacia circular. pesquisa 12 Você seria capaz de demonstrar a origem da equação deste índice? Cobertura Vegetal Florestas: maior interceptação; maior profundidade de raízes. Maior interceptação = escoamento demora mais a ocorrer. Maior profundidade de raízes = água consumida pela evapotranspiração pode ser retirada de maiores profundidades do solo. 24
  • 25. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 pesquisa 13 Uma plantação para agricultura próximo a um pequeno curso d'água, sem respeitar inclusive a faixa marginal de vegetação (antiga mata ciliar), pode afetar outros usos consuntivos da região? Explique. pesquisa 14 Em que legislação federal se pode encontrar a faixa marginal de vegetação (antiga mata ciliar) que deve ser preservada? Indique quais são estas faixas. Uso do solo Substituição de florestas por lavoura/pastagens Urbanização: telhados, ruas, passeios, estacionamentos e até pátios de casas Modificação dos caminhos da água Aumento da velocidade do escoamento (leito natural rugoso x leito artificial com revestimento liso) Encurtamento das distâncias até a rede de drenagem (exemplo: telhado com calha) Agricultura = compactação do solo Redução da quantidade de matéria orgânica no solo Porosidade diminui Capacidade de infiltração diminui Raízes mais superficiais: Consumo de água das plantas diminui Tipos de solo Solos arenosos = menos escoamento superficial Solos argilosos = mais escoamento superficial Solos rasos = mais escoamento superficial Solos profundos = menos escoamento superficial Geologia Rochas do subsolo afetam o comportamento da bacia hidrográfica. Rochas porosas tem a propriedade de armazenar grandes quantidades de água (rochas sedimentares – arenito). Rochas magmáticas tem pouca porosidade e armazenam pouca água, exceto quando são muito fraturadas. Bacias com depósitos calcáreos tem grandes cavidades no sub-solo onde a água é armazenada. pesquisa 15 De que consiste a formação geológica do Aquífero Guarani? Quais são principais benefícios e riscos na utilização desta reserva natural de água? Dada a sua extensão continental e cruzando fronteiras de alguns países, pode haver conflitos na exploração deste reservatório? Explique. 25
  • 26. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Partes da Bacia Vertentes (regiões próximas as nascentes e aos divisores de água) Escoamento superficial difuso Não há canais definidos Escoamento sub-superficial e subterrâneo Rede de drenagem (ou sistema de drenagem) Escoamento superficial Canais bem definidos Densidade da Rede de Drenagem: Controlada pela Geologia e pelo Clima Forma da Rede de Drenagem: Controlada pela Geologia pesquisa 16 Pesquise sobre a região do leque aluvial do Rio Taquari e compare seu formato com os exemplos acima. Você consegue imaginar porque ocorreu este tipo de sistema de drenagem? 26 Configurações de drenagem
  • 27. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Forma de rede de drenagem Ordem dos cursos d'água A ordem dos rios é uma classificação que reflete o grau de ramificação ou bifurcação dentro da bacia. Este critério foi desenvolvido por Horton (modificado por Strahler) e consiste em: 27
  • 28. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Primeira Ordem - canais que não tenham tributários Quando dois canais de Primeira Ordem se unem, é formado um segmento de Segunda Ordem. Quando dois canais de Segunda Ordem se unem, é formado um trecho de Terceira Ordem. E assim segue sucessivamente até a exutória (ou saída) da bacia em estudo. Exercício 17 – Utilizando a bacia do ribeirão Água do Tucunduva (exercício 06), e tomando como controle a seção “S”, classifique a ordem dos cursos d’água conforme critério de Horton. Balanço Hídrico O balanço entre entradas e saídas de água em uma bacia hidrográfica é denominado balanço hídrico. A principal entrada de água de uma bacia é a precipitação. A saída de água da bacia pode ocorrer por evapotranspiração e por escoamento. Estas variáveis podem ser medidas com diferentes graus de precisão. O balanço hídrico de uma bacia exige que seja satisfeita a equação: 28
  • 29. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Em intervalos de tempo longos, como um ano ou mais, a variação de armazenamento pode ser desprezada na maior parte das bacias, e a equação pode ser reescrita em unidades de mm.ano-1 , o que é feito dividindo os volumes pela área da bacia. Onde: P é a precipitação em mm.ano-1 ; E é a evapotranspiração em mm.ano-1 ; e Q é o escoamento em mm.ano-1 . As unidades de mm são mais usuais para a precipitação e para a evapotranspiração. Uma lâmina 1 mm de chuva corresponde a um litro de água distribuído sobre uma área de 1 m2 . pesquisa 18 Demonstre que 1mm de água sobre uma área de 1m2 corresponde a um litro de água nesta mesma área. Coeficiente de escoamento O percentual da chuva que se transforma em escoamento é chamado coeficiente de escoamento de longo prazo e é dado por: O coeficiente de escoamento tem, teoricamente, valores entre 0 e 1. Na prática os valores vão de 0,05 a 0,5 para a maioria das bacias. EXEMPLO: Qual seria a vazão de saída de uma bacia completamente impermeável, com área de 60km2 , sob uma chuva constante à taxa de 10 mm.hora-1 ? Cada mm de chuva sobre a bacia de 60km2 corresponde a um volume total de 60.000 m3 lançados sobre a bacia, o que significa que em uma hora são lançados 600.000 m3 de água sobre esta bacia. Como a bacia é impermeável toda a água deve sair pelo exutório a uma vazão constante de 167 m3 .s-1 . EXEMPLO: A região da bacia hidrográfica recebe precipitações médias anuais de 1600 mm. 29
  • 30. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Há um local em que são medidas as vazões deste rio e uma análise de uma série de dados diários ao longo de 30 anos revela que a vazão média do rio é de 340 m3 .s-1 . Considerando que a área da bacia neste local é de 15.000 km2 , qual é a evapotranspiração média anual nesta bacia? Qual é o coeficiente de escoamento de longo prazo? 30
  • 31. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 Bacia Hidrográficas e SIG SIG são Sistemas de Informação Geográfica Equivalem a sistemas CAD para a hidrologia Além de CAD são bancos de dados e permitem análises dos dados Representações do relevo no computador Isolinhas = curvas de nível Matriciais = modelos digitais de elevação (MDE) TIN = Triangular irregular network MDE ou MNT (modelagem numérica do terreno) Direção do escoamento 31
  • 32. Hidrologia Aplicada – Capitulo 01 O que pode ser obtido do MDE Direção de escoamento Rios principais (rede de drenagem) Definição de Bacia e Sub-bacias Áreas das bacias Declividade das bacias Comprimento do rio principal E outros Softwares disponíveis no mercado: ARC-GIS Idrisi GRASS Erdas 32