SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
PRINCIPAIS ASPECTOS PARA
      REPORTAR O BALANÇO
PATRIMONIAL NO BRASIL (BR GAAP),
  EUA (US GAAP) E EUROPA (IFRS)
IFRS - São Normas Internacionais de Contabilidade emitida
 com o objetivo de padronizar as demonstrações contábeis no
    mundo. Até 2001 eram conhecidas como International
    Accounting Standards, IAS (Normas Internacionais de
                       Contabilidade)
  BR-GAAP – Princípios Contábeis Geralmente Aceitos no
    Brasil, conforme as Normas Brasileiras de Contabilidade,
 regulamentadas através do Conselho Federal de Contabilidade
     (CFC), sendo utilizado o padrão contábil europeu IFRS
          (International Financial Reporting Standards)

US-GAAP – Princípios Contábeis Geralmente Aceitos nos EUA,
                     padrão americano.
Em 1870, o acumulado de capitais, commodities,
    caracterizado por uma economia aquecida,
demonstrava uma transformação global de mercado;

Empresas buscando ascensão econômica, empregando
    capital no mercado acionário internacional;

Nessa época o Banco Mundial já previa uma análise da
 junção de normas e procedimentos para canalizar as
    informações contábeis e suas demonstrações;
Ambiente altamente competitivo;

    Após década de 90, mercado mais agressivo;

Negociações na Bolsa de Valores foram ficando cada
                vez mais intensas;

 Preparação de Agentes Econômicos para analisar os
riscos e oscilações de mercado foi ponto forte para o
                momento da economia.
Contabilmente vão haver diferenças nas
    demonstrações pelo fato de cada país ter sua
                   legislação;

Procurou criar uma parametrização, uma centralização
                    das normas;

Implementar um padrão de convergências, coniventes
               aos padrões GAAP
Por que fazer?

A harmonização das normas contábeis é inevitável;

Brasil também se posicionou com a criação da Lei
                 11638/2007;

 Altera e revoga parte da Lei 6.385/76 e 6404/76
A Padronização da Contabilidade nos moldes do IFRS no Mundo

   1973 – Criado o IASC (International Accounting Standards
                          Committee);

         2001 – Criado o IASB para a emissão do IFRS

2005 – Os paises da União Européia adotam as normas do IFRS

2006 – FASB e IASB fazem acordo para convergência entre o IFRS
                 e USGAAP. China adota o IFRS

2007 – Brasil, Canadá, Chile, Índia, Japão e Coréia estabelecem
                   datas para adotar o IFRS
Com a adoção do IFRS no Brasil, utilizado por mais de cem
     países, incentiva o capital produtivo e os ingressos
estrangeiros, pois estabelece mais transparência e segurança
                    para essas operações;

  impõe uma transformação comportamental e cultural aos
   administradores, aos funcionários, de diversas áreas das
empresas e aos analistas de mercado, o que influenciará todas
 as instâncias geradoras de informações para a contabilidade.
Órgão Reguladores Internacionais

 Originou-se em 1973 quando representantes de diversos
países fundaram o IASC (International Accouting Standards
Committee) e reestruturado em 2001 no IASB (International
              Accounting Standards Board);

 FASB – Financial Accounting Standard Board – EUA – criado
                         em 1973;

  Lei 6.404/76 – Brasil – criada em 1976 (influência norte-
                         amaericana)

IOSCO – International Organization of Securities Commissions
                      – criado em 1983
Empresas que estão obrigados a seguir a adotar a Lei 11.638/2007

         CIAS de Capital Aberto – INSTR. CVM 457 DE 13/07/2007

 Obriga a adotar o padrão contábil internacional emitido pelo IASB (IFRS);

           Obrigatório a partir de 2010 e facultativo para 2009.


Empresas de Grande Porte – Definidas pela Lei 11.638/07 obrigada a adotar
               as determinações da Lei a partir de 2008;

 Empresas de Pequeno e Médio Porte – Resolução CFC 1255/09 (NBC TG
                             1.000) –

            Contabilidade para pequenas e médias empresas.

               Demais empresas - Resolução CFC 1.159/09
CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis

Criado pela Resolução CFC 1.055/05, o CPC tem no seu
                       escopo:

“ O estudo, o preparo, e a emissão de Pronunciamentos
   Técnicos sobre procedimentos de Contabilidade e a
     divulgação de informações dessa natureza, para
permitir a emissão de normas pela entidade reguladora
  brasileira, visando a centralização e uniformização de
seu processo de produção, levando sempre em conta a
  convergência da Contabilidade Brasileira aos padrões
                      internacionais”.
USGAAP – GENERALLY ACCEPTED ACCOUNTING PRINCIPLES

   Caracterizado por uma regulamentação intensa com
organizações formadas, por contadores para fixar padrões e
   pressão crescente na direção de um sistema contábil
                        uniforme;

A SEC (Securities and Exchange Commission), criada em 1934,
  responsável pela regulamentação do comercio de valores
 imobiliários dos EUA com objetivo principal, assegurar total
                        transparência;

O FASB – órgão independente, reconhecido pela SEC, com o
 objetivo de determinar e aperfeiçoar os procedimentos,
              conceitos e normas contábeis.
O EUA está preocupado em saber do resultado desta
             adequação aos novos padrões;

      Economia americana não anda em alta escala;

     Europa estática, que também contribui para essa
       desaceleração no mercado norte-americano;

   As empresas americanas com participação acionária
    estrangeira, sediadas nos EUA, estão saindo do país.
   Continentes como a Ásia e a America Latina estão em
constante crescimento e os americanos sabem que tem que
             se adequarem aos novos padrões.
Considerações Finais

       Este trabalho procura ressaltar a importância do IFRS
   (International Financial Reporting Standards) numa análise
  global, quais serão os benefícios desta padronização contábil
       referente à economia de tempo, para a economia de
    investimento, para a tramitação da moeda estrangeira, no
treinamento e qualificação da mão de obra, a credibilidade com
os analistas internacionais, a aderência no mercado acionário, à
 integração e a parametrização dos sistemas de informação de
            uma maneira mais simples e concatenada.
Através de conceitos sobre IFRS verificar numa visão crítica, de
    como ficaria a demonstração no Balanço, unindo as três
 modalidades contábeis (BRGAAP, USGAAP e IFRS) de maneira a
estabelecer o ponto de vista do escopo, da harmonização, que o
 fundamento da nova norma ,objetiva, em proporcionar para o
mercado mundial, colocando os profissionais do mundo todo em
               uma base padrão de negociação.
“Programados para aprender e impossibilitados de viver sem a
  referência de um amanhã, onde quer que haja mulheres e
 homens há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há
        sempre o que aprender” (Paulo Freire, 1996)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Akuntansi internasional
Akuntansi internasionalAkuntansi internasional
Akuntansi internasional
cardahutabarat
 
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
Arup Bose, PMP
 

Mais procurados (20)

Akuntansi internasional
Akuntansi internasionalAkuntansi internasional
Akuntansi internasional
 
Akuntansi internasional
Akuntansi internasionalAkuntansi internasional
Akuntansi internasional
 
SAP Financials 2011 Prakhina Detailed Lessons To Reduce Electronic Bank State...
SAP Financials 2011 Prakhina Detailed Lessons To Reduce Electronic Bank State...SAP Financials 2011 Prakhina Detailed Lessons To Reduce Electronic Bank State...
SAP Financials 2011 Prakhina Detailed Lessons To Reduce Electronic Bank State...
 
Kel. 4
Kel. 4Kel. 4
Kel. 4
 
A 8
A 8A 8
A 8
 
Soal & Pembahasan Bab 1 - 7 Perbankan Syariah (Rizal Yaya) Salemba 4
Soal & Pembahasan Bab 1 - 7 Perbankan Syariah (Rizal Yaya) Salemba 4Soal & Pembahasan Bab 1 - 7 Perbankan Syariah (Rizal Yaya) Salemba 4
Soal & Pembahasan Bab 1 - 7 Perbankan Syariah (Rizal Yaya) Salemba 4
 
3.1 A brief history of IFRS
3.1 A brief history of IFRS3.1 A brief history of IFRS
3.1 A brief history of IFRS
 
Supletoriedad segun el IMCP
Supletoriedad segun el  IMCPSupletoriedad segun el  IMCP
Supletoriedad segun el IMCP
 
Lecture 8 transaction processing system- james a. hall book chapter 2
Lecture 8  transaction processing system- james a. hall book chapter 2Lecture 8  transaction processing system- james a. hall book chapter 2
Lecture 8 transaction processing system- james a. hall book chapter 2
 
VAT configuration for TAXINN
VAT configuration for TAXINNVAT configuration for TAXINN
VAT configuration for TAXINN
 
ch03.pdf
ch03.pdfch03.pdf
ch03.pdf
 
Ifrs final
Ifrs  finalIfrs  final
Ifrs final
 
Conceptual Framework in Accounting
Conceptual Framework in AccountingConceptual Framework in Accounting
Conceptual Framework in Accounting
 
O controle de preços de transferência nas exportações de commodities e o méto...
O controle de preços de transferência nas exportações de commodities e o méto...O controle de preços de transferência nas exportações de commodities e o méto...
O controle de preços de transferência nas exportações de commodities e o méto...
 
System flow charts @ doms
System flow charts @  domsSystem flow charts @  doms
System flow charts @ doms
 
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
51477813 45498199-sonia-f-sap-fico-project
 
IASB
IASBIASB
IASB
 
Audit of the payroll and personnel cycle
Audit of the payroll and personnel cycleAudit of the payroll and personnel cycle
Audit of the payroll and personnel cycle
 
Current Issues in Accounting
Current Issues in AccountingCurrent Issues in Accounting
Current Issues in Accounting
 
SAP Lock Box Process
SAP Lock Box ProcessSAP Lock Box Process
SAP Lock Box Process
 

Destaque

Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercíciosContabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
rmdutra
 
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação TecnicaA Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
IBRI
 
Normas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de ContabilidadeNormas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de Contabilidade
Silvia Colodel
 
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan ToledoIFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
Blogabilidade
 
4 Auditoria - Planejamento
4   Auditoria - Planejamento4   Auditoria - Planejamento
4 Auditoria - Planejamento
Bolivar Motta
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
cathedracontabil
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
contacontabil
 

Destaque (19)

Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercíciosContabilidade Internacional - Respostas exercícios
Contabilidade Internacional - Respostas exercícios
 
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e FiscalLei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
Lei 12.976 x IFRS - Uma Abordagem Contábil e Fiscal
 
IFRA US GAAP Convergence
IFRA US GAAP ConvergenceIFRA US GAAP Convergence
IFRA US GAAP Convergence
 
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação TecnicaA Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
A Convergência Contábil na Visão dos RIs - Apresentação Tecnica
 
Aula1 slide 55
Aula1 slide 55Aula1 slide 55
Aula1 slide 55
 
Normas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de ContabilidadeNormas Internacionais de Contabilidade
Normas Internacionais de Contabilidade
 
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan ToledoIFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
IFRS PME - Eduardo Varela e Renan Toledo
 
4 Auditoria - Planejamento
4   Auditoria - Planejamento4   Auditoria - Planejamento
4 Auditoria - Planejamento
 
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCsNBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
NBC TA 300 - Planejamento da Auditoria das DCs
 
Órgãos Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Órgãos Internacionais e Nacionais de ContabilidadeÓrgãos Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Órgãos Internacionais e Nacionais de Contabilidade
 
Adoção das IFRS no Brasil - Palestra UFERSA
Adoção das IFRS no Brasil - Palestra UFERSAAdoção das IFRS no Brasil - Palestra UFERSA
Adoção das IFRS no Brasil - Palestra UFERSA
 
Principales difrencias us.gaap, ifrs, nif
Principales difrencias us.gaap, ifrs, nifPrincipales difrencias us.gaap, ifrs, nif
Principales difrencias us.gaap, ifrs, nif
 
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
Marketing - análise ambiental - ambiente político e legal.
 
Slides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aulaSlides padrao senac gestao estrategica aula
Slides padrao senac gestao estrategica aula
 
Balancetes e razonetes cap 12
Balancetes e razonetes cap 12Balancetes e razonetes cap 12
Balancetes e razonetes cap 12
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 11 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 11 cathedra
 
Diferenças FULL IFRS x IFRS PME
Diferenças FULL IFRS x IFRS PMEDiferenças FULL IFRS x IFRS PME
Diferenças FULL IFRS x IFRS PME
 
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedraExercicios resolvidos contabilidade geral   aula 05 cathedra
Exercicios resolvidos contabilidade geral aula 05 cathedra
 
Apresentação de slides pronto
Apresentação de slides prontoApresentação de slides pronto
Apresentação de slides pronto
 

Semelhante a CONTABILIDADE GERENCIAL, IFRS, BR GAAP E USGAAP

aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdfaula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
Pedro Luis Moraes
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
Roberto Elias Nassif
 
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
Leandro Faccini
 
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
Luziane Madeira
 
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
Pedro Luis Moraes
 
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de ContabilidadeEntidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Dominus Auditoria
 
Cban orientacao 01
Cban orientacao 01Cban orientacao 01
Cban orientacao 01
Giana Araujo
 

Semelhante a CONTABILIDADE GERENCIAL, IFRS, BR GAAP E USGAAP (20)

aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdfaula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
aula1b-contabilidadeinternacional-140821092557-phpapp01.pdf
 
Aula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdfAula 07 03 2023.pdf
Aula 07 03 2023.pdf
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
A busca pela harmonização das normas internacionais de contabilidade e a conv...
 
ifrs Introdução
ifrs Introduçãoifrs Introdução
ifrs Introdução
 
contabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.pptcontabilidadeseculoXXI.ppt
contabilidadeseculoXXI.ppt
 
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
Aspectos fiscais pós-adoção_ifrs_mp627_prof_leandro_faccini_28_jan2014
 
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
HAMONIZAÇÃO CONTABILBooklet ibri-2010
 
122 495-2-pb
122 495-2-pb122 495-2-pb
122 495-2-pb
 
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
uws9zbcss7myeemfyuc4-signature-8af3e9c209666add5af19192a05d461c7e9cda506f4c02...
 
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da ContabilidadeAtividade 05   criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
Atividade 05 criação do cpc e estrutura conceitual básica da Contabilidade
 
Contabilidade Internacional
Contabilidade Internacional Contabilidade Internacional
Contabilidade Internacional
 
Aula 1.pptx
Aula 1.pptxAula 1.pptx
Aula 1.pptx
 
Partes relacionadas
Partes relacionadasPartes relacionadas
Partes relacionadas
 
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de ContabilidadeEntidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
Entidades Internacionais e Nacionais de Contabilidade
 
Lei sa
Lei saLei sa
Lei sa
 
M1c_-_Órgão_Reguladores_Internacionais[1].pdf
M1c_-_Órgão_Reguladores_Internacionais[1].pdfM1c_-_Órgão_Reguladores_Internacionais[1].pdf
M1c_-_Órgão_Reguladores_Internacionais[1].pdf
 
Cban orientacao 01
Cban orientacao 01Cban orientacao 01
Cban orientacao 01
 
Contabilidade Internacional
Contabilidade InternacionalContabilidade Internacional
Contabilidade Internacional
 
Apostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdfApostila Contab Intl.pdf
Apostila Contab Intl.pdf
 

CONTABILIDADE GERENCIAL, IFRS, BR GAAP E USGAAP

  • 1. PRINCIPAIS ASPECTOS PARA REPORTAR O BALANÇO PATRIMONIAL NO BRASIL (BR GAAP), EUA (US GAAP) E EUROPA (IFRS)
  • 2. IFRS - São Normas Internacionais de Contabilidade emitida com o objetivo de padronizar as demonstrações contábeis no mundo. Até 2001 eram conhecidas como International Accounting Standards, IAS (Normas Internacionais de Contabilidade) BR-GAAP – Princípios Contábeis Geralmente Aceitos no Brasil, conforme as Normas Brasileiras de Contabilidade, regulamentadas através do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), sendo utilizado o padrão contábil europeu IFRS (International Financial Reporting Standards) US-GAAP – Princípios Contábeis Geralmente Aceitos nos EUA, padrão americano.
  • 3. Em 1870, o acumulado de capitais, commodities, caracterizado por uma economia aquecida, demonstrava uma transformação global de mercado; Empresas buscando ascensão econômica, empregando capital no mercado acionário internacional; Nessa época o Banco Mundial já previa uma análise da junção de normas e procedimentos para canalizar as informações contábeis e suas demonstrações;
  • 4. Ambiente altamente competitivo; Após década de 90, mercado mais agressivo; Negociações na Bolsa de Valores foram ficando cada vez mais intensas; Preparação de Agentes Econômicos para analisar os riscos e oscilações de mercado foi ponto forte para o momento da economia.
  • 5. Contabilmente vão haver diferenças nas demonstrações pelo fato de cada país ter sua legislação; Procurou criar uma parametrização, uma centralização das normas; Implementar um padrão de convergências, coniventes aos padrões GAAP
  • 6. Por que fazer? A harmonização das normas contábeis é inevitável; Brasil também se posicionou com a criação da Lei 11638/2007; Altera e revoga parte da Lei 6.385/76 e 6404/76
  • 7. A Padronização da Contabilidade nos moldes do IFRS no Mundo 1973 – Criado o IASC (International Accounting Standards Committee); 2001 – Criado o IASB para a emissão do IFRS 2005 – Os paises da União Européia adotam as normas do IFRS 2006 – FASB e IASB fazem acordo para convergência entre o IFRS e USGAAP. China adota o IFRS 2007 – Brasil, Canadá, Chile, Índia, Japão e Coréia estabelecem datas para adotar o IFRS
  • 8.
  • 9. Com a adoção do IFRS no Brasil, utilizado por mais de cem países, incentiva o capital produtivo e os ingressos estrangeiros, pois estabelece mais transparência e segurança para essas operações; impõe uma transformação comportamental e cultural aos administradores, aos funcionários, de diversas áreas das empresas e aos analistas de mercado, o que influenciará todas as instâncias geradoras de informações para a contabilidade.
  • 10. Órgão Reguladores Internacionais Originou-se em 1973 quando representantes de diversos países fundaram o IASC (International Accouting Standards Committee) e reestruturado em 2001 no IASB (International Accounting Standards Board); FASB – Financial Accounting Standard Board – EUA – criado em 1973; Lei 6.404/76 – Brasil – criada em 1976 (influência norte- amaericana) IOSCO – International Organization of Securities Commissions – criado em 1983
  • 11. Empresas que estão obrigados a seguir a adotar a Lei 11.638/2007 CIAS de Capital Aberto – INSTR. CVM 457 DE 13/07/2007 Obriga a adotar o padrão contábil internacional emitido pelo IASB (IFRS); Obrigatório a partir de 2010 e facultativo para 2009. Empresas de Grande Porte – Definidas pela Lei 11.638/07 obrigada a adotar as determinações da Lei a partir de 2008; Empresas de Pequeno e Médio Porte – Resolução CFC 1255/09 (NBC TG 1.000) – Contabilidade para pequenas e médias empresas. Demais empresas - Resolução CFC 1.159/09
  • 12. CPC – Comitê de Pronunciamentos Contábeis Criado pela Resolução CFC 1.055/05, o CPC tem no seu escopo: “ O estudo, o preparo, e a emissão de Pronunciamentos Técnicos sobre procedimentos de Contabilidade e a divulgação de informações dessa natureza, para permitir a emissão de normas pela entidade reguladora brasileira, visando a centralização e uniformização de seu processo de produção, levando sempre em conta a convergência da Contabilidade Brasileira aos padrões internacionais”.
  • 13. USGAAP – GENERALLY ACCEPTED ACCOUNTING PRINCIPLES Caracterizado por uma regulamentação intensa com organizações formadas, por contadores para fixar padrões e pressão crescente na direção de um sistema contábil uniforme; A SEC (Securities and Exchange Commission), criada em 1934, responsável pela regulamentação do comercio de valores imobiliários dos EUA com objetivo principal, assegurar total transparência; O FASB – órgão independente, reconhecido pela SEC, com o objetivo de determinar e aperfeiçoar os procedimentos, conceitos e normas contábeis.
  • 14. O EUA está preocupado em saber do resultado desta adequação aos novos padrões; Economia americana não anda em alta escala; Europa estática, que também contribui para essa desaceleração no mercado norte-americano; As empresas americanas com participação acionária estrangeira, sediadas nos EUA, estão saindo do país. Continentes como a Ásia e a America Latina estão em constante crescimento e os americanos sabem que tem que se adequarem aos novos padrões.
  • 15. Considerações Finais Este trabalho procura ressaltar a importância do IFRS (International Financial Reporting Standards) numa análise global, quais serão os benefícios desta padronização contábil referente à economia de tempo, para a economia de investimento, para a tramitação da moeda estrangeira, no treinamento e qualificação da mão de obra, a credibilidade com os analistas internacionais, a aderência no mercado acionário, à integração e a parametrização dos sistemas de informação de uma maneira mais simples e concatenada.
  • 16. Através de conceitos sobre IFRS verificar numa visão crítica, de como ficaria a demonstração no Balanço, unindo as três modalidades contábeis (BRGAAP, USGAAP e IFRS) de maneira a estabelecer o ponto de vista do escopo, da harmonização, que o fundamento da nova norma ,objetiva, em proporcionar para o mercado mundial, colocando os profissionais do mundo todo em uma base padrão de negociação.
  • 17. “Programados para aprender e impossibilitados de viver sem a referência de um amanhã, onde quer que haja mulheres e homens há sempre o que fazer, há sempre o que ensinar, há sempre o que aprender” (Paulo Freire, 1996)