SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
CAMINHOS E POSSIBILIDADES A PARTIR DO
GIROSER:
um projeto em arteterapia
Néclea Dantas de Carvalho
Wecsley Santa Bárbara Oliveira
Arteterapia é: (...) a utilização de recursos artísticos em contexto
terapêutico, baseando-se na percepção de que o processo criativo
envolvido na atividade artística é terapêutico e enriquecedor na
qualidade de vida das pessoas. Age a serviço das leis da necessidade
interior do Homem e facilita o entrar em contato com o poder de
cada um (...). (ARCURI, 2006, p.21)
O QUE É GIROSER?
• Projeto em Arteterapia baseado nas oficinas criativas de Cristina
Dias Alessandrini (1996), em ateliê Arteterapêutico com materiais
artísticos;
• O presente projeto tem o propósito de relacionar a arteterapia
como os quatro elementos a serviço da potencialização do
processo criativo do SER, da autonomia, revigoração e
ressignificações de aprendizagens .
• A partir do contato com materiais artísticos em oficinas criativas, o
sujeito pode elaborar questões internas que precisam ser
evidenciadas no cotidiano, sempre a serviço da saúde desse ser
único que vive em meio a desafios e dificuldades, associadas ao
seu processo de desenvolvimento.
ELEMENTOS DO GIROSER
Proporcionar caminhos de transformação do
processo de germinação do ser a serviço de
frutificar ações de saúde.
Trabalhar com recursos artísticos na
construção de caminhos e possibilidades a
serviço da aprendizagem.
Compreender-se e expandir a percepção em relação
ao outro, num processo de sintonia com a pulsação
do universo.
Exercitar a empatia aprimorando-se da arte para
emergir sentimentos de renovação a favor do
processo de subjetivação do ser.
O que são as oficinas criativas?
• Sensibilização
• Expressão livre
• Elaboração da expressão
• Transposição da linguagem
• Avaliação
SENSIBILIZAÇÃO
• Na sensibilização, o sujeito estabelece uma relação com o mundo
apoiando-se na sensibilidade e percepção de seu eu e de todos os
objetos que o cercam. Este “perceber” implica no uso dos canais
sensoriais integrados aos sentimentos, proporcionando a
organização das impressões ao nível de imagens. As estratégias
usadas no decorrer da sensibilização podem se apoiar no jogo
lúdico, em observação dirigida ou sugerida, em construção no
imaginário. O importante é que seja garantido o envolvimento na
relação do sujeito com a situação
Expressão livre
• O indivíduo mostra a experiência vivida através de uma linguagem
não-verbal. Consideramos importante possibilitar ao indivíduo a
expressão livre de seu sentimento e pensamento, utilizando as
diversas áreas artísticas: plástica, cênica e musical, “(...), em um ir e
vir de movimentos que surgem naturalmente.” (ALESSANDRINI,
2004, p.83).
Elaboração da expressão
• É o aprimoramento da linguagem escolhida pelo sujeito em um
retrabalhar ainda ao nível da arte e da representação não-verbal
do conteúdo emergente. “Essa elaboração pressupõe um
redimensionamento do que foi feito até então. Observa-se a partir
de um ângulo novo, localizam-se novas formas nas figuras que
emergem e que saltam aos nossos olhos.” (ALESSANDRINI, 2004,
p.84).
Transposição da linguagem
• Na transposição de linguagem, há o (re) significar do processo: a
imagem interna sugere a criação de mensagens e textos. É o momento
em que se pode trabalhar de forma mais diretiva e estruturada os
recursos técnicos necessários ao aperfeiçoamento da linguagem oral e
escrita, associados aos processos de raciocínio e de operacionalização do
pensamento, onde ocorre a “(...) passagem daqueles conteúdos para
uma nova linguagem.” (ALESSANDRINI, 2004, p.84)
• A escrita criativa também constitui um recurso utilizado na transposição
de linguagem, como uma forma eficaz de autoanálise, uma vez que
fortes emoções podem ser liberadas no ato de escrever.
Avaliação
• É onde ocorre a retomada do processo, permitindo a
conscientização e percepção crítica do indivíduo na aquisição de
novos conhecimentos. Ao mesmo tempo, esta avaliação é o
conjunto de informações que permitem identificar os processos
que foram significados e funciona como “recomposição das etapas
processuais, o que permite que a aprendizagem produzida seja
tornada consciente.” (ALESSANDRINI, 2004, p.85).
Benefícios
• Delegar ao sujeito o papel que deve ser seu, o de construtor ativo
do seu conhecimento, possibilitando superar suas dificuldades.
• Conexão com um espaço de elaboração de conteúdos que
emergirão como um caminho a trilhar pelo autoconhecimento e
(re) significação de aprendizagens.
• Expandir a consciência, revigorar e ressignificar aprendizagens a
partir da arteterapia conectada com a energia vital presente no
universo, os quatro elementos da natureza.
Giroser e o seu tempo
GIROSER...
GIRA....
SER....
VIRASER
Eu acredito no tempo. Acredito que ele cura, que ele
acalma, que ele nos ensina a esperar, que ele nos
amadurece como pessoas. Acredito ainda, que ele traz
soluções e respostas que em outros momentos estavam
"escondidas". O tempo tem o poder de colocar cada coisa
no seu devido lugar. (Priscilla Rodighiero)
Contatos
• Néclea Dantas
• http://necleadantas.blogspot.com.br/
• Wecsley Oliveira
http://plugadoeducacao.blogspot.com.br/
http://curupiraecodesign.blogspot.com.br/
REFERÊNCIAS
• ALLESSANDRINI, Cristina Dias. Oficina Criativa e Psicopedagogia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 3ª ed. 1996.
• _____________. Tramas Criadoras na Construção do “ser si mesmo”- SP: Casa do Psicólogo, 1999.
• _____________. Análise Microgenética da Oficina Criativa: Projeto de modelagem em argila. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004.
• ARCURI, Irene G. (org.) Arteterapia: um novo campo do conhecimento. 1ª ed São Paulo: Vetor, 2006.
• CIORNAI, Selma (org.). Percursos em Arteterapia. v. 62. São Paulo: Summus, 2004.
• COUTINHO, Vanessa. Arteterapia com Crianças. Rio de Janeiro: Wak. 2005.
• KAGIN, Sandra L. ETC – The Expressive Therapies Continuum. Texto mimeografado. Traduzido por Sema Ciornai. Compilado e revisado por Cristina Dias Allessandrini. Departamento
de Arte Terapia, Instituto Sedes Sapientiae, 1995.
• MORAES, M. C. Pensamento eco-sistêmico, educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004.
• PAIN, S. e JARREAU, G. Teoria e Técnica da Arte-terapia: A compreensão do sujeito. Porto Alegre: Artes Médicas,1996.
• SAVIANI, Iraci. O Espiritual e a Arte na Arte Terapia. In: Revista de Arte Terapia: Reflexões, ano I, nº I, Departamento de Arte – Terapia do Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo, 1995.
• URRUTIGARAY, Maria Cristina. Arteterapia: A transformação pessoal pelas imagens. 3 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a GIROSER

Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Sandra Guerra
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Plácido Suares
 
Criatividade e museus final
Criatividade e museus finalCriatividade e museus final
Criatividade e museus final
João Lima
 
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptxCópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
ManuSato
 
Cad infantil2 arte_anual
Cad infantil2 arte_anualCad infantil2 arte_anual
Cad infantil2 arte_anual
Rita Monteiro
 

Semelhante a GIROSER (20)

A ARTETERAPIA COMO INSTRUMENTO NA SALA DE AULA
A ARTETERAPIA COMO INSTRUMENTO NA SALA DE  AULAA ARTETERAPIA COMO INSTRUMENTO NA SALA DE  AULA
A ARTETERAPIA COMO INSTRUMENTO NA SALA DE AULA
 
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
Artigo - A utilização das pinturas renascentistas em sala de aula através do ...
 
Artes plásticas
Artes plásticasArtes plásticas
Artes plásticas
 
Oficina Laboratório Sociocriativo
Oficina Laboratório SociocriativoOficina Laboratório Sociocriativo
Oficina Laboratório Sociocriativo
 
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestreApresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
Apresentação1 em formatação fund e metod de ciencias 7 semestre
 
Os gêneros na sala de aula
Os gêneros na sala de aulaOs gêneros na sala de aula
Os gêneros na sala de aula
 
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suaresArte   o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
Arte o elo de interação na interdisciplinaridade - plácido suares
 
Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação Seminário sobre Arte e Educação
Seminário sobre Arte e Educação
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
 
Teorico (4)
Teorico (4)Teorico (4)
Teorico (4)
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
 
Criatividade e museus final
Criatividade e museus finalCriatividade e museus final
Criatividade e museus final
 
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º anoCurrículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
 
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptxCópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
Cópia de Corrida Espacial Agenda Diária Slide.pptx
 
Pedapedagogia de projetos
Pedapedagogia de projetosPedapedagogia de projetos
Pedapedagogia de projetos
 
Cad infantil2 arte_anual
Cad infantil2 arte_anualCad infantil2 arte_anual
Cad infantil2 arte_anual
 
4166 11585-1-pb
4166 11585-1-pb4166 11585-1-pb
4166 11585-1-pb
 
Arteterapia
ArteterapiaArteterapia
Arteterapia
 
Palavras na imagem
Palavras na  imagem Palavras na  imagem
Palavras na imagem
 
Projeto ativ ajunior
Projeto ativ ajuniorProjeto ativ ajunior
Projeto ativ ajunior
 

Mais de Wecsley Oliveira

Amey identidade visual2 curvas
Amey identidade visual2 curvasAmey identidade visual2 curvas
Amey identidade visual2 curvas
Wecsley Oliveira
 
Reuniao de pais 2013 - Robótica
Reuniao de pais 2013 - RobóticaReuniao de pais 2013 - Robótica
Reuniao de pais 2013 - Robótica
Wecsley Oliveira
 
Motivacional e proposta de projeto
Motivacional e proposta de projetoMotivacional e proposta de projeto
Motivacional e proposta de projeto
Wecsley Oliveira
 

Mais de Wecsley Oliveira (20)

Colcha de Retalhos
Colcha de RetalhosColcha de Retalhos
Colcha de Retalhos
 
Mapas mentais e conceituais
Mapas mentais e conceituaisMapas mentais e conceituais
Mapas mentais e conceituais
 
Mídia educação
Mídia educaçãoMídia educação
Mídia educação
 
Imagens e Cores
Imagens e CoresImagens e Cores
Imagens e Cores
 
Néclea Dantas - Identidade Visual
Néclea Dantas - Identidade VisualNéclea Dantas - Identidade Visual
Néclea Dantas - Identidade Visual
 
Persistência Visual
Persistência VisualPersistência Visual
Persistência Visual
 
Equipe robotica
Equipe roboticaEquipe robotica
Equipe robotica
 
Amey identidade visual2 curvas
Amey identidade visual2 curvasAmey identidade visual2 curvas
Amey identidade visual2 curvas
 
Banda mavi
Banda maviBanda mavi
Banda mavi
 
Reuniao de pais 2013 - Robótica
Reuniao de pais 2013 - RobóticaReuniao de pais 2013 - Robótica
Reuniao de pais 2013 - Robótica
 
Motivacional e proposta de projeto
Motivacional e proposta de projetoMotivacional e proposta de projeto
Motivacional e proposta de projeto
 
Sabra manual
Sabra manualSabra manual
Sabra manual
 
Identidade olhar
Identidade olharIdentidade olhar
Identidade olhar
 
Manual conhecimento
Manual conhecimentoManual conhecimento
Manual conhecimento
 
Identidade
IdentidadeIdentidade
Identidade
 
Identidade FETEC
Identidade FETECIdentidade FETEC
Identidade FETEC
 
Astec manual
Astec manualAstec manual
Astec manual
 
O lago
O lagoO lago
O lago
 
Musica
MusicaMusica
Musica
 
Familia l
Familia lFamilia l
Familia l
 

Último

01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
IANAHAAS
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
IvaneSales
 

Último (9)

Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 

GIROSER

  • 1. CAMINHOS E POSSIBILIDADES A PARTIR DO GIROSER: um projeto em arteterapia Néclea Dantas de Carvalho Wecsley Santa Bárbara Oliveira
  • 2. Arteterapia é: (...) a utilização de recursos artísticos em contexto terapêutico, baseando-se na percepção de que o processo criativo envolvido na atividade artística é terapêutico e enriquecedor na qualidade de vida das pessoas. Age a serviço das leis da necessidade interior do Homem e facilita o entrar em contato com o poder de cada um (...). (ARCURI, 2006, p.21)
  • 3. O QUE É GIROSER? • Projeto em Arteterapia baseado nas oficinas criativas de Cristina Dias Alessandrini (1996), em ateliê Arteterapêutico com materiais artísticos; • O presente projeto tem o propósito de relacionar a arteterapia como os quatro elementos a serviço da potencialização do processo criativo do SER, da autonomia, revigoração e ressignificações de aprendizagens . • A partir do contato com materiais artísticos em oficinas criativas, o sujeito pode elaborar questões internas que precisam ser evidenciadas no cotidiano, sempre a serviço da saúde desse ser único que vive em meio a desafios e dificuldades, associadas ao seu processo de desenvolvimento.
  • 5. Proporcionar caminhos de transformação do processo de germinação do ser a serviço de frutificar ações de saúde.
  • 6. Trabalhar com recursos artísticos na construção de caminhos e possibilidades a serviço da aprendizagem.
  • 7. Compreender-se e expandir a percepção em relação ao outro, num processo de sintonia com a pulsação do universo.
  • 8. Exercitar a empatia aprimorando-se da arte para emergir sentimentos de renovação a favor do processo de subjetivação do ser.
  • 9. O que são as oficinas criativas? • Sensibilização • Expressão livre • Elaboração da expressão • Transposição da linguagem • Avaliação
  • 10. SENSIBILIZAÇÃO • Na sensibilização, o sujeito estabelece uma relação com o mundo apoiando-se na sensibilidade e percepção de seu eu e de todos os objetos que o cercam. Este “perceber” implica no uso dos canais sensoriais integrados aos sentimentos, proporcionando a organização das impressões ao nível de imagens. As estratégias usadas no decorrer da sensibilização podem se apoiar no jogo lúdico, em observação dirigida ou sugerida, em construção no imaginário. O importante é que seja garantido o envolvimento na relação do sujeito com a situação
  • 11. Expressão livre • O indivíduo mostra a experiência vivida através de uma linguagem não-verbal. Consideramos importante possibilitar ao indivíduo a expressão livre de seu sentimento e pensamento, utilizando as diversas áreas artísticas: plástica, cênica e musical, “(...), em um ir e vir de movimentos que surgem naturalmente.” (ALESSANDRINI, 2004, p.83).
  • 12. Elaboração da expressão • É o aprimoramento da linguagem escolhida pelo sujeito em um retrabalhar ainda ao nível da arte e da representação não-verbal do conteúdo emergente. “Essa elaboração pressupõe um redimensionamento do que foi feito até então. Observa-se a partir de um ângulo novo, localizam-se novas formas nas figuras que emergem e que saltam aos nossos olhos.” (ALESSANDRINI, 2004, p.84).
  • 13. Transposição da linguagem • Na transposição de linguagem, há o (re) significar do processo: a imagem interna sugere a criação de mensagens e textos. É o momento em que se pode trabalhar de forma mais diretiva e estruturada os recursos técnicos necessários ao aperfeiçoamento da linguagem oral e escrita, associados aos processos de raciocínio e de operacionalização do pensamento, onde ocorre a “(...) passagem daqueles conteúdos para uma nova linguagem.” (ALESSANDRINI, 2004, p.84) • A escrita criativa também constitui um recurso utilizado na transposição de linguagem, como uma forma eficaz de autoanálise, uma vez que fortes emoções podem ser liberadas no ato de escrever.
  • 14. Avaliação • É onde ocorre a retomada do processo, permitindo a conscientização e percepção crítica do indivíduo na aquisição de novos conhecimentos. Ao mesmo tempo, esta avaliação é o conjunto de informações que permitem identificar os processos que foram significados e funciona como “recomposição das etapas processuais, o que permite que a aprendizagem produzida seja tornada consciente.” (ALESSANDRINI, 2004, p.85).
  • 15. Benefícios • Delegar ao sujeito o papel que deve ser seu, o de construtor ativo do seu conhecimento, possibilitando superar suas dificuldades. • Conexão com um espaço de elaboração de conteúdos que emergirão como um caminho a trilhar pelo autoconhecimento e (re) significação de aprendizagens. • Expandir a consciência, revigorar e ressignificar aprendizagens a partir da arteterapia conectada com a energia vital presente no universo, os quatro elementos da natureza.
  • 16. Giroser e o seu tempo
  • 18. Eu acredito no tempo. Acredito que ele cura, que ele acalma, que ele nos ensina a esperar, que ele nos amadurece como pessoas. Acredito ainda, que ele traz soluções e respostas que em outros momentos estavam "escondidas". O tempo tem o poder de colocar cada coisa no seu devido lugar. (Priscilla Rodighiero)
  • 19. Contatos • Néclea Dantas • http://necleadantas.blogspot.com.br/ • Wecsley Oliveira http://plugadoeducacao.blogspot.com.br/ http://curupiraecodesign.blogspot.com.br/
  • 20. REFERÊNCIAS • ALLESSANDRINI, Cristina Dias. Oficina Criativa e Psicopedagogia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 3ª ed. 1996. • _____________. Tramas Criadoras na Construção do “ser si mesmo”- SP: Casa do Psicólogo, 1999. • _____________. Análise Microgenética da Oficina Criativa: Projeto de modelagem em argila. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. • ARCURI, Irene G. (org.) Arteterapia: um novo campo do conhecimento. 1ª ed São Paulo: Vetor, 2006. • CIORNAI, Selma (org.). Percursos em Arteterapia. v. 62. São Paulo: Summus, 2004. • COUTINHO, Vanessa. Arteterapia com Crianças. Rio de Janeiro: Wak. 2005. • KAGIN, Sandra L. ETC – The Expressive Therapies Continuum. Texto mimeografado. Traduzido por Sema Ciornai. Compilado e revisado por Cristina Dias Allessandrini. Departamento de Arte Terapia, Instituto Sedes Sapientiae, 1995. • MORAES, M. C. Pensamento eco-sistêmico, educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2004. • PAIN, S. e JARREAU, G. Teoria e Técnica da Arte-terapia: A compreensão do sujeito. Porto Alegre: Artes Médicas,1996. • SAVIANI, Iraci. O Espiritual e a Arte na Arte Terapia. In: Revista de Arte Terapia: Reflexões, ano I, nº I, Departamento de Arte – Terapia do Instituto Sedes Sapientiae, São Paulo, 1995. • URRUTIGARAY, Maria Cristina. Arteterapia: A transformação pessoal pelas imagens. 3 ed. Rio de Janeiro: Wak, 2006.