SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL – UFMS
CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS
DEPARTAMENTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO
CURSO DE ARTES VISUAIS
CORPO POÉTICO:
LINGUAGEM PICTÓRICA COM INSERÇÃO DE PALAVRAS
Fabiana Andrelina de Souza
CAMPO GRANDE-MS
2005
FABIANA ANDRELINA DE SOUZA
CORPO POÉTICO:
LINGUAGEM PICTÓRICA COM INSERÇÃO DE PALAVRAS
Relatório apresentado como exigência
parcial para obtenção do grau de
Bacharel em Artes Visuais à Banca
Examinadora da Universidade Federal de
Mato Grosso do Sul, sob a orientação do
Prof. Dr. Richard Perassi Luiz de Sousa
CAMPO GRANDE-MS
2005
“Alguns não reconhecerão a verdade do
meu espelho. A eles digo que minha
função não é retratar a superfície (para
isso existe a fotografia), mas penetrar o
interior. Refletir em meu espelho até o
coração”.
Paul Klee – Pintor
RESUMO
O processo de trabalho aqui relatado foi desenvolvido para estudar e
conceber a produção de uma série de pinturas figurativas do corpo humano
expressando afetividade; as obras foram produzidas sob inspiração subjetiva. As
figuras interagem com provocações escritas, proposta que visa a aquisição de uma
linguagem própria com a função de sistematizar o conhecimento. A inserção de
palavras na produção plástica é uma proposta poética que partiu de pesquisas sobre
poesia visual, no entanto a produção não está inteiramente ligada a essa linguagem
devido à expressividade com que foram trabalhadas as imagens. As palavras
inseridas têm a intenção de remeter o espectador a uma conclusão pessoal, onde
ele possa completar a obra. Houve, de forma organizada, uma pesquisa sobre
movimentos e autores que abordaram o mesmo tema, conforme é indicado nas
referências teóricas. Foram realizados estudos de interpretação e composição
visual, considerando as relações estéticas e os elementos visuais como linha,
textura, forma, mancha, volume e cor. As imagens que compõem as pinturas
partiram de uma pesquisa, em que essas foram buscadas e selecionadas utilizando
um critério de avaliação no qual as buscas eram de imagens lânguidas, fazendo
referência à leveza e à atitude ao mesmo tempo. O suporte escolhido para a
realização dos trabalhos são recortes de lona, já utilizados anteriormente, porque
suas marcas colaboram na expressividade das obras e confrontam a realidade com
o trabalho poético. As pinturas foram construídas com o uso de tinta acrílica e giz
pastel seco, fixado com verniz spray, sobre desenhos produzidos com o auxílio de
reprografias transparentes, ampliadas pelos recursos de um retroprojetor. Sobre o
contorno fotográfico dos desenhos a pintura foi realizada com manchas e traços
espontâneos e intuitivos, buscando a mesma expressividade que foi previamente
observada nas obras de parte dos artistas estudados e, ao mesmo tempo, inserindo
registros pessoais e características contemporâneas.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 5
1. CAPÍTULO I – INTEGRANDO A PINTURA E AS PALAVRAS......................... 8
2. CAPÍTULO II – O PROCESSO DA CRIAÇÃO ................................................ 15
3. CONCLUSÃO................................................................................................... 20
4. BIBLIOGRAFIA ................................................................................................ 22
5
INTRODUÇÃO
Figura 1
Além de aprender o estilo e a forma de ver uma obra de arte é preciso, para
compreender adequadamente essa obra, conhecer seu histórico. A apreciação
estética é condicionada pela cultura vivenciada em cada período, e é tão
diversificada que torna impossível reduzir a arte a qualquer conjunto de preceitos.
No entanto podemos conhecer melhor as obras de arte no contexto de seu tempo e
de suas circunstâncias; desta forma, torna-se viável o trabalho artístico, tanto na sua
elaboração estética quanto na sua fundamentação.
O trabalho proposto apresenta as possibilidades de interação entre palavras
e imagens, expressões da arte que conhecemos através de pesquisas realizadas
antes e durante o seu processo de criação e produção.
A intenção da pesquisa é reforçada pela tendência atual de realização de
obras mais conceituais, em que há a possibilidade das palavras e suas reflexões
interagirem com expressões visuais conforme pode ser vista no exemplo da obra
“Véu da Alma” (fig.1).
6
Pesquisando a arte buscamos entender as grandes mudanças no padrão de
vida da sociedade em determinados períodos. Analisando a cultura aprendemos o
estilo e a forma de ver os acontecimentos numa época precisa. A arte está presente
em todos os momentos da vida humana e da humanidade. As pessoas estão
habituadas a gostar do que já conhecem, sempre há aqueles que resistem a
mudanças. Outros, ávidos de novos conhecimentos, as apóiam.
O conhecimento necessário para saber fazer arte é um motivo importante
para a pesquisa, obtendo-se a capacidade de por em prática uma idéia ou um
sentimento valendo-se da faculdade de dominar a matéria. O produto final torna-se
fruto de obediência e impulso, controle e emoção, em que o caráter técnico evolui
para o fazer artístico, para que cada proposta elaborada fale por si no espaço que
ocupa.
Visto que a necessidade de expressão é natural no ser humano, esse busca
continuamente meios de manifestar suas emoções, idéias e desejos. As expressões
do mundo e do próprio homem despertam, por sua vez, a curiosidade humana e o
desejo de conhecimento. A arte se interpõe nesse processo permitindo ao homem
desenvolver formas de expressão e promovendo obras que instigam a curiosidade e
elaboram o conhecimento. Estudar e exercitar a arte atende à necessidade de
expressão e promove o desenvolvimento do conhecimento artístico em geral.
O estudo e o trabalho aqui apresentados foram desenvolvidos com a
finalidade de produzir obras capazes de apresentar aspectos significativos,
estruturados em montagens expressivas, com a intenção de uma investigação
pictórica e poética, propondo que a verdade de cada espectador seja despertada
através da observação das obras, que se tornarão questões para reflexão.
Tendo em mente que as palavras organizadas de forma elaborada buscam
propagar sentimentos e idéias, é por meio delas a pretensão de despertar a afeição
do ser humano, estimulando a busca da descoberta da verdade de cada um. Afinal
cada pessoa busca a sua verdade que pode ser inspirada pelo mundo subjetivo do
artista.
Para desenvolver essas obras foi utilizado o livro Corpo (1984), escrito pelo
poeta Carlos Drumonnd de Andrade. A leitura serviu de base para reflexões sobre
7
as quais foram criadas frases poéticas, ora idealizadas e ora transformadas a partir
de idéias já conhecidas, que foram inseridas nas pinturas realizadas.
A idéia de trabalhar as pinturas com inserção de palavras partiu de uma
pesquisa feita sobre poesia visual. Foi compreendido que esse tipo de arte valoriza o
verbal, mas tem a visualidade como elemento estrutural, sendo uma fusão de
códigos, que pode ser veiculada em vários meios, com várias possibilidades
técnicas e tecnológicas, desde o simples lápis e papel, até a exploração da
tecnologia digital. A opção criativa é pessoal, fica a critério do artista a liberdade
para executar sua proposta, comunicar sua intuição.
A pesquisa sobre poesia visual partiu de leituras realizadas sobre a artista
Bárbara Kruguer (in: CALIRMAN, 1993), seguindo para vários outros artistas.
Trabalhada em lona a proposta é híbrida, com o resultado de uma
pluralidade de linguagens, que utiliza este material de forma precária, sem a
preparação devida como nas telas de pintura, colocando em questão as
propriedades intrínsecas do material que pode mudar suas características com o
tempo, ou incrementar as obras com qualidades estéticas inesperadas.
A representação da figura humana é vestida de si mesmo, sem trajes, sem
artifícios, significando sua verdade. Está exposta, sendo, pura ou impuramente, o
que é.
É um impulso humano que nos leva a representar o próprio corpo. Desde os
povos mais primitivos e distantes no tempo já havia o desejo e a necessidade de
expressão das formas humanas, onde o homem ainda não entendia essa
necessidade inconsciente. Portanto, parte-se da hipótese de que o desejo subjetivo
de representar o corpo humano é universal.
8
CAPÍTULO I - INTEGRANDO A PINTURA E AS PALAVRAS
O papel principal da arte contemporânea é instigar a reflexão. O exercício
mental é importante para desenvolver idéias e tornar viável a linguagem poética.
A proposta contemporânea trabalha o conceito e a palavra nas artes visuais.
Precisa haver disponibilidade do artista para conjugar as linguagens e os meios
pelos quais possa expressar sua arte, conjugando idéias e percepções.
Por meio da escrita, da reflexão crítica sobre suas obras, o artista
desenvolve questões, e para que isso seja possível, há de ser também um
pesquisador.
Essa idéia pode ser confirmada no texto de Derdyk (1990:62) a seguir:
A estética contemporânea é operante, possui um faro especulativo,
buscando descrições estruturais da obra. A arte contemporânea é
cada vez mais reflexão de seu próprio fazer, exprimindo, de maneira
mais evidente, o seu projeto formativo e poético. A consciência do
fazer é um convite à pesquisa e à investigação da linguagem.
As obras de arte levam-nos à reflexão, a uma busca de entendimento de
vários conceitos como amor, paixão, sociedade, sexo, existência. A partir da
reflexão, o artista pode exteriorizar sentimentos, de maneira mais sóbria ou de forma
expressivamente violenta, por meio de gestos, movimentos e cores. Não nos
referimos à violência de caráter abusivo, que chegaria a constranger, embora
também possa ser colocado nesse nível. Mas o que é indicado aqui diz respeito à
energia e vivacidade causada pelo ímpeto ligado às paixões, a expressão da
verdade subjetiva, que não está interessada em se explicar, mas em despertar
sensações que instigam a subjetividade do espectador, tornando-o partícipe da obra.
O artista está na fronteira entre a realidade e a imaginação, que estão
constantemente em conflito, e ele tem como objetivo saber como o mundo real e
convencional pode ser inserido na arte. Em meio a esse conflito, o artista não repete
9
o que está no mundo, a obra de arte revela outra realidade, a subjetiva, o mundo da
reflexão, onde o delírio pessoal é permitido.
Antes de criar é importante compreender os gêneros já existentes, o que
permite identificar variações. No que diz respeito às figuras, a forma de representá-
las nesta proposta visual segue a linha figurativa, ou neofigurativa, que tem como
um de seus representantes Edvard Munch com obras como “Nu junto à cadeira de
vime” (fig.2), que mostra o emprego sensível da cor e a qualidade da pintura. A
atmosfera é criada pela cabeça do modelo, timidamente voltada para baixo, e pelo
contraste entre as cores frias que descrevem o contorno de seu corpo com as cores
quentes do lençol do fundo. (NOVA CULTURAL, 1982: 39)
Figura 2
Temos também o exemplo de Anselm Kiefer que em sua pintura, paisagens
e pessoas aparecem num mundo expressionista de angústia e solidão, com figuras
tão significativas quanto à textura das camadas de tinta que ele usa, como na obra
“Cahia Crispinella” (fig.3). A forte expressividade pode se manifestar em obras muito
diferentes, estabelecendo, inclusive, uma ponte entre as linguagens abstratas e
figurativas. Outros dois importantes artistas que trabalhavam com intensa
10
expressividade e que vale citar são: Van Gogh e Pollock, que também compuseram
texturas com a aplicação das tintas de forma expressivamente notável.
Figura 3
A decisão de trabalhar o nu foi um desafio, necessitou que se conhecesse e
exercitasse a construção da figura humana com harmonia anatômica e, de acordo
com as nossas intenções, com o cuidado para não torná-lo vulgar. Ainda que a
beleza e sensualidade do nu, por muitas vezes, seja confundida com o vulgar, elas
são a própria essência da arte.
O corpo humano é fonte de quase todas as inspirações. A nudez é sempre
inquietante, instigadora e bela, isso é facilmente notado na obra “Útero” (fig. 4). Por
isso, o artista encontra no corpo nu uma profunda ligação com a pureza do ser. É a
sensualidade que move a criação visual em todos os sentidos. Por isso a nudez nos
toca tanto e tão profundamente.
11
Figura 4
Para obter um conhecimento mais detalhado em relação à figura humana,
foram realizadas pesquisas nos livros “O Desenho da figura humana” (DERDYK,
1990), e “O desejo na academia“ (PESSANHA, MEICHES, OLIVEIRA, 1991).
Pudemos estudar as representações visuais da figura humana através do tempo
histórico, desde as construções realizadas pelos primitivos, passando pelo
academismo e chegando até a época atual. Obtivemos informações a respeito das
mudanças de estilo e entendemos que essas transformações estão ligadas com a
percepção que o homem adquire através de descobertas de novas técnicas,
materiais e experiências.
A proposta de trabalhar as imagens com as palavras, conforme foi dito
anteriormente, baseou-se nas produções da artista norte-americana Bárbara Kruger
que, como diz Calirman (1993), mesmo não se considerando uma artista de
vanguarda no contexto da poesia visual, propaga seu trabalho usando linguagens
vanguardistas.
Kruger executa obras daquele tipo de “obra aberta”, descrita pelo teórico
italiano Umberto Eco – uma obra que só pode ser finalizada pelo espectador. A idéia
da obra aberta é ilustrada em sua forma pelo que Eco chama de ‘trabalhos em
movimento’, ele cita a música aleatória de Stockhausen, Berio e Pousseur, os
12
móbiles de Calder e o livre de Mallarmé. O que estas obras têm em comum é a
decisão do artista de deixar o arranjo de alguns de seus componentes para o público
ou para a casualidade, dando-lhes, assim, não uma ordem única e definitiva, porém
uma multiplicidade de possíveis ordens (CALIRMAN, 1993:16, 18).
O trabalho de Kruger caracteriza-se pelo uso de fotografias muito ampliadas
às quais acrescenta frases combinando imagem e texto num conjunto irreverente e
agressivo que é apresentado em cartazes de rua (figuras 5 e 6) ou em camisetas,
caixas de fósforo e pôsteres, nos quais o espectador é um participante ativo na
criação do significado. No entanto, sua obra não é “aberta” somente pelo fato de ser
concluída pelo espectador. Sua “abertura” também pode ser atribuída à
possibilidade de se fazer diferentes leituras de sua obra.
De acordo Cláudia Calirman (1993), Kruger não aproxima as palavras das
idéias como simples legenda, ela traz indagações que levam o espectador a refletir,
criando uma ambivalência no significado das frases. O espectador é quem deve
decidir onde ficar.
As palavras inseridas em propostas pictóricas, ou qualquer outra linguagem
artística, emprestam sua voz à consciência. A importância desta expressão estética
aumenta à medida que, cada vez mais, os artistas utilizam o signo verbal em suas
criações, reunindo palavras e imagens carregadas de sentidos, que formam um
único corpo poético.
Figura 5 Figura 6
13
O trabalho pessoal que apresentamos também possui sua abertura, porque
tanto as figuras como as palavras inseridas estão ali para despertar sentimentos
próprios do expectador. Esse fruirá a obra de acordo com suas verdades íntimas,
considerando que o resultado dessa vivência servirá de conclusão para sua
apreciação da obra.
Lopes (2004) cita Jenny Holzer, como outro exemplo no campo dessa arte,
porque produz séries de trabalhos nos quais utiliza a linguagem verbal como objeto
de reflexão. Sua série “Sobrevivência” (1983) traz frases como “proteja-me do que
eu quero” e “Homens não protegem mais você”. Tornar públicas questões do meio
intelectual foi seu objetivo. Sem deixar de se preocupar com os aspectos
sociopolíticos, sua mensagem fica mais intimista e meditativa. Mostrar as
contradições da cultura ocidental, propor uma crítica à sociedade com uma
linguagem acessível que busca sensibilizar o público, caracteriza a arte de Jenny
Holzer.
Na proporção em que são realizadas pesquisas e experiências práticas, o
artista vai tornando-se uma sensibilidade inteiramente subjetiva. De acordo com
Fernand Léger (1989:41), a imitação cria uma inquietude nas pessoas, a arte
consiste em inventar, não em copiar. Essa convicção é confirmada com sua
referência ao artista Cézane que cita: “Depois de ver os grandes mestres, é preciso
se apressar a sair deles e verificar em si os instintos, as sensações que residem em
nós”, (apud LEGER, 1989: 23).
Tendo em mente essas palavras, procuramos alcançar uma linguagem
própria com obras trabalhada de maneira intuitiva. Demonstrando à tendência de um
instinto em que a força e o vigor ficam claramente expressos nas obras como pode
ser observado em “Um Apaixonado” (fig. 7).
14
Figura 7
15
CAPÍTULO II - O PROCESSO DA CRIAÇÃO
Primeiro surgem o sentimento e a idéia e, conseqüentemente, surge a
necessidade de expressão do que foi sentido e pensado. O artista consciente sabe
que não pode haver um processo de criação sem as técnicas e as linguagens,
porque essas determinam as formas e os argumentos de expressão, encadeando
sentimentos e idéias, a força expressiva das formas visuais e das palavras configura
o texto artístico. Nos textos pictóricos o uso das palavras expressa potencializa as
idéias.
Expressar verbalmente dá a oportunidade de percebermos com maior
profundidade a importância do que fazemos. A necessidade de saber expressar o
que se deseja exige trabalho e reflexão sobre as linguagens específicas, para torná-
las únicas e pessoais, dando oportunidade à linguagem de transitar livremente entre
o subjetivo e o objetivo.
É igualmente relevante saber ver e ler para avaliar o que se faz, entender a
substância do que se diz, não apenas o significado vulgar da palavra, mas o seu
sentido mais refinado. Nesse momento entra a analogia, para verificar alguns pontos
de semelhança com os trabalhos de outros artistas, que puderam ser comparados
ao que estava sendo desenvolvido, reconhecendo-se as bases da linguagem visual
para a definição da investigação teórica.
Durante a evolução do processo, a busca de informações foi contínua e o
trabalho em desenvolvimento foi passando por transformações progressivas, em que
os resultados estéticos sofrerarm alguns avanços significativos.
O que despertou a necessidade de inserir palavras nas obras foi o desejo de
verbalizar sentimentos e pensamentos. A evolução dessa idéia trouxe à tona outra
necessidade, a de saber utilizar as palavras de modo a não formar frases piegas e
diretas, mas formar frases que, ao mesmo tempo, traduzem sentimentos e que
abrem possibilidades de várias interpretações, onde o espectador, como partícipe da
obra, poderá interpretá-la de acordo com a sua vivência.
16
O início da idéia de trabalhar a proposta visual, que resultou na elaboração
deste trabalho aqui apresentado ocorreu durante uma pesquisa teórica. As idéias
imaginadas, que promoveram a realização das obras, foram figuras humanas
traçadas e pintadas de maneira expressiva, juntamente com palavras inseridas nas
composições.
A artista plástica Priscila Paula Pessoa tem um trabalho semelhante ao
desenvolvido nesta pesquisa, como pode ser verificado em uma das obras da série
“Calíopes” (fig.8), diferindo-se, entretanto, na proposta poética, no suporte e nos
recursos para obtenção da figura.
Figura 8
Para trabalhar as obras, foram eleitas as tintas acrílicas, porque acreditamos
na sua contribuição para a expressividade das mesmas e, também, por ser de
rápida secagem e por deixar as marcas dos pincéis registradas, da maneira como
foram executados os seus movimentos.
17
Em seguida, foi pensado qual seria o suporte escolhido e, de imediato, veio
à mente recortes de lonas (encerados), que seriam utilizados com suas marcas,
manchas e remendos, para também contribuírem na expressividade das obras.
O trabalho expressivo tem relação com o real, mas não é puramente
mimético, porque não produz a sensação de estarmos vendo algo natural. Sobre as
figuras naturais, a arte aparece como expressão dos sentimentos, o que importa são
as emoções e a visão interior desta artista reveladas nos gestos registrados e nas
cores escolhidas, como pode ser visto na obra “Auto-retrato” (fig. 9).
Figura 9
As pesquisas desenvolvidas trouxeram o conhecimento de que a arte tem
ampla abertura para possibilitar leituras, e que o artista pode intervir como agente
configurador, através de meios mecânicos e eletrônicos de reprodução. Desta forma,
as reproduções das imagens escolhidas foram conseguidas com a utilização de
reprografias transparentes ampliadas pelos recursos de um retroprojetor.
Foram feitas realizações de exercícios estruturados para garantir uma boa
formação de base (croquis, esboços), permitindo um trabalho que parte de uma
18
expressão pessoal, enfatizando a sensibilidade e as qualidades que a pintura busca
expressar, com a utilização dos recursos das relações entre claro e escuro, linha,
mancha e sugestão de volumes.
Os traços dos desenhos não ficaram presos às imagens selecionadas, que
serviram apenas de base para a delimitação anatômica do corpo. Além do uso das
tintas acrílicas, as imagens foram trabalhadas com giz pastel seco de maneira
espontânea e intuitiva, caracterizando uma técnica mista.
Após traçar cada uma das figuras a execução das obras foram feitas sobre o
chão, devido ao tamanho e às características dos suportes. A lona sem chassi exigiu
esse trabalho no solo, que permitiu também a movimentação do corpo ao redor das
obras e a expressão de gestos que puderam acompanhar as ações das figuras.
Assim, o trabalho foi realizado de maneira semelhante ao artista Pollock que
explicou sua maneira de trabalhar da seguinte forma: “Fico mais à vontade para
trabalhar no chão. Sinto-me mais perto da pintura, dela fazendo parte de certo
modo, porque posso passear em roda, trabalhar dos quatro lados e entrar
literalmente dentro” (apud MONTEIRO, 1981: 269).
A pintura, portanto, foi realizada com tinta acrílica e redesenhada com giz
pastel seco, que foi fixado com verniz spray por cima da pintura. O estudo teórico foi
essencial para observar e conhecer as misturas (matização) e os contrastes no uso
das cores, obtendo-se os efeitos desejados na aplicação prática. Em uma obra
expressiva as cores não precisam necessariamente corresponder à realidade.
O livro Corpo (1984), escrito pelo poeta Carlos Drumonnd de Andrade, foi
lido para reafirmar como deveria ser elaborada as frases poéticas, servindo de base
para formar novas frases, algumas destas foram idealizadas, e outras transformadas
para atender as propostas estabelecidas no desenvolvimento destes trabalhos.
Algumas das imagens foram selecionadas antes de sabermos das frases
que seriam compostas juntamente com as pinturas. As frases foram sendo criadas
ou escolhidas de acordo com as relações que estabelecemos com a pintura
elaborada. Mas houve também obras em que as imagens foram escolhidas para
compor uma obra cuja frase já estava determinada.
Os trabalhos foram produzidos sob inspiração da emotividade e da
sensualidade. As emoções são transmitidas através de gestos apaixonados,
19
carregados e intensos. A emoção, o vigor e a sensibilidade manifestam-se em
atitudes impulsivas tornando a expressão um fator diferencial.
As superfícies das obras são carregadas de energia expressa pelas massas
de tintas e suas cores. As linhas manifestam a tensão dos gestos e por
conseqüência das emoções. Do ponto de vista formal, a linha e a mancha se
complementam expressando o caráter passional da obra.
A figura humana faz referência à leveza e a força ao mesmo tempo,
representa os desejos e os conflitos, como suas possibilidades de interpretação. A
intenção foi provocar confissões pessoais, revelando sentimentos ocultos, perdidos
na memória da vida.
20
CONCLUSÃO
Estudar sobre a história da arte e da representação, bem como, comparar
obras artísticas e pesquisar sobre poesia, corpo e poesia visual foram
procedimentos muito importantes para a elaboração consciente da série de pinturas
produzidas de acordo com os procedimentos aqui relatados.
O esforço poético aliado ao conhecimento teórico resultou no
desenvolvimento de uma prática rica em conhecimentos extraídos, também, do
campo do fazer, além de facilitar o processo de elaboração e produção das obras
realizadas.
O processo de elaboração e construção do trabalho prático e deste relatório
validou as vantagens de se compreender teoricamente as atividades artísticas no
decorrer da história da humanidade. Isso define a importância da pesquisa para
quem deseja adquirir cada vez mais conhecimento dentro de seu campo de atuação.
Foi confirmado, ainda, que, além do processo teórico e técnico, a pesquisa
poética e o envolvimento afetivo com a produção é fundamental para todos os
trabalhos artísticos, mais especialmente, para os trabalhos que se pretendem
expressivos e passionais, como as obras barrocas, românticas e expressionistas. No
que tange à subjetividade, aos sentimentos e as emoções, compreendemos que os
elementos subjetivos necessitam de elementos objetivos que tenham capacidade de
expressá-los e comunicá-los e isso justifica a pesquisa poética que transforma a
técnica em linguagem expressiva.
Decorre dessa percepção a nossa satisfação diante dos trabalhos
realizados, nos quais as composições com imagens e textos expressam forte carga
poético-expresssiva. Tendo em vista que o desenvolvimento de um trabalho
expressivo requer a capacidade de tornar perceptível a emoção por meio de gestos
e cores. O expectador além de perceber deve também ser estimulado a participar e
compartilhar desse estado emocional. De acordo com nossa percepção os trabalhos
aqui relatados alcançaram os resultados pretendidos com relação a sua
expressividade e passionalidade.
21
A decisão de trabalhar a figura humana pintada não foi uma escolha
repentina, o corpo humano nu sempre foi um tema presente e natural na nossa visão
de mundo, que o enxerga de maneira inquietante, instigadora e, ao mesmo tempo,
pura. Ao inserir palavras poéticas na obra pictórica foi atendida, também, a
necessidade de se reforçar o tom poético, que já fazia parte da temática das obras.
Acreditamos que essas palavras instigam o expectador a pensar e sentir, além do
que foi pensado e sentido por nós durante a produção e composição das frases. O
todo da composição propõe as obras abertas às vivências e interpretações do
público.
22
BIBLIOGRAFIA
ANDRADE, Carlos Drummond de. Corpo. Rio de Janeiro: Record. 1984.
CALIRMAN, Claudia. “Bárbara Kruguer - Estratégias dos anos 80”. Revista MAC.
N.2, p.16-23. dez. 1993.
CANTELE, Bruna Renata. Arte etc. e tal... Vol. 4. São Paulo: IBEP. 1995.
DERDYK, Edith. O Desenho da Figura Humana. São Paulo: Scipione Ltda. 1990.
LÉGER, Fernand. Funções da Pintura. São Paulo: Nobel. 1989.
LOPES, Sabrina. “Inquietação pós-feminista e poesia visual contemporânea”.
Política Democrática – Revista de Política e Cultura – Fundação Astrojildo Pereira.
Brasília, Ano III. n. 8, p. 167-175. maio 2004.
MONTEIRO, Jacy. Dicionário da pintura moderna. São Paulo: Hemus, 1981.
CULTURAL, Nova. Os Grandes Artistas. São Paulo: Nova Cultural. 1982.
KLEE, Paul. Diários. São Paulo: Martins Fontes. 1990.
PESSANHA, José Américo Motta. MEICHES, Mauro. OLIVEIRA, Maria Alice Millet
de. O Desejo na Academia. São Paulo: Pinacoteca. 1991.
SOUSA, Richard Perassi Luiz de. Roteiro didático da arte na produção do
conhecimento. Campo Grande: UFMS. 2005.
Sites:
http://www.artnet.com/ag/fineartthumbnails.asp?aid=9454. Acessado em 07.11.2005.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
António Silva
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
Eponina Alencar
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
Aurimar Bianchi Júnior
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
VIVIAN TROMBINI
 
0 arte pra que
0 arte pra que0 arte pra que
0 arte pra que
denise lugli
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
Júnior Maciel
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
VIVIAN TROMBINI
 
Arte
ArteArte
Aula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiênciaAula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiência
Elizeu Nascimento Silva
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTEINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
Cristiane Seibt
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
Isabel Moura
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
Aline Raposo
 
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Arte de nosso tempo   3º ano 2021Arte de nosso tempo   3º ano 2021
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Edina Markis Oliveira
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
IF - Baiano
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Seduc MT
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
Cristiano Canguçu
 
A ARTE
A ARTEA ARTE
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
Julia Martins
 
A arte
A arteA arte

Mais procurados (20)

Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 
Entendendo a arte
Entendendo a arteEntendendo a arte
Entendendo a arte
 
Aula 3 arte - 2º ano
Aula 3   arte - 2º anoAula 3   arte - 2º ano
Aula 3 arte - 2º ano
 
0 arte pra que
0 arte pra que0 arte pra que
0 arte pra que
 
Artes Visuais
Artes VisuaisArtes Visuais
Artes Visuais
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Aula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiênciaAula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiência
 
Apostila de arte
Apostila de arteApostila de arte
Apostila de arte
 
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTEINTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
INTRODUÇÃO A HISTÓRIA DA ARTE
 
Funções da arte
Funções da arteFunções da arte
Funções da arte
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
 
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
Arte de nosso tempo   3º ano 2021Arte de nosso tempo   3º ano 2021
Arte de nosso tempo 3º ano 2021
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
Análise de Obras de Arte. Entre o linear e o pictórico.
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
A ARTE
A ARTEA ARTE
A ARTE
 
Estética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arteEstética conceito de arte e obra de arte
Estética conceito de arte e obra de arte
 
A arte
A arteA arte
A arte
 

Destaque

OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAISOFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
Trazzi
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
Aclecio Dantas
 
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
agrupamento de escolas de carcavelos at DRE de lisboa e vale do tejo
 
Curriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DFCurriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DF
corescolar
 
Linguagem Sonora
Linguagem SonoraLinguagem Sonora
Linguagem Sonora
Chaiane Bitelo
 
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - ArteConteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
denisealvesf
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
Rita Mota
 
Módulo II
Módulo IIMódulo II
Módulo II
Aline Santana
 
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé NéonPesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
betoportugal
 
Perspectiva no1 - artes visuais
Perspectiva   no1  - artes visuaisPerspectiva   no1  - artes visuais
Perspectiva no1 - artes visuais
ruthmouraderzi
 
Arte eletrónic
Arte eletrónicArte eletrónic
Arte eletrónic
anonymousnd
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
Nsampaio
 
Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)
4Pessoas
 
I conapic - Apresentação Oral
I conapic - Apresentação OralI conapic - Apresentação Oral
I conapic - Apresentação Oral
Cintia Nishida
 
Habilidade h28 definitiva
Habilidade h28 definitivaHabilidade h28 definitiva
Habilidade h28 definitiva
Ludz_Tamboro
 
Fluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronicaFluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronica
Rodrigo Leite
 
A Banda Desenhada
A Banda DesenhadaA Banda Desenhada
A Banda Desenhada
Sílvia Magalhães
 
Interpretando charges-cartoons-e-tiras
Interpretando charges-cartoons-e-tirasInterpretando charges-cartoons-e-tiras
Interpretando charges-cartoons-e-tiras
Prof. Thiago Charme
 
O estudante do século 21
O estudante do século 21O estudante do século 21
O estudante do século 21
Marcelo Stein de Lima Sousa
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Joana Queirós
 

Destaque (20)

OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAISOFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
OFICINA LINGUAGENS ARTÍSTICAS- ARTES VISUAIS
 
DEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTEDEFINIÇÕES DE ARTE
DEFINIÇÕES DE ARTE
 
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
6º Ano Evt - interpretação pictórica de uma pintura
 
Curriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DFCurriculo Ensino Médio -DF
Curriculo Ensino Médio -DF
 
Linguagem Sonora
Linguagem SonoraLinguagem Sonora
Linguagem Sonora
 
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - ArteConteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
Conteúdo Básicos - Mínimos Ensino Médio do Tocantins - ALINHAMENTO - Arte
 
Arte Digital
Arte DigitalArte Digital
Arte Digital
 
Módulo II
Módulo IIMódulo II
Módulo II
 
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé NéonPesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
Pesquisa em Artes Visuais projeto Fé Néon
 
Perspectiva no1 - artes visuais
Perspectiva   no1  - artes visuaisPerspectiva   no1  - artes visuais
Perspectiva no1 - artes visuais
 
Arte eletrónic
Arte eletrónicArte eletrónic
Arte eletrónic
 
Arte digital
Arte digitalArte digital
Arte digital
 
Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)Artes - Area de projecto :)
Artes - Area de projecto :)
 
I conapic - Apresentação Oral
I conapic - Apresentação OralI conapic - Apresentação Oral
I conapic - Apresentação Oral
 
Habilidade h28 definitiva
Habilidade h28 definitivaHabilidade h28 definitiva
Habilidade h28 definitiva
 
Fluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronicaFluxus arte digital e arte eletronica
Fluxus arte digital e arte eletronica
 
A Banda Desenhada
A Banda DesenhadaA Banda Desenhada
A Banda Desenhada
 
Interpretando charges-cartoons-e-tiras
Interpretando charges-cartoons-e-tirasInterpretando charges-cartoons-e-tiras
Interpretando charges-cartoons-e-tiras
 
O estudante do século 21
O estudante do século 21O estudante do século 21
O estudante do século 21
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 

Semelhante a Souza; fabiana andrelina de corpo poético linguagem pictórica com inserção de palavras

Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014
Sheila Rodrigues
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
soniamarys
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
Eponina Alencar
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
Fábia Michelle Pereira
 
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangabaTcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Acervo_DAC
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
Luis Silva
 
Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014
VIVIAN TROMBINI
 
Apostila de artes visuais 2014
Apostila de artes visuais 2014 Apostila de artes visuais 2014
Apostila de artes visuais 2014
Tininha Souza
 
Ribas; vivian calazans open
Ribas; vivian calazans   openRibas; vivian calazans   open
Ribas; vivian calazans open
Acervo_DAC
 
Morais; vânia disseminando liberdade
Morais; vânia   disseminando liberdadeMorais; vânia   disseminando liberdade
Morais; vânia disseminando liberdade
Acervo_DAC
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Secretaria de Educação do Maranhão e Imagética Consultoria e Design
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
João Lima
 
Tcc paula sampedro
Tcc paula sampedroTcc paula sampedro
Tcc paula sampedro
Acervo_DAC
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
Vanessa Gontscharow
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
Cristielene Terra
 
Técnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuaisTécnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuais
Cris Akemi
 
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º anoCurrículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
tecnicossme
 
Arte
ArteArte
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantilArtigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
ariana limonta
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
Aline Corso
 

Semelhante a Souza; fabiana andrelina de corpo poético linguagem pictórica com inserção de palavras (20)

Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014
 
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_201201 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
01 objeto de aprendizagem nome_fisicalidade_agosto_2012
 
Arte 1 médio slide
Arte 1 médio slideArte 1 médio slide
Arte 1 médio slide
 
Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)Apostila de-artes-visuais (1)
Apostila de-artes-visuais (1)
 
Tcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangabaTcc 2014 rodolfo parangaba
Tcc 2014 rodolfo parangaba
 
Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)Vamos falar de arte(1)
Vamos falar de arte(1)
 
Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014Apostila de arte_artes_visuais_2014
Apostila de arte_artes_visuais_2014
 
Apostila de artes visuais 2014
Apostila de artes visuais 2014 Apostila de artes visuais 2014
Apostila de artes visuais 2014
 
Ribas; vivian calazans open
Ribas; vivian calazans   openRibas; vivian calazans   open
Ribas; vivian calazans open
 
Morais; vânia disseminando liberdade
Morais; vânia   disseminando liberdadeMorais; vânia   disseminando liberdade
Morais; vânia disseminando liberdade
 
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
Apostila de Artes Visuais (revisada e ampliada 2014)
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
 
Tcc paula sampedro
Tcc paula sampedroTcc paula sampedro
Tcc paula sampedro
 
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
-Textos-de-Apoio-DesenhoInfantil.pdf
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
 
Técnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuaisTécnicas em artes visuais
Técnicas em artes visuais
 
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º anoCurrículo referência arte 6º ao 9º ano
Currículo referência arte 6º ao 9º ano
 
Arte
ArteArte
Arte
 
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantilArtigo o desenho no desenvolvimento infantil
Artigo o desenho no desenvolvimento infantil
 
O que é arte?
O que é arte?O que é arte?
O que é arte?
 

Mais de Acervo_DAC

Tcc 2015 Lívia Molica Gill
Tcc 2015 Lívia Molica GillTcc 2015 Lívia Molica Gill
Tcc 2015 Lívia Molica Gill
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 Gabriela Figueira
Tcc 2015 Gabriela FigueiraTcc 2015 Gabriela Figueira
Tcc 2015 Gabriela Figueira
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 nayara gomes jarcem
Tcc 2015 nayara gomes jarcemTcc 2015 nayara gomes jarcem
Tcc 2015 nayara gomes jarcem
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júniorTcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosaTcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 poliana santana
Tcc 2015 poliana santanaTcc 2015 poliana santana
Tcc 2015 poliana santana
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 mariana flavia dos santos
Tcc 2015 mariana flavia dos santosTcc 2015 mariana flavia dos santos
Tcc 2015 mariana flavia dos santos
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandre
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandreTcc 2015 jean robert almeida de alexandre
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandre
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munariniTcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munarini
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 hudson justino de andrade
Tcc 2015 hudson justino de andradeTcc 2015 hudson justino de andrade
Tcc 2015 hudson justino de andrade
Acervo_DAC
 
Tcc 2015 arianne de lima
Tcc 2015 arianne de limaTcc 2015 arianne de lima
Tcc 2015 arianne de lima
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyiTcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyi
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 jamile zambrim
Tcc 2014 jamile zambrimTcc 2014 jamile zambrim
Tcc 2014 jamile zambrim
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah cairesTcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah caires
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez netoTcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez neto
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjianTcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjian
Acervo_DAC
 
Tcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvaillerTcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvailler
Acervo_DAC
 
Tcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraesTcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraes
Acervo_DAC
 

Mais de Acervo_DAC (20)

Tcc 2015 Lívia Molica Gill
Tcc 2015 Lívia Molica GillTcc 2015 Lívia Molica Gill
Tcc 2015 Lívia Molica Gill
 
Tcc 2015 Gabriela Figueira
Tcc 2015 Gabriela FigueiraTcc 2015 Gabriela Figueira
Tcc 2015 Gabriela Figueira
 
Tcc 2015 nayara gomes jarcem
Tcc 2015 nayara gomes jarcemTcc 2015 nayara gomes jarcem
Tcc 2015 nayara gomes jarcem
 
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júniorTcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
Tcc 2015 húldo tréfzger cândido júnior
 
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosaTcc 2015 edimar ferreira barbosa
Tcc 2015 edimar ferreira barbosa
 
Tcc 2015 poliana santana
Tcc 2015 poliana santanaTcc 2015 poliana santana
Tcc 2015 poliana santana
 
Tcc 2015 mariana flavia dos santos
Tcc 2015 mariana flavia dos santosTcc 2015 mariana flavia dos santos
Tcc 2015 mariana flavia dos santos
 
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandre
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandreTcc 2015 jean robert almeida de alexandre
Tcc 2015 jean robert almeida de alexandre
 
Tcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munariniTcc 2015 hugo munarini
Tcc 2015 hugo munarini
 
Tcc 2015 hudson justino de andrade
Tcc 2015 hudson justino de andradeTcc 2015 hudson justino de andrade
Tcc 2015 hudson justino de andrade
 
Tcc 2015 arianne de lima
Tcc 2015 arianne de limaTcc 2015 arianne de lima
Tcc 2015 arianne de lima
 
Tcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyiTcc 2014 susy kanezakyi
Tcc 2014 susy kanezakyi
 
Tcc 2014 jamile zambrim
Tcc 2014 jamile zambrimTcc 2014 jamile zambrim
Tcc 2014 jamile zambrim
 
Tcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozoTcc 2014 francielly tamiozo
Tcc 2014 francielly tamiozo
 
Tcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah cairesTcc 2014 sarah caires
Tcc 2014 sarah caires
 
Tcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez netoTcc 2014 vasco paez neto
Tcc 2014 vasco paez neto
 
Tcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo lucianoTcc 2014 diogo luciano
Tcc 2014 diogo luciano
 
Tcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjianTcc 2014 beatriz demirdjian
Tcc 2014 beatriz demirdjian
 
Tcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvaillerTcc 2014 cybelle manvailler
Tcc 2014 cybelle manvailler
 
Tcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraesTcc 2013 thiago moraes
Tcc 2013 thiago moraes
 

Souza; fabiana andrelina de corpo poético linguagem pictórica com inserção de palavras

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL – UFMS CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS - CCHS DEPARTAMENTO DE ARTE E COMUNICAÇÃO CURSO DE ARTES VISUAIS CORPO POÉTICO: LINGUAGEM PICTÓRICA COM INSERÇÃO DE PALAVRAS Fabiana Andrelina de Souza CAMPO GRANDE-MS 2005
  • 2. FABIANA ANDRELINA DE SOUZA CORPO POÉTICO: LINGUAGEM PICTÓRICA COM INSERÇÃO DE PALAVRAS Relatório apresentado como exigência parcial para obtenção do grau de Bacharel em Artes Visuais à Banca Examinadora da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, sob a orientação do Prof. Dr. Richard Perassi Luiz de Sousa CAMPO GRANDE-MS 2005
  • 3. “Alguns não reconhecerão a verdade do meu espelho. A eles digo que minha função não é retratar a superfície (para isso existe a fotografia), mas penetrar o interior. Refletir em meu espelho até o coração”. Paul Klee – Pintor
  • 4. RESUMO O processo de trabalho aqui relatado foi desenvolvido para estudar e conceber a produção de uma série de pinturas figurativas do corpo humano expressando afetividade; as obras foram produzidas sob inspiração subjetiva. As figuras interagem com provocações escritas, proposta que visa a aquisição de uma linguagem própria com a função de sistematizar o conhecimento. A inserção de palavras na produção plástica é uma proposta poética que partiu de pesquisas sobre poesia visual, no entanto a produção não está inteiramente ligada a essa linguagem devido à expressividade com que foram trabalhadas as imagens. As palavras inseridas têm a intenção de remeter o espectador a uma conclusão pessoal, onde ele possa completar a obra. Houve, de forma organizada, uma pesquisa sobre movimentos e autores que abordaram o mesmo tema, conforme é indicado nas referências teóricas. Foram realizados estudos de interpretação e composição visual, considerando as relações estéticas e os elementos visuais como linha, textura, forma, mancha, volume e cor. As imagens que compõem as pinturas partiram de uma pesquisa, em que essas foram buscadas e selecionadas utilizando um critério de avaliação no qual as buscas eram de imagens lânguidas, fazendo referência à leveza e à atitude ao mesmo tempo. O suporte escolhido para a realização dos trabalhos são recortes de lona, já utilizados anteriormente, porque suas marcas colaboram na expressividade das obras e confrontam a realidade com o trabalho poético. As pinturas foram construídas com o uso de tinta acrílica e giz pastel seco, fixado com verniz spray, sobre desenhos produzidos com o auxílio de reprografias transparentes, ampliadas pelos recursos de um retroprojetor. Sobre o contorno fotográfico dos desenhos a pintura foi realizada com manchas e traços espontâneos e intuitivos, buscando a mesma expressividade que foi previamente observada nas obras de parte dos artistas estudados e, ao mesmo tempo, inserindo registros pessoais e características contemporâneas.
  • 5. SUMÁRIO INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 5 1. CAPÍTULO I – INTEGRANDO A PINTURA E AS PALAVRAS......................... 8 2. CAPÍTULO II – O PROCESSO DA CRIAÇÃO ................................................ 15 3. CONCLUSÃO................................................................................................... 20 4. BIBLIOGRAFIA ................................................................................................ 22
  • 6. 5 INTRODUÇÃO Figura 1 Além de aprender o estilo e a forma de ver uma obra de arte é preciso, para compreender adequadamente essa obra, conhecer seu histórico. A apreciação estética é condicionada pela cultura vivenciada em cada período, e é tão diversificada que torna impossível reduzir a arte a qualquer conjunto de preceitos. No entanto podemos conhecer melhor as obras de arte no contexto de seu tempo e de suas circunstâncias; desta forma, torna-se viável o trabalho artístico, tanto na sua elaboração estética quanto na sua fundamentação. O trabalho proposto apresenta as possibilidades de interação entre palavras e imagens, expressões da arte que conhecemos através de pesquisas realizadas antes e durante o seu processo de criação e produção. A intenção da pesquisa é reforçada pela tendência atual de realização de obras mais conceituais, em que há a possibilidade das palavras e suas reflexões interagirem com expressões visuais conforme pode ser vista no exemplo da obra “Véu da Alma” (fig.1).
  • 7. 6 Pesquisando a arte buscamos entender as grandes mudanças no padrão de vida da sociedade em determinados períodos. Analisando a cultura aprendemos o estilo e a forma de ver os acontecimentos numa época precisa. A arte está presente em todos os momentos da vida humana e da humanidade. As pessoas estão habituadas a gostar do que já conhecem, sempre há aqueles que resistem a mudanças. Outros, ávidos de novos conhecimentos, as apóiam. O conhecimento necessário para saber fazer arte é um motivo importante para a pesquisa, obtendo-se a capacidade de por em prática uma idéia ou um sentimento valendo-se da faculdade de dominar a matéria. O produto final torna-se fruto de obediência e impulso, controle e emoção, em que o caráter técnico evolui para o fazer artístico, para que cada proposta elaborada fale por si no espaço que ocupa. Visto que a necessidade de expressão é natural no ser humano, esse busca continuamente meios de manifestar suas emoções, idéias e desejos. As expressões do mundo e do próprio homem despertam, por sua vez, a curiosidade humana e o desejo de conhecimento. A arte se interpõe nesse processo permitindo ao homem desenvolver formas de expressão e promovendo obras que instigam a curiosidade e elaboram o conhecimento. Estudar e exercitar a arte atende à necessidade de expressão e promove o desenvolvimento do conhecimento artístico em geral. O estudo e o trabalho aqui apresentados foram desenvolvidos com a finalidade de produzir obras capazes de apresentar aspectos significativos, estruturados em montagens expressivas, com a intenção de uma investigação pictórica e poética, propondo que a verdade de cada espectador seja despertada através da observação das obras, que se tornarão questões para reflexão. Tendo em mente que as palavras organizadas de forma elaborada buscam propagar sentimentos e idéias, é por meio delas a pretensão de despertar a afeição do ser humano, estimulando a busca da descoberta da verdade de cada um. Afinal cada pessoa busca a sua verdade que pode ser inspirada pelo mundo subjetivo do artista. Para desenvolver essas obras foi utilizado o livro Corpo (1984), escrito pelo poeta Carlos Drumonnd de Andrade. A leitura serviu de base para reflexões sobre
  • 8. 7 as quais foram criadas frases poéticas, ora idealizadas e ora transformadas a partir de idéias já conhecidas, que foram inseridas nas pinturas realizadas. A idéia de trabalhar as pinturas com inserção de palavras partiu de uma pesquisa feita sobre poesia visual. Foi compreendido que esse tipo de arte valoriza o verbal, mas tem a visualidade como elemento estrutural, sendo uma fusão de códigos, que pode ser veiculada em vários meios, com várias possibilidades técnicas e tecnológicas, desde o simples lápis e papel, até a exploração da tecnologia digital. A opção criativa é pessoal, fica a critério do artista a liberdade para executar sua proposta, comunicar sua intuição. A pesquisa sobre poesia visual partiu de leituras realizadas sobre a artista Bárbara Kruguer (in: CALIRMAN, 1993), seguindo para vários outros artistas. Trabalhada em lona a proposta é híbrida, com o resultado de uma pluralidade de linguagens, que utiliza este material de forma precária, sem a preparação devida como nas telas de pintura, colocando em questão as propriedades intrínsecas do material que pode mudar suas características com o tempo, ou incrementar as obras com qualidades estéticas inesperadas. A representação da figura humana é vestida de si mesmo, sem trajes, sem artifícios, significando sua verdade. Está exposta, sendo, pura ou impuramente, o que é. É um impulso humano que nos leva a representar o próprio corpo. Desde os povos mais primitivos e distantes no tempo já havia o desejo e a necessidade de expressão das formas humanas, onde o homem ainda não entendia essa necessidade inconsciente. Portanto, parte-se da hipótese de que o desejo subjetivo de representar o corpo humano é universal.
  • 9. 8 CAPÍTULO I - INTEGRANDO A PINTURA E AS PALAVRAS O papel principal da arte contemporânea é instigar a reflexão. O exercício mental é importante para desenvolver idéias e tornar viável a linguagem poética. A proposta contemporânea trabalha o conceito e a palavra nas artes visuais. Precisa haver disponibilidade do artista para conjugar as linguagens e os meios pelos quais possa expressar sua arte, conjugando idéias e percepções. Por meio da escrita, da reflexão crítica sobre suas obras, o artista desenvolve questões, e para que isso seja possível, há de ser também um pesquisador. Essa idéia pode ser confirmada no texto de Derdyk (1990:62) a seguir: A estética contemporânea é operante, possui um faro especulativo, buscando descrições estruturais da obra. A arte contemporânea é cada vez mais reflexão de seu próprio fazer, exprimindo, de maneira mais evidente, o seu projeto formativo e poético. A consciência do fazer é um convite à pesquisa e à investigação da linguagem. As obras de arte levam-nos à reflexão, a uma busca de entendimento de vários conceitos como amor, paixão, sociedade, sexo, existência. A partir da reflexão, o artista pode exteriorizar sentimentos, de maneira mais sóbria ou de forma expressivamente violenta, por meio de gestos, movimentos e cores. Não nos referimos à violência de caráter abusivo, que chegaria a constranger, embora também possa ser colocado nesse nível. Mas o que é indicado aqui diz respeito à energia e vivacidade causada pelo ímpeto ligado às paixões, a expressão da verdade subjetiva, que não está interessada em se explicar, mas em despertar sensações que instigam a subjetividade do espectador, tornando-o partícipe da obra. O artista está na fronteira entre a realidade e a imaginação, que estão constantemente em conflito, e ele tem como objetivo saber como o mundo real e convencional pode ser inserido na arte. Em meio a esse conflito, o artista não repete
  • 10. 9 o que está no mundo, a obra de arte revela outra realidade, a subjetiva, o mundo da reflexão, onde o delírio pessoal é permitido. Antes de criar é importante compreender os gêneros já existentes, o que permite identificar variações. No que diz respeito às figuras, a forma de representá- las nesta proposta visual segue a linha figurativa, ou neofigurativa, que tem como um de seus representantes Edvard Munch com obras como “Nu junto à cadeira de vime” (fig.2), que mostra o emprego sensível da cor e a qualidade da pintura. A atmosfera é criada pela cabeça do modelo, timidamente voltada para baixo, e pelo contraste entre as cores frias que descrevem o contorno de seu corpo com as cores quentes do lençol do fundo. (NOVA CULTURAL, 1982: 39) Figura 2 Temos também o exemplo de Anselm Kiefer que em sua pintura, paisagens e pessoas aparecem num mundo expressionista de angústia e solidão, com figuras tão significativas quanto à textura das camadas de tinta que ele usa, como na obra “Cahia Crispinella” (fig.3). A forte expressividade pode se manifestar em obras muito diferentes, estabelecendo, inclusive, uma ponte entre as linguagens abstratas e figurativas. Outros dois importantes artistas que trabalhavam com intensa
  • 11. 10 expressividade e que vale citar são: Van Gogh e Pollock, que também compuseram texturas com a aplicação das tintas de forma expressivamente notável. Figura 3 A decisão de trabalhar o nu foi um desafio, necessitou que se conhecesse e exercitasse a construção da figura humana com harmonia anatômica e, de acordo com as nossas intenções, com o cuidado para não torná-lo vulgar. Ainda que a beleza e sensualidade do nu, por muitas vezes, seja confundida com o vulgar, elas são a própria essência da arte. O corpo humano é fonte de quase todas as inspirações. A nudez é sempre inquietante, instigadora e bela, isso é facilmente notado na obra “Útero” (fig. 4). Por isso, o artista encontra no corpo nu uma profunda ligação com a pureza do ser. É a sensualidade que move a criação visual em todos os sentidos. Por isso a nudez nos toca tanto e tão profundamente.
  • 12. 11 Figura 4 Para obter um conhecimento mais detalhado em relação à figura humana, foram realizadas pesquisas nos livros “O Desenho da figura humana” (DERDYK, 1990), e “O desejo na academia“ (PESSANHA, MEICHES, OLIVEIRA, 1991). Pudemos estudar as representações visuais da figura humana através do tempo histórico, desde as construções realizadas pelos primitivos, passando pelo academismo e chegando até a época atual. Obtivemos informações a respeito das mudanças de estilo e entendemos que essas transformações estão ligadas com a percepção que o homem adquire através de descobertas de novas técnicas, materiais e experiências. A proposta de trabalhar as imagens com as palavras, conforme foi dito anteriormente, baseou-se nas produções da artista norte-americana Bárbara Kruger que, como diz Calirman (1993), mesmo não se considerando uma artista de vanguarda no contexto da poesia visual, propaga seu trabalho usando linguagens vanguardistas. Kruger executa obras daquele tipo de “obra aberta”, descrita pelo teórico italiano Umberto Eco – uma obra que só pode ser finalizada pelo espectador. A idéia da obra aberta é ilustrada em sua forma pelo que Eco chama de ‘trabalhos em movimento’, ele cita a música aleatória de Stockhausen, Berio e Pousseur, os
  • 13. 12 móbiles de Calder e o livre de Mallarmé. O que estas obras têm em comum é a decisão do artista de deixar o arranjo de alguns de seus componentes para o público ou para a casualidade, dando-lhes, assim, não uma ordem única e definitiva, porém uma multiplicidade de possíveis ordens (CALIRMAN, 1993:16, 18). O trabalho de Kruger caracteriza-se pelo uso de fotografias muito ampliadas às quais acrescenta frases combinando imagem e texto num conjunto irreverente e agressivo que é apresentado em cartazes de rua (figuras 5 e 6) ou em camisetas, caixas de fósforo e pôsteres, nos quais o espectador é um participante ativo na criação do significado. No entanto, sua obra não é “aberta” somente pelo fato de ser concluída pelo espectador. Sua “abertura” também pode ser atribuída à possibilidade de se fazer diferentes leituras de sua obra. De acordo Cláudia Calirman (1993), Kruger não aproxima as palavras das idéias como simples legenda, ela traz indagações que levam o espectador a refletir, criando uma ambivalência no significado das frases. O espectador é quem deve decidir onde ficar. As palavras inseridas em propostas pictóricas, ou qualquer outra linguagem artística, emprestam sua voz à consciência. A importância desta expressão estética aumenta à medida que, cada vez mais, os artistas utilizam o signo verbal em suas criações, reunindo palavras e imagens carregadas de sentidos, que formam um único corpo poético. Figura 5 Figura 6
  • 14. 13 O trabalho pessoal que apresentamos também possui sua abertura, porque tanto as figuras como as palavras inseridas estão ali para despertar sentimentos próprios do expectador. Esse fruirá a obra de acordo com suas verdades íntimas, considerando que o resultado dessa vivência servirá de conclusão para sua apreciação da obra. Lopes (2004) cita Jenny Holzer, como outro exemplo no campo dessa arte, porque produz séries de trabalhos nos quais utiliza a linguagem verbal como objeto de reflexão. Sua série “Sobrevivência” (1983) traz frases como “proteja-me do que eu quero” e “Homens não protegem mais você”. Tornar públicas questões do meio intelectual foi seu objetivo. Sem deixar de se preocupar com os aspectos sociopolíticos, sua mensagem fica mais intimista e meditativa. Mostrar as contradições da cultura ocidental, propor uma crítica à sociedade com uma linguagem acessível que busca sensibilizar o público, caracteriza a arte de Jenny Holzer. Na proporção em que são realizadas pesquisas e experiências práticas, o artista vai tornando-se uma sensibilidade inteiramente subjetiva. De acordo com Fernand Léger (1989:41), a imitação cria uma inquietude nas pessoas, a arte consiste em inventar, não em copiar. Essa convicção é confirmada com sua referência ao artista Cézane que cita: “Depois de ver os grandes mestres, é preciso se apressar a sair deles e verificar em si os instintos, as sensações que residem em nós”, (apud LEGER, 1989: 23). Tendo em mente essas palavras, procuramos alcançar uma linguagem própria com obras trabalhada de maneira intuitiva. Demonstrando à tendência de um instinto em que a força e o vigor ficam claramente expressos nas obras como pode ser observado em “Um Apaixonado” (fig. 7).
  • 16. 15 CAPÍTULO II - O PROCESSO DA CRIAÇÃO Primeiro surgem o sentimento e a idéia e, conseqüentemente, surge a necessidade de expressão do que foi sentido e pensado. O artista consciente sabe que não pode haver um processo de criação sem as técnicas e as linguagens, porque essas determinam as formas e os argumentos de expressão, encadeando sentimentos e idéias, a força expressiva das formas visuais e das palavras configura o texto artístico. Nos textos pictóricos o uso das palavras expressa potencializa as idéias. Expressar verbalmente dá a oportunidade de percebermos com maior profundidade a importância do que fazemos. A necessidade de saber expressar o que se deseja exige trabalho e reflexão sobre as linguagens específicas, para torná- las únicas e pessoais, dando oportunidade à linguagem de transitar livremente entre o subjetivo e o objetivo. É igualmente relevante saber ver e ler para avaliar o que se faz, entender a substância do que se diz, não apenas o significado vulgar da palavra, mas o seu sentido mais refinado. Nesse momento entra a analogia, para verificar alguns pontos de semelhança com os trabalhos de outros artistas, que puderam ser comparados ao que estava sendo desenvolvido, reconhecendo-se as bases da linguagem visual para a definição da investigação teórica. Durante a evolução do processo, a busca de informações foi contínua e o trabalho em desenvolvimento foi passando por transformações progressivas, em que os resultados estéticos sofrerarm alguns avanços significativos. O que despertou a necessidade de inserir palavras nas obras foi o desejo de verbalizar sentimentos e pensamentos. A evolução dessa idéia trouxe à tona outra necessidade, a de saber utilizar as palavras de modo a não formar frases piegas e diretas, mas formar frases que, ao mesmo tempo, traduzem sentimentos e que abrem possibilidades de várias interpretações, onde o espectador, como partícipe da obra, poderá interpretá-la de acordo com a sua vivência.
  • 17. 16 O início da idéia de trabalhar a proposta visual, que resultou na elaboração deste trabalho aqui apresentado ocorreu durante uma pesquisa teórica. As idéias imaginadas, que promoveram a realização das obras, foram figuras humanas traçadas e pintadas de maneira expressiva, juntamente com palavras inseridas nas composições. A artista plástica Priscila Paula Pessoa tem um trabalho semelhante ao desenvolvido nesta pesquisa, como pode ser verificado em uma das obras da série “Calíopes” (fig.8), diferindo-se, entretanto, na proposta poética, no suporte e nos recursos para obtenção da figura. Figura 8 Para trabalhar as obras, foram eleitas as tintas acrílicas, porque acreditamos na sua contribuição para a expressividade das mesmas e, também, por ser de rápida secagem e por deixar as marcas dos pincéis registradas, da maneira como foram executados os seus movimentos.
  • 18. 17 Em seguida, foi pensado qual seria o suporte escolhido e, de imediato, veio à mente recortes de lonas (encerados), que seriam utilizados com suas marcas, manchas e remendos, para também contribuírem na expressividade das obras. O trabalho expressivo tem relação com o real, mas não é puramente mimético, porque não produz a sensação de estarmos vendo algo natural. Sobre as figuras naturais, a arte aparece como expressão dos sentimentos, o que importa são as emoções e a visão interior desta artista reveladas nos gestos registrados e nas cores escolhidas, como pode ser visto na obra “Auto-retrato” (fig. 9). Figura 9 As pesquisas desenvolvidas trouxeram o conhecimento de que a arte tem ampla abertura para possibilitar leituras, e que o artista pode intervir como agente configurador, através de meios mecânicos e eletrônicos de reprodução. Desta forma, as reproduções das imagens escolhidas foram conseguidas com a utilização de reprografias transparentes ampliadas pelos recursos de um retroprojetor. Foram feitas realizações de exercícios estruturados para garantir uma boa formação de base (croquis, esboços), permitindo um trabalho que parte de uma
  • 19. 18 expressão pessoal, enfatizando a sensibilidade e as qualidades que a pintura busca expressar, com a utilização dos recursos das relações entre claro e escuro, linha, mancha e sugestão de volumes. Os traços dos desenhos não ficaram presos às imagens selecionadas, que serviram apenas de base para a delimitação anatômica do corpo. Além do uso das tintas acrílicas, as imagens foram trabalhadas com giz pastel seco de maneira espontânea e intuitiva, caracterizando uma técnica mista. Após traçar cada uma das figuras a execução das obras foram feitas sobre o chão, devido ao tamanho e às características dos suportes. A lona sem chassi exigiu esse trabalho no solo, que permitiu também a movimentação do corpo ao redor das obras e a expressão de gestos que puderam acompanhar as ações das figuras. Assim, o trabalho foi realizado de maneira semelhante ao artista Pollock que explicou sua maneira de trabalhar da seguinte forma: “Fico mais à vontade para trabalhar no chão. Sinto-me mais perto da pintura, dela fazendo parte de certo modo, porque posso passear em roda, trabalhar dos quatro lados e entrar literalmente dentro” (apud MONTEIRO, 1981: 269). A pintura, portanto, foi realizada com tinta acrílica e redesenhada com giz pastel seco, que foi fixado com verniz spray por cima da pintura. O estudo teórico foi essencial para observar e conhecer as misturas (matização) e os contrastes no uso das cores, obtendo-se os efeitos desejados na aplicação prática. Em uma obra expressiva as cores não precisam necessariamente corresponder à realidade. O livro Corpo (1984), escrito pelo poeta Carlos Drumonnd de Andrade, foi lido para reafirmar como deveria ser elaborada as frases poéticas, servindo de base para formar novas frases, algumas destas foram idealizadas, e outras transformadas para atender as propostas estabelecidas no desenvolvimento destes trabalhos. Algumas das imagens foram selecionadas antes de sabermos das frases que seriam compostas juntamente com as pinturas. As frases foram sendo criadas ou escolhidas de acordo com as relações que estabelecemos com a pintura elaborada. Mas houve também obras em que as imagens foram escolhidas para compor uma obra cuja frase já estava determinada. Os trabalhos foram produzidos sob inspiração da emotividade e da sensualidade. As emoções são transmitidas através de gestos apaixonados,
  • 20. 19 carregados e intensos. A emoção, o vigor e a sensibilidade manifestam-se em atitudes impulsivas tornando a expressão um fator diferencial. As superfícies das obras são carregadas de energia expressa pelas massas de tintas e suas cores. As linhas manifestam a tensão dos gestos e por conseqüência das emoções. Do ponto de vista formal, a linha e a mancha se complementam expressando o caráter passional da obra. A figura humana faz referência à leveza e a força ao mesmo tempo, representa os desejos e os conflitos, como suas possibilidades de interpretação. A intenção foi provocar confissões pessoais, revelando sentimentos ocultos, perdidos na memória da vida.
  • 21. 20 CONCLUSÃO Estudar sobre a história da arte e da representação, bem como, comparar obras artísticas e pesquisar sobre poesia, corpo e poesia visual foram procedimentos muito importantes para a elaboração consciente da série de pinturas produzidas de acordo com os procedimentos aqui relatados. O esforço poético aliado ao conhecimento teórico resultou no desenvolvimento de uma prática rica em conhecimentos extraídos, também, do campo do fazer, além de facilitar o processo de elaboração e produção das obras realizadas. O processo de elaboração e construção do trabalho prático e deste relatório validou as vantagens de se compreender teoricamente as atividades artísticas no decorrer da história da humanidade. Isso define a importância da pesquisa para quem deseja adquirir cada vez mais conhecimento dentro de seu campo de atuação. Foi confirmado, ainda, que, além do processo teórico e técnico, a pesquisa poética e o envolvimento afetivo com a produção é fundamental para todos os trabalhos artísticos, mais especialmente, para os trabalhos que se pretendem expressivos e passionais, como as obras barrocas, românticas e expressionistas. No que tange à subjetividade, aos sentimentos e as emoções, compreendemos que os elementos subjetivos necessitam de elementos objetivos que tenham capacidade de expressá-los e comunicá-los e isso justifica a pesquisa poética que transforma a técnica em linguagem expressiva. Decorre dessa percepção a nossa satisfação diante dos trabalhos realizados, nos quais as composições com imagens e textos expressam forte carga poético-expresssiva. Tendo em vista que o desenvolvimento de um trabalho expressivo requer a capacidade de tornar perceptível a emoção por meio de gestos e cores. O expectador além de perceber deve também ser estimulado a participar e compartilhar desse estado emocional. De acordo com nossa percepção os trabalhos aqui relatados alcançaram os resultados pretendidos com relação a sua expressividade e passionalidade.
  • 22. 21 A decisão de trabalhar a figura humana pintada não foi uma escolha repentina, o corpo humano nu sempre foi um tema presente e natural na nossa visão de mundo, que o enxerga de maneira inquietante, instigadora e, ao mesmo tempo, pura. Ao inserir palavras poéticas na obra pictórica foi atendida, também, a necessidade de se reforçar o tom poético, que já fazia parte da temática das obras. Acreditamos que essas palavras instigam o expectador a pensar e sentir, além do que foi pensado e sentido por nós durante a produção e composição das frases. O todo da composição propõe as obras abertas às vivências e interpretações do público.
  • 23. 22 BIBLIOGRAFIA ANDRADE, Carlos Drummond de. Corpo. Rio de Janeiro: Record. 1984. CALIRMAN, Claudia. “Bárbara Kruguer - Estratégias dos anos 80”. Revista MAC. N.2, p.16-23. dez. 1993. CANTELE, Bruna Renata. Arte etc. e tal... Vol. 4. São Paulo: IBEP. 1995. DERDYK, Edith. O Desenho da Figura Humana. São Paulo: Scipione Ltda. 1990. LÉGER, Fernand. Funções da Pintura. São Paulo: Nobel. 1989. LOPES, Sabrina. “Inquietação pós-feminista e poesia visual contemporânea”. Política Democrática – Revista de Política e Cultura – Fundação Astrojildo Pereira. Brasília, Ano III. n. 8, p. 167-175. maio 2004. MONTEIRO, Jacy. Dicionário da pintura moderna. São Paulo: Hemus, 1981. CULTURAL, Nova. Os Grandes Artistas. São Paulo: Nova Cultural. 1982. KLEE, Paul. Diários. São Paulo: Martins Fontes. 1990. PESSANHA, José Américo Motta. MEICHES, Mauro. OLIVEIRA, Maria Alice Millet de. O Desejo na Academia. São Paulo: Pinacoteca. 1991. SOUSA, Richard Perassi Luiz de. Roteiro didático da arte na produção do conhecimento. Campo Grande: UFMS. 2005. Sites: http://www.artnet.com/ag/fineartthumbnails.asp?aid=9454. Acessado em 07.11.2005.