SlideShare uma empresa Scribd logo
FONOLOGIA
DEFINIÇÃO
Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma.Ao estudar a maneira
como os fones (sons) se organizam dentro de uma língua,classifica-os em unidades capazes de
distinguir significados,chamadas fonemas.
ÍNDICE
Fonema
Fonema / Fonema e Letra
Classificação dos Fonemas: Vogais, Semivogais, Consoantes
Encontros Vocálicos
Encontros Vocálicos: Ditongo, Tritongo, Hiato
Encontros Consonantais
Encontros Consonantais / Dígrafos
Sílaba
Sílaba/ Classificação das Palavras quanto ao Número de Sílabas / Divisão Silábica
Acento Tônico / Classificação da Sílaba quanto à Intensidade / Classificação das Palavras
quanto à Posição da Sílaba Tônica
Monossílabos / Critérios de Distinção
Acentuação Gráfica: Acento Prosódico e Acento Gráfico
Regras de Acentuação Gráfica: Proparoxítonas, Paroxítonas, Oxítonas
Monossílabos: Monossílabos Tônicos, Monossílabos Átonos / Acento de Insistência
Regras Especiais I: Ditongos Abertos, Hiatos
Regras Especiais II: Verbos Ter e Vir
Acento Diferencial / Acento Grave
Ortoépia
Ortoépia ou Ortoepia
Prosódia
Prosódia
Ortografia
Ortografia / Emprego de X e Ch
Emprego das Letras G e J
Emprego das Letras S e Z
Emprego do Z
Emprego de S, Ç, X e dos Dígrafos Sc, Sç, Ss, Xc, Xs
Observações sobre o uso da letra X / Emprego das letras E e I
Emprego das letras O e U / Emprego da letra H
Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas I
Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas II
Notações Léxicas
Notações Léxicas: Emprego do Til, Emprego do Apóstrofo
Emprego dos Porquês
Por que / Por quê / Porque / Porquê
Emprego do Hífen
Emprego do Hífen / Prefixos e Elementos de Composição
Importante / Casos Particulares / Atenção
Saiba Mais sobre o uso do Hífen
Sinais de Pontuação
Sinais de Pontuação I: Vírgula
Sinais de Pontuação II: Ponto e vírgula, Dois-pontos
Sinais de Pontuação III: Ponto Final, Ponto de Interrogação, Ponto de Exclamação
Sinais de Pontuação IV: Reticências, Parênteses - Os Parênteses e a Pontuação
Sinais de Pontuação V: Travessão, Aspas
Sinais de Pontuação VI: Colchetes, Asterisco, Parágrafo
SEMÂNTICA
DEFINIÇÃO
Em linguística, Semântica estuda o significado e a interpretação do significado de uma palavra,de um
signo,de uma frase ou de uma expressão em um determinado contexto.Nesse campo de estudo se
analisa,também,as mudanças de sentido que ocorrem nas formas linguísticas devido a alguns fatores,
tais como tempo e espaço geográfico.
ÍNDICE
Linguagem
Linguagem / Tipos de Linguagem
Língua
Língua Falada e Língua Escrita
Fala / Signo
Significação das Palavras
Sinônimos, Antônimos, Polissemia
Homônimos - Homônimos Perfeitos
Parônimos
ESTILÍSTICA
DEFINIÇÃO
A Estilística estuda os processos de manipulação da linguagem que permitem a quem fala ou escreve
sugerir conteúdos emotivos e intuitivos por meio das palavras.Além disso,estabelece princípios capazes
de explicar as escolhas particulares feitas por indivíduos e grupos sociais no que se refere ao uso da
língua.
ÍNDICE
Denotação e Conotação
Figuras de Linguagem
Sobre as Figuras de Linguagem / Classificação das Figuras de Linguagem / Figuras de
Palavras I: Metáfora
Figuras de Palavras II: Metonímia
Figuras de Palavras III: Catacrese,Perífrase,Sinestesia
Figuras de Pensamento I: Antítese, Paradoxo, Eufemismo
Figuras de Pensamento II: Ironia, Hipérbole, Prosopopeia ou Personificação
Figuras de Pensamento III: Apóstrofe, Gradação
Figuras de Construção ou Sintáticas I: Elipse, Zeugma, Silepse
Figuras de Construção ou Sintáticas II: Polissíndeto / Assíndeto, Pleonasmo, Anáfora,
Anacoluto, Hipérbato / Inversão
Figuras de Som: Aliteração, Assonância, Onomatopeia
Vícios de Linguagem
Vícios de Linguagem I: Pleonasmo Vicioso, Barbarismo, Solecismo
Vícios de Linguagem II: Ambiguidade, Cacofonia, Eco, Hiato, Colisão
Funções da Linguagem
Funções da Linguagem I: Função Referencial ou Denotativa, Função Expressiva ou Emotiva,
Função Apelativa ou Conativa
Funções da Linguagem II: Função Poética, Função Fática, Função Metalinguística
MORFOLOGIA
DEFINIÇÃO
Em linguística, Morfologia é o estudo da estrutura,da formação e da classificação das palavras.A
peculiaridade da morfologia é estudar as palavras olhando para elas isoladamente e não dentro da sua
participação na frase ou período. A morfologia está agrupada em dezclasses,denominadas classes de
palavras ou classes gramaticais.São elas:Substantivo,Artigo, Adjetivo, Numeral,Pronome,Verbo,
Advérbio, Preposição,Conjunção e Interjeição.
ÍNDICE
Estrutura e Formação das Palavras
Estrutura das Palavras
Raiz
Desinência
Formação das Palavras
Derivação Regressiva
Composição
Prefixos
Sufixos
Sufixos Formadores de Palavras
Radicais Gregos
Radicais Latinos
Substantivo
Definição
Substantivo Comum
Substantivo Abstrato
Substantivo e seus Coletivos
Lista de Substantivos Coletivos I
Lista de Substantivos Coletivos II
Lista de Substantivos Coletivos III
Lista de Substantivos Coletivos IV
Lista de Substantivos Coletivos V
Formação dos Substantivos
Flexão dos Substantivos
Substantivo Uniforme I
Substantivo Uniforme II
Substantivo Comum de 2 Gêneros
Substantivo de Gênero Incerto
Número de Substantivo
Plural dos Substantivos Compostos
Plural das Palavras Substantivadas
Grau do Substantivo
Artigo
Artigo
Adjetivo
Adjetivo
Adjetivo Pátrio
Locução Adjetiva I
Locução Adjetiva II
Flexão dos Adjetivos
Adjetivo Composto
Grau Superlativo
Lista Superlativos
Numeral
Numeral
Numerais Multiplicativos
Pronome
Pronome
Pronomes Pessoais
Pronome Oblíquo Átono
Pronome Oblíquo Tônico
Pronome de Tratamento
Pronomes Possessivos
Pronomes Demonstrativos
Observações sobre Pronomes
Pronomes Indefinidos
Pronomes Relativos
Pronomes Relativos II
Pronomes Interrogativos
Verbo
Verbo
Classificação dos Verbos
Verbos Unipessoais I
Verbos Unipessoais II
Verbo Ser - Formas Nominais
Verbo Ter - Modo Indicativo
Modos de Verbo
Tempos Verbais
Tempos do Subjuntivo
Tempos Primitivos
Tempos Derivados do PretéritoPerfeito do Indicativo
Futuro do Subjuntivo
Futuro do Pretérito do Indicativo I
Futuro do Pretérito do Indicativo II
Aspecto Verbal
Emprego do Infinitivo Impessoal e Pessoal I
Emprego do Infinitivo Impessoal e Pessoal II
Infinitivo Pessoal
Vozes do Verbo
Voz Passiva Sintética
Pronúncia Correta de Alguns Verbos
Advérbio
Advérbio I
Advérbio II
Classificação dos Advérbios
Advérbios Interrogativos
Palavras e Locuções Denotativas
Preposição
Preposição
Classificação das Preposições
Locução Prepositiva
Principais Relações Estabelecidas pelas Preposições
Conjunção
Definição de Conjunção
Conjunções Coordenativas
Conjunções Subordinativas I
Conjunções Subordinativas II
Conjunções Subordinativas III
Interjeição
Interjeição I
Interjeição II
Locuções Interjetivas
Sobre a Gramática
A Gramática tem como finalidade orientar e regular o uso da língua,estabelecendo um padrão de escrita
e de fala baseado em diversos critérios,tais como:
- Exemplo de bons escritores;
- Lógica;
- Tradição;
- Bom senso.
Em se tratando de Gramática,tem-se como matéria-prima um sistema de normas,o qual dá estrutura à
língua.Tais normas definem a língua padrão,também chamada língua culta ou norma culta.Assim,para
falar e escrever corretamente,é preciso estudar a Gramática.
Por ser um organismo vivo, a língua está sempre evoluindo,o que muitas vezes res ulta num
distanciamento entre o que se usa efetivamente e o que fixam as normas.Isso não justifica,porém,o
descaso com a Gramática.Imprecisa ou não,existe uma norma culta,a qual deve ser conhecida e
aplicada por todos.
Quem desconhece a norma culta acaba tendo acesso limitado às obras literárias,artigos de jornal,
discursos políticos,obras teóricas e científicas,enfim,a todo um patrimônio cultural acumulado durante
séculos pela humanidade.
Tipos de Gramática
1. Gramática Normativa
É aquela que busca a padronização da língua,estabelecendo as normas do falar e escrever
corretamente.Costuma ser utilizada em sala de aula e em livros didáticos.É também o tipo adotado no Só
Português.
2. Gramática Descritiva
Ocupa-se da descrição dos fatos da língua, com o objetivo de investigá-los e não de estabelecer o que é
certo ou errado. Enfatiza o uso oral da língua e suas variações.
3. Gramática Histórica
Estuda a origem e a evolução histórica de uma língua.
4. Gramática Comparativa
Dedica-se ao estudo comparado de uma família de línguas.O Português,por exemplo,faz parte da
Gramática Comparativa das línguas românicas.
Divisão da Gramática
Sabe-se que a língua é um sistema tríplice:compreende um sistema de formas (mórfico),um sistema de
frases (sintático) e um sistema de sons (fônico).Por essa razão,a Gramática tradicionalmente divide-se
em:
Morfologia - abrange o sistema mórfico.
Sintaxe - enfoca o sistema sintático.
Fonologia/Fonética - focaliza o sistema fônico.
Observação:
Alguns gramáticos incluem nessa visão uma quarta parte, a Semântica,que se ocupa dos
significados dos componentes de uma língua.
Regras de Acentuação Gráfica
Baseiam-se na constatação de que,em nossa língua,as palavras mais numerosas são as paroxítonas,
seguidas pelas oxítonas.A maioria das paroxítonas termina em -a,-e,-o, -em, podendo ou não ser
seguidas de "s".Essas paroxítonas,por serem maioria, não são acentuadas graficamente.Já
as proparoxítonas,por serem pouco numerosas,são sempre acentuadas.
Proparoxítonas
Sílaba tônica: antepenúltima
As proparoxítonas são todas acentuadas graficamente. Exemplos:
trágico,patético,árvore
Paroxítonas
Sílaba tônica: penúltima
Acentuam-se as paroxítonas terminadas em:
l fácil
n pólen
r cadáver
ps bíceps
x tórax
us vírus
i, is júri, lápis
om, ons iândom, íons
um, uns álbum, álbuns
ã(s), ão(s) órfã, órfãs, órfão, órfãos
ditongo oral (seguido ou não de s) jóquei, túneis
Observações:
1) As paroxítonas terminadas em "n" são acentuadas (hífen), mas as que terminam em "ens", não
(hifens, jovens).
2) Não são acentuados os prefixos terminados em "i "e "r" (semi, super).
3) Acentuam-se as paroxítonas terminadas em ditongos crescentes: ea(s), oa(s), eo(s), ua(s), ia(s),
ue(s), ie(s), uo(s), io(s).
Exemplos:
várzea, mágoa, óleo, régua, férias, tênue, cárie,ingênuo, início
Oxítonas
Sílaba tônica: última
Acentuam-se as oxítonas terminadas em:
a(s): sofá, sofás
e(s): jacaré, vocês
o(s): paletó, avós
em, ens: ninguém, armazéns
Monossílabos
Os monossílabos, conforme a intensidade com que se proferem,podem ser tônicos ou átonos.
Monossílabos Tônicos
Possuem autonomia fonética,sendo proferidos fortemente na frase onde aparecem.Acentuam-se os
monossílabos tônicos terminados em:
a(s): lá, cá
e(s): pé, mês
o(s): só,pó, nós,pôs
Monossílabos Átonos
Não possuem autonomia fonética,sendo proferidos fracamente, como se fossem sílabas átonas do
vocábulo a que se apoiam.
Exemplos:
o(s),a(s), um,uns,me,te, se,lhe nos,de, em,e, que,etc.
Observações:
1) Os monossílabos átonos são palavras vazias de sentido, vindo representados por artigos,
pronomes oblíquos, elementos de ligação (preposições, conjunções).
2) Há monossílabos que são tônicos numa frase e átonos em outras.
Exemplos:
Você trouxe sua mochila para quê? (tônico) / Que tem dentro da sua mochila? (átono)
Há sempre um mas para questionar. (tônico) / Eu sei seu nome, mas não me recordo agora. (átono)
Saiba que:
Muitos verbos, ao se combinarem com pronomes oblíquos, produzem
formas oxítonas ou monossilábicas que devem ser acentuadas por acabarem
assumindo alguma das terminações contidas nas regras. Exemplos:
beijar + a = beijá-la fez + o = fê-lo
dar + as = dá-las fazer + o = fazê-lo
Acento de Insistência
Sentimentos fortes (emoção, alegria,raiva,medo) ou a simples necessidade de enfatizar uma ideia
podem levar o falante a emitir a sílaba tônica ou a primeira sílaba de certas palavras com uma intensidade
e duração além do normal.
Exemplos:
Está muuuuito frio hoje!
Deve haver equilíbrio entre exportação e importação.
Regras Especiais
Além das regras fundamentais,há um conjunto de regras destinadas a pôr em evidência alguns detalhes
sonoros das palavras.Observe:
Ditongos Abertos
Os ditongos éi,éu e ói, sempre que tiverem pronúncia aberta em palavras oxítonas (éi e não êi), são
acentuados.Veja:
éi (s): anéis,fiéis,papéis
éu (s): troféu, céus
ói (s): herói, constrói, caubóis
Obs.: os ditongos abertos ocorridos em palavras paroxítonas NÃO são acentuados.
Exemplos: assembleia,boia, colmeia, Coreia, estreia, heroico, ideia, jiboia, joia, paranoia, plateia,
etc.
Atenção: a palavra destróier é acentuada por ser uma paroxítona terminada em "r" (e não por
possuir ditongo aberto "ói").
Hiatos
Acentuam-se o "i" e "u" tônicos quando formam hiato com a vogal anterior,estando eles sozinhos na
sílaba ou acompanhados apenas de "s", desde que não sejam seguidos por "-nh".
Exemplos:
sa - í - da e - go - ís -mo sa - ú - de
Não se acentuam,portanto,hiatos como os das palavras:
ju - iz ra - iz ru - im ca - ir
Razão: -i ou -u não estão sozinhos nem acompanhados de -s na sílaba.
Observação: cabe esclarecer que existem hiatos acentuados não por serem hiatos, mas por outras
razões. Veja os exemplos abaixo:
po-é-ti-co: proparoxítona
bo-ê-mio: paroxítona terminada em ditongo crescente.
ja-ó: oxítona terminada em "o".
Verbos Ter e Vir
Acentua-se com circunflexo a 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter e vir, bem
como nos seus compostos (deter,conter, reter, advir, convir,intervir, etc.). Veja:
Ele tem Eles têm
Ela vem Elas vêm
Ele retém Eles retêm
Ele intervém Eles intervêm
Obs.: nos verbos compostos de ter e vir, o acento ocorre obrigatoriamente, mesmo no singular.
Distingue-se o plural do singular mudando o acento de agudo para circunflexo:
ele detém - eles detêm
ele advém - eles advêm.
Acento Diferencial
Na língua escrita,existem dois casos em que os acentos são utilizados para diferenciar palavras homógrafas (de
mesma grafia).Veja:
a) pôde / pode
Pôde é a forma do pretérito perfeito do indicativo do verbo poder.Pode é a forma do presente do
indicativo.Exemplos:
O ladrão pôde fugir.
O ladrão pode fugir.
b) pôr / por
Pôr é verbo e por é preposição. Exemplos:
Você deve pôr o livro aqui.
Não vá por aí!
Saiba que:
Para acentuar as formas verbais com pronome oblíquo em ênclise (depois do verbo)
ou mesóclise (no meio do verbo), cada elemento deve ser considerado como uma
palavra independente. Observe:
jogá-lo
jogá = oxítona terminada em a (portanto, com acento)
lo = monossílabo átono (portanto, sem acento)
jogá-lo-íamos
jogá = oxítona terminada em a (portanto, com acento)
lo = monossílabo átono (portanto, sem acento)
íamos = proparoxítona (portanto, com acento)
Acento Grave
O acento grave usa-se exclusivamente para indicar a crase da preposição "a" com os artigos a,as e com
os demonstrativos a,as, aquele(s), aquela(s), aquilo: à, às, àquele(s),àquela(s),àquilo.Veja mais
sobre este assunto em Sintaxe -> Emprego da Crase.
Ortoépia ou Ortoepia
A palavra ortoépia se origina da união dos termos gregos orthos, que significa "correto"
e hépos, que significa "palavra". Assim, a ortoépia se ocupa da correta produção oral das
palavras.
Preceitos:
1) A perfeita emissão de vogais e grupos vocálicos, enunciando-os com nitidez, sem
acrescentar nem omitir ou alterar fonemas, respeitando o timbre (aberto ou fechado) das vogais
tônicas, tudo de acordo com as normas da fala culta.
2) A articulação correta e nítida dos fonemas consonantais.
3) A correta e adequada ligação daspalavras na frase.
Veja a seguir alguns casos frequentes de pronúncias corretas e errôneas, de acordo com o
padrão culto da língua portuguesa no Brasil.
CORRETAS ERRÔNEAS
adivinhar advinhar
advogado adevogado
apropriado apropiado
aterrissar aterrisar
bandeja bandeija
bochecha buchecha
boteco buteco
braguilha barguilha
bueiro boeiro
cabeleireiro cabelereiro
caranguejo carangueijo
eletricista eletrecista
empecilho impecilho
estupro, estuprador estrupo, estrupador
fragrância fragância
frustrado frustado
lagartixa largatixa
lagarto largato
mendigo mendingo
meteorologia metereologia
mortadela mortandela
murchar muchar
paralelepípedos paralepípedos
pneu peneu
prazerosamente prazeirosamente
privilégio previlégio
problemas poblemas ou pobremas
próprio própio
proprietário propietário
psicologia, psicólogo pissicologia, pissicólogo
salsicha salchicha
sobrancelha sombrancelha
superstição supertição
Em muitas palavras há incerteza, divergência quanto ao timbre de vogais tônicas /e/ e /o/.
Recomenda-se proferir:
Com timbre aberto: acerbo, badejo, coeso, grelha, groselha, ileso, obeso, obsoleto, dolo,
inodoro, molho (feixe, conjunto), suor.
Com timbre fechado: acervo, cerda, interesse (substantivo), reses, algoz, algozes, crosta,
bodas, molho (caldo), poça, torpe.
Prosódia
A prosódia ocupa-se da correta emissão de palavras quanto à posição da sílaba tônica,segundo as
normas da língua culta.Existe uma série de vocábulos que,ao serem proferidos,acabam tendo o acento
prosódico deslocado.Ao erro prosódico dá-se o nome de silabada. Observe os exemplos.
1) São oxítonas:
condor novel ureter
mister Nobel ruim
2) São paroxítonas:
austero ciclope Madagáscar recorde
caracteres filantropo pudico(dí) rubrica
3) São proparoxítonas:
aerólito lêvedo quadrúmano
alcíone munícipe trânsfuga
Existem palavras cujo acento prosódico é incerto, mesmo na língua culta.Observe os exemplos a
seguir,sabendo que a primeira pronúncia dada é a mais utilizada na língua atual.
acrobata - acróbata réptil - reptil
Bálcãs - Balcãs xerox - xérox
projétil - projetil zangão - zângão
Ortografia
A ortografia se caracteriza por estabelecer padrões para a forma escrita das palavras.Essa escrita está
relacionada tanto a critérios etimológicos (ligados à origem das palavras) quanto fonológicos (ligados aos fonemas
representados).É importante compreender que a ortografia é fruto de uma convenção. A forma de grafar as
palavras é produto de acordos ortográficos que envolvem os diversos países em que a língua portuguesa é oficial.
A melhor maneira de treinar a ortografia é ler, escrever e consultar o dicionário sempre que houver dúvida.
O Alfabeto
O alfabeto da língua portuguesa é formado por 26 letras.Cada letra apresenta uma forma minúscula e outra
maiúscula.Veja:
a A (á)
b B (bê)
c C (cê)
d D (dê)
e E (é)
f F (efe)
g G (gê ou guê)
h H (agá)
i I (i)
j J (jota)
k K (cá)
l L (ele)
m M (eme)
n N (ene)
o O (ó)
p P (pê)
q Q (quê)
r R (erre)
s S (esse)
t T (tê)
u U (u)
v V (vê)
w W (dáblio)
x X (xis)
y Y (ípsilon)
z Z (zê)
Observação: emprega-se também o ç, que representa o fonema /s/ diante das letras: a, o, e u em
determinadas palavras.
Emprego das letras K, W e Y
Utilizam-se nos seguintes casos:
a) Em antropônimos originários de outras línguas e seus derivados.
Exemplos: Kant, kantismo;Darwin,darwinismo;Taylor, taylorista.
b) Em topônimos originários de outras línguas e seus derivados.
Exemplos: Kuwait, kuwaitiano.
c) Em siglas,símbolos,e mesmo em palavras adotadas como unidades de medida de curso internacional.
Exemplos: K (Potássio),W (West), kg (quilograma),km (quilômetro),Watt.
Emprego de X e Ch
Emprega-se o X:
1) Após um ditongo.
Exemplos: caixa,frouxo, peixe
Exceção: recauchutar e seus derivados
2) Após a sílaba inicial "en".
Exemplos: enxame,enxada,enxaqueca
Exceção: palavras iniciadas por "ch" que recebem o prefixo "en-"
Exemplos: encharcar (de charco), enchiqueirar (de chiqueiro), encher e seus derivados
(enchente, enchimento, preencher...)
3) Após a sílaba inicial "me-".
Exemplos: mexer,mexerica,mexicano,mexilhão
Exceção: mecha
4) Em vocábulos de origem indígena ou africana e nas palavras inglesas aportuguesadas.
Exemplos: abacaxi,xavante, orixá, xará,xerife, xampu
5) Nas seguintes palavras:
bexiga,bruxa,coaxar,faxina, graxa,lagartixa,lixa,lixo, puxar,rixa, oxalá,praxe,roxo,
vexame,xadrez,xarope,xaxim, xícara, xale, xingar,etc.
Emprega-se o dígrafo Ch:
1) Nos seguintes vocábulos:
bochecha,bucha, cachimbo,chalé,charque, chimarrão,chuchu,chute, cochilo,debochar,fachada,
fantoche, ficha, flecha, mochila,pechincha,salsicha,tchau,etc.
Para representar o fonema /j/ na forma escrita,a grafia considerada correta é aquela que ocorre de
acordo com a origem da palavra. Veja os exemplos:
gesso: Origina-se do grego gypsos
jipe: Origina-se do inglês jeep.
Emprega-se o G:
1) Nos substantivos terminados em -agem, -igem, -ugem
Exemplos: barragem,miragem,viagem,origem,ferrugem
Exceção: pajem
2) Nas palavras terminadas em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio
Exemplos: estágio, privilégio, prestígio, relógio, refúgio
3) Nas palavras derivadas de outras que se grafam com g
Exemplos: engessar (de gesso),massagista (de massagem),vertiginoso (de vertigem)
4) Nos seguintes vocábulos:
algema,auge, bege, estrangeiro,geada,gengiva, gibi, gilete, hegemonia,herege,
megera,monge,rabugento,vagem.
Emprega-se o J:
1) Nas formas dos verbos terminados em -jar ou -jear
Exemplos:
arranjar:arranjo, arranje, arranjem
despejar:despejo,despeje,despejem
gorjear:gorjeie, gorjeiam,gorjeando
enferrujar:enferruje, enferrujem
viajar: viajo, viaje, viajem
2) Nas palavras de origem tupi, africana, árabe ou exótica
Exemplos: biju, jiboia,canjica, pajé, jerico, manjericão,Moji
3) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam j
Exemplos:
laranja- laranjeira loja- lojista lisonja - lisonjeador nojo- nojeira
cereja- cerejeira varejo- varejista rijo- enrijecer jeito- ajeitar
4) Nos seguintes vocábulos:
berinjela,cafajeste,jeca, jegue, majestade,jeito,jejum, laje, traje, pegajento
Emprego das Letras S e Z
Emprega-se o S:
1) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam s no radical
Exemplos:
análise- analisar catálise- catalisador
casa- casinha, casebre liso- alisar
2) Nos sufixos -ês e -esa, ao indicarem nacionalidade, título ou origem
Exemplos:
burguês- burguesa inglês- inglesa
chinês- chinesa milanês- milanesa
3) Nos sufixos formadores de adjetivos -ense, -oso e -osa
Exemplos:
catarinense gostoso- gostosa amoroso- amorosa
palmeirense gasoso- gasosa teimoso- teimosa
4) Nos sufixos gregos -ese,-isa, -osa
Exemplos:
catequese,diocese,poetisa,profetisa, sacerdotisa,glicose,metamorfose,virose
5) Após ditongos
Exemplos:
coisa,pouso,lousa,náusea
6) Nas formas dos verbos pôr e querer,bem como em seus derivados
Exemplos:
pus, pôs,pusemos,puseram,pusera,pusesse,puséssemos
quis,quisemos,quiseram,quiser,quisera,quiséssemos
repus,repusera,repusesse,repuséssemos
7) Nos seguintes nomes próprios personativos:
Baltasar,Heloísa,Inês, Isabel, Luís, Luísa, Resende,Sousa,Teresa,Teresinha,
Tomás
8) Nos seguintes vocábulos:
abuso,asilo,através, aviso, besouro,brasa,cortesia, decisão,despesa,empresa,
freguesia,fusível, maisena,mesada,paisagem,paraíso,pêsames,presépio,presídio,
querosene,raposa,surpresa,tesoura,usura,vaso, vigésimo,visita, etc.
Emprega-se o Z:
1) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam z no radical
Exemplos:
deslize- deslizar razão- razoável vazio- esvaziar
raiz- enraizar cruz-cruzeiro
2) Nos sufixos -ez, -eza, ao formarem substantivos abstratos a partir de adjetivos
Exemplos:
inválido-
invalidez
limpo-limpeza macio- maciez
rígido-
rigidez
frio- frieza nobre- nobreza pobre-pobreza surdo- surdez
3) Nos sufixos -izar, ao formar verbos e -ização, ao formar substantivos
Exemplos:
civilizar- civilização hospitalizar- hospitalização
colonizar- colonização realizar- realização
4) Nos derivados em -zal, -zeiro, -zinho, -zinha, -zito, -zita
Exemplos:
cafezal, cafezeiro, cafezinho, arvorezinha, cãozito, avezita
5) Nos seguintes vocábulos:
azar, azeite, azedo,amizade,buzina,bazar,catequizar,chafariz, cicatriz, coalizão,
cuscuz,proeza,vizinho, xadrez, verniz, etc.
6) Nos vocábulos homófonos, estabelecendo distinção no contraste entre o S e o Z
Exemplos:
cozer (cozinhar) e coser (costurar)
prezar( ter em consideração) e presar (prender)
traz (forma do verbo trazer) e trás (parte posterior)
Observação: em muitas palavras, a letra X soa como Z. Veja os exemplos:
exame exato exausto exemplo existir exótico inexorável
Emprego de S, Ç, X e dos Dígrafos Sc, Sç, Ss, Xc, Xs
Existem diversas formas para a representação do fonema /S/.Observe:
Emprega-se o S:
Nos substantivos derivados de verbos terminados em "andir","ender", "verter" e "pelir"
Exemplos:
expandir-
expansão
pretender- pretensão verter- versão expelir- expulsão
estender- extensão suspender- suspensão
converter -
conversão
repelir- repulsão
Emprega-se Ç:
Nos substantivos derivados dos verbos "ter" e "torcer"
Exemplos:
ater- atenção torcer- torção
deter- detenção distorcer-distorção
manter- manutenção contorcer- contorção
Emprega-se o X:
Em alguns casos, a letra X soa como Ss
Exemplos:
auxílio,expectativa, experto, extroversão,sexta,sintaxe,texto,trouxe
Emprega-se Sc:
Nos termos eruditos
Exemplos:
acréscimo,ascensorista,consciência,descender,discente,fascículo,fascínio,
imprescindível,miscigenação,miscível,plebiscito,rescisão,seiscentos,transcender,
etc.
Emprega-se Sç:
Na conjugação de alguns verbos
Exemplos:
nascer- nasço,nasça
crescer- cresço,cresça
descer- desço,desça
Emprega-se Ss:
Nos substantivos derivados de verbos terminados em "gredir", "mitir", "ceder" e "cutir"
Exemplos:
agredir- agressão demitir- demissão ceder- cessão discutir- discussão
progredir-
progressão
transmitir-
transmissão
exceder- excesso
repercutir-
repercussão
Emprega-se o Xc e o Xs:
Em dígrafos que soam como Ss
Exemplos:
exceção,excêntrico,excedente,excepcional,exsudar
Observações sobre o uso da letra X
1) O X pode representar os seguintes fonemas:
/ch/ - xarope,vexame
/cs/ - axila,nexo
/z/ - exame,exílio
/ss/- máximo,próximo
/s/ - texto, extenso
2) Não soa nos grupos internos -xce- e -xci-
Exemplos: excelente,excitar
Emprego das letras E e I
Na língua falada,a distinção entre as vogais átonas /e/ e /i / pode não ser nítida. Observe:
Emprega-se o E:
1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -oar, -uar
Exemplos:
magoar - magoe,magoes
continuar- continue,continues
2) Em palavras formadas com o prefixo ante- (antes, anterior)
Exemplos: antebraço,antecipar
3) Nos seguintes vocábulos:
cadeado,confete, disenteria,empecilho,irrequieto,mexerico,orquídea,etc.
Emprega-se o I :
1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -air, -oer, -uir
Exemplos:
cair- cai
doer- dói
influir- influi
2) Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra)
Exemplos:
Anticristo, antitetânico
3) Nos seguintes vocábulos:
aborígine,artimanha,chefiar, digladiar,penicilina, privilégio, etc. mprego das letras O e U
Emprega-se o O/U:
A oposição o/u é responsável pela diferença de significado de algumas palavras. Veja os
exemplos:
comprimento (extensão) e cumprimento (saudação,realização)
soar (emitir som) e suar (transpirar)
Grafam-se com a letra O: bolacha,bússola,costume, moleque.
Grafam-se com a letra U: camundongo,jabuti,Manuel,tábua
Emprego da letra H
Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor fonético.Conservou-se apenas como símbolo,por
força da etimologia e da tradição escrita.A palavra hoje, por exemplo,grafa-se desta forma devido a sua
origem na forma latina hodie.
Emprega-se o H:
1) Inicial, quando etimológico
Exemplos: hábito, hesitar,homologar,Horácio
2) Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh, nh
Exemplos: flecha, telha, companhia
3) Final e inicial, em certas interjeições
Exemplos: ah!, ih!, eh!, oh!, hem?,hum!, etc.
4) Em compostos unidos por hífen, no início do segundo elemento, se etimológico
Exemplos: anti-higiênico,pré-histórico,super-homem,etc.
Observações:
1) No substantivo Bahia, o "h" sobrevive por tradição. Note que nos substantivos
derivados comobaiano, baianada ou baianinha ele não é utilizado.
2) Os vocábulos erva,Espanha e inverno não possuem a letra "h" na sua composição. No
entanto, seus derivados eruditos sempre são grafados com h. Veja:
herbívoro, hispânico, hibernal.
Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas
1) Utiliza-se inicial maiúscula:
a) No começo de um período, verso ou citação direta.
Exemplos:
Disse o Padre Antonio Vieira: "Estar com Cristo em qualquer lugar,ainda que seja no
inferno,é estar no Paraíso."
"Auriverde pendão de minha terra,
Que a brisa do Brasil beija e balança,
Estandarte que à luz do sol encerra
As promessas divinas da Esperança…"
(Castro Alves)
Observações:
- No início dos versos que não abrem período, é facultativo o uso da letra maiúscula.
Por Exemplo:
"Aqui, sim, no meu cantinho,
vendo rir-me o candeeiro,
gozo o bem de estar sozinho
e esquecer o mundo inteiro."
- Depois de dois pontos, não se tratando de citação direta, usa-se letra minúscula.
Por Exemplo:
"Chegam os magos do Oriente,com suas dádivas: ouro,incenso,mirra."(Manuel
Bandeira)
b) Nos antropônimos, reais ou fictícios.
Exemplos:
Pedro Silva, Cinderela,D.Quixote.
c) Nos topônimos, reais ou fictícios.
Exemplos:
Rio de Janeiro,Rússia,Macondo.
d) Nos nomes mitológicos.
Exemplos:
Dionísio,Netuno.
e) Nos nomes de festas e festividades.
Exemplos:
Natal, Páscoa,Ramadã.
f) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais.
Exemplos:
ONU, Sr., V. Ex.ª.
g) Nos nomes que designam altos conceitos religiosos, políticos ou nacionalistas.
Exemplos:
Igreja (Católica,Apostólica,Romana),Estado,Nação,Pátria, União,etc.
Observação: esses nomes escrevem-se com inicial minúscula quando são empregados em
sentido geral ou indeterminado.
Exemplo:
Todos amam sua pátria.
Emprego FACULTATIVO de letra maiúscula:
a) Nos nomes de logradouros públicos, templos e edifícios.
Exemplos:
Rua da Liberdade ou rua da Liberdade
Igreja do Rosário ou igreja do Rosário
Edifício Azevedo ou edifício Azevedo
2) Utiliza-se inicial minúscula:
a) Em todos os vocábulos da língua, nos usos correntes.
Exemplos:
carro, flor, boneca,menino,porta, etc.
b) Nos nomes de meses,estações do ano e dias da semana.
Exemplos:
janeiro,julho,dezembro,etc.
segunda,sexta,domingo,etc.
primavera,verão, outono,inverno
c) Nos pontos cardeais.
Exemplos:
Percorri o país de norte a sul e de leste a oeste.
Estes são os pontos colaterais: nordeste,noroeste, sudeste, sudoeste.
Observação: quando empregados em sua forma absoluta, os pontos cardeais são
grafados com letra maiúscula.
Exemplos:
Nordeste (região do Brasil)
Ocidente (europeu)
Oriente (asiático)
Lembre-se:
Depois de dois-pontos, não se tratando de citação direta,
usa-se letra minúscula.
Exemplo:
"Chegam os magos do Oriente, com suas
dádivas:ouro, incenso, mirra." (Manuel Bandeira)
Emprego FACULTATIVO de letra minúscula:
a) Nos vocábulos que compõem uma citação bibliográfica.
Exemplos:
Crime e Castigo ou Crime e castigo
Grande Sertão: Veredas ou Grande sertão:veredas
Em Busca do Tempo Perdido ou Em busca do tempo perdido
b) Nas formas de tratamentoe reverência, bem como em nomes sagrados e que designam
crenças religiosas.
Exemplos:
Governador Mário Covas ou governador Mário Covas
Papa João Paulo II ou papa João Paulo II
Excelentíssimo Senhor Reitor ouexcelentíssimo senhor reitor
Santa Maria ou santa Maria.
c) Nos nomes que designam domínios de saber, cursos e disciplinas.
Exemplos:
Português ou português
Línguas e Literaturas Modernas ou línguas e literaturas modernas
História do Brasil ou história do Brasil
Arquitetura ou arquitetura
Notações Léxicas
Para representar os fonemas,muitas vezes há necessidade de recorrer a sinais gráficos denominados
notações léxicas.
Emprego do Til
Til ( ~ )
O til sobrepõe-se sobre as letras a e o para indicar vogal nasal.
Pode aparecer em sílaba:
Tônica: balão,corações, maçã
Pretônica:balõezinhos, grã-fino
Átona: órgão, bênçãos
Outros Exemplos:
Capitães,limão,mamão,bobão,chorão,devoções,põem,etc.
Observação:
Se a sílaba onde figura o til for átona, acentua-se graficamente a sílaba predominante.
Por Exemplo: Órfãos, acórdão
Emprego do Apóstrofo
Apóstrofo ( ´ )
O uso deste sinal gráfico pode:
a) Indicar a supressão de uma vogal nos versos,por exigências métricas.Ocorre principalmente
entre poetas portugueses
Exemplos:
esp´rança (esperança)
minh'alma (minha alma)
'stamos (estamos)
b) Reproduzir certas pronúncias populares
Exemplos:
Olh'ele aí...(Guimarães Rosa)
Não s'enxerga, enxerido!(Peregrino Jr.)
c) Indicar a supressão da vogal da preposição de em certas palavras compostas
Exemplos:
copo d´água,estrela d'alva, caixa d'água
Emprego dos Porquês
POR QUE
A forma por que é a sequência de uma preposição (por) e um pronome interrogativo (que).Equivale a
"por qual razão", "por qual motivo":
Exemplos:
Desejo saber por que você voltou tão tarde para casa.
Por que você comprou este casaco?
Há casos em que por que representa a sequência preposição+ pronome relativo, equivalendo a "pelo
qual"(ou alguma de suas flexões (pela qual,pelos quais,pelas quais).
Exemplos:
Estes são os direitos por que estamos lutando.
O túnel por que passamos existe há muitos anos.
POR QUÊ
Caso surja no final de uma frase, imediatamente antes de um ponto (final,de interrogação,de
exclamação) ou de reticências,a sequência deve ser grafada por quê, pois,devido à posição na frase,o
monossílabo"que"passa a ser tônico.
Exemplos:
Estudei bastante ontem à noite.Sabe por quê?
Será deselegante se você perguntar novamente por quê!
PORQUE
A forma porque é uma conjunção, equivalendo a pois, já que, uma vez que,como. Costuma ser utilizado
em respostas,para explicação ou causa.
Exemplos:
Vou ao supermercado porque não temos mais frutas.
Você veio até aqui porque não conseguiu telefonar?
PORQUÊ
A forma porquê representa um substantivo. Significa "causa","razão", "motivo" e normalmente surge
acompanhada de palavra determinante (artigo,por exemplo).
Exemplos:
Não consigo entender oporquê de sua ausência.
Existem muitos porquês para justificar esta atitude.
Você não vai à festa? Diga-me ao menos um porquê.
Veja abaixo o quadro-resumo:
Forma Emprego Exemplos
Por que
Em frases interrogativas (diretas e
indiretas)
Em substituição à expressão "pelo qual"(e
suas variações)
Por que ele chorou? (interrogativa direta)
Digam-me por que ele chorou. (interrogativa
indireta)
Os bairros por que passamos eram sujos.(por
que = pelos quais)
Por quê No final de frases
Eles estão revoltados por quê?
Ele não veio não sei por quê.
Porque Em frases afirmativas e em respostas Não fui à festa porque choveu.
Porquê Como substantivo Todos sabem o porquê de seu medo.
Emprego do Hífen
O hífen é usado com vários fins em nossa ortografia, geralmente, sugerindo a ideia de união
semântica. As regras de emprego do hífen são muitas, o que faz com que algumas dúvidas só
possam ser solucionadas com o auxílio de um bom dicionário. Entretanto, é possível reduzir a
quantidade de dúvidas sobre o seu uso, ao observarmos algumas orientações básicas.
Conheça os casos de emprego do hífen (-):
1) Na separação de sílabas.
Exemplos:
vo-vó;
pás-sa-ro;
U-ru-guai.
2) Para ligar pronomes oblíquos átonos a verbos e à palavra "eis".
Exemplos:
deixa-o;
obedecer-lhe;
chamar-se-á (mesóclise);
mostre-se-lhe (dois pronomes relacionados ao mesmo verbo);
ei-lo.
3) Em substantivos compostos, cujos elementos conservam sua autonomia fonética e
acentuação própria, mas perdem sua significação individual para construir uma unidade
semântica, um conceito único.
Exemplos:
Amor-perfeito, arco-íris, conta-gotas, decreto-lei, guarda-chuva,
médico-cirurgião, norte-americano, etc.
Obs.: certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de
composição, grafam-se sem hífen: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas,
paraquedista, etc.
4) Em compostos nos quais o primeiro elemento é numeral.
Exemplos:
primeira-dama, primeiro-ministro, segundo-tenente, segunda-feira,
quinta-feira, etc.
5) Em compostos homogêneos (contendo dois adjetivos, dois verbos ou elementosrepetidos).
Exemplos:
técnico-científico, luso-brasileiro; quebra-quebra, corre-corre, reco-reco, blá-blá-blá, etc.
6) Nos topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão, ou por forma verbal ou
cujoselementos estejam ligados por artigos.
Exemplos:
Grã- Bretanha, Grão -Pará;
Passa-Quatro, Quebra-Costas, Traga-Mouros, Trinca-Fortes;
Albergaria-a-Velha, Baía de Todos-os-Santos, Entre-os-Rios,
Montemor-o-Novo, Trás-os-Montes.
Obs.: os outros topônimos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem hífen:
América do Sul, Belo Horizonte, Cabo Verde, etc. O topônimo Guiné -Bissau é, contudo, uma
exceção consagrada pelo uso.
7) Emprega-se o hífen nas palavras compostas que designam espécies botânicas e zoológicas,
estejam ou não ligadaspor preposição ou qualquer outro elemento.
Exemplos:
couve-flor, erva-doce, feijão-verde, erva-do-chá,
ervilha-de-cheiro, bem-me-quer (planta),
andorinha-grande, formiga-branca, cobra-d'água,
lesma-de-conchinha, bem-te-vi, etc.
Obs.: não se usa o hífen quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas
são empregados fora de seu sentido original. Observe a diferença de sentido: bico-de-papagaio
(espécie de planta ornamental, com hífen) e bico de papagaio (deformação nas vértebras, sem
hífen).
8) Emprega-se o hífen nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem.
Exemplos:
além-mar, aquém-fontreiras, recém-nascido, sem-vergonha.
9) Usa-se o hífen sempre que o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra
palavra.
Exemplos:
anti-inflacionário, inter-regional, sub-bibliotecário, tele-entrega, etc.
10) Emprega-se hífen (e não travessão) entre elementos que formam não uma palavra, mas
umencadeamento vocabular:
Exemplos:
A divisa Liberdade-Igualdade-Fraternidade;
A ponte Rio-Niterói;
A ligação Angola-Moçambique;
A relação professor-aluno.
11) Nas formações por sufixação será empregado o hífen nos vocábulos terminados por sufixos
de origemtupi-guarani que representam formas adjetivas, tais como -açu, -guaçu e -mirim, se o
primeiro elemento acabar em vogal acentuada graficamente, ou por tônica nasal.
Exemplos:
Andá-açu, capim-açu, sabiá-guaçu, arumã-mirim, cajá-mirim, etc.
12) Usa-se hífen com o elemento mal antes de vogal, h ou l.
Exemplos:
mal-acabado, mal-estar, mal-humorado, mal-limpo.
13) Nas locuções não se costuma empregar o hífen, salvo naquelasjá consagradas pelo uso.
Exemplos:
café com leite, cão de guarda, dia a dia, fim de semana, ponto e vírgula, tomara que caia.
Locuções consagradas:
água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito,
pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.
Prefixos e Elementos de Composição
Usa-se o hífen com diversos prefixos e elementos de composição. Veja o quadro a seguir:
Usa-se hífen com os prefixos: Quando a palavra seguinte começa por:
Ante-, Anti-, Contra-, Entre-, Extra-, Infra-, Intra-,
Sobre-, Supra-, Ultra-
H / VOGAL IDÊNTICA À QUE TERMINA O PREFIXO
Exemplos com H: ante-hipófise,
anti-higiênico, anti-herói,
contra-hospitalar, entre-hostil,
extra-humano, infra-hepático,
sobre-humano, supra-hepático,
ultra-hiperbólico.
Exemplos com vogal idêntica:
anti-inflamatório, contra-ataque,
infra-axilar, sobre-estimar,
supra-auricular, ultra-aquecido.
Hiper-, Inter-, Super-
H / R
Exemplos: hiper-hidrose, hiper-raivoso, inter-humano,
inter-racial,
super-homem, super-resistente.
Sub-
B - H - R
Exemplos: sub-bloco, sub-hepático,
sub-humano, sub-região.
Obs.: as formas escritas sem hífen e sem "h", como por
exemplo "subumano" e "subepático" também são
aceitas.
Ab-, Ad-, Ob-, Sob-
B - R - D (Apenas com o prefixo "Ad")
Exemplos: ab-rogar (pôr em desuso),
ad-rogar (adotar)
ob-reptício (astucioso), sob-roda
ad-digital
Ex- (no sentido de estado anterior), Sota-, Soto-
, Vice-, Vizo-
DIANTE DE QUALQUER PALAVRA
Exemplos: ex-namorada, sota-soberania (não total),
soto-mestre (substituto), vice-reitor, vizo-rei.
Pós-, Pré-, Pró- (tônicos e com significados
próprios)
DIANTE DE QUALQUER PALAVRA
Exemplos: pós-graduação, pré-escolar,
pró-democracia.
Obs.: se os prefixos não forem autônomos, não haverá
hífen. Exemplos: predeterminado, pressupor, pospor,
propor.
Circum-, Pan-
H / M / N / VOGAL
Exemplos: circum-meridiano,
circum-navegação, circum-oral,
pan-americano, pan-mágico,
pan-negritude.
Pseudoprefixos (diferem-se dos prefixos por
apresentarem elevado grau de independência e
possuírem uma significação mais ou menos
delimitada, presente à consciência dos
falantes.)
Aero-, Agro-, Arqui-, Auto-, Bio-, Eletro-, Geo-,
Hidro-, Macro-, Maxi-, Mega, Micro-, Mini-, Multi-
, Neo-, Pluri-, Proto-, Pseudo-, Retro-, Semi-,
Tele-
H / VOGAL IDÊNTICA À QUE TERMINA O PREFIXO
Exemplos com H: geo-histórico,
mini-hospital, neo-helênico,
proto-história, semi-hospitalar.
Exemplos com vogal idêntica:
arqui-inimigo, auto-observação,
eletro-ótica, micro-ondas,
micro-ônibus, neo-ortodoxia,
semi-interno, tele-educação.
Importante
1) Não se utilizará o hífen em palavrasiniciadas pelo prefixo ‘co-’. Ele irá se juntar ao segundo
elemento, mesmo que este se inicie por 'o' ou 'h'. Neste último caso, corta -se o 'h'. Se a palavra
seguinte começar com 'r' ou 's', dobram-se essas letras.
Exemplos:
coadministrar, coautor, coexistência, cooptar, coerdeiro corresponsável, cosseno.
2) Com os prefixos pre- e re- não se utilizará o hífen, mesmo diante de palavras começadas por
'e'.
Exemplos:
preeleger, preexistência, reescrever, reedição.
3) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo terminar em vogal e o segundo elemento
começar por r ous, estas consoantes serão duplicadas e não se utilizará o hífen.
Exemplos:
antirreligioso, antissemita, arquirrivalidade, autorretrato, contrarregra, contrassenso,
extrasseco, infrassom, eletrossiderurgia, neorrealismo, etc.
Atenção:
Não confunda as grafias das palavras autorretrato e porta-retrato. A primeira é composta pelo
prefixo auto-, o que justifica a ausência do hífen e a duplicação da consoante 'r'. 'Porta -retrato',
por outro lado, não possui prefixo: o elemento 'porta' trata-se de uma forma do verbo "portar".
Assim, esse substantivo composto deve ser sempre grafado com hífen.
4) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo terminar em vogal e o segundo elemento
começar por vogal diferente, não se utilizará o hífen.
Exemplos:
antiaéreo, autoajuda, autoestrada, agroindustrial, contraindicação, infraestrutura, intraocular,
plurianual, pseudoartista, semiembriagado, ultraelevado, etc.
5) Não se utilizará o hífen nas formações com os prefixos des- e in-, nas quais o segundo
elemento tiver perdido o "h" inicial.
Exemplos:
desarmonia, desumano, desumidificar, inábil, inumano, etc.
6) Não se utilizará o hífen com a palavra não, ao possuir função prefixal.
Exemplos: não violência, não agressão, não comparecimento.
Lembre-se:
Não se utiliza o hífen em palavras que possuem os elementos "bi", "tri", "tetra", "penta", "hexa",
etc.
Exemplos:
bicampeão, bimensal, bimestral, bienal, tridimensional, trimestral, triênio, tetracampeã o,
tetraplégico, pentacampeão, pentágono, etc.
Observações:
- Em relação ao prefixo "hidro", em alguns casos pode haver duas formas de grafia.
Exemplos:
"Hidroavião" e "hidravião";
"hidroenergia" e "hidrenergia"
- No caso do elemento "socio", o hífen será utilizado apenasquando houver função de
substantivo (= de associado).
Exemplos:
sócio-gerente / socioeconômico
Saiba Mais sobre o Uso do Hífen
- Travessão e Hífen
Não confunda o travessão com o hífen: o travessão é um sinal de pontuação mais longo do que
o hífen.
- Hífen e translineação
Havendo coincidência de fim de linha com o hífen, deve-se,por clareza gráfica, repeti-lo no
início da linha seguinte.
Exemplos:
ex-
- alferes
guarda-
-chuva
Por favor, diga-
-nos logo o que aconteceu.
Conheça algumas diferenças de significação que o uso (ou ausência) do hífen pode provocar:
Significado sem uso do hífen Significado com uso do hífen
Meio dia = metade do dia
Ao meio-dia = às 12h
Pão duro = pão envelhecido
Pão-duro = sovina
Cara suja = rosto sujo Cara-suja = espécie de periquito
Copo de leite = copo com leite Copo-de-leite = flor
Sinais de Pontuação
Os sinais de pontuação são recursos gráficos próprios da linguagem escrita.Embora não consigam
reproduzir toda a riqueza melódica da linguagem oral,eles estruturam os textos e procuram estabelecer
as pausas e as entonações da fala.Basicamente,têm como finalidade:
1) Assinalar as pausas e as inflexões de voz (entoação) na leitura;
2) Separar palavras,expressões e orações que devem ser destacadas;
3) Esclarecer o sentido da frase,afastando qualquer ambiguidade.
Veja a seguir os sinais de pontuação mais comuns,responsáveis por dar à escrita maior clareza e
simplicidade.
Vírgula ( , )
A vírgula indica uma pausa pequena,deixando a voz em suspenso à espera da continuação do período.
Geralmente é usada:
- Nas datas, para separar o nome da localidade.
Por Exemplo:
São Paulo,25 de agosto de 2005.
- Após os advérbios "sim" ou "não", usados como resposta,no início da frase.
Por Exemplo:
– Você gostou do vestido?
– Sim,eu adorei!
– Pretende usá-lo hoje?
– Não, no final de semana.
- Após a saudaçãoem correspondência (social e comercial).
Exemplos:
Com muito amor,
Respeitosamente,
- Para separar termos de uma mesma função sintática.
Por Exemplo:
A casa tem três quartos,dois banheiros,três salas e um quintal.
Obs.: a conjunção "e" substitui a vírgula entre o último e o penúltimo termo.
- Para destacar elementos intercalados, como:
a) uma conjunção
Por Exemplo:
Estudamos bastante,logo,merecemos férias!
b) um adjunto adverbial
Por Exemplo:
Estas crianças,com certeza,serão aprovadas.
Obs.: a rigor, não é necessárioseparar por vírgula o advérbio e a locução
adverbial, principalmente quando de pequeno corpo, a não ser que a ênfase o
exija.
c) um vocativo
Por Exemplo:
Apressemo-nos,Lucas,pois não quero chegar atrasado.
d) um aposto
Por Exemplo:
Juliana,a aluna destaque,passou no vestibular.
e) Uma expressãoexplicativa (isto é, a saber, por exemplo, ou melhor, ou antes, etc.)
Por Exemplo:
O amor,isto é, o mais forte e sublime dos sentimentos humanos,tem seu
princípio em Deus.
- Para separar termos deslocados de sua posição normal na frase.
Por Exemplo:
O documento de identidade,você trouxe?
- Para separar elementos paralelos de um provérbio.
Por Exemplo:
Tal pai, tal filho.
- Para destacar os pleonasmos antecipados ao verbo.
Por Exemplo:
As flores,eu as recebi hoje.
- Para indicar a elipse de um termo.
Por Exemplo:
Daniel ficou alegre;eu, triste.
- Para isolar elementos repetidos.
Exemplos:
A casa, a casa está destruída.
Estão todos cansados,cansados de dar dó!
- Para separar orações intercaladas.
Por Exemplo:
O importante,insistiam os pais,era a segurança da escola.
- Para separar orações coordenadas assindéticas.
Por Exemplo:
O tempo não para no porto, não apita na curva, não espera ninguém.
- Para separar orações coordenadas adversativas, conclusivas, explicativas e algumas orações
alternativas.
Exemplos:
Esforçou-se muito,porém não conseguiu o prêmio.
Vá devagar, que o caminho é perigoso.
Estuda muito,pois será recompensado.
As pessoas ora dançavam,ora ouviam música.
ATENÇÃO
Embora a conjunção "e" seja aditiva, há três casos em que se usa a
vírgula antes de sua ocorrência:
1) Quando as orações coordenadas tiverem sujeitos diferentes.
Por Exemplo:
O homem vendeu o carro, e a mulher protestou.
Neste caso,"O homem"é sujeito de "vendeu", e "A mulher"é sujeito
de "protestou".
2) Quando a conjunção "e" vier repetida com a finalidade de dar ênfase
(polissíndeto).
Por Exemplo:
E chora, e ri, e grita, e pula de alegria.
3) Quando a conjunção "e" assumir valores distintos que não seja da
adição (adversidade, consequência, por exemplo)
Por Exemplo:
Coitada!Estudou muito,e ainda assim não foi aprovada.
- Para separar orações subordinadas substantivas e adverbiais (quando estiverem antes da oração
principal).
Por Exemplo:
Quem inventou a fofoca, todos queriam descobrir.
Quando voltei, lembrei que precisava estudar para a prova.
- Para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas.
Por Exemplo:
A incrível professora,que ainda estava na faculdade,dominava todo o conteúdo.
Ponto e vírgula ( ; )
O ponto e vírgula indica uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto.Quanto à melodia da frase,
indica um tom ligeiramente descendente,mas capazde assinalar que o período não terminou.Emprega -
se nos seguintes casos:
- Para separar orações coordenadas não unidas por conjunção, que guardem relaçãoentre si.
Por Exemplo:
O rio está poluído; os peixes estão mortos.
- Para separar orações coordenadas, quando pelo menos uma delas já possui elementos
separados por vírgula.
Por Exemplo:
O resultado final foi o seguinte:dez professores votaram a favor do acordo; nove,
contra.
- Para separar itens de uma enumeração.
Por Exemplo:
No parque de diversões,as crianças encontram:
brinquedos;
balões;
pipoca.
- Para alongar a pausa de conjunções adversativas (mas, porém, contudo, todavia, entretanto, etc.)
, substituindo, assim, a vírgula.
Por Exemplo:
Gostaria de vê-lo hoje; todavia,só o verei amanhã.
- Para separar orações coordenadas adversativas quando a conjunção aparecer no meio da
oração.
Por Exemplo:
Esperava encontrar todos os produtos no supermercado;obtive,porém,apenas alguns.
Dois-pontos ( : )
O uso de dois-pontos marca uma sensível suspensão da voz numa frase não concluída.Emprega-se,
geralmente:
- Para anunciar a fala de personagens nas histórias de ficção.
Por Exemplo:
"Ouvindo passos no corredor,abaixei a voz :
– Podemos avisar sua tia, não?" (Graciliano Ramos)
- Para anunciar uma citação.
Por Exemplo:
Bem diz o ditado: Água mole em pedra dura,tanto bate até que fura.
Lembrando um poema de Vinícius de Moraes: "Tristeza não tem fim, Felicidade sim."
- Para anunciar uma enumeração.
Por Exemplo:
Os convidados da festa que já chegaram são:Júlia,Renata,Paulo e Marcos.
- Antes de orações apositivas.
Por Exemplo:
Só aceito com uma condição:irás ao cinema comigo.
- Para indicar um esclarecimento,resultado ou resumo do que se disse.
Exemplos:
Marcelo era assim mesmo:não tolerava ofensas.
Resultado:corri muito,mas não alcancei o ladrão.
Em resumo:montei um negócio e hoje estou rico.
Obs.: os dois-pontos costumam ser usados na introdução de exemplos, notas ou
observações. Veja:
Parônimos são vocábulos diferentes na significação e parecidos na forma.
Exemplos:
ratificar/retificar,censo/senso, etc.
Nota: a preposição "per", considerada arcaica,somente é usada na frase "de per si " (=
cada um por sua vez, isoladamente).
Observação: na linguagem coloquial pode-se aplicar o grau diminutivo a alguns
advérbios: cedinho, melhorzinho, etc.
- Na invocação das correspondências.
Por Exemplo:
Prezados Senhores:
Convidamos todos para a reunião deste mês,que será realizada dia 30 de julho,no auditório da empresa.
Atenciosamente,
A Direção
Ponto Final ( . )
O ponto final representa a pausa máxima da voz. A melodia da frase indica que o tom é descendente.
Emprega-se,principalmente:
- Para fechar o período de frases declarativas e imperativas.
Exemplos:
Contei ao meu namorado o que eu estava sentindo.
Façam o favor de prestar atenção naquilo que irei falar.
- Nas abreviaturas.
Exemplos:
Sr. (Senhor)
Cia. (Companhia)
Ponto de Interrogação ( ? )
O ponto de interrogação é usado ao final de qualquer interrogação direta,ainda que a pergunta não exija
resposta.A entoação ocorre de forma ascendente.
Exemplos:
Onde você comprou este computador?
Quais seriam as causas de tantas discussões?
Por que não me avisaram?
Obs.: não se usa ponto interrogativo nas perguntas indiretas.
Por Exemplo:
Perguntei quem era aquela criança.
Note que:
1) O ponto de interrogação pode aparecer ao final de uma pergunta intercalada,
entre parênteses.
Por Exemplo:
Trabalhar em equipe (quem o contesta?) é a melhor forma para
atingir os resultados esperados.
2) O ponto de interrogação pode realizar combinação com o ponto admirativo.
Por Exemplo:
Eu?! Que ideia!
Ponto de Exclamação ( ! )
O ponto de exclamação é utilizado após as interjeições,frases exclamativas e imperativas.Pode exprimir
surpresa,espanto,susto,indignação,piedade,ordem,súplica,etc. Possui entoação descendente.
Exemplos:
Como as mulheres são lindas!
Pare, por favor!
Ah! Que pena que ele não veio...
Obs.: o ponto de exclamaçãosubstitui o uso da vírgula de um vocativo enfático.
Por Exemplo:
Ana! venha até aqui!
Reticências ( ... )
As reticências marcam uma suspensão da frase,devido,muitas vezes a elementos de natureza
emocional.Empregam-se:
- Para indicar continuidade de uma ação ou fato.
Por Exemplo:
O tempo passa...
- Para indicar suspensão ou interrupção do pensamento.
Por Exemplo:
Vim até aqui achando que...
- Para representar,na escrita,hesitações comuns na língua falada.
Exemplos:
"Vamos jantar amanhã?
– Vamos...Não...Pois vamos."
Não quero sobremesa...porque...porque não estou com vontade.
- Para realçar uma palavra ou expressão.
Por Exemplo:
Não há motivo para tanto...mistério.
- Para realizar citações incompletas.
Por Exemplo:
O professor pediu que considerássemos esta passagem do hino brasileiro:
"Deitado eternamente em berço esplêndido..."
- Para deixar o sentido da frase em aberto, permitindo uma interpretaçãopessoal do leitor.
Por Exemplo:
"Estou certo, disse ele,piscando o olho,que dentro de um ano a vocação eclesiástica
do nosso Bentinho se manifesta clara e decisiva.Há de dar um padre de mão-
cheia.Também,se não vier em um ano..." (Machado de Assis)
Saiba que
As reticências e o ponto de exclamação,sinais gráficos subjetivos
de grande poder de sugestão e ricos em matizes melódicos, são
ótimos auxiliares da linguagem afetiva e poética. Seu uso, porém, é
antes arbitrário, pois depende do estado emotivo do escritor.
Parênteses ( ( ) )
Os parênteses têm a função de intercalar no texto qualquer indicação que,embora não pertença
propriamente ao discurso,possa esclarecer o assunto.Empregam-se:
- Para separar qualquer indicação de ordem explicativa, comentário ou reflexão.
Por Exemplo:
Zeugma é uma figura de linguagem que consiste na omissão de um termo (geralmente
um verbo)que já apareceu anteriormente na frase.
- Para incluir dados informativos sobre bibliografia (autor, ano de publicação, página etc.)
Por Exemplo:
" O homem nasceu livre,e em toda parte se encontra sob ferros" (Jean- Jacques
Rousseau,Do Contrato Social e outros escritos. São Paulo, Cultrix,1968.)
- Para isolar orações intercaladas com verbos declarativos, em substituição à vírgula e aos
travessões.
Por Exemplo:
Afirma-se (não se prova) que é muito comum o recebimento de propina para que os
carros apreendidos sejam liberados sem o recolhimento das multas.
- Para delimitar o período de vida de uma pessoa.
Por Exemplo:
Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987).
- Para indicar possibilidades alternativas de leitura.
Por Exemplo:
Prezado(a) usuário(a).
- Para indicar marcações cênicas numa peça de teatro.
Por Exemplo:
Abelardo I - Que fim levou o americano?
João - Decerto caiu no copo de uísque!
Abelardo I - Vou salvá-lo.Até já!
(sai pela direita)
(Oswald de Andrade)
Obs.: num texto, havendo necessidade de utilizar alíneas, estas podem ser ordenadas
alfabeticamente por letras minúsculas, seguidas de parênteses (Note que neste casoas
alíneas, exceto a última, terminam com ponto e vírgula).
Por Exemplo:
No Brasil existem mulheres:
a) morenas;
b) loiras;
c) ruivas.
Os Parênteses e a Pontuação
Veja estas observações:
1) As frases contidas dentro dos parênteses não costumam ser muito longas,mas devem manter
pontuação própria,além da pontuação normal do texto.
2) O sinal de pontuação pode ficar interno aos parênteses ou externo, conforme o caso.Fica interno
quando há uma frase completa contida nos parênteses.
Exemplos:
É importante ter atenção ao uso dos parênteses. (Eles exigem um cuidado especial!)
Vamos confiar (Por que não?) que cumpriremos a meta.
Se o enunciado contido entre parênteses não for uma frase completa, o sinal de pontuação ficará
externo.
Por Exemplo:
O rali começou em Lisboa (Portugal) e terminou em Dacar (Senegal).
3) Antes do parêntese não se utilizam sinais de pontuação,exceto o ponto. Quando qualquer sinal de
pontuação coincidir com o parêntese de abertura,deve-se optar por colocá-lo após o parêntese de fecho.
Travessão ( – )
O travessão é um traço maior que o hífen e costuma ser empregado:
- No discurso direto, para indicar a fala da personagem ou a mudança de interlocutor nos
diálogos.
Por Exemplo:
– O que é isso, mãe?
– É o seu presente de aniversário,minha filha.
- Para separar expressões ou frases explicativas, intercaladas.
Por Exemplo:
"E logo me apresentou à mulher, – uma estimável senhora – e à filha."
(Machado de Assis)
- Para destacar algum elemento no interior da frase, servindo muitas vezes para realçar o
aposto.
Por Exemplo:
"Junto do leito meus poetas dormem
– O Dante,a Bíblia,Shakespeare e Byron –
Na mesa confundidos."(Álvares de Azevedo)
- Para substituir o uso de parênteses, vírgulas e dois-pontos, em alguns casos.
Por Exemplo:
"Cruel, obscena,egoísta,imoral,indômita,eternamente selvagem,a arte é a
superioridade humana – acima dos preceitos que se combatem,acima das
religiões que passam,acima da ciência que se corrige;embriaga como a orgia
e como o êxtase." (Raul Pompeia)
Aspas ( " " )
As aspas têm como função destacar uma parte do texto. São empregadas:
- Antes e depois de citações ou transcrições textuais.
Por Exemplo:
Como disse Machado de Assis: "A melhor definição do amor não vale um beijo
de moça namorada."
- Para representar nomes de livros ou legendas.
Por Exemplo:
Camões escreveu "Os Lusíadas" no século XVI.
Obs.: para realçar títulos de livros, revistas, jornais, filmes, etc. também podemos
grifar as palavras, conforme o exemplo:
Ontem assisti ao filme Centraldo Brasil.
- Para assinalar estrangeirismos, neologismos, gírias, expressões populares, ironia.
Exemplos:
O "lobby" para que se mantenha a autorização de importação de pneus
usados no Brasil está cada vez mais descarado.(Veja)
Com a chegada da polícia,os três suspeitos "se mandaram" rapidamente.
Que "maravilha":Felipe tirou zero na prova!
- Para realçar uma palavra ou expressão.
Exemplos:
Mariana reagiu impulsivamente e lhe deu um "não".
Quem foi o "inteligente" que fez isso?
Obs.: em trechos que já estiverem entre aspas,se necessáriousá-las novamente,
empregam-se aspas simples.
Por Exemplo: "Tinha-me lembrado da definição que José Dias dera deles,
'olhos de cigana oblíqua e dissimulada'. Eu não sabia o que era oblíqua,
mas dissimulada sabia, e queria ver se podiam chamar assim. Capitu
deixou-se fitar e examinar." (Machado de Assis)
Colchetes ( [ ] )
Os colchetes têm a mesma finalidade que os parênteses;todavia,seu uso se restringe aos escritos de
cunho didático,filológico,científico. Pode ser empregado:
- Em definições do dicionário, para fazer referência à etimologia da palavra.
Por Exemplo:
amor- (ô). [Do lat. amore.] 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o
bem de outrem,ou de alguma coisa:amor ao próximo;amor ao patrimônio
artístico de sua terra. (Novo Dicionário Aurélio)
- Para intercalar palavras ou símbolos não pertencentes ao texto.
Por Exemplo: Em Aruba se fala o espanhol,o inglês,o holandês e o papiamento.Aqui
estão algumas palavras de papiamento que você,com certeza, vai usar:
1- Bo ta bon? [Você está bem?]
2- Dios no ta di Brazil. [Deus não é brasileiro.]
- Para inserir comentários e observações em textos já publicados.
Por Exemplo:
Machado de Assis escreveu muitas cartas a Sílvio Dinarte.[pseudônimo de
Visconde de Taunay, autor de "Inocência"]
- Para indicar omissões de partes na transcriçãode um texto.
Por Exemplo:
"É homem de sessenta anos feitos [...] corpo antes cheio que magro,ameno e
risonho"(Machado de Assis)
Asterisco ( * )
O asterisco,sinal gráfico em forma de estrela,costuma ser empregado:
- Nas remissões a notas ou explicações contidas em pé de páginas ou ao final de capítulos.
Por Exemplo:
Ao analisarmos as palavras sorveteria,sapataria,confeitaria,leiteria e muitas outras
que contêm o morfema preso* -aria e seu alomorfe -eria,chegamos à conclusão de que
este afixo está ligado a estabelecimento comercial. Em alguns contextos pode indicar
atividades,como em:bruxaria, gritaria,patifaria, etc.
* É o morfema que não possui significação autônoma e sempre aparece ligado a outras palavras.
- Nas substituições de nomes próprios não mencionados.
Por Exemplo:
O Dr.* conversou durante toda a palestra.
O jornal*** não quis participar da campanha.
Parágrafo ( § )
O símbolo para parágrafo,representado por §,equivale a dois ésses (S) entrelaçados,iniciais das
palavras latinas "Signum sectionis"que significam sinal de secção,de corte. Num ditado,quando
queremos dizer que o período seguinte deve começar em outra linha,falamos parágrafoou alínea. A
palavra alínea (vem do latim a + lines) e significa distanciado da linha,isto é,fora da margem em que
começam as linhas do texto.
O uso de parágrafos é muito comum nos códigos de leis.
Por Exemplo:
§ 7º Lei federal disporá sobre as normas gerais a serem obedecidas na efetivação do disposto
no § 4º.(Incluído pela Emenda Constitucional nº19, de 1998)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fonética e fonologia
Fonética e fonologia Fonética e fonologia
Fonética e fonologia
Ana Vogeley
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
Renata Haratani
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
Sadrak Silva
 
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx 2
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx  2Iniciação à fonética e à fonologia.pptx  2
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx 2
Laysa Valéria
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
Jorge Henrique
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
Henrique Andrade Germano
 
01. fonética e fonologia
01. fonética e fonologia 01. fonética e fonologia
01. fonética e fonologia
Laysa Valéria
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
Dayane Araújo
 
Sons e letras
Sons e letrasSons e letras
Sons e letras
Karla Costa
 
Introdução à fonética e à fonologia parte 1
Introdução à fonética e à fonologia   parte 1Introdução à fonética e à fonologia   parte 1
Introdução à fonética e à fonologia parte 1
osvaldo souza
 
Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
Marcos Feliciano
 
Sons e letra 1
Sons e letra 1Sons e letra 1
Sons e letra 1
nixsonmachado
 
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua PortuguesaFenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
Universidade de Santiago de Compostela
 
Fonologia - REVISÃO
Fonologia - REVISÃOFonologia - REVISÃO
Fonologia - REVISÃO
Keu Oliveira
 
Sistema vocálico do Português Brasileiro.
Sistema vocálico do Português Brasileiro.Sistema vocálico do Português Brasileiro.
Sistema vocálico do Português Brasileiro.
Profletras2014
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
Diego Prezia
 
Convenções e transcrição fonética
Convenções e transcrição fonéticaConvenções e transcrição fonética
Convenções e transcrição fonética
nivalda
 
Apostila phonetics
Apostila   phoneticsApostila   phonetics
Sons e sílabas
Sons e sílabasSons e sílabas
Sons e sílabas
António Fernandes
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Prof Palmito Rocha
 

Mais procurados (20)

Fonética e fonologia
Fonética e fonologia Fonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx 2
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx  2Iniciação à fonética e à fonologia.pptx  2
Iniciação à fonética e à fonologia.pptx 2
 
Fonologia e fonética
Fonologia e fonéticaFonologia e fonética
Fonologia e fonética
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
01. fonética e fonologia
01. fonética e fonologia 01. fonética e fonologia
01. fonética e fonologia
 
Fonologia
FonologiaFonologia
Fonologia
 
Sons e letras
Sons e letrasSons e letras
Sons e letras
 
Introdução à fonética e à fonologia parte 1
Introdução à fonética e à fonologia   parte 1Introdução à fonética e à fonologia   parte 1
Introdução à fonética e à fonologia parte 1
 
Fonética e Fonologia
Fonética e FonologiaFonética e Fonologia
Fonética e Fonologia
 
Sons e letra 1
Sons e letra 1Sons e letra 1
Sons e letra 1
 
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua PortuguesaFenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
Fenômenos Fonético-Fonológicos da Língua Portuguesa
 
Fonologia - REVISÃO
Fonologia - REVISÃOFonologia - REVISÃO
Fonologia - REVISÃO
 
Sistema vocálico do Português Brasileiro.
Sistema vocálico do Português Brasileiro.Sistema vocálico do Português Brasileiro.
Sistema vocálico do Português Brasileiro.
 
Fonética e fonologia
Fonética e fonologiaFonética e fonologia
Fonética e fonologia
 
Convenções e transcrição fonética
Convenções e transcrição fonéticaConvenções e transcrição fonética
Convenções e transcrição fonética
 
Apostila phonetics
Apostila   phoneticsApostila   phonetics
Apostila phonetics
 
Sons e sílabas
Sons e sílabasSons e sílabas
Sons e sílabas
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
 

Semelhante a Fonologia

divisões da gramática.pdf
divisões da gramática.pdfdivisões da gramática.pdf
divisões da gramática.pdf
ssuser6ee2851
 
Gramática e suas divisões e classes de palavras
Gramática e suas divisões e classes de palavrasGramática e suas divisões e classes de palavras
Gramática e suas divisões e classes de palavras
ThallytaFerreira
 
Parte 3 linguística geral apresentação
Parte 3   linguística geral apresentaçãoParte 3   linguística geral apresentação
Parte 3 linguística geral apresentação
Mariana Correia
 
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docxQual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
MarildeAlvesdaSilva
 
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
Angélica Manenti
 
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdfDisciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
aderitoabdula
 
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário HouaissDefinições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
vinivs
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
facope
 
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicialConhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
Ana Vogeley
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
MariaAliceFarias
 
tecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdftecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdf
MICHELLE653154
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
Marcélio Alves
 
Gramática
Gramática Gramática
Gramática
G.Ranaya _LS
 
Parte 3 linguística geral apresentação 2012
Parte 3   linguística geral apresentação 2012Parte 3   linguística geral apresentação 2012
Parte 3 linguística geral apresentação 2012
Mariana Correia
 
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptxAula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
fcodacruz
 
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Paula Aparecida Alves
 
Aula pratica linguagem
Aula pratica linguagemAula pratica linguagem
Aula pratica linguagem
Taís Vasconcelos
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
Sônia Guedes
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
Sônia Guedes
 
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa   pasquale cipro netoGramática da língua portuguesa   pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
prof.aldemir2010
 

Semelhante a Fonologia (20)

divisões da gramática.pdf
divisões da gramática.pdfdivisões da gramática.pdf
divisões da gramática.pdf
 
Gramática e suas divisões e classes de palavras
Gramática e suas divisões e classes de palavrasGramática e suas divisões e classes de palavras
Gramática e suas divisões e classes de palavras
 
Parte 3 linguística geral apresentação
Parte 3   linguística geral apresentaçãoParte 3   linguística geral apresentação
Parte 3 linguística geral apresentação
 
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docxQual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
Qual a ordem correta para estudar português_ - Português Prático.docx
 
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
3ª série E. M. - Variação linguística, acentuação gráfica e formação de palavras
 
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdfDisciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
Disciplina de Língua Portuguesa pdfII.pdf
 
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário HouaissDefinições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
Definições de linguística e semiótica pelo Dicionário Houaiss
 
Linguistica slides
Linguistica slidesLinguistica slides
Linguistica slides
 
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicialConhecimento fonológico e a escrita inicial
Conhecimento fonológico e a escrita inicial
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
 
tecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdftecnica da descricao linguistica.pdf
tecnica da descricao linguistica.pdf
 
Língua portuguesa
Língua portuguesaLíngua portuguesa
Língua portuguesa
 
Gramática
Gramática Gramática
Gramática
 
Parte 3 linguística geral apresentação 2012
Parte 3   linguística geral apresentação 2012Parte 3   linguística geral apresentação 2012
Parte 3 linguística geral apresentação 2012
 
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptxAula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
Aula1_Morfologia-NocoesIntrodutorias.pptx
 
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3Guia impresso-texto-basico-unidade-3
Guia impresso-texto-basico-unidade-3
 
Aula pratica linguagem
Aula pratica linguagemAula pratica linguagem
Aula pratica linguagem
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
 
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptxPRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
PRIL_MORFOLOGIA DO PORTUGUÊS.pptx
 
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa   pasquale cipro netoGramática da língua portuguesa   pasquale cipro neto
Gramática da língua portuguesa pasquale cipro neto
 

Mais de Maria Cristina Almeida

Amador bueno
Amador buenoAmador bueno
Portugues ceebja medio
Portugues   ceebja medioPortugues   ceebja medio
Portugues ceebja medio
Maria Cristina Almeida
 
Ensino medio
Ensino medioEnsino medio
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
Maria Cristina Almeida
 
167751483 oracoes-subordinadas
167751483 oracoes-subordinadas167751483 oracoes-subordinadas
167751483 oracoes-subordinadas
Maria Cristina Almeida
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 

Mais de Maria Cristina Almeida (6)

Amador bueno
Amador buenoAmador bueno
Amador bueno
 
Portugues ceebja medio
Portugues   ceebja medioPortugues   ceebja medio
Portugues ceebja medio
 
Ensino medio
Ensino medioEnsino medio
Ensino medio
 
Como elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenhaComo elaborar uma resenha
Como elaborar uma resenha
 
167751483 oracoes-subordinadas
167751483 oracoes-subordinadas167751483 oracoes-subordinadas
167751483 oracoes-subordinadas
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 

Último

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 

Último (20)

Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 

Fonologia

  • 1. FONOLOGIA DEFINIÇÃO Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma.Ao estudar a maneira como os fones (sons) se organizam dentro de uma língua,classifica-os em unidades capazes de distinguir significados,chamadas fonemas. ÍNDICE Fonema Fonema / Fonema e Letra Classificação dos Fonemas: Vogais, Semivogais, Consoantes Encontros Vocálicos Encontros Vocálicos: Ditongo, Tritongo, Hiato Encontros Consonantais Encontros Consonantais / Dígrafos Sílaba Sílaba/ Classificação das Palavras quanto ao Número de Sílabas / Divisão Silábica Acento Tônico / Classificação da Sílaba quanto à Intensidade / Classificação das Palavras quanto à Posição da Sílaba Tônica Monossílabos / Critérios de Distinção Acentuação Gráfica: Acento Prosódico e Acento Gráfico Regras de Acentuação Gráfica: Proparoxítonas, Paroxítonas, Oxítonas Monossílabos: Monossílabos Tônicos, Monossílabos Átonos / Acento de Insistência Regras Especiais I: Ditongos Abertos, Hiatos Regras Especiais II: Verbos Ter e Vir Acento Diferencial / Acento Grave Ortoépia Ortoépia ou Ortoepia Prosódia Prosódia Ortografia Ortografia / Emprego de X e Ch Emprego das Letras G e J Emprego das Letras S e Z Emprego do Z Emprego de S, Ç, X e dos Dígrafos Sc, Sç, Ss, Xc, Xs Observações sobre o uso da letra X / Emprego das letras E e I Emprego das letras O e U / Emprego da letra H Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas I Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas II Notações Léxicas Notações Léxicas: Emprego do Til, Emprego do Apóstrofo Emprego dos Porquês Por que / Por quê / Porque / Porquê Emprego do Hífen Emprego do Hífen / Prefixos e Elementos de Composição Importante / Casos Particulares / Atenção Saiba Mais sobre o uso do Hífen Sinais de Pontuação Sinais de Pontuação I: Vírgula Sinais de Pontuação II: Ponto e vírgula, Dois-pontos Sinais de Pontuação III: Ponto Final, Ponto de Interrogação, Ponto de Exclamação Sinais de Pontuação IV: Reticências, Parênteses - Os Parênteses e a Pontuação
  • 2. Sinais de Pontuação V: Travessão, Aspas Sinais de Pontuação VI: Colchetes, Asterisco, Parágrafo SEMÂNTICA DEFINIÇÃO Em linguística, Semântica estuda o significado e a interpretação do significado de uma palavra,de um signo,de uma frase ou de uma expressão em um determinado contexto.Nesse campo de estudo se analisa,também,as mudanças de sentido que ocorrem nas formas linguísticas devido a alguns fatores, tais como tempo e espaço geográfico. ÍNDICE Linguagem Linguagem / Tipos de Linguagem Língua Língua Falada e Língua Escrita Fala / Signo Significação das Palavras Sinônimos, Antônimos, Polissemia Homônimos - Homônimos Perfeitos Parônimos ESTILÍSTICA DEFINIÇÃO A Estilística estuda os processos de manipulação da linguagem que permitem a quem fala ou escreve sugerir conteúdos emotivos e intuitivos por meio das palavras.Além disso,estabelece princípios capazes de explicar as escolhas particulares feitas por indivíduos e grupos sociais no que se refere ao uso da língua. ÍNDICE Denotação e Conotação Figuras de Linguagem Sobre as Figuras de Linguagem / Classificação das Figuras de Linguagem / Figuras de Palavras I: Metáfora Figuras de Palavras II: Metonímia Figuras de Palavras III: Catacrese,Perífrase,Sinestesia Figuras de Pensamento I: Antítese, Paradoxo, Eufemismo Figuras de Pensamento II: Ironia, Hipérbole, Prosopopeia ou Personificação Figuras de Pensamento III: Apóstrofe, Gradação Figuras de Construção ou Sintáticas I: Elipse, Zeugma, Silepse Figuras de Construção ou Sintáticas II: Polissíndeto / Assíndeto, Pleonasmo, Anáfora, Anacoluto, Hipérbato / Inversão Figuras de Som: Aliteração, Assonância, Onomatopeia Vícios de Linguagem Vícios de Linguagem I: Pleonasmo Vicioso, Barbarismo, Solecismo Vícios de Linguagem II: Ambiguidade, Cacofonia, Eco, Hiato, Colisão Funções da Linguagem
  • 3. Funções da Linguagem I: Função Referencial ou Denotativa, Função Expressiva ou Emotiva, Função Apelativa ou Conativa Funções da Linguagem II: Função Poética, Função Fática, Função Metalinguística MORFOLOGIA DEFINIÇÃO Em linguística, Morfologia é o estudo da estrutura,da formação e da classificação das palavras.A peculiaridade da morfologia é estudar as palavras olhando para elas isoladamente e não dentro da sua participação na frase ou período. A morfologia está agrupada em dezclasses,denominadas classes de palavras ou classes gramaticais.São elas:Substantivo,Artigo, Adjetivo, Numeral,Pronome,Verbo, Advérbio, Preposição,Conjunção e Interjeição. ÍNDICE Estrutura e Formação das Palavras Estrutura das Palavras Raiz Desinência Formação das Palavras Derivação Regressiva Composição Prefixos Sufixos Sufixos Formadores de Palavras Radicais Gregos Radicais Latinos Substantivo Definição Substantivo Comum Substantivo Abstrato Substantivo e seus Coletivos Lista de Substantivos Coletivos I Lista de Substantivos Coletivos II Lista de Substantivos Coletivos III Lista de Substantivos Coletivos IV Lista de Substantivos Coletivos V Formação dos Substantivos Flexão dos Substantivos Substantivo Uniforme I Substantivo Uniforme II Substantivo Comum de 2 Gêneros Substantivo de Gênero Incerto Número de Substantivo Plural dos Substantivos Compostos Plural das Palavras Substantivadas Grau do Substantivo Artigo Artigo Adjetivo Adjetivo Adjetivo Pátrio Locução Adjetiva I Locução Adjetiva II Flexão dos Adjetivos Adjetivo Composto Grau Superlativo Lista Superlativos Numeral
  • 4. Numeral Numerais Multiplicativos Pronome Pronome Pronomes Pessoais Pronome Oblíquo Átono Pronome Oblíquo Tônico Pronome de Tratamento Pronomes Possessivos Pronomes Demonstrativos Observações sobre Pronomes Pronomes Indefinidos Pronomes Relativos Pronomes Relativos II Pronomes Interrogativos Verbo Verbo Classificação dos Verbos Verbos Unipessoais I Verbos Unipessoais II Verbo Ser - Formas Nominais Verbo Ter - Modo Indicativo Modos de Verbo Tempos Verbais Tempos do Subjuntivo Tempos Primitivos Tempos Derivados do PretéritoPerfeito do Indicativo Futuro do Subjuntivo Futuro do Pretérito do Indicativo I Futuro do Pretérito do Indicativo II Aspecto Verbal Emprego do Infinitivo Impessoal e Pessoal I Emprego do Infinitivo Impessoal e Pessoal II Infinitivo Pessoal Vozes do Verbo Voz Passiva Sintética Pronúncia Correta de Alguns Verbos Advérbio Advérbio I Advérbio II Classificação dos Advérbios Advérbios Interrogativos Palavras e Locuções Denotativas Preposição Preposição Classificação das Preposições Locução Prepositiva Principais Relações Estabelecidas pelas Preposições Conjunção Definição de Conjunção Conjunções Coordenativas Conjunções Subordinativas I Conjunções Subordinativas II Conjunções Subordinativas III Interjeição Interjeição I Interjeição II Locuções Interjetivas
  • 5. Sobre a Gramática A Gramática tem como finalidade orientar e regular o uso da língua,estabelecendo um padrão de escrita e de fala baseado em diversos critérios,tais como: - Exemplo de bons escritores; - Lógica; - Tradição; - Bom senso. Em se tratando de Gramática,tem-se como matéria-prima um sistema de normas,o qual dá estrutura à língua.Tais normas definem a língua padrão,também chamada língua culta ou norma culta.Assim,para falar e escrever corretamente,é preciso estudar a Gramática. Por ser um organismo vivo, a língua está sempre evoluindo,o que muitas vezes res ulta num distanciamento entre o que se usa efetivamente e o que fixam as normas.Isso não justifica,porém,o descaso com a Gramática.Imprecisa ou não,existe uma norma culta,a qual deve ser conhecida e aplicada por todos. Quem desconhece a norma culta acaba tendo acesso limitado às obras literárias,artigos de jornal, discursos políticos,obras teóricas e científicas,enfim,a todo um patrimônio cultural acumulado durante séculos pela humanidade. Tipos de Gramática 1. Gramática Normativa É aquela que busca a padronização da língua,estabelecendo as normas do falar e escrever corretamente.Costuma ser utilizada em sala de aula e em livros didáticos.É também o tipo adotado no Só Português. 2. Gramática Descritiva Ocupa-se da descrição dos fatos da língua, com o objetivo de investigá-los e não de estabelecer o que é certo ou errado. Enfatiza o uso oral da língua e suas variações. 3. Gramática Histórica Estuda a origem e a evolução histórica de uma língua. 4. Gramática Comparativa Dedica-se ao estudo comparado de uma família de línguas.O Português,por exemplo,faz parte da Gramática Comparativa das línguas românicas.
  • 6. Divisão da Gramática Sabe-se que a língua é um sistema tríplice:compreende um sistema de formas (mórfico),um sistema de frases (sintático) e um sistema de sons (fônico).Por essa razão,a Gramática tradicionalmente divide-se em: Morfologia - abrange o sistema mórfico. Sintaxe - enfoca o sistema sintático. Fonologia/Fonética - focaliza o sistema fônico. Observação: Alguns gramáticos incluem nessa visão uma quarta parte, a Semântica,que se ocupa dos significados dos componentes de uma língua. Regras de Acentuação Gráfica Baseiam-se na constatação de que,em nossa língua,as palavras mais numerosas são as paroxítonas, seguidas pelas oxítonas.A maioria das paroxítonas termina em -a,-e,-o, -em, podendo ou não ser seguidas de "s".Essas paroxítonas,por serem maioria, não são acentuadas graficamente.Já as proparoxítonas,por serem pouco numerosas,são sempre acentuadas. Proparoxítonas Sílaba tônica: antepenúltima As proparoxítonas são todas acentuadas graficamente. Exemplos: trágico,patético,árvore Paroxítonas Sílaba tônica: penúltima Acentuam-se as paroxítonas terminadas em: l fácil n pólen r cadáver ps bíceps x tórax us vírus i, is júri, lápis om, ons iândom, íons um, uns álbum, álbuns ã(s), ão(s) órfã, órfãs, órfão, órfãos ditongo oral (seguido ou não de s) jóquei, túneis
  • 7. Observações: 1) As paroxítonas terminadas em "n" são acentuadas (hífen), mas as que terminam em "ens", não (hifens, jovens). 2) Não são acentuados os prefixos terminados em "i "e "r" (semi, super). 3) Acentuam-se as paroxítonas terminadas em ditongos crescentes: ea(s), oa(s), eo(s), ua(s), ia(s), ue(s), ie(s), uo(s), io(s). Exemplos: várzea, mágoa, óleo, régua, férias, tênue, cárie,ingênuo, início Oxítonas Sílaba tônica: última Acentuam-se as oxítonas terminadas em: a(s): sofá, sofás e(s): jacaré, vocês o(s): paletó, avós em, ens: ninguém, armazéns Monossílabos Os monossílabos, conforme a intensidade com que se proferem,podem ser tônicos ou átonos. Monossílabos Tônicos Possuem autonomia fonética,sendo proferidos fortemente na frase onde aparecem.Acentuam-se os monossílabos tônicos terminados em: a(s): lá, cá e(s): pé, mês o(s): só,pó, nós,pôs Monossílabos Átonos Não possuem autonomia fonética,sendo proferidos fracamente, como se fossem sílabas átonas do vocábulo a que se apoiam. Exemplos: o(s),a(s), um,uns,me,te, se,lhe nos,de, em,e, que,etc. Observações: 1) Os monossílabos átonos são palavras vazias de sentido, vindo representados por artigos, pronomes oblíquos, elementos de ligação (preposições, conjunções). 2) Há monossílabos que são tônicos numa frase e átonos em outras. Exemplos:
  • 8. Você trouxe sua mochila para quê? (tônico) / Que tem dentro da sua mochila? (átono) Há sempre um mas para questionar. (tônico) / Eu sei seu nome, mas não me recordo agora. (átono) Saiba que: Muitos verbos, ao se combinarem com pronomes oblíquos, produzem formas oxítonas ou monossilábicas que devem ser acentuadas por acabarem assumindo alguma das terminações contidas nas regras. Exemplos: beijar + a = beijá-la fez + o = fê-lo dar + as = dá-las fazer + o = fazê-lo Acento de Insistência Sentimentos fortes (emoção, alegria,raiva,medo) ou a simples necessidade de enfatizar uma ideia podem levar o falante a emitir a sílaba tônica ou a primeira sílaba de certas palavras com uma intensidade e duração além do normal. Exemplos: Está muuuuito frio hoje! Deve haver equilíbrio entre exportação e importação. Regras Especiais Além das regras fundamentais,há um conjunto de regras destinadas a pôr em evidência alguns detalhes sonoros das palavras.Observe: Ditongos Abertos Os ditongos éi,éu e ói, sempre que tiverem pronúncia aberta em palavras oxítonas (éi e não êi), são acentuados.Veja: éi (s): anéis,fiéis,papéis éu (s): troféu, céus ói (s): herói, constrói, caubóis Obs.: os ditongos abertos ocorridos em palavras paroxítonas NÃO são acentuados. Exemplos: assembleia,boia, colmeia, Coreia, estreia, heroico, ideia, jiboia, joia, paranoia, plateia, etc. Atenção: a palavra destróier é acentuada por ser uma paroxítona terminada em "r" (e não por possuir ditongo aberto "ói"). Hiatos Acentuam-se o "i" e "u" tônicos quando formam hiato com a vogal anterior,estando eles sozinhos na sílaba ou acompanhados apenas de "s", desde que não sejam seguidos por "-nh".
  • 9. Exemplos: sa - í - da e - go - ís -mo sa - ú - de Não se acentuam,portanto,hiatos como os das palavras: ju - iz ra - iz ru - im ca - ir Razão: -i ou -u não estão sozinhos nem acompanhados de -s na sílaba. Observação: cabe esclarecer que existem hiatos acentuados não por serem hiatos, mas por outras razões. Veja os exemplos abaixo: po-é-ti-co: proparoxítona bo-ê-mio: paroxítona terminada em ditongo crescente. ja-ó: oxítona terminada em "o". Verbos Ter e Vir Acentua-se com circunflexo a 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos ter e vir, bem como nos seus compostos (deter,conter, reter, advir, convir,intervir, etc.). Veja: Ele tem Eles têm Ela vem Elas vêm Ele retém Eles retêm Ele intervém Eles intervêm Obs.: nos verbos compostos de ter e vir, o acento ocorre obrigatoriamente, mesmo no singular. Distingue-se o plural do singular mudando o acento de agudo para circunflexo: ele detém - eles detêm ele advém - eles advêm. Acento Diferencial Na língua escrita,existem dois casos em que os acentos são utilizados para diferenciar palavras homógrafas (de mesma grafia).Veja: a) pôde / pode Pôde é a forma do pretérito perfeito do indicativo do verbo poder.Pode é a forma do presente do indicativo.Exemplos: O ladrão pôde fugir. O ladrão pode fugir. b) pôr / por Pôr é verbo e por é preposição. Exemplos:
  • 10. Você deve pôr o livro aqui. Não vá por aí! Saiba que: Para acentuar as formas verbais com pronome oblíquo em ênclise (depois do verbo) ou mesóclise (no meio do verbo), cada elemento deve ser considerado como uma palavra independente. Observe: jogá-lo jogá = oxítona terminada em a (portanto, com acento) lo = monossílabo átono (portanto, sem acento) jogá-lo-íamos jogá = oxítona terminada em a (portanto, com acento) lo = monossílabo átono (portanto, sem acento) íamos = proparoxítona (portanto, com acento) Acento Grave O acento grave usa-se exclusivamente para indicar a crase da preposição "a" com os artigos a,as e com os demonstrativos a,as, aquele(s), aquela(s), aquilo: à, às, àquele(s),àquela(s),àquilo.Veja mais sobre este assunto em Sintaxe -> Emprego da Crase. Ortoépia ou Ortoepia A palavra ortoépia se origina da união dos termos gregos orthos, que significa "correto" e hépos, que significa "palavra". Assim, a ortoépia se ocupa da correta produção oral das palavras. Preceitos: 1) A perfeita emissão de vogais e grupos vocálicos, enunciando-os com nitidez, sem acrescentar nem omitir ou alterar fonemas, respeitando o timbre (aberto ou fechado) das vogais tônicas, tudo de acordo com as normas da fala culta. 2) A articulação correta e nítida dos fonemas consonantais. 3) A correta e adequada ligação daspalavras na frase. Veja a seguir alguns casos frequentes de pronúncias corretas e errôneas, de acordo com o padrão culto da língua portuguesa no Brasil.
  • 11. CORRETAS ERRÔNEAS adivinhar advinhar advogado adevogado apropriado apropiado aterrissar aterrisar bandeja bandeija bochecha buchecha boteco buteco braguilha barguilha bueiro boeiro cabeleireiro cabelereiro caranguejo carangueijo eletricista eletrecista empecilho impecilho estupro, estuprador estrupo, estrupador fragrância fragância frustrado frustado lagartixa largatixa lagarto largato mendigo mendingo meteorologia metereologia mortadela mortandela murchar muchar paralelepípedos paralepípedos pneu peneu prazerosamente prazeirosamente privilégio previlégio problemas poblemas ou pobremas próprio própio proprietário propietário psicologia, psicólogo pissicologia, pissicólogo salsicha salchicha sobrancelha sombrancelha superstição supertição Em muitas palavras há incerteza, divergência quanto ao timbre de vogais tônicas /e/ e /o/. Recomenda-se proferir:
  • 12. Com timbre aberto: acerbo, badejo, coeso, grelha, groselha, ileso, obeso, obsoleto, dolo, inodoro, molho (feixe, conjunto), suor. Com timbre fechado: acervo, cerda, interesse (substantivo), reses, algoz, algozes, crosta, bodas, molho (caldo), poça, torpe. Prosódia A prosódia ocupa-se da correta emissão de palavras quanto à posição da sílaba tônica,segundo as normas da língua culta.Existe uma série de vocábulos que,ao serem proferidos,acabam tendo o acento prosódico deslocado.Ao erro prosódico dá-se o nome de silabada. Observe os exemplos. 1) São oxítonas: condor novel ureter mister Nobel ruim 2) São paroxítonas: austero ciclope Madagáscar recorde caracteres filantropo pudico(dí) rubrica 3) São proparoxítonas: aerólito lêvedo quadrúmano alcíone munícipe trânsfuga Existem palavras cujo acento prosódico é incerto, mesmo na língua culta.Observe os exemplos a seguir,sabendo que a primeira pronúncia dada é a mais utilizada na língua atual. acrobata - acróbata réptil - reptil Bálcãs - Balcãs xerox - xérox projétil - projetil zangão - zângão Ortografia A ortografia se caracteriza por estabelecer padrões para a forma escrita das palavras.Essa escrita está relacionada tanto a critérios etimológicos (ligados à origem das palavras) quanto fonológicos (ligados aos fonemas representados).É importante compreender que a ortografia é fruto de uma convenção. A forma de grafar as palavras é produto de acordos ortográficos que envolvem os diversos países em que a língua portuguesa é oficial. A melhor maneira de treinar a ortografia é ler, escrever e consultar o dicionário sempre que houver dúvida. O Alfabeto O alfabeto da língua portuguesa é formado por 26 letras.Cada letra apresenta uma forma minúscula e outra maiúscula.Veja:
  • 13. a A (á) b B (bê) c C (cê) d D (dê) e E (é) f F (efe) g G (gê ou guê) h H (agá) i I (i) j J (jota) k K (cá) l L (ele) m M (eme) n N (ene) o O (ó) p P (pê) q Q (quê) r R (erre) s S (esse) t T (tê) u U (u) v V (vê) w W (dáblio) x X (xis) y Y (ípsilon) z Z (zê) Observação: emprega-se também o ç, que representa o fonema /s/ diante das letras: a, o, e u em determinadas palavras. Emprego das letras K, W e Y Utilizam-se nos seguintes casos: a) Em antropônimos originários de outras línguas e seus derivados. Exemplos: Kant, kantismo;Darwin,darwinismo;Taylor, taylorista. b) Em topônimos originários de outras línguas e seus derivados. Exemplos: Kuwait, kuwaitiano. c) Em siglas,símbolos,e mesmo em palavras adotadas como unidades de medida de curso internacional. Exemplos: K (Potássio),W (West), kg (quilograma),km (quilômetro),Watt. Emprego de X e Ch Emprega-se o X: 1) Após um ditongo. Exemplos: caixa,frouxo, peixe Exceção: recauchutar e seus derivados 2) Após a sílaba inicial "en". Exemplos: enxame,enxada,enxaqueca
  • 14. Exceção: palavras iniciadas por "ch" que recebem o prefixo "en-" Exemplos: encharcar (de charco), enchiqueirar (de chiqueiro), encher e seus derivados (enchente, enchimento, preencher...) 3) Após a sílaba inicial "me-". Exemplos: mexer,mexerica,mexicano,mexilhão Exceção: mecha 4) Em vocábulos de origem indígena ou africana e nas palavras inglesas aportuguesadas. Exemplos: abacaxi,xavante, orixá, xará,xerife, xampu 5) Nas seguintes palavras: bexiga,bruxa,coaxar,faxina, graxa,lagartixa,lixa,lixo, puxar,rixa, oxalá,praxe,roxo, vexame,xadrez,xarope,xaxim, xícara, xale, xingar,etc. Emprega-se o dígrafo Ch: 1) Nos seguintes vocábulos: bochecha,bucha, cachimbo,chalé,charque, chimarrão,chuchu,chute, cochilo,debochar,fachada, fantoche, ficha, flecha, mochila,pechincha,salsicha,tchau,etc. Para representar o fonema /j/ na forma escrita,a grafia considerada correta é aquela que ocorre de acordo com a origem da palavra. Veja os exemplos: gesso: Origina-se do grego gypsos jipe: Origina-se do inglês jeep. Emprega-se o G: 1) Nos substantivos terminados em -agem, -igem, -ugem Exemplos: barragem,miragem,viagem,origem,ferrugem Exceção: pajem 2) Nas palavras terminadas em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio Exemplos: estágio, privilégio, prestígio, relógio, refúgio 3) Nas palavras derivadas de outras que se grafam com g Exemplos: engessar (de gesso),massagista (de massagem),vertiginoso (de vertigem)
  • 15. 4) Nos seguintes vocábulos: algema,auge, bege, estrangeiro,geada,gengiva, gibi, gilete, hegemonia,herege, megera,monge,rabugento,vagem. Emprega-se o J: 1) Nas formas dos verbos terminados em -jar ou -jear Exemplos: arranjar:arranjo, arranje, arranjem despejar:despejo,despeje,despejem gorjear:gorjeie, gorjeiam,gorjeando enferrujar:enferruje, enferrujem viajar: viajo, viaje, viajem 2) Nas palavras de origem tupi, africana, árabe ou exótica Exemplos: biju, jiboia,canjica, pajé, jerico, manjericão,Moji 3) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam j Exemplos: laranja- laranjeira loja- lojista lisonja - lisonjeador nojo- nojeira cereja- cerejeira varejo- varejista rijo- enrijecer jeito- ajeitar 4) Nos seguintes vocábulos: berinjela,cafajeste,jeca, jegue, majestade,jeito,jejum, laje, traje, pegajento Emprego das Letras S e Z Emprega-se o S: 1) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam s no radical Exemplos: análise- analisar catálise- catalisador casa- casinha, casebre liso- alisar 2) Nos sufixos -ês e -esa, ao indicarem nacionalidade, título ou origem Exemplos:
  • 16. burguês- burguesa inglês- inglesa chinês- chinesa milanês- milanesa 3) Nos sufixos formadores de adjetivos -ense, -oso e -osa Exemplos: catarinense gostoso- gostosa amoroso- amorosa palmeirense gasoso- gasosa teimoso- teimosa 4) Nos sufixos gregos -ese,-isa, -osa Exemplos: catequese,diocese,poetisa,profetisa, sacerdotisa,glicose,metamorfose,virose 5) Após ditongos Exemplos: coisa,pouso,lousa,náusea 6) Nas formas dos verbos pôr e querer,bem como em seus derivados Exemplos: pus, pôs,pusemos,puseram,pusera,pusesse,puséssemos quis,quisemos,quiseram,quiser,quisera,quiséssemos repus,repusera,repusesse,repuséssemos 7) Nos seguintes nomes próprios personativos: Baltasar,Heloísa,Inês, Isabel, Luís, Luísa, Resende,Sousa,Teresa,Teresinha, Tomás 8) Nos seguintes vocábulos: abuso,asilo,através, aviso, besouro,brasa,cortesia, decisão,despesa,empresa, freguesia,fusível, maisena,mesada,paisagem,paraíso,pêsames,presépio,presídio, querosene,raposa,surpresa,tesoura,usura,vaso, vigésimo,visita, etc. Emprega-se o Z:
  • 17. 1) Nas palavras derivadas de outras que já apresentam z no radical Exemplos: deslize- deslizar razão- razoável vazio- esvaziar raiz- enraizar cruz-cruzeiro 2) Nos sufixos -ez, -eza, ao formarem substantivos abstratos a partir de adjetivos Exemplos: inválido- invalidez limpo-limpeza macio- maciez rígido- rigidez frio- frieza nobre- nobreza pobre-pobreza surdo- surdez 3) Nos sufixos -izar, ao formar verbos e -ização, ao formar substantivos Exemplos: civilizar- civilização hospitalizar- hospitalização colonizar- colonização realizar- realização 4) Nos derivados em -zal, -zeiro, -zinho, -zinha, -zito, -zita Exemplos: cafezal, cafezeiro, cafezinho, arvorezinha, cãozito, avezita 5) Nos seguintes vocábulos: azar, azeite, azedo,amizade,buzina,bazar,catequizar,chafariz, cicatriz, coalizão, cuscuz,proeza,vizinho, xadrez, verniz, etc. 6) Nos vocábulos homófonos, estabelecendo distinção no contraste entre o S e o Z Exemplos: cozer (cozinhar) e coser (costurar) prezar( ter em consideração) e presar (prender) traz (forma do verbo trazer) e trás (parte posterior) Observação: em muitas palavras, a letra X soa como Z. Veja os exemplos:
  • 18. exame exato exausto exemplo existir exótico inexorável Emprego de S, Ç, X e dos Dígrafos Sc, Sç, Ss, Xc, Xs Existem diversas formas para a representação do fonema /S/.Observe: Emprega-se o S: Nos substantivos derivados de verbos terminados em "andir","ender", "verter" e "pelir" Exemplos: expandir- expansão pretender- pretensão verter- versão expelir- expulsão estender- extensão suspender- suspensão converter - conversão repelir- repulsão Emprega-se Ç: Nos substantivos derivados dos verbos "ter" e "torcer" Exemplos: ater- atenção torcer- torção deter- detenção distorcer-distorção manter- manutenção contorcer- contorção Emprega-se o X: Em alguns casos, a letra X soa como Ss Exemplos: auxílio,expectativa, experto, extroversão,sexta,sintaxe,texto,trouxe Emprega-se Sc: Nos termos eruditos Exemplos: acréscimo,ascensorista,consciência,descender,discente,fascículo,fascínio, imprescindível,miscigenação,miscível,plebiscito,rescisão,seiscentos,transcender, etc.
  • 19. Emprega-se Sç: Na conjugação de alguns verbos Exemplos: nascer- nasço,nasça crescer- cresço,cresça descer- desço,desça Emprega-se Ss: Nos substantivos derivados de verbos terminados em "gredir", "mitir", "ceder" e "cutir" Exemplos: agredir- agressão demitir- demissão ceder- cessão discutir- discussão progredir- progressão transmitir- transmissão exceder- excesso repercutir- repercussão Emprega-se o Xc e o Xs: Em dígrafos que soam como Ss Exemplos: exceção,excêntrico,excedente,excepcional,exsudar Observações sobre o uso da letra X 1) O X pode representar os seguintes fonemas: /ch/ - xarope,vexame /cs/ - axila,nexo /z/ - exame,exílio /ss/- máximo,próximo /s/ - texto, extenso 2) Não soa nos grupos internos -xce- e -xci- Exemplos: excelente,excitar Emprego das letras E e I Na língua falada,a distinção entre as vogais átonas /e/ e /i / pode não ser nítida. Observe: Emprega-se o E:
  • 20. 1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -oar, -uar Exemplos: magoar - magoe,magoes continuar- continue,continues 2) Em palavras formadas com o prefixo ante- (antes, anterior) Exemplos: antebraço,antecipar 3) Nos seguintes vocábulos: cadeado,confete, disenteria,empecilho,irrequieto,mexerico,orquídea,etc. Emprega-se o I : 1) Em sílabas finais dos verbos terminados em -air, -oer, -uir Exemplos: cair- cai doer- dói influir- influi 2) Em palavras formadas com o prefixo anti- (contra) Exemplos: Anticristo, antitetânico 3) Nos seguintes vocábulos: aborígine,artimanha,chefiar, digladiar,penicilina, privilégio, etc. mprego das letras O e U Emprega-se o O/U: A oposição o/u é responsável pela diferença de significado de algumas palavras. Veja os exemplos: comprimento (extensão) e cumprimento (saudação,realização) soar (emitir som) e suar (transpirar) Grafam-se com a letra O: bolacha,bússola,costume, moleque. Grafam-se com a letra U: camundongo,jabuti,Manuel,tábua Emprego da letra H
  • 21. Esta letra, em início ou fim de palavras, não tem valor fonético.Conservou-se apenas como símbolo,por força da etimologia e da tradição escrita.A palavra hoje, por exemplo,grafa-se desta forma devido a sua origem na forma latina hodie. Emprega-se o H: 1) Inicial, quando etimológico Exemplos: hábito, hesitar,homologar,Horácio 2) Medial, como integrante dos dígrafos ch, lh, nh Exemplos: flecha, telha, companhia 3) Final e inicial, em certas interjeições Exemplos: ah!, ih!, eh!, oh!, hem?,hum!, etc. 4) Em compostos unidos por hífen, no início do segundo elemento, se etimológico Exemplos: anti-higiênico,pré-histórico,super-homem,etc. Observações: 1) No substantivo Bahia, o "h" sobrevive por tradição. Note que nos substantivos derivados comobaiano, baianada ou baianinha ele não é utilizado. 2) Os vocábulos erva,Espanha e inverno não possuem a letra "h" na sua composição. No entanto, seus derivados eruditos sempre são grafados com h. Veja: herbívoro, hispânico, hibernal. Emprego das Iniciais Maiúsculas e Minúsculas 1) Utiliza-se inicial maiúscula: a) No começo de um período, verso ou citação direta. Exemplos: Disse o Padre Antonio Vieira: "Estar com Cristo em qualquer lugar,ainda que seja no inferno,é estar no Paraíso." "Auriverde pendão de minha terra, Que a brisa do Brasil beija e balança, Estandarte que à luz do sol encerra As promessas divinas da Esperança…" (Castro Alves) Observações: - No início dos versos que não abrem período, é facultativo o uso da letra maiúscula. Por Exemplo: "Aqui, sim, no meu cantinho, vendo rir-me o candeeiro,
  • 22. gozo o bem de estar sozinho e esquecer o mundo inteiro." - Depois de dois pontos, não se tratando de citação direta, usa-se letra minúscula. Por Exemplo: "Chegam os magos do Oriente,com suas dádivas: ouro,incenso,mirra."(Manuel Bandeira) b) Nos antropônimos, reais ou fictícios. Exemplos: Pedro Silva, Cinderela,D.Quixote. c) Nos topônimos, reais ou fictícios. Exemplos: Rio de Janeiro,Rússia,Macondo. d) Nos nomes mitológicos. Exemplos: Dionísio,Netuno. e) Nos nomes de festas e festividades. Exemplos: Natal, Páscoa,Ramadã. f) Em siglas, símbolos ou abreviaturas internacionais. Exemplos: ONU, Sr., V. Ex.ª. g) Nos nomes que designam altos conceitos religiosos, políticos ou nacionalistas. Exemplos: Igreja (Católica,Apostólica,Romana),Estado,Nação,Pátria, União,etc. Observação: esses nomes escrevem-se com inicial minúscula quando são empregados em sentido geral ou indeterminado. Exemplo: Todos amam sua pátria. Emprego FACULTATIVO de letra maiúscula: a) Nos nomes de logradouros públicos, templos e edifícios. Exemplos: Rua da Liberdade ou rua da Liberdade Igreja do Rosário ou igreja do Rosário Edifício Azevedo ou edifício Azevedo 2) Utiliza-se inicial minúscula:
  • 23. a) Em todos os vocábulos da língua, nos usos correntes. Exemplos: carro, flor, boneca,menino,porta, etc. b) Nos nomes de meses,estações do ano e dias da semana. Exemplos: janeiro,julho,dezembro,etc. segunda,sexta,domingo,etc. primavera,verão, outono,inverno c) Nos pontos cardeais. Exemplos: Percorri o país de norte a sul e de leste a oeste. Estes são os pontos colaterais: nordeste,noroeste, sudeste, sudoeste. Observação: quando empregados em sua forma absoluta, os pontos cardeais são grafados com letra maiúscula. Exemplos: Nordeste (região do Brasil) Ocidente (europeu) Oriente (asiático) Lembre-se: Depois de dois-pontos, não se tratando de citação direta, usa-se letra minúscula. Exemplo: "Chegam os magos do Oriente, com suas dádivas:ouro, incenso, mirra." (Manuel Bandeira) Emprego FACULTATIVO de letra minúscula: a) Nos vocábulos que compõem uma citação bibliográfica. Exemplos: Crime e Castigo ou Crime e castigo Grande Sertão: Veredas ou Grande sertão:veredas Em Busca do Tempo Perdido ou Em busca do tempo perdido b) Nas formas de tratamentoe reverência, bem como em nomes sagrados e que designam crenças religiosas. Exemplos: Governador Mário Covas ou governador Mário Covas Papa João Paulo II ou papa João Paulo II Excelentíssimo Senhor Reitor ouexcelentíssimo senhor reitor Santa Maria ou santa Maria. c) Nos nomes que designam domínios de saber, cursos e disciplinas. Exemplos: Português ou português Línguas e Literaturas Modernas ou línguas e literaturas modernas
  • 24. História do Brasil ou história do Brasil Arquitetura ou arquitetura Notações Léxicas Para representar os fonemas,muitas vezes há necessidade de recorrer a sinais gráficos denominados notações léxicas. Emprego do Til Til ( ~ ) O til sobrepõe-se sobre as letras a e o para indicar vogal nasal. Pode aparecer em sílaba: Tônica: balão,corações, maçã Pretônica:balõezinhos, grã-fino Átona: órgão, bênçãos Outros Exemplos: Capitães,limão,mamão,bobão,chorão,devoções,põem,etc. Observação: Se a sílaba onde figura o til for átona, acentua-se graficamente a sílaba predominante. Por Exemplo: Órfãos, acórdão Emprego do Apóstrofo Apóstrofo ( ´ ) O uso deste sinal gráfico pode: a) Indicar a supressão de uma vogal nos versos,por exigências métricas.Ocorre principalmente entre poetas portugueses Exemplos: esp´rança (esperança) minh'alma (minha alma) 'stamos (estamos) b) Reproduzir certas pronúncias populares Exemplos: Olh'ele aí...(Guimarães Rosa) Não s'enxerga, enxerido!(Peregrino Jr.) c) Indicar a supressão da vogal da preposição de em certas palavras compostas Exemplos:
  • 25. copo d´água,estrela d'alva, caixa d'água Emprego dos Porquês POR QUE A forma por que é a sequência de uma preposição (por) e um pronome interrogativo (que).Equivale a "por qual razão", "por qual motivo": Exemplos: Desejo saber por que você voltou tão tarde para casa. Por que você comprou este casaco? Há casos em que por que representa a sequência preposição+ pronome relativo, equivalendo a "pelo qual"(ou alguma de suas flexões (pela qual,pelos quais,pelas quais). Exemplos: Estes são os direitos por que estamos lutando. O túnel por que passamos existe há muitos anos. POR QUÊ Caso surja no final de uma frase, imediatamente antes de um ponto (final,de interrogação,de exclamação) ou de reticências,a sequência deve ser grafada por quê, pois,devido à posição na frase,o monossílabo"que"passa a ser tônico. Exemplos: Estudei bastante ontem à noite.Sabe por quê? Será deselegante se você perguntar novamente por quê! PORQUE A forma porque é uma conjunção, equivalendo a pois, já que, uma vez que,como. Costuma ser utilizado em respostas,para explicação ou causa. Exemplos: Vou ao supermercado porque não temos mais frutas. Você veio até aqui porque não conseguiu telefonar? PORQUÊ A forma porquê representa um substantivo. Significa "causa","razão", "motivo" e normalmente surge acompanhada de palavra determinante (artigo,por exemplo). Exemplos: Não consigo entender oporquê de sua ausência. Existem muitos porquês para justificar esta atitude. Você não vai à festa? Diga-me ao menos um porquê. Veja abaixo o quadro-resumo: Forma Emprego Exemplos
  • 26. Por que Em frases interrogativas (diretas e indiretas) Em substituição à expressão "pelo qual"(e suas variações) Por que ele chorou? (interrogativa direta) Digam-me por que ele chorou. (interrogativa indireta) Os bairros por que passamos eram sujos.(por que = pelos quais) Por quê No final de frases Eles estão revoltados por quê? Ele não veio não sei por quê. Porque Em frases afirmativas e em respostas Não fui à festa porque choveu. Porquê Como substantivo Todos sabem o porquê de seu medo. Emprego do Hífen O hífen é usado com vários fins em nossa ortografia, geralmente, sugerindo a ideia de união semântica. As regras de emprego do hífen são muitas, o que faz com que algumas dúvidas só possam ser solucionadas com o auxílio de um bom dicionário. Entretanto, é possível reduzir a quantidade de dúvidas sobre o seu uso, ao observarmos algumas orientações básicas. Conheça os casos de emprego do hífen (-): 1) Na separação de sílabas. Exemplos: vo-vó; pás-sa-ro; U-ru-guai. 2) Para ligar pronomes oblíquos átonos a verbos e à palavra "eis". Exemplos: deixa-o; obedecer-lhe; chamar-se-á (mesóclise); mostre-se-lhe (dois pronomes relacionados ao mesmo verbo); ei-lo. 3) Em substantivos compostos, cujos elementos conservam sua autonomia fonética e acentuação própria, mas perdem sua significação individual para construir uma unidade semântica, um conceito único. Exemplos: Amor-perfeito, arco-íris, conta-gotas, decreto-lei, guarda-chuva, médico-cirurgião, norte-americano, etc. Obs.: certos compostos, em relação aos quais se perdeu, em certa medida, a noção de composição, grafam-se sem hífen: girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, etc. 4) Em compostos nos quais o primeiro elemento é numeral. Exemplos:
  • 27. primeira-dama, primeiro-ministro, segundo-tenente, segunda-feira, quinta-feira, etc. 5) Em compostos homogêneos (contendo dois adjetivos, dois verbos ou elementosrepetidos). Exemplos: técnico-científico, luso-brasileiro; quebra-quebra, corre-corre, reco-reco, blá-blá-blá, etc. 6) Nos topônimos compostos iniciados pelos adjetivos grã, grão, ou por forma verbal ou cujoselementos estejam ligados por artigos. Exemplos: Grã- Bretanha, Grão -Pará; Passa-Quatro, Quebra-Costas, Traga-Mouros, Trinca-Fortes; Albergaria-a-Velha, Baía de Todos-os-Santos, Entre-os-Rios, Montemor-o-Novo, Trás-os-Montes. Obs.: os outros topônimos compostos escrevem-se com os elementos separados, sem hífen: América do Sul, Belo Horizonte, Cabo Verde, etc. O topônimo Guiné -Bissau é, contudo, uma exceção consagrada pelo uso. 7) Emprega-se o hífen nas palavras compostas que designam espécies botânicas e zoológicas, estejam ou não ligadaspor preposição ou qualquer outro elemento. Exemplos: couve-flor, erva-doce, feijão-verde, erva-do-chá, ervilha-de-cheiro, bem-me-quer (planta), andorinha-grande, formiga-branca, cobra-d'água, lesma-de-conchinha, bem-te-vi, etc. Obs.: não se usa o hífen quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas são empregados fora de seu sentido original. Observe a diferença de sentido: bico-de-papagaio (espécie de planta ornamental, com hífen) e bico de papagaio (deformação nas vértebras, sem hífen). 8) Emprega-se o hífen nos compostos com os elementos além, aquém, recém e sem. Exemplos: além-mar, aquém-fontreiras, recém-nascido, sem-vergonha. 9) Usa-se o hífen sempre que o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra. Exemplos: anti-inflacionário, inter-regional, sub-bibliotecário, tele-entrega, etc. 10) Emprega-se hífen (e não travessão) entre elementos que formam não uma palavra, mas umencadeamento vocabular:
  • 28. Exemplos: A divisa Liberdade-Igualdade-Fraternidade; A ponte Rio-Niterói; A ligação Angola-Moçambique; A relação professor-aluno. 11) Nas formações por sufixação será empregado o hífen nos vocábulos terminados por sufixos de origemtupi-guarani que representam formas adjetivas, tais como -açu, -guaçu e -mirim, se o primeiro elemento acabar em vogal acentuada graficamente, ou por tônica nasal. Exemplos: Andá-açu, capim-açu, sabiá-guaçu, arumã-mirim, cajá-mirim, etc. 12) Usa-se hífen com o elemento mal antes de vogal, h ou l. Exemplos: mal-acabado, mal-estar, mal-humorado, mal-limpo. 13) Nas locuções não se costuma empregar o hífen, salvo naquelasjá consagradas pelo uso. Exemplos: café com leite, cão de guarda, dia a dia, fim de semana, ponto e vírgula, tomara que caia. Locuções consagradas: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa. Prefixos e Elementos de Composição Usa-se o hífen com diversos prefixos e elementos de composição. Veja o quadro a seguir: Usa-se hífen com os prefixos: Quando a palavra seguinte começa por: Ante-, Anti-, Contra-, Entre-, Extra-, Infra-, Intra-, Sobre-, Supra-, Ultra- H / VOGAL IDÊNTICA À QUE TERMINA O PREFIXO Exemplos com H: ante-hipófise, anti-higiênico, anti-herói, contra-hospitalar, entre-hostil, extra-humano, infra-hepático, sobre-humano, supra-hepático, ultra-hiperbólico. Exemplos com vogal idêntica: anti-inflamatório, contra-ataque, infra-axilar, sobre-estimar, supra-auricular, ultra-aquecido. Hiper-, Inter-, Super- H / R Exemplos: hiper-hidrose, hiper-raivoso, inter-humano, inter-racial, super-homem, super-resistente.
  • 29. Sub- B - H - R Exemplos: sub-bloco, sub-hepático, sub-humano, sub-região. Obs.: as formas escritas sem hífen e sem "h", como por exemplo "subumano" e "subepático" também são aceitas. Ab-, Ad-, Ob-, Sob- B - R - D (Apenas com o prefixo "Ad") Exemplos: ab-rogar (pôr em desuso), ad-rogar (adotar) ob-reptício (astucioso), sob-roda ad-digital Ex- (no sentido de estado anterior), Sota-, Soto- , Vice-, Vizo- DIANTE DE QUALQUER PALAVRA Exemplos: ex-namorada, sota-soberania (não total), soto-mestre (substituto), vice-reitor, vizo-rei. Pós-, Pré-, Pró- (tônicos e com significados próprios) DIANTE DE QUALQUER PALAVRA Exemplos: pós-graduação, pré-escolar, pró-democracia. Obs.: se os prefixos não forem autônomos, não haverá hífen. Exemplos: predeterminado, pressupor, pospor, propor. Circum-, Pan- H / M / N / VOGAL Exemplos: circum-meridiano, circum-navegação, circum-oral, pan-americano, pan-mágico, pan-negritude. Pseudoprefixos (diferem-se dos prefixos por apresentarem elevado grau de independência e possuírem uma significação mais ou menos delimitada, presente à consciência dos falantes.) Aero-, Agro-, Arqui-, Auto-, Bio-, Eletro-, Geo-, Hidro-, Macro-, Maxi-, Mega, Micro-, Mini-, Multi- , Neo-, Pluri-, Proto-, Pseudo-, Retro-, Semi-, Tele- H / VOGAL IDÊNTICA À QUE TERMINA O PREFIXO Exemplos com H: geo-histórico, mini-hospital, neo-helênico, proto-história, semi-hospitalar. Exemplos com vogal idêntica: arqui-inimigo, auto-observação, eletro-ótica, micro-ondas, micro-ônibus, neo-ortodoxia, semi-interno, tele-educação. Importante 1) Não se utilizará o hífen em palavrasiniciadas pelo prefixo ‘co-’. Ele irá se juntar ao segundo elemento, mesmo que este se inicie por 'o' ou 'h'. Neste último caso, corta -se o 'h'. Se a palavra seguinte começar com 'r' ou 's', dobram-se essas letras. Exemplos: coadministrar, coautor, coexistência, cooptar, coerdeiro corresponsável, cosseno. 2) Com os prefixos pre- e re- não se utilizará o hífen, mesmo diante de palavras começadas por 'e'.
  • 30. Exemplos: preeleger, preexistência, reescrever, reedição. 3) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo terminar em vogal e o segundo elemento começar por r ous, estas consoantes serão duplicadas e não se utilizará o hífen. Exemplos: antirreligioso, antissemita, arquirrivalidade, autorretrato, contrarregra, contrassenso, extrasseco, infrassom, eletrossiderurgia, neorrealismo, etc. Atenção: Não confunda as grafias das palavras autorretrato e porta-retrato. A primeira é composta pelo prefixo auto-, o que justifica a ausência do hífen e a duplicação da consoante 'r'. 'Porta -retrato', por outro lado, não possui prefixo: o elemento 'porta' trata-se de uma forma do verbo "portar". Assim, esse substantivo composto deve ser sempre grafado com hífen. 4) Nas formações em que o prefixo ou pseudoprefixo terminar em vogal e o segundo elemento começar por vogal diferente, não se utilizará o hífen. Exemplos: antiaéreo, autoajuda, autoestrada, agroindustrial, contraindicação, infraestrutura, intraocular, plurianual, pseudoartista, semiembriagado, ultraelevado, etc. 5) Não se utilizará o hífen nas formações com os prefixos des- e in-, nas quais o segundo elemento tiver perdido o "h" inicial. Exemplos: desarmonia, desumano, desumidificar, inábil, inumano, etc. 6) Não se utilizará o hífen com a palavra não, ao possuir função prefixal. Exemplos: não violência, não agressão, não comparecimento. Lembre-se: Não se utiliza o hífen em palavras que possuem os elementos "bi", "tri", "tetra", "penta", "hexa", etc. Exemplos: bicampeão, bimensal, bimestral, bienal, tridimensional, trimestral, triênio, tetracampeã o, tetraplégico, pentacampeão, pentágono, etc. Observações: - Em relação ao prefixo "hidro", em alguns casos pode haver duas formas de grafia. Exemplos:
  • 31. "Hidroavião" e "hidravião"; "hidroenergia" e "hidrenergia" - No caso do elemento "socio", o hífen será utilizado apenasquando houver função de substantivo (= de associado). Exemplos: sócio-gerente / socioeconômico Saiba Mais sobre o Uso do Hífen - Travessão e Hífen Não confunda o travessão com o hífen: o travessão é um sinal de pontuação mais longo do que o hífen. - Hífen e translineação Havendo coincidência de fim de linha com o hífen, deve-se,por clareza gráfica, repeti-lo no início da linha seguinte. Exemplos: ex- - alferes guarda- -chuva Por favor, diga- -nos logo o que aconteceu. Conheça algumas diferenças de significação que o uso (ou ausência) do hífen pode provocar: Significado sem uso do hífen Significado com uso do hífen Meio dia = metade do dia Ao meio-dia = às 12h Pão duro = pão envelhecido Pão-duro = sovina
  • 32. Cara suja = rosto sujo Cara-suja = espécie de periquito Copo de leite = copo com leite Copo-de-leite = flor Sinais de Pontuação Os sinais de pontuação são recursos gráficos próprios da linguagem escrita.Embora não consigam reproduzir toda a riqueza melódica da linguagem oral,eles estruturam os textos e procuram estabelecer as pausas e as entonações da fala.Basicamente,têm como finalidade: 1) Assinalar as pausas e as inflexões de voz (entoação) na leitura; 2) Separar palavras,expressões e orações que devem ser destacadas; 3) Esclarecer o sentido da frase,afastando qualquer ambiguidade. Veja a seguir os sinais de pontuação mais comuns,responsáveis por dar à escrita maior clareza e simplicidade. Vírgula ( , ) A vírgula indica uma pausa pequena,deixando a voz em suspenso à espera da continuação do período. Geralmente é usada: - Nas datas, para separar o nome da localidade. Por Exemplo:
  • 33. São Paulo,25 de agosto de 2005. - Após os advérbios "sim" ou "não", usados como resposta,no início da frase. Por Exemplo: – Você gostou do vestido? – Sim,eu adorei! – Pretende usá-lo hoje? – Não, no final de semana. - Após a saudaçãoem correspondência (social e comercial). Exemplos: Com muito amor, Respeitosamente, - Para separar termos de uma mesma função sintática. Por Exemplo: A casa tem três quartos,dois banheiros,três salas e um quintal. Obs.: a conjunção "e" substitui a vírgula entre o último e o penúltimo termo. - Para destacar elementos intercalados, como: a) uma conjunção Por Exemplo: Estudamos bastante,logo,merecemos férias! b) um adjunto adverbial Por Exemplo: Estas crianças,com certeza,serão aprovadas. Obs.: a rigor, não é necessárioseparar por vírgula o advérbio e a locução adverbial, principalmente quando de pequeno corpo, a não ser que a ênfase o exija. c) um vocativo Por Exemplo: Apressemo-nos,Lucas,pois não quero chegar atrasado. d) um aposto Por Exemplo: Juliana,a aluna destaque,passou no vestibular. e) Uma expressãoexplicativa (isto é, a saber, por exemplo, ou melhor, ou antes, etc.)
  • 34. Por Exemplo: O amor,isto é, o mais forte e sublime dos sentimentos humanos,tem seu princípio em Deus. - Para separar termos deslocados de sua posição normal na frase. Por Exemplo: O documento de identidade,você trouxe? - Para separar elementos paralelos de um provérbio. Por Exemplo: Tal pai, tal filho. - Para destacar os pleonasmos antecipados ao verbo. Por Exemplo: As flores,eu as recebi hoje. - Para indicar a elipse de um termo. Por Exemplo: Daniel ficou alegre;eu, triste. - Para isolar elementos repetidos. Exemplos: A casa, a casa está destruída. Estão todos cansados,cansados de dar dó! - Para separar orações intercaladas. Por Exemplo: O importante,insistiam os pais,era a segurança da escola. - Para separar orações coordenadas assindéticas. Por Exemplo: O tempo não para no porto, não apita na curva, não espera ninguém. - Para separar orações coordenadas adversativas, conclusivas, explicativas e algumas orações alternativas. Exemplos: Esforçou-se muito,porém não conseguiu o prêmio. Vá devagar, que o caminho é perigoso. Estuda muito,pois será recompensado. As pessoas ora dançavam,ora ouviam música.
  • 35. ATENÇÃO Embora a conjunção "e" seja aditiva, há três casos em que se usa a vírgula antes de sua ocorrência: 1) Quando as orações coordenadas tiverem sujeitos diferentes. Por Exemplo: O homem vendeu o carro, e a mulher protestou. Neste caso,"O homem"é sujeito de "vendeu", e "A mulher"é sujeito de "protestou". 2) Quando a conjunção "e" vier repetida com a finalidade de dar ênfase (polissíndeto). Por Exemplo: E chora, e ri, e grita, e pula de alegria. 3) Quando a conjunção "e" assumir valores distintos que não seja da adição (adversidade, consequência, por exemplo) Por Exemplo: Coitada!Estudou muito,e ainda assim não foi aprovada. - Para separar orações subordinadas substantivas e adverbiais (quando estiverem antes da oração principal). Por Exemplo: Quem inventou a fofoca, todos queriam descobrir. Quando voltei, lembrei que precisava estudar para a prova. - Para isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas. Por Exemplo: A incrível professora,que ainda estava na faculdade,dominava todo o conteúdo. Ponto e vírgula ( ; ) O ponto e vírgula indica uma pausa maior que a vírgula e menor que o ponto.Quanto à melodia da frase, indica um tom ligeiramente descendente,mas capazde assinalar que o período não terminou.Emprega - se nos seguintes casos: - Para separar orações coordenadas não unidas por conjunção, que guardem relaçãoentre si. Por Exemplo: O rio está poluído; os peixes estão mortos. - Para separar orações coordenadas, quando pelo menos uma delas já possui elementos separados por vírgula. Por Exemplo:
  • 36. O resultado final foi o seguinte:dez professores votaram a favor do acordo; nove, contra. - Para separar itens de uma enumeração. Por Exemplo: No parque de diversões,as crianças encontram: brinquedos; balões; pipoca. - Para alongar a pausa de conjunções adversativas (mas, porém, contudo, todavia, entretanto, etc.) , substituindo, assim, a vírgula. Por Exemplo: Gostaria de vê-lo hoje; todavia,só o verei amanhã. - Para separar orações coordenadas adversativas quando a conjunção aparecer no meio da oração. Por Exemplo: Esperava encontrar todos os produtos no supermercado;obtive,porém,apenas alguns. Dois-pontos ( : ) O uso de dois-pontos marca uma sensível suspensão da voz numa frase não concluída.Emprega-se, geralmente: - Para anunciar a fala de personagens nas histórias de ficção. Por Exemplo: "Ouvindo passos no corredor,abaixei a voz : – Podemos avisar sua tia, não?" (Graciliano Ramos) - Para anunciar uma citação. Por Exemplo: Bem diz o ditado: Água mole em pedra dura,tanto bate até que fura. Lembrando um poema de Vinícius de Moraes: "Tristeza não tem fim, Felicidade sim." - Para anunciar uma enumeração. Por Exemplo: Os convidados da festa que já chegaram são:Júlia,Renata,Paulo e Marcos. - Antes de orações apositivas. Por Exemplo: Só aceito com uma condição:irás ao cinema comigo. - Para indicar um esclarecimento,resultado ou resumo do que se disse.
  • 37. Exemplos: Marcelo era assim mesmo:não tolerava ofensas. Resultado:corri muito,mas não alcancei o ladrão. Em resumo:montei um negócio e hoje estou rico. Obs.: os dois-pontos costumam ser usados na introdução de exemplos, notas ou observações. Veja: Parônimos são vocábulos diferentes na significação e parecidos na forma. Exemplos: ratificar/retificar,censo/senso, etc. Nota: a preposição "per", considerada arcaica,somente é usada na frase "de per si " (= cada um por sua vez, isoladamente). Observação: na linguagem coloquial pode-se aplicar o grau diminutivo a alguns advérbios: cedinho, melhorzinho, etc. - Na invocação das correspondências. Por Exemplo: Prezados Senhores: Convidamos todos para a reunião deste mês,que será realizada dia 30 de julho,no auditório da empresa. Atenciosamente, A Direção Ponto Final ( . ) O ponto final representa a pausa máxima da voz. A melodia da frase indica que o tom é descendente. Emprega-se,principalmente: - Para fechar o período de frases declarativas e imperativas. Exemplos: Contei ao meu namorado o que eu estava sentindo. Façam o favor de prestar atenção naquilo que irei falar. - Nas abreviaturas. Exemplos: Sr. (Senhor) Cia. (Companhia) Ponto de Interrogação ( ? ) O ponto de interrogação é usado ao final de qualquer interrogação direta,ainda que a pergunta não exija resposta.A entoação ocorre de forma ascendente. Exemplos: Onde você comprou este computador? Quais seriam as causas de tantas discussões? Por que não me avisaram?
  • 38. Obs.: não se usa ponto interrogativo nas perguntas indiretas. Por Exemplo: Perguntei quem era aquela criança. Note que: 1) O ponto de interrogação pode aparecer ao final de uma pergunta intercalada, entre parênteses. Por Exemplo: Trabalhar em equipe (quem o contesta?) é a melhor forma para atingir os resultados esperados. 2) O ponto de interrogação pode realizar combinação com o ponto admirativo. Por Exemplo: Eu?! Que ideia! Ponto de Exclamação ( ! ) O ponto de exclamação é utilizado após as interjeições,frases exclamativas e imperativas.Pode exprimir surpresa,espanto,susto,indignação,piedade,ordem,súplica,etc. Possui entoação descendente. Exemplos: Como as mulheres são lindas! Pare, por favor! Ah! Que pena que ele não veio... Obs.: o ponto de exclamaçãosubstitui o uso da vírgula de um vocativo enfático. Por Exemplo: Ana! venha até aqui! Reticências ( ... ) As reticências marcam uma suspensão da frase,devido,muitas vezes a elementos de natureza emocional.Empregam-se: - Para indicar continuidade de uma ação ou fato. Por Exemplo: O tempo passa... - Para indicar suspensão ou interrupção do pensamento. Por Exemplo: Vim até aqui achando que... - Para representar,na escrita,hesitações comuns na língua falada.
  • 39. Exemplos: "Vamos jantar amanhã? – Vamos...Não...Pois vamos." Não quero sobremesa...porque...porque não estou com vontade. - Para realçar uma palavra ou expressão. Por Exemplo: Não há motivo para tanto...mistério. - Para realizar citações incompletas. Por Exemplo: O professor pediu que considerássemos esta passagem do hino brasileiro: "Deitado eternamente em berço esplêndido..." - Para deixar o sentido da frase em aberto, permitindo uma interpretaçãopessoal do leitor. Por Exemplo: "Estou certo, disse ele,piscando o olho,que dentro de um ano a vocação eclesiástica do nosso Bentinho se manifesta clara e decisiva.Há de dar um padre de mão- cheia.Também,se não vier em um ano..." (Machado de Assis) Saiba que As reticências e o ponto de exclamação,sinais gráficos subjetivos de grande poder de sugestão e ricos em matizes melódicos, são ótimos auxiliares da linguagem afetiva e poética. Seu uso, porém, é antes arbitrário, pois depende do estado emotivo do escritor. Parênteses ( ( ) ) Os parênteses têm a função de intercalar no texto qualquer indicação que,embora não pertença propriamente ao discurso,possa esclarecer o assunto.Empregam-se: - Para separar qualquer indicação de ordem explicativa, comentário ou reflexão. Por Exemplo: Zeugma é uma figura de linguagem que consiste na omissão de um termo (geralmente um verbo)que já apareceu anteriormente na frase. - Para incluir dados informativos sobre bibliografia (autor, ano de publicação, página etc.) Por Exemplo: " O homem nasceu livre,e em toda parte se encontra sob ferros" (Jean- Jacques Rousseau,Do Contrato Social e outros escritos. São Paulo, Cultrix,1968.) - Para isolar orações intercaladas com verbos declarativos, em substituição à vírgula e aos travessões. Por Exemplo: Afirma-se (não se prova) que é muito comum o recebimento de propina para que os carros apreendidos sejam liberados sem o recolhimento das multas.
  • 40. - Para delimitar o período de vida de uma pessoa. Por Exemplo: Carlos Drummond de Andrade (1902 – 1987). - Para indicar possibilidades alternativas de leitura. Por Exemplo: Prezado(a) usuário(a). - Para indicar marcações cênicas numa peça de teatro. Por Exemplo: Abelardo I - Que fim levou o americano? João - Decerto caiu no copo de uísque! Abelardo I - Vou salvá-lo.Até já! (sai pela direita) (Oswald de Andrade) Obs.: num texto, havendo necessidade de utilizar alíneas, estas podem ser ordenadas alfabeticamente por letras minúsculas, seguidas de parênteses (Note que neste casoas alíneas, exceto a última, terminam com ponto e vírgula). Por Exemplo: No Brasil existem mulheres: a) morenas; b) loiras; c) ruivas. Os Parênteses e a Pontuação Veja estas observações: 1) As frases contidas dentro dos parênteses não costumam ser muito longas,mas devem manter pontuação própria,além da pontuação normal do texto. 2) O sinal de pontuação pode ficar interno aos parênteses ou externo, conforme o caso.Fica interno quando há uma frase completa contida nos parênteses. Exemplos: É importante ter atenção ao uso dos parênteses. (Eles exigem um cuidado especial!) Vamos confiar (Por que não?) que cumpriremos a meta. Se o enunciado contido entre parênteses não for uma frase completa, o sinal de pontuação ficará externo. Por Exemplo: O rali começou em Lisboa (Portugal) e terminou em Dacar (Senegal).
  • 41. 3) Antes do parêntese não se utilizam sinais de pontuação,exceto o ponto. Quando qualquer sinal de pontuação coincidir com o parêntese de abertura,deve-se optar por colocá-lo após o parêntese de fecho. Travessão ( – ) O travessão é um traço maior que o hífen e costuma ser empregado: - No discurso direto, para indicar a fala da personagem ou a mudança de interlocutor nos diálogos. Por Exemplo: – O que é isso, mãe? – É o seu presente de aniversário,minha filha. - Para separar expressões ou frases explicativas, intercaladas. Por Exemplo: "E logo me apresentou à mulher, – uma estimável senhora – e à filha." (Machado de Assis) - Para destacar algum elemento no interior da frase, servindo muitas vezes para realçar o aposto. Por Exemplo: "Junto do leito meus poetas dormem – O Dante,a Bíblia,Shakespeare e Byron – Na mesa confundidos."(Álvares de Azevedo) - Para substituir o uso de parênteses, vírgulas e dois-pontos, em alguns casos. Por Exemplo: "Cruel, obscena,egoísta,imoral,indômita,eternamente selvagem,a arte é a superioridade humana – acima dos preceitos que se combatem,acima das religiões que passam,acima da ciência que se corrige;embriaga como a orgia e como o êxtase." (Raul Pompeia) Aspas ( " " ) As aspas têm como função destacar uma parte do texto. São empregadas: - Antes e depois de citações ou transcrições textuais. Por Exemplo: Como disse Machado de Assis: "A melhor definição do amor não vale um beijo de moça namorada." - Para representar nomes de livros ou legendas. Por Exemplo:
  • 42. Camões escreveu "Os Lusíadas" no século XVI. Obs.: para realçar títulos de livros, revistas, jornais, filmes, etc. também podemos grifar as palavras, conforme o exemplo: Ontem assisti ao filme Centraldo Brasil. - Para assinalar estrangeirismos, neologismos, gírias, expressões populares, ironia. Exemplos: O "lobby" para que se mantenha a autorização de importação de pneus usados no Brasil está cada vez mais descarado.(Veja) Com a chegada da polícia,os três suspeitos "se mandaram" rapidamente. Que "maravilha":Felipe tirou zero na prova! - Para realçar uma palavra ou expressão. Exemplos: Mariana reagiu impulsivamente e lhe deu um "não". Quem foi o "inteligente" que fez isso? Obs.: em trechos que já estiverem entre aspas,se necessáriousá-las novamente, empregam-se aspas simples. Por Exemplo: "Tinha-me lembrado da definição que José Dias dera deles, 'olhos de cigana oblíqua e dissimulada'. Eu não sabia o que era oblíqua, mas dissimulada sabia, e queria ver se podiam chamar assim. Capitu deixou-se fitar e examinar." (Machado de Assis) Colchetes ( [ ] ) Os colchetes têm a mesma finalidade que os parênteses;todavia,seu uso se restringe aos escritos de cunho didático,filológico,científico. Pode ser empregado: - Em definições do dicionário, para fazer referência à etimologia da palavra. Por Exemplo: amor- (ô). [Do lat. amore.] 1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem,ou de alguma coisa:amor ao próximo;amor ao patrimônio artístico de sua terra. (Novo Dicionário Aurélio) - Para intercalar palavras ou símbolos não pertencentes ao texto. Por Exemplo: Em Aruba se fala o espanhol,o inglês,o holandês e o papiamento.Aqui estão algumas palavras de papiamento que você,com certeza, vai usar: 1- Bo ta bon? [Você está bem?] 2- Dios no ta di Brazil. [Deus não é brasileiro.] - Para inserir comentários e observações em textos já publicados. Por Exemplo:
  • 43. Machado de Assis escreveu muitas cartas a Sílvio Dinarte.[pseudônimo de Visconde de Taunay, autor de "Inocência"] - Para indicar omissões de partes na transcriçãode um texto. Por Exemplo: "É homem de sessenta anos feitos [...] corpo antes cheio que magro,ameno e risonho"(Machado de Assis) Asterisco ( * ) O asterisco,sinal gráfico em forma de estrela,costuma ser empregado: - Nas remissões a notas ou explicações contidas em pé de páginas ou ao final de capítulos. Por Exemplo: Ao analisarmos as palavras sorveteria,sapataria,confeitaria,leiteria e muitas outras que contêm o morfema preso* -aria e seu alomorfe -eria,chegamos à conclusão de que este afixo está ligado a estabelecimento comercial. Em alguns contextos pode indicar atividades,como em:bruxaria, gritaria,patifaria, etc. * É o morfema que não possui significação autônoma e sempre aparece ligado a outras palavras. - Nas substituições de nomes próprios não mencionados. Por Exemplo: O Dr.* conversou durante toda a palestra. O jornal*** não quis participar da campanha. Parágrafo ( § ) O símbolo para parágrafo,representado por §,equivale a dois ésses (S) entrelaçados,iniciais das palavras latinas "Signum sectionis"que significam sinal de secção,de corte. Num ditado,quando queremos dizer que o período seguinte deve começar em outra linha,falamos parágrafoou alínea. A palavra alínea (vem do latim a + lines) e significa distanciado da linha,isto é,fora da margem em que começam as linhas do texto. O uso de parágrafos é muito comum nos códigos de leis. Por Exemplo: § 7º Lei federal disporá sobre as normas gerais a serem obedecidas na efetivação do disposto no § 4º.(Incluído pela Emenda Constitucional nº19, de 1998)